Qualidade e Sustentabilidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Qualidade e Sustentabilidade"

Transcrição

1

2 Qualidade e Sustentabilidade Início de atividade em 1988 Localizada em Espinheiro, Penela Certificação do Sistema de Gestão da Qualidade em 2002 e Segurança Alimentar em 2006 Possui cerca de 120 colaboradores;

3 Capacidade produtiva

4 Distribuição em Portugal Mais de 4000 clientes ativos; 3 Centros de distribuição; Presença em todo o país; - Serviço de Excelência- Retail Wholesale

5 ,00 Volume de Negócios , , , , , , , , , ,

6 Expansão para outros mercados Belgium; Croatia; France; Germany; Netherlands; Spain; Sweden; UK; Switzerland; Montenegro; Angola; Cape Verde; Países: Mercados em desenvolvimento: Morocco; Mozambique; Brazil; Canada; USA; Italy; Russia; Saudi Arabia

7 Fornecedores selecionados a nível mundial Importação

8 Contexto... Crescimento sustentado do negócio, com elevadas quantidades de produto processado; Mercados muito competitivos e abrangentes; Expansão para novos mercados, com requisitos específicos e de elevada exigência; GARANTIR QUALIDADE SUSTENTÁVEL

9 Auditoria Sistemático Segue métodos e técnicas específicas que asseguram a reprodutibilidade dos resultados obtidos Independente Não sujeito a pressões ou interesses que condicionem os resultados da auditoria Documentado Devem ser assegurados os documentos e registos necessários

10 Auditoria Principais Objetivos: Ferramenta de gestão e melhoria, que contribui para consolidar processos e melhorar resultados; Reforçar uma cultura de rigor e exigência partilhada por todos os colaboradores; Responder de forma eficaz e eficiente às exigências das partes interessadas (acionistas, clientes, fornecedores, autoridades); Otimizar o desempenho empresarial;

11 Programa de Auditorias AUTORIDADES (INSPEÇÕES, VISTORIAS) FORNECEDOR CLIENTE AUDITORIAS A FORNECEDOR AUDITORIAS DE CLIENTE AUDITORIAS INTERNAS

12 Relação com partes externas Autoridades: Assegurar cumprimento legal e regulamentar Controlo e garantia da qualidade e segurança de produtos alimentares Autorização e aprovação de exportação Clientes e Fornecedores: Controlo e garantia da qualidade e segurança de produtos alimentares

13 Auditoria Interna Controlo Interno: Assegurar o cumprimento de requisitos: segurança alimentar, procedimentos, requisitos legais (rastreabilidade, cadeia de frio, etc.); Envolver as pessoas no processo de auditoria através da participação ativa em todo o processo Procurar melhorar a eficácia e eficiência dos processos (identificar melhorias, analisar fatores de custo, produtividade, rentabilidade e sustentabilidade);

14 Auditoria Interna Garantia da Qualidade (para o exterior): Assegurar o fornecimento de produtos alimentares seguros e de elevada qualidade; Desenvolver capacidade de resposta às exigências do mercado; Otimizar processos para aumentar a competitividade;

15 Auditoria Interna As nossas práticas Auditorias internas em três níveis Verificações ao nível operacional Não planeadas Auditoria a todas as áreas operacionais Checklist específica, que evolui com os resultados Auditorias ao sistema de gestão Planeadas Auditoria a todos os requisitos Seguindo metodologias de auditoria ISO 19011

16 Auditoria Interna As nossas práticas Exercícios de Retirada de produto Verificação da capacidade operacional e de controlo da empresa e seus parceiros Acompanhamento de indicadores de negócio Monitorização contínua de indicadores de desempenho de negócio para suportar a tomada de decisão

17 Auditoria Interna Metodologia Equipas auditoras com formação em auditorias/verificação Realização de um evento de controlo com periodicidade bimensal; Inclusão de auditorias comunicadas e não comunicadas aos colaboradores Utilizadas a observação, a entrevista e a análise documental Relevância na observação das atividades realizadas

18 Auditoria Interna Impacto na organização Instrumento fundamental na gestão do negócio, permitindo identificar desvios ao planeamento estratégico da empresa; Garantia do cumprimento de requisitos contratuais e da boa relação com o cliente; Envolvimento dos colaboradores nos processos de melhoria; Decisivo na sistematização e estabilização dos processos internos que permitem uma resposta capaz aos novos desafios;

19 Auditoria Interna O que pretendemos Sistematização de auditorias a fornecedores, quer presenciais quer utilizando métodos de auditoria à distância; Reforço da relação com o cliente que permita auditorias mais participadas para uma maior qualidade da empresa; Maior integração entre o processo de auditoria e a gestão empresarial; Reforçar o contributo das auditorias na avaliação e melhoria de eficiência da organização, com análise de produtividade, custos, desperdícios

20 Muito obrigado pela vossa atenção! https://pt-br.facebook.com/frijobel José Pinto

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA Coordenadoria de Economia Mineral Diretoria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral Premissas do Desenvolvimento Sustentável Economicamente

