Ambientes de Execução. Compiladores. Representação de tipos básicos. Questões Importantes. Representação de tipos estruturados

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ambientes de Execução. Compiladores. Representação de tipos básicos. Questões Importantes. Representação de tipos estruturados"

Transcrição

1 Ambiente de Execução Compiladoe Ambiente de execução Relaciona o código fonte com açõe a eem executada em tempo de execução Conjunto de otina (un-time uppot package) caegado junto com o código objeto geado Compoição do código objeto declaaçõe áea de dado 1 comando código objeto 2 Quetõe Impotante Repeentação de tipo báico Repeentaçõe de dado Pocedimento e Rega paa viibilidade de vaiávei Alocação de memóia paa váia clae de amazenamento Chamada de pocedimento: entada aída etono 3 Vaiávei de tipo imple ão epeentada po localizaçõe de memóia uficientemente gande paa conte cada tipo: cha: 1 byte intege: 2 ou 4 byte float: 4 a 16 byte boolean: 1 bit (uualmente 1 byte) 4 Repeentacao de tipo etutuado Repeentação de tipo etutuado Aanjo: lineaizado po linha (ow-majo) Maioia da linguagen de pogamação tipo matiz[dim 1, dim 2,..., dim n ; O endeeço de matiz[i 1,i 2,...,i n ] é: bae(matiz) + ize(tipo). k=1..n (i k -dim k ) j=k+1..n (dim j +1) lineaizado po coluna (ow-majo) Fotan tuct 1 { int lage1; hot int mall1; }; lage1 mall tuct 2 { int lage2 : 18; hot int mall2 : 10; }; lage2 mall

2 Uo de egitadoe Aceo mai ápido que a memóia Númeo limitado poi ão cao a nível de hadwae Meta: Aloca a vaiávei mai feqüentemente uada pelo maio tempo poível Acea vaiávei não amazenada em egitadoe o mai ápido poível Minimiza o númeo de egitadoe uado paa geenciamento do aceo de memóia Maximiza a eficiência de chamada de pocedimento e opeaçõe elacionada Comando Oganizado em pocedimento: Declaação com um nome aociado que ealiza uma dada taefa Definição: nome vaiávei copo 7 8 Pocedimento em ação (ativação) Fluxo de contole: Execução eqüencial (eqüência de pao) começa no início do copo Temina no final do copo Tempo de vida: eqüência de pao executado Chamada de pocedimento: devio de execução etona o contole paa o ponto imediatamente apó o ponto de chamada 9 pogam ot(input, output); va a : aay [0..10] of intege; pocedue eadaay; va i: intege; fo i:=1 to 9 do ead(a[i]); function patition(y, z: intege): intege; va i, j, x, v: intege;... pocedue quickot(m, ); va i: intege; if ( n > m) then i:= patition(m, n); quickot(m, i-1); quickot(i+1, n); a[0] := -9999; a[10]:= 9999; eadaay; quickot(1, 9); end. 10 Ávoe de Ativação Ávoe de ativação Cada nodo epeenta uma ativação de um pocedimento execution A aiz epeenta a ativação do pogama pincipal O nodo de a é pai de b e e omente e o fluxo de contole muda de a paa b O nodo de a etá a equeda de b e e omente e a vida de a ocoe ante de b 11 12

3 Ávoe de ativação Ávoe de ativação execution execution Ávoe de ativação Ávoe de ativação execution ente quickot(1, 9) execution ente quickot(1, 9) ente patition(1, 9) Ávoe de ativação Ávoe de ativação execution ente quickot(1, 9) ente patition(1, 9) leave patition(1,9) execution ente quickot(1, 9) ente patition(1, 9) leave patition(1,9) ente quickot(1,3) 17 18

4 Ávoe de ativação Ávoe de ativação execution ente quickot(1, 9) ente patition(1, 9) leave patition(1,9) ente quickot(1,3)... leave quickot(5, 9) q(5,9) p(5,9) q(5,5) q(7,9) p(1,3) q(1,0) q(2,3) p(7,9) q(7,7) q(9,9) p(2,3) q(2,1) q(3,3) execution ente quickot(1, 9) ente patition(1, 9) leave patition(1,9) ente quickot(1,3)... leave quickot(5, 9) leave quickot(1,9) q(5,9) p(5,9) q(5,5) q(7,9) p(1,3) q(1,0) q(2,3) p(7,9) q(7,7) q(9,9) p(2,3) q(2,1) q(3,3) Ávoe de ativação execution ente quickot(1, 9) ente patition(1, 9) leave patition(1,9) ente quickot(1,3)... leave quickot(5, 9) leave quickot(1,9) execution teminated p(1,3) q(1,0) q(2,3) p(2,3) q(2,1) q(3,3) q(5,9) p(5,9) q(5,5) q(7,9) p(7,9) q(7,7) q(9,9) 21 Pilha de contole Fluxo de contole coeponde a uma buca em pofundidade na ávoe de ativação Ua uma pilha paa contola a ativaçõe de pocedimento ativo p(1,3) q(1,0) q(2,3) 22 Oganização de Memóia Como a memóia do pogama é amazenada? Código objeto geado Epaço paa vaiávei globai áea etática Pilha paa ativação de pocedimento Epaço paa memóia dinâmica (heap) Oganização de Memóia Áea dado (SiOp) Pilha HEAP Texto PC Código Stack Pointe 23 24

5 Alocação de memóia Alocação etática: eeva de memóia é feita duante a compilação, de foma etática. Tipo (ou compimento) do dado é conhecido em tempo de compilação Compimento não é modificado duante a execução do pogama Alocação de memóia Alocação dinâmica (HEAP): etutua de dado efeenciada atavé de ponteio, a áea também ão eevada dinamicamente. áea ão alocada e libeada, ob o contole do pogama alocada na áea de "heap", que cece no entido contáio ao da pilha Alocação de memóia Regito de Ativação Alocação em pilha (STACK): Áea paa dado locai de pocedimento (ubotina ou funçõe) devem e alocada dinamicamente. A alocação de epaço de memóia omente pode e ealizada em tempo de execução, poque a odem de chamada é deteminada pela execução do pogama. Áea ão alocada numa etutua em pilha de ativação de pocedimento. Na pilha entam (e aem) egito de ativação. 27 valo etonado paâmeto efetivo ponteio de contole ponteio de aceo etado da CPU vaiávei locai tempoáio podem e paado ou etonado em egitadoe (paa maio eficiência) aponta paa o egito de ativação da otina chamadoa aponta paa dado não-locai, amazenado em outo egito de ativação "pogam counte"e egitadoe 28 fp p Ponteio de Aceo egito de ativação da otina chamadoa paâmeto e valoe etonado apontadoe de contole e etado da máquina vaiávei locai e tempoáio avaliado pela otina chamadoa alguma infomaçõe ão peenchida pela otina chamadoa áea uada pela otina chamada 29 Código de Chamada Rotina chamadoa: Avalia o paâmeto efetivo e o coloca na pilha Regitadoe em uo pelo chamado ão alvo em memóia Amazena o endeeço de etono e o valo antigo do fame_pointe no egito de ativação da otina chamada e atualiza o valo do fame_pointe; Rotina chamada: Salva valoe de egitadoe e outa infomaçõe do etado da máquina; Inicializa vaiávei locai e começa ua execução. 30

