Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 4)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 4)"

Transcrição

1 1 Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 4) Helio Marcos Fernandes Viana Conteúdo da aula prática Exercícios relacionados à determinação da profundidade de sondagem e aos procedimentos da sondagem SPT (Standard Penetration Test).

2 2 1. o ) Em planta, um edifício a ser construído possui 5 (cinco) pavimentos, de 2 (dois) apartamentos, de 4 (quatro) quartos, por andar, e também possui as seguintes dimensões em planta: B (largura ou menor dimensão do edifício) possuindo 19 m, e L (comprimento ou maior dimensão do edifício) possuindo 20,4 m. Estudos prévios indicam que o futuro edifício descarregará no solo através das suas 36 sapatas um carga de 858 t ( kgf). A extensão total da maior fileira de fundações rasas (sapatas), consideradas próximas, e pertencentes ao futuro edifício é mostrada na Figura 1.1. Diante do exposto, pede-se calcular a profundidade mínima de sondagem pelo método da NBR 8036 (1983), pelo método de Tomlinson (1976) e pelo método de Sowers e Sowers (1970). OBS (s). a) A Figura 1.2 mostra o ábaco que auxilia na determinação da profundidade mínima de sondagem pelo método da NBR 8036 (1983); b) M = 0,1 (coeficiente relacionado ao acréscimo de tensão geostática efetiva); c) Para resolução do exercício com uso do ábaco, estimando-se a favor da segurança, adote o peso específico médio para os solos ao longo da profundidade do terreno, onde será construído o futuro edifício igual a 0,30 t/m 3. Tal consideração pode ser feita; pois de acordo com Bueno e Vilar (1980), o peso específico solo ( ) varia entre os seguintes limites: 1,00 t/m 3 < < 2,5 t/m 3 ; d) Aproximar o valor obtido nos cálculos da profundidade mínima de sondagem para o número inteiro imediatamente superior; e e) t = tonelada; 1 t = kgf = 10 kn. Figura Esquema da extensão total da maior fileira de fundações rasas (sapatas), consideradas próximas, e pertencentes ao edifício que será construído

3 3 Figura Ábaco que auxilia na determinação da profundidade mínima de sondagem pelo método da NBR 8036 (1983) Resposta: i) Cálculo da profundidade mínima a ser atingida na sondagem pelo método da NBR 8036 (1983) a) Determinação da tensão média aplicada pelo edifício no terreno de fundação (q) P P q 2,214 t /m (1.1) A B.L 19.20,4 q = tensão média aplicada pelo edifício no terreno de fundação (t/m 2 ); P = peso do edifício (t); A = B.L = área do edifício em planta (m 2 ); B = largura do edifício em planta (m) = menor dimensão do retângulo que circunscreve a planta do edifício (m); e L = comprimento do edifício em planta (m) = maior dimensão do retângulo que circunscreve o edifício em planta (m).

4 4 b) Determinação dos parâmetros para utilização do ábaco da NBR 8036 q.m.b 2,214 0,30.0,1.19 3,88 (1.2) q = tensão média aplicada pelo edifício no terreno de fundação (t/m 2 ); B = largura do edifício em planta (m) = menor dimensão do retângulo que circunscreve a planta do edifício (m); = 0,30 t/m 3 = peso específico médio estimado para os solos ao longo da profundidade do terreno, onde será construído o futuro edifício (t/m 3 ); e M = 0,1 = coeficiente relacionado ao acréscimo de tensão geostática efetiva. L B 20,4 1,08 (1.3) 19 B = largura do edifício em planta (m) = menor dimensão do retângulo que circunscreve a planta do edifício (m); e L = comprimento do edifício em planta (m) = maior dimensão do retângulo que circunscreve o edifício em planta (m). c) Determinação da profundidade mínima de sondagem com base no ábaco da Figura 1.2 da NBR 8036 (1983) Com base nos parâmetros calculados no item b, anterior, entra-se no ábaco da NBR 8036 (1986) da Figura 1.2, e define-se o seguinte valor: D 1,30 (1.4) B D = profundidade mínima a ser atingida com a sondagem (m), e B = largura do edifício em planta (m) = menor dimensão do retângulo que circunscreve a planta do edifício (m). Então, a profundidade mínima de sondagem pelo método da NBR 8036 (1983) será: D 1,3.B 1, ,7 25 m OBS. O Ábaco, da Figura 1.2, foi retirado da apostila de Bueno e Vilar (1980) e corresponde ao ábaco da NBR 8036 (1983), pode-se verificar na escala logaritma do ábaco, que no eixo das abscissas, ou seja, no eixo D/B, existe uma marca a mais na escala, nos seguintes trechos: de 0,1 até 0,5; de 1 até 5; e de 10 até 50. Diante disso, quando se utilizar este ábaco, recomenda-se considerar esta marca, que está a mais na escala, de modo conservador, ou seja, a favor da segurança, de modo que a profundidade mínima de sondagem calculada seja para mais e não para menos.

5 5 ii) Cálculo da profundidade mínima a ser atingida na sondagem pelo método Tomlinson (1976) Pelo método de Tomlinson (1976) quando se têm uma fileira de fundações rasas, próximas uma das outras, o valor da profundidade mínima de sondagem será: D = 1,5.Bx (1.5) D = profundidade mínima a ser atingida com a sondagem (m), e Bx = extensão total da maior fileira de fundações rasas do edifício (m). Então com base na Figura 1.1, tem-se a profundidade mínima de sondagem pelo método de Tomlinson (1976) será: D = 1,5.Bx = 1,5.22,4 = 33,6 34 m iii) Cálculo da profundidade mínima a ser atingida na sondagem pelo método Sowers e Sowers (1970) De acordo com Sowers e Sowers (1970), as sondagens devem abranger desde materiais de fundações inadequados até as camadas de solos firmes. Para eles a profundidade de sondagem é dada pela seguinte equação: D = profundidade de sondagem (m); e S = número de pavimentos do edifício. (1.6) OBS. É razoável admitir que o pé-direito de um pavimento de um edifício varie de 2,00 m a 4,00 m. Então, Tem-se a profundidade mínima de sondagem pelo método de Sowers e Sowers (1970) será: D = 6. (5) 0,7 6.3,1 18,6 19 m OBS(s). Considerações finais acerca do exercício 1: a) Em edifícios usuais, com carregamentos nas lajes maiores ou iguais a 150 kgf/m 2, e com o número de pavimentos maior ou igual a 3 (três), as cargas nas fundações rasas do edifício já são significativas, e talvez sejam necessárias fundações profundas; Assim sendo, para tais edifícios, se não for encontrada uma, ou mais camadas, de solo muito resistente, a partir da cota de apoio das fundações, cuja soma das espessuras das camadas seja maior ou igual à profundidade mínima de sondagem; Então, a sondagem deve continuar até: For sondada uma, ou mais camadas, de solo muito resistente, cuja soma das espessuras das camadas seja maior ou igual à profundidade mínima de sondagem (D); ou For alcançada a camada impenetrável ao SPT.

