Transferência de Tecnologia na Fiocruz: Fatores de risco e de sucesso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Transferência de Tecnologia na Fiocruz: Fatores de risco e de sucesso"

Transcrição

1 Transferência de Tecnologia na Fiocruz: Fatores de risco e de sucesso Mesa Redonda: Transferência de Tecnologia: fatores de risco e de sucesso. 4º ENIFARMED - Encontro Nacional de Inovação em Fármacos e Medicamentos São Paulo - SP 25/08/2010 Maria Celeste Emerick Coordenadora de Gestão Tecnológica Vice-Presidência de Produção e Inovação em Saúde VPPIS Fundação Oswaldo Cruz - FIOCRUZ

2 Roteiro I Especificidades do Sistema de Inovação em Saúde II - Transferência de Tecnologia na Fiocruz - Escopo de atuação - Fatores de risco e de sucesso III Considerações Finais

3 O Sistema de Inovação do Setor Saúde: ESPECIFICIDADES Sistema fortemente baseado na Ciência e Tecnologia (enorme dependência do avanço científico e da diversidade de padrões de avanço tecnológico) Interação recíproca entre os Sistemas de Inovação e de Bem-Estar (o progresso tecnológico no setor tem implicações diretas sobre a ampliação do bemestar individual e social) Fonte: ALBUQUERQUE & Cassiolato, 2000

4 O Sistema de Inovação do Setor Saúde: ESPECIFICIDADES Caráter altamente intensivo em P&D das indústrias do Complexo Econômico Industrial da Saúde Elevada dependência de outras disciplinas para inovar (multidisciplinaridade) Papel crucial das patentes: relativa facilidade para imitação e elevados custos de P&D/Testes clínicos Natureza da P&D farmacêutica: custos, complexidade e tempo de desenvolvimento Inovação gerencial, administrativa e estrutural Fonte: ALBUQUERQUE & Cassiolato, 2000

5 Roteiro I Especificidades do Sistema de Inovação em Saúde II - Transferência de Tecnologia na Fiocruz - Escopo de atuação - Fatores de risco e de sucesso III Considerações Finais

6 Transferência de Tecnologia: Especificidades da Fiocruz Entidade pública vinculada ao Ministério da Saúde. A Fiocruz possui determinado grau de flexibilidade operacional para a consecução da Transferência de Tecnologia, tendo em vista dispor de três elementoschave: P&D Fabricação Poder de Compra do Estado As dificuldades estão associadas as barreiras à entrada em um ramo industrial que opera tecnologias altamente sofisticadas.

7 Transferência de Tecnologia na Fiocruz: Escopo de atuação Fiocruz como demandante de tecnologia: - Aquisição/incorporação de tecnologia. Fiocruz como ofertante de tecnologia: - Licenciamento de resultados de P&D protegidos. Fiocruz & Projetos Colaborativos - Parcerias/Desenvolvimento Conjunto.

8 Transferência de Tecnologia - Fatores de risco e sucesso: Aquisição de Tecnologia Fatores de Risco Capacidade do detentor da tecnologia em transferir: não basta deter Capacidade do comprador de absorver a tecnologia: capacitação técnica compatível com a complexidade da tecnologia Implantação da estrutura física necessária: observância das regras da Lei 8.666/93 e do cronograma estabelecido Compatibilidade das legislações sanitárias dos países envolvidos Surgimento de novas tecnologias ou produtos durante a execução do contrato: quando não-previsto Oscilações no preço do produto: mercado internacional & dumping Oscilações na demanda - alteração do quantitativo de produtos pelo comprador (MS) Fatores de Sucesso Aumento da capacidade tecnológica institucional: - recursos humanos - infra-estrutura - incorporação de nova plataforma de produção que pode servir de base para um leque de produtos Incorporação de tecnologia e disponibilização de um ou mais produtos para o Sistema Único de Saúde Incorporação efetiva de tecnologia no País e contribuição para o Sistema Nacional de Inovação em Saúde

9 Transferência de Tecnologia - Fatores de risco e sucesso: Oferta de Tecnologia Fatores de Risco Capacidade de identificar os pontos fracos e fortes da tecnologia para maior êxito na valoração e negociação Escopo da patente e proteção em mercados competitivos e estratégicos Estágio embrionário dos projetos: necessidade de maior capacidade financeira do parceiro para o desenvolvimento & empreendimento de risco Custo de desenvolvimento x remuneração pela transferência Divisão de mercados (ex mercosul) Fatores de Sucesso Difusão de conhecimentos técnicos Qualidade da Ciência: publicações/respeito na comunidade C&T/ apoio do pesquisador para a interação Retorno financeiro: retroalimentar a P&D e motivar os inventores Contribuição efetiva para a redução da vulnerabilidade econômica Contribuição para que o resultado da P&D se transforme em produto Inovação Tecnológica

10 Transferência de Tecnologia - Fatores de risco e sucesso: Desenvolvimentos Conjuntos Fatores de Risco Interesse mútuo no desenvolvimento e aplicação do conhecimento gerado Efetivo know-how das partes em desenvolvimento de produtos com alto valor tecnológico agregado Necessidade de expressivos investimentos e capacidade de gerenciamento dos contratos e resultados aferidos Fatores de Sucesso Intercâmbio de know-how Incremento da capacidade tecnológica das partes Otimização da capacidade técnica e financeira das Partes para aferir resultados inovadores co-titularidade de patentes e possibilidade de ganhos economicos Arranjos produtivos específicos para aproveitamento de nichos de mercado e interesse público

11 Roteiro I Especificidades do Sistema de Inovação em Saúde II - Transferência de Tecnologia na Fiocruz - Escopo de atuação - Fatores de risco e de sucesso III Considerações Finais

