A DIGNIDADE DA PESSOA E O BEM COMUM NO CONCÍLIO VATICANO II

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A DIGNIDADE DA PESSOA E O BEM COMUM NO CONCÍLIO VATICANO II"

Transcrição

1 A DIGNIDADE DA PESSOA E O BEM COMUM NO CONCÍLIO VATICANO II The Dignity of the Person and the Common Good in the Vatican Council II Pe. Ailbe O Reilly, ORC 1 RESUMO A dignidade humana é a excelência que cada pessoa humana possui por ser criada com inteligência e livre arbítrio. Todos possuem esta dignidade por terem a mesma vocação à comunhão com a Santíssima Trindade. Esta comunhão com Deus é iniciada pela nossa incorporação no Corpo Místico de Cristo no batismo. Isto nos confere uma nova dignidade, a dignidade cristã. Tanto a nossa dignidade humana como a nossa dignidade cristã estão em potência a uma dignidade moral, isto é, à dignidade que adquirimos pela obediência ao plano de Deus. É precisamente por esta vida virtuosa que alcançamos a nossa dignidade definitiva, nossa comunhão perfeita com Deus. O bem comum tem como fim facilitar a vida virtuosa de cada pessoa, facilitar a caminhada em direção a nossa dignificação definitiva com Deus, e isto, na sociedade perfeita, na Comunhão dos Santos. PALAVRAS-CHAVE: Dignidade humana. Dignidade cristã. Comunhão. Bem comum. Solidariedade. INTRODUÇÃO É com veemência que a Igreja ensina que o fundamento e o objeto primário da doutrina social da Igreja é a dignidade da pessoa humana com os seus direitos inalienáveis, que formam o núcleo da verdade sobre o homem. 2 Sem uma apreciação da pessoa humana feita à imagem e semelhança de Deus, isto é, criada com inteligência e vontade livre e por isso chamada a realizar-se pelo uso livre das suas próprias capacidades não podemos entender corretamente a relação entre pessoa e sociedade. Para entender bem o papel da sociedade é necessário entender a verdade sobre cada pessoa humana. Ademais, para entender bem o papel da Sociedade das sociedades o Corpo Místico de Cristo é necessário entender a vocação de cada ser humano. O conceito dignidade se refere a um bem, a um bem que somente os seres com inteligência e liberdade possuem. Todos os seres participam dos assim chamados transcendentais, isto é, todo ser é um, é verdadeiro e é bom. Porém o ser humano possui uma bondade que chamamos de dignidade. Nossas reflexões sobre o tema da dignidade 1 Pe. Ailbe O Reilly ORC é Mestre na Teologia do Matrimônio e da Família pelo Instituto João Paulo II, Roma e Doutor em Teologia Moral pela Universidade de Santo Tomás, ou seja, pelo Angelicum, Roma. Atualmente é Coordenador do Curso de Teologia na Faculdade Católica de Anápolis. 2 CONGREGAÇÃO PARA A EDUCAÇÃO CATÓLICA, Orientações para o Estudo e o Ensino da Doutrina Social da Igreja na Formação Sacerdotal, Roma No. 4.

2 nos levaram ao ponto de formular a seguinte definição: a dignidade é a bondade específica do ser inteligente, ou seja, é a bondade que é exclusivamente presente em Deus, nos anjos e nas pessoas humanas. Somente pessoas possuem a bondade que chamamos de dignidade. Evidentemente não podemos comparar a Dignidade Divina e a dignidade da pessoa criada. Existe uma diferença infinita entre estas dignidades. Por isso, o termo dignidade é usado de forma análoga, isto é, as várias maneiras de usar este conceito têm algo em comum e algo diferente: tanto Deus como o ser humano possuem liberdade, mas há diferença infinita entre uma liberdade finita/limitada e a liberdade infinita/ilimitada, ou seja, divina. O escopo principal deste artigo é de explorar a doutrina do Concílio Vaticano II sobre a dignidade da pessoa humana e sua relação como a sociedade. Veremos que a sociedade, por meio do bem comum, está a serviço da pessoa. Faremos algumas referências à Sagrada Escritura e a outras fontes do Magistério na medida em que servem para corroborar a visão do Concílio. I. A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA A primeira verdade que a Sagrada Escritura pronuncia sobre o homem diz respeito a sua dignidade. Então Deus disse: Façamos o homem à nossa imagem e semelhança. 3 O homem foi criado à imagem e semelhança de Deus e, por isso, ele tem um valor que o coloca acima de todo o mundo visível. O Concílio ensina que: O homem na verdade não se engana quando se reconhece superior aos elementos materiais, e não se considera somente uma partícula da natureza ou um elemento anônimo da cidade humana. Com efeito, por sua vida interior, o homem excede a universalidade das coisas. 4 Por ter sido criado à imagem de Deus o homem é a única criatura visível que é capaz de conhecer e amar seu Criador. 5 A dignidade do homem consiste na sua inteligência e no seu livre arbítrio. Mas estas capacidades são ordenadas à comunhão com Deus. Com outras palavras: o homem tem inteligência e livre arbítrio precisamente para poder entrar, estar e crescer numa comunhão com o Sumo Bem que é Deus. Entre todas as criaturas visíveis somente o homem é capaz disso. É por isso que o homem é a única criatura na terra que Deus quis por si mesmo. 6 3 Gênesis 1,26. 4 Concílio Vaticano II, Gaudium et Spes, Concílio Vaticano II, Gaudium et Spes, Concílio Vaticano II, Gaudium et Spes, 24.

3 Por ser à imagem de Deus, o indivíduo humano tem a dignidade de pessoa: ele não é apenas alguma coisa, mas alguém. 7 Com isso, podemos dizer que a dignidade da pessoa humana consiste principalmente na sua excelência de ser criado à imagem e semelhança de Deus, isto é, com inteligência e livre arbítrio. parte de Jó: Que todos os homens gozem de uma dignidade igual recebe certo testemunho da Nunca violei o direito de meus escravos, ou de minha serva, em suas discussões comigo. Que farei eu quando Deus se levantar? Quando me interrogar, que lhe responderei? Aquele que me criou no ventre, não o criou também a ele? Um mesmo criador não nos formou no seio da nossa mãe? 8 Todas as pessoas humanas dono, escravo, serva, pobre e órfão são igualmente criaturas de Deus. Jó chega ao ponto de pedir o castigo de Deus sobre si mesmo caso ele violasse os direitos do pobre ou do órfão: Se vi perecer um homem por falta de roupas, e o pobre que não tinha com que cobrir-se, sem que seus rins me tenham abençoado, aquecido como estava com a lã de minhas ovelhas; se levantei a mão contra o órfão, quando me via apoiado pelos juízes, que meu ombro caia de minhas costas, que meu braço seja arrancado de seu cotovelo! 9 Esta passagem da Sagrada Escritura nos ajuda intuir a igual dignidade que todas as pessoas humanas possuem. Gaudium et Spes nos dirá que a igualdade fundamental entre todos os homens deve ser cada vez mais reconhecida. 10 Pelo fato que não todos possuem as mesmas capacidades os homens não são todos iguais quanto à capacidade física e forças intelectuais e morais, variadas e diferentes em cada um 11 não podemos afirmar de forma simplória que todos têm direitos iguais. Tal afirmação nos levaria a conclusões absurdas: todos os brasileiros teriam direito de estudar medicina em uma Universidade Federal, tanto homem como mulher teria direito de gestar uma criança, todos teriam igual direito de emprestar grandes quantias do banco para montar uma empresa tendo capacidade ou não de ser empresário! Fórmulas simplórias como todos possuem direitos iguais podem nos desviar da verdade sobre o ser humano. Para entender bem a questão dos direitos iguais, é necessário distinguir entre os direitos naturais que são inalienáveis e os direitos civis que, em certo sentido, são relativos: 7 Catecismo da Igreja Católica, n Jó 31, Jó 31, Concílio Vaticano II, Gaudium et Spes, Concílio Vaticano II, Gaudium et Spes, 29.