6 Código de Retono Rotina chamada: Amazena o valo de etono logo apó o egito de ativação da otina chamadoa; Retaua o apontado topo_a e o egitadoe da máquina e devia paa o endeeço de etono dento da otina chamadoa; Rotina chamadoa: Copia o valo etonado no eu pópio egito de ativação topo_a... paâmeto e valoe etonado apontadoe de contole e etado da UCP vaiávei locai e tempoáio paâmeto e valoe etonado apontadoe de contole e etado da UCP vaiávei locai e tempoáio Contole contolado pela otina chamadoa contolado pela otina chamada egito de ativação da otina chamadoa egito de ativação da otina chamada Ecopo de declaaçõe Ecopo: áea de atuação de uma vaiável Nívei de ecopo: Difeente lugae onde vaiávei ão definida Ecopo aninhado: uma linha de código pode petence a mai de um ecopo Ecopo coente: o mai inteno Ecopo abeto e fechado Funçõe aociada a nome (binding) Ambiente: Mapea um nome paa uma localização de memóia Etado: Mapea uma poição de memóia ao valo amazenado Funçõe aociada a nome Noção etática definição de um pocedimento declaação de um nome ecopo de uma declaação Noção dinâmica ativaçõe de pocedimento aociação de um nome vida de uma aociação Checagem de ecopo Como faze? Pilha de ecopo (pilha de tabela de ímbolo): Uma entada paa cada ecopo Ecopo coente etá no topo da pilha Ecopo global etá no final da pilha Empilha/deempilha ecopo Buca de nome: acea ecopo do topo paa o início da pilha 35 36

7 Pilha de ativação com ponteio de aceo Pilha de ativação com ponteio de nívei x, eo, expx:eal omatoio(2.5,0.0001) ponteio aceo x, eo, expx:eal omatoio(2.5,0.0001) x, eo, expx:eal omatoio(2.5,0.0001) V[1] V[2] x, eo, expx omatoio(2.5, ) V[1] V[2] V[3] x, eo, expx omatoio(2.5, ) x, tol, oma, temo: eal x, tol, oma, temo: eal x, tol, oma, temo: eal x, tol, oma, temo, n x, tol, oma, temo, n fatoial(5) fatoial(5) fatoial(4) V[1] V[2] V[3] x, eo, expx omatoio(2.5, ) fatoial(5) V[3] alvo fatoial(4) V[3] alvo x, tol, oma, temo, n fatoial(3) fatoial(5) fatoial(3) 37 V[3] alvo 38 Checagem de ecopo Como faze? Pilha de ecopo (pilha de tabela de ímbolo): Uma entada paa cada ecopo Ecopo coente etá no topo da pilha Ecopo global etá no final da pilha Empilha/deempilha ecopo Buca de nome: acea ecopo do topo paa o início da pilha Única tabela de ecopo com identificado de ecopo Ua um contado de ecopo como identificado Buca deve vae toda tabela Paagem de Paâmeto Paagem de paâmeto po valo Método mai imple de paagem de paâmeto Paâmeto ão avaliado, e eu valoe ão paado paa o pocedimento chamado. Implementação: um paâmeto fomal é tatado exatamente como um nome local, de maneia que a memóia paa o paâmeto fomai é eevada no egito de ativação do pocedimento chamado; o pocedimento chamado avalia o paâmeto eai e amazena eu valoe na memóia eevada paa o paâmeto fomai Paagem de Paâmeto Paagem de paâmeto po endeeço Pocedimento chamado paa o endeeço de cada paâmeto eal. Se um paâmeto eal é: Identificado: eu endeeço é paado; Expeão: expeão é avaliada num tempoáio, e o endeeço dee tempoáio é paado; Refeência a paâmeto fomai, no pocedimento chamado, ão feita de foma indieta. 41 Paagem de Paâmeto Paagem de paâmeto po cópia-etauação Meio-temo ente paagem po valo e paagem po efeência (ADA inout e FORTRAN) Também é conhecido como paagem po valo-eultado (call-by-value-eult): Ante da tanfeência paa o pocedimento chamado: o paâmeto eai ão avaliado. agumento que coepondem a valoe ão paado po valo agumento que coepondem a endeeço ão deteminado. No etono do pocedimento: o valoe do agumento computado pelo pocedimento ão copiado no endeeço anteiomente deteminado. 42

8 Paagem de Paâmeto Paagem de Paâmeto Paagem de paâmeto po nome Tadicional da linguagem Algol 60 (pouco uado) Pocedimento chamado é tatado como e foe uma maco: ua chamada é ubtituída pelo copo do pocedimento paâmeto fomai ão litealmente ubtituído pelo paâmeto de chamada nome locai do pocedimento chamado ão mantido ditinto do nome do pocedimento chamado (cada nome itematicamente enomeado ante de e ealizada a expanão da maco) pogam pova2; va v1, v2: intege; function f1(m, ): intege; va v1: intege; function f2(va ): intege; va v2: intege; v2 := 1; n := v1*v2; f2 := n+v1 (1) v1 := 3 + v2; v1 := f2(v1); f1 := m + n + v1; (2) v1 := 0; v2 := 1; v1 := f1(v1, v2); (3) end. valo etonado paâmeto eai ponteio de contole ponteio de aceo etado da UCP vaiávei locai tempoáio 43 A paagem po paâmeto é feita po valo (default) e po efeência (pecedendo o paâmeto com va). Deenhe o etado da pilha de execução paa o 3 ponto indicado, motando o valoe dento da pilha logo apó executa o comando da linha macada. 44 Síntee O aunto apeentado tazem epota à pegunta eguinte: 1. Pode a memóia e alocada dinamicamente? 2. Pode a memóia e libeada explicitamente? Heap v. Pilha 3. Pocedimento podem e ecuivo? Pilha de ativação 4. O que acontece com valoe de nome quando o contole etona de uma ativação? 5. Pode um pocedimento efeencia nome não locai? Ponteio de aceo 6. Como o paâmeto ão paado quando pocedimento ão chamado? Paagem de paâmeto 7. Podem pocedimento e chamado como paâmeto? 8. Podem pocedimento e etonado como eultado? 45

