Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção a Instalações Industriais Químicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção a Instalações Industriais Químicas"

Transcrição

1 Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção a Instalações Industriais Químicas III Seminário de Proteção Empresarial São Paulo, 27 de junho de 2007

2 Agenda Safety x Security Guias de Proteção Análise de Vulnerabilidades Metodologia Análise de Vulnerabilidades Medidas de Proteção

3 Qual a diferença a??? Safety Segurança Security

4 Safety x Security Safety Segurança: lida com eventos involuntários e não desejados Security Proteção ão: lida com atos deliberados de agressão

5 Guias de Proteção da Abiquim Guia de Proteção a Instalações Industriais Químicas publicado em julho/2005 Guia de Proteção ao Transporte de Produtos da Indústria Química publicado em dezembro/2005 Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção a Instalações Industriais Químicas em fase de publicação Guia de Proteção à Informação em planejamento

6

7 Alguns Conceitos Adversário: pessoa, grupo de pessoas ou organização que pratique ou tenha interesse e capacidade para praticar atos prejudiciais à empresa. Ativo: tudo que tenha valor para a empresa: pessoas, meio ambiente, instalações, equipamentos, produtos, materiais, informação, marca, imagem, reputação, etc.. Alvo: qualquer ativo que seja considerado atraente por um adversário; um ataque específico a esse ativo pode produzir os efeitos desejados pelo adversário. Ameaça: qualquer indicação, circunstância ou evento que tenha o potencial de causar a perda de um ativo ou danos a ele. Capacidade (operacional): capacidade que um determinado adversário tenha de obter, danificar ou destruir um ativo; ou de atingir objetivos predeterminados através da utilização, dano ou destruição do ativo.

8 Risco (em security ) Risco é uma expressão da probabilidade* de que um determinado adversário explore uma vulnerabilidade específica de um alvo ou conjunto de alvos, que apresentem um perigo ou uma atratividade identificados, causando uma determinada série de conseqüências. * qualitativa ou semi-quantitativa

9 Referências principais Guidelines for Analyzing and Managing the Security Vulnerabilities of Fixed Chemical Sites, livro publicado em 2003 pelo CCPS (Center for Chemical Process Safety), do AIChE (American Institute of Chemical Engineers). Implementation Guide for Responsible Care Security Code of Management Practices Site Security and Verification, publicado em julho de 2002 pelo ACC (American Chemistry Council).

10 Metodologia Passo 1 Planejamento Auditoria e Melhoria Contínua Passo 2 Caracterização das Instalações e Análise de Conseqüências Gestão de Risco e Gestão de Mudanças Passo 3 Avaliação de Ameaças Passo 7: Implementação das Recomendações Passo 4: Avaliação de Vulnerabilidades e Construção de Cenários Passo 6: Relatório Final Passo 5: Identificação de Contramedidas

11 Passo 1: Planejamento Definição do escopo do projeto Eventos mais graves, eventos mais prováveis Estruturação de equipe de trabalho Líder, secretário, core team, outros membros Planejamento e método de trabalho

12 Passo 1 Planejamento Auditoria e Melhoria Contínua Passo 2 Caracterização das Instalações e Análise de Conseqüências Gestão de Risco e Gestão de Mudanças Passo 3 Avaliação de Ameaças Passo 7: Implementação das Recomendações Passo 4: Avaliação de Vulnerabilidades e Construção de Cenários Passo 6: Relatório Final Passo 5: Identificação de Contramedidas

13 Passo 2: Caracterização das instalações e análise de conseqüências Perigo e atratividade Eventos mais graves ou mais prováveis Gravidade das conseqüências Proteções existentes Quantificação: gravidade - proteção

14 Passo 2: Caracterização das instalações e análise de conseqüências Perigo, atratividade, conseqüências Produto químico Ex: cloro Perigo associado Gás s tóxico t / corrosivo Ameaça a / conseqüências Explosão ou vazamento Mortes, danos ambientais Ativo crítico Ex: caldeiras Ex: agência bancária Perigo associado Atratividade associada Pressão, temperatura Alto valor monetário Ameaça a / conseqüências Explosão / mortos, feridos Assalto / mortos, feridos

15 Passo 2: Caracterização das instalações e análise de conseqüências Quantificação e grau de perigo Quantificação da gravidade das conseqüências a pessoas ao meio ambiente ao patrimônio ou à imagem / marca da empresa impactos sócio-econômicos Quantificação das proteções existentes Grau de perigo: gravidade proteção (1 a 5)

16 Passo 1 Planejamento Auditoria e Melhoria Contínua Passo 2 Caracterização das Instalações e Análise de Conseqüências Gestão de Risco e Gestão de Mudanças Passo 3 Avaliação de Ameaças Passo 7: Implementação das Recomendações Passo 4: Avaliação de Vulnerabilidades e Construção de Cenários Passo 6: Relatório Final Passo 5: Identificação de Contramedidas

