Perigosidade Sísmica no Vale Inferior do Tejo e Algarve

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perigosidade Sísmica no Vale Inferior do Tejo e Algarve"

Transcrição

1 Forum dos Laboratórios de Estado 20 Setembro 2012 Perigosidade Sísmica no Vale Inferior do Tejo e Algarve João Carvalho 1, Pedro Terrinha 2, Ruben Dias 1, Gabriela Carrara 2 1 Laboratório Nacional de Energia e Geologia 2 Instituto Português do Mar e da Atmosfera

2 Sismos e falhas sismogénicas

3 Tsunami

4 Enquadramento tectónico

5 Sismos históricos Sismicidade relocalizada cortesia F. Carrilho, IPMA

6 Fontes offshore vítimas vítimas 1755 ~ vítimas 1722 desconhecido vítimas Vítimas mortais Fontes locais (onshore) vítimas vítimas 1531 ~ 1000 vítimas < vítimas

7 1909 Terramoto de Benavente Fotos cortesia de José Z. Simões

8 Terramoto e tsunami de 1755

9 Caracterizar as fontes sismogénicas Fontes de sismos históricos são ainda mal conhecidas Correlação entre sismicidade e falhas activas é deficiente Causas Offshore Localizações epicentrais deficientes Não é possível observação directa: necessário recorrer a métodos geofísicos A maior parte dos terramotos ocorre a profundidades superiores a 35 km Causas Onshore Ausência de afloramentos Taxas de atividade tectónica baixas e processos erosão-sedimentação elevados, obliteram a morfologia Os sismos ocorrem a profundidades superiores a 10 km

10 Localização das principais falhas sismogénicas Sobreposição sismicidade relocalizada e sismologia Como resolver? Cartografia Geológica, estudos de Neotectónica e Paleosismicidade Sísmica reflexão indústria petrolífera e académica Batimetria de alta resolução Interpretação dados métodos potenciais Catálogo internacional (ISC) Epicentros relocalizados IM Sismotectónica Mecanismos focais Aquisição dados geofísicos de alta resolução Alvos seleccionados(estruturas regionais, superficiais) Sísmica reflexão P, S e 3C VES, tomografia eléctrica, EM,sondagens Sísmica refracção (< 30 m) Modelos estruturais simulação movimentos fortes Classificação solos

11 Colaborações - Financiamento ISMAR (Itália) TU Delft (Holanda) CSIC (Barcelona) Univ. Brest (França) Fac. Ciências Bratislava Univ. Lisboa/IDL DPEP(DGEG) Dep. Geologia/UL Univ. Évora IST LNEC, IGN Financiamento FCT, QREN, ANPC Projectos Europeus

12 Offshore Sismicidade relocalizada cortesia F. Carrilho, IPMA

13 Offshore 1 755? Sismicidade relocalizada cortesia F. Carrilho, IPMA

14 Offshore Sísmica reflexão cortesia de J. Duarte

15 Offshore Batimetria de alta resolução cortesia de J. Duarte

16 Algarve Mapa sintético das principais falhas activas e epicentros dos sismos N 9 º W 8 º 30 8º Alentejo Province Algarve Province 7º 30 7 º S. Marcos da Serra Monchique 37º 15 1 Vila Real de S. António 2 I Loulé 3 4 Sagres Lagos Albufeira 5 37º N Faro 0 20 km Trabalhos de neotectónica e geofísica mais recentes Sismicidade relocalizada cortesia F. Carrilho, IPMA

17 Algarve Falhas inversas, de direcção NE-SW, em sedimentos do Plio-Plistocénico, na zona de Ferrarias. Estas estruturas estão na zona de falha do Carcavai. SE NW SW NE Falha de S. Marcos Quarteira, afectando sedimentos do Plistocénico, em Fonte de Boliqueime.

18 Algarve Complementados com geofísica para confirmar falhas em locais incertos e caracterização em profundidade N 9 º W 8 º 30 8º Alentejo Province Algarve Province 7º º S. Marcos da Serra Monchique 37º 15 1 Loulé Vila Real de S. António Sagres Lagos Albufeira 5 37º N Faro 0 20 km Perfil sísmico Perfil EM Falha

19 Algarve Complementados com geofísica para confirmar falhas em locais incertos e caracterização em profundidade Perfil EM cortesia de E. Ramalho Trafal Falha Carcavai

20 Vale Inferior do Tejo

21 Perfis Sísmica reflexão Indústria petrolífera Sísmica S Superficiais - alta resolução GPR GPR cortesia de J. Borges

22 Modelação Elástica com vista detecção falhas pequeno rejeito vertical Registo campo Cortesia A. Loureiro, R. Ghose, J. Thorbecke & D. Draganov Registo modelado

23 Modelação Elástica com vista detecção falhas pequeno rejeito vertical Cortesia A. Loureiro, R. Ghose, J. Thorbecke & D. Draganov

24 Em síntese O LNEG: Desenvolve estudos de investigação na caracterização, inventariação e avaliação de perigosidade sísmica, de forma a responder e apoiar as políticas do Governo. Elabora trabalhos de investigação na área da Neotectónica, Sismotectónica e Geofísica, com vista à identificação das fontes sismogénicas onshore Efetua o estudo da morfologia e estrutura tectónica do território a fim de minorar os efeitos catastróficos resultantes de sismos ou deslizamentos. Recolhe dados de Geologia, Geotecnia e Geofísica com vista à elaboração de mapas de classificação de solos.

25 Em síntese O IPMA : Tem por missão monitorizar e caracterizar a sismicidade do território nacional, continental e insular. Desenvolve a análise da sismicidade para avisar a protecção civil em relação aos alertas à população de risco de sismo e tsunami. Desenvolve estudos relacionados com o impacto de tsunami na orla costeira. Desenvolve estudos de neotectónica e sismotectónica do fundo marinho profundo e costeiro, de Portugal continental e insular no sentido de melhor compreender para mitigar os efeitos de deslizamentos, sismos e tsunamis.

