O SENSOR MODIS E SUAS APLICAÇÕES AMBIENTAIS NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O SENSOR MODIS E SUAS APLICAÇÕES AMBIENTAIS NO BRASIL"

Transcrição

1 O SENSOR MODIS E SUAS APLICAÇÕES AMBIENTAIS NO BRASIL Organizadores: Bernardo F. T. Rudorff; Yosio E. Shimabukuro & Juan C. Ceballos

2 Prefácio - Getulio Teixeira Batista SENSOR MODIS APLICAÇÕES AMBIENTAIS Aplicações na Agricultura Aplicações no Meio Ambiente Aplicações na Hidrosfera Aplicações na Atmosfera Aplicações Socio-econômicas Projetos Operacionais

3 SENSOR MODIS 1. Histórico e descrição João Vianei Soares; Getulio T. Batista & Yosio E. Shimabukuro 2. Produtos para ecossistemas terrestres (MODLAND) Marcelo L. Latorre; Yosio E. Shimabukuro & Liana O. Anderson 3. Produtos para oceano (MOCEAN) Milton Kampel & João A. Lorenzzetti 4. Produtos para atmosfera (MODIS Atmosphere) Juan Carlos Ceballos 5. Pré-processamento Egídio Arai & Ramon Morais de Freitas 6. O Futuro do MODIS no Sistema de Observação da Terra José Luis Yi & José A. Quintanilha Referências Bibliográficas

4 Aplicações na Agricultura 7. Estimativa da produtividade agrícola da soja: estudo de caso no Rio Grande do Sul Rodrigo Rizzi & Bernardo F. T. Rudorff 8. Classificação de soja pelo método de superfícies de resposta espectro temporal Conrado de Moraes Rudorff; Luciana M. Sugawara; Carlos A. O. Vieira & Rodrigo Rizzi 9. Índices de vegetação para estimativa de área plantada com arroz irrigado Enzo D Arco; Bernardo F. T. Rudorff & Rodrigo Rizzi 10. Avaliação do IAF para soja no Rio Grande do Sul Rodrigo Rizzi; Bernardo F. T. Rudorff & Yosio Shimabukuro 11. Detecção de geada em lavouras de café Débora R. Rafaelli & Mauricio A. Moreira Referências Bibliográficas

5 Aplicações no Meio Ambiente 12. Classificação espectro-temporal de formações vegetais Liana O. Anderson & Yosio E. Shimabukuro 13. Monitoramento da paisagem de unidades de conservação María Silvia Pardi Lacruz & João Roberto dos Santos 14. Monitoramento da cobertura terrestre: fenologia e alterações antrópicas Liana O. Anderson & Yosio E. Shimabukuro. 15. Modelagem da irradiância solar incidente Pabrício Marcos Oliveira Lopes; Brenner Stefan Gomes Silva; Marcus Jorge Bottino & Dalton de Morisson Valeriano 16. Avaliação do Índice de Área Foliar (LAI) na Amazônia Luiz Eduardo Aragão & Yosio E. Shimabukuro 17. Avaliação do produto FAPAR para a floresta tropical Amazônica Mônica C. A. Senna; Marcos H. Costa & Yosio E. Shimabukuro Referências Bibliográficas

6 Aplicações na Hidrosfera 18. Monitoramento de áreas alagáveis Thiago S. F. Silva; Ramon Morais de Freitas & Evlyn M. L. M. Novo 19. Sistemas Aquáticos Continentais Evlyn M. L. M. Novo; Cláudio Barbosa & Ramon Morais de Freitas 20. Estimativa da produtividade primária oceânica Milton Kampel & Salvador Airton Gaeta Referências Bibliográficas

7 Aplicações Socio-econômicas 24. Epidemiologia e saúde pública Marcelo de Paula Correia 25. Fiscalização do seguro agrícola Rodrigo Rizzi & Bernardo F. T. Rudorff 26. Monitoramento da colheita da cana Daniel Alves de Aguiar; Wagner F. Silva; Rodrigo Rizzi; Bernardo F. T. Rudorff; Luciana M. Sugawara & Luiz Antônio Dias Paes Referências Bibliográficas

8 Projetos Operacionais 27. Desmatamento na Amazônia Sistema DETER Yosio E. Shimabukuro; Valdete Duarte; Mauricio A. Moreira; Egidio Arai; Dalton M. Valeriano; Liana O. Anderson & Fernando Del Bom Espírito Santo 28. ESTIMATIVA QUINZENAL DE ÁREAS QUEIMADAS Alberto Setzer; Fabiano Morelli & Roberto Lombardi Referências Bibliográficas - Siglas

9 1. Histórico e descrição João Vianei Soares; Getulio T. Batista & Yosio E. Shimabukuro Altura: 3,5 metros Comprimento: 6,8 metros Massa: Quilogramas Energia (Potência): watts (média) Taxa de Coleta de Dados pelos Instrumentos: kilobytes por seg. (média) Vida Útil (projetada): 6 anos Altura: 2,7 metros Comprimento: 6,5 metros Massa: Quilogramas Energia (Potência): watts (média) Taxa de Coleta de Dados pelos Instrumentos: 8.847,4 kilobytes por seg. (média) Vida Útil (projetada): 6 anos AMSR-E MODIS AMSU-A1 AIRS AMSU-A2 Antena Banda-X HSB CERES (2)

10 Corpo negro de referência Espelho duplo de varredura Difusor solar Cobertura da abertura Calibrador espectroradiométrico Módulo principal eletrônico Visada para o espaço e porta de calibração lunar Refrigerador radiativo Porta do refrigerador radiativo e protetor da terra Isolante termal

11 Tab. 1.1 Especificações gerais do Espectrorradiômetro MODIS Órbita: Taxa de varredura: Faixa imageada: Telescópio: Tamanho: Peso: Potência: Taxa de dados: Quantização: Resolução espacial: Vida útil: Altitude de 705 km, cruzando o equador às 10h30min em nodo descendente (Terra) e 13h30min no nodo ascendente (Aqua), heliossíncrona, quase polar, circular 20 rpm, ortogonal à órbita 2330 km (ortogonal) por 10 km (direção de vôo no nadir) 17,78 cm diâmetro, sem eixo único, focos separados, com planos de desvio intermediários. 1,0 x 1,6 x 1,0 m 228,7 kg 162,5 W (media orbital) 10,6 Mbps (pico); 6,1 Mbps (media orbital) 12 bits 250 m (bandas 1-2) 500 m (bandas 3-7) 1000 m (bandas 8-36) 6 anos

12 2. Produtos para ecossistemas terrestres (MODLAND) Marcelo L. Latorre; Yosio E. Shimabukuro & Liana O. Anderson Tab. Produtos da superfície terrestre gerados pelo sensor MODIS Módulos PRODUTOS PRODUTOS RELACIONADOS AO BALANÇO DE ENERGIA MOD 09 Reflectância de superfície MOD 11 Temperatura da superfície da Terra e Emissividade MOD 43 BRDF/Albedo MOD 10 E 29 Cobertura de neve e extensão de gelo na superfície do mar PRODUTOS RELACIONADOS À VEGETAÇÃO MOD 13 Grades de índices de vegetação (Máximo NDVI e MVI integrado) MOD 15 Leaf Area Index (LAI) e FPAR MOD 17 Fotossíntese líquida e produtividade primária PRODUTOS RELACIONADOS À COBERTURA TERRESTRE MOD 12 Cobertura da terra e mudança na cobertura da terra MOD 14 Anomalias termais, fogo e queima de biomassa MOD 44 Conversão da cobertura vegetal

13 Composição RGB, bandas MODIS (1, 2, 7) do produto MOD09. Área localizada na região central do Estado do Mato Grosso Julho de 2002.

