Núcleo de Pesquisas em Qualidade de Vida FCECA 4 MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR SOCIAL: ALTERNATIVA METODOLÓGICA E REQUERIMENTO DE DADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Núcleo de Pesquisas em Qualidade de Vida FCECA 4 MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR SOCIAL: ALTERNATIVA METODOLÓGICA E REQUERIMENTO DE DADOS"

Transcrição

1 Núcleo de Pesqusas em Qualdade de Vda FCECA 4 MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR SOCIAL: ALTERNATIVA METODOLÓGICA E REQUERIMENTO DE DADOS 1. Introdução A busca de uma base concetual para a obtenção de meddas de bem-estar é uma questão polêmca para os economstas, pos além de envolver aspectos normatvos, tas meddas carregam mperfeções no campo teórco e dversas dfculdades no campo prátco. Consdera-se que, no campo prátco, as meddas de bem-estar podem ser avaladas através dos concetos de renda, renda real e renda per capta, enfatzando o grau de desgualdade nelas ntrínseco. Já no campo teórco, tas meddas são comumente descrtas por funções de utldade socal. De uma forma geral, as aproxmações de meddas de bem-estar podem ser obtdas levando-se em consderação três dferentes proposções: a) índces de meddas de bem-estar, que são dervados da estmatva de parâmetros de preferênca num modelo ntegrado de consumo famlar e emprego; b) dspêndos totas, que expressam um modelo em que o bem-estar é função do consumo de mercadoras pela famíla; c) conceto de renda plena, que pode ser expresso pela somatóra da renda monetára, das transferêncas governamentas e dos subsídos. A partr dessas consderações, propõe-se neste relatóro a construção de uma base metodológca que auxle a construção de uma medda de bem-estar, bem como ndque os dados necessáros para a construção de um índce de qualdade de vda no muncípo de São Paulo, que possa ser tomado como uma representação smplfcada das dmensões da qualdade de vda dos cdadãos. Para tanto, nca-se com um breve relato hstórco sobre as dscussões que levaram ao desenvolvmento dos arcabouços teórcos que analsam o bem-estar coletvo. Em seguda, são abordados os aspectos teórcos e as lmtações das funções de utldade socal. A partr daí, é desenvolvda uma abordagem alternatva com a ncorporação de aspectos dstrbutvos e de renda plena às funções anterores. Por fm, avala-se o requermento de dados necessáro para o cálculo de um índce de qualdade de vda para o muncípo de São Paulo.

2 Núcleo de Pesqusas em Qualdade de Vda FCECA 5 2. Economa do bem-estar, estado e socedade Um breve hstórco das dscussões sobre bem-estar As dscussões sobre bem-estar na economa tornaram-se freqüentes, prncpalmente a partr dos debates sobre a formulação de les de amparo ofcal aos pobres na Inglaterra, ao longo dos séculos XVI e XVII. Essas les foram conseqüênca dreta das profundas transformações dos recursos naturas do Novo Mundo e da abertura de novos mercados de consumo que favoreceram a expansão do comérco e da ndústra manufaturera. A construção teórca em economa, que traz consgo o contexto de tas transformações, começa a trlhar o camnho dos debates sobre o desenvolvmento econômco, suas repercussões sobre a socedade e o papel do Estado. A função do Estado, nessa época, tornou-se um dos prncpas pontos do debate econômco, que tem no deáro lberal a formulação de uma base flosófca de exaltação do ndvdualsmo como sua prncpal orentação. Regstra-se, ao longo dos séculos XVII e XVIII, uma dssemnação dos prncípos baseados em polítcas econômcas do ndvdualsmo, que se completou com a tradção de que a exstênca da nsttução Estado sera um obstáculo à lberdade ndvdual. Para Dudley North, como todos os ndvíduos eram movdos pelos própros nteresses, quando esses atuassem de manera lvre na busca de tas nteresses, o bem-estar públco podera ser maxmzado. Em 1714, Bernard Mandevlle ressaltou que o comportamento egoísta dos ndvíduos sera responsável pela amplação da produção ndustral 2. Tas consderações, no contexto do pensamento lberal clássco, têm sua expressão maor na teora da mão-nvsível de Adam Smth, que posterormente subsdou as teoras neoclásscas, encontrando em León Walras a formulação mas consstente de uma teora econômca lberal. Em sua obra, A Rqueza das Nações, Smth se preocupou em dentfcar as forças socas e econômcas que seram responsáves pela promoção do bem-estar dos ndvíduos. Neste sentdo, o autor defnu bem-estar humano como resultado do total da produção realzada e do número de pessoas que a ela teram acesso. 1 Alguns argumentos aqu apresentados servram como base para Scarano P. R.; Moura Junor, A. A. Estado, Bem-Estar e Utltarsmo Clássco. Anpec Sul, E.K. HUNT, Hstóra do Pensamento Econômco. Ro de Janero: Edtora Campus,1982, p.53.

3 Núcleo de Pesqusas em Qualdade de Vda FCECA 6 Somente através da adoção de um sstema de lassez fare sera possível a uma socedade alcançar o seu estágo máxmo de desenvolvmento. Outros autores clásscos defenderam a adoção de uma condção de lberdade ndvdual como fator determnante para o desenvolvmento e, por consegunte, para a melhora das condções de vda. No entanto, as questões socas surgdas como efeto da Revolução Industral - que por um lado propcou o aumento da produtvdade humana como nunca se vra antes, mas do outro trouxe aos trabalhadores uma condção de maor pobreza e os relegou a vastos aglomerados urbanos, prvados dos laços de soldaredade que encontravam na comundade rural - demandou provdêncas urgentes, uma vez que dversos movmentos socas começaram a se organzar contra o novo sstema fabrl mplantado. Como conseqüênca, novos debates passaram a fazer parte das cenas polítca e acadêmca na Europa, que tnham como orentação a adoção de meddas que vsassem, prncpalmente, amparar o trabalhador e proteger as mulheres e as cranças. Por outro lado, dversos autores denuncavam o papel usurpador do sstema captalsta e todas as njustças decorrentes da adoção desse sstema. Destacou-se, dentre estes, Marx que formulou a teora da mas vala, que consderava o modo de produção captalsta um processo de exploração e apropração ndevda do trabalho alheo. Além dsso, apontou que o sstema captalsta, por ser baseado em um ncessante processo de acumulação de captal, levara a um ntenso empobrecmento da classe trabalhadora. Em conseqüênca dos confltos surgdos com a Revolução Industral, dversas revoltas foram regstradas na Inglaterra ao longo do século XIX, elevando a pressão socal e a demanda por melhores condções de vda. A partr do níco do século XX, mudanças sgnfcatvas começaram a ser realzadas com o objetvo de amplar o padrão de vda da população 3. Contudo, apesar das mudanças descrtas acma, os deas de Estado mínmo, nserdos nos precetos lberas, anda domnavam o pensamento econômco. Fo 3 O níco do Século XX fo caracterzado pelas reformas lberas, pos dversas meddas tomadas na Europa vsaram melhorar o padrão de vda da população. Os motvos que levaram a tas reformas são: a) a pressão polítca exercda pela classe trabalhadora; b) as mudanças de attudes por parte da elte polítca, cuja avalação era de que o crescmento econômco dependa das condções de saúde e de educação da força de trabalho; c) nfluêncas nsttuconas decorrentes da pressão por parte de organzações que passaram a nfluencar as decsões dos governos locas e central. Outra mportante consderação que deve ser feta fo a Revolução Russa de 1917.

