Comunicação entre Agentes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comunicação entre Agentes"

Transcrição

1 Comunicação entre Agentes Bibliografia: Jacques Ferber, Multi-Agent Systems: An Introduction to Distributed Artificial Intelligence, Addison-Wesley, Weiss, G. - Multiagent Systems: A Modern Approach to Distributed Artificial Intelligence, The MIT Press, (Capítulo 2, Multiagent Systems and Societies of Agents ). Bradshaw, J. M. - Software Agents, AAAI Press, (Capítulo 14, KQML as an Agent Communication Language ). 1

2 Comunicação entre Agentes Também: W. Brenner, R. Zarnekow and H. Wittig, Intelligent Software Agents: Foundations and Applications, Springer-Verlag, 1988 Jennings, N. R. - Cooperation in industrial multi-agents systems, World Scientific, Russel. S. e Norvig, P. - Artificial Intelligence: a Modern Approach, Prentice Hall,

3 1. Introdução à IA Distribuída 3

4 Cenário 1 O sistema central de controlo de tráfego aéreo em Megalopolis entrou hoje em colapso em resultado das condições meteorológicas que se têm vindo a verificar nos últimos dias. Felizmente, os sistemas similares dos aeroportos vizinhos depois de entrarem em negociações conseguiram assumir o controlo dos vôos de e para Megalopolis, evitando potenciais acidentes aéreos na região. 4

5 Cenário 2 Após ter feito logging no computador, o Assistente Pessoal Inteligente (API) apresenta ao utilizador uma lista de novos artigos disponíveis na INTERNET. O API chama a atenção em particular para um artigo descrevendo um trabalho novo sobre um assunto relacionado com aquele sobre o qual o utilizador vem investigando. Depois de ter estado em contacto com outros APIs, este obteve um relatório técnico por FTP descrevendo esse novo trabalho em antecipação do seu interesse para o utilizador. 5

6 Cenário 3 Está a editar um ficheiro quando é interrompido pelo seu API pedindo atenção para uma mensagem de que chegou notificando-o sobre a aceitação de um artigo que enviou para uma importante conferência e que o API correctamente previu que queria ler logo que possível. Como o artigo foi aceite, o API tomou entretanto a iniciativa, sem o questionar, de tratar dos preparativos para a deslocação à conferência. Consultou um conjunto de bases de dados, bem como outras fontes de informação em rede. Passado um curto espaço de tempo é-lhe apresentado um sumário das opções de viagem com uma melhor relação qualidade preço. 6

7 Algumas Características dos Agentes Autonomia O agente actua sem intervenção directa do ser humano ou de outras entidades e tem um determinado grau de controlo sobre as suas acções e estados internos. Capacidade Social O agente interactua com outros agentes (e possivelmente com humanos) através de uma linguagem de comunicação entre agentes. 7

8 Algumas Características dos Agentes (cont cont.) Reactividade O agente percepciona o mundo em que actua (ex.: mundo físico; conjunto de outros agentes; a INTERNET ) e responde em tempo útil a modificações nesse mundo. Pro-actividade O agente não reage simplesmente em resposta ao seu mundo, mas exibe também capacidade de actuar em função de objectivos, tomando a iniciativa. 8

9 Cenário 1 O sistema central de controlo de tráfego aéreo em Megalopolis entrou hoje em colapso em resultado das condições meteorológicas que se têm vindo a verificar nos últimos dias. Felizmente, os sistemas similares dos aeroportos vizinhos depois de entrarem em negociações conseguiram assumir o controlo dos vôos de e para Megalopolis, evitando potenciais acidentes aéreos na região. Agente Reactivo reconhece o perigo Agente Social colabora com outros agentes Agente Pro-activo no sentido de resolver o problema Agente Autónomo sem a intervenção de seres humanos 9

10 Cenário 2 Após ter feito logging no computador, o Assistente Pessoal Inteligente (API) apresenta ao utilizador uma lista de novos artigos disponíveis na INTERNET. O API chama a atenção em particular para um artigo descrevendo um trabalho novo Reactivo sobre um assunto relacionado com aquele sobre o qual o utilizador vem investigando. O agente reconhece a importância de um artigo Depois de ter estado em contacto com outros APIs, Autónomo este obteve um relatório técnico por FTP descrevendo esse novo trabalho sem questionar o utilizador em antecipação do seu interesse para o utilizador. Pro-activo toma a decisão de procurar obter um relatóriosobre o trabalho descrito no artigo Social a partir de outros agentes 10

11 Cenário 3 Agente Reactivo colabora com outros agentes Está a editar um ficheiro quando é interrompido pelo seu API pedindo atenção Agente Pro-activo para uma mensagem de que chegou notificando-o sobre a aceitação no sentido de resolver o de um artigo que enviou para uma importante conferência problema e que o API correctamente previu que queria ler logo que possível. Agente Autónomo Como o artigo foi aceite, o API tomou entretanto a iniciativa, sem sem a o intervenção questionar, de seres de tratar dos preparativos para a deslocação à conferência. humanos Consultou um conjunto de bases de dados, bem como outras fontes de informação em rede. Passado um curto espaço de tempo é-lhe apresentado um sumário das opções de viagem com uma melhor relação qualidade preço. O agente reconhece situação importante Agente Social 11

