Valor para o Cliente e o Consumo: a Influência da Mídia e da Cultura no Comportamento do Consumidor 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Valor para o Cliente e o Consumo: a Influência da Mídia e da Cultura no Comportamento do Consumidor 1"

Transcrição

1 Valor para o Cliente e o Consumo: a Influência da Mídia e da Cultura no Comportamento do Consumidor 1 Autor: Carmen Lúcia Pinto Copetti Universidade do Vale do Rio dos Sinos² Resumo: Valor para o cliente é um dos constructos do marketing que melhor se aproxima da tentativa de entender as preferências do consumidor. A teoria de means-end chains propõe uma representação hierárquica que busca o entendimento da relação que se estabelece entre produto e consumidor, através de atributos, conseqüências de consumo e valores pessoais. Entretanto, estas teorias ainda são insuficientes para entender as razões pelas quais um consumidor considera algum produto importante e merecedor de sua escolha. Para entender a lógica do consumo, faz-se necessário compreender os fenômenos que provocaram alterações sociais, culturais e no comportamento do consumidor. Desta forma, este artigo pretende levantar evidências teóricas de outras áreas que ajudem a compreender este fenômeno. A abordagem enfocará o consumo, cultura e comunicação enquanto dimensão simbólica e como fator de influência no comportamento do consumidor. 1. Introdução Palavras-Chave: valor para o cliente, consumo, cultura, mídia e comunicação Evitar que os produtos sejam percebidos como commodities é um grande desafio para as empresas. Tarefa nada fácil num contexto de globalização, de evolução e democratização da tecnologia e de aperfeiçoamento dos processos de produção e de distribuição. Da mesma forma, para o consumidor definir a escolha por um produto, baseando-se somente em atributos intrínsecos, tornou-se igualmente difícil. Produtos e serviços estão muito similares entre si. O gerenciamento da qualidade e da inovação tornou-se tão popular que não é mais suficiente para manter uma organização competitiva (WOODRUFF, 1997). Ao mesmo tempo, não existe mais um mercado massificado com características genéricas e necessidades similares (HOLTZ, 1994, SCHULTZ et al., 1994). O que as empresas esperam é que os consumidores possam ser capazes de perceber algum valor que as coloquem em uma posição diferenciada em relação aos seus concorrentes. A aquisição de conhecimentos mais profundos e adequados sobre os consumidores tem muito mais complexidade do que descrever as virtudes de um produto (ETTENBERG apud ZALTMAN, 2003). Compreender o 1 Trabalho apresentado ao NP 03 Publicidade, Propaganda e Marketing, do IV Encontro dos Núcleos de Pesquisa da Intercom. 2 Carmen Lúcia Pinto Copetti é graduada em Comunicação Social Habilitação Publicidade e Propaganda; especialista em Administração de Marketing e mestranda no PPG em Administração da UNISINOS. É professora do curso de Publicidade e Propaganda da UNISINOS desde

2 que o cliente valoriza e destacar a sua importância nos processos mercadológicos tornou-se um grande desafio para pesquisadores e profissionais de marketing e de comunicação. Uma nova vertente de estudos, voltados para a compreensão do que é valor para o cliente, tem buscado compreender e conhecer o que ocorre na relação estabelecida entre consumidores e os produtos e serviços. Nestes estudos percebe-se a abertura de um espaço diferenciado de discussão e compreensão dos aspectos subjetivos e simbólicos do consumo. A definição de valor para o cliente segundo Woodruff (1997) pressupõe que a percepção que o consumidor tem é conseqüente de uma experiência de compra ou de uso de determinado produto ou serviço, ou seja, que exista uma situação específica de uso. Entretanto, é sabido que mesmo antes de ocorrer uma experiência de uso, o consumidor já pode possuir uma percepção em relação a um produto ou serviço. Apesar do reconhecimento de que o valor para o cliente tem importância nos processos mercadológicos e que deve ser comunicado ao cliente, poucos estudos se ocupam de analisar as especificidades de um sistema de comunicação voltado para a construção de valor. Para Day e Crask (2000) o valor pode ser construído antes e durante a compra e o consumo, interferindo no processo que gera sua satisfação ou insatisfação. Esta expectativa de valor, que o consumidor constrói antes da sua experiência de consumo, pode ser oriunda de diversas fontes e uma das mais significativas, sem dúvida, é a resultante do contexto cultural e da imagem transmitida através da mídia, principalmente através das ações de publicidade e propaganda. O objetivo deste artigo é levantar evidências teóricas que ajudem a compreender a construção de valor pelo cliente, considerando a influência da cultura e da comunicação sobre o comportamento do consumidor, e de outros aspectos que levam a uma construção simbólica de valor. 2. Referencial teórico O presente artigo abordará três vertentes teóricas, aqui consideradas como importantes para a compreensão do fenômeno do consumo e de construção de valor sob a ótica de uma dimensão simbólica, ficando divido em três seções: o valor para o cliente, a partir da abordagem do marketing; o consumo e a cultura, enquanto dimensão simbólica; e o papel exercido pela mídia e pela comunicação na sociedade. O objetivo é procurar entender como estes elementos podem estar relacionados entre si, suas conexões e articulações, na perspectiva de uma nova compreensão para o fenômeno. Explorar as relações entre diversas disciplinas é um grande desafio. Zaltman (2003) ressalta que os limiares mais 2