Compiladores. Tipos. Regras semânticas. Expressões de tipos. Propriedades de Sistemas Tipados. Análise Semântica e checagem de tipos

Compiladores. Tipos. Regras semânticas. Expressões de tipos. Propriedades de Sistemas Tipados. Análise Semântica e checagem de tipos Compiladoe Veificação de tipo Supote ao untime Análie Semântica e checagem de tipo Intodução: o que ão tipo, paa que evem...? Repeentação de tipo Exemplo de veificação de tipo: Uma linguagem imple Declaaçõe,

Leia mais

Suporte à Execução. Compiladores. Procedimentos. Árvores de Ativação. Exemplo: o Quicksort. Procedimentos em ação (ativação)

Suporte à Execução. Compiladores. Procedimentos. Árvores de Ativação. Exemplo: o Quicksort. Procedimentos em ação (ativação) Supote à Execução Compiladoe Ambiente de upote à execução O Compilado gea código executável. Ma nem tudo etá conhecido ante que o pogama eja executado! Valoe de paâmeto e funçõe, Memóia dinamicamente alocada,

Leia mais

Matemática. Atividades. complementares. FUNDAMENTAL 8-º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 8. uso escolar. Venda proibida.

Matemática. Atividades. complementares. FUNDAMENTAL 8-º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 8. uso escolar. Venda proibida. 8 ENSINO FUNMENTL 8-º ano Matemática tividade complementae Ete mateial é um complemento da oba Matemática 8 Paa Vive Junto. Repodução pemitida omente paa uo ecola. Venda poibida. Samuel aal apítulo 6 Ete

Leia mais

Árvores Digitais. Fonte de consulta: Szwarcfiter, J.; Markezon, L. Estruturas de Dados e seus Algoritmos, 3a. ed. LTC. Capítulo11

Árvores Digitais. Fonte de consulta: Szwarcfiter, J.; Markezon, L. Estruturas de Dados e seus Algoritmos, 3a. ed. LTC. Capítulo11 Ávoes Digitais Fonte de consulta: Szwacfite, J.; Makezon, L. Estutuas de Dados e seus Algoitmos, 3a. ed. LTC. Capítulo Pemissas do que vimos até aqui } As chaves têm tamanho fixo } As chaves cabem em uma

Leia mais

Medidas elétricas em altas frequências

Medidas elétricas em altas frequências Medidas eléticas em altas fequências A gande maioia das medidas eléticas envolve o uso de cabos de ligação ente o ponto de medição e o instumento de medida. Quando o compimento de onda do sinal medido

Leia mais

O perímetro da circunferência

O perímetro da circunferência Univesidade de Basília Depatamento de Matemática Cálculo 1 O peímeto da cicunfeência O peímeto de um polígono de n lados é a soma do compimento dos seus lados. Dado um polígono qualque, você pode sempe

Leia mais

Campo Magnético, Campo Eléctrico de Indução Devido ao Movimento e Binário da Máquina de Corrente Contínua

Campo Magnético, Campo Eléctrico de Indução Devido ao Movimento e Binário da Máquina de Corrente Contínua Campo Magnético, Campo Eléctico de Indução evido ao Movimento e Bináio da Máquina de Coente Contínua V. Maló Machado, I.S.T., Maio de 2008 A máquina de coente contínua, epeentada de foma etilizada na Fig.

Leia mais

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES CAPÍTULO 4 PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA Nota de aula pepaada a pati do livo FUNDAMENTALS OF ENGINEERING THERMODINAMICS Michael J. MORAN & HOWARD N. SHAPIRO. 4. GENERALIDADES Enegia é um conceito fundamental

Leia mais

Algoritmia e Programação APROG. Modularidade. Algoritmia e Java. Nelson Freire (ISEP DEI-APROG 2012/13) 1/29

Algoritmia e Programação APROG. Modularidade. Algoritmia e Java. Nelson Freire (ISEP DEI-APROG 2012/13) 1/29 APROG Algotma e Pogamação Moduladade Algotma e Java Nelo Fee (ISEP DEI-APROG 01/1) 1/9 Moduladade Sumáo Itodução Noção de Moduladade Eecução de Pogama Modula Motvaçõe paa Ua Foma de Comucação ete Módulo

Leia mais

2 O Motor de Indução Equações do Motor de Indução Trifásico

2 O Motor de Indução Equações do Motor de Indução Trifásico 2 O Moto de Indução Paa aplicação de nova tecnologia no moto de indução é neceáio conhece-e o eu modelo matemático, paa pode incopoa quae toda a técnica de contole, etimação, deteção, etc. Potanto, nete

Leia mais

Adaptação da Voz. Adaptação da Voz Sistema de Reconhecimento de Voz

Adaptação da Voz. Adaptação da Voz Sistema de Reconhecimento de Voz Pofesso: T. J. Hazen Revisão Métodos de Adaptação Nomalização do compimento do tato vocal Adaptação Bayesana Adaptação de Tansfomação Pesando a voz de Refeência Vozes Pópias Adaptação Estutual Aglomeamento

Leia mais

CAPÍTULO 5. Dedução Natural

CAPÍTULO 5. Dedução Natural CAPÍTULO 5. Dedução Natual Iniciamo ete caítulo com a eguinte egunta: O ue é a dedução natual? É o oceo aa etabelece de maneia igooa a validade do agumento, deivando a concluão do agumento a ati da emia

Leia mais

Relação Risco Retorno em uma série histórica

Relação Risco Retorno em uma série histórica Relação Risco Retono em uma séie históica E ( j ) R j Retono espeado é a expectativa que se constói paa o esultado de um ativo a pati da média históica de esultado. E( j ) R j j,1 + j, + L+ n j, n n i

Leia mais

n θ E Lei de Gauss Fluxo Eletrico e Lei de Gauss

n θ E Lei de Gauss Fluxo Eletrico e Lei de Gauss Fundamentos de Fisica Clasica Pof icado Lei de Gauss A Lei de Gauss utiliza o conceito de linhas de foça paa calcula o campo elético onde existe um alto gau de simetia Po exemplo: caga elética pontual,

Leia mais

Conteúdos Exame Final e Avaliação Especial 2016

Conteúdos Exame Final e Avaliação Especial 2016 Componente Cuicula: Matemática Séie/Ano: 8º ANO Tuma: 18B, 18C e 18D Pofeoa: Liiane Mulick Betoluci Conteúdo Eame Final e Avaliação Epecial 16 1. Geometia. Monômio e Polinômio 3. Fatoação Algébica 4. Façõe

Leia mais

1 Busca em Amplitude

1 Busca em Amplitude Algoitmos de Busca A modelagem mostada até aqui detemina a configuação do espaço de estados do poblema, mas não mosta como chega à solução, isto é, como enconta um estado final em um tempo azoável. Paa

Leia mais

Geometria de Posição. Continuação. Prof. Jarbas

Geometria de Posição. Continuação. Prof. Jarbas Geometia de Poição Continuação Pof. Jaba POSIÇÕES RELATIVAS ENTRE DUAS RETAS NO ESPAÇO O que ão eta coplanae? São eta contida num memo plano. O que ão eta evea? São eta que não etão contida num memo plano.

