Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1 Distribuído no Brasil por:

2 O uso clínico de CERASORB M na Cirurgia Oral Caso 1 Situação inicial: Maxila atrofiada subseqüente à perda dos dentes 25-27, densidade óssea D3 6 meses após a cirurgia com a implantação simultânea e sinus lift (elevação do seio) com Cerasorb M Caso 2 Situação inicial e extração dental em 12 de junho de 2003 Raio-X após a cirurgia de sinus lift (elevação do seio) com Cerasorb M + PRP em 11 de fevereiro de 2004 Raio-X 6 meses após o aumento (Agosto de 2004) OPG em 22 de novembro de 2004 após a implantação Agradecemos ao Dr. Frank Palm, do ambulatório de cirurgia maxilofacial plástica, centro clínico de Constança, (caso 1), e ao Sr. Dieter bilk, Muenzenberg, (caso 2), por disponibilizar as radiografias.

3 A implantação de CERASORB M é segura, fácil e confiável A alta qualidade do Cerasorb M garante segurança máxima O Cerasorb M é esterilizado por radiação gama e está disponível em uma embalagem envolta em plástico resistente. As tampas dos frascos codificadas por cores, ajudam a identificar os diferentes tamanhos de grânulos. As tampas seladas são facilmente abertas. Os seguintes passos devem ser obedecidos para alcançar ótimos resultados com o Cerasorb M: 1. Remova todo o resíduo ósseo e tecido necrosado do leito do implante antes de aplicar o Cerasorb M. 2. Revigore completamente o osso na região do implante. 3. Misture o Cerasorb M com o sangue autólogo do defeito antes de preencher. 4. O PRP pode ser adicionado após a mistura com o sangue. 5. Preencha o defeito completamente com os grânulos. O Cerasorb M deve estar em contato direto com osso vital. Evite compressão excessiva ou destruição dos grânulos. 6. A decisão de usar uma membrana para fechamento do defeito, deve ser feita com base no tamanho do defeito. Cerasorb M Tamanho do grânulo Quantidade Referência Código de cor µm µm 5 x 0,5 cc 5 x 1,0 cc 5 x 0,5 cc 5 x 1,0 cc

4 cerasorb M: M regeneração rápida e pr Cerasorb M é um produto novo desenvolvido pelo Centro de Produção e Pesquisa da Curasan Ag em Frankfurt/M. A base deste desenvolvimento foi o Cerasorbtricálcio de fosfato ( 99%) de pura fase provado sinteticamente a longo prazo. O Cerasorb M reflete as últimas descobertas científicas no campo da regeneração óssea e oferece um número de propriedades e características vantajosas: Multiporosidade aberta e interconectada com micro, meso e macro-poros (5 μm 500 μm) Porosidade total de aproximadamente 65% Estrutura granular poligonal Reabsorção completa simultânea à nova formação óssea Vantagens do Cerasorb M: Osteocondutividade otimizada A distribuição de poros característicos do Cerasorb M, associado à forma granular irregular, criam uma grande área de superfície com um alto nível de aspereza. Osteoblastos do osso receptor podem crescer dentro do defeito ao longo desta perfeita grade guia e podem contribuir para a formação do novo osso ( osteocondução ). A superfície específica do Cerasorb M tem uma influência positiva no comportamento in-vivo, pois ambos a interação físico-química inicial entre o material de aumento ósseo e os fluídos corpóreos, como também a reação celular biológica subseqüente começa na superfície. Fornecimento ativo e constante à célula A difusão do sangue e fluídos corpóreos é apoiada pela estrutura específica do Cerasorb M, pois é a penetração profunda das células osteogênicas e ossificação da matriz sintética. O sistema de poro interconectado auxilia a angiogênese progressiva e a vascularização, assegurando assim o suprimento da célula ativa através do completo processo de regeneração. Tempo de reabsorção mais curto A estrutura do material com micro, meso e macro-poros, auxilia a ossificação rápida com o osso local, acelerando assim o processo de reabsorção. O alto nível de porosidade do material aumenta o efeito de capilaridade do Cerasorb M. A rápida compreensão dos componentes ossíferos e o sangue fazem uma boa base para o fornecimento à célula e reabsorção também do lado interno. A conexão dos poros desempenha um papel essencial ao processo de reabsorção acelerado. O baixo volume de densidade do Cerasorb M e o alto nível resultante da porosidade total significa que menos material é exigido para a função de preenchimento do defeito, pois assim o corpo precisa de menos para reabsorver.

5 ais vantagens para evisível dos defeitos ósseos Maior estabilidade do leito do defeito A estrutura granular em forma irregular facilita a ligação e interligação dos grânulos de Cerasorb M na cavidade do defeito, aumentando o nível de estabilidade mecânica. Os micromovimentos são impedidos para a maioria das partes. Manuseio fácil e seguro O Cerasorb M está disponível em vários tamanhos de grãos diferentes para implantação de indicação específica. Em aplicações odontológicas, ele é adequado tanto para a implantodologia como para preenchimento de defeitos após a resecção da extremidade da raiz, remoção de cistos ósseos, osteotomia corretiva e remoção cirúrgica de dentes inclusos. Os grânulos são facilmente aplicados após a mistura ao sangue do paciente. Grande aceitação do paciente O Cerasorb M é prontamente aceito por pacientes graças à sua origem sintética e fácil aplicabilidade. Quando utilizar o Cerasorb M, a informação ao paciente não é necessário mencionar possíveis complicações de retalhamento ósseo, problemas envolvendo reações imunológicas ou riscos potenciais de infecção e reações alérgicas envolvidas quando utiliza-se matérias de origem biológica

6

ODONTOLOGIA. Baumer. Líder no Brasil. Forte no mundo. Enxertos Ósseos e Barreiras Biológicas LINHA DE ENXERTOS ÓSSEOS. SOLUÇÃO PARA: Odontologia

ODONTOLOGIA. Baumer. Líder no Brasil. Forte no mundo. Enxertos Ósseos e Barreiras Biológicas LINHA DE ENXERTOS ÓSSEOS. SOLUÇÃO PARA: Odontologia Enxertos Ósseos e Barreiras Biológicas SOLUÇÃO PARA: Odontologia ODONTOLOGIA TECNOLOGIA PARA: Implantodontia, Periodontia, Endodontia e Bucomaxilo. Vista Aérea - Parque Industrial Baumer - Mogi Mirim -

Leia mais

Instruções de Uso TCP DENTAL HP

Instruções de Uso TCP DENTAL HP Visando a praticidade e facilidade ao acesso às instruções de uso, a Ortech Medical está disponibilizando os documentos para download no site: www.ortechmedical.com.br. IMPORTANTE: Para baixar as instruções

Leia mais

Í ndice. Surge Uma Nova Era J. Schmidseder Envelhecer: permanecer jovem Aspectos da odontologia estética Entre no caminho do futuro!