14 Produto MOD13: NDVI e EVI, com resolução espacial de 500m, abrangendo América do Sul. Jun 25 Jul

15 3. Produtos para oceano (MOCEAN) Milton Kampel & João A. Lorenzzetti Oceano MOD18 - Normalized Water-leaving Radiance (Radiância Normalizada Proveniente de Corpos d Água) MOD19 - Pigment Concentration (Concentração de Pigmentos) MOD20 - Chlorophyll Fluorescence (Fluorescência da Clorofila) MOD21 - Chlorophyll_a Pigment Concentration (Concentração de Pigmento de Clorofila a) MOD22 - Photosynthetically Active Radiation (PAR) (Radiação Fotossinteticamente Ativa) MOD23 - Suspended-Solids Concentration (Concentração de Partículas Sólidas) MOD24 - Organic Matter Concentration (Concentração de Matéria Orgânica) MOD25 - Coccolith Concentration (Concentração de Plancto Calcáreo) MOD26 - Ocean Water Attenuation Coefficient (Coeficiente de Atenuação da Água do Mar). MOD27 - Ocean Primary Productivity (Produtividade Primária do Oceano) MOD28 - Sea Surface Temperature (Temperatura de Superfície do Mar - TSM) MOD31 - Phycoerythrin Concentration (Concentração de Pigmentos de Algas Vermelhas) MOD36 - Total Absorption Coefficient (Coeficiente de Absorção Total) MOD37 - Ocean Aerosol Properties (Propriedades de Aerossóis Oceânicos). MOD39 - Clear Water Epsilon (Grau de Pureza de Águas Claras)

16 Produtos MODIS propostos para aplicações em Oceano (MODOCEAN) Nome do produto Radiância emergente da superfície do mar normalizada Concentração de clorofila-a Coeficiente de atenuação da luz na água do mar Temperatura da superfície do mar Radiação fotossinteticamente ativa Produtividade primária oceânica Fluorescência da clorofila (e eficiência da fluorescência) Absorção espectral pelo fitoplâncton Absorção pela matéria orgânica dissolvida Concentração de sólidos em suspensão Concentração de pigmentos em cocolitoforídeos Concentração de outros pigmentos

17 Exemplo de concentração de clorofila-a estimada pelo emprego do algoritmo OC3M em uma imagem MODIS (ver texto) para a região da costa sudeste brasileira em 30/08/2004. Valores de clorofila em escala logarítmica, variando entre 0,01 a 20,00 mg m-3.

18 4. Produtos para atmosfera (MODIS Atmosphere) Juan Carlos Ceballos Atmosfera MOD04 - Aerosol Product (Produto de Aerossol) MOD05 - Total Precipitable Water (Total de Água Precipitável) MOD06 - Cloud Product (Produto de Nuvem) MOD07 - Atmospheric Profiles (Perfil Atmosférico) MOD08 - Gridded Atmospheric Product (Grades de Produtos Atmosféricos) MOD35 - Cloud Mask (Máscara de Nuvem)

19 MODIS Nível-2 Os produtos obtidos a partir de arquivos de radiâncias já navegadas são: Aerossol: tipo, profundidade óptica, distribuição de tamanhos de partículas, concentração (massa), propriedades ópticas. MOD04_L2 (Terra) e MYD04_L2 (Aqua). Vapor d água: vapor d água e água precipitável. MOD05_L2 (Terra) e MYD05_L2 (Aqua). Nuvens: propriedades físicas e radiativas de nuvens, incluindo fase das partículas (gelo / água), discriminação entre nuvem e superfície nevada, raio efetivo das partículas nas nuvens, profundidade óptica, efeitos de sombra de nuvem, temperatura do topo, altura do topo, emissividade equivalente, fase da nuvem (gelo / água, opaca / semitransparente), fração de nebulosidade em condições diurnas e noturnas. MOD06_L2 (Terra) e MYD06_L2 (Aqua). Perfilagem atmosférica: perfil vertical de temperatura e umidade; estabilidade atmosférica; coluna de ozônio. MOD07_L2 (Terra) e MYD07_L2 (Aqua). Mascaramento de nuvens: indicação de observação da superfície com linha de visada obstruída por nuvem ou afetada por sombra de nuvem. Indicação adicional de presença de cirrus, gelo / neve, reflexão especular de luz solar (sunglint). Indicação adicional dia / noite, e oceano / continente. MOD35_L2 (Terra) e MYD35_L2 (Aqua).

20 5. Pré-processamento Egídio Arai & Ramon Morais de Freitas Níveis de processamento do MODIS Nível de Processamento Nível 0 Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Características do dado Dados brutos na resolução total, sem as informações de comunicação. Dados do Nível 0 que foram calibrados utilizando coeficientes radiométricos e geométricos, e informações de geolocalização. Variáveis geofísicas derivadas na mesma resolução e localização dos dados de Nível 1. Variáveis mapeadas em grades igualmente espaçadas, com preenchimento consistente. Saídas de modelos ou resultados de análises de dados de Níveis mais baixos.

21 Região no centro e na borda da passagem. Município Feliz Natal-MT

22

23

24 Site do EOS Data Gateway

25 Endereços de sites sobre o MODIS na internet Endereço Descrição Página oficial do Sensor MODIS Página da disciplina de Atmosfera Disciplina de Continente Disciplina de Calibração Lista dos algorítmos ATBD Avaliação dos dados de qualidade de cada produto MRT e MRT Swath Lista de softwares utilitários

26 Exemplo de Identificação dos Arquivos MODIS MOD13A2.A h13v hdf MOD Identificação da plataforma MOD-Terra, MYD-Aqua 13A2 Número do produto (índice de vegetação 16 dias 1km) A Data de aquisição ano de 2003 dia Juliano 033 h13v12 Tile horizontal 13 vertical Versão de processamento Data do processamento: Ano 2003 dia Juliano 057 horário (HH:MM:SS) 23:36:23

27

28 6. O Futuro do MODIS no Sistema de Observação da Terra José Luis Yi & José A. Quintanilha ATMS (Advanced Technology Microwave Sounder). CrIS (Cross-track Infrared Sounder). OMPS (Ozone Mapping and Profile Suite). VIIRS (Visible/Infrared Imager Radiometer Suite).