4 Falando dos direitos naturais devemos falar de uma verdadeira igualdade. Todos têm igual direito ao alimento, ao vestuário e á moradia. Todos possuem direitos iguais de se casarem e de estabelecer uma família. Falando dos direitos civis, isto é, dos direitos individuais de cada cidadão, precisamos introduzir a conceito de proporção. O cidadão tem direitos em proporção às suas capacidades e à sua contribuição. Estes podem e devem ser avaliados por meio de exame ou outro meio comum, que exclui rigorosamente toda discriminação injusta. 12 Em geral podemos afirmar que todos têm direito igual de desenvolver as capacidades que realmente possuem sejam estas capacidades grandes ou pequenas. E, por isso, todos devem ter acesso aos direitos fundamentais da pessoa, 13 tais como comida, bebida, roupa, moradia, educação e saúde. Resumindo, com a ajuda de uma imagem bíblica, podemos dizer que todos têm direito igual às condições necessárias para desenvolver seus talentos, seja que eles foram dotados com um único talento ou com dez talentos. Eis o princípio geral. Porém, parece correto dizer que se os responsáveis precisam (por causa de condições particulares) decidir entre favorecer um ou outro, eles devem favorecer aquele que pode contribuir mais para o bem comum. II. A DIGNIDADE DA PESSOA CRISTÃ A vocação do homem se reconhece e se realiza em Cristo. Sem a Encarnação o homem não poderia reconhecer a grandeza a qual ele está chamado. De fato, é Cristo que revela o homem ao homem; sem Cristo não poderíamos reconhecer a finalidade da nossa existência. Sem Cristo nossa vida é um enigma: Novo Adão, na mesma revelação do mistério do Pai e de seu amor, Cristo manifesta plenamente o homem ao próprio homem e lhe descobre a sua altíssima vocação. 14 Por Cristo, Deus nos oferece o dom da felicidade eterna. O segundo elemento da nossa compreensão da dignidade da pessoa humana é visto quando refletimos no mistério da Encarnação. Para entender o ensinamento do Vaticano II sobre a dignidade, mencionemos aqui três fatores: 12 Para um ulterior aprofundamento sobre o direitos humanos referimos nossos leitores aos números 8-30 da Carta Encíclica Pacem in Terris do Papa João XXIII. 13 Concílio Vaticano II, Gaudium et Spes, Concílio Vaticano II, Gaudium et Spes, 22.

5 1. A dignidade de que cada homem goza em virtude de sua criação à imagem e semelhança de Deus (este ponto já foi explanado acima). 2. Parece que podemos falar de uma nova dignidade que cada homem recebeu em virtude da Encarnação. 3. A dignidade das pessoas incorporadas no Corpo Místico de Cristo pelo Batismo. A nova dignidade que cada homem recebeu em virtude da Encarnação Oferecemos agora uma explicação da dignidade que resulta para todos os homens do mistério da Encarnação. Gaudium es Spes ensina: Já que, nele [em Cristo], a natureza humana foi assumida, e não destruída, por isso mesmo, também em nós foi ela elevada a sublime dignidade. Porque, pela sua encarnação, ele, o Filho de Deus, uniu-se de certo modo a cada homem. Trabalhou com mãos humanas, pensou com uma inteligência humana, agiu com uma vontade humana, amou com um coração humano. Nascido da Virgem Maria, tornou-se verdadeiramente um de nós, semelhante a nós em tudo, exceto no pecado. 15 A afirmação, pela sua encarnação o Filho de Deus uniu-se de certo modo a cada homem, indica que, de algum modo, todas as pessoas humanas adquiriram uma nova dignidade pelo Mistério de Cristo. Contudo, parece que esta nova dignidade consiste no fato que o Filho de Deus se uniu a todos os homens por ter nascido de uma mulher, trabalho com mãos humanas e pensado com inteligência humana. Parece-nos que seria melhor descrever este união com uma união moral. A união moral existe, por exemplo, no Corpo de Bombeiros, quando todos se unem em prosseguir certo fim, no caso, a salvação de vidas humanas. Neste sentido Cristo se fez solidário com os homens. Ele se uniu e se une com os homens na sua procura de uma verdadeira realização humana. Porém, este união moral não é suficiente para descrever o que acontece no Batismo, não exausta nem explica nossa nova dignidade em Cristo. A nova dignidade que os batizados recebem de Cristo pelo Batismo O mesmo documento parece referir-nos à dignidade propriamente cristã, nos seguintes termos: O cristão, tornado conforme à imagem do Filho que é o primogênito entre a multidão dos irmãos, recebe as primícias do Espírito (Rm 8, 23), que o tornam capaz de cumprir a lei nova do amor. Por meio deste Espírito, penhor da herança (Ef 1, 14), o homem todo é renovado interiormente, até à redenção do corpo (Rm 8, 23) Concílio Vaticano II, Gaudium et Spes, Concílio Vaticano II, Gaudium et Spes, 22.

6 Aqui fala de uma renovação interior, que não pode ser reduzida a uma união de solidariedade com Cristo. Parece que uma das melhores expressões desta dignidade se encontra na exclamação de São Leão Magna: Cristão, reconhece a tua dignidade. Por participares agora da natureza divina, não te degeneres retornando à decadência de tua vida passada. Lembra-te da Cabeça a que pertences e do Corpo de que és membro. Lembra-te de que foste arrancado do poder das trevas e transferido para a luz e o Reino de Deus. 17 Com esta citação fica mais claro que o cristão, como participante da vida divina, tem uma dignidade que excede a dos não-cristãos. A dignidade humana está a serviço da vida divina nas nossas almas. Com outras palavras: fomos criados com inteligência e livre arbítrio para que pudéssemos receber a graça santificante e amar a Deus com amor sobrenatural. Falando dos leigos na Igreja Lumen Gentium baseando-se nas palavras de São Paulo Um só Senhor, uma só fé, um só batismo oferece o seguinte ensinamento: comum é a dignidade dos membros pela sua regeneração em Cristo, comum a graça de filhos, comum a vocação à perfeição. 18 Notemos que, segundo este texto, a conseqüência de termos uma comum dignidade não é que todos tenham os mesmos direitos, mas que todos tenham uma comum a vocação à perfeição. O chamamento à santidade, baseado no nosso batismo, é enfatizada nos seguintes termos: Se, na Igreja, nem todos caminham pela mesma via, ainda assim, todos são chamados à santidade. 19 Para que cheguemos à santidade é certo que alguns, por vontade de Cristo, são constituídos como doutores, administradores dos mistérios e pastores para os outros. Porém, reina afinal entre todos verdadeira igualdade no que respeita à dignidade e à ação comum de todos os fiéis para a edificação do corpo de Cristo. 20 A dignidade que todos os fiéis tem em comum pode ser deduzido do seguinte texto do Apostolicam Actuositatem: O dever e o direito do apostolado dos leigos deriva da união destes com Cristo cabeça. Com efeito, inseridos no corpo místico de Cristo pelo batismo e robustecidos pela virtude do Espírito Santo na confirmação, os leigos são deputados pelo próprio Senhor para o apostolado. 21 É precisamente por sermos todos inseridos no corpo místico de Cristo pelo batismo que temos uma dignidade cristã, que é superior à dignidade humana. Porém, dentro da 17 São Leão Magno, Sermão 21,2-3. Citado no Catecismo da Igreja Católica, n Concílio Vaticano II, Lumen Gentium, n Concílio Vaticano II, Lumen Gentium, n Concílio Vaticano II, Lumen Gentium, n Concílio Vaticano II, Apostolicam Actuositatem, n. 3.

7 comunidade cristã, devemos falar de uma verdadeira igualdade: todos os membros da Santa Igreja são igualmente filhos. Todos receberam a mesma graça de adoção. Ninguém pode dizer que é mais filho que o outro. Cristo, no batismo, deu a todos a graça de ser filho do Pai, por isso, filho no Filho. Nossa enxertação em Cristo nos chama à imitação de Cristo. A final, o enxerto deve assumir as características do tronco que o recebeu. III. A COMUNHÃO COM DEUS COMO RAZÃO DE SER DA NOSSA DIGNIDADE Já afirmamos que a pessoa humana tem inteligência e livre arbítrio para poder entrar em comunhão com o Sumo Bem que é Deus. Sabemos que esta comunhão só pode ser atingida por Cristo. Daí, podemos ver que nossa dignidade se fundamenta na nossa vocação: A razão principal da dignidade humana consiste na vocação do homem para a comunhão com Deus. 22 Só podemos reconhecer o valor dum homem quando reconhecemos quão elevado é o fim que Deus deu à vida humana. Reconhecendo a vocação do homem reconhecemos a sua dignidade. Deus criou tudo para o homem, mas o homem foi criado para servir e amar a Deus. 23 Todos são chamados a pertencer a Cristo e em Cristo amar a Deus: Com efeito, já que por todos morreu Cristo e que a vocação última de todos os homens é realmente uma só, a saber, a divina. 24 A vocação do homem é divina! Não somos chamados a uma mera realização humana, mas a uma realização divina a uma participação da vida divina e, no céu, a uma participação da felicidade da Santíssima Trindade. Em outro lugar Gaudium et Spes nos oferece uma síntese de tudo que falamos até agora e realça nosso destino divino: A igualdade fundamental entre todos os homens deve ser cada vez mais reconhecida, uma vez que, dotados de alma racional e criados à imagem de Deus, todos têm a mesma natureza e origem; e, remidos por Cristo, todos têm a mesma vocação e destino divinos. 25 Na comunhão com Deus temos o ápice e a causa final da dignidade da pessoa humana. 22 Concílio Vaticano II, Gaudium et Spes, Catecismo da Igreja Católica, n Concílio Vaticano II, Gaudium et Spes, Concílio Vaticano II, Gaudium et Spes, 29.

