Interdisciplinar: Revista Eletrônica da UNIVAR ISSN X Ano de publicação: 2014 N.:12 Vol.2 Págs.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Interdisciplinar: Revista Eletrônica da UNIVAR ISSN X Ano de publicação: 2014 N.:12 Vol.2 Págs."

Transcrição

1 Interdisciplinar: Revista Eletrônica da UNIVAR ISSN X Ano de publicação: 2014 N.:12 Vol.2 Págs DISLIPIDEMIA NA ADOLESCÊNCIA Elizangela Machado Fernandes Santos 1, Gleidson Cardoso 2 e Gisele Almeida Amaral 3 RESUMO: A dislipidemia é uma alteração que ocorre no organismo do indivíduo com concentrações elevadas de lipídeos na corrente sanguínea. No Brasil a incidência de dislipidemia em pessoas jovens vem aumentando, sendo preocupante por apresentar como fator de risco para doenças crônicas como obesidade, diabetes melito tipo 2 e doenças ateroscleróticas. A ausência da prática de atividade física e uma alimentação inadequada leva as dislipidemias. O objetivo deste estudo foi de identificar os adolescentes com dislipidemia, os hábitos alimentares e a prática de atividades físicas em uma escola pública de Barra do Garças. O estudo foi realizado em adolescentes entre 14 e 18 anos de idade. Participaram 45 adolescentes, sendo 09 do sexo masculino e 36 do sexo feminino. Dentre os 45 adolescentes apenas 1 apresentou dislipidemia. Depois da observação sobre alguns artigos foi possível concluir que o sedentarismo e a alimentação inadequada contribuem para o desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis. Palavras-chaves: adolescentes, hiperlipidemia, hábitos alimentares e atividades físicas. ABSTRACT: Dyslipidemia is an alteration that occurs in the body of the individual with high concentrations of lipids in the bloodstream. In Brazil, the incidence of dyslipidemia in young people is increasing, and worrying for presenting as a risk factor for chronic diseases such as obesity, type 2 diabetes and atherosclerotic diseases. The lack of physical activity and poor diet leads dyslipidemias. The aim of this study was to identify adolescents with dyslipidemia, eating habits and physical activity in a public school in Barra do Garças. The study was conducted in year-old adolescents. In this survey 45 adolescents take part which 09 males and 36 females. Among the 45 adolescents only 1 presented dyslipidemia. After studying few articles about it, we concluded that physical inactivity and poor diet contribute to the development of chronic diseases. Keywords: teens, hyperlipidemia, eating habits and physical activity. 1 Acadêmica do curso de bacharel em Farmácia nas Faculdade Unidas do Vale do Araguaia. 2 Professor orientador nas Faculdade Unidas do Vale do Araguaia. 3 Co-orientadora nas Faculdade Unidas do Vale do Araguaia. 1. INTRODUÇÃO A adolescência é uma passagem da infância para a fase adulta da vida do ser humano, em que ocorrem várias transformações, sendo mudanças de caráter exógena e endógena, pois em seu organismo ocorre mudança física e fisiológica (EISENTEIN et al., 2000). De acordo com a Organização Mundial da Saúde esta fase, adolescência, compreende o intervalo de 10 e 19 anos de idade (SILVA; CRUZ; COELHO, 2008). Já o Estatuto Brasileiro do Adolescente, em seu artigo 2 da lei n 8.069, de 13 de julho de 1990, é definido adolescente como aquele indivíduo que tem entre 12 e 18 anos de idade (PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA,1990). A Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabolismo (2009) informa que pesquisas realizadas tem mostrado que tanto obesidade como o sobrepeso tem aumentado nos brasileiros nos últimos 30 anos. Este aumento tem sido verificado desde a infância e progredindo durante seu desenvolvimento até a fase adulta. A obesidade ocorre devido ao acúmulo de gordura no organismo do ser humano, causando dano à saúde, consistindo esta em uma doença, de acordo com a farmacologia (MOTTA; MALHEIROS, 2012; RANG et al., 2007). A obesidade consiste em um distúrbio que atingi todas as idades, independente do sexo, raças, e poder aquisitivo (BARRETO, 2008). A vida moderna e o avanço da tecnologia tem feito com que os adolescentes, tenham poucos hábitos da prática de exercícios físicos, trocando atividades físicas, por horas na frente da TV, por jogos de vídeo games e por computadores (MACHADO, 2011). As brincadeiras de rua, que antes crianças e adolescentes praticavam, têm diminuído muito e as atividades nas escolas ficaram vinculadas somente nos professores, nos horários da realização da educação física 73

2 (MACHADO, 2011; SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA, 2012). Na atualidade, o tipo de alimento consumido por adolescentes, engloba uma grande quantidade de açúcares e gorduras, como, por exemplo, refrigerantes e salgados, e a diminuição do consumo de frutas e hortaliças representa razão de preocupação na clínica médica. Visto que, os adolescentes tem trocado as comidas preparadas em casa, por comidas industrializadas (RUELA; SOUSA JUNIOR, 2010). A inatividade e uma alimentação inadequada pode levar ao desenvolvimento de doenças como doença arterial coronariana que está relacionada às alterações metabólicas com concentrações elevadas de colesterol total e colesterol LDL (CARVALHO et al., 2007). Essa doença esta associada a fatores de risco para aterosclerose, dentre eles a obesidade, as dislipidemias, a hipertensão arterial e o diabetes melito (ROVER et al, 2010). Patologias causadas por alterações metabólicas responsáveis por morbidade e mortalidade em que acometia adultos, vêm atingindo também adolescentes (ROVER et al., 2010). Essas alterações podem resultar na síndrome metabólica, definida por Leal et al. (2009) como sendo um conjunto de fatores que aumentam a possibilidade das pessoas em adquirir problemas cardíacos, derrames e diabetes. Dislipidemia, também conhecida como hiperlipidemia, é caracterizada como o aumento dos lipídeos no sangue, especialmente do colesterol e do triglicerídeos. Um dos fatores para as alterações metabólicas é a dislipidemia, que é uma condição em que o organismo se encontra com as concentrações elevadas de lipídios ou lipoproteínas no sangue, que podem ser por causas genéticas ou ambientais (FRANCA; ALVES, 2006). Os mesmos autores afirmam que essas concentrações, quando permanecem elevadas por um período longo no decorrer da vida do indivíduo, pode ser o objeto direto de causas como hiperlipidemia, hipertensão e doença aterosclerótica. A associação do sedentarismo com a má alimentação vem proporcionando, nos jovens, muitos casos de obesidade, hipertensão, diabetes, dentre outra patologias (MACHADO, 2011). Conforme a Organização Mundial de Saúde as causas de risco mais relevante para morbimortalidade associada a patologias crônicas é a pressão arterial alta, a hipercolesterolemia, a má alimentação, a falta de exercícios e o hábito de fumar. O histórico familiar a alimentação inadequada e a falta de exercícios estão entre as principais causas de desenvolvimento de síndrome metabólica (SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA, 2005). Segundo Alcântara-Neto et al. (2012) estudiosos vem advertindo sobre como tem aumentado as dislipidemias em adolescentes, mediante este crescimento alguns estudos tem se direcionado para analisar as causas associadas a dislipidemias. Esta pesquisa se justifica pelos maus hábitos que a população jovem vem adquirindo em relação a alimentação e atividade física o que tem como consequência uma má qualidade de vida. Portanto é de extrema importância o conhecimento dos fatores que levam as dislipidemias na busca por uma vida com mais saúde. Já que esse é um problema que causa doenças crônicas, como por exemplo, diabetes tipo 2, hipertensão arterial e problemas cardiovasculares (PEGOLO, 2010). O presente estudo pretende analisar os fatores que levam as dislipidemias entre adolescentes de uma escola pública do município de Barra do Garças, levantar as informações a respeito dos hábitos alimentares e verificar a realização de atividade físicas, para possível identificação de adolescentes com dislipidemia. 2. MATARIAIS E MÉTODOS Sendo este um estudo epidemiológico de corte transversal descritivo e exploratório com pesquisa de campo, quantitativo e qualitativo. A análise dos dados foi realizada por meio de tabelas. O estudo foi realizado em uma escola pública do município de Barra do Graças, com adolescentes entre 15 a 18 anos de idade, sem distinção de raça, sexo ou classe econômica, no período de janeiro de Para a realização da pesquisa foi convidado 110 adolescentes e entregue questionários e Termos de Consentimento Livre e esclarecido, porém somente participaram da pesquisa 45 alunos, a maioria deles relataram ter medo de agulhas. Foi seguido rigorosamente todos os preceitos éticos, a partir da aplicação do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) aos pais. Foi realizado um levantamento de dados, explorando e documentando o estado nutricional dos alunos dessa escola, quanto à qualidade de vida. A partir desses dados identificou-se o estado nutricional dos adolescentes. Com aplicação de um questionário (adaptado de Juliani; 2012) sobre os hábitos alimentares e a realização de atividades físicas entre os adolescentes. Além de uma coleta de sangue para análises laboratoriais, sendo Colesterol Total, Colesterol HDL, Colesterol LDL, Colesterol VLDL e Triglicérides. Os adolescentes foram orientados a fazer um jejum de 12 horas antes da punção venosa. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO Participaram do estudo um total de 45 adolescentes de uma escola pública de Barra do Garças. Dos 45 adolescentes integrantes deste estudo, 09 são do sexo masculino, e 36 do sexo feminino, com idade que varia entre 15 anos a 18 anos de idade. (Tabelas 1 e 2). TABELA 1: Quantidade de adolescentes do sexo masculino. Quantidade de Idade adolescentes 74