Leia mais

Por Constantino W. Nassel

Por Constantino W. Nassel NORMA ISO 9000 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 REQUISITOS E LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO Por Constantino W. Nassel CONTEÚDOS O que é a ISO? O que é a ISO 9000? Histórico Normas

Leia mais

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Objetivo ISO 20121 - Sistemas de gestão de sustentabilidade de eventos. Requisitos e linhas de orientação A ISO 20121 tem como finalidade

Leia mais

Local e Data: A GESTÃO DA INOVAÇÃO

Local e Data: A GESTÃO DA INOVAÇÃO A GESTÃO DA INOVAÇÃO Enquadramento: O ambiente no qual hoje actuam as empresas mudou radicalmente: imprevisibilidade, turbulência, mudança, rapidez,..., são constantes do processo de decisão. Num mundo

Leia mais

SPC NO SETOR DOS ALIMENTOS PARA ANIMAIS: INTERAÇÃO COM OS PLANOS DE CONTROLO OFICIAL

SPC NO SETOR DOS ALIMENTOS PARA ANIMAIS: INTERAÇÃO COM OS PLANOS DE CONTROLO OFICIAL PC NO SETOR DOS ALIMENTOS PARA ANIMAIS: INTERAÇÃO COM OS PLANOS DE CONTROLO OFICIAL José Manuel Nunes da Costa DGAV / DSNA DAA A IMPORTÂNCIA DA NORMALIZAÇÃO NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL IACA, SANTARÉM, 27 JUNHO

Leia mais

4ª Reunião de Especialistas sobre Consumo e Produção Sustentáveis da América Latina e Caribe

4ª Reunião de Especialistas sobre Consumo e Produção Sustentáveis da América Latina e Caribe 4ª Reunião de Especialistas sobre Consumo e Produção Sustentáveis da América Latina e Caribe Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais Abiquim São Paulo, 18 de outubro de 2007 O Programa Atuação

Leia mais

QUALIDADE, HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR

QUALIDADE, HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR Quem Somos QUEM SOMOS A Bioqual é uma empresa especializada em Qualidade, Higiene e Segurança Alimentar. Presente em todo o país através de uma rede de escritórios, com consultores especializados e experiência

Leia mais

Engineering Solutions Consulting. Consulting

Engineering Solutions Consulting. Consulting Engineering Solutions Consulting Consulting Missão e compromisso A nossa missão é proporcionar uma abordagem inovadora, diferenciadora e que aporte valor, com uma equipa jovem, dedicada, empenhada e qualificada,

Leia mais

ENERGIA O MERCADO DAS INFRA-ESTRUTURAS PDIRT. e Investimento da Rede de Transporte. Redes Energéticas Nacionais, SGPS

ENERGIA O MERCADO DAS INFRA-ESTRUTURAS PDIRT. e Investimento da Rede de Transporte. Redes Energéticas Nacionais, SGPS ENERGIA O MERCADO DAS INFRA-ESTRUTURAS PDIRT Investimentos Plano de Desenvolvimento em perspetiva e Investimento da Rede de Transporte Redes Energéticas Nacionais, SGPS de Electricidade 2012-2017 (2022)

Leia mais

Você sabe fazer a nova auto-avaliação? Conheça os atalhos Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais - Abiquim

Você sabe fazer a nova auto-avaliação? Conheça os atalhos Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais - Abiquim Você sabe fazer a nova auto-avaliação? Conheça os atalhos Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais - Abiquim A Estrutura do Atuação Responsável Elemento Visão Missão Valores Princípios Diretrizes

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO - Regular e supervisionar os sectores dos medicamentos e produtos de saúde, segundo os mais elevados padrões de protecção da saúde pública e garantir o acesso dos profissionais de saúde

Leia mais

A Certificação da Cadeia de Responsabilidade. Raquel Sanmartín Lisboa 30.Mar.12

A Certificação da Cadeia de Responsabilidade. Raquel Sanmartín Lisboa 30.Mar.12 A Certificação da Cadeia de Responsabilidade Agenda A Certificação da Cadeia de Responsabilidade Esquemas de Certificação: PEFC e FSC Estatísticas Mundiais e Nacionais Requisitos da CdR aplicáveis ao Sector

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização

Quadro de Avaliação e Responsabilização ANO: Ministério da Educação e Ciência Fundação para a Ciência e Tecnologia, I.P. MISSÃO: A FCT tem por missão apoiar, financiar e avaliar o Sistema Nacional de Investigação e Inovação, desenvolver a cooperação

Leia mais

A Certificação da Cadeia de Responsabilidade

A Certificação da Cadeia de Responsabilidade A Certificação da Cadeia de Responsabilidade Agenda A Certificação da Cadeia de Responsabilidade: Objetivos e Vantagens Esquemas de Certificação: PEFC e FSC Estatísticas Mundiais e Nacionais Requisitos