8 IV. A DIGNIDADE ADQUIRIDA PELA VIDA VIRTUOSA Para saber como chegar a este felicidade divina, identificamos agora o quarto elemento de nossa compreensão do conceito dignidade. Gaudium et Spes fala: Na intimidade da consciência, o homem descobre uma lei. Ele não a dá a si mesmo. Mas a ela deve obedecer. 26 O homem é chamado a obedecer a uma lei que foi inscrita no seu coração por Deus: De fato o homem tem uma lei escrita por Deus em seu coração... Obedecer a ela é a própria dignidade do homem, que será julgado de acordo com esta lei. 27 É necessário notar que, dentro da lógica do Capitulo de Gaudium et Spes que estamos focando, esta dignidade (que a pessoa humana adquire pela sua obediência á lei) não necessita da Lei de Cristo. É uma dignidade conquistada pela obediência à lei natural. Contudo, acreditamos que (por via de analogia) podemos falar de uma dignidade conquistada pela obediência a Lei de Cristo. Com o ensinamento da Gaudium et Spes vemos que o homem adquire uma nova dignidade obedecendo à lei de Deus. Isto nos revela um novo sentido deste conceito: Não se trata da excelência fundamental que o homem tem em virtude da sua natureza, isto é, de sua capacidade de conhecer e decidir livremente. Esta excelência fundamental parece ser a causa material da dignidade cristã. Não se refere a sua elevação em Cristo, que seria a realização inicial de sua comunhão com Deus. Esta elevação em Cristo parece ser a causa formal da dignidade cristã. Não se refere à sua vocação à comunhão perfeita com Deus no céu. Esta comunhão com Deus parece ser a causa final da dignidade cristã. Mas sim, se refere a uma maneira de agir, se refere à ação livre que se harmoniza com as três verdades acima mencionadas. Esta ação livre da pessoa humana (obedecendo à lei natural e cristã) parece ser a causa eficiente da dignidade que obteremos no céu pela comunhão perfeita com Deus, isto é, da nossa dignidade/dignificação definitiva. Contudo, em outro sentido, devemos dizer que esta ação virtuosa (esta obediência à lei) já é dignificante aqui na terra: obedecer a ela [á lei] é a própria dignidade do homem. 28 Neste sentido parece que, em certo sentido, pode ser considerado como uma causa formal da nossa dignidade aqui na terra. Aqui a dignidade é uma excelência possuída somente por aqueles que obedecem à lei de Deus. Quando o cristão não obedece à lei de Deus, isto é, quando ele age contra a razão, ele é de qualquer maneira menos que humano e certamente menos que cristão. Age duma forma que não combina nem com sua própria natureza, nem com sua nova 26 Concílio Vaticano II, Gaudium et Spes, Concílio Vaticano II, Gaudium et Spes, Concílio Vaticano II, Gaudium et Spes, 16.

9 dignidade em Cristo. Por isso, às vezes, ouvimos expressões como ele não tem dignidade, ele tem muita dignidade ou ela é uma pessoa digna da sua posição. Gaudium et Spes afirma que o: homem consegue esta dignidade quando, liberado de todo o cativeiro das paixões, caminha para o seu fim pela escolha livre do bem e procura eficazmente os meios aptos com diligente aplicação. 29 A pessoa humana atinge a dignidade moral quando ele vence as suas paixões e age duma maneira que é verdadeiramente virtuosa. V. O BEM COMUM A SERVIÇO DA PESSOA Começamos este artigo afirmando que a doutrina sobre a dignidade da pessoa é a chave para entender a vida social. Chegou o momento para examinar o papel da sociedade no processo da dignificação da pessoa humana. A tarefa principal de qualquer sociedade é o bem comum. Os homens se organizam em forma de comunidade sabendo que somente assim terão as condições de atingirem a realização mais plena de suas potencialidades. Neste sentido Gaudium et Spes nos oferece uma definição do bem comum. Ele é: o conjunto das condições da vida social que permitem, tanto aos grupos como a cada membro, alcançar mais plena e facilmente a própria perfeição. 30 Surge a pergunta: o que está incluído neste conjunto das condições que favorecem a perfeição dos pequenos grupos e de seus membros individuais? É evidente que este conjunto de condições inclui coisas como o asfalto, o esgoto, o hospital, a biblioteca e as escolas do município ou do estado. Porém, além destes elementos matérias devemos incluir elementos mais espirituais, tais como a honestidade e a competência administrativa do prefeito, dos políticos e dos funcionários públicos. Pensando no bem comum da Igreja de Cristo podemos pensar naquelas condições que favorecem nosso crescimento espiritual, como, por exemplo, a Igreja bem ventilada e com um bom sistema de som, salas de catequese bem equipadas, etc. Porém, aqui também é necessário incluir elementos mais espirituais no bem comum da Igreja. A sabedoria e a santidade dos sacerdotes e do Bispo pertencem ao bem comum da Igreja. Fazem parte do conjunto das condições que favorecem nossa perfeição. Além disso, podemos incluir a capacidade que nossos pastores têm de pregar não somente com clareza intelectual, mas com verdadeira paixão. A capacidade de pregar o 29 Concílio Vaticano II, Gaudium et Spes, Concílio Vaticano II, Gaudium et Spes, 26.

10 Evangelho com paixão é uma condição que ajuda os fiéis a chegar à perfeição cristã. Oferecemos estes exemplos para pôr em realce que o conceito bem comum não se limite às condições materiais que a comunidade oferece a seus membros. Tanto a sociedade humana como a sociedade cristã (a Igreja) devem fornecer aquelas condições que servem para as comunidades menores e ultimamente que servem a pessoa humana e cristã. Assim vemos que o bem comum está a serviço da perfeição e da felicidade da pessoa humana. Para ver como a mesma pessoa deve estar a serviço do bem comum e por meio dele, a serviço de um número maior de pessoas será muito útil explicar o termo solidariedade. VI. SOLIDARIEDADE O documento Gaudium et Spes aborda o tema da solidariedade de uma forma teológica. Começa constatando que Deus não criou os homens para viverem isolados, mas para se unirem em sociedade e continua afirmando que Ele quis santificar e salvar os homens, não individualmente... mas fazendo deles um povo que o reconhecesse em verdade e o servisse santamente. Ele escolheu os homens não só como indivíduos, mas como membros de determinada comunidade e com seu povo estabeleceu aliança no Sinai. 31 ensina: Olhando para o Novo Testamento, o Vaticano II Esta índole comunitária aperfeiçoa-se e completa-se com a obra de Jesus Cristo. Pois o próprio Verbo encarnado quis participar da vida social dos homens. Tomou parte nas bodas de Caná, entrou na casa de Zaqueu, comeu com os publicanos e pecadores. Não somente pelo exemplo, mas também pela pregação, oração e redenção, Ele mostrou a necessidade da solidariedade: Na sua pregação expressamente mandou aos filhos de Deus que se tratassem como irmãos. E na sua oração pediu que todos os seus discípulos fossem um. Ele próprio se ofereceu à morte por todos, de todos feito Redentor... Na própria constituição da Igreja, vemos a solidariedade: E mandou aos apóstolos pregar a todos os povos a mensagem evangélica para que o gênero humano se tornasse a família de Deus, na qual o amor fosse toda a lei. 31 Concílio Vaticano II, Gaudium et Spes, 32.