3 TABELA 2: Quantidade de adolescentes do sexo feminino. Quantidade de Idade adolescentes Conforme dados avaliados da Tabela 3, dos 45 participantes, 29 tem o hábito da prática de atividade física. Quanto a alimentação, 34 alunos consomem frutas e verduras, e foi verificado que a mesma quantidade não costumam trocar as principais refeições por lanches, enquanto 30 alunos faz as três refeições diárias. Dos entrevistados 45 alunos não possuem o hábito de fumar, e 39 alunos não faz o uso de bebidas alcoólicas. Portanto uma boa dieta alimentar acompanhada de exercícios físicos regulares promovem a prevenção e a manutenção da saúde, permitindo ao indivíduo uma melhor qualidade de vida. O exercício físico contribui para o aprimoramento e crescimento do adolescente, estudos tem sugerido que pessoas que aumentam seus níveis de exercícios físicos apresentam diminuição de até 40% de chance de desenvolvimento de doenças cardiovasculares. A prática regular de exercícios físicos é extremamente capaz de potencializar tanto a saúde física quanto a saúde psicológica (COLAÇO; SANTOS, 2014). TABELA 3: Questões que avalia a alimentação e a prática de exercícios físicos. QUETÕES RESPOSTA SIM NÃO 01- Pratica atividade física Pratica um vez por semana? A frequência que pratica é acima de três vezes por semana? Alimenta-se de frutas e verduras? 05- Faz as três refeições diárias? Come guloseimas entre as principais refeições? 07-Come na frente da TV e 42 3 computador? 08- Consome produtos 38 7 industrializados? 09- Tem o hábito de fumar? Faz o uso de bebidas alcoólicas? Tem alguém na família com sobrepeso? 12- A família tem horário fixo para fazer as principais refeições? 13- Os alimentos feitos em casa são os tradicionais? 14- Costuma substituir as principais refeições por lanches? 15- Costuma fazer as principais refeições na sala? Avaliando os pontos negativos do questionário conforme Tabela 3 observou que dos 45 adolescentes participantes, 38 consomem produtos industrializados e somente 7 não. Quanto a TV e ao computador 42 dos alunos se alimentam diante deles, fazendo que haja um maior consumo de alimentos, principalmente as guloseimas que os adolescentes tanto gostam que chegam a consumi-los em intervalos entre as principais refeições, pois dos 45 participantes 25 relataram que consomem guloseimas entre as principais refeições. Outro ponto negativo é que somente 11 alunos tem o hábito da prática de atividade física acima de três vezes por semana, 18 alunos praticam apenas uma vez por semana e 16 não praticam. Diante desses resultados acredita-se que esses adolescentes não estão tendo um estilo de vida muito saudável, e que se continuarem com estes hábitos alimentares e sedentarismo, possivelmente no futuro poderão desenvolver dislipidemia, hipertensão, diabetes dentre outra patologias. Foi relatado que dos 45 participantes, 23 deles tem alguém na família com sobrepeso, portanto tem-se um maior risco de se tornarem adultos obesos. A exposição a elementos de riscos comportamentais, como o cigarro, os maus hábitos alimentares e a inatividade, se inicia na fase da adolescência e se estabelece na vida adulta. Esses elementos aumentam o perigo para o desenvolvimento de doenças crônica não-transmissíveis (DCNT), como as cardiovasculares, diabetes, câncer (BARRETOS, PASSOS, GIATTI, 2009). TABELA 4: Perfíl lipídico de adolescente de Barra do Garças. LIPÍDEOS RESULTADOS Desejável Limítrofe Alto Risco COL-TOTAL COL-HDL COL-LDL COL-VLDL TG A Tabela 4 apresenta o perfil lipídico dos participantes deste estudo. Os resultados foram satisfatórios, pois a maioria dos participantes, não se encontra com risco para dislipidemia, pois dos 45 participantes, 40 alunos apresenta o colesterol Total desejável, 4 alunos está limítrofe, 1 aluno se encontra 75