12 Porquê pretender distribuir a inteligência? Os problemas estão fisicamente distribuidos. Ex.: redes de telecomunicações; redes de energia, redes de controlo de tráfego. Os problemas são funcionalmente distribuidos e heterogéneos Ex.: a concepção de um automóvel envolve competências distribuidas por vários especialistas - motorização; estrutura do chassis; comportamento dinâmico; etc As redes impõem uma visão distribuída. Ex.: INTERNET; mobilidade informática; sistemas abertos 13

13 Porquê pretender distribuir a inteligência? A complexidade dos problemas impõe visão local Ex.: regulação do tráfego aéreo Os sistemas devem poder adaptar-se às alterações estruturais e ambientais Ex.: alterações no sistema de operação; rede; organização de informação A concepção de programas caminha no sentido da construção de unidades de sw autónomas e interactuantes Ex: programação orientada por objectos -> orientada por agentes 14

14 Categorias de Agentes Inteligentes Agentes Inteligentes Agentes humanos (ex.: agente de seguros) Agentes de Hardware (ex.: robots) Agentes de Software Agentes de Informação Agentes de Cooperação Agentes de Transacção 15

15 Características dos Agentes Inteligentes 16

16 Uma Classificação Núm. de Agentes de Agentes Sistema multiagente Agente isolado estacionário Grau de Inteligência simples complexo móvel Mobilidade 17

17 Agente de Informação Núm. de Agentes Sistema multiagente Agente isolado estacionário Grau de Inteligência simples complexo móvel Mobilidade 18

18 Agente de Cooperação Núm. de Agentes Sistema multiagente Agente isolado estacionário Grau de Inteligência simples complexo móvel Mobilidade 19

19 Agente de Transacção Núm. de Agentes Sistema multiagente Agente isolado estacionário Grau de Inteligência simples complexo móvel Mobilidade 20

20 Sub-Áreas da IAD IA Distribuída IA Paralela Resolução de Problemas Distribuída Sistemas Multi-Agente 22

Modelagem de ferramentas focadas em ontologias para a EaD baseadas em teorias sociais e agentes inteligentes

Modelagem de ferramentas focadas em ontologias para a EaD baseadas em teorias sociais e agentes inteligentes Modelagem de ferramentas focadas em ontologias para a EaD baseadas em teorias sociais e agentes inteligentes Ylana Kipuna dos Santos Figueiredo Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial Agentes Inteligentes Agenda O que é um Agente Como Definir Agentes Arquitectura dos Agentes 1 O que é um agente Em geral um agente é qualquer entidade que: Percebe seu ambiente

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS E PARALELOS 2014/2015 1º SEMESTRE

SISTEMAS DISTRIBUIDOS E PARALELOS 2014/2015 1º SEMESTRE SISTEMAS DISTRIBUIDOS E PARALELOS 2014/2015 1º SEMESTRE Objectivos da Disciplina Desenvolver competências técnicas e científicas na área dos sistemas distribuídos e paralelos. Compreender o conceito de

Leia mais

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS)

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS) AORML uma linguagem para modelagem de uma aplicação Multiagentes: Uma Aplicação no Sistema Expertcop. Hebert de Aquino Nery, Daniel Gonçalves de Oliveira e Vasco Furtado. Universidade de Fortaleza UNIFOR

Leia mais

Frederico Miguel Santos

Frederico Miguel Santos Frederico Miguel Santos DEE ISEC DETI/IEETA - UA Sumário 1. RoboCup 1. descrição / objectivos 2. MSL - futebol,,porquê? 2. CAMBADA 1. descrição / objectivos 2. evolução 3. hardware 4. software: coordenação

Leia mais

Integração da Informação e do Conhecimento no Contexto da Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos no Brasil

Integração da Informação e do Conhecimento no Contexto da Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos no Brasil Integração da Informação e do Conhecimento no Contexto da Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos no Brasil Ivan Guilherme 1, Jonas Queiroz 1, Caio Marques 2 1 Universidade Estadual Paulista, IGCE, DEMAC, Caixa

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Como Melhorar a Tomada de Decisão e a Gestão do Conhecimento Capítulo

Leia mais

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web João Alexandre Oliveira Ferreira Dissertação realizada sob a orientação do Professor Doutor Mário de Sousa do Departamento de Engenharia

Leia mais

Sistema de Recomendação Baseado na Arquitetura Multiagente

Sistema de Recomendação Baseado na Arquitetura Multiagente Sistema de Recomendação Baseado na Arquitetura Multiagente Paulo Burin 1 Orientadora: Fabiana Lorenzi 2 Resumo. Este artigo propõe a construção de uma ferramenta de software baseada na arquitetura multiagente

