guia do Conselho fiscal da CPfL energia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "guia do Conselho fiscal da CPfL energia"

Transcrição

1 guia do Conselho fiscal da CPfL energia 1

2 Sumário I Objetivo 3 II Atividades e Responsabilidades 4 a. Principais atividades e responsabilidades do Conselho Fiscal no papel de Comitê de Auditoria 4 b. Relacionamento com a Alta Administração 4 C. Relacionamento com a Auditoria Independente 5 D. Relacionamento com a Auditoria Interna 5 III Comunicação 6 IV Relacionamento com Interlocutores da Companhia 7 V Desempenho e Retenção de Conhecimento 8 VI Considerações Gerais 9 2

3 I. Objetivo Este guia tem como objetivo orientar e esclarecer o fluxo de informação e o processo de comunicação com os interlocutores da Companhia, bem como as atividades a serem desempenhadas pelo Conselho Fiscal, especificamente em seu papel de Comitê de Auditoria. As demais responsabilidades do Conselho Fiscal (conforme definido na lei 6.404/1976) estão relacionadas no Regimento Interno do Conselho Fiscal. 3

4 II. Atividades e Responsabilidades A. Principais atividades e responsabilidades do Conselho Fiscal no papel de Comitê de Auditoria 2.1 Avaliar e acompanhar a aplicação das boas práticas de Governança Corporativa e atendimento legal, considerando: a. Práticas contábeis adotadas. b. Qualidade e integridade dos relatórios financeiros. c. Sistema (ambiente) de controles internos. d. Processo de gestão de riscos. e. Comportamento ético da Alta Administração. f. Conflitos de interesse. g. Aspectos relevantes comunicados pelos órgãos reguladores. h. Atividades dos auditores internos. i. Atividades dos auditores independentes; e j. Denúncias relacionadas às demonstrações financeiras. B. Relacionamento com a Alta Administração 2.2 Discutir com a Alta Administração, Diretoria Jurídica e Diretoria de Riscos os seguintes aspectos relacionados aos seus trabalhos: a. Avaliação dos riscos de negócio e seu plano de mitigação. b. Posicionamento do planejamento estratégico da Companhia. c. Apresentação das demonstrações financeiras. d. Discussão dos aspectos societários, fiscais, tributários e legais. e. Revisão da aderência dos riscos e controles internos referente à seção 404 da Lei Sarbanes- Oxley. f. Metodologias aplicadas para a mitigação dos riscos, documentação dos processos de negócio e testes da eficácia dos controles. g. Mudanças significativas na aplicação dos princípios contábeis; e h. Impactos para a Companhia nas mudanças de regulamentações e exigências dos órgãos reguladores. 4

5 II. Atividades e Responsabilidades C. Relacionamento com a Auditoria Independente 2.3 Discutir com o auditor independente os seguintes aspectos relacionados aos seus trabalhos: a. Responsabilidades do auditor. b. Qualidade do ambiente de controles internos. c. Principais aspectos identificados e relevantes para a Companhia já discutidos com a Alta Administração. d. Qualidade dos princípios contábeis aplicados nas demonstrações financeiras. e. Aderência das práticas adotadas pela Companhia às regulamentações aplicáveis (p. ex., ANEEL, CVM, Sarbanes-Oxley). f. Eventuais ajustes identificados nas demonstrações financeiras. g. Dificuldades encontradas para a realização de seus trabalhos e eventuais conflitos com a Alta Administração; e h. Resposta e proatividade da administração da Companhia na implementação das recomendações propostas. 2.4 Avaliar os trabalhos dos auditores. D. Relacionamento com a Auditoria Interna 2.5 Discutir com a auditoria interna os seguintes aspectos relacionados aos seus trabalhos: a. Abrangência e cumprimento do plano anual de auditoria interna. b. Andamento dos trabalhos de auditoria interna e cronograma estabelecido no plano anual de auditoria. c. Posicionamento das denúncias recebidas, bem como seu tratamento. d. Informações sobre o ambiente de controles, riscos dos processos, bem como a implementação das oportunidades de melhoria identificadas. e. Posicionamento quanto ao status de implementação das recomendações propostas. 2.6 Avaliar os trabalhos dos auditores. 5

6 III. Comunicação As reuniões deverão ser, ao menos, mensais e com agenda específica para tratar de assuntos específicos de responsabilidade de um comitê de auditoria conforme requerimentos da Lei Sarbanes-Oxley. As atas devem ser redigidas com clareza, registrando os assuntos tratados com os respectivos comentários. 6