Í ndice. Surge Uma Nova Era J. Schmidseder Envelhecer: permanecer jovem Aspectos da odontologia estética Entre no caminho do futuro! Í ndice Surge Uma Nova Era J. Schmidseder Envelhecer: permanecer jovem Aspectos da odontologia estética Entre no caminho do futuro! Conceito de Beleza Beleza: essência de perfeição Bases da Odontologia

Leia mais

Soluções, Seguras e Inovadoras Para Dentistas de Todo o Mundo. Distribuidor exclusivo:

Soluções, Seguras e Inovadoras Para Dentistas de Todo o Mundo. Distribuidor exclusivo: Soluções, Seguras e Inovadoras Para Dentistas de Todo o Mundo anestesias Scandonest / Septanest 1:100.000 / Septanest 1:200.000 3 15% Desc. 10 22,5% Desc. 20 27,5% Desc. 24,15 Septanest com adrenalina

Leia mais

Pós-Graduação. Osseodensification. Coordenação. Em colaboração com. Prof. Doutor José João Mendes. Mestre João Gaspar

Pós-Graduação. Osseodensification. Coordenação. Em colaboração com. Prof. Doutor José João Mendes. Mestre João Gaspar Pós-Graduação Osseodensification Em colaboração com Coordenação Prof. Doutor José João Mendes Mestre João Gaspar Pós-Graduação Osseodensification Duração: 1 módulo Teórico (8 horas presenciais) 1 módulo

Leia mais

Guoping Chen, Takashi Ushida and Tetsuya Tateishi Materials Science and Engineering C (2001)

Guoping Chen, Takashi Ushida and Tetsuya Tateishi Materials Science and Engineering C (2001) Desenvolvimento de Suportes Porosos Biodegradáveis para Engenharia de Tecidos Guoping Chen, Takashi Ushida and Tetsuya Tateishi Materials Science and Engineering C (2001) Jorge Beira, Lina Espinha e Marisa

Leia mais

FACULDADE DE EXCELÊNCIA EDUCACIONAL DO RIO GRANDE DO NORTE CURSO: FISIOTERAPIA DISCIPLINA: HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA Prof. Dr.

FACULDADE DE EXCELÊNCIA EDUCACIONAL DO RIO GRANDE DO NORTE CURSO: FISIOTERAPIA DISCIPLINA: HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA Prof. Dr. FACULDADE DE EXCELÊNCIA EDUCACIONAL DO RIO GRANDE DO NORTE CURSO: FISIOTERAPIA DISCIPLINA: HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA TECIDO ÓSSEO Tipo especializado de tecido conjuntivo» Protege órgãos» Produção de células

Leia mais

TECIDO ÓSSEO. Prof a Cristiane Oliveira

TECIDO ÓSSEO. Prof a Cristiane Oliveira TECIDO ÓSSEO Prof a Cristiane Oliveira TECIDO ÓSSEO QUAIS SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS? Componente principal do esqueleto; Caracterizado pela rigidez e dureza, mas é dinâmico, adaptando-se as demandas

Leia mais

APLICAÇÃO DOS POLÍMEROS EM ODONTOLOGIA CLASSIFICAÇÃO DOS POLÍMEROS REQUISITOS PARA UMA RESINA ODONTOLÓGICA. 1. Compatibilidade Biológicos:

APLICAÇÃO DOS POLÍMEROS EM ODONTOLOGIA CLASSIFICAÇÃO DOS POLÍMEROS REQUISITOS PARA UMA RESINA ODONTOLÓGICA. 1. Compatibilidade Biológicos: APLICAÇÃO DOS POLÍMEROS EM ODONTOLOGIA Próteses totais Base, reembasadores, dentes artificiais. Materiais restauradores de cavidades Resinas compostas 2016-1 - Anusavice, Cap. 7 p. 136 Selantes Materiais

Leia mais

O uso do substituto ósseo xenogênico em bloco OrthoGen em procedimento de enxertia intraoral. Avaliação clínica e histológica.

O uso do substituto ósseo xenogênico em bloco OrthoGen em procedimento de enxertia intraoral. Avaliação clínica e histológica. O uso do substituto ósseo xenogênico em bloco OrthoGen em procedimento de enxertia intraoral. Avaliação clínica e histológica. Fábio Gonçalves 1 Resumo O objetivo deste estudo é apresentar um caso clínico

Leia mais

INFORMAÇÃO AO PACIENTE RAIZ DO DENTE EXPOSTA E AGORA? Cobertura de recessão

INFORMAÇÃO AO PACIENTE RAIZ DO DENTE EXPOSTA E AGORA? Cobertura de recessão INFORMAÇÃO AO PACIENTE RAIZ DO DENTE EXPOSTA E AGORA? Cobertura de recessão OS TRATAMENTOS DENTÁRIOS SÃO UMA QUESTÃO DE CONFIANÇA NOSSA EXPERIÊNCIA E COMPE- TÊNCIA SÃO ALGO EM QUE VOCÊ PODE CONFIAR Mais

Leia mais

Fabricado na Alemanha por: Paul Hartmann D7920 Heidenheim

Fabricado na Alemanha por: Paul Hartmann D7920 Heidenheim Importado por: Bace Comércio Internacional Ltda Av. Tamboré n.º 1400 Sala 1 Q Alphaville - Barueri São Paulo/SP CEP- 06460-000 CNPJ 47.411.780/0001-26 Fabricado na Alemanha por: Paul Hartmann D7920 Heidenheim

Leia mais

SACRAL - CONCAVE. Fabricado na Alemanha por: Paul Hartmann D7920 Heidenheim

SACRAL - CONCAVE. Fabricado na Alemanha por: Paul Hartmann D7920 Heidenheim SACRAL - CONCAVE Importado por: Bace Comércio Internacional Ltda Av. Tamboré n.º 1400 Sala 1 Q Alphaville - Barueri São Paulo/SP CEP- 06460-000 CNPJ 47.411.780/0001-26 Fabricado na Alemanha por: Paul Hartmann