Leia mais

Sistemas Multi-Agentes Inteligentes & Personalização da Informação

Sistemas Multi-Agentes Inteligentes & Personalização da Informação Sistemas Multi-Agentes Inteligentes & Personalização da Informação Prof. Dr. Marcio Lobo Netto Engenharia de Sistemas Eletrônicos Escola Politécnica da USP lobonett@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~lobonett

Leia mais

Departamento de Engenharia Informática DISTRIBUTED PROBLEM SOLVING

Departamento de Engenharia Informática DISTRIBUTED PROBLEM SOLVING Departamento de Engenharia Informática DISTRIBUTED PROBLEM SOLVING 1000833 Henrique de Meireles Morais Maio de 2008 Disciplina: Sistemas Baseados em Agentes Professor: António Pinto de Sousa e Silva Mestrado

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais. Sistemas Operacionais. Aula 23. Sistemas Operacionais Distribuídos

Universidade Federal de Minas Gerais. Sistemas Operacionais. Aula 23. Sistemas Operacionais Distribuídos Aula 23 Distribuídos SOs de Rede Em sistemas operacionais de rede você sabe quando é local e quando é remoto. Assim, o trabalho não muda, com exceção de comandos para acesso remoto: - telnet - ftp - etc.

Leia mais

Centralizado Distribuído

Centralizado Distribuído Universidade Federal de Alagoas Curso de Ciência da Computação O Ambiente Jade: uma introdução ao framework de desenvolvimento para sistemas multiagentes Inteligência Artificial Prof. Rômulo Nunes Motivação

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DISTRIBUIDOS Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DISTRIBUIDOS Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DISTRIBUIDOS Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Informática 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Pedro Beça 1, Miguel Oliveira 1 e A. Manuel de Oliveira Duarte 2 1 Escola Aveiro Norte, Universidade de Aveiro 2 Escola Aveiro Norte, Departamento

Leia mais

Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura

Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura White Paper #6 Revisão 2 Resumo Nesta comunicação é descrito um método melhorado para medir o Custo Total de Exploração (TCO) da infraestrutura

Leia mais

Instituto Politécnico de Tomar. Manual da Área de Secretariados

Instituto Politécnico de Tomar. Manual da Área de Secretariados Instituto Politécnico de Tomar Manual da Área de Secretariados Última actualização: 13 de Outubro de 2004 Índice Como aceder a Área de Secretariados...2 O que posso efectuar na Área de Secretariado (Acções)...4

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação: Internet

Tecnologias da Informação e Comunicação: Internet Tecnologias da Informação e Comunicação UNIDADE 3 Tecnologias da Informação e Comunicação: Internet Aula nº 2º Período Escola EB 2,3 de Taíde Ano lectivo 2009/2010 SUMÁRIO Serviços básicos da internet

Leia mais

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial Aluno: André Faria Ruaro Professores: Jomi F. Hubner e Ricardo J. Rabelo 29/11/2013 1. Introdução e Motivação 2.

Leia mais

5- ROBÓTICA INDUSTRIAL Células Robóticas; Projecto e controlo; Aplicações dos Robôts Industriais; Integração com Máquinas CNC.

5- ROBÓTICA INDUSTRIAL Células Robóticas; Projecto e controlo; Aplicações dos Robôts Industriais; Integração com Máquinas CNC. Grupo de disciplinas: Engenharia da Programação Anual Obrigatória Semestral X Opcional X Regime Diurno Nocturno Horas/semana T Teórica 2 Ano 5º T/P Teórico/Prática Semestre 2º P- Prática 2 Objectivos da

Leia mais

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

Os projectos de Sistemas Cooperativos Comunicação infra-estrutura veículo APCAP - CP3

Os projectos de Sistemas Cooperativos Comunicação infra-estrutura veículo APCAP - CP3 Os projectos de Sistemas Cooperativos Comunicação infra-estrutura veículo APCAP - CP3 APCAP Day, 22 de Outubro 2009 Índice Definição; Objectivos; Benefícios; Projectos em desenvolvimento (3); Definição:

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Informática 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Redes de Comunicação Modelo OSI

Redes de Comunicação Modelo OSI Redes de Comunicação Modelo OSI Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes de Computadores Processos que comunicam em ambiente

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Carlos Ferraz cagf@cin.ufpe.br Tópicos da Aula Apresentação do curso Introdução Definição de sistemas distribuídos Exemplo Vantagens e desvantagens Convergência digital Desafios Visão

Leia mais

S. R. REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA. Plano de Actividades. Ano Económico 2010

S. R. REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA. Plano de Actividades. Ano Económico 2010 Plano de Actividades Ano Económico 2010 I - Nota Introdutória Ao Conselho de Administração da Assembleia Legislativa, incumbe, entre outras atribuições, exercer a gestão orçamental e financeira da Assembleia,

Leia mais

Uma Arquitetura de Controle Distribuída para um Sistema de Visão Computacional Propositada.