Leia mais

Energia no movimento de uma carga em campo elétrico

Energia no movimento de uma carga em campo elétrico O potencial elético Imagine dois objetos eletizados, com cagas de mesmo sinal, inicialmente afastados. Paa apoximá-los, é necessáia a ação de uma foça extena, capaz de vence a epulsão elética ente eles.

Leia mais

O que é uma variável?

O que é uma variável? Escopo, Ligação e Ambiente de Execução mleal@inf.puc-rio.br 1 O que é uma variável? Uma variável pode ser definida como uma tupla r nome é um string usado para

Leia mais

30/08/2016. Transferência de calor. Condução de calor. 2 º. semestre, Geometrias mais usuais. Parede plana. Esfera.

30/08/2016. Transferência de calor. Condução de calor. 2 º. semestre, Geometrias mais usuais. Parede plana. Esfera. 30/08/06 Tanfeência de calo Condução de calo º. emete, 06 Geometia mai uuai Paede plana Efea Cilindo longo 30/08/06 Condução de calo em paede plana: ditibuição de tempeatua Balanço de enegia Taxa decondução

Leia mais

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 2 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 08/03/14 PROFESSOR: MALTEZ

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 2 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 08/03/14 PROFESSOR: MALTEZ RSOLUÇÃO VLIÇÃO MTMÁTI o NO O NSINO MÉIO T: 08/03/14 PROFSSOR: MLTZ QUSTÃO 01 Na figua, a eta e ão pependiculae e a eta m e n ão paalela. m 0º n ntão a medida do ângulo, em gau, é igual a: 0º m alteno

Leia mais

II Transmissão de Energia Elétrica (Teoria de Linhas)

II Transmissão de Energia Elétrica (Teoria de Linhas) II Tansmissão de Enegia Elética (Teoia de Linhas) Linhas de tansmissão : (Pela física) todos os elementos de cicuitos destinados ao tanspote de enegia elética ente dois pontos, independentemente da quantidade

Leia mais

7.3. Potencial Eléctrico e Energia Potencial Eléctrica de Cargas Pontuais

7.3. Potencial Eléctrico e Energia Potencial Eléctrica de Cargas Pontuais 7.3. Potencial Eléctico e Enegia Potencial Eléctica de Cagas Pontuais Ao estabelece o conceito de potencial eléctico, imaginamos coloca uma patícula de pova num campo eléctico poduzido po algumas cagas

Leia mais

Exercícios e outras práticas sobre as aplicações da Termodinâmica Química 1 a parte

Exercícios e outras práticas sobre as aplicações da Termodinâmica Química 1 a parte 5 Capítulo Capítulo Execícios e outas páticas sobe as aplicações da emodinâmica Química 1 a pate Só queo sabe do que pode da ceto Não tenho tempo a pede. (leta da música Go Back, cantada pelo gupo itãs.

Leia mais

Material Teórico - Módulo Elementos Básicos de Geometria Plana - Parte 1. Conceitos Geométricos Básicos. Oitavo Ano. Prof. Ulisses Lima Parente

Material Teórico - Módulo Elementos Básicos de Geometria Plana - Parte 1. Conceitos Geométricos Básicos. Oitavo Ano. Prof. Ulisses Lima Parente Mateial Teóico - Módulo Elemento áico de Geometia Plana - Pate 1 Conceito Geomético áico itavo no Pof. Ulie Lima Paente 1 Conceito pimitivo ideia de ponto, eta e plano apaecem natualmente quando obevamo

Leia mais

Exame Final Nacional de Matemática A Prova 635 Época Especial Ensino Secundário º Ano de Escolaridade. Critérios de Classificação.

Exame Final Nacional de Matemática A Prova 635 Época Especial Ensino Secundário º Ano de Escolaridade. Critérios de Classificação. Exame Final Nacional de Matemática A Pova 635 Época Especial Ensino Secundáio 07.º Ano de Escolaidade Deceto-Lei n.º 39/0, de 5 de julho Citéios de Classificação 0 Páginas Pova 635/E. Especial CC Página

Leia mais

Sistemas de informações gerenciais e sistemas de apoio à decisão:

Sistemas de informações gerenciais e sistemas de apoio à decisão: Sistemas de infomações geenciais e sistemas de apoio à decisão: Auxiliam na monitoação, no contole, na tomada de decisão e nas atividades administativas Luís Caetano Sampaio Andade 45 Sistemas de apoio

Leia mais

Departamento de Física - Universidade do Algarve FORÇA CENTRÍFUGA

Departamento de Física - Universidade do Algarve FORÇA CENTRÍFUGA FORÇA CENTRÍFUGA 1. Resumo Um copo desceve um movimento cicula unifome. Faz-se vaia a sua velocidade de otação e a distância ao eixo de otação, medindo-se a foça centífuga em função destes dois paâmetos..

Leia mais

Compiladores. Gerência de Memória

Compiladores. Gerência de Memória Compiladores Gerência de Memória Cristiano Lehrer, M.Sc. Atividades do Compilador Arquivo de origem Arquivo de destino Análise Otimização Geração de Código Intermediário Geração de Código Final Síntese

Leia mais

é a variação no custo total dada a variação na quantidade

é a variação no custo total dada a variação na quantidade TP043 Micoeconomia 21/10/2009 AULA 15 Bibliogafia: PINDYCK - CAPÍTULO 7 Custos fixos e vaiáveis: Custos fixos não dependem do nível de podução, enquanto que custos vaiáveis dependem do nível de podução.

Leia mais

Procedimentos. Sistemas de Computação

Procedimentos. Sistemas de Computação Procedimentos Chamada de Procedimentos Utilização de procedimentos: Facilitar entendimento do programa Reutilização de código Passos necessários para execução de um procedimento: Os parâmetros a serem

Leia mais

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material.

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material. Campo magnético Um ímã, com seus pólos note e sul, também pode poduzi movimentos em patículas, devido ao seu magnetismo. Contudo, essas patículas, paa sofeem esses deslocamentos, têm que te popiedades

Leia mais

. Essa força é a soma vectorial das forças individuais exercidas em q 0 pelas várias cargas que produzem o campo E r. Segue que a força q E

. Essa força é a soma vectorial das forças individuais exercidas em q 0 pelas várias cargas que produzem o campo E r. Segue que a força q E 7. Potencial Eléctico Tópicos do Capítulo 7.1. Difeença de Potencial e Potencial Eléctico 7.2. Difeenças de Potencial num Campo Eléctico Unifome 7.3. Potencial Eléctico e Enegia Potencial Eléctica de Cagas

Leia mais

Medidas de Associação.