12 Questões críticas para transferência de tecnologia nas ICTs Grande número de atores institucionais envolvidos no processo de Transferência de Tecnologia: níveis hierarquicos, tempo de negociação, interlocutor-chave na instituição, comunicação Sigilo, direitos de propriedade intelectual, entendimento das missões das partes, bases da negociação, etc. Ausência de procedimentos e fluxos entre as instâncias institucionais envolvidas no processo de negociação e contratação Papel do NIT:< ou > autonomia no processo decisório intrainstitucional

13 Fatores que influenciam no processo de Transferência de Tecnologia Visão e competência institucional: política institucional, procedimentos & fluxos, regras claramente estabelecidas Aspectos de ordem legal (internacional e nacional) Capacidade Técnica Competência para interagir Escopo de proteção legal da P&D & Mercados competitivos protegidos Qualidade da ciência e adesão dos grupos de pesquisa para interação Fiocruz reestrutura seu modelo e estratégia institucional criando um NIT em cada Unidade Técnica Científica: Sistema GESTEC-NIT

14 OBRIGADA PELA ATENÇÃO Fundação Oswaldo Cruz Vice Presidência de Produção e Inovação em Saúde Coordenação de Gestão Tecnológica Av. Brasil, 4365 Pavilhão Carlos Augusto Silva 2º andar CEP: Tel: /1731 Fax:

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS. Conceitos e Aplicações de Propriedade Intelectual (PI) - (NIT900)

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS. Conceitos e Aplicações de Propriedade Intelectual (PI) - (NIT900) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Conceitos e Aplicações de Propriedade Intelectual (PI) - (NIT900) Introdução à PI. Evolução Histórica. Marcos legais e acordos internacionais. Tipos de PI: direito autoral; propriedade

Leia mais

Processo de Contratação Unidade Embrapii IPT

Processo de Contratação Unidade Embrapii IPT Processo de Contratação Unidade Embrapii IPT DI/CPN Características dos projetos financiados pela Embrapii Foco do projeto desenvolvimento de produto ou processo inovador na área de atuação do IPT Superar

Leia mais

Proteção de Ativos Intangíveis no Modelo de Inovação Aberta. 23 de setembro de 2011 Bruno Rondani

Proteção de Ativos Intangíveis no Modelo de Inovação Aberta. 23 de setembro de 2011 Bruno Rondani Proteção de Ativos Intangíveis no Modelo de Inovação Aberta 23 de setembro de 2011 Bruno Rondani O que é Open Innovation? É a nova forma como as empresas tem se organizado para inovar em um mundo onde

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/ PPGPI ESTRUTURA CURRICULAR DO MESTRADO ACADÊMICO

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/ PPGPI ESTRUTURA CURRICULAR DO MESTRADO ACADÊMICO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2015 - PPGPI Estabelece a Estrutura Curricular do Curso de Doutorado e Mestrado do PPGPI, conforme Resolução nº 62/2014/CONEPE. ESTRUTURA CURRICULAR DO MESTRADO ACADÊMICO I -

Leia mais

1º Simpósio de Inovação Tecnológica - UNESP

1º Simpósio de Inovação Tecnológica - UNESP 1º Simpósio de Inovação Tecnológica - UNESP Fernando de Nielander Ribeiro Diretor Financiadora de Estudos e Projetos - FINEP São Paulo, 25 de setembro de 2007. Estrutura do MCT Conselho Nacional de C&T

Leia mais

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI 2ª REUNIÃO DO COMITÊ DE LÍDERES DA MEI DE 2016 Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI Gilberto Peralta GE 13 de maio de 2016 MARCO INSTITUCIONAL Emenda Constitucional nº 85 Inserção da inovação

Leia mais

Financiadora de Estudos e Projetos

Financiadora de Estudos e Projetos Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ampliando mercado de Placas de CI através s da Certificação São Paulo -SP 28 de novembro de 2006 João Florencio da Silva Analista do Escritório

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO 2013

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO 2013 EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO 2013 Plano de Negócios (Max 20 pág. sem anexos) Dados gerais do projeto 1. Resumo do Projeto; Descrever de maneira sucinta do que se trata o projeto. 2. Objetivo do Projeto;

Leia mais

GESTÃO TECNOLÓGICA E INOVAÇÃO NA FIOCRUZ

GESTÃO TECNOLÓGICA E INOVAÇÃO NA FIOCRUZ GESTÃO TECNOLÓGICA E INOVAÇÃO NA FIOCRUZ Seminário Núcleos de Inovação Tecnológica NIT s Financiadora de Estudos e Projetos/FINEP 25 e 26/04/07 Maria Celeste Emerick Coordenadora Gestão Tecnológica - FIOCRUZ

Leia mais

IPT e Unidade Embrapii - IPT

IPT e Unidade Embrapii - IPT IPT e Unidade Embrapii - IPT Coordenação Geral Diretoria de Inovação - Zehbour Panossian Coordenação de Operação Coordenadoria de Planejamento e Negócios - Flávia Motta Sumário Sistema Embrapii Unidade

Leia mais

Encontro Temático: Avaliação de Resultados em Transferência de Tecnologia As Experiências do MCTIC

Encontro Temático: Avaliação de Resultados em Transferência de Tecnologia As Experiências do MCTIC Encontro Temático: Avaliação de Resultados em Transferência de Tecnologia As Experiências do MCTIC Fernanda Magalhães Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental Coordenação-Geral de Incentivos

Leia mais

Complexo Industrial da Saúde no Brasil Financiamento e Trajetória de Atuação do BNDES. Pedro Palmeira Filho 7º ENIFarMed São Paulo - agosto de 2013

Complexo Industrial da Saúde no Brasil Financiamento e Trajetória de Atuação do BNDES. Pedro Palmeira Filho 7º ENIFarMed São Paulo - agosto de 2013 Complexo Industrial da Saúde no Brasil Financiamento e Trajetória de Atuação do BNDES Pedro Palmeira Filho 7º ENIFarMed São Paulo - agosto de 2013 Agenda Evolução da indústria farmacêutica brasileira Atuação