29

30 7. Estimativa da produtividade agrícola da soja: estudo de caso no Rio Grande do Sul Rodrigo Rizzi & Bernardo F. T. Rudorff Mapas temáticos referente à produtividade da soja estimada pelos modelos AGRO e AGROESPEC, anos-safra 2000/01 a 2002/03 e a localização geográfica da área de estudo

31 8. Classificação de soja pelo método de superfícies de resposta espectro- temporal Conrado de Moraes Rudorff; Luciana M. Sugawara; Carlos A. O. Vieira & Rodrigo Rizzi a) 15 a 30/10/2000 b) 02 a 17/12/2000 c) 18/02 a 05/03/2001 d) 06 a 21/03/2001 e) 22/03 a 06/04/2001 f) 07 a 22/04/2001

32

33

34

35 9. Índices de vegetação para estimativa de área plantada com arroz irrigado Enzo D Arco; Bernardo F. T. Rudorff & Rodrigo Rizzi a) Composição colorida nov2 (B) + fev1 (G) + fev2 (R) b) Resultado da classificação vetor do mapa de referência

36 10. Avaliação do IAF para soja no Rio Grande do Sul Rodrigo Rizzi; Bernardo F. T. Rudorff & Yosio Shimabukuro

37 11. Detecção de geada em lavouras de café Débora R. Rafaelli & Mauricio A. Moreira Imagem NDVI diária fatiada, obtida em 06/07/00 antes da ocorrência da geada do dia 13/07/00. Imagem NDVI diária fatiada, obtida na data de 24/07/00 após as geadas

38 12. Classificação espectro-temporal de formações vegetais Liana O. Anderson & Yosio E. Shimabukuro Mapa de classificação da cobertura da terra do Estado do Mato Grosso

39 13. Monitoramento da paisagem de unidades de conservação María Silvia Pardi Lacruz & João Roberto dos Santos PRIMEIROS TRÊS HARMÔNICOS PARA ÁREAS DE FLORESTA PRIMÁRIA, FLORESTA COM EXPLORAÇÃO MADEIREIRA E SUCESSÃO SECUNDÁRIA EM ESTÁDIO AVANÇADO DA FLORESTA NACIONAL DE TAPAJÓS.

40 14. Monitoramento da cobertura terrestre: fenologia e alterações antrópicas Liana O. Anderson & Yosio E. Shimabukuro m m m m m m m m m m Mapa de altimetria gerado com base nos dados da SRTM para o Estado do Mato Grosso.

41 15. Modelagem da irradiância solar incidente Pabrício Marcos Oliveira Lopes; Brenner Stefan Gomes Silva; Marcus Jorge Bottino & Dalton de Morisson Valeriano Modelo Numérico Terreno Produto albedo MOD43B3 + + Produto albedo MOD43B3 Irradiância céu claro Refletância nuvem + + Cobertura de nuvem Visada do céu + Configuração do terreno Irradiância céu nublado Irradiância solar suavizada = Imagens utilizadas no modelo TOPORAD para o cálculo da irradiância de céu nublado para a data de 21 de dezembro de 2003

42 16. Avaliação do Índice de Área Foliar (LAI) na Amazônia Luiz Eduardo Aragão & Yosio E. Shimabukuro - 02o 33-54o Model 1 Model 2 Model o o km Superfícies de LAI geradas a partir dos três modelos de regressão múltipla

43 17. Avaliação do produto FAPAR para a floresta tropical Amazônica Mônica C. A. Senna; Marcos H. Costa & Yosio E. Shimabukuro (a) Outubro de 2001 (b) Novembro de 2001 (c) Dezembro de 2001 (d) Janeiro de 2002 (e) Fevereiro de 2002 (f) Março de 2002 (g) Abril de 2002 (h) Maio de 2002 (i) Junho de 2002 (j) Julho de 2002 (l) Agosto de 2002 (m) Setembro de 2002 Distribuição para a América do Sul da FAPAR estimada pelo MODIS para o período de outubro de 2001 a setembro de 2002

44 18. Monitoramento de áreas alagáveis Thiago S. F. Silva; Ramon Morais de Freitas & Evlyn M. L. M. Novo Original Restaurada Floresta Macrófitas Água Pasto / Solo Nuvens Máscara Classificação da imagem MODIS referentes a 02/05/04

45 19. Sistemas Aquáticos Continentais Evlyn M. L. M. Novo; Cláudio Barbosa & Ramon Morais de Freitas Baixa Alta Imagem fração fitoplâncton. Quanto maior a abundância da assinatura do fitoplâncton presente num dado pixel, maior é o seu nível digital

46 20. Estimativa da produtividade primária oceânica Milton Kampel & Salvador Airton Gaeta Produtividade primária oceânica calculada a partir de dados do sensor MODIS utilizando o modelo P1 (ver texto). Valores expressos em [gc m-2 a-1].

47 21. Inferência de aerossóis Alexandre Correia; Andrea D. de Almeida Castanho; José Vanderlei Martins; Karla M. Longo; Márcia A. Yamasoe & Paulo Artaxo Produtos de aerossóis MODIS Aqua (29 de agosto de 2005, 17h15UTC). a) Composição RGB; b) Profundidade óptica de aerossóis em 0,55 mm; c) Expoente de Angström entre 0,47 e 0,66 mm; d) Fração da profundidade óptica em 0,55 mm devido ao aerossol que não contém poeira de deserto (h0,55).

48 22. Inferência de perfis atmosféricos Rodrigo Augusto Ferreira de Souza (a) (b) Campos horizontais de temperatura atmosférica em 500 hpa (a), de temperatura do ponto de orvalho em 500 hpa (b), do conteúdo total de ozônio (c) e de água precipitável (d) na coluna atmosférica. (c) (d)

49 23. Recuperação de propriedades físicas e radiativas de nuvens Carlos Frederico de Angelis & Luiz Augusto Toledo Machado

50 24. Epidemiologia e saúde pública Marcelo de Paula Correia

51 25. Fiscalização do seguro agrícola Rodrigo Rizzi & Bernardo F. T. Rudorff

52 Lavouras de soja delimitadas sobre imagens diferença do EVI entre a safra de 2004/05 (seca) e a de 2002/03 (normal), desde novembro até março

53 26. Monitoramento da colheita da cana Daniel Alves de Aguiar; Wagner F. Silva; Rodrigo Rizzi; Bernardo F. T. Rudorff; Luciana M. Sugawara & Luiz Antônio Dias Paes N Mapa da área de cana-de-açúcar colhida EDR Ribeirão Preto W E Projeção UTM Datum: SAD-69, zona 23 S LEGENDA Loclização da EDR no estado de SP Kilometers Limite EDR Datas colheita 06/04 22/04 08/05 24/05 09/06 25/06 11/07 27/07 12/08 28/08 13/09 29/09 15/10 31/10 16/11 02/12 18/

54 27. Desmatamento na Amazônia Sistema DETER Yosio E. Shimabukuro; Valdete Duarte; Mauricio A. Moreira; Egidio Arai; Dalton M. Valeriano; Liana O. Anderson & Fernando Del Bom Espírito Santo

55 28. ESTIMATIVA QUINZENAL DE ÁREAS QUEIMADAS Alberto Setzer; Fabiano Morelli & Roberto Lombardi Figura 28.9 Imagem Landsat TM de 26 de abril de 2006 com recorte do P. N. Ilha Grande (anterior à queimada que começou no dia 30 de abril de 2006). Figura Imagem Landsat TM de 12 de maio de 2006 com recorte do P. N. Ilha Grande (posterior às queimadas que terminaram em 15 de maio de 2006). Figura focos de queima (pontos Figura pixeis de área queimada

56 Obrigado!

Satélite TERRA. EOS (Earth Observing System) PROGRAMAS LIDERADOS PELA NASA. Observações contínuas das mudanças globais

Satélite TERRA. EOS (Earth Observing System) PROGRAMAS LIDERADOS PELA NASA. Observações contínuas das mudanças globais Satélite TERRA Satélite TERRA PROGRAMAS LIDERADOS PELA NASA MONITORAMENTO DAS MUDANÇAS OCORRIDAS NA SUPERFÍCIE TERRESTRE EOS (Earth Observing System) Observações contínuas das mudanças globais Plataforma

