INSTRUÇÕES GERAIS DO ROL DE PROCEDIMENTOS MÉDICOS UNIMED Versão 4.0

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTRUÇÕES GERAIS DO ROL DE PROCEDIMENTOS MÉDICOS UNIMED Versão 4.0"

Transcrição

1 2

2 3

3 INSTRUÇÕES GERAIS DO ROL DE PROCEDIMENTOS MÉDICOS UNIMED Versão VALORIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS MÉDICOS, CONSULTAS E SERVIÇOS AUXILIARES DIAGNÓSTICOS E TERAPÊUTICOS. 1.1 Os portes representados ao lado de cada procedimento não expressam valores monetários, apenas estabelecem a comparação entre os diversos atos médicos no que diz respeito à sua complexidade técnica, tempo de execução, atenção requerida e grau de treinamento necessário para a capacitação do profissional que o realiza. 1.2 A pontuação dos procedimentos médicos está agrupada em 14 portes e três sub-portes (A, B e C). Os portes anestésicos (AN) são em número de oito e mantém correspondência com os demais portes. Quanto à unidade de custo operacional (UCO), a mesma não será adotada, ou seja, não poderá ser cobrado no Intercâmbio Nacional (salvo para os procedimentos de SADT que não tenham código correspondente em AMB, ou seja, somente códigos correlacionados de CBHPM para CBHPM). 1.3 Os atendimentos contratados de acordo com este Rol de Procedimentos serão realizados em locais, dias e horários pré-estabelecidos. 1.4 Este Rol constitui referência para acomodações hospitalares coletivas (enfermaria, quartos com dois ou mais leitos, ou semi-privativos). 1.5 O Rol de Procedimentos Médicos Unimed, além dos procedimentos com cobertura pela, contempla os procedimentos já consagrados e alguns que correspondem a variação técnica do procedimento. 1.6 Procedimentos cirúrgicos com indicação de internação, mas realizados em ambulatório, constantes na tabela aprovada na 42ª ata do Colégio Nacional de Auditores Médicos, devem ser pagos de acordo com o plano do cliente. (apartamento x 2). 2. ATENDIMENTO DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA 2.1 Os atos médicos praticados exclusivamente em caráter de urgência ou emergência terão um acréscimo de trinta por cento (30%) em seus portes nas seguintes eventualidades: No período compreendido entre 19h e 7h do dia seguinte; Em qualquer horário, aos sábados, domingos e feriados (Municipal, Estadual e Nacional) Não estão sujeitos às condições deste item os atos médicos dos procedimentos diagnósticos e terapêuticos (SADT), para os quais não há incidência de qualquer percentual, independentemente do dia ou horário em que seja realizado o procedimento de SADT. 3. NORMAS GERAIS 3.1 Os portes atribuídos a cada procedimento cirúrgico incluem os cuidados pós-operatórios relacionados com o tempo de permanência do paciente no hospital, até 10 (dez) dias após o ato cirúrgico. Esgotado esse prazo, a valoração do porte passa ser regida, conforme critérios estabelecidos para as visitas hospitalares (código ). 3.2 Vídeolaparoscopia e Vídeoendoscopia a) Os procedimentos cirúrgicos realizados por Técnica Videolaparoscópica ou Técnica Videoendoscópica têm portes independentes dos seus correlatos realizados por técnica convencional. Para a sua valoração foram utilizados os mesmos atributos aplicados aos atos convencionais: tempo, cognição, complexidade e risco. Estes portes estão sujeitos ao item 6 destas Instruções. b) Aos procedimentos diagnósticos realizados por Técnica Videolaparoscópica ou Técnica Videoendoscópica, não se aplicam o disposto no item 6 destas Instruções. 3.3 Anestesiologista 4

4 a) O ato anestésico se inicia com a visita pré-anestésica, prossegue com a administração da técnica anestésica indicada, que compreende o acesso venoso, intubação traqueal (quando indicada), instalação de controles e equipamentos necessários à anestesia e administração de drogas, encerrando-se com a recuperação dos parâmetros vitais, exceto nos casos que haja indicação de seguimento em UTI. a.1) Não inclui medidas/controles invasivos que poderão ser valorados separadamente pelo anestesiologista, que deverá utilizar, para tal, o porte previsto para o cirurgião. Ex. dissecção de veia central não está incluso na anestesia e poderá ser feita pelo anestesista com porte especifico para tal. b) Neste trabalho, os atos anestésico estão classificados em portes de 0 a 8, conforme as indicações do quadro abaixo: Porte Anestésico 0 Anestesia local 1 3 A 2 3 C 3 4 C 4 6 B 5 7 C 6 9 B 7 10 C 8 12 A c) O porte anestésico 0 significa Não Participação do Anestesiologista d) Quando houver a necessidade do concurso do anestesiologista em atos médicos (não diagnósticos) que não tenham seus portes especificamente previstos na classificação, a remuneração será equivalente ao estabelecido para o porte 3. Portanto, AN3 que equivale ao porte 4C. e) Nos atos cirúrgicos em que haja indicação de intervenção em outros órgãos através do mesmo orifício natural, a partir da MESMA VIA DE ACESSO ou dentro da MESMA CAVIDADE ANATÔMICA, o porte a ser atribuído ao trabalho do anestesiologista será o que corresponder, por aquela via, ao procedimento de maior porte, acrescido de 50% dos demais atos praticados. f) Quando a mesma equipe ou grupos diversos realizarem durante o mesmo ato anestésico procedimentos cirúrgicos diferentes através de outras incisões (exceto aquela complementar do ato principal) ou outros orifícios naturais, os portes relativos aos atos do anestesiologista serão estabelecidos em acréscimo ao ato anestésico de maior porte 70% dos demais. g) Em caso de cirurgia bilateral no mesmo ato anestésico, inexistindo código específico, os atos praticados pelo anestesiologista serão acrescidos de 70% do porte atribuído ao primeiro ato cirúrgico. h) Para os atos AN7 e AN8 ou naqueles nos quais seja utilizada Circulação Extracorpórea (CEC), ou procedimentos de neonatologia cirúrgica, gastroplastia para obesidade mórbida e cirurgias com duração acima de 6 horas, o anestesiologista responsável poderá, quando necessário, solicitar o concurso de um auxiliar (também anestesiologista), sendo atribuído a essa intervenção um porte correspondente a 30% dos portes previstos para o (s) ato (s) realizados pelo anestesiologista principal. i) Na valoração dos portes constantes incluem a anestesia geral, condutiva regional ou local, bem como a assistência do anestesiologista, por indicação do cirurgião ou solicitação do paciente, seja em procedimentos cirúrgicos, diagnósticos ou terapêuticos tanto em regime de internamento com ambulatorial. j) Quando for necessária ou solicitada consulta com o anestesiologista, em consultório, previamente à internação juridicamente estabelecida, seja com o hospital ou terceiros por ele contratados, será remunerado como 01 consulta eletiva no Intercâmbio Nacional Quando houver necessidade do concurso do anestesiologista, os atos médicos diagnósticos (inclusive endoscópicos) praticados por este profissional serão valorados pelo porte 2, os terapêuticos pelo porte 3 e os diagnósticos + terapêuticos (inclusive endoscópicos intervencionistas) pelo porte 3. Portanto, pagar-se-á o correspondente a apenas um porte anestésico, não importando o tempo de duração nem a simultaneidade com outro procedimento Os atos médicos praticados pelo anestesiologista, quando houver necessidade do concurso deste especialista, serão valorados conforme tabela abaixo: 5

5 Descrição Códigos Porte Anestésico Procedimentos Clínicos Ambulatoriais a Porte 1 Procedimentos Clínicos Hospitalares a Porte 1 Medicina Nuclear a Porte 2 Métodos diagnósticos por imagem a Porte 3 Ultra-Sonografia a Porte 2 Tomografia Computadorizada a Porte 2 Ressonância Magnética a Porte 3 Radioterapia a Porte 3 Exames específicos a Porte 1 Testes para diagnósticos a Porte 1 Outros a Porte 1 Observação: Métodos Intervencionistas por Imagem possuem porte anestésico próprio ( a ). 3.4 A consulta Oftalmológica padrão inclui: anamnese, refração, inspeção das pupilas, acuidade visual, retinoscopia e ceratometria, fundoscopia (com ou sem midríase), microscopia do segmento anterior, exame sumário da motilidade ocular e do senso cromático. 3.5 Atendimento ao recém-nascido: a) Em caso de parto múltiplo, o atendimento pediátrico a cada recém-nato deve ser considerado individualmente. b) Se o recém-nascido permanecer internado após o terceiro dia, será feita guia de internação com o diagnóstico da patologia e fixado o porte, a partir daí, corresponde a uma visita hospitalar por dia até a alta, de acordo com o código (Tratamento Clínico). c) Para atendimento em sala de parto (parto normal ou operatório de alto risco) será considerado o atendimento ao recém nascido prematuro ou que necessita de manobras de reanimação com uso de O2 sob pressão positiva e/ou entubação traqueal. d) Será obedecido o que consta no item 6 das Instruções Gerais. 3.6 Honorários do Intensivista: a) Nos portes indicados para o plantonista de UTI não estão incluídos: diálise, acesso vascular para hemodiálise, implante de marca-passo ou traqueostomia. b) Estão incluídos nos portes do plantonista: intubação, monitorizações clínicas com ou sem auxilio de equipamentos, desfibrilação e punção venosa (intracath). c) Os atos do médico assistente ou de especialistas, estes quando praticados por solicitação do intensivista, serão valorados considerando os atendimentos realizados e registrados em prontuário. 3.7 A remuneração prevista para as sessões de quimioterapia já contempla a visita hospitalar (Procedimentos Clínicos Ambulatoriais). Aos portes destas sessões aplica-se o disposto no item 6 das Instruções Gerais, no caso de paciente internado Classificação e graduação das doenças venosas (CEAP) São indicados para tratamento cirúrgico os portadores de varizes de classificação clinica CEAP 2, 3, 4, 5. a. Classe 0 não apresenta doença venosa b. Classe 1 teleangiectasias e/ou veias reticulares (2 a 4 mm) c. Classe 2 veias Varicosas (> 4mm) d. Classe 3 classe 2 + edema e. Classe 4 classe 3 + pigmentação, eczema e lipodermoesclerose f. Classe 5 classe 4 + úlcera varicosa cicatrizada g. Classe 6 úlcera varicosa aberta 3.9 Hemodinâmica e cardiologia intervencionista Quando realizados concomitantemente procedimentos diagnósticos, terapêuticos e diagnósticos/terapêuticos, para fins de valoração dos atos praticados será obedecido o que consta no ítem Cirurgia cardíaca códigos ; e a) As cirurgias cardíacas com circulação extracorpórea compõem-se do procedimento principal acrescido dos códigos ; ; ; , observando-se o previsto no item 4. b) Quando utilizado enxerto com veia, acrescentar porte 3C, com artéria porte 5 A. Os códigos foram criados para trafegar no Intercâmbio Nacional, conforme deliberação do Colégio Nacional de Auditores Médicos Unimed Enxerto de veia para revascularização miocárdica Enxerto com artéria para revascularização miocárdica 6