3 promissores do conhecimento geralmente situam-se nas fronteiras entre diversos campos e é onde o marketing deveria procurar novas compreensões para alguns fenômenos Valor para o cliente Os estudos sobre valor para o cliente podem ajudar a compreender o que leva um consumidor a tomar uma decisão de compra, o que por sua vez pode contribuir para a performance de mercado das empresas e no direcionamento de suas ações de comunicação. Apesar da reconhecida importância do conhecimento de valor para o cliente, há poucas evidências de que as organizações tenham um conhecimento mais profundo a respeito (FLINT et al, 2002) e os utilizem em suas decisões estratégicas. O conceito de valor foi definido em diferentes áreas, com diferentes abordagens, desde concepções filosóficas, econômicas, até chegar a uma abordagem voltada para o consumidor, onde passou a receber a denominação de Valor para o Cliente. Dentro da literatura de marketing, na década de 80 é dado início a uma discussão voltada para as necessidades, preferências e desejos do cliente, e posteriormente para customer value, como foco de estratégias para a geração de vantagem competitiva (SILVEIRA, 2003). Apesar dos avanços das discussões, o valor para o cliente é um constructo complexo (WOODRUFF et al., 1993; SINHA e DeSABRO, 1998) e tem merecido especial atenção nos estudos de marketing. Uma nova compreensão do que é valor para o cliente busca conhecer e compreender o que ocorre na relação estabelecida entre os clientes e o consumo. Para Leão e Mello (2001) customer value é um dos constructos que melhor explica o comportamento do consumidor e o conhecimento destes valores é um dos melhores meios para se chegar à diferenciação de produtos. O tema é freqüentemente relacionado à diferenciação dos produtos como vantagem competitiva (WOODRUFF, 1997; PARASURAMAN, 1997; KOTLER, 1999) e é considerado como uma fonte importante para o entendimento e o gerenciamento das ações voltadas ao consumidor (ROKEACH, 1979), entre elas, as de publicidade e propaganda. A proposta central do construto é expressa na definição de Woodruff (1997) que estabelece o Valor para o Cliente como a preferência e avaliação, percebida pelo cliente, dos atributos do produto, performance dos atributos, e conseqüências geradas pelo uso, que facilitam ou bloqueiam o alcance 3

4 dos objetivos e propósitos dos clientes nestas situações (p. 142). Entender como os consumidores traduzem características e conseqüências de uso em valores é um grande desafio. A teoria de means-end chains oferece subsídios importantes para o entendimento da cadeia de valor e leva a uma representação hierárquica deste processo. Propõe que produtos, e a forma como se relacionam com os consumidores, podem ser representados por um modelo de três níveis: atributos do produto, conseqüências de consumo e, por fim, valores pessoais (WOODRUFF e GARDIAL, 1996; PERKINS e REYNOLDS, 1998). Os três níveis da hierarquia de valor, chamados de ACV, são interconectados e os mais baixos são os meios pelos quais os mais altos são atingidos. O consumidor forma uma percepção de valor pela qual a conseqüência derivada do uso de um produto irá levá-lo a obter os estados finais desejados, ou seja, o levará a conquista de valores pessoais. Trata-se de uma cadeia hierárquica e quanto mais alto for o nível alcançado nesta hierarquia, mais alto serão os níveis de subjetividade envolvidos (SOLOMON, 1996; WOODRUFF e GARDIAL, 1996). O modelo de means-end proposto por Gutman (1982) considera algumas suposições fundamentais: os valores são determinantes para a definição do padrão de compras do consumidor; os consumidores fazem agrupamentos em classes de produtos baseados na função de satisfazer valores; toda a ação de consumo tem uma conseqüência; e que há uma inter-relação entre os atributos dos produtos e conseqüências. Os produtos são selecionados com base nos atributos que possuem, mas dependem da possibilidade de produzir conseqüências desejadas. As conseqüências tanto podem ser de natureza fisiológica como social; diretas ou indiretas, imediatas ou posteriores. A proposta ampliada do modelo ACV (WOODRUFF e GARDIAL, 1996) privilegia os níveis de abstração em cada um dos níveis da cadeia. Enquanto o modelo básico de ACV estabelece a hierarquia em três níveis: atributos, conseqüências e valores; a versão ampliada aumenta para seis os níveis da cadeia, onde os atributos são subdivididos em concretos e abstratos; as conseqüências, em funcionais e psicológicas; e os valores, em instrumentais e terminais. Percebe-se, desta forma, a necessidade de incorporar aspectos subjetivos ao estudo Existe uma distinção entre os níveis de conseqüências esperadas. Algumas, como as físicas, são mais fáceis de serem percebidas e identificadas dentro dos próprios atributos do produto. Outras, mais subjetivas, como por exemplo reconhecimento social, dependem de critérios estabelecidos pela sociedade e pelo próprio consumidor. É o consumidor que irá categorizar os produtos que possam prover e satisfazer estes critérios. Para Zaltman (2003) a idéia de que os consumidores pautam as suas 4

5 decisões e conduta pela racionalidade é totalmente equivocada. Algumas afirmações que os próprios consumidores dão, quando utilizados os métodos tradicionais das pesquisas de marketing, podem não ser confiáveis ou de pouco contribuição para o entendimento do fenômeno. A discussão que abarca a teoria de valor ultrapassa a mera identificação de atributos e benefícios. Hoolbrook (1999) alerta que a teoria de valor representa um corpo de conhecimentos habitualmente negligenciados pelos pesquisadores e disciplinas relacionadas ao marketing. O grande ponto está em entender as razões pelas quais os atributos são considerados como importantes para o consumidor (OLIVER, 1997). Os consumidores não estão mais alinhados em grandes grupos-alvo, simples e previsíveis e a própria dinâmica do mercado fundamenta-se em elementos mais complexos (MELLO e BRITTO, 2001). Os produtos são avaliados não apenas em termos do que eles podem fazer, mas em função de sua capacidade de comunicarem algo, de significarem alguma coisa para a vida das pessoas. SCHMITT (2000) considera o consumo como uma experiência holística e ratifica a importância de incorporar estudos relativos aos aspectos emocionais ao comportamento do consumidor. Alguns pesquisadores de consumo, como Belk, Wallerndorf e Sherry (apud SCHMITT, 2000) verificaram que os consumidores contemporâneos elegem determinados objetos e experiências de consumo como representantes de algo que vai além do que aparentemente se propõem. Os consumidores podem obter certo status adquirindo determinados produtos, que para eles possuem um determinado valor. O consumidor estabelece uma ligação com a sociedade através de certos artifícios que expressam valor e que permitem coesão e integração social. Em um processo de construção de valor é visível a necessidade de um trabalho voltado para o fornecimento de experiências e não somente para a identificação estática e funcional dos produtos de uma empresa. O estudo desenvolvido por Carpenter, Glazer e Nakamoto (1994) demonstrou que muitas vezes um atributo mencionado pelo consumidor para a criação de um benefício percebido não é relevante. Ao contrário, este atributo não poderia ser responsável pelo benefício implicado, demonstrando que nem sempre o consumidor tem condições de detectar explicitamente como um benefício foi alcançado. Benefícios associados a atributos irrelevantes são freqüentemente sugeridos pela propaganda, que geram expectativas de experiências através da linguagem e do simbolismo Dimensão simbólica: cultura e consumo 5

