Bases de Dados. O que é uma Base de Dados? Pós-Grduação em SIG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Bases de Dados. O que é uma Base de Dados? Pós-Grduação em SIG"

Transcrição

1 Bases de Dados O que é uma Base de Dados? Dados Pode-se começar por tentar dar uma definição do que são Dados. Os dados são factos em bruto, que não são necessáriamente relevantes para qualquer coisa que alguém queira saber. Pode-se dizer que a informação são dados úteis, ou seja dados que respondem a perguntas, em vez de ocuparem apenas espaço. Base de Dados É possível dizer de uma forma genérica que qualquer conjunto de dados é uma Base de Dados (BD): uma agenda com as moradas de pessoas conhecidas, uma lista de CDs, um livro, apontamentos tirados nas aulas, os dados guardados nos computadores das Finanças sobre os contribuintes e a World Wide Web. O objectivo de criarmos e mantermos uma BD é a de poder obter e utilizar os dados lá guardados: procurar a morada de uma determinada pessoa, saber o que foi dito nas aulas sobre um tema ou procurar a página WWW do Prémio Nobel da Economia deste ano. Embora sendo possível usar a definição genérica dada acima, o termo base de dados é aplicado hoje em dia principalmente para fazer referência a bases de dados informáticas, isto é, conjuntos de dados estruturados, manipulados usando um Sistema de Gestão de Bases de Dados (SGBD) ou Database Management System (DBMS). Para permitir ao utilizador atingir os objectivos referidos acima, um SGBD disponibiliza linguagens de: definição de dados: para criação e alteração da estrutura da BD (DDL - Data Definition Language) consulta de dados: obter e processar os dados armazenados (DQL - Data Query Language) manipulação de dados: para acrescentar dados novos e modificar dados existentes (DML - Data Manipulation Language). Hoje em dia, cada vez mais SGBD, como o Access, "escondem" essas linguagens por trás de interfaces do utilizador gráfica. Outras características dos SGBDs são: acesso simultâneo: vários utilizadores podem aceder e alterar a mesma BD ao mesmo tempo sem criar inconsistências. Por exemplo, 2 utilizadores diferentes podem consultar simultaneamente os dados do mesmo cliente. No entanto o SGBD não permite que ambos os utilizadores alterem esses dados ao mesmo tempo. vistas: diferentes utilizadores poderão ter o seu acesso limitado a partes da BD. Por exemplo, embora todos os dados de uma organização estejam na mesma BD, aqueles que são importantes para a definição da estratégia só podem ser consultados pela administração. construção de aplicações: a tendência actual dos SGBDs é para combinarem a gestão do armazenamento/manipulação dos dados com a construção das aplicações TMLC Base de Dados Pág. 1

2 que implementam os processos da organização. Tradicionalmente, os processos eram implementados independentemente, com recurso a linguagens de programação mais ou menos integradas com o SGBD. Alguns exemplos de SGBD de grande porte são ORACLE, Informix, Adabas, SQL Server e DB2. Para PCs temos o MySQL, Dbase, FoxPro e Access. Os primeiros têm mais capacidade e são mais fiáveis do que os últimos. Estes são adequados para uso doméstico, em pequenas empresas ou como forma de aceder a partir de PCs a BDs instaladas em sistemas de grande porte, através de uma aplicação acessível ao utilizador não especialista em informática 1. Um Pouco de História? A utilização comercial de BDs começou nos anos 60. Inicialmente a informação era guardada em ficheiros e a sua consulta e manipulação era muito pouco prática. Para definição de dados eram usados os modelos hierárquico e de rede. No início dos anos 70 surgiram os SGBD relacionais cuja popularidade não tem parado de crescer até hoje. Este sucesso pode ser explicado pela simplicidade do modelo em que assentam, o modelo relacional, que é constituído somente por relações, e pelo surgimento de uma linguagem de manipulação simples e eficiente, o SQL (Structured Query Language). Base de Dados Hierárquica Uma forma de base de dados, actualmente em grande medida ultrapassada, que, como o nome sugere, organiza a informação em hierarquia. Se, por exemplo, se pretendesse que a base de dados armazenasse informação sobre empregados do departamento de parques, poderia em primeiro lugar classificá-los por função: jardineiros, varredores de rua, podadores,... Depois poderia listar os nomes sob cada categoria; e as moradas sob cada nome, e assim sucessivamente. Este formato de organização mostra-se bastante rápido e fácil para um computador gerir, e por causa da sua velocidade a tecnologia foi adoptada por muitos banco. Mas tem igualmente duas desvantagens muito importantes. Em primeiro lugar, é rápido apenas enquanto a base de dados procura informação dentro de uma única hierarquia; procurar o endereço de um jardineiro, por exemplo. Torna-se muito lento e desajeitado quando tenta comparar os endereços de todos os empregados. Pior ainda pois nem todos os dados são criados de forma igual. Por isso, se um empregado, por qualquer razão, deixar de se enquadrar numa categoria estabelecida digamos, por está de baixa -, então desaparece completamente da Base de dados. Por estas razões, a base de dados hierárquica foi em grande parque substituída pela base de dados relacional. No contexto das bases de dados hierárquicas podem ser definidos dois conceitos bases: o conceito de campo e de segmento. Campo: Unidade mínima de dados identificada por um nome. Segmento: Conjunto de dados ordenados, cuja a ocorrência constitui a unidade mínima de intercâmbio entre as bases de dados e as aplicações, identificada por um nome. Os segmentos juntam-se em conjuntos de 1 a N ocorrências (N>0), que por sua vez estão ligados a outras ocorrências de outros segmentos, constituindo um tipo de associação tipo TMLC Base de Dados Pág. 2