Uma Arquitetura de Controle Distribuída para um Sistema de Visão Computacional Propositada. Uma Arquitetura de Controle Distribuída para um Sistema de Visão Computacional Propositada. Reinaldo A. C. Bianchi 1 Anna H. R. C. Rillo 2 1 Divisão de Automação e Inteligência Artificial - Laboratório

Leia mais

Sistemas Distribuídos e Paralelos

Sistemas Distribuídos e Paralelos Sistemas Distribuídos e Paralelos Tolerância a Falhas Ricardo Mendão Silva Universidade Autónoma de Lisboa r.m.silva@ieee.org January 14, 2015 Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos

Leia mais

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço. Segurança da informação nas organizações Gestão de Configuração

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço. Segurança da informação nas organizações Gestão de Configuração Escola Naval Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Segurança da informação nas organizações Gestão de Configuração Fernando Correia Capitão-de-fragata EN-AEL 14 de Dezembro de 2013

Leia mais

O USO INTELIGENTE DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO José A. Valente NIED - UNICAMP

O USO INTELIGENTE DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO José A. Valente NIED - UNICAMP O USO INTELIGENTE DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO José A. Valente NIED - UNICAMP INTRODUÇÃO O que seria a utilização do computador na educação de maneira inteligente? Seria fazer aquilo que o professor faz tradicionalmente

Leia mais

INF 1771 Inteligência Artificial

INF 1771 Inteligência Artificial INF 1771 Inteligência Artificial Aula 02 Agentes Inteligentes Edirlei Soares de Lima Agentes Inteligentes Um agente é algo capaz de perceber seu ambiente por meio de sensores e de

Leia mais

Inteligência Artificial. Agentes Inteligentes

Inteligência Artificial. Agentes Inteligentes Inteligência Artificial Agentes Inteligentes Agentes Um agente é algo capaz de perceber seu ambiente por meio de sensores e de agir sobre esse ambiente por meio de atuadores. em busca de um objetivo Exemplos

Leia mais

Agentes Inteligentes. Inteligência Artificial. Exemplos. Agentes Inteligentes. Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com

Agentes Inteligentes. Inteligência Artificial. Exemplos. Agentes Inteligentes. Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com Agentes Inteligentes Inteligência Artificial Um agente é algo capaz de perceber seu ambiente por meio de sensores e de agir sobre esse ambiente por meio de atuadores. Agente Prof. Ms. Luiz Alberto Contato:

Leia mais

Me. Eng. JOÃO ALVAREZ PEIXOTO. Sistemas Multi-agentes em Java utilizando a plataforma JADE

Me. Eng. JOÃO ALVAREZ PEIXOTO. Sistemas Multi-agentes em Java utilizando a plataforma JADE Me. Eng. JOÃO ALVAREZ PEIXOTO Sistemas Multi-agentes em Java utilizando a plataforma JADE Objetivo: implementar sistemas de manufatura utilizando sistemas multiagentes, a partir da plataforma JADE. Tópicos

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL PROGRAMADOR(A) DE INFORMÁTICA. PERFIL PROFISSIONAL Programador/a de Informática Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL PROGRAMADOR(A) DE INFORMÁTICA. PERFIL PROFISSIONAL Programador/a de Informática Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL PROGRAMADOR(A) DE INFORMÁTICA PERFIL PROFISSIONAL Programador/a de Informática Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDA(S) PROFISSIONAL(IS)

Leia mais

Camadas de Software - o Middleware. Sistemas Distribuídos Capítulo 2: Modelos e Arquitecturas. Aplicações. Middleware.

Camadas de Software - o Middleware. Sistemas Distribuídos Capítulo 2: Modelos e Arquitecturas. Aplicações. Middleware. Camadas de Software - o Middleware Sistemas Distribuídos Capítulo 2: Modelos e Arquitecturas Modelos de Arquitecturas para sistemas distribuidos Interfaces e Objectos Requerimentos para Arquitecturas Distribuídas

Leia mais

Manual CallCenter para a IPBrick

Manual CallCenter para a IPBrick Manual CallCenter para a IPBrick iportalmais 1 de Outubro de 2010 1 1 Introdução As empresas usam call centers como forma de interagir e de construir relações com os seus clientes. Consciente da importância

Leia mais

Planificação Anual da disciplina de TIC 9ºANO

Planificação Anual da disciplina de TIC 9ºANO Planificação Anual da disciplina de TIC 9ºANO Conteúdos/Temas Competências Avaliação 1.1. Conceitos Introdutórios - Conhecer os conceitos básicos: Informação Informática Tecnologias da Informação e - Conhecer

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão. Vocabulário e conceitos Vista geral

Sistemas de Apoio à Decisão. Vocabulário e conceitos Vista geral Sistemas de Apoio à Decisão Vocabulário e conceitos Vista geral Decisão A escolha de uma entre várias alternativas Processo de tomada de decisão (decision making) Avaliar o problema Recolher e verificar