Leia mais

IV.2) TECIDO CARTILAGINOSO

IV.2) TECIDO CARTILAGINOSO IV.2) TECIDO CARTILAGINOSO Caracteriza-se pela presença de uma matriz intercelular de consistência firme, flexível, porém, não rígida. Funções: sustentação; revestimento de superfícies articulares; crescimento

Leia mais

INFORMAÇÃO AO PACIENTE QUANDO OS IMPLANTES SE TORNAM VISÍVEIS. Enxerto ósseo menor

INFORMAÇÃO AO PACIENTE QUANDO OS IMPLANTES SE TORNAM VISÍVEIS. Enxerto ósseo menor INFORMAÇÃO AO PACIENTE QUANDO OS IMPLANTES SE TORNAM VISÍVEIS Enxerto ósseo menor OS TRATAMENTOS DENTÁRIOS SÃO UMA QUESTÃO DE CONFIANÇA NOSSA EXPERIÊNCIA E COMPE- TÊNCIA SÃO ALGO EM QUE VOCÊ PODE CONFIAR

Leia mais

INFORMAÇÃO AO PACIENTE GENGIVAS INFLAMADAS E AGORA? Ganho de tecido queratinizado

INFORMAÇÃO AO PACIENTE GENGIVAS INFLAMADAS E AGORA? Ganho de tecido queratinizado INFORMAÇÃO AO PACIENTE GENGIVAS INFLAMADAS E AGORA? Ganho de tecido queratinizado OS TRATAMENTOS DENTÁRIOS SÃO UMA QUESTÃO DE CONFIANÇA NOSSA EXPERIÊNCIA E COMPE- TÊNCIA SÃO ALGO EM QUE VOCÊ PODE CONFIAR

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO MÓDULO 3 HISTOLOGIA

TECIDO CONJUNTIVO MÓDULO 3 HISTOLOGIA TECIDO MÓDULO 3 HISTOLOGIA TECIDO Ao contrário do tecido epitelial, o TECIDO possui muita matriz extracelular, cujos principais componentes são a água, fibras elásticas e o colágeno. O colágeno é secretado

Leia mais

CURSO DE TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA

CURSO DE TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA CURSO DE TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA Todas as disciplinas do curso de Tecnologia em Radiologia têm como critério para aprovação, em conformidade com o capítulo V do regimento escolar: MA = P1 + P2 >= 7,0

Leia mais

Tecido cartilaginoso 1

Tecido cartilaginoso 1 Tecido cartilaginoso 1 Cartilagem Tec conjuntivo de consistência rígida Suporte de tecidos moles Reveste superfícies articulares (absorve choques, facilita o deslizamento dos ossos) Formação dos ossos

Leia mais

do alvéolo preservação

do alvéolo preservação Técnicas cirúrgicas de preservação do alvéolo Casos de reabilitação posterior Pág.2o Técnicas cirúrgicas de preservação do alvéolo em reabilitações finais com implantes Preservar o alvéolo pós-extraçào

Leia mais

Instruções de uso 2.APRESENTAÇÃO: 1. INFORMAÇÕES DE IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO:

Instruções de uso 2.APRESENTAÇÃO: 1. INFORMAÇÕES DE IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: (BIOMATERIAIS PARA ENXERTOS E PREENCHIMENTOS) 1. INFORMAÇÕES DE IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: O produto Hidroxiapatita Reabsorvível OsteoGen é um enxerto ósseo composto de Fosfato e Cálcio, sendo utilizado

Leia mais

Garantia Straumann (válida a partir de 1 de abril de 2012)

Garantia Straumann (válida a partir de 1 de abril de 2012) Garantia Straumann Garantia Straumann (válida a partir de 1 de abril de 2012) 1. Beneficiário e âmbito da garantia Esta garantia (a Garantia Straumann conforme definida a seguir) do Institut Straumann

Leia mais

Total de 11 páginas 1

Total de 11 páginas 1 Tecido ósseo e introdução ao esqueleto O tecido ósseo Tecido conjuntivo com propriedades particulares: Material extracelular calcificado matriz óssea Células: Osteoblastos; Osteócitos; Osteoclastos Periósteo

Leia mais

Funções do Esqueleto. Arcabouço rígido do corpo humano. Apoio e forma. Fornece estrutura rígida para inserção dos músculos. Auxilia no movimento

Funções do Esqueleto. Arcabouço rígido do corpo humano. Apoio e forma. Fornece estrutura rígida para inserção dos músculos. Auxilia no movimento Sistema Esquelético Funções do Esqueleto Arcabouço rígido do corpo humano Inúmeros ossos Apoio e forma Fornece estrutura rígida para inserção dos músculos Auxilia no movimento Protege órgãos vitais Composição

Leia mais

Capítulo 2 Aspectos Histológicos

Capítulo 2 Aspectos Histológicos 5 Capítulo 2 Aspectos Histológicos Alguns conceitos básicos sobre histologia humana, a caracterização dos tecidos, a regeneração e reparação dos mesmos em lesões e a cicatrização de feridas são aspectos

Leia mais

IMPERMEÁVEL E ABSORVENTE. O Curativo Transparente com Compressa Absorvente consiste de:

IMPERMEÁVEL E ABSORVENTE. O Curativo Transparente com Compressa Absorvente consiste de: 3BOLETIM TÉCNICO TEGADERM TM PAD Curativo transparente com compressa absorvente IMPERMEÁVEL E ABSORVENTE DESCRIÇÃO DO PRODUTO O Curativo Transparente com Compressa Absorvente consiste de: DORSO - Filme

Leia mais

BIOMECÂNICA DO CORPO HUMANO

BIOMECÂNICA DO CORPO HUMANO BIOMECÂNICA DO CORPO HUMANO António Torres Marques (DEMec/FEUP) 30 de Setembro de 2010 BIOMECÂNICA: DIAGNÓSTICO, PRÓTESES E REGENERAÇÃO APLICAÇÕES: Sistema cardiovascular; Sistema respiratório; Biomecânica

Leia mais

Tomografia Computorizada Dental

Tomografia Computorizada Dental + Universidade do Minho M. I. Engenharia Biomédica Beatriz Gonçalves Sob orientação de: J. Higino Correia Tomografia Computorizada Dental 2011/2012 + Casos Clínicos n Dentes privados do processo de erupção

Leia mais

CHEGOU DIA 24 E AGORA?