3 pai-filho. Assim, um tipo de segmento pai encontra-se associado hierarquicamente a N tipos de segmentos tipo filhos. Um conjunto de associações deste tipo constituem uma árvore de segmentos - Conjunto de segmentos unidos por associações do tipo pai-filho. As bases de dados hierárquicas podem ser consideradas como um conjunto de árvores de segmentos, cujos nodos são os segmentos, também designados por floresta. É importante salientar que esta definição se aplica tanto ao nível do tipo de dados como das ocorrências. Também podemos visualizar uma base de dados hierárquica com a estrutura de uma árvore invertida. As bases de dados hierárquicas têm algumas limitações que condicionaram o seu curto tempo de vida. As que merecem mais destaque são as seguintes: A eliminação de um segmento pai, implica a remoção de todos os filhos; É difícil manter a independência entre dados e programas; A navegação é difícil e tem que respeitar as associações hierárquicas pai-filho definidas no mundo real. Modelo em Rede O modelo em rede foi proposto assumindo-se basicamente como uma extensão ao modelo hierárquico. Versões mais recentes têm vindo a apresentar sucessivas renovações, embora sem grande sucesso, num mercado quase totalmente dominado pelo modelo relacional. Os objectos nas bases de dados em rede são descritos com base em três conceitos fundamentais: o item, a agrupamento de dados e o registo. A noção de item, é semelhante ao conceito de campo de um ficheiro: Item: A unidade mais pequena de dados identificado por um nome. Vários itens pode ser agrupados constituindo assim, um agrupamento de dados: Agrupamento de dados: Conjunto de itens, identificado por um nome. Finalmente surge o conceito de registo: Registo: Conjunto de itens e grupamento de dados identificado por um nome e que serve de intercâmbio entre a base de dados e os ficheiros. TMLC Base de Dados Pág. 3

4 Historicamente, o modelo em rede surge da ideia de ligar um conjunto de ficheiros com apontadores. Apenas é possível definir associações entre um registo proprietário e os N registos membros. Daqui resulta que estas associações têm carácter hierárquico, que podendo definir-se a vários níveis, podem formar uma estrutura em rede, que são denominadas sets. Sets: Tipo de associações entre registos do tipo T1 e T2, na qual uma ocorrência do registo proprietário T1 corresponde a N ocorrências dos registos membros do tipo T2. No esquema seguinte podemos visualizar uma representação de uma base de dados em rede: As bases de dados em rede conseguem resolver parte dos problemas de navegação levantados pelas bases de dados hierárquicas, na medida em pode ser feita em vários sentidos. No entanto, não garante a independência entre dados e programas e levanta problemas na remoção de um set proprietário. Base de dados por objectos Como já foi dito, a simplicidade do modelo relacional bem como a separação entre a definição e a manipulação dos dados foram factores importantes para o seu sucesso. No entanto, este modelo dificulta a representação de situações complexas e o armazenamento e manipulação de novos formatos de dados como imagens, som e vídeo. Uma resposta adequada a estas questões é dada pelo modelo orientado aos objectos (OO). Este modelo não só é a base dos OODBMS (Object-Oriented Database Management Systems) como está a ser gradualmente incorporado em alguns RDBMS (Relational DBMSs ou SGBDs Relacionais). Esta última solução facilita a migração das BDs existentes para o novo modelo, tornando-se mais atraente para muitas empresas. Uma abordagem orientada para os objectos no que toca ao armazenamento de dados numa base de dados. Para além de armazenar os dados propriamente ditos, as base de dados orientadas para objectos armazenam informação sobre o que pode ser, sensatamente, feito com dados. Com efeito, a base de dados orientada para os objectos tenta manter os seus dados em contexto. Sabe que um desenho de um programa de Desenho Assistido por Computador (CAM) é completamente diferente dos resultados financeiros do ano anterior, ainda que o que próprio computador consiga ver em ambos os casos seja uma porção de bits. TMLC Base de Dados Pág. 4

