Contribuição Brasileira para a Avaliação Econômica de Sistemas que Prezam pelo Bem-Estar dos Animais de Produção

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contribuição Brasileira para a Avaliação Econômica de Sistemas que Prezam pelo Bem-Estar dos Animais de Produção"

Transcrição

1 CONTRIBUIÇÃO BRASILEIRA PARA A AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE SISTEMAS QUE PREZAM PELO BEM-ESTAR DOS ANIMAIS DE PRODUÇÃO APRESENTACAO ORAL-Economia e Gestão no Agronegócio CAMILA RAINERI; RENAN ANTONELLI MENDES; BRUNO CÉSAR PROSDOCIMI NUNES; AUGUSTO HAUBER GAMEIRO. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO, PIRASSUNUNGA - SP - BRASIL. Contribuição Brasileira para a Avaliação Econômica de Sistemas que Prezam pelo Bem-Estar dos Animais de Produção Resumo A demanda por produtos diferenciados em termos de bem-estar animal cresce à medida que aumentam as informações, a consciência e a percepção do público em relação à produção animal. A sociedade e os envolvidos em desenvolver a legislação buscam subsídios para formação de opinião junto aos cientistas da área. Por isso os pesquisadores devem, da maneira mais objetiva possível, usar sua capacidade técnica, investigativa e analítica para avaliar os diversos efeitos da pecuária no bem-estar animal e humano. Objetivou-se analisar contribuições de cientistas brasileiros sobre implicações técnicas, econômicas e mercadológicas de melhorias do bem-estar animal, de forma a disponibilizar uma análise do que vem sendo feito academicamente sobre o tema. Foram estudadas publicações da última década, compilando-se 71 artigos com enfoque no bem-estar aplicado à produção animal, sob as abordagens: i) comportamento do consumidor; ii) viabilidade técnica e econômica; iii) regulamentação pública; e iv) políticas privadas de certificação. Constatou-se que estudos de avaliação econômica em sistemas que prezam pelo bem-estar animal se concentraram em criações destinadas a produzir itens de exportação, como ovos e carnes bovina e suína. Aves de corte, bovinos leiteiros e peixes foram objeto de poucos trabalhos. Não foram encontrados dados sobre outras espécies. Os cientistas brasileiros percebem que o bem-estar animal, além de uma questão ética, é essencial na conquista e manutenção de mercados. No entanto, é preocupante que estas pesquisas sejam nitidamente menos intensas para espécies menos representativas para as exportações. Trabalhos deste tipo são essenciais para viabilizar técnicas de criação menos agressivas aos animais e para agregar valor aos produtos, mesmo destinados ao mercado interno, e devem se estender a outras espécies. Mais pesquisas são necessárias em todas as abordagens propostas, agregando conhecimentos de forma multidisciplinar para várias áreas de estudos. Palavras-chaves: avaliação econômica, bem-estar animal, produção animal, sistemas de produção 1

2 Brazilian Contribution to Economic Evaluation of Systems that Value Farm Animal Welfare Abstract The demand for welfare friendly products increases as public conscience and perception on livestock production develops. The society and the people involved in policy-making search for scientific information to build opinions and make decisions. For that reason, researchers ought to, in the most objective possible manner, use their technical, investigative and analytical capacity to evaluate the effects of livestock production in animal and humane welfare. This paper aims at analyzing contributions of Brazilian scientists on technical, economical and market implications of improvements on farm animal welfare, to provide a more precise analysis of what has scientifically been done in the last decade. Seventy-one Brazilian articles on animal welfare were compiled, regarding the following approaches: i) consumer behavior; ii) technical and economical viability; iii) public regulation; and iv) private certification policies. It was found out that studies on economic evaluation of systems that value animal welfare were concentrated on species employed in producing export items, such as eggs, beef and pork. Broilers, dairy cows and fish were object of few studies, and data regarding other species, such as horses, sheep and goats were not found. Brazilian scientists understand that farm animal welfare is not only a matter of ethics, but also an essential tool to achieve and preserve markets. However, it is worrisome that researches on the economical assessment of farm animal welfare are clearly less intense for species that are not economically representative for Brazilian exports. Papers on that subject are essential to enable less aggressive raising techniques to animals, and to add value to products, even for domestic market, and must be extended to other species. More researches are necessary in every proposed approach, to add knowledge in a multidisciplinary manner in multiple areas. Keywords: animal production, animal science, economic assessment, production systems 1. INTRODUÇÃO Das muitas definições propostas para o termo bem-estar, a mais aceita no ambiente científico vem sendo aquela publicada por Broom (1986), segundo a qual bem-estar de um indivíduo é seu estado em relação às suas tentativas de adaptar-se ao seu ambiente. Desta forma, enfoca-se o grau de dificuldade que um animal demonstra na sua interação com o ambiente. As ferramentas das quais o animal dispõe para contornar inadequações presentes em seu meio ambiente são utilizadas mais intensamente à medida que aumenta o grau de dificuldade encontrado. Estas ferramentas têm, na sua grande maioria, um caráter fisiológico ou comportamental. Conseqüentemente, certas alterações da fisiologia e/ou do comportamento de um animal podem ser indicativas de comprometimento de seu bemestar (MOLENTO, 2005). 2

3 Os principais motivos que levam as pessoas a se preocuparem com o bem-estar de animais de fazenda são inquietações de origem ética, o efeito potencial que este possa ter na produtividade e na qualidade dos alimentos e, por último, as conexões entre bem-estar animal e comercialização internacional de produtos de origem animal. Todos têm relevância e não devem ser considerados contraditórios (HÖTZEL e MACHADO FILHO, 2004). Segundo Molento (2005), pode-se inferir ao bem-estar animal (BEA) um valor econômico à medida que a sociedade passa a reconhecer o sofrimento animal como um fator relevante. Ao entrar no mundo da economia, o BEA passa a ser parte integrante dos cálculos do valor econômico dos produtos de origem animal. Nas sociedades de demanda mais desenvolvida por BEA, existem estudos detalhados do impacto que o padrão de bemestar pode ter nas relações custo-benefício. Estudando as relações entre bem-estar animal, economia e política, McInerney (2004) ressalta que o BEA pode assumir um valor econômico independente do valor puramente produtivo dos animais. Esta visão é essencial para justificar que se tomem atitudes racionais para assegurar melhorias na qualidade de vida destes animais, que envolvem o emprego de recursos e incrementos nos custos de produção. Segundo o autor, há duas formas de encarar o valor dos animais de produção e seus produtos. A visão utilitarista afirma que o valor e importância dos animais de produção derivam exclusivamente de sua contribuição para o resultado econômico da atividade sua produtividade. Os cuidados que recebem seriam logicamente definidos pelo que é necessário para sustentar uma produtividade adequada, durante um período adequado. Por outro lado, as sociedades aceitam códigos morais e pressuposições éticas que conferem outros valores da esfera biológica. Assim, seria adicionado aos animais de fazenda um valor além do uso. Este não é, como freqüentemente sugerido, um valor intrínseco, já que deriva das preferências humanas. É totalmente plausível que as pessoas atribuam valor ao bem-estar dos animais, como um benefício percebido através da crença de que apesar de serem usados para propósitos econômicos, eles estão sendo tratados de forma apropriada. Do contrário, o público pode perceber uma perda de valor, e uma sensação de inquietação e desconforto caso haja a sensação de que os animais sofrem em seu papel de recursos de produção de alimentos, ou de que nossas responsabilidades morais para com seres senscientes não estão sendo cumpridas. Embora o impacto do bem-estar animal na produtividade não deva ser o único motivo ou o mais importante para a sociedade se preocupar com o tema, ele tem óbvia relevância, porque a produtividade é um dos fatores que justifica a atividade (HÖTZEL e MACHADO FILHO, 2004). 1.1 Viabilidade econômica O bem-estar dos animais de produção é determinado pelas práticas de criação e manejo executadas pelos produtores, que são definidas principalmente pela sinalização econômica que recebem dos mercados. Partindo do princípio que o bem-estar dos animais é um bem não contemplado pelo mercado, não implica no recebimento de nenhum valor. 3