Leia mais

Políticas de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia: modelos institucionais da Fiocruz

Políticas de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia: modelos institucionais da Fiocruz Políticas de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia: modelos institucionais da Fiocruz Seminário: Um decênio de história na gestão de propriedade intelectual e transferência de tecnologia

Leia mais

SINDICATO NACIONAL DOS DOCENTES DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR

SINDICATO NACIONAL DOS DOCENTES DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR CIÊNCIA E TECNOLOGIA PÚBLICAS: CAMINHO PARA UMA SOCIEDADE IGUALITÁRIA 1. O Tema do Seminário: Religa a C&T aos seus condicionantes sociais Pressupõe que C&T deve ser colocada a serviço das amplas maiorias

Leia mais

ANEXO III - EDITAL Nº. 05/2016 DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO TÍTULO DO PROJETO

ANEXO III - EDITAL Nº. 05/2016 DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO TÍTULO DO PROJETO ANEXO III - EDITAL Nº. 05/2016 DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO TÍTULO DO PROJETO 1. APRESENTAÇÃO GERAL DA EMPRESA: Histórico da empresa; Missão, Visão, Valores; Fonte da ideia (máximo 20 linhas) 2. APRESENTAÇÃO DO

Leia mais

Encontro RMPI/FIEMG de Inovação 2013

Encontro RMPI/FIEMG de Inovação 2013 Encontro RMPI/FIEMG de Inovação 2013 O Processo de Inovação na Empresa Brasileira: Avanços e Desafios Prof. Dr. Ruy Quadros Unicamp e Innovarelab Belo Horizonte 4/11/2013 O Processo de Inovação na Empresa

Leia mais

Projeto Extensão Produtiva e Inovação

Projeto Extensão Produtiva e Inovação Projeto Extensão Produtiva e Inovação Núcleo de Extensão Produtiva e Inovação - NEPI UNILASALLE Dez/2013 Projeto Extensão Produtiva e Inovação Política Industrial Ações Transversais Programa de Fortalecimentodas

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação para o. Desenvolvimento Nacional

Ciência, Tecnologia e Inovação para o. Desenvolvimento Nacional Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Guilherme Henrique Pereira Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Ministério da Ciência e Tecnologia Premissas básicas b para

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil CLIQUE PARA EDITAR O TÍTULO MESTRE 1º Workshop Tecnológico PLATEC Sondas

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ - UECE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ - UECE Seminário Os NITs e a efetividade do Programa RENORBIO Uma proposta para os NITs do NE Teresa Lenice Mota (UECE) Colaboração: André Luiz Araújo (CEFET-CE) Aritomar Barros (UFC) BNB, 10 de abril de 2007

Leia mais

CEPUERJ CENTRO DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CEPUERJ CENTRO DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CEPUERJ CENTRO DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO MISSÃO DA UNIDADE: Fomentar a atividade acadêmica, promover o intercâmbio da Universidade com órgãos públicos, empresas privadas e

Leia mais

CONFERÊNCIA. O NOVO MARCO LEGAL DA INOVAÇÃO: Desafios e Oportunidades. O impacto do Novo Marco Legal sobre as empresas que se dedicam à Inovação

CONFERÊNCIA. O NOVO MARCO LEGAL DA INOVAÇÃO: Desafios e Oportunidades. O impacto do Novo Marco Legal sobre as empresas que se dedicam à Inovação CONFERÊNCIA O NOVO MARCO LEGAL DA INOVAÇÃO: Desafios e Oportunidades O impacto do Novo Marco Legal sobre as empresas que se dedicam à Inovação Prof. Dr. Spartaco Astolfi Filho spartaco.biotec@gmail.com

Leia mais

INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES

INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES Vera M. L. Ponçano Rede de Saneamento e Abastecimento de Água Aracaju, 10 dezembro 2015 REDES: TECNOLÓGICAS TEMÁTICAS - PÚBLICAS FATORES DE INFLUÊNCIA: PESSOAL, SOCIAL, TECNOLÓGICO,

Leia mais

Ciência Regulatória: a regulação como instrumento de fomento às pesquisas de novas tecnologias em saúde. Brasília, 22/06/2016

Ciência Regulatória: a regulação como instrumento de fomento às pesquisas de novas tecnologias em saúde. Brasília, 22/06/2016 Ciência Regulatória: a regulação como instrumento de fomento às pesquisas de novas tecnologias em saúde. JARBAS BARBOSA Diretor-Presidente ANVISA Brasília, 22/06/2016 A ANVISA Primeira Agência da área

Leia mais

Inovações Tecnológicas na área de Saúde

Inovações Tecnológicas na área de Saúde Inovações Tecnológicas na área de Saúde Seminário da ABrES Paulo Bastos Tigre Professor titular - UFRJ Salvador, 22 de agosto de 2008 Paulo Tigre 1 Aplicações de tecnologias da saúde Paulo Tigre 2 Questões

Leia mais

Boas Práticas da Interação ICT-Empresas

Boas Práticas da Interação ICT-Empresas ANPEI Associação Nacional de Pesquisa, Desenvolvimento e Engenharia das Empresas Inovadoras Boas Práticas da Interação ICT-Empresas Gilson Manfio Coordenador, Comitê ANPEI Promovendo a Interação ICT-Empresa

Leia mais

O Instituto ABRADEE da Energia a serviço da sociedade para aprimoramento do Modelo do Setor Elétrico Brasileiro. Brasília 014 de outubro de 2015