5 Base de dados Relacional A tecnologia para armazenar informação e dados mais comummente utilizada hoje, a base de dados Relacional foi criada por E.F. Codd na IBM nos anos 70. Codd baseou a tecnologia numa teoria matemática de relações, que garantia que cada dado tinha um, e apenas um, lugar na base de dados. As bases de dados Relacionais armazenam informação em tabelas. Uma ou mais coluna são o index da tabela, ou seja, a chave pela qual a informação é procurada quando necessário. Qualquer outro dado (ou seja, os outros itens em cada fila) está associado a um index. Existem duas operações básicas nestas tabelas. Filtrar os dados elimina itens que correspondem (ou não) a alguns critérios; por exemplo, todos os vendedores que vivem em Londres. Uma junção combina dados de tabelas diferentes. Por exemplo, uma junção entre os valores de vendas trimestrais (indexados por nome de vendedor) e uma tabela de endereços de vendedores (também indexado por nome) poderia ser útil se a administração quisesse enviar a cada vendedor um resumo do seu desempenho recente. Porquê aprender Bases de Dados? Porque é que alguém que não é (nem pretende ser) profissional de sistemas de informação deverá aprender a usar BDs? 1. Pelo mesmo motivo pelo qual se devia aprender a usar um computador há 10 anos atrás: a divulgação crescente dos computadores fará com que dentro em breve os SGBDs sejam ferramentas de uso tão comum como são hoje em dia as folhas de cálculo. 2. Para facilitar a comunicação com os profissionais de sistemas de informação: a criação de sistemas de informação é um processo que envolve pessoas tanto da área de sistemas de informação como da área de acção da organização, sendo a comunicação entre ambos os grupos essenciais para o sucesso do sistema. Ora, os problemas de comunicação fazem com que o sistema criado raramente satisfaça as expectativas do cliente e mesmo algumas vezes seja o motivo do insucesso deste tipo de projectos. Sendo as BDs a infra-estrutura dos sistemas de informação, algum conhecimento destas poderá contribuir para melhorar a qualidade dos sistemas de informação. Para aplicar os conceitos aprendidos será usado o Access da Microsoft. Note-se que se pretende utilizar o Access para apreender conceitos que são aplicáveis noutros SGBDs e não obter um conhecimento profundo da utilização desta aplicação. Isto implica que frequentemente não será descrita a forma óptima de executar algumas tarefas mas antes aquela que melhor poderá ser generalizada para outros SGBDs. Ao contrário do que acontece com os primeiros, nos 2 itens que se seguem é impossível fugir às especificidades do sistema usado: construir uma aplicação que funcione como um todo, e construir programas simples. TMLC Base de Dados Pág. 5

Aspectos genéricos - Base de Dados

Aspectos genéricos - Base de Dados Aspectos genéricos - Base de Dados 1) Ficheiros de dados, registos e campos 2) Base de Dados Flat_File (de uma tabela) 2.1) Especificação e exemplo 2.2) Limitações das bases de dados baseadas em uma só

Leia mais

Sistemas de Ficheiros. Sistemas de Bases de Dados

Sistemas de Ficheiros. Sistemas de Bases de Dados Sistemas de Bases de Dados Sistemas de Ficheiros Sistemas de Bases de Dados Conceitos Base Dados: são valores discretos que só se transformam em informação quando relacionados ou interpretados de alguma

Leia mais

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Curso de Gestão em SI Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Rodrigo da Silva Gomes (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Banco de Dados (BD) BD fazem parte do nosso dia-a-dia!

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações

Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações http://professor.fimes.edu.br/milena milenaresende@fimes.edu.br Sistema de Gerenciamento de Bases de Dados (DBMS) A implementação

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

O que são Bancos de Dados?

O que são Bancos de Dados? SQL Básico Liojes de Oliveira Carneiro professor.liojes@gmail.com www.professor-liojes.blogspot.com O que são Bancos de Dados? É o software que armazena, organiza, controla, trata e distribui os dados

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS 1 Necessidade das base de dados Permite guardar dados dos mais variados tipos; Permite

Leia mais

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD Introdução 1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados.

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Histórico Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Sistemas Integrados: racionalização de processos, manutenção dos

Leia mais

UFCD 786. Instalação e configuração de sistemas de bases de dados

UFCD 786. Instalação e configuração de sistemas de bases de dados UFCD 786 Instalação e configuração de sistemas de bases de dados 1 Noção de Base de Dados De uma forma genérica uma base de dados é um conjunto de dados (BD) Exemplos de BD s: Uma agenda de moradas Uma

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Fernando Castor A partir de slides elaborados por Fernando Fonseca & Robson Fidalgo 1 Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal característica é a replicação

Leia mais

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ACCESS 2010 Conceitos Básicos Ficha Informativa Professor : Vanda Pereira módulo didáctico Conceitos Básicos Necessidade das base de dados Permite guardar dados

Leia mais

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados Sistema de Bancos de Dados Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados # Definições # Motivação # Arquitetura Típica # Vantagens # Desvantagens # Evolução # Classes de Usuários 1 Nível 1 Dados