6 c) Os procedimentos códigos ; ; ; ; ; ; ; ; e são considerados atos integrantes da cirurgia cardíaca com circulação extracorpórea Atendimento ortopédico a) Nos portes atribuídos aos procedimentos ortopédicos e traumatológicos já está incluída a primeira imobilização. Em se tratando de entorses, contusões e distensões musculares, a valoração do ato corresponderá à consulta acrescida da imobilização realizada. b) Para o tratamento clinico em regime de internação, o porte equivalerá a uma visita hospitalar c) Havendo necessidade de troca de aparelho gessado em ato posterior, a ele corresponderá novo porte, conforme o presente ROL. d) Revisão de coto de amputação, equivale à metade dos portes estipulados para a amputação do mesmo segmento com direito a 1 auxiliar. e) Referente aos códigos ; ; ; ; e Nas cirurgias videoartroscópicas quando houver a necessidade de atuar em mais de uma estrutura articular, procedimentos intra-articulares poderão ser associados para conclusão do ato operatório até um limite de três por articulações. Os procedimentos extra-articulares poderão ser associados a qualquer procedimento ou associações de procedimentos intra-articulares para conclusão em bom termo do ato medito cirúrgico (retirada e transposições tendíneas, retirada e transposições osteocondrais, osteotomias). Exclui a captura e transposição de enxertos, que devem ser cobrados em códigos específicos Observações referentes a queimaduras ( ; e ): a) Por unidade topográfica (UT) compreende segmento do corpo facilmente delimitável que tem uma área aproximada de 9% da superfície corporal. No corpo humano existem 11 UT: cabeça e pescoço; cada um dos membros superiores; face anterior do tórax; face posterior do tórax, abdome, nádegas(da cintura a raiz da coxa); cada uma das coxas; cada um dos conjuntos pernas e pés. Os Genitais constituem uma UT a parte. Critério para determinar o número de auxiliares de cirurgia necessários pra o tratamento de queimado: uma UT, não comporta auxílio; duas a três Uts, um auxiliar; quatro ou mais Uts, dois auxiliares. b) Face, pescoço, mão, axila, regiões inguinais, joelhos, genitais, assim como regiões onde as lesões atingem estruturas profundas (tendões, vasos e ossos quando isoladas), cada um corresponde a 2 UT. c) Cada procedimento refere-se a um único ato cirúrgico dos códigos acima mencionado. d) Para curativos de queimados realizados por médico cooperado, a UNIMED obedecerá à Tabela de Honorários Médicos Unimed vigente Cabeça e Pescoço os procedimentos com esvaziamento ganglionar incluem ligadura de vasos e traqueostomia Os exames que forem realizados por técnica tomográfica devem ser acrescidos em 50% no seu valor. 4. VALORAÇÃO DOS ATOS CIRÚRGICOS 4.1 Quando previamente planejada, ou quando se verificar, durante o ato cirúrgico, a indicação de atuar em vários órgãos ou regiões a partir da mesma via de acesso, a quantificação do porte da cirurgia será a que corresponder, por aquela via, ao procedimento de maior porte, acrescido de 50% do previsto para cada um dos demais atos médicos praticados, desde que não haja um código específico para o conjunto. 4.2 Quando ocorrer mais de uma intervenção por diferentes vias de acesso, deve ser adicionado ao porte da cirurgia considerada principal o equivalente a 70% do porte de cada um dos demais atos praticados. 4.3 Obedecem às normas acima as cirurgias bilaterais, realizadas por diferentes incisões (70%), ou pela mesma incisão (50%). Exceto as que tiverem codificação especifica para bilateralidade neste Rol. 4.4 Quando duas equipes distintas realizarem simultaneamente atos cirúrgicos diferentes, a cada uma delas será atribuído porte de acordo com o procedimento realizado e previsto neste Rol. 4.5 Quando um ato cirúrgico for parte integrante de outro, valorar-se-á não o somatório do conjunto, mas apenas o ato principal. 4.6 Nas cirurgias em crianças com peso inferior a 2,500g, fica previsto acréscimo de 100% sobre o porte do procedimento realizado. 7

7 5. AUXILIARES DE CIRURGIA 5.1 A valoração dos serviços prestados pelos médicos auxiliares dos atos cirúrgicos corresponderá ao percentual de 30% do porte do ato praticado pelo cirurgião para o primeiro auxiliar, de 20% para os demais auxiliares previstos. 5.2 Quando uma equipe, num mesmo ato cirúrgico, realizar mais de um procedimento, o número de auxiliares será igual ao previsto para o procedimento de maior porte, e a valoração do porte para os serviços desses auxiliares será calculada sobre a totalidade dos serviços realizados pelo cirurgião. 6. CONDIÇÕES DE INTERNAÇÃO 6.1 Quando o paciente voluntariamente internar-se em ACOMODAÇÕES HOSPITALARES SUPERIORES, diferentes das previstas no item 1.5 destas Instruções e do previsto em seu plano de saúde original, a valoração do porte referente aos procedimentos será complementada por negociação entre o paciente e o médico, servindo como referência o item 6.2 destas Instruções. 6.2 Para os usuários detentores de planos com acomodações privativas, diferentemente do previsto no citado item 1.5, fica prevista a valoração dos honorários do médico assistente e equipe por no máximo o dobro de sua quantificação. Não estão sujeitos às condições deste item os atos médicos dos procedimentos diagnósticos Os atos do médico assistente quando o paciente estiver internado em UTI terão seus valores de Honorários remunerados de acordo com o tipo de acomodação do paciente O critério do item 6.3 não se aplica ao intensivista plantonista Os atos do médico assistente quando o procedimento for realizado em day clinic será pago de acordo com o tipo de acomodação do paciente. 7. APLICAÇÃO 7.1 Cabe à Comissão Permanente de Implantação do Rol de Procedimentos Médicos Unimed, definir alterações neste Rol sempre que julgar necessário corrigir, atualizar ou modificar o que nele estiver contido. 7.2 Os materiais e medicamentos devem ser cobrados de acordo com os códigos e nomenclaturas definidas na Tabela Nacional Unimed de Materiais e Medicamentos. 8. RADIOLOGIA 8.1 Tomografia Computadorizada Quando solicitado exame de 02 áreas, na segunda área será cobrado 70% do Coeficiente de Remuneração Radiologica. (CRR) Quando solicitado exame de 03 áreas, na segunda área será cobrado 70% e na terceira 50% do CRR. Somam-se os valores dos filmes de cada área. 8.2 Ressonância Magnética Quando solicitado exame de dois (2) segmentos a serem realizados no mesmo período, o segundo será cobrado com 80% do CRR Artrografia por RM: acrescentar 30% ao Honorário Médico Estudo dinâmico de RM: acrescentar 50% ao valor do CRR. *Quando solicitada conjuntamente com outro exame segue a regra de 02 segmentos. 8.3 Desdobramento de exames Os exames de imagem que foram desdobrados ou sofreram sobreposição tiveram seus valores adequados no ROL de Procedimentos Médicos Unimed, mantendo-se o preço praticado. (p.ex: Ultra-sonografia vascular com doppler colorido, deixa de ser remunerado em dois códigos, porem mantém o preço praticado). 8.4 Ultra-Sonografias A cada ultra-sonografia realizada, será pago o valor de 100% no Intercâmbio Nacional. 9. MÉTODOS INTERVENCIONISTAS POR IMAGEM 9.1 Quando houver procedimento intervencionista o exame de base (Ultrassom, TC, RM, Rx), devera ser pago. Exceto quando houver código específico para este procedimento, inexistente na tabela AMB 92 ou código já valorado conforme as regras vigentes. 8

8 9.2 Os procedimentos de radiologia intervencionista serão valorados por vaso tratado, por número de cavidades drenadas e por número de corpos estranhos retirados. 9.3 Angiografias por cateter ( , , , e ) incluemse no máximo 3 vasos. 9.4 Quando realizado angiografia diagnóstica e/ou radiologia intervencionista sucessivas, para fins de valoração dos atos médicos praticados, deve ser observado o disposto no item 4 das Instruções Gerais. 10. PROCEDIMENTOS ENDOSCÓPICOS INTERVENCIONISTAS 10.1 Nos procedimentos endoscópicos, onde há necessidade do concurso de endoscopista auxiliar, este será remunerado com o correspondente a 30% do honorário estabelecido para o endoscopista principal Nos portes dos procedimentos intervencionistas já estão incluídos os respectivos exames diagnósticos. Contudo, quando realizados dois ou mais procedimentos intervencionistas, a valoração destes atos obedecerá ao item 4.1 das Instruções Gerais, desde que não haja um código específico para o conjunto Os procedimentos realizados por videoendoscopia não terão acréscimos em seus portes. Quando utilizado equipamento radiológico associado a procedimento endoscópico a remuneração dos mesmos devera ser individualizada e paga conforme as regras vigentes para a Radiologia Para pacientes internados os portes dos procedimentos endoscópicos intervencionistas obedecerão ao previsto no item 6 das Instruções Gerais. 11. PROCEDIMENTOS REALIZADOS POR LASER E RADIOFREQÜÊNCIA Os procedimentos realizados por laser e radiofreqüência somente terão cobertura assegurada quando assim especificados na RN 211, anexo I, de acordo com a segmentação contratada. 12. CINTILOGRAFIA DO MIOCÁRDIO O procedimento (Cintilografia do miocardio perfusão - estresse físico) não inclui teste ergométrico convencional ( ) nem o teste ergométrico computadorizado ( ), que devem ser remunerados à parte, desde que realizado por médico. 13. BANCO DE SANGUE Pagamento para banco de sangue quando cobrado na forma de pacote, no Intercâmbio Nacional informar o código principal, composição e respectivo valor no campo de observações. 14. RESSONÂNCIA DE MAMA Para ressonância magnética de mama, a valoração do código CBHPM refere-se ao pagamento de ressonância unilateral ou bilateral. 15. PULSOTERAPIA A importância do médico durante a realização do ato. No caso de internação, não será remunerada nem a consulta, nem a visita hospitalar. 16. EXAMES CONCOMITANTES Forma de remuneração dos procedimentos ultra-sonográficos Próstata transretal e Abdome inferior masculino. Não se remunera esses dois exames concomitantemente. O mesmo critério se aplica a US transvaginal, com o Abdome inferior feminino, Contudo, a concomitância será autorizada quando justificada pelo médico assistente. 17. SEGMENTO EM COLUNA O conceito de segmento em coluna vertebral se refere a uma unidade motora de movimento, composta de duas vértebras, um disco intervertebral e estruturas capsuloligamentares e musculares. 9

9 GLOSSÁRIO DUT Diretriz de Utilização - Autorizar somente se atender as diretrizes do Anexo I; Hospitalar Sem Obstetrícia HCO Hospitalar Com Obstetrícia AMB Ambulatorial Cobertura nos Planos Ambulatoriais Resolução Normativa 167 RN 211 Resolução Normativa 211 Procedimento de Alta Complexidade 10

10 INDICE GERAL CAPÍTULO 1 - PROCEDIMENTOS GERAIS Consultas ( ) 16 Visitas ( ) 16 Recém-Nascido ( ) 16 UTI ( ) 16 Remoção / Acompanhamento de Paciente ( ) 16 Outros ( ) 16 CAPÍTULO 2 - PROCEDIMENTOS CLÍNICOS PROCEDIMENTOS CLÍNICOS AMBULATORIAIS Avaliações / Acompanhamentos ( ) 17 Monitorizações ( ) 17 Reabilitações - Sessões ( ) 17 Terapêutica ( ) 18 PROCEDIMENTOS CLÍNICOS HOSPITALARES Avaliações / Acompanhamentos ( ) 18 Monitorizações ( ) 19 Reabilitações - Sessões ( ) 19 Terapêutica ( ) 19 CAPÍTULO 3 - PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS E INVASIVOS PELE E TECIDO CELULAR SUBCUTÂNEO / ANEXOS Procedimentos ( ) 20 CABEÇA E PESCOÇO Lábio ( ) 21 Boca ( ) 21 Língua ( ) 22 Glândulas Salivares ( ) 22 Faringe ( ) 22 Laringe ( ) 22 Trauma Crânio-Maxilo-Facial ( ) 23 Cirurgia Reparadora e Funcional da Face ( ) 23 Sequelas de Trauma da Face ( ) 23 Face ( ) 23 Mandíbula ( ) 24 Pescoço ( ) 24 Tireóide ( ) 24 Paratireóide ( ) 24 Crânio ( ) 24 OLHOS Pálpebra ( ) 24 Cavidade Orbitária ( ) 25 Conjuntiva ( ) 25 Córnea ( ) 25 Câmara Anterior ( ) 26 Cristalino ( ) 26 Corpo Vítreo ( ) 26 Esclera ( ) 26 Bulbo Ocular ( ) 26 Íris e Corpo Ciliar ( ) 26 Músculos ( ) 26 Retina ( ) 26 Vias Lacrimais ( ) 27 ORELHA Pavilhão Auricular ( ) 27 11