O Instituto ABRADEE da Energia a serviço da sociedade para aprimoramento do Modelo do Setor Elétrico Brasileiro. Brasília 014 de outubro de 2015 O Instituto ABRADEE da Energia a serviço da sociedade para aprimoramento do Modelo do Setor Elétrico Brasileiro 1 Brasília 014 de outubro de 2015 Pauta 1) Por que propor um Projeto de P&D Estratégico para

Leia mais

ANEXO I ROTEIRO DE PLANO DE NEGÓCIOS. 2.1 Empresa Líder. Grupo Econômico CNAE principal Faturamento / Rec. Oper. Bruta de 2015

ANEXO I ROTEIRO DE PLANO DE NEGÓCIOS. 2.1 Empresa Líder. Grupo Econômico CNAE principal Faturamento / Rec. Oper. Bruta de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO ANEXO I ROTEIRO DE PLANO DE NEGÓCIOS Linha Temática PN solicita Não - Reembolsáveis 1 1 - Título do Plano de Negócio 2 - Cadastramento 2.1 Empresa Líder Razão Social CNPJ Grupo Econômico

Leia mais

MARCOS LEGAIS Lei da Inovação, Lei do Bem. Ricardo Amaral Remer

MARCOS LEGAIS Lei da Inovação, Lei do Bem. Ricardo Amaral Remer MARCOS LEGAIS Lei da Inovação, Lei do Bem Ricardo Amaral Remer Alguns Benefícios da Inovação Geração de empregos: Quem inova e diferencia produtos emprega mais; Melhor remuneração: A remuneração média

Leia mais

ASPECTOS RELEVANTES DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADA

ASPECTOS RELEVANTES DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADA INOVAÇÃO NA ÁREA FARMACÊUTICA ASPECTOS RELEVANTES DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADA Empresa Universidade Governo @Neide Bueno Consultora em gestão de Propriedade Intelectual neidebueno09@gmail.com

Leia mais

PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde

PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde Banco Nacional de Desenvolvimento Econômco e Social - BNDES PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde Belo Horizonte dezembro/2007 1 Aprovado em maio / 2004 MACRO-OBJETIVO

Leia mais

Mobilização Empresarial pela Inovação Internacionalização e Inovação. Frederico Curado / Embraer SP - 17 junho 2011

Mobilização Empresarial pela Inovação Internacionalização e Inovação. Frederico Curado / Embraer SP - 17 junho 2011 Mobilização Empresarial pela Inovação Internacionalização e Inovação Frederico Curado / Embraer SP - 17 junho 2011 OBJETIVOS Consolidar o entendimento de que a internacionalização das empresas brasileiras,

Leia mais

Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico. Oficina AVALIAÇÃO E VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS

Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico. Oficina AVALIAÇÃO E VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS Oficina AVALIAÇÃO E VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS Apresentação: Rosangela Ribeiro Florianópolis, 26 de outubro de 2009 Índice: 1. A importância de avaliar e valorar tecnologia 2. Comercialização

Leia mais

PDI IFCE/PRPI

PDI IFCE/PRPI PDI 2014-2019 IFCE/PRPI Perspectiva dos Clientes da PRPI Expansão e consolidação da pesquisa científica e tecnológica Captação de recursos externos para Pesquisa e Inovação Cronograma de Metas 01 R$ 34.000.000,00

Leia mais

Comercialização e Valoração da Tecnologia

Comercialização e Valoração da Tecnologia Comercialização e Valoração da Tecnologia LOURENÇA F. DA SILVA Rio de Janeiro 26/04/2007 Lourença F. Silva - 25-04-2007 1 Aspectos Gerais Métodos usuais de valoração. Comercialização de Tecnologia Remuneração

Leia mais

Financiadora de Estudos e Projetos - Finep

Financiadora de Estudos e Projetos - Finep Financiadora de Estudos e Projetos - Finep A Finep A Finep é uma empresa pública vinculada ao MCTIC (Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações) criada em 24 de julho de 1967. Seu objetivo

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS COMPLEXO INDUSTRIAL DA SAÚDE 2 Complexo Industrial da Saúde (CIS)

Leia mais

Formando profissionais de saúde com as novas tecnologias: a experiência da ENSP/Fiocruz na educação à distância

Formando profissionais de saúde com as novas tecnologias: a experiência da ENSP/Fiocruz na educação à distância Seminário de Educação a Distância na Administração Pública: Cursos Mistos e Redes Virtuais Formando profissionais de saúde com as novas tecnologias: a experiência da ENSP/Fiocruz na educação à distância

Leia mais

Prof. Dr. Evandro Prestes Guerreiro (UNIP Santos) Prof. Ms. Edison da Silva Monteiro (UNIP Santos) Prof. Ms. Henrique Cesar Nanni (UNIP Santos)

Prof. Dr. Evandro Prestes Guerreiro (UNIP Santos) Prof. Ms. Edison da Silva Monteiro (UNIP Santos) Prof. Ms. Henrique Cesar Nanni (UNIP Santos) Desenvolvimento Sustentável e Governança Participativa: Arranjo Produtivo Local e Parque Tecnológico de Santos. Prof. Dr. Evandro Prestes Guerreiro (UNIP Santos) Prof. Ms. Edison da Silva Monteiro (UNIP

Leia mais

Experiência MAHLE com Fomento André Ferrarese

Experiência MAHLE com Fomento André Ferrarese Experiência MAHLE com Fomento André Ferrarese 13.04.2016 Onde encontrar e interagir http://ri.mahle.com.br/ andre.ferrarese@br.mahle.com 2 Motivação Reduzir Dispêndio Efetivo MAHLE: % do faturamento Orçamento

Leia mais

Santa Casa Fundada. Inaugurada em 1826

Santa Casa Fundada. Inaugurada em 1826 Santa Casa Fundada em 1803 Inaugurada em 1826 PERFIL Organização Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre Instituição de direito privado, filantrópica, de ensino e assistência social, reconhecida