4 com alto risco. 15 alunos apresenta colesterol-hdl desejável, 28 apresenta limítrofe, 2 com alto risco, e 43 alunos apresenta o colesterol LDL desejável e somente 1 aluno se encontra limítrofe, 1 aluno se encontra com alto risco. 42 alunos apresenta o colesterol-vldl desejável, 2 alunos apresenta limítrofe e 1 aluno apresenta com alto risco. 43 destes alunos também apresenta os triglicérides dentro dos níveis desejáveis, 1 aluno apresenta limítrofe, 1 aluno apresenta com alto risco. Diante desses resultados foi possível identificar 1 adolescente com hiperlipidemia mista (aumento do colesterol total e aumento do triglicérides), diante das respostas apresentados por esses adolescentes no questionário, a informação é que pratica atividade física apenas 1 vez por semana, e tem o hábito de consumir produtos industrializados. Ao se avaliar o colesterol-hdl, que atua como fator de proteção contra as doenças cardíacas, observou-se que 28 adolescentes apresentavam resultados limítrofes. Destes, 2 ainda estavam associados a resultados limítrofes de colesterol-total, colesterol-ldl e triglicérides sugerindo risco moderado à desenvolverem doenças cardiovasculares. Foi observado que 1 adolescente, dos 28 que apresentam colesterol-hdl limítrofe, apresentou colesterol-total, colesterol-ldl e triglicérides elevados, tendo alto risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Dos 45 adolescentes, o colesterol-hdl de 28 alunos apresentaram-se limítrofe, de acordo com a Tabela 3 que avalia a alimentação e a prática de exercícios físicos, foi observado que a maioria dos adolescentes participantes tem o hábito de consumir produtos industrializados, que também a maioria não pratica atividade física acima de três vezes por semana, pode-se ter uma hipótese de quais motivos seria a razão pelo qual o colesterol-hdl apresentou dentro do limítrofe. O aumento da ingestão de gordura está associado ao aumento das concentrações plasmáticas de colesterol levando a maior incidência a aterosclerose. Os hábitos alimentares saudáveis devem ser utilizados na prevenção e no tratamento das dislipidemias. Assim como os exercícios físicos praticados regularmente, estabelece medidas que contribui para o controle das dislipidemias. Portanto as atividades aeróbicas reduz os níveis plasmáticos de triglicérides e eleva o colesterol-hdl (IV DIRETRIZ) (SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA, 2007). O fato dos valores do perfil lipídico estarem abaixo dos outros trabalhos realizados com adolescentes no Brasil, talvez seja porque esta pesquisa foi feita de uma forma geral em adolescentes e não especificamente em adolescentes obesos ou com sobrepeso, como visto em outros trabalhos. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS O estudo realizado mostrou um baixo índice de dislipidemia entre os adolescentes que participaram. Quanto aos hábitos alimentares foi verificado um grande consumo de produtos industrializados entre os adolescentes, o que contribui para as dislipidemias. Porém os adolescentes apresentaram prática de atividade física, até três vezes por semana. O que contribuiu para o não aparecimento de dislipidemia. Diante disso pode-se observar que houve um equilíbrio entre os fatores que levam a dislipidemia e aos hábitos saudáveis que esses adolescentes apresentam. Portanto uma boa alimentação e a prática de exercícios físicos promovem uma qualidade de vida melhor. O conhecimento do perfil lipídico em adolescentes é de extrema importância, para que sejam tomadas providências que visem melhorar a qualidade de vida dos adolescentes. Para isso também se faz importante ser empregado mais conhecimento sobre os malefícios que os maus hábitos alimentares e o sedentarismo vem causando na vida das pessoas. Diante disso se faz necessário a atuação do farmacêutico, pois ele tem todo conhecimento necessário para estar promovendo medidas de prevenção que tem por finalidade proporcionar para os adolescentes de hoje, uma qualidade de vida melhor, crescendo com saúde e se tornado futuros adultos ativos e saudáveis. 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALCÂNTARA-NETO, O.D. de et al. Fatores associados à dislipidemia em crianças e adolescentes de escolas públicas de Salvador, Bahia. Rev. bras. epidemiol., v. 15, n. 2, jun BARRETO, A.D.C. Excesso de peso em adolescentes: um problema de saúde públicade? Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel em Nutrição) - Faculdade Assis Gurgacz, Cascavel, BARRETO, S. M.; PASSOS, V.M.A.; GIATTI, L. Comportamento saudável entre adultos jovens no Brasil. Rev. Saúde Pública, v. 43, n. supl. 2, p. 9-17, CARVALHO, D.F. de et al. Perfil lipídico e estado nutricional de adolescentes. Rev Bras Epidemiol, v. 10, n. 4, , COLAÇO, S. N.; SANTOS, S. L. C. Papel da atividade física na prevenção e controle da obesidade infantojuvenil. Disponível em: ivos/ pdf. Acesso em maio de EISENSTEIN, E. et al. Nutrição na adolescência. Jornal de Pediatria, v. 76, n. 3, ,

5 FRANCA, E. de; ALVES, J.G.B. Dislipidemia entre crianças e adolescentes de Pernambuco. Arq. Bras. Cardiol., v. 87, n. 6, dez JULIANI, S. Obesidade infantil: prevalência, hábitos de vida, alterações metabólicas e qualidade de vida em escolares do Pontal do a Araguaia MT Dissertação (Pós-Graduação em Ciências Ambientais e Saúde) - Universidade Católica de Goiás, Goiânia, LEAL, J. et al. Um resumo do estado da arte acerca da síndrome metabólica. Conceito, operacionalização, estratégias de análise estatística e associação a níveis distintos de actividade física. Rev. Port. Cien. Desp., v. 9, n. 2-3, MACHADO, Y.L. Sedentarismo e suas consequências em crianças e adolescentes Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Educação Física) - Instituto Federal De Educação Ciências e Tecnologia Sul de Minas Campus Muzambinho, Muzambinho, MOTA, É.F.; MALHEIROS, P. Obesidade: o excesso de peso como sintoma. In: FERRER, W.M.H.(org) In focus 3 : coletânea de iniciação científica da área de ciências biológicas e da saúde da universidade de Marília. São Paulo: Arte & Ciência ; Marília, SP: Editora UNIMAR, p PEGOLO, G.E. Rastreamento dos fatores de risco para síndrome metabólica em adolescentes eutróficos e com excesso de peso Tese (Pós- Graduação em Alimentos e Nutrição) - Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Casa Civil. LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm>. Acesso em fevereiro de RANG, H.P. et al. Farmacologia: Obesidade. 6ª ed. Rio de Janeiro: Elservier, p ROVER, M.R.M. et al. Perfil lipídico e sua relação com fatores de risco para a aterosclerose em crianças e adolescentes*. RBAC, v. 42, n. 3, , RUELA, L.C.R.; SOUSA-JUNIOR, F.A.C. de. Avaliação nutricional e estilo de vida de adolescentes de uma escola pública da região Sul Fluminense RJ. NUTRIR GERAIS, v. 4, n. 6, , fev-jul SILVA, G. dos R.; CRUZ, N.R. da; COELHO, E.J.B. Perfil nutricional, consumo alimentar prevalência de sintomas de anorexia e bulimia nervosa em adolescentes de uma escola da rede pública no município de Ipatinga, MG. NUTRIR GERAIS Revista Digital de Nutrição, v. 2, n. 3, 2-15, ago-dez SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA. I diretriz brasileira de diagnóstico e tratamento da síndrome metabólica. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 84, n. 1, 03-28, abril, SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA. IV Diretriz Brasileira sobre Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v.88 supl.1 São Paulo abr SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Obesidade na infância e adolescência: manual de orientação. 2ª ed. São Paulo: SBP, p. 77

ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP

ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP PALAVRAS-CHAVE Lipídios, Dislipidemias, Lipidograma CONEXÃO ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP Alyne Maia Silva 1 Jéssica Fontoura Junqueira 1 Tatiane Kelly Correa

Leia mais

TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR

TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FARMÁCIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA ENTENDENDO a doença metabólica A doença metabólica, também chamada de síndrome metabólica ou ainda de plurimetabólica, em geral faz parte de um conjunto de

Leia mais

Doutor/Mestre, docente do Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas da UEPG;

Doutor/Mestre, docente do Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas da UEPG; 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CORONARIANA DOS SERVIDORES DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CORONARIANA DOS SERVIDORES DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CORONARIANA DOS SERVIDORES DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Natália Ribeiro (PIBIC/CNPq/FA-UEM), Ana Paula Vilcinski

Leia mais

41 ANOS DE EXISTÊNCIA. 942 Médicos Cooperados 71 mil clientes. 1ª Sede Praça Carlos de Campos

41 ANOS DE EXISTÊNCIA. 942 Médicos Cooperados 71 mil clientes. 1ª Sede Praça Carlos de Campos 41 ANOS DE EXISTÊNCIA 942 Médicos Cooperados 71 mil clientes 1ª Sede Praça Carlos de Campos UNIDADES DE NEGÓCIOS PROGRAMA DR. SAUDÁVEL EQUIPE MEDICINA PREVENTIVA 04 Cooperados Coordenador Médico Supervisor

Leia mais

OBESIDADE MAPA DE REVISÕES PROTOCOLO CLINICO. Destinatários. Data Dr. Bilhota Xavier

OBESIDADE MAPA DE REVISÕES PROTOCOLO CLINICO. Destinatários. Data Dr. Bilhota Xavier Palavras-Chave: Destinatários Médicos dos ACES da Unidade Coordenadora Funcional (UCF) de Leiria Elaboração Dr.ª Sandra Ferreira, Dr.ª Carla Loureiro, Dr. Pascoal Moleiro Aprovação Diretor do Serviço Dr.