11 Primogênito entre muitos irmãos, estabeleceu, depois da sua morte e ressurreição, com o dom do seu Espírito, uma nova comunhão fraterna entre todos os que o recebem com fé e caridade, a saber: na Igreja, que é o seu corpo, no qual todos, membros uns dos outros, se prestam mutuamente serviço segundo os diversos dons a cada um concedidos. 32 A partir destes textos parece que o conceito solidariedade se refere á caridade fraterna. Termos como uma nova comunhão fraterna, membros uns dos outros e prestam mutuamente serviço parecem indicar que a melhor maneira de explicar o conceito solidariedade seria em termos de caridade fraterna. Este número de Gaudium es Spes termina com uma exortação: Esta solidariedade deve crescer sem cessar, até se consumar naquele dia em que os homens, salvados pela graça, darão perfeita glória a Deus, como família amada do Senhor e de Cristo seu irmão. 33 Com o Compêndio da Doutrina Social da Igreja recebemos uma explicação ulterior deste conceito. A solidariedade é também uma verdadeira e própria virtude moral, não um sentimento de compaixão vaga ou de enternecimento superficial pelos males sofridos por tantas pessoas próximas ou distantes. Pelo contrário, é a determinação firme e perseverante de se empenhar pelo bem comum; ou seja, pelo bem de todos e de cada um, porque todos nós somos verdadeiramente responsáveis por todos. A solidariedade eleva-se ao grau de virtude social fundamental, pois se coloca na dimensão da justiça, virtude orientada por excelência para o bem comum... Desta doutrina parece muito claro que a solidariedade é mais justiça que caridade. É a virtude moral pela qual cada pessoa se dedica ao bem comum. Contudo, para que a solidariedade atinja seu ponto culminante deve ser imbuído pela caridade ao ponto de ser pronto de sacrificar a própria vida. Por isso, o Compêndio continua falando de uma aplicação em prol do bem do próximo, com a disponibilidade, em sentido evangélico, para perder-se em benefício do próximo em vez de o explorar, e para servi-lo em vez de o oprimir para proveito próprio. 34 Pela solidariedade, cada pessoa se empenha em prol da comunidade e assim cada um se coloca a serviço da dignificação definitiva de seus irmãos. A solidariedade significa a justa contribuição que cada pessoa faz em prol do bem comum. Por meio desta contribuição, cada pessoa cresce na sua dignidade moral e facilidade o mesmo crescimento nos outros. Com já constatamos, este esforço moral tem como fim último, a nossa comunhão eterna com a Santíssima Trindade. 32 Concílio Vaticano II, Gaudium et Spes, Concílio Vaticano II, Gaudium et Spes, Pontifício Conselho Justiça e Paz, Compêndio da Doutrina Social da Igreja, n. 193.

12 CONCLUSÃO A dignidade humana é a excelência que cada pessoa humana possui por ser criada com inteligência e livre arbítrio, isto é, por ter sido criada à imagem de Deus. Todos têm esta dignidade por que todos têm a mesma vocação à comunhão com a Santíssima Trindade. Esta comunhão com Deus é iniciada pela nossa inserção em Cristo, isto é, pela nossa incorporação no Corpo Místico de Cristo no batismo. Isto nos confere uma nova dignidade, a dignidade cristã. Tanto a nossa dignidade humana como a nossa dignidade cristã estão em potência a uma dignidade moral, isto é, à dignidade que adquirimos pela obediência ao plano de Deus. É precisamente por esta vida de virtude que alcançamos a nossa dignidade definitiva, nossa comunhão perfeita com Deus e isto, na sociedade perfeita, na Comunhão dos Santos. SUMMARY Human dignity is an excellence that each human person possesses in virtue of his or her being created with intelligence and free will. We are created in the image and likeness of God in order to attain to communion with God. Communion with God is the raison d être of human dignity, it is the common vocation of all human persons. This communion with God begins with our incorporation into the Mystical Body of Christ through Baptism. This sacrament confers on us a new dignity, Christian dignity. Both our human and our Christian dignity are in potency to moral dignity, that is, to the dignity that we acquire through obedience to the plan of God. It is precisely through a life of virtue that we arrive at our definitive dignity, our perfect communion with God in the most perfect society, the Communion of Saints. The common good of any human society is at the service of smaller groups and of individuals. This common good exists in order to facilitate a life of human and Christian virtue. While it is true that the common good it at the service of the individual human person, it is through the virtue of solidarity that he or she contributes to the common good and thereby facilitates, for a greater number of persons, the achieving of the supreme good of communion with God. KEY-WORDS: Human dignity. Christian dignity. Communion. Common good. Solidarity.

IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS

IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS I. Nas celebrações do Tempo Advento Deus omnipotente e misericordioso, que vos dá a graça de comemorar na fé a primeira vinda do seu Filho Unigénito e de esperar

Leia mais

Lembrança da Primeira Comunhão

Lembrança da Primeira Comunhão Lembrança da Primeira Comunhão Jesus, dai-nos sempre deste pão Meu nome:... Catequista:... Recebi a Primeira Comunhão em:... de... de... Local:... Pelas mãos do padre... 1 Lembrança da Primeira Comunhão

Leia mais

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS Pe. Nilton César Boni, cmf NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS EDITORA AVE-MARIA Apresentação Aos membros da família cristã podem aplicar-se de modo particular as palavras com que Cristo promete a sua

Leia mais

SEMANA DE FORMAÇÃO TEOLÓGICA PARÓQUIA SANTO ANTONIO Itapira SP

SEMANA DE FORMAÇÃO TEOLÓGICA PARÓQUIA SANTO ANTONIO Itapira SP SEMANA DE FORMAÇÃO TEOLÓGICA PARÓQUIA SANTO ANTONIO Itapira SP CREIO (N)A SANTA IGREJA CATÓLICA I CRER DE MODO ECLESIAL NO CONTEÚDO DA FÉ CRISTÃ. A PROFISSÃO DE FÉ DA IGREJA A FÉ BATISMAL A PROFISSÃO DE

Leia mais

A Apostolicidade da Fé

A Apostolicidade da Fé EMBARGO ATÉ ÀS 18H30M DO DIA 10 DE MARÇO DE 2013 A Apostolicidade da Fé Catequese do 4º Domingo da Quaresma Sé Patriarcal, 10 de Março de 2013 1. A fé da Igreja recebemo-la dos Apóstolos de Jesus. A eles

Leia mais

CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA ÍNDICE GERAL

CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA ÍNDICE GERAL CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA ÍNDICE GERAL CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA ÍNDICE GERAL PRÓLOGO I. A Vida do homem conhecer e amar a Deus II. Transmitir a fé a catequese III. Finalidade e destinatários deste

Leia mais

TOMADA DE POSSE DO NOVO PÁROCO - CELEBRAÇÃO (cf. Cerimonial dos Bispos, nn. 1185-1198) DIOCESE DE CRUZEIRO DO SUL AC/AM

TOMADA DE POSSE DO NOVO PÁROCO - CELEBRAÇÃO (cf. Cerimonial dos Bispos, nn. 1185-1198) DIOCESE DE CRUZEIRO DO SUL AC/AM Página 1 TOMADA DE POSSE DO NOVO PÁROCO - CELEBRAÇÃO (cf. Cerimonial dos Bispos, nn. 1185-1198) DIOCESE DE CRUZEIRO DO SUL AC/AM 01. Canto de Entrada 02. Saudação inicial do celebrante presidente 03. Leitura

Leia mais

DOMINGO VII DA PÁSCOA. Vésperas I

DOMINGO VII DA PÁSCOA. Vésperas I DOMINGO VII DA PÁSCOA (Onde a solenidade da Ascensão não é transferida para este Domingo). Semana III do Saltério Hi n o. Vésperas I Sa l m o d i a Salmos e cântico do Domingo III. Ant. 1 Elevado ao mais

Leia mais

Sagrado Coração de Jesus

Sagrado Coração de Jesus Trezena em honra ao Sagrado Coração de Jesus Com reflexões sobre suas doze promessas a Santa Margarida Maria de Alacoque EDITORA AVE-MARIA Introdução Antes de o prezado leitor iniciar esta Trezena em honra

Leia mais

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal Personal Commitment Guide Guia de Compromisso Pessoal Nome da Igreja ou Evento Nome do Conselheiro Telefone 1. Salvação >Você já atingiu um estágio na vida em que você tem a certeza da vida eterna e que

Leia mais

Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica

Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica Igreja Nova Apostólica Internacional Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica Depois de, na última edição, termos abordado os aspetos inclusivos e exclusivos no Antigo e no Novo Testamento,

Leia mais

AS VIRTUDES TEOLOGAIS. A VIRTUDE DA FÉ. Catecismo de São Pio X.

