II.2. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E DE FUNCIONAMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "II.2. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E DE FUNCIONAMENTO"

Transcrição

1 19/15 II.2. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E DE FUNCIONAMENTO Os indicadores apresentados neste relatório são acompanhados de uma explicação sobre a metodologia de cálculo e um quadro informativo da Origem dos Dados de base utilizados para esse cálculo. No âmbito dos trabalhos de validação de dados da vertente física e de funcionamento são considerados Dados da entidade, os dados fornecidos directamente pelas EG e, por contraposição, Dados estimados são os dados importados da campanha 22 ou na ausência destes, estimados pela equipa de coordenação do INAG. Para o cálculo dos indicadores foram apenas consideradas as componentes com Situação de Funcionamento Em Serviço ou em Funcionamento de Recurso. Nas componentes cuja situação de funcionamento não foi identificada pelas EG, mas existem campos preenchidos na Caracterização de Funcionamento com dados para o ano de 25, utilizaram-se os seguintes critérios para identificar a Situação de Funcionamento das componentes, de acordo com a seguinte ordem de prioridade: 1. Adopção da Situação de Funcionamento da componente a montante ou a jusante; 2. Adopção da Situação de Funcionamento da componente registada para o ano de 22; 3. Adopção da Situação de Funcionamento Em Serviço ou em Funcionamento de Recurso, visto existirem dados de caracterização para o ano de 25. Os mapas apresentados com a localização geográfica de algumas componentes são resultado da actualização do cadastro geográfico efectuado pelas EG e posteriormente validado e integrado no Sistema de Informação Geográfica (SIG) do INSAAR. No caso das EG que não participaram na campanha ou que não devolveram ao INAG o SIG actualizado, foram considerados os cadastros geográficos resultantes da campanha 22. Os mapas aqui apresentados apenas pretendem transmitir uma visão geral da distribuição destas componentes, estando disponível o cadastro completo actualizado no site do INSAAR. O cadastro geográfico encontra-se em constante evolução e actualização, constituindo assim um enriquecimento significativo das potencialidades da Base de Dados INSAAR. É possível localizar qualquer componente por tipo, entidade gestora, ou mesmo qualquer unidade territorial que se queria considerar (por ex., concelho ou região hidrográfica). Torna-se ainda possível a integração com qualquer tipo de informação relevante desde que georreferenciada (formato raster ou vectorial). Ao nível da gestão interna do Inventário, o recurso a esta ferramenta permite uma validação mais precisa e imediata dos dados através da visualização da coerência dos sistemas ou da validação das relações montante-jusante. Através de diferentes processos de análise espacial é ainda possível aferir níveis de atendimento das redes de abastecimento e drenagem através do cruzamento desta informação com a Base Geográfica de Referenciação da Informação (BGRI) 1 do INE. 1 A BGRI assenta na actualização da BGRE (Base Geográfica de Referenciação Espacial), sistema de referenciação geográfica apoiado em cartografia topográfica sob a forma analógica, resultado da divisão da área das 4 28 Freguesias do País, existentes em 15 de Abril 1991 (momento censitário), em pequenas áreas homogéneas de construção rigorosamente apoiadas e delimitadas numa cartografia de base. Estima-se a existência de cerca de 16 secções estatísticas e cerca de 134 subsecções estatísticas, que correspondem ao quarteirão nas áreas urbanas.

2 2/15 II.2.1. ABASTECIMENTO DE ÁGUA II Nível de atendimento II População servida por sistema público de abastecimento de água Para o cálculo deste indicador são considerados os dados de população servida das redes de abastecimento de água. Na ausência destes dados, estimaram-se os valores da população com base nos seguintes critérios por ordem de prioridade: 1. A partir dos dados existentes da campanha 22; 2. A partir da BGRI do INE, no caso das redes georeferenciadas no SIG; 3. A partir das populações das componentes a montante ou a jusante; 4. A partir de uma capitação média do concelho, calculada com base nos valores de população e volume das redes do concelho com registo destes dados, em que foram obtidos os dados de população em falta nas redes onde apenas existiam dados de volumes; 5. A partir de uma capitação teórica de 15L/hab.dia, nos casos em que não foi possível obter uma capitação média do concelho por ausência de valores. Na tabela 5 apresentam-se os dados de população servida e índice de atendimento por cada Região Hidrográfica (RH) e ao nível do Continente. Para o cálculo do índice de abastecimento utilizaram-se as estimativas da população residente fornecidas pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), para o ano 25. Tabela 5. População servida por sistema público de abastecimento de água (inclui tabela auxiliar de origem de dados). Regiões Hidrográficas População servida (x1 hab.) Índice de abastecimento Continente ,1 Minho e Lima (RH1) ,7 Cavado, Ave e Leça (RH2) ,5 Douro (RH3) ,6 Vouga, Mondego, Lis e Ribeiras do Oeste (RH4) ,3 Tejo (RH5) ,6 Sado e Mira (RH6) 29 96,4 Guadiana (RH7) ,8 Ribeiras do Algarve (RH8) ,9

3 21/15 Regiões Hidrográficas População servida Índice de (x1 hab.) abastecimento Açores (RH9) ,7 Madeira (RH1) ,4 Origem dos dados Redes de abastecimento Universo (n.º) Consideradas (nº) Dados da entidade Dados estimados Analisando os dados da tabela 5, verifica-se um índice de abastecimento para o Continente de 91%, de 98% para a Região Hidrográfica Madeira e de praticamente 1% para a Região Hidrográfica Açores. As RH do Continente com menor índice são a RH1 e RH2, destacando-se as RH6 e RH7 com um maior índice de abastecimen to, entre 96 e 98%. O Plano Estratégico de Abastecimento de Água e Saneamento de Águas Residuais (PEAASAR) para o período 2-26, apontava como meta a atingir no final deste período, uma cobertura de 95% da população servida com água potável no domicílio. Analisando os dados obtidos, verifica-se que para o Continente o índice de abastecimento em 25 se encontra ainda quase 4 pontos percentuais abaixo do referido valor. Nas Regiões Autónomas o índice de abastecimento situa-se en tre os 98 e 99%. O mapa da figura 16 ilustra os índices de abastecimento por concelho, para todo o território nacional, verificando-se que, no Continente, os índices mais baixos correspondem a concelhos do Litoral Norte.

4 22/15 Figura 16. População servida por sistema púb lico de abastecimento de água, por concelho.

5 23/15 II População servida p or tipo de orig em de água (superficial e subterrânea) Para este indicador são utilizados os dados de população servida nas captações de água de origem superficial e subterrânea, constantes na ta bela 6 e do g ráfico da figura 17. Os dados de população relativos a cada captação foram afectados aos concelhos servidos por essa captação. Na ausência de dados de população servida pelas captações, estimaram-se os valores com base nos seguintes critérios por ordem de prior idade: 1. A partir dos dados existentes da campanha 22; 2. A partir das populações das componentes a jusante; 3. A partir de uma capitação média do concelho, calculada com base nos valores de população e volume das captações que servem o concelho com registo destes dados, em que foram obtidos os dados de população em falta nas captações onde apenas existiam dados de volumes; Tabela 6. População servida por tipo de origem de água (inclui tabela auxiliar de origem de dados). Regiões Hidrográficas Águas de superfície População servida (x1 hab.) Águas subterrâneas População servida (x1 hab.) (nº) (nº) Continente , ,12 Minho e Lima (RH1) 1 44, ,91 Cavado, Ave e Leça (RH2) , ,43 Douro (RH3) , ,12 Vouga, Mondego, Lis e Ribeiras do Oeste (RH4) , ,24 Tejo (RH5) , ,74 Sado e Mira (RH6) 69 2, ,3 Guadiana (RH7) 83 23, ,45 Ribeiras do Algarve (RH8) , ,17 Açores (RH9) 1,5, ,38 Madeira (RH1) 17 7, ,94

