CANDIDATURA AO PROGRAMA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CANDIDATURA AO PROGRAMA"

Transcrição

1 CANDIDATURA AO PROGRAMA CIDADES AMIGAS DAS CRIANÇAS Modelo de Caracterização do Município O documento deve ser preenchido em PDF, utilizando a funcionalidade de preenchimento de campos do presente formulário. Após o seu preenchimento, envie o documento para acompanhado de um pedido formal assinado pelo/a Presidente da Câmara.

2 NOTA INTRODUTÓRIA O presente documento tem com principal objectivo recolher informação geral sobre o Município que se candidata ao Programa. Pretende igualmente ser uma ferramenta de análise inicial das políticas, programas e serviços dirigidos às crianças e suas famílias, bem como do potencial contributo e envolvimento de outras organizações para a implementação do Programa. Protecção de Dados Os dados facultados são armazenados numa base de dados constituída para o efeito e em situação alguma serão utilizados para outra finalidade que não seja aquela que foi manifestada. O Comité Português para a UNICEF garante a confidencialidade dos dados recolhidos dos utilizadores e que em caso algum serão cedidos a terceiros. Os dados pessoais recolhidos serão tratados informaticamente e de acordo com a legislação nacional sobre a matéria. Para mais informações consulte o Quadro para a Acção Construir Cidades Amigas das Crianças disponível online ou contacte-nos através do ou telefone: E: T: Comité Português para a UNICEF Av. Ant. Augusto Aguiar, 21-3º Esq Lisboa 2

3 PARTE 1. DADOS GERAIS DO MUNICÍPIO Nota: Os dados deverão ser obtidos preferencialmente a partir do último censos oficial ou através de outros registos relevantes. A. Dados sociodemográficos 1. Nome do Município: 2. Número de freguesias: 3. Número de habitantes: 4. Número total de crianças: (Art.º 1 da Convenção sobre os direitos da criança, Criança é todo o ser humano menor de 18 anos, salvo se, nos termos da lei que lhe for aplicável, atingir a maioridade mais cedo ) 5. Número de crianças e população jovem (por idades): 0/3 4/6 7/12 13/16 17/18 6. Indique a taxa de nascimentos e mortalidade infantil do último ano: Taxa de natalidade Taxa de mortalidade infantil (<1 ano) 7. Número de crianças de origem imigrante, discriminado por país de origem. País de origem Número 8. Número de habitantes do município nas últimas quatro décadas: População total População <18 anos (total) População <18 anos de origem imigrante B. Dados geográficos 1. Área (quilómetros quadrados, Km 2 ): 3

4 C. Rede de Serviços 1. Saúde 1.1. Número de serviços de saúde existentes: Público Privado Hospital Centro de saúde 1.2. Existe um levantamento do número de crianças com deficiência no concelho? Sim Não Se sim, preencha o seguinte quadro: Tipo de deficiência Sensorial Motora Mental Multideficiência Número 2. Educação 2.1. Número de estabelecimentos escolares Creche (0-3 anos) Pré-escolar (4-5/6 anos) 1º ciclo (6-9 anos) 2º ciclo (10-11 anos) 3º ciclo (12-14 anos) Secundário (15-17 anos) Público Privado 2.2. Número de crianças por estabelecimento escolar (desagregados por género) Creche (0-3 anos) Pré-escolar (4-5/6 anos) 1º ciclo (6-9 anos) 2º ciclo (10-11 anos) 3º ciclo (12-14 anos) Secundário (15-17 anos) Público Privado M F M F M F M F M F M F 3. Transportes públicos (assinalar se existir): Urbano Suburbano Rural Escolar Autocarro Comboio Outros: 4

5 D. Organização do Município 1. Número de departamentos que compõem a Câmara Municipal: 2. Que departamentos e/ou divisões se ocupam das seguintes áreas? Áreas Nome do departamento ou divisão Não se aplica Acção social Ambiente Cidadania e participação Crianças Cultura Desenvolvimento local Desporto Economia e finanças Educação Habitação Imigração Juventude Mobilidade e acessibilidade Saúde Tempos-livres Turismo Urbanismo E. Serviços da responsabilidade do Município 1. Educação O Município tem competências específicas na área da educação? Em caso afirmativo, especifique. 2. Acção Social O Município disponibiliza ou apoia serviços sociais destinados às crianças? Em caso afirmativo, especifique. 5

6 3. Desporto, Cultura e Lazer O Município tem recursos disponíveis para crianças e jovens nas áreas do desporto, cultura e lazer (por exemplo, centros culturais, ludotecas, equipamentos para a prática do desporto, conservatório de música, teatro)? Em caso afirmativo, especifique. F. Políticas, programas e projectos 1. Identifique eventuais programas ou projectos da Câmara Municipal dirigidos às crianças: Nome do programa e projecto Destinatários Departamento municipal responsável Outras entidades envolvidas 2. Identifique eventuais programas ou projectos na área geográfica do município dirigidos às crianças: Nome do programa e projecto Destinatários Entidade responsável Outras entidades envolvidas 6

7 3. Informação adicional que considere importante destacar (máx. 2,300 caracteres): 7