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

Projecção Internacional e Competitividade Prioridades para Portugal

Projecção Internacional e Competitividade Prioridades para Portugal Projecção Internacional e Competitividade Prioridades para Portugal Francisco Luís Murteira Nabo Alfândega do Porto, 20 de Dezembro de 2011 1 SUMÁRIO 1 - O Contexto Competitivo Estratégias Potenciadoras

Leia mais

ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário João Noronha ESAC/IPC 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social

O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social Securitas Portugal O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social Agosto de 2016 1 O Sistema de Gestão da Responsabilidade Social A SECURITAS desenvolveu e implementou um Sistema de Gestão de aspetos de

Leia mais

O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000

O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000 Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra Gestão da Qualidade O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000 O Sistema HACCP Princípios: 1 Identificação dos perigos e análise

Leia mais

Roadmap para Implementação e Certificação ISO Mário Rui Costa

Roadmap para Implementação e Certificação ISO Mário Rui Costa 1 1 Roadmap para Implementação e Certificação ISO 20000-1 Mário Rui Costa TÓPICOS O que é a ISO 20000-1? Porquê implementar? Custos Ponto de partida Papéis e Responsabilidades Implementação Preparação

Leia mais

Ferramenta SG IDI para o STV

Ferramenta SG IDI para o STV para o STV 31 de maio de 2012 Assunção Mesquita amesquita@citeve.pt para o STV SG IDI o que são? Sua importância no STV Estrutura da ferramenta SG IDI o que são? para o STV Estruturas empresariais alinhadas

Leia mais

Consultoria em REDUÇÃO DE CUSTOS. As suas Poupanças são o nosso Negócio!

Consultoria em REDUÇÃO DE CUSTOS. As suas Poupanças são o nosso Negócio! Consultoria em REDUÇÃO DE CUSTOS As suas Poupanças são o nosso Negócio! QUEM SOMOS A EZ Trade Center apoia as empresas na REDUÇÃO DE CUSTOS operacionais, permitindo gerar POUPANÇAS SIGNIFICATIVAS, que

Leia mais

SGA. Introdução. Qualidade PLANEAMENTO SGA Aspectos ISO SGA por. Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis.

SGA. Introdução. Qualidade PLANEAMENTO SGA Aspectos ISO SGA por. Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis. por DO DESENVOLVIMENTO DO À SISTEMAS DE GESTÃO DO AMBIENTE 2004/2005 4.3 - PLANEAMENTO 4.3.1 - Aspectos Ambientais 4.3.2 - Requisitos Legais por e Outros Requisitos 4.3.3 - Objectivos e metas 4.3.4 - Programa

Leia mais

Certificação Florestal

Certificação Florestal Certificação Florestal Factor de Diferenciação Certificação Florestal 1 - A Certificação Florestal Objectivos Vantagens 2 - Dois Esquemas de Certificação Florestal PEFC FSC 3 - Estatísticas a nível Mundial

Leia mais

Sistema de Gestão da Prevenção em

Sistema de Gestão da Prevenção em Sistema de Gestão da Prevenção em SST Trabalho realizado por: André Andrade nº18990 Curso: Engenharia do Ambiente Data: 29/10/2008 Disciplina: PARP Índice Introdução... 3 Sistema de gestão da prevenção

Leia mais

Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores e Sustentabilidade. Augusto Riccio Desenvolvimento de Sistemas de Gestão Gerente de Práticas de Gestão

Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores e Sustentabilidade. Augusto Riccio Desenvolvimento de Sistemas de Gestão Gerente de Práticas de Gestão Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores e Sustentabilidade Augusto Riccio Desenvolvimento de Sistemas de Gestão Gerente de Práticas de Gestão Convênio Nacional Petrobras-Sebrae: Inserção de MPEs na cadeia

Leia mais

LISTA DOCUMENTOS E REGISTOS ISO 22000:2005

LISTA DOCUMENTOS E REGISTOS ISO 22000:2005 4.1. Requisitos Gerais 4.2. Requisitos da Documentação 4.2.1 4.2.2. Controlo de Documentos Definição do Âmbito SGSA (Manual SGSA...) Controlo processos subcontratados (Instruções, contratos cadernos de

Leia mais

O BCSD Portugal Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável é uma associação sem fins lucrativos, de utilidade pública, que agrega e

O BCSD Portugal Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável é uma associação sem fins lucrativos, de utilidade pública, que agrega e O BCSD Portugal Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável é uma associação sem fins lucrativos, de utilidade pública, que agrega e representa empresas que se comprometem ativamente com a

Leia mais

A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT)

A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT) A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT) É A AGÊNCIA PÚBLICA NACIONAL PARA A INVESTIGAÇÃO E A INOVAÇÃO EM PORTUGAL WWW.FCT.PT A VISÃO DA FCT É: TORNAR PORTUGAL UMA REFERÊNCIA MUNDIAL EM CIÊNCIA,