11 Orelha Externa ( ) 27 Orelha Média ( ) 27 Orelha Interna ( ) 27 NARIZ E SEIOS PARANASAIS Nariz ( ) 28 Seios Paranasais ( ) 28 PAREDE TORÁCICA Parede Torácica ( ) 29 Mamas ( ) 29 SISTEMA MÚSCULO-ESQUELÉTICO E ARTICULAÇÕES Transplantes Cutâneos (Com Microanastomoses Vasculares) ( ) 30 Transplantes Músculo-Cutâneos (Com Microanastomoses Vasculares) ( ) 30 Transplantes Musculares (Com Microanastomoses Vasculares) ( ) 30 Transplantes Ósseos Vascularizados e Transplantes Osteomusculocutâneos Vascularizados (Com Microanastomoses Vasculares) ( ) 31 Microcirurgia nas Grandes Reconstruções de Cabeça e Pescoço, Nas Extensas Perdas de Substância e Na Ablação de Tumores Ao Nível dos Membros (Com Microanastomoses Vasculares) ( ) 31 Reimplantes e Revascularizações dos Membros ( ) 31 Transplantes de Dedos do Pé para a Mão ( ) 31 Tração ( ) 31 Retirada de Material de Síntese ( ) 31 Imobilizações Provisórias ( ) 31 Aparelhos Gessados ( ) 31 Outros Procedimentos / Punções ( ) 32 Retirada de Corpo Estranho ( ) 32 Coluna Vertebral ( ) 32 Articulação Escápulo-Umeral e Cintura Escapular ( ) 33 Braço ( ) 33 Cotovelo ( ) 33 Antebraço ( ) 33 Punho ( ) 33 Mão ( ) 34 Cintura Pélvica ( ) 35 Articulação Coxo-Femoral ( ) 35 Coxa / Fêmur ( ) 36 Joelho ( ) 36 Perna ( ) 37 Tornozelo ( ) 37 Pé ( ) 37 Músculos e Fascias ( ) 38 Tendões, Bursas e Sinóvias ( ) 38 Ossos ( ) 38 Procedimentos Videoartroscópicos de Joelho ( ) 39 Procedimentos Videoartroscópicos de Tornozelo ( ) 39 Procedimentos Videoartroscópicos de Ombro ( ) 39 Procedimentos Videoartroscópicos de Cotovelo ( ) 39 Procedimentos Videoartroscópicos de Punho e Túnel do Carpo ( ) 39 Procedimentos Videoartroscópicos de Coxofemoral ( ) 39 SISTEMA RESPIRATÓRIO E MEDIASTINO Traquéia ( ) 40 Brônquios ( ) 40 Pulmão ( ) 40 Pleura ( ) 40 Mediastino ( ) 41 Diafragma ( ) 41 SISTEMA CÁRDIO-CIRCULATÓRIO Defeitos Cardíacos Congênitos ( ) 41 Valvoplastias ( ) 42 Coronariopatias ( ) 42 12

12 Marca-Passo ( ) 42 Outros Procedimentos ( ) 42 Cirurgia Arterial ( ) 42 Cirurgia Venosa ( ) 43 Fístulas Arteriovenosas Congênitas ou Adquiridas ( ) 43 Hemodiálise de Curta e Longa Permanência ( ) 43 Cirurgia Vascular de Urgência ( ) 43 Hemodinâmica - Cardiologia Intervencionista (Procedimentos Diagnósticos) ( ) 44 Hemodinâmica - Cardiologia Intervencionista (Procedimentos Terapêuticos) ( ) 44 Acessos Vasculares ( ) 44 Cirurgia Linfática ( ) 45 Periocárdio ( ) 45 Hipotermia ( ) 45 Miocárdio ( ) 45 SISTEMA DIGESTIVO E ANEXOS Esôfago ( ) 45 Estômago ( ) 46 Intestinos ( ) 46 Ânus ( ) 48 Fígado e Vias Biliares ( ) 48 Pâncreas ( ) 49 Baço ( ) 50 Peritônio ( ) 50 Abdome, Parede e Cavidade ( ) 50 SISTEMA URINÁRIO Rim, Bacinete e Supra-Renal ( ) 51 Ureter ( ) 52 Bexiga ( ) 52 Uretra ( ) 53 SISTEMA GENITAL E REPRODUTOR MASCULINO Próstata e Vesículas Seminais ( ) 54 Escroto ( ) 54 Testículo ( ) 54 Epidídimo ( ) 54 Cordão Espermático ( ) 54 Pênis ( ) 54 SISTEMA GENITAL E REPRODUTOR FEMININO Vulva ( ) 55 Vagina ( ) 55 Útero ( ) 55 Tubas ( ) 56 Ovários ( ) 56 Períneo ( ) 56 Cavidade e Paredes Pélvicas ( ) 56 Partos e Outros Procedimentos Obstétricos ( ) 57 SISTEMA NERVOSO - CENTRAL E PERIFÉRICO Encéfalo ( ) 57 Medula ( ) 57 Nervos Periféricos ( ) 58 Nervos Cranianos ( ) 58 Sistema Nervoso Autônomo ( ) 58 TRANSPLANTES DE ÓRGÃOS Córnea ( ) 58 Renal ( ) 58 OUTROS PROCEDIMENTOS INVASIVOS Acupuntura ( ) 58 Bloqueios Anestésicos de Nervos e Estímulos Neurovasculares ( ) 58 13

13 CAPÍTULO 4 - PROCEDIMENTOS DIAGNÓSTICOS E TERAPÊUTICOS ELETROFISIOLÓGICOS/MECÂNICOS E FUNCIONAIS ECG - TE ( ) 60 Tubo Digestivo ( ) 60 Sistema Nervoso ( ) 60 Exames Ósteo - Músculo - Articulares ( ) 61 Função Respiratória ( ) 61 ENDOSCÓPICOS Endoscopia Diagnóstica ( ) 61 Endoscopia Intervencionista ( ) 62 MEDICINA LABORATORIAL Bioquímica ( ) 63 Coprologia ( ) 65 Hematologia Laboratorial ( ) 66 Endocrinologia Laboratorial ( ) 67 Imunologia ( ) 68 Líquidos (Cefalorraqueano (Líquor), Seminal, Amnipotico, Sinovial e Outros) ( ) 71 Cefalorraqueano (Líquor) 71 Seminal 71 Amniótico 71 Sinovial e Outros 72 Microbiologia ( ) 72 Urinálise ( ) 72 Diversos ( ) 73 Toxicologia / Monitorização Terapêutica ( ) 73 Biologia Molecular ( ) 74 Radioimunoensaio - In Vitro ( ) 74 MEDICINA TRANSFUSIONAL Transfusão ( ) 75 Processamento ( ) 76 Procedimentos ( ) 76 Transplante de Medula Óssea ( ) 77 GENÉTICA Citogenética ( ) 78 Genética Bioquímica ( ) 79 Genética Molecular ( ) 79 ANATOMIA PATOLÓGICA E CITOPATOLOGIA Procedimentos ( ) 79 MEDICINA NUCLEAR (CINTILOGRAFIA) Cardiovascular - In Vivo ( ) 80 Digestivo - In Vivo ( ) 80 Endócrino - In Vivo ( ) 81 Giniturinário - In Vivo ( ) 81 Hematológico - In Vivo ( ) 81 Músculo - Esquelético - In Vivo ( ) 81 Nervoso - In Vivo ( ) 81 Oncologia / Infectologia - In Vivo ( ) 82 Respiratório - In Vivo ( ) 82 Terapia - In Vivo ( ) 82 Outros - In Vivo ( ) 82 MÉTODOS DIAGNÓSTICOS POR IMAGEM RADIOGRAFIAS 82 Crânio e Face ( ) 82 Coluna Vertebral ( ) 83 Esqueleto Torácico e Membros Superiores ( ) 83 Bacia e Membros Inferiores ( ) 83 Tórax ( ) 83 Sistema Digestivo ( ) 84 14

14 Sistema Urinário ( ) 84 Outros Exames ( ) 84 Procedimentos Especiais ( ) 84 Neurorradiologia ( ) 84 Radioscopia ( ) 85 Angiorradiologia ( ) 85 Métodos Intervencionistas por Imagem ( ) 85 ULTRA-SONOGRAFIA Ultra-sonografia Diagnóstica ( ) 87 Ultra-sonografia Intervencionista ( ) 88 TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA Tomografia Computadorizada Diagnóstica ( ) 88 Tomografia Computadorizada Intervencionista ( ) 89 RESSONÂNCIA MAGNÉTICA Ressonância Magnética Diagnóstica ( ) 89 Ressonância Magnética Intervencionista ( ) 90 RADIOTERAPIA Procedimentos / Técnicas de Radioterapia Externa Procedimentos Secundários de Radioterapia Externa Procedimentos de Braquiterapia Procedimentos Secundários de Braquiterapia EXAMES ESPECÍFICOS Procedimentos ( ) 91 TESTES PARA DIAGNÓSTICO Procedimentos OUTROS Procedimentos Diagnósticos ( ) 92 15

15 Consultas( ) CAPÍTULO 1 - PROCEDIMENTOS GERAIS Visitas( ) Recém-Nascido( ) UTI( ) Remoção/AcompanhamentodePaciente( ) Outros( ) médico Em consultorio (no horario normal ou preestabelecido) AMB Em pronto socorro AMB Consulta Saude Ocupacional AMB Sessoes de Fonoaudiologia AMB - DUT - RN Consulta/sessao de terapia ocupacional - conforme diretriz de utilizacao AMB - DUT - RN Consulta/sessao de nutricao - conforme diretriz de utilizacao AMB - DUT - RN Sessao de Psicoterapia (Psicólogo)- conforme diretriz de utilização AMB - DUT - RN Atividade educacional para planejamento familiar AMB Visita hospitalar (paciente internado) HCO Atendimento ao recem-nascido em bercario HCO Atendimento ao recém-nascido em sala de parto (parto normal ou operatório de baixo risco) HCO Atendimento ao recém-nascido em sala de parto (parto normal ou operatório de alto risco) HCO Atendimento do intensivista diarista (por dia e por paciente) HCO - Atendimento medico do intensivista em UTI geral ou pediatrica (plantao de 12 horas - por paciente) HCO Transporte extra-hospitalar terrestre de pacientes graves, 1ª hora - a partir do deslocamento do Transporte extra-hospitalar terrestre de pacientes graves, por hora adicional - até o retorno do médico à base HCO - - HCO Aconselhamento genetico AMB - HCO Atendimento pediátrico a gestantes (3º trimestre) AMB - HCO - Junta Médica (tres ou mais profissionais) destina-se ao esclarecimento diagnóstico ou decisão de conduta em caso de difícil solução - por profissional HCO - - Junta Medica - pagamento de honorarios medicos referente a 3ª opiniao, conforme Resolução CONSU nº 8 HCO - RN Pericia Medica HCO

