CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA MANUAL DE ESTÁGIOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA MANUAL DE ESTÁGIOS"

Transcrição

1 CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA MANUAL DE ESTÁGIOS

2 Ilha Solteira SP 2015

3 APRESENTAÇÃO O presente manual foi elaborado pela Comissão de Estágios do Curso de Engenharia Elétrica (CECEE) e aprovado pelo Conselho de Curso Graduação em Engenharia Elétrica (CCGEE), da Faculdade de Engenharia Câmpus de Ilha Solteira (FEIS), com o objetivo de orientar alunos e professores sobre a sistemática de realização de estágios. São apresentadas, de forma resumida, as normas e diretrizes que devem orientar a realização dos estágios de alunos do Curso de Graduação em Engenharia Elétrica (CGEE). Além dos aspectos normativos e regulamentares do estágio, o presente Manual resume as competências e atribuições dos estagiários e professores orientadores (ou tutores acadêmicos) na operacionalização da sistemática de estágios implantada pelo CCGEE da FEIS.

4 S U M Á R I O 1. Objetivos do Estágio Tipos de Estágios Condições para Realização dos Estágios Inscrição para o Estágio Elaboração do Plano de Estágio Acompanhamento e Supervisão do Estágio Avaliação e Relatório Finais Síntese dos Procedimentos para Realização do Estágio Obrigatório 05

5 01 1. OBJETIVOS DO ESTÁGIO O estágio, de maneira geral, é uma atividade de importância primordial na complementação da formação profissional do engenheiro, na medida em que propicia ao mesmo, condições de: - adquirir uma atitude de trabalho sistematizado, desenvolvendo-lhe a consciência da produtividade; - incentivar o exercício do senso crítico, de observação e criatividade; - acelerar a sua formação profissional, permitindo-lhe a aplicação prática de seus conhecimentos teóricos; - sentir suas próprias deficiências e buscar seu auto aprimoramento; - descobrir a utilidade dos conceitos e o valor das hipóteses com mais objetividade, e - familiarizar-se com sistemas e procedimentos usuais, além de permitir contatos com pessoas de níveis e escalões diferentes, adquirindo sensibilidade à hierarquia das pessoas, valores e motivos operacionais. Além disso, as atividades do estágio permitem atenuar o impacto da passagem da vida do estudante para a vida profissional e favorecem melhor assimilação das disciplinas que estão sendo ministradas no curso. 2. TIPOS DE ESTÁGIO Obrigatórios. Os estágios são divididos em: Estágios Obrigatórios e Estágios Não- 2.1 Caracterização do Estágio Obrigatório O Estágio Obrigatório, também chamado de Estágio Obrigatório Supervisionado, é uma atividade inserida no processo de aprendizagem, com a finalidade de complementar a formação profissional dos alunos do Curso de Graduação em Engenharia Elétrica (CGEE), visando o aprimoramento dos conhecimentos adquiridos durante o curso de graduação. Sendo assim, o Estágio Obrigatório Supervisionado deve ser considerado como uma disciplina obrigatória do CGEE conforme estabelecido no Art. 15 da Resolução n o 48/76 do Conselho Federal de Educação, complementado pela Resolução UNESP n o 40/2005 de

6 02 O Estágio Obrigatório Supervisionado caracteriza-se pelo desenvolvimento de atividades de pesquisa, metodologia de trabalho, aplicação de técnicas e projetos, na área de Engenharia Elétrica, podendo ser realizado junto a Empresas ou Instituições, sempre sob a supervisão de um orientador (ou tutor acadêmico) pertencente ao CGEE. O mesmo é realizado uma única vez Caracterização do Estágio Não-Obrigatório O Estágio Não-Obrigatório é uma atividade com as mesmas características do Estágio Obrigatório, diferenciando-se apenas por não ser considerado como uma disciplina obrigatória do CGEE, não ter restrições de carga horária, e poder ser realizado mais de uma vez ao longo do Curso. 3. CONDIÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DOS ESTÁGIOS Estão aptos a realizar o Estágio Obrigatório Supervisionado os alunos matriculados no CGEE que tenham cumprido 70% dos créditos necessários à integralização do currículo. E de acordo com a Resolução UNESP 40/2005, o aluno deverá cumprir uma carga horária mínima de 165 (cento e sessenta e cinco horas). Estão aptos a realizar o Estágio Não-Obrigatório os alunos matriculados no CGEE que tenham cumprido 16% dos créditos necessários à integralização do currículo. O aluno poderá realizar o estágio Obrigatório ou Não Obrigatório junto à Empresas e Instituições que venham oferecer vagas de estágios no Brasil ou no Exterior. 4. INSCRIÇÃO PARA ESTÁGIO A inscrição para estágio poderá ser feita no Setor de Estágio, através do formulário Solicitação de Estágio (Anexo 01, do Regulamento), por qualquer aluno interessado e em qualquer época, observado o cumprimento de 70% dos créditos necessários à integralização do currículo para Estágio Obrigatório e 16% dos créditos para Estágio Não-Obrigatório. É necessário anexar atestado de créditos para comprovar a integralização do currículo e, em caso de estágios realizados ao longo do período letivo, anexar a grade horária do aluno. O aluno interessado deve procurar um membro da Comissão de Estágios do Curso de Engenharia Elétrica (CECEE), para obter informações e esclarecimentos sobre os estágios.