17 Passo 3: Avaliação de ameaças Ações terroristas Ações de criminosos: assalto, invasão, seqüestro Ameaças, colocação de bomba, atentados pelo correio Vandalismo Roubo ou desvio de produtos; contaminação ou falsificação Roubos diversos: cabos elétricos, laptops, valores, veículos Roubo de informação Ações de ativistas, protestos Violência entre funcionários ou com outras pessoas Fraudes, desvio de dinheiro, corrupção

18 Passo 3: Avaliação de ameaças Descrição, quantificação, priorização Descrição e quantificação das ameaças Identificação e descrição Histórico Capacidade operacional Motivação Quantificação Priorização

19 Passo 1 Planejamento Auditoria e Melhoria Contínua Passo 2 Caracterização das Instalações e Análise de Conseqüências Gestão de Risco e Gestão de Mudanças Passo 3 Avaliação de Ameaças Passo 7: Implementação das Recomendações Passo 4: Avaliação de Vulnerabilidades e Construção de Cenários Passo 6: Relatório Final Passo 5: Identificação de Contramedidas

20 Passo 4: Avaliação de vulnerabilidades e construção de cenários Matriz: ativos críticos x ameaças Identificação e priorização de cenários críticos Descrição dos cenários

21 Passo 1 Planejamento Auditoria e Melhoria Contínua Passo 2 Caracterização das Instalações e Análise de Conseqüências Gestão de Risco e Gestão de Mudanças Passo 3 Avaliação de Ameaças Passo 7: Implementação das Recomendações Passo 4: Avaliação de Vulnerabilidades e Construção de Cenários Passo 6: Relatório Final Passo 5: Identificação de Contramedidas

22 Passo 5: Identificação de contramedidas Contramedidas identificadas a partir de cada cenário descrito Guia inclui extensa relação de medidas de proteção que podem ser consideradas Quantificação da relação benefício / custo de cada contramedida e priorização Refazer os cálculos como se as contramedidas já tivessem sido implementadas, para avaliar impacto.

23 Passo 1 Planejamento Auditoria e Melhoria Contínua Passo 2 Caracterização das Instalações e Análise de Conseqüências Gestão de Risco e Gestão de Mudanças Passo 3 Avaliação de Ameaças Passo 7: Implementação das Recomendações Passo 4: Avaliação de Vulnerabilidades e Construção de Cenários Passo 6: Relatório Final Passo 5: Identificação de Contramedidas

24 Passo 6: Relatório Final Passo 7: Implementação de recomendações Preparação de relatório final Sumário executivo Relação de contramedidas e plano de implementação Negociação prévia com a liderança da empresa Implementação das recomendações Cronograma com prazos e responsabilidades

25 Gestão de Riscos e Gestão de Mudanças Integração com processos corporativos para: Gestão de riscos, Gerenciamento de crises, Comunicação interna e externa em situação de crise, Contingência e continuidade de negócios. Processos para identificação e gestão de mudanças que possam interferir nos sistemas de proteção.

26 Auditoria e Melhoria Contínua Processos para auditar periodicamente os sistemas implementados: Testes periódicos Treinamento Assegurar que sistemas funcionam conforme projeto Processos de melhoria contínua, com participação de todos os funcionários da empresa.

27

Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção

Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção Ênio Viterbo Jr. (Bayer) Coordenador da Comissão de Proteção Empresarial César Garcia (neologos)) Consultor Guias de Proteção da Abiquim Guia de

Leia mais

3º Seminário de Proteção Empresarial Novotel Jaraguá São Paulo Conventions São Paulo - SP

3º Seminário de Proteção Empresarial Novotel Jaraguá São Paulo Conventions São Paulo - SP 3º Seminário de Proteção Empresarial Novotel Jaraguá São Paulo Conventions São Paulo - SP 27.06.2007 Ataques Deliberados e o Tratamento de Vulnerabilidade da Indústria Química Transporte e Estocagem de

Leia mais

Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00

Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00 Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00 Brasil: uma vocação natural para a indústria química País rico em petróleo, gás, biodiversidade, minerais e terras raras Objetivo Desenvolver

Leia mais

7 CONGRESSO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Eduarda La Rocque O Papel do Conselho na Gestão de Riscos

7 CONGRESSO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Eduarda La Rocque O Papel do Conselho na Gestão de Riscos 7 CONGRESSO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Eduarda La Rocque O Papel do Conselho na Gestão de Riscos 1 Introdução Sub-Comitê de Gestão de Riscos (nov 2004) Motivação: O fortalecimento do Conselho