Leia mais

Política Internacional de Compra de Café

Política Internacional de Compra de Café Política Internacional de Compra de Café Versão: Julho 2016 A n o s s a m i s s ã o Simples, responsável e fiável: há mais de 100 anos os valores comerciais tradicionais são o alicerce do sucesso económico

Leia mais

A Responsabilidade Social Empresarial O Balanço Social

A Responsabilidade Social Empresarial O Balanço Social A Responsabilidade Social Empresarial O Balanço Social A. Domingues Azevedo Bastonário da OTOC XXIV Seminário Internacional de Paises Latinos Europa América 2 de Novembro 2011 Argentina 1 Preocupação social

Leia mais

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão CERTIFICAÇÃO Sistema de Gestão A Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC) tem implementados e certificados os Sistemas de Gestão da Qualidade, Segurança Alimentar e Ambiente, em alinhamento com as

Leia mais

Metodologia para adoção de Comércio Justo no setor têxtil e vestuário. By Citeve

Metodologia para adoção de Comércio Justo no setor têxtil e vestuário. By Citeve Metodologia para adoção de Comércio Justo no setor têxtil e vestuário Índice Enquadramento... 3 O que é o Comércio Justo... 3 Adoção do Comércio Justo... 5 Página 2 de 9 Enquadramento Este trabalho foi

Leia mais

Certificação de Sistemas (Seminário Lipor)

Certificação de Sistemas (Seminário Lipor) Certificação de Sistemas (Seminário Lipor) Outubro 2006 Direcção Comercial e Gestão de Clientes www.apcer.pt Gonçalo Pires Índice: Certificação de S.G.: Qualidade (NP EN ISO 9001:2000); Ambiente (NP EN

Leia mais

DESCRITORES (TÍTULOS E TERMOS)

DESCRITORES (TÍTULOS E TERMOS) SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE FAMÍLIA NBR ISO 9000 INDEXAÇÃO TEMÁTICA Abordagem de processo [VT: Princípios de Gestão da Qualidade] 0.2 / 2.4 0.2 / 4.3 0.2 Abordagem de sistemas de gestão da qualidade

Leia mais

A Pegada de Carbono do Vinho Alentejano:

A Pegada de Carbono do Vinho Alentejano: : Exemplo de valorização da sustentabilidade Colóquio A Sustentabilidade do setor vitivínicola: Que desafios? @ Lisboa Instituto da Vinha e do Vinho 31-01-2012 bcaldeira@consulai.com TEMAS A ABORDAR ENQUADRAMENTO

Leia mais

MANUAL DE POLÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

MANUAL DE POLÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SGI-MP Tipo de Documento: Processo e Procedimento Classificação: Sem Restrições., para uso exclusivo dos destinatários indicados ID do Documento Versão: Versão controlada automática e eletronicamente pelo

Leia mais

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS MAPUTO, 11 DE MARÇO DE 2013 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Sistema da Gestão da Qualidade. Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original

Sistema da Gestão da Qualidade. Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original Sistema da Gestão da Qualidade Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original 1 CONCEITO QUALIDADE O que é Qualidade? 2 Qualidade Conjunto de características de um objeto ou

Leia mais

Ministério da Defesa Nacional. Secretaria-Geral do Ministério da Defesa Nacional. Cargo e Titular: Secretário-geral do Ministério da Defesa Nacional

Ministério da Defesa Nacional. Secretaria-Geral do Ministério da Defesa Nacional. Cargo e Titular: Secretário-geral do Ministério da Defesa Nacional CARTA DE MISSÃO Ministério da Defesa Nacional Secretaria-Geral do Ministério da Defesa Nacional Cargo e Titular: Secretário-geral do Ministério da Defesa Nacional 1. Missão do organismo As atribuições

Leia mais

ISO 9000 e ISO 14.000

ISO 9000 e ISO 14.000 DISCIPLINA: QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROFESSORA: ALEXSANDRA GOMES PERÍODO: 3º PERÍODO CARGA HORÁRIA: 60 HORAS ISO 9000 e ISO 14.000 ISO 9000 A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas

Leia mais

Pequeno-almoço com Gestão do Capital Intelectual

Pequeno-almoço com Gestão do Capital Intelectual Pequeno-almoço com Gestão do Capital Intelectual APDSI 16 de junho de 2016 http://www.icaa.pt www.pmeconsult.pt Programa do Workshop A Gestão do Capital Intelectual como driver de inovação, competitividade

Leia mais

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2008 FCT

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2008 FCT QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2008 Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Visão: Objectivos Estratégicos (OE): OE 1. Fomentar o desenvolvimento da competência científica e tecnológica

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO: regulamentar, orientar e coordenar as atividades de promoção da saúde e prevenção da doença, definir as condições técnicas para adequada prestação de cuidados de saúde, planear e programar

Leia mais

Ricardo Augusto Bordin Guimarães Auditoria Administrativa Hospitalar ricardo@rgauditoria.com.br (51) 9841.7580 www.rgauditoria.com.br www.twitter.com/ricardorgaud Qualidade e Gestão em Saúde através da