4 Núcleo de Pesqusas em Qualdade de Vda FCECA 7 com a Grande Depressão que Keynes denuncou as defcêncas do modelo de equlíbro geral de Walras e propôs a crescente presença do Estado na economa com o objetvo de buscar o pleno emprego e elevar o bem-estar socal. A teora keynesana fo a prncpal responsável pela dssemnação, em dversos países, de polítcas que vsavam elevar o nível de bem-estar da população, destacando-se os períodos do New Deal e do pós II Guerra Mundal. Esses períodos podem ser consderados marcos na adoção do Estado de bem-estar socal (Welfare State), ou seja, de um sstema baseado na propredade prvada, mas com consderável partcpação do Estado na promoção de polítcas socas. A chamada revolução keynesana ofuscou por um bom tempo o pensamento lberal, pelo menos no que tange a adoção de polítcas, e amplou as dscussões que envolvam o papel do Estado na busca pelo pleno emprego e do bem-estar socal. Uma melhor síntese dessa dscussão, que pode ser nserda no debate sobre a economa do estado de bem-estar socal, é realzada pela chamada Teora da Socedade Teora da Socedade Segundo Barr (1998) a proposta da Teora da Socedade é oferecer prncípos que possam auxlar na escolha entre os dferentes tpos de sstemas socas e subdvde-se em: ) Teora do Lbertaransmo ; ) Teora Lberal; ) Teora Coletvsta Os lbertaranos Os chamados lbertaranos podem ser dvddos em dos grupos: os naturalrghts - que são consderados os radcas do pensamento lberal, com destaque para Nozck 4 - cujo prncípo básco de justça está atrelado ao respeto rrestrto dos dretos ndvduas, sobretudo de propredade prvada e lberdade. Assm, quasquer consderações sobre polítcas redstrbutvas devem ser rechaçadas, pos afetam tas precetos báscos. 4 Apud Barr (1998)

5 Núcleo de Pesqusas em Qualdade de Vda FCECA 8 Outro grupo de lbertaranos, denomnado Emprcals, destaca Fredrch Hayek que propõe uma avalação da relação dreta entre gualdade e lberdade, uma vez que a gualdade só pode ser obtda às custas de volações extremas das lberdades ndvduas. Para o autor, quando o Estado substtu as ncatvas ndvduas expressas pelo mercado há uma mposção de escolhas. As alocações arbtráras de recursos resultantes desta mposção são desastrosas para a efcênca econômca e para as lberdades ndvduas, além de acarretar uma sgnfcatva elevação das desgualdades Os Coletvstas De uma forma geral os coletvstas defendem que os recursos são de uso coletvo, e conseqüentemente seu uso depende de ações governamentas. No entanto, dvergem quanto ao sstema econômco. Os marxstas consderam o sstema captalsta nvável, devendo ser ntegralmente rejetado para que a socedade possa resolver o problema da eqüdade, também não acredtam na possbldade do Estado exercer a função de provedor de bem-estar socal, uma vez que o consderam um nstrumento de domnação da classe captalsta (MARX, 1977). Já o Socalsmo Democrátco, embora orgnáro dos movmentos socalstas, pretenda mover-se rgorosa e exclusvamente no âmbto das nsttuções lberasdemocrátcas, acetando, dentro de certos lmtes, a função postva do mercado e mesmo a propredade prvada. Sua realzação prátca é obtda a partr da colaboração nsttuconalzada e permanente do Estado, das empresas e dos sndcatos dos trabalhadores Teoras Lberas da Socedade As teoras lberas da socedade trabalham com a argumentação de que o sstema captalsta é consderado mas efcente do que qualquer outro já exstente, embora possa carregar um maor custo em termos de pobreza e desgualdade. Dentre as prncpas contrbuções Lberas estão o Utltarsmo e Teora da Justça. 5 As dscussões que envolvem o socalsmo democrátco hoje devem levar em consderação as novas condções do captalsmo, bem como a capacdade do Estado de promover polítcas.

6 Núcleo de Pesqusas em Qualdade de Vda FCECA 9 O Utltarsmo, surgdo no século XVIII, com Say, Sênor e Bentham, tornou-se a base da teora neoclássca formalzada por Jevons, Menger e Walras. Este últmo mostrou, através do seu modelo de equlíbro geral, que o sstema de mercado levara a socedade a uma stuação de pleno emprego, de tal sorte que as ações ndvduas e maxmzadoras dos agentes econômcos representaram a maxmzação do bem-estar socal. Portanto, as attudes ndvduas não deveram ser cerceadas por nenhum conjunto de les, ou seja, o equlíbro geral prevê o chamado Estado Mínmo. Pareto complementou, através da formulação de um sstema lógco, o Modelo de Equlíbro Geral de Walras, reafrmando os prncípos báscos da efcênca nas trocas e, por consegunte, da geração de um nível ótmo de bem-estar 6. As análses utltarstas são realzadas a partr das chamadas Funções de Bem-estar Socal, que descrevem os pesos específcos atrbuídos à utldade de cada ndvíduo na determnação do que é socalmente desejável, expressando uma condção técnca de avalação. Vale ressaltar que tal condção resulta de decsões polítcas, ou seja, de aspectos normatvos. A teora utltarsta vsa, ao analsar a dstrbução dos Bens 7, mostrar como se alcança a maxmzação da utldade total de uma socedade, levando em consderação dos aspectos: os bens são produzdos e alocados de manera efcente; e não há a necessdade da eqüdade para tanto. Um outro debate é sugerdo pela Teora da Justça, que busca mostrar como as ações governamentas podem atuar para combnar efcênca e redução da desgualdade. Seus defensores não apresentam uma resposta que represente um consenso sobre a melhor forma de defnr e quantfcar a eqüdade. Porém, apontam duas proposções teórcas alternatvas: a gualtára e a ralwasana. A proposção gualtára é consderada uma crítca extrema ao utltarsmo, ao propor que todos os membros da socedade devem receber guas quantdades de mercadoras. Já a vsão ralwasana tem um caráter ntermedáro entre utltarstas e gualtarstas, acetando a desgualdade quando esta é capaz de maxmzar a 6 Pareto também utlzou os concetos de curva de ndferença e curva de contrato, desenvolvdos por Francs Edgworth, para demonstrar a possbldade de uma teora econômca baseada apenas em escalas de preferênca. 7 Os Bens podem ser amplamente entenddos como sendo: bens, servços, dretos, lberdade e poder polítco.