Leia mais

Intercomparação de produtos AQUA&TERRA/MODIS e Suomi-NPP/VIIRS sobre o Brasil

Intercomparação de produtos AQUA&TERRA/MODIS e Suomi-NPP/VIIRS sobre o Brasil Intercomparação de produtos AQUA&TERRA/MODIS e Suomi-NPP/VIIRS sobre o Brasil Jurandir Ventura Rodrigues 1 Simone Sievert da Costa 1 Rogério da Silva Batista 1 1 Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais

Leia mais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Características das Imagens Orbitais 1 - RESOLUÇÃO: O termo resolução em sensoriamento remoto pode ser atribuído a quatro diferentes parâmetros: resolução espacial resolução espectral

Leia mais

LEAA Laboratório de Estudos em Agricultura e Agrometeorologia

LEAA Laboratório de Estudos em Agricultura e Agrometeorologia Roteiro de aula Índices de Vegetação Composição de máximo valor (CMV) Perfis temporais - Estudos agrícolas - Estudos ambientais - Estudos climáticos Exercício prático Curva da reflectância de uma folha

Leia mais

Sensor MODIS: descrição e produtos

Sensor MODIS: descrição e produtos Sensoriamento Remoto do Clima - SER-311 Sensor MODIS: descrição e produtos Egidio Arai egidio@dsr.inpe.br 28 de agosto de 2014 Terra / Aqua Satélite Terra: Dez. 18, 1999 Satélite Aqua: Maio 04, 2002 Sensores

Leia mais

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I AGRICULTURA, E RECURSOS FLORESTAIS DISCRIMINAÇÃO DE TIPOS DE VEGETAÇÃO Tipos de colheita Tipos de madeiras DETERMINAÇÃO DA VARIAÇÃO DE APTIDÃO E BIOMASSA DETERMINAÇÃO

Leia mais

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS (SERP11) OPERAÇÕES ARITMÉTICAS. Daniel C. Zanotta

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS (SERP11) OPERAÇÕES ARITMÉTICAS. Daniel C. Zanotta PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS (SERP11) OPERAÇÕES ARITMÉTICAS Daniel C. Zanotta RAZÃO DE BANDAS Dividir uma banda por outra (pixel a pixel) pode trazer diversas informações a respeitos dos alvos contidos

Leia mais

ÍNDICES DE VEGETAÇÃO NDVI E EVI, IAF E FPAR DA CANOLA A PARTIR DE IMAGENS DO SATÉLITE MODIS.

ÍNDICES DE VEGETAÇÃO NDVI E EVI, IAF E FPAR DA CANOLA A PARTIR DE IMAGENS DO SATÉLITE MODIS. ÍNDICES DE VEGETAÇÃO NDVI E EVI, IAF E FPAR DA CANOLA A PARTIR DE IMAGENS DO SATÉLITE MODIS. Daniele G. Pinto 1, Matheus B. Vicari 2, Denise C. Fontana 3, Genei A. Dalmago 4, Gilberto R. da Cunha 5, Jorge

Leia mais

IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO

IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS HUMANOS UNIDADE ACADÊMICA DE ENGENHARIA CIVIL IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO Sumário 1. Conceitos básicos

Leia mais

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Texto: PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO Autor: BERNARDO F. T. RUDORFF Divisão de Sensoriamento Remoto - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais São José dos Campos-SP - bernardo@ltid.inpe.br Sensoriamento

Leia mais

MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DE ÁREAS DE GRANDE EXTENSÃO ATRAVÉS DE MOSAICOS DE IMAGENS DO NOAA-AVHRR

MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DE ÁREAS DE GRANDE EXTENSÃO ATRAVÉS DE MOSAICOS DE IMAGENS DO NOAA-AVHRR MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DE ÁREAS DE GRANDE EXTENSÃO ATRAVÉS DE MOSAICOS DE IMAGENS DO NOAA-AVHRR Maria G. Almeida 1, Bernardo F. T. Rudorff 2, Yosio E. Shimabukuro 2 graca@dppg.cefetmg.br, bernardo@ltid.inpe.br,

Leia mais

UNIVESIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLGIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM METEOROLOGA

UNIVESIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLGIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM METEOROLOGA UNIVESIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLGIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM METEOROLOGA Disciplina: Introdução ao sensoriamento remoto por satélite

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES. Versão 1.0 Data 15/09/2015

PERGUNTAS FREQUENTES. Versão 1.0 Data 15/09/2015 PERGUNTAS FREQUENTES Versão 1.0 Data 15/09/2015 1. O que é S-NPP? S-NPP (Suomi-National Polar-orbiting Partnership) é o primeiro da nova geração de satélites de órbita polar da série JPSS (Joint Polar

Leia mais

Sistemas Sensores. Introdução

Sistemas Sensores. Introdução Sistemas Sensores 5ª Aulas Introdução O sol foi citado como sendo uma fonte de energia ou radiação. O sol é uma fonte muito consistente de energia para o sensoriamento remoto (REM). REM interage com os

Leia mais

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana.

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana. Cartografia Desde os primórdios o homem tentou compreender a forma e as características do nosso planeta, bem como representar os seus diferentes aspectos através de croquis, plantas e mapas. Desenhar

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Cachoeira Paulista, 24 a 28 novembro de 2008 Bernardo Rudorff Pesquisador da Divisão de Sensoriamento Remoto Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Sensoriamento

Leia mais

USO DA TÉCNICA DE ANALISE POR COMPONENTE PRINCIPAL NA DETECÇÃO DE MUDANÇAS NA COBERTURA DO SOLO

USO DA TÉCNICA DE ANALISE POR COMPONENTE PRINCIPAL NA DETECÇÃO DE MUDANÇAS NA COBERTURA DO SOLO Samuel da Silva Farias, Graduando do curso de geografia da UFPE samuel.farias763@gmail.com Rafhael Fhelipe de Lima Farias, Mestrando do PPGEO/UFPE, rafhaelfarias@hotmail.com USO DA TÉCNICA DE ANALISE POR

Leia mais

Imagens de Satélite (características):

Imagens de Satélite (características): Imagens de Satélite (características): São captadas por sensores electro ópticos que registam a radiação electromagnética reflectida e emitida pelos objectos que se encontram à superfície da terra através

Leia mais

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Disciplina: Monitoramento e Controle Ambiental Prof.: Oscar Luiz Monteiro de Farias Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Andrei Olak Alves 1 2 PROCESSAMENTO DE IMAGENS espectro visível

Leia mais

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa O que é Sensoriamento Remoto? Utilização conjunta de sensores, equipamentos

Leia mais

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Disciplina: Monitoramento e Controle Ambiental Prof.: Oscar Luiz Monteiro de Farias Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Andrei Olak Alves 2 espectro visível ultravioleta Sol infravermelho

Leia mais

PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO. Peterson Ricardo Fiorio

PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO. Peterson Ricardo Fiorio PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO Peterson Ricardo Fiorio Definição: Sensoriamento Remoto É a ciência ou a arte de se obterem informações sobre um objeto, área ou fenômeno, através de dados coletados

Leia mais

C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S S E N S O R I A M E N T O