Leia mais

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies Cap. 1 Module Introduction Objectivos O propósito e a origem da arquitectura de base de dados a três níveis. O conteúdo dos níveis externo,

Leia mais

SQL APOSTILA INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

SQL APOSTILA INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL SQL APOSTILA INTRODUÇÃO Uma linguagem de consulta é a linguagem por meio da qual os usuários obtêm informações do banco de dados. Essas linguagens são, tipicamente, de nível mais alto que as linguagens

Leia mais

Sistemas de Gestão de Bases de Dados

Sistemas de Gestão de Bases de Dados Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2008/2009 Sistemas de Gestão de Bases de Dados Profª Ana Lucas (Responsável) Mestre Fernando Naves Mestre Cristiane Pedron Engª Filipa Pires da Silva Dr.

Leia mais

20/05/2013. Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos. Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados. Estrutura de um BD SGBD

20/05/2013. Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos. Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados. Estrutura de um BD SGBD Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca Ana Carolina Robson Fidalgo Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal característica é a replicação e isolamento de dados (ilhas de informações)

Leia mais

LINGUAGEM SQL. DML - Linguagem de Manipulação de Dados

LINGUAGEM SQL. DML - Linguagem de Manipulação de Dados LINGUAGEM SQL Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL, é uma linguagem de pesquisa declarativa para banco de dados relacional (base de dados relacional). Muitas das características

Leia mais

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com.

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com. Sistemas da Informação Banco de Dados I Edson Thizon (edson@esucri.com.br) 2008 Apresentação (mini-currículo) Formação Acadêmica Mestrando em Ciência da Computação (UFSC/ ) Créditos Concluídos. Bacharel

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I CONCEITOS BÁSICOS 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Agenda Introdução Conceitos do Modelo Relacional Restrições de Integridade Básicas Esquema do BD Relacional Restrições

Leia mais

Objetivos Específico

Objetivos Específico Banco de Dados Ementa (DBA) Conceitos Gerais sobre Banco de Dados Instalação e configuração da Ferramenta de Banco de Dados. Elaboração de projeto de Banco de Dados. Implementação do projeto de Banco de

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Everson Santos Araujo everson@por.com.br Conceitos Dado - Um fato que pode ser armazenado Banco de dados (BD) - Coleção de dados interrelacionados Sistema Gerenciador de Banco

Leia mais

Bases de Dados. Bibliografia. 1. Parte I Componente Teórica. Pedro Quaresma

Bases de Dados. Bibliografia. 1. Parte I Componente Teórica. Pedro Quaresma Índice Bases de Dados Pedro Quaresma Departamento de Matemática Universidade de Coimbra 2010/2011 1. Parte I Componente Teórica 1.1 Introdução 1.2 Modelo ER 1.3 Modelo Relacional 1.4 SQL 1.5 Integridade

Leia mais

Sistemas de Gestão de Bases de Dados

Sistemas de Gestão de Bases de Dados Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2007/08 Sistemas de Gestão de Bases de Dados Prof. Mário Caldeira Profª Ana Lucas Dr. Fernando Naves Engª Winnie Picoto Engº Luis Vaz Henriques Dr. José

Leia mais

INTRODUÇÃO. Diferente de Bando de Dados

INTRODUÇÃO. Diferente de Bando de Dados INTRODUÇÃO Diferente de Bando de Dados 1 INTRODUÇÃO DADOS São fatos conhecidos que podem ser registrados e que possuem significado. Ex: venda de gasolina gera alguns dados: data da compra, preço, qtd.

Leia mais

Microsoft Access. Nível I. Pedro Fernandes

Microsoft Access. Nível I. Pedro Fernandes Microsoft Access Nível I Introdução Objectivos Introdução; Criar tabelas; Fazer consultas; Elaborar formulários; Executar relatórios. 2 Introdução aos Sistemas de Gestão de Bases de Dados (SGBD) Desde

Leia mais

Módulo 6: Linguagem de Programação IV 6.1. Introdução 6.2. Bases de Dados 6.2.1. Visão Estrutural 6.2.2. SGBD: Sistema de Gestão de Bases de Dados

Módulo 6: Linguagem de Programação IV 6.1. Introdução 6.2. Bases de Dados 6.2.1. Visão Estrutural 6.2.2. SGBD: Sistema de Gestão de Bases de Dados Curso Profissional de Técnico de Multimédia 12ºAno Disciplina: Sistemas de Informação Módulo 6: Linguagem de Programação IV 6.1. Introdução 6.2. Bases de Dados 6.2.1. Visão Estrutural 6.2.2. SGBD: Sistema

Leia mais

O Termo SIG é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos

O Termo SIG é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos Prof. Herondino O Termo SIG é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos Inserir e integrar, numa única base de dados informações espaciais provenientes de: meio