16 CAPÍTULO 2 - PROCEDIMENTOS CLÍNICOS PROCEDIMENTOS CLÍNICOS AMBULATORIAIS Avaliações / Acompanhamentos ( ) Acompanhamento clinico ambulatorial pos-transplante renal - por avaliacao HCO Avaliação nutrológica (inclui consulta) AMB - RN Avaliacao nutrológica pre e pos cirurgia bariatrica (incluido na consulta) AMB Rejeicao de enxerto renal - tratamento ambulatorial - avaliacao clinica diaria HCO Avaliacao clinica e eletronica de paciente portador de marcapasso ou sincronizador ou desfibrilador AMB - HCO Acompanhamento clinico ambulatorial pos-transplante de cornea HCO Acompanhamento clinico ambulatorial pos-transplante de medula ossea autologa HCO - - Monitorizações ( ) Holter de 24 horas - 2 ou mais canais - analogico AMB Holter de 24 horas - 3 canais - digital AMB Monitorizacao ambulatorial da pressao arterial - MAPA (24 horas) AMB Tilt Teste Reabilitações - Sessões ( ) - DUT Adaptacao e treinamento de recursos opticos para visao subnormal (por sessao) - binocular AMB Amputacao bilateral (preparacao do coto) AMB - HCO Amputacao bilateral (Treinamento Protetico) AMB - HCO Amputacao unilateral (preparacao do coto) AMB - HCO Amputacao unilateral (treinamento protetico) AMB - HCO Assistencia fisiatrica respiratoria em pre e pos-operatorio de condicoes cirurgicas AMB - HCO Ataxias AMB - HCO Atendimento fisiatrico no pre e pos operatorio de pacientes para prevencao de sequelas AMB - HCO Biofeedback com EMG AMB - HCO Bloqueio fenolico, alcoolico ou com toxina botulinica por segmento corporal AMB - HCO Desvios posturais da coluna vertebral AMB - HCO Disfuncao vesico-uretral AMB - HCO Distrofia simpatico-reflexa AMB - HCO Disturbios circulatorios arterio-venosos e linfaticos AMB - HCO Doencas pulmonares atendidas em ambulatorio AMB - HCO Exercicios de ortoptica (por sessao) AMB Exercicios para reabilitacao do asmatico (ERAC) - por sessao coletiva AMB - HCO Exercicios para reabilitacao do asmatico (ERAI) - por sessao individual AMB - HCO Hemiparesia AMB - HCO Hemiplegia AMB - HCO Hemiplegia e hemiparesia com afasia AMB - HCO Hipo ou agenesia de membros AMB - HCO Infiltração de ponto gatilho (por músculo) ou agulhamento seco (por músculo) AMB - HCO Lesao nervosa periferica afetando mais de um nervo com alteracoes sensitivas e/ou motoras AMB - HCO Lesao nervosa periferica afetando um nervo com alteracoes sensitivas e/ou motoras AMB - HCO Miopatias AMB - HCO Paciente com D.P.O.C. em atendimento ambulatorial necessitando reeducacao e reabilitacao respiratoria AMB - HCO Paciente em pos-operatorio de cirurgia cardiaca, atendido em ambulatorio, duas a tres vezes por semana AMB - HCO Pacientes com doenca isquemica do coracao, atendido em ambulatorio de 8 a 24 semanas AMB - HCO Pacientes com doencas neuro-musculo-esqueleticas com envolvimento tegumentar AMB - HCO Paralisia cerebral AMB - HCO Paralisia cerebral com disturbio de comunicacao AMB - HCO Paraparesia/tetraparesia AMB - HCO Paraplegia e tetraplegia AMB - HCO Parkinson AMB - HCO Patologia neurologica com dependencia de atividades da vida diaria AMB - HCO Patologia osteomioarticular em um membro AMB - HCO Patologia ostemioarticular em dois ou mais membros AMB - HCO Patologia osteomioarticular em um segmento da coluna AMB - HCO Patologia osteomioarticular em diferentes segmentos da coluna AMB - HCO Patologias Osteomioarticulares com dependencia de atividades da vida diaria AMB - HCO Recuperacao funcional pos-operatoria ou por imobilizacao da patologia vertebral AMB - HCO - 17

17 Processos inflamatorios pelvicos AMB - HCO Queimados - seguimento ambulatorial para prevencao de sequelas (por segmento) AMB - HCO Reabilitacao labirintica (por sessao) Reabilitacao perineal com biofeedback Recuperacao funcional de Disturbios cranio-faciais AMB - HCO Recuperacao funcional pos-operatoria ou pos-imobilizacao gessada de patologia ortopedica ou traumatologica com complicacoes neuro-vasculares afetando um membro Recuperacao funcional pos-operatoria ou pos-imobilizacao gessada de patologia osteomioarticular com complicacoes neurovasculares afetando mais de um membro AMB - HCO - AMB - HCO Retardo do desenvolvimento psicomotor AMB - HCO Sequelas de traumatismos toracicos e abdominais AMB - HCO Sequelas em politraumatizados (em diferentes segmentos) AMB - HCO Sinusites AMB - HCO Reabilitacao cardiaca supervisionada. Programa de 12 semanas. Duas a tres sessoes por semana (por sessao) Terapêutica ( ) AMB - HCO Actinoterapia (por sessao) AMB - HCO Aplicacao de hipossensibilizante em consultorio (AHC) exclusive o alergeno - "Planejamento técnico para" AMB - HCO Cateterismo vesical em retencao urinaria AMB - HCO Cauterizacao quimica vesical AMB - HCO Cerumen - remocao (bilateral) AMB - HCO Crioterapia (grupo de ate 5 lesoes) AMB - HCO Curativos em geral com anestesia, exceto queimados AMB - HCO Curativo de extremidades de origem vascular AMB - HCO Curativos em geral sem anestesia, exceto queimados AMB - HCO Dilatacao uretral (sessao) AMB - HCO Fototerapia com UVA (PUVA) (por sessao) AMB Imunoterapia especifica - 30 dias - planejamento tecnico AMB - HCO Imunoterapia inespecifica - 30 dias - planejamento tecnico AMB - HCO Instilacao vesical ou uretral AMB - HCO Sessao de Oxigenoterapia hiperbarica - conforme diretriz de utilização HCO - - DUT - RN Sessao de psicoterapia individual AMB - DUT Sessao de psicoterapia infantil AMB - DUT Terapia Inalatoria - por nebulizacao (Faz parte do atendimento médico) AMB - HCO Terapia oncologica com altas doses - planejamento e 1 dia de tratamento Terapia oncologica com altas doses - por dia subsequente de tratamento Terapia oncologica com aplicacao de medicamentos por via intracavitaria ou intratecal - por procedimento HCO Terapia oncologica com aplicacao intra-arterial ou intravenosa de medicamentos em infusao de duracao minima de 6 horas - planejamento e 1º dia de tratamento Terapia oncologica com aplicacao intra-arterial ou intravenosa de medicamentos em infusao de duracao minima de 6 horas - por dia subsequente de tratamento Terapia oncologica - planejamento e 1º dia de tratamento Terapia oncologica - por dia subsequente de tratamento Curativo de ouvido (cada) AMB - HCO Pulsoterapia / terapia imunológica intravenosa (por sessão) - ambulatorial AMB - HCO - PROCEDIMENTOS CLÍNICOS HOSPITALARES Avaliações / Acompanhamentos ( ) Acompanhamento clinico de transplante renal no periodo de internacao do receptor e do doador (posoperatorio ate 15 dias) HCO Cardioversao eletrica eletiva (avaliacao clinica, eletrocardiografica, indispensavel a desfibrilacao) AMB - HCO Rejeicao de enxerto renal - tratamento internado - avaliacao clinica diaria - por visita AMB - HCO Tratamento Conservador de traumatismo cranioencefalico, hipertensao intracraniana e hemorragia (por dia) AMB - HCO Avaliacao clinica diaria enteral HCO Avaliacao clinica diaria parenteral HCO

18 Avaliacao clinica diaria parenteral e enteral HCO - Monitorizações ( ) Cardiotocografia anteparto AMB - HCO Cardiotocografia intraparto (por hora) ate 6 horas externa AMB - HCO Monitorizacao hemodinamica invasiva (por 12 horas) HCO Monitorizacao neurofisiologica intra-operatoria HCO Potencial evocado intra-operatorio - monitorizacao cirurgica (PE/IO) HCO Monitorizacao da pressao intracraniana (por dia) HCO - Reabilitações - Sessões ( ) Assistencia fisiatrica respiratoria em paciente internado com ventilacao mecanica AMB - HCO Assistencia fisiatrica respiratoria em doente clinico internado AMB - HCO - Terapêutica ( ) Cardioversao eletrica de emergencia AMB - HCO Cardioversao quimica de arritmia paroxistica em emergencia AMB - HCO Priapismo - tratamento nao cirurgico AMB - HCO Terapia oncologica com aplicacao intra-arterial de medicamentos, em regime de aplicacao peroperatoria, por meio de cronoinfusor ou perfusor extra corporea HCO Pulsoterapia / terapia imunológica intravenosa (por sessão) - hospitalar AMB - HCO - 19

19 CAPÍTULO 3 - PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS E INVASIVOS PELE E TECIDO CELULAR SUBCUTÂNEO / ANEXOS Procedimentos ( ) Apendice pre auricular - resseccao Autonomizacao de retalho - por estagio HCO Biopsia de pele, tumores superficiais, tecido celular subcutaneo, linfonodo superficial, etc AMB - HCO Biopsia de unha AMB - HCO Calosidade e/ou mal perfurante - desbastamento (por Lesao) AMB - HCO Cauterizacao quimica (por grupo de ate 5 lesoes) AMB - HCO Cirurgia da Hidrosadenite ( por regiao) HCO Correcao cirurgica de linfedema (por estagio) HCO Correcao cirurgica de sequelas de alopecia traumatica com microenxertos pilosos ( por regiao) HCO Correcao de deformidades por exerese de tumores, cicatrizes ou ferimentos com o emprego de expansores em retalhos musculares ou miocutaneos (por estagio) HCO - Correcao de deformidades por exerese de tumores, cicatrizes ou ferimentos com o emprego de expansores em retalhos cutaneo (por estagio) HCO - HCO Somente Correcao de lipodistrofia braquial, crural ou trocanteriana de membros superiores e inferiores Criocirurgia (nitrogenio liquido) de neoplasias cutaneas AMB - HCO Curativo de queimaduras - por unidade topografica (UT) ambulatorial AMB - HCO Curativo de queimaduras - por unidade topografica (UT) hospitalar AMB - HCO Curativo especial sob anestesia - por unidade topografica (UT) HCO Curetagem e eletrocoagulacao de CA de pele (por Lesao) AMB - HCO Curetagem simples de lesoes de pele (por grupo de ate 5 lesoes) AMB - HCO Dermoabrasao de lesoes cutaneas Dermolipectomia para correcao de abdomen em avental HCO - DUT Desbridamento cirurgico - por unidade topografica (UT) AMB - HCO Eletrocoagulacao de lesoes de pele e mucosas - com ou sem curetagem (por grupo de ate 5 lesoes) AMB - HCO Enxerto cartilaginoso HCO Enxerto composto HCO Enxerto de mucosa HCO Enxerto de pele (homoenxerto inclusive) HCO Enxerto de pele multiplo - por unidade topografica (UT) HCO Escalpo parcial - tratamento cirúrgico HCO Escalpo total - tratamento cirurgico HCO Escarotomia descompressiva (pele e estruturas profundas) - por unidade topografica (UT) Exerese de higroma cistico HCO Exerese de higroma cistico no RN e lactente HCO Exerese de Lesao com auto-enxertia AMB - HCO Exérese e sutura de lesões (circulares ou não) com rotação de retalhos cutâneos AMB - HCO Exerese de tumor de pele e mucosas AMB - HCO Exerese de tumor e rotacao de retalho musculo-cutaneo AMB - HCO Exerese de unha AMB - HCO Exerese e sutura simples de pequenas lesoes, grupo de ate 5 lesoes AMB - HCO Expansao tissular (por sessao) HCO Extensos ferimentos, cicatrizes ou tumores - excisao e retalhos cutaneos da regiao HCO Extensos ferimentos, cicatrizes ou tumores - exerese e emprego de retalhos cutaneos ou musculares cruzados (por estagio) HCO Extensos ferimentos, cicatrizes ou tumores - exérese e retalhos cutâneos à distância HCO Extensos ferimentos, cicatrizes ou tumores - exerese e rotacao de retalho fasciocutaneo ou axial HCO Extensos ferimentos, cicatrizes ou tumores - exerese e rotacao de retalhos miocutaneos HCO Extensos ferimentos, cicatrizes ou tumores - exerese e rotacao de retalhos musculares HCO Extensos ferimentos, cicatrizes, ou tumores - exerese e enxerto cutaneo HCO Face - Biopsia AMB - HCO Ferimentos imfectados e mordidas de animais (desbridamento) 20

