Seminário Internacional Frotas e Fretes Verdes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seminário Internacional Frotas e Fretes Verdes"

Transcrição

1 Seminário Internacional Frotas e Fretes Verdes Ações de Itaipu em prol da Mobilidade Elétrica 28 de novembro de 2014 Eng. MARCIO MASSAKITI KUBO, M.Sc. Assessoria de Mobilidade Elétrica Sustentável 1

2 ITAIPU: Missão Ampliada Gerar energia de qualidade, com responsabilidade social e ambiental, impulsionando o desenvolvimento econômico, turístico e tecnológico, sustentável, no Brasil e no Paraguai. Alguns Projetos Estratégicos Fundação Parque Tecnológico Itaipu Univers. Fed. da Integração Latino-Americana Centro Internacional de Hidroinformática Plataforma de Energias Renováveis Programa Veículo Elétrico 2

3 Histórico do Programa VE Itaipu/KWO Acordo de cooperação tecnológico ITAIPU - KWO Início do Projeto VE ITAIPU/KWO P&D s 2004 Convite da KWO p/ participar no Projeto VE 2006 Inclusão de Parceiros, Homologação do Protótipo de VE Objetivo: Contribuir no desenvolvimento da tecnologia de veículos movidos a eletricidade que sejam técnica e economicamente viáveis promovendo o uso racional e eficiente da energia bem como a preservação do meio ambiente. 3

4 Análise Econômica: Transportes Consumo Energético do Brasil em ,8% Rodoviário 1,5% Aéreo 4,9% Hidroviário 1,8% Ferroviário INDUSTRIAL - TOTAL 36% TRANSPORTES - TOTAL 30% AGROPECUÁRIO 4% PÚBLICO 2% COMERCIAL 3% RESIDENCIAL 9% CONSUMO FINAL NÃO-ENERGÉTICO 7% SETOR ENERGÉTICO 9% Energia queimada em motores a combustão: 860,5 Milhões de MWh ou 9,3 Itaipus * 100 anos depois do Ford T. Apenas 0,2% elétricos. Fonte: MME - Balanço Energético Nacional 2012 (Ano Base 2011) (*) Produção de Itaipu 2011: 92,2 Milhões de MWh

5 Análise de Eficiência: Diesel vs. Elétrico Energia 100% Energia 100% Países com matriz energética baseadas em TERMOELÉTRICAS -9% Refinaria Emissão de CO2-36% -5% Rede -8% Bateria -2% Motor Elétrica 40% 3,4 Itaipus -12% Refinaria 2,1 Itaipus Desperdiçadas ELÉTRICO ENERGIA ÚTIL 1,3 Itaipus Emissão de CO2-73% Automóvel ENERGIA ÚTIL 15% 8 Itaipus 9,3 Itaipus 1,3 DIESEL Desperdiçadas Itaipus

6 Análise de Eficiência: Diesel vs. Elétrico Energia 100% Energia 100% Países com matriz energética baseadas em HIDRELÉTRICAS 1,53 Itaipus -12% Refinaria 0,23 Itaipus (perdas) Emissão de CO2-5% Rede -8% Bateria -2% Motor Elétrica ELÉTRICO -73% Automóvel ENERGIA ÚTIL 85% 1,3 Itaipus ENERGIA ÚTIL 15% 8 Itaipus 9,3 Itaipus 1,3 DIESEL Desperdiçadas Itaipus Custo da energia, com tarifa residencial, para cada 100 km rodados: ~ US$ 4,00

7 Incremento na Demanda de Energia E se 100% da produção anual de automóveis fosse de veículos elétricos? Produção de VEs x Demanda de Energia 4% 3% 2% 1% 0% 3,3% 0,33% 100% de VEs (3,4 milhões de automóveis) 10% de VEs (340 mil automóveis) Em 2011, no Brasil Energia Elétrica : 430 TWh (consumo) Produção: 3,4 milhões automóveis VE rodando 60 km/dia consome ~ 10 kwh / dia Tecnologia atual usada no Palio Weekend;

8 Por que não podemos ficar de fora? Poderíamos evitar a poluição; e Atualmente jogamos no lixo a energia produzida por 8 Itaipu s/ano ( aprox. R$ 70 bilhões). (Recursos naturais são finitos, uso racional é bom senso) Referências do Brasil: Saúde Pública: ~ R$ 71,7 bi/ano (2012); O Brasil importou importação de US$ 31,6 Bilhões em petróleo bruto e derivados. 8

9 Programa VE - Gestão Itaipu/KWO Parceiros Formais Produtor de Baterias e Acessórios Eletrônicos; Montadoras Automotivas; Concessionárias de Energia Elétrica; Institutos de Pesquisa; Entidades Públicas e Privadas; 9

10 Programa VE Algumas Ações e Desenvolvimentos Protótipos de Demonstração Infraestrutura Desenvolvimento de Fornecedores Sistema de Tração Smart-Grid Vehicle-to-Grid Eletropostos (Rápido e Lento) Sistema Auxiliares Baterias Avançadas 10

11 Bateria de Sódio Nacional Produção de bateria de sódio nacional para atender VEs e Setor de Energia DIFERENCIAL: Transferência de tecnologia realizada pelo cientista que colocou em operação a fábrica da bateria ZEBRA Meio-Ambiente Autonomia Tecnológica Eficiência Energética Smart Grid Veículos Elétricos Armazenamento de Energia em Baterias Avançadas Stakeholders: 11

12 Características da Bateria de Sódio Miscelânea Composição Química da Bateria (matéria prima abundante) Adequado para países tropicais 3 vezes mais leve que chumbo-ácido Sem efeito memória Aprovado em crash test (50 km/h) 12