7 Núcleo de Pesqusas em Qualdade de Vda FCECA 10 utldade do ndvíduo de menor poder aqustvo da socedade. Para Rawls, embora a socedade gualtára seja a deal, não necessaramente deve ser a regra Funções de bem-estar socal: aspectos teórcos e lmtações A função de bem-estar socal fo orgnalmente concebda por Bergson (1938), e desenvolvda posterormente por Samuelson (1961) e Arrow (1961), estabelecendo as condções para se passar das preferêncas ndvduas para as coletvas, como a própra possbldade de construção desta função numa socedade lvre e democrátca. A formulação analítca da função de bem-estar socal tem como premssa básca a exstênca de uma relação funconal entre o índce de bem-estar socal e a quantdade de bem-estar obtda por cada um dos membros da socedade, tal como pode ser expresso pela segunte função: [ (X ), U (X ), K, U (X ) ] W= W U 1 2 2, Eq θ θ Onde (x ) representa um vetor n-dmensonal de stuações socas da forma (x ) = (x 1,x 2,...,x n ); θ é o número de ndvíduos da coletvdade e U (x ) é o índce de utldade do -ésmo ndvíduo. Assm, a função índce de bem-estar anteror defnra as preferêncas ordenadas da comundade com relação às possíves stuações socas. Contudo, de acordo com Sctovsky (1951), a elaboração de uma função de bem-estar socal enfrenta duas dfculdades. Em prmero lugar, é necessáro especfcar a forma da função e a exata dependênca do bem-estar de cada ndvíduo, o que leva ao emprego de juízo de valor. A outra dfculdade refere-se às possbldades prátcas de construr uma função de bem-estar que seja um reflexo das asprações de uma socedade lvre. Por outra parte, com relação à forma da função, segundo Bergson, esta será determnada por meo das decsões específcas sobre os objetvos que se pretende alcançar, mas a verdadera questão consste em determnar quem toma essas 8 John Rawls, A theory of Justce. New York: Oxford Unversty Press, 1971

8 Núcleo de Pesqusas em Qualdade de Vda FCECA 11 decsões, que, para Sen (1970), podem ser os dtados da olgarqua, os caprchos de um dtador, os valores de uma classe socal...ou a tradção. Não obstante o anteror, a prncpal crítca à função de bem-estar proposta por Bergson e Samuelson partu de Arrow (Op. Ct.), no que fcou conhecdo como Teorema da Impossbldade de Arrow. O referdo autor tenta encontrar uma resposta para a segunte questão: em que medda ou de que forma a função de bem-estar socal depende da ordenação das preferêncas ndvduas? Ou, alternatvamente, qual sera a regra de escolha coletva? Para Arrow, uma função de bem-estar socal é uma regra de escolha coletva que especfca uma ordem de preferêncas da socedade. Os dos axomas báscos que garantem a exstênca dessa função são os seguntes: Axoma I: ( x, y) { x y; y x } ou seja, para qualquer par de alternatvas x y, x é preferda a y ou y é preferda a x, ou exste ndferença entre ambas. Axoma II: ( x, y) { x y; y z x z }, quer dzer, se x é preferda ou ndferente a y e y é preferda ou ndferente a z, então x deve ser preferda ou ndferente a z, axoma da transtvdade A partr dos axomas anterores, Arrow postula cnco condções: 1. Condção Trplamente Lvre - Dadas três alternatvas quasquer, sem mportar quas são as ordenações ndvduas destas alternatvas, a função de bem-estar socal deve dar lugar a uma ordenação socal de preferêncas (relaconada e transtva). 2. Assocação Não-Negatva - A função de bem-estar socal tem que permtr que a ordenação socal responda postvamente às alterações nas aprecações ndvduas, ou, ao menos, não negatvamente.

9 Núcleo de Pesqusas em Qualdade de Vda FCECA Independênca das Alternatvas Irrelevantes - A ordenação socal de um conjunto de alternatvas dependera somente das ordenações estabelecdas pelos ndvíduos sobre esse conjunto, e não da exstênca ou ordenação das alternatvas fora desse conjunto. 4. Não Imposção - A função de bem-estar socal não deve ser mposta. 5. Não Dtadura - A função de bem-estar socal não deve ser dtatoral. Dto de outro modo, as ordenações socas não são determnadas somente pelas preferêncas de um membro concreto da socedade. Arrow chega à conclusão de que é mpossível encontrar uma função de bemestar socal que cumpra o conjunto anteror de condções smultaneamente, pos sua consstênca não pode ser alcançada de forma democrátca, requerendo uma mposção, o que vola as condções 4 e 5. Assm, não parece possível obter uma função de bem-estar socal do tpo Bergson-Samuelson a partr de um conjunto de preferêncas ndvduas. Apesar dsso, exstem duas alternatvas para evtar as conseqüêncas do Teorema da Impossbldade, o que permtra contnuar utlzando o conceto de função de bem-estar socal: Cardnalzação das preferêncas, o que permtra evtar o cumprmento da tercera condção, tornando mpossíves certos tpos de votação conseqüentes com procedmentos de mposção socal. Imposção de restrções no domíno das preferêncas ndvduas Dessa forma, uma função de bem-estar socal concebda de acordo com o anteror, deverá satsfazer as seguntes propredades: 1. Não Paternalsmo: o Planejador Socal não deve ter preferêncas dretas sobre as alternatvas fnas, cuja ordem de preferêncas deve ser totalmente conseqüente com o bem-estar ndvdual.

10 Núcleo de Pesqusas em Qualdade de Vda FCECA Propredade Paretana: o bem-estar socal é crescente, ou seja, se u u, para todo, então W(u ) W(u); e se u > u, para todo, então W(u ) > W(u). 3. Smetra: A dentdade dos agentes não mporta para avalar o bem-estar socal, somente as freqüêncas dos dferentes valores de utldade são relevantes. 4. Concavdade: A socedade é avessa às condções de desgualdade. Por outro lado, os tpos de função de bem-estar socal mas utlzados são os seguntes:. Utltarsta ou de Bentham - Nesse caso, os aumentos ou dmnuções das utldades ndvduas produzem mpactos dêntcos no bem-estar socal. Justamente, pelo fato de que somente o bem-estar total mporta, essa função é neutra em relação à dstrbução das utldades entre os agentes. Sua forma genérca é a segunte: W u) ( = u Eq Maxmn ou Rawlsana - Nesse tpo de função, o bem-estar socal é exatamente gual ao valor da utldade alcançada pelo ndvíduo mas desfavorecdo, o que mplca que a maxmzação do bem-estar socal é totalmente equvalente à maxmzação do bem-estar do ndvíduo mas desfavorecdo. Essa função assume a segunte forma: { u, u } W u) = Mn,... ( 1 2 u I Eq Utltarsta Generalzada - Nesse caso, dadas as funções de utldade ndvduas, exste uma decsão socal delberada de atrbur uma ponderação socal decrescente às undades sucessvas de utldade ndvdual. A expressão matemátca que defne essa função é a segunte:

11 Núcleo de Pesqusas em Qualdade de Vda FCECA 14 W ( u) = g ( u ) Eq. 1.4 v. Elastcdade Constante - Essa função é um caso partcular da função utltára generalzada, em que as utldades margnas têm elastcdade constante, com o grau de aversão à desgualdade determnado por um únco parâmetro, ρ. Na próxma seção, desenvolveremos com detalhe esse tpo de função. 4. Aversão à desgualdade e renda plena: uma abordagem alternatva As funções de bem-estar socal apresentadas anterormente, além dos problemas de agregação já dscutdos, têm em comum mas um ponto crítco: o bemestar ndvdual depende apenas do nível de renda e nenhuma referênca é feta à desgualdade de renda; ou seja, assume-se que o bem-estar socal não esteja vnculado de forma alguma a questões referentes à desgualdade de renda. Não obstante, na segunda seção deste trabalho observou-se que a noção de justça socal, anda que dependente da teora de socedade tomada como base flosófca, não se desvncula dos aspectos dstrbutvos, ao contráro, são esses aspectos os focos da dscussão normatva que tem acompanhado o desenvolvmento da economa do bem-estar ao longo do tempo. Assm, objetvo nesta seção é, então, buscar uma abordagem alternatva e mas abrangente para a função de bem-estar socal, permtndo a ncorporação tanto de aspectos dstrbutvos quanto de um conceto de renda mas amplo, o de renda plena. 4.1 Aversão à desgualdade Segundo o Teorema da Impossbldade de Arrow, como vmos, uma função de bem-estar socal que agregue o bem-estar ndvdual ou é dtatoral ou não atende ao axoma da transtvdade. Dessa forma, assume-se ncalmente que o bem-estar socal depende dretamente do bem-estar ndvdual, expresso pela função utldade:

12 Núcleo de Pesqusas em Qualdade de Vda FCECA 15 o bem-estar socal é representado por uma função (FBS, W(.)) não decrescente da utldade ndvdual de N ndvíduos ou seja, respeta o prncípo de Pareto: r r r W= ( u1( x), u 2( x), K,u N( x) ) Eq. 1.4 r x= vetor de bens e servços Consderando que as escolhas ndvduas são realzadas com restrção orçamentára, o bem-estar ndvdual depende do nível de renda de cada ndvíduo (y ): ( y, y, K, ) W= Eq y N Tomando dos estados A e B que dferem somente porque o -ésmo ndvíduo tem uma renda maor no estado B que no estado A, a propredade de função decrescente sgnfca que W W. B A Esta é uma FBS que depende dos níves de renda e não consdera, portanto, questões de desgualdade. Uma FBS para avalar a dstrbução de renda pode ser formalzada com um arcabouço teórco dêntco ao da escolha ndvdual sob ncerteza (rsco) 9, permtndo a ocorrênca de um trade-off entre renda méda e desgualdade de renda. Como hpótese smplfcadora, assume-se que cada ndvíduo se depara com um problema de escolha com rscos de renda ndependentes do ponto de vsta estocástco. Dessa forma, a função densdade de probabldade da renda de cada pessoa se converte na dstrbução de freqüênca de rendas realzada na economa. A FBS podera ser descrta como dependente do vetor de médas ndvduas de renda ( = ( y, y, K, ) µ ) e da desgualdade de renda o desvo-padrão da 1 2 y N dstrbução de renda da economa (σ ): 9 Para uma abordagem semelhante, veja Snn (1994) e Auerbach e Hasset (1999).

13 Núcleo de Pesqusas em Qualdade de Vda FCECA 16 (, σ) com W > 0 e W 0 W µ < Eq. 1.6 = µ σ A aversão à desgualdade pode ser formalzada pelo tpo específco de função utldade ndvdual com aversão relatva à desgualdade constante, ρ (CES Constant Elastcty of Substtuton), que atenda a todos os axomas de preferênca do consumdor: ( 1 ρ) ( y ) = ( 1 ρ) y u Eq. 1.7 Qualquer FBS do tpo von Neumann-Morgensten, ou uma transformação crescente dela, para a renda méda de cada ndvíduo pode ser usada para representar uma FBS com as característcas descrtas: W= 1 ( 1 ρ) N ρ 1 ρ ( 1 ρ)( y ) para ρ 1 Eq. 1.8 Ou gnorando a constante: W= N ρ 1 ρ ( y ) para ρ 1 Eq. 1.9 N W= ln y para ρ = 1 Eq = 1 No caso da função de bem-estar socal da Eq. 1.8, o coefcente de aversão ρ socal à desgualdade é. Além de respetar o prncípo de Pareto, uma função 1 ρ de bem-estar socal assm especfcada é crescente para mudanças de renda entre ndvíduos de maor renda para menor ou seja, apresenta a característca desejada de expressar uma aversão da socedade à desgualdade de renda. Consderando

14 Núcleo de Pesqusas em Qualdade de Vda FCECA 17 que os N ndvíduos dessa socedade representam N classes contínuas de renda dstntas, estamos tratando da desgualdade de renda vertcal Renda Plena O conceto de renda a ser empregado é outro aspecto de suma mportânca na análse do bem-estar socal, ao lado das questões relaconadas à função de bemestar socal de que se tratou até aqu, já que se está nteressado numa abordagem teórca que ndque o camnho da mensuração do bem-estar na prátca. Para reduzr a dmensão do rsco (desgualdade de renda), admte-se um conceto de renda bastante amplo em relação ao conceto tradconal de renda monetára: a renda plena. Do ponto de vsta ndvdual, a renda plena pode ser consderada como o fluxo dervado de um estoque de rqueza, e este estoque assume três formas: rqueza físca (bens duráves, tas como casas, máqunas etc); rqueza fnancera (ações, títulos do governo e contas bancáras) e captal humano (rqueza advnda de habldades e trenos, bem como do talento natural). Este fluxo de servços da rqueza total dvde-se em: renda monetára (Y M renda de saláro, juros, transferêncas, subsídos, dvdendos etc) e não-monetára (Y N satsfação no trabalho, fluxo de servços da rqueza físca, valor da produção própra e o gozo do lazer): Y = Y + Y Eq F M N Para dados preços, a renda plena é uma medda de um conjunto de oportundade do ndvíduo, que mede o seu consumo potencal, nclundo lazer. A renda plena não é, entretanto, uma medda completa de bem-estar ndvdual, pos omte: 1) mpacto da ncerteza sobre a perda de bem-estar; 2) e o fato de que o bem-estar não depende apenas do consumo potencal, mas também de fatores como saúde, segurança, entre outros. Sen (1985, 1992) 10 Auerbach e Hasset (1999) estendem o modelo para uma função de bem-estar socal que ncorpora aversão à desgualdade horzontal.