7 IV. Relacionamento com Interlocutores da Companhia Com o objetivo de facilitar a obtenção e discussão de informações, são demonstrados no quadro abaixo os principais assuntos/informações e seus principais interlocutores: Interlocutores Assuntos e Informações Conselho de Administração Comitê de Processos de Gestão CEO CFO Diretoria de Riscos Diretoria Jurídica Auditoria Interna Auditoria Independente Visão Geral da Companhia Planejamento Estratégico Estruturas Societária, Organizacional e Funcional Demonstrações e Resultados Financeiros Aspectos Regulamentares Aspectos Fiscais e Tributários Aspectos Legais/Jurídicos Gestão de Riscos/Ambiente de Controles Internos Aderência à Lei Sarbanes-Oxley Recebimento de Denúncias Relatório Anual da Administração Modificação do Capital Social Emissão de Debêntures ou bônus de susbscrição Planos de Investimentos Orçamento de Capital Distribuição de Dividendos Aquisição, fusão ou cisão Contratação, substituição e remuneração do Auditor Independente Convocações para reuniões Elaboração e distribuição de atas Solicitação e distribuição de informações 7

8 V. Desempenho e Retenção de Conhecimento Os membros do Conselho devem buscar constantemente atualizações das regulamentações aplicáveis à Companhia, bem como atualizações sobre a Lei Sarbanes-Oxley, CVM, ANEEL e demais regulamentações a que a companhia esteja sujeita. Cabe aos membros do Conselho analisar as necessidades de atualização, bem como prover o conhecimento adquirido aos seus sucessores como forma de reter o conhecimento. A autoavaliação do Conselho Fiscal é um procedimento a ser conduzido pela Assessoria do Conselho de Administração, que objetiva permitir que os membros do Conselho Fiscal façam uma reflexão do conhecimento e de suas atividades desempenhadas. 8

9 VI. Considerações Gerais Este guia deve ser utilizado em conjunto com o Regimento Interno do Conselho Fiscal, pois orienta e esclarece aspectos relacionados ao mesmo. 9

10 Diretoria de Comunicação Empresarial Assessoria do Conselho de Administração Rua Gomes de Carvalho, º andar Cj 1402 Vila Olímpia São Paulo/SP CEP

Acordo de Acionistas. da CPFL Energia S.A. de Assessoramento do. Conselho da de Draft Administração. Atual Denominação Social. II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. da CPFL Energia S.A. de Assessoramento do. Conselho da de Draft Administração. Atual Denominação Social. II Participações S.A. Acordo de Acionistas Regimento da Interno CPFL dos Energia Comitês S.A. de Assessoramento do Atual Denominação Social Conselho da de Draft Administração II Participações S.A. da CPFL Energia S.A. 1 Sumário

Leia mais

Política de Auditoria Interna

Política de Auditoria Interna Política de Auditoria Interna 22 de outubro 2013 Define a missão, a independência, a objetividade, as responsabilidades e regulamenta a função da auditoria interna. ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. PÚBLICO ALVO...

Leia mais

Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA

Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA Artigo 1 : O Comitê de Gestão de Pessoas e Governança Corporativa ( Comitê ) é um órgão de apoio ao Conselho de Administração

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a contratação de empresa Especializada de Consultoria para Planejamento da Estrutura Funcional e Organizacional

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO O Conselho de Administração da BM&FBOVESPA (respectivamente o Conselho e a Companhia ) será assessorado por quatro comitês permanentes: Auditoria; Governança

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS I DEFINIÇÃO Este Regimento Interno, organizado em conformidade com o Estatuto Social da Ser Educacional S.A. ( Companhia ), estabelece procedimentos a serem observados

Leia mais

Glossário Acordo entre sócios/acionistas Administração Agenda de reunião

Glossário Acordo entre sócios/acionistas Administração Agenda de reunião Glossário Acordo entre sócios/acionistas Regula os direitos e obrigações entre sócios/acionistas, as condições que regem as transferências de ações de emissão da organização, o exercício dos direitos políticos,

Leia mais

Lei /2016 Lei das Estatais

Lei /2016 Lei das Estatais Lei 13.303/2016 Lei das Estatais Impactos na Governança Corporativa SUORG 10 NOV 2016 Lei nº 13.303/2016 Estatuto jurídico da empresa pública, da sociedade de economia mista e de suas subsidiárias, no

Leia mais

VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS

VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS 1. Objetivo O Comitê de Governança Corporativa e Gestão de Pessoas é um órgão acessório ao Conselho de Administração (CAD) da VIX

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS Informação Pública 13/5/2016 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 PRINCÍPIOS... 3 4 REFERÊNCIAS... 4 5 CONCEITOS... 4 6 PRERROGATIVAS... 4 7 DIRETRIZES... 5 8 RESPONSABILIDADES...

Leia mais

DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA PETROBRAS

DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA PETROBRAS DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA PETROBRAS O objetivo deste documento é estabelecer diretrizes para o modelo de governança corporativa da Petrobras, visando à atuação ativa do Conselho de Administração

Leia mais

Relatório sobre a alteração proposta ao Estatuto Social da Vale S.A.