CHEGOU DIA 24 E AGORA? CHEGOU DIA 24 E AGORA? VALORIZAÇÃO DA AMIZADE ANDRÉ VASCONCELOS TÉCNICO E TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA PÓS-GRADUANDO EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA NA AVALIAÇÃO DOS SEIOS PARANASAIS(Seios

Leia mais

Tema B TECIDO CONJUNTIVO

Tema B TECIDO CONJUNTIVO Tema B TECIDO CONJUNTIVO 1 Características gerais 2 Características dos principais tipos de tecido conjuntivo 2.1 Tecido conjuntivo propriamente dito 2.1.1 Laxo 2.1.2 Denso: modulado e não modulado 2.2

Leia mais

INSTRUÇÃO DE USO FRESAS

INSTRUÇÃO DE USO FRESAS 1.1 Descrição detalhada do produto médico, incluindo os fundamentos de seu funcionamento e sua ação, seu conteúdo ou composição, quando aplicável, assim como relação dos acessórios destinados a integrar

Leia mais

Histologia Animal. 1º ano 2016 Profa. Rose Lopes

Histologia Animal. 1º ano 2016 Profa. Rose Lopes Histologia Animal 1º ano 2016 Profa. Rose Lopes Os tecidos animais 4 tipos básicos: Epitelial Conjuntivo Muscular Nervoso Tecidos epiteliais Células justapostas, com pouca ou nenhuma substância extracelular.

Leia mais

Instruções de Uso KG BONE

Instruções de Uso KG BONE Visando a praticidade e facilidade ao acesso às instruções de uso, a Ortech Medical está disponibilizando os documentos para download no site: www.ortechmedical.com.br. IMPORTANTE: Para baixar as instruções

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista papaizassociados.com.br. Publicação mensal interna da Papaiz edição XVII Junho de 2016

Assessoria ao Cirurgião Dentista papaizassociados.com.br. Publicação mensal interna da Papaiz edição XVII Junho de 2016 Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna da Papaiz edição XVII Junho de 2016 Dr. André Simões, radiologista da Papaiz Diagnósticos Odontológicos por Imagem 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO. 5 mg de Hialuronato de sódio Agente viscoelástico. Água para injeção

INSTRUÇÕES DE USO. 5 mg de Hialuronato de sódio Agente viscoelástico. Água para injeção INSTRUÇÕES DE USO Leia com atenção, antes de usar o produto VISCOSEAL hialuronato de sódio 0,5% Solução Viscoelástica Estéril para Uso Intra-articular Embalagem contendo: Ampola de uso único contendo 10,00

Leia mais

Aula: 03 Temática: Componentes Inorgânicos das Células Parte I

Aula: 03 Temática: Componentes Inorgânicos das Células Parte I Aula: 03 Temática: Componentes Inorgânicos das Células Parte I As substâncias inorgânicas existem na natureza, independentemente dos seres vivos, mas algumas delas podem ser encontradas nas células. Acompanhe!

Leia mais

De acordo com suas necessidades, o cirurgião poderá selecionar o cimento pela viscosidade que melhor se adapte dentro das especificações:

De acordo com suas necessidades, o cirurgião poderá selecionar o cimento pela viscosidade que melhor se adapte dentro das especificações: Cimento Cimento Introdução O cimento Ortopédico Lepine é um cimento acrílico, radiopaco e estéril, fabricado em conformidade com a ISSO 5833: 1992, Lyon França. Devido às suas características, permite

Leia mais

TECIDO ÓSSEO. Nutrição Dependente de canalículos existentes na matriz, pois não existe difusão pela matriz calcificada.

TECIDO ÓSSEO. Nutrição Dependente de canalículos existentes na matriz, pois não existe difusão pela matriz calcificada. TECIDO ÓSSEO Tipo de tecido conjuntivo especializado, formado por células e material extracelular calcificado, a matriz óssea. Principal constituinte do esqueleto. Funções - Serve de suporte para os tecidos

Leia mais

O Equipamento de proteção individual (EPI) é todo dispositivo ou produto de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos

O Equipamento de proteção individual (EPI) é todo dispositivo ou produto de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos O Equipamento de proteção individual (EPI) é todo dispositivo ou produto de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos suscetíveis de ameaçar a segurança e a saúde no trabalho.

Leia mais

A SOLUÇÃO PARA CIRURGIAS DE IMPLANTE MENOS INVASIVAS E MAIS SEGURAS.

A SOLUÇÃO PARA CIRURGIAS DE IMPLANTE MENOS INVASIVAS E MAIS SEGURAS. A SOLUÇÃO PARA CIRURGIAS DE IMPLANTE MENOS INVASIVAS E MAIS SEGURAS. Na prática clínica, tempo, segurança e previsibilidade são valiosos. Pensando nisso, desenvolvemos um conjunto de soluções de alta tecnologia

Leia mais

Histologia. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA

Histologia. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Histologia. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Histologia Ramo da Biologia que estuda os tecidos; Tecido - é um conjunto de células, separadas ou não por substâncias intercelulares e que realizam determinada

Leia mais

Enxerto de tecido conjuntivo com objetivo estético em prótese fixa

Enxerto de tecido conjuntivo com objetivo estético em prótese fixa Caso Selecionado Enxerto de tecido conjuntivo com objetivo estético em prótese fixa Cléverson O. Silva, Bruno César de Vasconcelos Gurgel, Fernando Rodrigues Pinto Uma vez que um dente é perdido, ocorre

Leia mais

INSTRUÇÃO DE USO Lâminas de Corte Registro ANVISA n Revisão 01

INSTRUÇÃO DE USO Lâminas de Corte Registro ANVISA n Revisão 01 Luiz Guilherme Sartori & Cia Ltda. EPP CNPJ: 04.861.623/0001-00 Estr. Municipal RCL-010 nº. 13500, Km 9 Ajapi - Rio Claro/SP - Resp. Téc.: Charles Eduardo Ceccato CREA/SP: 5062635520 Visando a praticidade

Leia mais

Fisiologia Vegetal O 2 ATMOSFERA H 2 O SOLO CO 2

Fisiologia Vegetal O 2 ATMOSFERA H 2 O SOLO CO 2 Fisiologia Vegetal Fatores ambientais Abióticos e bióticos CO 2 O 2 ATMOSFERA Crescimento e desenvolvimento SOLO H 2 O Elementos minerais Mecanismos das células vegetais Absorção e transporte de água e

Leia mais

Produtos para Cultivo Celular

Produtos para Cultivo Celular Produtos para Cultivo Celular CULTIVO CELULAR Através da técnica de cultivo celular, células animais ou vegetais são mantidas vivas em crescimento fora do seu tecido original, em condições controladas.