6 24/15 Origem dos dados Captações de água Universo (n.º) Consideradas (nº) Dados da entidade Dados estimados RH1 RH2 RH3 RH4 RH5 RH6 RH7 RH8 RH9 RH1 Águas de superfície Águas subterrâneas Figura 17. População servida por tipo de origem de água. Analisando estes dados, verifica-se que ao nível do Continente as águas superficiais abastecem cerca de 56% da população servida por abastecimento público, por oposição às Regiões Autónomas em que as águas subterrâneas abastecem entre 93 a 99% da população servida. II População servida com água tratada, por tipo de instalação de tratamento (ETA e PC) Para este indicador são considerados os dados de população servida nas estações de tratamento de água (ETA) e nos postos de cloragem (PC), constantes na tabela 7 e do gráfico da figura 18. Na ausência de dados de população servida por tipo instalação de tratamento de água, estimaram-se os valores com base nos seguintes critérios por ordem de prioridade: 1. A partir dos dados existentes da campanha 22; 2. A partir das populações das componentes a montante ou a jusante; 3. A partir de uma capitação média do concelho, calculada com base nos valores de população e volume das instalações de tratamento que servem o concelho com registo destes dados, em que foram obtidos os dados de população em falta nas instalações de tratamento onde apenas existiam dados de volumes;

7 25/15 Tabela 7. População servida com água tratada, por tipo de instalação de tratamento (inclui tabela auxiliar de origem de dados). Regiões Hidrográficas ETA População servida (x1 hab.) PC População servida (x1 hab.) (nº) (nº) Continente , ,31 Minho e Lima (RH1) , ,22 Cavado, Ave e Leça (RH2) , ,15 Douro ( RH3) , ,1 Vouga, Mondego, Lis e Ribeiras do , ,26 Oeste (RH4) Tejo (RH5) , ,6 Sado e Mira (RH6) 77 23, ,6 Guadiana (RH7) 15 52, ,37 Ribeiras do Algarve (RH8) 32 83, ,23 Açores (RH9) 25 12, ,37 Madeira (RH1) 7 15, ,9 Origem dos dados ETA / PC Universo (n.º) Consideradas (nº) Dados da Dados entidade estimados ETA PC ETA PC

8 26/ RH1 RH2 RH3 RH4 RH5 RH6 RH7 RH8 RH9 RH1 ETA PC Figura 18. População servida com água tratada, por tipo de instalação de tratamento. Analisando estes dados, verifica-se que ao nível do Continente cerca de 67% da população servida é abastecida por água tratada em ETA, atendendo a que a maioria da população é servida por água de origem superficial. Por oposição, nas Regiões Autónomas, 84 a 87% da população servida é abastecida por água tratada em postos de cloragem, uma vez que a maioria da população é abastecida por água de origem subterrânea. Ao nível das RH do Continente, verifica-se que as maiores diferenças entre a população servida por ETA e por PC são nas RH4, RH5 e RH8, com variações percentuais entre 7 a 84%. II Componentes dos sistemas de abastecimento de água As componentes inventariadas dos sistemas de abastecimento de água são: Captações de água (superficiais e subterrâneas); Instalações de tratamento de água (ETA - Estações de tratamento de água e PC - postos de cloragem); Estações elevatórias; Reservatórios; Adutoras; Redes de distribuição de água. Com o objectivo de conhecer o percurso da água desde a origem até ao consumidor as componentes encontram-se relacionadas através de ligações montante-jusante, permitindo o estabelecimento de sistemas e a interligação entre os dados de funcionamento das várias componentes.

9 27/15 II Número de componentes geridas, por situação de funcionamento A tabela 8 e o gráfico da figura 19 apresentam o número de componentes cadastradas por Situação de Funcionamento, a nível nacional. Tabela 8. Componentes dos sistemas de abastecimento de água, por situação de funcionamento (inclui tabela auxiliar de origem de dados). Componente Em construção Em serviço Em ampliação/ reabilitação Funcionamento de recurso Fora de serviço Extinta Situação Indefinida (nº) (nº) (nº) (nº) (nº) (nº) (nº) Captação de água ETA PC Adutora Rede de distribuição de água Origem dos dados Dados da Dados entidade estimados situação indefinida extinta fora de serviço funcionamento de recurso em ampliação/reabilitação em serviço em construção captação ETA PC adutora rede Figura 19. Componentes dos sistemas de abastecimento de água, por situação de funcionamento.

10 28/15 A situação de funcionamento constitui um indicador bastante importante, sobretudo no âmbito das capacidades de monitorização de componentes e actualização de dados do INSAAR. A presente categorização do indicador corresponde a uma revisão das 12 categorias presentes nas campanhas anteriores, de forma a simplificar o preenchimento dos dados. Esta aglutinação mantém contudo, a multiplicidade de situações de funcionamento possíveis de se verificarem. Tal como foi referido anteriormente o elevado número de dados estimados corresponde a componentes onde existiam dados de volume e/ou população pelo que se assumiu que a componente estaria em serviço ou mesmo pela situação de funcionamento de componentes a montante e a jusante. A tabela e figura 4 demonstram naturalmente, elevadas percentagens de componentes em serviço. As componentes assinaladas com situação indefinida correspondem àqueles casos em que não foi preenchido o campo da situação de funcionamento nem tão pouco foi possível estimar esse dado com base nos critérios acima definidos. A título de exemplo, apresenta-se na figura 2 um sistema de abastecimento de água georreferenciado para o concelho da Covilhã.

11 29/15 Rede de Abastecimento OURONDO (Covilhã) População servida 416hab Volume captado 2692 m 3 Figura 2. Localização de um sistema d e abastecimento (Concelho da Covilhã).

12 3/15 II Captação de água II Número de captações (águas de superfíc ie e águas subterrâneas) A tabela 9 apresenta o número de captações de origem superficial e subterrânea cadastradas para o continente e por região hidrográfica. Tabela 9. Número de captações, por origem. Regiões Hidrográficas Águas de superfície Águas subterrâneas (nº) (nº) Continente 291 3, ,12 Minho e Lima (RH1) 11 4, ,11 Cavado, Ave e Leça (RH2) 15 2, ,13 Douro (RH3) 13 4, ,8 Vouga, Mondego, Lis e Ribeiras do Oeste (RH4) 82 6, ,67 Tejo (RH5) 51 3, ,91 Sado e Mira (RH6) 18 4, ,63 Guadiana (RH7) 9 1, ,7 Ribeiras do Algarve (RH8) 2, ,21 Açores (RH9) 4, ,5 Madeira (RH1) 22 9, ,27 Verifica-se que existe uma grande diferença, em termos numéricos, entre a quantidade de captações subterrâneas e as captações superficiais, em que, no Continente, cerca de 96% das captações de água para abastecimento público são de origem subterrânea. II Volume de água captado (águas de superfície e águas subterrâneas) Para este indicador são considerados os dados de volume de água das captações. Na ausência dos dados, estimaram-se os valores de volume com base nos seguintes critérios por ordem de prioridade: 1. A partir dos dados existentes da campanha 22; 2. A partir dos volumes das componentes a jusante;

13 31/15 3. A partir de uma capitação média do concelho, calculada com base nos valores de população e volume das captações do concelho com registo destes dados, em que foram calculados os dados de volume em falta nas captações onde apenas existiam dados de população. A tabela 1 apresenta o volume de água captada de origem superficial e subterrânea para o continente e por região hidrográfica Tabela 1. Volume de água captado (inclui tabela auxiliar de origem de dados). Regiões Hidrográficas Águas de superfície Águas subterrâneas (x1 m 3 ) (x1 m 3 ) Continente , ,43 Minho e Lima (RH1) , ,61 Cavado, Ave e Leça (RH2) , ,1 Douro (RH3) , ,14 Vouga, Mondego, Lis e Ribeiras do Oeste (RH4) , ,87 Tejo (RH5) , ,15 Sado e Mira (RH6) , ,86 Guadiana (RH7) , ,23 Ribeiras do Algarve (RH8) , ,9 Açores (RH9) 172 1, ,86 Madeira (RH1) , ,78 Origem dos dados Captações de água Universo (n.º) Consideradas (nº) Dados da entidade Dados estimados Analisando estes dados, verifica-se que ao nível do Continente cerca de 68% do volume captado para abastecimento urbano é de origem superficial, corroborando os dados da tabela 6 em que se verifica que a maioria da população é servida por água de origem superficial. Por oposição, nas Regiões Autónomas, 97 a 99% do volume captado é de origem subterrânea, tal como se verifica na tabela 6 em que a maioria da população é abastecida por água de origem subterrânea.