Relatório sobre a alteração proposta ao Estatuto Social da Vale S.A. Relatório sobre a alteração proposta ao da Vale S.A. Segue, abaixo, relatório em forma de tabela, detalhando a origem e justificativa da alteração proposta ao da Companhia e analisando os seus eventuais

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO O Conselho de Administração da BM&FBOVESPA (respectivamente o Conselho e a Companhia ) será assessorado por quatro comitês permanentes: Auditoria; Governança

Leia mais

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 Política de Controles Internos Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 OBJETIVO Garantir a aplicação dos princípios e boas práticas da Governança Corporativa, e que

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE 1. Finalidade O Comitê Técnico Estatutário de Governança e Conformidade ( Comitê ) é um órgão estatutário de caráter permanente,

Leia mais

INTRODUÇÃO. Definição e Objetivo. Princípios Básicos METODOLOGIA DE RATING DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

INTRODUÇÃO. Definição e Objetivo. Princípios Básicos METODOLOGIA DE RATING DE GOVERNANÇA CORPORATIVA INTRODUÇÃO A Governança Corporativa é o conjunto de relações entre a administração de uma instituição, seu conselho, seus acionistas e outras partes interessadas. Adicionalmente, pode ser entendida como

Leia mais

Regimento Interno da Auditoria Interna Regimento Interno

Regimento Interno da Auditoria Interna Regimento Interno da Auditoria Interna da Auditoria Interna Versão 1.0 Data de criação 08/06/2015 Data de modificação N/A Tipo de documento Índice 1. Objetivo... 4 2. Atuação... 4 3. Missão da Auditoria Interna... 4 4.

Leia mais

A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA. Desenvolvimento de Sistemas de Gestão. Comunicação Institucional

A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA. Desenvolvimento de Sistemas de Gestão. Comunicação Institucional A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA Desenvolvimento de Sistemas de Gestão Comunicação Institucional A Petrobras já integra o grupo das grandes companhias que adotam as melhores práticas de governança

Leia mais

ANEXO III REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO CAPÍTULO I DEFINIÇÕES

ANEXO III REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO CAPÍTULO I DEFINIÇÕES ANEXO III REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO CAPÍTULO I DEFINIÇÕES Artigo 1º - Para todos os fins e efeitos deste Regimento, as seguintes expressões e termos definidos iniciados em letra

Leia mais

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO 4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO A planilha de atendimento às metas do projeto é apresentada na sequência. Metas Proporcionar os elementos necessários para que seja definido o processo

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ

POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ Gerência de Riscos e Compliance Página 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Organograma... 3 3. Vigência... 4 4. Abrangência... 4 5. Conceito... 5 5.1 Risco de liquidez do fluxo

Leia mais

OBJETIVO PÚBLICO-ALVO PROGRAMA

OBJETIVO PÚBLICO-ALVO PROGRAMA Curso de Auditoria Interna, Controle Interno e Gestão de Riscos carga-horária: 16 horas OBJETIVO Fornecer aos participantes o conhecimento básico e bases técnicas e práticas fundamentais para que possam

Leia mais

PROC. 04 ANÁLISE CRÍTICA

PROC. 04 ANÁLISE CRÍTICA 1 de 7 ANÁLISE CRÍTICA MACROPROCESSO GESTÃO DE PROCESSOS PROCESSO ANÁLISE CRÍTICA ANÁLISE CRÍTICA 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 DEFINIÇÕES...

Leia mais

Regimento do Comitê de Auditoria CAUD. Grupo NEOENERGIA

Regimento do Comitê de Auditoria CAUD. Grupo NEOENERGIA Regimento do Comitê de Auditoria CAUD Grupo NEOENERGIA Regimento do Comitê de Auditoria do Grupo NEOENERGIA constituído por decisão do Conselho de Administração da NEOENERGIA S/A. * com data de 29 de agosto

Leia mais

DIMENSÃO GOVERNANÇA CORPORATIVA CRITÉRIO I - PROPRIEDADE

DIMENSÃO GOVERNANÇA CORPORATIVA CRITÉRIO I - PROPRIEDADE CRITÉRIO I - PROPRIEDADE INDICADOR 1. PROTEÇÃO AOS MINORITÁRIOS PERGUNTA 1 - A companhia tem ações preferenciais? 1.1 - Se SIM, a razão dada pelo número de ações preferenciais da companhia sobre o total

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A.

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GESTÃO INTEGRADA DE RISCO OPERACIONAL, CONTROLES INTERNOS E COMPLIANCE Objetivo Este documento

Leia mais

25/08/2016 Guilherme Alano Criação das diretrizes do Comitê de Compliance.