8 PARTE 2. LISTA DE VERIFICAÇÃO Cód. Questões Sim Em Curso Não Notas/ Observações A A1 A2 A3 Direitos das crianças e planos locais Existe um conselho, comissão ou grupo de trabalho temático que tenha como finalidade contribuir para o desenvolvimento de políticas locais dirigidas às crianças? Os planos estratégicos de intervenção (como o Plano de Desenvolvimento Social) incluem componentes específicas dirigidas às crianças? Existe um plano de acção específico para as crianças? A4 A5 A6 A7 O impacto das medidas/acções nas crianças é objecto de avaliação sistemática? As crianças têm acesso a informação sobre as políticas e/ou programas nas áreas da infância e juventude, através de meios e conteúdos adequados às diferentes faixas etárias? Os técnicos têm acesso a informação e/ou formação sobre os direitos da criança? Existe um orçamento especificamente dedicado às crianças? A8 Se não, é possível identificar a percentagem do orçamento municipal alocado a áreas relacionadas com as crianças? B B1 B2 B3 B. Dados sobre as crianças Existem mecanismos de recolha e análise de dados regulares sobre as crianças do município? Os dados recolhidos permitem uma análise comparativa sobre as condições de vida das crianças em zonas ou territórios distintos do município? Os dados recolhidos são tornados públicos? 8

9 Cód. Questões Sim Em Curso Não Notas/ Observações C C1 C2 Participação das crianças Existe algum tipo de estrutura formal de participação das crianças promovida pelo Município? O Município promove ou apoia a criação ou dinamização de grupos de crianças e jovens? D D1 D2 Serviços da responsabilidade do Município O Município divulga publicamente informação sobre os serviços existentes nas áreas da infância e juventude (públicos ou privados)? O Município tem programas específicos de apoio a famílias vulneráveis com crianças? D3 Existem programas de promoção da formação profissional e do emprego jovem? E E1 E2 Educação O Município monitoriza as condições dos estabelecimentos de ensino e toma medidas adequadas às necessidades e prioridades identificadas? O Município disponibiliza um serviço de transporte escolar? E3 E4 O Município colabora regularmente com a escola na resposta a situações de crianças em situação vulnerável ou em risco? Estão disponíveis serviços adequados para o apoio a crianças com necessidades educativas especiais? F F1 F2 F3 Desporto e espaços lúdicos Existem equipamentos para a prática de desportos e jogos na área geográfica do município? Existem áreas de recreio e lazer na área geográfica do município? O Município monitoriza regularmente as condições dos equipamentos destinados ao desporto, jogos e lazer? 9

10 Cód. Questões Sim Em Curso Não Notas/ Observações G G1 G2 G3 Transportes e mobilidade A política rodoviária e de mobilidade do Município tem em conta as questões de segurança das crianças? O Município avalia e monitoriza a política de transportes relativamente às necessidades das crianças? O Município assegura ou apoia o transporte destinado a crianças com deficiência? H H1 H2 H3 Saúde ambiental O Município monitoriza e avalia os riscos ambientais existentes para as crianças? O Município promove campanhas ou acções de sensibilização para a preservação do ambiente? O Município tem uma política de separação de lixos e respectiva reciclagem? I I1 I2 Saúde pública As crianças com deficiência têm acesso facilitado aos serviços de saúde do município? O Município promove campanhas ou acções de sensibilização sobre estilos de vida saudáveis? J J1 J2 J3 J4 Planeamento e urbanismo As condições físicas das habitações sociais das crianças e suas famílias são regularmente avaliadas? O Município avalia e considera as necessidades das crianças no planeamento, construção, melhoria e manutenção dos espaços públicos? O Município avalia e considera as necessidades específicas das crianças com deficiência no planeamento, construção, melhoria e manutenção dos espaços públicos? O Município promove campanhas ou acções de sensibilização para a preservação do espaço público? 10

11 PARTES INTERESSADAS/ STAKEHOLDERS PARTE Que organizações, associações ou serviços trabalham com ou para as crianças na área geográfica do Município? Especifique as partes interessadas/ stakeholders no âmbito do Programa Cidades Amigas das Crianças. Nº Partes interessadas/ stakeholders Área de actuação Sector Público Sector Privado 11

12 2. Matriz de análise das partes interessadas/ stakeholders: importância e grau de influência 1 Nº Partes interessadas/ stakeholders 1 Importância Grau de influência (para a implementação do programa CAC) 2 (no programa CAC) D D Adaptado de SCHEIFER, Ulriche et al. (Fev. 2006) MAPA Manual de Planeamento e Avaliação de Projetos, pág Cascais: Principia, Publicações Universitárias e Cientificas, Lda. 2 Importância para o sucesso do programa CAC: (5) Stakeholder fundamental; (4) Importância elevada; (3) Importância moderada; (2) Alguma importância; (1) Nenhuma ou pouca importância; (D) Importância desconhecida. 3 Grau de influência no programa CAC: (5) Grande influência; (4) Influência significativa; (3) Influência moderada; (2) Alguma influência; (1) Nenhuma ou pouca influência; (D) Influência desconhecida. 12

13 3. Quais as mais-valias da participação das partes interessadas/ stakeholders (descritas acima) para a implementação do Programa CAC no Município? Nº Mais-valias para o Programa CAC

14 14

REDE SOCIAL POEFDS. UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

REDE SOCIAL POEFDS. UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu REDE SOCIAL POEFDS UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Vila Nova ÍNDICE Nota Introdutória ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------3

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO. Nº trabalhadores. Morada. Código Postal. Pessoa de contacto. Tel.