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO NORTE INVESTIMENTOS ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Versão 1.0 Vigência Agosto / 2016 Classificação das Informações [ X ] Uso Interno [ ] Uso Público Conteúdo

Leia mais

Gestão de Segurança da Informação. Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006. Curso e Learning. Sistema de

Gestão de Segurança da Informação. Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006. Curso e Learning. Sistema de Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

NOME DA AÇÃO EDUCACIONAL. Curso: Gestão de Riscos na Administração Pública - T01/2015-TRF

NOME DA AÇÃO EDUCACIONAL. Curso: Gestão de Riscos na Administração Pública - T01/2015-TRF NOME DA AÇÃO EDUCACIONAL Curso: Gestão de Riscos na Administração Pública - T01/2015-TRF OBJETIVO Apresentar os conceitos, os princípios, a estrutura e o processo para gerenciamento de riscos em organiza

Leia mais

OBJETIVO PÚBLICO-ALVO PROGRAMA

OBJETIVO PÚBLICO-ALVO PROGRAMA Curso de Auditoria Interna, Controle Interno e Gestão de Riscos carga-horária: 16 horas OBJETIVO Fornecer aos participantes o conhecimento básico e bases técnicas e práticas fundamentais para que possam

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Ambientais Aula 3

Gerenciamento de Riscos Ambientais Aula 3 Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão, Auditoria e Perícia Ambiental Gerenciamento de Riscos Ambientais Aula 3 Alexandre Martins Fernandes afernandes@cena.usp.br Sorocaba Agosto 2010 Identificação

Leia mais

Relatório Anual Gerenciamento de Risco Operacional

Relatório Anual Gerenciamento de Risco Operacional Relatório Anual 2015 Gerenciamento de Risco Operacional Sumário Introdução Estrutura de Risco Operacional Responsabilidades Metodologia de Gerenciamento Aprovação e Divulgação Conclusão 1 Introdução Em

Leia mais

SUMÁRIO DE REVISÕES. Rev. Data DESCRIÇÃO E/OU ITENS REVISADOS 01 25/02/2014 Modificação do Modelo de APP Análise preliminar de Perigo.

SUMÁRIO DE REVISÕES. Rev. Data DESCRIÇÃO E/OU ITENS REVISADOS 01 25/02/2014 Modificação do Modelo de APP Análise preliminar de Perigo. PROCEDIMENTO PARA ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO Página: 1 / 8 SUMÁRIO DE REVISÕES Rev. Data DESCRIÇÃO E/OU ITENS REVISADOS 01 25/02/2014 Modificação do Modelo de APP Análise preliminar de Perigo. 02 26/02/2014

Leia mais

Como os resultados do diagnóstico de segurança podem priorizar os riscos inerentes aos negócios Security Leaders Belo Horizonte/MG - 15/06/2016

Como os resultados do diagnóstico de segurança podem priorizar os riscos inerentes aos negócios Security Leaders Belo Horizonte/MG - 15/06/2016 Como os resultados do diagnóstico de segurança podem priorizar os riscos inerentes aos negócios Security Leaders Belo Horizonte/MG - 15/06/2016 Fernando Nicolau Freitas Ferreira, MSc, CISM, CRISC, CGEIT,

Leia mais

Cadastro de Fornecedores de Bens e Serviços

Cadastro de Fornecedores de Bens e Serviços Famílias Todos Todos Todas Critério SMS Critério CONJUNTO DE REQUISITOS DE SMS PARA CADASTRO CRITÉRIO DE NOTAS DO SMS Portal do Cadastro SMS MEIO AMBIENTE Certificação ISO 14001 - Sistema de Gestão Ambiental

Leia mais

4ª Reunião de Especialistas sobre Consumo e Produção Sustentáveis da América Latina e Caribe

4ª Reunião de Especialistas sobre Consumo e Produção Sustentáveis da América Latina e Caribe 4ª Reunião de Especialistas sobre Consumo e Produção Sustentáveis da América Latina e Caribe Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais Abiquim São Paulo, 18 de outubro de 2007 O Programa Atuação

Leia mais

Gestão de risco na cadeia de suprimentos. MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues Mestre em Engenharia de Produção

Gestão de risco na cadeia de suprimentos. MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues Mestre em Engenharia de Produção Gestão de risco na cadeia de suprimentos MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@ifsp.edu.br Mestre em Engenharia de Produção Enquanto no passado os gestores das redes de suprimento estavam predominantemente

Leia mais

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Curso de Auto-aprendizagem PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Gerenciamento de risco Químico Edson Haddad CETESB Gerenciamento de risco Propósito do PGR Programa de Gerenciamento

Leia mais

setor sucroalcooleiro

setor sucroalcooleiro Análise de Riscos de Acidentes Industriais i para o setor sucroalcooleiro Dennys Spencer de Maio Gerente Geral de Operações Planeta Ambiental S/A 1 PLANO DA APRESENTAÇÃO I. A Problemática II. Conceitos