25/08/2016 Guilherme Alano Criação das diretrizes do Comitê de Compliance. Diretrizes do Comitê de Compliance Par Mais Alterado em: Responsável: Modificações: 25/08/2016 Guilherme Alano Criação das diretrizes do Comitê de Compliance. 21/03/2017 Karoline Silva Atualização da Ata

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA E RISCOS

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA E RISCOS REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA E RISCOS 1. Objeto e Finalidade 1.1 O Conselho de Administração ( Conselho ou CAE ) da Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobras ("Eletrobras" ou "Companhia"),

Leia mais

TIM PARTICIPAÇÕES S.A. REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUÁRIO

TIM PARTICIPAÇÕES S.A. REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUÁRIO TIM PARTICIPAÇÕES S.A. REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUÁRIO Art. 1º. O Comitê de Auditoria Estatutário ( CAE ) é o órgão colegiado de assessoramento

Leia mais

Melhores Práticas de Governança Corporativa

Melhores Práticas de Governança Corporativa Melhores Práticas de Governança Corporativa 27.11.2014 Melhores Práticas de Governança Corporativa A. Propriedade B. Conselho de Administração C. Gestão D. Auditoria Independente E. Conselho Fiscal F.

Leia mais

PLATAFORMA GLOBAL DE DEFESA DA PROFISSÃO

PLATAFORMA GLOBAL DE DEFESA DA PROFISSÃO PLATAFORMA GLOBAL DE DEFESA DA PROFISSÃO SOBRE O INSTITUTO DE AUDITORES INTERNOS The Institute of Internal Auditors (IIA) é a voz global da profissão de auditoria interna, autoridade reconhecida e principal

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO Capítulo I - Objeto Art. 1º O presente Regimento Interno disciplina o funcionamento do Comitê de Remuneração, observadas as disposições do Estatuto Social, as

Leia mais

Novo relatório do auditor independente Setembro de 2016

Novo relatório do auditor independente Setembro de 2016 Novo relatório do auditor independente Setembro de 2016 Agenda Visão geral Principais alterações Principais Assuntos de Auditoria (PAAs) Quem é afetado com as alterações? Exemplo de relatório Perguntas

Leia mais

Boas Práticas de Governança Corporativa. Treinamento Palestra para a ANS 06/02/2013. Gilberto Mifano

Boas Práticas de Governança Corporativa. Treinamento Palestra para a ANS 06/02/2013. Gilberto Mifano Boas Práticas de Governança Corporativa Subtítulo Agregam Valor ou Módulo de Treinamento Palestra para a ANS 06/02/2013 Gilberto Mifano O que é Governança Corporativa? Conflitos entre sócios? A defesa

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AUDITORIA DA ELETROBRAS

REGULAMENTO INTERNO DA AUDITORIA DA ELETROBRAS REGULAMENTO INTERNO DA AUDITORIA DA ELETROBRAS Sumário Capítulo I - Da Finalidade... 3 Capítulo II - Das Competências da Auditoria da Eletrobras... 3 Capítulo III - Da Organização da Auditoria da Eletrobras...

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital Sumário RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 3 1. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

Política de Partes Relacionadas

Política de Partes Relacionadas Política de Partes Relacionadas SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 A QUEM SE APLICA... 3 3 DEFINIÇÃO DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS... 3 4 DEFINIÇÃO DE PARTES RELACIONADAS... 4 5 DEFINIÇÃO DE SITUAÇÕES

Leia mais

de fusões e aquisições no mercado brasileiro, criação de novas regras e estruturas jurídicas, o aperfeiçoamento

de fusões e aquisições no mercado brasileiro, criação de novas regras e estruturas jurídicas, o aperfeiçoamento FAMILY OFFICE Introdução Pai rico, filho nobre, neto pobre. São muito comuns histórias de famílias que conseguiram chegar a um bem- -sucedido patamar financeiro, mas que ao longo do tempo não formaram

Leia mais

MANUAL DE CONTRATAÇÃO E MONITORAMENTO DE AGENTE DE DEPÓSITO PARA FIDCS

MANUAL DE CONTRATAÇÃO E MONITORAMENTO DE AGENTE DE DEPÓSITO PARA FIDCS MANUAL DE CONTRATAÇÃO E MONITORAMENTO DE AGENTE DE DEPÓSITO PARA FIDCS VERSÃO: DEZEMBRO/2015 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PROCESSO DE CONTRATAÇÃO DO AGENTE DE DEPÓSITO... 3 2.1 DA SELEÇÃO... 3 2.2 DOS

Leia mais

1.1 Os objetivos do CAE são supervisionar a qualidade e integridade dos relatórios financeiros,

1.1 Os objetivos do CAE são supervisionar a qualidade e integridade dos relatórios financeiros, REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO - CAE Art. 1º. O Comitê de Auditoria Estatutário ( Comitê ou CAE ) é órgão colegiado estatutário de assessoramento e instrução vinculado diretamente

Leia mais

Pesquisa de Remuneração. Presidentes e Diretores Executivos Brasil 2016/2017

Pesquisa de Remuneração. Presidentes e Diretores Executivos Brasil 2016/2017 Pesquisa de Remuneração Presidentes e Diretores Executivos Brasil 2016/2017 Índice Apresentação... 3 Metodologia... 5 Destaques... 7 Benefícios... 8 Outros Benefícios... 9 Formas de contratação... 10 Seguro