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO. Nº trabalhadores. Morada. Código Postal. Pessoa de contacto. Tel. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO Empresa. Inserir texto Morada. Nº trabalhadores. Inserir texto Código Postal. Inserir texto E-mail. Inserir texto Pessoa de contacto.

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE VILA DO PORTO

JUNTA DE FREGUESIA DE VILA DO PORTO ANEXO II Formulário de candidatura a Contrato-Programa A preencher pela Junta de Freguesia DATA DE ENTRADA / / A preencher pela Junta de Freguesia DELIBERAÇÃO DA JUNTA: APROVADO NÃO APROVADO DATA / / ASSINATURA

Leia mais

DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico

DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico Projecto Mobilidade Sustentável Tiago Farias 20 de Junho de 2007 DTEA Transportes,

Leia mais

Plano de Acção

Plano de Acção - 2 - Nota Prévia A Rede Social afirmou-se ao longo da sua criação como uma medida inovadora e com capacidade de produzir alterações positivas na intervenção social. Esta medida assumiu-se, desde início,

Leia mais

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde CASCAIS SAUDÁVEL 1. Contexto SÓCIO-POLÍTICO: Saúde na ordem do dia Envelhecimento da população Sustentabilidade do SNS Transferência de competências para as Autarquias

Leia mais

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Breve Enquadramento O Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança constitui o resultado do Projeto Tecer a, promovido pela Comissão Nacional de Promoção

Leia mais

CENTRO de SAÚDE de SANTA MARIA da FEIRA PROJECTO. COM PESO e MEDIDA. Enfermeira. Lara F. C. Monteiro

CENTRO de SAÚDE de SANTA MARIA da FEIRA PROJECTO. COM PESO e MEDIDA. Enfermeira. Lara F. C. Monteiro CENTRO de SAÚDE de SANTA MARIA da FEIRA PROJECTO COM PESO e MEDIDA Enfermeira Lara F. C. Monteiro Março, 2008 0. Sumário 1. Introdução... Pág. 02 2. Justificação do projecto... Pág. 03 3. Nome do projecto...

Leia mais

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO DECRETO-LEI Nº190/1991 DE 17 MAIO DECRETO-LEI Nº300/1997 DE 31 OUTUBRO / PORTARIA Nº 63 / 2001 DE 30 DE JANEIRO A escola e seus actores Agrupamento de Escolas de

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social

Plano de Desenvolvimento Social Plano de Desenvolvimento Social 65 6. Planear para Intervir Objectivos e Estratégias Numa fase seguinte, após a consequente identificação das vulnerabilidades concelhias /eixos estratégicos de intervenção

Leia mais

Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida

Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida O EXEMPLO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VALONGO EUNICE NEVES OBJECTIVOS Igualdade Direitos Humanos Cidadania Activa e Inclusiva Conciliação Novas

Leia mais

Nova Rede de Transportes Urbanos de Chaves

Nova Rede de Transportes Urbanos de Chaves ISSN: 1645-7528 Nº 40 - Município de Chaves - Maio de 2010 - Distribuição gratuita - www.chaves.pt Nova Rede de Transportes Urbanos de Chaves pág. 12 Nova ETAR de Chaves pág. 3 Rede Ibérica de Entidades

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS Componentes de Formação Componente de Formação Sociocultural Português (b) Língua Estrangeira I ou II (c) Área

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL O presente relatório reflecte a actividade do CLDS Marinha Social, desde o inicio da sua actividade, em Julho de 2009 até Junho de 2010, analisando-se 2 momentos

Leia mais

Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira com Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa

Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira com Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira com Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa Estratégia para a formação financeira Susana Narciso Departamento de Supervisão Comportamental 11 de julho

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO FINANCEIRO DE 2007

PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO FINANCEIRO DE 2007 PARA O ANO FINANCEIRO 2007 SCRIÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO FINIDA 01 EDUCAÇÃO 01 01 EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 01 02 ENSINO BÁSICO - 1º CICLO DO PROGRAMA 01 0 0 0 56 Refeitórios escolares 0701-020104/05/06-04050102-040701-05010102

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO REDE SOCIAL MIRANDELA SISTEMA DE INFORMAÇÃO

SISTEMA DE INFORMAÇÃO REDE SOCIAL MIRANDELA SISTEMA DE INFORMAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 TERRITÓRIO Número de Freguesias Tipologia das Freguesias (urbano, rural, semi urbano) Área Total das Freguesias Cidades Estatísticas Total (2001, 2008, 2009) Freguesias Área Média

Leia mais

MUNICÍPIO DE OLIVEIRA DE AZEMÉIS

MUNICÍPIO DE OLIVEIRA DE AZEMÉIS REDE SOCIAL MUNICÍPIO DE OLIVEIRA DE AZEMÉIS Diagnóstico Social Freguesia: S. Roque CARACTERIZAÇÃO GEOGRÁFICA DA FREGUESIA INDICADORES FREGUESIA S. Roque Km2 6,8 Lugares 5 480 Vias de unicação EN 227,

Leia mais

PROGRAMA PINHAL NOVO PALMELA E QUINTA DO ANJO MARATECA E POCEIRÃO

PROGRAMA PINHAL NOVO PALMELA E QUINTA DO ANJO MARATECA E POCEIRÃO PROGRAMA PINHAL NOVO PALMELA E QUINTA DO ANJO MARATECA E POCEIRÃO A diversidade dos espaços e dos tempos educativos remete cada vez mais para o conceito de Escola - Comunidade, aberta ao diálogo e à educação