Leia mais

MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues Mestre em Engenharia de Produção

MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues Mestre em Engenharia de Produção Gestão de risco na cadeia de suprimentos MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Enquanto no passado os gestores das redes de suprimento estavam predominantemente

Leia mais

A Gerência de Riscos. Atividades da Gerência de Riscos

A Gerência de Riscos. Atividades da Gerência de Riscos Universidade Estadual da Paraíba Centro de Ciências Exatas e Sociais Aplicadas Gerenciamento dos Riscos do Projeto A Gerência de Riscos Gerenciar riscos é uma abordagem explícita e sistemática usada para

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas

Segurança e Auditoria de Sistemas Segurança e Auditoria de Sistemas ABNT NBR ISO/IEC 27002 0. Introdução 1 Roteiro Definição Justificativa Fontes de Requisitos Análise/Avaliação de Riscos Seleção de Controles Ponto de Partida Fatores Críticos

Leia mais

Você sabe fazer a nova auto-avaliação? Conheça os atalhos Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais - Abiquim

Você sabe fazer a nova auto-avaliação? Conheça os atalhos Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais - Abiquim Você sabe fazer a nova auto-avaliação? Conheça os atalhos Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais - Abiquim A Estrutura do Atuação Responsável Elemento Visão Missão Valores Princípios Diretrizes

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a contratação de empresa Especializada de Consultoria para Planejamento da Estrutura Funcional e Organizacional

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL I. INTRODUÇÃO: O Risco Operacional pode ser entendido como a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falhas, deficiência ou inadequação de processos

Leia mais

PERIGO E RISCO 29/10/2012

PERIGO E RISCO 29/10/2012 1 PERIGO E RISCO PERIGO: Sempre estará presente em qualquer lugar que se esteja, pois é inerente à atividade que se faz ou à substância que se manuseia. 2 1 PERIGO E RISCO RISCO: É a possibilidade que

Leia mais

Depoimentos de executivos, xix. Prefácio, xxix. Estrutura do livro, xxxv

Depoimentos de executivos, xix. Prefácio, xxix. Estrutura do livro, xxxv Depoimentos de executivos, xix Prefácio, xxix Estrutura do livro, xxxv 1 Conceitos de planejamento e de sistema, 1 1.1 Introdução, 3 1.2 Conceituação de planejamento, 3 1.3 Princípios do planejamento,

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina: Segurança em Sistemas de Informação Carga Horária: 60h Período: 6º. Ementa

PLANO DE ENSINO. Disciplina: Segurança em Sistemas de Informação Carga Horária: 60h Período: 6º. Ementa PLANO DE ENSINO Disciplina: Segurança em Sistemas de Informação Carga Horária: 60h Período: 6º Ementa Política de Segurança de Informações. Controles de Acesso Lógico. Controles de Acesso Físico. Controles

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL A Um Investimentos S/A CTVM atendendo às disposições da Resolução CMN 3.380/06 demonstra através deste relatório a sua estrutura do gerenciamento de risco

Leia mais

Correlações: Artigo 4 e Anexo II alterados pela Resolução CONAMA nº 381/06

Correlações: Artigo 4 e Anexo II alterados pela Resolução CONAMA nº 381/06 RESOLUÇÃO CONAMA nº 306, de 5 de julho de 2002 Publicada no DOU n o 138, de 19 de julho de 2002, Seção 1, páginas 75-76 Correlações: Artigo 4 e Anexo II alterados pela Resolução CONAMA nº 381/06 Estabelece

Leia mais

Definição. Sistema de Gestão Ambiental (SGA):

Definição. Sistema de Gestão Ambiental (SGA): Definição Sistema de Gestão Ambiental (SGA): A parte de um sistema da gestão de uma organização utilizada para desenvolver e implementar sua política ambiental e gerenciar seus aspectos ambientais. Item

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional 2008 INSTITUCIONAL GESTÃO DE RISCOS Com as constantes mudanças no cenário financeiro mundial mercado globalizado, diversidade de produtos e serviços financeiros

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL BANCO PSA FINANCE BRASIL S/A.

GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL BANCO PSA FINANCE BRASIL S/A. GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL BANCO PSA FINANCE BRASIL S/A. DIRETRIZES O controle de Risco Operacional (CRO) tem como missão assegurar a prevenção e o tratamento preventivo dos riscos avaliando às

Leia mais

Organização da Aula. Auditoria em Certificação Ambiental. Aula 4. Aplicação de Auditoria. Contextualização. Aplicação de auditoria. Instrumentalização

Organização da Aula. Auditoria em Certificação Ambiental. Aula 4. Aplicação de Auditoria. Contextualização. Aplicação de auditoria. Instrumentalização Auditoria em Certificação Ambiental Organização da Aula Preparação para uma Aula 4 As fases que compõem uma ambiental Prof. Luiz Antonio Forte Aplicação de Auditoria Contextualização O sucesso da depende

Leia mais

EGT-114-L1 ASSUNTO: SEGURANÇA NOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TEMA: O VALOR DA INFORMAÇÃO DO SÉCULO XXI

EGT-114-L1 ASSUNTO: SEGURANÇA NOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TEMA: O VALOR DA INFORMAÇÃO DO SÉCULO XXI EGT-114-L1 ASSUNTO: SEGURANÇA NOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TEMA: O VALOR DA INFORMAÇÃO DO SÉCULO XXI EQUIPE: MATEUS FERREIRA 3º Período JACKSON CALHAU JUN / 2014 FRANCISCO DE ASSIS RODRIGO LIMA ROBSON MATEUS

Leia mais

O objetivo era maquiar suas contas a fim de que o país preenchesse os requisitos para ingressar na Zona do Euro, a moeda única europeia.

O objetivo era maquiar suas contas a fim de que o país preenchesse os requisitos para ingressar na Zona do Euro, a moeda única europeia. RISCO OPERACIONAL RISCO OPERACIONAL Em 2009, a situação da Grécia se complicou. Autoridades revisaram os relatórios financeiros e revelaram uma falsificação generalizada dos dados sobre o deficit e a dívida

Leia mais

RISCO DE CRÉDITO Estrutura Organizacional Gerenciamento de Riscos Banco Fidis S.A.

RISCO DE CRÉDITO Estrutura Organizacional Gerenciamento de Riscos Banco Fidis S.A. RISCO DE CRÉDITO Estrutura Organizacional A estrutura para gestão de riscos do Banco Fidis deverá ser composta de Comitê de Cobrança e Risco, que é o órgão com responsabilidade de gerir o Risco de Crédito,

Leia mais

A empresa quantifica aspectos socioambientais nas projeções financeiras de:

A empresa quantifica aspectos socioambientais nas projeções financeiras de: Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Econômica Critério I - Estratégia Indicador 1 - Planejamento Estratégico 1. Assinale os objetivos que estão formalmente contemplados no planejamento

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL Informação Pública 13/5/2016 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES... 7 7 INFORMAÇÕES DE CONTROLE... 10 13/5/2016 Informação

Leia mais

A importância da Gestão de Riscos. Marcelo de Sousa Monteiro

A importância da Gestão de Riscos. Marcelo de Sousa Monteiro A importância da Gestão de Riscos Marcelo de Sousa Monteiro Agenda Alguns comentários sobre Administração O que é risco? A importância da Gestão de Riscos Alguns comentários sobre Administração Administração

Leia mais

Workshop da CT 150 SC 4 Avaliação do desempenho ambiental

Workshop da CT 150 SC 4 Avaliação do desempenho ambiental Workshop da CT 150 SC 1 Sistemas de gestão ambiental SC 2 Auditorias ambientais SC 3 Rotulagem ambiental SC 4 Avaliação do desempenho ambiental SC 5 Avaliação do ciclo de vida SC 6 Termos e definições

Leia mais

Superintendência de Riscos e Controles 15/03/2017

Superintendência de Riscos e Controles 15/03/2017 1 Área responsável pelo assunto 1.1 Superintendência de Riscos e Controles. 2 Abrangência 2.1 Esta Política orienta o comportamento da BB Seguridade e suas sociedades controladas. Espera-se que as empresas

Leia mais

Business Case (Caso de Negócio)

Business Case (Caso de Negócio) Terceiro Módulo: Parte 5 Business Case (Caso de Negócio) AN V 3.0 [54] Rildo F Santos (@rildosan) rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br http://etecnologia.ning.com 1 Business Case: Duas

Leia mais

QUADRO DE DISCIPLINAS

QUADRO DE DISCIPLINAS QUADRO DE DISCIPLINAS Disciplinas 1 Horas- Aula 2 1. Fundamentos do Gerenciamento de Projetos 24 2. Gerenciamento do Escopo em Projetos 24 3. Gerenciamento da Qualidade em Projetos 12 4. Gerenciamento

Leia mais

SOLUÇÕES CORPORATIVAS PARA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

SOLUÇÕES CORPORATIVAS PARA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SOLUÇÕES CORPORATIVAS PARA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 02 NÃO EXISTE CRISE PARA O CRIME CIBERNÉTICO Oportunidade para os criminosos: Brasileiros online ininterruptamente; Top 3 mundial em Online Banking; Epidemia

Leia mais

MBA em Gerenciamento de Projetos

MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação: Prof. André Valle, Doutor Código SIGA: TMBAGPJ*12/01 Currículo: TMBAGPJ*12_01-1 1 JUSTIFICATIVA Em países emergentes como o Brasil, existe uma grande demanda a nível nacional por cursos de