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS JUNHO / 2016 SUMÁRIO POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... Erro! Indicador não definido. 1.1. Objetivo...1 1.2. Abrangência...2 1.3. Princípios...2 1.4. Diretrizes...2 1.5. Responsabilidades...3

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL PRSA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL PRSA AGORACRED S/A SCFI. Rua das Palmeiras, 685, Ed. Contemporâneo Empresarial. Salas 1002,1003, 1007 a 1011, Santa Lucia, Vitória, ES. Tel.(27) 40090200 http://www.agoracred.com.br/ POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE

Leia mais

COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO

COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO Aprovado na Reunião do Conselho de Administração realizada em 8 de maio de 2015 COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO 1. Regimento. O presente Regimento

Leia mais

GAEC EDUCAÇÃO S/A CNPJ: / NIRE:

GAEC EDUCAÇÃO S/A CNPJ: / NIRE: ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DATA, HORA E LOCAL: 25 de fevereiro de 2015, às 10:00 horas, na sede da Companhia localizada na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Avenida das Nações

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL PRSA 2ª 1 / 7 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ALCANCE... 2 3. ÁREA GESTORA... 2 3.1 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 2 3.1.1 DIRETOR RESPONSÁVEL - RESOLUÇÃO 4.327/14... 2 3.1.2 COORDENADOR ESPONSÁVEL PRSA

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA

GOVERNANÇA CORPORATIVA GOVERNANÇA CORPORATIVA AULA 4 Prof. Wellington www.maestrocarreira.com.br 1 CONSULTA VISITA À NATURA 27/09 (terça-feira), 29/09 (quinta-feira) ou 24/09 ou 01/10 https://goo.gl/forms/cesrwmvwlqq0fvs02 2

Leia mais

Avaliação do patrimônio líquido contábil apurado por meio dos livros 31 de Dezembro de 2013

Avaliação do patrimônio líquido contábil apurado por meio dos livros 31 de Dezembro de 2013 Marck Holdings S.A. contábil apurado por meio dos livros 31 de Dezembro de 2013 KPDS 80638 KPMG Auditores Independentes Rua Sete de Setembro, 1.950 13560-180 - São Carlos, SP - Brasil Caixa Postal 708

Leia mais

PARECER DE AUDITORIA. Prof. Eric Duarte Campos

PARECER DE AUDITORIA. Prof. Eric Duarte Campos PARECER DE AUDITORIA Prof. Eric Duarte Campos Objetivos da aula: O objetivo desta aula é esclarecer sobre o que é o parecer de auditoria e a sua importância como documento final dos trabalhos de auditoria.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO 1. O Comitê de Pessoas e Remuneração (o "Comitê") é um órgão colegiado de assessoramento e instrução,

Leia mais

GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S.A. CNPJ/MF nº / NIRE

GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S.A. CNPJ/MF nº / NIRE GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S.A. CNPJ/MF nº 06.164.253/0001-87 NIRE 35.300.314.441 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 12 DE AGOSTO DE 2016 I. Data, Horário e Local: 12 de agosto

Leia mais

POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS

POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS 13/5/2016 Informação Pública ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 PRINCÍPIOS... 4 5 DIRETRIZES... 5 6 RESPONSABILIDADES... 6 7 INFORMAÇÕES DE CONTROLE... 8 13/5/2016 Informação

Leia mais

O PAPEL ESTRATÉGICO DA CONTROLADORIA E DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES (RI) 2ª. PARTE: FOCO NA CONTROLADORIA E NAS GESTÃO DAS INFORMAÇÕES

O PAPEL ESTRATÉGICO DA CONTROLADORIA E DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES (RI) 2ª. PARTE: FOCO NA CONTROLADORIA E NAS GESTÃO DAS INFORMAÇÕES O PAPEL ESTRATÉGICO DA CONTROLADORIA E DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES (RI) 2ª. PARTE: FOCO NA CONTROLADORIA E NAS GESTÃO DAS INFORMAÇÕES Eraldo Soares Peçanha 51 Principais Papéis da Controladoria 1. DAR

Leia mais

d) observar o Regulamento do Emissor de BDR Nível I Não Patrocinado; e

d) observar o Regulamento do Emissor de BDR Nível I Não Patrocinado; e Anexo I ao Oficio Circular 016/2010-DP O Conselho de Administração da BM&FBOVESPA S.A Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 30, alíneas a, b e c do Estatuto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS DA CIELO S.A. ( Regimento )

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS DA CIELO S.A. ( Regimento ) REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS DA CIELO S.A. ( Regimento ) I DEFINIÇÃO Este Regimento Interno, organizado em conformidade com o Capítulo VI do Estatuto Social da Cielo S.A. ( Companhia ), estabelece

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS N 3/2007 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS 2 ÍNDICE 1. Objeto 3 2. Justificativa 3 3. Diretrizes 4 3.1.