14 32/15 Ao nível das RH do Continente, verifica-se que as maiores diferenças entre os volumes captados de origem superficial e subter rânea são nas RH2 e RH3, com variações percentuais na ordem dos 9%. A relação entre o número de captações e o volume captado por origem de água, visualiza-se nos gráficos da figura 21, verificando-se que no Continente é notória a diferença entre o volume de água captado nas captações de águas de superfície (684365x1 3 m 3 ) e o volume captado nas águas subterrâneas (328624x1 3 m 3 ), sendo que em número verifica-se precisamente o contrário, em que as captações de águas de superfície são 291 e as captações de água subterrânea são Nas Regiões Autónomas verifica-se um maior número de captações de água subterrânea, mas também um maior volume de água captada nestas captações. Continente Volume captado (x1 3 m 3 ) Número (nº) 291 Águas de superfície Águas subterrâneas R.A. Açores R.A. Madeira aptado (x1 3 m 3 ) lume c Vo Águas de superfície 418 Águas subterrâneas Número (nº) me captado (x1 3 m 3 ) Volu Águas de superfície Águas subterrâneas Número (nº) Figura 21. Número de captações e volume de água captado.

15 33/15 II Localização das captações de água As figuras 22 e 23 apresentam a localização geográfica das captações de águas de superfície e subterrâneas, respectivamente, resultante do cadastro geográfico. Estes mapas permitem uma visão global das pressões quantitativas sobre as massas de água.

16 34/15 Figura 22. Localização geográfica das captações de água (águas de superfície).

17 35/15 F igura 23. Localização geográfica das captações de água (águas subterrâneas).

18 36/15 II Tratamento de água II Número de instalações de tratamento (ETA e PC) A tabela 11 apresenta o número de instalações de tratamento de água cadastradas para o continente e por região hidrográfica. Tabela 11. Número de instalações de tratamento de água. Regiões Hidrográficas ETA PC (nº) (nº) Continente 461 3, ,59 Minho e Lima (RH1) 9 31,3 2 68,97 Cavado, Ave e Leça (RH2) 13 18, ,16 Douro (RH3) 93 32, ,6 Vouga, Mondego, Lis e Ribeiras do Oeste (RH4) , ,48 Tejo (RH5) 159 3, ,31 Sado e Mira (RH6) 28 19, ,28 Guadiana (RH7) 3 21, ,72 Ribeiras do Algarve (RH8) 14 35, ,1 Açores (RH9) 16 11, ,32 Madeira (RH1) 16 17, ,42 Verifica-se que existe uma grande diferença, em termos numéricos, entre a quantidade de postos de cloragem e de ETA re gistando-se, para o Continente, que cerca d e 7% das instalações de tratamento de água são postos de cloragem. II Volume de água tratado, por tipo de instalação de tratame nto (ETA e PC) Para este indicador são considerados os dados de volume de água nas instalações de tratamento de água. Na ausência dos dados, estimaram-se os valores de volume com base nos mesmos critérios referidos em II , sobre captações de água. A tabela 12 apresenta o volume de água tratado em ETA e PC para o continente e por região hidrográfica.

19 37/15 Tabela 12. Volume de água tratado (inclui tabela auxiliar de origem de dados). Regiões Hidrográficas ETA PC (x1 m 3 ) (x1 m 3 ) Continente , ,86 Minho e Lima (RH1) , ,37 Cavado, Ave e Leça (RH2) , ,76 Douro (RH3) , ,18 Vouga, Mondego, Lis e Ribeiras do Oeste (RH4) , ,33 Tejo (RH5) , ,9 Sado e Mira (RH6) , ,48 Guadiana (RH7) , ,22 Ribeiras do Algarve (RH8) , ,77 Açores (RH9) , ,5 Madeira (RH1) , ,21 Origem dos dados ETA / PC Universo (n.º) Consideradas (nº) Dados da entidade ETA PC ETA PC Dados estimados Analisando estes dados, verifica-se que ao nível do C ontinente cer ca de 73% do volume tratado para abastecimento urbano é proveniente de Estações de Tratamento de Água (ETA), corroborando os dados da tabela 7. Por oposição, nas Regiões Autónomas, 8 a 89% do volume é tratado em Postos de Cloragem (PC). Ao nível das RH do Continente, verifica-se que as maiores diferenças entre os volumes tratados em ETA e PC são nas RH4, RH5 e RH8, com variações percentuais de cerca de 8%. A relação entre o número de instalações de tratamento e o volume tratado por tipo de instalação, visualiza-se nos gráficos da figu ra 24, verificando-se que no Continente é notória a diferença entre o volume de água tratado nas ETA ( x1 3 m 3 ) e o volume t ratado nos PC ( x1 3 m 3 ), se ndo que em número verifica-se precisamente o contrário, ou seja, o número de ETA é significativamente inferior ao número de PC. Nas Regiões Autónomas ve rifica-se um maior núm ero de PC, mas também um maior volume de água tratada neste tipo de instalações de tratamento.

20 38/15 Continente 6 12 Vo lume t ratado (x1 3 m 3 ) Número (nº) ETA PC R.A. Açores R.A. Madeira , 1 Volume tratado (x1 3 m 3 ) Número (nº) Volume tratado (x1 3 m 3 ) 15, 1, 5, Número (nº) ETA 16 PC, ETA PC Figura 24. Número de instalações de tratamento de água e volume de água tratado. II Localização das instalações de tratamento de água As figuras 25 e 26 apresentam a localização geográfica das Estações de Tratamento de Água e Postos de Cloragem, respectivamente, resultante do cadastro geográfico.

21 39/15 Figura 25. Localização geográfica das Estações de tratamento de água (ETA).

22 4/15 Figura 26. Localização geográfica dos Postos de cloragem (PC).

23 41/15 II Consumo de água II Consumo de água (sector doméstico) Para este indicador são considerados os dados de volume consumidos nas redes de abastecimento de água. Na ausência dos dados, estimaram-se os valores de volume com base nos seguintes critérios por ordem de prioridade: 1. A partir dos dados existentes da campanha 22; 2. A partir dos volumes das componentes a montante ou a jusante; 3. A partir de uma capitação média do concelho, calculada com base nos valores de população e volume das redes do concelho com registo destes dados, foram estimados os dados de volume em falta, nas redes onde apenas existiam dados de população; 4. A partir de uma capitação teórica de 15L/hab.dia, nos casos em que não se conseguiu obter uma capitação média do concelho por ausência de valores. A tabela 13 e o gráfico da figura 27 apresentam o consumo de água para o sector doméstico para o continente e por região hidrográfica. Tabela 13. Consumo de água para o sector doméstico (inclui tabela auxiliar de origem de dados). Regiões Hidrográficas Volume de água consumido (x1 m 3 ) Continente Minho e Lima (RH1) ,22 Cavado, Ave e Leça (RH2) ,17 Douro (RH3) ,77 Vouga, Mondego, Lis e Ribeiras do Oeste (RH4) ,38 Tejo (RH5) ,85 Sado e Mira (RH6) ,1 Guadiana (RH7) ,79 Ribeiras do Algarve (RH8) ,72 Açores (RH9) Madeira (RH1)