26 Obrigado!

Perigosidade Sísmica

Perigosidade Sísmica Perigosidade Sísmica Cadeira de Riscos Geológicos Módulo I 2ª Aula J. Cabral Izmit, Turquia 1999 ABORDAGEM PROBABILISTA Métodos probabilistas vantagem de permitirem associar um nível de probabilidade aos

Leia mais

FICHA (IN)FORMATIVA Nº 2 Biologia e Geologia Módulo 2

FICHA (IN)FORMATIVA Nº 2 Biologia e Geologia Módulo 2 FICHA (IN)FORMATIVA Nº 2 Biologia e Geologia Módulo 2 Sismologia Sismo Abalo brusco da superfície da Terra provocado por uma súbita libertação de energia no seu interior. Os sismos tectónicos originam-se

Leia mais

A Terra estremece cerca de um milhão de vezes por ano

A Terra estremece cerca de um milhão de vezes por ano A Terra estremece cerca de um milhão de vezes por ano SISMO vibração das partículas dos materiais do globo terrestre originada pela libertação brusca de energia acumulada numa zona do interior da Terra,

Leia mais

FICHA (IN)FORMATIVA Nº 2 Biologia e Geologia Módulo 2

FICHA (IN)FORMATIVA Nº 2 Biologia e Geologia Módulo 2 FICHA (IN)FORMATIVA Nº 2 Biologia e Geologia Módulo 2 Sismologia Sismo Abalo brusco da superfície da Terra provocado por uma súbita libertação de energia no seu interior. Os sismos tectónicos originam-se

Leia mais

Atividade Sísmica Setembro 2011 Relatório-Síntese

Atividade Sísmica Setembro 2011 Relatório-Síntese Atividade Sísmica Setembro 2 Relatório-Síntese CONTEÚDOS Sede do IM, I.P. Resumo Mensal 2 Resumo da Sismicidade Continente Resumo da Sismicidade Madeira 7 Resumo da Sismicidade - Açores Sismicidade Global

Leia mais

ACTIVIDADES HUMANAS AMBIENTE GEOLÓGICO IMPACTO NOS PROJECTOS DE ENGENHARIA

ACTIVIDADES HUMANAS AMBIENTE GEOLÓGICO IMPACTO NOS PROJECTOS DE ENGENHARIA ACTIVIDADES HUMANAS AMBIENTE GEOLÓGICO IMPACTO NOS PROJECTOS DE ENGENHARIA SCET- Geológica e de Minas IST 2007 ANTES DE INVESTIGAR A VIABILIDADE DE UM PROJECTO, EM PARTICULAR QUANDO EXISTE UM SISTEMA DE

Leia mais

2 - Qual a onda de superfície mais rápida? Love ou Rayleigh? Como a onda de superfície pode auxiliar na estimativa da profundidade focal do evento?

2 - Qual a onda de superfície mais rápida? Love ou Rayleigh? Como a onda de superfície pode auxiliar na estimativa da profundidade focal do evento? Lista de Sismologia 1 - Defina onda de corpo e onda de superfície. Mostre os tipos. 2 - Qual a onda de superfície mais rápida? Love ou Rayleigh? Como a onda de superfície pode auxiliar na estimativa da

Leia mais

Detecção remota aplicada à prospecção de jazigos de minerais metálicos na zona centro de Portugal (região de Góis) R. Manuel, M.G. Brito & C.P.

Detecção remota aplicada à prospecção de jazigos de minerais metálicos na zona centro de Portugal (região de Góis) R. Manuel, M.G. Brito & C.P. Detecção remota aplicada à prospecção de jazigos de minerais metálicos na zona centro de Portugal (região de Góis) R. Manuel, M.G. Brito & C.P. Rosa XIX Encontro Nacional do Colégio de Engenharia Geológica

Leia mais

Actividade Sísmica Janeiro 2011 Relatório-Síntese

Actividade Sísmica Janeiro 2011 Relatório-Síntese Actividade Sísmica Janeiro 211 Relatório-Síntese CONTEÚDOS Sede do IM, I.P. 1 Resumo Mensal 2 Resumo da Sismicidade Continente 6 Resumo da Sismicidade no Arquipélago dos Açores 8 Sismicidade Global Mensal

Leia mais

SUBSIn Utilização do InSAR na detecção e caracterização de subsidência e deslizamentos do solo na região de Lisboa

SUBSIn Utilização do InSAR na detecção e caracterização de subsidência e deslizamentos do solo na região de Lisboa SUBSIn Utilização do InSAR na detecção e caracterização de subsidência e deslizamentos do solo na região de Lisboa Projecto FCT PTDC/CTE-GEX/65261/2006 Financiamento: Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Leia mais

SISMOLOGIA. Figura 1- Movimento das partículas do terreno durante a passagem das ondas de volume P e S.

SISMOLOGIA. Figura 1- Movimento das partículas do terreno durante a passagem das ondas de volume P e S. 1 1. INTRODUÇÃO SISMOLOGIA Apresentamos os conceitos básicos de Sismologia, a ciência que estuda os sismos. Sismologia é o ramo da geofísica que estuda os terremotos (ou sismos): suas causas e efeitos,

Leia mais

Tremores de Dezembro de 2015 / Janeiro de 2016 em Londrina - PR

Tremores de Dezembro de 2015 / Janeiro de 2016 em Londrina - PR Tremores de Dezembro de 2015 / Janeiro de 2016 em Londrina - PR Relatório Técnico N 2 22/01/2016 Elaborado pelo Centro de Sismologia da USP IAG/IEE* (*) Serviço Técnico de Exploração Geofísica e Geológica

Leia mais

Ficha Formativa Sismologia 10º Ano

Ficha Formativa Sismologia 10º Ano Ficha Formativa Sismologia 10º Ano Ficha do Professor Os sismos representam uma série de fenómenos que têm lugar na maioria dos casos no interior da Terra. A actividade sísmica é um testemunho do dinamismo

Leia mais

- FOCO, - EPICENTRO: - PROFUNDIDADE FOCAL: - DISTÂNCIA EPICENTRAL: - MAGNITUDE: - INTENSIDADE:

- FOCO, - EPICENTRO: - PROFUNDIDADE FOCAL: - DISTÂNCIA EPICENTRAL: - MAGNITUDE: - INTENSIDADE: 1 Terremoto (ou abalo sísmico) é a liberação instantânea de energia que gera ondas elásticas que se propagam pela Terra. Para ocorrer um terremoto, é necessário haver condições para o acúmulo de esforços

Leia mais

A definição da acção sísmica na regulamentação actual

A definição da acção sísmica na regulamentação actual A definição da acção sísmica na regulamentação actual Reabilitação Sísmica de Edifícios REABILITAR 2010 Luís Guerreiro Junho de 2010 1. Introdução Os sismos são um dos desastres naturais que mais impacto

Leia mais

Os Sismos ou Tremores de Terra, são fenómenos de movimento da crosta terrestre resultantes da libertação de energia.