Leia mais

MELHOR HOTELARIA Maria João Martins Gestora de Projetos & Research

MELHOR HOTELARIA Maria João Martins Gestora de Projetos & Research MELHOR HOTELARIA 2020 Maria João Martins Gestora de Projetos & Research Évora 21 de março de 2016 AGENDA 1. Desempenho do Sector Turístico Nacional 2. Balanço 2015 3. Evolução da Oferta Hoteleira 4. Programa

Leia mais

ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS

ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS Elaborado por: Délia Ferreira nº3502 Elisabete Santos nº3549 Sara Gerardo nº3453 Mara Cristo nº3395 OBJECTIVOS DO TRABALHO

Leia mais

Certificação ISO no

Certificação ISO no Certificação ISO 27001 no Instituto t de Informática, I.P. (MTSS) 30-11-2010 1 Agenda O Instituto t de Informática, I.P.; Sistema de Gestão Integrado (ISO 9001, 27001, 20000) Manutenção da Certificação

Leia mais

Pesquisa de Clima Organizacional

Pesquisa de Clima Organizacional Pesquisa de Clima Organizacional As pessoas representam alto investimento para as organizações. É evidente que o sucesso de um empreendimento não depende somente da competência dos gestores em reconhecer

Leia mais

Profª Mônica Suely G. de Araujo

Profª Mônica Suely G. de Araujo Profª Mônica Suely G. de Araujo Desempenho Características Confiabilidade Reputação 2 1 Durabilidade Utilidade Resposta Estética 3 Projeto Conformidade Capabi lidade Atendi mento ao Cliente Cultura da

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

Comparação NBR ISO X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998

Comparação NBR ISO X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998 Comparação NBR ISO 13485 X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998 Agenda Objetivo do estudo Visão Geral da NBR 13485:2004 Tendências mundiais Resultados

Leia mais

1.3 Consequências da adoção dos conceitos e premissas da Gestão da Qualidade; UNIDADE II? GURUS DA GESTÃO DA QUALIDADE E SUAS LINHAS DE PENSAMENTO

1.3 Consequências da adoção dos conceitos e premissas da Gestão da Qualidade; UNIDADE II? GURUS DA GESTÃO DA QUALIDADE E SUAS LINHAS DE PENSAMENTO Página: 1/5 GESTÃO DA QUALIDADE EMENTA Visão histórica da evolução da gestão empresarial e as contribuições das diversas escolas de administração para a gestão da qualidade As idéias, fundamentos e metodologias

Leia mais

Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade. Atuação Responsável Um compromisso da Indústria Química

Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade. Atuação Responsável Um compromisso da Indústria Química Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade O Atuação Responsável é uma ética empresarial, compartilhada pelas empresas associadas à Abiquim Missão do Atuação Responsável Promover o aperfeiçoamento

Leia mais

Docapesca Portos e Lotas, S.A. ID&I para um Futuro Sustentável das Atividades Marítimas

Docapesca Portos e Lotas, S.A. ID&I para um Futuro Sustentável das Atividades Marítimas Docapesca Portos e Lotas, S.A. ID&I para um Futuro Sustentável das Atividades Marítimas Paço de Arcos, 11 de Março de 2014 Matosinhos, 18 de julho de 2013 Uma empresa ao serviço do setor 6 Delegações 22

Leia mais

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A Gestão da Inovação Proposta de Utilização do Guia de Boas Práticas de IDI e das ferramentas desenvolvidas no âmbito da iniciativa DSIE da COTEC para o desenvolvimento do sistema

Leia mais

ISEG. Call for Solutions Universities 7th Call

ISEG. Call for Solutions Universities 7th Call ISEG Call for Solutions Universities 7th Call Call for Solutions Universities A tua A tua vontade O teu talento O teu conhecimento curiosidade pelo mundo para trabalhar em novos empresarial desafios O

Leia mais

POLÍTICA. Sistema de Gestão de Segurança da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Referência do Documento PL03 SGSI _V5

POLÍTICA. Sistema de Gestão de Segurança da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Referência do Documento PL03 SGSI _V5 POLÍTICA POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Referência do Documento PL03 SGSI _V5 D Público 1 PL03 SGSI_V5 ÍNDICE 1. Referências Pág. 3 2. Documentos Associados Pág. 3 3. Registos Associados Pág. 3 4.

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais Como as instituições financeiras devem tratar a gestão de riscos socioambientais? O crescente processo de

Leia mais

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa I. INTRODUÇÃO A orientação para a qualidade deve constituir um pressuposto fundamental na actividade das entidades formadoras, traduzida na

Leia mais

Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial: Perspectivas para o Futuro. Novembro de 2007

Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial: Perspectivas para o Futuro. Novembro de 2007 Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial: Perspectivas para o Futuro Novembro de 2007 Preocupações fundamentais da COTEC na condução das suas iniciativas Consistência das iniciativas a desenvolver,

Leia mais

CODE.DOC SIMPLIFIQUE A GESTÃO DE TODO O CONTÉUDO DA SUA ORGANIZAÇÃO.