20 Incisão e drenagem de tenossinovites purulentas OD Incisao e drenagem de abscesso, hematoma ou panaricio OD Incisao e drenagem de flegmao OD Infiltracao intralesional, cicatricial e hemangiomas - por sessao AMB - HCO Matricectomia por dobra inguenal Plastica em Z ou W AMB - HCO Reconstrucao com retalhos de galea aponeurotica HCO Retalho composto (incluindfo cartilagem ou osso) HCO Retalho local ou regional HCO Retalho muscular ou miocutaneo HCO Retirada de corpo estranho subcutaneo AMB - HCO Retracao cicatricial de axila - tratamento cirurgico HCO Retracao cicatricial de zona de flexao e extensao de membros superiores e inferiores HCO Retracao cicatricial do cotovelo - tratamento cirurgico HCO Retracao de aponevrose palmar (Dupuytren) HCO Sutura de extensos ferimentos com ou sem desbridamento AMB - HCO Sutura de pequenos ferimentos com ou sem desbridamento AMB - HCO Transeccao de retalho HCO Transferencia intermediaria de retalho HCO Tratamento cirurgico de bridas constrictivas HCO Tratamento cirurgico de grandes hemangiomas HCO Tratamento da miiase furunculoide (por Lesao) AMB - HCO Tratamento de escaras ou ulceracoes com enxerto de pele HCO Tratamento de escaras ou ulceracoes com retalhos cutaneos locais HCO Tratamento de escaras ou ulceracoes com retalhos miocutaneos ou musculares HCO Tratamento de fistula cutanea HCO TU parte moles - exerese HCO Exérese e sutura de hemangioma, linfangioma ou nevus (por grupo de até 5 lesões) HCO Abscesso de unha (drenagem) - tratamento cirurgico AMB - HCO Cantoplastia ungueal AMB - HCO Unha (enxerto) - tratamento cirurgico AMB - HCO - CABEÇA E PESCOÇO Lábio ( ) Biopsia de labio DUT - OD Excisao com plastica de vermelhao HCO Excisao com reconstrucao a custa de retalhos HCO Excisao com reconstrucao total HCO Excisao em cunha AMB - HCO Frenotomia labial OD Queiloplastia para fissura labial unilateral - por estagio HCO Reconstrucao de sulco gengivo-labial HCO Reconstrucao total do labio HCO Tratamento cirurgico da macrostomia HCO Tratamento cirurgico da microstomia HCO - Boca ( ) Alongamento cirurgico do palato mole HCO Biopsia de boca DUT - OD Excisao de Lesao maligna com reconstrucao a custa de retalhos locais HCO Excisao de tumor de boca com mandibulectomia HCO Exerese de tumor e enxerto cutaneo ou mucoso HCO Fistula orofacial - tratamento cirurgico HCO Glossectomia subtotal ou total, com ou sem mandibulectomia HCO Palato-queiloplastia unilateral HCO Palatoplastia com enxerto osseo HCO Palatoplastia com retalho faringeo HCO Palatoplastia com retalho miomucoso HCO - 21

PROCEIDMENTOS GERAIS - CONSULTAS - REMOÇÃO / ACOMPANHAMENTO DE PACIENTE PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - OUTROS

PROCEIDMENTOS GERAIS - CONSULTAS - REMOÇÃO / ACOMPANHAMENTO DE PACIENTE PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - OUTROS Código SUGRUPO 10101004 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - CONSULTA 10102000 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - VISITAS 10103007 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - RECÉM-NASCIDO 10104003 PROCEDIMENTOS

Leia mais

REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2017 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS

REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2017 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2017 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS Código Procedimento Autorização Prévia Valor 2.01.03.00-0

Leia mais

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesucol@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

CONSULTAS, VISITAS HOSPITALARES OU ACOMPANHAMENTO DE PACIENTES PROCEDIMENTOS GERAIS PROCEDIMENTOS GERAIS HCO HSO

CONSULTAS, VISITAS HOSPITALARES OU ACOMPANHAMENTO DE PACIENTES PROCEDIMENTOS GERAIS PROCEDIMENTOS GERAIS HCO HSO Nota: Tabela com indicativo de Correlação (Sim/Não) entre as Tabelas de Terminologia de Procedimentos e Eventos em Saúde v3.02 (2016.01) e o Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde RN nº 387/2015. As indicações

Leia mais

Plano de Ensino da Disciplina

Plano de Ensino da Disciplina Plano de Ensino da Disciplina Disciplina: Anatomia Aplicada à Fonoaudiologia I Código da disciplina: MOF019 Classificação: Obrigatória Período do Curso: 1º período N.º de créditos: 03 créditos Carga horária:

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina CBI118 Anatomia Humana

Programa Analítico de Disciplina CBI118 Anatomia Humana Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina Campus Rio Paranaíba - Campus Rio Paranaíba Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal

Leia mais

Tabelas de Exames RESSONÂNCIA.

Tabelas de Exames RESSONÂNCIA. RESSONÂNCIA 41101014 RM - Crânio (encéfalo) 41101022 RM - Sela túrcica (hipófise) 41101030 RM - Base do crânio 41101049 Estudo funcional (mapeamento cortical por RM) 41101057 Perfusão cerebral por RM 41101065

Leia mais

Sumário. CAPÍTULO 1 Tecido Epitelial 1. CAPÍTULO 2 Tecido Conectivo 11. CAPÍTULO 3 Tecido Adiposo 25. CAPÍTULO 4 Cartilagem 31. CAPÍTULO 5 Osso 41

Sumário. CAPÍTULO 1 Tecido Epitelial 1. CAPÍTULO 2 Tecido Conectivo 11. CAPÍTULO 3 Tecido Adiposo 25. CAPÍTULO 4 Cartilagem 31. CAPÍTULO 5 Osso 41 Sumário CAPÍTULO 1 Tecido Epitelial 1 PRANCHA 1 Epitélios simples pavimentoso e cúbico 2 PRANCHA 2 Epitélios simples cilíndrico e pseudoestratificado 4 PRANCHA 3 Epitélios estratificados 6 PRANCHA 4 Epitélio

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina VET107 Anatomia e Fisiologia Animal

Programa Analítico de Disciplina VET107 Anatomia e Fisiologia Animal Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Veterinária - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas:

Leia mais

Campus de Botucatu PLANO DE ENSINO. DOCENTE RESPONSÁVEL : Profa. Dra. Selma Maria Michelin Matheus (B/L)

Campus de Botucatu PLANO DE ENSINO. DOCENTE RESPONSÁVEL : Profa. Dra. Selma Maria Michelin Matheus (B/L) PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO CURSO: Ciências Biológicas MODALIDADE: ( x ) Bacharelado (x ) Licenciatura DISCIPLINA: Anatomia Geral e Comparada ( x ) OBRIGATÓRIA DO NÚCLEO COMUM ÁREA COMPLEMENTAR: (

Leia mais

Nome RA. Introdução ao Estudo da Anatomia Humana

Nome RA. Introdução ao Estudo da Anatomia Humana Introdução ao Estudo da Anatomia Humana 1) È um dos fatores gerais de variação anatômica 2) Segmento do membro inferior 3) Plano de secção que divide o corpo em duas porções laterais exatamente iguais

Leia mais

Código TUSS Tab 22. Tabela 22 - Terminologia de Procedimentos e Eventos em Saúde (TUSS) v3.02 _

Código TUSS Tab 22. Tabela 22 - Terminologia de Procedimentos e Eventos em Saúde (TUSS) v3.02 _ Nota: Tabela com indicativo de entre as Tabelas de Terminologia de Procedimentos e Eventos em Saúde v3.02 (2016.01) e o Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde RN nº 387/2015. As indicações constantes

Leia mais

Exames Complementares de Diagnóstico RADIOLOGIA - RADIOLOGIA CONVENCIONAL. Convenção n.º 19/2016, de 05 de agosto de Entidades Convencionadas

Exames Complementares de Diagnóstico RADIOLOGIA - RADIOLOGIA CONVENCIONAL. Convenção n.º 19/2016, de 05 de agosto de Entidades Convencionadas Exames Complementares de Diagnóstico RADIOLOGIA - RADIOLOGIA CONVENCIONAL Convenção n.º 19/2016, de 05 de agosto de 2016 Entidades Convencionadas Designação Morada Valências Contactos CAL - Clínica do

Leia mais

Lista de Procedimentos e Preços - LPP - CEMIG SAÚDE

Lista de Procedimentos e Preços - LPP - CEMIG SAÚDE CAPÍTULO 1 - PROCEDIMENTOS GERAIS CONSULTAS - 1.01.00.00-8 CONSULTAS (1.01.01.00-4) Autorização Código Procedimento Incidênci a Filme Auxiliar Porte Valor Anestésico Porte Peso Qte Uco Uco Filme Valor

Leia mais

Sumário. Estrutura e Desenvolvimento Embrionário dos Sistemas de Órgãos

Sumário. Estrutura e Desenvolvimento Embrionário dos Sistemas de Órgãos Estrutura e Desenvolvimento Embrionário dos Sistemas de Órgãos Sistemas de Órgãos e Desenvolvimento das Cavidades Corporais Sistema Urinário.. Visão Geral............................................ 0

Leia mais

Introdução. 1 Tórax. 2 Abdome. 3 Pelve e Períneo. 4 Dorso. 5 Membro Inferior. 6 Membro Superior. 7 Cabeça. 8 Pescoço. 9 Nervos Cranianos

Introdução. 1 Tórax. 2 Abdome. 3 Pelve e Períneo. 4 Dorso. 5 Membro Inferior. 6 Membro Superior. 7 Cabeça. 8 Pescoço. 9 Nervos Cranianos Introdução 1 Tórax 2 Abdome 3 Pelve e Períneo 4 Dorso 5 Membro Inferior 6 Membro Superior 7 Cabeça 8 Pescoço 9 Nervos Cranianos Sumário Introdução à Anatomia Orientada para a Clínica, 1 MÉTODOS PARA O

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Anatomia humana de estruturas reunidas em um mesmo território anatômico e suas representações em exames de imagem normais.