Leia mais

Percentagem de escolas que são gratuitas, desagregadas por ano (*)

Percentagem de escolas que são gratuitas, desagregadas por ano (*) Indicadores globais propostos Objetivo 4. Garantir uma educação inclusiva e equitativa de qualidade e promover as oportunidades de aprendizagem contínua para todos Estas recomendações são feitas em conjunto

Leia mais

Projecto Jovens anos

Projecto Jovens anos Projecto Jovens 18-24 anos Introdução Os jovens 18/24 anos - constituem o grupo etário com maior índice de sinistralidade rodoviária. Na realidade, constituíram entre 2003 e 2007, 16.0% dos mortos e 18.7%

Leia mais

EDITAL Nº1/2015 MEDIDA II - INCENTIVO À PARTICIPAÇÃO INDIVIDUAL EM FORMAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

EDITAL Nº1/2015 MEDIDA II - INCENTIVO À PARTICIPAÇÃO INDIVIDUAL EM FORMAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EDITAL Nº1/2015 MEDIDA II - INCENTIVO À PARTICIPAÇÃO INDIVIDUAL EM FORMAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Para os efeitos convenientes torna-se público que se encontra aberto, a partir do

Leia mais

Programa Nacional de Juventude

Programa Nacional de Juventude Programa Nacional de Juventude O Programa Nacional de Juventude, que hoje se apresenta, tem o seu enquadramento no Programa do XVII Governo Constitucional e nas Grandes Opções do Plano, e acolhe as prioridades

Leia mais

O QUE SÃO OS BIP/ZIP?

O QUE SÃO OS BIP/ZIP? Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) de Lisboa O QUE SÃO OS BIP/ZIP? Sessão de Capacitação Apoios financeiros para a área social 27 de Maio Miguel BRITO, Maio 2013 COMO SURGE A CARTA BIP/ZIP?

Leia mais

E N T I D A D E DATA : 2014/03/31 EXECUÇÃO DO PLANO DE ACTIVIDADES MUNICIPAL ANO CONTABILÍSTICO 2013 MUNICIPIO DE BEJA HORA : 09:47:45

E N T I D A D E DATA : 2014/03/31 EXECUÇÃO DO PLANO DE ACTIVIDADES MUNICIPAL ANO CONTABILÍSTICO 2013 MUNICIPIO DE BEJA HORA : 09:47:45 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2013/12/31 Pagina : 1 1. Funções gerais 692.793,77 700.893,77 502.238,97 494.714,37 442.264,06 425.619,24 425.619,24 198.654,80 69.095,13 60.73 60.73 100.00 1.1. Serviços gerais

Leia mais

Programa Cidadania Ativa. Participação das ONG na Conceção e Aplicação de Políticas Públicas, a Nível Nacional, Regional e Local

Programa Cidadania Ativa. Participação das ONG na Conceção e Aplicação de Políticas Públicas, a Nível Nacional, Regional e Local Programa Cidadania Ativa Participação das ONG na Conceção e Aplicação de Políticas Públicas, a Nível Nacional, Regional e Local Carta da Cidadania Infantojuvenil A Carta da Cidadania Infantojuvenil (Carta)

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011

PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011 PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA 2011 Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011 PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 PRORROGAÇÃO PARA 2011 OBJECTIVO ESTRATÉGICO OBJECTIVO ESPECÍFICO

Leia mais

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR Manual de GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Acolhimento Familiar (33 V4.02) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas Plano de acção 2009-2013 Nota introdutória O plano de acção é um documento orientador onde se conceptualizam e descrevem as metas a atingir num período

Leia mais

1. Conceitos Fundamentais

1. Conceitos Fundamentais 1. Conceitos Fundamentais a e os processos de planeamento e desenvolvimento de sistemas de informação 2 planeamento informático planeamento informático análise organizacional organizar o planeamento avaliar

Leia mais

JORNAL DA CONSTRUÇÃO. Lisboa, 28 de Maio de 2007

JORNAL DA CONSTRUÇÃO. Lisboa, 28 de Maio de 2007 JORNAL DA CONSTRUÇÃO Lisboa, 28 de Maio de 2007 1. LISBOA OCIDENTAL, SRU (ENQUADRAMENTO) O Município de Lisboa criou a Sociedade de Reabilitação Urbana Lisboa Ocidental, SRU, em Julho de 2004. A Empresa,

Leia mais

PROGRAMA EM CASA COM SEGURANÇA CANDIDATURA

PROGRAMA EM CASA COM SEGURANÇA CANDIDATURA 1/6 PROGRAMA EM CASA COM SEGURANÇA CANDIDATURA REGº SM Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra Apresento a V. Exa. Candidatura ao Programa Em Casa com Segurança. Declaro tomar conhecimento e

Leia mais

ALMADA FICHA TÉCNICA. Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011

ALMADA FICHA TÉCNICA. Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011 DMPATO DPU Divisão de Estudos e Planeamento A ALMADA FICHA TÉCNICA Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011 Serviço Divisão de Estudos e Planeamento Departamento de Planeamento

Leia mais

Prémio Cooperação e Solidariedade António Sérgio Formulário de candidatura Trabalhos Escolares