6 6 b) Pode-se entender como uma camada de solo muito resistente, uma camada de areia compacta com o valor de N (SPT) 19, ou uma camada de argila dura com o valor de N (SPT) > 19. c) Fundações rasas são sapatas, blocos e radier; e fundações profundas são estacas e tubulões. O tema de fundações rasas e profundas será discutido com profundidade na matéria fundações. 2. o ) Em 3 (três) furos de sondagem SPT consecutivos a camada impenetrável foi encontrada a uma profundidade de sondagem menor que 8 metros. Pede-se fazer um croqui (esboço através de desenho) de como estes 3 (três) furos devem ter sido realizados no campo para que sejam aceitáveis pelos padrões técnicos. OBS. Indique no croqui: a) O primeiro, o segundo e o terceiro furo com uso de legendas; b) A distância entre o primeiro e o segundo furo; c) O ângulo entre o terceiro (ou último) furo e o alinhamento formado pelo primeiro e segundo furo; e d) A distância do terceiro (ou último) furo do alinhamento formado entre o primeiro e o segundo furo. Resposta: OBS. A bibliografia recomenda o seguinte procedimento, quando o furo de sondagem for impenetrável a uma profundidade menor que 8 m (D < 8 m): a) Se o furo de sondagem for impenetrável em uma profundidade menor que 8 m (D < 8 m), Então, deve-se deslocar o aparelho 2 m e fazer um novo furo; b) Se o novo furo também for impenetrável, a uma profundidade menor que 8 m (D < 8 m); Então, será feito um terceiro e último furo a 2 m, e a 90 o do alinhamento dos dois primeiros furos; e c) D = profundidade de sondagem (m). Então, no campo os furos podem ter sido feitos conforme 1 (um) dos seguintes croquis A, B, ou etc.

7 7 3. o ) Faça um quadro elucidativo (esclarecedor) resumido, que relacione a área de projeção em planta de um edifício (APP), em m 2, com o número mínimo de furos de sondagem de simples reconhecimento a serem executados no terreno, onde será construído o edifício. OBS. A sondagem de simples reconhecimento para fundações de edifícios mais usada no mundo é a SPT (Standard Penetration Test). Resposta: 4. o ) Pede-se indicar o número mínimo de furos de sondagem de simples reconhecimento de acordo aos padrões técnicos para os seguintes casos: a) Se APP = 180 m 2 ; b) Se APP = 300 m 2 ; c) Se APP = 750 m 2 ; e d) Se APP = 2250 m 2. OBS. APP = Área de projeção em planta de um edifício em m 2. Resposta: a) 2 furos de sondagem; Pois APP 200 m 2 b) 3 furos de sondagem; Pois 200m 2 < APP 400 m 2 c) 4 furos (750 m 2 / 200 m 2 = 3,75 furos 4 furos); Pois 400 m 2 < APP 1200 m 2 d) 9 furos (1200 m 2 / 200 m 2 = 6 furos; m 2 / 400 m 2 = 2,65 furos 3 furos); Pois, 1200 m 2 < APP 2400 m 2

8 8 5. o ) Pede-se calcular os valores de N do SPT para o furo de sondagem número 4 (quatro) indicado na Tabela 5.1. Tabela Furo número 4 (quatro) do edifício Duststar Profundidade de sondagem (m) N. o de golpes / penetração do amostrador (cm) Penetração inicial Penetração final N (SPT) 1,00 a 1,45 5 / 15 5 / 15 6 / 15 2,00 a 2,45 6 / 15 6 / 15 6 / 15 3,00 a 3,45 7 / 15 7 / 15 8 / 15 4,00 a 4,45 7 / 15 8 / 15 9 / 15 5,00 a 5,45 20 / / / 15 6,00 a 6,45 41 / ,00 a 7,45 41 / ,00 a 8,45 45 / Resposta OBS(s). a) O índice de resistência à penetração (N) do SPT corresponde ao número de golpes, do martelo de 65 kgf (ou 65 kg) caindo de 75 cm de altura, necessários para cravação dos últimos 30 cm do amostrador padrão no solo. b) Se para uma penetração dos 15 cm iniciais do amostrador padrão, se obter: Uma penetração menor ou igual que 15 cm, e o número de golpes do martelo for maior ou igual a 30 golpes, pode-se parar a penetração e prosseguir para o próximo metro de sondagem; Sedo que o N do SPT na profundidade sondada será: Número de N(SPT) 15 golpes A coluna N do SPT da Tabela 5.1, passará a ter a seguinte forma: Profundidade de sondagem (m) N. o de golpes / penetração do amostrador (cm) Penetração inicial Penetração final N (SPT) 1,00 a 1,45 5 / 15 5 / 15 6 / ,00 a 2,45 6 / 15 6 / 15 6 / ,00 a 3,45 7 / 15 7 / 15 8 / ,00 a 4,45 7 / 15 8 / 15 9 / ,00 a 5,45 20 / / / ,00 a 6,45 41 / / 15 7,00 a 7,45 41 / / 15 8,00 a 8,45 45 / / 15

9 9 6. o ) No interior da Bahia, um engenheiro irá construir um edifício de 4 (quatro) pavimentos sobre uma argila rígida, cujo pilar mais carregado lançará na sapata kgf; Dados de sondagem, no local do terreno, indicam que o menor valor de N(SPT) no perfil sondado é igual a 12. Assim sendo, o engenheiro deseja avaliar a tensão admissível do solo (argila rígida), pelo método de Caputo (2007) para duas opções de sapatas, as quais são: 1. o (primeira) opção: lado da sapata = 0,75 m; comprimento da sapata = 0,80 m e pressão aplicada ao solo com esta sapata = 6,60 kgf/cm 2 ; e 2. o (segunda) opção: lado da sapata = 1,50 m; comprimento da sapata = 1,80 m e pressão aplicada ao solo com esta sapata = 1,46 kgf/cm 2. Então, quais são as pressões admissíveis encontradas pelo engenheiro para as duas opções, e qual a melhor sapata (ou ok!, ou não ok!)? Resposta: a) Para a primeira opção tem-se B = 0,75 m; L = 0,8 m e N = 12; Então: ADM = pressão ou tensão admissível da argila (kgf/cm 2 ); N = índice de resistência a penetração ou N(SPT) do solo; B = largura ou menor dimensão da fundação (m); e L = comprimento ou maior dimensão da fundação (m). Logo: ( ( )) A sapata não está ok!, Pois, a pressão da sapata lançada ao solo é maior que a pressão admissível do solo, logo o solo se romperia. b) Para a segunda opção tem-se B = 1,50 m; L = 1,80 m e N = 12; Então: ( ( )) A sapata está ok! Pois, a pressão da sapata lançada ao solo é menor que a pressão admissível do solo, logo o solo resiste à pressão da sapata. 7. o ) Um pilar de centro de um edifício de 7 (sete) pavimentos descarrega em uma sapata uma carga P igual a kgf (ou 490 kn). A sapata, que recebe o carregamento, é retangular e possui as seguintes dimensões: L (comprimento) = 240 cm, e B (largura) = 220 cm. Assim sendo, considerando-se que a sapata será construída sobre um solo tipo areia homogênea medianamente compacta, com o N(SPT) mínimo no perfil da camada homogênea igual a 16, como indica a Figura