7 5. ELABORAÇÃO DO PLANO DE ESTÁGIO 03 O Plano de Estágio é um documento que formaliza a proposta de trabalho a ser desenvolvida pelo estagiário, devendo ser elaborado pelo mesmo, em conjunto com o supervisor da Empresa ou Instituição, com a aquiescência do orientador; ou tutor acadêmico, quando se tratar de estágio no Exterior. O Plano de Estágio, quando se tratar de estágio no Brasil, deverá ser elaborado de acordo com o padrão estabelecido (Anexo 05, do Regulamento), devendo ser entregue pelo orientador ao Setor de Estágio no prazo máximo de 15 (quinze) dias, a partir do início do estágio, junto com a Solicitação de Estágio. Recomenda-se que, sempre que possível, o referido plano seja entregue antes do início das atividades do estágio. O Plano de Estágio, quando se tratar de estágio no Exterior, deverá ser elaborado de acordo com o padrão estabelecido (Anexo 05, do Regulamento), devendo ser entregue pelo tutor acadêmico, diretamente ao CCGEE, no prazo máximo de 30 (trinta) dias, a partir do início do estágio. 6. ACOMPANHAMENTO E SUPERVISÃO DO ESTÁGIO A supervisão e o acompanhamento do estagiário durante a realização do estágio ficarão sob a responsabilidade do orientador (ou tutor acadêmico) e do supervisor da empresa, seja Estágio Obrigatório ou Não Obrigatório. O orientador (ou tutor acadêmico) deve definir, em conjunto com o aluno, os procedimentos referentes ao processo de acompanhamento e supervisão. O acompanhamento pode ser feito através de Relatórios Parciais, conforme padrão estabelecido (Anexo 07, do Regulamento) e definido pela Lei Federal n de Quando o estágio é realizado junto a uma empresa ou instituição, o aluno deverá informar ao supervisor da empresa ou instituição sobre o processo de acompanhamento definido pelo orientador (ou tutor acadêmico). 7. AVALIAÇÃO E RELATÓRIOS FINAIS Ao final do estágio, o estagiário deverá elaborar e entregar ao orientador o Relatório Final de Estágio, conforme modelo estabelecido pela CECEE (Anexo 07, do Regulamento).

8 04 O orientador tem um prazo de entrega da nota do relatório à Comissão de no máximo 30 ( trinta) dias após a data fixada no plano para o término do estágio, ressalvados os prazos finais de entrega de notas, no caso de alunos que necessitem de nota na disciplina Estágio Supervisionado para conclusão do curso, e dos prazos fixados pelas entidades financiadoras. A avaliação final será feita pelo orientador, no formulário Parecer sobre Estágio Supervisionado (Anexo 04, do Regulamento) e, com base nas informações contidas nos formulários Declaração de Estágio Realizado (Anexo 02, do Regulamento) e Avaliação do Estagiário (Anexo 03, do Regulamento), preenchidos pelo supervisor da empresa e enviados confidencialmente ao orientador (ou tutor acadêmico). A aprovação do Relatório Final de estágio Obrigatório ou Não-Obrigatório pelo orientador, confere ao estagiário o direito a certificado expedido pela CECEE. Quando se tratar de Estágio no Exterior, ao final do estágio, o estagiário deverá elaborar e entregar ao tutor acadêmico o Relatório Final de Estágio, conforme modelo estabelecido pela CECEE (Anexo 07, do Regulamento). O tutor acadêmico tem um prazo de entrega da nota do relatório ao CCGEE de no máximo 30 ( trinta) dias após a data fixada no plano para o término do estágio, ressalvados os prazos finais de entrega de notas, no caso de alunos que necessitem de nota na disciplina Estágio Supervisionado para conclusão do curso. A aprovação do Relatório Final de estágio Obrigatório ou Não-Obrigatório pelo tutor acadêmico, confere ao estagiário o direito a certificado expedido pelo CCGEE.

9 8. SÍNTESE DOS PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO E NÃO-OBRIGATÓRIO. A seguir são apresentadas esquematicamente, as etapas e responsabilidades envolvidas no desenvolvimento do estágio e uma lista de procedimentos com prioridades (check list) para dar entrada no processo. ETAPAS RESPONSÁVEL a) Esforço motivacional junto aos alunos, Departamentos e - CECEE, professores e alunos. Unidades da FEIS, Empresas e Instituições, visando conseguir oportunidades de estágio. b) Contatos com Empresas e Instituições solicitantes de - CECEE. estágios c) Convocação e encaminhamento dos candidatos à - CECEE. Empresa ou Instituição. d) Pré-seleção dos candidatos. - Empresa. e) Inscrição para Estágio Obrigatório ou Estágio Não- - Aluno. Obrigatório. f) Elaboração do Plano de Estágio. - Aluno, orientador (ou tutor acadêmico) e supervisor da Empresa. g) Encaminhamento do Plano de Estágio ao Setor de - Orientador (ou tutor acadêmico). Estágio (ou ao CCGEE). h) Análise e aprovação do Plano de Estágio no Brasil. - Orientador e CECEE. i) Análise e aprovação do Plano de Estágio para o Exterior. - Tutor acadêmico e CCGEE. j) Abertura do processo de estágio junto à Seção de - Secretaria da CECEE. Comunicações k) Elaboração de Relatórios Parciais, Finais ou entrevistas - Aluno. periódicas, quando solicitados pelo orientador. l) Acompanhamento do desenvolvimento do estágio, - Orientador (ou tutor acadêmico). através de Relatórios Parciais ou entrevistas. m) Eventuais correções ou alterações no Relatório Final. - Orientador (ou tutor acadêmico). n) Aprovação do Relatório Final. - Orientador (ou tutor acadêmico). o) Preenchimento dos formulários Avaliação do Estagiário - Supervisor da empresa. e Declaração de Estágio Realizado, enviados confidencialmente ao orientador. p) Preenchimento do formulário Parecer sobre Estágio - Orientador (ou tutor acadêmico). Supervisionado, que deve ser entregue junto com os formulários especificados no item anterior e o Relatório Final à Comissão de Estágio. q) Envio de cópias do formulário Parecer sobre Estágio - Secretaria da CECEE. Supervisionado à Seção de Graduação. r) Envio de cópias do formulário Parecer sobre Estágio - Secretaria do CCGEE. Supervisionado no Exterior à Seção de Graduação. s) Emissão do Certificado do Estágio realizado. - Secretaria da CECEE. t) Emissão de Certificado aos Orientadores, ao final de - Secretaria da CECEE. cada estágio, após aprovação do Relatório Final. u) Emissão de Certificado aos Tutores, ao final de cada - Secretaria do CCGEE. estágio, após aprovação do Relatório Final. 05