Leia mais

DIETOTERAPIA INFANTIL DOENÇAS CRÔNICAS NA INFÂNCIA OBESIDADE

DIETOTERAPIA INFANTIL DOENÇAS CRÔNICAS NA INFÂNCIA OBESIDADE DIETOTERAPIA INFANTIL DOENÇAS CRÔNICAS NA INFÂNCIA OBESIDADE Um dos principais problemas de saúde pública da atualidade, Doença nutricional que mais cresce no mundo e de mais difícil tratamento; Etiologia

Leia mais

AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes

AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes Sumário Ver Livro Didático: pág. 37 à 45 e 65 à 71. Lipídeos e Lipoproteínas Sanguíneas Quando pedir ao responsável a análise do perfil lipídico? Pais

Leia mais

O coração. Por isso, recomenda-se o controle dos fatores de risco. o que são doenças cardiovasculares?

O coração. Por isso, recomenda-se o controle dos fatores de risco. o que são doenças cardiovasculares? Coração saudável O coração É o músculo mais importante do nosso corpo, pois é encarregado de bombear o sangue, levando oxigênio e nutrientes a todos os órgãos por meio de vasos sanguíneos chamados artérias.

Leia mais

AUTOR(ES): LUIS FERNANDO ROCHA, ACKTISON WENZEL SOTANA, ANDRÉ LUIS GOMES, CAIO CÉSAR OLIVEIRA DE SOUZA, CLEBER CARLOS SILVA

AUTOR(ES): LUIS FERNANDO ROCHA, ACKTISON WENZEL SOTANA, ANDRÉ LUIS GOMES, CAIO CÉSAR OLIVEIRA DE SOUZA, CLEBER CARLOS SILVA 16 TÍTULO: NÍVEL DE OBESIDADE ENTRE MÃES E FILHOS ESCOLARES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO AUTOR(ES):

Leia mais

PERFIL LIPÍDICO E FATORES BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS

PERFIL LIPÍDICO E FATORES BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS PERFIL LIPÍDICO E FATORES BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS hjhjh O papel da atividade física Margarida Amorim Fernandes Rodrigues Siopa Orientador: Professor Pedro Manuel Vargues Aguiar Coorientadora: Doutora Mafalda

Leia mais

PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES RENAIS CRÔNICOS NA FASE PRÉ-TRANSPLANTE

PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES RENAIS CRÔNICOS NA FASE PRÉ-TRANSPLANTE PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES RENAIS CRÔNICOS NA FASE PRÉ-TRANSPLANTE Beatriz de Oliveira Matos1 Milene Peron Rodrigues Losilla2 1 Graduanda do Departamento de Nutrição/Centro

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS PAIS NA LUTA CONTRA A OBESIDADE INFANTIL

IMPORTÂNCIA DOS PAIS NA LUTA CONTRA A OBESIDADE INFANTIL IMPORTÂNCIA DOS PAIS NA LUTA CONTRA A OBESIDADE INFANTIL Matheus da Nobrega Santos 1 Vanessa Aparecida André Oliveira 2 Mariana Veloso Moreira 3 Valdirene da Silva Elias Esper 4 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: RELAÇÃO ENTRE INATIVIDADE FÍSICA E ÍNDICE DE MASSA CORPORAL EM CRIANÇAS DA REDE MUNICIPAL DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO PE.

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: RELAÇÃO ENTRE INATIVIDADE FÍSICA E ÍNDICE DE MASSA CORPORAL EM CRIANÇAS DA REDE MUNICIPAL DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO PE. EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: RELAÇÃO ENTRE INATIVIDADE FÍSICA E ÍNDICE DE MASSA CORPORAL EM CRIANÇAS DA REDE MUNICIPAL DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO PE. RAMON WAGNER BARBOSA DE HOLANDA PABLO RUDÁ FERREIRA BARROS

Leia mais

Caracterização do Perfil Nutricional, Associados com Dislipidemias em Adolescentes Atendidos no Programa de Atenção à Saúde do Adolescente (PROASA)

Caracterização do Perfil Nutricional, Associados com Dislipidemias em Adolescentes Atendidos no Programa de Atenção à Saúde do Adolescente (PROASA) Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Caracterização do Perfil Nutricional, Associados com Dislipidemias em Adolescentes Atendidos no Programa

Leia mais

XIV Encontro Nacional de Rede de Alimentação e Nutrição do SUS. Janaína V. dos S. Motta

XIV Encontro Nacional de Rede de Alimentação e Nutrição do SUS. Janaína V. dos S. Motta XIV Encontro Nacional de Rede de Alimentação e Nutrição do SUS Janaína V. dos S. Motta EPIDEMIOLOGIA NUTRICIONAL Relatório Mundial de Saúde 1) Água contaminada e falta de saneamento; 2) Uso de combustíveis

Leia mais

Perfil de Hábitos Alimentares e IMC dos Alunos dos Cursos de Educação Física e Tecnologia da Informação

Perfil de Hábitos Alimentares e IMC dos Alunos dos Cursos de Educação Física e Tecnologia da Informação BALBINO, Jhonatan Sousa [1] SOUZA, Vanessa Batista [2] BALBINO, jhonatan Sousa e SOUZA, Vanessa Batista Perfil de hábitos alimentares e IMC dos alunos do curso de educação física e tecnologia da informação.

Leia mais

Interdisciplinar: Revista Eletrônica da UNIVAR ISSN X Ano de publicação: 2014 N.:11 Vol.:1 Págs.

Interdisciplinar: Revista Eletrônica da UNIVAR  ISSN X Ano de publicação: 2014 N.:11 Vol.:1 Págs. Interdisciplinar: Revista Eletrônica da UNIVAR http://revista.univar.edu.br ISSN 1984-431X Ano de publicação: 2014 N.:11 Vol.:1 Págs.:56-60 PERFIL LIPÍDICO DE UMA EQUIPE DE ATLETISMO DO MUNICÍPIO DE BARRA

Leia mais

doi:

doi: doi: http://dx.doi.org/10.5892/ruvrv.2011.93.0307 COMPARAÇÃO DO PERFIL LIPÍDICO EM ADOLESCENTES DE ESCOLA PÚBLICA E PRIVADA DA CIDADE DE ANÁPOLIS-GO COMPARISON OF LIPID PROFILE OF TEENS IN PUBLIC AND PRIVATE

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 TEIXEIRA, Giselle 2 ; BOSI, Greice 2 ; FONTOURA, Ethiene 2 ; MUSSOI, Thiago 2 ; BLASI,

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 1 Influência de um programa de exercícios aeróbios sobre níveis pressórios de indivíduos com Síndrome Metabólica Chane Basso Benetti;

Leia mais

COMPORTAMENTO DE RISCO PARA TRANSTORNOS ALIMENTARES EM UNIVERSITÁRIAS

COMPORTAMENTO DE RISCO PARA TRANSTORNOS ALIMENTARES EM UNIVERSITÁRIAS Resumo COMPORTAMENTO DE RISCO PARA TRANSTORNOS ALIMENTARES EM UNIVERSITÁRIAS UMEBARA, L.M.; VIROTE, W. Os transtornos alimentares tiveram aumento na incidência nos últimos anos, principalmente entre a

Leia mais

AULA: 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana.

AULA: 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana. : 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana. Conteúdo: Doenças relacionadas ao sedentarismo Diabetes. Doenças relacionadas ao sedentarismo Hipertensão arterial e dislipidemias. Habilidades:

Leia mais

Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016.

Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016. Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016. Cristiane Aparecida Rosa 1, Tissiane Narai de Oliveira Ferreira 1, Nayane Aparecida Araújo Dias 2, Renata de

Leia mais

TÍTULO: INGESTÃO DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS RICOS EM SÓDIO E ADIÇÃO DE SAL ÀS PREPARAÇÕES PRONTAS

TÍTULO: INGESTÃO DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS RICOS EM SÓDIO E ADIÇÃO DE SAL ÀS PREPARAÇÕES PRONTAS TÍTULO: INGESTÃO DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS RICOS EM SÓDIO E ADIÇÃO DE SAL ÀS PREPARAÇÕES PRONTAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Avaliação Dados de 2013 Periodicidade: anual desde 2006 Público: maiores de 18 anos e residentes nas 26

Leia mais

TÍTULO: CONSCIENTIZAÇÃO E EDUCAÇÃO SOBRE HIPERTENSÃO ARTERIAL À POPULAÇÃO FREQUENTADORA DA ASSOCIAÇÃO DA TERCEIRA IDADE DE AVANHANDAVA

TÍTULO: CONSCIENTIZAÇÃO E EDUCAÇÃO SOBRE HIPERTENSÃO ARTERIAL À POPULAÇÃO FREQUENTADORA DA ASSOCIAÇÃO DA TERCEIRA IDADE DE AVANHANDAVA TÍTULO: CONSCIENTIZAÇÃO E EDUCAÇÃO SOBRE HIPERTENSÃO ARTERIAL À POPULAÇÃO FREQUENTADORA DA ASSOCIAÇÃO DA TERCEIRA IDADE DE AVANHANDAVA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM

Leia mais

ÔMEGA 3 PÓ. EPA e DHA suplementados na forma de pó

ÔMEGA 3 PÓ. EPA e DHA suplementados na forma de pó ÔMEGA 3 PÓ EPA e DHA suplementados na forma de pó INTRODUÇÃO O desempenho mental exige um tipo específico de gordura, encontrado mais frequentemente em peixes, conhecido como ácido graxo Ômega 3. O ácido

Leia mais

OBESIDADE NA INFÂNCIA. Dra M aria Fernanda Bádue Pereira

OBESIDADE NA INFÂNCIA. Dra M aria Fernanda Bádue Pereira OBESIDADE NA INFÂNCIA Dra M aria Fernanda Bádue Pereira Obesidade infantil Um dos maiores problemas de saúde pública da atualidade. >>>>> Ingestão calórica e

Leia mais

Desnutrição na Adolescência

Desnutrição na Adolescência Desnutrição na Adolescência Adolescência CRIANÇA Desnutrição Anorexia/Bulimia Obesidade / Diabetes ADULTO Dietas não convencionais e restritivas Deficiência de ferro Cálcio, vitamina A, zinco, Vitamina

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E HÁBITOS ALIMENTARES DE ESCOLARES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E HÁBITOS ALIMENTARES DE ESCOLARES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E HÁBITOS ALIMENTARES DE ESCOLARES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP AUTORES Juliane Tavares da SILVA Discente da União das Faculdades dos Grandes Lagos

Leia mais

VALORES CRÍTICOS DO IMC PARA A SAÚDE DOS ALUNOS DO 5º ANO DO PIBID/UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1

VALORES CRÍTICOS DO IMC PARA A SAÚDE DOS ALUNOS DO 5º ANO DO PIBID/UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1 VALORES CRÍTICOS DO IMC PARA A SAÚDE DOS ALUNOS DO 5º ANO DO PIBID/UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1 FUHRMANN, Marlon 2 ; PANDA, Maria Denise Justo 3 Palavras Chave: IMC. PIBID. Saúde. Educação Física. Introdução

Leia mais

Hipertensão Diabetes Dislipidemias

Hipertensão Diabetes Dislipidemias Hipertensão Diabetes Dislipidemias Hipertensão A pressão alta atinge 24,3% da população adulta brasileira e é um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, como

Leia mais

Alimentação Responsável A responsabilidade social dos fornecedores de alimentos e refeições

Alimentação Responsável A responsabilidade social dos fornecedores de alimentos e refeições Alimentação Responsável A responsabilidade social dos fornecedores de alimentos e refeições Hábitos Alimentares e Saúde Alexandra Bento Associação Portuguesa dos Nutricionistas 10 de Maio Fundação Cidade

Leia mais

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS Autor(es): LEIVAS, Vanessa Isquierdo; GONÇALVES, Juliana Macedo;

Leia mais

EXAMES LABORATORIAIS PROF. DR. CARLOS CEZAR I. S. OVALLE

EXAMES LABORATORIAIS PROF. DR. CARLOS CEZAR I. S. OVALLE EXAMES LABORATORIAIS PROF. DR. CARLOS CEZAR I. S. OVALLE EXAMES LABORATORIAIS Coerências das solicitações; Associar a fisiopatologia; Correlacionar os diversos tipos de exames; A clínica é a observação

Leia mais

PREOCUPAÇÃO COM A SAÚDE

PREOCUPAÇÃO COM A SAÚDE PREOCUPAÇÃO COM A SAÚDE Tâmara Barros Cuidar da alimentação, fazer exercícios regularmente e ter uma boa noite de sono são medidas básicas para manter a saúde. Além de prevenir e ajudar na cura de doenças,

Leia mais

fluxo sanguineo colesterol HDL colesterol LDL

fluxo sanguineo colesterol HDL colesterol LDL colesterol 1 2 3 fluxo sanguineo colesterol HDL colesterol LDL O que é o colesterol? O colesterol é uma gordura (designada por lípido ) que existe no sangue, em todas as células do corpo humano. É um componente

Leia mais

Perder peso comendo bem. Melhores alimentos e chás para emagrecer.

Perder peso comendo bem. Melhores alimentos e chás para emagrecer. Perder peso comendo bem. Melhores alimentos e chás para emagrecer. Como Perder Peso, saiba como acabar com a obesidade. Quando falamos em perder peso, estamos falando em eliminar a obesidade, que é o mal

Leia mais

Obesidade Infantil. Nutrição & Atenção à Saúde. Grupo: Camila Barbosa, Clarisse Morioka, Laura Azevedo, Letícia Takarabe e Nathália Saffioti.

Obesidade Infantil. Nutrição & Atenção à Saúde. Grupo: Camila Barbosa, Clarisse Morioka, Laura Azevedo, Letícia Takarabe e Nathália Saffioti. Obesidade Infantil Nutrição & Atenção à Saúde Grupo: Camila Barbosa, Clarisse Morioka, Laura Azevedo, Letícia Takarabe e Nathália Saffioti. A Obesidade Infantil O Problema da Obesidade Infantil É uma doença

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DISLIPIDEMIA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DISLIPIDEMIA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DISLIPIDEMIA DISLIPIDEMIA Dislipidemia, também chamada de hiperlipidemia, refere-se ao aumento dos lipídios (gordura) no sangue, principalmente do colesterol e dos triglicerídeos.