Medidas de Associação. Medidas de Associação. Medidas de associação quantificam a elação ente uma dada exposição e uma consequência. Medidas de impacto quantificam o impacto da mudança de exposição num dado gupo. Não podemos

Leia mais

FIGURA 1. Diagrama fasorial de um dielétrico submetido a uma tensão CA.

FIGURA 1. Diagrama fasorial de um dielétrico submetido a uma tensão CA. i.ee DETEMINAÇÃO DO FATO DE DISSIPAÇÃO PEDAS DIELÉTIAS Eng. Joé Aino Teieia J. ondutividade eidual. Peda o olaização 3. Peda o decaga aciai Gae : O gae gealmente tem eda etemamente baia. O mecanimo de

Leia mais

2.1. Fluxo Eléctrico 2.2. Lei de Gauss 2.3. Aplicações da Lei de Gauss a Isolantes Carregados 2.4. Condutores em Equilíbrio Electrostático

2.1. Fluxo Eléctrico 2.2. Lei de Gauss 2.3. Aplicações da Lei de Gauss a Isolantes Carregados 2.4. Condutores em Equilíbrio Electrostático 2. Lei de Gauss 1 2.1. Fluxo Eléctico 2.2. Lei de Gauss 2.3. Aplicações da Lei de Gauss a Isolantes Caegados 2.4. Condutoes em Equilíbio Electostático Lei de Gauss: - É uma consequência da lei de Coulomb.

Leia mais

Prova Escrita de Matemática A

Prova Escrita de Matemática A EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Pova Escita de Matemática A 12.º Ano de Escolaidade Deceto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Pova 635/2.ª Fase Citéios de Classificação 11 Páginas 2015 Pova 635/2.ª

Leia mais

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO Vestibula AFA 010 Pova de Matemática COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO A pova de Matemática da AFA em 010 apesentou-se excessivamente algébica. Paa o equílibio que se espea nesta seleção,

Leia mais

EXPERIMENTAÇÃO AGRÁRIA

EXPERIMENTAÇÃO AGRÁRIA EXPERIMENTAÇÃO AGRÁRIA Tema 3: Testes de Compaações Múltiplas Testes de Compaações Múltiplas (TCM) Os TCM são subdivididos em: i. Compaação de paes planeados os paes específicos de tatamentos são identificados

Leia mais

4.4 Mais da geometria analítica de retas e planos

4.4 Mais da geometria analítica de retas e planos 07 4.4 Mais da geometia analítica de etas e planos Equações da eta na foma simética Lembemos que uma eta, no planos casos acima, a foma simética é um caso paticula da equação na eta na foma geal ou no

Leia mais

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2 Matemática / Fíica SÃO PAULO: CAPITAL DA VELOCIDADE Diveo título foam endo atibuído à cidade de São Paulo duante eu mai de 00 ano de fundação, como, po exemplo, A cidade que não pode paa, A capital da

Leia mais

O Jogo do resta-um num tabuleiro infinito

O Jogo do resta-um num tabuleiro infinito O Jogo do esta-um num tabuleio infinito Alexande Baaviea Milton Pocópio de Boba 1. Intodução. No EREMAT-007 em Canoas-RS, acompanhando a Kelly, aluna de Matemática da UNIVILLE, assisti a váias palestas,

Leia mais

Resolução da Prova de Raciocínio Lógico

Resolução da Prova de Raciocínio Lógico ESAF/ANA/2009 da Pova de Raciocínio Lógico (Refeência: Pova Objetiva 1 comum a todos os cagos). Opus Pi. Rio de Janeio, maço de 2009. Opus Pi. opuspi@ymail.com 1 21 Um io pincipal tem, ao passa em deteminado

Leia mais

CIRURGIA PLÁSTICA & QUEIMADOS

CIRURGIA PLÁSTICA & QUEIMADOS CIRURGIA PLÁSTICA & QUEIMADOS Santa Casa de Miseicódia de São José do Rio Peto EDITAL DE INCRIÇÕES 2017 D. Valdema Mano Sanches, Chefe do Seviço; Da. Eliane Regina Bueno Ribeio Gacia, Regente do Seviço,

Leia mais

VETORES GRANDEZAS VETORIAIS

VETORES GRANDEZAS VETORIAIS VETORES GRANDEZAS VETORIAIS Gandezas físicas que não ficam totalmente deteminadas com um valo e uma unidade são denominadas gandezas vetoiais. As gandezas que ficam totalmente expessas po um valo e uma

Leia mais

Grandezas vetoriais: Além do módulo, necessitam da direção e do sentido para serem compreendidas.

Grandezas vetoriais: Além do módulo, necessitam da direção e do sentido para serem compreendidas. NOME: Nº Ensino Médio TURMA: Data: / DISCIPLINA: Física PROF. : Glênon Duta ASSUNTO: Gandezas Vetoiais e Gandezas Escalaes Em nossas aulas anteioes vimos que gandeza é tudo aquilo que pode se medido. As

Leia mais

O Paradoxo de Bertrand para um Experimento Probabilístico Geométrico

O Paradoxo de Bertrand para um Experimento Probabilístico Geométrico O Paadoxo de etand paa um Expeimento Pobabilístico Geomético maildo de Vicente 1 1 Colegiado do Cuso de Matemática Cento de Ciências Exatas e Tecnológicas da Univesidade Estadual do Oeste do Paaná Caixa

Leia mais

Mecânica Técnica. Aula 5 Vetor Posição, Aplicações do Produto Escalar. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica Técnica. Aula 5 Vetor Posição, Aplicações do Produto Escalar. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues ula 5 Veto Posição, plicações do Poduto Escala Pof. MSc. Luiz Eduado Mianda J. Rodigues Pof. MSc. Luiz Eduado Mianda J. Rodigues Tópicos bodados Nesta ula Vetoes Posição. Veto Foça Oientado ao Longo de

Leia mais

CAPÍTULO 7: CAPILARIDADE

CAPÍTULO 7: CAPILARIDADE LCE000 Física do Ambiente Agícola CAPÍTULO 7: CAPILARIDADE inteface líquido-gás M M 4 esfea de ação molecula M 3 Ao colocamos uma das extemidades de um tubo capila de vido dento de um ecipiente com água,

Leia mais

PARNAMIRIM - RN. Data: / / 2016

PARNAMIRIM - RN. Data: / / 2016 PARNAMIRIM - RN Aluno (a) Nº: 8º ano Tuma: Daa: / / 2016 NOTA: Eecício de evião de maemáica II Timee Pofeo (a): Joeane Fenande Agoa vamo coloca em páica o eu conhecimeno maemáico e udo o que eudamo em

Leia mais

Geometria: Perímetro, Área e Volume

Geometria: Perímetro, Área e Volume Geometia: Peímeto, Áea e Volume Refoço de Matemática ásica - Pofesso: Macio Sabino - 1 Semeste 2015 1. Noções ásicas de Geometia Inicialmente iemos defini as noções e notações de alguns elementos básicos

Leia mais

Eletromagnetismo e Ótica (MEAer/LEAN) Circuitos Corrente Variável, Equações de Maxwell

Eletromagnetismo e Ótica (MEAer/LEAN) Circuitos Corrente Variável, Equações de Maxwell Eletomagnetismo e Ótica (MEAe/EAN) icuitos oente Vaiável, Equações de Maxwell 11ª Semana Pobl. 1) (evisão) Moste que a pessão (foça po unidade de áea) na supefície ente dois meios de pemeabilidades difeentes

Leia mais

Eletrotécnica. Módulo III Parte II - Máquina de Indução. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr.