13 Smart Charging Slow Charge -Inst. Elétricas Residenciais -Inst de baixa potência Fast Charge -Shopping Center -Supermercados -Estacionamentos -Posto de Combustíveis

14 Estudos de Impacto na Rede / Smart Grid Novos modelos de negócio para o Setor Elétrico / Infraestrutura

15 Novos Projetos: Estudos de Nacionalização e Desenvolvimento de Fornecedores Europa: Homologado Vendido comercialmente Itaipu: Produção de 32 Twizys para uso interno Implantação de EV Car-Sharing na empresa Estudos de nacionalização Brasil: Sem legislação específica Sem fabricantes/fornecedores de peças 15

16 16

17 Cenário - Indústria Automobilística Mundo Brasil Frota milhões 34,7 milhões Previsão da Frota 2 bilhões (2030) 70 milhões (2020) Produção ,1 milhões 3,4 milhões Mercado/Fabricantes - 4º / 6º Empregos 146 mil PIB Industrial ,70% O mercado estão nos BRICS Veículos necessitam serem Verdes : USA 800/1000hab. Brasil 200/1000hab. Europa 500/1000hab. As oportunidades estão nas transições de tecnologia Temos que lutar pela produção nacional, valorizar a tecnologia dos VE s e seus insumos, pensar no mercado externo (exportar), lembrar que os VE s são apenas a ponta do Iceberg Gasolina tipo A Quanto o Brasil importou? Ano Qtde [litros] Custo [US$] ,18 bilhões 1,64 bilhões ,78 bilhões 2,91 bilhões 17

18 Consideração Final Nos próximos anos, o uso do VE será indispensável e inevitável, principalmente devido: a questões ambientais; a eficiência energética; Obrigado ao domínio da tecnologia e; à necessidade do uso racional dos recursos naturais. O Setor Elétrico Brasileiro também estará preparado? Eng. MARCIO MASSAKITI KUBO, M.Sc. Teremos condições Coordenador de de aproveitar P&D -Programa os VE benefícios dessa tecnologia? 18

8º SETREL - Seminário Nacional de Transportes das Empresas do Setor Elétrico

8º SETREL - Seminário Nacional de Transportes das Empresas do Setor Elétrico 8º SETREL - Seminário Nacional de Transportes das Empresas do Setor Elétrico Visão Geral do Programa Veículo Elétrico 15 de Junho de 2015 Eng. MARCIO MASSAKITI KUBO Coordenador de P&D - Programa VE Assessoria

Leia mais

Visão Global do Programa Veículo Elétrico

Visão Global do Programa Veículo Elétrico Visão Global do Programa Veículo Elétrico 26 de junho de 2013 Diretoria Geral Assessoria de Mobilidade Elétrica Sustentável Histórico do Programa VE Itaipu/KWO Acordo de cooperação tecnológico ITAIPU -KWO

Leia mais

COOPERAÇÃO PARA A MOBILIDADE SUSTENTAVEL

COOPERAÇÃO PARA A MOBILIDADE SUSTENTAVEL COOPERAÇÃO PARA A MOBILIDADE SUSTENTAVEL GERAR ENERGIA ELÉTRICA DE QUALIDADE, - COM RESPONSABILIDADE SOCIAL E AMBIENTAL, IMPULSIONANDO O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, TURÍSTICO E TECNOLÓGICO, SUSTENTÁVEL,

Leia mais

Visão Global - Experiências de ITAIPU

Visão Global - Experiências de ITAIPU Visão Global - Experiências de ITAIPU no Projeto Veículo Elétrico Rio de Janeiro,18 de junho de 2012. Eng. Celso Ribeiro Barbosa de Novais Chefe da Assessoria de Mobilidade Elétrica Sustentável da ITAIPU

Leia mais

Projeto Veículo Elétrico

Projeto Veículo Elétrico Projeto Veículo Elétrico Palio Weekend Elétrico Leonardo Gaudencio Cavaliere Supervisor de Inovações do Produto Belo Horizonte, 05 julho 2010 GRUPO FIAT NO MUNDO GRUPO FIAT NO BRASIL MONTADORAS COMPONENTES

Leia mais

Renato Alvarenga Diretor de Comercialização e Logística Cam Brasil

Renato Alvarenga Diretor de Comercialização e Logística Cam Brasil Renato Alvarenga Diretor de Comercialização e Logística Cam Brasil 19 a 21 de outubro de 2009 Hotel Transamérica São Paulo BRASIL Agenda Introdução sobre veículos elétricos Desafios para a adoção em massa

Leia mais

USO EFICIENTE DO ETANOL VEICULAR NO BRASIL

USO EFICIENTE DO ETANOL VEICULAR NO BRASIL USO EFICIENTE DO ETANOL VEICULAR NO BRASIL ÔNIBUS ELÉTRICO HÍBRIDO A ETANOL São Paulo SP, 21 de novembro de 2013 NABOR FERREIRA CABRAL Assessoria de Mobilidade Elétrica Sustentável Engenheiro Mecânico

Leia mais

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE POLÍTICA PARA OS COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Segundo Diálogo Nacional Rio de Janeiro (21/11/2014) CINDES Professor Adilson de Oliveira adilson@ie.ufrj.br ROTEIRO Novo contexto

Leia mais

Visão Global - Experiências de ITAIPU no Projeto Veículo Elétrico

Visão Global - Experiências de ITAIPU no Projeto Veículo Elétrico 5º Fórum Paranaense de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte e Trânsito Visão Global - Experiências de ITAIPU no Projeto Veículo Elétrico Eng. Celso Ribeiro Barbosa de Novais Chefe da Assessoria

Leia mais

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura Rio de Janeiro, 04/julho/2013 Ministério de Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura III Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira

Leia mais

SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA O ECOSSISTEMA DA MOBILIDADE.

SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA O ECOSSISTEMA DA MOBILIDADE. SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA O ECOSSISTEMA DA MOBILIDADE. Somos uma empresa Portuguesa, cujo projeto se iniciou em 2006 com a oferta de soluções de energia renovável. Atualmente disponibilizamos soluções completas

Leia mais

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Fontes Renováveis na Matriz Energética Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Rio de Janeiro, RJ 29 Abril 2014 Seminário Inserção

Leia mais

PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU. Pesquisa, Desenvolvimento & Inovação

PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU. Pesquisa, Desenvolvimento & Inovação PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU Pesquisa, Desenvolvimento & Inovação 31/03/2016 PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU UNIVERSIDADES Educação & Extensão ESPAÇOS DE INOVAÇÃO INCUBADORA E CONDOMÍNIO EMPRESARIAL Pesquisa &

Leia mais

Seminário Brasil-Alemanha de Eficiência Energética. A escassez de água no Brasil e o impacto na geração de energia

Seminário Brasil-Alemanha de Eficiência Energética. A escassez de água no Brasil e o impacto na geração de energia Seminário Brasil-Alemanha de Eficiência Energética no Brasil e o impacto na geração Cilene Victor 1 Professora de Jornalismo e Relações Públicas e coordenadora do Centro Interdisciplinar de Pesquisa da

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS

POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS Marcelo Khaled Poppe, Secretário de Desenvolvimento Energético MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA BRASIL- MATRIZ ENERGÉTICA Petróleo 47,1% Nuclear 1,2%

Leia mais

Bernardo Hauch Ribeiro de Castro Gerente AI/DEPIP Agosto 2012

Bernardo Hauch Ribeiro de Castro Gerente AI/DEPIP Agosto 2012 Linhas de Financiamento Veículos Elétricos Bernardo Hauch Ribeiro de Castro Gerente AI/DEPIP Agosto 2012 Agenda Indústria Automotiva Drivers para difusão Situação atual Linhas do BNDES Indústria Automotiva

Leia mais

Indústria Automobilística Brasileira

Indústria Automobilística Brasileira Indústria Automobilística Brasileira Realidade 2010 Encontro Prof. Manoel A. S. Reis, PhD Os Novos Desafios da Logística O Exemplo da Indústria Automobilística São Paulo 20 de outubro de 2010 Indústria

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE João Roberto Loureiro de Mattos joaol@pitágoras.com.br jrdemattos@oi.com.br 1ª ENGENIO - SEMANA DO NÚCLEO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO DA FACULDADE PITÁGORAS 10 de

Leia mais

APOIO A VEÍCULOS HÍBRIDOS E ELÉTRICOS. Rafael Alves da Costa 07 de Dezembro/2011

APOIO A VEÍCULOS HÍBRIDOS E ELÉTRICOS. Rafael Alves da Costa 07 de Dezembro/2011 APOIO A VEÍCULOS HÍBRIDOS E ELÉTRICOS Rafael Alves da Costa 07 de Dezembro/2011 Fatores Impulsionadores Segurança energética Desenvolvimento tecnológico de componentes (especialmente baterias) Meio ambiente

Leia mais

Bases Conceituais da Energia Q1/2017. Professor: Sergio Brochsztain. (sites.google.com/site/sergiodisciplinasufabc)

Bases Conceituais da Energia Q1/2017. Professor: Sergio Brochsztain. (sites.google.com/site/sergiodisciplinasufabc) Bases Conceituais da Energia Q1/2017 Professor: Sergio Brochsztain (sites.google.com/site/sergiodisciplinasufabc) capacidade que um corpo, uma substância ou um sistema físico têm de realizar trabalho Energia

Leia mais

Importância e Oportunidades para o Desenvolvimento da Indústria de Serviços

Importância e Oportunidades para o Desenvolvimento da Indústria de Serviços Importância e Oportunidades para o Desenvolvimento da Indústria de Serviços Modais de Transporte no Brasil Características dos Modais Modal Ferroviário Maior concentração das ferrovias no Brasil As ferrovias

Leia mais

Otimize suas operações com Soluções Inteligentes em Eficiência Energética. São Paulo, 28 de outubro de 2016

Otimize suas operações com Soluções Inteligentes em Eficiência Energética. São Paulo, 28 de outubro de 2016 Otimize suas operações com Soluções Inteligentes em Eficiência Energética São Paulo, 28 de outubro de 2016 Combinamos os recursos de nossa organização global com as oportunidades de um mundo novo, aberto

Leia mais

Nosso compromisso. Visão Ser reconhecida como a melhor Companhia em soluções energéticas no Estado do Amazonas.

Nosso compromisso. Visão Ser reconhecida como a melhor Companhia em soluções energéticas no Estado do Amazonas. Nosso compromisso Missão Promover soluções energéticas, a partir do Gás Natural, agregando valor aos acionistas, clientes e colaboradores, contribuindo para o desenvolvimento sustentável do Amazonas. Visão

Leia mais

Tecnologias Automotivas: Híbrida e Célula Combustível. Roberto Braun Gerente Sênior de Assuntos Governamentais Toyota do Brasil Vice-Presidente ABVE

Tecnologias Automotivas: Híbrida e Célula Combustível. Roberto Braun Gerente Sênior de Assuntos Governamentais Toyota do Brasil Vice-Presidente ABVE Tecnologias Automotivas: Híbrida e Célula Combustível Roberto Braun Gerente Sênior de Assuntos Governamentais Toyota do Brasil Vice-Presidente ABVE Grandes preocupações da humanidade Aquecimento Global