Prémio Cooperação e Solidariedade António Sérgio Formulário de candidatura Trabalhos Escolares Prémio Cooperação e Solidariedade António Sérgio Formulário de candidatura Trabalhos Escolares 1. Identificação do Candidato 1.1. Nome da Escola: 1.2. Número de identificação da Entidade: 1.3. Sede: Código

Leia mais

Clube da Proteção Civil

Clube da Proteção Civil Agrupamento de Escolas das Taipas Clube da Proteção Civil 1. Estrutura organizacional Coordenadora: Paula Ribeiro da Silva Grupo de Recrutamento: 620 Departamento: Expressões Composição do grupo de trabalho:

Leia mais

Anexo A. Protocolo do Estudo de Caso

Anexo A. Protocolo do Estudo de Caso Anexo A Protocolo do Estudo de Caso 140 Protocolo do Estudo de Caso - Especificação do Processo de Recolha de Informação O processo de recolha de informação no decorrer do estudo de caso respeita a três

Leia mais

Programa 2013 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 107 Alvito para todos

Programa 2013 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 107 Alvito para todos Programa 2013 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 107 Alvito para todos Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21

Leia mais

Delegações de competências e pelouros na Câmara Municipal

Delegações de competências e pelouros na Câmara Municipal Delegações de competências e pelouros na Câmara Municipal Competências delegadas pela Câmara no Presidente Por deliberação da Câmara Municipal são fixadas as competências delegadas no seu Presidente e

Leia mais

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2015 Refª: 070 Gabinete de Apoio Jovem Futuro + Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60

Leia mais

FAQ dos Jovens em Acção 2014

FAQ dos Jovens em Acção 2014 FAQ dos Jovens em Acção 2014 Qual o Objectivo dos Jovens em Acção? A Câmara Municipal das Caldas da Rainha, promove o Programa Jovens em Acção 2014 para dar apoio e fomentar o Associativismo e a dinâmica

Leia mais

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de Plano de Ação Rede Social Mafra Eixo I - DEMOGRAFIA E EQUIPAMENTOS (INFRA-ESTRUTURAS DE APOIO) Objectivo geral 1. Reforçar as estruturas de apoio ao idoso Objectivo Específico 1. Aumentar a capacidade

Leia mais

Programa BIP/ZIP parcerias locais- A energia dos bairros em tempo de crise

Programa BIP/ZIP parcerias locais- A energia dos bairros em tempo de crise Programa BIP/ZIP parcerias locais- A energia dos bairros em tempo de crise Cidadania para a sustentabilidade OIDP Helena Roseta Vereadora da Habitação, CML Cascais, 3.7.2013 O conceito BIP-ZIP Lisboa é

Leia mais

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2015 Refª: 038 DE JOVEM A LIDER Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO Comissão Social de Freguesia de Odivelas. Aderentes à Comissão Social de Freguesia de Odivelas

PLANO DE ACÇÃO Comissão Social de Freguesia de Odivelas. Aderentes à Comissão Social de Freguesia de Odivelas Um Plano de Acção consiste num instrumento componente do Plano de Desenvolvimento Social, que define sistematicamente, as acções a desenvolver, o cronograma, os parceiros responsáveis e os recursos. 1

Leia mais

Guia Metodológico do Utilizador dos

Guia Metodológico do Utilizador dos Guia Metodológico do Utilizador dos Produtos @Risco Projecto desenvolvido por: Co-financiado por: O Projecto @Risco é co financiado pela Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho e é desenvolvido

Leia mais

CULTURSOL Apresentação e Plano de Actividades 2010

CULTURSOL Apresentação e Plano de Actividades 2010 CULTURSOL Apresentação e Plano de Actividades 2010 I. APRESENTAÇÃO 2 Objectivos...2 Âmbito de Actuação..3 Projectos para 2010..4 II. PLANO DE ACTIVIDADES PARA 2010.. 5 Actividades de Intervenção Social

Leia mais

O que é? Orçamento Participativo recolha de contributos das organizações da sociedade civil e dos cidadãos, orçamento público municipal

O que é? Orçamento Participativo recolha de contributos das organizações da sociedade civil e dos cidadãos, orçamento público municipal 15 O que é? O Orçamento Participativo é uma iniciativa através da qual a autarquia pretende aprofundar a recolha de contributos das organizações da sociedade civil e dos cidadãos, para a elaboração do

Leia mais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Cargo/Carreira/categoria Atribuições / Competências/Actividades Nº de postos Planeados Nº de postos de trabalho providos Observações (Universo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO PLANO DE ATIVIDADES

ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO PLANO DE ATIVIDADES PLANO DE ATIVIDADES 2014 1. Introdução A ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO, é uma Associação sem fins lucrativos, com sede na Rua D. Duarte Nuno, nº 50, 3025-582 São Silvestre, na freguesia de São Silvestre,

Leia mais

Base de dados I. Questionário de levantamento de recursos institucionais/ 2009

Base de dados I. Questionário de levantamento de recursos institucionais/ 2009 Base de dados I Nº de referência da instituição Nº de registo Questionário de levantamento de recursos institucionais/ 2009 Este questionário tem como objectivo proceder à actualização do Diagnóstico Social,

Leia mais

BIBLIOGRAFIA 6. BIBLIOGRAFIA

BIBLIOGRAFIA 6. BIBLIOGRAFIA 6. BIBLIOGRAFIA Bento, J. (1991). Desporto, Saúde; Vida. Em Defesa do Desporto. Cultura Física. Livros Horizonte, Lisboa.. Branco, P. (1994). O Município e o Desporto: Contributo para a Definição de um