CODE.DOC SIMPLIFIQUE A GESTÃO DE TODO O CONTÉUDO DA SUA ORGANIZAÇÃO. SOLUÇÕES CODE.DOC SIMPLIFIQUE A GESTÃO DE TODO O CONTÉUDO DA SUA ORGANIZAÇÃO. A Solução CODE.DOC da SINGLECODE realiza processos de captura, gestão, perservação e armazenamento dos seus contéudos, fazendo

Leia mais

AUDITORIA AMBIENTAL AUDITORIA AMBIENTAL NORMA ISO DIRETRIZES\PARA AUDITORIA

AUDITORIA AMBIENTAL AUDITORIA AMBIENTAL NORMA ISO DIRETRIZES\PARA AUDITORIA AUDITORIA AMBIENTAL AUDITORIA AMBIENTAL BALISAR SISTEMA E CORRIGIR FALHAS NORMA ISO 19011 DIRETRIZES\PARA AUDITORIA INSTRUMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL QUE PODE SER APLICADO A QUALQUER EMPREENDIMENTO 1 AUDITORIA

Leia mais

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 28 de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O FUTURO - CAPITAL HUMANO PARA O CRESCIMENTO E O EMPREGO CONTRIBUTO DO POPH (ANOS 2013 E 2014)

Leia mais

E NORMAS DE CONDUTA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI)

E NORMAS DE CONDUTA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI) CÓDIGO de ÉTICA E NORMAS DE CONDUTA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI) «Para um serviço de excelência» 2015 INTRODUÇÃO O presente Código de Ética do Gabinete de Auditoria Interna (GAI) da Direção-Geral

Leia mais

Principais alterações ISO 14001:2015

Principais alterações ISO 14001:2015 Principais alterações ISO 14001:2015 André Ramos Diretor de Marketing Agenda Comissão Técnica O processo de revisão da ISO 14001 Orientações para Revisão Inquérito aos utilizadores Calendário Alterações

Leia mais

Anexo II - Princípios das Normas ISO aplicáveis a organizações de saúde

Anexo II - Princípios das Normas ISO aplicáveis a organizações de saúde Anexo II - Princípios das Normas ISO aplicáveis a organizações de saúde 95 96 Princípios das Normas ISO aplicáveis a organizações de saúde Princípio 1 Foco no cliente: dado que as organizações dependem

Leia mais

SEMINÁRIO DE LANÇAMENTO PROGRAMA INTERREG V - A

SEMINÁRIO DE LANÇAMENTO PROGRAMA INTERREG V - A SEMINÁRIO DE LANÇAMENTO PROGRAMA INTERREG V - A MADEIRA-AÇORES-CANÁRIAS 2014-2020 Angra do Heroísmo, 29 janeiro 2016 QUAL O TERRITÓRIO DO ESPAÇO DE COOPERAÇÃO? - As regiões insulares ultraperiféricas de

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL Rui D. Camolino Lisboa, 9 de Julho 2008 1 AGENDA Projecto MATISSE Conclusões do Projecto A Contribuição da Associação ITS

Leia mais

Developing your business through qualified people and efficient operations

Developing your business through qualified people and efficient operations Developing your business through qualified people and efficient operations Apresentação actualizada em 20Mar08 e mail@vnetg.com t +351 305525530 f +351 305525559 w www.vnetg.com quem somos A ValueNetworks

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional < Adicionamos movimento ao seu negócio! Reprodução Proibida Direitos de imagens: FreeDigitalPhotos.net PT02.2013 JUNCOR Visão Política Empresarial Presença no Mercado Objectivo

Leia mais

O Kit da Produtividade componente de valorização da oferta nacional prevista no projecto promovido pela AEP designado Compro o que é Nosso"

O Kit da Produtividade componente de valorização da oferta nacional prevista no projecto promovido pela AEP designado Compro o que é Nosso A elaboração do Kit da Produtividade é uma iniciativa da AEP, em co-produção com o IAPMEI, visando o desenvolvimento de uma campanha de melhoria da competitividade das empresas portuguesas O Kit da Produtividade

Leia mais

Porquê trabalhar com o Grupo TAKE OFF?

Porquê trabalhar com o Grupo TAKE OFF? Sobre Nós Na Take Off somos especialistas em Consultoria nas vertentes de recursos humanos e desenvolvimento de negócio. Atuamos sob metodologias e procedimentos próprios, os quais assentam na melhoria

Leia mais

PLANO ANUAL DE FORMAÇÃO. Lena Energia SGPS, S.A ANO 2013

PLANO ANUAL DE FORMAÇÃO. Lena Energia SGPS, S.A ANO 2013 PLANO ANUAL DE FORMAÇÃO Lena Energia SGPS, S.A ANO 2013 ÍNDICE 1. 2. 3. 4. INTRODUÇÃO CURSOS / ACÇÕES CUSTOS DA FORMAÇÃO - ORÇAMENTO ANUAL CRONOGRAMA ANUAL 2013 Lena Energia SGPS, S.A - Página 2 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