Leia mais

A bioeletricidade no setor sucroenergético

A bioeletricidade no setor sucroenergético A bioeletricidade no setor sucroenergético Zilmar Souza Bioeletricidade Audiência Pública Comissão de Serviços de Infraestrutura Senado Federal Brasília DF 22 de agosto de 2016 Sobre a UNICA http://www.unica.com.br/

Leia mais

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO NA UE 1. INTRODUÇÃO 2. SITUAÇÃO ACTUAL 3. MOBILIDADE SUSTENTÁVEL 4. TRANSPORTES ENERGIA E AMBIENTE 5. INFRAESTRUTURAS 6. CONCLUSÕES

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA ITAIPU PARA O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL E DO PARAGUAI

CONTRIBUIÇÃO DA ITAIPU PARA O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL E DO PARAGUAI CONTRIBUIÇÃO DA ITAIPU PARA O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL E DO PARAGUAI FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS FGV SÉRIE ENERGIA EM FOCO 2015 ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA O FUTURO Rio de Janeiro - RJ 28 de setembro de 2015

Leia mais

Biocombustíveis em um Contexto Global. José Sérgio Gabrielli de Azevedo Presidente São Paulo 02 de junho de 2009

Biocombustíveis em um Contexto Global. José Sérgio Gabrielli de Azevedo Presidente São Paulo 02 de junho de 2009 Biocombustíveis em um Contexto Global José Sérgio Gabrielli de Azevedo Presidente São Paulo 02 de junho de 2009 MERCADO PARA BIOCOMBUSTÍVEIS A manutenção das metas dos governos para biocombustíveis, nos

Leia mais

Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro

Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro 2012-2024 Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro 2012-2024 Sumário: I. Modelo de Projeção II. Principais Premissas da Matriz Energética III.

Leia mais

MOBILIDADE URBANA COM GÁS NATURAL E/OU BIOMETANO

MOBILIDADE URBANA COM GÁS NATURAL E/OU BIOMETANO MOBILIDADE URBANA COM GÁS NATURAL E/OU BIOMETANO EM 2030 60% da população mundial viverá em grandes cidades O FUTURO DAS CIDADES A MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL É SERÁ FUNDAMENTAL PARA EVITAR O CAOS TRÊS

Leia mais

Brasil Um mercado atraente para a indústria automotiva

Brasil Um mercado atraente para a indústria automotiva Brasil Um mercado atraente para a indústria automotiva Apresentação Sindipeças Elaboração: Assessoria Econômica São Paulo, fevereiro de 2013 Conteúdo Mercado Automotivo Brasileiro Investimentos da Indústria

Leia mais

Desenvolvimento de Mercados do Gás Natural. João Carlos de Souza Meirelles Secretário

Desenvolvimento de Mercados do Gás Natural. João Carlos de Souza Meirelles Secretário Desenvolvimento de Mercados do Gás Natural João Carlos de Souza Meirelles Secretário Potência de Geração de Energia Elétrica Comparativo entre São Paulo e o Brasil Tipos de Geração Capacidade Instalada

Leia mais

MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA

MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA São Paulo, 05/09/2012 Ministério de Minas e Energia ABINEE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA ELÉTRICA E ELETRÔNICA ABINEE TEC 2012 TALK SHOW MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA Altino Ventura Filho Secretário

Leia mais

Cooperação Brasil Alemanha Programa Energia

Cooperação Brasil Alemanha Programa Energia Cooperação Brasil Alemanha Programa Energia MAPEAMENTO PARA PUBLIC-PRIVATE-PARTNERSHIPS NOS SETORES DE ENERGIAS RENOVÁVEIS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENTRE O BRASIL E A ALEMANHA Raymundo Aragão Anima Projetos

Leia mais

Biodiesel: produção e benefícios

Biodiesel: produção e benefícios Audiência Pública da Comissão Especial sobre Motores a Diesel para Veículos Leves Biodiesel: produção e benefícios Daniel Furlan Amaral Gerente de Economia Câmara dos Deputados Brasília DF 2 de março 2016

Leia mais

APRESENTAÇÃO ITAMBÉ. Engº: Mauricio Petenusso 18 de Novembro de 2009

APRESENTAÇÃO ITAMBÉ. Engº: Mauricio Petenusso 18 de Novembro de 2009 APRESENTAÇÃO ITAMBÉ Engº: Mauricio Petenusso 18 de Novembro de 2009 HISTÓRICO - Itambé - COOPERATIVA CENTRAL DOS PRODUTORES RURAIS DE MINAS GERAIS LTDA LATICÍNIOS ATIVIDADES /NEGÓCIOS RAÇÕES ARMAZÉNS HISTÓRICO

Leia mais

Taller de trabajo: Energía Solar Integración y despacho: desafíos para la región

Taller de trabajo: Energía Solar Integración y despacho: desafíos para la región MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Taller de trabajo: Energía Solar Integración y despacho: desafíos para la región Ing. Cristiano Augusto Trein, Ph.D. Ministério de Minas e Energia cristiano.trein@mme.gov.br

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro Presente e Futuro

Setor Elétrico Brasileiro Presente e Futuro MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Setor Elétrico Brasileiro Presente e Futuro Eng. Civil Cristiano Augusto Trein, Ph.D. Ministério de Minas e Energia cristiano.trein@mme.gov.br Julho 2016 Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

Audiencia Pública Inversión de Río Tinto Alcán

Audiencia Pública Inversión de Río Tinto Alcán Audiencia Pública Inversión de Río Tinto Alcán Sala Bicameral del Congreso Nacional Asunción (PY) 19 diciembre 2011 Segunda Mesa: POLÍTICA DE DESARROLLO E INVERSIÓN EXTRANJERA Experiencia de las industrias

