Universidade de Coimbra. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Engenharia Química (DEQ / FCTUC)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade de Coimbra. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Engenharia Química (DEQ / FCTUC)"

Transcrição

1 Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Química (DEQ / FCTUC) Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

2 Licenciatura em Engenharia Química Desde 1972 Primeiros licenciados em licenciados, desde 1975 até 2004, inclusive Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

3 Instalações: Partilha do actual ISEC até 1975 Laboratório Chimico até 1999 Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

4 Edifício actual no Pólo II desde 1999 Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

5 Planos Curriculares 1º plano (licenciados de 1975 a 1988) - componente computacional - disciplinas autónomas Termodinâmica Química Optimização 2º plano (licenciados de 1989 a 2007) - introdução de um Seminário individual - 4 disciplinas de Laboratórios de Engª Química - Efluentes Industriais - novas disciplinas de opção Engª Bioquímica Materiais Poliméricos Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

6 3º plano em curso de transição sem licenciados diminuição do número de horas de aulas diversificar a formação Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

7 Licenciatura em Engenharia Química da FCTUC Acreditada pela Ordem dos Engenheiros (Out 2001 Mar 2003); ano de refª Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

8 Colaborações docentes externas: Da indústria Tecnologia da Celulose Tecnologia do Papel Gestão de Projectos Industriais Das disciplinas básicas Dep. Engª Mecânica Dep. Engª Electrotécnica Matemática; Física; Química Instalações Serviços Industriais Desenho Electricidade e Electrónica Ex-alunos e Engenheiros da indústria Introdução à Engª Química; Projecto Industrial Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

9 Outros cursos de licenciatura em que o DEQ participa: Química Industrial Engª de Materiais Engª Física Engª Ambiente Engª Biomédica Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

10 Cursos de Pós-Graduação Mestrados Ambiente e Segurança Industrial Biomateriais Tintas e Revestimentos Pasta e Papel Engenharia do Ambiente Engenharia Bioquímica Processos Químicos Engenharia Industrial Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

11 Grandes Áreas Temáticas de Engenharia Química (especialidades de Doutoramento) - Biotecnologia - Fenómenos de Transferência e Operações Unitárias - Processos Químicos - Reactores Químicos - Simulação e Controlo de Processos - Termodinâmica Química Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

12 Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

13 Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

14 Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

15 Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

16 Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

17 Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

18 Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

19 Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

20 Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

21 Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

22 Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

23 Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

24 Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

25 Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

26 Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

27 Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

28 Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

29 Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

30 Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

31 Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

32 Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

33 Inquérito aos Engenheiros Químicos licenciados pelo DEQ (feito em 2001): - o DEQ licenciou mais engenheiras (56%) - a média global é de 13,3 valores - mais de metade ficam nos distritos de Coimbra e Aveiro - área de trabalho 40% indústria 30% ensino e investigação 30% serviços - novas áreas de actividade (ambiente, celulose e papel, qualidade e polímeros) - 40% no sector público 60% no sector privado - desempregados 1% Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

34 Auto-Avaliação da Lic. Engª Química (2000/2001) Inquéritos aos Docentes, Estudantes, Licenciados e Empregadores Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

35 Pontos fracos: - elevada carga horária, disciplinas e trabalhos - pouco contacto com realidades profissionais / industriais - lacunas na área do ambiente e análise química - absentismo às aulas e exames - programas excessivos e alguma falta de articulação - pessoal não docente com baixa formação académica - dificuldades financeiras laboratórios e biblioteca Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

36 Pontos fortes: - boa formação de base - curso de banda larga - boa capacidade de trabalho - incentivo à inovação - critérios de exigência - componente computacional - relacionamento humano - trabalho de equipa - pouca dificuldade de inserção no mercado de trabalho Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006

Universidade Católica Portuguesa Faculdade de Engenharia. Projecto Final e Tese I

Universidade Católica Portuguesa Faculdade de Engenharia. Projecto Final e Tese I Universidade Católica Portuguesa Faculdade de Engenharia Projecto Final e Tese I M E S T R A D O S E M E N G E N H A R I A : A M B I E N T E E U R B A N I S M O, B I O M É D I C A, C I V I L, C L Í N I

Leia mais

ENGENHARIA QUÍMICA - NOTURNO - 4º TERMO HORÁRIO 2ª feira 3ª feira 4ª feira 5ª feira 6ª feira Sábado

ENGENHARIA QUÍMICA - NOTURNO - 4º TERMO HORÁRIO 2ª feira 3ª feira 4ª feira 5ª feira 6ª feira Sábado ENGENHARIA QUÍMICA - NOTURNO HORÁRIO - 2º SEMESTRE 2017 ATUALIZADO: 21/06/2017 ENGENHARIA QUÍMICA - NOTURNO - 2º TERMO Cálculo II Física I Estrutura da Matéria Desenho Técnico Algoritmos e Programação

Leia mais

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ENGENHARIA QUÍMICA. CRÉDITOS Obrigatórios: 204 Optativos: 18. 1º Semestre

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ENGENHARIA QUÍMICA. CRÉDITOS Obrigatórios: 204 Optativos: 18. 1º Semestre Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-reitoria de Graduação - DAARG DRA - Divisão de Registros Acadêmicos Sistema de Controle Acadêmico Grade Curricular 30/01/2014-13:08:51 Curso : ENGENHARIA