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA Agosto de 2015 INTRODUÇÃO O Ministério de Educação (MEC) através do Sistema Nacional

Leia mais

Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação. Sandra Barioni Toma

Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação. Sandra Barioni Toma Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Sandra Barioni Toma Nosso PDI O foco das atividades de busca, seleção e realização de oportunidades e projetos em PDI é direcionado pela visão de futuro e pelas estratégias

Leia mais

Objetivo do programa. Desenvolvimento competitivo e sustentável. Promoção de parcerias estratégicas. Produtividade. Valor agregado. Ganho de qualidade

Objetivo do programa. Desenvolvimento competitivo e sustentável. Promoção de parcerias estratégicas. Produtividade. Valor agregado. Ganho de qualidade Objetivo do programa Desenvolvimento competitivo e sustentável Produtividade Promoção de parcerias estratégicas Valor agregado Ganho de qualidade Contextualização Os 3 Pilares para o desenvolvimento da

Leia mais

TRANSFERÊNCIA NCIA DE TECNOLOGIA

TRANSFERÊNCIA NCIA DE TECNOLOGIA TREM DE ALTA VELOCIDADE - TAV TRANSFERÊNCIA NCIA DE TECNOLOGIA Seminário sobre o Trem de Alta Velocidade Federaçã ção o das Indústrias do Estado de São S o Paulo FIESP Agência Nacional de Transportes terrestres

Leia mais

A dinâmica inovativa do subsistema de base mecânica, eletrônica e de materiais

A dinâmica inovativa do subsistema de base mecânica, eletrônica e de materiais Ciências da Saúde / Saúde Coletiva / Saúde Pública A dinâmica inovativa do subsistema de base mecânica, eletrônica e de materiais Síntese O presente artigo apresenta e discute a dinâmica do subsistema

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS - IFNMG CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

REGIMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS - IFNMG CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA REGIMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO - IFNMG CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) é o órgão responsável por gerir a política de propriedade

Leia mais

Sistema de Gestão VPPDT Procedimento Operacional Padrão

Sistema de Gestão VPPDT Procedimento Operacional Padrão PALAVRAS-CHAVE: LIVRO DE REGISTRO; GESTÃO. REVISÃO 02 DATA 24/11/2008 ELABORAÇÃO Ana Paula Cavalcanti Gestão de Projetos VERIFICAÇÃO Cássia Pereira Coordenadora PDTIS APROVAÇÃO Wim M.S. Degrave Coordenador

Leia mais

METODOLOGIA DE TRANSFERÊNCIA TECNOLÓGICA DE BAIXA COMPLEXIDADE

METODOLOGIA DE TRANSFERÊNCIA TECNOLÓGICA DE BAIXA COMPLEXIDADE METODOLOGIA DE TRANSFERÊNCIA TECNOLÓGICA DE BAIXA COMPLEXIDADE Área Temática: Tecnologia e produção Assis Francisco de Castilhos 1 (Coordenador da Ação de Extensão) José Augusto Farias Santos 2 (Coordenador

Leia mais

Alternativas de Modelo Institucional e Gerencial

Alternativas de Modelo Institucional e Gerencial Workshop Intermediário do Planejamento Estratégico do INPE, 14-15 de setembro de 2006 Alternativas de Modelo Institucional e Gerencial Grupo Temático 10 Modelos Sumário Modelo Institucional Atual Posição

Leia mais

Questionário Simplificado

Questionário Simplificado Contrato BNDES/FINEP/FUJB Arranjos e Sistemas Produtivos Locais e as Novas Políticas de Desenvolvimento Industrial e Tecnológico Questionário Simplificado A ser aplicado nas pequenas empresas Fevereiro/2000

Leia mais

CONQUISTAS E DESAFIOS DO INPI NA CAPACITAÇÃO E FORMAÇÃO EM PI

CONQUISTAS E DESAFIOS DO INPI NA CAPACITAÇÃO E FORMAÇÃO EM PI CONQUISTAS E DESAFIOS DO INPI NA CAPACITAÇÃO E FORMAÇÃO EM PI Lucia Fernandes ACADEMIA DA PROPRIEDADE INTELECTUAL MISSÃO Formação e capacitação em PI; Desenvolvimento de P&D em PI; Disseminação do uso

Leia mais

Gestão Pública, Propriedade Intelectual e Estratégias de Desenvolvimento

Gestão Pública, Propriedade Intelectual e Estratégias de Desenvolvimento Gestão Pública, Propriedade Intelectual e Estratégias de Desenvolvimento Objetivo, estrutura e informações gerais Centro de Desenvolvimento Tecnológico em Saúde (CDTS) e Instituto Oswaldo Cruz (IOC) Instituto

Leia mais

SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DA MARINHA SecCTM

SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DA MARINHA SecCTM SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DA MARINHA SecCTM Contra-Almirante Alfredo Martins Muradas Fórum RNP 2016: Ciência, Tecnologia e Inovação em Rede SUMÁRIO O Sistema de CT&I da MB (SCTMB) As

Leia mais

PROFESSOR RINALDO LIMA AUDITORIA EM RECURSOS HUMANOS OBJETIVOS ANÁLISE DA CONSULTORIA PREMISSAS PARA CONSULTORIA

PROFESSOR RINALDO LIMA AUDITORIA EM RECURSOS HUMANOS OBJETIVOS ANÁLISE DA CONSULTORIA PREMISSAS PARA CONSULTORIA PROFESSOR RINALDO LIMA Graduado em Ciências e Matemática e Especializado em Reengenharia e Qualidade Total e Engenharia de Telecomunicações. rinaldo@unopar.br AUDITORIA EM RECURSOS HUMANOS OBJETIVOS Aula