Leia mais

PSA PEUGEOT CITROËN. Franck Turkovics

PSA PEUGEOT CITROËN. Franck Turkovics PSA PEUGEOT CITROËN Franck Turkovics Tecnologia Hybrid Air Uma tecnologia de ruptura no mundo dos híbridos Preço vsemissões de CO2 ( base França) Volt 40000 35000 HEV HSD PHEV HSD HEV Hy4 Híbrido Plugin

Leia mais

Novas políticas OPERACIONAIS. Condições

Novas políticas OPERACIONAIS. Condições Novas políticas OPERACIONAIS Condições Destaques 02 Ampliação de ACESSO AO CRÉDITO Ampliação de ACESSO A GARANTIAS Ampliação de ACESSO A CAPITAL DE GIRO com operações diretas (sem intermediação de agente

Leia mais

BASES DE DADOS EM ENERGIA

BASES DE DADOS EM ENERGIA BASES DE DADOS EM ENERGIA Ministério de Minas e Energia João Antonio Moreira Patusco Seminário sobre Bases de Dados de Energia Associação de Reguladores Iberoamericanos de Energia ARIAE RJ 17 e 18 de junho

Leia mais

Scania e Clariant desenvolvem projeto pioneiro de sustentabilidade para caminhões a etanol

Scania e Clariant desenvolvem projeto pioneiro de sustentabilidade para caminhões a etanol Scania e Clariant desenvolvem projeto pioneiro de sustentabilidade para caminhões a etanol Única fabricante a oferecer caminhões pesados movidos ao biocombustível, Scania consolida a primeira venda do

Leia mais

Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil

Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil Gerson Teixeira Diretor de Economia e Meio Ambiente Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável Ministério do

Leia mais

Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis

Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Marco Antônio Martins Almeida Secretário de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis spg@mme.gov.br Rio de Janeiro, 21

Leia mais

PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade

PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula 4 Eficiência Energética e Uso Racional de Energia slide 1 / 22 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA & USO RACIONAL DE ENERGIA DEFINIÇÕES: Uso racional da energia:

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2016

Balanço Energético Nacional 2016 Balanço Energético Nacional 2016 Relatório Síntese ano base 2015 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ Junho de 2016 BEN 2016 Destaques ano base 2015 Ministério de Minas e Energia MME

Leia mais

CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Profa. Dra. Cristiane de Conti Medina Departamento de Agronomia

CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Profa. Dra. Cristiane de Conti Medina Departamento de Agronomia CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Profa. Dra. Cristiane de Conti Medina Departamento de Agronomia medina@uel.br AGRICULTURA PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PRODUÇÃO DE ENERGIA A GRANDE REVOLUÇÃO ESTÁ

Leia mais

Hidrocarbonetos - O Pré-Sal - Dificuldades e Oportunidades. Adriano Pires Março de 2011

Hidrocarbonetos - O Pré-Sal - Dificuldades e Oportunidades. Adriano Pires Março de 2011 Hidrocarbonetos - O Pré-Sal - Dificuldades e Oportunidades Adriano Pires Março de 2011 1 Metas Nacionais de Produção e Reservas da Petrobras 7,4% a.a. 5.059 1.109 ia d / p e b il M 1.752 1.791 1.758 252

Leia mais

Situação atual do setor sucroenergético, com ênfase na geração de energia com bioeletricidade

Situação atual do setor sucroenergético, com ênfase na geração de energia com bioeletricidade Situação atual do setor sucroenergético, com ênfase na geração de energia com bioeletricidade Zilmar de Souza Bioeletricidade CIBIO - Congresso Internacional de Biomassa Curitiba PR 16 de junho de 2016

Leia mais

Profissionais Tecnólogos: a hora é AGORA!

Profissionais Tecnólogos: a hora é AGORA! Profissionais Tecnólogos: a hora é AGORA! Um breve passeio pela história... 70 e 80 = país sustentado por sua vocação agrícola. 1989 = inflação alcançava quase 2.000% ao ano! 1990 = abertura às importações

Leia mais

Cenário Atual do Setor de Petróleo & Gás e suas Perspectivas

Cenário Atual do Setor de Petróleo & Gás e suas Perspectivas Cenário Atual do Setor de Petróleo & Gás e suas Perspectivas Setembro 2014 07/10/2014 1 A Dinamus Somos uma empresa de consultoria e inteligência de mercado especializada no desenvolvimento de negócios

Leia mais

Abordagens Alternativas para Frotas e Logística Urbana

Abordagens Alternativas para Frotas e Logística Urbana Abordagens Alternativas para Frotas e Logística Urbana O teste de novas soluções de mobilidade sustentável é o caminho para fomentar a utilização e o desenho de novos produtos Estrutura da Comunicação

Leia mais

IMPACTOS SOCIOECONÔMICOS DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL NO BRASIL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE AS ROTAS DA SOJA E DA MAMONA

IMPACTOS SOCIOECONÔMICOS DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL NO BRASIL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE AS ROTAS DA SOJA E DA MAMONA IMPACTOS SOCIOECONÔMICOS DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL NO BRASIL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE AS ROTAS DA SOJA E DA MAMONA Marcelo Pereira da Cunha NIPE Unicamp Arnaldo César da Silva Walter FEM Unicamp Manoel Régis

Leia mais

14º Encontro de Energia FIESP Observatório de Energias Renováveis para a América Latina e o Caribe

14º Encontro de Energia FIESP Observatório de Energias Renováveis para a América Latina e o Caribe 14º Encontro de Energia FIESP Observatório de Energias Renováveis para a América Latina e o Caribe Gustavo Aishemberg Agosto 2013 Energia e desenvolvimento sustentável Alcançar três objetivos simultaneamente