Leia mais

V jornadas de avaliação

V jornadas de avaliação jornadas avaliação e Acreditação 14 Março Director Curso: Paula Prata Departamento Informática (DI) Departamento Informática (DI): Quem somos Trabalho senvolvido Objectivos para o futuro Licenciatura em

Leia mais

Mestrado Integrado em Engenharia Física

Mestrado Integrado em Engenharia Física DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR 1 Mestrado Integrado em Engenharia Física Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa 1 DGES

Leia mais

Grade Horária da Engenharia Química - 1º Sem 2016

Grade Horária da Engenharia Química - 1º Sem 2016 Grade Horária da Engenharia Química - 1º Sem 2016 1º PERÍODO NOTURNO 2016 Química Geral (Tuma B) Calculo Diferencial e Integral I Calculo Diferencial e Integral I Introdução à Engenharia Química Metodologia

Leia mais

Tabela I ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA

Tabela I ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA Tabela I ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA Possíveis Saídas Profissionais: As engenheiras e os engenheiros electrotécnicos podem exercer a sua actividade profissional em: a) projecto de instalações eléctricas,

Leia mais

PROPOSTA DE CRIAÇA O DE UM CURSO DE FORMAÇA O NA A REA DE EDUCAÇA O CONTI NUA DIPLOMA DE FORMAÇA O AVANÇADA

PROPOSTA DE CRIAÇA O DE UM CURSO DE FORMAÇA O NA A REA DE EDUCAÇA O CONTI NUA DIPLOMA DE FORMAÇA O AVANÇADA PROPOSTA DE CRIAÇA O DE UM CURSO DE FORMAÇA O NA A REA DE EDUCAÇA O CONTI NUA DIPLOMA DE FORMAÇA O AVANÇADA NOME DO CURSO Português: Formação Avançada em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química

Leia mais

HORÁRIO - 2º SEMESTRE DE 2011

HORÁRIO - 2º SEMESTRE DE 2011 1º PERÍODO Campus I 7:00-8:40 Metodologia Científica GAAV Inglês Instrumental I GAAV Laboratório de Química Básica - L1 8:50-10:30 Cálculo I Cálculo I Desenho I*- T1/T2 Cálculo I Laboratório de Química

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Campus Diadema

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Campus Diadema SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Campus Diadema 4.9.1 Quadro de Unidades Curriculares As Tabelas 4.9.1 e 4.9.2 mostram a distribuição das Unidades Curriculares s e eletivas, com

Leia mais

Características gerais

Características gerais ENGENHARIA QUÍMICA Características gerais O Curso de Engenharia Química propõe-se a formar profissionais qualificados para atuarem na área da engenharia e da química, com capacidade para atender às atribuições

Leia mais

Licenciatura em Química. Departamento de Química, Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra

Licenciatura em Química. Departamento de Química, Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra Licenciatura em Química Departamento de Química, Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra A tabela 1 apresenta o plano de estudos da Licenciatura em Química. Na tabela 2 encontra-se o

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologias

Faculdade de Ciências e Tecnologias Faculdade de Ciências e Tecnologias Universidade Nova de Lisboa Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente Duração: 5 anos Grau: Mestrado Coordenador: Maria de Graça Martinho Objectivos: A Engenharia

Leia mais

2. São igualmente fixados: Universidade do Minho, 5 de Setembro de O Reitor, A. Guimarães Rodrigues

2. São igualmente fixados: Universidade do Minho, 5 de Setembro de O Reitor, A. Guimarães Rodrigues Divisão Académica despacho RT/C-211/2006 A Resolução SU-3/06, de 13 de Março, aprovou a adequação do Curso de Licenciatura em Engenharia BIológica, agora designado por Mestrado em Engenharia Biológica.

Leia mais

Grade do curso de Engenharia Química - UNIPAMPA (a partir de abril de 2015) Período Disciplina Código CH C CT CP CSP PR

Grade do curso de Engenharia Química - UNIPAMPA (a partir de abril de 2015) Período Disciplina Código CH C CT CP CSP PR Grade do curso de Engenharia Química - UNIPAMPA (a partir de abril de 2015) Período Disciplina Código CH C CT CP CSP PR Cálculo I BA011004 60 4 4 0 0 - Física I BA010901 60 4 4 0 0 - Geometria Analítica

Leia mais

I N F O R M A Ç Ã O A O S N O V O S A L U N O S D O D E M

I N F O R M A Ç Ã O A O S N O V O S A L U N O S D O D E M I N F O R M A Ç Ã O A O S N O V O S A L U N O S D O D E M M E S T R A D O I N T E G R A D O E N G E N H A R I A M E C Â N I C A L I C E N C I A T U R A E M E N G E N H A R I A E G E S T Ã O I N D U S T

Leia mais

MEEC. Mestrado em Eng. Electrotécnica e de Computadores. Índice. MEEC Edição 2008/09 Instituto Superior de Engenharia do Porto

MEEC. Mestrado em Eng. Electrotécnica e de Computadores. Índice. MEEC Edição 2008/09 Instituto Superior de Engenharia do Porto Mestrado em Eng. Electrotécnica e de Computadores O Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores destina-se a complementar a formação de profissionais habilitados com o grau de Licenciado, fornecendo

Leia mais

Instituto Politécnico de Setúbal. O Conhecimento como Paixão. A Engenharia como Profissão!