AS VIRTUDES TEOLOGAIS. A VIRTUDE DA FÉ. Catecismo de São Pio X. 1 AS VIRTUDES TEOLOGAIS. A VIRTUDE DA FÉ. Catecismo de São Pio X. Precisamos aprender como devemos agir. Já que Deus nos deu tantas coisas boas, é normal que procuremos viver dentro de Sua Lei, praticando

Leia mais

Consolidação para o Discipulado - 1

Consolidação para o Discipulado - 1 Consolidação para o Discipulado - 1 Fortalecendo o novo convertido na Palavra de Deus Rev. Edson Cortasio Sardinha Consolidador/a: Vida consolidada: 1ª Lição: O Amor de Deus O amor de Deus está presente

Leia mais

A Santa Sé VIAGEM APOSTÓLICA DO SANTO PADRE AOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SANTA MISSA NO «LOGAN CIRCLE» HOMILIA DO PAPA JOÃO PAULO II

A Santa Sé VIAGEM APOSTÓLICA DO SANTO PADRE AOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SANTA MISSA NO «LOGAN CIRCLE» HOMILIA DO PAPA JOÃO PAULO II A Santa Sé VIAGEM APOSTÓLICA DO SANTO PADRE AOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SANTA MISSA NO «LOGAN CIRCLE» HOMILIA DO PAPA JOÃO PAULO II Filadélfia, 3 de Outubro de 1979 Queridos irmãos e irmãs da Igreja

Leia mais

OS SACRAMENTOS. O que é um Sacramento?

OS SACRAMENTOS. O que é um Sacramento? OS SACRAMENTOS Os sacramentos da nova lei foram instituídos por Cristo e são sete, a saber: o Batismo, a Crisma ou Confirmação, a Eucaristia, a Penitência, a Unção dos Enfermos, a Ordem e o Matrimônio.

Leia mais

Catecismo da Igreja Católica Índice Geral

Catecismo da Igreja Católica Índice Geral Catecismo da greja Católica Índice Geral PRÓLOGO A vida do homem - conhecer e amar a Deus Transmitir a fé - a catequese O objetivo e os destinatários deste Catecismo V. A estrutura deste Catecismo V. ndicações

Leia mais

BASES DA CONVERSÃO CRISTÃ E DO DISCIPULADO

BASES DA CONVERSÃO CRISTÃ E DO DISCIPULADO BASES DA CONVERSÃO CRISTÃ E DO DISCIPULADO O que é uma pessoa cristã? É a pessoa que acredita que o Deus vivo é revelado em e por meio de Jesus Cristo, que aceita Jesus Cristo como Senhor e Salvador, que

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

REQUERIMENTO. Ao Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Dom OSVINO JOSÉ BOTH Arcebispo Militar do Brasil

REQUERIMENTO. Ao Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Dom OSVINO JOSÉ BOTH Arcebispo Militar do Brasil REQUERIMENTO Ao Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Dom OSVINO JOSÉ BOTH Arcebispo Militar do Brasil Documento elaborado de próprio punho. Eu, inscrito no CPF sob o nº e no RG nº aluno da Escola Diaconal

Leia mais

ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana

ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana 93 ISSN - 1517-7807 9!BLF@FB:VWOOUWoYdZh outubro 2013 Que a saúde se difunda sobre a terra Escatologia e Exercícios Espirituais Pedro Arrupe, homem de Deus 1

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

CONCÍLIO VATICANO II. Relevância e Atualidade

CONCÍLIO VATICANO II. Relevância e Atualidade CONCÍLIO VATICANO II Relevância e Atualidade Dogma concepção Imaculada de Maria Syllabus Convocação Concilio PIO IX (1846 1878) Vaticano I Renovação Interna da Igreja Decretos Papais Divulgados em Boletins

Leia mais

CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica. A unidade na fé a caminho da missão

CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica. A unidade na fé a caminho da missão CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica A unidade na fé a caminho da missão Nossa Visão Manifestar a unidade da igreja por meio do testemunho visível

Leia mais

Tema 03 - Dimensão da Mística (Processo Teológico-espiritual. Qual é o sentido da minha vida? ). Introdução à Teologia da Espiritualidade Cristã.

Tema 03 - Dimensão da Mística (Processo Teológico-espiritual. Qual é o sentido da minha vida? ). Introdução à Teologia da Espiritualidade Cristã. Tema 03 - Dimensão da Mística (Processo Teológico-espiritual. Qual é o sentido da minha vida? ). Titulo 01 - Introdução à Teologia da Espiritualidade Cristã. NEI DE SÁ (Ms. Teologia Pastoral PUC-SP) Introdução

Leia mais

CAPÍTULO 2. O Propósito Eterno de Deus

CAPÍTULO 2. O Propósito Eterno de Deus CAPÍTULO 2 O Propósito Eterno de Deus Já falamos em novo nascimento e uma vida com Cristo. Mas, a menos que vejamos o objetivo que Deus tem em vista, nunca entenderemos claramente o porque de tudo isso.

Leia mais

Aula 33 Creio na Igreja Católica - 9

Aula 33 Creio na Igreja Católica - 9 Aula 33 Creio na Igreja Católica - 9 1 - A Igreja é Apostólica (CIC 857-865). 1.1 - Como entender? A Igreja, desde o seu nascimento, nunca duvidou que Jesus a fundou sobre os Apóstolos. Eles são, por assim

Leia mais

Maria, mãe de Deus, no mistério de Cristo e da Igreja Fundamentos bíblicos na Lumen Gentium VIII

Maria, mãe de Deus, no mistério de Cristo e da Igreja Fundamentos bíblicos na Lumen Gentium VIII Maria, mãe de Deus, no mistério de Cristo e da Igreja Fundamentos bíblicos na Lumen Gentium VIII Quando, porém, chegou a plenitude do tempo, enviou Deus o seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a Lei,

Leia mais

S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS

S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS: Index. S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS Índice Geral 1. Se existem virtudes teologais.

Leia mais

Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão

Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão A vida litúrgica começa muito cedo. Os Sacramentos são conhecidos como encontros pessoais com Cristo. Também são vistos como sinais da salvação.

Leia mais

Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015

Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015 Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015 Introdução: Educar na fé, para a paz, a justiça e a caridade Este ano a Igreja no Brasil está envolvida em dois projetos interligados: a lembrança

Leia mais

TEMA 33. O quarto mandamento do Decálogo: honrar pai e mãe

TEMA 33. O quarto mandamento do Decálogo: honrar pai e mãe TEMA 33. O quarto mandamento do Decálogo: honrar pai e mãe O quarto mandamento dirige-se expressamente aos filhos nas suas relações com os seus pais. No entanto, refere-se também a outras relações de parentesco,

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA

CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA Congregação das Irmãs Missionárias de São Carlos B. Scalabrinianas Centro de Estudos Migratórios Cristo Rei-CEMCREI Rua Castro Alves, 344 90430-130 Porto Alegre-RS cemcrei@cpovo.net www.cemcrei.org.br

Leia mais

DISCÍPULOS E SERVIDORES DA PALAVRA DE DEUS NA MISSÃO DA IGREJA

DISCÍPULOS E SERVIDORES DA PALAVRA DE DEUS NA MISSÃO DA IGREJA DISCÍPULOS E SERVIDORES DA PALAVRA DE DEUS NA MISSÃO DA IGREJA DEUS SE REVELA Revelação é o diálogo entre Deus e seus filhos, cuja iniciativa vem de Deus (8). A Palavra de Deus não se revela somente para

Leia mais

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia.

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia. EUCARISTIA GESTO DO AMOR DE DEUS Fazer memória é recordar fatos passados que animam o tempo presente em rumo a um futuro melhor. O povo de Deus sempre procurou recordar os grandes fatos do passado para

Leia mais

JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT)

JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT) JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT) 11-02-2012 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze Em que sentido toda a vida de Cristo é Mistério? Toda a vida

Leia mais

A Regra daterceira Ordem da Sociedade de São Francisco iii) Ordem para Admissões e Renovações I. O CONVITE

A Regra daterceira Ordem da Sociedade de São Francisco iii) Ordem para Admissões e Renovações I. O CONVITE A Regra daterceira Ordem da Sociedade de São Francisco iii) Ordem para Admissões e Renovações como ordenado pelo Capítulo Interprovincial da Terceira Ordem na Revisão Constitucional de 1993, e subseqüentemente

Leia mais

Rita de Sá Freire. Maria: a Mãe do Eterno e Sumo Sacerdote - Homenagem ao Dia do Padre 4 de agosto

Rita de Sá Freire. Maria: a Mãe do Eterno e Sumo Sacerdote - Homenagem ao Dia do Padre 4 de agosto Rita de Sá Freire Maria: a Mãe do Eterno e Sumo Sacerdote - Homenagem ao Dia do Padre 4 de agosto No dia 4 de agosto, a Igreja comemora São João Maria Vianney, Padroeiro dos Padres. Gostaria de prestar

Leia mais

CONHECENDO O ESPÍRITO SANTO. APOSTILA DA CLASSE DE NOVOS MEMBROS Volume 06 de 07

CONHECENDO O ESPÍRITO SANTO. APOSTILA DA CLASSE DE NOVOS MEMBROS Volume 06 de 07 CONHECENDO O ESPÍRITO SANTO APOSTILA DA CLASSE DE NOVOS MEMBROS Volume 06 de 07 A trindade sempre existiu, mas se apresenta com maior clareza com vinda de Cristo e a redação do Novo Testamento. Por exemplo,

Leia mais

O que é o batismo nas águas? Por que o fazemos? Como deve ser ministrado, quando e para quem?