10 10 7.1, pede-se determinar o recalque elástico imediato máximo da sapata com base no método de Bueno et al. (1985). OBS(s). a) Considere o coeficiente de Poisson da areia igual a 0,35; b) Calcule o módulo de elasticidade da areia pela equação de Mitchell e Gardner (1975): E = módulo de elasticidade (kgf/cm 2 ); e N = índice de resistência à penetração do solo. ( ) ( ) c) Utilize para o cálculo do fator forma da sapata (C d ) a seguinte relação: ( ) ( ) ( ) C d = fator forma da sapata; L = comprimento ou maior dimensão da sapata (cm); e B = largura ou menor dimensão da sapata (cm). Figura Esquema de construção da sapata e perfil do subsolo

11 11 Resposta: Pode-se observar, na Figura 7.1, que a sapata está assentada sobre uma camada homogênea de areia medianamente compacta; Então, o cálculo do recalque elástico (ou recalque imediato) da sapata retangular sobre solo tipo areia medianamente compacta é feito pelo método de Bueno et al. (1985) com base na seguinte equação: [ ( ) ] (7.3) máx = recalque elástico imediato máximo sobre solos homogêneos (cm); C d = fator forma, que é o fator que leva em conta a geometria da área carregada; = tensão aplicada pela fundação na superfície do solo (carregamento do pilar dividido pela área da base da fundação) (kgf/cm 2 ); B = largura ou menor dimensão da fundação (cm); = coeficiente de Poisson da camada de solo; e E = módulo de elasticidade do solo (Kgf/cm 2 ). OBS. O símbolo é a letra grega rô. A pressão aplicada ao solo pela sapata é calculada pela seguinte equação: P P (7.4) A B.L = pressão aplicada ao solo pela sapata (kgf/cm 2 ); P = carga aplicada pelo pilar na sapata (kgf); A = B.L = área da base da sapata (cm 2 ); L = comprimento da sapata (cm); e B = largura ou menor lado da sapata (cm). então: ,93 kgf 2 cm e também: ( ) ( ) C d = fator forma da sapata; L = comprimento ou maior dimensão da sapata (cm); e B = largura ou menor dimensão da sapata (cm).

12 12 ( ) ( ) ( ) ( ) e ainda: ( ) E = módulo de elasticidade (kgf/cm 2 ); e N = índice de resistência à penetração do solo. ( ) será: Finalmente, o recalque elástico imediato máximo da sapata do pilar central [ ( ) ] máx = recalque elástico imediato máximo sobre solos homogêneos (cm); C d = fator forma, que é o fator que leva em conta a geometria da área carregada; = tensão aplicada pela fundação na superfície do solo (carregamento do pilar dividido pela área da base da fundação) (kgf/cm 2 ); B = largura ou menor dimensão da fundação (cm); = coeficiente de Poisson da camada de solo; e E = módulo de elasticidade do solo (Kgf/cm 2 ). ( ) ( ) [ ( ) ] ( ) OK!! O recalque está dentro da faixa de segurança!! Os recalques nas edificações podem causar diversos danos tais como: fissuras ou trincas nas paredes e/ou pisos, mau funcionamento dos caixilhos de portas e janelas, refluxo nos esgotos, rupturas de painéis de vidro, infiltrações e até danos estruturais. De acordo com Institution of Structural Engineers (1989 apud Veloso e Lopes 2004), tem-se que o recalque absoluto máximo admissível ( adm ) para fundações sobre areias será:

13 13 Referências Bibliográficas: Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR Programação de sondagens de simples reconhecimento dos solos para fundações de edifícios BUENO, B. S.; VILAR, O. M. Mecânica dos solos. Apostila 69. Viçosa - MG: Universidade Federal de Viçosa, p. BUENO, B. S.; LIMA, D. C.; RÖHM, S. A. Capacidade de carga de fundações rasas. Apostila 204. Viçosa - MG: Universidade Federal de Viçosa, p. DAS, B. M. Fundamentos de engenharia geotécnica. Tradução da sétima edição norte-americana. São Paulo - SP: CENGAGE Learning, p. CAPUTO, H. P. Mecânica dos solos e suas aplicações (fundamentos). Vol ed., Rio de Janeiro - RJ: Livros Técnicos e Científicos Editora S. A., p. (Bibliografia Principal) INSTITUTION OF STRUCTURAL ENGINEERS (I.S.E) Soil-structure interaction: the real behaviour structures. London, JOPPERT, Jr, I. Fundações e contenções de edifícios. São Paulo - SP: Pini, p. MITCHELL, J. K.; GARDNER, W. S. In situ measurement of volume changes charecteristics. 6th. psc, ASCE, v.2, p TOMLINSON, M. J. Disenõ y construcción de cimentos. Bilbao, Urmo, S. A. de ediciones, Tradução de José Luis Neto Martinez, p. VELOSO, D. A.; LOPES, F. R. Fundações. Vol. 1, São Paulo-SP: Oficina de textos, p.

Notas de aula prática de Mecânica dos Solos II (parte 7)

Notas de aula prática de Mecânica dos Solos II (parte 7) 1 Notas de aula prática de Mecânica dos Solos II (parte 7) Hélio Marcos Fernandes Viana Tema: Apresentação comentada do artigo intitulado: Considerações sobre a influência recíproca de fundações de prédios

Leia mais

MECÂNICA DOS SOLOS II. Acréscimos de Tensão no Solo

MECÂNICA DOS SOLOS II. Acréscimos de Tensão no Solo MECÂNICA DOS SOLOS II Acréscimos de Tensão no Solo Aula 3 - Notas de aula Distribuição de Tensão no Solo Muitos problemas em obras de engenharia são causados por recalques, empuxos de terras, e capacidade

Leia mais

Tensões no Solo Exercícios

Tensões no Solo Exercícios Tensões no Solo Exercícios 1. Dado o perfil geotécnico abaixo, calcule: a) as tensões devidas ao peso próprio do solo σ e σ e as pressões neutras; ( ) V V b) adotando o valor de k 0 = 0,5 para todas as

Leia mais

DEFINIÇÃO. Fundações Rasas. Fundações Diretas Aquelas que transmitem a carga do pilar para o solo, através de tensões distribuídas pela base;

DEFINIÇÃO. Fundações Rasas. Fundações Diretas Aquelas que transmitem a carga do pilar para o solo, através de tensões distribuídas pela base; DEFINIÇÃO Fundações Diretas Aquelas que transmitem a carga do pilar para o solo, através de tensões distribuídas pela base; D / B 1,0 Fundações Rasas caracterizam por se apoiarem no solo em pequenas profundidades

Leia mais

Investigações Geotécnicas!" " #$"""

Investigações Geotécnicas!  #$ Investigações Geotécnicas!" " #$""" Investigações Geotécnicas Investigação geotécnica de campo: levantamento de superfície, sondagens, ensaios; coleta de amostras. Investigação geotécnica de Laboratório

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios ESTACAS PRÉ-MOLDADAS DE CONCRETO NBR 6122/1996

Leia mais

Compactação Exercícios

Compactação Exercícios Compactação Exercícios 1. Num ensaio de compactação foram obtidos os dados listados na tabela abaixo Identificação 1 2 3 4 5 Teor de umidade, w (%) 5,2 6,8 8,7 11,0 13,0 Massa do cilindro + solo (g) 9810