PLANO DE ENSINO. Anatomia humana de estruturas reunidas em um mesmo território anatômico e suas representações em exames de imagem normais. NOME: ANATOMIA TOPOGRÁFICA E IMAGEM Código: IMA002 Carga horária: 120 HORAS-AULA (30 HORAS TEÓRICAS E 90 HORAS PRÁTICAS) Créditos: 08 Período do curso: 4 PERÍODO Pré-requisitos: FIB040 EMENTA PLANO DE

Leia mais

Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex

Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex 1 2 Módulo I: 3 BBPM Aparelho Cardiorrespiratório 4

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado e Licenciatura em Educação Física Disciplina: Anatomia Humana Professor: Rafaell Batista Pereira Código: SAU00 Carga Horária: 80 h/aulas Créditos:

Leia mais

Programa para Seleção Clínica Cirúrgica e Obstetrícia de Pequenos Animais

Programa para Seleção Clínica Cirúrgica e Obstetrícia de Pequenos Animais Programa para Seleção Clínica Cirúrgica e Obstetrícia de Pequenos Animais - Princípios cirúrgicos básicos: assepsia/antissepsia; pré, trans e pós-operatório; instrumentação cirúrgica; fundamentos em esterilização

Leia mais

AMIL SAÚDE PARA EMPRESAS Tabelas de preços 30 a 99 vidas. Tabela de preços 30 a 99 vidas plano com coparticipação

AMIL SAÚDE PARA EMPRESAS Tabelas de preços 30 a 99 vidas. Tabela de preços 30 a 99 vidas plano com coparticipação AMIL SAÚDE PARA EMPRESAS Tabelas de preços 30 a 99 vidas Julho 2016 Amil 400 Amil 400 Amil 500 Amil 700 Faixa Etária Enfermaria Apartamento Apartamento Apartamento 00 a 18 anos 202,75 230,51 254,40 314,64

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MORFOLOGIA E GENÉTICA. Calendário

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MORFOLOGIA E GENÉTICA. Calendário UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MORFOLOGIA E GENÉTICA Calendário - 2014 1º e 2º semestres Curso: MEDICINA Unidade Curricular: AS BASES MORFOLÓGICAS DA MEDICINA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MORFOLOGIA E GENÉTICA. Calendário

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MORFOLOGIA E GENÉTICA. Calendário UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MORFOLOGIA E GENÉTICA Calendário - 2016 1º e 2º semestres Curso: MEDICINA Unidade Curricular: AS BASES MORFOLÓGICAS DA MEDICINA

Leia mais

Atendimento ao recém-nascido em sala de parto (parto normal ou operatório de baixo risco)

Atendimento ao recém-nascido em sala de parto (parto normal ou operatório de baixo risco) Código Descrição QTD 000 Consulta em consultório (no horário normal ou preestabelecido) 00039 Consulta em pronto socorro 0009 Visita hospitalar (paciente internado) 5 00305 Atendimento ao recém-nascido

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FICHA DE DISCIPLINA CH TOTAL TEÓRICA: OBJETIVOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FICHA DE DISCIPLINA CH TOTAL TEÓRICA: OBJETIVOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FICHA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Anatomia Humana CÓDIGO: UNIDADE ACADÊMICA: Instituto de Ciências Biomédicas PERÍODO:

Leia mais

TUSS. (Terminologia Unificada em Saúde Suplementar) (COMPATÍVEL COM O ROL RN 211)

TUSS. (Terminologia Unificada em Saúde Suplementar) (COMPATÍVEL COM O ROL RN 211) TUSS (Terminologia Unificada em Saúde Suplementar) (COMPATÍVEL COM O ROL 2010 - RN 211) TRABALHO COORDENADO E PRODUZIDO PELO DR. AMILCAR MARTINS GIRON, PRESIDENTE DA CÂMARA TÉCNICA PERMANENTE DA CBHPM

Leia mais

TABELA DE PREÇOS DE EXAMES PARTICULARES

TABELA DE PREÇOS DE EXAMES PARTICULARES CARDIOLOGIA 20010010 ELETROCARDIOGRAMA - ECG R$ 177,00 20010028 TESTE ERGOMÉTRICO R$ 353,00 20010141 ECODOPPLERCARDIOGRAMA R$ 412,00 20010052 HOLTER 24 HORAS R$ 412,00 20020058 MAPA 24 HORAS R$ 412,00

Leia mais

Plano de Saúde Amil Empresarial ou PME

Plano de Saúde Amil Empresarial ou PME AMIL SAÚDE PARA EMPRESAS Tabelas 02 a 29 vidas Amil Saúde 400, 500, 700 para 02 a 29 vidas AMIL SAÚDE PARA EMPRESAS QUEM PODE SER DEPENDENTE = DEPENDENTES LEGAIS ATÉ O TERCEIRO GRAU DE PARENTESCO LIMITADOS

Leia mais

UNINOVE Nome da Disciplina Ano Turma

UNINOVE Nome da Disciplina Ano Turma UNINOVE Nome da Disciplina Ano Turma Medicina Bases Morfológicas da Medicina I 2013-2 2 Semestre Docentes Alex, Andrea, Karine, Renato, Richard e Suely Dias 2º, 3º Manhã 4º, 6º Tarde Data Horário Assunto

Leia mais

PROGRAMA DE COMPONENTE CURRICULAR

PROGRAMA DE COMPONENTE CURRICULAR U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O R E C Ô N C A V O D A B A H I A CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS, AMBIENTAIS E BIOLÓGICAS COORDENAÇÃO ACADÊMICA FORMULÁRIO R0092 PROGRAMA DE COMPONENTE CURRICULAR COMPONENTE

Leia mais

ANEXO PT/SAS/MS Nº 143 DE 13 DE MAIO DE 2009 GRUPO II GRUPO III

ANEXO PT/SAS/MS Nº 143 DE 13 DE MAIO DE 2009 GRUPO II GRUPO III ANEXO PT/SAS/MS Nº 143 DE 13 DE MAIO DE 2009 GRUPO II 0209030011 - HISTEROSCOPIA CIRÚRGICA Nome: HISTEROSCOPIA CIRÚRGICA 0209040017 - BRONCOSCOPIA (BRONCOFIBROSCOPIA) CBO: 223120 0301010170 - CONSULTA/AVALIAÇÃO

Leia mais

CONSENTIMENTO INFORMADO PARA PIELOLITOTOMIA VIDEOLAPAROSCÓPICA (CALCULOSE RENAL).

CONSENTIMENTO INFORMADO PARA PIELOLITOTOMIA VIDEOLAPAROSCÓPICA (CALCULOSE RENAL). CONSENTIMENTO INFORMADO PARA PIELOLITOTOMIA VIDEOLAPAROSCÓPICA (CALCULOSE RENAL). Eu, abaixo assinado, autorizo o Dr....e/ou os seus assistentes a realizar uma PIELOLITOTOMIA VIDEOLAPAROSCÓPICA (remoção

Leia mais

Listagem de Valores do Convênio Data: 24/08/ Hora: 17:59 - Pág. 1

Listagem de Valores do Convênio Data: 24/08/ Hora: 17:59 - Pág. 1 Listagem de Valores do Convênio Data: 24/08/2015 - Hora: 17:59 - Pág. 1 Plano ASSEMA Setor DENSITOMETRIA OSSEA CB300 40808122 DENSITOMETRIA OSSEA - 1 SEGMENTO R$ 39,60 R$ 71,93 R$ 0,00 R$ 111,53 CB301

Leia mais

TÉCNICO EM ANATOMIA E NECRÓPSIA

TÉCNICO EM ANATOMIA E NECRÓPSIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO Hospital Universitário TÉCNICO EM ANATOMIA E NECRÓPSIA Parte I: Múltipla Escolha Hospital Universitário

Leia mais

Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex

Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Módulo I: Aparelho

Leia mais

FACULDADE DE ENFERMAGEM NOVA ESPERANÇA/FACENE

FACULDADE DE ENFERMAGEM NOVA ESPERANÇA/FACENE 1 PLANO DE CURSO PRIMEIRO SEMESTRE DULO: Morfologia Humana PERÍODO: 2016.2 TOTAL DE CRÉDITOS: 06 CARGA HORÁRIA: 120 horas/aula TEÓRICAS: 60 PRÁTICAS: 60 PROFESSORAS: Luzia Sandra Moura Moreira Waléria

Leia mais

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA Nº 12/2015

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA Nº 12/2015 RESOLUÇÃO DA DIRETORIA Nº 12/2015 A Diretoria Administrativa do Consórcio Público Intermunicipal de Saúde do Norte Pioneiro - CISNORPI, no uso de suas atribuições legais, resolve: Regulamentar o Credenciamento

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE 206/2002 D.O.U. 29/01/2002 ORGANIZAÇÃO SETE DE SETEMBRO DE CULTURA E ENSINO LTDA CNPJ:

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE 206/2002 D.O.U. 29/01/2002 ORGANIZAÇÃO SETE DE SETEMBRO DE CULTURA E ENSINO LTDA CNPJ: FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE Credenciada pela Portaria/MEC nº 206/2002 D.O.U. 29/01/2002 ORGANIZAÇÃO SETE DE SETEMBRO DE CULTURA E ENSINO LTDA CNPJ: 03.866.544/0001-29 e Inscrição Municipal nº 005.312-3

Leia mais

One Health, o mais moderno e exclusivo plano de saúde já feito no Brasil.

One Health, o mais moderno e exclusivo plano de saúde já feito no Brasil. One Health, o mais moderno e exclusivo plano de saúde já feito no Brasil. Tabela de Vendas Nacional* Junho 2017 *Exceto BA e MA. Comparativo Lincx LT3 Lincx LT4 Black T2 Black T3 Black T4 Black T5 Abrangência

Leia mais

Universidade Federal do Pampa Campus Itaqui Curso de Nutrição Anatomia Humana. Sistema esquelético. Profa. Dra. Silvana Boeira

Universidade Federal do Pampa Campus Itaqui Curso de Nutrição Anatomia Humana. Sistema esquelético. Profa. Dra. Silvana Boeira Universidade Federal do Pampa Campus Itaqui Curso de Nutrição Anatomia Humana Sistema esquelético Profa. Dra. Silvana Boeira É composto por ossos e (articulações). É constituído por um total de 206 ossos.

Leia mais

Resolução CNRM Nº 11, de 10 de agosto de 2005

Resolução CNRM Nº 11, de 10 de agosto de 2005 Resolução CNRM Nº 11, de 10 de agosto de 2005 Dispõe sobre conteúdos do Programa de Residência Médica de Cirurgia Geral e Cirurgia Geral Programa Avançado. O Presidente da Comissão Nacional de Residência

Leia mais

Nome: 1- FAÇA um desenho de uma célula, identificando as suas partes. a) DESCREVA a função de cada uma das partes da célula.

Nome: 1- FAÇA um desenho de uma célula, identificando as suas partes. a) DESCREVA a função de cada uma das partes da célula. Atividade de Estudo - Ciências 5º ano Nome: 1- FAÇA um desenho de uma célula, identificando as suas partes. a) DESCREVA a função de cada uma das partes da célula. b) Podemos afirmar que todas as células

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina CBF220 Anatomia Humana

Programa Analítico de Disciplina CBF220 Anatomia Humana Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina Campus de Florestal - Campus de Florestal Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal Períodos

Leia mais

One Health, o mais moderno e exclusivo plano de saúde já feito no Brasil.

One Health, o mais moderno e exclusivo plano de saúde já feito no Brasil. One Health, o mais moderno e exclusivo plano de saúde já feito no Brasil. Tabela de Vendas Nacional Fevereiro 2017 Comparativo Lincx LT3 Lincx LT4 Black T2 Black T3 Black T4 Black T5 Abrangência Nacional

Leia mais

Lâminas Histológicas Caixa Nº 01 Quantidade lâmina

Lâminas Histológicas Caixa Nº 01 Quantidade lâmina Lâminas Histológicas Caixa Nº 01 Quantidade lâmina 01 Carcinoma Espino celular 02 Carcinoma Espino celular 03 Carcinoma Espino celular 04 Carcinoma Espino celular 05 Carcinoma Espino celular 06 Apendicite

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO Código Unidade 040 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso Etapa Sem. / Ano Ciências Biológicas 1º 1º

Leia mais

Aortografia abdominal por punção translombar Angiografia por cateterismo não seletivo de grande vaso

Aortografia abdominal por punção translombar Angiografia por cateterismo não seletivo de grande vaso 40812006 PROCEDIMENTOS DIAGNÓSTICOS E TERAPÊUTICOS (MÉTODOS DIAGNOS 40812014 Aortografia abdominal por punção translombar 40812022 Angiografia por punção 40812030 Angiografia por cateterismo não seletivo

Leia mais

DISCIPLINA DE OTORRINOLARINOGOLOGIA UNESP- BOTUCATU

DISCIPLINA DE OTORRINOLARINOGOLOGIA UNESP- BOTUCATU TRAQUEOTOMIA Profa Livre Docente Regina H. Garcia Martins DISCIPLINA DE OTORRINOLARINOGOLOGIA UNESP- BOTUCATU Unesp TRAQUEOTOMIA X TRAQUEOSTOMIA INDICAÇÕES DE TRAQUEOTOMIA DESOBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS

Leia mais

SUMÁRIO A...4 C...4 D... 6 E... 6 G... 6 H...7 I...7 M...7 N... 8 O... 8 P... 8 Q... 9 R... 9 T... 9 U...10

SUMÁRIO A...4 C...4 D... 6 E... 6 G... 6 H...7 I...7 M...7 N... 8 O... 8 P... 8 Q... 9 R... 9 T... 9 U...10 GLOSSÁRIO CLIENTE INTRODUÇÃO Este glossário foi desenvolvido pela Unimed Vale do Sinos com o objetivo de aproximar o cliente e a comunidade da cooperativa, por meio de esclarecimentos de diversos conceitos

Leia mais

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Profa Dra Sandra Zeitoun UNIP

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Profa Dra Sandra Zeitoun UNIP DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Profa Dra Sandra Zeitoun UNIP TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA A neurociência teve que esperar mais de 70 anos, até que aparecesse um método de imagens por raios X que realmente fosse

Leia mais

ORGANOGÊNESE FASE EMBRIONÁRIA

ORGANOGÊNESE FASE EMBRIONÁRIA ORGANOGÊNESE FASE EMBRIONÁRIA ORGANOGÊNESE (organo: organismo e gênese: origem) Importância: embrião. A maior parte do desenvolvimento dos órgãos: (varia com a espécie) Ao final deste período: Principais

Leia mais

Turma(s): C11, C12, C13, C14, C21, C22, C23, C24, D11, D12, D13, D14, D21, D22, D23, D24

Turma(s): C11, C12, C13, C14, C21, C22, C23, C24, D11, D12, D13, D14, D21, D22, D23, D24 AULA n.º: 1 Dia 23-02-2015 das 14:00 às 17:00 Bárbara Luisa Cardoso de Almeida Leitão Apresentação e introdução à unidade curricular : Humana o que é e como estudá-la. Organização da disciplina, suas normas

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO CORPO HUMANO e CARACTERÍSTICAS DO SERES VIVOS

EXERCÍCIOS DE REVISÃO CORPO HUMANO e CARACTERÍSTICAS DO SERES VIVOS Componente Curricular: Biologia Professor: Leonardo Francisco Stahnke Alunos: Turma: Data: / /2017 EXERCÍCIOS DE REVISÃO CORPO HUMANO e CARACTERÍSTICAS DO SERES VIVOS 1. Diferencie população e comunidade.

Leia mais

One Health, o mais moderno e exclusivo plano de saúde já feito no Brasil. Tabela de Vendas Nacional

One Health, o mais moderno e exclusivo plano de saúde já feito no Brasil. Tabela de Vendas Nacional One Health, o mais moderno e exclusivo plano de saúde já feito no Brasil. Tabela de Vendas Nacional Outubro 2016 Comparativo de Planos* Lincx LT3 Lincx LT4 Black T2 Black T3 Black T4 Black T5 Abrangência

Leia mais

MAMÍFEROS. 15 Sistema Poliedro de Ensino Professora Giselle Cherutti

MAMÍFEROS. 15 Sistema Poliedro de Ensino Professora Giselle Cherutti MAMÍFEROS Capítulo 15 Sistema Poliedro de Ensino Professora Giselle Cherutti CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MAMÍFEROS Aquáticos: Habitat: Mamíferos podem ser terrestres: Único mamífero que voa: Pelos Estratificada

Leia mais

Sumário. 1. Visão geral da enfermagem materna Famílias e comunidades Investigação de saúde do paciente recém nascido...

Sumário. 1. Visão geral da enfermagem materna Famílias e comunidades Investigação de saúde do paciente recém nascido... Sumário Parte I Papéis e relacionamentos 1. Visão geral da enfermagem materna...23 O processo de enfermagem...25 Planejamento familiar...26 Gestação na infância ou na adolescência...26 Gestação após os

Leia mais

CUIDADOS COM CATETERES E SONDAS

CUIDADOS COM CATETERES E SONDAS FACULDADE UNIGRAN CAPITAL TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA PRINCÍPIOS E TÉCNICAS DA ENFERMAGEM CUIDADOS COM CATETERES E SONDAS ACESSO VENOSO PERIFÉRICO Definido como acesso ao sistema venoso sistêmico por punção

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE 1 - À concepção do Sistema Único de Saúde (SUS), regulado pelo poder do Estado, corresponde: a) uma noção autoritária de p

POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE 1 - À concepção do Sistema Único de Saúde (SUS), regulado pelo poder do Estado, corresponde: a) uma noção autoritária de p PREFEITURA MUNICIPAL DE NITERÓI FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE AUXILIAR DE NECROPSIA INSTRUÇÕES: Você receberá do fiscal: um caderno de questões e um cartão de respostas personalizado. As páginas do caderno

Leia mais

Associação de Caridade Santa Casa do Rio Grande Contrato Secretaria da Saúde do Estado do Rio Grande do Sul

Associação de Caridade Santa Casa do Rio Grande Contrato Secretaria da Saúde do Estado do Rio Grande do Sul Associação de Caridade Santa Casa do Rio Grande Contrato 2014-2015 Secretaria da Saúde do Estado do Rio Grande do Sul METAS - CONTRATO Nº 338 FIRMADO COM O SUS VIGÊNCIA: 14/AGO/2014 A 14/AGO/2015 Área

Leia mais

Transmissão da Vida Bases morfológicas e fisiológicas da reprodução 1.2. Noções básicas de hereditariedade. Ciências Naturais 9ºano

Transmissão da Vida Bases morfológicas e fisiológicas da reprodução 1.2. Noções básicas de hereditariedade. Ciências Naturais 9ºano Ciências Naturais 9ºano Transmissão da Vida 1.1. Bases morfológicas e 1.2. Noções básicas de hereditariedade A transmissão da Vida assegura a continuidade e a variabilidade da espécie humana. É assegurada

Leia mais

TABELA DE CÓDIGOS DE PROCEDIMENTOS

TABELA DE CÓDIGOS DE PROCEDIMENTOS TABELA DE CÓDIGOS DE PROCEDIMENTOS Central de Atendimento: 41 3362.3111 solicite através do site: /solicite- RESSONÂNCIA MAGNÉTICA 41101014 36010014 RM de crânio Crânio (encéfalo) 41101022 36010014 RM

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina BAN210 Anatomia Humana

Programa Analítico de Disciplina BAN210 Anatomia Humana Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina BAN10 Anatomia Humana Departamento de Biologia Animal - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: Teóricas Práticas

Leia mais

Centro Hospitalar de Hospital São João, EPE. João Rocha Neves Faculdade de Medicina da UP CH - Hospital São João EPE

Centro Hospitalar de Hospital São João, EPE. João Rocha Neves Faculdade de Medicina da UP CH - Hospital São João EPE Centro Hospitalar de Hospital São João, EPE João Rocha Neves Faculdade de Medicina da UP CH - Hospital São João EPE Doença carotídea Doença arterial periférica Isquemia aguda Estenose da artéria renal

Leia mais

Conceitos da Avaliação Inicial Rápida inspeção primária Reanimação Suplementação da inspeção primária/ reanimação Inspeção secundária detalhada Suplem

Conceitos da Avaliação Inicial Rápida inspeção primária Reanimação Suplementação da inspeção primária/ reanimação Inspeção secundária detalhada Suplem Avaliação inicial do traumatizado SANTA CASA DE SÃO PAULO Conceitos da Avaliação Inicial Rápida inspeção primária Reanimação Suplementação da inspeção primária/ reanimação Inspeção secundária detalhada

Leia mais

DISFONIA. Justificativa Tipos N máximo de sessões Videolaringoscopia: é um exame

DISFONIA. Justificativa Tipos N máximo de sessões Videolaringoscopia: é um exame DISFONIA Justificativa Tipos N máximo de Videolaringoscopia: é um exame Disfonias Funcionais: São alterações realizado com anestesia tópica e permite uma detalhada avaliação da estrutura anatômica da hipofaringe

Leia mais

Provão. Ciências 5 o ano

Provão. Ciências 5 o ano Provão Ciências 5 o ano 41 A maioria das plantas apresenta a mesma formação, porém há plantas que possuem flores e frutos. Podemos então afirmar que as partes comuns entre todas as plantas são: a) frutos,

Leia mais

ROL DE PROCEDIMENTOS E EVENTOS EM SAÚDE Resolução Normativa - RN Nº 338, de 21 de outubro de 2013 e anexos

ROL DE PROCEDIMENTOS E EVENTOS EM SAÚDE Resolução Normativa - RN Nº 338, de 21 de outubro de 2013 e anexos ROL DE PROCEDIMENTOS E EVENTOS EM SAÚDE 2014 Resolução Normativa - RN Nº 338, de 21 de outubro de 2013 e anexos Atualizado em 25 de fevereiro de 2014 RADIOSCOPIA DIAGNÓSTICA AMB HCO HSO RADIOSCOPIA PARA

Leia mais

TRAUMA CERVICAL - IMPORTÂNCIA. área restrita. vários sistemas. experiência individual pequena FCMSCSP - AJG

TRAUMA CERVICAL - IMPORTÂNCIA. área restrita. vários sistemas. experiência individual pequena FCMSCSP - AJG TRAUMA CERVICAL IMPORTÂNCIA área restrita vários sistemas experiência individual pequena TRAUMA CERVICAL IMPORTÂNCIA Nº de lesões Mortalidade Guerra de Secessão (EUA) 4114 15% Guerra Espanhola Americana

Leia mais

ANEXO I - LISTA DE PROCEDIMENTOS MÉDICOS DA COPASS SAÚDE - LPC TUSS Vigência 01/08/2016

ANEXO I - LISTA DE PROCEDIMENTOS MÉDICOS DA COPASS SAÚDE - LPC TUSS Vigência 01/08/2016 CÓDIGO DESCRIÇÃO PROCEDIMENTO HONORÁRIOS MÉDICOS FILME - R$ 23,37 m² CUSTO OPERACIONAL AUX. Porte Peso R$ PA R$ INC FILME R$ UCO R$ Nº R$ TOTAL COBERTURA AMBULATORIAL AUTORI DUT ZAÇÃO 1.01.01.00-4 CONSULTAS

Leia mais

Relatório de Exames dos Laboratórios Totalizadores: Laboratório Filtros: Laboratório Entre 101 e 176

Relatório de Exames dos Laboratórios Totalizadores: Laboratório Filtros: Laboratório Entre 101 e 176 0 - CLINICA AOKI Consórcio Intermunicipal de Saúde AMUNPAR C.N.P.J.: 73.966.93/000-30 Totalizadores: Laboratório Filtros: Laboratório Entre 0 e 76 67 MONITORIZACAO AMBULATORIAL DE PRESSAO ARTERIAL (MAPA)

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DR JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA TRABALHO ESTUDOS INDEPENDENTES DE RECUPERAÇÃO RESOLUÇÃO SEE Nº 2.197, DE 26 DE OUTUBRO DE 2012

ESCOLA ESTADUAL DR JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA TRABALHO ESTUDOS INDEPENDENTES DE RECUPERAÇÃO RESOLUÇÃO SEE Nº 2.197, DE 26 DE OUTUBRO DE 2012 ESCOLA ESTADUAL DR JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA TRABALHO ESTUDOS INDEPENDENTES DE RECUPERAÇÃO RESOLUÇÃO SEE Nº 2.197, DE 26 DE OUTUBRO DE 2012 Aluno: Ano 2016 Atual:8ºAno Data : Matéria: Turno: Valor :30pontos

Leia mais

Educação Física 1ºs anos CAPACIDADES FÍSICAS

Educação Física 1ºs anos CAPACIDADES FÍSICAS Educação Física 1ºs anos CAPACIDADES FÍSICAS Capacidades Físicas são definidas como todo atributo físico treinável num organismo humano. Em outras palavras, são todas as qualidades físicas motoras passíveis

Leia mais

Como reconhecer uma criança criticamente enferma? Ney Boa Sorte

Como reconhecer uma criança criticamente enferma? Ney Boa Sorte Como reconhecer uma criança criticamente enferma? Ney Boa Sorte Passo 1 - Avaliar a criança Prevendo a parada cardiopulmonar A parada cardiopulmonar em lactentes e crianças raramente é um evento súbito!