Leia mais

Internacionalização de empresas nacionais Principais desafios e o papel da inovação

Internacionalização de empresas nacionais Principais desafios e o papel da inovação Internacionalização de empresas nacionais Principais desafios e o papel da inovação Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica Curitiba, 22 de outubro de 2004 Votorantim Cimentos Atualmente o maior negocio

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA. Responsável Técnico: Executante: Portador/ Ponto de Uso: Recursos Necessários:

PLANO DE EMERGÊNCIA. Responsável Técnico: Executante: Portador/ Ponto de Uso: Recursos Necessários: TÍTULO: PLANO DE EMERGÊNCIA N.º PRO- -DECG Pág.: 1 de 5 Responsável Técnico: Executante: Portador/ Ponto de Uso: Recursos Necessários: PLANO DE EMERGÊNCIA TÍTULO: PLANO DE EMERGÊNCIA N.º PRO- -DECG Pág.:

Leia mais

25/09/2012 DEFINIÇÃO

25/09/2012 DEFINIÇÃO 1 DEFINIÇÃO Aplicação sistemática de políticas de gestão, procedimentos e práticas de análises, avaliação e controle dos riscos, com o objetivo de proteger os funcionários, o público em geral, o meio ambiente

Leia mais

3) Qual é o foco da Governança de TI?

3) Qual é o foco da Governança de TI? 1) O que é Governança em TI? Governança de TI é um conjunto de práticas, padrões e relacionamentos estruturados, assumidos por executivos, gestores, técnicos e usuários de TI de uma organização, com a

Leia mais

INTRODUÇÃO. COMO FAZER O HACCP FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore PREPARAÇÃO E PLANEAMENTO ETAPA 1 INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO. COMO FAZER O HACCP FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore PREPARAÇÃO E PLANEAMENTO ETAPA 1 INTRODUÇÃO ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA MESTRADO EM ENGENHARIA ALIMENTAR SEGURANÇA ALIMENTAR INTRODUÇÃO Sistema de controlo simples e lógico COMO FAZER O FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore Ana Santos,

Leia mais

Fundamentos da Gestão de Riscos

Fundamentos da Gestão de Riscos BUSINESS ASSURANCE Fundamentos da Gestão de Riscos Gestão de riscos ambientais Felipe Antunes e Deodato dos Santos SAFER, SMARTER, GREENER DNV GL Fundaçãodatadade 1864 400+ escritórios 100+ países 16.500

Leia mais

POLÍTICA. TÍTULO: PLT-SGR Política do SGSI - SISTEMA DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO APROVADO

POLÍTICA. TÍTULO: PLT-SGR Política do SGSI - SISTEMA DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO APROVADO 1/5 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO APROVADO 0000536 - André Delgado- SEGURANCA Danielle Souza; Oscar Zuccarelli; HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA REV. ALTERAÇÕES Atualização do item 2.2 - Solicitar

Leia mais

Certificação e Auditoria Ambiental

Certificação e Auditoria Ambiental Certificação e Auditoria Ambiental Auditoria Ambiental - 5 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental Auditoria Ambiental Questionário Pré-Auditoria É um instrumento utilizado na etapa de pré-auditoria,

Leia mais

PG 05. Identificação de Perigos e Avaliação de Riscos 1 / 11

PG 05. Identificação de Perigos e Avaliação de Riscos 1 / 11 1 / 11 METODOLOGIA PARA INFRA-ESTRUTURAS: Acção Responsabilidade Documentos 1 Os perigos são identificados com base em: Actividades de rotina e fora da rotina; Actividades desenvolvidas pelos colaboradores;

Leia mais

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Curso de Auto-aprendizagem PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Estudos de análise de risco em instalações com produtos perigosos José Carlos de Moura Xavier CETESB Análise

Leia mais

CRIATIVIDADE Relatório de Consultoria

CRIATIVIDADE Relatório de Consultoria ELBI ELÉTRICA LTDA Betim/MG Proposta_ELBI-Betim-7_2015_((Criatividade))_rev.B Este relatório contem um resumo das atividades desenvolvidas na ELBI Betim/MG desde o início das atividades de consultoria

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI Versão: outubro/2016 1. OBJETIVO Em concordância com as diretrizes da Política de Gerenciamento de Riscos dos Fundos e Carteiras

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO DA HAMILTON LANE INVESTIMENTOS LTDA. Rio de Janeiro, Junho de SP v1

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO DA HAMILTON LANE INVESTIMENTOS LTDA. Rio de Janeiro, Junho de SP v1 POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO DA HAMILTON LANE INVESTIMENTOS LTDA. Rio de Janeiro, Junho de 2016 POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1.1. Introdução O objetivo desta política é descrever as normas e os procedimentos