Leia mais

Cada aluno deve resolver 4 exercícios de acordo com o seu número FESP

Cada aluno deve resolver 4 exercícios de acordo com o seu número FESP Cada aluno deve resolver 4 exercícios de acordo com o seu número FESP Final 1 exercícios 1, 5, 16, 24 Final 2 exercícios 2, 6, 17, 25 Final 3- exercícios 3, 7,, 26 Final 4 exercícios 4, 8, 19, 27 Final

Leia mais

Investigações Geotécnicas Parte 1

Investigações Geotécnicas Parte 1 Investigações Geotécnicas Parte 1 FUNDAÇÕES SLIDES 03 Prof. MSc. Douglas M. A. Bittencourt prof.douglas.pucgo@gmail.com INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS Reconhecimento do subsolo Investigação preliminar Verificação

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE PONTES FUNDAÇÕES PROFUNDAS

INFRAESTRUTURA DE PONTES FUNDAÇÕES PROFUNDAS INFRAESTRUTURA DE PONTES FUNDAÇÕES PROFUNDAS GENERALIDADES Fundações são elementos estruturais destinados a transmitir ao terreno as cargas da estrutura; Devem ter resistência adequada para suportar as

Leia mais

TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I. Fundações

TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I. Fundações Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I Fundações Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br Função dos elementos estruturais

Leia mais

FUNDAÇÕES RASAS DIMENSIONAMENTO GEOTÉCNICO

FUNDAÇÕES RASAS DIMENSIONAMENTO GEOTÉCNICO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL ECV 114 FUNDAÇÕES E OBRAS DE TERRA FUNDAÇÕES RASAS DIMENSIONAMENTO GEOTÉCNICO ana.paula.moura@live.com

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO: SONDAGEM À PERCUSSÃO

RELATÓRIO TÉCNICO: SONDAGEM À PERCUSSÃO Belo Horizonte, de março de 07. RL 06 RELATÓRIO TÉCNICO: SONDAGEM À PERCUSSÃO (Segundo as Normas Brasileiras NBR 68 e NBR 750) Responsável Técnico: Engenheiro Rogério Avelar Marinho Fillho (CREA:08.86/D)

Leia mais

Princípios da Mecânica Força

Princípios da Mecânica Força Mecânica dos Solos e Fundações PEF 522 5 a Aula Conceitos de Tensões total, neutra e efetiva Capilaridade Transmissão de tensões no solo Prof. Fernando A. M. Marinho Princípios da Mecânica Força Equilíbrio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL ECV 114 FUNDAÇÕES E OBRAS DE TERRA RECALQUES ana.paula.moura@live.com PROGRAMAÇÃO

Leia mais

Recalques e movimentos na estrutura

Recalques e movimentos na estrutura Recalques e movimentos na estrutura FUNDAÇÕES SLIDES 19 Prof. MSc. Douglas M. A. Bittencourt prof.douglas.pucgo@gmail.com Recalques de fundações Uma fundação com Fator de Segurança adequado contra ruptura

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Índices Físico. Disciplina: Geotecnia 1. Prof a. : Melina Freitas Rocha. Geotecnia I

Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Índices Físico. Disciplina: Geotecnia 1. Prof a. : Melina Freitas Rocha. Geotecnia I Pontifícia Universidade Católica de Goiás Índices Físico Disciplina: Geotecnia 1 Prof a. : Melina Freitas Rocha O ESTADO DO SOLOS Índices físicos entre as três fases: os solos são constituídos de três

Leia mais

Tabela de cargas, projetos de fundações e a revisão da. Frederico F. Falconi

Tabela de cargas, projetos de fundações e a revisão da. Frederico F. Falconi Tabela de cargas, projetos de fundações e a revisão da ABNT-NBR 6112 Frederico F. Falconi INTRODUÇÃO Resumo Serão apenas 2 tópicos: 1. Coisas que achamos importantes vocês saberem e 2. Coisas que realmente

Leia mais

TC 071 PONTES E ESTRUTURAS ESPECIAIS II

TC 071 PONTES E ESTRUTURAS ESPECIAIS II TC 071 PONTES E ESTRUTURAS ESPECIAIS II 16ª AULA (19/10/2.010) MEZOESTRUTURA DE PONTES A mezoestrutura de ponte é a parte da estrutura (pilares) responsável por transmitir as cargas da superestrutura à

Leia mais

Aula 03 Tensão Admissível Prof:

Aula 03 Tensão Admissível Prof: 1 Aula 03 Tensão Admissível Prof: João Henrique Sumário Fundações Rasas... 2 Definições... 2 Forma das Sapatas... 3 Segurança nas Fundações Rasas ou Diretas (NBR 6122 de 2010)... 3 Itens da Norma NBR 6122

Leia mais

Caderno de Estruturas em Alvenaria e Concreto Simples

Caderno de Estruturas em Alvenaria e Concreto Simples Caderno de Estruturas em Alvenaria e Concreto Simples CONTEÚDO CAPÍTULO 1 - RESISTÊNCIA DO MATERIAL 1.1. Introdução 1.2. Definição: função e importância das argamassas 1.3. Classificação das alvenarias

Leia mais

Investigações Geotécnicas Parte 2

Investigações Geotécnicas Parte 2 Investigações Geotécnicas Parte 2 FUNDAÇÕES SLIDES 04 Prof. MSc. Douglas M. A. Bittencourt prof.douglas.pucgo@gmail.com Sondagens Rotativas e mistas Uso de conjunto motomecanizado Penetração e rotação

Leia mais

Investigações Geotécnicas Parte 1

Investigações Geotécnicas Parte 1 Investigações Geotécnicas Parte 1 FUNDAÇÕES AULA 03 Prof. MSc. Douglas M. A. Bittencourt prof.douglas.pucgo@gmail.com INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS Reconhecimento do subsolo Investigação preliminar Verificação

Leia mais

AULA 3: O ESTADO DO SOLO - ÍNDICES FÍSICOS E

AULA 3: O ESTADO DO SOLO - ÍNDICES FÍSICOS E AULA 3: O ESTADO DO SOLO - ÍNDICES FÍSICOS E IDENTIFICAÇÃO DOS SOLOS MECÂNICA DOS SOLOS Prof. Augusto Montor ÍNDICES FÍSICOS UMIDADE (w) - % w = M água M seca. 100 w = M natural M s.estufa M s.estufa.