24 42/15 Origem dos dados Redes de drenagem Universo (n.º) Consideradas (nº) Dados da Dados entidade estimados A tabela 13 e a figura 27 permitem verificar que são as regiões RH2, RH3, RH4 e RH5 as que apresentam maiores volumes de água consumidos, confirmado pela representatividade destas regiões em termos populacionais. RH1 RH2 RH3 RH4 RH5 RH6 RH7 RH8 RH9 RH1 Figura 27. Consumo de água sector doméstico, por RH. O volume total de água consumido e a sua distribuição pelos diversos sectores é apresentado na tabela 14. Tabela 14. Consumo total de água por sector. Sector Consumo total de água Continente Continente Açores Açores Madeira Madeira (x1 m 3 ) (x1 m 3 ) (x1 m 3 ) Doméstico , , ,78 Industrial , ,18 131,79 Agrícola/pecuário,42, ,12 3,2 Comercial/serviços , , ,39 Outros , , ,2 Totais 51451, Para todos sectores, excepto o doméstico, os valores são os inseridos pelas Entidades gestoras, não tendo sido efectuadas estimativas para os restantes sectores. Desta forma, o universo utilizado para o cálculo dos

25 43/15 restantes sectores (que não o doméstico) foi de 539 redes para o continente, 196 redes para os Açores e 152 redes no caso da Madeira, num total de 823 redes para o continente, 63 para os Açores e 236 para a Madeira. A análise da tabela 14 permite verificar que o sector doméstico é o mais representativo em termos de consumo de água na malha urbana, seguindo-se o sector comercial /serviços. O sector agrícola/pecuário tem um significado muito reduzido uma vez que o abastecimento a este sector raramente é efectuado através da rede pública. II Capitação A tabela 15 apresenta os valores de capitação doméstica obtidos para o continente e por região hidrográfica. Este indicador foi obtido com base nas populações servidas nas redes de abastecimento e respectivos volumes consumidos. Tabela 15. Capitações domésticas (inclui tabela auxiliar de origem de dados). Regiões Hidrográficas Capitação doméstica (L/hab.dia) Continente 132 Minho e Lima (RH1) 127 Cavado, Ave e Leça (RH2) 19 Douro (RH3) 11 Vouga, Mondego, Lis e Ribeiras do Oeste (RH4) 112 Tejo (RH5) 13 Sado e Mira (RH6) 156 Guadiana (RH7) 159 Ribeiras do Algarve (RH8) 269 Açores (RH9) 158 Madeira (RH1) 168 Origem dos dados Redes de abastecimento Universo (n.º) Consideradas (nº) Dados da entidade Dados estimados

26 44/15 A análise da tabela 15 permite verificar que as regiões com maior actividade turística, como as regiões do Algarve e da Madeira, são as que apresentam um valor mais elevado de capitação doméstica. Os valores da população flutuante, apesar de ser possível a sua inserção na base de dados, não estavam na sua maioria preenchidos, não tendo sido possível efectuar estimativas. Não é possível distinguir, com grau de certeza elevado e em número, a população flutuante que ocupa apartamentos de férias ou casas próprias em alturas pontuais da população flutuante hospedada em estabelecimentos hoteleiros e que está contabilizada nas estatísticas oficiais do sector turístico. No entanto, sabendo que a região do Algarve recebe aproximadamente 2,5 milhões de não residentes durante todo o ano (fonte: INE Estatísticas do Turismo, 24) e assumindo que 4% destas pessoas utiliza casas particulares de férias ou segundas residências, é possível estimar a população adicional (flutuante) que contribui para a receita tarifária elevada do sector doméstico. Relativamente à capitação urbana de água, a tabela 16 apresenta os valores obtidos para o Continente e Regiões Autónomas. Tabela 16. Capitações urbanas. Capitação urbana (L/hab.dia) Continente 153 Açores 25 Madeira 187 A Região Hidrográfica Açores é a que apresenta uma maior capitação urbana, seguida da Região Hidrográfica Madeira e do Continente com apenas 153l/hab.dia.

27 45/15 II.2.2. DRENAGEM E TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS II Nível de atendimento II População servida por sistema público de drenagem de águas residuais Para o cálculo deste indicador são considerados os dados de população servida das redes de drenagem de águas residuais. Na ausência destes dados, estimaram-se os valores da população com base nos mesmos critérios utilizados para as redes de abastecimento (II ). Nos casos em que foi necessário admitir uma capitação teórica, foi considerado um valor de 125L/hab.dia. A tabela 17 apresenta-se os dados de população servida e índice de drenagem por cada Região Hidrográfica (RH) e ao nível do Continente. Para o cálculo do índice de drenagem utilizaram-se as estimativas da população residente fornecidas pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), para o ano 25. Tabela 17. População servida com drenagem de águas residuais (inclui tabela auxiliar de origem de dados). Regiões Hidrográficas População servida Índice d e drenagem (x1 hab.) Continente ,1 Minho e Lima (RH1) ,6 Cavado, Ave e Leça (RH2) Douro (RH3) ,4 Vouga, Monde go, Lis e Ribeiras do Oeste (RH4) ,5 Tejo (RH5) ,5 Sado e Mira (RH6) ,4 Guadiana (RH7) 23 89,3 Ribeiras do Algarve ( RH8) ,6 Açores (RH9) ,3 Madeira (RH1) 15 61,2 Origem dos dados Redes de drenagem Universo (nº) Consideradas (nº) Dados da entidade Dados estimados

28 46/15 Atendendo aos valores registados na tabela 17, é possível constatar que o continente apresente um índice de drenagem de águas residuais significativamente superior aos registados nas Regiões Autónomas. Ainda assim, verificam-se algumas diferenças nas regiões do continente, designadamente entre as situadas a norte e a sul da região do Tejo (RH5), com estas últimas a apresentarem índices de drenagem consideravelmente superiores às primeiras. O Plano Estratégico de Abastecimento de Água e Saneamento de Águas Residuais (PEAASAR) para o período 2-26 apontava como uma das metas a atingir, uma cobertura de 9% da população servida com drenagem e tratamento de águas residuais. Analisando os dados da tabela 17 verifica-se que, embora em algumas RH o índice de drenagem esteja já muito perto dos 9%, para a maioria das regiões do país as taxas de cobertura são ainda muito baixas, verificando-se ainda a necessidade de um esforço considerável do país nesta matéria. O mapa da figura 28 ilustra os índices de drenagem por concelho, para todo o território nacional, verificandose que no Continente, tal como se verifica para o abastecimento, os índices mais baixos correspondem a concelhos do Norte Litoral.

Inventário Nacional de Sistemas de Abastecimento de Água e de Águas Residuais. Estação de tratamento de água Lever (AdDP)

Inventário Nacional de Sistemas de Abastecimento de Água e de Águas Residuais. Estação de tratamento de água Lever (AdDP) Inventário Nacional de Sistemas de Abastecimento de Água e de Águas Residuais 50 Estação de tratamento de água Lever (AdDP) Sistemas Públicos Urbanos ESTADO DOS SISTEMAS PÚBLICOS URBANOS DE ABASTECIMENTO

Leia mais

II.3.1.1.1. Medidas adoptadas por motivos ambientais e de escassez

II.3.1.1.1. Medidas adoptadas por motivos ambientais e de escassez 66/12 II.3. CARACTERIZAÇÃO ECONÓMICO-FINANCEIRA II.3.1. ABASTECIMENTO DE ÁGUA II.3.1.1. Problemas Ambientais e de Escassez II.3.1.1.1. Medidas adoptadas por motivos ambientais e de escassez A captação

Leia mais

RELATÓRIO DO ESTADO do Abastecimento de Água e Drenagem e Tratamento de Águas Residuais INSAAR 2008

RELATÓRIO DO ESTADO do Abastecimento de Água e Drenagem e Tratamento de Águas Residuais INSAAR 2008 RELATÓRIO DO ESTADO do Abastecimento de Água e Drenagem e Tratamento de Águas Residuais Sistemas Públicos Urbanos INSAAR 2008 (Dados 2007; Campanha 2008) Maio de 2009 ÍNDICE GERAL GLOSSÁRIO DE ABREVIATURAS

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL 7670 Diário da República, 1.ª série N.º 202 19 de Outubro de 2007 h) Garantir a gestão de serviços comuns no âmbito das aplicações cuja concretização esteja a cargo do II e promover a sua partilha e reutilização;

Leia mais

Glossário. Caracterização física e de funcionamento

Glossário. Caracterização física e de funcionamento Glossário Caracterização física e de funcionamento 2011 TERMOS UTILIZADOS NA CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E DE FUNCIONAMENTO A Adequabilidade do tratamento face à qualidade da água bruta consoante a sua qualidade,

Leia mais

5.11 Vagos. 5.11.1 Forças motoras

5.11 Vagos. 5.11.1 Forças motoras 5.11 Vagos O concelho de Vagos, com uma área de aproximadamente 165 km 2 possui onze freguesias: Calvão, Covão do Lobo, Fonte de Angeão, Gafanha da Boa Hora, Ouca, Ponte de Vagos, Sosa, Vagos, Santo António

Leia mais

Anexo III. Quantificação das Descargas na Ria de Aveiro

Anexo III. Quantificação das Descargas na Ria de Aveiro Quantificação das Descargas na Ria de Aveiro ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 1. Descrição Geral das Descargas 2 2. Canal Principal ou Espinheiro 3 2.1. Caudal 4 2.2. Propriedades da Água 7 3. Canal da Murtosa 16 3.1.