15 Núcleo de Pesqusas em Qualdade de Vda FCECA 18 estende o argumento para defnr bem-estar em termos de capacdades, que ncluem dmensões de escolha e lberdade. Na prátca, esse conceto amplo de renda plena é mensurável. A defnção de Hag-Smons 11 de renda plena aproxma o conceto de uma mensuração, ao tratá-lo como a soma algébrca do valor de mercado dos dretos exercdos no consumo e da mudança no valor do estoque de dretos de propredade entre o níco e o fm do período de análse. Anda assm, a mensuração da renda plena na defnção de Hag-Smons é de dfícl mplementação, requerendo um conjunto de dados normalmente não dsponível. Uma versão operaconal da defnção de renda de Hag-Smon desva-se do conceto de renda plena porque omte a satsfação do trabalho, produção extramercado, e a renda neglgencada tomada como lazer. Como a renda nãomonetára é largamente mensurável, o foco é a renda monetára. Isso não sera um problema se a renda monetára fosse uma boa proxy para a renda plena, mas essa proporção vara amplamente e de forma não sstemátca entre as pessoas. Dessa forma, optamos por uma defnção de renda (y ) menos ampla e mas faclmente mensurável: y = m + trans + subs + ε Eq m = renda monetára trans = transferêncas monetáras ou em espéces (bens públcos) subs = subsídos ε = termo aleatóro ruído branco (méda zero, varânca constante e ndependente e dentcamente dstrbuído) Argumentos smlares se aplcam em nível agregado: uma medda ampla de renda naconal devera nclur ambas, a renda monetára e a não-monetára. 11 Barr (1998, capítulo 6)

16 Núcleo de Pesqusas em Qualdade de Vda FCECA Mensuração de bem-estar e requermento de dados Consderando que o bem-estar é resultante do consumo de bens, torna-se possível dstngur três approaches para mensuração (GROOTAERT, 1982), são eles: a) Estmatva do verdadero índce de bem-estar É um modelo ntegrado de consumo e emprego para uma famíla, em que a premssa básca é que o bem-estar depende do consumo de bens, do lazer, da composção da famíla e do acesso aos servços públcos. A famíla maxmza o bem-estar sujeto a uma restrção orçamentára que leva em conta preços de produtos e nsumos comprados, a dotação de tempo de cada membro da famíla, acumulação líquda de rqueza e a taxa de saláros de cada membro. b) Dspêndo total da famíla: A medda de bem-estar é relaconada à estmação do consumo total das famílas, num modelo de equação únca em que bem-estar é uma função dos bens consumdos pela famíla. Este método adota a hpótese-chave de que o padrão de preferêncas é revelado pelas compras de bens e servços pelas famílas, e mplctamente leva em consderação outras preferêncas que na abordagem anteror são ncluídas de manera explícta na função de bem-estar, como por exemplo, escolha de lazer, tamanho da famíla etc. Para este caso, medr bem-estar é, então, uma questão de construr um índce de total de dspêndos deflaconado por um aproprado índce de preços e por um índce de tamanho e de composção da famíla. Para tanto, é necessáro adotar uma metodologa de escalas de equvalêncas para os dferentes grupos e tamanhos de famílas.

17 Núcleo de Pesqusas em Qualdade de Vda FCECA 20 c) Conceto de Renda Plena: Esta abordagem pretende ser uma aproxmação em forma-reduzda da prmera. Este método agrega um valor monetáro ao lazer baseado nas decsões relaconadas ao tempo gasto nas váras atvdades. A seção anteror apresenta as bases concetuas dessa possbldade de mensuração do bem-estar. Dos três métodos apresentados, o prmero é concetualmente superor, uma vez que se basea num conjunto completo de equações comportamentas a respeto do consumo e comportamento de emprego das famílas. A abordagem da renda plena, como metodologa de mensuração de bem-estar, é uma versão mas smples e resulta numa equação reduzda da prmera. A segunda abordagem requer hpóteses mas fortes já que olha apenas para os gastos das famílas, embora corrgdos para mudanças nos preços e dferencas de composção da famíla. A escolha entre eles está lgada ao debate sobre renda versus gastos como núcleo do bem-estar. Há um consenso de que os gastos são mas fáces de medr e tendem a ser reportados com maor acuráca e são também menos sujetos a flutuações que a renda. Este trabalho adota uma lnha metodológca alternatva que busca agregar consderações de desgualdade e o conceto de renda plena, anda que numa abordagem mas prátca. Assm, a FBS aqu utlzada pode ser escrta como (para ρ 1): 1 ρ ρ 1 1 N W = ( m + trans + subs ) Eq A partr da hpótese de que a função acma também representa uma medda da dmensão da qualdade de vda dos ndvíduos, pode-se obter a estrutura de um modelo matemátco para a determnação do índce econômco de qualdade de vda no muncípo de São Paulo. Em prncípo, buscam-se nformações organzadas em dmensões: cultura/lazer/esportes; demografa; educação; habtação; nfra-estrutura; meo ambente; renda; saúde; segurança/justça e transportes. Estas, por sua vez, deverão ser decompostas em varáves, para as quas já há ndcadores qualtatvos e quanttatvos.

18 Núcleo de Pesqusas em Qualdade de Vda FCECA 21 A varável m, que consta da Equação 1.13, será representada pelo nível médo de renda das sub-prefeturas do muncípo de São Paulo, a desagregação utlzada no IEQV. As demas varáves, menconadas acma, devem ser relaconadas às transferêncas governamentas t, e são aproxmadas neste trabalho a partr de dversas estatístcas e pesqusas prmáras realzadas por órgãos dos governos muncpal e estadual, através de suas secretaras, fundações e nsttuções entre outros órgãos, como se descreve na parte de procedmentos econométrcos deste relatóro, uma vez que não se realzou pesqusa prmára para o levantamento de dados prmáros. Do ponto de vsta teórco, o camnho percorrdo para a construção do IEQV leva a geração de um índce que se paute em uma proxy para o conceto de renda plena. No entanto, a ndsponbldade de dados desagregados por dstrtos e/ou subprefeturas mpedu que o camnho teórco fosse persegudo na prátca de modo que o Índce Econômco de Qualdade de Vda procura, assm, utlzar de forma ótma as nformações dsponíves desagregadas por dstrtos e/ou subprefeturas de forma a aproxmar-se dos concetos aqu apresentados.

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Curso de especialização em Finanças e Economia Disciplina: Incerteza e Risco Prof: Sabino da Silva Porto Júnior Sabino@ppge.ufrgs.