O que é o batismo nas águas? Por que o fazemos? Como deve ser ministrado, quando e para quem? O Batismo nas Águas O que é o batismo nas águas? Por que o fazemos? Como deve ser ministrado, quando e para quem? É UMA ORDENANÇA DE JESUS O batismo é uma ordenança clara de Jesus para todo aquele que

Leia mais

DIRECTÓRIO GERAL DA CATEQUESE - SDCIA/ISCRA -2 Oração inicial Cântico - O Espírito do Senhor está sobre mim; Ele me enviou para anunciar aos pobres o Evangelho do Reino! Textos - Mc.16,15; Mt.28,19-20;

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XXII A PRIMEIRA CARTA DE PEDRO E REFLEXÕES SOBRE O SOFRIMENTO Até aqui o Novo Testamento tem dito pouco sobre

Leia mais

Apostila Fundamentos. Batismo nas Águas. batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo... Mt 28:19

Apostila Fundamentos. Batismo nas Águas. batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo... Mt 28:19 Apostila Fundamentos Batismo nas Águas batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo... Mt 28:19 B a t i s m o n a s Á g u a s P á g i n a 2 Batismo nas Águas Este é outro passo que está

Leia mais

DECLARAÇÃO DE FÉ 27/06/15 PLANO DE SALVAÇÃO

DECLARAÇÃO DE FÉ 27/06/15 PLANO DE SALVAÇÃO DECLARAÇÃO DE FÉ Pr Josemeire Ribeiro CRM PR 2015 O que é credo? É o que eu creio. PLANO DE SALVAÇÃO QUEDA REDENÇÃO RESTAURAÇÃO Declaração de Fé da IEQ foi compilada por sua fundadora Aimeé Semple McPherson,

Leia mais

CRISTOLOGIA: DOUTRINA DE CRISTO

CRISTOLOGIA: DOUTRINA DE CRISTO CRISTOLOGIA: DOUTRINA DE CRISTO ETERNIDADE DEUS PAI LOGUS ESPIRITO SANTO A TRINDADE 1Jo.5.7 LOGUS QUER DIZER PALAVRA OU VERBO SE REFERE AO FILHO NA ETERNIDADE I - SUA PRÉ-EXISTÊNCIA 1 - SUA EXISTÊNCIA

Leia mais

Por isso, redescobrir a Eucaristia na plenitude é redescobrir o CRISTO. Hoje queremos agradecer este grande dom, que Cristo nos deu.

Por isso, redescobrir a Eucaristia na plenitude é redescobrir o CRISTO. Hoje queremos agradecer este grande dom, que Cristo nos deu. O Pão da Vida Na solenidade de Corpus Christi, queremos recordar que os atos redentores de Cristo, que culminam na sua morte e ressurreição, atualizam-se na Eucaristia, celebrada pelo Povo de Deus e presidida

Leia mais

Celebração Comunitária do SACRAMENTO DO BAPTISMO

Celebração Comunitária do SACRAMENTO DO BAPTISMO Celebração Comunitária do SACRAMENTO DO BAPTISMO O Baptismo, porta da vida e do reino, é o primeiro sacramento da nova lei, que Cristo propôs a todos para terem a vida eterna, e, em seguida, confiou à

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 065-PROEC/UNICENTRO, DE 25 DE ABRIL DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº 065-PROEC/UNICENTRO, DE 25 DE ABRIL DE 2011. RESOLUÇÃO Nº 065-PROEC/UNICENTRO, DE 25 DE ABRIL DE 2011. Aprova a continuidade do Projeto de Extensão Escola de Teologia para leigos Nossa Senhora das Graças, na modalidade de Curso de Extensão, na categoria

Leia mais

www.comunidadepedraviva.com.br TRILHO PEDRA VIVA

www.comunidadepedraviva.com.br TRILHO PEDRA VIVA TRILHO PEDRA VIVA ROTEIRO PARA PLANTAÇÃO DE VIDAS Um provérbio chinês nos lembra : se sua visão é para um ano, plante trigo; se sua visão é para uma década, plante árvores; se sua visão é para toda a vida,

Leia mais

Catecismo da Doutrina Cristã

Catecismo da Doutrina Cristã Catecismo da Doutrina Cristã (Edição revista e atualizada) EDITORA AVE-MARIA Apresentação à nova edição Estamos apresentando aos fiéis cristãos o Catecismo da doutrina cristã, revisto e atualizado. Conservamos

Leia mais

Jesus revela-nos que Deus é. Pai. Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008

Jesus revela-nos que Deus é. Pai. Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008 Jesus revela-nos que Deus é Pai Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008 Quem inventou Deus? Desde sempre que os homens acreditaram na existência de forças muito poderosas

Leia mais

QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA. II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA

QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA. II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA At 9.31 A igreja, na verdade, tinha paz por toda Judéia, Galiléia e Samaria, edificando-se

Leia mais

ADORAÇÃO AO SANTÍSSIMO SACRAMENTO NA ABERTURA DO ANO SACERDOTAL 19 de junho de 2009. Fidelidade de Cristo, fidelidade do Sacerdote

ADORAÇÃO AO SANTÍSSIMO SACRAMENTO NA ABERTURA DO ANO SACERDOTAL 19 de junho de 2009. Fidelidade de Cristo, fidelidade do Sacerdote ARQUIDIOCESE DE FLORIANÓPOLIS ADORAÇÃO AO SANTÍSSIMO SACRAMENTO NA ABERTURA DO ANO SACERDOTAL 19 de junho de 2009 Fidelidade de Cristo, fidelidade do Sacerdote 1 - MOTIVAÇÃO INICIAL: Dir.: Em comunhão

Leia mais

Celebrar e viver o Concílio Vaticano II

Celebrar e viver o Concílio Vaticano II Celebrar e viver o Concílio Vaticano II Nota Pastoral da Conferência Episcopal Portuguesa Celebrar os 50 anos da abertura do Concílio no Ano da Fé 1. Na Carta apostólica A Porta da Fé, assim se exprime

Leia mais

Felizes os puros de coração porque verão a Deus (Mt 5, 8)

Felizes os puros de coração porque verão a Deus (Mt 5, 8) Janeiro e Fevereiro 2015 Editorial Esta é a Síntese dos meses de Janeiro e Fevereiro, assim como a Palavra de Vida, em que o nosso diretor espiritual, Pe. Pedro, fala sobre Felizes os puros de coração

Leia mais

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Deus nos alerta pela profecia de Oséias de que o Povo dele se perde por falta de conhecimento. Cf. Os 4,6 1ª Tm 4,14 Porque meu povo se perde

Leia mais

MENSAGEM E FÉ BATISTA

MENSAGEM E FÉ BATISTA MENSAGEM E FÉ BATISTA I. DAS ESCRITURAS...2 II. DEUS...2 1. DEUS, O PAI...2 2. DEUS, O FILHO...2 3. DEUS, O ESPÍRITO SANTO...2 III. O HOMEM...3 IV. A SALVAÇÃO...3 V. O PROPÓSITO DA GRAÇA DE DEUS...3 VI.