Instituto Politécnico de Setúbal. O Conhecimento como Paixão. A Engenharia como Profissão! O Conhecimento como Paixão A Engenharia como Profissão! Cursos de Engenharia Cursos de Tecnologia Engenharia do Ambiente Engenharia de Automação, Controlo e Instrumentação Engenharia Electrotécnica e de

Leia mais

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ENGENHARIA DE ALIMENTOS

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ENGENHARIA DE ALIMENTOS Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-reitoria de Graduação - DAARG DRA - Divisão de Registros Acadêmicos Sistema de Controle Acadêmico Grade Curricular 21/06/2012-12:31:49 Curso : ENGENHARIA

Leia mais

A ESTRUTURA DE CUSTOS DO IST

A ESTRUTURA DE CUSTOS DO IST A ESTRUTURA DE CUSTOS DO IST Isabel Ribeiro INSTITUTO DE SISTEMAS E ROBÓTICA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO António Cruz Serra INSTITUTO DE TELECOMUNICAÇÕES INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Sumário da Apresentação

Leia mais

Diplomados pela U.Porto inscritos nos centros de emprego do Continente a 31 de Dezembro de 2010

Diplomados pela U.Porto inscritos nos centros de emprego do Continente a 31 de Dezembro de 2010 pela U.Porto inscritos nos centros de emprego do Continente a 31 de Dezembro de 2010 Universidade do Porto. Reitoria Serviço de Melhoria Contínua. 9 Junho de 2011 1 Índice Introdução e notas... 3 I. (Dezembro

Leia mais

O credenciamento e o recredenciamento de Centros Universitários e. ABMES, Brasília julho/2010

O credenciamento e o recredenciamento de Centros Universitários e. ABMES, Brasília julho/2010 O credenciamento e o recredenciamento de Centros Universitários e Universidades ABMES, Brasília julho/2010 O credenciamento e o recredenciamento de Centros Universitários e Universidades Paulo M. V. B.

Leia mais

FORMULÁRIO. Mestrado Integrado em Engenharia Metalúrgica e de Materiais

FORMULÁRIO. Mestrado Integrado em Engenharia Metalúrgica e de Materiais FORMULÁRIO 1. Estabelecimento de ensino: 2. Unidade orgânica (faculdade, escola, instituto, etc.): 3. Curso: 4. Grau ou diploma: Mestre 5. Área científica predominante do curso: Engenharia de Materiais.

Leia mais

Relatório Anual da Comissão Científica do Mestrado em Ensino da Física e da Química

Relatório Anual da Comissão Científica do Mestrado em Ensino da Física e da Química MESTRADO EM ENSINO DA FÍSICA E DA QUÍMICA Relatório Anual da Comissão Científica do Mestrado em Ensino da Física e da Química 28-29 De acordo com ponto 4, alínea l) do artigo 4º, do regulamento geral de

Leia mais

Grade Horária da Engenharia Química - 2º Sem 2014*

Grade Horária da Engenharia Química - 2º Sem 2014* 1º PERÍODO INTEGRAL Grade Horária da Engenharia Química - 2º Sem 2014* AULAS TEÓRICAS 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 13h15 15h05 Calculo Diferencial Integral I Química Geral I (AB) Calculo Diferencial e Integral I Algoritmos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO N o 09/2016, DO CONSELHO DE GRADUAÇÃO Aprova alteração do Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia de, Bacharelado, Campus Patos de Minas, e dá outras providências. O CONSELHO DE

Leia mais

EXPOSIÇÃO A RADIAÇÃO ELECTROMAGÉTICA: APLICAÇÕES AOS TELEMÓVEIS

EXPOSIÇÃO A RADIAÇÃO ELECTROMAGÉTICA: APLICAÇÕES AOS TELEMÓVEIS Professor Doutor Luís Correia Instituto de Telecomunicações Instituto Superior Técnico EXPOSIÇÃO A RADIAÇÃO ELECTROMAGÉTICA: APLICAÇÕES AOS TELEMÓVEIS Aborda-se a exposição de pessoas à radiação electromagnética,

Leia mais

Diplomados pela U.Porto inscritos nos centros de emprego do Continente a 31 de Dezembro de 2009

Diplomados pela U.Porto inscritos nos centros de emprego do Continente a 31 de Dezembro de 2009 pela U.Porto inscritos nos centros de emprego do Continente a 31 de Dezembro de 2009 Universidade do Porto. Reitoria Serviço de Melhoria Contínua. 3 de Maio de 2010 (versão 16fev2011) 1 Índice Introdução

Leia mais

Disciplina Conjunto. ZEA0996(1) Estágio Supervisionado II

Disciplina Conjunto. ZEA0996(1) Estágio Supervisionado II s Optativas Oferecidas Livres ZEA0996(1) Estágio Supervisionado II....................... 0 15 15 450 450 10 Subtotal: 0 15 15 450 450 Total: 0 15 15 450 450 d_jupiter_rl_9_crl_grade USP/DI - 25/3/2009

Leia mais

MBA INSCRIÇÕES ABERTAS. em Gestão de Projectos. Início das aulas: dia 21 de Março. 3ª Edição. Com opção de Mestrado Pro ssionalizante ou Académico

MBA INSCRIÇÕES ABERTAS. em Gestão de Projectos. Início das aulas: dia 21 de Março. 3ª Edição. Com opção de Mestrado Pro ssionalizante ou Académico MBA em Gestão de Projectos Com opção de Mestrado Pro ssionalizante ou Académico 3ª Edição INSCRIÇÕES ABERTAS Início das aulas: dia 21 de Março Parceiro Entidade acreditada por: Telf: 82 313 2200 82 309