Leia mais

Prof. Thiago Kastell LIPÍDEOS. Substâncias biológicas insolúveis em água Também conhecida como gordura

Prof. Thiago Kastell LIPÍDEOS. Substâncias biológicas insolúveis em água Também conhecida como gordura Prof. Thiago Kastell LIPÍDEOS Substâncias biológicas insolúveis em água Também conhecida como gordura Funções: Precursores hormonais Armazenamento e fonte energética Componentes funcionais e estruturais

Leia mais

CONSUMO DE LEITE POR INDIVÍDUOS ADULTOS E IDOSOS DE UM MUNICÍPIO DA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1

CONSUMO DE LEITE POR INDIVÍDUOS ADULTOS E IDOSOS DE UM MUNICÍPIO DA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1 CONSUMO DE LEITE POR INDIVÍDUOS ADULTOS E IDOSOS DE UM MUNICÍPIO DA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1 Débora Adriana Knoll Wagner 2, Maria Cristina Roppa Garcia 3, Franciéli Aline Conte

Leia mais

doenças coronárias Factores de Risco

doenças coronárias Factores de Risco doenças coronárias Factores de Risco Com vista a maximizar o diagnóstico clínico-laboratorial, o Centro de Medicina Laboratorial Dr. Germano de Sousa, coloca à disposição um painel de parâmetros bioquímicos

Leia mais

PREVALÊNCIA DE DOENÇAS CRÔNICAS AUTORREFERIDAS EM PARTICIPANTES DE UMA CAMPANHA EM PONTA GROSSA-PR

PREVALÊNCIA DE DOENÇAS CRÔNICAS AUTORREFERIDAS EM PARTICIPANTES DE UMA CAMPANHA EM PONTA GROSSA-PR 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Semana do Combate ao Colesterol 05 a 10 de abril

Semana do Combate ao Colesterol 05 a 10 de abril Semana do Combate ao Colesterol 05 a 10 de abril Vida saldável Plasc Folder semana do colesterol alt.indd 1 18/3/2010 09:29:20 Dicas para uma vida saudável ou como manter seu Colesterol no nível ideal.

Leia mais

CONSUMO DE ALIMENTOS CONGELADOS POR INDIVÍDUOS FREQUENTADORES DE SUPERMERCADOS

CONSUMO DE ALIMENTOS CONGELADOS POR INDIVÍDUOS FREQUENTADORES DE SUPERMERCADOS CONSUMO DE ALIMENTOS CONGELADOS POR INDIVÍDUOS FREQUENTADORES DE SUPERMERCADOS PAZ, E. S. 1 ; VITOR, C. T. S. 2 ; FERNANDES, J. 3 ; MARTINEZ, M. 4 ; PALOMINO, M. 5 1 Acadêmica de Nutrição-Universidade

Leia mais

Educação alimentar e analise dos hábitos em relação à alimentação em estudantes do ensino fundamental 2 no município de Itapuranga Goiás

Educação alimentar e analise dos hábitos em relação à alimentação em estudantes do ensino fundamental 2 no município de Itapuranga Goiás Educação alimentar e analise dos hábitos em relação à alimentação em estudantes do ensino fundamental 2 no município de Itapuranga Goiás Sara Marques da Silva¹(IC)*, Lorena Dutra¹(IC), Ester Dias Ruas¹(IC),

Leia mais

TÍTULO: ÍNDICE DE CONICIDADE EM ADULTOS SEDENTÁRIOS DA CIDADE DE CAMPO GRANDE-MS

TÍTULO: ÍNDICE DE CONICIDADE EM ADULTOS SEDENTÁRIOS DA CIDADE DE CAMPO GRANDE-MS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ÍNDICE DE CONICIDADE EM ADULTOS SEDENTÁRIOS DA CIDADE DE CAMPO GRANDE-MS CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

SÍNDROME METABÓLICA E ADOLESCÊNCIA

SÍNDROME METABÓLICA E ADOLESCÊNCIA 44 Manual sobre Insulino-resistência SÍNDROME METABÓLICA E ADOLESCÊNCIA Helena Fonseca Unidade de Medicina do Adolescente, Clínica Universitária de Pediatria Hospital de Santa Maria A prevalência de obesidade

Leia mais

Bulimia Nervosa Anorexia: -Anorexia Nervosa -Anorexia Alcoólica. Obesidade Bibliografia Conclusão

Bulimia Nervosa Anorexia: -Anorexia Nervosa -Anorexia Alcoólica. Obesidade Bibliografia Conclusão Bulimia Nervosa Anorexia: -Anorexia Nervosa -Anorexia Alcoólica Obesidade Bibliografia Conclusão A Bulimia nervosa é um transtorno alimentar causado pela ingestão de grandes quantidades de alimentos, seguidos

Leia mais

Palavras-Chave: Obesidade; Educação Nutricional; Avaliação Nutricional

Palavras-Chave: Obesidade; Educação Nutricional; Avaliação Nutricional PERFIL NUTRICIONAL DE ADULTOS ATENDIDOS EM UMA AÇÃO EDUCATIVA, EM BELÉM, PARÁ. Rosiane Angelim da Silva 1 Marília de Souza Araújo, Liliane Maria Messias Machado, Irland Barroncas Gonzaga Martens Vanessa

Leia mais

Exercite-se com seu diabetes

Exercite-se com seu diabetes Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Exercite-se com seu diabetes Benefícios da atividade física Se você é diabético não tenha medo de

Leia mais

Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados

Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados Cadimiel Gomes¹; Raíla Dornelas Toledo²; Rosimar Regina da Silva Araujo³ ¹ Acadêmico do Curso

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN Ana Paula Araujo de Souza 1 ; Luciana Karla Miranda Lins 2 1 Secretaria Municipal do Trabalho e Assistência

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHANGUERA DE SÃO PAULO

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHANGUERA DE SÃO PAULO TÍTULO: AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE GORDURA SATURADA E DA SUA ASSOCIAÇÃO COM OS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DE MULHERES ATENDIDAS NA CLÍNICA DE NUTRIÇÃO DA UNIBAN CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental 16 Estado nutricional das crianças de 7 a 10 anos de idade do Município de Vinhedo (SP) em 2005 e 2008, segundo os critérios da Organização Mundial da Saúde (2007) Estela Marina Alves Boccaletto Doutoranda

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Estudos e Pesquisas Sociais Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Data 26/08/2016 Introdução Adolescência Transição

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE COLABORADORES DE REDE HOTELEIRA

ESTADO NUTRICIONAL DE COLABORADORES DE REDE HOTELEIRA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTADO NUTRICIONAL DE COLABORADORES DE REDE HOTELEIRA Larissa Paula da Silva de Souza 1, Jordana Lara de Miranda Camargo 2, Isabelle Zanquetta Carvalho

Leia mais

PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PARA PREVENÇÃO DA OBESIDADE ENTRE ESCOLARES DO MUNICÍPIO DE REDENÇÃO-CE.

PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PARA PREVENÇÃO DA OBESIDADE ENTRE ESCOLARES DO MUNICÍPIO DE REDENÇÃO-CE. PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PARA PREVENÇÃO DA OBESIDADE ENTRE ESCOLARES DO MUNICÍPIO DE REDENÇÃO-CE. Gutemberg dos Santos Chaves 1, Vivian Saraiva Veras 2, Ana Carolinna Correia Sales 3, Dara Cesário

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE SOBREPESO E OBESIDADE NO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PARTICULAR E UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA.

ANÁLISE COMPARATIVA DE SOBREPESO E OBESIDADE NO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PARTICULAR E UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA. CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: 2357-8645 ANÁLISE COMPARATIVA DE SOBREPESO E OBESIDADE NO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PARTICULAR E UMA ESCOLA PÚBLICA

Leia mais

Co-orientadora Profa. Dra. da Faculdade de Nutrição/UFG,

Co-orientadora Profa. Dra. da Faculdade de Nutrição/UFG, CONSUMO DE FRUTAS, VERDURAS E LEGUMES E SUA CORRELAÇÃO COM ESTADO NUTRICIONAL E PRESSÃO ARTERIAL DE ADOLESCENTES DE GOIÂNIA (DADOS PARCIAIS REGIÃO SUDOESTE). Carolina de Souza CARNEIRO 1 ; Paulo César

Leia mais

INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB

INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB Lindemberg Medeiros de Araújo Evi Clayton de Lima Brasil TRANSIÇÃO NUTRICIONAL: CAUSAS, SIGNIFICADOS, EFEITOS

Leia mais

CUIDADOS COM A SAÚDE

CUIDADOS COM A SAÚDE CUIDADOS COM A SAÚDE Andressa Malagutti Assis Realizar exames periodicamente, fazer exercícios e cuidar da alimentação são medidas básicas para cuidar da saúde. Além de prevenir e ajudar na cura de doenças