Leia mais

Agentes - Definição. Inteligência Artificial. Agentes Inteligentes

Agentes - Definição. Inteligência Artificial. Agentes Inteligentes Inteligência Artificial s Inteligentes s - Definição : entidade capaz de perceber e agir em um ambiente, comunicar-se com outros agentes, motivada por um conjunto de inclinações, que pode dispor de representação

Leia mais

A experiência do TECPAR

A experiência do TECPAR Inteligência Artificial em aplicações industriais A experiência do TECPAR Dr. Eng. Milton Pires Ramos Centro de Engenharia de Sistemas Inteligentes Empresa pública vinculada à Secretaria de Estado da Ciência,

Leia mais

Departamento de Ciências e Tecnologias

Departamento de Ciências e Tecnologias Futuro Departamento de Ciências e Tecnologias Licenciatura em Engenharia Informática Missão Dotar os alunos de uma sólida formação teórica e experimental que garanta aos futuros licenciados a capacidade

Leia mais

Introdução. Aulas. ltodi.est.ips.pt/es. Detalhes administrativos Definição de engenharia de software Contexto Relação com outras áreas e disciplinas

Introdução. Aulas. ltodi.est.ips.pt/es. Detalhes administrativos Definição de engenharia de software Contexto Relação com outras áreas e disciplinas Sumário Introdução Joaquim Filipe João Ascenso Engenharia de Software 2005/06 EST, Setúbal Detalhes administrativos Definição de engenharia de software Contexto Relação com outras áreas e disciplinas 2

Leia mais

Sistemas Cooperativos. Professor Alan Alves Oliveira

Sistemas Cooperativos. Professor Alan Alves Oliveira Sistemas Cooperativos Professor Alan Alves Oliveira 1. Sistemas de Informação e Sistemas Cooperativos 2 Sistemas de Informação 3 Sistemas de Informação Sistemas ampamente utilizados em organizações para

Leia mais

Barómetro Anual Travelstore American Express 2013 Um estudo cujas respostas das empresas que participaram gerou uma doação à

Barómetro Anual Travelstore American Express 2013 Um estudo cujas respostas das empresas que participaram gerou uma doação à Barómetro Anual Travelstore American Express 2013 Um estudo cujas respostas das empresas que participaram gerou uma doação à Índice Amostra: Empresas organizadas por número de empregados 1. Amostra 2.

Leia mais

Introdução ao projecto Gaia Global

Introdução ao projecto Gaia Global Introdução ao projecto Gaia Global Autarquia de Vila Nova de Gaia Luís BorgesGouveia A sociedade da informação A Sociedade da Informação é uma sociedade que predominantemente utiliza o recurso às tecnologias

Leia mais

Uma Experiência com Agentes Inteligentes e Jogos de Cartas

Uma Experiência com Agentes Inteligentes e Jogos de Cartas 1 Uma Experiência com Agentes Inteligentes e Jogos de Cartas Anita Maria da R. Fernandes Daniel de Oliveira Helton Machado Kraus Universidade do Vale do Itajaí Universidade do Vale do Itajaí Universidade

Leia mais

F I C H A D A D I S C I P L I N A

F I C H A D A D I S C I P L I N A Pós-Graduações MBA Master em Gestão F I C H A D A D I S C I P L I N A I D E N T I F I C A Ç Ã O D A D I S C I P L I N A Curso: Disciplina: Docente: e-mail: MBA - Master em Gestão Sistemas de Informação

Leia mais

Agentes Reativos no Ambiente Virtual de Ensino Inteligente utilizando Java 3D

Agentes Reativos no Ambiente Virtual de Ensino Inteligente utilizando Java 3D Agentes Reativos no Ambiente Virtual de Ensino Inteligente utilizando Java 3D Maria Augusta S. N. Nunes 1, Leandro L. Dihl 2, Lisiane Oliveira, Cristiane R. Woszezenki, Luciane Fraga, Deise J. Francisco,

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial Licenciatura em Computação Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com Agentes Inteligentes Um agente é algo capaz de perceber seu ambiente por

Leia mais

Guia rápido do utilizador

Guia rápido do utilizador Guia rápido do utilizador Índice Relatório de roubo 3 Criar um novo relatório de roubo 4 Fornecer detalhes do relatório de roubo Secção 1. Especificar o computador 5 Fornecer detalhes do relatório de roubo

Leia mais

Barómetro Anual Travelstore American Express 2012 Um estudo cujas respostas das empresas que participaram gerou uma doação à

Barómetro Anual Travelstore American Express 2012 Um estudo cujas respostas das empresas que participaram gerou uma doação à Barómetro Anual Travelstore American Express 2012 Um estudo cujas respostas das empresas que participaram gerou uma doação à 1. Amostra 2. Caracterização das viagens profissionais 3. Política de viagens