Leia mais

Diplomados da Universidade Aberta em 2012 Resultados do Inquérito

Diplomados da Universidade Aberta em 2012 Resultados do Inquérito Diplomados da Universidade Aberta em 202 Resultados do Inquérito GDERI abril de 203 A Universidade Aberta (UAb), Universidade pública de ensino a distância, disponibiliza, em qualquer lugar do mundo, formação

Leia mais

Direito é na Católica

Direito é na Católica é na Católica D UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE DIREITO Índice Um Curso de D inovador Dos métodos de ensino ao plano curricular, descubra porque estamos na vanguarda. Internacionalização:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 183/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais e,

RESOLUÇÃO Nº 183/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais e, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 183/2009/CONEPE Aprova a Tabela de Equivalência do Curso de Engenharia

Leia mais

Mestrado Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Mestrado Engenharia Electrotécnica e de Computadores Mestrado Engenharia Electrotécnica e de Computadores Área de Especialização em Energias Renováveis e Sistemas de Potência Edição 2007/2008 Enquadramento Especialização de Energias Renováveis e Sistemas

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA Ano lectivo 2008/2009 DEPARTAMENTO QUÍMICA CURSO Mestrado Integrado em Engenharia Química (MIEQ) 1.INTRODUÇÃO O Mestrado Integrado em Engenharia Química

Leia mais

Universidade dos Açores

Universidade dos Açores Universidade dos Açores Licenciatura em Engenharia e Gestão do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Responsável: Professor Doutor Rui Bento Elias Objectivos: Na sequência da adequação dos cursos

Leia mais

Ensino, investigação e serviços à comunidade em saúde ocupacional - o contributo do ensino superior politécnico Carla Viegas

Ensino, investigação e serviços à comunidade em saúde ocupacional - o contributo do ensino superior politécnico Carla Viegas Ensino, investigação e serviços à comunidade em saúde ocupacional - o contributo do ensino superior politécnico Carla Viegas Environment & Health Research Group Lisbon School of Health Technology Polytechnic

Leia mais

PERGUNTAS & RESPOSTAS

PERGUNTAS & RESPOSTAS PERGUNTAS & RESPOSTAS O presente documento inclui um conjunto de perguntas e respostas sobre Formação de Peritos Qualificados no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do

Leia mais

Listagem de UC por curso

Listagem de UC por curso Listagem de UC por curso Semestre * 2015-16 Escola Superior de Tecnologia e Gestão Administração Pública Direito Administrativo Contabilidade Financeira Introdução aos Estudos das Organizações Fundamentos

Leia mais

Licenciatura em Engenharia Informática (LEI)

Licenciatura em Engenharia Informática (LEI) Licenciatura em Engenharia Informática (LEI) Recepção aos alunos (ano lectivo 2008 / 2009) Luís Caires Coordenador da LEI Sejam Bemvindos! Cerca de 160 novos alunos Oriundos de muitas zonas do país Origem:

Leia mais

Tabela de Pré-Requisitos. Interdisciplinar 36 Não há

Tabela de Pré-Requisitos. Interdisciplinar 36 Não há Nome da UC Categoria CH Total Pré-Requisitos Álgebra Linear Eletiva 72 Geometria Analítica Álgebra Linear Computacional Eletiva 72 Cálculo Numérico Álgebra Linear II Eletiva 72 Álgebra Linear Algoritmos

Leia mais

CATÁLOGO DAS SEBENTAS, APONTAMENTOS E LIVROS (REQUISIÇÃO SEMESTRAL) 2015/2016

CATÁLOGO DAS SEBENTAS, APONTAMENTOS E LIVROS (REQUISIÇÃO SEMESTRAL) 2015/2016 CATÁLOGO DAS SEBENTAS, APONTAMENTOS E LIVROS (REQUISIÇÃO SEMESTRAL) 2015/2016 1º ANO 1101 Química RS110101 Sebenta Química Geral Teórica, Volume I, Capítulo 1-5 A; RS110102 Sebenta Química Geral Teórica,

Leia mais

BALANÇO DO ANO LECTIVO

BALANÇO DO ANO LECTIVO BALANÇO DO ANO LECTIVO 2015 www.isptec.co.ao Introdução No termo de mais um ano académico, torna-se imprescindível apresentar o Balanço do Ano Académico 2015, sempre no âmbito do cumprimento dos princípios

Leia mais

Mestrado Integrado em Engenharia e Gestão Industrial

Mestrado Integrado em Engenharia e Gestão Industrial Mestrado Integrado em Engenharia e Gestão Industrial Ana Camanho FEUP, 14 de março de 2016 Sumário Médias de entrada e numerus clausus Objetivo geral do curso Estrutura do curso Parcerias estratégicas

Leia mais

SEMESTRE 360 HORAS CÓDIGO ATIVIDADES/COMPONENTES CURRICULARES C.H

SEMESTRE 360 HORAS CÓDIGO ATIVIDADES/COMPONENTES CURRICULARES C.H Universidade Estadual da Paraíba UEPB - Campus I Campina Grande Curso de Graduação em Química Industrial Resolução de Aprovação do Projeto Pedagógico UEPB/CONSEPE/006/2008 -TURNO DIURNO COMPOSIÇÃO CURRICULAR