Leia mais

Notas de aulas de Mecânica dos Solos I (parte 3)

Notas de aulas de Mecânica dos Solos I (parte 3) 1 Notas de aulas de Mecânica dos Solos I (parte 3) Hélio Marcos Fernandes Viana Tema: Prospecção e amostragem de solos (2. o parte) Conteúdo da parte 3 3 Processos (ou métodos) de prospecção do subsolo

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Revisão Recalque imediato em areias Métodos

Leia mais

Instabilidade e Efeitos de 2.ª Ordem em Edifícios

Instabilidade e Efeitos de 2.ª Ordem em Edifícios Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Capítulo Prof. Romel Dias Vanderlei Instabilidade e Efeitos de 2.ª Ordem em Edifícios Curso: Engenharia Civil Disciplina:

Leia mais

Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 9) com respostas dos exercícios

Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 9) com respostas dos exercícios 1 Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 9) com respostas dos exercícios Helio Marcos Fernandes Viana Conteúdo da aula prática Exercícios de classificação dos solos pelo sistema HRB (Highway

Leia mais

FUNDAÇÕES. Apresentação do Plano de Curso e diretrizes da disciplina. Prof. MSc. Douglas M. A. Bittencourt. Fundações SLIDES 01

FUNDAÇÕES. Apresentação do Plano de Curso e diretrizes da disciplina. Prof. MSc. Douglas M. A. Bittencourt. Fundações SLIDES 01 Apresentação do Plano de Curso e diretrizes da disciplina FUNDAÇÕES Fundações SLIDES 01 Prof. MSc. Douglas M. A. Bittencourt prof.douglas.pucgo@gmail.com Prof. Douglas Magalhães A. Bittencourt, M.Sc. a)

Leia mais

Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 10)

Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 10) 1 Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 10) Helio Marcos Fernandes Viana Tema: Ensaio CBR (California Bearing Ratio) Conteúdo da aula prática 1 Importância do ensaio CBR ou Índice de Suporte

Leia mais

PATOLOGIA EM FUNDAÇÕES (RECALQUE)

PATOLOGIA EM FUNDAÇÕES (RECALQUE) PATOLOGIA EM FUNDAÇÕES (RECALQUE) SOLO + ÁGUA + AR + (MAT. ORGÂNICOS) CARGA EXTERNA TODOS SOLOS SE DEFORMAM MÉTODOS DE CÁLCULO CRITÉRIO DE RUPTURA DO SOLO CRITÉRIO DE RECALQUE ADMISSÍVEL MÉTODO / TIPO

Leia mais

Capacidade de carga dos solos RECALQUES. Solos e Fundações. Sondagem - solos. Profa. Geilma Lima Vieira

Capacidade de carga dos solos RECALQUES. Solos e Fundações. Sondagem - solos. Profa. Geilma Lima Vieira Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Solos e Fundações Profa. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com Sondagem

Leia mais

Aula2 Tecnologia dos Processos Construtivos Residenciais

Aula2 Tecnologia dos Processos Construtivos Residenciais Aula2 Tecnologia dos Processos Construtivos Residenciais LOCAÇÃO DE OBRAS DE EDIFÍCIO NO INTRODUÇÃO Considerando-se que o movimento de terra necessário para implantação do edifício tenha sido realizado

Leia mais

Capacidade de Carga Geotécnica de Fundações

Capacidade de Carga Geotécnica de Fundações Capacidade de Carga Geotécnica de Fundações Fundações Rasas FUNDAÇÕES SLIDES 06 / AULA 07 Prof. MSc. Douglas M. A. Bittencourt prof.douglas.pucgo@gmail.com Introdução Capacidade de carga Geotécnica Carga

Leia mais

Geotecnia de Fundações TC 041

Geotecnia de Fundações TC 041 Geotecnia de Fundações TC 041 Curso de Engenaria Civil 8º Semestre Vítor Pereira Faro vpfaro@ufpr.br Roberta Bomfim Boszczowski roberta.bomfim@ufpr.br Setembro 2016 Carregamento Lateral em Estacas 1 Carregamento

Leia mais

Geotecnia de Fundações TC 041

Geotecnia de Fundações TC 041 Geotecnia de Fundações TC 041 Curso de Engenharia Civil 8º Semestre Vítor Pereira Faro vpfaro@ufpr.br Roberta Bomfim Boszczowski roberta.bomfim@ufpr.br Setembro 2016 Tem sido usual a aplicação da teoria

Leia mais

Aula 2 - Tensão Normal e de Cisalhamento.

Aula 2 - Tensão Normal e de Cisalhamento. Aula 2 - Tensão Normal e de Cisalhamento. A - TENSÃO NORMAL MÉDIA 1. Exemplo 1.17 - A luminária de 80 kg é sustentada por duas hastes, AB e BC, como mostra a figura 1.17a. Se AB tiver diâmetro de 10 mm

Leia mais

CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. Profª Aline Cristina Souza dos Santos

CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. Profª Aline Cristina Souza dos Santos CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Profª Aline Cristina Souza dos Santos CAUSAS DE DEFORMAÇÕES EM FUNDAÇÕES Aplicação de cargas estruturais Deterioração da fundação Vibrações

Leia mais

Exercícios de Resistência dos Materiais A - Área 3

Exercícios de Resistência dos Materiais A - Área 3 1) Os suportes apóiam a vigota uniformemente; supõe-se que os quatro pregos em cada suporte transmitem uma intensidade igual de carga. Determine o menor diâmetro dos pregos em A e B se a tensão de cisalhamento

Leia mais

Métodos Práticos de previsão da carga admissível

Métodos Práticos de previsão da carga admissível Métodos Práticos de previsão da carga admissível FUNDAÇÕES SLIDES 09 / AULA 11 Prof. MSc. Douglas M. A. Bittencourt prof.douglas.pucgo@gmail.com Métodos Práticos São realizados ensaios tipo prova de carga,

Leia mais

17:39. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INTRODUÇÃO FUNDAÇÕES DIRETAS

17:39. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INTRODUÇÃO FUNDAÇÕES DIRETAS FUNDAÇÕES INTRODUÇÃO FUNDAÇÕES DIRETAS Prof. Dr. Marcelo Medeiros Grupo de Materiais de Construção Versão 2013 1 Fundações: O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas

Leia mais

Palavras chave: Alvenaria estrutural, Ações horizontais, Painéis de contraventamento.

Palavras chave: Alvenaria estrutural, Ações horizontais, Painéis de contraventamento. Blucher Mechanical Engineering Proceedings May 2014, vol. 1, num. 1 www.proceedings.blucher.com.br/evento/10wccm DISTRIBUIÇÃO DE AÇÕES HORIZONTAIS EM EDIFÍCIOS DE ALVENARIA ES- TRUTURAL COMPARAÇÃO ENTRE

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios ESTACAS PRÉ-MOLDADAS DE CONCRETO NBR 6122/1996

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios ESTACAS PRÉ-MOLDADAS DE CONCRETO NBR 6122/1996

Leia mais

2 03/11 Relatório Final R.A. O.S. O.A. PU. 1 30/09 Alterado Endereço do Terreno R.A. O.S. O.A. PU

2 03/11 Relatório Final R.A. O.S. O.A. PU. 1 30/09 Alterado Endereço do Terreno R.A. O.S. O.A. PU Código Rev. Folha SD.KLA.PA.RE.001 2 1/ Código do cliente Rev. 0 KLABIN S. A. PARANAGUA PR TERRENO ROCHA RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO GEOTÉCNICA FUROS DE SONDAGENS Cliente : KLABIN S. A. Obra : LEVANTAMENTO

Leia mais

Notas de aulas de Mecânica dos Solos II (parte 1)

Notas de aulas de Mecânica dos Solos II (parte 1) 1 Notas de aulas de Mecânica dos Solos II (parte 1) Hélio Marcos Fernandes Viana Tema: Princípio das tensões efetivas; E tensões geostáticas Conteúdo da parte 1 1 Princípio das tensões efetivas 2 Evidências

Leia mais

TENSÕES DE FLEXÃO e de CISALHAMENTO EM VIGAS

TENSÕES DE FLEXÃO e de CISALHAMENTO EM VIGAS DIRETORIA ACADÊMICA DE CONSTRUÇÃO CIVIL Tecnologia em Construção de Edifícios Disciplina: Construções em Concreto Armado TENSÕES DE FLEXÃO e de CISALHAMENTO EM VIGAS Notas de Aula: Edilberto Vitorino de