Leia mais

Estudo da estabilidade do sistema Paratest usado para diagnóstico das parasitoses intestinais Rev.00 10/01/2011

Estudo da estabilidade do sistema Paratest usado para diagnóstico das parasitoses intestinais Rev.00 10/01/2011 1 Estudo da estabilidade do sistema Paratest usado para diagnóstico das parasitoses intestinais Rev.00 10/01/2011 1. Introdução As parasitoses intestinais representam sério problema de saúde pública, em

Leia mais

Prótese parcial fixa em metalo cerâmica. Prótese parcial fixa em metalo plástica. Paciente com grande perda de estrutura dentária.

Prótese parcial fixa em metalo cerâmica. Prótese parcial fixa em metalo plástica. Paciente com grande perda de estrutura dentária. Resumo de especialidades: Plano PLUS, Prótese parcial fixa em metalo cerâmica As coroas e próteses em metalocerâmica são uma opção para pessoas que perderam um ou mais dentes. Prótese parcial fixa em metalo

Leia mais

Implantes. dentários.... A con ança que você precisa.

Implantes. dentários.... A con ança que você precisa. Implantes dentários....................................... A con ança que você precisa. E-Book Implantes Dentários Este guia foi criado para que você conheça um pouco mais sobre o tratamento com implantes

Leia mais

Registro ANVISA nº: 80271810018 Responsável Técnico: Leda Longhi COREN - SP: 140037250 Nome Técnico: parafuso de interferência bioabsorvível P R O D U T O D E U S O Ú N I C O P R O D U T O E S T É R I

Leia mais

Experimentos. Indústria Química. para Determinação do Ponto de Fusão. fácil aprendizagem. Catálogo de Ajuda. Ponto de Fusão

Experimentos. Indústria Química. para Determinação do Ponto de Fusão. fácil aprendizagem. Catálogo de Ajuda. Ponto de Fusão Indústria Química Experimentos Ponto de Fusão Catálogo de Ajuda Experiência com as leis da 8 ciência Dicas natural e Truques "ao vivo" - fácil aprendizagem para Determinação do Ponto de Fusão Caro Leitor

Leia mais

Instruções de Uso INSTRUMENTAL DE PERFURAÇÃO ÓSSEA

Instruções de Uso INSTRUMENTAL DE PERFURAÇÃO ÓSSEA Instruções de Uso INSTRUMENTAL DE PERFURAÇÃO ÓSSEA As técnicas utilizadas para a realização de cirurgias com estes Instrumentais de Perfurações ósseas são altamente especializadas e envolvem procedimentos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA. Curso: Odontologia Período de oferta da disciplina: 2 o P.

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA. Curso: Odontologia Período de oferta da disciplina: 2 o P. UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: HISTOLOGIA BUCO DENTAL Código da Disciplina: ODO110 Curso: Odontologia Período de oferta da disciplina: 2 o P. Faculdade

Leia mais

ALTERNATIVAS CIRÚRGICAS RECONSTRUTIVAS PARA ÁREAS ESTÉTICAS COM DEFICIÊNCIA TECIDUAL

ALTERNATIVAS CIRÚRGICAS RECONSTRUTIVAS PARA ÁREAS ESTÉTICAS COM DEFICIÊNCIA TECIDUAL Dr. Julio Cesar Joly Dr. Robert Carvalho da Silva Dr. Paulo Fernando Mesquita de Carvalho Duração: 3 dias Data: 12, 13 e 14 de julho de 2010 PROGRAMA DO CURSO PRIMEIRO DIA PROCEDIMENTOS RECONSTRUTIVOS

Leia mais

Formulário de Garantia

Formulário de Garantia Formulário de Garantia 5. DADOS SOBRE A OCORRÊNCIA (Apenas necessário para reclamações de implantes) Higiene em torno do implante Excelente Boa Razoável Fraca Um ou vários dos pontos seguintes tiveram

Leia mais

INTERPRETAÇÃO RADIOGRÁFICA POR ACADÊMICO DE ENFERMAGEM: PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DE TÉCNICAS DE PROCESSAMENTO DIGITAL

INTERPRETAÇÃO RADIOGRÁFICA POR ACADÊMICO DE ENFERMAGEM: PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DE TÉCNICAS DE PROCESSAMENTO DIGITAL INTERPRETAÇÃO RADIOGRÁFICA POR ACADÊMICO DE ENFERMAGEM: PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DE TÉCNICAS DE PROCESSAMENTO DIGITAL Davide Carlos Joaquim 1, Ana Caroline Rocha Melo de Leite 2, Ciro Benevides

Leia mais

Biomateriais II. Aplicações ortopédicas 1 - Próteses de anca, joelho e ombro 2 Dispositivos de fixação 3 - tendões, cartilagens e ligamentos

Biomateriais II. Aplicações ortopédicas 1 - Próteses de anca, joelho e ombro 2 Dispositivos de fixação 3 - tendões, cartilagens e ligamentos Biomateriais II Aplicações ortopédicas 1 - Próteses de anca, joelho e ombro 2 Dispositivos de fixação 3 - tendões, cartilagens e ligamentos Fátima Vaz Próteses: substituição de articulações (anca, joelho,

Leia mais

Sinterização. Conceitos Gerais

Sinterização. Conceitos Gerais Sinterização Conceitos Gerais Sinterização em cerâmicas Materiais cerâmicos apresenta elevada temperatura de fusão Exige uma etapa de tratamento térmico onde o pó que foi conformado para a obtenção de

Leia mais

PROCESSOS AVANÇADOS DE USINAGEM

PROCESSOS AVANÇADOS DE USINAGEM PROCESSOS AVANÇADOS DE USINAGEM E FABRICAÇÃO DE PEÇAS DE PLÁSTICO Prof. Lopes INCLUEM PROCESSOS DE REMOÇÃO DE MATERIAL : QUÍMICOS ELÉTRICOS TÉRMICOS MECÂNICOS Usinagem Química Filme Usinagem Quimica

Leia mais

BIOLOGIA. Histologia. Professora: Brenda Braga

BIOLOGIA. Histologia. Professora: Brenda Braga BIOLOGIA Histologia Professora: Brenda Braga Histologia (Estudo dos Tecidos) Tecidos conjunto de células especializadas em realizar uma ou mais funções. Células-tronco São praticamente indiferenciadas