Curso de especialização em Finanças e Economia Disciplina: Incerteza e Risco Prof: Sabino da Silva Porto Júnior Sabino@ppge.ufrgs. Incerteza: o básco Curso de especalzação em Fnanças e Economa Dscplna: Incerteza e Rsco Prof: Sabno da Slva Porto Júnor Sabno@ppge.ufrgs.br Introdução Até agora: conseqüêncas das escolhas dos consumdores

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 00 ODELOS ATEÁTICOS E CONSUO DE ENERGIA ELÉTRICA Clece de Cássa Franco Cdade Centro Unverstáro Francscano klleyce@hotmal.com Leandra Anversa Foreze Centro Unverstáro Francscano

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

EFEITO SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO*

EFEITO SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO* Artgos Prmavera 2007 EFEITO SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO* Isabel Correa**. INTRODUÇÃO Apesar das reformas fscas serem um fenómeno recorrente nas últmas décadas em

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização Gestão de Obras Públcas Aula 2 Profa. Elsamara Godoy Montalvão Organzação da Aula Tópcos que serão abordados na aula Admnstração e Gestão Muncpal Problemas Admnstração e Gestão Muncpal Gestão do Conhecmento

Leia mais

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05 LQA - LEFQ - EQ -Químca Analítca Complemantos Teórcos 04-05 CONCEITO DE ERRO ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Embora uma análse detalhada do erro em Químca Analítca esteja fora do âmbto desta cadera, sendo abordada

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

3.1. Conceitos de força e massa

3.1. Conceitos de força e massa CAPÍTULO 3 Les de Newton 3.1. Concetos de força e massa Uma força representa a acção de um corpo sobre outro,.e. a nteracção físca entre dos corpos. Como grandeza vectoral que é, só fca caracterzada pelo

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC 201

MACROECONOMIA I LEC 201 ACROECONOIA I LEC 20 3.2. odelo IS-L Outubro 2007, sandras@fep.up.pt nesdrum@fep.up.pt 3.2. odelo IS-L odelo Keynesano smples (KS): equlíbro macroeconómco equlíbro no mercado de bens e servços (BS). odelo

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring Métodos de Montoramento de Modelo Logt de Credt Scorng Autora: Armando Chnelatto Neto, Roberto Santos Felíco, Douglas Campos Resumo Este artgo dscute algumas técncas de montoramento de modelos de Credt

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução Máqunas de Vetor Suporte.. Introdução Os fundamentos das Máqunas de Vetor Suporte (SVM) foram desenvolvdos por Vapnk e colaboradores [], [3], [4]. A formulação por ele apresentada se basea no prncípo de

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE)

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) IPECE ota Técnca GOVERO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLAEJAMETO E GESTÃO (SEPLAG) ISTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECOÔMICA DO CEARÁ (IPECE) OTA TÉCICA º 33 METODOLOGIA DE CÁLCULO DA OVA LEI DO ICMS

Leia mais

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza 9/04/06 Escolha do Consumdor sob condções de Rsco e de Incerteza (Capítulo 7 Snyder/Ncholson e Capítulo Varan) Turma do Prof. Déco Kadota Dstnção entre Rsco e Incerteza Na lteratura econômca, a prmera

Leia mais

UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL

UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL Área 11 - Economa Socal e Demografa Econômca Classfcação JEL: I28, H52, C35. André Olvera Ferrera Lourero Insttuto de Pesqusa

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL.

DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL. DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL. 1 APRESENTAÇÃO Nos anos 90, o país assstu a vultosas entradas de capal estrangero tanto de curto

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE REDUÇÃO DE CUSTOS SALARIAIS: EVIDÊNCIA MICROECONÓMICA COM INFORMAÇÃO QUALITATIVA *

ESTRATÉGIAS DE REDUÇÃO DE CUSTOS SALARIAIS: EVIDÊNCIA MICROECONÓMICA COM INFORMAÇÃO QUALITATIVA * ESTRATÉGIAS DE REDUÇÃO DE CUSTOS SALARIAIS: EVIDÊNCIA MICROECONÓMICA COM INFORMAÇÃO QUALITATIVA * 39 Danel A. Das ** Carlos Robalo Marques *** Fernando Martns **** Artgos Resumo Este artgo nvestga a forma

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas Unversdade Salvador UNIFACS Cursos de Engenhara Cálculo IV Profa: Ilka ebouças Frere Integras Múltplas Texto 3: A Integral Dupla em Coordenadas Polares Coordenadas Polares Introduzremos agora um novo sstema

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI.

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI. O desempenho setoral dos muncípos que compõem o Sertão Pernambucano: uma análse regonal sob a ótca energétca. Carlos Fabano da Slva * Introdução Entre a publcação de Methods of Regonal Analyss de Walter

Leia mais

UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MARIANA CAVALCANTI PINCOVSKY DE LIMA; ANDRÉ DE SOUZA MELO; RICARDO CHAVES LIMA; UFPE/PIMES RECIFE - PE

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como:

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como: REGRESSÃO LOGÍSTCA. ntrodução Defnmos varáves categórcas como aquelas varáves que podem ser mensurados usando apenas um número lmtado de valores ou categoras. Esta defnção dstngue varáves categórcas de

Leia mais

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO Roberta Montello Amaral (UNIFESO) amaralroberta@yahoo.com.br Crado em 1990, o Saeb é um sstema de avalação do MEC que, junto à

Leia mais

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira Impactos dos encargos socas na economa braslera Mayra Batsta Btencourt Professora da Unversdade Federal de Mato Grosso do Sul Erly Cardoso Texera Professor da Unversdade Federal de Vçosa Palavras-chave

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MERCADO DE CAPITAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MERCADO DE CAPITAIS UNIVESIDADE FEDEAL DO IO GANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTAÇÃO OGAMA DE ÓS-GADUAÇÃO EM ADMINISTAÇÃO ESECIALIZAÇÃO EM MECADO DE CAITAIS MODENA TEOIA DE CATEIAS: DESENVOLVIMENTO E ANÁLISE DE UM MODELO DE SELEÇÃO

Leia mais

Processos participativos na estratégia para a redução da pobreza

Processos participativos na estratégia para a redução da pobreza Processos partcpatvos na estratéga para a redução da pobreza Conteúdo J. Edgerton, K. McClean, C. Robb, P. Shah e S. Tkare Resumo 1. Introdução 1.1 Defnções 1.2 Que são abordagens partcpatvas? 1.3 Fundamento

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL DE POLÍTICAS PUBLICAS

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL DE POLÍTICAS PUBLICAS 67 METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL DE POLÍTICAS PUBLICAS José Afonso Ferrera Maa* Sandra Almeda da Slva** Crstane Almeda da Slva*** RESUMO Este artgo apresenta os métodos de estmação da demanda

Leia mais

Desempenho dos microempreendedores no Brasil Adriana Fontes 1 Valéria Pero 2. Resumo

Desempenho dos microempreendedores no Brasil Adriana Fontes 1 Valéria Pero 2. Resumo Resumo Desempenho dos mcroempreendedores no Brasl Adrana Fontes 1 Valéra Pero 2 Os mcroempreendedores formam um grupo muto heterogêneo no Brasl, mas sobre-representados na pobreza. Este artgo examna, com

Leia mais

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo CEPAL - SERIE Polítcas socales N 60 III. Consequêncas de um novo padrão de nserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na regão metropoltana de São Paulo A. Introdução Rcardo Paes de

Leia mais

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS*

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* Sóna Costa** Luísa Farnha** 173 Artgos Resumo As nsttuções fnanceras

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COÉRCIO ETERNO Nota préva: O texto que se segue tem por únco obectvo servr de apoo às aulas das dscplnas de Economa Internaconal na Faculdade de Economa da Unversdade do Porto.