6 Para entender a nova lógica do consumo faz-se necessário compreender os fenômenos que provocaram profundas alterações sociais e culturais e, conseqüentemente, no comportamento dos consumidores. O consumo moderno é resultado de vários séculos de mudanças sociais, econômicas e culturais. Cultura e consumo assumiram uma relação sem precedentes no mundo moderno. Entretanto, as ciências sociais demoraram a perceber esta relação e mais ainda para avaliar a sua significação e perceber que o consumo é um fenômeno totalmente cultural (McCRAKEN, 2003). As pesquisas e estudos sobre o consumo reproduzem a desconexão entre as ciências sociais. As teorias econômicas, sociológicas, psicanalíticas, psicossociais e antropológicas se ocupam isoladamente do fenômeno, sem existir uma teoria sociocultural do consumo que considere os possíveis pontos de confluência entre as diferentes áreas (CANCLINI, 1999). Com a abertura do campo de estudo, o consumo tem sido menos freqüentemente definido como uma pequena fatia da realidade do indivíduo, e mais freqüentemente como um conjunto de fenômenos diversos, sistemáticos, abrangentes e plenamente culturais (McCRACKEN, 2003). A cultura pode ser vista sob a ótica da integração lógica e social de representações coletivas (BORDIER, 1998). Sob este mesmo aspecto, o consumo adquire uma dimensão simbólica e passa a exercer uma função social de inclusão e dissociação. Os bens de consumo têm uma significação que vão além de seu caráter utilitário e de seu valor comercial. Esta significação consiste na habilidade de carregar e comunicar significado cultural (DOUGLAS e ISHERWOOD; SAHLINS, apud McCRAKEN, 2003). Os atos de consumo exprimem sempre uma posição social, por serem característicos de um grupo de determinado status (VEBLEN, apud BOURDIER, 1998). Reforçam critérios de hierarquização social, regulando a apropriação dos símbolos e fornecendo as regras e a materialização com as quais os grupos dão sentido as suas práticas. A lógica do consumo aponta para os modos socialmente estruturados de uso de bens, como forma de demarcação das relações sociais (FEATHERSTONE, 1995). Ao mesmo tempo em que o valor funcional dos produtos diminuiu em sua importância, aumentou o seu espaço de valor enquanto troca simbólica. Barbosa (2002) aponta que para entender o consumo é necessário mapear as diferentes categorias culturais que compõem a sua rede de significados, entender como se conecta com as outras áreas da vida social e entender qual o peso e a relação entre a dimensão simbólica e material, no contexto da sociedade contemporânea. 6

7 O paradigma simbólico é radicalmente diferente do paradigma funcional. Os objetos-signos trocam-se entre si e a teoria das necessidades só passa a ter sentido se considerado o contexto ideológico destas necessidades. As necessidades podem ser vistas como naturais e evidentes por si mesmas, como as necessidades básicas de alimentação, vestimenta, moradia. Por outro lado, também podem ser vistas como arbitrárias e subjetivas, que dependem inteiramente das peculiaridades dos indivíduos, como por exemplo carências, caprichos, preferências ou desejos. As necessidades não são apenas sociais, mas também políticas, pois envolvem afirmações a respeito de interesses e projetos sociais (SLATER, 2002). Afirmar que uma pessoa comprou algo simplesmente pelo que esta coisa representa como utilidade, não acrescenta para se saber o porquê da compra, e quais foram as motivações e necessidades que estavam por trás. Os conceitos de utilidade e funcionalidade em geral dão conta apenas de uma preocupação formal e ao mesmo tempo abstrata, que substitui a variedade de motivações sociais e dos desejos humanos. Para a análise do consumo é necessário considerar a análise da lógica social e da troca dos signos. O objeto tornado signo é determinado pela lei social, através da mediação e inter-relação com os grupos. A nova lógica do consumo é uma lógica do signo e da diferença. A diferenciação social também é feita pelo que o indivíduo consome. Segundo Baudrillard (1999), ainda existe a crença no consumo e num sujeito real, movido por necessidades e confrontados com objetos reais, fontes de satisfação, o que não passa de metafísica vulgar de que a psicologia, a sociologia e a ciência econômica foram cúmplices. Para o autor, é necessário desconstruir as noções de objeto, consumo, necessidades e aspirações. Existe uma outra lógica, inconsciente, de um outro discurso, não manifesto. Os processos e o trabalho da lógica social inconsciente é que precisam ser encontrados por debaixo da ideologia consagrada do consumo. O entendimento das relações de consumo e do mercado não está restrito as questões de eficiência comercial e de marketing. O consumo não é uma mera aquisição individual de objetos isolados, mas uma apropriação coletiva de bens que proporcionam satisfação biológica e simbólica, que servem para enviar e receber mensagens. Da mesma forma, o mercado deixa de ser um mero lugar de troca de mercadorias, para ser uma parte de interações socioculturais complexas. O valor mercantil é resultante das interações socioculturais em que os homens os usam (CANCLINI, 1999). Canclini (1999) sugere uma definição de consumo como um conjunto de processos socioculturais em que se realizam a apropriação e os usos do produto. Teorias mais complexas sobre a 7