Leia mais

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado LIÇÃO 1 - EXISTE UM SÓ DEUS 18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado A Bíblia diz que existe um único Deus. Tiago 2:19, Ef. 4 1- O Deus que Criou Todas as coisas, e que conduz a sua criação e

Leia mais

Escola da Bíblia Rua Rio Azul, 200, Boa Viagem CEP: 51.030-050 Recife PE

Escola da Bíblia Rua Rio Azul, 200, Boa Viagem CEP: 51.030-050 Recife PE AS GRANDES DOUTRINAS DA BÍBLIA LIÇÃO 07 O QUE A BÍBLIA DIZ A RESPEITO DA SALVAÇÃO INTRODUÇÃO Chegamos ao que pode ser o tópico mais importante desta série: a salvação. Uma pessoa pode estar equivocada

Leia mais

Terceira Aula Robert Rautmann A SANTÍSSIMA TRINDADE

Terceira Aula Robert Rautmann A SANTÍSSIMA TRINDADE Terceira Aula Robert Rautmann A SANTÍSSIMA TRINDADE Ícone da Santíssima Trindade Autor: Andrej Rublëv (aprox. 1441) A FÉ CATÓLICA É TRINITÁRIA O Mistério da Fé Trinitária é central na fé e na vida cristã;

Leia mais

9.9 Jesus Cristo é homem perfeito

9.9 Jesus Cristo é homem perfeito 9.9 Jesus Cristo é homem perfeito Aula 48 Assim como é importante verificarmos na Palavra de Deus e crermos que Jesus Cristo é Deus, também é importante verificarmos e crermos na humanidade de Jesus após

Leia mais

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica OBLATOS ORIONITAS linhas de vida espiritual e apostólica Motivos inspiradores da oblação orionita laical O "carisma" que o Senhor concede a um fundador, é um dom para o bem de toda a Igreja. O carisma

Leia mais

SACRAMENTO É SINAL SENSÍVEL E EFICAZ DA GRAÇA. ELES SÃO SINAIS SENSÍVEIS EMITIDOS POR DEUS, PARA NOSSA SALVAÇÃO E SANTIFICAÇÃO.

SACRAMENTO É SINAL SENSÍVEL E EFICAZ DA GRAÇA. ELES SÃO SINAIS SENSÍVEIS EMITIDOS POR DEUS, PARA NOSSA SALVAÇÃO E SANTIFICAÇÃO. INTRODUÇÃO AOS SACRAMENTOS E SACRAMENTO DO BATISMO (PARÓQUIA DE SANTA SUZANA - ESCOLA SANTO AGOSTINHO) O QUE É SACRAMENTO? 1 IDÉIA BÁSICA DEUS NÃO QUER VIVER LONGE DO HOMEM; AO CONTRÁRIO, QUER FICAR UNIDO

Leia mais

Aula 34 Creio na Igreja Católica - 10. Fiéis Leigos, o Grande Povo de Deus (CIC 897-913) 1 - Introdução

Aula 34 Creio na Igreja Católica - 10. Fiéis Leigos, o Grande Povo de Deus (CIC 897-913) 1 - Introdução Aula 34 Creio na Igreja Católica - 10 Fiéis Leigos, o Grande Povo de Deus (CIC 897-913) 1 - Introdução Tratar o tema que aborda os leigos na Igreja é mais complicado do que pode parecer à primeira vista.

Leia mais

CATEDRAL DIOCESANA DE CAMPINA GRANDE PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO

CATEDRAL DIOCESANA DE CAMPINA GRANDE PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO CATEDRAL DIOCESANA DE CAMPINA GRANDE PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO SOBRE NÓS FAZEI BRILHAR O ESPLENDOR DE VOSSA FACE! 3 º DOMINGO DA PÁSCOA- ANO B 22 DE ABRIL DE 2012 ANIM: (Saudações espontâneas)

Leia mais

NOVENA PRIMEIRO DIA. Glória a ti Deus Pai, tu que chamaste a Rafqa à santa vida monástica e foste para ela Pai e Mãe.

NOVENA PRIMEIRO DIA. Glória a ti Deus Pai, tu que chamaste a Rafqa à santa vida monástica e foste para ela Pai e Mãe. NOVENA O verdadeiro crente deve conscientizar-se da importância da oração em sua vida. O senhor Jesus disse : Rogai sem cessar ; quando fazemos uma novena que é uma de oração, estamos seguindo um ensinamento

Leia mais

Centro Pastoral - Paróquia Imaculada Conceição de Nossa Senhora. Pastoral dos Acólitos

Centro Pastoral - Paróquia Imaculada Conceição de Nossa Senhora. Pastoral dos Acólitos 1 Centro Pastoral - Paróquia Imaculada Conceição de Nossa Senhora Pastoral dos Acólitos Seminarista Thiago Medeiros 1. Encontro de Formação: Ministérios: o que são e para que servem. Nome do Candidato:

Leia mais

Bem - Aventuranças. Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007

Bem - Aventuranças. Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007 Bem - Aventuranças Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007 Eu estou à tua porta a bater, Eu estou à tua porta a bater, Se me abrires a porta entrarei para enviar. Eu preciso

Leia mais

SE SOUBERMOS PERDOAR Ó CARA IRMÃ CLARA, SE SOUBERMOS PERDOAR

SE SOUBERMOS PERDOAR Ó CARA IRMÃ CLARA, SE SOUBERMOS PERDOAR CANTO 1 - LOUVOR DA CRIAÇÃO D Bm G Em A7 D Bm G Em A7 Aleluia! Aleluia! Aleluia! Aleluia! D F#m G Em A7 1. Javé o nosso Deus é poderoso, seu nome é grande em todas as nações D F#m G Em A7 Na boca das crianças

Leia mais

A Igreja nas Casas. Revolução ou Reforma? Jamê Nobre

A Igreja nas Casas. Revolução ou Reforma? Jamê Nobre A Igreja nas Casas Revolução ou Reforma? Jamê Nobre I g r e j a s n a s C a s a s P á g i n a 2 A IGREJA NAS CASAS REVOLUÇÃO OU REFORMA? (Jamê Nobre) As revoluções têm como característica mudar algumas

Leia mais

Todos Batizados em um Espírito

Todos Batizados em um Espírito 1 Todos Batizados em um Espírito Leandro Antonio de Lima Podemos ver os ensinos normativos a respeito do batismo com o Espírito Santo nos escritos do apóstolo Paulo, pois em muitas passagens ele trata

Leia mais

No Dia do Juízo, quando o Filho do Homem, na Sua glória, vier nos julgar, escreve o evangelista Mateus, Ele nos questionará sobre

No Dia do Juízo, quando o Filho do Homem, na Sua glória, vier nos julgar, escreve o evangelista Mateus, Ele nos questionará sobre Caridade e partilha Vivemos em nossa arquidiocese o Ano da Caridade. Neste tempo, dentro daquilo que programou o Plano de Pastoral, somos chamados a nos organizar melhor em nossos trabalhos de caridade

Leia mais

1º. Pregação: Tema: Desde o pecado de Adão e Eva somos curados por Deus

1º. Pregação: Tema: Desde o pecado de Adão e Eva somos curados por Deus SEMINÁRIO DE VIDA NO ESPÍRITO Tema geral: Cura Interior Autor: Pe. Fernando PREGAÇÃO: Tema: Curados para Amar Senhor se queres podes me curar Mt. 8, 1-4 1º. Pregação: Tema: Desde o pecado de Adão e Eva

Leia mais

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus A Identidade da Igreja do Senhor Jesus Atos 20:19-27 (Ap. Paulo) Fiz o meu trabalho como Servo do Senhor, com toda a humildade e com lágrimas. E isso apesar dos tempos difíceis que tive, por causa dos

Leia mais

CELEBRAÇÃO ARCIPRESTAL DA EUCARISTIA EM ANO DA FÉ

CELEBRAÇÃO ARCIPRESTAL DA EUCARISTIA EM ANO DA FÉ CELEBRAÇÃO ARCIPRESTAL DA EUCARISTIA EM ANO DA FÉ SEIA 23 DE JUNHO 2013 ENTRADA NÓS SOMOS AS PEDRAS VIVAS DO TEMPLO DO SENHOR, NÓS SOMOS AS PEDRAS VIVAS DO TEMPLO DO SENHOR, POVO SACERDOTAL, IGREJA SANTA

Leia mais

MENSAGEM DO PAPA JOÃO PAULO II PARA A XXXI JORNADA MUNDIAL DE ORAÇÃO PELAS VOCAÇÕES

MENSAGEM DO PAPA JOÃO PAULO II PARA A XXXI JORNADA MUNDIAL DE ORAÇÃO PELAS VOCAÇÕES MENSAGEM DO PAPA JOÃO PAULO II PARA A XXXI JORNADA MUNDIAL DE ORAÇÃO PELAS VOCAÇÕES Aos venerados irmãos no episcopado e a todos os queridos fiéis do mundo inteiro A celebração da Jornada Mundial de Oração

Leia mais

ESTUDOS PARA AS CÉLULAS AS SETE VERDADES ESSÊNCIAIS DO EVANGELHO

ESTUDOS PARA AS CÉLULAS AS SETE VERDADES ESSÊNCIAIS DO EVANGELHO 1 ESTUDOS PARA AS CÉLULAS AS SETE VERDADES ESSÊNCIAIS DO EVANGELHO LIÇÃO Nº 01 DIA 16/06/2014 INTRODUÇÃO: Vamos começar uma nova série de estudos em nossas células. Esta será uma série muito interessante

Leia mais

O Batismo é mencionado pela primeira vez, no Novo Testamento, quando do ministério de João Batista.