Leia mais

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 Sumário Introdução, 1 Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 1 Direcionadores do Uso de Tecnologia de Informação, 7 1.1 Direcionadores de mercado, 8 1.2 Direcionadores organizacionais,

Leia mais

Desafios na Implementação de um Canal de Denúncias

Desafios na Implementação de um Canal de Denúncias 14/06/2013 Desafios na Implementação de um Canal de Denúncias Luiz Umberto Modenese Diretor de Auditoria Cielo Canal de Denúncias - conceituação Processo para gestão de riscos corporativos Recebe informações

Leia mais

Plano Continuidade de Negócios Vinci Partners

Plano Continuidade de Negócios Vinci Partners Plano Continuidade de Negócios Vinci Partners Janeiro de 2015 ÍNDICE 1. Objetivo... 3 2. Responsabilidades... 3 3. Procedimentos... 3 Anexo I - Plano de Contingência de TI... 6 2 1. Objetivo O objetivo

Leia mais

Capitulo 4: Definindo as Metas do Projeto

Capitulo 4: Definindo as Metas do Projeto Capitulo 4: Definindo as Metas do Projeto PMBOK GUIDE Project Management Body of Knowledge Iniciação 5.1 Grupo de Processos de Planejamento Desenvolver o Plano de Gerenciamento de Projeto (4.3) Planejamento

Leia mais

Tema 3. Planejamento Estratégico na Administração Pública. Ricardo Naves Rosa

Tema 3. Planejamento Estratégico na Administração Pública. Ricardo Naves Rosa Tema 3 Planejamento Estratégico na Administração Pública Ricardo Naves Rosa Planejamento Estratégico na Administração Pública Balanced Scorecard Ricardo Naves Rosa Gerente de Gestão Estratégica - AGR Engenheiro

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Segurança Privada

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Segurança Privada SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Segurança Privada Campus Centro I Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Segurança Privada tem como missão, formar profissionais

Leia mais

PLATAFORMA GLOBAL DE DEFESA DA PROFISSÃO

PLATAFORMA GLOBAL DE DEFESA DA PROFISSÃO PLATAFORMA GLOBAL DE DEFESA DA PROFISSÃO SOBRE O INSTITUTO DE AUDITORES INTERNOS The Institute of Internal Auditors (IIA) é a voz global da profissão de auditoria interna, autoridade reconhecida e principal

Leia mais

Plano de Continuidade de Negócios Lavoro Asset

Plano de Continuidade de Negócios Lavoro Asset Plano de Continuidade de Negócios Lavoro Asset SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ABRANGÊNCIA... 4 4. ESCOPO E PREMISSAS OPERACIONAIS... 4 5. PROCESSOS DE NEGÓCIOS E ÁREAS EXISTÊNTES... 6 6.

Leia mais

Disciplina: GERENCIAMENTO DE PROJETOS

Disciplina: GERENCIAMENTO DE PROJETOS Disciplina: GERENCIAMENTO DE PROJETOS Contextualização No início dos anos 1960, o Gerenciamento de Projetos foi formalizado como ciência. Os negócios e outras organizações começaram a enxergar o benefício

Leia mais

Conhecendo alguns Conceitos PERIGOS E RISCOS

Conhecendo alguns Conceitos PERIGOS E RISCOS Conhecendo alguns Conceitos PERIGOS E RISCOS O que você já ouviu falar sobre risco? RISCOS AMBIENTAIS São considerados riscos ambientais os agentes: Físicos; Químicos; Biológicos. Ergonômicos Acidentes

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Técnico em Segurança do Trabalho Gerenciamento de Riscos Professor: Maia AULA 04 3.5) Tratamento de Riscos 3.6) Teoria Geral do Seguro 3.7) Mercado de Seguros 3.8) Seguros x Gerência de Riscos 3.9) Resumindo:

Leia mais

Segurança de Sistemas

Segurança de Sistemas Segurança de Sistemas Prof. Luiz A. Nascimento Auditoria e Segurança de Sistemas de Informação Anhanguera Taboão da Serra Segurança dos dados. Como se proteger? Controle de acesso Senhas Criptografia Backup

Leia mais

INTRODUÇÃO À INDÚSTRIA DO PETRÓLEO UNIDADE IV REFINO DE PETRÓLEO

INTRODUÇÃO À INDÚSTRIA DO PETRÓLEO UNIDADE IV REFINO DE PETRÓLEO INTRODUÇÃO À INDÚSTRIA DO PETRÓLEO UNIDADE IV REFINO DE PETRÓLEO Refino de petróleo O petróleo bruto é uma complexa mistura de hidrocarbonetos que apresenta contaminações variadas de enxofre, nitrogênio,