8 interação entre produtores e consumidores, como a antropologia e a sociologia urbana, indicam que no consumo se manifesta também uma racionalidade sociopolítica interativa. Consumir é participar de um cenário de disputas por aquilo que a sociedade produz e pelos modos de usá-lo. Quando um consumidor seleciona um bem e se apropria dele está definindo publicamente o que considera valioso. A definição de Slater (2002) vê o consumo como um processo social, responsável em estabelecer uma conexão importante entre as vidas cotidianas com as questões centrais da sociedade e da época. O consumo relaciona-se com a forma de como as pessoas querem viver e com as questões de como a sociedade é organizada, sua estrutura social e simbólica. O gosto das pessoas e aquilo que valorizam está estratificado e estruturado socialmente, não só em relação às diferenças, mas também quanto à hierarquia. Ao expressar ou exibir um comportamento ou gosto, as pessoas estão dando indícios de sua posição social. Segundo esta classificação, os gostos classificam o classificador, envolvendo relações de poder, legitimidade e de representação social (BOURDIER, 1998). Outras abordagens interpretam a cultura enquanto experiência de vida (LEAVIS, WILLIANS, THOMPSON e HOGGART, apud SLATER, 2002). A cultura é entendida como uma prática, que traduz ao mesmo tempo os modos de expressão e de ação de uma classe. Os bens de consumo tornaram-se uma forma de expressão de uma cultura, exigindo que os estudos culturais também o considerassem como parte do contexto teórico, numa relação de reciprocidade. A cultura do consumo se tornou essencial para o entendimento do comportamento social. A valorização do consumo extrapolou a teoria econômica, para adquirir valorização política, moral, social e comportamental. Os estudos do pós-modernismo ajudam a compreender a cultura do consumo, suas relações e associações, sinalizando para a necessidade de se construir uma nova percepção sobre a realidade Produtos Imateriais O período pós-fordismo foi marcado pelo predomínio da informação, da mídia e dos signos, acompanhado da desagregação da estrutura social em estilos de vida, da inversão do consumo sobre a produção e do seu papel na vida das pessoas, assim como na constituição de identidades e interesses. Até então, os estudos do consumo e da cultura ocupavam um lugar secundário e periférico nas ciências sociais em comparação a relevância dada para a produção e para a economia. 8

9 As contribuições de Bell, Jameson, Boudrilhard, Bauman, Leiss (apud FEATHERSTONE, 1995), entre outros autores, anunciaram um novo momento para a compreensão do fenômeno, quando surge a interpretação de que as pessoas não consomem mais coisas, e sim, signos. Percebe-se o início da era da desmaterialização dos objetos, seja através da expansão dos serviços ou pela transformação dos produtos materiais em fontes de forte apelo imaterial. Componentes como o design, embalagem, propaganda e marca passaram a ser determinantes tanto para a produção quanto para o consumo de bens. Simbolismo que se evidencia não somente no design e no imaginário, mas também como aspecto para enfatizar diferenças de estilos de vida, demarcando as relações sociais. Os estudos organizacionais também foram influenciados pelos estudos culturais, incorporando o discurso pós-modernista do signo e do simbólico, dos sentimentos inconscientes, das imagens e valores inerentes a uma organização (WOOD, 2001). A composição cada vez mais imaterial dos objetos e mercadorias é atribuída à mediação dos bens (SLATER, 2002) ou seja, pelas formas de sua representação através da comunicação, da propaganda, em descrições de estilos de vida em filmes e programas de televisão, em revistas, nas referências através de ídolos e celebridades, ou em outras formas de projeções Indústria Cultural, Mídia e Comunicação A indústria cultural é um fato social e é formada por representações coletivas (DURKHEIM, 1977). Numa abordagem mais ampla a Indústria Cultural designa as produções simbólicas que circulam na sociedade industrial e são veiculadas pelos meios de comunicação. Existe um vínculo estrutural entre a indústria cultural e a comunicação (ROCHA, 1995). Novas tecnologias da mídia e da informática mudaram os padrões de vida cotidiana, reestruturaram as relações sociais e de trabalho e aceleraram a disseminação e o poder da cultura veiculada através da mídia. O desenvolvimento e a expansão geográfica da mídia desempenhou papel fundamental na reestruturação da identidade contemporânea e na conformação de pensamentos e de comportamentos (THOMPSON, 1998) A cultura da mídia é a cultura dominante nos dias de hoje (KELLNER, 2001). As imagens da cultura da mídia são importantes tanto pela maneira como são construídas como pelos significados e valores que transmitem e que são incorporados. Entre a produção e o consumo existe um espaço que em parte é ocupado pela comunicação e pela midiatização dos produtos (ROCHA, 1995). No consumo é quando homens e objetos são 9

10 colocados em contato e é quando se concretiza a sua função classificatória. Os múltiplos sistemas de classificação são desenvolvidos e articulados num cotidiano que é comunicado. A propaganda situa-se entre as duas esferas mais importantes do circuito econômico: produção e consumo, e tem papel fundamental na interação entre estes dois domínios. Pela atribuição de identidade, o produto passa a conviver em meio a relações humanas, simbólicas e sociais, que caracterizam o consumo. A propaganda é carregada de contexto social, quando tenta criar uma associação entre os produtos e certas características socialmente desejáveis e significativas, a fim de produzir a expectativa de que é possível vir a ser certo tipo de pessoa. Além de ser um meio de impulsionar o consumo, a propaganda é um mecanismo importante, e muitas vezes negligenciado, de socialização. Apresenta muitas vezes uma imagem utópica da realidade, associando o consumo de determinados produtos a metamorfoses pessoais. Os indivíduos identificam-se com valores, modelos e comportamentos sociais transmitidos através da propaganda (KELLNER, 2001). Ducoffe (1995) propôs um novo constructo e introduziu a discussão a respeito do advertising value, na tentativa de avaliar o valor e contribuição da publicidade para a formação de atitude positiva por parte do consumidor. Mas não são poucas as críticas a respeito de como a publicidade tem sido utilizada, uma vez que produz diferentes efeitos em diferentes pessoas (WEILBACHER, 2001) e utiliza poucos instrumentos de aferição de seus resultados. Zeithaml (1988) sugere que o entendimento daquilo que o consumidor espera de um produto, pode ser projetado em o que se espera de uma publicidade. Alguns produtos com forte valor simbólico são verdadeiros porta-vozes da auto-imagem dos consumidores (MELLO e BRITTO, 2001). Apesar de valor para o cliente não ser um constructo abordado diretamente pelos estudos da comunicação, percebe-se uma grande influência da mídia e da propaganda na concepção de valor para o indivíduo. O crescente acesso e aumento da exposição das pessoas aos materiais simbólicos midiáticos, interfere no processo de formação do indivíduo (THOMPSON, 1998) e na construção dos seus valores. Os limites entre ficção e realidade no mundo midiático estão cada vez mais tênues e difíceis de serem percebidos. As imagens assistidas ao vivo na televisão em 11 de setembro de 2001, pareciam muito mais lógicas no contexto de um filme de Spielberg (com direito a indicação ao Oscar) do que como um fato da vida real. A experiência midiática, ao contrário da experiência vivida, permite a 10