Leia mais

19/04/2016. Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail:

19/04/2016. Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail: Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail: andrea@salesiano-ata.br 1 A Obesidade Definida como doença crônica caracterizada pelo excesso de peso corporal Decorre na maior parte dos casos de um desequilíbrio

Leia mais

, Considerando Considerando Considerando Considerando Considerando Considerando

, Considerando Considerando Considerando Considerando Considerando Considerando RESOLUÇÃO CNS Nº O Plenário do Conselho Nacional de Saúde, em sua 192ª Reunião Ordinária, realizada nos dias 10 e 11 de dezembro de 2008, no uso de suas competências regimentais e atribuições conferidas

Leia mais

Incentivo à Alimentação Saudável. Julho de 2016

Incentivo à Alimentação Saudável. Julho de 2016 Incentivo à Alimentação Saudável Julho de 2016 Como é o hábito alimentar do brasileiro PERFIL ALIMENTAR DO ADULTO Apesar de incluir mais frutas e hortaliças na rotina, os brasileiros consomem doces e refrigerantes

Leia mais

Nutrição Aplicada à Educação Física. Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas. Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci

Nutrição Aplicada à Educação Física. Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas. Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci Nutrição Aplicada à Educação Física Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci ARROZ 100 gramas CÁLCULO DE DIETA CH 25,1 PT 2,0 Lip 1,2 Consumo 300 gramas 100 gr

Leia mais

Cardiologia. Prof. Claudia Witzel

Cardiologia. Prof. Claudia Witzel Cardiologia Introdução Disfunções circulatórias levam as pessoas a adoecerem. Origem congênita ( já nasce com a doença, como a deficiência na formação de válvulas cardíacas) Origem infecciosa ( bactérias

Leia mais

Malnutrição Conceitos gerais

Malnutrição Conceitos gerais Malnutrição Conceitos gerais Desnutrição proteico-calórica (primária) taxas de mortalidade elevadas entre 1 e 4 anos. Kwashiorkor ocorre na 1ª infância durante e/ou após o desmame. Marasmo situação de

Leia mais

Palavras-chave: hipertensão arterial, educação em saúde, prevenção. (83)

Palavras-chave: hipertensão arterial, educação em saúde, prevenção. (83) EDUCAÇÃO EM SAÚDE COMO INSTRUMENTO PARA PREVENÇÃO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL EM SERVIDORES PÚBLICOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Emerson Eduardo Farias Basílio (1); Emily

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Assunto: Risco Global Cardiovascular Nº: 06/DSPCS DATA: 18/04/07 Para: Contacto na DGS: Serviços Prestadores de Cuidados de Saúde do Serviço Nacional de Saúde

Leia mais

AVALIAÇÃO IMC E DE CONSUMO DE ALIMENTOS FONTE DE PROTEÍNA, VITAMINA C E MAGNÉSIO POR ESCOLARES

AVALIAÇÃO IMC E DE CONSUMO DE ALIMENTOS FONTE DE PROTEÍNA, VITAMINA C E MAGNÉSIO POR ESCOLARES AVALIAÇÃO IMC E DE CONSUMO DE ALIMENTOS FONTE DE PROTEÍNA, VITAMINA C E MAGNÉSIO POR ESCOLARES RODRIGUES, Fernanda Nunes (UNITRI) nanda-nutricao@hotmail.com ARAÚJO, Ana Cristina Tomaz (UNITRI) anacrisnutricao@yahoo.com.br

Leia mais

OBJETIVO: Avaliar qual dos parâmetros: cintura, quadril e RCQ tem maior relação com os fatores utilizados no diagnóstico para SM.

OBJETIVO: Avaliar qual dos parâmetros: cintura, quadril e RCQ tem maior relação com os fatores utilizados no diagnóstico para SM. PT.03.02 (RS35150B) SÍNDROME METABÓLICA E FATORES ASSOCIADOS Inácio LB 1 ; Fagundes ALR 1 ; Menezes E 1 ; Magnino FS 1 ; Mendonça ALS 1 ; Redondo LS 1 ; Ribeiro NC 1 ; Dias CR 1 ; Carvalho NV 2 ; Lopes

Leia mais

Cardiovascular 29% Infectious & Parasitic 19% Other 3% Injury 9% Digestive 4% Respiratory. Respiratory Infections. 7% Neuropsychiatric

Cardiovascular 29% Infectious & Parasitic 19% Other 3% Injury 9% Digestive 4% Respiratory. Respiratory Infections. 7% Neuropsychiatric Impacto Global das Doenças Cardiovasculares Digestive 4% Respiratory 7% Neuropsychiatric 2% Injury 9% Other 3% Infectious & Parasitic 19% Respiratory Infections 7% Maternal & Perinatal 5% Cardiovascular

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN Victor Henrique dos Santos Silva 1 ; Adriana Moura de Lima 2 Resumo: Perante a abordagem da

Leia mais

Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes

Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes Nesta aula iremos aprender sobre o conceito, as causas e as consequências da obesidade e a importância da atividade física para a prevenção e controle desta

Leia mais

REEDUCAÇÃO ALIMENTAR NAS ESCOLAS URBANAS DO MUNICÍPIO DE LAGES, SC. Cristiane Pellizzaro Batalha, Mestre, CAV UDESC,

REEDUCAÇÃO ALIMENTAR NAS ESCOLAS URBANAS DO MUNICÍPIO DE LAGES, SC. Cristiane Pellizzaro Batalha, Mestre, CAV UDESC, REEDUCAÇÃO ALIMENTAR NAS ESCOLAS URBANAS DO MUNICÍPIO DE LAGES, SC Cristiane Pellizzaro Batalha, Mestre, CAV UDESC, a2cpb@cav.udesc.br Daiane de Souza Bueno, acadêmica de Agronomia, CAV UDESC, dayah_bueno@hotmail.com

Leia mais

Tema: Saúde Individual e Comunitária

Tema: Saúde Individual e Comunitária Ficha de Trabalho de Ciências Naturais 9º Ano Tema: Saúde Individual e Comunitária 1- Observa a imagem seguinte: 1.1- Indica porque está a saúde representada por um triângulo? 1.2- Dá 2 exemplos da vida

Leia mais

COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL?

COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL? COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL? Profa. Dra. Rosália Morais Torres VI Diretrizes Brasileiras de hipertensão arterial Arq Bras Cardiol 2010; 95 (1 supl.1): 1-51 HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS)

Leia mais

Tópicos. Cenário Atual. Estratégias e custo efetividade. Metas para redução de Doenças Crônicas Não- Transmissíveis (DCNT) 2011

Tópicos. Cenário Atual. Estratégias e custo efetividade. Metas para redução de Doenças Crônicas Não- Transmissíveis (DCNT) 2011 Tópicos Cenário Atual Metas para redução de Doenças Crônicas Não- Transmissíveis (DCNT) 2011 Estratégias e custo efetividade Envelhecimento Populacional Mais Idade Mais DCNT Mortalidade DCNT = 63% dos

Leia mais

Erly Catarina de Moura NUPENS - USP

Erly Catarina de Moura NUPENS - USP Erly Catarina de Moura NUPENS - USP erlycm@usp.br Evolução do estado nutricional de homens, 1974-1975, 1989, 2002-2003, Brasil déficit de peso sobrepeso obesidade eutrofia 100% 80% 60% 40% 20% 0% 1974-75

Leia mais

Distúrbios e doenças ligadas à obesidade. Trabalho realizado por: Álvaro Santos Nº1 9ºA Miguel Oliveira Nº19 9ºA Carlos Azevedo Nº5 9ºA