Leia mais

Introdução a Sistemas de Bancos de Dados

Introdução a Sistemas de Bancos de Dados Introdução a Sistemas de Bancos de Dados Prof. UFES - Universidade Federal do Espírito Santo rapchan@inf.ufes.br http://www.inf.ufes.br/~rapchan Roteiro da Apresentação Introdução Características de um

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve Banco de Dados I Introdução Fabricio Breve Introdução SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados): coleção de dados interrelacionados e um conjunto de programas para acessar esses dados Coleção de dados

Leia mais

Campos, Ricardo. (2008). Apresentação de Bases de Dados. Access 2007. 260 slides. Bases de Dados

Campos, Ricardo. (2008). Apresentação de Bases de Dados. Access 2007. 260 slides. Bases de Dados Campos, Ricardo. (2008). Apresentação de. Access 2007. 260 Ricardo Campos (ricardo.campos@ipt.pt) Autoria Esta apresentação foi desenvolvida por Ricardo Campos, docente do Instituto Politécnico de Tomar.

Leia mais

Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs

Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs O objetivo deste documento é fazer uma revisão bibliográfica para elucidar as principais diferenças entre os SGBDs, apontando

Leia mais

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos de Dados Abstração

Leia mais

Introdução. Gerenciamento de Dados e Informação. Principais Tipos de SI. Papel de SI. Principais Tipos de SI. Principais Tipos de SI.

Introdução. Gerenciamento de Dados e Informação. Principais Tipos de SI. Papel de SI. Principais Tipos de SI. Principais Tipos de SI. Introdução Gerenciamento de Dados e Informação Introdução Sistema de Informação (SI) Coleção de atividades que regulam o compartilhamento e a distribuição de informações e o armazenamento de dados relevantes

Leia mais

Ficheiros de dados, registos e campos pág. 2 Limitações das bases de dados baseadas numa só tabela pág. 2 Sistemas de Gestão de Base de Dados pág.

Ficheiros de dados, registos e campos pág. 2 Limitações das bases de dados baseadas numa só tabela pág. 2 Sistemas de Gestão de Base de Dados pág. Conteúdos Dos ficheiros de dados aos sistemas de gestão de base de dados Ficheiros de dados, registos e campos pág. 2 Limitações das bases de dados baseadas numa só tabela pág. 2 Sistemas de Gestão de

Leia mais

SQL. Curso Prático. Celso Henrique Poderoso de Oliveira. Novatec

SQL. Curso Prático. Celso Henrique Poderoso de Oliveira. Novatec SQL Curso Prático Celso Henrique Poderoso de Oliveira Novatec 1 Introdução Desde o início da utilização dos computadores, sabemos que um sistema é feito para aceitar entrada de dados, realizar processamentos

Leia mais

Sistemas de Bases de Dados

Sistemas de Bases de Dados Sistemas de Bases de Dados Carlos Viegas Damásio José Alferes e Carlos Viegas Damásio Sistemas de Bases de Dados 2014/15 Objectivos - Em Bases de Dados (2º ano) pretendia-se: Que os estudantes fossem capazes

Leia mais

Massachusetts Institute of Technology Departamento de Estudos e Planejamento Urbano

Massachusetts Institute of Technology Departamento de Estudos e Planejamento Urbano Massachusetts Institute of Technology Departamento de Estudos e Planejamento Urbano 11.204: Planejamento, Comunicação e Mídia Digital Outono 2002 Detalhamento 8: Introdução ao Banco de Dados Relacional

Leia mais

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 BASES DE DADOS I LTSI/2 Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 Horário Sa Sa Sa Sa Sa Tempos Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. l l l l l 8-9 - - - - - - - - -

Leia mais

Tecnologia de Base de Dados Introdução à Base de Dados

Tecnologia de Base de Dados Introdução à Base de Dados Introdução à Base de Dados MSc. Eugénio Alberto Macumbe Plano Temático 1. Introdução à Base de Dados; 2. Modelo Relacional; 3. Modelação de dados; 4. Formas Normais e Processo de Normalização; 5. Operações

Leia mais

Conceitos básicos de Banco de Dados

Conceitos básicos de Banco de Dados Modelagem de Banco de Dados Conceitos básicos de Banco de Dados Professor: Anderson D. Moura Março, 2009 Banco de Dados Bancos de dados, (ou bases de dados), são conjuntos de dados com uma estrutura regular

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS Prof. Ronaldo R. Goldschmidt Hierarquia Dado - Informação - Conhecimento: Dados são fatos com significado implícito. Podem ser armazenados. Dados Processamento Informação

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Orivaldo V. Santana Jr A partir de slides elaborados por Ivan G. Costa Filho Fernando Fonseca & Robson Fidalgo 1 Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal

Leia mais

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Universidade Federal da Paraíba UFPB Centro de Energias Alternativas e Renováveis - CEAR Departamento de Eng. Elétrica DEE BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Isaac Maia Pessoa Introdução O que é um BD? Operações

Leia mais

Modelo Entidade-Relacionamento. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr.