Leia mais

Assembleia Geral A Assembleia Geral de Acionistas é o fórum no qual os acionistas têm poderes para decidir todos os negócios relativos ao objeto da

Assembleia Geral A Assembleia Geral de Acionistas é o fórum no qual os acionistas têm poderes para decidir todos os negócios relativos ao objeto da Assembleia Geral A Assembleia Geral de Acionistas é o fórum no qual os acionistas têm poderes para decidir todos os negócios relativos ao objeto da Companhia e tomar as resoluções consideradas convenientes

Leia mais

CRIATIVIDADE Relatório de Consultoria

CRIATIVIDADE Relatório de Consultoria ELBI ELÉTRICA LTDA Betim/MG Proposta_ELBI-Betim-7_2015_((Criatividade))_rev.B Este relatório contem um resumo das atividades desenvolvidas na ELBI Betim/MG desde o início das atividades de consultoria

Leia mais

Risco de Liquidez. Um Investimentos S/A CTVM. Fev/2010 Atualização Set/ 13 Atualização Fev/14. Resolução nº 4090/12

Risco de Liquidez. Um Investimentos S/A CTVM. Fev/2010 Atualização Set/ 13 Atualização Fev/14. Resolução nº 4090/12 Risco de Liquidez Resolução nº 4090/12 Fev/2010 Atualização Set/ 13 Atualização Fev/14 Um Investimentos S/A CTVM Objetivo Estabelecer as diretrizes para o gerenciamento dos riscos de liquidez a assegurar

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS APROVADO EM RCA DE 27/07/2016 CAPÍTULO I DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS Art. 1º. O Comitê de Gestão de Pessoas ( Comitê ) é um órgão não estatutário, subordinado

Leia mais

Pesquisa de Remuneração e Estruturas de Conselhos de Administração. Apresentação. 31 de Maio de 2005 W W W. W A T S O N W Y A T T. C O M.

Pesquisa de Remuneração e Estruturas de Conselhos de Administração. Apresentação. 31 de Maio de 2005 W W W. W A T S O N W Y A T T. C O M. Pesquisa de Remuneração e Estruturas de Conselhos de Administração Apresentação W W W. W A T S O N W Y A T T. C O M. BR 31 de Maio de 2005 Introdução Objetivo: Mapear as práticas e políticas de remuneração

Leia mais

CALENDÁRIO DE EVENTOS CORPORATIVOS 2017

CALENDÁRIO DE EVENTOS CORPORATIVOS 2017 CALENDÁRIO DE S CORPORATIVOS 2017 Denominação Social: Companhia Paranaense de Energia COPEL Endereço da Sede Rua Coronel Dulcídio, 800 Curitiba Paraná CEP: 80420-170 Endereço na Internet Diretor de Relações

Leia mais

POLÍTICA DE COMPLIANCE, CONTROLES INTERNOS E CUMPRIMENTO DA INSTRUÇÃO CVM 558/15

POLÍTICA DE COMPLIANCE, CONTROLES INTERNOS E CUMPRIMENTO DA INSTRUÇÃO CVM 558/15 POLÍTICA DE COMPLIANCE, CONTROLES INTERNOS E CUMPRIMENTO DA INSTRUÇÃO CVM 558/15 SOMENTE PARA USO INTERNO Este material foi elaborado pela Atmos Capital Gestão de Recursos Ltda. ( Atmos Capital ou Gestora

Leia mais

Seminário Nacional NTU Lei Anticorrupção e Programa de Compliance. Lélis Marcos Teixeira

Seminário Nacional NTU Lei Anticorrupção e Programa de Compliance. Lélis Marcos Teixeira Seminário Nacional NTU - 2014 Lei Anticorrupção e Programa de Compliance Lélis Marcos Teixeira 28/agosto/2014 Iniciativas FETRANSPOR Lei 12.846/2013 Agenda Abertura Histórico Iniciativas Dúvidas Encerramento

Leia mais

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 Sumário Introdução, 1 Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 1 Direcionadores do Uso de Tecnologia de Informação, 7 1.1 Direcionadores de mercado, 8 1.2 Direcionadores organizacionais,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DE FIBRIA CELULOSE S.A.