Leia mais

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET INTRODUÇÃO O Ministério do Ambiente, através do Instituto da Água (INAG) e Direcções Regionais do Ambiente (DRA) dispõe actualmente de

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

As áreas temáticas visadas na construção da síntese de diagnóstico apresentam-se no Quadro 2.77

As áreas temáticas visadas na construção da síntese de diagnóstico apresentam-se no Quadro 2.77 2.7 síntese de diagnóstico A síntese de diagnóstico perspectiva desenhar a realidade insular de Santa Maria materializada em indicadores-chave, permitindo estabelecer a situação de referência no que concerne

Leia mais

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo De acordo com os indicadores demográficos disponíveis relativos a 2007, a população residente em Portugal

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA

PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA 1 introdução 1.1 enquadramento O desenvolvimento dos estudos de base para o PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA (PGRHI-SMA ) enquadra-se no âmbito da aplicação do Guia Metodológico

Leia mais

Evolução na qualidade das águas residuais tratadas na APA/ARH Centro. Daniela Oliveira Nuno Bravo. APA/ARH do Centro

Evolução na qualidade das águas residuais tratadas na APA/ARH Centro. Daniela Oliveira Nuno Bravo. APA/ARH do Centro Evolução na qualidade das águas residuais tratadas na APA/ARH Centro Daniela Oliveira Nuno Bravo APA/ARH do Centro 09-04-2014 Instrumentos legais O Plano Estratégico de Abastecimento de Água e Saneamento

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO Principais linhas de evolução e transformação da paisa social e económica regional População A região, inserida no contexto português

Leia mais

31ª Reunião Comissão de Acompanhamento

31ª Reunião Comissão de Acompanhamento 31ª Reunião Comissão de Acompanhamento Apresentação do projecto 2001/PT/16/C/PE/007 Sistema Multimunicipal de abastecimento de água e de saneamento de Raia, Zêzere e Nabão Índice 1. Apresentação da Águas

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Geografia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 719/1.ª Fase 16 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde

Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde ABRIL DE 2009 Índice Apresentação da ELECTRA, SA Papel da empresa

Leia mais

DETECÇÃO DE CORPOS DE ÁGUA EM IMAGENS DE SATÉLITE LANDSAT 5TM

DETECÇÃO DE CORPOS DE ÁGUA EM IMAGENS DE SATÉLITE LANDSAT 5TM DETECÇÃO DE CORPOS DE ÁGUA EM IMAGENS DE SATÉLITE LANDSAT 5TM PALMEIRIM, José Carlos ( 1 )e FERNANDES, Susana( 2 ) RESUMO As crescentes necessidades de utilização da água a níveis industrial, agrícola

Leia mais

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021 Documento de apoio à participação pública 22 de dezembro 2012 Atualização maio 2013 Departamento

Leia mais

04-09-2014. A Água: Recurso e Risco Multiescalar. II Jornadas IGOT dos Professores de Geografia. Catarina Ramos catramos@campus.ul.

04-09-2014. A Água: Recurso e Risco Multiescalar. II Jornadas IGOT dos Professores de Geografia. Catarina Ramos catramos@campus.ul. II Jornadas IGOT dos Professores de Geografia A como Recurso Recursos hídricos água nos seus diferentes estados e reservatórios, disponível ou potencialmente disponível, susceptível de satisfazer, em quantidade

Leia mais

Índice. Ficha Técnica NEWS. Apresentação LETTER Nº 9. Junho 2011

Índice. Ficha Técnica NEWS. Apresentação LETTER Nº 9. Junho 2011 Junho 2011 Índice Novidades Tema em Destaque Resultados Preliminares dos Censos 2011 Principais Resultados A População e as Famílias A Habitação Pág.2 Pág.3 Pág.4 Pág.9 Apresentação A Newsletter dos Censos

Leia mais

IGA Investimentos e Gestão da Água, S.A.

IGA Investimentos e Gestão da Água, S.A. Levantamento e Cadastro de Infra-estruturas associadas aos Sistemas de Abastecimento de Água e de Tratamento e Drenagem de Águas Residuais e Pluviais Ricardo Freitas 3 Objectivos Elaboração do cadastro

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Índice Introdução Preço Médio por Dormida Proveito Médio de Aposento por Cama Conceitos Anexos 2 Introdução Com base em indicadores estatísticos disponibilizados pelo

Leia mais

A FRUTICULTURA NO PRODER. Alguns Indicadores

A FRUTICULTURA NO PRODER. Alguns Indicadores A FRUTICULTURA NO PRODER Alguns Indicadores NOTA DE ABERTURA Este documento tem como objetivo a divulgação de um conjunto de indicadores relativos ao setor da fruticultura no âmbito do Programa de Desenvolvimento

Leia mais

X Ambiente e Salubridade

X Ambiente e Salubridade X Ambiente e Salubridade 1. Abastecimento de Água A taxa de Cobertura de Abastecimento de água no Concelho de Pombal é de aproximadamente 99%, podendo deste modo considerar-se que cobre todas as freguesias

Leia mais

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS I IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social, identificação fiscal n.º, bilhete

Leia mais

Anuários Estatísticos Regionais Informação estatística à escala regional e municipal

Anuários Estatísticos Regionais Informação estatística à escala regional e municipal Anuários Estatísticos Regionais 213 19 de dezembro de 214 Anuários Estatísticos Regionais Informação estatística à escala regional e municipal O INE divulga os Anuários Estatísticos Regionais, que constituem

Leia mais

PERFIL DO ALUNO 2008/2009

PERFIL DO ALUNO 2008/2009 PERFIL DO ALUNO 2008/2009 FICHA TÉCNICA Título Perfil do Aluno 2008/2009 Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística

Leia mais

Plano de Gestão das Bacias Hidrográficas dos rios Vouga, Mondego e Lis

Plano de Gestão das Bacias Hidrográficas dos rios Vouga, Mondego e Lis Plano de Gestão das Bacias Hidrográficas dos rios Vouga, Mondego e Lis CENÁRIOS PROSPECTIVOS Pescas, Aquicultura e Portos 13 de Junho de 2011 Pesca e Aquicultura CONSULTA DE RELATÓRIOS PÚBLICOS, SECTOR

Leia mais

Caracterização do Concelho de Lisboa. Lisboa, Maio 2007

Caracterização do Concelho de Lisboa. Lisboa, Maio 2007 Caracterização do Concelho de Lisboa Lisboa, Maio 2007 Enquadramento geográfico Lisboa é capital de Portugal Enquadra-se nas regiões: Sintra Odivelas Loures Distrito: Lisboa UT III: Grande Lisboa UT II:

Leia mais

Sessão Debate Planos de Ordenamento da Orla Costeira

Sessão Debate Planos de Ordenamento da Orla Costeira Sessão Debate Planos de Ordenamento da Orla Costeira Região Hidrográfica do Tejo Ribeiras do Oeste Gabriela Moniz e Francisco Reis Torres Vedras, 11 de Dezembro de 2009 Administrações das Regiões Hidrográficas