Leia mais

EIXO 5 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC) VERSÃO PRELIMINAR

EIXO 5 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC) VERSÃO PRELIMINAR EIXO 5 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC) VERSÃO PRELIMINAR PLANO FORTALEZA 2040 Orientações para o Grupo de Trabalho EIXO: Dinamização econômica e inclusão produtiva Tema/Assunto: Tecnologia

Leia mais

FORMAS DE ACESSO A TECNOLOGIA

FORMAS DE ACESSO A TECNOLOGIA FORMAS DE ACESSO A TECNOLOGIA 1 Nossos últimos assuntos foram: Estratégias de Inovação. Nesta aula veremos: Formas de Acesso à Tecnologia. 2 Serão comentados: Formas de Acesso à Tecnologia: Compra; Importação

Leia mais

Prêmio Nacional de Inovação

Prêmio Nacional de Inovação Prêmio Nacional de Inovação 2013 Caderno de Avaliação Categoria EMPRESA: Agentes Locais de Inovação Método: Esta dimensão visa facilitar o entendimento de como estão sendo utilizados sistemas, métodos

Leia mais

www.cloud4project.com SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO - Objetivo 2. CAD x BIM x CIM - SMART CITIES - Conceitos genéricos - Desafios 3. CONTRIBUIÇÃO DA INTELIGÊNCIA MILITAR - Problemática da gestão da infraestrutura

Leia mais

ENCADEAMENTO PRODUTIVO. Luiz Barretto - Presidente

ENCADEAMENTO PRODUTIVO. Luiz Barretto - Presidente ENCADEAMENTO PRODUTIVO Luiz Barretto - Presidente MISSÃO DO SEBRAE Promover a competividade e o desenvolvimento sustentável dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo para fortalecer a economia

Leia mais

WORKSHOP A INCORPORAÇÃO DE VACINAS ATRAVÉS DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA NO BRASIL

WORKSHOP A INCORPORAÇÃO DE VACINAS ATRAVÉS DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA NO BRASIL WORKSHOP A INCORPORAÇÃO DE VACINAS ATRAVÉS DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA NO BRASIL Transferência de tecnologia e autossuficiência em vacinas Gina Camilo de Oliveira Coordenação Geral de Base Química e

Leia mais

EFEITOS DE TRANSBORDAMENTO DE EMPRESAS ESTRANGEIRAS NA INDÚSTRIA DO MERCOSUL Mariano F. Laplane

EFEITOS DE TRANSBORDAMENTO DE EMPRESAS ESTRANGEIRAS NA INDÚSTRIA DO MERCOSUL Mariano F. Laplane EFEITOS DE TRANSBORDAMENTO DE EMPRESAS ESTRANGEIRAS NA INDÚSTRIA DO MERCOSUL Mariano F. Laplane Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia - NEIT Instituto de Economia UNICAMP Perfil das empresas estrangeiras

Leia mais

Discurso de posse da Diretoria Executiva eleita para 2017 Roberto Brandão novo presidente

Discurso de posse da Diretoria Executiva eleita para 2017 Roberto Brandão novo presidente Brasília, 14 de fevereiro de 2017. Discurso de posse da Diretoria Executiva eleita para 2017 Roberto Brandão novo presidente Cumprimentos e agradecimentos Senhoras e senhores, Autoridades aqui presentes

Leia mais

PROJETO ESTRUTURANTE COSMÉTICO DE BASE FLORESTAL DA AMAZÔNIA

PROJETO ESTRUTURANTE COSMÉTICO DE BASE FLORESTAL DA AMAZÔNIA PROJETO ESTRUTURANTE COSMÉTICO DE BASE FLORESTAL DA AMAZÔNIA OBJETIVO Desenvolver conhecimento normativo, tecnológico, e mercadológico quanto as oportunidades de negócios sustentáveis e produtivos da cadeia

Leia mais

Francisco Beltrão Inovações e Desafios. Centro de Inovação e Tecnologia de Francisco Beltrão - CITFBE

Francisco Beltrão Inovações e Desafios. Centro de Inovação e Tecnologia de Francisco Beltrão - CITFBE Francisco Beltrão Inovações e Desafios Centro de Inovação e Tecnologia de Francisco Beltrão - CITFBE Agosto de 2015 Política de Desenvolvimento Local Sistema Regional de Inovação Serviços Urbanos CITFBE

Leia mais

Os Territórios e a Economia do Conhecimento: que Respostas face aos Novos Desafios?

Os Territórios e a Economia do Conhecimento: que Respostas face aos Novos Desafios? Os Territórios e a Economia do Conhecimento: que Respostas face aos Novos Desafios? Domingos Santos CICS-UM, 3 de Novembro de 2011 Agenda 1. Novos desafios para os territórios. 2. O que nos dizem as abordagens

Leia mais

FORUM URBANO MUNDIAL 5 Rio de Janeiro de março, 2010

FORUM URBANO MUNDIAL 5 Rio de Janeiro de março, 2010 FORUM URBANO MUNDIAL 5 Rio de Janeiro 22-26 de março, 2010 ESTUDO DE CASO: Projeto de Desenvolvimento Econômico Regional do Ceará (Cidades do Ceara Cariri Central) Emanuela Rangel Monteiro CONTEXTUALIZAÇÃO

Leia mais

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. O caso MDIC. BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. O caso MDIC. BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013 1ª Jornada Internacional da Gestão Pública O caso MDIC BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013 ANTECEDENTES INÍCIO DE 2011 Contexto de mudança de Governo; Necessidade de diagnóstico organizacional; Alinhamento

Leia mais

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO 4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO A planilha de atendimento às metas do projeto é apresentada na sequência. Metas Proporcionar os elementos necessários para que seja definido o processo

Leia mais

O MODELO DE SAÚDE CATALÃO Uma experiência de reforma Principais conceitos e instrumentos. CHC - Consorci Hospitalari de Catalunya Setembro 2011