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches 2016 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

Plano de Intervenção Avaliadores

Plano de Intervenção Avaliadores Plano de Intervenção Avaliadores Apresentam-se algumas especificidades do processo SIADAP 2012 visando o esclarecimento da abordagem a prosseguir pelos Avaliadores. Para obter esclarecimentos adicionais

Leia mais

Plano desenvolvimento social

Plano desenvolvimento social Plano desenvolvimento social 2014-2016 Área Intervenção I FAMÍLIA (HABITAÇÃO/EDUCAÇÃO) - Problemas ao nível do parque habitacional; - Falta de expetativas/ objetivos ao nível educativo; - Défice de competências

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO

PLANO DE INTERVENÇÃO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES EQUIPA INTERDISCIPLINAR PLANO DE INTERVENÇÃO ANOS LECTIVOS 2009/2010 e 2010/2011 ÍNDICE Nota Introdutória.. 3 Parte I - Caracterização..4 1.1 Caracterização do Ambiente Interno.4

Leia mais

Programa BIP/ZIP 2014

Programa BIP/ZIP 2014 Programa BIP/ZIP 2014 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 004 Lavandaria Social Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone:

Leia mais

Lisboa 2016 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2016 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2016 Refª: 049 BAIRRO DAS ARTES Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

Abertura de candidaturas - «REFERÊNCIAS»

Abertura de candidaturas - «REFERÊNCIAS» Abertura de candidaturas - «REFERÊNCIAS» Formação de multiplicadoras e multiplicadores para prevenção e combate ao discurso de ódio online através da Educação para os Direitos Humanos Enquadramento O Discurso

Leia mais

Os direitos da criança - No contexto internacional. Director do ILPI Njal Hostmaelingen MJDH, workshop interno, Luanda, 27 de Junho 2016

Os direitos da criança - No contexto internacional. Director do ILPI Njal Hostmaelingen MJDH, workshop interno, Luanda, 27 de Junho 2016 Os direitos da criança - No contexto internacional Director do ILPI Njal Hostmaelingen MJDH, workshop interno, Luanda, 27 de Junho 2016 Programa História e enquadramento legal Desenvolvimentos internacionais

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL:

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL: CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL: Domínio Cognitivo e Motor (Código A71) Educadores de Infância e Professores dos 1º, 2º e 3º ciclos do ensino básico e do ensino secundário Curso de

Leia mais

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a seguinte:

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a seguinte: ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 005/2013 DATA: 10/04/2013 Programa Nacional de Prevenção de Acidentes. Projeto Bebés, Crianças e Jovens em Segurança. Formulário de Candidatura Transporte

Leia mais

MAPA DE RUÍDO DO CONCELHO DE CELORICO DE BASTO RESUMO NÃO TÉCNICO

MAPA DE RUÍDO DO CONCELHO DE CELORICO DE BASTO RESUMO NÃO TÉCNICO MAPA DE RUÍDO DO CONCELHO DE CELORICO DE BASTO RESUMO NÃO TÉCNICO Equipa Técnica do Mapa de Ruído: Miguel Lopes, Director do Laboratório; Fátima Valado, Responsável Técnica da Divisão Mapa de Ruído; Eduardo

Leia mais

Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente

Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente Uma avaliação dos professores justa, séria e credível, que seja realmente capaz de distinguir o mérito e de estimular e premiar o bom desempenho,

Leia mais

Projecto Mobilidade Sustentável Município de Santarém Objectivos e Propostas

Projecto Mobilidade Sustentável Município de Santarém Objectivos e Propostas Objectivos e Propostas Objectivos e Propostas Relatório de Diagnóstico Diagnóstico de problemas, intenções e projectos Relatório de Objectivos e Conceito de Intervenção Definição de objectivos e escalas

Leia mais

PROPOSTA PROGRAMA MUNICIPAL DE BOLSAS DE ESTÁGIOS DE TRABALHO 2017/2018

PROPOSTA PROGRAMA MUNICIPAL DE BOLSAS DE ESTÁGIOS DE TRABALHO 2017/2018 PROPOSTA PROGRAMA MUNICIPAL DE BOLSAS DE ESTÁGIOS DE TRABALHO 2017/2018 INTRODUÇÃO A dinamização de programas e de iniciativas que visam dar contributos para a formação humana, cívica e académica dos jovens

Leia mais

AEC - ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

AEC - ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR «Instrumento de notação do Sistema Estatístico Nacional (Lei 6/89, de 15 de Abril) de RESPOSTA OBRIGATÓRIA, registado no INE sob o n.º 9761, válido até 31/08/2007» AEC - ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

Leia mais

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente Agrupamento de Escolas de Auto-Regulação e Melhoria das Escolas Auto-avaliação - uma PRIORIDADE Equipa de Avaliação Interna 2009/2010 1 Agrupamento de Escolas de Enquadramento legal Justificação Novo Paradigma

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º CENTRO

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º CENTRO REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º CENTRO-43-2016-01 PRIORIDADES DE INVESTIMENTOS: 4.5 (4e) PROMOÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE BAIXO TEOR DE CARBONO