10 Procedimentos necessários para validar um processo de Estágio (Obrigatório e Não-Obrigatório, no Brasil). Primeiro Passo: O aluno deve estar apto ao Estágio Obrigatório se tiver cursado 70% dos créditos necessários à integralização do currículo. Se não estiver apto, o estágio pode ser Não- Obrigatório, se atender 16% dos créditos necessários à integralização do currículo; Carga horária mínima a ser cumprida h de Estágio Obrigatório; Estágio Não- Obrigatório não há restrição de carga horária mínima; Segundo Passo: Convênio com a empresa - a empresa deve ser conveniada. Formulário do Convênio no site do Setor de Estágio (pode ser pelo CIEE- Centro de Integração Empresa-Escola); Termo de Compromisso - contrato entre a empresa e o estagiário (formulário no site); Solicitação do Estágio - formulário no site; Plano de estágio - o aluno interessado deve elaborar um plano (padrão no site). Observar prazos: o Plano de Estágio junto com a Solicitação de Estágio deve ser entregue à Secretaria da CECEE no prazo máximo de 15 (quinze) dias, a contar do início do estágio. Terceiro Passo: Relatório Final de Estágio (com assinaturas) - o aluno deve elaborar junto com o orientador escola/supervisor empresa. Prazo de entrega do relatório (à Secretaria da CECEE) - máximo 30 dias, após a data fixada no plano para o término do estágio; Avaliação final e Declaração de Estágio comprovantes do estágio fornecidos pela empresa. Procedimentos necessários para validar um processo de Estágio (Obrigatório e Não-Obrigatório no Exterior). Primeiro Passo: O aluno deve estar apto ao estágio obrigatório se tiver cursado 70% dos créditos necessários à integralização do currículo. Se não estiver apto, o estágio pode ser Não- Obrigatório, se atender 20% dos créditos necessários à integralização do currículo; Carga horária mínima a ser cumprida h de estágio obrigatório; estágio Não- Obrigatório não há restrição de carga horária mínima. Segundo Passo: Convênio com a empresa - a empresa poderá ser conveniada através da AREX; Termo de Compromisso - poderá ser feito contrato entre a empresa e o estagiário através da AREX; Plano de estágio - o aluno interessado deve elaborar um Plano de Estágio (padrão no site). Observar prazos: o Plano de Estágio deve ser entregue à secretaria do CCGEE no prazo máximo de 30 (trinta) dias, a contar do início do estágio. Terceiro Passo: Relatório Final de Estágio (com assinaturas) - o aluno deve elaborar junto com o tutor acadêmico. Prazo de entrega do relatório (ao CCGEE) - máximo de 30 dias, após a data fixada no plano para o término do estágio. Avaliação final e Declaração de Estágio comprovantes do estágio fornecidos pela empresa/ instituição. 06

CONSELHO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA COMISSÃO DE ESTÁGIO REGULAMENTO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

CONSELHO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA COMISSÃO DE ESTÁGIO REGULAMENTO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA REGULAMENTO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES ARTIGO 1º - Considera-se Estágio Curricular, o conjunto de atividades de aprendizagem social, profissional

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES DO ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES DO ESTÁGIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Considerando o significado e a importância do Estágio como parte fundamental da formação profissional, define-se

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS Comissão de Graduação do Curso de Ciências Biológicas COMGRAD/BIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS Comissão de Graduação do Curso de Ciências Biológicas COMGRAD/BIO DECISÃO 03/2015 - Altera: Decisão n o 03/2013 ESTÁGIO SUPERVISIONADO A, reunida em 18 de novembro de 2015, no uso de suas atribuições, DECIDE Regulamentar a atividade de Ensino de Estágio Supervisionado,

Leia mais

REGULAMENTO PARA ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Maio de 2011

REGULAMENTO PARA ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Maio de 2011 REGULAMENTO PARA ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Maio de 2011 Este documento trata das especificidades referentes ao curso de Arquitetura e Urbanismo da da UNESP Presidente Prudente.

Leia mais

Manual do Estágio Supervisionado

Manual do Estágio Supervisionado IBB Ano 2015 1. APRESENTAÇÃO: A partir do 1º Semestre Letivo de 2016, os alunos em fase de conclusão do Curso de (Currículo 2013) deverão realizar o Estágio Curricular Supervisionado. O presente manual

Leia mais

Regulamento de Estágio Supervisionado. Capítulo I DO ESTATUTO E SEUS OBJETIVOS

Regulamento de Estágio Supervisionado. Capítulo I DO ESTATUTO E SEUS OBJETIVOS Regulamento de Estágio Supervisionado Capítulo I DO ESTATUTO E SEUS OBJETIVOS Art 1 o. O presente Estatuto disciplina os aspectos da organização e funcionamento do Estágio Curricular Supervisionado do

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente instrumento dispõe sobre as normas e procedimentos a serem observados

Leia mais

Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES

Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES CAMPO LIMPO PAULISTA 2014 Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica - Telecomunicações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS RESOLUÇÃO CCEAL Nº 01/2010 Regulamenta o Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia

Leia mais

PORTARIA CE Nº 48, de 04 de novembro de 2015.