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS 2. CÂMARA DE LOBOS MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte: www.geocities.com/heartland/plains/9462/map.html (adaptado) Localizada na vertente sul da

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO WORKING PAPER

DOCUMENTO DE TRABALHO WORKING PAPER Recuperação de custos no sector de abastecimento de água e de drenagem e tratamento de águas residuais em Portugal WP nº 2007/57 Henrique Monteiro Maio de 2007 DOCUMENTO DE TRABALHO WORKING PAPER DINÂMIA

Leia mais

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA USP de Concelho A. Identificação da Zona Balnear Zona Balnear Identificada: Zona Balnear (cod.) (designação) Bandeira Azul Praia Acessível (ano de atribuição) (ano de atribuição) Identificação do local

Leia mais

Implementação da Directiva INSPIRE no INAG

Implementação da Directiva INSPIRE no INAG Implementação da Directiva INSPIRE no INAG Ana Catarina Mariano INTITUTO DA ÁGUA, I. P. 14-16 de Maio, Taguspark, Oeiras 1 Agenda 1. 1. INSPIRE 2. 2. WISE 3. 3. InterSIG 4. 4. Exemplos de implementação

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS RECORRENDO A UM MODELO DE METABOLISMO. Engenharia Civil

ANÁLISE DE DESEMPENHO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS RECORRENDO A UM MODELO DE METABOLISMO. Engenharia Civil ANÁLISE DE DESEMPENHO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS RECORRENDO A UM MODELO DE METABOLISMO Rodrigo Ribeiro Rego Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Civil Júri Presidente:

Leia mais

CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios)

CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios) 08 de novembro de 2011 Censos 2011 21 de março de 2011 CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios) Dada a importância que o tema reveste, no quadro da preparação dos resultados provisórios

Leia mais

A Evolução dos Serviços de Água em Portugal

A Evolução dos Serviços de Água em Portugal A Evolução dos Serviços de Água em Portugal AcquaLifeExpo Lisboa, 22-25 de Março de 2012 Centro Empresarial Torres de Lisboa Rua Tomás da Fonseca, Torre G 8º 1600-209 LISBOA - PORTUGAL www.ersar.pt Tel.:

Leia mais

O FUTURO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ÁGUAS: O CASO PORTUGUÊS

O FUTURO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ÁGUAS: O CASO PORTUGUÊS O FUTURO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ÁGUAS: O CASO PORTUGUÊS Rui Godinho APDA, Presidente do Conselho Directivo O sector do abastecimento de água e do saneamento de águas residuais em Portugal conheceu uma

Leia mais

(124) Planeamento urbano para a integração de imigrantes

(124) Planeamento urbano para a integração de imigrantes A análise dos grupos profissionais da população activa portuguesa e estrangeira residente na Área Metropolitana do Porto, de acordo com o concelho é a seguinte: Figura 25. Repartição da população activa

Leia mais

5.7 Murtosa. 5.6.4.4 Tarifário de água O Quadro 5.66 apresenta o tarifário da água da rede de abastecimento público no concelho de Mira.

5.7 Murtosa. 5.6.4.4 Tarifário de água O Quadro 5.66 apresenta o tarifário da água da rede de abastecimento público no concelho de Mira. 5.6.4.3 Tratamento de água para consumo humano A água captada pela Câmara (captação da Lagoa) é sujeita a tratamento de filtragem e cloragem. 5.6.4.4 Tarifário de água O Quadro 5.66 apresenta o tarifário

Leia mais

4. CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA TURÍSTICA NOÇÃO E FORMAS DE PROCURA

4. CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA TURÍSTICA NOÇÃO E FORMAS DE PROCURA 4. CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA TURÍSTICA NOÇÃO E FORMAS DE PROCURA A procura turística é tida como uma importante componente do sistema turístico, que pode ser traduzida como o conjunto de bens e serviços

Leia mais

Literacia Estatística ao serviço da Cidadania. Portal do INE e Projeto ALEA Uma primeira abordagem

Literacia Estatística ao serviço da Cidadania. Portal do INE e Projeto ALEA Uma primeira abordagem Serviço de Difusão Literacia Estatística ao serviço da Cidadania Portal do INE e Projeto ALEA Uma primeira abordagem Rede de Bibliotecas Escolares Formação para Professores fevereiro - maio.2012 Itinerário

Leia mais

Sistema Integrado de Informação Geográfica da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro

Sistema Integrado de Informação Geográfica da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro Sistema Integrado de Informação Geográfica da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro BRAVO, Nuno; SEABRA, Cristina; SILVA, Leonor Resumo No âmbito das suas competências, estabelecidas

Leia mais

ETAR de Ermesinde e Alfena. Capacidade de Tratamento: Breve descrição do tratamento:

ETAR de Ermesinde e Alfena. Capacidade de Tratamento: Breve descrição do tratamento: ETAR de Ermesinde e Alfena A ETAR de Ermesinde foi projectada para tratar os efluentes urbanos provenientes da zona poente do Concelho de Valongo, abrangendo as freguesias de Ermesinde e Alfena. Esta ETAR

Leia mais

Disponibilidade geográfica da banda larga em Portugal

Disponibilidade geográfica da banda larga em Portugal Data de publicação 22.9.2008 Disponibilidade geográfica da banda larga em Portugal A disponibilidade das ofertas de banda larga depende da existência de centrais da rede telefónica pública comutada nas

Leia mais

INDICADORES ESTATÍSTICOS

INDICADORES ESTATÍSTICOS INDICADORES ESTATÍSTICOS Indicadores Ano Unidade Estrutura Territorial Área 28 Km 2 27 332,4 92 9, Concelhos - Freguesias 28 nº 47-31 38-426 Lugares 28 nº 947 26797 Cidades Estatísticas 28 nº 15 151 Densidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice Introdução Proveito Médio de Aposento Conceitos Anexos Proveitos

Leia mais

Análise do Consumo de Água em Portugal

Análise do Consumo de Água em Portugal Análise do Consumo de Água em Portugal Perfil de Consumidores e Consumos Novembro 2009 Perfil de Consumidores e Consumos Novembro 2009 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO DA AQUAPOR... 3 Quem Somos Onde Estamos 2.

Leia mais

DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7)

DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7) DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7) Rede de capitação, tratamento e distribuição de água Rede de drenagem de águas pluviais Rede de coleta e tratamento de esgoto Serviço de coleta e tratamento de resíduos

Leia mais

PLANO DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DAS RIBEIRAS DO OESTE FICHAS DE DIAGNÓSTICO

PLANO DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DAS RIBEIRAS DO OESTE FICHAS DE DIAGNÓSTICO PLANO DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DAS RIBEIRAS DO OESTE FICHAS DE DIAGNÓSTICO Agosto 2012 PLANO DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DAS RIBEIRAS DO OESTE FICHAS DE DIAGNÓSTICO Este trabalho foi executado na sequência

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Geografia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 719/1.ª Fase 16 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Análise da Qualidade das Águas Superficiais de Ponte de Lima

Análise da Qualidade das Águas Superficiais de Ponte de Lima Análise da Qualidade das Águas Superficiais de Ponte de Lima Afonso M. P. R. BARBOSA; Eng.º Civil, Águas do Minho e Lima S.A., Ed. do Instituto dos Socorros a Náufragos, 4900-370, Viana do Castelo, 258810401,

Leia mais

WORKSHOP Plano para preservar os Recursos Hídricos da Europa (Blueprint) - Perspetivas para Portugal

WORKSHOP Plano para preservar os Recursos Hídricos da Europa (Blueprint) - Perspetivas para Portugal Eficiência dos sistemas de abastecimento de água para consumo humano WORKSHOP Plano para preservar os Recursos Hídricos da Europa (Blueprint) - Perspetivas para Portugal IPQ, 9 de abril de 2014 Os serviços

Leia mais

Edifícios Licenciados e Concluídos Diminuem

Edifícios Licenciados e Concluídos Diminuem Construção: Obras licenciadas e concluídas 1 13 de Setembro de 2007 e Concluídos Diminuem No 2º trimestre de 2007, foram licenciados mais de 11 mil edifícios e concluídos mais de 6,5 mil edifícios. Estes