4 Assim os produtores inevitavelmente enfocam a produtividade, que oferece uma recompensa comercial. Modelos de produção que valorizam o bem-estar demonstram que, a partir de certo ponto, padrões mais elevados de bem-estar envolvem alguns sacrifícios na produtividade e, portanto, nos custos de produção. Isto indica que melhorias iniciais nas condições de vida dos animais podem ser conquistadas a baixo custo, porém movimentos no sentido de padrões mais elevados de bem-estar se tornam cada vez mais caros. Dependendo da mudança específica que se deseja alcançar, pode haver necessidade de redução da intensidade de produção, e aumento no investimento em instalações (McINERNEY, 2004; MOLENTO, 2005). A Tabela 01 ilustra, sob condições européias, os impactos de algumas medidas para melhorar o bem-estar dos animais nos custos de produção. Tabela 01. Impactos estimados nos preços finais dos alimentos de algumas medidas para melhorar o bem-estar de animais de produção Modificação Efeito estimado no custo de produção (%) Efeito em nível de varejo Produto Alteração de preço (%) Limitar transporte a 8 horas +3 Todas as carnes +1,44 Banir gaiolas para porcas gestantes Banir confinamento de frangos +5 Carne suína +1,9 Embutidos +1,3 +30 Carne de frango +13,2 Banir gaiolas tipo bateria +28 Ovos +17,9 Fonte: Adaptado de McInerney (2004) A alta produtividade não é necessariamente sinônimo de bem-estar (BROOM, 1991), mas, quando o bem-estar é pobre, pode haver quedas na produção de ovos e leite, na reprodução e no crescimento, aumento da incidência de doenças e produção de carne de qualidade inferior. Por exemplo, o estresse social devido a manejos inadequados na propriedade pode influenciar negativamente a qualidade da carne, o ganho de peso (HYUN et al., 1998, STOOKEY & GONYOU, 1994,) e a reprodução (DOBSON et al., 2001). Pode também aumentar a incidência de doenças (HEMSWORTH et al., 1995, LENSINK et al., 2000) e do canibalismo (WECHSLER & HUBER-EICHER, 1998), levando até à morte de animais. Relações humano-animais inadequadas também podem influenciar negativamente a produtividade e a qualidade dos produtos (HEMSWORTH et al., 2002a; HEMSWORTH et al., 2002b). Por último, alguns dos principais problemas que interferem com a produtividade e a qualidade final dos produtos de origem animal ocorrem no processo de transporte e no manejo pré-abate. Exemplos disso são o transporte em longas distâncias em 4

5 veículos inapropriados e sob manejo de pessoal mal treinado, a mistura com animais desconhecidos, o espaço inadequado tanto nos veículos como no abatedouro durante a espera, o frio, o calor (HÖTZEL & MACHADO FILHO, 2004). Problemas no transporte e no manejo pré-abate têm influência direta na qualidade das carcaças, e se manifestam através de fraturas ósseas, de lesões nos músculos e hematomas. Podem também aumentar a incidência de carne PSE (pale, soft, exudative pálida, mole, exudativa) e DFD (dark, firm, dry - escura, dura e seca) nas carcaças de suínos e bovinos, respectivamente (GREGORY, 1998). Revisando o tema, Gameiro (2007) compilou diversos estudos brasileiros sobre a viabilidade econômica de sistemas de produção que valorizam o bem-estar dos animais. Estes demonstraram que apesar de possuírem custos de produção mais elevados, tais sistemas apresentam-se lucrativos inclusive pelo valor agregado de seus produtos (PARANHOS DA COSTA & CHIQUITELLI NETO, 2003; DALLA COSTA, 2004; FREITAS et al., 2005; COSTA et al., 2005). 1.2 Regulamentação pública Segundo Singer (1990), apesar do bem-estar possuir forte presença nos códigos morais e pressuposições éticas das sociedades humanas, o tratamento apropriado dos animais não pode ser encarado como algo que pode ser relegado apenas à escolha dos indivíduos que os mantêm. Da mesma forma, Webster (2001) afirma que para resolver os problemas de bemestar animal na pecuária, não basta o diagnóstico dos problemas. Uma legislação que discipline a aplicação do bem-estar na prática é uma condição necessária para que este seja respeitado. O Brasil é o maior produtor de carne do mundo e tem um importante papel no mercado exterior. Face às novas demandas internacionais de bem-estar animal, há necessidade de atualização da legislação brasileira, que data dos anos 30 e não reflete a atual produção animal no Brasil. Tendo em vista as condições de o agronegócio brasileiro ter crescido precisa-se atender a exigências de normas internacionais, entre outras coisas, aos assuntos relacionados ao bem-estar animal (RODRIGUES DA SILVA, 2008). Pode-se dizer que os primeiros passos já foram dados no sentido de uma regulamentação pública para assegurar parâmetros mínimos de bem-estar aos animais de produção. Por outro lado, a legislação ainda é incipiente, e os artigos científicos relacionados ao tema ainda são raros. Gameiro (2007) ressalta que o entendimento do papel do Estado no contexto é fundamental. A experiência européia relacionada à questão do bem-estar animal sugere fortemente a participação do Estado como canalizador dos interesses da sociedade, em especial dos consumidores. Caso o entendimento de que o desrespeito para com os animais é uma externalidade negativa, caberia ao Estado procurar resolvê-la. Além disso, o poder público tem papel fundamental no esforço de redução da assimetria de informações ao longo das cadeias produtivas. Em outras palavras, o consumidor desprovido de informações precisa de garantias de que determinados produtos originaram-se de sistemas realmente fiéis aos seus propósitos. 5