C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S S E N S O R I A M E N T O C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S D E S E N S O R I A M E N T O R E M O T O E l i s a b e t e C a r i a d e M o r a e s 1 INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS-INPE 1 e.mail : bete@ltid.inpe.br

Leia mais

Análise da entrada de uma pluma de queimada sobre a cidade de São Paulo-SP através de fotômetro solar e de um LIDAR elástico

Análise da entrada de uma pluma de queimada sobre a cidade de São Paulo-SP através de fotômetro solar e de um LIDAR elástico Análise da entrada de uma pluma de queimada sobre a cidade de São Paulo-SP através de fotômetro solar e de um LIDAR elástico Glauber Lopes Mariano 1, Maria Paulete Pereira Martins 1, Eduardo Landulfo 2,

Leia mais

4. Medição de Irradiância. 4.1 Introdução

4. Medição de Irradiância. 4.1 Introdução Apostila da Disciplina Meteorologia Física II ACA 0326, p. 40 4. Medição de Irradiância 4.1 Introdução Das grandezas radiométricas definidas no capítulo 1, os instrumentos convencionais utilizados em estudos

Leia mais

Resumo. Boletim do desmatamento da Amazônia Legal (março de 2015) SAD

Resumo. Boletim do desmatamento da Amazônia Legal (março de 2015) SAD Resumo Em março de 2015, mais da metade (53%) da área florestal da Amazônia Legal estava coberta por nuvens, uma cobertura inferior a de março de 2014 (58%). Os Estados com maior cobertura de nuvem foram

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

Resumo. Boletim do desmatamento da Amazônia Legal (fevereiro de 2015) SAD

Resumo. Boletim do desmatamento da Amazônia Legal (fevereiro de 2015) SAD Resumo Em fevereiro de 2015, mais da metade (59%) da área florestal da Amazônia Legal estava coberta por nuvens, uma cobertura inferior a de fevereiro de 2014 (69%). Os Estados com maior cobertura de nuvem

Leia mais

Resumo. Boletim do desmatamento da Amazônia Legal (outubro de 2014) SAD

Resumo. Boletim do desmatamento da Amazônia Legal (outubro de 2014) SAD Resumo O SAD detectou 244 quilômetros quadrados de desmatamento na Amazônia Legal em outubro de 2014. Isso representou um aumento de 467% em relação a outubro de 2013 quando o desmatamento somou 43 quilômetros

Leia mais

Humidade no solo. Departamento de Física 2011 Detecção Remota Pratica III. Joao Gonçalo Ricardo Rodrigues - 45365

Humidade no solo. Departamento de Física 2011 Detecção Remota Pratica III. Joao Gonçalo Ricardo Rodrigues - 45365 Humidade no solo Departamento de Física 2011 Detecção Remota Pratica III Joao Gonçalo Ricardo Rodrigues - 45365 Índice Introdução Da observação aos produtos Conclusões Complicações na obtenção de dados

Leia mais

CAPÍTULO 3 MATERIAL E MÉTODOS

CAPÍTULO 3 MATERIAL E MÉTODOS CAPÍTULO 3 MATERIAL E MÉTODOS 3. LOCAL DOS EXPERIMENTOS O trabalho foi realizado na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP - Campinas, SP), em casa de vegetação do Departamento de Fisiologia Vegetal

Leia mais

Geomática e SIGDR aula teórica 23 17/05/11. Sistemas de Detecção Remota Resolução de imagens

Geomática e SIGDR aula teórica 23 17/05/11. Sistemas de Detecção Remota Resolução de imagens Geomática e SIGDR aula teórica 23 17/05/11 Sistemas de Detecção Remota Resolução de imagens Manuel Campagnolo ISA Manuel Campagnolo (ISA) Geomática e SIGDR 2010-2011 17/05/11 1 / 16 Tipos de resolução

Leia mais

ANÁLISE TEMPORAL DE ÍNDICES DE VEGETAÇÃO UTILIZANDO TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO. lidiane.geo@gmail.com

ANÁLISE TEMPORAL DE ÍNDICES DE VEGETAÇÃO UTILIZANDO TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO. lidiane.geo@gmail.com ANÁLISE TEMPORAL DE ÍNDICES DE VEGETAÇÃO UTILIZANDO TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO Lidiane Cristina Félix Gomes 1, Glauciene Justino Ferreira da Silva 2, Alexandra Lima Tavares 3 1 Mestranda da Universidade

Leia mais

C a p í t u l o I V. P r o c e s s a m e n t o d a s I m a g e n s O r b i t a i s d o s S e n s o r e s T M e E T M

C a p í t u l o I V. P r o c e s s a m e n t o d a s I m a g e n s O r b i t a i s d o s S e n s o r e s T M e E T M C a p í t u l o I V P r o c e s s a m e n t o d a s I m a g e n s O r b i t a i s d o s S e n s o r e s T M e E T M IV.1 Processamento Digital das Imagens Orbitais dos Sensores TM e ETM + IV.1.1 Introdução

Leia mais

Antônio Fonseca, Heron Martins, Carlos Souza Jr. & Adalberto Veríssimo (Imazon) RESUMO

Antônio Fonseca, Heron Martins, Carlos Souza Jr. & Adalberto Veríssimo (Imazon) RESUMO Antônio Fonseca, Heron Martins, Carlos Souza Jr. & Adalberto Veríssimo (Imazon) RESUMO Em maio de 2014, o SAD detectou 185 desmatamento ocorreu no Mato Grosso, quilômetros quadrados de desmatamento na

Leia mais

Uso de geotecnologias no monitoramento de sistemas de integração lavourapecuária- floresta

Uso de geotecnologias no monitoramento de sistemas de integração lavourapecuária- floresta Uso de geotecnologias no monitoramento de sistemas de integração lavourapecuária- floresta Sistemas de integração lavoura pecuária- floresta: a produção sustentável Sistemas de produção em inte ra ão Atualmente

Leia mais

Características dos Sensores. Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Características dos Sensores. Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Características dos Sensores Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa TAMANHO DO PIXEL Alta Resolução Média Resolução Cobertura Sinótica Meteorológicos

Leia mais

A Deteção Remota como um instrumento de gestão e apoio à decisão. 13 de Março 2012

A Deteção Remota como um instrumento de gestão e apoio à decisão. 13 de Março 2012 A Detecção Remota como instrumento de monitorização de saúde pública Diogo Ayres Sampaio, Departamento de Geociências, Ambiente e Ordenamento do Território, FCUP A Deteção Remota como um instrumento de

Leia mais

Reinaldo Lúcio Gomide Embrapa Milho e Sorgo

Reinaldo Lúcio Gomide Embrapa Milho e Sorgo DETERMINAÇÃO DA VARIABILIDADE ESPAÇO-TEMPORAL DE DEMANDA HÍDRICA E PRODUTIVIDADE DA ÁGUA EM ESCALA REGIONAL POR MEIO DE TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO AGRÍCOLA, ASSOCIADAS À MODELAGEM, GEOPROCESSAMENTO

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

Classificação espectral de área plantada de café para o município de Araguari, MG por meio da árvore de decisão

Classificação espectral de área plantada de café para o município de Araguari, MG por meio da árvore de decisão Classificação espectral de área plantada de café para o município de Araguari, MG por meio da árvore de decisão Rafael Coll Delgado 1, Gilberto Chohaku Sediyama 2, Evaldo de Paiva Lima 3, Thomé Simpliciano