Leia mais

IX CURSO AO CRÂNIO-MAXILO-FACIAL BRASIL São Paulo, 22 a 25 de setembro de 2010

IX CURSO AO CRÂNIO-MAXILO-FACIAL BRASIL São Paulo, 22 a 25 de setembro de 2010 IX CURSO AO CRÂNIO-MAXILO-FACIAL BRASIL São Paulo, 22 a 25 de setembro de 2010 Quarta-feira, 22 de setembro Módulo I - Filosofia AO e Princípios Básicos da Fixação Interna R. Holanda 14:00 Boas-Vindas;

Leia mais

INSTRUÇÃO DE USO IMPLANTE

INSTRUÇÃO DE USO IMPLANTE REV.: 01 FL 1 de 13 Nome técnico: S DENTÁRIOS (OSSEOINTEGRÁVEL) Nome comercial: Modelo comercial: Cilíndrico Biodent HEX (todos os modelos) Cônico Bioneck TRI (todos os modelos) Cilíndrico Dynamic CMI

Leia mais

Reparação. Regeneração Tecidual 30/06/2010. Controlada por fatores bioquímicos Liberada em resposta a lesão celular, necrose ou trauma mecânico

Reparação. Regeneração Tecidual 30/06/2010. Controlada por fatores bioquímicos Liberada em resposta a lesão celular, necrose ou trauma mecânico UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA DE PATOLOGIA VETERINÁRIA Reparação Prof. Raimundo Tostes Reparação Regeneração: reposição de um grupo de células destruídas

Leia mais

Transporte através de membranas celulares. Tipos de transporte. Exemplos. Importância fisiológica

Transporte através de membranas celulares. Tipos de transporte. Exemplos. Importância fisiológica Transporte através de membranas celulares Tipos de transporte Exemplos Importância fisiológica Transporte através de membranas celulares (32 D) (44 D) Bicamada lipídica é permeável a gases e moléculas

Leia mais

CIRURGIAS PERIODONTAIS

CIRURGIAS PERIODONTAIS CIRURGIAS PERIODONTAIS Classificação das Técnicas Cirúrgicas empregadas em Periodontia I Quanto à área a ser atingida: - Gengivais - Periodontais - Mucogengivais II Quanto à intenção: - eliminação de bolsas

Leia mais

CATÁLOGO DE LUVAS MÉDICAS SANRO 2016 / 2017

CATÁLOGO DE LUVAS MÉDICAS SANRO 2016 / 2017 CATÁLOGO DE LUVAS MÉDICAS SANRO 2016 / 2017 Planta Industrial de Luvas Médicas, São Roque/SP. LUVAS CIRÚRGICAS: SANRO LIS NÃO CIRÚRGIC0S: SANRO AMBI (NÃO ESTÉRIL) NÃO CIRÚRGIC0S: SANRO AMBI (ESTÉRIL) NÃO

Leia mais

Straumann Dental System. Bioengenharia

Straumann Dental System. Bioengenharia Straumann Dental System Bioengenharia Straumann na Implantologia Oral 1974-1980 First-generation hollow cylinders Tipo C Extension implants Tipo E Tipo F Família dos Implantes Tissue Level Bone Level Standard

Leia mais

ORTHOGEN. Determinações Humano (%) IC 95% Bovino (%) IC 95% Água 7,93-7,75 - Gordura 0,06 0,1 0,1 0,1. Nitrogênio 4,3 0,1 4,3 0,1

ORTHOGEN. Determinações Humano (%) IC 95% Bovino (%) IC 95% Água 7,93-7,75 - Gordura 0,06 0,1 0,1 0,1. Nitrogênio 4,3 0,1 4,3 0,1 ORTHOGEN Orthogen é um enxerto ósseo liofilizado integral, de origem bovina que mantém, em função de seu processamento, as características físico-químicas do osso in natura. É produzido pela Genius, divisão

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO. Implante BioDIRECT (antigo T.D.) Implante Cônico Hexágono Externo 3,3 mm (P.E.) Plataforma Regular (R.P.

BOLETIM TÉCNICO. Implante BioDIRECT (antigo T.D.) Implante Cônico Hexágono Externo 3,3 mm (P.E.) Plataforma Regular (R.P. Implante Cônico Hexágono Externo 3,3 mm (P.E.) Plataforma Regular (R.P.) 3,3 mm - 4,10 mm Os implantes dentais de BioDIRECT dispensam o uso de, cuja vantagem está na diminuição do tempo cirúrgico. Além

Leia mais

ANÁLISE ESTATÍSTICA E CURVA DE SUPERFÍCIE DOS RENDIMENTOS DA EXTRAÇÃO POR SOLVENTE DO ÓLEO DE PINHÃO MANSO

ANÁLISE ESTATÍSTICA E CURVA DE SUPERFÍCIE DOS RENDIMENTOS DA EXTRAÇÃO POR SOLVENTE DO ÓLEO DE PINHÃO MANSO ANÁLISE ESTATÍSTICA E CURVA DE SUPERFÍCIE DOS RENDIMENTOS DA EXTRAÇÃO POR SOLVENTE DO ÓLEO DE PINHÃO MANSO B. K. S. A. ANDRADE 1, J. I. SOLETTI 1, S. H. V. de CARVALHO 1 1 Universidade Federal de Alagoas,

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA GEISTLICH BIO-GIDE

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA GEISTLICH BIO-GIDE Pág. 1 de 4 1.- IDENTIFICAÇÃO DO PREPARADO E DA SOCIEDADE OU EMPRESA Identificação da substância ou preparado: Utilização da substância ou preparado: utilização em práticas dentais. Identificação da sociedade

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO MEPITEL ONE

INSTRUÇÕES DE USO MEPITEL ONE VERSÃO 1 INSTRUÇÕES DE USO MEPITEL ONE Nome técnico: Compressa para Curativo Nome comercial: Mepitel One Verifique no rótulo do produto a versão da instrução de uso correspondente. Não utilize instrução

Leia mais

Apresentação clínica e histológica da utilização do substituto ósseo sintético Gen Phos ( ßTCP) em odontologia.