Modelo Entidade-Relacionamento. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Modelo Entidade-Relacionamento Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Conteúdo Contexto Histórico A Importância da Modelagem de Dados Projeto de Banco de Dados Modelagem Conceitual Projeto Lógico Projeto

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Introdução BD desempenha papel crítico em todas as áreas em que computadores são utilizados: Banco: Depositar ou retirar

Leia mais

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE]

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] 1/6 Banco de Dados O que é um Banco de Dados? Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] Conjunto de dados integrados que tem por objetivo atender a uma comunidade específica [HEUSER] Um conjunto

Leia mais

Disciplina: Unidade I: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade I: Prof.: E-mail: Período: Encontro 02 Disciplina: Sistemas de Banco de Dados Unidade I: Introdução aos Sistemas de Banco de Dados Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 5º. SIG - ADM 1. Introdução aos Sistemas

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE IV: Fundamentos da Inteligência de Negócios: Gestão da Informação e de Banco de Dados Um banco de dados é um conjunto de arquivos relacionados

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Antonio

Banco de Dados. Prof. Antonio Banco de Dados Prof. Antonio SQL - Structured Query Language O que é SQL? A linguagem SQL (Structure query Language - Linguagem de Consulta Estruturada) é a linguagem padrão ANSI (American National Standards

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1.

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1. Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística Prof. Andre Zanki Cordenonsi Versao 1.0 Março de 2008 Tópicos Abordados Conceitos sobre Banco

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Agenda Linguagem SQL: Introdução; Construção/Definição de tabelas. 2 Linguagem SQL SQL - Structured Query Language;

Leia mais

Campos, Ricardo. (2007). Apresentação de Bases de Dados. Microsoft SQL Server 2005. Linguagem SQL. Sql Server BI Development Studio. 457 slides.

Campos, Ricardo. (2007). Apresentação de Bases de Dados. Microsoft SQL Server 2005. Linguagem SQL. Sql Server BI Development Studio. 457 slides. Campos, Ricardo. (2007). Apresentação de. Microsoft SQL Ricardo Campos (ricardo.campos@ipt.pt) Autoria Esta apresentação foi desenvolvida por Ricardo Campos, docente do Instituto Politécnico de Tomar.

Leia mais

Dados INTRODUÇÃO A BANCO DADOS

Dados INTRODUÇÃO A BANCO DADOS Dados INTRODUÇÃO A BANCO DADOS 2 1 INTRODUÇÃO...6 1.1 Modelos de Dados...6 1.1.1 Modelo Hierárquico...6 1.1.2 Modelo em Rede...7 1.1.3 Modelo Relacional...7 1.1.4 Modelo Orientado Objetos...8 1.1.5 Sistemas

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Fundamentos de Banco de Dados Aula 01 Introdução aos Sistemas de Bancos de Dados Introdução aos Sistemas de BD Objetivo Apresentar

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE IV: Fundamentos da Inteligência de Negócios: Gestão da Informação e de Banco de Dados Um banco de dados é um conjunto de arquivos relacionados

Leia mais

PORTARIA N Nº 184 Rio de Janeiro, 27 de dezembro de 2012.

PORTARIA N Nº 184 Rio de Janeiro, 27 de dezembro de 2012. PORTARIA N Nº 184 Rio de Janeiro, 27 de dezembro de. ACRESCENTA A ARQUITETURA DE PADRÕES TECNOLÓGICOS DE INTEROPERABILIDADE -, NO SEGMENTO RECURSOS TECNOLÓGICOS, O PADRÃO TECNOLÓGICO SISTEMAS DE GERENCIAMENTO

Leia mais

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Banco de Dados I Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Plano de Aula SQL Definição Histórico SQL e sublinguagens Definição de dados (DDL) CREATE Restrições básicas em SQL ALTER DROP 08:20 Definição de

Leia mais

Ao conjunto total de tabelas, chamamos de Base de Dados.

Ao conjunto total de tabelas, chamamos de Base de Dados. O QUE É O ACCESS? É um sistema gestor de base de dados relacional. É um programa que permite a criação de Sistemas Gestores de Informação sofisticados sem conhecer linguagem de programação. SISTEMA DE

Leia mais

EXCEL. Listas como Bases de Dados

EXCEL. Listas como Bases de Dados Informática II Gestão Comercial e da Produção EXCEL Listas como Bases de Dados (TÓPICOS ABORDADOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA II) Curso de Gestão Comercial e da Produção Ano Lectivo 2002/2003 Por: Cristina

Leia mais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Bancos de Dados Conceitos Fundamentais Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos

Leia mais

Tecnologias da Informação, Comunicação e Sistemas de Inteligência

Tecnologias da Informação, Comunicação e Sistemas de Inteligência , Comunicação e Sistemas de Inteligência Gestão e de Bancos de Dados IESB - Centro Universitário A importância da informação em um mundo de informação disponível em tempo real a informação menos acessível