PORTARIA CE Nº 48, de 04 de novembro de 2015. PORTARIA CE Nº 48, de 04 de novembro de 2015. Regulamenta a realização de estágios dos alunos dos Cursos de Graduação do Campus de Itapeva. O Coordenador Executivo no uso de suas atribuições legais, expede

Leia mais

RESOLUÇÃO TGT Nº 06/2015

RESOLUÇÃO TGT Nº 06/2015 ANO XLV N. 098 14/07/2015 SEÇÃO IV PÁG. 076 RESOLUÇÃO TGT Nº 06/2015 Niterói, 24 de junho de 2015 O Colegiado do Curso de Graduação em Engenharia de Telecomunicações, em reunião ordinária de 24/06/2015,

Leia mais

PORTARIA GD Nº 06, DE 23/04/2010

PORTARIA GD Nº 06, DE 23/04/2010 PORTARIA GD Nº 06, DE 23/04/2010 Aprova o Regulamento do Programa de Estágios da Faculdade de Engenharia da UNESP - Campus de Ilha Solteira. O Diretor da Faculdade de Engenharia do Campus de Ilha Solteira,

Leia mais

Comissão do Estágio Curricular Obrigatório do Curso de Agronomia CECOA

Comissão do Estágio Curricular Obrigatório do Curso de Agronomia CECOA 1 Comissão do Estágio Curricular Obrigatório do Curso de Agronomia CECOA REGULAMENTO GERAL APRESENTAÇÃO O Estágio Curricular Obrigatório do Curso de Agronomia tem como objetivo principal proporcionar ao

Leia mais

REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º As Atividades Complementares (AC) atendem ao Parecer n 776/97 da CES, que trata das Diretrizes Curriculares dos Cursos

Leia mais

REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º As Complementares (AC) atendem ao Parecer n 776/97 da CES, que trata das Diretrizes Curriculares dos cursos de graduação,

Leia mais

Regulamento de Estágio ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL

Regulamento de Estágio ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL Regulamento de Estágio ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL Coronel Fabriciano/ 2008 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. OBJETIVOS... 1 3. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL... 2 4. ATRIBUIÇÕES... 2 5. LOCAIS DE ESTÁGIO E

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA. CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA. CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria Art. 1º - Entende-se por Monitoria, uma modalidade de ensino e aprendizagem que contribui para a formação integrada

Leia mais

RESOLUÇÃO TGT Nº 04/2015

RESOLUÇÃO TGT Nº 04/2015 ANO XLV N. 078 26/05/2015 SEÇÃO II PÁG. 028 RESOLUÇÃO TGT Nº 04/2015 Niterói, 06 de maio de 2015 O Colegiado do Curso de Graduação em Engenharia de Telecomunicações, em reunião ordinária de 06/05/2015,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE Aprova Normas Específicas do Estágio Curricular

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA PRATICA DE DOCÊNCIA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (PPGEd) DA UNOESC CAPÍTULO I

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA PRATICA DE DOCÊNCIA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (PPGEd) DA UNOESC CAPÍTULO I MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA PRATICA DE DOCÊNCIA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (PPGEd) DA UNOESC CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DO OBJETIVO DA PRÁTICA DE DOCÊNCIA Art. 1º A Prática de Docência constitui

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA 1 MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA BETIM MG (ANEXO I - PPC) 2 Este manual tem como objetivo orientar e auxiliar o aluno na compreensão das atividades, normas

Leia mais

RESOLUÇÃO. Bragança Paulista, 16 de dezembro de José Antonio Cruz Duarte, OFM Vice-Reitor no exercício da Presidência

RESOLUÇÃO. Bragança Paulista, 16 de dezembro de José Antonio Cruz Duarte, OFM Vice-Reitor no exercício da Presidência RESOLUÇÃO CONSEPE 98/2009 APROVA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ARQUITETURA E URBANISMO, DO CAMPUS DE ITATIBA DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Vice-Reitor da Universidade São Francisco, no

Leia mais

Normas para realização do Estágio Supervisionado do Curso de. Graduação em Engenharia Ambiental e Sanitária

Normas para realização do Estágio Supervisionado do Curso de. Graduação em Engenharia Ambiental e Sanitária UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA Normas para realização do Estágio Supervisionado do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental e Sanitária Lavras 2013 INTRODUÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL Estágio Curricular

REGULAMENTO INSTITUCIONAL Estágio Curricular REGULAMENTO INSTITUCIONAL Estágio Curricular CAPITULO I DA DEFINIÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR E SUAS FINALIDADES Art. 1º Este regulamento tem por finalidade orientar a operacionalização do Estágio Curricular

Leia mais

FATEC-CARAPICUÍBA. Doc. 1 REGIMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

FATEC-CARAPICUÍBA. Doc. 1 REGIMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO FATEC-CARAPICUÍBA Doc. 1 REGIMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO ASTI (Jogos, Segurança, Bacharel, SI) CURSO ADS (Análise e Desenvolvimento de Sistemas) 2 1. DA NATUREZA DO ESTÁGIO 1.1 O estágio curricular

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Praia Grande São Paulo Dezembro de 2008 CAPÍTULO I DA NATUREZA Artigo 1º O presente regulamento tem como objetivo normatizar as atividades relacionadas com o estágio

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIOS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. (Sugestões de Atualização)

MANUAL DE ESTÁGIOS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. (Sugestões de Atualização) MANUAL DE ESTÁGIOS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA (Sugestões de Atualização) 2 APRESENTAÇÃO O presente manual foi elaborado pela Comissão de Estágios do Curso de Engenharia Elétrica e aprovado