Os Sismos ou Tremores de Terra, são fenómenos de movimento da crosta terrestre resultantes da libertação de energia. Os Sismos ou Tremores de Terra, são fenómenos de movimento da crosta terrestre resultantes da libertação de energia. Em todo o planeta verificam-se mais de 3000 abalos sísmicos por dia: um em cada trinta

Leia mais

Estudo da resposta sísmica local na área metropolitana de Lisboa e na região do Algarve

Estudo da resposta sísmica local na área metropolitana de Lisboa e na região do Algarve Estudo da resposta sísmica local na área metropolitana de Lisboa e na região do Algarve Fotografia Fotografia Autor Autor 4 mm x 4 mm mm x 4 mm Rita Delfim José Rodrigues Rui Carrilho Gomes Alexandra Carvalho

Leia mais

GICOS E GEOLOGIA URBANA RISCOS GEOLÓGICOS

GICOS E GEOLOGIA URBANA RISCOS GEOLÓGICOS RISCOS GEOLÓGICOS GICOS E GEOLOGIA URBANA Ruben Dias Unida Geologia e Cartografia Geológica Portugal Tecnológico 2010, Lisboa, 24 Setembro 2010 Os Riscos Geológicos são parte integrante um conceito mais

Leia mais

CURSO CIENTÍFICO HUMANÍSTICO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS Planificação anual de Biologia e Geologia - 10ºano 2016/2017

CURSO CIENTÍFICO HUMANÍSTICO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS Planificação anual de Biologia e Geologia - 10ºano 2016/2017 Agrupamento de Escolas Júlio Dantas 1515 2016/2017 Turmas B e C. Professor (es): Fernando Ribeiro e Maria Nazaré Quitéria. 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina de Biologia e Geologia

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL. Disciplina: Ciências Naturais A TERRA EM TRANSFORMAÇÃO: Unidade Temática e. Conteúdos DINÂMICA EXTERNA DA TERRA

PLANIFICAÇÃO ANUAL. Disciplina: Ciências Naturais A TERRA EM TRANSFORMAÇÃO: Unidade Temática e. Conteúdos DINÂMICA EXTERNA DA TERRA PLANIFICAÇÃO ANUAL Disciplina: Ciências Naturais 7.º Ano Unidade Temática e Domínio/Subdomínio Objetivos/Metas N.º de Aulas previstas por período Conteúdos DINÂMICA EXTERNA DA TERRA Paisagens geológicas

Leia mais

Riscos Naturais e Protecção Civil. 16 de Dezembro de 2010 Escola Secundária de Barcelinhos

Riscos Naturais e Protecção Civil. 16 de Dezembro de 2010 Escola Secundária de Barcelinhos Riscos Naturais e Protecção Civil 16 de Dezembro de 2010 Escola Secundária de Barcelinhos 1) Riscos naturais a. Erosão / Movimentos de vertente b. Cheias c. Sismos / Falhas geológicas 1) Plano Municipal

Leia mais

Trabalho prático de Reconhecimento Geológico

Trabalho prático de Reconhecimento Geológico Trabalho prático de Reconhecimento Geológico LOCALIZAÇÃO Av. Duarte Pacheco Local de encontro - Bombas da TOTAL- Oeste das Amoreiras Obras Geotécnicas Mestrado Integrado em Engenharia Civil (4º Ano) Instituto

Leia mais

Ficha Formativa Sismologia 10º Ano

Ficha Formativa Sismologia 10º Ano Ficha Formativa Sismologia 10º Ano Os sismos representam uma série de fenómenos que têm lugar na maioria dos casos no interior da Terra. A actividade sísmica é um testemunho do dinamismo interno do nosso

Leia mais

A GÊNESE DO RELEVO. GEOMORFOLOGIA (estudo do relevo) FORMAÇÃO DA TERRA (1) FORMAÇÃO DA TERRA (3) FORMAÇÃO DA TERRA (2) ORIGEM DO UNIVERSO

A GÊNESE DO RELEVO. GEOMORFOLOGIA (estudo do relevo) FORMAÇÃO DA TERRA (1) FORMAÇÃO DA TERRA (3) FORMAÇÃO DA TERRA (2) ORIGEM DO UNIVERSO GEOMORFOLOGIA (estudo do relevo) A GÊNESE DO RELEVO ORIGEM DO UNIVERSO Teoria do Big Bang. FORMAÇÃO DA TERRA (1) Resfriamento - de massa gasosa para líquido-pastosa. FORMAÇÃO DA TERRA (2) Formação da litosfera.

Leia mais

2.1 A Estrutura da Terra

2.1 A Estrutura da Terra Capítulo 2 Mecanismos de geração dos sismos A estrutura da Terra. Origem dos sismos. Teorias dos mecanismos sísmicos. As falhas como geradoras de sismos. Geometria, tipo e classificação da sua actividade.

Leia mais

COLÉGIO DA IMACULADA CONCEIÇÃO ANO LETIVO 2013/2014

COLÉGIO DA IMACULADA CONCEIÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 COLÉGIO DA IMACULADA CONCEIÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 FICHA DE TRABALHO DE GEOLOGIA - SISMOLOGIA NOME: TURMA: N.º: DATA: 1. Durante o sismo de Loma Prieta (São Francisco, EUA, 1989), ocorreu o colapso do

Leia mais

Terra: origem e formação

Terra: origem e formação Terra: origem e formação Big Bang : formação do universo E:\Documentos\Aulas\Terra origem e formação\animação IBGE- NOSSO LUGAR NO UNIVERSO\nossolugaranouniverso (1).swf Origem da Terra Escala do tempo

Leia mais

A GEOFÍSICA NA PROTECÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS. MAPEAMENTO DE ZONAS DE RISCO NO VALE DO TEJO-SADO RECORRENDO A PROSPECÇÃO GEOELÉCTRICA.