Apresentação clínica e histológica da utilização do substituto ósseo sintético Gen Phos ( ßTCP) em odontologia. Apresentação clínica e histológica da utilização do substituto ósseo sintético Gen Phos ( ßTCP) em odontologia. Resumo: Este estudo tem como objetivo apresentar o comportamento do substituto ósseo sintético

Leia mais

INFORMAÇÃO AO PACIENTE DENTE PERDIDO E DEPOIS? Alvéolos pós-extração

INFORMAÇÃO AO PACIENTE DENTE PERDIDO E DEPOIS? Alvéolos pós-extração INFORMAÇÃO AO PACIENTE DENTE PERDIDO E DEPOIS? Alvéolos pós-extração OS TRATAMENTOS DENTÁRIOS SÃO UMA QUESTÃO DE CONFIANÇA NOSSA EXPERIÊNCIA E COMPE- TÊNCIA SÃO ALGO EM QUE VOCÊ PODE CONFIAR Mais de 10

Leia mais

Agrupamento pode ser aplicado para recipientes com diferentes tamanhos ou mesmo recipiente, mas com enchimento diferente.

Agrupamento pode ser aplicado para recipientes com diferentes tamanhos ou mesmo recipiente, mas com enchimento diferente. ANEXO I PLANO DE ESTUDO DE ESTABILIDADE REDUZIDO DE MEDICAMENTOS 1. INTRODUÇÃO Agrupamento e Matrização são modelos reduzidos de plano de estudo de estabilidade baseados em princípios diferentes. Entretanto,

Leia mais

Antígenos e Imunoglobulinas

Antígenos e Imunoglobulinas Curso: farmácia Componente curricular: Imunologia Antígenos e Imunoglobulinas DEYSIANE OLIVEIRA BRANDÃO Antígenos (Ag) São estruturas solúveis ou particuladas reconhecidas pelo organismo como estranha

Leia mais

CIRURGIA PERIODONTAL

CIRURGIA PERIODONTAL Disciplina de Periodontia 5 o período CIRURGIA PERIODONTAL Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2012 Tratamento completo do paciente com doença periodontal: FASES DA TERAPIA

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Esquelético. Prof. Me. Fabio Milioni

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Esquelético. Prof. Me. Fabio Milioni ANATOMIA HUMANA I Sistema Esquelético Prof. Me. Fabio Milioni FUNÇÕES Sustentação Proteção Auxílio ao movimento Armazenamento de minerais Formação de células sanguíneas 1 CLASSIFICAÇÃO DOS OSSOS Longos

Leia mais

Boletim Técnico Pilar Mini Cônico

Boletim Técnico Pilar Mini Cônico Registro ANVISA 10392710008 Após a osseointegração, a restauração protética deverá ser conectada ao implante. Para isso, a Bionnovation Produtos Biomédicos disponibiliza a Linha de Pilares Mini Cônicos:

Leia mais

SISTEMA ESQUELÉTICO. O sistema esquelético é composto de ossos e cartilagens.

SISTEMA ESQUELÉTICO. O sistema esquelético é composto de ossos e cartilagens. SISTEMA ESQUELÉTICO Conceito de Sistema Esquelético O sistema esquelético é composto de ossos e cartilagens. Conceito de Ossos: Ossos são órgãos esbranquiçados, muito duros, que unindos-se aos outros,

Leia mais

2 - CLASSIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE SOLDAGEM

2 - CLASSIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE SOLDAGEM 1 - SOLDAGEM: TERMO GENÉRICO Disciplina Titulo da aula Expositor Materiais Dentários I Soldagem odontológica Prof. Dr. Eclérion Chaves Processo de união de metais, envolvendo ou não o fluxo de um metal

Leia mais

Tipos de filtros. Teoria da Filtração. Tipos de filtros. Tipos de filtros

Tipos de filtros. Teoria da Filtração. Tipos de filtros. Tipos de filtros Filtração é uma operação unitária que tem por objetivo a separação mecânica de um sólido de um fluido, seja este fluido um líquido ou gás. Suspensão Filtração Resíduo, torta ou bolo Meio Filtrante permeável

Leia mais

POSIÇÃO DO ÁPICE DENTÁRIO EM RELAÇÃO AO PROCESSO ALVEOLAR DO OSSO MAXILAR. ESTUDO EM TOMOGRAFIAS DE CONE-BEAM

POSIÇÃO DO ÁPICE DENTÁRIO EM RELAÇÃO AO PROCESSO ALVEOLAR DO OSSO MAXILAR. ESTUDO EM TOMOGRAFIAS DE CONE-BEAM POSIÇÃO DO ÁPICE DENTÁRIO EM RELAÇÃO AO PROCESSO ALVEOLAR DO OSSO MAXILAR. ESTUDO EM TOMOGRAFIAS DE CONE-BEAM Sabrina Vieira Botelho(PIBIC/CNPq-FA/UEM), Cléverson de Oliveira e Silva (Orientador) e Maurício

Leia mais

INFLAMAÇÃO & REPARO TECIDUAL

INFLAMAÇÃO & REPARO TECIDUAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UnB PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA MOLECULAR INFLAMAÇÃO & REPARO TECIDUAL Mestranda: Diane Oliveira Sumário 1) Inflamação 1.1- Visão geral 1.2- Inflamação Aguda Estímulos

Leia mais

Aula 02 Aplicação das Radiações

Aula 02 Aplicação das Radiações Aula 02 Aplicação das Radiações Após a descoberta dos raios X, em 1895, cientistas perceberam que esses raios poderiam ter grandes aplicações práticas. Durante 15 anos, os médicos trabalharam ativamente

Leia mais

CONSIDERANDO os pronunciamentos contidos no Processo nº 24740, de 22/08/2007;

CONSIDERANDO os pronunciamentos contidos no Processo nº 24740, de 22/08/2007; DELIBERAÇÃO - CÂMARA DE GRADUAÇÃO Nº002/2008 Estabelece adequações curriculares para o curso de graduação em Odontologia, a vigorar a partir do ano letivo de 2008. CONSIDERANDO os pronunciamentos contidos

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM EMENTAS º PERÍODO

CURSO: ENFERMAGEM EMENTAS º PERÍODO CURSO: ENFERMAGEM EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: ANATOMIA DO SISTEMA LOCOMOTOR Terminologia Anatômica. Sistema Esquelético. Sistema Articular. Sistema Muscular. DISCIPLINA: SISTEMAS BIOLÓGICOS

Leia mais

U.C. I 7ª e 8ª Aulas. DentaScan Joaquim Agostinho - Unidade Clinica I 1

U.C. I 7ª e 8ª Aulas. DentaScan Joaquim Agostinho - Unidade Clinica I 1 U.C. I 7ª e 8ª Aulas DentaScan 15-11-2012 Joaquim Agostinho - Unidade Clinica I 1 História para corresponder aos anseios dos doentes, de substituição de dentes em falta, por próteses funcional e estéticamente