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS 1 SUMÁRIO 3 DIRETRIZES PARA O ESTÁGIO SUPERVISIONADO 4 ATRIBUIÇÕES DO RESPONSÁVEL PELA ORIENTAÇÃO DE ESTÁGIO 4 PERFIL DE CONCLUSÃO DE CURSO 4 CAPTAÇÃO DE VAGAS 5

Leia mais

SISTEMÁTICA PARA O ACOMPANHAMENTO DE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO - ESTUDANTE ESPECIAL

SISTEMÁTICA PARA O ACOMPANHAMENTO DE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO - ESTUDANTE ESPECIAL SISTEMÁTICA PARA O ACOMPANHAMENTO DE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO - ESTUDANTE ESPECIAL Ao ser aprovado como estudante especial no PPGEE o estudante receberá o presente documento e deverá assinar a DECLARAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DA MONITORIA. para o exercício da Monitoria nos Cursos de Graduação da Universidade Iguaçu. discentes; magistério superior.

REGULAMENTO DA MONITORIA. para o exercício da Monitoria nos Cursos de Graduação da Universidade Iguaçu. discentes; magistério superior. i.e PRÓ-REITORIA ACADÊMICA REGULAMENTO DA MONITORIA Art. 1º. O presente regulamento estabelece as regras para o exercício da Monitoria nos Cursos de Graduação da Universidade Iguaçu UNIG, por meio de programas

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E TECNOLÓGICOS DE NÍVEL SUPERIOR

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E TECNOLÓGICOS DE NÍVEL SUPERIOR REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E TECNOLÓGICOS DE NÍVEL SUPERIOR Canoas, RS 2012 CAPÍTULO I DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1º - O Estágio Supervisionado dos alunos

Leia mais

ANEXO 2 NORMAS GERAIS ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECATRÔNICA

ANEXO 2 NORMAS GERAIS ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECATRÔNICA ANEXO 2 NORMAS GERAIS ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECATRÔNICA A2-121 ESTÁGIO OBRIGATÓRIO A atual Resolução CNE/CES n o 11, de 11 de março de 2002, do Conselho Nacional de Educação

Leia mais

Normas para realização do Estágio Supervisionado do Curso de Graduação em Engenharia de Alimentos

Normas para realização do Estágio Supervisionado do Curso de Graduação em Engenharia de Alimentos UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS Normas para realização do Estágio Supervisionado do Curso de Graduação em Engenharia de Alimentos Lavras 2014 INTRODUÇÃO Art. 1º. O Estágio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA MOBILIDADE INTERNACIONAL CURSO DE ENGENHARIA CIVIL - FEIS

PROCEDIMENTOS PARA MOBILIDADE INTERNACIONAL CURSO DE ENGENHARIA CIVIL - FEIS PROCEDIMENTOS PARA MOBILIDADE INTERNACIONAL CURSO DE ENGENHARIA CIVIL - FEIS Conforme normas estabelecidas pela Resolução UNESP nº 18/10, alteradas Resolução UNESP nº 36/11, descritas abaixo. Para rápido

Leia mais

BACHARELADO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

BACHARELADO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DO INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DO CAMPUS DE BOTUCATU UNESP (nos termos da Resolução UNESP 35/2004) APRESENTAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR EM SAÚDE - CAMPUS ANÍSIO TEIXEIRA COLEGIADO DE NUTRIÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA 02/2011

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR EM SAÚDE - CAMPUS ANÍSIO TEIXEIRA COLEGIADO DE NUTRIÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA 02/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR EM SAÚDE - CAMPUS ANÍSIO TEIXEIRA COLEGIADO DE NUTRIÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA 02/2011 Revoga a Instrução Normativa 03/2008 e estabelece as normas

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (ATO DE APROVAÇÃO: Resolução do Reitor

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM PROCESSOS GERENCIAIS

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM PROCESSOS GERENCIAIS REGULAMENTO DO ESTÁGIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM PROCESSOS GERENCIAIS EMENTA: Estabelece normas para o funcionamento do Estágio do Curso de Graduação Tecnológica em Processos Gerenciais. O Colegiado

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Introdução

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Introdução REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Introdução O presente regulamento constitui um documento interno do curso de Ciências Contábeis e tem por objetivo reger as atividades relativas ao Estágio Supervisionado.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE GUARATINGUETÁ

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE GUARATINGUETÁ UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE GUARATINGUETÁ REGULAMENTO DO ESTÁGIO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ENGENHARIA DO CAMPUS DE GUARATINGUETÁ DA UNESP

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTAGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PESCA - UNIR - PRESIDENTE MÉDICI-RO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DE ESTAGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PESCA - UNIR - PRESIDENTE MÉDICI-RO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DE ESTAGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PESCA - UNIR - PRESIDENTE MÉDICI-RO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade estabelecer

Leia mais

1.1. Curso de Graduação em Engenharia de Telecomunicações. Período Integral: 15 vagas.

1.1. Curso de Graduação em Engenharia de Telecomunicações. Período Integral: 15 vagas. Edital CE nº 002/2016 Transferência Interna 2017 Estarão abertas na Seção Técnica de Apoio Acadêmico do Câmpus de São João da Boa Vista, da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, localizada

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA FACULDADE GUARAPUAVA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA FACULDADE GUARAPUAVA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA FACULDADE GUARAPUAVA Art. 1º. O Estágio Supervisionado é matéria constante do Currículo Pleno do Curso de Engenharia Elétrica da

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES: CURRÍCULO

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES: CURRÍCULO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE - FACIBIS CURSO DE PSICOLOGIA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES: CURRÍCULO 2009.2 COORDENAÇÃO DO CURSO DE PSICOLOGIA BELO