Leia mais

MONITORAMENTO DA COBERTURA FLORESTAL DA AMAZÔNIA POR SATÉLITES

MONITORAMENTO DA COBERTURA FLORESTAL DA AMAZÔNIA POR SATÉLITES MONITORAMENTO DA COBERTURA FLORESTAL DA AMAZÔNIA POR SATÉLITES INPE COORDENAÇÃO GERAL DE OBSERVAÇÃO DA TERRA SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, 20 DE JUNHO DE 2008 SISTEMA DE DETECÇÃO D0 DESMATAMENTO EM TEMPO REAL NA

Leia mais

VALORES DE INSOLAÇÃO, MEDIDOS EM RIO BRANCO - AC, COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O ATLAS SOLARIMÉTRICO DA AMAZÔNIA

VALORES DE INSOLAÇÃO, MEDIDOS EM RIO BRANCO - AC, COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O ATLAS SOLARIMÉTRICO DA AMAZÔNIA VALORES DE INSOLAÇÃO, MEDIDOS EM RIO BRANCO - AC, COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O ATLAS SOLARIMÉTRICO DA AMAZÔNIA 1 Alejandro Fonseca Duarte, 2 Francisco E. Alves dos Santos, 3 Eduardo E. Vieira Guedes, 4 Abdom

Leia mais

Aplicações CBERS na Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Aplicações CBERS na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Aplicações CBERS na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Pesquisas CBERS - UFRGS 2001: Início do projeto Participantes: - PPG-SR / CEPSRM - Instituto de Geociências Geodésia Geografia Geologia - Faculdade

Leia mais

thomasmcz@hotmail.com 2 Doutor Prof. Instituto de Ciências Atmosféricas, ICAT/UFAL, email: dimas.barros91@hotmail.com

thomasmcz@hotmail.com 2 Doutor Prof. Instituto de Ciências Atmosféricas, ICAT/UFAL, email: dimas.barros91@hotmail.com ANÁLISE PRELIMINAR DA ESTIMATIVA DA TEMPERATURA E ALBEDO DE SUPERFÍCIE PARA MICRORREGIÃO DO BAIXO SÃO FRANCISCO NOS ESTADOS DE ALAGOAS E SERGIPE, UTILIZANDO O SENSOR TM DO LANDSAT 5 E O ALGORITMO SEBAL.

Leia mais

ANÁLISE DE QUATRO ANOS DO BANCO DE IMAGENS NOAA14-AVHRR DO ESTADO DE SÃO PAULO J ANSLE VIEIRA ROCHA RUBENS LAMPARELLI

ANÁLISE DE QUATRO ANOS DO BANCO DE IMAGENS NOAA14-AVHRR DO ESTADO DE SÃO PAULO J ANSLE VIEIRA ROCHA RUBENS LAMPARELLI ANÁLISE DE QUATRO ANOS DO BANCO DE IMAGENS NOAA14-AVHRR DO ESTADO DE SÃO PAULO RENATO FRANCISCO DOS SANTOS J UNIOR 1 1 RICARDO GIACOMELLO VALMIR M ASSAFERA J UNIOR 1 J 2 URANDIR ZULLO J UNIOR 1 J ANSLE

Leia mais

Heron Martins, Antônio Fonseca; Carlos Souza Jr.; Márcio Sales & Adalberto Veríssimo (Imazon) RESUMO

Heron Martins, Antônio Fonseca; Carlos Souza Jr.; Márcio Sales & Adalberto Veríssimo (Imazon) RESUMO Heron Martins, Antônio Fonseca; Carlos Souza Jr.; Márcio Sales & Adalberto Veríssimo (Imazon) RESUMO Em janeiro de 2014, a maioria (58%) 531 quilômetros quadrados. Houve redução da área florestal da estava

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago FOTOINTERPRETAÇÃO a) conceito A fotointerpretação é a técnica de examinar as imagens dos objetos na fotografia e deduzir sua significação. A fotointerpretação é bastante importante à elaboração de mapas

Leia mais

COMPORTAMENTO ESPECTRAL DOS ALVOS

COMPORTAMENTO ESPECTRAL DOS ALVOS Radiância de Superfície da água, radiância volumétrica de subsuperfície e radiância de fundo A radiância total (Lt) registrada por um sensor a bordo de uma aeronave ou satélite é uma função da energia

Leia mais

VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5

VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5 VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5 Maurílio Neemias dos Santos 1, Heliofábio Barros Gomes 1,, Yasmim Uchoa da Silva 1, Sâmara dos Santos

Leia mais

INCORPORAÇÃO DE IMAGENS AVHRR NO MODELO ITPP5.0 PARA CLASSIFICAÇÃO DE PADRÕES DE NEBULOSIDADE

INCORPORAÇÃO DE IMAGENS AVHRR NO MODELO ITPP5.0 PARA CLASSIFICAÇÃO DE PADRÕES DE NEBULOSIDADE INCORPORAÇÃO DE IMAGENS AVHRR NO MODELO ITPP5.0 PARA CLASSIFICAÇÃO DE PADRÕES DE NEBULOSIDADE Jorge Luiz Martins Nogueira Nelson Jesus Ferreira Eduardo Jorge de Brito Bastos Ana Silvia Martins Serra do

Leia mais

Tropical Rainfall Measuring Mission (TRMM)

Tropical Rainfall Measuring Mission (TRMM) Tropical Rainfall Measuring Mission (TRMM) ( Missão para medição de chuva tropical ) Prof. Dr. Carlos Augusto Morales (DCA/IAG/USP) morales@model.iag.usp.br Dra. Rachel Ifanger Albrecht (DSA/CPTEC/INPE)

Leia mais

ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11-13 de Novembro de 2010, São João del-rei, MG; pg 251-257 251

ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11-13 de Novembro de 2010, São João del-rei, MG; pg 251-257 251 ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11 13 de Novembro de 2010, São João delrei, MG; pg 251 257 251 ANÁLISE DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO DA CIDADE DE VITÓRIAES USANDO A COMPOSIÇÃO

Leia mais

Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM

Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM SPRING 5.0 1 O objetivo deste tutorial é apresentar de forma simples e prática como construir, no Spring, mapa de declividade a partir de dados do SRTM.

Leia mais

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015 SENSORES REMOTOS Daniel C. Zanotta 28/03/2015 ESTRUTURA DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 COMPONENTES DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 LANÇAMENTO FOGUETES DE LANÇAMENTO SISTEMA SENSOR TIPOS DE SENSORES

Leia mais

Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I. Radiação Solar

Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I. Radiação Solar Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I Radiação Solar Prof. Dr. Emerson Galvani Laboratório de Climatologia e Biogeografia LCB Na aula anterior verificamos que é

Leia mais

Oceanografia por Satélites

Oceanografia por Satélites Oceanografia por Satélites Radiômetro de Infra Vermelho. Aplicação em Medidas de TSM Paulo S. Polito, Ph.D. polito@io.usp.br Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo http://los.io.usp.br Laboratório

Leia mais

Mudança do clima e acordos internacionais

Mudança do clima e acordos internacionais Mudança do clima e acordos internacionais FIESC Rodrigo F. Gatti Florianópolis, SC Setembro 2011 Mudanças Climáticas Clima X Tempo Ambos compreendem as varáveis que descrevem o estado da atmosfera: - temperatura;