Leia mais

RENOVAÇÃO DA FROTA VAGÕES DE CARGA & LOCOMOTIVAS

RENOVAÇÃO DA FROTA VAGÕES DE CARGA & LOCOMOTIVAS RENOVAÇÃO DA FROTA VAGÕES DE CARGA & LOCOMOTIVAS AGENDA 1 2 3 Situação atual Objetivos Benefícios Estratégia Conclusão Situação atual 3 Fabricantes de vagões de carga 2 Fabricantes de Locomotivas 70 Fabricantes

Leia mais

CARVÃO MINERAL na Matriz Elétrica Brasileira

CARVÃO MINERAL na Matriz Elétrica Brasileira CARVÃO MINERAL na Matriz Elétrica Brasileira Eng. Fernando Luiz Zancan - ABCM Rio de Janeiro/RJ - 05 de julho de 2013 23/10/09 WWW.CARVAOMINERAL.COM.BR O que vamos falar... - O carvão é o maior recurso

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro

Universidade Federal do Rio de Janeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro Penetração de Veículos Elétricos e Híbridos Plug-in no Sistema Energético Brasileiro Roberto Schaeffer e Bruno Borba Soares Oficina de Trabalho sobre Veículos Elétricos

Leia mais

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis Energia Dimensões da Energia Tecnológica Física Energia

Leia mais

Seminário CNI BID TRANSPORTE PARA O COMÉRCIO E A INTEGRAÇÃO REGIONAL

Seminário CNI BID TRANSPORTE PARA O COMÉRCIO E A INTEGRAÇÃO REGIONAL Seminário CNI BID TRANSPORTE PARA O COMÉRCIO E A INTEGRAÇÃO REGIONAL Custos de transporte nas exportações brasileiras: como solucionar os gargalos? Eng. Elcio Ribeiro, MSc. Uso da Terra no Brasil Área

Leia mais

Smart Grid Fórum 2013

Smart Grid Fórum 2013 Smart Grid Fórum 2013 28.Novembro São Paulo Máximo Pompermayer (ANEEL) Alexandre Siciliano Esposito (BNDES) Caio Torres Mazzi (FINEP) Agenda Formulação Resultados Parciais Etapa de Carta de Manifestação

Leia mais

Biodiesel no Brasil. Ricardo Borges Gomide. Departamento de Combustíveis Renováveis

Biodiesel no Brasil. Ricardo Borges Gomide. Departamento de Combustíveis Renováveis Biodiesel no Brasil Ricardo Borges Gomide Departamento de Combustíveis Renováveis São Paulo, 18.11.2011 Papel do Biodiesel 2 Biodiesel como mais um Energético na Matriz 3 Concorre com outros produtos e

Leia mais

A Itaipu Binacional e a eficiência energética

A Itaipu Binacional e a eficiência energética A Itaipu Binacional e a eficiência energética Seminário de Eficiência Energética - Desafios na Busca da Sustentabilidade CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO PARANÁ CREA/PR Painel 2 setor de

Leia mais

FONTE DE ENERGIA RENOVÁVEL. Prof.º: Carlos D Boa - geofísica

FONTE DE ENERGIA RENOVÁVEL. Prof.º: Carlos D Boa - geofísica FONTE DE ENERGIA RENOVÁVEL Prof.º: Carlos D Boa - geofísica Introdução Biocombustíveis (Biodiesel, Etanol e Hidrogênio) Biogás Biomassa Energia Eólica Energia das Marés Energia Hidrelétrica Energia Solar

Leia mais

UMPR - UNIDADE DE MISTURA E PRÉ-CONDICIONAMENTO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Resolução Conama nr. 264 de 26/08/1999

UMPR - UNIDADE DE MISTURA E PRÉ-CONDICIONAMENTO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Resolução Conama nr. 264 de 26/08/1999 UMPR - UNIDADE DE MISTURA E PRÉ-CONDICIONAMENTO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Resolução Conama nr. 264 de 26/08/1999 CONCEPÇÃO DO PROJETO FATORES IMPORTANTÍSSIMOS E JÁ MATERIALIZADOS: OS DOIS GRUPOS CIMENTEIROS

Leia mais

Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa

Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa Zilmar José de Souza Planejamento Termelétrico Brasileiro Rio de Janeiro RJ 11 de abril de 2012 A

Leia mais

ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN

ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN 1 - DESCRIÇÃO GERAL O Balanço Energético Nacional BEN foi elaborado segundo metodologia que propõe uma estrutura energética, sufi cientemente geral, de forma a permitir

Leia mais

A Cooperação Brasil-Alemanha para o Desenvolvimento Energético. VIII FENERGIA Vitória/ES 28 de Novembro 2016

A Cooperação Brasil-Alemanha para o Desenvolvimento Energético. VIII FENERGIA Vitória/ES 28 de Novembro 2016 A Cooperação Brasil-Alemanha para o Desenvolvimento Energético VIII FENERGIA Vitória/ES 28 de Novembro 2016 Agenda... Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha Transição energética da Alemanha ( Energiewende

Leia mais

Recomendação de políticas Sustentabilidade ambiental

Recomendação de políticas Sustentabilidade ambiental Recomendação de políticas A oportunidade Considerando que os datacenters estarão entre os principais consumidores mundiais de energia elétrica até meados da próxima década, o desenvolvimento contínuo de

Leia mais

Lista de exercícios No. 4. EN Energia, meio ambiente e sociedade

Lista de exercícios No. 4. EN Energia, meio ambiente e sociedade Lista de exercícios No. 4 EN 2425 - Energia, meio ambiente e sociedade 4.1) a)explique o que é produto interno bruto e função de produção. Explique como as variáveis K, N e R afetam a função de produção.