Leia mais

REGULAMENTO N. 001 /2010 REGULAMENTO GERAL DO NÚCLEO DE ESTÁGIO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA

REGULAMENTO N. 001 /2010 REGULAMENTO GERAL DO NÚCLEO DE ESTÁGIO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA REGULAMENTO N. 001 /2010 REGULAMENTO GERAL DO NÚCLEO DE ESTÁGIO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA Simone da Silva Gomes Cardoso, Diretora da FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPEVISIONADO ENGENHARIA CIVIL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPEVISIONADO ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPEVISIONADO ENGENHARIA CIVIL O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CONSEPE), no uso de suas prerrogativas legais, aprovou as alterações do Regulamento de Estágio Curricular

Leia mais

PRÓ-REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - BACHARELADOS DO UNILASALLE NORMAS DE FUNCIONAMENTO

PRÓ-REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - BACHARELADOS DO UNILASALLE NORMAS DE FUNCIONAMENTO PRÓ-REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - BACHARELADOS DO UNILASALLE NORMAS DE FUNCIONAMENTO Disciplinas de Estágio Supervisionado Art. 1º De acordo

Leia mais

MINUTA DE REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO DA FCHS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

MINUTA DE REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO DA FCHS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MINUTA DE REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO DA FCHS Aprovado pela Congregação em 01/03/2011 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este regulamento normatiza o cumprimento

Leia mais

EDITAL Nº 03/ CENMEC/UNIVASF SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIO PARA ATUAÇÃO NOS LABORATÓRIOS DO CENMEC COLEGIADO DE ENGENHARIA MECÂNICA

EDITAL Nº 03/ CENMEC/UNIVASF SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIO PARA ATUAÇÃO NOS LABORATÓRIOS DO CENMEC COLEGIADO DE ENGENHARIA MECÂNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO UNIVASF COLEGIADO DE ENGENAHRIA MECÂNICA - CENMEC Avenida Antônio Carlos Magalhães, 510, bairro Country Clube, Juazeiro/BA CEP 48902-300 Telefone/Fax (74)

Leia mais

I - à existência de vagas remanescentes das transferências internas;

I - à existência de vagas remanescentes das transferências internas; PORTARIA nº 82/2008 - FACULDADE DE ENGENHARIA/DTA Campus de Guaratinguetá DISPÕE SOBRE TRANSFERÊNCIA PARA OS CURSOS DE ENGENHARIAS, FÍSICA (Licenciatura e Bacharelado) e LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DA FACULDADE

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE N.º 15, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014

RESOLUÇÃO CONSEPE N.º 15, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014 RESOLUÇÃO CONSEPE N.º 15, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014 Estabelece procedimentos para o Estudo Dirigido no âmbito das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão das Faculdades

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS - CCHS CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS - CCHS CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS - CCHS CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Capítulo I - Do Conceito e das Finalidades Art. 1º. O presente

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA PROGRAD Nº 09 DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 MOBILIDADE ACADÊMICA NACIONAL E INTERNACIONAL

INSTRUÇÃO NORMATIVA PROGRAD Nº 09 DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 MOBILIDADE ACADÊMICA NACIONAL E INTERNACIONAL INSTRUÇÃO NORMATIVA PROGRAD Nº 09 DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 MOBILIDADE ACADÊMICA NACIONAL E INTERNACIONAL A Pró-Reitora de Ensino de Graduação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS DIRETRIZES PARA A REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS PORTO ALEGRE 2011 2 ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO EM ENGENHARIA DE ALIMENTOS O Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac 2 TÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES GERAIS Artigo 1º - Os Cursos da FELM mantém estágios curriculares supervisionados que se constituem

Leia mais

REGULAMENTO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) constitui-se como atividade facultativa e tem como objetivos: I - Desenvolver

Leia mais

PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO. Escola SENAI Anchieta

PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO. Escola SENAI Anchieta PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO Escola SENAI Anchieta Sumário Página 01 Prática Profissional / Estágio 03 02 Da carga horária da Prática Profissional / Estágio

Leia mais

EDITAL N 001/2015 ENFERMAGEM PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO

EDITAL N 001/2015 ENFERMAGEM PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CÂMPUS DE PALMAS CURSO DE ENFERMAGEM Av. NS 15, ALCNO 14, Bloco IV, 109 Norte Palmas/TO (63) 3232-8318 www.uft.edu.br enfermagem@uft.edu.br EDITAL N 001/2015 ENFERMAGEM

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PROGRAMA DE MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO - PPGDir COLEGIADO DE CURSO RESOLUÇÃO 01/2016 ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PROGRAMA DE MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO - PPGDir COLEGIADO DE CURSO RESOLUÇÃO 01/2016 ATIVIDADES COMPLEMENTARES RESOLUÇÃO 01/2016 ATIVIDADES COMPLEMENTARES O Colegiado do Curso de Mestrado Acadêmico em Direito da Universidade de Caxias do Sul, no exercício das atribuições que lhe confere o regulamento do Programa

Leia mais

EDITAL FATEC SÃO ROQUE Nº 01/2014 DE 12 DE MAIO DE 2014

EDITAL FATEC SÃO ROQUE Nº 01/2014 DE 12 DE MAIO DE 2014 EDITAL FATEC SÃO ROQUE Nº 01/2014 DE 12 DE MAIO DE 2014 O Diretor da Faculdade de Tecnologia de São Roque no uso de suas atribuições legais torna público que estão abertas as inscrições para participação