Leia mais

Quanto menor o comprimento de onda mais o efeito da atmosfera. A Banda 1 do Landsat 5 TM serve para estudar sedimentos (menor comprimento de onda)

Quanto menor o comprimento de onda mais o efeito da atmosfera. A Banda 1 do Landsat 5 TM serve para estudar sedimentos (menor comprimento de onda) Para mapear áreas de cultura (áborea) natural (floresta, reflorestamento) usar imagens de agosto, setembro. Para mapear produtividade, contaminação, praga, usar imagens de janeiro ou dezembro. Para mapear

Leia mais

ANÁLISE DE ÁREAS DEGRADADAS NO MUNICÍPIO DE ILHA SOLTEIRA - SP, UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR TM LANDAST 5

ANÁLISE DE ÁREAS DEGRADADAS NO MUNICÍPIO DE ILHA SOLTEIRA - SP, UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR TM LANDAST 5 ANÁLISE DE ÁREAS DEGRADADAS NO MUNICÍPIO DE ILHA SOLTEIRA - SP, UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR TM LANDAST 5 Fabiano Barbosa dos Santos 1, Heliofábio Barros Gomes 2, Lucas Barbosa Cavalcante 3, Maurílio Neemias

Leia mais

Materiais e Métodos Resultados e Discussões

Materiais e Métodos Resultados e Discussões Sistema de Informações Meteorológicas e Imagens de Satelites - SIMSAT Wagner de A. Bezerra¹; Ivanete M. D. Ledo¹; Josefa Morgana Viturino de Almeida¹; Maria G. R. De Oliveira²; Kleber R. da P. Ataide¹

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Motivação Alguns princípios físicos dão suporte ao Sensoriamento Remoto...

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

APLICAÇÃO DE DADOS DE DETECÇÃO REMOTA À CARTOGRAFIA GEOLÓGICA DA REGIÃO DE VISEU

APLICAÇÃO DE DADOS DE DETECÇÃO REMOTA À CARTOGRAFIA GEOLÓGICA DA REGIÃO DE VISEU Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Ciências da Terra APLICAÇÃO DE DADOS DE DETECÇÃO REMOTA À CARTOGRAFIA GEOLÓGICA DA REGIÃO DE VISEU Pedro Nuno Gomes Venâncio Licenciatura

Leia mais

Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas

Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas INPE-13139-PRE/8398 SENSORIAMENTO REMOTO Tania Sausen Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas INPE São José dos Campos 2005 MEIO AMBIENTE E CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS 8 Sensoriamento Remoto Tania Sauzen

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ Resumo Patrícia Ladeira Pinheiro¹ Gabriel Pereira² (patricia.ladeira@gmail.com; pereira@ufsj.edu.br) Graduanda em Geografia - UFSJ

Leia mais

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO 4.1 O Processo da Evaporação Para se entender como se processa a evaporação é interessante fazer um exercício mental, imaginando o processo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO-UFES / DEPT. DE ENGENHARIA RURAL / SENSORIAMENTO REMOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO-UFES / DEPT. DE ENGENHARIA RURAL / SENSORIAMENTO REMOTO CAPÍTULO 2 AS INTERAÇÕES ENTRE A ENERGIA E A MATÉRIA 1.0. Introdução No Capítulo 1 vimos que o sensoriamento remoto é o ramo da ciência que retrata a obtenção e análise de informações sobre materiais (naturais

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão 01 Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão Rodrigo G. Trevisan¹; José P. Molin² ¹ Eng. Agrônomo, Mestrando em Engenharia de Sistemas Agrícolas (ESALQ-USP); ² Prof. Dr. Associado

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas

Sistema de Informações Geográficas UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE Pós Graduação Ecologia e Manejo de Recursos Naturais Sistema de Informações Geográficas Prof. Fabiano Luiz Neris Criciúma, Março de 2011. A IMPORTÂNCIA DO ONDE "Tudo

Leia mais

Uso de técnicas de segmentação de imagens SAR JERS-1 na Floresta Amazônica. Gerardo Kuntschik 1 Luciano V. Dutra 1 Pedro Hernandez Filho 2

Uso de técnicas de segmentação de imagens SAR JERS-1 na Floresta Amazônica. Gerardo Kuntschik 1 Luciano V. Dutra 1 Pedro Hernandez Filho 2 Uso de técnicas de segmentação de imagens SAR JERS-1 na Floresta Amazônica Gerardo Kuntschik 1 Luciano V. Dutra 1 Pedro Hernandez Filho 2 Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE Av. dos Astronautas

Leia mais

Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR. Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto

Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR. Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR META Apresentar alguns fenômenos radioativos como fontes de energia do sistema atmosférico e as formas de transmissão de calor, para que o aluno compreenda a instabilidade

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Sensoriamento Remoto.

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Sensoriamento Remoto. UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2 Sensoriamento Remoto Parte 1 Recife, 2014 Conceito de Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto consiste

Leia mais

C A P Í T U L O 1 4. M a u r i c i o A l v e s M o r e i r a I n s t i t u t o N a c i o n a l d e P e s q u i s a s E s p a c i a i s

C A P Í T U L O 1 4. M a u r i c i o A l v e s M o r e i r a I n s t i t u t o N a c i o n a l d e P e s q u i s a s E s p a c i a i s C A P Í T U L O 1 4 I N F O R M A Ç Õ E S Ú T E I S P A R A A U X I L I A R A I N T E R P R E T A Ç Ã O V I S U A L D E I M A G E N S D E S A T É L I T E S M a u r i c i o A l v e s M o r e i r a I n s

Leia mais

PRODUTO DE AEROSSÓIS

PRODUTO DE AEROSSÓIS CAPÍTULO 5 PRODUTO DE AEROSSÓIS Alexandre Correia1 Andrea D. de Almeida Castanho2 José Vanderlei Martins2,3,4 Karla Longo1 Márcia Yamasoe2 Paulo Artaxo2 1 INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

I Encontro Brasileiro de usuários QGIS

I Encontro Brasileiro de usuários QGIS I Encontro Brasileiro de usuários QGIS Uso do QGIS no Processamento Digital de Imagens de Sensoriamento Remoto Jorge Santos jorgepsantos@outlook.com www.processamentodigital.com.br Dicas, tutoriais e tudo

Leia mais

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2 2- Câmaras Fotogramétricas Generalidades (fotografia) Elementos Fotografia aérea Espectro Eletromagnético 1 Fotogrametria é a arte, ciência, e tecnologia de obtenção

Leia mais

ABSTRACT 1. INTRODUÇÃO

ABSTRACT 1. INTRODUÇÃO MONITORAMENTO DE NUVENS DE GELO E DE ÁGUA LÍQUIDA SUPER-RESFRIADA SOBRE AS REGIÕES SUL E SUDESTE DO BRASIL UTILIZANDO-SE IMAGENS MULTIESPECTRAIS DO GOES-8 Nelson Jesus Ferreira Cláudia Cristina dos Santos

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade Escola E.B.,3 de António Feijó Ano letivo 04 05 Planificação anual 7º ano de escolaridade A Terra. Estudos e representações A representação da superfície terrestre A Geografia e o território Compreender

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO

SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO Ana Luiza Bovoy Jônatas de Castro Gonçalves Thiemi Igarashi Vinicius Chequer e Silva LEVANTAMENTO DA COBERTURA VEGETAL ATRAVÉS DE PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO NAS

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida²

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² ¹Graduando em Agronomia, UAST, UFRPE,Serra Talhada-PE, tiagoamancio@hotmail.com

Leia mais

Identificação do Pessoal.