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DE FIBRIA CELULOSE S.A. REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DE FIBRIA CELULOSE S.A. O Conselho Fiscal ( Conselho ) da FIBRIA CELULOSE S.A. ("Companhia"), constituído nos termos da Lei nº 6404/76 ( LSA ) e alterações posteriores

Leia mais

7 CONGRESSO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Eduarda La Rocque O Papel do Conselho na Gestão de Riscos

7 CONGRESSO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Eduarda La Rocque O Papel do Conselho na Gestão de Riscos 7 CONGRESSO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Eduarda La Rocque O Papel do Conselho na Gestão de Riscos 1 Introdução Sub-Comitê de Gestão de Riscos (nov 2004) Motivação: O fortalecimento do Conselho

Leia mais

Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC)

Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC) Título Norma de Responsabilidade Socioambiental Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC) Abrangência Agências, Departamentos, Empresas Ligadas e Unidades no Exterior Sinopse Diretrizes

Leia mais

BC GESTÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS

BC GESTÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS BC GESTÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS CAPÍTULO I Definição 1.1 A presente Política, adotada em conformidade com o Código de Auto-Regulação da ANBID para os Fundos de Investimento,

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco Operacional - CPBofAML

Estrutura de Gerenciamento de Risco Operacional - CPBofAML Estrutura de Gerenciamento de Risco Operacional - CPBofAML Dezembro 2016 1 Ouvidoria Telefone: 0800-8862000 e-mail: ouvidoria_bamlbrasil@baml.com Endereço: Avenida Brigadeiro Faria Lima, 3400-18º Andar

Leia mais

Manual de Governança Corporativa

Manual de Governança Corporativa Documento: Área Emitente: Manual de Governança Corporativa Assessoria de Planejamento, Orçamento, Controle e Regulatório HISTÓRICO DAS REVISÕES Rev. nº. Data Descrição 01 19/12/2012 Segregação do Manual

Leia mais

NOSSA SOLUÇÕES VALORES Solidez: Buscar crescimento sustentável com geração de valores.

NOSSA SOLUÇÕES VALORES  Solidez: Buscar crescimento sustentável com geração de valores. Escritório Paulista Soluções Contábeis, Empresariais e Tributárias, localizado à Avenida dos Ferroviários, 596 - Vila Xavier (Próximo a Caixa Econômica da Alameda Paulista), empresa de prestação de serviços

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL CAPÍTULO I DA CONCEITUAÇÃO E DA FINALIDADE Art. 1º. O Conselho Fiscal é o órgão de fiscalização dos atos dos administradores da ATIVOS S.A. Companhia Securitizadora

Leia mais

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos Junho de 2016 ÍNDICE POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... 2 (A) Objetivo... 2 (B) Abrangência... 2 (C) Princípios Gerais... 2 (D) Diretrizes...

Leia mais

c. Principais indicadores de desempenho que são levados em consideração na determinação de cada elemento da remuneração

c. Principais indicadores de desempenho que são levados em consideração na determinação de cada elemento da remuneração ITEM 13 - REMUNERAÇÃO DOS ADMINISTRADORES 13.1. Descrição da política ou prática de remuneração do conselho de administração, da diretoria estatutária e não estatutária, do conselho fiscal, dos comitês

Leia mais

REGRAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS

REGRAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS REGRAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A 1 1. SUMÁRIO Em atendimento a Instrução CVM nº 558, o Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A. (doravante denominado simplesmente

Leia mais

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições regimentais,

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições regimentais, PORTARIA TRT/GP/DGCA Nº 38/2016 Define a Política de Gerenciamento da Central de Serviços de Tecnologia da Informação e Comunicações do Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL

Leia mais

Controle Integrado de Riscos. Alexandre da Silva Glüher Vice-Presidente Executivo

Controle Integrado de Riscos. Alexandre da Silva Glüher Vice-Presidente Executivo Alexandre da Silva Glüher Vice-Presidente Executivo 2 Governança de Riscos Controle Integrado de Riscos Apetite a Riscos Conselho Fiscal Comitê de Gestão Integrada de Riscos e Alocação de Capital Assembleia

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1 de 5 31/01/2015 15:30 Tamanho do Texto + tamanho do texto - NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS A publicação de Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras está prevista no 4º do artigo

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA S.A. FÁBRICA DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS VIGOR PELA VIGOR ALIMENTOS S.A.

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA S.A. FÁBRICA DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS VIGOR PELA VIGOR ALIMENTOS S.A. PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA S.A. FÁBRICA DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS VIGOR PELA VIGOR ALIMENTOS S.A. Pelo presente instrumento particular, os administradores das partes abaixo qualificadas:

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA Artigo 1 : O Comitê de Auditoria ( Comitê ) é órgão estatuário de assessoramento vinculado diretamente ao Conselho de Administração, de caráter permanente. O seu

Leia mais

Uso s I rres rre t s ri t to

Uso s I rres rre t s ri t to Título Formação Ciências Contábeis MBA Gestão Estratégica MMBA Marketing Estratégico Mestrado Executivo Internacional (Conclusão) Especialização HEC Paris HEC Montreal EADA Barcelona ADG/DGRV FIA FDC Luciano

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO NORTE INVESTIMENTOS ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Versão 1.0 Vigência Agosto / 2016 Classificação das Informações [ X ] Uso Interno [ ] Uso Público Conteúdo

Leia mais

Manual de Conformidade

Manual de Conformidade Manual de Conformidade Divisão de Conformidade BB Gestão de Recursos DTVM S.A. SUMÁRIO Introdução... 2 Definições... 3 1. Capítulo 1 - Segregação na Administração de Recursos de Terceiros... 4 2. Capítulo

Leia mais

Norma 2110 Governança

Norma 2110 Governança Norma 2110 Governança A atividade de auditoria interna deve avaliar e propor recomendações apropriadas para a melhoria do processo de governança no seu cumprimento dos seguintes objetivos: Promover a ética

Leia mais

CPFL RENOVÁVEIS Relatório de Sustentabilidade. Dezembro, 2013

CPFL RENOVÁVEIS Relatório de Sustentabilidade. Dezembro, 2013 CPFL RENOVÁVEIS Relatório de Sustentabilidade Dezembro, 2013 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação

Leia mais

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A.