6 O mesmo autor afirma ser importante considerar, também, que em termos de comércio internacional, a questão do bem-estar animal deve ganhar espaço em um futuro próximo. À medida que as sociedades dos países ditos desenvolvidos passarem a exigir padrões mínimos nos sistemas produtivos domésticos, passa a ser conseqüência natural, a transferência das exigências para os produtos importados. Conseqüentemente, o bem-estar animal passará, também, a se configurar como uma barreira não-tarifária de grande importância. Dessa forma, o papel do Estado enquanto representante da sociedade na diplomacia internacional, certamente ganhará espaço. McInerney (2004) propõe que a ação estatal pode se dar em duas frentes: uma com foco no mercado e outra no produtor. O autor considera que a utilização do mercado como ferramenta para transformar padrões mínimos de bem-estar animal em normas não seja o ideal, pois seria eficaz apenas para características pontuais e de fácil compreensão pelo consumidor. Como exemplo poderia ser citado o sistema de criação ao ar livre. Por outro lado, o efeito de leite proveniente de vacas livres de problemas de cascos não seria significativo. Outras formas de regulamentação seriam fornecer vantagens aos produtores que aderissem a iniciativas de certificação; investir em educação e informação do público de forma a permitir a escolha consciente; e exigir padrões mínimos de bem-estar dos fornecedores do setor público, como produtos para a merenda escolar, hospitais, exército, câmaras e afins. Esta estratégia seria eficaz em demonstrar ao público real preocupação com o tema, e que a diferença de preços entre estes produtos e os convencionais seria justificável. Em relação às ações tomadas com foco nos criadores dos animais, o autor cita a obrigatoriedade de normas mínimas de bem-estar, como o banimento de gaiolas do tipo bateria para poedeiras; a implementação de multas e taxas para as criações que não respeitarem tais padrões e os incentivos na forma de isenção de impostos para aquelas que tomarem atitudes que resultem na elevação da qualidade de vida dos animais. As preocupações em relação a estas medidas são a dificuldade de fiscalização, a inviabilidade econômica para o governo de aplicar tais subsídios, e a elevação de custos para os produtores (aos quais normalmente não são repassados eventuais valores agregados a produtos diferenciados). 1.3 O comércio internacional Em vários países importadores de carne, a questão do bem-estar animal vem se tornando uma preocupação crescente, havendo a exigência, por parte da sociedade, de um número cada vez maior de ações que melhorem a qualidade de vida dos animais. Isso tem obrigado os produtores a realizar investimentos em treinamento de pessoal, instalações e equipamentos. É natural que tanto os produtores que fizeram tais investimentos, como as sociedades humanitárias de proteção que conquistaram esses padrões para os animais, não aceitem facilmente a importação de carne de países onde os produtores não cumpram os mesmos padrões. Embora as regras do comércio internacional ainda não prevejam a curto prazo restrições em razão de motivações de ordem do bem-estar animal, pode haver pressões de grupos pró bem-estar animal contra estabelecimentos comerciais que vendam produtos oriundos de países onde os animais sejam criados em condições percebidas como desumanas. É provável que tenhamos que nos adaptar a essas exigências e, por isso, os 6

7 profissionais da área de agricultura em nosso país precisam informar e assessorar o público e produtores a respeito. E mais: é necessário conhecer bem a situação, para poder separar o que será barreira comercial e o que será exigência genuína de um mercado consumidor globalizado, e defender os interesses da economia nacional (HÖTZEL E MACHADO FILHO, 2004) Na Europa, a preocupação de que melhorias na qualidade de vida dos animais possam infligir custos dos quais os concorrentes estão livres é um importante fator limitante aos progressos na área de bem-estar de animais de produção e origina uma pressão para que exigências sejam adotadas por todos os fornecedores àquele mercado (MOLENTO, 2005). 1.4 A regulamentação privada Como detalhado mais à frente, a falta de informação parece ser a maior barreira para a aquisição e consumo de produtos diferenciados em termos de BEA. A questão da certificação é fundamental no contexto da produção e comercialização de produtos diferenciados, uma vez que é ela que deve garantir aos consumidores o acesso às informações necessárias e pertinentes para a tomada de decisão pela escolha ou não de determinado produto (GAMEIRO, 2007). Os consumidores urbanos de ovos, por exemplo, geralmente estão distantes da etapa de produção, uma vez que boa parte das grandes redes de supermercados se abastece nacionalmente. Assim, a informação deve estar plenamente coordenada, caso ela seja demandada pelo consumidor final. Isto pode exigir relações muito complexas entre os agentes produtivos, que extrapolam aquelas transações típicas de mercado, onde apenas preços e quantidades são as variáveis de decisão (ZYLBERSZTAJN, 2000). A expressão das preferências do consumidor, e portanto sua escolha, é facilitada quando as distinções entre os produtos são claras. Por exemplo, entre ovos produzidos por poedeiras mantidas em gaiolas, galpões ou ao ar livre, e em produtos que carregam selos de garantia de origem. Evidentemente, quanto mais características se tornarem elementos para preferência e satisfação do consumidor, maior sua vulnerabilidade à falta de informação e à fraude, e mais importante o papel das certificadoras e regulamentações governamentais para proteger seus interesses. Quando questionado sobre qual estratégia seria melhor para satisfazer a demanda por produtos diferenciados em termos de bem-estar animal, o público europeu afirmou preferir uma combinação de exigências de padrões mínimos, incentivos financeiros aos produtores e certificações privadas dos alimentos (HARPER, 2002). Conceição et al. (2005) apresentam um completo estudo sobre a certificação e a rastreabilidade no agronegócio brasileiro. Pitelli et al. (2005) identificam problemas evidentes na certificação de carne bovina e açúcar no Brasil. Segundo os autores, a fiscalização das certificadoras tem sido esporádica, gerando uma fonte de incerteza quanto à origem dos produtos (GAMEIRO, 2007). 1.5 A visão do consumidor 7

8 McInerney (2004) afirma que o bem-estar dos animais toca a consciência pública porque a forma com que são criados torna-se uma característica dos produtos alimentícios resultantes. Conseqüentemente, as respostas econômicas da sociedade à questão do BEA estão associadas à demanda por alimentos e à sua disposição em remunerar melhor produtos diferenciados nesse sentido. A teoria econômica da demanda sugere que as preferências do público por produtos mais amigáveis em termos de BEA podem não ser particularmente responsivas aos preços (baixa elasticidade de preços da demanda). No entanto, tais preferências podem mudar à medida que se incrementam a segurança alimentar, a educação, a consciência e a habilidade de exercer a escolha. A preferência por produtos diferenciados em BEA tende a aumentar para níveis significativos. Por outro lado, sempre haverá um nível de variações associado às características de bem-estar dos produtos, com algumas pessoas valorizando-as intensamente enquanto outras não perceberão benefício. A desinformação do público referente aos temas da pecuária é um dos grandes entraves para o desenvolvimento de discussões produtivas. Grande parte do público não tem conhecimento de como são criados os animais que geram os alimentos oferecidos no varejo e boa parte da informação chega ao público colocada de forma simplista e fortemente carregada de emoções (HÖTZEL e MACHADO FILHO, 2004). Em pesquisa encomendada por órgãos governamentais europeus, Harper (2002) constatou que o público se sente mal informado a respeito das práticas criatórias. Por exemplo, muitos consumidores acreditam erroneamente que as técnicas empregadas na criação de poedeiras e frangos de corte são as mesmas, quando na verdade são completamente diferentes. Apesar de desejar maiores informações a respeito das criações, o público prefere dissociar os produtos dos animais, e voluntariamente ignorar a realidade do abate. Outros problemas são a falta de disponibilidade, a crença de que o consumidor não é capaz de mudar o sistema e a diferenciação de preços. 2. JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS A demanda por produtos diferenciados em termos de bem-estar tende a crescer à medida que aumentam as informações, a consciência e a percepção do público em relação à produção animal. A sociedade e os envolvidos em desenvolver a legislação tendem a buscar subsídios para formar a sua opinião junto aos cientistas que trabalham na área. Por isso, os pesquisadores devem, da maneira mais objetiva possível, usar a sua capacidade técnica, investigativa e analítica para avaliar os diversos efeitos da pecuária no bem-estar animal e humano, na saúde dos consumidores, na sustentabilidade da produção agrícola, no ambiente e na fome do mundo (FRASER, 2001). O objetivo deste trabalho foi analisar contribuições recentes de cientistas brasileiros no tocante às implicações técnicas, econômicas e mercadológicas da aplicação de conceitos de bem-estar para animais de produção. Desta forma, pretendeu-se disponibilizar uma análise mais precisa do que vem sendo feito em termos acadêmicos sobre o tema, dos enfoques mais ou menos estudados, suas causas e implicações. 3. MATERIAL E MÉTODOS 8