Leia mais

Desempenho da Indústria Automobilística Brasileira

Desempenho da Indústria Automobilística Brasileira Desempenho da Indústria Automobilística Brasileira Junho / 2014 Presidente Luiz Moan Yabiku Junior Licenciamento total de autoveículos novos Comparativo Mensal Variações % 318,6 293,4 263,6 Jun-14 / Mai-14-10,2

Leia mais

Projeto Paraná Smart Grid. Integração com Cidades Inteligentes. Julio Shigeaki Omori

Projeto Paraná Smart Grid. Integração com Cidades Inteligentes. Julio Shigeaki Omori Projeto Paraná Smart Grid Integração com Cidades Inteligentes Julio Shigeaki Omori Agenda 1) Aspectos Introdutórios de Redes Inteligentes (Smart Grid) 2) Convergência Entre Redes e Cidades Inteligentes

Leia mais

USINA TERMOELÉTRICA DO NORTE FLUMINENSE,MACAE, RIO DE JANEIRO

USINA TERMOELÉTRICA DO NORTE FLUMINENSE,MACAE, RIO DE JANEIRO USINA TERMOELÉTRICA USINA TERMOELÉTRICA DO NORTE FLUMINENSE,MACAE, RIO DE JANEIRO O QUE É USINA TERMOELÉTRICA? Uma instalação industrial que serve para gerar energia através da queima de combustíveis fosseis.

Leia mais

Combustíveis Sustentáveis de Aviação Contribuição ao NDC Brasileiro. Pedro Scorza Dir. de Biocombustíveis de Aviação

Combustíveis Sustentáveis de Aviação Contribuição ao NDC Brasileiro. Pedro Scorza Dir. de Biocombustíveis de Aviação Combustíveis Sustentáveis de Aviação Contribuição ao NDC Brasileiro Pedro Scorza Dir. de Biocombustíveis de Aviação Brasília, 7 de dezembro de 2016 Produtoras de Biodiesel Associadas Insumos Tecnologia

Leia mais

Demonstração Internacional da Plataforma de informações de tráfego e de trânsito

Demonstração Internacional da Plataforma de informações de tráfego e de trânsito Demonstração Internacional da Plataforma de informações de tráfego e de trânsito As grandes cidades e áreas metropolitanas encaram o aumento da demanda nos sistemas de transportes, especialmente nas regiões

Leia mais

PEA 3110 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade

PEA 3110 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade PEA 3110 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula 2 Usos finais de eletricidade e Conservação slide 1 / 30 O Processo de Uso Final da EE (1) Eletricidade Motor Força motriz Entrada de energia Tecnologia

Leia mais

Veículos Elétricos e Geração Solar Fotovoltaica O Ônibus Elétrico da Universidade Federal de Santa Catarina

Veículos Elétricos e Geração Solar Fotovoltaica O Ônibus Elétrico da Universidade Federal de Santa Catarina Veículos Elétricos e Geração Solar Fotovoltaica O Ônibus Elétrico da Universidade Federal de Santa Catarina Prof. Ricardo Rüther Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC & Instituto para o Desenvolvimento

Leia mais

ENERGIA movimentando a vida

ENERGIA movimentando a vida ENERGIA movimentando a vida Renováveis: é a energia que vem de recursos naturais como sol, vento, chuva e biomassa. Não-renováveis: é a energia que vem de recursos naturais, que, quando utilizados não

Leia mais

URBS URBANIZAÇÃO DE CURITIBA S.A.

URBS URBANIZAÇÃO DE CURITIBA S.A. URBS URBANIZAÇÃO DE CURITIBA S.A. URBS URBANIZAÇÃO DE CURITIBA S.A. Criada através de Lei Municipal, em Agosto de 1.963 com o objetivo de administrar os recursos do Fundo de Urbanização da Curitiba (FUC).

Leia mais

Avaliação da Inserção de Unidades de Geração Distribuída em Propriedades Rurais. Jeferson Toyama Bolsista FPTI Projeto Geração Distribuída

Avaliação da Inserção de Unidades de Geração Distribuída em Propriedades Rurais. Jeferson Toyama Bolsista FPTI Projeto Geração Distribuída Avaliação da Inserção de Unidades de Geração Distribuída em Propriedades Rurais Jeferson Toyama Bolsista FPTI Projeto Geração Distribuída Projeto Geração Distribuída Implantação de unidade geradoras, conectadas

Leia mais

Selo Procel Eletrobras 04 de Setembro de Rafael M. David

Selo Procel Eletrobras 04 de Setembro de Rafael M. David Selo Procel Eletrobras 04 de Setembro de 2012 Rafael M. David Ministério das Minas e Energia 39.453 MW É A CAPACIDADE GERADORA DAS EMPRESAS ELETROBRAS, O QUE EQUIVALE A CERCA DE TRANSMISSÃO GERAÇÃO 37%

Leia mais

ABINEE TEC Matriz Energética. Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de Energia

ABINEE TEC Matriz Energética. Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de Energia Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético ABINEE TEC 2007 Matriz Energética Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de

Leia mais

Ações de Sustentabilidade

Ações de Sustentabilidade Ações de Sustentabilidade Visão do GHC Ser reconhecido no Sistema Único de Saúde como modelo de atenção centrado nas pessoas, inovador na gestão e polo de produção de conhecimento, ensino e pesquisa, com

Leia mais

Desafios no aumento de eficiência na Logística de petróleo e derivados no país

Desafios no aumento de eficiência na Logística de petróleo e derivados no país Desafios no aumento de eficiência na Logística de petróleo e derivados no país 2 O mercado brasileiro de derivados possui uma concentração na costa litorânea e no sul sudeste do país e o potencial de crescimento