O MODELO DE SAÚDE CATALÃO Uma experiência de reforma Principais conceitos e instrumentos. CHC - Consorci Hospitalari de Catalunya Setembro 2011 O MODELO DE SAÚDE CATALÃO Uma experiência de reforma Principais conceitos e instrumentos CHC - Consorci Hospitalari de Catalunya Setembro 2011 O SNS Espanhol Evolução 1975-2009 Da segmentação na coordenação

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

Faculdade SENAI de Tecnologia Gráfica. Cursos de Pós Graduação. Planejamento e Produção de Mídia Impressa

Faculdade SENAI de Tecnologia Gráfica. Cursos de Pós Graduação. Planejamento e Produção de Mídia Impressa Faculdade SENAI de Tecnologia Gráfica Cursos de Pós Graduação Planejamento e Produção de Mídia Impressa Programa de pós-graduação lato-sensu, especialmente planejado para profissionais das áreas de produção

Leia mais

Informação de Custos e Qualidade do Gasto Público

Informação de Custos e Qualidade do Gasto Público I SEMINÁRIO POTIGUAR SOBRE CONTABILIDADE, CUSTOS E QUALIDADE DO GASTO NO SETOR PÚBLICO Informação de Custos e Qualidade do Gasto Público Nelson Machado e Victor Holanda MAIO 2011, NATAL RN Ambiente e Desafios

Leia mais

Seminário Valor Econômico Perspectivas do Setor Saúde no Brasil

Seminário Valor Econômico Perspectivas do Setor Saúde no Brasil Seminário Valor Econômico Perspectivas do Setor Saúde no Brasil A Perspectiva do Complexo Industrial da Saúde: o desenvolvimento industrial e científico do setor e rumos para a assistência farmacêutica

Leia mais

APRESENTAÇÃO NITS SES

APRESENTAÇÃO NITS SES SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE APRESENTAÇÃO NITS SES COORDENADORIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INSUMOS ESTRATÉGICOS DE SAÚDE (CCTIES) 23 DE ABRIL 2014 Organograma do Núcleo de Inovação Tecnológica do Instituto

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL ESTRUTURAS EM AÇO

SEMINÁRIO INTERNACIONAL ESTRUTURAS EM AÇO SEMINÁRIO INTERNACIONAL ESTRUTURAS EM AÇO Ensino e Pesquisa Científica e Tecnológica Angela Uller, CRIAR/UFRJ CAPES Brasília, 5 de outubro de 2012 Quantos empregos a sua pesquisa gerou? Quantas tecnologias

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO Visando subsidiar a proposição de propostas a CHAMADA INTERNA DA PROPI/IFTM EDITAL MCT/FINEP/CT-INFRA-PROINFRA 02/2014, apresentamos a seguir os critérios a serem considerados quando da avaliação das mesmas:

Leia mais

Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear

Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear Missão Atuar nos mercados de energia de forma integrada rentável e sustentável. Visão Em

Leia mais

COMPLEXO INDUSTRIAL DA SAÚDE

COMPLEXO INDUSTRIAL DA SAÚDE COMPLEXO INDUSTRIAL DA SAÚDE Ministério da Saúde Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos SCTIE Departamento do Complexo Industrial e Inovação em Saúde DECIIS Coordenação Geral de Equipamentos

Leia mais

XI-123 Sistema Aberto de Gerenciamento de Energia SAGE: Uma Ferramenta para Operação e Gestão Eficientes

XI-123 Sistema Aberto de Gerenciamento de Energia SAGE: Uma Ferramenta para Operação e Gestão Eficientes XI-123 Sistema Aberto de Gerenciamento de Energia SAGE: Uma Ferramenta para Operação e Gestão Eficientes Belo Horizonte/MG Setembro 2007 Paulo da Silva Capella G E R E N T E D E P R O J E T O Autores Paulo

Leia mais

Referencial Teórico. Redes de cooperação produtivas:

Referencial Teórico. Redes de cooperação produtivas: Referencial Teórico Redes de cooperação produtivas: Formas de cooperação a partir de alianças estratégicas: Complexos industriais / organizações virtuais / parques tecnológicos / incubadoras de empresas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA SUBCÂMARA DE COMUNICAÇÃO, INFORMAÇÃO e INFORMÁTICA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA SUBCÂMARA DE COMUNICAÇÃO, INFORMAÇÃO e INFORMÁTICA TERMO DE REFERÊNCIA PARA SUBCÂMARA DE COMUNICAÇÃO, INFORMAÇÃO e INFORMÁTICA 1. INTRODUÇÃO Como unidade técnico-científica da Fiocruz, instituição ligada ao governo federal e, principalmente, comprometida

Leia mais

Rodrigo da Rocha Loures Presidente do CONIC-FIESP. São Paulo,07de Outubrode 2014

Rodrigo da Rocha Loures Presidente do CONIC-FIESP. São Paulo,07de Outubrode 2014 Estratégias para a Inovação e Empreendedorismo Ecossistemas Regionais de Inovação, por meio do Empreendedorismo de Base Tecnológica e empresas Startups de Classe Mundial Visão de Futuro (2022), Competitividade

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional data Plano de Desenvolvimento Institucional PDI - 2016-2020 Prof. Esper Cavalheiro Pró-Reitor de Planejamento - PROPLAN Profa. Cíntia Möller Araujo Coordenadora de Desenvolvimento Institucional e Estudos

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO 9º Diálogos da MEI ESTRATÉGIA NACIONAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL JAILSON BITTENCOURT DE ANDRADE SECRETÁRIO DE POLÍTICAS E PROGRAMAS

Leia mais

CURSO: ADMINISTRAÇÃO

CURSO: ADMINISTRAÇÃO CURSO: ADMINISTRAÇÃO EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: MATEMÁTICA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO Equações do primeiro e segundo graus com problemas. Problemas aplicando sistemas; sistemas com três incógnitas