J. SAMPAIO & IRMÃO, LDA.

J. SAMPAIO & IRMÃO, LDA. J. SAMPAIO & IRMÃO, LDA. 1 Sector de Actividade: Calçado Actividade Principal: Produção de calçado CEO: Joaquim Carvalho Telefone: +351 255310690 Fax: +351 255310699 E-mail: js@mail.calafe.com Morada:

Leia mais

Transportes & Negócios Seminário de Transporte Rodoviário

Transportes & Negócios Seminário de Transporte Rodoviário Transportes & Negócios Seminário de Transporte Rodoviário PRACE Res.Cons.Min. 39/2006 DL 210/2006, 27Out DL 147/2007, 27Abr P 545/2007, 30 Abr. DGTTF INTF DGV (MAI) - Veículos e condutores DGV (MAI) -

Leia mais

nº de Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTSP) em projeto piloto 1-100,0

nº de Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTSP) em projeto piloto 1-100,0 QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO - 2014 Ministério da Educação e Ciência Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) MISSÃO: A qualificação de alto nível dos cidadãos, a produção e difusão do

Leia mais

GRC e Continuidade de Negócios. Claudio Basso

GRC e Continuidade de Negócios. Claudio Basso GRC e Continuidade de Negócios Claudio Basso claudio.basso@sionpc.com.br Governança um atributo de administração dos negócios que procura criar um nível adequado de transparência através da definição clara

Leia mais

Casa de Saúde São João de Deus

Casa de Saúde São João de Deus Casa de Saúde São João de Deus Funchal Outubro 2013 Manuel Freitas CSSJD Funchal Caminho percorrido SGQ- Situação atual CSSJD Funchal CSSJD Inaugurada 10/08/1924 OHSJD Província Portuguesa ISJD Fins de

Leia mais

NORMAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

NORMAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NORMAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL Resulta do consenso entre peritos de 90 países e 45 organizações internacionais Processo multi-parte interessada, envolveu 450 peritos de países desenvolvidos e em desenvolvimento

Leia mais

Gestão por competências e aprendizagem na Autoridade Tributária e Aduaneira Damasceno Dias

Gestão por competências e aprendizagem na Autoridade Tributária e Aduaneira Damasceno Dias Gestão por competências e aprendizagem na Autoridade Tributária e Aduaneira Damasceno Dias Subdiretor-Geral dos Recursos Humanos e Formação da AT Agenda Como surge o (CFW Competency Framework for the Customs

Leia mais

Código de Ética Empresarial da Metro do Porto

Código de Ética Empresarial da Metro do Porto Código de Ética Empresarial da Metro do Porto MP-848057/09 V1.0 Índice A. A EMPRESA Enquadramento Missão Visão Valores B. CÓDIGO Âmbito de Aplicação Acompanhamento C. PRINCÍPIOS ORIENTADORES DO RELACIONAMENTO

Leia mais

CONTROLO DE QUALIDADE EVOLUÇÃO DA CERTIFICAÇÃO. Docente: Dr. José Carlos Marques. Discente: Vitalina Cunha N.º

CONTROLO DE QUALIDADE EVOLUÇÃO DA CERTIFICAÇÃO. Docente: Dr. José Carlos Marques. Discente: Vitalina Cunha N.º EVOLUÇÃO DA CERTIFICAÇÃO Docente: Dr. José Carlos Marques Discente: Vitalina Cunha N.º 2010607 Funchal, 24 de Abril de 2008 EVOLUÇÃO DA CERTIFICAÇÃO A certificação de uma empresa consiste no reconhecimento

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL I. INTRODUÇÃO: O Risco Operacional pode ser entendido como a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falhas, deficiência ou inadequação de processos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ AFONSO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ AFONSO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ AFONSO Resumo da proposta final Documento para análise PROJETO EDUCATIVO Análise na matriz SWOT (strenghts, weaknesses, opportunities, threats) pontos fortes/pontos fracos/

Leia mais

Manual de Ecodesign InEDIC

Manual de Ecodesign InEDIC Manual de Ecodesign InEDIC Ferramenta 4: A ferramenta da análise do mercado fornece uma abordagem prática aos conceitos teóricos explicados no capítulo 5. Com o objetivo de determinar o potencial do mercado

Leia mais

Sistema de Gestão de Energia da AdSA - NP EN ISO 50001:2012

Sistema de Gestão de Energia da AdSA - NP EN ISO 50001:2012 Sistema de Gestão de Energia da AdSA - Manuel Lacerda, David Barão e Cristina Gomes Lisboa,19 de janeiro de 2016 Índice: Sistema de Sustentabilidade Empresarial (SSE) Evolução da Certificação na AdSA Vantagens

Leia mais

Grupo MARTIFER Um Case-Study. Iniciativa sobre o Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial CCB,