A GEOFÍSICA NA PROTECÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS. MAPEAMENTO DE ZONAS DE RISCO NO VALE DO TEJO-SADO RECORRENDO A PROSPECÇÃO GEOELÉCTRICA. A GEOFÍSICA NA PROTECÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS. MAPEAMENTO DE ZONAS DE RISCO NO VALE DO TEJO-SADO RECORRENDO A PROSPECÇÃO GEOELÉCTRICA. Rui M. D. GONÇALVES 1, António. R. ANDRADE AFONSO 2 RESUMO A definição

Leia mais

Prospecção geofísica aplicada à detecção de falhas activas a falha de. Vila Franca de Xira

Prospecção geofísica aplicada à detecção de falhas activas a falha de. Vila Franca de Xira 1 2 Prospecção geofísica aplicada à detecção de falhas activas a falha de Vila Franca de Xira 3 4 João Casacão 1 *, Rui J. Oliveira 2, Bento Caldeira 2, José F. Borges 2, João Carvalho 3 5 6 7 8 9 10 11

Leia mais

Capítulo I INTRODUÇÃO

Capítulo I INTRODUÇÃO 1. A Física e a Geologia Capítulo I INTRODUÇÃO Geologia é o estudo da Terra como um todo, da sua origem, estrutura e composição, da sua história (incluindo o desenvolvimento da vida) e dos processos que

Leia mais

Universidade Metodista de Angola Faculdade de Engenharia Departamento de Construção Civil

Universidade Metodista de Angola Faculdade de Engenharia Departamento de Construção Civil Universidade Metodista de Angola Faculdade de Engenharia Departamento de Construção Civil Curso de Construção Civil Disciplina: Geologia em Engenharia Ano: 4to Professor: Dr. Silva Pereira Ginga (PhD)

Leia mais

Atividade Sísmica Os sismos

Atividade Sísmica Os sismos Atividade Sísmica Os sismos Os movimento das placas litosféricas ou das falhas ocasionam a acumulação de energia, que, ao libertar-se bruscamente, dá origem a um sismo. A energia libertada pela rutura

Leia mais

Teste Diagnóstico I Ciências Naturais

Teste Diagnóstico I Ciências Naturais Nome: Data: Alguns aspetos detetados: Conhecimentos prévios mal assimilados ou interiorizados. Dificuldades na interpretação de um pequeno texto. Dificuldades na interpretação de enunciados. Dificuldade

Leia mais

Vigilância Sísmica e Alerta Precoce à Proteção Civil

Vigilância Sísmica e Alerta Precoce à Proteção Civil Vigilância Sísmica e Alerta Precoce à Proteção Civil Fernando Carrilho Instituto Português do Mar e da Atmosfera, I.P. Ciclo de Encontros Científicos A Ciência na Prevenção e Mitigação dos Riscos em Portugal

Leia mais

Sismologia e Sismos. Teoria da deriva dos continentes (Taylor, 1910; Wegener, 1915) Mestrado em Engenharia Civil

Sismologia e Sismos. Teoria da deriva dos continentes (Taylor, 1910; Wegener, 1915) Mestrado em Engenharia Civil Mestrado em Engenharia Civil Sismologia e Sismos Prof. Jaime Santos www.civil.ist.utl.pt/~jaime jaime@civil.ist.utl.pt 1 Teoria da deriva dos continentes (Taylor, 1910; Wegener, 1915) a) 270 milhões de

Leia mais

ENMC Entidade Nacional para o Mercado de Combustíveis, E.P.E.

ENMC Entidade Nacional para o Mercado de Combustíveis, E.P.E. ENMC Entidade Nacional para o Mercado de Combustíveis, E.P.E. Sondagem de Pesquisa Eni/Galp RV GeoExplorer (amostragem de sedimentos do fundo marinho) Bacia do Alentejo, 2012 Julho 2016, Aljezur ATIVIDADE

Leia mais

MAPAS DE RUÍDO DO CONCELHO DE ARRAIOLOS RESUMO NÃO TÉCNICO

MAPAS DE RUÍDO DO CONCELHO DE ARRAIOLOS RESUMO NÃO TÉCNICO MAPAS DE RUÍDO DO CONCELHO DE ARRAIOLOS RESUMO NÃO TÉCNICO Equipa Técnica Luís Conde Santos, Eng. Electrotécnico (IST), MSc. Sound and Vibration Studies (Un. Southampton) Director Técnico do Laboratório;

Leia mais

Geologia. Tecnologia de Informação e Comunicação. Escola Básica 2,3 Paulo da Gama. Amora, outobro Aluno: André Costa. Professor: Sérgio Heleno

Geologia. Tecnologia de Informação e Comunicação. Escola Básica 2,3 Paulo da Gama. Amora, outobro Aluno: André Costa. Professor: Sérgio Heleno Geologia Tecnologia de Informação e Comunicação Escola Básica 2,3 Paulo da Gama Amora, outobro 2016 Aluno: André Costa Professor: Sérgio Heleno Geologia Tecnologia de Inf-ormação e Comunicação Escola Básica

Leia mais

V JORNADAS APG Geologia para a Sociedade: Desafios do Futuro. Programa

V JORNADAS APG Geologia para a Sociedade: Desafios do Futuro. Programa V JORNADAS APG Geologia para a Sociedade: Desafios do Futuro Programa 11 de Dezembro de 2015 (sexta-feira) Sessões de Palestras 9 e 10 de Dezembro de 2015 (quarta e quinta-feira) Cursos de Formação Associação

Leia mais

Sequência de terremotos no Norte do Chile em Março-Abril de 2014

Sequência de terremotos no Norte do Chile em Março-Abril de 2014 !!!! Centro de Sismologia da USP IAG / IEE Sequência de terremotos no Norte do Chile em Março-Abril de 2014 Informe preparado pelo Centro de Sismologia da Universidade de São Paulo 02-Abril-2014 1) Preparação

Leia mais

ESCOLA E.B. 2,3 PEDRO DE SANTARÉM Ano lectivo 2010 / 2011 Ciências Naturais 7º Ano PLANIFICAÇÃO ANUAL 1º Período