Leia mais

Id: 39063 (34 years)

Id: 39063 (34 years) Ver foto Id: 39063 (34 years) DADOS PESSOAIS: Gênero: Masculino Data de nascimento: 12/12/1980 País: Other Country, Região:, Cidade: Portugal Ver CV completo Grave o CV TRABALHO DESEJADO: Objectivo: Conseguir

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ENGENHARIA DE SOFTWARE Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ENGENHARIA DE SOFTWARE Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular ENGENHARIA DE SOFTWARE Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Informática 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Exemplos de SD Quais podem ser? Ex. de SD: Internet Internet é um conjunto de redes de computadores, de muitos tipos diferentes,

Leia mais

Termos de Uso. Acesso ao site

Termos de Uso. Acesso ao site Termos de Uso Estes termos de serviço regulam o uso deste site. Ao acessá-lo você concorda com estes termos. Por favor, consulte regularmente os nossos termos de serviço. Acesso ao site Para acessar o

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE MARKETING. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Marketing Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE MARKETING. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Marketing Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE MARKETING PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Marketing Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE - COMÉRCIO OBJECTIVO GLOBAL - Colaborar na definição

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos

Tipos de Sistemas Distribuídos (Sistemas de Informação Distribuída e Pervasivos) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Sistemas Operativos Escolas Proponentes / Autores

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operativos

Introdução aos Sistemas Operativos Introdução aos Sistemas Operativos Operating System Concepts, Abraham Silberschatz, Peter Baer Galvin, 6ª Ed., Addison-Wesley, 2002 [cap.1, 2 e 3] Operating Systems, Third Edition Harvey M. Deitel, Prentice

Leia mais

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF GESTÃO Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) Informação e Decisões Gerir envolve tomar muitas e frequentes decisões Para decidir com eficácia

Leia mais

Coordinators. Agenda. Definição. Definição Exemplos Artefatos Funcionalidades. Modelo de Coordenação

Coordinators. Agenda. Definição. Definição Exemplos Artefatos Funcionalidades. Modelo de Coordenação Agenda Coordinators Cleidson R. B. Souza cdesouza@ufpa.br Dep. Informática Universidade Federal do Pará Definição Exemplos Artefatos Funcionalidades Execução Modelagem Definição Em alguns casos a cooperação

Leia mais

Francisca Raquel de Vasconcelos Silveira Gustavo Augusto Lima de Campos Mariela Inés Cortés

Francisca Raquel de Vasconcelos Silveira Gustavo Augusto Lima de Campos Mariela Inés Cortés Francisca Raquel de Vasconcelos Silveira Gustavo Augusto Lima de Campos Mariela Inés Cortés Introdução Trabalhos Relacionados Abordagem Proposta Considerações Finais Conclusão Trabalhos Futuros 2 Agentes

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

Capítulo I Introdução aos Sistemas Distribuídos

Capítulo I Introdução aos Sistemas Distribuídos Capítulo I Introdução aos Sistemas Distribuídos From: Wolfgang Emmerich Engineering Distributed Objects John Wiley & Sons, Ltd 2000 From: Coulouris, Dollimore and Kindberg Distributed Systems: Concepts

Leia mais

Threads. 8 de janeiro de 2015

Threads. 8 de janeiro de 2015 1 / 24 Erick Nilsen Pereira de Souza T002 - Sistemas Operacionais e Org. Computadores Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 8 de janeiro de 2015 2 / 24 Agenda Tópicos

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação: Internet

Tecnologias da Informação e Comunicação: Internet Tecnologias da Informação e Comunicação UNIDADE 3 Tecnologias da Informação e Comunicação: Internet Aula nº 2º Período Escola EB 2,3 de Taíde Ano lectivo 2009/2010 SUMÁRIO Introdução à Internet: história

Leia mais

Capítulo II Modelos de Programação Distribuída (parte 2)

Capítulo II Modelos de Programação Distribuída (parte 2) Capítulo II Modelos de Programação Distribuída (parte 2) From: Coulouris, Dollimore and Kindberg Distributed Systems: Concepts and Design Edition 3, Addison-Wesley From: Cardoso, Jorge, Programação de

Leia mais

Modelagem do Aprendizado de Grupos de Alunos em Ambientes Colaborativos Utilizando Data Mining

Modelagem do Aprendizado de Grupos de Alunos em Ambientes Colaborativos Utilizando Data Mining Modelagem do Aprendizado de Grupos de Alunos em Ambientes Colaborativos Utilizando Data Mining Thereza Patrícia Pereira Padilha 1,2, Leandro Maciel Almeida 1, João Bosco da Mota Alves 2 1 Centro Universitário

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Trabalho elaborado por: 980368 - Sérgio Gonçalves Lima 1010949 - Nisha Sudhirkumar Chaganlal Clusters O que é