Eletrotécnica. Módulo III Parte II - Máquina de Indução. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr. 1 Eletotécnica Módulo III Pate II - Máquina de Indução Pof. Máquina de Indução ou Máquina Aíncona Tipo de máquina elética otativa mai utilizado Tipo de máquina com contução mai obuta (oto em gaiola quiel

Leia mais

CONSTRUÇÕES FUNDAMENTAIS

CONSTRUÇÕES FUNDAMENTAIS COLÉGIO EDRO II Camp RELENGO II Diciplina: DESENHO ª Séie (EM) of. Sonia Sá CONSTRUÇÕES FUNDMENTIS São contçõe báica feita com axílio do intmento de Deenho. Taçado de RLELS e ERENDICULRES com pa de ESQUDROS

Leia mais

Sistemas Operacionais I

Sistemas Operacionais I UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade II - 18/9/2009 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé Prof. Aux. Simone Markenson Pech 1 Conceituação Estruturas de Controle Modos de execução do S.O. Estados de um

Leia mais

12/09/2016. Luís Caetano Sampaio Andrade 144 r

12/09/2016. Luís Caetano Sampaio Andrade 144 r Banco de dados que aquiva infomações ecentes paa consumo Constantemente usado como áea de pepaação tempoáia de um DW Seus conteúdos são atualizados duante o cuso das opeações comeciais, dando uma visão

Leia mais

GEOMETRIA. Noções básicas de Geometria que deves reter:

GEOMETRIA. Noções básicas de Geometria que deves reter: Noçõe báica de Geometia que deve ete: nte de iniciae qualque tabalho geomético, deve conhece o conjunto de intumento que deveá te empe: lgun cuidado a te: 1 Mante égua e equado limpo. 2 Não ua x-acto ou

Leia mais

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo Coente altenada é fonecida ao etato dietamente; Coente altenada cicula no cicuito de oto po indução, ou ação tanfomado; A coente de etato (que poui uma etutua n-fáica) poduzem um campo giante no entefeo;!"

Leia mais

CAMPO ELÉCTRICO NO EXTERIOR DE CONDUTORES LINEARES

CAMPO ELÉCTRICO NO EXTERIOR DE CONDUTORES LINEARES CAMPO ELÉCTRICO NO EXTERIOR DE CONDUTORES LINEARES 1. Resumo A coente que passa po um conduto poduz um campo magnético à sua volta. No pesente tabalho estuda-se a vaiação do campo magnético em função da

Leia mais

3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência

3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência Sistemas Eléticos de Potência 3. Elementos de Sistemas Eléticos de Potência Pofesso: D. Raphael Augusto de Souza Benedito E-mail:aphaelbenedito@utfp.edu.b disponível em: http://paginapessoal.utfp.edu.b/aphaelbenedito

Leia mais

3 O Canal Rádio Móvel

3 O Canal Rádio Móvel 31 3 O Canal Rádio Móvel O canal de adiopopagação, pela sua natueza aleatóia e dependente da faixa de feqüências utilizada, não é de fácil modelagem, exigindo estudos teóicos e dados estatísticos paa sua

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS EM CORRENTE ALTERNADA NÚMEROS COMPLEXOS

CIRCUITOS ELÉTRICOS EM CORRENTE ALTERNADA NÚMEROS COMPLEXOS CIRCUITOS ELÉTRICOS EM CORRENTE ALTERNADA NÚMEROS COMPLEXOS Um númeo compleo Z é um númeo da foma j, onde e são eais e j. (A ai quadada de um númeo eal negativo é chamada um númeo imagináio puo). No númeo

Leia mais

Método da difusão de nêutrons a quatro grupos de energia para reatores nucleares térmicos

Método da difusão de nêutrons a quatro grupos de energia para reatores nucleares térmicos PEQUIA Método da difusão de nêutons a quato gupos de enegia paa eatoes nucleaes témicos Fenando da ilva Melo* Ronaldo Glicéio Cabal** Paulo Conti Filho*** REUMO O método da Difusão de Nêutons, a quato

Leia mais

Algumas observações com relação ao conjunto de apostilas do curso de Fundamentos de Física Clássica ministrado pelo professor Ricardo (DF/CCT/UFCG).

Algumas observações com relação ao conjunto de apostilas do curso de Fundamentos de Física Clássica ministrado pelo professor Ricardo (DF/CCT/UFCG). undamentos de isica Classica Pof Ricado OBS: ESTAS APOSTILAS ORAM ESCRITAS, INICIALMENTE, NUM PC CUJO TECLADO NÃO POSSUIA ACENTUAÇÃO GRÁICA (TECLADO INGLES) PORTANTO, MUITAS PALAVRAS PODEM ESTAR SEM ACENTOS

Leia mais

Credenciamento Portaria MEC 3.613, de D.O.U

Credenciamento Portaria MEC 3.613, de D.O.U edenciamento Potaia ME 3.63, de 8..4 - D.O.U. 9..4. MATEMÁTIA, LIENIATURA / Geometia Analítica Unidade de apendizagem Geometia Analítica em meio digital Pof. Lucas Nunes Ogliai Quest(iii) - [8/9/4] onteúdos

Leia mais

Lei de Gauss. Lei de Gauss: outra forma de calcular campos elétricos

Lei de Gauss. Lei de Gauss: outra forma de calcular campos elétricos ... Do que tata a? Até aqui: Lei de Coulomb noteou! : outa foma de calcula campos eléticos fi mais simples quando se tem alta simetia (na vedade, só tem utilidade pática nesses casos!!) fi válida quando

Leia mais

Lei de Gauss II Revisão: Aula 2_2 Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça

Lei de Gauss II Revisão: Aula 2_2 Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Lei de Gauss II Revisão: Aula 2_2 Física Geal e Expeimental III Pof. Cláudio Gaça Revisão Cálculo vetoial 1. Poduto de um escala po um veto 2. Poduto escala de dois vetoes 3. Lei de Gauss, fluxo atavés

Leia mais

Linhas de Campo Magnético

Linhas de Campo Magnético Linha de Campo Magnético Popiedade da Linha de Campo Magnético Não há evidência expeimental de monopolo magnético (pólo iolado) Etutua magnética mai imple: dipolo magnético Linha de Campo Magnético ão

Leia mais

IF Eletricidade e Magnetismo I

IF Eletricidade e Magnetismo I IF 437 Eleticidade e Magnetismo I Enegia potencial elética Já tatamos de enegia em divesos aspectos: enegia cinética, gavitacional, enegia potencial elástica e enegia témica. segui vamos adiciona a enegia

Leia mais

CÁLCULO VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática Unesp/Bauru CAPÍTULO 2 VETORES NO PLANO E NO ESPAÇO

CÁLCULO VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática Unesp/Bauru CAPÍTULO 2 VETORES NO PLANO E NO ESPAÇO Lui Fancisco da Cu Depatamento de Matemática Unesp/Bauu CAPÍTULO VETORES NO PLANO E NO ESPAÇO Vetoes no plano O plano geomético, também chamado de R, simbolicamente escevemos: R RR {(,), e R}, é o conunto

Leia mais

Movimento unidimensional com aceleração constante

Movimento unidimensional com aceleração constante Movimento unidimensional com aceleação constante Movimento Unifomemente Vaiado Pof. Luís C. Pena MOVIMENTO VARIADO Os movimentos que conhecemos da vida diáia não são unifomes. As velocidades dos móveis

Leia mais

19 - Potencial Elétrico

19 - Potencial Elétrico PROBLEMAS RESOLVIDOS DE FÍSICA Pof. Andeson Cose Gaudio Depatamento de Física Cento de Ciências Exatas Univesidade Fedeal do Espíito Santo http://www.cce.ufes.b/andeson andeson@npd.ufes.b Última atualização:

Leia mais

Campo Magnético produzido por Bobinas Helmholtz

Campo Magnético produzido por Bobinas Helmholtz defi depatamento de física Laboatóios de Física www.defi.isep.ipp.pt Campo Magnético poduzido po Bobinas Helmholtz Instituto Supeio de Engenhaia do Poto- Depatamento de Física ua D. António Benadino de

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Welbe Teinamentos S/C LTDA Nome Fantasia: Micolins Data de fundação: 25/01/2002 Númeo de funcionáios:

Leia mais

APÊNDICE. Revisão de Trigonometria

APÊNDICE. Revisão de Trigonometria E APÊNDICE Revisão de Tigonometia FUNÇÕES E IDENTIDADES TRIGONOMÉTRICAS ÂNGULOS Os ângulos em um plano podem se geados pela otação de um aio (semi-eta) em tono de sua etemidade. A posição inicial do aio

Leia mais

( ) 10 2 = = 505. = n3 + n P1 - MA Questão 1. Considere a sequência (a n ) n 1 definida como indicado abaixo:

( ) 10 2 = = 505. = n3 + n P1 - MA Questão 1. Considere a sequência (a n ) n 1 definida como indicado abaixo: P1 - MA 1-011 Questão 1 Considee a sequência (a n ) n 1 definida como indicado abaixo: a 1 = 1 a = + 3 a 3 = + 5 + 6 a = 7 + 8 + 9 + 10 (05) (a) O temo a 10 é a soma de 10 inteios consecutivos Qual é o

Leia mais

TUKEY Para obtenção da d.m.s. pelo Teste de TUKEY, basta calcular:

TUKEY Para obtenção da d.m.s. pelo Teste de TUKEY, basta calcular: Compaação de Médias Quando a análise de vaiância de um expeimento nos mosta que as médias dos tatamentos avaliados não são estatisticamente iguais, passamos a ejeita a hipótese da nulidade h=0, e aceitamos

Leia mais

O PAPEL DAS APRENDIZAGENS IMPLÍCITAS E EXPLÍCITAS. Juliana Chioca Ipolito Mestre em Educação Universidade Federal do Tocantins

O PAPEL DAS APRENDIZAGENS IMPLÍCITAS E EXPLÍCITAS. Juliana Chioca Ipolito Mestre em Educação Universidade Federal do Tocantins O PAPEL DAS APRENDIZAGENS IMPLÍCITAS E EXPLÍCITAS Juliana Chioca Ipolito Meste em Educação Univesidade Fedeal do Tocantins Este atigo é esultado de pate dos estudos ealizados na disciplina Linguagem escita,

Leia mais

Aula-5 Capacitância. Curso de Física Geral F-328 1 o semestre, 2008

Aula-5 Capacitância. Curso de Física Geral F-328 1 o semestre, 2008 Aula-5 apacitância uso de Física Geal F-38 o semeste, 8 apacitância apacitoes Dois condutoes caegados com cagas Q e Q e isolados, de fomatos abitáios, fomam o ue chamamos de um capacito. A sua utilidade

Leia mais

Swing-By Propulsado aplicado ao sistema de Haumea

Swing-By Propulsado aplicado ao sistema de Haumea Tabalho apesentado no DINCON, Natal - RN, 015. 1 Poceeding Seies of the Bazilian Society of Computational and Applied Mathematics Swing-By Populsado aplicado ao sistema de Haumea Alessanda Feaz da Silva

Leia mais

Predição da Seção Reta Radar da Aeronave F-5 via Simulação Numérica

Predição da Seção Reta Radar da Aeronave F-5 via Simulação Numérica Pedição da Seção Reta Rada da Aeonave F-5 via Simulação Numéica Thiago Silveia Simonetti Nobeto 1,, Luiz Albeto de Andade e Miabel Cequeia Rezende. 1 Depatamento de Engenhaia Mecânica/Univesidade de Taubaté

Leia mais

ESCOAMENTO POTENCIAL. rot. Escoamento de fluido não viscoso, 0. Equação de Euler: Escoamento de fluido incompressível cte. Equação da continuidade:

ESCOAMENTO POTENCIAL. rot. Escoamento de fluido não viscoso, 0. Equação de Euler: Escoamento de fluido incompressível cte. Equação da continuidade: ESCOAMENTO POTENCIAL Escoamento de fluido não viso, Equação de Eule: DV ρ ρg gad P Dt Escoamento de fluido incompessível cte Equação da continuidade: divv Escoamento Iotacional ot V V Se o escoamento fo

Leia mais

TEATRO NA ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID

TEATRO NA ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID TEATRO NA ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID Jose Ismaildo Dantas de Oliveia Gaduando da Univesidade do Estado do Rio Gande do Note Email: ubonego80@hotmail.com Maia Iene Batista de Lima Costa Pofessoa da