Leia mais

Fundações Diretas Rasas

Fundações Diretas Rasas Fundações Diretas Rasas Grupo: Anderson Martens Daniel Pereira Ricardo N. Lima Ronaldo Guedes Vitor A. Teruya Vivian R. Pestana Professor Manoel Vitor O que são fundações? Elementos estruturais cuja função

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Fundações Visão Geral, Fundações Mistas e Grupos de Estacas Aula de 12/08/2016

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Fundações Visão Geral, Fundações Mistas e Grupos de Estacas Aula de 12/08/2016 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Aula de 12/08/2016 Autor: Rodrigo Pasqual E-mail: rodrigo@protecengenharia.com.br - Passo a passo de um projeto de fundações: Conhecer as condições locais, acesso, estruturas

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Pato Branco. Lista de Exercícios - Sapatas

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Pato Branco. Lista de Exercícios - Sapatas Lista de Exercícios - Sapatas 1 Dimensione uma sapata rígida para um pilar de dimensões 30 x 40, sendo dados: N k = 1020 kn; M k = 80 kn.m (em torno do eixo de maior inércia); A s,pilar = 10φ12,5 σ adm

Leia mais

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP LISTA 1 CS2 Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP Final 1 exercícios 3, 5, 15, 23 Final 2 exercícios 4, 6, 17, 25 Final 3- exercícios 2, 7, 18, 27 Final 4 exercícios 1 (pares),

Leia mais

Estrutura de uma Edificação

Estrutura de uma Edificação Sumário 1 - Apresentação...2 2 As Partes da Estrutura e Suas Funções...3 (a). Fundação...3 (d). Pilar...3 (b). Viga...3 (c). Laje...3 3- Estrutura em Concreto...4 (a). Fundação...4 a.1 Fundação Superficial

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO. Rômulo Castello H. Ribeiro

INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO. Rômulo Castello H. Ribeiro INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO Rômulo Castello H. Ribeiro SONDAGEM SPT SONDAGEM SPT SONDAGEM SPT SONDAGEM SPT SONDAGEM SPT SONDAGEM SPT SONDAGEM SPT SONDAGEM SPT - CORREÇÕES Energia no Brasil: 70% da energia

Leia mais

Tecnologia da Construção Civil - I Locação de Obra e Serviços em Terra. Roberto Monteiro

Tecnologia da Construção Civil - I Locação de Obra e Serviços em Terra. Roberto Monteiro Tecnologia da Construção Civil - I Locação de Obra e Serviços em Terra Limpeza do terreno Dependendo do porte da obra e da declividade do terreno serão necessários a utilização de equipamentos de grande

Leia mais

FUNDAÇÕES. Aspectos a considerar para a escolha da fundação? Aspectos a considerar para a escolha da fundação?

FUNDAÇÕES. Aspectos a considerar para a escolha da fundação? Aspectos a considerar para a escolha da fundação? DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - Tecnologia da Construção de Edifícios I FUNDAÇÕES Profs. Luiz Sergio Franco, Fernando Henrique Sabbatini, Mercia M. B. Barros e Vitor Levi C. Aly

Leia mais

UNIP - Universidade Paulista SISTEMAS ESTRUTURAIS CONCRETO SEC

UNIP - Universidade Paulista SISTEMAS ESTRUTURAIS CONCRETO SEC - 1 - UNIP - Universidade Paulista CONCRETO SEC NOTAS DE AULA - 01 PRÉ-DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS CONCRETO (SEC) NOTAS DE AULA - PARTE 1 PRÉ-DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS - 2 - NA_01/2014 1. CARGAS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Secretaria Municipal de Saúde - SMS Assessoria de Projetos de Arquitetura ASSEPRO TP Nº 0/0 Processo Administrativo N o 00.008..0 ELABORAÇÃOO DE PROJETOS E ORÇAMENTOS

Leia mais

FUNDAÇÕES RASAS DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE DE CARGA

FUNDAÇÕES RASAS DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE DE CARGA UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL ECV 114 FUNDAÇÕES E OBRAS DE TERRA FUNDAÇÕES RASAS DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE DE

Leia mais

Notas de aulas de Mecânica dos Solos I (parte 4b)

Notas de aulas de Mecânica dos Solos I (parte 4b) 1 Notas de aulas de Mecânica dos Solos I (parte 4b) OBS. As notas de aulas de Mecânica dos Solos I parte 4 foram divididas em duas partes, em parte 4a e parte 4b. Helio Marcos Fernandes Viana Tema: Estrutura

Leia mais

PROVA COMENTADA. Carga acidental (Q) = 0,5 kn/m² Carga permanente (G) = (0,12 cm X 25 kn/m³) + 1,0 kn/m² + 1,0 kn/m² = 4,0 kn/m²

PROVA COMENTADA. Carga acidental (Q) = 0,5 kn/m² Carga permanente (G) = (0,12 cm X 25 kn/m³) + 1,0 kn/m² + 1,0 kn/m² = 4,0 kn/m² ? Graute Um primeiro objetivo seria proporcionar a integração da armadura com a alvenaria, no caso de alvenaria estrutural armada ou em armaduras apenas de caráter construtivo. O segundo objetivo seria

Leia mais

Estudo da Extrapolação do Coeficiente de Reação em Solos Arenosos para Fundações a Partir de Provas de Carga em Placa

Estudo da Extrapolação do Coeficiente de Reação em Solos Arenosos para Fundações a Partir de Provas de Carga em Placa Estudo da Extrapolação do Coeficiente de Reação em Solos Arenosos para Fundações a Partir de Provas de Carga em Placa Marcos Fábio Porto de Aguiar Universidade de Fortaleza / Instituto Federal do Ceará,

Leia mais

Interação de paredes

Interação de paredes 1/36 Alvenaria Estrutural Interação de paredes 2/36 TRABALHO EXPERIMENTAL REALIZADO Blocos cerâmicos com dimensão modular 15cm x 20cm x 30cm Tipo Largura (cm) Altura ( cm) Comp.(cm) Meio bloco 14 19 14

Leia mais

ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES RASAS

ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES RASAS Universidade Federal de Ouro Preto - Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV620-Construções de Concreto Armado ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES RASAS Profa. Rovadávia Aline Jesus Ribas Ouro Preto,

Leia mais

Estimativa de recalques de fundações por tubulões em edifícios assentados no solo da região sul de Minas Gerais

Estimativa de recalques de fundações por tubulões em edifícios assentados no solo da região sul de Minas Gerais Stélio Maia Menezes e Luciano Serra Rodarte Estimativa de recalques de fundações por tubulões em edifícios assentados no solo da região sul de Minas Gerais Resumo Stélio Maia Menezes, Professor da Universidade

Leia mais

UNIP - Universidade Paulista. ICET - Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - Arquitetura e Urbanismo -

UNIP - Universidade Paulista. ICET - Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - Arquitetura e Urbanismo - UNIP - Universidade Paulista ICET - Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - Arquitetura e Urbanismo - Resistência dos Materiais Estabilidade Lista 1 de Exercícios Resolvidos - Tensões Lista1 de Exercícios