Leia mais

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados slide 1 1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Como um banco de dados

Leia mais

Tutorial de Introdução a Banco de Dados

Tutorial de Introdução a Banco de Dados Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia Curso de Engenharia de Telecomunicações Programa de Educação Tutorial Grupo PET-Tele Tutorial de Introdução a Banco de Dados (Versão: A2010M12D16) Autor:

Leia mais

Gonçalo Amador Ricardo Alexandre. Bases de Dados Distribuídas

Gonçalo Amador Ricardo Alexandre. Bases de Dados Distribuídas Sistemas Distribuidos e Tolerância a Falhas Gonçalo Amador Ricardo Alexandre Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Bases de Dados Distribuídas 1 Modelos de Bases de Dados 2 Conceitos

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 6.1 ARQUIVOS E REGISTROS De um modo geral os dados estão organizados em arquivos. Define-se arquivo como um conjunto de informações referentes aos elementos

Leia mais

INF220 - Banco de Dados I

INF220 - Banco de Dados I Banco de Dados - Introdução Bibliografia INF220 - Banco de Dados I Prof. Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática - UFV Notas de Aula (jugurta@dpi.ufv.br) ELMASRI, R; NAVATHE, S. Fundamentals of

Leia mais

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Profa. Flávia Cristina Bernardini Relembrando... Vantagens da Utilização de SGBD Redundância controlada Consistência dos dados armazenados

Leia mais

BANCO DE DADOS AULA - 01. Josino Rodrigues (josinon@gmail.com) Weyler N M Lopes Especialização em Banco de Dados Página 1

BANCO DE DADOS AULA - 01. Josino Rodrigues (josinon@gmail.com) Weyler N M Lopes Especialização em Banco de Dados Página 1 BANCO DE DADOS AULA - 01 Josino Rodrigues (josinon@gmail.com) Weyler N M Lopes Especialização em Banco de Dados Página 1 Introdução à Sistemas de Informação Sociedade agrícola Sociedade industrial Obra-prima

Leia mais

BANCO DE DADOS. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

BANCO DE DADOS. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com BANCO DE DADOS Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Contexto Fazem parte do nosso dia a dia: Operações bancárias Matrícula na universidade Reserva de hotel Controle de biblioteca Comércio

Leia mais

CEFET.PHB - PI. Plano de Ensino. Banco de Dados. Plano de Ensino. Plano de Ensino. Plano de Ensino - Conteúdo. Plano de Ensino - Conteúdo

CEFET.PHB - PI. Plano de Ensino. Banco de Dados. Plano de Ensino. Plano de Ensino. Plano de Ensino - Conteúdo. Plano de Ensino - Conteúdo CEFET.PHB - PI Plano de Ensino Banco de Dados Prof. Jefferson Silva Sistema de Banco de Dados Objetivos Vantagens e Desvantagens Conceitos básicos de BD e de SGBD Abstração de Dados Linguagem de Definição

Leia mais

Introdução a Banco de Dados Aula 03. Prof. Silvestri www.eduardosilvestri.com.br

Introdução a Banco de Dados Aula 03. Prof. Silvestri www.eduardosilvestri.com.br Introdução a Banco de Dados Aula 03 Prof. Silvestri www.eduardosilvestri.com.br Arquiteturas de Banco de Dados Arquiteturas de BD - Introdução Atualmente, devem-se considerar alguns aspectos relevantes

Leia mais

Revisão de Banco de Dados

Revisão de Banco de Dados Revisão de Banco de Dados Fabiano Baldo 1 Sistema de Processamento de Arquivos Antes da concepção dos BDs o registro das informações eram feitos através de arquivos. Desvantagens: Redundância e Inconsistência

Leia mais

Sistema de Gestão de Bases de Dados

Sistema de Gestão de Bases de Dados Sistema de Gestão de Bases de Dados 1. Base de dados e um SGBD: O funcionamento das organizações gera uma grande quantidade de dados. Quando estes dados estão relacionados entre si, transformam-se em informação.

Leia mais

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Alunos: Justino Santos, Paulo Neto E-mail: eic10428@student.estg.ipleiria.pt, eic10438@student.estg.ipleiria.pt Orientadores: Prof. Filipe Neves, Prof. Paulo Costa

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

Banco de Dados Aula 02. Colégio Estadual Padre Carmelo Perrone Profº: Willian

Banco de Dados Aula 02. Colégio Estadual Padre Carmelo Perrone Profº: Willian Banco de Dados Aula 02 Colégio Estadual Padre Carmelo Perrone Profº: Willian Conceitos básicos Dado: Valor do campo quando é armazenado dento do BD; Tabela Lógica: Representa a estrutura de armazenamento

Leia mais

LINGUAGEM SQL. SQL Server 2008 Comandos iniciais

LINGUAGEM SQL. SQL Server 2008 Comandos iniciais 1 LINGUAGEM SQL SQL Server 2008 Comandos iniciais SQL - STRUCTURED QUERY LANGUAGE Quando os Bancos de Dados Relacionais estavam sendo desenvolvidos, foram criadas linguagens destinadas à sua manipulação.