Leia mais

A Cidade Cognitiva. Antonio Pires Santos 1

A Cidade Cognitiva. Antonio Pires Santos 1 A Cidade Cognitiva Antonio Pires Santos 1 1 Vivemos num planeta mais inteligente INSTRUMENTADO INTERCONECTADO INTELIGENTE Sensores e outros instrumentos digitais estão a ser incorporados em cada objeto,

Leia mais

Uma plataforma estratégica

Uma plataforma estratégica Publicado: Fevereiro 2007 Autor: Rui Loureiro Sénior Partner Implementar o Help Desk Quando simplesmente pensamos em implementar um Help Desk, isso pode significar uma solução fácil de realizar ou algo

Leia mais

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1 Copyright 2012 Efacec Todos os direitos reservados. Não é permitida qualquer cópia, reprodução, transmissão ou utilização deste documento sem a prévia autorização escrita da Efacec Sistemas de Gestão S.A.

Leia mais

Sistemas Colaborativos Fundamentos e Aplicações

Sistemas Colaborativos Fundamentos e Aplicações Laboratório de Engenharia de Software Departamento de Sistemas de Computação Universidade de São Paulo Sistemas Colaborativos Fundamentos e Aplicações Seiji Isotani sisotani@icmc.usp.br Contextualização

Leia mais

Placa de rede local sem fios Nokia C110/C111. Manual de Instalação

Placa de rede local sem fios Nokia C110/C111. Manual de Instalação Placa de rede local sem fios Nokia C110/C111 Manual de Instalação DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE A NOKIA MOBILE PHONES Ltd declara ser a única responsável pela conformidade dos produtos DTN-10 e DTN-11 com

Leia mais

Capítulo. Sistemas empresariais

Capítulo. Sistemas empresariais Capítulo 8 1 Sistemas empresariais 2 Objectivos de aprendizagem Identificar e exemplificar os seguintes aspectos da gestão do relacionamento com os clientes, da gestão de recursos empresariais e dos sistemas

Leia mais

AGENTES INTELIGENTES. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

AGENTES INTELIGENTES. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com AGENTES INTELIGENTES Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Agentes Inteligentes Um agente é tudo o que pode ser considerado capaz de perceber seu ambiente por meio de sensores e de agir sobre

Leia mais

UNIDADE 1 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

UNIDADE 1 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Ensino Regular Diurno Disciplina: T.I.C. Professores: Paula Dias Curso: AC/EC1 Ano: 9.º Turma(s): 2 Diagnosticar o estádio de desenvolvimento das competências em TIC dos alunos. Conhecer os conceitos básicos

Leia mais

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVIII Plano de Emergência um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a

Leia mais

A solução ideal para a empresa do futuro, que necessita de comunicar de modo eficaz com os seus colaboradores.

A solução ideal para a empresa do futuro, que necessita de comunicar de modo eficaz com os seus colaboradores. Descritivo completo dintranet 3 A solução ideal para a empresa do futuro, que necessita de comunicar de modo eficaz com os seus colaboradores. Benefícios Aumento da produtividade dos colaboradores da empresa;

Leia mais

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Planeamento de Campanha de E-Marketing Cada variável, a nível de marketing tem normas próprias, em função dos meios de comunicação através dos quais se veiculam

Leia mais

Manual do Solicitante Sistema de abertura de chamados Versão 1.2 Cloud

Manual do Solicitante Sistema de abertura de chamados Versão 1.2 Cloud Manual do Solicitante Sistema de abertura de chamados Versão 1.2 Cloud Sumário Apresentação 4 1. Abertura de um processo 5 2. Abertura de chamados 9 3. Acompanhamento do Processo 14 3.1. Recebimento de

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Aula 01 Introdução Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, julho de 2013 Roteiro PARTE I Apresentação da Disciplina Apresentação do Professor Metodologia

Leia mais

IN0997 - Redes Neurais

IN0997 - Redes Neurais IN0997 - Redes Neurais Aluizio Fausto Ribeiro Araújo Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática - CIn Departamento de Sistemas da Computação aluizioa@cin.ufpe.br Conteúdo Objetivos Ementa

Leia mais

3 Trabalhos Relacionados

3 Trabalhos Relacionados 35 3 Trabalhos Relacionados Alguns trabalhos se relacionam com o aqui proposto sob duas visões, uma sobre a visão de implementação e arquitetura, com a utilização de informações de contexto em SMA, outra

Leia mais

Instituto Superior Politécnico Gaya Escola Superior de Ciência e Tecnologia

Instituto Superior Politécnico Gaya Escola Superior de Ciência e Tecnologia Instituto Superior Politécnico Gaya Escola Superior de Ciência e Tecnologia Engenharia Informática Redes e Computadores 2006/2007 Levantamento e Inventariação de Rede Privada Rafael Esteves Alves Forno

Leia mais

O Manual do ssc. Peter H. Grasch

O Manual do ssc. Peter H. Grasch Peter H. Grasch 2 Conteúdo 1 Introdução 6 2 Usar o ssc 7 2.1 Gerir os utilizadores.................................... 7 2.1.1 Adicionar um utilizador.............................. 8 2.1.1.1 Associar-se