Leia mais

Professor: José Junio Lopes

Professor: José Junio Lopes A - Deformação normal Professor: José Junio Lopes Lista de Exercício - Aula 3 TENSÃO E DEFORMAÇÃO 1 - Ex 2.3. - A barra rígida é sustentada por um pino em A e pelos cabos BD e CE. Se a carga P aplicada

Leia mais

Terrapleno. Terraplenagem. Conjunto de operações de: escavação/corte aterro carga descarga lançamento e espalhamento do solo compactação

Terrapleno. Terraplenagem. Conjunto de operações de: escavação/corte aterro carga descarga lançamento e espalhamento do solo compactação Terrapleno 1 Terraplenagem Conjunto de operações de: escavação/corte aterro carga descarga lançamento e espalhamento do solo compactação Para: Configurar o terreno natural à nova conformação topografia

Leia mais

Estribos verticais: 2 Largura X: 45.0 cm Ø10 CA-50-A P9, P10, P11, Largura Y: 45.0 cm

Estribos verticais: 2 Largura X: 45.0 cm Ø10 CA-50-A P9, P10, P11, Largura Y: 45.0 cm 1 MEMÓRIA DE CÁLCULO - ESTRUTURAL 4.1 MEMÓRIA DE CÁLCULO FUNDAÇÕES 4.1.1 DESCRIÇÃO Referências Estacas Material Geometria Armadura P1, P2, P3, P4, Tipo: 18x18 Concreto: C25, Bloco de 1 estaca Estribos

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GEOTECNIA III

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GEOTECNIA III UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GEOTECNIA III Aula 13 Escoramentos Provisório Augusto Romanini Sinop - MT 2017/1

Leia mais

EDIFICAÇÕES. Técnicas construtivas Memória de aula 04 FUNDAÇÕES

EDIFICAÇÕES. Técnicas construtivas Memória de aula 04 FUNDAÇÕES Professora Carolina Barros EDIFICAÇÕES Técnicas construtivas Memória de aula 04 FUNDAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Fundações são elementos estruturais destinados a transmitir ao terreno as cargas da estrutura. Devem

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Elementos estruturais. Prof. MSc. Luiz Carlos de Almeida

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Elementos estruturais. Prof. MSc. Luiz Carlos de Almeida Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas Elementos estruturais Notas de aula da disciplina AU405 Concreto Prof. MSc. Luiz Carlos de Almeida Agosto/2006

Leia mais

6.5. Estacas em rocha (Engº Armando Negreiros Caputo - BRASFOND / BRASFIX / SPFE)

6.5. Estacas em rocha (Engº Armando Negreiros Caputo - BRASFOND / BRASFIX / SPFE) 6.5. Estacas em rocha (Engº Armando Negreiros Caputo - BRASFOND / BRASFIX / SPFE) As bases que possibilitem a determinação da capacidade de carga de estacas escavadas em rocha não estão bem claras considerando

Leia mais

AULA 5. NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos. Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT

AULA 5. NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos. Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT AULA 5 NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT março 2014 Disciplina - Fundações Zeide Nogueira Furtado Relação

Leia mais

Estruturas de Contenção Parte 1. Marcio Varela

Estruturas de Contenção Parte 1. Marcio Varela Estruturas de Contenção Parte 1 Marcio Varela Estruturas de Contenção Obras com estruturas de contenção Para a escolha da obra de contenção mais adequada de ser executada em uma determinada situação é

Leia mais

Notas de aula prática de Mecânica dos Solos II (parte 8)

Notas de aula prática de Mecânica dos Solos II (parte 8) 1 Notas de aula prática de Mecânica dos Solos II (parte 8) Helio Marcos Fernandes Viana Conteúdo da aula prática Exercício relacionado ao traçado do ciclo de Mohr para um elemento (ou pequena parte) de

Leia mais

Sistemas de Fundação. Sobre o Projeto de Fundações. Prof. MSc. Douglas M. A. Bittencourt FUNDAÇÕES AULA 02.

Sistemas de Fundação. Sobre o Projeto de Fundações. Prof. MSc. Douglas M. A. Bittencourt FUNDAÇÕES AULA 02. Sistemas de Fundação Sobre o Projeto de Fundações FUNDAÇÕES AULA 02 Prof. MSc. Douglas M. A. Bittencourt prof.douglas.pucgo@gmail.com ENGENHARIA DE FUNDAÇÕES Sistemas de fundação Geotecnia e Estrutura

Leia mais

TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO

TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO 1) Determinar a tensão normal média de compressão da figura abaixo entre: a) o bloco de madeira de seção 100mm x 120mm e a base de concreto. b) a base de concreto

Leia mais

Notas de aula prática de Mecânica dos Solos II (parte 14)

Notas de aula prática de Mecânica dos Solos II (parte 14) Notas de aula prática de Mecânica dos Solos II (parte 4) Hélio Marcos Fernandes Viana Conteúdo da aula prática Método gráfico direto de Coulomb de determinação de empuxos ativos. . o ) Determinar empuxo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA GERAL DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO CURSOS QUE ATENDE DEPARTAMENTO ENGENHARIA CIVIL

Leia mais

TEORIA DAS FUNDAÇÕES EXERCÍCIOS DE CÁLCULO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS (2003/04) DEC FCTUC

TEORIA DAS FUNDAÇÕES EXERCÍCIOS DE CÁLCULO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS (2003/04) DEC FCTUC TEORIA DAS FUNDAÇÕES EXERCÍCIOS DE CÁLCULO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS (2003/04) DEC FCTUC 1 - Considere uma estaca cravada, de betão, com secção circular de 0,5 m de diâmetro. Calcule a carga vertical máxima

Leia mais

ELEMENTOS ESTRUTURAIS

ELEMENTOS ESTRUTURAIS ELEMENTOS ESTRUTURAIS Fundações Superficiais (diretas): blocos e sapatas Profundas: estacas e tubulões Pilares Pequena altura: maciços ou formados por fustes ligados por vigas transversais Grande altura:

Leia mais

E = 70GPA σ e = 215MPa. A = 7500mm 2 I x = 61,3x10 6 mm 4 I y = 23,2x10 6 mm 4

E = 70GPA σ e = 215MPa. A = 7500mm 2 I x = 61,3x10 6 mm 4 I y = 23,2x10 6 mm 4 Lista 1 1. A coluna de alumínio mostrada na figura é engastada em sua base e fixada em seu topo por meios de cabos de forma a impedir seu movimento ao longo do eixo x. Determinar a maior carga de compressão

Leia mais

INTERAÇÃO FUNDAÇÃO-ESTRUTURA EM EDIFÍCIOS SOBRE SAPATAS

INTERAÇÃO FUNDAÇÃO-ESTRUTURA EM EDIFÍCIOS SOBRE SAPATAS INTERAÇÃO FUNDAÇÃO-ESTRUTURA EM EDIFÍCIOS SOBRE SAPATAS Marcos Vinicius Padovani Guerra, Maurício Martines Sales 2 Escola de Engenharia Civil, Universidade Federal de Goiás, Goiânia-GO 74605-220, Brasil

Leia mais

Professor: José Junio Lopes

Professor: José Junio Lopes Aula 2 - Tensão/Tensão Normal e de Cisalhamento Média; Tensões Admissíveis. A - TENSÃO NORMAL MÉDIA 1. Exemplo 1.17 - A luminária de 80 kg é sustentada por duas hastes, AB e BC, como mostra a Figura 1.17a.