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DE 2014

ESTRUTURA CURRICULAR DE 2014 PRÓ-REITORIA GRADUAÇÃO ESCOLA POLITÉCNICA ANEXO F ESTRUTURA CURRICULAR 2014 1º semestre S OBRIGATÓRIAS D E AULA TRAB. TOTAL MAC2166 - Introdução à Computação 4 0 60 1 MAT2453 - Cálculo Diferencial e Integral

Leia mais

MARIA JULIETA DE MENEZES OCTÁVIO ou

MARIA JULIETA DE MENEZES OCTÁVIO ou DADOS PESSOAIS NOME Data de Nascimento Nacionalidade Contacto Residência MARIA JULIETA DE MENEZES OCTÁVIO 21de Maio de 1953 Angolana 912215832 ou 92372767 julietaoctavio21@hotmail.com julietaoctavio@gmail.com

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus. Relatório de Avaliação às Unidades Curriculares 1.º semestre /2016

Escola Superior de Educação João de Deus. Relatório de Avaliação às Unidades Curriculares 1.º semestre /2016 Licenciatura em EDUCAÇÃO BÁSICA às Unidades Curriculares 1.º semestre - 2015/2016 1. Introdução A avaliação está intimamente ligada ao processo de qualidade, de desenvolvimento e de aperfeiçoamento organizacional.

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo

Universidade Federal do Espírito Santo Curso: Nível: Grau Conferido: Turno: Tipo: Modalidade: Funcionamento: Engenharia de Petroleo - Sao Mateus Ensino Superior Engenheiro de Petróleo Diurno Curso Bacharelado Em atividade Documento de Autorização:

Leia mais

REORGANIZAÇÃO DAS LICENCIATURAS DA U. M.

REORGANIZAÇÃO DAS LICENCIATURAS DA U. M. CAc P 1-02/03 REORGANIZAÇÃO DAS LICENCIATURAS DA U. M. 1. Introdução A expansão da rede do Ensino Superior Público e Privado, que ocorreu nas décadas de 80 e 90, trouxe como consequência, aliás previsível,

Leia mais

ENGENHARIA DE ALIMENTOS

ENGENHARIA DE ALIMENTOS 132 Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA DE ALIMENTOS COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS Paulo Henrique Alves da Silva phasilva@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2002 133 ATUAÇÃO O Engenheiro

Leia mais

Ano Letivo 2015/2016. Datas dos Exames das Épocas de Recurso e Especial. Unidades Curriculares do DM

Ano Letivo 2015/2016. Datas dos Exames das Épocas de Recurso e Especial. Unidades Curriculares do DM Ano Letivo 2015/2016 Datas dos Exames das Épocas de Recurso e Especial Unidades Curriculares do DM Data Hora Disciplina Regime Época Curso/Menor 01-07-2016 09:00 Matemática 2º Semestre Época de Recurso

Leia mais

Disciplina de FÍSICA I

Disciplina de FÍSICA I UIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA F A C U L D A D E D E E G E H A R IA Disciplina de FÍSICA I Contexto da Disciplina Horas de Trabalho do Aluno Curso(s): Licenciaturas em Engenharia (1º ciclo) Aulas Teóricas

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. 1ª Fase

CURRÍCULO DO CURSO. 1ª Fase Objetivo: Titulação: Diplomado em: Engenheiro Têxtil Engenharia Têxtil Período de Conclusão do Curso: Carga Horária Obrigatória: Mínimo: 10 semestres UFSC: 4932 Máximo: 18 semestres CNE: 4110 H Número

Leia mais

Doutoramento em Economia

Doutoramento em Economia Doutoramento em Economia 2010/2011 O Programa O Programa de Doutoramento em Economia tem como objectivo central proporcionar formação que permita o acesso a actividades profissionais de elevada exigência

Leia mais

HORÁRIO DE AULA DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOPROCESSOS E BIOTECNOLOGIA

HORÁRIO DE AULA DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOPROCESSOS E BIOTECNOLOGIA HORÁRIO DE AULA DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOPROCESSOS E BIOTECNOLOGIA 2017 * Aprovado em Reunião de Conselho de Curso de Graduação em Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia realizado em 16/11/2016

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010 DEPARTAMENTO DE QUÍMICA Jorge Manuel Alexandre Saraiva LICENCIATURA EM BIOTECNOLOGIA 1. INTRODUÇÃO Este relatório cobre o ano lectivo

Leia mais

PROCESSO DE CANDIDATURA À LICENCIATURA EM ARQUITECTURA NA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA

PROCESSO DE CANDIDATURA À LICENCIATURA EM ARQUITECTURA NA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA PROCESSO DE CANDIDATURA À LICENCIATURA EM ARQUITECTURA NA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA CURRICULUM PROFISSIONAL DE. (Nome) Bacharel ou Licenciado em Engenharia Civil ÍNDICE 1. DADOS BIOGRÁFICOS 2. GRAU

Leia mais

6ªEd.Lisboa.Porto.Braga.Coimbra

6ªEd.Lisboa.Porto.Braga.Coimbra 6ªEd.Lisboa.Porto.Braga.Coimbra 28 horas de formação teórico-prática 55 horas de formação prática aplicada 7 horas de contacto com fornecedores de software comercial Datas de realização: Lisboa: 8 de Setembro

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA Ano lectivo 2008/2009 DEPARTAMENTO Engenharia Mecânica/Electrónica, Telecomunicações e Informática CURSO Mestrado em Engenharia de Automação Industrial