Leia mais

METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES

METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES Atlas das Cidades de Portugal Volume II 2004 01 de Abril de 2005 METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES Apesar das disparidades ao nível da dimensão populacional

Leia mais

Implementação do Web SIG para o PGRH

Implementação do Web SIG para o PGRH Implementação do Web SIG para o PGRH ARH Centro, I.P. Requisitos do Sistema Ref.: 30/11/2010 FICHA TÉCNICA Referência: Projecto: Implementação do Web SIG para o PGRH Gestor de Projecto: Miguel Rodrigues

Leia mais

OS SISTEMAS GEOGRÁFICA DE INFORMAÇÃO NOS NEGÓCIOS INFRA-ESTRUTURA DE INFORMAÇÃO PARA A TERCEIRA GERAÇÃO DE APLICAÇÕES NO INÍCIO DO TERCEIRO MILÉNIO

OS SISTEMAS GEOGRÁFICA DE INFORMAÇÃO NOS NEGÓCIOS INFRA-ESTRUTURA DE INFORMAÇÃO PARA A TERCEIRA GERAÇÃO DE APLICAÇÕES NO INÍCIO DO TERCEIRO MILÉNIO 22 B&S DOSSIER SIG Por Marco Painho, Professor Associado, Director do Instituto Superior de Estatística e Gestão de Informação da Universidade Nova de Lisboa. OS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NOS NEGÓCIOS

Leia mais

Apoios ao Investimento em Portugal

Apoios ao Investimento em Portugal Apoios ao Investimento em Portugal AICEP Abril 2015 FINANÇAS Índice Investimento Produtivo Auxílios Estatais Máximos Incentivos Financeiros Incentivos Fiscais Investimento em I&D Empresarial Incentivos

Leia mais

Região Autónoma da Madeira

Região Autónoma da Madeira Região Autónoma da Madeira Área () km 2 801,0 Densidade populacional () Hab/Km 2 309,0 População residente (31.12.) Nº 247.568 População < 15 anos Nº 42.686 População > 65 anos Nº 32.188 Taxa conclusão

Leia mais

Inclusão Financeira Digital. Setembro 2015

Inclusão Financeira Digital. Setembro 2015 Inclusão Financeira Digital Setembro 2015 2 A inclusão financeira tem vindo a conquistar ao longo dos últimos anos um lugar de destaque no panorama mundial. Este facto é demonstrado tanto pelo foco que

Leia mais

EcoFamílias Água. (Janeiro Novembro 2008) Relatório Final

EcoFamílias Água. (Janeiro Novembro 2008) Relatório Final EcoFamílias Água (Janeiro Novembro 2008) Relatório Final Janeiro de 2009 Índice 1. Resumo Executivo... 3 2. Introdução... 5 3. Objectivos... 8 4. Metodologia... 9 4.1. Selecção das Famílias... 9 4.2. Monitorização...

Leia mais

VALÊNCIAS AMBIENTAIS EM ENGENHARIA (VAE) (2ºano MEAmbi) Mestrado Integrado em Engª do Ambiente (2015/2016) Sala QA1.4

VALÊNCIAS AMBIENTAIS EM ENGENHARIA (VAE) (2ºano MEAmbi) Mestrado Integrado em Engª do Ambiente (2015/2016) Sala QA1.4 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E GEORRECURSOS VALÊNCIAS AMBIENTAIS EM ENGENHARIA (VAE) (2ºano MEAmbi) Mestrado Integrado em Engª do Ambiente (2015/2016) Sala QA1.4 SISTEMAS DE ABASTECIMENTO

Leia mais

1. Aumentar o conhecimento sobre a fileira (dimensão, valor, intervenientes);

1. Aumentar o conhecimento sobre a fileira (dimensão, valor, intervenientes); SUMÁRIO EXECUTIVO Enquadramento do Estudo O Estudo Económico de Desenvolvimento da Fileira do medronho enquadra-se na estratégia de valorização da floresta do, procurando estudar a dinamização da fileira

Leia mais

Fernanda Gomes Divisão de Planeamento Instituto da Água

Fernanda Gomes Divisão de Planeamento Instituto da Água Fernanda Gomes Divisão de Planeamento Instituto da Água 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 2. ESTRUTURA DO RELATÓRIO DAS QUESTÕES SIGNIFICATIVAS 3. PARTICIPAÇÃO PÚBLICA 2/37 3/37 Directiva Quadro da Água A Directiva

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

Resultados do Inquérito aos Docentes e Investigadores sobre a. Reorganização da Rede de Ensino Superior e Financiamento

Resultados do Inquérito aos Docentes e Investigadores sobre a. Reorganização da Rede de Ensino Superior e Financiamento Resultados do Inquérito aos Docentes e Investigadores sobre a Reorganização da Rede de Ensino Superior e Financiamento fevereiro de 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. METODOLOGIA... 2 2.1. O INQUÉRITO...

Leia mais

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e. Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios

Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e. Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios Censos 2011 Resultados Preliminares 30 de Junho de 2011 Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios Cem dias após o momento censitário

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013 38% DAS PESSOAS COM IDADE ENTRE 16 E 74 ANOS CONTACTAM COM ORGANISMOS

Leia mais

RELATÓRIO DO ESTADO DO AMBIENTE 2008 INDICADORES

RELATÓRIO DO ESTADO DO AMBIENTE 2008 INDICADORES RELATÓRIO DO ESTADO DO AMBIENTE 28 1 INDICADORES ÁGUA 8 Evolução do número de análises em cumprimento do valor paramétrico 1, Análises (n.º) 7 6 5 4 3 2 1 591 65 64 278 97,48% 97,53% Fonte: ERSAR, 29 623

Leia mais

INTRODUÇÃO. Localização geográfica. Grande Lisboa. Grande Porto

INTRODUÇÃO. Localização geográfica. Grande Lisboa. Grande Porto INTRODUÇÃO presente trabalho pretende mostrar uma caracterização geral de duas sub-regiões de Portugal: as NUTE III (Numencleatura de Unidade Territorial Estatística) da Grande Lisboa e do Grande Porto,

Leia mais

A experiência da gestão directa

A experiência da gestão directa Gestão da Água em meio urbano no quadro regional, caminho para o futuro? A experiência da gestão directa Modelos de Gestão atuais, as diferentes visões e os resultados atuais. Caracterização do Concelho

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NO CENTRO DE PORTUGAL QREN 2007-2013. (31 de dezembro de 2013)

POLÍTICAS PÚBLICAS NO CENTRO DE PORTUGAL QREN 2007-2013. (31 de dezembro de 2013) POLÍTICAS PÚBLICAS NO CENTRO DE PORTUGAL QREN 2007-2013 QREN 2007-2013 No período 2007-2013, são principalmente os instrumentos financeiros, Fundos Estruturais (FEDER Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

O Concelho de Beja. Localização

O Concelho de Beja. Localização O Concelho de Beja Localização Beja, capital de distrito, situa-se na região do Baixo Alentejo, no coração da vasta planície alentejana. É sede de um dos maiores concelhos de Portugal, com cerca de 1150

Leia mais

VERSÃO 2. Prova Escrita de Geografia A. 11.º Ano de Escolaridade. Prova 719/1.ª Fase EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

VERSÃO 2. Prova Escrita de Geografia A. 11.º Ano de Escolaridade. Prova 719/1.ª Fase EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Geografia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 719/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

LEI DA ÁGUA (Lei nº 58/2005) E LEI DA TITULARIDADE DOS RECURSOS HÍDRICOS (Lei nº 54/2008) António Gonçalves Henriques 1

LEI DA ÁGUA (Lei nº 58/2005) E LEI DA TITULARIDADE DOS RECURSOS HÍDRICOS (Lei nº 54/2008) António Gonçalves Henriques 1 LEI nº 58/2005 LEI DA ÁGUA, 29/12 LEI nº 54/2005 TITULARIDADE DOS RECURSOS HÍDRICOS, 15/11 António Gonçalves Henriques António Gonçalves Henriques 1 Lei nº 54/2005 Âmbito: águas, leitos e margens, zonas