9 Realizou-se uma pesquisa em busca de trabalhos de pesquisadores brasileiros, publicados na última década em periódicos nacionais ou internacionais, que enfocassem aspectos do bem-estar aplicado a animais de produção, sob diferentes óticas ou abordagens. Conforme proposto por Gameiro (2007), as abordagens foram: i) o comportamento do consumidor (CCON); ii) a viabilidade técnica e econômica dos sistemas produtivos (VIAB); iii) a regulamentação pública acerca do tema (REGP); e iv) as políticas privadas de certificação (POLP). Trabalhos abordando mais de um desses aspectos foram agrupados na categoria mais de uma abordagem (MAIS). A caracterização destes enfoques encontra-se no Quadro 01. As espécies animais incluídas no levantamento foram bovinos destinados à produção de carne ou leite, aves de corte ou postura, suínos e peixes. Estudos sobre mais de uma espécie foram registrados separadamente, no item mais de uma espécie. Não foram contempladas outras espécies por não terem sido encontradas referências relativas a elas. Quadro 01. Caracterização das frentes de trabalho estudadas. Frente de trabalho Comportamento do consumidor Caracterização Investigação da preocupação do consumidor com o bem-estar dos animais de produção, da influência do tema em sua decisão de compra, da aceitação de produtos diferenciados quanto ao tema e de sua disposição em remunerá-los melhor. Viabilidade técnica e econômica Regulamentação pública Políticas privadas Mais de uma abordagem Comparações de índices técnicos, custos e receitas entre sistemas convencionais e aqueles que se propõe a oferecer maior grau de bem-estar animal. Exigências ou proibições em termos de bem-estar animal impostas pela legislação. Estudos de casos de esforços no sentido de reduzir a assimetria de informações entre o produtor e o consumidor, como certificações e selos que valorizem o bem-estar animal. Trabalhos que associaram mais de uma frente de trabalho no mesmo estudo. Fonte: adaptado de Gameiro (2007). 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO Foram identificados 71 estudos sobre o tema, publicados entre os anos 2000 e Como demonstra a Figura 01, constatou-se um incremento substancial na quantidade de 9

10 publicações durante o período, refletindo a crescente preocupação em estudar as implicações da melhoria do bem-estar dos animais de produção. Figura 01. Distribuição da quantidade de trabalhos publicados por ano. A análise revelou que apenas 10 dos trabalhos foram publicados do ano 2000 ao ano Esta quantidade se elevou para 13 no triênio seguinte, e para 48 entre 2006 e O crescente interesse sobre o tema é explicado à medida que a população vem cobrando um posicionamento acerca das condições de criação desses animais (HOLANDA et al., 2006). A inclusão de variáveis econômicas nas pesquisas sobre bem-estar é essencial para tornar mais evidentes os gargalos e as vantagens da implementação de sistemas de criação menos agressivos. Através de pesquisas e de sua ampla divulgação é possível conscientizar o consumidor sobre a realidade dos animais e do produtor rural, demonstrando a necessidade de agregar valor a produtos diferenciados nesse sentido. A distribuição dos trabalhos entre as espécies e frentes de trabalho encontra-se na Tabela 02. Tabela 02. Quantidades de trabalhos revistos, por espécie e por abordagem. CCON a VIAB b REGP c POLP d MAIS e Totais Bovinos de corte Bovinos leiteiros Suínos Aves poedeiras Aves de corte Peixes Mais de uma espécie Totais a CCON = Comportamento do consumidor; b VIAB = Viabilidade técnica e/ou econômica; c REGP = Regulamentação pública; d POLP = Políticas privadas de certificação; e MAIS = Mais de uma abordagem. Os estudos de avaliação econômica em sistemas que visam melhorias no bem-estar animal se concentraram principalmente nas criações destinadas a produzir itens de exportação, como ovos e carnes bovina e suína. Bovinos leiteiros, frangos de corte e peixes foram objeto de poucos estudos nesse sentido. Não foram encontrados trabalhos a respeito de outras espécies, como eqüinos, ovinos e caprinos. Este fato pode ser explicado, em 10

11 parte, pela preocupação com a iminência de novas barreiras não-tarifárias a serem eventualmente impostas por países importadores, especialmente pela União Européia, ao primeiro grupo de animais. Os valores econômicos não são necessariamente manifestados de forma monetária, podendo se aplicar a tais barreiras (McINERNEY, 2004). Outra possível explicação para a maior concentração de trabalhos em suínos e poedeiras é a severidade das limitações ao bem-estar destas espécies imposta pelos atuais sistemas de produção. Quase 50% dos trabalhos analisados enfocaram a viabilidade técnica e/ou econômica de medidas que visam melhorar o bem-estar animal. Percebe-se também uma proporção relativamente elevada de trabalhos multidisciplinares, que analisaram diferentes frentes de trabalho, como a combinação entre índices zootécnicos e a perspectiva do consumidor sobre o assunto. A preocupação com o comportamento do consumidor vem se tornando substancial nos trabalhos sobre o tema, principalmente quando o aumento de custos de produção muitas vezes imposto pelo novo sistema precisa ser compensado pela disponibilidade do mercado em remunerar melhor pelo produto. Em países em desenvolvimento, a questão de quem vai arcar com os custos de uma melhor qualidade de vida dos animais de produção é em parte responsável por uma limitação de progressos ocorridos em relação ao comportamento dos consumidores (MOLENTO, 2005). Harper (2002) e McInerney (2004) sugerem que uma forma para se contornar esta dificuldade é destacar a relação entre as condições de criação dos animais e a qualidade dos alimentos resultantes. Esta estratégia tenderia a elevar a aceitação e a disponibilidade em pagar valores mais altos por produtos diferenciados. Embora pouco numerosos, estudos sobre a regulamentação pública têm se tornado mais freqüentes nos últimos anos. Isto também se deve ao fato do Brasil ainda não possuir uma legislação específica a respeito do bem-estar dos animais de exploração zootécnica aprovada, sendo consenso tomar como referências as normas praticadas pela União Européia. Atualmente há dezenas de projetos de leis em tramitação no Brasil, demonstrando preocupação crescente com a ética na produção animal, com a manutenção dos mercados já atendidos pelo país e com a possibilidade de conquistar mercados ainda não explorados. Ribeiro da Silva (2008) estudou as legislações nacionais e internacionais sobre bem-estar de animais criados intensivamente e o nível de adequação de diversos países a elas. A autora constatou que tanto as normas brasileiras quanto seu cumprimento efetivo apresentam-se preocupantemente abaixo da média dos outros países. Por outro lado, nações européias e norte-americanas também obtiveram médias abaixo das pretendidas, demonstrando falta de informação e pouca preocupação em seguir as leis criadas para garantir qualidade de vida aos animais de produção. Os trabalhos encontrados sobre certificações privadas e construção de marcas referem-se principalmente a parcerias com grandes redes varejistas ou de fast-food, interessadas em oferecer produtos diferenciados a consumidores de maior poder aquisitivo. Cabe a colocação que a maior parte destas empresas é de origem estrangeira. McInerney (2004) acredita que o varejo seria o agente com maior poder de fazer com que as certificações de mérito em termos de bem-estar sejam exigidas dos produtores. Neste caso os supermercados especificariam quais as características a serem atendidas nas criações, 11