11 transposição do indivíduo para realidades não pertencentes ao seu cotidiano ou ambiente social. A medida em que o indivíduo está mais aberto e exposto à mídia, se transforma em um indivíduo mais disperso e descentralizado, perdendo parte de seu discernimento entre o mundo midiático e o mundo real. A dinâmica do desejo foi transformada recentemente e a tecnologia é a grande facilitadora da formação de uma vida imagética. A vida das pessoas se passa num universo muitas vezes intangível de pensamentos, de imagens e de idéias. Para Davis (2002) o efeito sobre o estado de espírito do consumidor é o único território que resta para prover benefícios novos e atraentes, uma vez que a inovação e excelência de desempenho de um produto são quesitos básicos para a sobrevivência de qualquer um e já foram repetidos tantas vezes enquanto apelo, que perderam seu sentido. Os velhos slogans que um dia já funcionaram para o convencimento de compra perderam seu valor e poder. Tudo isto leva a uma dimensão simbólica e emocional, que dificulta a tradução dos desejos pelo consumidor. Os problemas do consumidor não dizem mais respeito a produtos, mas sim a respeito de sua vida. A tomada de decisões envolve a atuação simultânea da razão e da emoção e sofre enorme influência do contexto social, dos hábitos e outras forças inconsciente que afetam o consumidor (ZALTMAN, 2003) Comunicação como Sistema de Significação Para Aaker (2001) o valor agregado de um produto deve ser percebido pelo cliente. Se não o é, o problema pode ter sido que o valor adicionado não tenha sido comunicado ou, pelo menos, não de forma eficiente. Nesse caso, o cliente pode não estar consciente dos supostos valores agregados, seja pela falta de exposição à informação ou pelo fato de a informação não ter sido formatada de uma maneira atraente ou plausível. O campo comunicacional, a partir de sua abordagem teórica sobre os mecanismos simbólicos, passou a ser visto como importante para as ciências sociais (SODRÉ, 1996). A mídia exerce um papel de mantenedora das aparências da consciência moral e social, ocupando lugar primordial para a construção da realidade ou de moldagens ideológicas, realizando um trabalho cultural. Para Pereira e Herschmann (2002) o campo da comunicação conquistou um importante espaço, pois foi através dos processos comunicacionais, entendido como articulações estratégicas de sentido, 11

12 que a informação e o conhecimento transformaram-se em agregadores de valor, apoiando-se no que os autores denominaram de uma logística de sentido. Se os modelos de comunicação utilizados até bem pouco tempo garantiam seus resultados, hoje são insuficientes para essas novas demandas. A gestão de comunicação do valor é muito mais abrangente e inclui todas as maneiras pelos quais os clientes (nos diversos níveis) irão entrar em contato com um produto ou marca. A abordagem técnica da comunicação deu lugar a um modelo comunicativo que pressupõe um sistema de significação (ECO, 1975). Neste novo modelo, o produto é explorado pela sua função significação, onde efeitos e funções sociais se articulam dentro da relação comunicativa, promovendo o reconhecimento e atribuição de sentido às mensagens. A significação das imagens e mensagens abre um espaço de estudo extremamente rico e articulado. Zaltman (2003) afirma que 95% do processo mental dos consumidores ocorre na mente inconsciente e que boa parte do processo mental vem à tona por meio de metáfora, freqüentemente utilizada na comunicação humana.. Um produto pode ser anunciado totalmente descontextualizado de sua função direta. Não é mais preciso mencionar o seu sentido objetivo, na relação direta com a sua utilização. Não se fala mais somente do seu valor de uso ou de seu valor econômico, mas principalmente de seu valor como troca simbólica. Quando o valor de uso dos produtos diminui em importância, a teoria das necessidades passa a ter um novo sentido, e necessita considerar o conceito ideológico das necessidades. A diferenciação na sociedade também é feita pelo que se consome. Considerações finais, limitações e indicações para novas pesquisas Pela ampla opção de ofertas, freqüentemente o consumidor se vê diante de produtos muito similares em termos de atributos intrínsecos. Embora os atributos e os benefícios funcionais dos produtos sejam importantes, dão conta apenas de uma parte do que realmente impulsiona os consumidores. Desta forma, se o consumidor valoriza os atributos extrínsecos, ou seja, todos aqueles que se associam ao produto, mas não fazem parte da sua composição física, os estudos deveriam também contemplar as questões que privilegiam a valorização de elementos subjetivos, como por exemplo marca e imagem. Para isto, exige-se a aquisição de conhecimentos muito mais profundos e adequados sobre os consumidores. Mesmo que a qualidade técnica dos produtos e serviços seja crucial no fornecimento de experiências de consumo, parte importante da experiência total dos consumidores 12