ESCOLA E.B. 2,3 PEDRO DE SANTARÉM Ano lectivo 2010 / 2011 Ciências Naturais 7º Ano PLANIFICAÇÃO ANUAL 1º Período ESCOLA E.B. 2,3 PEDRO DE SANTARÉM Ano lectivo 2010 / 2011 Ciências Naturais 7º Ano PLANIFICAÇÃO ANUAL 1º Período Objectivos / Competências Compreender que a pertence a um sistema planetário dependente

Leia mais

CONTEÚDOS OBJETIVOS TEMPO AVALIAÇÃO

CONTEÚDOS OBJETIVOS TEMPO AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 201-2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Metas Curriculares de Ciências Naturais de 8º ano, Projeto Educativo 3º Ciclo. Ciências Naturais

Leia mais

ESTUDO DA SISMICIDADE EM PORTUGAL NO PERÍODO : MAPA DE INTENSIDADE MÁXIMA OBSERVADA (IMO)

ESTUDO DA SISMICIDADE EM PORTUGAL NO PERÍODO : MAPA DE INTENSIDADE MÁXIMA OBSERVADA (IMO) ESTUDO DA SISMICIDADE EM PORTUGAL NO PERÍODO 1300-2014: MAPA DE INTENSIDADE MÁXIMA OBSERVADA (IMO) 39 CÉLIA FERRÃO Centro de Geofísica de Évora, Universidade de Évora, Rua Romão Ramalho, 59 Évora, Portugal,

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Metas Curriculares de Ciências Naturais 7º Ano e Projeto Educativo 3º CICLO CIÊNCIAS

Leia mais

Aula-00 (Introdução / Terremotos e Teoria do Rebote):

Aula-00 (Introdução / Terremotos e Teoria do Rebote): Roteiro de Estudo Neste roteiro vocês encontram mais de 100 perguntas que vocês devem estar tentando responder ao revisar o material apresentado em aula e mesmo as suas anotações para se prepararem para

Leia mais

OM SISMOS. UM DIA A CASA VAI ABAIXO

OM SISMOS. UM DIA A CASA VAI ABAIXO Pág: 20 Área: 22,60 x 30,26 cm² Corte: 1 de 5 OM SISMOS. UM DIA A CASA VAI ABAIXO A Protecção Civil está a testar em articulação com Espanha e Marrocos a nossa capacidade de responder a um sismo idêntico

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE FELGUEIRAS

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE FELGUEIRAS PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE FELGUEIRAS Felgueiras /// Agosto 2010 INDICE GERAL Sumário Executivo... Homologação. viii ix Parte I Enquadramento geral do plano 1. Introdução. 11 2.

Leia mais

11ª aula - Caso de estudo de Tomar

11ª aula - Caso de estudo de Tomar 11ª aula - Caso de estudo de Tomar Plano Director Municipal Tomar Componente Ambiental Figura? Dispersão da Edificação em Tomar Objectivos gerais: Caracterizar os elementos ambientais fundamentais no

Leia mais

Riscos Naturais e Riscos Geológicos

Riscos Naturais e Riscos Geológicos Riscos Naturais e Riscos Geológicos mfcp@ist.utl.pt Manuel Francisco Costa Pereira Parte 1 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO A. Noção de Risco B. Perigos Naturais/Geológicos C. Riscos Geológicos D. Exemplos de

Leia mais

Exercícios Vulcões, Terremotos e Tsunamis

Exercícios Vulcões, Terremotos e Tsunamis Exercícios Vulcões, Terremotos e Tsunamis 1. (UFRGS) A figura a seguir representa processos associados à tectônica de placas Identifique os processos destacados pelas letras A, B e C, respectivamente.

Leia mais

ÍNDICE DE FIGURAS. Fig. I.1 Dados disponíveis em CAPÍTULO II ENQUADRAMENTO GEOLÓGICO DA MARGEM SUDOESTE IBÉRICA

ÍNDICE DE FIGURAS. Fig. I.1 Dados disponíveis em CAPÍTULO II ENQUADRAMENTO GEOLÓGICO DA MARGEM SUDOESTE IBÉRICA ÍNDICE DE FIGURAS CAPÍTULO I - INTRODUÇÃO Fig. I.1 Dados disponíveis em 2001. 3 CAPÍTULO II ENQUADRAMENTO GEOLÓGICO DA MARGEM SUDOESTE IBÉRICA Fig. II.1 - Localização da fronteira de placas Açores-Gibraltar.

Leia mais

A SEQÜÊNCIA HOLOCÊNICA DA PLATAFORMA CONTINENTAL CENTRAL DO ESTADO DA BAHIA (COSTA DO CACAU)

A SEQÜÊNCIA HOLOCÊNICA DA PLATAFORMA CONTINENTAL CENTRAL DO ESTADO DA BAHIA (COSTA DO CACAU) Universidade Federal da Bahia Instituto de Geociências Curso de Pós-Graduação em Geologia Área de Concentração em Geologia Marinha, Costeira e Sedimentar. DISSERTAÇÃO DE MESTRADO: A SEQÜÊNCIA HOLOCÊNICA

Leia mais

Teste diagnóstico de Geologia (10.º ano)

Teste diagnóstico de Geologia (10.º ano) Teste diagnóstico de Geologia (10.º ano) 10.º Ano Objetivos Averiguar os conhecimentos prévios dos alunos acerca de alguns dos temas de Geociências que irão ser tratados ao longo do ensino secundário,

Leia mais

A FALHA DO VALE INFERIOR DO TEJO NA ANÁLISE DA PERIGOSIDADE SÍSMICA

A FALHA DO VALE INFERIOR DO TEJO NA ANÁLISE DA PERIGOSIDADE SÍSMICA A FALHA DO VALE INFERIOR DO TEJO NA ANÁLISE DA PERIGOSIDADE SÍSMICA Susana P. VILANOVA Bolseira de Investigação do IST, Grupo de Engenharia Sísmica e Sismologia do ICIST, Lisboa João F. B. D. FONSECA Professor

Leia mais

Teste de avaliação global

Teste de avaliação global Teste de avaliação global Consequências da dinâmica interna da Terra Ciências Naturais 7. o ano Utiliza apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Não é permitido o uso de corretor.