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. 23.1.2015 1. OBJETIVO 1.1 A presente Política de Transações com Partes Relacionadas da BB Seguridade Participações S.A. (

Leia mais

PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Flávio Smania Ferreira 5 termo ADMINISTRAÇÃO GERAL e-mail: flavioferreira@live.estacio.br blog: http://flaviosferreira.wordpress.com Demonstrações Contábeis: Representa

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL A Um Investimentos S/A CTVM atendendo às disposições da Resolução CMN 3.380/06 demonstra através deste relatório a sua estrutura do gerenciamento de risco

Leia mais

Ouvidoria. GDO039.PT Rev. 06

Ouvidoria.  GDO039.PT Rev. 06 Ouvidoria Sumário 1 OBJETIVO... 3 2 ESCOPO... 3 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS... 3 4 TERMOS E DEFINIÇÕES... 3 4.1 Manifestação... 3 4.2 Ouvidoria... 3 4.3 Ouvidor... 3 5 CONDIÇÕES GERAIS... 3 7 O QUE A OUVIDORIA

Leia mais

Política de Controles Internos

Política de Controles Internos Política de Controles Internos Junho/2016 Edge Brasil Gestão de Ativos Ltda. 1. Objetivo Esta política tem por objetivo estabelecer regras, procedimentos e descrição dos controles a serem observados para

Leia mais

Fórum de Empresas Estatais Federais Plano de Cargos, Salários e Remuneração Capacitação de RH para Inovação

Fórum de Empresas Estatais Federais Plano de Cargos, Salários e Remuneração Capacitação de RH para Inovação Fórum de Empresas Estatais Federais Plano de Cargos, Salários e Remuneração Capacitação de RH para Inovação A prática de remuneração variável e gestão por competências no setor público brasileiro Agenda

Leia mais

Governança, Riscos e Compliance

Governança, Riscos e Compliance Governança, Riscos e Compliance Novembro de 2014 GRC Nossa visão Práticas da organização em relação a: (i) supervisão, (ii) estratégia, (iii) gestão do risco; e (iv) cumprimento de leis e regulamentações,

Leia mais

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA 1 / 8 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Meio Ambiente por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Diretoria de Sustentabilidade DS, sobre as obras executadas no

Leia mais

Questões relevantes no processo de M&A envolvendo companhias abertas

Questões relevantes no processo de M&A envolvendo companhias abertas Questões relevantes no processo de M&A envolvendo companhias abertas 12.11.2015 Timeline Usual para Operações de M&A envolvendo Companhias Abertas Início das Tratativas 2 Divulgação da Operação Celebração

Leia mais

RISCO DE CRÉDITO Estrutura Organizacional Gerenciamento de Riscos Banco Fidis S.A.

RISCO DE CRÉDITO Estrutura Organizacional Gerenciamento de Riscos Banco Fidis S.A. RISCO DE CRÉDITO Estrutura Organizacional A estrutura para gestão de riscos do Banco Fidis deverá ser composta de Comitê de Cobrança e Risco, que é o órgão com responsabilidade de gerir o Risco de Crédito,

Leia mais

GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S.A. ( Companhia ) C.N.P.J. n.º / N.I.R.E

GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S.A. ( Companhia ) C.N.P.J. n.º / N.I.R.E GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S.A. ( Companhia ) C.N.P.J. n.º 06.164.253/0001-87 N.I.R.E. 35.300.314.441 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 12 DE AGOSTO DE 2013 I. Data, Horário

Leia mais

1 Diretoria de Gestão de Tecnologia da Informação (DGTI) - Universidade Federal de Lavras

1 Diretoria de Gestão de Tecnologia da Informação (DGTI) - Universidade Federal de Lavras Descrição do processo de desenvolvimento de software com empresa contratada pela UFLA Bruno da Silva Gonçalves 1, Fernando Elias de Oliveira 1, Ramon Abílio 1 1 Diretoria de Gestão de Tecnologia da Informação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS E REMUNERAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS E REMUNERAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS E REMUNERAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS E REMUNERAÇÃO DA VIA VAREJO S.A. Art. 1º. O Comitê de Recursos Humanos e Remuneração ( Comitê

Leia mais