13 resulta de suas crenças e expectativas (ZALTMAN, 2003). Os clientes podem ter percepções de uma marca ou produto que não são explicadas pelos atributos objetivos do produto. Essas percepções tendem a ser relativamente emocionais, subjetivas e não-racionais (ZEITHAML, 2001). Para o entendimento do consumo percebe-se a necessidade de discutir e compreender os aspectos subjetivos e simbólicos envolvidos. Os motivos pelos quais o consumidor faz suas escolhas são reconhecidamente complexos, fator motivador para o desenvolvimento de novos estudos sobre valor para o cliente. Ampliá-los para outras áreas e buscar uma relação com o papel exercido pela comunicação poderá ajudar a responder a tantas das questões que ainda se encontram em aberto. Um campo de conhecimento define-se não apenas através dos objetos e temáticas específicas, mas sobretudo a partir de reflexões e questionamentos acerca dos fenômenos sociais que os circundam (BARBOSA, 2002). A partir desta premissa considera-se importante a aproximação de algumas teorias que possam contribuir para o entendimento do fenômeno do consumo e conseqüentemente de como um consumidor pode atribuir valor para determinado produto ou serviço. Neste sentido, percebe-se certa congruência nos estudos da cultura, do consumo e da comunicação para o entendimento de aspectos simbólicos e subjetivos que integram a sociedade pós-moderna, o que sinaliza para a necessidade de estudos interdisciplinares sobre o fenômeno. Estratégias de comunicação formuladas a partir do que seja valor para o cliente poderão contribuir na transmissão de atributos, conseqüências ou valores pessoais, podendo trazer maior eficácia para as ações mercadológicas e de publicidade e propaganda. Trata-se entretanto de um estudo teórico. Estudos futuros poderiam aprofundar-se em áreas específicas e analisar empiricamente o tema, na tentativa de criar instrumentos de medição de resultados que se adaptem ao constructo. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AAKER, David. Marcas: brand equity: gerenciando o valor da marca. São Paulo : Negócio, BARBOSA, Marialva. Tensões e Objetos da Pesquisa em Comunicação. P Porto Alegre: Sulina, BAUDRILLARD, Jean. A Sociedade de Consumo. Lisboa: Edições 70, BAUDRILLARD, Jean. Crítica de la economia política del signo. México : Siglo Veintiuno,

14 BOURDIER, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1998; CANCLINI, Néstor García. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. 4 ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, CARPENTER, Gregory S.; GLAZER, Rashi; NAKAMOTO, Kent. Meaningful brands from meaningless differentiation: the dependence on irrelevant attributes. Journal of Marketing Research, v. 31,p , august DAVIS, Melinda. A nova cultura do desejo. Rio de Janeiro: Record, DURKHEIM, Émile. Representações individuais e representações coletivas. In: Sociologia e Filosofia. Rio de Janeiro: Editora Nacional, ECO, Humberto. O signo. Lisboa : Presença, FEATHERSTONE, Mike. Cultura de Consumo e Pós-Modernismo. São Paulo: Nobel, FLINT, Daniel J.; WOODRUFF, Robert B.; GARDIAL, Sarah Fisher. Exploring the phenomenos of customers desired value change in a business-to-business context. Journal of Marketing Research. V. 66, Number 4, P GUTMAN, J. A means-end chain model based on consumer categorizations processes. Journal of Marketing. V. 48, p.60-72, spring HOLBROOK, Morris. Consumer Value: a framework for analysis and reserach. London and New York : Routledge, HOLTZ, Herman. Databased Marketing: um guia imprescindível sobre a nova ferramenta de marketing do século 21. São Paulo: Makron Books do Brasil, KELLNER, Douglas. A Cultura da Mídia estudos culturais: identidade e política entre o moderno e o pós-moderno. Bauru: EDUSC, KOTLER, Philip. Marketing para o século XXI: como criar, conquistar e dominar mercados. São Paulo: Futura, LEÃO, André Luiz M. de Souza, MELLO, Sérgio C. Benício. Mensurando Customer Value através do método de laddering: uma proposta de aplicação técnica para o ambiente virtual. ENANPAD, XXV, 2001, Campinas. Anais... Campinas: ANPAD, MELLO, Sérgio C. Benício, BRITO, Maria Cristina A. Efetividade da propaganda na comunicação de marcas com diferentes graus de funcionalidade e simbolismo. In: ENANPAD, XXVI, Anais... Campinas: ANPAD, OLIVER, Richard. A cognitive model of the antecedents and consequences of satisfaction decisions. Journal of Marketing Research. V. 18, p , november

15 PEREIRA, Carlos Messeder; HERSCHMANN, Micael. Comunicação e Novas estratégias organizacionais na era da informação e do conhecimento. Revista Comunicação e Sociedade, São Bernardo do Campo: UMESP, ano 24, n.38, PERKINS, W. Steven; REYNOLDS, Thomas J. The explanatory of values in preference judgements: calidation of the means-end perspective. Advances in Consumer Research. V. 15, p , ROCHA, Everardo P. Guimarães. Magia e Capitalismo: um estudo antropológico da publicidade. São Paulo: Brasiliense, ROCHA, Everardo. A Sociedade do Sonho: comunicação, cultura e consumo. 4.ed. Rio de Janeiro: Mauad, ROKEACH, M. Beliefs, attitudes and values. New York: The Free Press, RUST, Roland T.; ZEITHAML, Valerie; LEMON, Katherine N. O Valor do cliente. Porto Alegre : Bookman, SCHMITT, Bernd H. Marketing Experimental. São Paulo: Nobel, SCHULTZ, D.E., TANNENBAUM, S.I., LAUTERBORN, R. F. O novo paradigma do marketing. São Paulo: Makron Books, SILVEIRA, Teniza. A gestão do conhecimento sobre valor para o cliente e a performance organizacional. ENANPAD, XXVII, 2003,xxxxx. Anais... ANPAD, SINHA, Indrajit; DeSARBO, Wayne. An integrated approach toward the spatial modeling of perceived customer value. Journal of Marketing Research. V. 35, p , may SLATER, Don. Cultura do Consumo e Modernidade. São Paulo: Nobel, SODRÉ, Muniz. Reinventando a Cultura: a comunicação e seus produtos. Petrópolis: Vozes, SOLOMON, M. R. Consumer behavior: buying, having and being. New Jersey: Prentice Hall, THOMPSON, John B. Los media y la modernidad. Barcelona: Paidós, ZALTMAN, Gerald. Afinal, o que os clientes querem? Rio de Janeiro : Campus, WEILBACHER, William M. How Advertising Affects Consumers. Journal of Advertising Reserarch. P , june WEILBACHER, William M. Point of view: Does advertising cause a hierarchy of effects? Journal of Advertising Research. P , nov./dec WOOD Jr., Thomas. Organizações Espetaculares. Rio de Janeiro: FGV Editora, WOODRUF, Robert B.; GARDIAL, Sarah Fisher. Know your customer: new approaches to understanding customer value and Satisfaction. Malden: Blackwell Business, WOODRUFF, Robert B., SCHUMANN, David W., GARDIAL, Sarah Fisher. Understing Value and Satisfaction from the customer s point of view. Survey of Business. P , summer/fall ZEITHAML, Valerie. Consumer perceptions of price, quality an value: a means-end model and synthesis of evidence. Journal of Marketing, v. 52, p.2-22, july