Leia mais

TRANSFERÊNCIA NCIA DE TECNOLOGIA

TRANSFERÊNCIA NCIA DE TECNOLOGIA TREM DE ALTA VELOCIDADE - TAV TRANSFERÊNCIA NCIA DE TECNOLOGIA Seminário sobre o Trem de Alta Velocidade Federaçã ção o das Indústrias do Estado de São S o Paulo FIESP Agência Nacional de Transportes terrestres

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA ELÉTRICA. COORDENADOR Leonardo Bonato Félix

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA ELÉTRICA. COORDENADOR Leonardo Bonato Félix 264 ENGENHARIA ELÉTRICA COORDENADOR Leonardo Bonato Félix leobonato@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2014 265 Engenheiro Eletricista ATUAÇÃO O curso de Engenharia Elétrica da UFV oferece a seus estudantes

Leia mais

Titular de CET e de CTeSP /2018

Titular de CET e de CTeSP /2018 320 In e jornalismo Licenciatura em administração pública 380 Direito 581 Arquitectura e urbanismo 760 Serviços sociais 225 História e arqueologia 226 Filosofia e ética 421 Biologia e Bioquímica 422 Ciências

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. COORDENADOR Luciano José Minette

UFV Catálogo de Graduação ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. COORDENADOR Luciano José Minette UFV Catálogo de Graduação 2011 229 ENGENHARIA DE PRODUÇÃO COORDENADOR Luciano José Minette minetti@ufv.br 230 Currículos dos Cursos do CCE UFV Engenheiro de Produção ATUAÇÃO O Curso de Engenharia de Produção

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação ENGENHARIA MECÂNICA. COORDENADOR Charles Luis da Silva

UFV Catálogo de Graduação ENGENHARIA MECÂNICA. COORDENADOR Charles Luis da Silva UFV Catálogo de Graduação 2013 141 ENGENHARIA MECÂNICA COORDENADOR Charles Luis da Silva charles.silva@ufv.br 142 Currículos dos Cursos UFV Engenheiro Mecânico ATUAÇÃO O curso de Engenharia Mecânica da

Leia mais

Modelação e Simulação de Mercados de Energia Eléctrica

Modelação e Simulação de Mercados de Energia Eléctrica Curso de Formação em Modelação e Simulação de Mercados de Energia Eléctrica Leccionado por Jorge Alberto Mendes de Sousa para Galp Energia Lisboa Abril 2010 1. Enquadramento O presente curso de formação

Leia mais

Ano Lectivo 2010/2011. Perfis Médios por Curso Escola Superior de Tecnologia de Abrantes

Ano Lectivo 2010/2011. Perfis Médios por Curso Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Ano Lectivo 2010/2011 Perfis Médios por Curso Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Julho de 2011 Índice Licenciatura em Comunicação Social... 2 Licenciatura em Engenharia Mecânica... 3 Licenciatura

Leia mais

Relatório de versão curricular

Relatório de versão curricular UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Configuração Curricular Relatório de versão curricular Curso: 24003 - ENGENHARIA DE ALIMENTOS Versão curricular: D-20141 Situação: Liberada Carga horária mínima para

Leia mais

Currículos dos Cursos UFV ENGENHARIA ELÉTRICA. COORDENADOR Leonardo Bonato Felix

Currículos dos Cursos UFV ENGENHARIA ELÉTRICA. COORDENADOR Leonardo Bonato Felix 134 ENGENHARIA ELÉTRICA COORDENADOR Leonardo Bonato Felix leobonato@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2013 135 Engenheiro Eletricista ATUAÇÃO O curso de Engenharia Elétrica da UFV oferece a seus estudantes

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA Ano lectivo 2008/2009 DEPARTAMENTO Engenharia Civil CURSO Licenciatura em Ciências de Engenharia Civil 1.INTRODUÇÃO A Engenharia Civil é uma actividade

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM BIOMECÂNICA. (edição 2010 2012)

EDITAL MESTRADO EM BIOMECÂNICA. (edição 2010 2012) EDITAL MESTRADO EM BIOMECÂNICA (edição 2010 2012) Nos termos do Decreto Lei n.º 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto Lei n.º 74/2006 de 24 de Março, com as alterações introduzidas pelo Decreto Lei n.º

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCE UFV MATEMÁTICA. COORDENADORA DO CURSO DE MATEMÁTICA Marinês Guerreiro

Currículos dos Cursos do CCE UFV MATEMÁTICA. COORDENADORA DO CURSO DE MATEMÁTICA Marinês Guerreiro 132 MATEMÁTICA COORDENADORA DO CURSO DE MATEMÁTICA Marinês Guerreiro marines@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2002 133 Bacharelado ATUAÇÃO O curso de Matemática forma bacharéis e, ou, licenciados. O Bacharel

Leia mais

Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado. Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - ICET

Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado. Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - ICET Descrição do Curso: Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - ICET - Curso de Engenharia Industrial - - Habilitação em Química e Habilitação

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS UNIDADE VALENÇA 3 0 PERÍODO CARGA HORÁRIA SEMESTRAL

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS UNIDADE VALENÇA 3 0 PERÍODO CARGA HORÁRIA SEMESTRAL ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS UNIDADE VALENÇA 1 0 PERÍODO GEAL 1101 Cálculo Diferencial e Integral I - - GEAL 1102 Biologia Geral 2 0 0 2 36 - - GEAL 1103 Química Experimental