Leia mais

Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com

Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Introdução a Banco de Dados Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 12/06/2013 Sumário Motivação da Disciplina

Leia mais

GBC043 Sistemas de Banco de Dados. Introdução. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM

GBC043 Sistemas de Banco de Dados. Introdução. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM GBC043 Sistemas de Banco de Dados Introdução Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM Página 2 Definição BD Def. Banco de Dados é uma coleção de itens de dados

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados Banco de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 INTRODUÇÃO PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 Leonardo Pereira leonardo@estudandoti.com.br Facebook: leongamerti http://www.estudandoti.com.br Informações que precisam ser manipuladas com mais segurança

Leia mais

Oracle SQL Developer

Oracle SQL Developer BDDAD Bases de Dados Oracle SQL Developer Nelson Freire (ISEP LEI-BDDAD 2015/16) 1/30 SQL Developer Sumário Introdução Instalar Abrir Ligar à BD no Servidor Oracle SQL Worksheet Editar SQL Executar SQL

Leia mais

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs 1 Bancos de Dados - Introdução Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br Tópicos Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos Conceitual Lógico Características de SGBDs 2 Evolução tempo Programas e

Leia mais

Introdução à Banco de Dados

Introdução à Banco de Dados Introdução à Banco de Dados Introdução à Banco de Dados Agenda O que é Banco de Dados Como ele funciona Sistema Gerenciador de Banco de Dados Modelagem de Dados Modelo de dados Entidade-Relacionamento

Leia mais

Arquivo Digital de Trabalhos Práticos de Alunos

Arquivo Digital de Trabalhos Práticos de Alunos Arquivo Digital de Trabalhos Práticos de Alunos Projecto Integrado Engenharia de Linguagens Eduardo Ribeiro Miguel Nunes Objectivos Criação de uma interface Web para incorporação de Objectos Digitais;

Leia mais

DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s

DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s Dio Rafael Jacobs 1, Juliano Varella de Carvalho 1 1 Centro Universitário Feevale Instituto de Ciência Exatas e Tecnológicas Novo

Leia mais

Unidade 1: Sistema Operativo Linux

Unidade 1: Sistema Operativo Linux Unidade 1: Sistema Operativo Linux 1 2 Sistema Operativo Linux Objectivos desta unidade Caracterizar o sistema operativo Linux Saber como obter documentação e apoio sobre a instalação e utilização do Linux

Leia mais

Conjunto de conceitos que podem ser usados para descrever a estrutura de um banco de dados

Conjunto de conceitos que podem ser usados para descrever a estrutura de um banco de dados CONCEITOS Modelo de Dados Conjunto de conceitos que podem ser usados para descrever a estrutura de um banco de dados Tipos de dados, relacionamentos e restrições Operações dinâmicas alto nível: ou modelo

Leia mais

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2 Introdução a SQL 2 Leitura Obrigatória ELMASRI,

Leia mais

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados -

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados - Banco de Dados Aula 02 Modelagem de Dados Roteiro Definição Evolução Projeto de BD Abstração Esquema e Instância Definição É uma representação, normalmente gráfica, de estruturas de dados reais. Auxilia

Leia mais

Laboratório de Banco de Dados

Laboratório de Banco de Dados Universidade Federal de Mato Grosso-UFMT Sistemas de Informação Laboratório de Banco de Dados Prof. Clóvis Júnior Laboratório de Banco de Dados Conteúdo Administração de Usuários de Papéis; Linguagens

Leia mais

Banco de Dados I 2007. Módulo I: Introdução a Sistemas de Banco de Dados. (Aula 1) Clodis Boscarioli

Banco de Dados I 2007. Módulo I: Introdução a Sistemas de Banco de Dados. (Aula 1) Clodis Boscarioli Banco de Dados I 2007 Módulo I: Introdução a Sistemas de Banco de Dados (Aula 1) Clodis Boscarioli Agenda: Apresentação do Plano de Ensino; Aspectos Históricos; Estrutura Geral de um SGBD; Profissionais

Leia mais

Dados. Qualquer elemento (aspecto, fato, medida etc.) representativo, disponível e coletável na realidade. fatos no estado bruto, conforme Platão;

Dados. Qualquer elemento (aspecto, fato, medida etc.) representativo, disponível e coletável na realidade. fatos no estado bruto, conforme Platão; Dados Os Dados são os fatos em sua forma primária, como observamos no mundo. Qualquer elemento (aspecto, fato, medida etc.) representativo, disponível e coletável na realidade. fatos no estado bruto, conforme

Leia mais