Leia mais

GRUPO 4 MOBILIDADE E TRANSPORTES

GRUPO 4 MOBILIDADE E TRANSPORTES GRUPO 4 MOBILIDADE E TRANSPORTES Medidas Propostas Impacto no Município Plano de mobilidade sustentável para os funcionários da autarquia Formação em eco-condução para os gestores de frotas, motoristas

Leia mais

Decreto Presidencial n.º 216/11, de 8 de Agosto

Decreto Presidencial n.º 216/11, de 8 de Agosto Decreto Presidencial n.º 216/11, de 8 de Agosto Página 1 de 10 Considerando que o acesso à terra é fundamental para o processo de reconstrução, construção e desenvolvimento económico e social do País e

Leia mais

Regulamento de Inscrição Municipal de Associação Cultural de Sintra IMACS

Regulamento de Inscrição Municipal de Associação Cultural de Sintra IMACS Regulamento de Inscrição Municipal de Associação Cultural de Sintra IMACS ( Com a alteração constante do Parecer da Comissão Permanente de Assuntos Sociais da Assembleia Municipal de Sintra ) 23 DE NOVEMBRO

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO MUNICIPAL

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO MUNICIPAL REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO MUNICIPAL O desporto e a actividade física são elementos que contribuem para o bem-estar, para a saúde e para a qualidade de vida dos cidadãos. Assim,

Leia mais

Plano de Actividades e Orçamento 2010

Plano de Actividades e Orçamento 2010 Plano de Actividades e Orçamento 2010 1 2 1. Missão A CooLabora é uma cooperativa de consultoria e intervenção social criada em 2008. Tem por missão contribuir para a inovação social no desenvolvimento

Leia mais

Lousã a Mexer Orçamento Participativo Jovem Lousã a Mexer! 0

Lousã a Mexer Orçamento Participativo Jovem Lousã a Mexer! 0 Lousã a Mexer! 0 Índice Qual é o nosso projecto?... 2 Onde?... 2 Percurso... 3 Objectivos e Público-alvo... 4 Condições favoráveis à execução deste projecto... 4 Como implementar o projecto... 4 Construir

Leia mais

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida;

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida; São nossos objectivos: 1ª fase: Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Alargar e consolidar a rede de parcerias de forma a fomentar e a criar novos recursos, propiciando condições

Leia mais

Pacto de Milão. Desafio para as Autarquias. Lucinda Fonseca

Pacto de Milão. Desafio para as Autarquias. Lucinda Fonseca Pacto de Milão Desafio para as Autarquias Lucinda Fonseca Caracterização CARACTERIZAÇÃO PACTO DE MILÃO /03 Freguesias: 26 Área: 302,33 km 2 População residente: 56 264 Densidade populacional: 185,9 hab/

Leia mais

Boas práticas para o Desenvolvimento Sustentável O contributo do Município de Mafra

Boas práticas para o Desenvolvimento Sustentável O contributo do Município de Mafra Seminário Eco-EscolasEscolas 2017 Boas práticas para o Desenvolvimento O contributo do Município de Mafra Câmara Municipal de Mafra Ílhavo - 20, 21 e 22 de janeiro de 2017 Seminário Eco-EscolasEscolas

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro (EPE) Aluno. Dados Pessoais. (Esta informação é necessária para posterior recuperação de password) Morada

Ensino Português no Estrangeiro (EPE) Aluno. Dados Pessoais. (Esta informação é necessária para posterior recuperação de password) Morada Inscrição para a frequência de cursos de Educação Pré-escolar, Ensino Básico e Secundário Aluno Dados Pessoais Nome completo*: Nacionalidade: Data de nascimento (dia/mês/ano): Local de nascimento: Doc.

Leia mais

Comissão Nacional. de Protecção das Crianças. e Jovens em Risco (CNPCJR) Que actividade em dois anos. de existência? Junho de 2000

Comissão Nacional. de Protecção das Crianças. e Jovens em Risco (CNPCJR) Que actividade em dois anos. de existência? Junho de 2000 Comissão Nacional de Protecção das Crianças e Jovens em Risco (CNPCJR) Que actividade em dois anos de existência? Junho de 2000 Decorridos dois anos na existência da Comissão Nacional de Protecção das

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 O ano de 2005 é o último ano de vigência do I Plano Estratégico para o Desenvolvimento da. Assim sendo, este Plano de Acção constitui, de certa forma, o encerrar de um ciclo

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO 2007-201 Apresentação da Proposta ÍNDICE 1 O PROBLEMA 2 A ESTRATÉGIA 4 PLANO DE FINANCIAMENTO 1 1 O PROBLEMA Taxa de emprego Emprego em média e alta tecnologia

Leia mais

FACOL (ANTIGA FÁBRICA DE CORTIÇA DE LOUROSA)

FACOL (ANTIGA FÁBRICA DE CORTIÇA DE LOUROSA) FACOL (ANTIGA FÁBRICA DE CORTIÇA DE LOUROSA) AJ AGUIAR COMERCIO GERAL LDA LOUROSA SANTA MARIA DA FEIRA AV. PRINCIPAL 300 - Artº 1248 1. Introdução O presente relatório solicitado por AJ AGUIAR COMERCIO

Leia mais

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE Luanda 3 de Fevereiro de 2014 2 Novos Hábitos Sustentáveis Quem deve PARTICIPAR? Adquirir Competências. Partilhar Experiências. Decisores, Directores