Identificação do Pessoal. Grupo Agro. Identificação do Pessoal. 1- Santiago Viana UFV Doutorando em Agrometeorologia (Marcos Costa) AGRO-IBIS (implementação da cana de açúcar) Codificação: Linux- S / Fortran- S Banco de Dados:

Leia mais

Heron Martins, Antônio Victor; Carlos Souza Jr.;Márcio Sales & Adalberto Veríssimo (Imazon) RESUMO

Heron Martins, Antônio Victor; Carlos Souza Jr.;Márcio Sales & Adalberto Veríssimo (Imazon) RESUMO Heron Martins, Antônio Victor; Carlos Souza Jr.;Márcio Sales & Adalberto Veríssimo (Imazon) RESUMO Em junho de 212, o Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) detectou 34,5 quilômetros quadrados de desmatamento

Leia mais

Composição da atmosfera; Nitrogênio (78%); Oxigênio (21%); Outros Gases (1%)

Composição da atmosfera; Nitrogênio (78%); Oxigênio (21%); Outros Gases (1%) O CLIMA MUNDIAL E BRASILEIRO A Atmosfera Composição da atmosfera; Nitrogênio (78%); Oxigênio (21%); Outros Gases (1%) As camadas da atmosfera: Troposfera; Estratosfera; Mesosfera; Ionosfera; Exosfera.

Leia mais

Heron Martins, Antônio Fonseca; Carlos Souza Jr.; Márcio Sales & Adalberto Veríssimo (Imazon) RESUMO

Heron Martins, Antônio Fonseca; Carlos Souza Jr.; Márcio Sales & Adalberto Veríssimo (Imazon) RESUMO Heron Martins, Antônio Fonseca; Carlos Souza Jr.; Márcio Sales & Adalberto Veríssimo (Imazon) RESUMO O SAD detectou 152 quilômetros Legal somaram 93 quilômetros quadrados em quadrados de desmatamento na

Leia mais

LANDSAT-8: Download de imagens através dos sites Earth Explorer e GLOVIS

LANDSAT-8: Download de imagens através dos sites Earth Explorer e GLOVIS LANDSAT-8: Download de imagens através dos sites Earth Explorer e GLOVIS 2013 LANDSAT-8: Informações para Novos Usuários de Imagens Licença: As imagens Landsat-8 são gratuitas; Download: Para baixar imagens

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÕES DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DO ESPECTRO SOLAR

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÕES DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DO ESPECTRO SOLAR ILHA SOLTEIRA XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Paper CRE05-MN12 DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÕES DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DO ESPECTRO

Leia mais

PROCESSAMENTO DE IMAGENS LANDSAT-5 TM NO MAPEAMENTO DO USO DA TERRA NA REGIÃO DE GUAXUPÉ (MG)

PROCESSAMENTO DE IMAGENS LANDSAT-5 TM NO MAPEAMENTO DO USO DA TERRA NA REGIÃO DE GUAXUPÉ (MG) PROCESSAMENTO DE IMAGENS LANDSAT-5 TM NO MAPEAMENTO DO USO DA TERRA NA REGIÃO DE GUAXUPÉ (MG) LYNEKER PEREIRA DA SILVEIRA¹ e FERNANDO SHINJI KAWAKUBO² Palavras chaves: Sensoriamento Remoto; Café; Cana-de-açúcar;

Leia mais

RESUMO. Estatísticas do Desmatamento. Amazônia Legal. Sanae Hayashi; Carlos Souza Jr.; Márcio Sales & Adalberto Veríssimo (Imazon)

RESUMO. Estatísticas do Desmatamento. Amazônia Legal. Sanae Hayashi; Carlos Souza Jr.; Márcio Sales & Adalberto Veríssimo (Imazon) Janeiro de 2012 Sanae Hayashi; Carlos Souza Jr.; Márcio Sales & Adalberto Veríssimo (Imazon) RESUMO Em janeiro de 2012, a grande maioria As florestas degradadas na (88%) da área florestal da estava somaram

Leia mais

Temperatura do solo e do ar

Temperatura do solo e do ar LCE 306 Meteorologia Agrícola Prof. Paulo Cesar Sentelhas Prof. Luiz Roberto Angelocci Aula # 6 Temperatura do solo e do ar ESALQ/USP 2009 Temperatura do ar e do solo Como vimos na aula de balanço de radiação

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN Carlos Magno de Souza Barbosa 1, Arthur Mattos & Antônio Marozzi Righetto 3 RESUMO - O presente trabalho teve como objetivo a determinação

Leia mais

CAPITULO 2: PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

CAPITULO 2: PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS CAPITULO 2: PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS 2.1 Operacionalização metodológica O trabalho se baseou, inicialmente, no inventário e análise de dados secundários, informações e resultados de pesquisas sobre

Leia mais

VARIAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DE NDVI NO RIO MADEIRA, NA ÁREA DE APROVEITAMENTO HIDRELÉTRICO DA UHE SANTO ANTÔNIO - RO

VARIAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DE NDVI NO RIO MADEIRA, NA ÁREA DE APROVEITAMENTO HIDRELÉTRICO DA UHE SANTO ANTÔNIO - RO VARIAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DE NDVI NO RIO MADEIRA, NA ÁREA DE APROVEITAMENTO HIDRELÉTRICO DA Letícia Celise Ballejo de Oliveira Universidade Federal do Rio Grande do Sul leticelise@yahoo.com.br Laurindo

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

LISTA DE DISSERTAÇÕES DE MESTRADO DO CURSO SENSORIAMENTO REMOTO

LISTA DE DISSERTAÇÕES DE MESTRADO DO CURSO SENSORIAMENTO REMOTO 1977 Autor: Luiz Toshio Takaki Orientador: José Humberto de Andrade Sobral Mapeamento térmico da superfície do mar utilizando imagens digitalizadas VHRR satélites série NOAA. Data de Defesa da Dissertação:

Leia mais

OS TIPOS DE NUVENS REGISTRADOS NA CIDADE DE PONTA GROSSA NOS ANOS 2013 E 2014

OS TIPOS DE NUVENS REGISTRADOS NA CIDADE DE PONTA GROSSA NOS ANOS 2013 E 2014 OS TIPOS DE NUVENS REGISTRADOS NA CIDADE DE PONTA GROSSA NOS ANOS 2013 E 2014 10 BATISTA, Cassiane Gabriele CRUZ, Gilson Campos Ferreira da Introdução A ação do Sol sobre a superfície terrestre, produz

Leia mais

Módulo 1 A Ciência da Mudança do Clima

Módulo 1 A Ciência da Mudança do Clima Módulo 1 A Ciência da Mudança do Clima Gás Porcentagem Partes por Milhão Nitrogênio 78,08 780.000,0 Oxigênio 20,95 209.460,0 Argônio 0,93 9.340,0 Dióxido de carbono 0,0379 379,0 Neônio 0,0018 18,0 Hélio

Leia mais

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal 1/38 Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal Cota de Reserva Ambiental (CRA) Eng. Allan Saddi Arnesen Eng. Frederico Genofre Eng. Matheus Ferreira Eng. Marcelo Pedroso

Leia mais