12 inspecionariam e certificariam seu cumprimento, e agregariam valor a esta linha de produtos. 5. CONCLUSÕES O bem-estar dos animais de produção, além de uma questão ética, precisa ser encarado como um desafio para conquistar e manter mercados. A comunidade científica brasileira vem se sensibilizando a respeito deste fato, especialmente nos últimos anos, quando os mercados consumidores têm passado a valorizar a ética na produção animal. No entanto, é preocupante que as pesquisas sobre avaliação econômica de sistemas que visam melhorar a qualidade de vida dos animais sejam nitidamente menos intensas para espécies de menor impacto para o comércio internacional. Trabalhos deste tipo são essenciais para viabilizar técnicas de criação menos agressivas aos animais e para agregar valor aos produtos, mesmo no mercado interno, e devem se estender a outras espécies. Da mesma forma, é necessário que se realizem cada vez mais pesquisas em todas as abordagens propostas, diversificando e agregando conhecimentos de forma multidisciplinar para várias áreas de estudos. 6. LITERATURA CITADA BROOM, D.M. Indicators of poor welfare. British Veterinary Journal, London, v.142, p , BROOM, D.M. Animal welfare: concepts and measurement. Journal of Animal Science, Savoy, v.69, p , CONCEIÇÃO, J.C.P.R.; BARROS, A.L.M. Certificação e Rastreabilidade no Agronegócio. Anais do XLIII Congresso Brasileiro de Economia e Sociologia Rural. SOBER: Ribeirão Preto, 2005 (CD-ROM) CONTINI, E., TALAMINI, D. Carnes do Brasil?A União Européia estrmece! Revista de Política Agrícola, Ano XIV - Nº 1 - Jan./Fev./Mar COSTA, M.V.; CASTRO JÚNIOR, W.L.; BOTELHO FILHO, F.B. Custo de produção na avicultura alternativa do Distrito Federal. Anais do XLIII Congresso Brasileiro de Economia e Sociologia Rural. SOBER: Ribeirão Preto, 2005 (CD-ROM) DALLACOSTA, O.A. Sistema intensivo de suínos criados ao ar livre SISCAL: manejo,índices de produtividade, custo de implantação e produção. Embrapa, CNPSA. Disponível em <http:// Acesso em: 20 mar DOBSON, H., TEBBLE, J. E., SMITH, R. F., & WARD, W. R. (2001). Is stress really all that important? Theriogenology, 55, FRASER, D. Farm animal production: Changing agriculture in a changing culture. Journal of Applied Animal Welfare Science, 4,

13 FREITAS, C.A.; SILVEIRA, E.W.; PAZ, M.V.; ACOSTA, D.A. Um estudo preliminar sobre a viabilidade do sistema de produção orgânico baseado em suas características econômicas. Anais do XLIII Congresso Brasileiro de Economia e Sociologia Rural. SOBER: Ribeirão Preto, 2005 (CD-ROM) GAMEIRO, A.H. Análise econômica e Bem-Estar animal em sistemas de produção alternativos: uma proposta metodológica. In: XLV Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural. Anais... Londrina, GREGORY, N. G. (1998). Animal welfare and meat science. Wallingford: CABI Publishing. HARPER, G. Consumer concern and behavior. IN: EUROPEAN COMISSION. Farm animal welfare: current research and future directions. Luxemburg: Office for Official Publications of the European Communities. 2002, p HEMSWORTH, P. H., BARNETT, J. L., BEVERIDGE, L., & MATTHEWS, L. R. (1995). The welfare of extensively managed dairy cattle: A review. Applied Animal Behaviour Science, 42, HEMSWORTH, P. H., BARNETT, J. L., HOFMEYR, C., COLEMAN, G. J., DOWLING, S., & BOYCE, J. (2002a). The effects of fear of humans and pre-slaughter handling on the meat quality of pigs. Australian Journal of Agricultural Research, 53, HEMSWORTH, P. H., COLEMAN G. J., BARNETT J.L., BORG, S., & DOWLING S. (2002b). The effects of cognitive behavioral intervention on the attitude and behavior of stockpersons and the behavior and productivity of commercial dairy cows. Journal of Animal Science, 80, HOLANDA, M.C.R.; DUTRA JÚNIOR, W.M.; BARBOSA, S.B.P. Produtos éticos: uma exigência da sociedade. I Encontro de Bioética e Bem-Estar animal do agreste meridional pernambucano. Anais... Garanhuns, HYUN, Y., ELLIS, M., RISKOWSKI, G., & JOHNSON, R. (1998). Growth performance of pigs subjected to multiple concurrent environmental stressors. Journal of Animal Science, 76, LENSINK, B., FERNANDEZ, X., BOIVIN, X., PRADEL, P., LE NEINDRE, P., & VEISSIER, I. (2000). The impact of gentle contacts on ease of handling, welfare, and growth of calves and on quality of veal meat. Journal of Animal Science, 78, McINERNEY, J.P. Animal welfare, economics and policy report on a study undertaken for the Farm & Animal Health Economics Division of Defra, February Disponível em: <http://www.defra.gov.uk/esg/reports/animalwelfare.pdf>. Acesso em: 01 abr MOLENTO, C.F.M. Bem-Estar e produção animal: aspetos econômicos Revisão. Archives of Veterinary Science v. 10, n. 1, p. 1-11, PARANHOS DA COSTA, M.J.R.; CHIQUITELLI NETO, M. Combining total quality and ethological principles to assess the welfare of beef cattle during intensive handling 13

14 routines. In: INTERNATIONAL ETHOLOGICAL CONFERENCE, 28, 2003, Florianópolis, SC. Revista de Etologia, São Paulo, v.5, p.64, Suplemento. PITELLI, M.M.; VIAN, C.E.F. O processo de formação dos Campos Organizacionais da Carne Bovina e Açúcar Orgânicos: análise preliminar e perspectivas. Anais do XLIII Congresso Brasileiro de Economia e Sociologia Rural. SOBER: Ribeirão Preto, 2005 (CD- ROM) RODRIGUES DA SILVA, R.B.T. Normas de produção de animais submetidos a sistema intensivo: cenário da legislação nacional sobre bem-estar animal. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Engenharia Agrícola. 2008, 117 p. SINGER, P. (1990). Animal Liberation: A New Ethics for our Treatment of Animals, Avon, New York. STOOKEY, J. M., & GONYOU, H. W. (1994). The effects of regrouping on behavioral and production parameters in finishing swine. Journal of Animal Science, 72, WECHSLER, B., & HUBER-EICHER, B. (1998). The effect of foraging material and perch height on feather pecking and feather damage in laying hens. Applied Animal Behaviour Science, 58, WEBSTER, A. J. F. (2001). Farm animal welfare: The five freedoms and the free market. The Veterinary Journal, 161, ZYLBERSZTAJN, D. Conceitos gerais, evolução e apresentação do sistema agroindustrial. Capítulo 1. In: Zylbersztajn, D.; Neves, M.F. Economia e Gestão dos Negócios Agroalimentares. Ed. Pioneira,