Leia mais

Referencial Estratégico para Monitorização do Desenvolvimento Social de Lisboa

Referencial Estratégico para Monitorização do Desenvolvimento Social de Lisboa EAPN Portugal / Rede Europeia Anti Pobreza Observatório de Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Referencial Estratégico para Monitorização do Desenvolvimento Social de Lisboa Documento realizado para

Leia mais

PROJETO DE APOIO À EDUCAÇÃO FÍSICA NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

PROJETO DE APOIO À EDUCAÇÃO FÍSICA NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO PROJETO DE APOIO À EDUCAÇÃO FÍSICA NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO 25-Set-2012 1. FUNDAMENTAÇÃO DO PROJETO Garantir o cumprimento do Currículo do 1º Ciclo, no que respeita à área da Expressão e Educação Físico-Motora;

Leia mais

Regulamento da Academia de Judo de Avenidas Novas

Regulamento da Academia de Judo de Avenidas Novas Regulamento da Academia de Judo de Avenidas Novas Nota justificativa Considerando que a atividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a saúde e bemestar da população; Considerando que a

Leia mais

Município de Vila Nova de Poiares Natal em Atividade. MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES CÂMARA MUNICIPAL DAG Desporto, Juventude e Associativismo

Município de Vila Nova de Poiares Natal em Atividade. MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES CÂMARA MUNICIPAL DAG Desporto, Juventude e Associativismo MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES CÂMARA MUNICIPAL DAG Desporto, Juventude e Associativismo NATAL EM ATIVIDADE NORMAS GERAIS DE FUNCIONAMENTO Nota introdutória A Câmara Municipal pretende desenvolver programas

Leia mais

Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras

Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras 1 NOTA JUSTIFICATIVA O Município de Chaves entende como sendo de interesse

Leia mais

Assim, são convidados aos interessados a submeterem as suas respectivas candidaturas, sendo:

Assim, são convidados aos interessados a submeterem as suas respectivas candidaturas, sendo: ANÚNCIO DE RECRUTAMENTO A Associação Nacional dos Municípios de Cabo Verde pretende contratar um Gestor para o projecto " Construindo cidades seguras e sustentáveis: Um desafio às Autoridades Locais com

Leia mais

SAÚDE Diagnóstico Social do Concelho de Cadaval

SAÚDE Diagnóstico Social do Concelho de Cadaval SAÚDE 54 A nível de equipamentos de saúde no concelho existem, um Centro de Saúde, uma Delegação de Saúde Pública e seis Extensões do Centro de Saúde, distribuídas pelas freguesias de Cadaval, Figueiros,

Leia mais

Atlas das Cidades Portuguesas

Atlas das Cidades Portuguesas Informação à Comunicação Social 7 de Junho de 2002 Atlas das Cidades Portuguesas Pela primeira vez o INE edita um Atlas das Cidades de Portugal, publicação que reúne um conjunto de indicadores sobre as

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa

Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa Objectivos Metodologia Casos de Estudo Proposta de Estratégias Conclusões Desenvolvimentos Futuros Definir estratégias que permitam aumentar

Leia mais

Sistema Electroprodutor do Tâmega. Vila Pouca de Aguiar, 10 de Novembro de 2014

Sistema Electroprodutor do Tâmega. Vila Pouca de Aguiar, 10 de Novembro de 2014 Sistema Electroprodutor do Tâmega Vila Pouca de Aguiar, 10 de Novembro de 2014 Sistema Eletroprodutor do Tâmega Índice 1. O projeto 2. A obra e as intervenções em Vila Pouca de Aguiar 3. A Avaliação Ambiental

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE 9 de Janeiro de 2010 1 Modelo CRITÉRIOS RIOS MEIOS CRITÉRIO 1. LIDERANÇA, PLANEAMENTO E ESTRATÉGIA Como a gestão desenvolve e prossegue a missão, a visão e os valores da

Leia mais

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã Plano de Acção 2006/2007 Rede Social Concelho da Lourinhã E I X O I Intervenção Dirigida a Grupos Específicos EIXO I : INTERVENÇÃO DIRIGIDA A GRUPOS ESPECIFICOS OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 existem

Leia mais

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Capítulo I Âmbito Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define o regime de acesso aos apoios concedidos pelo Programa Operacional de Assistência Técnica

Leia mais

3,11% 3,03% 2,82% 2,76% 2,56% 1,92% 1,62% 1,52% 1,48% 0,00% 1,00% 2,00% 3,00% 4,00% 5,00% 6,00%

3,11% 3,03% 2,82% 2,76% 2,56% 1,92% 1,62% 1,52% 1,48% 0,00% 1,00% 2,00% 3,00% 4,00% 5,00% 6,00% Problemáticas Especificas e Respostas Sociais Famílias e comunidade Rendimento Social de Inserção População Beneficiária de RSI (%) Barreiro Montijo Almada Setúbal Peninsula de Setúbal Portugal Continental

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL. Conselho Local de Acção Social do Cadaval. Maio Câmara Municipal Cadaval SEGURANÇA SOCIAL

DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL. Conselho Local de Acção Social do Cadaval. Maio Câmara Municipal Cadaval SEGURANÇA SOCIAL REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL Conselho Local de Acção Social do Cadaval Maio 2005 VILA DO CADAVAL Câmara Municipal Cadaval SEGURANÇA SOCIAL GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA ÍNDICE pág. Introdução... 4

Leia mais