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea Érica Fróis O objetivo deste trabalho é discutir o brincar na internet e a construção da Imagem do corpo na criança a

Leia mais

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) De um modo geral, o mercado segurador brasileiro tem oferecido novas possibilidades de negócios mas,

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

REVISTA ACADÊMICA DA FACULDADE FERNÃO DIAS

REVISTA ACADÊMICA DA FACULDADE FERNÃO DIAS A INFLUÊNCIA DA SEGMENTAÇÃO DE MERCADO NO POSICIONAMENTO E NO BRAND EQUITY DE MARCAS E PRODUTOS Rubens Gomes Gonçalves (FAFE/USCS) * Resumo Muitos autores têm se dedicado a escrever artigos sobre uma das

Leia mais

2. Abordagens empíricas da Comunicação

2. Abordagens empíricas da Comunicação 2. Abordagens empíricas da Comunicação A Abordagem Empírico-Experimental (ou da Persuasão) é o nome dado a um conjunto de estudos de base psicológica (ainda sob forte influência behaviorista, mas já se

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 MESTRADO: EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Estudos Organizacionais e Sociedade e Marketing e Cadeias

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Marketing de Causas Sociais

Marketing de Causas Sociais Marketing de Causas Sociais Denilson Motta denilson.motta@yahoo.com.br AEDB Lúcia Maria Aparecido Vieira lucivie3@hotmail.com UBM Vanderléia Duarte potter_van@yahoo.com.br AEDB Rayanna Mattos Viana rayannamviana@gmail.com

Leia mais

A PERCEPÇÃO. Cassio Sclovsky Grinberg. 1. Introdução:

A PERCEPÇÃO. Cassio Sclovsky Grinberg. 1. Introdução: A PERCEPÇÃO Cassio Sclovsky Grinberg 1. Introdução: A literatura da área de Comportamento do Consumidor sugere percepção como sendo um ponto fundamental no estudo e entendimento dos processos psicológicos

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1

A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1 A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1 Tiago Miranda RIBEIRO 2 Kenney Alves LIBERATO 3 Thays Regina Rodrigues PINHO 4 PALAVRAS-CHAVE: comunicação; marketing; estratégia.

Leia mais

"O valor emocional das marcas."

O valor emocional das marcas. DOMINGO, FEVEREIRO 24, 2008 "O valor emocional das marcas." Por Thales Brandão Atualmente as empresas estão buscando cada vez mais gerir suas marcas com conjunto de valores completamente diferentes dos

Leia mais

A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: UMA DISCUSSÃO SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO

A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: UMA DISCUSSÃO SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: UMA DISCUSSÃO SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO Priscila Gomez Soares de Moraes 1 Fabrício Ziviani 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo questionar

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS 1 EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima UEG e UFG Juliana Guimarães Faria UFG SABER VI Ensinar a compreensão 5. Educação para uma cidadania planetária

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

Qualidade de Vida no Trabalho

Qualidade de Vida no Trabalho 1 Qualidade de Vida no Trabalho Alessandra Cristina Rubio¹ Thiago Silva Guimarães² Simone Cristina Fernandes Naves³ RESUMO O presente artigo tem como tema central a Qualidade de Vida no Trabalho, com um

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Considerações Éticas sobre o Processo de Avaliação de Desempenho nas Organizações

Considerações Éticas sobre o Processo de Avaliação de Desempenho nas Organizações Considerações Éticas sobre o Processo de Avaliação de Desempenho nas Organizações Mirella Paiva 1 e Flora Tucci 2 Em uma sociedade marcada pela globalização, pelo dinamismo e pela competitividade, atingir

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO 1 A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA Daniel de Souza Ferreira 1 RESUMO Ferreira, Daniel de Souza. A Impostância do Feedback

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Ementa da Disciplina Fundamentos da teoria

Leia mais

E s c o l a d e E n g e n h a r i a d e L o r e n a E E L

E s c o l a d e E n g e n h a r i a d e L o r e n a E E L : Diagnóstico A realidade é como ela é e não como gostaríamos que ela fosse. (Maquiavel) INTRODUÇÃO O Diagnóstico Estratégico de uma organização, também chamado por muitos autores de Análise do Ambiente,

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

VANTAGEM COMPETITIVA ATRAVÉS DO FORNECIMENTO DE CUSTOMER VALUE: INDICAÇÕES PARA UM JORNAL ON-LINE

VANTAGEM COMPETITIVA ATRAVÉS DO FORNECIMENTO DE CUSTOMER VALUE: INDICAÇÕES PARA UM JORNAL ON-LINE VANTAGEM COMPETITIVA ATRAVÉS DO FORNECIMENTO DE CUSTOMER VALUE: INDICAÇÕES PARA UM JORNAL ON-LINE André Luiz M. de Souza Leão, Mestre Faculdade Boa Viagem (FBV) e PROPAD/UFPE Universidade Federal de Pernambuco

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

O gerenciamento da Comunicação Organizacional

O gerenciamento da Comunicação Organizacional O gerenciamento da Comunicação Organizacional Hilbert Reis Comunicação Social Jornalismo UFOP Pesquisador PIP/UFOP Índice 1 Otimização da comunicação integrada 1 2 Estratégias, planejamentos e a gestão

Leia mais

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr.