Leia mais

2008, JULGOU-SE ESTE MINHO (NESTAS UNL, FCT-UC, UNIVERSIDADEU 2, FORAM AVEIRO 12 MESES; 12 MESES. OEIST OUTUBRO 2009 RUI MENDES CLÁUDIA BARRADAS

2008, JULGOU-SE ESTE MINHO (NESTAS UNL, FCT-UC, UNIVERSIDADEU 2, FORAM AVEIRO 12 MESES; 12 MESES. OEIST OUTUBRO 2009 RUI MENDES CLÁUDIA BARRADAS DESEMPREGADOS INSCRITOS NOS CENTROS DE EMPREGO DO IEFP EM 2007 E 2008 RELATÓRIOS II, III E IV PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS COM HABILITAÇÃO SUPERIOR FEV/08, JUL/08 E MAR/2009 URL:/HTTP://WWW.ESTATISTICAS.GPEARI.MCTES.PT/

Leia mais

Mapa de testes finais e exames ano letivo 2013/2014

Mapa de testes finais e exames ano letivo 2013/2014 disc Unidade curricular Sala 1 contabilidade 35 2 1129 contabilidade geral I 15-01-2014 qua 04-02-2014 ter 07-07-2014 seg 01-09-2014 seg 1 contabilidade 35 2 1130 economia 22-01-2014 qua 08-02-2014 sáb

Leia mais

Mantém-te ligado(a) Atualização de informação de emprego científico:

Mantém-te ligado(a) Atualização de informação de emprego científico: OPORTUNIDADE DE TRABALHO CIENTÍFICO Entra em contato connosco e envia o teu CV, acompanhado de uma carta de apresentação para research.fellows.cdrsp@ipleiria.pt Atualização de informação de emprego científico:

Leia mais

Definição de propinas para cursos técnicos superiores profissionais 2016/2017

Definição de propinas para cursos técnicos superiores profissionais 2016/2017 Definição de propinas para cursos técnicos superiores profissionais 2016/2017 Curso Nome do Curso PROPINA ESAC T205 Agrotecnologia 750 ESAC T228 Análises Agroalimentares 750 ESAC T279 Avicultura 750 ESAC

Leia mais

UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO CERIMÓNIA DE INÍCIO DAS ACTIVIDADES LECTIVAS ANO ACADÉMICO 2014 BALANÇO ACADÉMICO

UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO CERIMÓNIA DE INÍCIO DAS ACTIVIDADES LECTIVAS ANO ACADÉMICO 2014 BALANÇO ACADÉMICO UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO CERIMÓNIA DE INÍCIO DAS ACTIVIDADES LECTIVAS ANO ACADÉMICO 2014 BALANÇO ACADÉMICO ESTRUTURA ACTUAL DA UAN A UAN encontra-se estruturada em Unidades Orgânicas: 1. FACULDADES

Leia mais

SEMINÁRIO ILUSTRAR A TRANSIÇÃO PARA A ISO 9001:2015 E ISO

SEMINÁRIO ILUSTRAR A TRANSIÇÃO PARA A ISO 9001:2015 E ISO SEMINÁRIO ILUSTRAR A TRANSIÇÃO PARA A ISO 9001:2015 E ISO 14001:2015 Datas e Locais PORTO 18 MAIO LISBOA 25 MAIO COIMBRA 24 MAIO Atualmente as organizações deparam-se com um novo paradigma de gestão, alavancado

Leia mais

RESULTADOS DOS INQUÉRITOS ÀS ENTIDADES EMPREGADORAS DE DIPLOMADOS DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA

RESULTADOS DOS INQUÉRITOS ÀS ENTIDADES EMPREGADORAS DE DIPLOMADOS DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA Tabela 1. Entidades empregadoras Entidades Associações promotoras da dança / artes performativas 2 Companhias de Dança 3 Escolas de Dança 5 IPSS 1 Total 11 Tabela 1. As entidades empregadoras são maioritariamente

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO BARREIRO ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE INSTITUTO POLITÉCNICO DE

Leia mais

FÍSICA. COORDENADOR Helder Soares Moreira

FÍSICA. COORDENADOR Helder Soares Moreira FÍSICA COORDENADOR Helder Soares Moreira hmoreira@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2009 235 Bacharelado ATUAÇÃO O curso de graduação em Física oferece ao estudante a oportunidade de obter ampla formação

Leia mais

Projetos de Engenharia e Arquitetura

Projetos de Engenharia e Arquitetura Projetos de Engenharia e Arquitetura Mudança de Paradigma No passado Projetos Centralizados Foco nas Tarefas Individuais Foco na Lucratividade Profissional Mono Tarefa Concorrência Local Foco no Documento

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA. Síntese do

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA. Síntese do ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA Síntese do RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO: AVALIAÇÃO: OPINIÃO DA COMUNIDADE EDUCATIVA E ENTIDADES EMPREGADORAS O presente documento-síntese é composto pelo Índice

Leia mais

NCE/15/00108 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/15/00108 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/15/00108 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Porto A.1.a.