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PARA UMA APRECIAÇÃO NACIONAL DO RISCO SÍSMICO

CONTRIBUIÇÕES PARA UMA APRECIAÇÃO NACIONAL DO RISCO SÍSMICO Autoridade Nacional de Protecção Civil Câmara Municipal de Lisboa CONTRIBUIÇÕES PARA UMA APRECIAÇÃO NACIONAL DO RISCO SÍSMICO Simpósio Ibero-Afro-Americano de Riscos Faro, Novembro de 2015 L. Sa, P. Pires,

Leia mais

Actividade sísmica em Portugal

Actividade sísmica em Portugal Actividade sísmica em Portugal Mourad Bezzeghoud (mourad@uevora.pt) (Prof. Associado da Universidade de Évora) José Fernando Borges (Prof. Auxiliar da Universidade de Évora) Bento Caldeira (Prof. Auxiliar

Leia mais

CAUSAS DOS SISMOS. O material terrestre é sujeito a um nível de tensão e acumula progressivamente uma dada quantidade de energia.

CAUSAS DOS SISMOS. O material terrestre é sujeito a um nível de tensão e acumula progressivamente uma dada quantidade de energia. Estudo dos Sismos 1 O QUE É UM SISMO? É um movimento vibratório brusco da superfície terrestre, devido a uma libertação de energia em zonas instáveis do interior da Terra. 2 CAUSAS DOS SISMOS O material

Leia mais

Geração de catálogos sintéticos de sismos para a avaliação probabilista do perigo de tsunamis

Geração de catálogos sintéticos de sismos para a avaliação probabilista do perigo de tsunamis a Geração de catálogos sintéticos de sismos para a avaliação probabilista do perigo de tsunamis Generation of synthetic earthquake catalogues for probabilistic tsunami hazard assessment studies L. M. Matias

Leia mais

ANEXO I TABELA CRONOSTRATIGRÁFICA

ANEXO I TABELA CRONOSTRATIGRÁFICA ANEXO I TABELA CRONOSTRATIGRÁFICA Período Série Época Andar Idade Período Época Maastrichtiano Ma Quaternário Superior Campaniano Santoniano Coniaciano Turoniano Cenomaniano Cretácico Albiano Aptiano Inferior

Leia mais

Utilização da Detecção Remota nas diferentes fases da Gestão do Risco e Emergências. Ana Maria Fonseca

Utilização da Detecção Remota nas diferentes fases da Gestão do Risco e Emergências. Ana Maria Fonseca Utilização da Detecção Remota nas diferentes fases da Gestão do Risco e Emergências Ana Maria Fonseca RESUMO Gestão do Risco e Emergências Fases Contribuição da DR Programas Europeus GMES Global Monitoring

Leia mais

TREMORES DE TERRA EM LONDRINA, PARANÁ

TREMORES DE TERRA EM LONDRINA, PARANÁ TREMORES DE TERRA EM LONDRINA, PARANÁ José Paulo Peccinini Pinese Marcelo Assumpção Instituto de Engenharia do Paraná (IEP) e Associação Profissional dos Geólogos do Paraná (AGEPAR) Curitiba, 31 de Março

Leia mais

VOLUME II. Plano Regional de Ordenamento do Território. - Apreciação do Risco Sísmico no Algarve. Caracterização e Diagnóstico ANEXO J

VOLUME II. Plano Regional de Ordenamento do Território. - Apreciação do Risco Sísmico no Algarve. Caracterização e Diagnóstico ANEXO J MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ALGARVE Plano Regional de Ordenamento do Território - Apreciação

Leia mais

Física de la Tierra ISSN: Maria Luísa Senos, Fernando Carrilho

Física de la Tierra ISSN: Maria Luísa Senos, Fernando Carrilho Física de la Tierra ISSN: 0214-4557 SISMICIDADE DE PORTUGAL CONTINENTAL SEISMICITY OF PORTUGAL MAINLAND Maria Luísa Senos, Fernando Carrilho Divisão de Sismologia/ Instituto de Meteorologia Rua C ao aeroporto

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 7.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 7.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS 7.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No domínio da Terra em transformação o aluno deve ser capaz de: Compreender a diversidade das paisagens geológicas (meta 1); Compreender

Leia mais

Oceanografia Física. Ciências Geofísicas (estudo da Terra aplicando as leis da Física) Oceanografia (estudo dos Oceanos) Meteorologia e Climatologia

Oceanografia Física. Ciências Geofísicas (estudo da Terra aplicando as leis da Física) Oceanografia (estudo dos Oceanos) Meteorologia e Climatologia Ciências Geofísicas (estudo da Terra aplicando as leis da Física) Geofísica Interna Oceanografia Física Meteorologia e Climatologia Oceanografia (estudo dos Oceanos) Oceanografia Geológica Oceanografia

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO No domínio da Terra em transformação o aluno deve ser capaz de: Compreender a diversidade das paisagens geológicas (meta 1); Compreender

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO Código Unidade 040 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso Etapa Sem. / Ano 4045-1 Ciências Biológicas

Leia mais

Ciências Naturais 7º ano - Sismologia. 1. Sismologia

Ciências Naturais 7º ano - Sismologia. 1. Sismologia 1. Sismologia A sismologia é o ramo da geofísica que estuda os fenómenos relacionados com a ocorrência de sismos. Os sismos correspondem a movimentos vibratórios, bruscos e breves da litosfera terrestre,

Leia mais

DOTAÇÕES ORÇAMENTAIS PARA C&T E I&D 2015

DOTAÇÕES ORÇAMENTAIS PARA C&T E I&D 2015 PARA C&T E I&D 2015 FICHA TÉCNICA Título Dotações Orçamentais para C&T e I&D 2015 Autor Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC) Direção de Serviços de Estatística da Ciência e Tecnologia

Leia mais

Riscos de inundações fluviais e estuarinas

Riscos de inundações fluviais e estuarinas Riscos de inundações fluviais e estuarinas Elsa Alves Marta Rodrigues Iniciativa Riscos Ciclo de Encontros Riscos Naturais 20 de Setembro de 2012, Fundação Calouste Gulbenkian Riscos de inundações fluviais

Leia mais

DECIFRANDO A FORMAÇÃO DA TERRA

DECIFRANDO A FORMAÇÃO DA TERRA DECIFRANDO A FORMAÇÃO DA TERRA QUESTÕES INICIAIS O que vocês já sabem sobre o tema? O que justifica a presença de diversos tipos de relevo na crosta terrestre? Por que estudar esse tema? O que se entende