Leia mais

TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS, RESULTADOS E DISCUSSÕES 1

TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS, RESULTADOS E DISCUSSÕES 1 XIV ELAVIO El Fuerte Snaloa Méxco 9-14 de agosto de 2009 TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS RESULTADOS E DISCUSSÕES 1 Mayron César de O. Morera Lana Mara R. Santos Alysson M.

Leia mais

Empreendimentos de economia solidária e discriminação de gênero: uma abordagem econométrica

Empreendimentos de economia solidária e discriminação de gênero: uma abordagem econométrica Empreendmentos de economa soldára e dscrmnação de gênero: uma abordagem econométrca Grazelle Isabele Crstna Slva Sucupra Marcelo José Braga RESUMO A realdade vvencada por mutas mulheres no mundo atual

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações.

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações. A CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES POR INTERMÉDIO DO CAPM NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO PARA O PERÍODO 006-010 Rodrgo Augusto Vera (PROVIC/UEPG), Emerson Martns Hlgemberg (Orentador),

Leia mais

DECOMPOSIÇÃO HIERÁRQUICA DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1

DECOMPOSIÇÃO HIERÁRQUICA DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1 DECOMPOSIÇÃO HIERÁRQUICA DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1 ópco: Dspardades regonas - estudos comparados de desenvolvmento e gestão terrtoral Márco Antôno Salvato 2 Paola Fara Lucas de Souza 3 Resumo:

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear Probabldade e Estatístca Correlação e Regressão Lnear Correlação Este uma correlação entre duas varáves quando uma delas está, de alguma forma, relaconada com a outra. Gráfco ou Dagrama de Dspersão é o

Leia mais

Índice de Oportunidades da Educação Brasileira

Índice de Oportunidades da Educação Brasileira Índce de Oportundades da Educação Braslera Centro de Lderança Públca - CLP Produto 2 METAS 13 de agosto de 2015 Sumáro Sumáro... 2 1. Introdução... 4 O Sstema de Educação Básca no Brasl... 4 2. Especfcação

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO E EFEITOS DA INCERTEZA NA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS

ANÁLISE DE RISCO E EFEITOS DA INCERTEZA NA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS ANÁLISE DE RISCO E EFEITOS DA INCERTEZA NA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS Dogo Raael de Arruda RESUMO Constam, neste trabalho, concetos relaconados aos rscos e as ncertezas exstentes nas carteras de nvestmento

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 323 VIOLÊNCIA URBANA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA DA VITIMIZAÇÃO EM SÃO PAULO, RIO DE JANEIRO, RECIFE E VITÓRIA

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 323 VIOLÊNCIA URBANA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA DA VITIMIZAÇÃO EM SÃO PAULO, RIO DE JANEIRO, RECIFE E VITÓRIA TEXTO PARA DISCUSSÃO N 323 VIOLÊNCIA URBANA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA DA VITIMIZAÇÃO EM SÃO PAULO, RIO DE JANEIRO, RECIFE E VITÓRIA Betâna Totno Pexoto Mônca Vegas Andrade Suel Moro Novembro de 2007 1 Fcha

Leia mais

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Unversdade de Brasíla Departamento de Economa Mestrado em Economa do Setor Públco Equlíbro Colusvo no Mercado Braslero de Gás Lquefeto de Petróleo (GLP) Orentador: Prof. Rodrgo Andrés de Souza Peñaloza

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS Físca Laboratoral Ano Lectvo 003/04 ITRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS AS MEDIDAS DE GRADEAS FÍSICAS. Introdução.... Erros de observação: erros sstemátcos e erros fortutos ou acdentas... 3. Precsão e rgor...3

Leia mais

AVALIAÇÃO CONTINGENTE DO RIO MEIA PONTE, GOIÂNIA-GO: UMA APLI- CAÇÃO DO REFERENDUM COM FOLLOW-UP

AVALIAÇÃO CONTINGENTE DO RIO MEIA PONTE, GOIÂNIA-GO: UMA APLI- CAÇÃO DO REFERENDUM COM FOLLOW-UP AVALIAÇÃO CONTINGENTE DO RIO MEIA PONTE, GOIÂNIA-GO: UMA APLI- CAÇÃO DO REFERENDUM COM FOLLOW-UP º. Autor Patríca Lopes Rosado: Economsta, Mestre em Economa Rural e Doutoranda em Economa Aplcada pelo Departamento

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação números e funções Gua do professor Software Como comprar sua moto Objetvos da undade 1. Aplcar o conceto de juros compostos; 2. Introduzr o conceto de empréstmo sob juros; 3. Mostrar aplcações de progressão

Leia mais

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Vtóra Agosto de 2013 Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

UMA APLICAÇÃO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS A PARTIR DO ÍNDICE DE CRIMINALIDADE PARA AS MESORREGIÕES CATARINENSES,

UMA APLICAÇÃO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS A PARTIR DO ÍNDICE DE CRIMINALIDADE PARA AS MESORREGIÕES CATARINENSES, UMA APLICAÇÃO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS A PARTIR DO ÍNDICE DE CRIMINALIDADE PARA AS MESORREGIÕES CATARINENSES, RESUMO: 2003 1 Thago Costa Soares 2 Unversdade Federal de Vçosa thago_sofa@hotmal.com

Leia mais

TRABALHO INFANTIL: CAUSAS E CONSEQÜÊNCIAS

TRABALHO INFANTIL: CAUSAS E CONSEQÜÊNCIAS TRABALHO INFANTIL: CAUSAS E CONSEQÜÊNCIAS Ana Lúca Kassouf Estudo realzado para apresentação no concurso de Professor ttular do Depto. de Economa, Admnstração e Socologa da ESALQ/USP em 9 de novembro de

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

IX PRÊMIO SEAE 2014 CLASSIFICAÇÃO: 1º LUGAR

IX PRÊMIO SEAE 2014 CLASSIFICAÇÃO: 1º LUGAR IX PRÊMIO SEAE 2014 Tema 2. Regulação da Atvdade Econômca Inscrção: 17 CLASSIFICAÇÃO: 1º LUGAR Título da Monografa: A Estrutura Concorrencal do Mercado de Redes de Transporte de Telecomuncações e os Impactos

Leia mais

ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA

ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA André Luz Souza Slva IFRJ Andrelsslva@globo.com Vlmar Gomes da Fonseca IFRJ vlmar.onseca@rj.edu.br Wallace Vallory Nunes IFRJ wallace.nunes@rj.edu.br

Leia mais

Planejamento e Controle de Estoques PUC. Prof. Dr. Marcos Georges. Adm. Produção II Prof. Dr. Marcos Georges 1

Planejamento e Controle de Estoques PUC. Prof. Dr. Marcos Georges. Adm. Produção II Prof. Dr. Marcos Georges 1 e Controle de Estoques PUC CAMPINAS Prof. Dr. Marcos Georges Adm. Produção II Prof. Dr. Marcos Georges 1 Fornecmento de produtos e servços Recursos da operação Planejamento e Controle de Estoque Compensação

Leia mais

Governança Corporativa e Estrutura de Propriedade no Brasil: Causas e Conseqüências