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA HABILITAÇÃO EM GESTÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA HABILITAÇÃO EM GESTÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA HABILITAÇÃO EM GESTÃO DA INFORMAÇÃO FLORIANÓPOLIS, SC 2011 CAPITULO I CONCEPÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º O Curso de Biblioteconomia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 42/2011, DE 26 DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 42/2011, DE 26 DE AGOSTO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 42/2011, DE 26 DE AGOSTO DE 2011 Aprova o Regulamento de Estágio do Curso de Engenharia de Produção, na forma do Anexo. O Reitor da Fundação Universidade Regional de Blumenau FURB, no uso

Leia mais

NORMAS - ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS UNESP - CAMPUS BAURU

NORMAS - ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS UNESP - CAMPUS BAURU NORMAS - ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS UNESP - CAMPUS BAURU O Conselho de Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação

Leia mais

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), através da D ireção de

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), através da D ireção de DIRETORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR Curso Superior de Tecnologia em Design de Interiores do IFPB Campus João Pessoa EDITAL Nº 11, 23 DE OUTUBRO DE 2016 PROCESSO DE RECONHECIMENTO DE COMPETÊNCIAS/CONHECIMENTOS

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM REGIMENTO DO ESTÁGIO TÍTULO I. Do Estágio

CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM REGIMENTO DO ESTÁGIO TÍTULO I. Do Estágio UNVERSDADE FEDERAL DE JUZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM Campus Universitário - Martelos - Juiz de Fora - MG - 36036-330 - Fone (032) 3229-3000 Ramais 3820/ 3821/ Tel. Fax: (0XX32) 3229-3822 - Fone (0XX32)

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO (cursos presenciais e à distância)

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO (cursos presenciais e à distância) FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL DIREÇÃO ACADÊMICA REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO (cursos presenciais e à distância) CACOAL 2015 CAPÍTULO I DO CONCEITO, FINALIDADE

Leia mais

Campus Itaqui Curso de Ciência e Tecnologia de Alimentos Normas para o Estágio Supervisionado Obrigatório

Campus Itaqui Curso de Ciência e Tecnologia de Alimentos Normas para o Estágio Supervisionado Obrigatório Campus Itaqui Curso de Ciência e Tecnologia de Alimentos Normas para o Estágio Supervisionado Obrigatório 1. ASPECTOS LEGAIS O Estágio Supervisionado tem caráter curricular obrigatório e é uma exigência

Leia mais

UNlVERSIDADEESTADUALPAULISTA

UNlVERSIDADEESTADUALPAULISTA unesp.*;:.'" UNlVERSIDADEESTADUALPAULISTA DISPÕE SOBRE TRANSFERÊNCIA PARA OS CURSOS DE ENGENHARIAS, FíSICA (Licenciatura e Bacharelado) e LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DA FACULDADE DE ENGENHARIA - o Diretor

Leia mais

NORMATIZAÇÃO CGA N o 04/2015

NORMATIZAÇÃO CGA N o 04/2015 NORMATIZAÇÃO CGA N o 04/2015 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES NORMATIZAÇÃO DE ATIVIDADES DE MONITORIA 1.1 - O presente documento reúne as normas estabelecidas para o Programa de Monitoria desenvolvido no Instituto

Leia mais

NORMATIVA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE HISTÓRIA LICENCIATURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO

NORMATIVA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE HISTÓRIA LICENCIATURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO NORMATIVA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE HISTÓRIA LICENCIATURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Os estágios curriculares no curso de História-Licenciatura

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA

CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA NORMA PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I - Das Disposições Preliminares Art. 1 - A presente norma tem como objetivo regulamentar a realização de Trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE MATEMÁTICA O Colegiado do Curso de Matemática do Instituto de Ciências Exatas (ICEx) da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Abril de 2014 1 CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1 Este regulamento normatiza as atividades de estágio supervisionado

Leia mais

EDITAL Nº 07-DE, de 01 de Agosto de 2016.

EDITAL Nº 07-DE, de 01 de Agosto de 2016. EDITAL Nº 07-DE, de 01 de Agosto de 2016. EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA SOLICITAÇÃO DE TRANSFERÊNCIA INTERNA E EXTERNA PARA OS CURSOS TÉCNICOS SUBSEQUENTES DO IFRS CAMPUS VIAMÃO O do Instituto

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS Art. 1º - Este Regulamento visa normatizar as Atividades Complementares do Curso de História. Parágrafo único As Atividades Complementares

Leia mais

2

2 REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DA UNIVERSIDADE IBIRAPUERA 2 REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DA UNIVERSIDADE IBIRAPUERA CAPÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

Leia mais

RESOLUÇÃO. Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais INTERTEC, do câmpus de Bragança Paulista da Universidade São Francisco.

RESOLUÇÃO. Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais INTERTEC, do câmpus de Bragança Paulista da Universidade São Francisco. RESOLUÇÃO CONSEPE 24/2008 APROVA O REGULAMENTO DE TRABALHO INTERDISCIPLINAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS INTERTEC, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE UNIÃO DA VITÓRIA UNIUV

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE UNIÃO DA VITÓRIA UNIUV REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE UNIÃO DA VITÓRIA UNIUV CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1 - O estágio é uma atividade

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO 1 MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO BETIM MG 2 Este manual tem como objetivo orientar e auxiliar o aluno na compreensão das atividades, normas e diretrizes

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA E BIOQUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA E BIOQUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA E BIOQUÍMICA REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA E BIOQUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

PORTARIA D.FCF/CAr. 12/2015

PORTARIA D.FCF/CAr. 12/2015 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC PORTARIA D.FCF/CAr. 12/2015 Dispõe sobre o Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC do Curso de Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia da Faculdade de

Leia mais

Bacharelado em Teologia. Regulamento do Estágio Supervisionado Obrigatório FUNDAMENTOS LEGAIS E REGULAMENTAÇÃO