Leia mais

P. Terrinha (a,1), E. J. González-Clavijo (b,2), J. Vicente (c,3), C. Moniz (b,4), R. Dias (b,5), J. T. Vazquez (d,6) & V. Diaz del Rio (e,7)

P. Terrinha (a,1), E. J. González-Clavijo (b,2), J. Vicente (c,3), C. Moniz (b,4), R. Dias (b,5), J. T. Vazquez (d,6) & V. Diaz del Rio (e,7) Ciências da Terra (UNL), Lisboa, nº esp. V, CD-ROM, D101-D105 Falha de Portimão: novos dados, sobre a sua geometria e cinemática no Mesozóico, Neogénico e Quaternário e continuidade das estruturas nas

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico, 21 outubro de 2014) CIÊNCIAS NATURAIS 7º ano de escolaridade

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico, 21 outubro de 2014) CIÊNCIAS NATURAIS 7º ano de escolaridade CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico, 21 outubro de 2014) CIÊNCIAS NATURAIS 7º ano de escolaridade A TERRA EM TRANSFORMAÇÃO Dinâmica Externa da Terra Paisagens geológicas

Leia mais

ANÁLISE GLOBAL DE GEORRECURSOS LEGISLAÇÃO PORTUGUESA DL 90/90

ANÁLISE GLOBAL DE GEORRECURSOS LEGISLAÇÃO PORTUGUESA DL 90/90 ANÁLISE GLOBAL DE GEORRECURSOS LEGISLAÇÃO PORTUGUESA DL 90/90 Seminário Ciências de Engenharia 2007 - Eng. Geológica e Mineira - SCE - Geológica e Mineira Recursos Naturais Bens naturais que o Homem utiliza

Leia mais

Métodos geofísicos de exploração aplicados ao estudo da perigosidade sísmica

Métodos geofísicos de exploração aplicados ao estudo da perigosidade sísmica ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE GEÓLOGOS GEONOVAS N.º 26: 47 a 54, 2013 47 Métodos geofísicos de exploração aplicados ao estudo da perigosidade sísmica João Carvalho a & Ruben Pereira Dias b Laboratório Nacional

Leia mais

Origem dos terremotos no Nordeste

Origem dos terremotos no Nordeste ComCiência no.117 Campinas 2010 ARTIGO Origem dos terremotos no Nordeste Por Paulo de Barros Correia O Brasil é um país abençoado por Deus porque aqui não há terremotos. Quem nunca ouviu esta frase? Infelizmente

Leia mais

Aula 1. Projecto sismo-resistente em Engenharia Civil. Um sismo histórico: o de 1 de Novembro de 1755 em Lisboa.

Aula 1. Projecto sismo-resistente em Engenharia Civil. Um sismo histórico: o de 1 de Novembro de 1755 em Lisboa. Aula 1 Sismos. Razões para a notoriedade dos sismos. Perigo e risco sísmicos. Sismologia. Engenharia Sísmica. Projecto sismo-resistente em Engenharia Civil. Efeitos dos sismos. Sismicidade histórica e

Leia mais

Introdução. Os grandes sismos. Lisboa ( Magnitude 8, mortos, Tsunami no Oceano Atlântico )

Introdução. Os grandes sismos. Lisboa ( Magnitude 8, mortos, Tsunami no Oceano Atlântico ) Introdução Entre os fenómenos da natureza mais assustadores e destrutivos estão os sismos ou terramotos, que têm terríveis efeitos. Estes provocam muitas vezes níveis de destruição extremamente elevados,

Leia mais

Efeito dos sismos ondas sísmicas

Efeito dos sismos ondas sísmicas Efeito dos sismos ondas sísmicas A zona do interior do globo onde tem origem a ruptura ou simplesmente a deslocação das rochas denomina-se por foco sísmico ou hipocentro. A libertação de energia, lentamente

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE ALAGOAS ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÕES I. Prof. MsC. Roberto Monteiro

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE ALAGOAS ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÕES I. Prof. MsC. Roberto Monteiro FACULDADE DE TECNOLOGIA DE ALAGOAS ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÕES I Prof. MsC. Roberto Monteiro CONCEPÇÃO DE OBRAS DE FUNDAÇÕES Pof. Msc. ROBERTO MONTEIRO INTRODUÇÃO Comentário Inial O estudo de concepção

Leia mais

Estudos sismológicos para definição das ações sísmicas para o local de implantação do aproveitamento hidroeléctrico de Foz Tua

Estudos sismológicos para definição das ações sísmicas para o local de implantação do aproveitamento hidroeléctrico de Foz Tua Estudos sismológicos para definição das ações sísmicas para o local de implantação do aproveitamento hidroeléctrico de Foz Tua Seismological studies for definition of design earthquakes for hydroelectric

Leia mais

COMPREENDER A ESTRUTURA E A DINÂMICA DA GEOSFERA

COMPREENDER A ESTRUTURA E A DINÂMICA DA GEOSFERA Escola Secundária c/ 3º ciclo D. Manuel I Biologia Geologia (10º ano) COMPREENDER A ESTRUTURA E A DINÂMICA DA GEOSFERA ONDAS SÍSMICAS E DESCONTINUIDADES Quando um feixe luminoso passa de um meio (ar) para

Leia mais

ANO: 10º NÍVEL: BIOLOGIA E GEOLOGIA ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/12. Total: 92

ANO: 10º NÍVEL: BIOLOGIA E GEOLOGIA ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/12. Total: 92 ANO: 10º NÍVEL: BIOLOGIA E GEOLOGIA ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/12 1º PERÍODO Apresentação Teste diagnóstico Avaliar os conhecimentos dos alunos Total: 92 2 2 COMPONENTE DE GEOLOGIA MÓDULO INICIAL TEMA

Leia mais

A ESTRUTURA DA TERRA Título determinada pela sismologia

A ESTRUTURA DA TERRA Título determinada pela sismologia A ESTRUTURA DA TERRA Título determinada pela sismologia eder@iag.usp.br Prof. Eder C. Molina IAG Universidade de São Paulo Ondas Título sísmicas Os principais tipos de ondas sísmicas são ondas de compressão,

Leia mais

Paleossismologia em regiões vulcânicas e a sua aplicação na avaliação do risco sísmico: o caso de estudo da ilha de S.