Governança Corporativa e Estrutura de Propriedade no Brasil: Causas e Conseqüências Governança Corporatva e Estrutura de Propredade no Brasl: Causas e Conseqüêncas Anaméla Borges Tannús Dam (UFU - Unversdade Federal de Uberlânda) Pablo Rogers (UFU - Unversdade Federal de Uberlânda) Kárem

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A DESIGUALDADE NO ACESSO À SAÚDE NA REGIÃO SUL

UM ESTUDO SOBRE A DESIGUALDADE NO ACESSO À SAÚDE NA REGIÃO SUL 1 UM ESTUDO SOBRE A DESIGUALDADE NO ACESSO À SAÚDE NA REGIÃO SUL Área 4 - Desenvolvmento, Pobreza e Eqüdade Patríca Ullmann Palermo (Doutoranda PPGE/UFRGS) Marcelo Savno Portugal (Professor do PPGE/UFRGS)

Leia mais

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS versão mpressa ISSN 00-7438 / versão onlne ISSN 678-542 MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS Ana Paula

Leia mais

PLANOS DE SAÚDE: UMA ANÁLISE DOS CUSTOS ASSISTENCIAIS E SEUS COMPONENTES HEALTH INSURANCE PLANS: AN ANALYSIS OF CARE COSTS AND THEIR COMPONENTS

PLANOS DE SAÚDE: UMA ANÁLISE DOS CUSTOS ASSISTENCIAIS E SEUS COMPONENTES HEALTH INSURANCE PLANS: AN ANALYSIS OF CARE COSTS AND THEIR COMPONENTS PLANOS DE SAÚDE: UMA ANÁLISE DOS CUSTOS ASSISTENCIAIS E SEUS COMPONENTES HEALTH INSURANCE PLANS: AN ANALYSIS OF CARE COSTS AND THEIR COMPONENTS resumo A partr da motvação de contrbur para a nvestgação

Leia mais

Programa de reforma agrária Cédula da Terra: medindo a eficiência dos beneficiários

Programa de reforma agrária Cédula da Terra: medindo a eficiência dos beneficiários Programa de reforma agrára Cédula da Terra: medndo a efcênca dos benefcáros RESUMO Hldo Merelles de Souza Flho Mguel Rocha de Sousa Antôno Márco Buanan José Mara Slvera Marcelo Marques Magalhães Esse artgo

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes A amplação da jornada escolar melhora o desempenho acadêmco dos estudantes? Uma avalação do programa Escola de Tempo Integral da rede públca do Estado de São Paulo 1 INTRODUÇÃO O acesso à educação é uma

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS

METROLOGIA E ENSAIOS METROLOGIA E ENSAIOS Incerteza de Medção Prof. Aleandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Freqüênca de ocorrênca Incerteza da Medção Dstrbução de freqüênca das meddas Erro Sstemátco (Tendênca) Erro de Repettvdade

Leia mais

TRANSFERÊNCIAS FISCAIS E CONVERGÊNCIA REGIONAL NO BRASIL. PALAVRAS CHAVES: Crescimento, Transferências, Dinâmica, Convergência e Governo.

TRANSFERÊNCIAS FISCAIS E CONVERGÊNCIA REGIONAL NO BRASIL. PALAVRAS CHAVES: Crescimento, Transferências, Dinâmica, Convergência e Governo. TRANSFERÊNCIAS FISCAIS E CONVERGÊNCIA REGIONAL NO BRASIL PALAVRAS CHAVES: Crescmento, Transferêncas, Dnâmca, Convergênca e Governo. PEDRO JUCÁ MACIEL Analsta de Fnanças da STN/Mnstéro da Fazenda Mestre

Leia mais

CAPÍTULO 4 - Variáveis aleatórias e distribuições de probabilidade

CAPÍTULO 4 - Variáveis aleatórias e distribuições de probabilidade CAPÍTULO 4 - Varáves aleatóras e dstrbuções de probabldade Conceto de varável aleatóra Uma função cujo valor é um número real determnado por cada elemento em um espaço amostral é chamado uma varável aleatóra

Leia mais

BALANÇO HÍDRICO: UMA FERRAMENTA PARA GESTÃO INDUSTRIAL E OTIMIZAÇÃO AMBIENTAL.

BALANÇO HÍDRICO: UMA FERRAMENTA PARA GESTÃO INDUSTRIAL E OTIMIZAÇÃO AMBIENTAL. BALANÇO HÍDRICO: UMA FERRAMENTA PARA GESTÃO INDUSTRIAL E OTIMIZAÇÃO AMBIENTAL. Leonardo Slva de Souza (1) Mestrando em Engenhara Químca(UFBA). Pesqusador da Rede Teclm. Bárbara Vrgína Damasceno Braga (1)

Leia mais

Uma avaliação ex-ante dos impactos do Bolsa Família na redução do trabalho infantil

Uma avaliação ex-ante dos impactos do Bolsa Família na redução do trabalho infantil Uma avalação ex-ante dos mpactos do Bolsa Famíla na redução do trabalho nfantl EUCLIDES PEDROZO Mestre e Doutorando pela Fundação Getúlo Vargas de São Paulo EESP Resumo: Inúmeros programas de transferênca

Leia mais

Texto para Discussão, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), No. 1757

Texto para Discussão, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), No. 1757 econstor www.econstor.eu Der Open-Access-Publkatonsserver der ZBW Lebnz-Informatonszentrum Wrtschaft The Open Access Publcaton Server of the ZBW Lebnz Informaton Centre for Economcs Barbosa, Klêno Workng

Leia mais

Abstract. Professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte UFRN, e-mail: fabriciopleite@ufrnet.br. 1

Abstract. Professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte UFRN, e-mail: fabriciopleite@ufrnet.br. 1 COMO O GRAU DE DESIGUALDADE AFETA A PROPENSÃO MARGINAL A CONSUMIR? DISTRIBUIÇÃO DE RENDA E CONSUMO DAS FAMÍLIAS NO BRASIL A PARTIR DOS DADOS DAS POF 2002-2003 E 2008-2009 ÁREA: CRESCIMENTO E DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

PROBLEMAS SOBRE PONTOS Davi Máximo (UFC) e Samuel Feitosa (UFC)

PROBLEMAS SOBRE PONTOS Davi Máximo (UFC) e Samuel Feitosa (UFC) PROBLEMS SOBRE PONTOS Dav Máxmo (UFC) e Samuel Fetosa (UFC) Nível vançado Dstrbur pontos num plano ou num espaço é uma tarefa que pode ser realzada de forma muto arbtrára Por sso, problemas sobre pontos

Leia mais

reducing income disparities in Brazil and the Northeast and Southeast regions of the country, showing that the fight against social inequalities

reducing income disparities in Brazil and the Northeast and Southeast regions of the country, showing that the fight against social inequalities A Importânca da Educação para a Recente Queda da Desgualdade de Renda Salaral no Brasl: Uma análse de decomposção para as regões Nordeste e Sudeste Valdemar Rodrgues de Pnho Neto Técnco de pesqusa do Insttuto

Leia mais