AVICULTURA DE CORTE. José Euler Valeriano. Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015

AVICULTURA DE CORTE. José Euler Valeriano. Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015 BEM ESTAR ANIMAL - O FUTURO AVICULTURA DE CORTE José Euler Valeriano Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015 BEA BEM ESTAR ANIMAL Como definir BEM ESTAR? O animal precisa encontrar no meio ambiente

Leia mais

BEM-ESTAR EM SUÍNOS: CONCEITO, MANEJO PRÉ-ABATE E CONTEXTO ECONÔMICO. Guilherme Augusto Manske 1 ; Raquel Piletti 2

BEM-ESTAR EM SUÍNOS: CONCEITO, MANEJO PRÉ-ABATE E CONTEXTO ECONÔMICO. Guilherme Augusto Manske 1 ; Raquel Piletti 2 BEM-ESTAR EM SUÍNOS: CONCEITO, MANEJO PRÉ-ABATE E CONTEXTO ECONÔMICO Guilherme Augusto Manske 1 ; Raquel Piletti 2 Palavras-chave: abate humanitário, qualidade, carne suína. INTRODUÇÃO No inicio do século

Leia mais

Bem Estar Animal. Desafios e oportunidades

Bem Estar Animal. Desafios e oportunidades Bem Estar Animal Desafios e oportunidades Fortaleza - 2012 Sinopse Por que, atualmente, se fala tanto sobre o Bem estar animal? O que é Bem Estar Animal? Como avaliar o Bem Estar Animal? Pontos críticos

Leia mais

Mateus. Título aqui 1 COMPORTAMENTO, MANEJO E BEM- ESTAR DE OVINOS E CAPRINOS MÁQUINAS ANIMAIS TIRAR O MÁXIMO DE CADA ANIMAL

Mateus. Título aqui 1 COMPORTAMENTO, MANEJO E BEM- ESTAR DE OVINOS E CAPRINOS MÁQUINAS ANIMAIS TIRAR O MÁXIMO DE CADA ANIMAL COMPORTAMENTO, MANEJO E BEM- ESTAR DE OVINOS E CAPRINOS MÁQUINAS ANIMAIS Mateus J.R. Paranhos da Costa Departamento de Zootecnia - FCAV/UNESP, Jaboticabal-SP mpcosta@fcav.unesp.br Grupo de Estudos e Pesquisas

Leia mais

Árvore da informação do agronegócio do leite. identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite

Árvore da informação do agronegócio do leite. identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite Árvore da informação do agronegócio do leite identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite 1. Introdução Claudio Nápolis Costa 1 A exposição dos mercados dos diversos países às pressões

Leia mais

SISTEMA DE RASTREABILIDADE BOVINA

SISTEMA DE RASTREABILIDADE BOVINA SISTEMA DE RASTREABILIDADE BOVINA Ricardo Toshio Yugue EAN BRASIL Grupo de Trabalho para Automação, Rastreabilidade e Padronização Comercial da Carne Bovina 24 SUMÁRIO presente projeto tem por objetivo

Leia mais

Um modelo para avaliação da Qualidade de Vida no Trabalho em universidades públicas

Um modelo para avaliação da Qualidade de Vida no Trabalho em universidades públicas Revista Eletrônica Sistemas & Gestão 4 (2) 136-154 Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Gestão, TEP/TCE/CTC/PROPP/UFF Um modelo para avaliação da Qualidade de Vida no Trabalho em universidades públicas

Leia mais

O BEM-ESTAR ANIMAL E UMA INTEGRAÇÃO TEÓRICA PARA SUA COMPREENSÃO NO CONTEXTO DOS SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS

O BEM-ESTAR ANIMAL E UMA INTEGRAÇÃO TEÓRICA PARA SUA COMPREENSÃO NO CONTEXTO DOS SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS O BEM-ESTAR ANIMAL E UMA INTEGRAÇÃO TEÓRICA PARA SUA COMPREENSÃO NO CONTEXTO DOS SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS ANIMAL WELFARE AND A THEORETICAL INTEGRATION FOR ITS COMPREHENSION IN THE CONTEXT OF AGRIBUSINESS

Leia mais

Integrando Vigilância em Saúde Animal e Segurança do Alimento. Carlos Henrique Pizarro Borges DSA/SDA/Mapa

Integrando Vigilância em Saúde Animal e Segurança do Alimento. Carlos Henrique Pizarro Borges DSA/SDA/Mapa Integrando Vigilância em Saúde Animal e Segurança do Alimento Carlos Henrique Pizarro Borges DSA/SDA/Mapa Coordinating surveillance policies in animal health and food safety: from farm to fork. Scientific

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Imagem de Tipos de Carnes do Ponto de Vista do Consumidor

Imagem de Tipos de Carnes do Ponto de Vista do Consumidor Imagem de Tipos de Carnes do Ponto de Vista do Consumidor O consumo de carne no Brasil vem apresentando crescimento em todos os segmentos: bovino, suíno e de frango. Dentre eles, o consumo de carne bovina

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS Página: 2504 de 2619 ESPELHO DE S DE 1 Apoio à pesquisa e preservação de recursos genéticos e biotecnologia Custos financeiros: Despesas de custeio - 3

Leia mais

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL Pernambuco, 2012 PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL DOCUMENTO DE TRABALHO Sobre um Plano de Ação relativo à Proteção e ao Bem-Estar dos Animais 2012-2015 Base estratégica das ações propostas

Leia mais

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL: Planejamento. GERENCIAMENTO AMBIENTAL: Execução e Controle. GESTÃO ETAPAS: 1. Definição dos Objetivos do Planejamento = metas. 2. Inventário/ Banco de

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Prof. Dra. Luciana Batalha de Miranda Araújo

Prof. Dra. Luciana Batalha de Miranda Araújo Todos os animais nascem iguais perante a vida e têm os mesmos direitos à existência. Declaração Universal dos Direitos dos Animais UNESCO 27/01/1978 Prof. Dra. Luciana Batalha de Miranda Araújo Não existe

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E BEM ESTAR ANIMAL: ATUAÇÃO DE PROFESSORES DA VILA FLORESTAL EM LAGOA SECA/PB

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E BEM ESTAR ANIMAL: ATUAÇÃO DE PROFESSORES DA VILA FLORESTAL EM LAGOA SECA/PB EDUCAÇÃO AMBIENTAL E BEM ESTAR ANIMAL: ATUAÇÃO DE PROFESSORES DA VILA FLORESTAL EM LAGOA SECA/PB Alfredo Rosas de Lima Júnior; Ana Carolina Bezerra; Luana da Silva Barbosa; Ewerton Guilherme Alves de Sousa;

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO.

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO. SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO. Valmir L. Rodrigues Médico Veterinário/Biorastro Hoje, mais que antigamente, o consumidor busca serviços de

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Rastreabilidade bovina: do campo ao prato - uma ferramenta a serviço da segurança alimentar Taulni Francisco Santos da Rosa (Chico)

Rastreabilidade bovina: do campo ao prato - uma ferramenta a serviço da segurança alimentar Taulni Francisco Santos da Rosa (Chico) Rastreabilidade bovina: do campo ao prato - uma ferramenta a serviço da segurança alimentar Taulni Francisco Santos da Rosa (Chico) Coordenador Agricultural Services SGS do Brasil Ltda. O que é Rastreabilidade?