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

5.7.6 Internet/Intranet 176 5.7.7 Gestão logística 177 CAPÍTULO 6. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE WORKFLOW 181 6.1 Métodos de Desenvolvimento 181

5.7.6 Internet/Intranet 176 5.7.7 Gestão logística 177 CAPÍTULO 6. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE WORKFLOW 181 6.1 Métodos de Desenvolvimento 181 SUMÁRIO SUMÁRIO PREFÁCIO AGRADECIMENTOS VII XI XIII INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1. ORGANIZAR WORKFLOWS 1 1.1 Ontologia da gestão de workflows 1.2 Trabalho 1 1 1.3 Processos de Negócio 3 1.4 Distribuir e Aceitar

Leia mais

[Documentação de Utilização Correio Electrónico dos Estudantes da ESTG]

[Documentação de Utilização Correio Electrónico dos Estudantes da ESTG] [Documentação de Utilização Correio Electrónico dos Estudantes da ESTG] Unidade De Administração de Sistemas Serviços Informáticos Instituto Politécnico de Leiria 10-07-2009 Controlo do Documento Autor

Leia mais

1.1 Considerações Iniciais e Motivações. Separação física entre professor e aluno, que a distingue do ensino presencial;

1.1 Considerações Iniciais e Motivações. Separação física entre professor e aluno, que a distingue do ensino presencial; 1 Capítulo 1 Introdução 1.1 Considerações Iniciais e Motivações A educação a distância é uma área de pesquisa e desenvolvimento em franca expansão. Os benefícios deste tipo de educação incluem independência

Leia mais

Sistemas Distribuídos (DCC/UFRJ)

Sistemas Distribuídos (DCC/UFRJ) Sistemas Distribuídos (DCC/UFRJ) Aula 1: 4 de abril de 2016 1 Conceitos básicos sobre sistemas distribuídos 2 Computação distribuída Computação distribuída A computação distribuída envolve o projeto, implementação

Leia mais

7 Referências Aspectos Ambientais dos Escorregamentos em Áreas Urbanas. Regulative and Constitutive Norms in Normative Multiagent Systems

7 Referências Aspectos Ambientais dos Escorregamentos em Áreas Urbanas. Regulative and Constitutive Norms in Normative Multiagent Systems 7 Referências AMARAL, C.; FEIJO, R. Aspectos Ambientais dos Escorregamentos em Áreas Urbanas. Reflexões sobre a Geografia Física no Brasil. [S.l.], p. 193-224. 2004. BOELLA, G.; TORRE, L. V. D. Regulative

Leia mais

I Seminário dos Grupos de Pesquisa da UNISC Ficha de Inscrição do Grupo de Pesquisa. Nome do Grupo: GPSEM Grupo de Projeto de Sistemas Embarcados e

I Seminário dos Grupos de Pesquisa da UNISC Ficha de Inscrição do Grupo de Pesquisa. Nome do Grupo: GPSEM Grupo de Projeto de Sistemas Embarcados e I Seminário dos Grupos de Pesquisa da UNISC Ficha de Inscrição do Grupo de Pesquisa Nome do Grupo: GPSEM Grupo de Projeto de Sistemas Embarcados e Microeletrônica Área: Sistemas de Computação Nome do Líder:

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso de Educação e Formação Tipo 3 Nível 2

PLANIFICAÇÃO ANUAL ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso de Educação e Formação Tipo 3 Nível 2 PLANIFICAÇÃO ANUAL ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso de Educação e Formação Tipo 3 Nível 2 Itinerário de Formação: 34101.Práticas Técnico-Comerciais Saída Profissional: Empregado/a Comercial Componente de

Leia mais

Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano

Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano Device Drivers em Linux - Introdução António Joaquim Esteves www.di.uminho.pt/~aje Bibliografia: capítulo 1, LDD 3ed, O Reilly DEP. DE INFORMÁTICA ESCOLA

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Nuno Preguiça (nuno.preguica_at_di.fct.unl.pt) http://asc.di.fct.unl.pt/sd1 Material de suporte às aulas de Sistemas Distribuídos de Nuno Preguiça Copyright DI FCT/ UNL / 1 OBJECTIVOS

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Dynamic Host Configuration Protocol DHCP Rui Prior 2006/07 (adap. Pedro Brandão) 1 Objectivo Configuração automática de endereço (e outros parâmetros de rede) de uma máquina. Sucessor

Leia mais

Sumário: Segurança da Informação Segurança nos Sistemas operativos M Ó D U L O 1

Sumário: Segurança da Informação Segurança nos Sistemas operativos M Ó D U L O 1 Escola Secundária Alberto Sampaio 2012/2013 Sumário: Segurança da Informação Segurança nos Sistemas operativos 2 Gestão de I/O Categorias Controladores Memória Secundária Interface Homem-Máquina Drivers

Leia mais