Leia mais

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015 O projeto O Projeto Heróis da Água é promovido pela EMAS de Beja e pela Câmara Municipal de Beja, enquadra-se na área da sensibilização e educação ambiental. O projeto mantem-se pelo 3.º ano e continua

Leia mais

Caracterização do Sector Português da Água

Caracterização do Sector Português da Água Caracterização do Sector Português da Água ÁGUAGLOBAL A Internacionalização do Sector Português da Água AEP - Edifício de Serviços 19 de Abril de 2012 Centro Empresarial Torres de Lisboa Rua Tomás da Fonseca,

Leia mais

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO Vila Real, Março de 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 CAPITULO I Distribuição do alojamento no Território Douro Alliance... 5 CAPITULO II Estrutura

Leia mais

Caraterização da Área de Reabilitação Urbana Edificado e População Fonte: Censos 2011

Caraterização da Área de Reabilitação Urbana Edificado e População Fonte: Censos 2011 Caraterização da Área de Reabilitação Urbana Edificado e População Fonte: Censos 211 Cristina Maria Magalhães Dinis Técnica Superior de Sociologia Julho de 213 Gabinete de Reabilitação Urbana Departamento

Leia mais

O contributo do Sistemas de Informação Geográfica na Gestão da Informação Estatística

O contributo do Sistemas de Informação Geográfica na Gestão da Informação Estatística O contributo do Sistemas de Informação Geográfica na Gestão da Informação Estatística 31 de Maio e 1 de Junho de 2007 Angra do Heroísmo ana.oliveira@ine.pt AGENDA 1. Enquadramento 2. Informação Geográfica

Leia mais

Area (km 2 ): 31.604,9 Hab/Km 2 : 23,7 População (Nº): 749.055 (2010)

Area (km 2 ): 31.604,9 Hab/Km 2 : 23,7 População (Nº): 749.055 (2010) As Regiões de - Região O Território Porquê? Com a maior área territorial de Continental 31.605,2 km2 (1/3 do território nacional) a região do apresenta 179 km de perímetro de linha de costa e 432 km de

Leia mais

ActivALEA. active e actualize a sua literacia

ActivALEA. active e actualize a sua literacia ActivALEA active e actualize a sua literacia N.º 14 - DADOS DE AUDIIÊNCIIAS DA TV Esta ActivALEA é constituída por um conjunto de questões formuladas a partir de dados apresentados numa notícia publicada

Leia mais

Ponto de Acesso INE Biblioteca IPB Formação de utilizadores. Beja, Outubro de 2009 ESEB

Ponto de Acesso INE Biblioteca IPB Formação de utilizadores. Beja, Outubro de 2009 ESEB Ponto de Acesso INE Biblioteca IPB Formação de utilizadores Organização I Parte Informação sobre o Ponto de Acesso do INE no Instituto Politécnico de Beja II Parte Pesquisa de informação estatística Como

Leia mais

Glossário INSAAR 1 Caracterização Física e de Funcionamento

Glossário INSAAR 1 Caracterização Física e de Funcionamento Glossário INSAAR 1 TERMOS UTILIZADOS NA CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E DE FUNCIONAMENTO A Adequabilidade do tratamento face à qualidade da água bruta consoante a sua qualidade, as águas superficiais destinadas

Leia mais

DISPONIBILIDADE DE ÁGUA DOCE

DISPONIBILIDADE DE ÁGUA DOCE DISPONIBILIDADE DE ÁGUA DOCE A vulnerabilidade e a escassez de água doce são reais em Portugal? CÉSAR PINHEIRO - DIOGO MENDES JOANA MATOS JOÃO MOTA LUÍS FERNANDES RUI PINHEIRO Equipa: 216 César Pinheiro

Leia mais

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE TÍTULO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE TÍTULO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE TÍTULO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS I. IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social, identificação fiscal n.º, com residência/sede em, código

Leia mais

freguesia da Foz do Arelho

freguesia da Foz do Arelho rios rios: rios síntese freguesia da Foz do Arelho trabalhos preparatórios Revisão do PDM trabalhos preparat trabalhos trabalhos preparat preparat Pontos a discutir Notas prévias: posicionamento do PDM

Leia mais

Construção continua em queda

Construção continua em queda Construção: Obras licenciadas e concluídas 2º Trimestre de 2012 - Dados preliminares 13 de setembro de 2012 Construção continua em queda O licenciamento de obras acentuou a sua trajetória descendente,

Leia mais

Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais

Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais Enquadramento A base do conhecimento de qualquer sistema de abastecimento de água e

Leia mais

Sistema de Indicadores de Desenvolvimento Sustentável. SIDS Portugal. Indicadores-chave

Sistema de Indicadores de Desenvolvimento Sustentável. SIDS Portugal. Indicadores-chave Sistema de Indicadores de Desenvolvimento Sustentável SIDS Portugal Indicadores-chave 2010 SIDS Portugal Indicadores-chave 2010 FICHA TÉCNICA Título: SIDS Portugal Indicadores-chave 2010 Edição: Agência

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA. VALÊNCIAS AMBIENTAIS EM ENGENHARIA (VAE) Mestrado Integrado em Engª do Ambiente

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA. VALÊNCIAS AMBIENTAIS EM ENGENHARIA (VAE) Mestrado Integrado em Engª do Ambiente DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA VALÊNCIAS AMBIENTAIS EM ENGENHARIA (VAE) Mestrado Integrado em Engª do Ambiente SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO José Saldanha Matos (DECivil)

Leia mais

OPERAÇÕES DE LIMPEZA DAS FOSSAS

OPERAÇÕES DE LIMPEZA DAS FOSSAS Página 1 of 7 0 CONTROLO DE REVISÕES... 2 1 OBJECTIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 2 REFERÊNCIAS... 2 3 DEFINIÇÕES... 2 4 ABREVIATURAS... 3 5 PROCEDIMENTO... 3 5.1 LIMPEZA DAS FOSSAS ESTANQUES... 3 5.2 LIMPEZA

Leia mais

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (Declaração de Rendimentos

Leia mais

Venezuela. Dossier de Mercado. Maio 2008

Venezuela. Dossier de Mercado. Maio 2008 Venezuela Dossier de Mercado Maio 2008 Venezuela Dossier de Mercado (Maio 2008) Índice 1. O País...3 1.1 Venezuela em Ficha...3 1.2 Organização Política e Administrativa...4 1.3 Situação Económica...5

Leia mais

REVISÃO DO PDM DE RIBEIRA BRAVA ESTUDOS SECTORIAIS DINÂMICA EDIFICATÓRIA ÍNDICE

REVISÃO DO PDM DE RIBEIRA BRAVA ESTUDOS SECTORIAIS DINÂMICA EDIFICATÓRIA ÍNDICE ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 4 2. FAMÍLIAS 5 3. ALOJAMENTOS 9 4. EDIFICIOS 21 5. INDICADORES DE EVOLUÇÃO 25 6. ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO EDIFICADO NAS VÁRIAS CATEGORIAS DO SOLO 30 7. DIAGNÓSTICO 35 8. HABITAÇÃO SOCIAL

Leia mais

Grandes Opções do Plano 2011-2014

Grandes Opções do Plano 2011-2014 Grandes Opções do Plano 2011-2014 Plano Plurianual de Investimentos 2011-2014 Apesar da apresentação efectuada pelo Grupo Águas de Portugal no segundo semestre de 2009 das possibilidades de constituição

Leia mais

Assunto: Auxílio estatal N 228/04 - Portugal Modificação do sistema de incentivos a produtos turísticos de vocação estratégica (SIVETUR).

Assunto: Auxílio estatal N 228/04 - Portugal Modificação do sistema de incentivos a produtos turísticos de vocação estratégica (SIVETUR). COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.07.2004 C (2004) 2950 Assunto: Auxílio estatal N 228/04 - Portugal Modificação do sistema de incentivos a produtos turísticos de vocação estratégica (SIVETUR). Excelência:

Leia mais