Leia mais

TIPOS DE ATIVAÇÃO: Ativação térmica ( R. A. A. T. ) Ativação química ( R. A. A. Q. ) Ativação por luz visível. Polimetacrilato de metila

TIPOS DE ATIVAÇÃO: Ativação térmica ( R. A. A. T. ) Ativação química ( R. A. A. Q. ) Ativação por luz visível. Polimetacrilato de metila Disciplina Materiais Dentários II Ano-semestre 2016-1 Titulo da aula Expositor Resinas Acrílicas Prof. Dr. Eclérion Chaves Slides 46 Duração Aproximadamente 1:50 Texto base Plano de aula Anusavice Phillips

Leia mais

www.dentaladvisor.com Quick Up Editors Choice + + + + +

www.dentaladvisor.com Quick Up Editors Choice + + + + + www.dentaladvisor.com Material autopolimerizável para a fixação de attachments e elementos secundários em próteses Editors Choice + + + + + A SOLUÇÃO EM UM KIT É muito comum as próteses totais apresentarem

Leia mais

Tecido Conjuntivo de Sustentação: Ósseo I

Tecido Conjuntivo de Sustentação: Ósseo I Tecido Conjuntivo de Sustentação: Ósseo I Prof. a Dr a. Sara Tatiana Moreira UTFPR Campus Santa Helena 1 Elástico 1 Tecido ósseo Características: Tecido vivo com alto grau de rigidez e resistência à pressão,

Leia mais

TECNOLOGIA FARMACÊUTICA II Prof. Anderson Carniel PREPARAÇÕES NASAIS

TECNOLOGIA FARMACÊUTICA II Prof. Anderson Carniel PREPARAÇÕES NASAIS PREPARAÇÕES NASAIS Maioria das preparações intranasais contém agentes adrenérgicos, devido sua ação vasoativa (descongestiona a mucosa nasal) Grande parte se encontra na forma de solução, sendo administrada

Leia mais

Cimento Osséo CRANIO-FIX

Cimento Osséo CRANIO-FIX Cimento Osséo CRANIO-FIX Esta é uma preparação de viscosidade padrão desejável para uso apropriada em indicações cranianas. O usuário deve estar familiarizado com o conteúdo deste documento. INFORMAÇÕES

Leia mais

GESSOS PARA USO ODONTOLÓGICO

GESSOS PARA USO ODONTOLÓGICO Faculdade de Odontologia Departamento de Biomateriais e Biologia Oral Materiais para Uso Indireto GESSOS PARA USO ODONTOLÓGICO ROTEIRO DE AULA Apresentação e usos Composição, reação e estrutura Requisitos

Leia mais

Sustentabilidade dos Solos de Cerrado e Tráfico de Máquinas

Sustentabilidade dos Solos de Cerrado e Tráfico de Máquinas Sustentabilidade dos Solos de Cerrado e Tráfico de Máquinas Prof. Kléber Pereira Lanças FCA/UNESP Botucatu/SP GRUPO DE PESQUISA: Dr. Reginaldo Barbosa da Silva Doutorando Flávio José de Sousa Pereira Doutorando

Leia mais

RESÍDUO DO SERVIÇO DE SAÚDE STERLIX AMBIENTAL TRATAMENTO DE RESÍDUOS LTDA - ENG.AMBIENTAL GESUALDO DELFINO DE MORAES

RESÍDUO DO SERVIÇO DE SAÚDE STERLIX AMBIENTAL TRATAMENTO DE RESÍDUOS LTDA - ENG.AMBIENTAL GESUALDO DELFINO DE MORAES RESÍDUO DO SERVIÇO DE SAÚDE LEGISLAÇÃO CONAMA 358 29 de Abril 2005 RDC 306 7 de Dezembro 2004 Classificação Grupo A Biológicos Grupo B Químicos Grupo C Radioativos Grupo D Comuns Grupo E Perfuro cortantes

Leia mais

Divisão de Cuidados Críticos e Crônicos. Boletim Técnico. Fita de Silicone de Remoção Suave

Divisão de Cuidados Críticos e Crônicos. Boletim Técnico. Fita de Silicone de Remoção Suave Divisão de Cuidados Críticos e Crônicos Boletim Técnico Fita de Silicone de Remoção Suave A ciência da adesivos médicos de silicone é muito diferente daquela de adesivos médicos de acrilato. Estas diferenças

Leia mais

FISIOLOGIA E TRANSPORTE ATRAVÉS DA MEMBRANA CELULAR

FISIOLOGIA E TRANSPORTE ATRAVÉS DA MEMBRANA CELULAR FISIOLOGIA E TRANSPORTE ATRAVÉS DA MEMBRANA CELULAR AULA 2 DISCIPLINA: FISIOLOGIA I PROFESSOR RESPONSÁVEL: FLÁVIA SANTOS Membrana Celular ou Membrana Plasmática Função 2 Membrana Celular ou Membrana Plasmática

Leia mais

Crescimento da Mandíbula. Cartilagem de Meckel e Mandíbula Óssea

Crescimento da Mandíbula. Cartilagem de Meckel e Mandíbula Óssea Cartilagem de Meckel e Mandíbula Óssea O primeiro par de arcos branquiais é o precursor da maxila e da mandíbula Porém, a maxila é derivada de uma pequena proeminência deste arco branquial, muito menor

Leia mais

Procedimentos Cirúrgicos de Interesse Protético/Restaurador - Aumento de Coroa Clínica - Prof. Luiz Augusto Wentz

Procedimentos Cirúrgicos de Interesse Protético/Restaurador - Aumento de Coroa Clínica - Prof. Luiz Augusto Wentz 1 2 3 Procedimentos Cirúrgicos de Interesse Protético/Restaurador - Aumento de Coroa Clínica - Prof. Luiz Augusto Wentz Aumento de Coroa Clínica Qualquer procedimento (cirúrgico ou não-cirúrgico) que vise

Leia mais

Anatomia e funcionamento do aparelho locomotor

Anatomia e funcionamento do aparelho locomotor Anatomia e funcionamento do aparelho locomotor APARELHO LOCOMOTOR SISTEMA ESQUELÉTICO SISTEMA ARTICULAR SISTEMA MUSCULAR PASSIVO UNIÃO ATIVO Funções do esqueleto Sustentação; Proteção; Movimento; Homeostase

Leia mais