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN INTRODUÇÃO O objetivo deste estudo é mostrar a influência da qualidade da gestão comportamental no ambiente de trabalho

Leia mais

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO WESP-GUTERRES, Caroline 1 ; TEIXEIRA, José Domingos Lemos 1 ; ARALDI,Daniele Furian 2 Palavras-Chave: Brasil. Consumo de carne. Bovinocultura. Introdução

Leia mais

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ABSTRACT

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ABSTRACT ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ANALYSIS OF APPLICATION OF PHILOSOPHY IN LEAN CONSTRUCTION COMPANIES

Leia mais

AMBIÊNCIA E QUALIDADE DE CARNE. Mateus J.R. Paranhos da Costa

AMBIÊNCIA E QUALIDADE DE CARNE. Mateus J.R. Paranhos da Costa Referência: Paranhos da Costa, M.J.R. (2002). Ambiência e qualidade de carne. In: L.A. Josahkian (ed.) Anais do 5 o Congresso das Raças Zebuínas, ABCZ: Uberaba- MG pp. 170-174. AMBIÊNCIA E QUALIDADE DE

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Código de Conduta Voluntários sobre Animais Exóticos Invasores

Código de Conduta Voluntários sobre Animais Exóticos Invasores Código de Conduta Voluntários sobre Animais Exóticos Invasores INTRODUÇÃO Um código de conduta voluntário é um conjunto de regras e recomendações que visa orientar seus signatários sobre práticas éticas

Leia mais

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Doutorando História das Ciências UFBA,UEFS ABA QUALYAGRO PEC NORDESTE 2013 Guilherme Augusto Vieira gavet@uol.com.br Agronegócio Contexto Pessoal Início trabalhos com Agronegócio

Leia mais

Considerações sobre Sistemas de Avaliação e

Considerações sobre Sistemas de Avaliação e Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia FMVZ Campus de Botucatu Departamento de Produção Animal Considerações sobre Sistemas de Avaliação e Tipificação de Carcaças André démendes Jorge Zootecnista

Leia mais

1 As mudanças na agricultura

1 As mudanças na agricultura MANEJO DE QUALIDADE NA GRANJA, SEGURANÇA ALIMENTAR PRÉ-ABATE E CERTIFICAÇÃO DA INDÚSTRIA SUINÍCOLA Th. G. Blaha University of Minnesota College of Veterinary Medicine, St. Paul, MN 55108, EUA Resumo Comparada

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682.

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682. fls. 776 fls. 777 fls. 778 fls. 779 fls. 780 fls. 781 fls. 782 fls. 783 1/107 LAUDODEAVALIAÇÃO ECONÔMICA fls. 784 2/107 Códigodoimóvel NomedoImóvel Endereço Bairro Cidade UF Proprietário Documento RegistrodeImóveis

Leia mais

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Marcos Tadeu Moraes de Castro Mestre em Administração de Produção administração@asmec.br

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Marcos Tadeu Moraes de Castro Mestre em Administração de Produção administração@asmec.br

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE ATENDIMENTO EM HOTEIS RESUMO

PADRONIZAÇÃO DE ATENDIMENTO EM HOTEIS RESUMO PADRONIZAÇÃO DE ATENDIMENTO EM HOTEIS RODRIGUES, Luiz Antonio Junior Docente do curso de Turismo da Faculdade de Ciências Humanas FAHU/ACEG e-mail: Junior_fdi@terra.com.br RESUMO Este artigo visa demonstrar

Leia mais

CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS

CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS Aspectos éticos Rita de Cassia Maria GARCIA 1, Nestor Alberto Calderon MALDONADO 2 ; Antonio LOMBARDI 3. A reflexão ética vem ganhando importância na discussão pública

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS PARA A COTURNICULTURA NO BRASIL

SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS PARA A COTURNICULTURA NO BRASIL SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS PARA A COTURNICULTURA NO BRASIL Antonio Gilberto Bertechini Professor Titular-UFLA Introdução O agronegócio tem tido papel fundamental para a economia brasileira e representa

Leia mais

CONTEÚDOS E ESTRATÉGIAS NO ENSINO DE BEM-ESTAR ANIMAL. Prof. Luiz Alberto do LAGO 1

CONTEÚDOS E ESTRATÉGIAS NO ENSINO DE BEM-ESTAR ANIMAL. Prof. Luiz Alberto do LAGO 1 95 CONTEÚDOS E ESTRATÉGIAS NO ENSINO DE BEM-ESTAR ANIMAL Prof. Luiz Alberto do LAGO 1 Desde o reconhecimento da relevância do ensino de bem-estar animal e também da delegação desta responsabilidade aos

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL PELO BEM ESTAR E SAÚDE ANIMAL NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO BÁSICO DA VILA FLORESTAL EM LAGOA SECA/PB

EDUCAÇÃO AMBIENTAL PELO BEM ESTAR E SAÚDE ANIMAL NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO BÁSICO DA VILA FLORESTAL EM LAGOA SECA/PB EDUCAÇÃO AMBIENTAL PELO BEM ESTAR E SAÚDE ANIMAL NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO BÁSICO DA VILA FLORESTAL EM LAGOA SECA/PB Luana da Silva Barbosa 1 ; Benedito Marinho da Costa Neto 2 ; Alfredo Rosas de Lima

Leia mais

INDICES DE CONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL EM HIPER E SUPERMERCADOS DO BRASIL

INDICES DE CONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL EM HIPER E SUPERMERCADOS DO BRASIL INDICES DE CONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL EM HIPER E SUPERMERCADOS DO BRASIL Josiel Lopes Valadares < josielvaladares@hotmail.com> 1 Maria Luísa Paniago Pereira< mluisapaniago@hotmail.com> 2 Rosiane Maria Lima

Leia mais

ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA

ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA 1 ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA Luiz Carlos Bresser Pereira Ministro da Ciência e Tecnologia Trabalho escrito maio de 1999 para ser publicado no site do MCT. O País presencia hoje intenso debate

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

Situação das capacidades no manejo dos recursos genéticos animais

Situação das capacidades no manejo dos recursos genéticos animais PARTE 3 Situação das capacidades no manejo dos recursos genéticos animais Os países em desenvolvimento precisam fortalecer as capacidades institucional e técnica. É necessário melhorar a formação profissional

Leia mais

CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE

CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE Andrea C. A. Borim 1 Antônio M. Saraiva 2 José M. Fernandes 3 Carlos A. R. Pinto 4 RESUMO A busca pelo aumento da

Leia mais

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil Revista Ovinos, Ano 4, N 12, Porto Alegre, Março de 2008. Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil João Garibaldi Almeida Viana 1 Os ovinos foram uma das primeiras espécies de animais domesticadas

Leia mais

O REFLEXO DA INTERAÇÃO AMIGÁVEL ENTRE HUMANOS E BOVINOS NO BEM-ESTAR NA FAZENDA STOCKPERSON-BOVINO FRIENDLY INTERACTION IN THE WELFARE IN THE FARM