Leia mais

Situação atual da indústria química no Brasil e no Mundo: Perspectivas e ameaças

Situação atual da indústria química no Brasil e no Mundo: Perspectivas e ameaças Situação atual da indústria química no Brasil e no Mundo: Perspectivas e ameaças Gabriel Lourenço Gomes Chefe do Departamento de Indústria Química Junho 2011 Julho/2009 Importância da Indústria Química

Leia mais

Energia Solar: como o Centro Sebrae de Sustentabilidade se tornou um Prédio Zero Energia

Energia Solar: como o Centro Sebrae de Sustentabilidade se tornou um Prédio Zero Energia Energia Solar: como o Centro Sebrae de Sustentabilidade se tornou um Prédio Zero Energia CENTRO SEBRAE DE SUSTENTABILIDADE MISSÃO Gerir e disseminar conhecimentos, soluções xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Leia mais

Conferência FISCALIDADE VERDE: um contributo para a sustentabilidade

Conferência FISCALIDADE VERDE: um contributo para a sustentabilidade Conferência FISCALIDADE VERDE: um contributo para a sustentabilidade 30 de abril de 2013 Fundação Calouste Gulbenkian As Renováveis e a Eficiência Energética são os principais instrumentos de combate à

Leia mais

01. (ENEM) 64 CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS - Vol. II

01. (ENEM) 64 CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS - Vol. II Aula n ọ 13 01. (ENEM) No diagrama estão representadas as duas modalidades mais comuns de usinas elétricas, as hidroelétricas e as termoelétricas. No Brasil, a construção de usinas hidroelétricas deve

Leia mais

Indústria Florestal e Bioenergia

Indústria Florestal e Bioenergia XVI Seminário de Atualização Sistemas de Colheita de Madeira e de Transporte Florestal Campinas, 11 e 12 de abril de 2011 Stora Enso em resumo A Stora Enso é uma empresa de produtos florestais que produz

Leia mais

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Enaex Agosto, 2013 Luciano Coutinho Presidente 1 Brasil apresenta fundamentos compatíveis com o crescimento sustentável de Longo Prazo País possui

Leia mais

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Fundação Estadual do Meio Ambiente

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Fundação Estadual do Meio Ambiente Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Fundação Estadual do Meio Ambiente Estrutura da apresentação Contexto Brasileiro Plano de Energia e Mudanças Climáticas Plataforma Clima Gerais Índice

Leia mais

Hidrelétrica. Itaipu: MW (potência de geração) * 16,99% da energia consumida no Brasil * Em 2011: MWh.

Hidrelétrica. Itaipu: MW (potência de geração) * 16,99% da energia consumida no Brasil * Em 2011: MWh. Hidrelétrica Funcionamento: * Pressão causa um aumento da velocidade da água rgh=rv 2 /2 portanto: E a h * Quanto mais alta a represa, maior a velocidade da água e, portanto, maior a energia produzida.

Leia mais

O Operador de Rede de Distribuição como facilitador na promoção da eficiência energética e a implementação no terreno de diferentes projectos

O Operador de Rede de Distribuição como facilitador na promoção da eficiência energética e a implementação no terreno de diferentes projectos O Operador de Rede de Distribuição como facilitador na promoção da eficiência energética e a implementação no terreno de diferentes projectos João Torres EDP Distribuição Coimbra, 8 de Setembro de 2011

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM VEICULAR

Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM VEICULAR Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM VEICULAR O Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular é um programa de eficiência energética para veículos leves coordenado

Leia mais

PARA INÍCIO DE CONVERSA:

PARA INÍCIO DE CONVERSA: PARA INÍCIO DE CONVERSA: O conteúdo (objeto de conhecimento): energia; é bastante frequente em itens ENEM. Não só de 2009 para cá ano da mudança na estrutura do exame mas, desde o início da aplicação do

Leia mais

Novos Materiais para a Redução de Peso dos Veículos

Novos Materiais para a Redução de Peso dos Veículos Novos Materiais para a Redução de Peso dos Veículos Seminário Internacional Frotas & Fretes Verdes Rio de Janeiro 12 de Dezembro de 2012 Marcelo C.Carboni CBMM Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração

Leia mais

VW do Brasil voltou a vender para os árabes e espera exportar até 5,5 mil carros por ano à região

VW do Brasil voltou a vender para os árabes e espera exportar até 5,5 mil carros por ano à região Agência de Notícias Brasil-Árabe - SP 26/03/2004-07:00 VW do Brasil voltou a vender para os árabes e espera exportar até 5,5 mil carros por ano à região Na quinta e última reportagem da série sobre as

Leia mais

MICRORREDES ELÉTRICAS E ARMAZENAMENTO DE ENERGIA

MICRORREDES ELÉTRICAS E ARMAZENAMENTO DE ENERGIA PPE/COPPE/UFRJ 3º Seminário de Inserção de Novas Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento Energético Nacional 20 e 21 de Setembro de 2016 MICRORREDES ELÉTRICAS E ARMAZENAMENTO DE ENERGIA

Leia mais

ANP: Desafios no Setor de E&P. John Forman Diretor Agência Nacional do Petróleo

ANP: Desafios no Setor de E&P. John Forman Diretor Agência Nacional do Petróleo ANP: Desafios no Setor de E&P John Forman Diretor Agência Nacional do Petróleo O princípio Criada em 1997, através da Lei 9.478, a ANP conseguiu atender a vários desafios: Organização de recursos e procedimentos,

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente POLÍCIA Curso Internacional de Recuperação Energética de Resíduos Sólidos Urbanos em Aterros Sanitários Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento Fundação Estadual

Leia mais