Paleossismologia em regiões vulcânicas e a sua aplicação na avaliação do risco sísmico: o caso de estudo da ilha de S. Paleossismologia em regiões vulcânicas e a sua aplicação na avaliação do risco sísmico: o caso de estudo da ilha de S. Miguel, Açores R. Carmo, R. Silva, J. Madeira, A. Hipólito, T. Ferreira Lisboa, 4

Leia mais

Caracterização do regime de ventos no litoral

Caracterização do regime de ventos no litoral CRIAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO NO LITORAL ABRANGIDO PELA ÁREA DE JURISDIÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO TEJO Estudo do litoral na área de intervenção da APA, I.P.

Leia mais

DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014/2015

DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014/2015 DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014/2015 Conteúdos/Metas Curriculares Tipologia das Atividades Elementos/Instrumentos de Avaliação Dinâmica externa da Terra 1. Compreender

Leia mais

6. Número de créditos, segundo o sistema europeu de transferência de créditos, necessário à obtenção do grau ou diploma: Quatro (4) semestres

6. Número de créditos, segundo o sistema europeu de transferência de créditos, necessário à obtenção do grau ou diploma: Quatro (4) semestres 1. Estabelecimento de ensino: Universidade de Coimbra 2. Unidade orgânica (faculdade, escola, instituto, etc.): Faculdade de Ciências e Tecnologia 3. Curso: Mestrado em Geociências 4. Grau ou diploma:

Leia mais

Escola Secundária de Valongo

Escola Secundária de Valongo Escola Secundária de Valongo PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS 7º ANO Ano lectivo 2010/2011 TERRA NO ESPAÇO 1º PERÍODO ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO PROPOSTA DE PLANIFICAÇÃO ANO LECTIVO DE 2010/2011 CIÊNCIAS

Leia mais

Plano de Pormenor da Praia Grande. Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território

Plano de Pormenor da Praia Grande. Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território Índice 1. Localização e Termos de referência 2. Eixos Estratégicos e Objetivos 3. Enquadramento legal 4. Diagnóstico 5. Proposta 6. Concertação

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS 7º ANO

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS 7º ANO PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS 7º ANO Ano letivo 2017-2018 Conteúdos Domínios e subdomínios METAS CURRICULARES Objetivos e descritores Estratégias/Atividades Materiais/recursos Modalidades e critérios

Leia mais

Aplicação do EUROCÓDIGO 8 à concepção e projecto de edifícios. Aspectos gerais e acção sísmica

Aplicação do EUROCÓDIGO 8 à concepção e projecto de edifícios. Aspectos gerais e acção sísmica Ordem dos Engenheiros Novembro de 2011 Aplicação do EUROCÓDIGO 8 à concepção e projecto de edifícios Aspectos gerais e acção sísmica E CANSADO CARVALHO, GAPRES SA Chairman do CEN/C250/SC8 Coordenador do

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE GEOGRAFIA 10º. ANO LECIONAÇÃO DOS

PLANIFICAÇÃO DE GEOGRAFIA 10º. ANO LECIONAÇÃO DOS Direção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas Figueira Mar Código 161366 Contribuinte nº 600 074 978 Escola Secundária Dr. Bernardino Machado PLANIFICAÇÃO DE GEOGRAFIA 10º. ANO 2012 2013

Leia mais

10º Ano Módulos 1, 2 e 3 Total de horas: 81 ou seja, 54 aulas de 90 minutos MÓDULOS/ CONTEÚDOS

10º Ano Módulos 1, 2 e 3 Total de horas: 81 ou seja, 54 aulas de 90 minutos MÓDULOS/ CONTEÚDOS 10º Ano Módulos 1, 2 e 3 Total de horas: 81 ou seja, 54 aulas de 90 minutos MÓDULOS/ CONTEÚDOS Módulo 1 O Quadro natural de O Relevo COMPETÊNCIAS A - Compreender as grandes características do relevo de

Leia mais

Terremotos. João Carlos Dourado Departamento de Geologia Aplicada IGECE Campus Rio Claro UNESP

Terremotos. João Carlos Dourado Departamento de Geologia Aplicada IGECE Campus Rio Claro UNESP Terremotos João Carlos Dourado Departamento de Geologia Aplicada IGECE Campus Rio Claro UNESP jdourado@rc.unesp.br Terremoto O que é um terremoto? Como são formados? Quais os tipos de sismos? Onde ocorrem?

Leia mais

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o V. N. G a i a E S C O L A S E C U N D Á R I A A N T Ó N I O S É R G I O

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o V. N. G a i a E S C O L A S E C U N D Á R I A A N T Ó N I O S É R G I O A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o V. N. G a i a E S C O L A S E C U N D Á R I A A N T Ó N I O S É R G I O TESTE ESCRITO 10º ANO - Biologia e Geologia - MÓDULO 2 (dois) Data

Leia mais

A Formação do Solo. Nuno Cortez. Seminário LIPOR 4 Novembro Solo: Um recurso a preservar.

A Formação do Solo. Nuno Cortez. Seminário LIPOR 4 Novembro Solo: Um recurso a preservar. 4 Novembro Solo: Um recurso a preservar A Formação do Solo Nuno Cortez nunocortez@isa.ulisboa.pt DRAT Departamento de Recursos Naturais, Ambiente e Território 4 Novembro Solo: Um recurso a preservar Título

Leia mais

Paleosismitos no Algarve

Paleosismitos no Algarve Paleosismitos no Algarve Ruben P. Dias (a,1) & João Cabral (b,2) a - Instituto Geológico e Mineiro, Departamento de Geologia, Estrada da Portela, Zambujal, Apartado 7586, 2721-288 Alfragide; 1 - ruben.dias@ineti.pt

Leia mais

Síntese de Legislação Nacional e Comunitária. 04 de Janeiro de 2012

Síntese de Legislação Nacional e Comunitária. 04 de Janeiro de 2012 LEGISLAÇÃO Síntese de Legislação Nacional e Comunitária de 2012 Legislação Nacional Energias Renováveis Portaria n.º 8/2012 I Série n.º 3, de 4/01 Aprova, no âmbito da política de promoção da utilização

Leia mais