Leia mais

2a. Conferência Latinoamericana de Saneamento Latinosan Painel 4: Gestão Integrada de Águas Urbanas

2a. Conferência Latinoamericana de Saneamento Latinosan Painel 4: Gestão Integrada de Águas Urbanas Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano 2a. Conferência Latinoamericana de Saneamento Latinosan 2010 Painel 4: Gestão Integrada de Águas Urbanas 16/março/2010 Foz

Leia mais

6. MATRIZ CURRICULAR 6.1. Núcleos de conhecimento estruturais do curso e respectivos componentes curriculares

6. MATRIZ CURRICULAR 6.1. Núcleos de conhecimento estruturais do curso e respectivos componentes curriculares 6. MATRIZ CURRICULAR 6.1. Núcleos de conhecimento estruturais do curso e respectivos componentes curriculares O perfil de profissional a ser formado pelo Curso de Graduação em da UFSCar/Sorocaba baseia-se

Leia mais

PROGRAMA DE INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS APEX-BRASIL

PROGRAMA DE INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS APEX-BRASIL PROGRAMA DE INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS APEX-BRASIL O QUE É? Um conjunto de soluções técnicas para a internacionalização de empresas, customizadas de acordo com os objetivos e interesses dos clientes.

Leia mais

Sumário. Capítulo 1 Desenvolvimento e padrões de financiamento da inovação no Brasil: mudanças necessárias... 1

Sumário. Capítulo 1 Desenvolvimento e padrões de financiamento da inovação no Brasil: mudanças necessárias... 1 Sumário Capítulo 1 Desenvolvimento e padrões de financiamento da inovação no Brasil: mudanças necessárias... 1 n Apresentação... 1 n Introdução... 1 n Entendendo o capitalismo: a visão de Schumpeter...

Leia mais

AULA 2. Analise do ambiente. Planejamento estratégico

AULA 2. Analise do ambiente. Planejamento estratégico Analise do ambiente AULA 2 ASSUNTO: Análise do ambiente é o processo de monitoramento do ambiente organizacional para identificar as oportunidades e os riscos atuais e futuros que podem vir a influenciar

Leia mais

25/08/2016 APRESENTANDO TECNOLOGIAS PARA O MERCADO"

25/08/2016 APRESENTANDO TECNOLOGIAS PARA O MERCADO 25/08/2016 APRESENTANDO TECNOLOGIAS PARA O MERCADO" Introdução O NIT Mantiqueira (Núcleo de Inovação Tecnológica Mantiqueira) é um arranjo de NITs do Estado de São Paulo e sul de Minas Gerais, vinculado

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE NORMALIZAÇÃO NA GESTÃO DA P&D&I

EXPERIÊNCIAS DE NORMALIZAÇÃO NA GESTÃO DA P&D&I XIII REPICT EXPERIÊNCIAS DE NORMALIZAÇÃO NA GESTÃO DA P&D&I Júlio C. Felix Gerente INTEC/TECPAR Coordenador ABNT CEE 130 02 de setembro de 2010 REPUTAÇÃO CORPORATIVA Sustentabilidade (Sistemas de Gestão

Leia mais

Grupo de Acompanhamento e Orientação. 14 de junho de 2007

Grupo de Acompanhamento e Orientação. 14 de junho de 2007 Grupo de Acompanhamento e Orientação 14 de junho de 2007 Pauta Organização dos trabalhos de implementação do Plano Diretor Discussão da proposta de Grupos de Competências Agenda de trabalho Organização

Leia mais

7.1 Contribuições para a teoria de administração de empresas

7.1 Contribuições para a teoria de administração de empresas 7 Conclusões Esta tese teve por objetivo propor e testar um modelo analítico que identificasse como os mecanismos de controle e as dimensões da confiança em relacionamentos interorganizacionais influenciam

Leia mais

Evolução da indústria farmacêutica brasileira

Evolução da indústria farmacêutica brasileira 7 o Encontro de Pesquisa Clínica do CEPIC Apoio à inovação no Brasil: a participação do BNDES 08/06/2013 Agenda Evolução da indústria farmacêutica brasileira Oportunidade em biotecnologia Cenário de pesquisa

Leia mais

Competitividade da Indústria Brasileira de Bens e Serviços para a Indústria de Petróleo e Gás

Competitividade da Indústria Brasileira de Bens e Serviços para a Indústria de Petróleo e Gás Competitividade da Indústria Brasileira de Bens e Serviços para a Indústria de Petróleo e Gás Equipe Coordenação Geral (Instituto de Economia UFRJ) Adilson de Oliveira Coordenações de Estudos Específicos

Leia mais

Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo

Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo DESDE 1990 O ISCET Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo é um estabelecimento de ensino superior politécnico, criado em 25 de

Leia mais

Desenvolvimento de Negócios. Planejamento Estratégico Legal: da concepção à operacionalização Competências necessárias para o Gestor Legal

Desenvolvimento de Negócios. Planejamento Estratégico Legal: da concepção à operacionalização Competências necessárias para o Gestor Legal Desenvolvimento de Negócios Planejamento Estratégico Legal: da concepção à operacionalização Competências necessárias para o Gestor Legal Gestão Estratégica Para quê? Por Quê? Para fazer acontecer e trazer

Leia mais

Financiamento para o Complexo Industrial da Saúde Seminário Complexo Econômico-Industrial da Saúde Rio de Janeiro, maio de 2008

Financiamento para o Complexo Industrial da Saúde Seminário Complexo Econômico-Industrial da Saúde Rio de Janeiro, maio de 2008 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Financiamento para o Complexo Industrial da Saúde Seminário Complexo Econômico-Industrial da Saúde Rio de Janeiro, maio de 2008 1 PROFARMA - 2004 MACRO-OBJETIVO

Leia mais