Leia mais

Identificação e Compensação de Atritos Não Lineares de Atuadores Robóticos Via Redes Neurais Artificiais

Identificação e Compensação de Atritos Não Lineares de Atuadores Robóticos Via Redes Neurais Artificiais Identificação e Compenação de Atito Não Lineae de Atuadoe Robótico Via Rede Neuai Atificiai Vito I. Gevini (ec2vig@upe.fug.b) Sebatião C. P. Gome (dmtcpg@upe.fug.b) Fundação Univeidade Fedeal do Rio Gande

Leia mais

GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - GSC

GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - GSC SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GSC - 01 16 a 21 Outubo de 2005 Cuitiba - Paaná GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - GSC CÁLCULO

Leia mais

Capítulo 29: Campos Magnéticos Produzidos por Correntes

Capítulo 29: Campos Magnéticos Produzidos por Correntes Capítulo 9: Campos Magnéticos Poduzidos po Coentes Cap. 9: Campos Magnéticos Poduzidos po Coentes Índice Lei de iot-savat; Cálculo do Campo Poduzido po uma Coente; Foça Ente duas Coentes Paalelas; Lei

Leia mais

TEXTO, POSSIBILIDADE DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1. Járede Sousa Barros de Oliveira de Oliveira RESUMO

TEXTO, POSSIBILIDADE DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1. Járede Sousa Barros de Oliveira de Oliveira RESUMO TEXTO, POSSIBILIDADE DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 Jáede Sousa Baos de Oliveia de Oliveia Pedagoga gaduada pela Faculdade de Ciências Humanas de Vitóia, FAVIX/ES, especialista em Psicopedagogia pela

Leia mais

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica Antenas Antena tansição ente popagação guiada (cicuitos) e popagação não-guiada (espaço). Antena tansmissoa: Antena eceptoa: tansfoma elétons em fótons; tansfoma fótons em elétons. Antena sotópica Fonte

Leia mais

I.2 Capacitância, Reatância Capacitiva das Linhas de Transmissão

I.2 Capacitância, Reatância Capacitiva das Linhas de Transmissão I.2 Capacitância, Reatância Capacitiva das Linhas de Tansmissão a) Intodução: ifeença de potencial Condutoes de uma linha de tansmissão Placas de um capacito Mesmo compotamento Condutoes das linhas de

Leia mais

1. EXPERIMENTOS FATORIAIS.

1. EXPERIMENTOS FATORIAIS. Expeimentos Fatoiais 89. EXPERIMENTOS FTORIIS. Nos expeimentos mais simples compaamos tatamentos ou níveis de um único fato, consideando que todos os demais fatoes que possam intefei nos esultados obtidos

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 3. MATEMÁTICA III 1 GEOM. ANALÍTICA ESTUDO DO PONTO

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 3. MATEMÁTICA III 1 GEOM. ANALÍTICA ESTUDO DO PONTO INTRODUÇÃO... NOÇÕES BÁSICAS... POSIÇÃO DE UM PONTO EM RELAÇÃO AO SISTEMA...4 DISTÂNCIA ENTRE DOIS PONTOS...6 RAZÃO DE SECÇÃO... 5 DIVISÃO DE UM SEGMENTO NUMA RAZÃO DADA... 6 PONTO MÉDIO DE UM SEGMENTO...

Leia mais

Matemática do Ensino Médio vol.2

Matemática do Ensino Médio vol.2 Matemática do Ensino Médio vol.2 Cap.11 Soluções 1) a) = 10 1, = 9m = 9000 litos. b) A áea do fundo é 10 = 0m 2 e a áea das paedes é (10 + + 10 + ) 1, = 51,2m 2. Como a áea que seá ladilhada é 0 + 51,2

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS ANSELMO DE ANDRADE 9º ANO ANO LECTIVO

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS ANSELMO DE ANDRADE 9º ANO ANO LECTIVO ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS ANSELMO DE ANDRADE 9º ANO ANO LECTIVO 2011-2012 Geometia no Epaço NOME: Nº TURMA: Geometia é o amo da Matemática que etuda a popiedade e a elaçõe ente ponto, ecta,

Leia mais

IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO

IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO AULA 10 IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO 1- INTRODUÇÃO Nesta aula estudaemos Impulso de uma foça e a Quantidade de Movimento de uma patícula. Veemos que estas gandezas são vetoiais e que possuem a mesma

Leia mais

Cap. 4 - O Campo Elétrico

Cap. 4 - O Campo Elétrico ap. 4 - O ampo Elético 4.1 onceito de ampo hama-se ampo a toda egião do espaço que apesenta uma deteminada popiedade física. Esta popiedade pode se de qualque natueza, dando oigem a difeentes campos, escalaes

Leia mais

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Política Monetária)

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Política Monetária) Fedeal Univesity of Roaima, Bazil Fom the SelectedWoks of Elói Matins Senhoas Winte Januay 1, 2008 Cuso de Extensão: Noções de Macoeconomia paa RI (Política Monetáia) Eloi Matins Senhoas Available at:

Leia mais

Medida do Tempo de Execução de um Programa. Bruno Hott Algoritmos e Estruturas de Dados I DECSI UFOP

Medida do Tempo de Execução de um Programa. Bruno Hott Algoritmos e Estruturas de Dados I DECSI UFOP Medida do Tempo de Execução de um Programa Bruno Hott Algoritmo e Etrutura de Dado I DECSI UFOP Clae de Comportamento Aintótico Se f é uma função de complexidade para um algoritmo F, então O(f) é coniderada

Leia mais

Cap.12: Rotação de um Corpo Rígido

Cap.12: Rotação de um Corpo Rígido Cap.1: Rotação de um Copo Rígido Do pofesso paa o aluno ajudando na avaliação de compeensão do capítulo. Fundamental que o aluno tenha lido o capítulo. 1.8 Equilíbio Estático Estudamos que uma patícula

Leia mais

PROJETO AUTOMÁTICO DE CONTROLADOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

PROJETO AUTOMÁTICO DE CONTROLADOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS UFSM Dietação de Metado PROJETO AUTOMÁTICO DE CONTROADOR DE VEOCIDADE SEM SENSOR MECÂNICO PARA MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS Diego Einloft PPGEE Santa Maia, RS, BRASI. 2008 PROJETO AUTOMÁTICO DE CONTROADOR

Leia mais

Os parâmetros cinéticos da taxa de reação são as constantes cinéticas

Os parâmetros cinéticos da taxa de reação são as constantes cinéticas 3.6 Deteminação dos paâmetos cinéticos Os paâmetos cinéticos da taxa de eação são as constantes cinéticas,, e as odens (a, b, n de eação em elação a cada componente. O efeito da tempeatua está na constante

Leia mais