Leia mais

Recalques de fundações em estacas

Recalques de fundações em estacas Recalques de fundações em estacas Prof. MSc. Douglas M. A. Bittencourt prof.douglas.pucgo@gmail.com FUNDAÇÕES SLIDES 19 Recalque em estacas Teoria da Elasticidade (Poulos e Davis, 1980) P E s I D ρ = recalque

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL PLANO DE ENSINO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Disciplina MECÂNICA DOS SOLOS II Código Docente Helio Marcos Fernandes Viana Semestre 2013.1 Carga horária 60h 1 EMENTA Princípio das tensões efetivas. Tensões

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS MECÂNICA DOS SÓLIDOS I

LISTA DE EXERCÍCIOS MECÂNICA DOS SÓLIDOS I LISTA DE EXERCÍCIOS MECÂNICA DOS SÓLIDOS I A - Tensão Normal Média 1. Ex. 1.40. O bloco de concreto tem as dimensões mostradas na figura. Se o material falhar quando a tensão normal média atingir 0,840

Leia mais

A UTILIZAÇÃO PRÁTICA DE ENSAIOS ESPECIAIS DE CAMPO

A UTILIZAÇÃO PRÁTICA DE ENSAIOS ESPECIAIS DE CAMPO A UTILIZAÇÃO PRÁTICA DE ENSAIOS ESPECIAIS DE CAMPO Prof. Dr.Antônio Sérgio Damasco Penna DAMASCO PENNA ENGENHARIA GEOTÉCNICA ENSAIOS ESPECIAIS DE CAMPO Ensaio de penetração de cone estático com medidas

Leia mais

CRAVAÇÃO DE ESTACAS METÁLICAS COM MARTELO HIDRÁULICO E INSTALAÇÃO COM MARTELO VIBRATÓRIO - COMPARAÇÃO DE RESULTADOS DE PROVAS DE CARGA ESTÁTICAS

CRAVAÇÃO DE ESTACAS METÁLICAS COM MARTELO HIDRÁULICO E INSTALAÇÃO COM MARTELO VIBRATÓRIO - COMPARAÇÃO DE RESULTADOS DE PROVAS DE CARGA ESTÁTICAS CRAVAÇÃO DE ESTACAS METÁLICAS COM MARTELO HIDRÁULICO E INSTALAÇÃO COM MARTELO VIBRATÓRIO - COMPARAÇÃO DE RESULTADOS DE PROVAS DE CARGA ESTÁTICAS Frederico Fernando Falconi ZF & Engenheiros Associados SS

Leia mais

Plano de Ensino de FUNDAÇÕES TURMAS A03 e B02

Plano de Ensino de FUNDAÇÕES TURMAS A03 e B02 Plano de Ensino de FUNDAÇÕES TURMAS A03 e B02 1. Ementa Tipos de fundações. Capacidade de carga na ruptura e estimativa de recalques de fundações superficiais e profundas: métodos teóricos e semi-empíricos.

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE MACIÇOS ROCHOSOS

CARACTERIZAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE MACIÇOS ROCHOSOS CARACTERIZAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE MACIÇOS ROCHOSOS MACIÇO ROCHOSO É Do ponto de vista do seu aproveitamento em engenharia Um conjunto de BLOCOS DE ROCHA Justapostos e articulados MATERIAL que forma os

Leia mais

USO DE SONDAGENS COM DPL PARA AVALIAÇÃO DA VARIABILIDADE DO SOLO. Souza, Dorgival Nascimento 1 Conciani, Wilson 2 Santos, Antonio Cezar da Costa 3

USO DE SONDAGENS COM DPL PARA AVALIAÇÃO DA VARIABILIDADE DO SOLO. Souza, Dorgival Nascimento 1 Conciani, Wilson 2 Santos, Antonio Cezar da Costa 3 USO DE SONDAGENS COM DPL PARA AVALIAÇÃO DA VARIABILIDADE DO SOLO Souza, Dorgival Nascimento Conciani, Wilson Santos, Antonio Cezar da Costa Estudante do CST em Controle de Obras, do Depto. De Construção

Leia mais

parâmetros de cálculo 4. Velocidade 5. Vazão

parâmetros de cálculo 4. Velocidade 5. Vazão parâmetros de cálculo 4. Velocidade Velocidade é distância percorrida por unidade de tempo. A unidade usual é m/s. Uma maneira de entender a velocidade da água na tubulação é imaginar uma partícula de

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE AÇÕES HORIZONTAIS

DISTRIBUIÇÃO DE AÇÕES HORIZONTAIS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus de Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil Disciplina: 2151 Alvenaria Estrutural DISTRIBUIÇÃO DE AÇÕES HORIZONTAIS Prof. Dr. PAULO

Leia mais

Evento: XXV SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Evento: XXV SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ENSAIO DE PLACA COMO INSTRUMENTO DE ESTIMATIVA DE RECALQUE DOS SOLOS DA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1 PLATE LOAD TEST AS AN INSTRUMENT OF SOIL SETTLEMENT ESTIMATE IN THE NORTHWEST REGION

Leia mais

Curso de Dimensionamento de Estruturas de Aço Ligações em Aço EAD - CBCA. Módulo

Curso de Dimensionamento de Estruturas de Aço Ligações em Aço EAD - CBCA. Módulo Curso de Dimensionamento de Estruturas de Aço Ligações em Aço EAD - CBCA Módulo 3 Sumário Módulo 3 Dimensionamento das vigas a flexão 3.1 Dimensionamento de vigas de Perfil I isolado página 3 3.2 Dimensionamento

Leia mais

Fundações em Tubulão

Fundações em Tubulão Fundações em Tubulão Grupo: Anderson Martens Daniel Pereira Ricardo N. Lima Ronaldo Guedes Vitor A. Teruya Vivian R. Pestana Professor Manuel Vitor 01/12/2010 Fundações Diretas Rasas Blocos Sapatas Radiers

Leia mais

ESTUDO DA REDISTRIBUIÇÃO DE ESFORÇOS EM EDIFICAÇÕES COM RECALQUES DIFERENCIAIS

ESTUDO DA REDISTRIBUIÇÃO DE ESFORÇOS EM EDIFICAÇÕES COM RECALQUES DIFERENCIAIS ESTUDO DA REDISTRIBUIÇÃO DE ESFORÇOS EM EDIFICAÇÕES COM RECALQUES DIFERENCIAIS 50º Congresso Brasileiro do Concreto (CBC 2008); IBRACON LIMA, C. I. de A. de; SILVA, R. J. C.; SILVA FILHO, F. C. de Santos

Leia mais

TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO

TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO 1) Determinar a tensão normal média de compressão da figura abaixo entre: a) o bloco de madeira de seção 100mm x 120mm e a base de concreto. b) a base de concreto

Leia mais

CONSTRUÇÕES EM CONCRETO ARMADO

CONSTRUÇÕES EM CONCRETO ARMADO TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONSTRUÇÕES EM CONCRETO ARMADO LAJES Parte 2 Laje Maciça Viga Pilar Cinta Bloco de Coroamento Fundação Apostila desenvolvida pelo professor: Edilberto Vitorino de

Leia mais