Leia mais

6.3.5 Digestão nos Moluscos Digestão nos Anelídios Digestão nos Artrópodes Digestão nos Equinodermos

6.3.5 Digestão nos Moluscos Digestão nos Anelídios Digestão nos Artrópodes Digestão nos Equinodermos SUMÁRIO I Sistemas de Nutrição... 01 1 Noções Gerais Sobre Metabolismo... 01 1.1 Conceito... 01 1.2 Generalidades... 01 1.3 Metabolismo e Nutrição... 02 1.4 Divisão do Metabolismo... 02 1.4.1 Anabolismo...

Leia mais

Tabela de Honorários e Serviços Médicos (THSM)

Tabela de Honorários e Serviços Médicos (THSM) 10101012 CONSULTAS CONSULTAS CONSULTA EM CONSULTORIO (NO HORARIO NORMAL OU PREESTABELECIDO) N R$ 60,00 R$ 60,00 10101039 CONSULTAS CONSULTAS CONSULTA EM PRONTO SOCORRO N R$ 60,00 R$ 60,00 10102019 CONSULTAS

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COLUNA VERTEBRAL

AVALIAÇÃO DA COLUNA VERTEBRAL AVALIAÇÃO DA COLUNA VERTEBRAL COLUNA CERVICAL FUNÇÕES: Suporte e estabilidade à cabeça Dar mobilidade à cabeça Abrigar, conduzir e proteger a medula espinhal e a artéria vertebral INSPEÇÃO Postura Global

Leia mais

Cintilografia Óssea com 99mTc-MDP na suspeição do câncer de próstata.

Cintilografia Óssea com 99mTc-MDP na suspeição do câncer de próstata. Cintilografia Óssea com 99mTc-MDP na suspeição do câncer de próstata. Serviço de Medicina Nuclear e Imagem Molecular Hospital Universitário Antônio Pedro Universidade Federal Fluminense Autor Elisa Carla

Leia mais

Posições Cirúrgicas. Professor: Eunaldo Dias

Posições Cirúrgicas. Professor: Eunaldo Dias Posições Cirúrgicas Professor: Eunaldo Dias Posições do paciente para cirurgia ou posições cirúrgicas são aquelas em que o paciente é colocado após procedimento anestésico, para ser submetido a intervenção

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Histologia Especial Código da Disciplina: VET203 Curso: Medicina Veterinária Semestre de oferta da disciplina: 2 P Faculdade responsável: Medicina Veterinária Programa

Leia mais

12/04/2011. O que mata mais rápido em ordem de prioridade é:

12/04/2011. O que mata mais rápido em ordem de prioridade é: Regras Básicas de Primeiros Socorros Análise Primária Prof. Carlos Cezar I. S. Ovalle Frente ao acidente, não se desespere. Não movimente o paciente, salvo quando for absolutamente necessário. Use barreiras:

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS DA COBERTURA ADICIONAL INVALIDEZ PERMANENTE TOTAL OU PARCIAL POR ACIDENTE

CONDIÇÕES ESPECIAIS DA COBERTURA ADICIONAL INVALIDEZ PERMANENTE TOTAL OU PARCIAL POR ACIDENTE CONDIÇÕES ESPECIAIS DA COBERTURA ADICIONAL INVALIDEZ PERMANENTE TOTAL OU PARCIAL POR ACIDENTE 1 - OBJETIVO Esta Condição Especial integra as Condições Gerais do Plano de Pessoas da CENTAURO-ON e tem por

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 52-CEPE/UNICENTRO, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2015. Aprova o Curso de Especialização em Recursos Terapêuticos Manuais: Ênfase em Terapia Manual, modalidade modular, da UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Fisiologia Humana Sistema Nervoso. 3 ano - Biologia I 1 período / 2016 Equipe Biologia

Fisiologia Humana Sistema Nervoso. 3 ano - Biologia I 1 período / 2016 Equipe Biologia Fisiologia Humana Sistema Nervoso 3 ano - Biologia I 1 período / 2016 Equipe Biologia ! Função: processamento e integração das informações.! Faz a integração do animal ao meio ambiente! Juntamente com

Leia mais

Procedimento x CID Principal

Procedimento x CID Principal Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS Procedimento x CID Principal 03.01.07.010-5 ATENDIMENTO/ACOMPANHAMENTO

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PARA LAAFATE LIGA ACADÊMICA DE ANATOMIA HUMANA PROFº VALDIR GODOY DA FACULDADE ATENEU - LAAFATE

EDITAL DE SELEÇÃO PARA LAAFATE LIGA ACADÊMICA DE ANATOMIA HUMANA PROFº VALDIR GODOY DA FACULDADE ATENEU - LAAFATE EDITAL DE SELEÇÃO PARA LAAFATE 2017.2 LIGA ACADÊMICA DE ANATOMIA HUMANA PROFº VALDIR GODOY DA FACULDADE ATENEU - LAAFATE A LAAFATE Liga Acadêmica de Anatomia Humana Prof Valdir Godoy da Faculdade Ateneu:

Leia mais

RESULTADO DE AVALIAÇÕES DAS REUNIÕES PLENÁRIAS DO CEP - CESUMAR ATÉ O DIA 14/12/2012

RESULTADO DE AVALIAÇÕES DAS REUNIÕES PLENÁRIAS DO CEP - CESUMAR ATÉ O DIA 14/12/2012 RESULTADO DE AVALIAÇÕES DAS REUNIÕES PLENÁRIAS DO CEP - CESUMAR ATÉ O DIA 14/12/2012 NÃO ACEITO Nº CAAE TÍTULO DO PROJETO SITUAÇÃO 01 07303612.0.0000.5539 PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS E DA ATIVIDADE ELETROMIOGRÁFICA

Leia mais

Anatomia e funcionamento do aparelho locomotor

Anatomia e funcionamento do aparelho locomotor Anatomia e funcionamento do aparelho locomotor APARELHO LOCOMOTOR SISTEMA ESQUELÉTICO SISTEMA ARTICULAR SISTEMA MUSCULAR PASSIVO UNIÃO ATIVO Funções do esqueleto Sustentação; Proteção; Movimento; Homeostase

Leia mais

Fraturas e Luxações Prof Fabio Azevedo Definição Fratura é a ruptura total ou parcial da estrutura óssea 1 Fraturas Raramente representam causa de morte, quando isoladas. Porém quando combinadas a outras

Leia mais

Esplancnologia. Sentido restrito Digestivo Respiratório Urinário Genital masculino Genital feminino. Sentido lato Vascular endócrino

Esplancnologia. Sentido restrito Digestivo Respiratório Urinário Genital masculino Genital feminino. Sentido lato Vascular endócrino Esplancnologia Estudo das vísceras: órgãos internos ( splanchnon) Sentido restrito Digestivo Respiratório Urinário Genital masculino Genital feminino + Sentido lato Vascular endócrino Arquitetura funcional

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: Ciências Biológicas Disciplina: Anatomia Humana Código da Disciplina: 020.1110.7 Professor(es): Patricia Fiorino Carga horária: DRT:

Leia mais

Diapositivo 1. RL1 Raquel Lopes;

Diapositivo 1. RL1 Raquel Lopes; Biologia Humana 11º ano Escola Secundária Júlio Dinis Ovar BIOLOGIA HUMANA 11º ano TD Reprodução Humana??? raquelopes 09 raquelopes15@gmail.com RL1 Diapositivo 1 RL1 Raquel Lopes; 05-01-2009 Biologia Humana

Leia mais

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÓSTICA GRUPO 13 SUBGRUPO DEZEMBRO 2007 1 A ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÓSTICA CARACTERIZA-SE POR SER EXAME DE ALTA COMPLEXIDADE E ALTO CUSTO, PORTANTO DEVE

Leia mais

Tabela de Honorários e Serviços Médicos (THSM)

Tabela de Honorários e Serviços Médicos (THSM) 10101012 CONSULTAS CONSULTAS Em consultório - consulta médica N R$ 49,20 R$ 52,60 10101039 CONSULTAS CONSULTAS Em pronto socorro - consulta médica N R$ 49,20 R$ 52,60 10102019 CONSULTAS VISITAS Visita

Leia mais

[ESTUDO REFERENTE À ENCF - JOELHO]

[ESTUDO REFERENTE À ENCF - JOELHO] 2011 IMPOL Instrumentais e Implantes Samuel de Castro Bonfim Brito [ESTUDO REFERENTE À ENCF - JOELHO] Casos apresentados neste estudo foram operados e pertencem à Fundação Pio XII Hospital do Câncer de

Leia mais

ANATOMIA SISTÊMICA Profa.Ms. Marcelo Lima

ANATOMIA SISTÊMICA Profa.Ms. Marcelo Lima Sistema Cardiovascular ANATOMIA SISTÊMICA Profa.Ms. Marcelo Lima INTRODUÇÃO: CONCEITO: O sistema cardiovascular ou circulatório é formado por uma vasta rede de tubos, que põe em comunicação todas as partes

Leia mais

NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO DOS SERES VIVOS E PRINCIPAIS TIPOS DE TECIDOS

NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO DOS SERES VIVOS E PRINCIPAIS TIPOS DE TECIDOS NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO DOS SERES VIVOS E PRINCIPAIS TIPOS DE TECIDOS Profª MSc Monyke Lucena Átomos Compostos químicos Célula Tecidos Órgão Sistema Organismo Os animais apresentam diferentes tipos de tecidos,

Leia mais

COORDENADORIA GERAL DE CONCURSOS E PROCESSOS SELETIVOS

COORDENADORIA GERAL DE CONCURSOS E PROCESSOS SELETIVOS COORDENADORIA GERAL DE CONCURSOS E PROCESSOS SELETIVOS EDITAL Nº 076/2016-COGEPS DIVULGAÇÃO DOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS (PROGRAMA) PARA A PROVA DIDÁTICA DO 1º PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO

Leia mais

ANEURISMA CEREBRAL M A R I A D A C O N C E I Ç Ã O M. R I B E I R O

ANEURISMA CEREBRAL M A R I A D A C O N C E I Ç Ã O M. R I B E I R O ANEURISMA CEREBRAL M A R I A D A C O N C E I Ç Ã O M. R I B E I R O O aneurisma intracraniano (cerebral) representa a dilatação das paredes de uma artéria cerebral, que se desenvolve como resultado da

Leia mais

TABELA DE PROCEDIMENTOS SUS

TABELA DE PROCEDIMENTOS SUS TABELA DE PROCEDIMENTOS SUS QUIMIOTERAPIA PALIATIVA: 03.04.02.015-0 - Quimioterapia Paliativa do Carcinoma de Nasofaringe avançado (estádio IV C ou doença recidivada) C11.0, C11.1, C11.2, C11.3, C11.8,

Leia mais

23/08/2016 HÉRNIAS HÉRNIAS EM PEQUENOS ANIMAIS HÉRNIAS HÉRNIAS PARTES DE UMA HÉRNIA: CLASSIFICAÇÃO PARTES DE UMA HÉRNIA: DEFINIÇÃO:

23/08/2016 HÉRNIAS HÉRNIAS EM PEQUENOS ANIMAIS HÉRNIAS HÉRNIAS PARTES DE UMA HÉRNIA: CLASSIFICAÇÃO PARTES DE UMA HÉRNIA: DEFINIÇÃO: EM PEQUENOS ANIMAIS PROFA. MSC. ANALY RAMOS MENDES PARTES DE UMA HÉRNIA: DEFINIÇÃO: Saída de uma víscera de seu local de origem através de um anel herniário PARTES DE UMA HÉRNIA: Anel herniário Saco herniário:

Leia mais