Leia mais

REVISTAS DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS E A INICIAÇÃO PROFISSIONAL E CIENTÍFICA EM GEOGRAFIA: O CASO DA REVISTA ÁREA

REVISTAS DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS E A INICIAÇÃO PROFISSIONAL E CIENTÍFICA EM GEOGRAFIA: O CASO DA REVISTA ÁREA REVISTAS DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS E A INICIAÇÃO PROFISSIONAL E CIENTÍFICA EM GEOGRAFIA: O CASO DA REVISTA ÁREA Paulo Pereira 1, Domingos Silva 2 & Ricardo Almendra 3 Direcção da Área - Revista dos

Leia mais

COPPE/UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE POS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA. Construindo competências para o futuro do setor de óleo e gás

COPPE/UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE POS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA. Construindo competências para o futuro do setor de óleo e gás COPPE/UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE POS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA Construindo competências para o futuro do setor de óleo e gás Diretoria Edson Hirokazu Watanabe, Diretor Romildo Dias

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO LICENCIATURA EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL ( LEGI ) 1 A UNIVERSIDADE A Universidade

Leia mais

Produção Aeronáutica

Produção Aeronáutica Curso Técnico Superior Profissional Curso Técnico Superior Profissional Produção Aeronáutica 2016/2017 www.ips.pt facebook.com/instituto.politecnico.setubal CTeSP o que são? Cursos Técnicos Superiores

Leia mais

Esta engenharia tem muito pouco dessa disciplina. O profissional de química é formado para transformar uma coisa em outra, analisando em laboratório,

Esta engenharia tem muito pouco dessa disciplina. O profissional de química é formado para transformar uma coisa em outra, analisando em laboratório, Junho/2010.1 Esta engenharia tem muito pouco dessa disciplina. O profissional de química é formado para transformar uma coisa em outra, analisando em laboratório, por exemplo, as reações e a energia que

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 075/2015 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Licenciatura em Ciências Biomédicas

Licenciatura em Ciências Biomédicas Licenciatura em Ciências Biomédicas Uma formação de elevada empregabilidade e com vagas em Medicina Coordenação: Prof. Doutor Ricardo Jorge Dinis-Oliveira CESPU & UNIVERSIDADE DE MADRID ALFONSO X EL SABIO

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação ENGENHARIA MECÂNICA. COORDENADOR Charles Luís da Silva

UFV Catálogo de Graduação ENGENHARIA MECÂNICA. COORDENADOR Charles Luís da Silva UFV Catálogo de Graduação 2014 271 ENGENHARIA MECÂNICA COORDENADOR Charles Luís da Silva charles.silva@ufv.br 272 Currículos dos Cursos do CCE UFV Engenheiro Mecânico ATUAÇÃO O curso de Engenharia Mecânica

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE A PROPOSTA DE ALTERAÇÕES NA ESTRUTURA CURRICULAR PARA 2011 CURSO: ENGENHARIA INDUSTRIAL QUÍMICA (88100)

INFORMAÇÕES SOBRE A PROPOSTA DE ALTERAÇÕES NA ESTRUTURA CURRICULAR PARA 2011 CURSO: ENGENHARIA INDUSTRIAL QUÍMICA (88100) INFORMAÇÕES SOBRE A PROPOSTA DE ALTERAÇÕES NA ESTRUTURA CURRICULAR PARA 2011 CURSO: ENGENHARIA INDUSTRIAL QUÍMICA (88100) (Válida para ingressantes após 2005) A) INCLUSÃO DE DISCIPLINA LOQ4046 - Gestão

Leia mais

ANEXO I QUADRO DE CURSOS E VAGAS. Universidade da Região de Joinville

ANEXO I QUADRO DE CURSOS E VAGAS. Universidade da Região de Joinville ANEXO I QUADRO DE CURSOS E VAGAS UNIVILLE Campus Joinville Universidade da Região de Joinville ADMINISTRAÇÃO Empresas (146) Noturno 74 Decreto Federal nº 76.148/75 ARQUITETURA E URBANISMO (147) Noturno

Leia mais

A ATUALIDADE DO PLANO ORIENTADOR DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Timothy Mulholland

A ATUALIDADE DO PLANO ORIENTADOR DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Timothy Mulholland A ATUALIDADE DO PLANO ORIENTADOR DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Timothy Mulholland O Plano Orientador de Anísio Teixeira e Darcy Ribeiro e o início da Universidade de Brasília 1962 Universidade de Brasília

Leia mais

DISCIPLINA Turmas DIA TURNO Períodos SALA ÁLGEBRA II LM11 2 N ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO EC11 EP11 6 N ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO

DISCIPLINA Turmas DIA TURNO Períodos SALA ÁLGEBRA II LM11 2 N ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO EC11 EP11 6 N ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO ÁLGEBRA II LM11 2 N 1234 1202 ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO EC11 EP11 6 N 1234 1202 ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO EQ11 2 T 1234 2209 ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO EE11 EP12 LF11 2 M 45 1203 ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO EE11

Leia mais

De acordo com a Lei n.º 62/2007 de 10 de Setembro (Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior) e nos termos dos artigos 24.º n.

De acordo com a Lei n.º 62/2007 de 10 de Setembro (Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior) e nos termos dos artigos 24.º n. De acordo com a Lei n.º 62/2007 de 10 de Setembro (Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior) e nos termos dos artigos 24.º n.º 2, 159º alínea h) e 162.º alínea j) Preparado por: Gabinete de

Leia mais

Associação Portuguesa de Antropologia

Associação Portuguesa de Antropologia Associação Portuguesa de Antropologia O PERFIL DO ANTROPÓLOGO EM PORTUGAL 2015 Caro(a) colega, bem-vindo(a)! Este questionário integra-se num estudo que a APA, Associação Portuguesa de Antropologia, está

Leia mais