O REFLEXO DA INTERAÇÃO AMIGÁVEL ENTRE HUMANOS E BOVINOS NO BEM-ESTAR NA FAZENDA STOCKPERSON-BOVINO FRIENDLY INTERACTION IN THE WELFARE IN THE FARM O REFLEXO DA INTERAÇÃO AMIGÁVEL ENTRE HUMANOS E BOVINOS NO BEM-ESTAR NA FAZENDA STOCKPERSON-BOVINO FRIENDLY INTERACTION IN THE WELFARE IN THE FARM Marcelo Simão da Rosa ETCO Escola Agrotécnica Federal

Leia mais

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE CONTEXTO DO PROGRAMA O Texbrasil, Programa de Internacionalização da Indústria da Moda Brasileira, foi criado em 2000 pela Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT LONDRINA - PR 2015 ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT Trabalho de Conclusão

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

A A transversalidade da Saúde Ambiental na formação do Médico Veterinário

A A transversalidade da Saúde Ambiental na formação do Médico Veterinário XIX Seminário Nacional de Ensino de Medicina Veterinária A A transversalidade da Saúde Ambiental na formação do Médico Veterinário Dr. Luciano Menezes Ferreira Comissão Nacional de Saúde Ambiental (CNSA)

Leia mais

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL.

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL. Material Didático Disciplina: Comercialização Agroindustrial # Vendas Prof. responsável: José Matheus Yalenti Perosa Vendas Objeto Produtos Necessidade dos consumidores Atividade humana ou processo social,

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia

The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia Cadeia irá trabalhar unida na implementação das melhores práticas socioambientais

Leia mais

Características da Carne de Frango

Características da Carne de Frango Características da Carne de Frango Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com)

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 OTIMIZAÇÃO DA EFETIVIDADE DE HEDGE NA COMPRA DE MILHO POR MEIO DE CONTRATOS FUTUROS PARA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE RESUMO GUSTAVO DE SOUZA CAMPOS BADARÓ 1, RENATO ELIAS FONTES 2 ; TARCISIO GONÇALVES

Leia mais

Crescimento global da consciência socioambiental

Crescimento global da consciência socioambiental Programa de Sustentabilidade Bunge 1. Contextualização Crescimento global da consciência socioambiental Sociedade Importância do tema Estruturação e articulação das entidades civis Pressões comerciais

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO INTRODUÇÃO O sistema de integração surgiu em Santa Catarina no início dos anos de 196 e é definido como uma parceria existente

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos INTERPRETAÇÃO ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade CAPÍTULO: Preâmbulo ISO 9001:2008 0.1 - Generalidades: foi esclarecido que a conformidade com requisitos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Categoria Temática- Sequenciamento Proposto Modelo de Comércio Exterior- Padronização das Ações Preparação

Categoria Temática- Sequenciamento Proposto Modelo de Comércio Exterior- Padronização das Ações Preparação 1 1. Apresentação A ideia de investigar o processo de internacionalização de micro, pequenas e médias empresas, em Pernambuco, surgiu de observações iniciais realizadas pelo pesquisador enquanto profissional

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

WP Council 242/13 Add. 1

WP Council 242/13 Add. 1 WP Council 242/13 Add. 1 1 julho 2014 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 113. a sessão 22 26 setembro 2014 Londres, Reino Unido Atividades de rotina Programa de Atividades da Organização

Leia mais

Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera

Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera 1 Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera USO DE ANIMAIS ESTÁ CERCADO DE : aspectos emocionais questões religiosas aspectos culturais dilemas morais 2 INFLUÊNCIADO POR: filósofos cientistas protetoras meio

Leia mais

Seminário Telecentros Brasil

Seminário Telecentros Brasil Seminário Telecentros Brasil Inclusão Digital e Sustentabilidade A Capacitação dos Operadores de Telecentros Brasília, 14 de maio de 2009 TELECENTROS DE INFORMAÇÃO E NEGÓCIOS COMO VEÍCULO DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 PERCEPÇÃO DA POPULAÇÃO DE MOSSORÓ-RN SOBRE AS FUNÇÕES DO CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES PERCEPTION OF MOSSORÓ-RN POPULATION ON THE ROLE OF ZOONOSES CENTER VILCELÂNIA ALVES COSTA 1, NILZA DUTRA ALVES

Leia mais

Contribuições das Instituições Brasileiras de Ensino na Formação e Capacitação em Patologia de Sementes na Última Década

Contribuições das Instituições Brasileiras de Ensino na Formação e Capacitação em Patologia de Sementes na Última Década Contribuições das Instituições Brasileiras de Ensino na Formação e Capacitação em Patologia de Sementes na Última Década Norimar D Ávila Denardin Carlos Alberto Forcelini XIX - CONGRESSO BRASILEIRO DE

Leia mais

Tipificação e Classificação de Carcaças Bovinas (3/3)

Tipificação e Classificação de Carcaças Bovinas (3/3) Tipificação e Classificação de Carcaças Bovinas (3/3) Classificação por Rendimento A classificação por rendimento do USDA estima o rendimento de carcaça em cortes desossados já limpos (sem gordura externa)

Leia mais

PROGRAMA DE ASSUNÇÃO SOBRE MEDIDAS DE SIMPLIFICAÇÃO OPERACIONAL E TRÂMITES DE COMÉRCIO EXTERIOR E DE FRONTEIRA

PROGRAMA DE ASSUNÇÃO SOBRE MEDIDAS DE SIMPLIFICAÇÃO OPERACIONAL E TRÂMITES DE COMÉRCIO EXTERIOR E DE FRONTEIRA MERCOSUL/CMC/DEC N 2/99 PROGRAMA DE ASSUNÇÃO SOBRE MEDIDAS DE SIMPLIFICAÇÃO OPERACIONAL E TRÂMITES DE COMÉRCIO EXTERIOR E DE FRONTEIRA TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto,

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00 Páginas 1/8 1. OBJETIVO O Código de Ética é um conjunto de diretrizes e regras de atuação, que define como os empregados e contratados da AQCES devem agir em diferentes situações no que diz respeito à

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

AVALIAÇÕES DE OBJETIVOS ECONÔMICOS PARA GADO DE LEITE, DE CORTE E DE DUPLA APTIDÃO NO BRASIL. Anibal Eugênio Vercesi Filho, Fernando Enrique Madalena

AVALIAÇÕES DE OBJETIVOS ECONÔMICOS PARA GADO DE LEITE, DE CORTE E DE DUPLA APTIDÃO NO BRASIL. Anibal Eugênio Vercesi Filho, Fernando Enrique Madalena AVALIAÇÕES DE OBJETIVOS ECONÔMICOS PARA GADO DE LEITE, DE CORTE E DE DUPLA APTIDÃO NO BRASIL Anibal Eugênio Vercesi Filho, Fernando Enrique Madalena Departamento de Zootecnia, Escola de Veterinária da

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I Profª Caroline P. Spanhol A Origem do conceito Cada dia mais, as propriedades rurais... Perdem sua auto-suficiência Passam a depender mais de insumos e

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Estado da tecnologia avançada na gestão dos recursos genéticos animais

Estado da tecnologia avançada na gestão dos recursos genéticos animais PARTE 4 Estado da tecnologia avançada na gestão dos recursos genéticos animais A caracterização de raças e ambientes de produção precisa ser melhorada para fomentar políticas de decisão na gestão dos recursos

Leia mais