Bacharelado em Teologia. Regulamento do Estágio Supervisionado Obrigatório FUNDAMENTOS LEGAIS E REGULAMENTAÇÃO Página 1 de 7 Bacharelado em Teologia Regulamento do Estágio Supervisionado Obrigatório FUNDAMENTOS LEGAIS E REGULAMENTAÇÃO Art. 1º. O estágio supervisionado obrigatório do curso de graduação em Teologia

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM BIOTECNOLOGIA CAMPUS DE ARARAS. Normas para o Estágio Supervisionado

CURSO DE BACHARELADO EM BIOTECNOLOGIA CAMPUS DE ARARAS. Normas para o Estágio Supervisionado 1 CURSO DE BACHARELADO EM BIOTECNOLOGIA CAMPUS DE ARARAS Normas para o Estágio Supervisionado 1- Objetivos O objetivo do estágio curricular é oferecer aos alunos a experiência no campo profissional, visando

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE ENSINO. RESOLUÇÃO nº 04/2017

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE ENSINO. RESOLUÇÃO nº 04/2017 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE ENSINO RESOLUÇÃO nº 04/2017 Regulamenta a dupla diplomação para os alunos dos cursos de graduação que

Leia mais

PORTARIA nº 073/ FEG/DTA

PORTARIA nº 073/ FEG/DTA PORTARIA nº 073/2009 - FEG/DTA DISPÕE SOBRE TRANSFERÊNCIA PARA OS CURSOS DE ENGENHARIAS, FÍSICA (Licenciatura e Bacharelado) e LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DA FACULDADE DE ENGENHARIA O Diretor da Faculdade

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Enfermagem, bacharelado, da Faculdade do Maranhão FACAM.

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Enfermagem, bacharelado, da Faculdade do Maranhão FACAM. RESOLUÇÃO CSA N 06/2010 APROVA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENFERMAGEM, BACHARELADO, DA FACULDADE DO MARANHÃO FACAM. O Presidente do Conselho Superior de Administração CSA, no uso

Leia mais

REGULAMENTO DO COMPONENTE: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO

REGULAMENTO DO COMPONENTE: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO REGULAMENTO DO COMPONENTE: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º O componente Estágio Curricular Supervisionado em Biotecnologia éparte integrante do currículo pleno do

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS - UNIFEB

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS - UNIFEB REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS - UNIFEB Da exposição de motivos Considerando que a disciplina Atividades Complementares

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

REGULAMENTO GERAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE REGULAMENTO GERAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Seção I Das Modalidades e seu desenvolvimento Art. 1º O Estágio Supervisionado constitui-se em meio para que o aluno,

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES O que são as atividades complementares? - as atividades complementares são um componente curricular obrigatório segundo as Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação

Leia mais

Faculdade de Serviço Social Programa de Pós-Graduação em Serviço Social Regulamento

Faculdade de Serviço Social Programa de Pós-Graduação em Serviço Social Regulamento Faculdade de Serviço Social Programa de Pós-Graduação em Serviço Social Regulamento Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Serviço Social (PPGSS), vinculado

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPE Nº 021, DE 19 DE JULHO DE 2016.

RESOLUÇÃO CEPE Nº 021, DE 19 DE JULHO DE 2016. RESOLUÇÃO CEPE Nº 021, DE 19 DE JULHO DE 2016. APROVA REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA DE DISCENTES DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU, DA UEPG. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, no uso

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A DEFESA DE PROJETO DE DISSERTAÇÃO (QUALIFICAÇÃO)

ORIENTAÇÕES PARA A DEFESA DE PROJETO DE DISSERTAÇÃO (QUALIFICAÇÃO) ORIENTAÇÕES PARA A DEFESA DE PROJETO DE DISSERTAÇÃO (QUALIFICAÇÃO) A Defesa de Projeto de Dissertação consiste na elaboração e apresentação oral, perante banca examinadora, do projeto de pesquisa que será

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA FLORESTAL (TCC EF)

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA FLORESTAL (TCC EF) TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA FLORESTAL (TCC EF) I. DEFINIÇÃO Em atendimento às Diretrizes Curriculares do Ministério da Educação, todo aluno do Curso de Engenharia Florestal deverá, obrigatoriamente,

Leia mais

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ATIVIDADES COMPLEMENTARES RESOLUÇÃO Nº117, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2015. O COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA FACULDADE DE ENGENHARIAS, ARQUITETURA E URBANISMO E GEOGRAFIA da Fundação Universidade Federal de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS DIRETRIZES PARA A REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE ALIMENTOS PORTO ALEGRE 2009 2 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE ALIMENTOS O Estágio Curricular Supervisionado é um procedimento

Leia mais

COORDENAÇÃO DO CURSO DE C.S.T. EM PROCESSOS QUÍMICOS PORTARIA NORMATIVA Nº 1, 14 DE SETEMBRO DE 2009

COORDENAÇÃO DO CURSO DE C.S.T. EM PROCESSOS QUÍMICOS PORTARIA NORMATIVA Nº 1, 14 DE SETEMBRO DE 2009 COORDENAÇÃO DO CURSO DE C.S.T. EM PROCESSOS QUÍMICOS PORTARIA NORMATIVA Nº 1, 14 DE SETEMBRO DE 2009 Institui as normas e as atividades aprovadas para o aproveitamento de carga horária para compor atividades

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º. Este Regulamento estabelece as políticas básicas das

Leia mais

RESOLUÇÃO N 43/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE no uso de suas atribuições legais e;

RESOLUÇÃO N 43/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE no uso de suas atribuições legais e; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 43/2009/CONEPE Aprova Normas de Estágio Curricular Obrigatório do

Leia mais