Grupo MARTIFER Um Case-Study. Iniciativa sobre o Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial CCB, Grupo MARTIFER Um Case-Study Iniciativa sobre o Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial CCB, 23.11.2007 AGENDA 1.Apresentação do Grupo Martifer 2.Motivação 3.Metodologia 4.Resultados / diagnóstico

Leia mais

Metodologias e Ferramentas ACV Atividade do INEGI e relevância para as empresas

Metodologias e Ferramentas ACV Atividade do INEGI e relevância para as empresas Metodologias e Ferramentas ACV Atividade do INEGI e relevância para as empresas Ricardo Barbosa INEGI 1 Caraterização do INEGI O INEGI é uma RTO Research and Technology Organisation, com um modelo de Associação

Leia mais

Acordo de Acionistas NORMA DE da CPFL Energia S.A. ENGAJAMENTO

Acordo de Acionistas NORMA DE da CPFL Energia S.A. ENGAJAMENTO Acordo de Acionistas NORMA DE da CPFL Energia S.A. ENGAJAMENTO Atual DE Denominação PÚBLICOS Social DE da Draft II Participações INTERESSE S.A. Sumário Introdução 3 Objetivo da Norma 4 Conceitos básicos

Leia mais

Encadeamento Produtivo Estratégia de atuação do Sistema SEBRAE PEQUENAS E GRANDES EMPRESAS TRABALHANDO JUNTAS PELA SUSTENTABILIDADE

Encadeamento Produtivo Estratégia de atuação do Sistema SEBRAE PEQUENAS E GRANDES EMPRESAS TRABALHANDO JUNTAS PELA SUSTENTABILIDADE Encadeamento Produtivo Estratégia de atuação do Sistema SEBRAE PEQUENAS E GRANDES EMPRESAS TRABALHANDO JUNTAS PELA SUSTENTABILIDADE Encadeamento Produtivo Estratégia para aumentar a competitividade, a

Leia mais

Gestão Estratégica da Qualidade

Gestão Estratégica da Qualidade UNIVERSIDADE DE SOROCABA Curso Gestão da Qualidade Gestão Estratégica da Qualidade Professora: Esp. Débora Ferreira de Oliveira Aula 2 16/08 Objetivo: relembrar o que foi dado, tirar possíveis dúvidas

Leia mais

TQM Total Quality Management

TQM Total Quality Management TQM Total Quality Management Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT O que é TQM? Administração da Qualidade Total total quality management (TQM) Pode ser visto como uma extensão lógica da maneira como a

Leia mais

A Importância da Liderança na Cultura da Excelência

A Importância da Liderança na Cultura da Excelência XIX Seminário de Boas Práticas CIC Caxias do Sul A Importância da Liderança na Cultura da Excelência Msc. Eng. Irene Szyszka 04/ABR/2013 O negócio, o mercado e a sociedade Pressão dos clientes e mercado;

Leia mais

Dr. Alexandre Silva de Oliveira TÓPICOS ESPECIAIS EM. ADMINISTRAÇÃO III AULA 04 Material desenvolvido por Prof. Ms.

Dr. Alexandre Silva de Oliveira TÓPICOS ESPECIAIS EM. ADMINISTRAÇÃO III AULA 04 Material desenvolvido por Prof. Ms. Dr. Alexandre Silva de Oliveira TÓPICOS ESPECIAIS EM ADMINISTRAÇÃO III AULA 04 Material desenvolvido por Prof. Ms. Alexandre Abicht As Empresas e a Contaminação A preocupação com a qualidade de vida faz

Leia mais

Da Estratégia aos Resultados, a diferença está na Solução.

Da Estratégia aos Resultados, a diferença está na Solução. Apresentação A QIS O Método O Sistema de Gestão Da Estratégia aos Resultados, a diferença está na Solução. 12 Benefícios 4 Razões Referências 1 Consultoria Tecnologia Consultoria Tecnologia Quem somos

Leia mais

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 1. A Norma NBR ISO 9001:2000 A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 A ISO International Organization for Standardization, entidade internacional responsável

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL PRSA 2ª 1 / 7 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ALCANCE... 2 3. ÁREA GESTORA... 2 3.1 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 2 3.1.1 DIRETOR RESPONSÁVEL - RESOLUÇÃO 4.327/14... 2 3.1.2 COORDENADOR ESPONSÁVEL PRSA

Leia mais

OPORTUNIDADE PARA PROMOVER ORGANIZAÇÕES MAIS. Contexto mudanças nas organizações para se adaptarem a um mundo

OPORTUNIDADE PARA PROMOVER ORGANIZAÇÕES MAIS. Contexto mudanças nas organizações para se adaptarem a um mundo DUAS NORMAS DE MAIOR SUCESSO MUNDIAL REVISÃO DE FUNDO EVOLUÇÃO PARA SE ADAPTAR A UMA REALIDADE EM MUDANÇA OPORTUNIDADE PARA PROMOVER ORGANIZAÇÕES MAIS EFICIENTES E INTELIGENTES: Contexto mudanças nas organizações

Leia mais