Distúrbios e doenças ligadas à obesidade. Trabalho realizado por: Álvaro Santos Nº1 9ºA Miguel Oliveira Nº19 9ºA Carlos Azevedo Nº5 9ºA Distúrbios e doenças ligadas à obesidade Trabalho realizado por: Álvaro Santos Nº1 9ºA Miguel Oliveira Nº19 9ºA Carlos Azevedo Nº5 9ºA Índice Introdução O que é a Obesidade? Doenças e distúrbios físicos

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE UM PROGRAMA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA GORDURA CORPORAL DOS PARTICIPANTES DO PIBEX INTERVALO ATIVO 1

A INFLUÊNCIA DE UM PROGRAMA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA GORDURA CORPORAL DOS PARTICIPANTES DO PIBEX INTERVALO ATIVO 1 A INFLUÊNCIA DE UM PROGRAMA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA GORDURA CORPORAL DOS PARTICIPANTES DO PIBEX INTERVALO ATIVO 1 CARDOSO, Eduardo Rangel 2 ; PANDA, Maria Denise de Justo 3 ; FIGUEIRÓ, Michele Ferraz

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES HIPERTENSOS E HIPERTENSO/DIABÉTICOS

QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES HIPERTENSOS E HIPERTENSO/DIABÉTICOS QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES HIPERTENSOS E HIPERTENSO/DIABÉTICOS Autores: Ana Raquel de Figueiredo Rego 1, Mônica Oliveira da Silva Simões 2, Rômulo Lustosa Pimenteira de Melo 3, Paulo Cesar Dantas da

Leia mais

Aluna: Laise Souza Mestranda em Alimentos e Nutrição

Aluna: Laise Souza Mestranda em Alimentos e Nutrição PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ALIMENTOS E NUTRIÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Aluna: Laise Souza Mestranda em Alimentos e Nutrição glicose

Leia mais

OBESIDADE AUMENTA EM ATÉ 40% RISCO DE SETE TIPOS DE CÂNCER EM MULHERES

OBESIDADE AUMENTA EM ATÉ 40% RISCO DE SETE TIPOS DE CÂNCER EM MULHERES OBESIDADE AUMENTA EM ATÉ 40% RISCO DE SETE TIPOS DE CÂNCER EM MULHERES Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 14-Mai-2015 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 14/05/2015 Estudo

Leia mais

A Doença Cardiovascular e a Evidência da Consulta de Enfermagem

A Doença Cardiovascular e a Evidência da Consulta de Enfermagem A Doença Cardiovascular e a Evidência da Consulta de Enfermagem XXXII Congresso Português de Cardiologia Enf.ª Patrícia Alves UCIC CHVNGaia/Espinho,Epe Abril 2011 PATOLOGIA CARDIOVASCULAR Principal causa

Leia mais

CORONARY ARTERY DISEASE EDUCATION QUESTIONNAIRE CADE-Q VERSÃO EM PORTUGUÊS (PORTUGAL)

CORONARY ARTERY DISEASE EDUCATION QUESTIONNAIRE CADE-Q VERSÃO EM PORTUGUÊS (PORTUGAL) CORONARY ARTERY DISEASE EDUCATION QUESTIONNAIRE CADE-Q VERSÃO EM PORTUGUÊS (PORTUGAL) Autor: João Paulo Moreira Eusébio E-mail: eusebio.jp@gmail.com Título do trabalho Reabilitação Cardíaca - Educação

Leia mais

OBESIDADE E DISLIPIDEMIA NA INFANCIA E ADOLESCENCIA

OBESIDADE E DISLIPIDEMIA NA INFANCIA E ADOLESCENCIA I CONGRESSO MÉDICO DA CIDADE DE GUARULHOS OBESIDADE E DISLIPIDEMIA NA INFANCIA E ADOLESCENCIA Ana Margarida B. Moreira Pediatra e Endocrinologia Pediátrica. H.M.C.A Hospital Municipal da Criança e do Adolescente.

Leia mais

PREVALENCIA DAS DOENÇAS CRONICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS EM IDOSOS NO ESTADO DA PARAIBA

PREVALENCIA DAS DOENÇAS CRONICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS EM IDOSOS NO ESTADO DA PARAIBA PREVALENCIA DAS DOENÇAS CRONICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS EM IDOSOS NO ESTADO DA PARAIBA Rita de Cássia Sousa Silva (1); Daniele Fidelis de Araújo (1); Ítalo de Lima Farias (2); Socorro Malaquias dos Santos

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS PARÂMETROS DO PERFIL LIPÍDICO E IMC EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO DA PUC GOIÁS*

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS PARÂMETROS DO PERFIL LIPÍDICO E IMC EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO DA PUC GOIÁS* ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS PARÂMETROS DO PERFIL LIPÍDICO E IMC EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO DA PUC GOIÁS* ALINE REGES DOS SANTOS, NATHANA VANESSA DE ALMEIDA, CLAYSON M. GOMES, SÉRGIO

Leia mais

Quando você precisar, nós estaremos lá.

Quando você precisar, nós estaremos lá. DIA DO COMBATE AO COLESTEROL COLESTEROL, NOÇÕES IMPORTANTES. O controle do colesterol faz parte de um estilo de vida saudável, que inclui atividade física regular, controle do peso, do estresse e parar

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: Entendimento e preocupação com a promoção da saúde

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: Entendimento e preocupação com a promoção da saúde EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: Entendimento e preocupação com a promoção da saúde Nicanor da Silveira Dornelles 1 Veronica Silva Rufino Dornelles 2 Daniela Lopes dos Santos 3 Resumo: A escola como espaço de

Leia mais

PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES

PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES Dra Fabrícia de Oliveira Assis Cantadori Cardiologista do HUJM Cuiabá, maio de 2015 UFMT PREVENÇÃO É procurar e utilizar métodos para prevenir doenças e/ou suas complicações,

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL RESUMO

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL RESUMO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Ana Paula Scherer de Brum* Patrícia Wolf** Paula Masiero*** RESUMO Para termos um corpo e uma mente sadia, devemos ter uma alimentação saudável, com propriedades que ajudam no desenvolvimento

Leia mais

REDUÇÃO & REEDUCAÇÃO PROGRAMA DE EMAGRECIMENTO

REDUÇÃO & REEDUCAÇÃO PROGRAMA DE EMAGRECIMENTO Go Mag R do o Os Efeitos negativos da Obesidade na sua saúde e na sua vida: Menor expectativa de vida Baixa autoestima Mobilidade limitada Problemas nas articulações Ataque cardíaco Pressão alta 2R QUE

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESPERDÍCIO, QUALIDADE DO CARDÁPIO E PESQUISA DE SATISFAÇÃO DE CLIENTES EM UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

AVALIAÇÃO DO DESPERDÍCIO, QUALIDADE DO CARDÁPIO E PESQUISA DE SATISFAÇÃO DE CLIENTES EM UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO AVALIAÇÃO DO DESPERDÍCIO, QUALIDADE DO CARDÁPIO E PESQUISA DE SATISFAÇÃO DE CLIENTES EM UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA CIDADE DE SETE LAGOAS MG Anna Luiza Fernandes de SOUZA 1 Juliana Costa LIBOREDO

Leia mais

Acadêmico do curso de Biomedicina PIBIC/IESA.Instituto Cenecista de Ensino Superior de Santo Ângelo.

Acadêmico do curso de Biomedicina PIBIC/IESA.Instituto Cenecista de Ensino Superior de Santo Ângelo. AVALIAÇÃO DE FATORES DETERMINANTES PARA OBESIDADE NOS ACADÊMICOS INGRESSANTES E CONCLUINTES DE BIOMEDICINA DO INSTITUTO CENECISTA DE ENSINO SUPERIOR DE SANTO ÂNGELO (IESA) SIGNORI, Daniela¹; OLIVEIRA,

Leia mais