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. 1 UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA JSROCHA@EPS.UFSC.BR UFSC UNIVERSIDADE

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações Jean C. de Lara (Faculdade SECAL) jean@smagon.com.br Maria Elisa Camargo (Faculdade SECAL) elisa@aguiaflorestal.com.br Enir

Leia mais

Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii

Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii SUMÁRIO Introdução XV 1. Construção do Campo do Trabalho no Pensamento Ocidental como Condição para a Emergência da Psicologia do Trabalho

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES Rosanne Farineli Peixoto Gomes, Ivonete A. Canuto Dias, Valdete Neri Andrade, Luiz Sérgio Almeida dos Santos e Wagner Conceição INTRODUÇÃO O mercado atual

Leia mais

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados 5. CONCLUSÃO 5.1 Resumo dos Resultados O presente trabalho se propôs a entender os significados atribuídos pelo público feminino de baixa renda no consumo dos produtos do mercado HPPC, especificamente

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

A comunicação empresarial e a gestão da mudança

A comunicação empresarial e a gestão da mudança Renato Dias Baptista Índice 1 As mudanças organizacionais 1 1.1 Comunicação e mudança organizacional............. 2 2 Considerações Finais 4 3 Referências Bibliográficas 4 1 As mudanças organizacionais

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Cultura Organizacional: Compreensão básica para a Gestão de Pessoas. Glaucia Falcone Fonseca

Cultura Organizacional: Compreensão básica para a Gestão de Pessoas. Glaucia Falcone Fonseca : Compreensão básica para a Gestão de Pessoas Glaucia Falcone Fonseca É importante verificar que há diversos grupos que compõem uma cultura. As subculturas, constituídas por grupos de pessoas com um padrão

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D Ariadne Cedraz 1 Léa Monteiro Rocha 2 Luciana Cristina Andrade Costa Franco 3 A quarta e última etapa do processo refere-se à avaliação que tem por objetivo averiguar se os resultados

Leia mais

Marketing Pessoal. Manuel Joaquim de Sousa Pereira

Marketing Pessoal. Manuel Joaquim de Sousa Pereira Marketing Pessoal Manuel Joaquim de Sousa Pereira Índice Introdução Geral 1 Capítulo I Parte I Da massificação à individualização da comunicação 1 Introdução...................... 21 2 A comunicação....................

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

Prof: Carlos Alberto

Prof: Carlos Alberto AULA 1 Marketing Prof: Carlos Alberto Bacharel em Administração Bacharel em Comunicação Social Jornalismo Tecnólogo em Gestão Financeira MBA em Gestão de Negócios Mestrado em Administração de Empresas

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles A COMUNICAÇÃO INTEGRADA NO MARKETING DE SERVIÇOS Principal causa da percepção desfavorável sobre um serviço: diferença

Leia mais

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO INTEGRADA: PESSOAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TURMA V E EIXOS TEMÁTICOS PARA A MONOGRAFIA FINAL Professor Ms. Carlos Henrique

Leia mais

MISSÃO ORGANIZACIONAL A MISSÃO É A RAZÃO DE SER DE UMA ORGANIZAÇÃO, IDENTIFICANDO O FOCO FUNDAMENTAL DE SUA ATIVIDADE.

MISSÃO ORGANIZACIONAL A MISSÃO É A RAZÃO DE SER DE UMA ORGANIZAÇÃO, IDENTIFICANDO O FOCO FUNDAMENTAL DE SUA ATIVIDADE. A TRÍADE Missão MISSÃO ORGANIZACIONAL A MISSÃO É A RAZÃO DE SER DE UMA ORGANIZAÇÃO, IDENTIFICANDO O FOCO FUNDAMENTAL DE SUA ATIVIDADE. MISSÃO ORGANIZACIONAL Assim como O REGISTRO DE NASCIMENTO nos identifica

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais SOCIEDADE E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Citelli (2004) apresenta um ponto de vista acerca do momento vivido pela escola e, conseqüentemente, pela educação, bastante elucidativo: A escola está sendo pensada, assim,

Leia mais

CULTURA ORGANIZACIONAL. Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP

CULTURA ORGANIZACIONAL. Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP CULTURA ORGANIZACIONAL Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP Cultura é uma característica única de qualquer organização Apesar de difícil definição, compreende-la pode ajudar a: Predizer como a organização

Leia mais

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR.

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. ISSN 2316-7785 SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. Rodrigo Martins de Almeida Instituo Estadual de Educação de Juiz de Fora (IEE/JF) rodrigomartinsdealmeida@yahoo.com.br

Leia mais

MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING ESTRATÉGICO O conceito de marketing é uma abordagem do negócio. HOOLEY; SAUNDERS, 1996 Esta afirmação lembra que todos na organização devem se ocupar do marketing. O conceito de marketing não

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 1. INTRODUÇÃO 1.1. Justificativa O tema estudado no presente trabalho é a expansão de habitações

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

Processo de adoção de Moda

Processo de adoção de Moda ANHEMBI MORUMBI Processo de adoção de Moda ANA PAULA DE MIRANDA O uso proeminente da moda é desenvolver senso de identidade pessoal. Consumidores usam a moda para representar tipos sociais específicos

Leia mais

Design Estratégico. Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina

Design Estratégico. Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina Design Estratégico Vamos ver neste final de semana... Criatividade e inovação, design e sociedade contemporânea.

Leia mais