O Batismo é mencionado pela primeira vez, no Novo Testamento, quando do ministério de João Batista. Lição 11 A DOUTRINA DO BATISMO NAS ÁGUAS Por: Pr Valdimário Santos O Batismo é mencionado pela primeira vez, no Novo Testamento, quando do ministério de João Batista. Em Mateus 3.1,2 notamos que a mensagem

Leia mais

RIQUEZAS E DESAFIOS DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DA EVANGELIZAÇÃO À LUZ DO CONCÍLIO VATICANO II

RIQUEZAS E DESAFIOS DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DA EVANGELIZAÇÃO À LUZ DO CONCÍLIO VATICANO II 1 RIQUEZAS E DESAFIOS DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DA EVANGELIZAÇÃO À LUZ DO CONCÍLIO VATICANO II Dom Geraldo Lyrio Rocha Arcebispo de Mariana Introdução Na comemoração do Jubileu de Ouro do encerramento do

Leia mais

IGREJA METODISTA DE VILA ISABEL

IGREJA METODISTA DE VILA ISABEL 1 IGREJA METODISTA DE VILA ISABEL Discípulos e Discípulas no Caminho da Missão PLANO MISSIONÁRIO 2012-2016 1 APRESENTAÇÃO: A Igreja local, pelos nossos documentos, é vista e entendida como a agência básica

Leia mais

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro?

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro? ...as religiões? Sim, eu creio que sim, pois não importa a qual religião pertença. O importante é apoiar a que tem e saber levá-la. Todas conduzem a Deus. Eu tenho minha religião e você tem a sua, e assim

Leia mais

Plano Para a vida e a Missão da Igreja

Plano Para a vida e a Missão da Igreja Plano Para a vida e a Missão da Igreja O "Plano para a Vida e a Missão da Igreja" é continuação dos Planos Quadrienais de 1973 e 1978 e conseqüência direta da consulta nacional de 1981 sobre a Vida e a

Leia mais

"Maria!"! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist!

Maria!! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist! CartadePentecostes2015 AbadeGeralOCist "Maria" Carissimos, vos escrevo repensando na Semana Santa que passei em Jerusalém, na Basílica do Santo Sepulcro, hóspede dos Franciscanos. Colhi esta ocasião para

Leia mais

MISSÃO E CRESCIMENTO DA IGREJA IGREJA: CORPO VIVO DE CRISTO. Estudo Bíblico

MISSÃO E CRESCIMENTO DA IGREJA IGREJA: CORPO VIVO DE CRISTO. Estudo Bíblico MISSÃO E CRESCIMENTO DA IGREJA IGREJA: CORPO VIVO DE CRISTO Estudo Bíblico Bispo Luiz Vergílio / Caxias do Sul/RS Abril de 2009 Ministerial de Pastores e Pastoras 1 MISSÃO DA IGREJA E CRESCIMENTO I. IGREJA

Leia mais

1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo.

1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo. 1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo. Ao contribuir com o dízimo, saímos de nós mesmos e reconhecemos que pertencemos tanto à comunidade divina quanto à humana. Um deles, vendo-se

Leia mais

8º Capítulo. Petros Os Dons Pilares 1ª Parte

8º Capítulo. Petros Os Dons Pilares 1ª Parte 8º Capítulo Petros Os Dons Pilares 1ª Parte O texto de I Co 12:7-11 fala sobre os dons espirituais, aqui chamados de carismáticos; O texto de Ef 4:11 fala sobre os dons ministeriais, aqui chamados de dons

Leia mais

O ministério na Igreja

O ministério na Igreja Igreja Nova Apostólica Internacional O ministério na Igreja Desde os seus primórdios que a Igreja Nova Apostólica se define como uma Igreja do ministério. O artigo que se segue contém informações acerca

Leia mais

Tipos de cristãos que amadurecem

Tipos de cristãos que amadurecem Tipos de cristãos que amadurecem TEXTO BÍBLICO BÁSICO Romanos 12.1-5 1 Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que

Leia mais

LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS

LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS 1 TEXTO BÍBLICO - Lucas 6,12-19 (Fazer uma Oração ao Espírito Santo, ler o texto bíblico, fazer um momento de meditação, refletindo sobre os três verbos do texto

Leia mais

Lausperene. Senhor Jesus, Eu creio que estais presente no pão da Eucaristia. Senhor, eu creio em Vós.

Lausperene. Senhor Jesus, Eu creio que estais presente no pão da Eucaristia. Senhor, eu creio em Vós. Lausperene Cântico: Dá-nos um coração Refrão: Dá-nos um coração, grande para amar, Dá-nos um coração, forte para lutar. 1. Homens novos, criadores da história, construtores da nova humanidade; homens novos

Leia mais

DONS INFUSOS DO ESPÍRITO SANTO

DONS INFUSOS DO ESPÍRITO SANTO DONS INFUSOS DO ESPÍRITO SANTO O Espírito Santo nos foi dado para que nos tornemos santos, e para que assim se cumpram perfeitamente em cada um de nós os desígnios amorosos que o Pai tem preparado para

Leia mais

YEHOSHUA E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos

YEHOSHUA E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos YEHOSHUA E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos 4.12) Quando você se arrepende dos seus pecados e crê

Leia mais

Perfil da Igreja que possui maturidade

Perfil da Igreja que possui maturidade Perfil da Igreja que possui maturidade TEXTO BÍBLICO BÁSICO Atos 2.7-45 7 - E, ouvindo eles isto, compungiram-se em seu coração, e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos, homens irmãos?

Leia mais

20ª Hora Santa Missionária

20ª Hora Santa Missionária 20ª Hora Santa Missionária Tema: Missão é Servir Lema: Quem quiser ser o primeiro seja servo de todos Preparação do ambiente: cartaz do Mês missionário, Bíblia e fitas nas cores dos continentes, cruz e

Leia mais

34. A RESSURREIÇÃO DE JESUS 648-667

34. A RESSURREIÇÃO DE JESUS 648-667 34. A RESSURREIÇÃO DE JESUS 648-667 INTRODUÇÃO A ressurreição de Jesus não é como a ressurreição de Lázaro, a da filha de Jairo ou a do filho da viúva de Naim; Cristo não volta à vida terrena mortal para

Leia mais

A TEOLOGIA DE GENESIS Márcio Martins

A TEOLOGIA DE GENESIS Márcio Martins A TEOLOGIA DE GENESIS Márcio Martins O LIVRO DE GENESIS PODE SER CONSIDERADO COMO A BASE TEOLÓGICA DO NOVO TESTAMENTO. GENESIS DE CERTA FORMA ESTÁ MAIS PROXIMO DO NOVO TESTAMENTO DO QUE DO VELHO. VARIOS

Leia mais

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação)

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação) O batismo do Espírito Santo (continuação) #62 Estamos falando sobre alguns dons do Espírito Santo; falamos de suas obras, dos seus atributos, como opera o novo nascimento e, por último, estamos falando

Leia mais

EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3. Evangelho de João Cap. 3. 1 Havia, entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus.

EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3. Evangelho de João Cap. 3. 1 Havia, entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus. EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3 LEMBRETE IMPORTANTE: As palavras da bíblia, são somente as frases em preto Alguns comentários explicativos são colocados entre os versículos, em vermelho. Mas é apenas com o intuito

Leia mais

Diz respeito ao que vamos realizar em Cristo, pelo poder do Espírito Santo para cumprir a nossa missão:

Diz respeito ao que vamos realizar em Cristo, pelo poder do Espírito Santo para cumprir a nossa missão: II) NOSSA VISÃO Diz respeito ao que vamos realizar em Cristo, pelo poder do Espírito Santo para cumprir a nossa missão: A) Adorar a Deus em espírito e verdade Queremos viver o propósito para o qual Deus

Leia mais

ARTIGOS DE FÉ. I. Deus Trino

ARTIGOS DE FÉ. I. Deus Trino ARTIGOS DE FÉ As referências bíblicas apoiam os Artigos de Fé e são aqui inseridas por acção da Assembleia Geral de 1976, mas não devem ser consideradas como parte do texto da Constituição. I. Deus Trino

Leia mais