Leia mais

Gerenciamento dos Riscos do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento dos Riscos do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento dos Riscos do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Esta é uma área essencial para aumentar as taxas de sucesso dos projetos, pois todos eles possuem riscos e precisam ser gerenciados, ou seja, saber o

Leia mais

Gestão de Riscos Transporte e Armazenamento de Petróleo, Derivados e Gás Natural

Gestão de Riscos Transporte e Armazenamento de Petróleo, Derivados e Gás Natural Aon Risk Solutions Gestão de Riscos Transporte e Armazenamento de Petróleo, Derivados e Gás Natural Risk. Reinsurance. Human Resources. Integração de riscos de processo, projetos, governança e seguros

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital Sumário RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 3 1. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

Visão geral do PMBOK. Objetivo do PMBOK

Visão geral do PMBOK. Objetivo do PMBOK Visão geral do PMBOK PMI - Project Management Institute William Lopes de Oliveira Objetivo do PMBOK Identificar e descrever o conhecimento e as práticas aplicáveis na maioria das vezes na maioria dos projetos

Leia mais

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Marcelo De Nardi Porto Alegre, 04 de julho de 2011. CONTEXTUALIZAÇÃO Poder Judiciário no Contexto da Gestão Pública Nacional Processos

Leia mais

CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO

CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais Formar profissionais com conhecimentos teóricos e práticos, críticos e reflexivos capazes de desenvolver e implementar projetos de

Leia mais

SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA. CONTEÚDO 13: Saúde e Segurança dos Trabalhadores

SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA. CONTEÚDO 13: Saúde e Segurança dos Trabalhadores SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA CONTEÚDO 13: Saúde e Segurança dos Trabalhadores O TEMPLO DA SAÚDE Nosso corpo é uma máquina perfeita, mas exige manutenção Saúde enquanto patrimônio do trabalhador

Leia mais

RISCOS NO TRANSPORTE DE MERCADORIAS PERIGOSAS. JORNADAS DA ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS Lisboa, 11 de outubro de 2013 JOSÉ ALBERTO FRANCO

RISCOS NO TRANSPORTE DE MERCADORIAS PERIGOSAS. JORNADAS DA ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS Lisboa, 11 de outubro de 2013 JOSÉ ALBERTO FRANCO RISCOS NO TRANSPORTE DE MERCADORIAS PERIGOSAS JORNADAS DA ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS Lisboa, 11 de outubro de 2013 JOSÉ ALBERTO FRANCO 1 SEGURANÇA GERAL DO TRANSPORTE DE MERCADORIAS Nos transportes

Leia mais

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex.

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex. 1 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Disposições Gerais Os sistemas de informação, a infraestrutura tecnológica, os arquivos de dados e as informações internas ou externas, são considerados importantes

Leia mais

Introdução a Gerencia de Projetos

Introdução a Gerencia de Projetos MBA EM GERENCIA DE PROJETOS Introdução a Gerencia de Projetos Rogério Santos Gonçalves 1 Agenda 1. Introdução ao Curso de Gerencia de Projetos 2. Conceitos Básicos sobre Gerenciamento de Projetos. 1. O

Leia mais

Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade. Atuação Responsável Um compromisso da Indústria Química

Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade. Atuação Responsável Um compromisso da Indústria Química Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade O Atuação Responsável é uma ética empresarial, compartilhada pelas empresas associadas à Abiquim Missão do Atuação Responsável Promover o aperfeiçoamento

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIA, PROGRAMA DE ALERTA E PREPARAÇÃO DE COMUNIDADES PARA EMERGÊNCIAS LOCAIS

PLANOS DE CONTINGÊNCIA, PROGRAMA DE ALERTA E PREPARAÇÃO DE COMUNIDADES PARA EMERGÊNCIAS LOCAIS PLANOS DE CONTINGÊNCIA, PROGRAMA DE ALERTA E PREPARAÇÃO DE COMUNIDADES PARA EMERGÊNCIAS LOCAIS Eduardo Lucena C. de Amorim 1 - INTRODUÇÃO IMPACTOS AMBIENTAIS O impacto ambiental é um desequilíbrio provocado

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação A Dataprev Data centers DF SP RJ Área 257 384 988 Capacidade elétrica (kva) 600 900 1200 Capacidade de processamento RISC 48 Tflop/s X86 116 Tflop/s Mainframe 153.000 RPM Capacidade

Leia mais

Levantamento dos ativos críticos para o sucesso da Organização.

Levantamento dos ativos críticos para o sucesso da Organização. Faculdade de Tecnologia SENAC - Goiás Projeto Integrador Segurança da Informação Levantamento dos ativos críticos para o sucesso da Organização. Diego Miranda José Rodrigues Neto Romário Sena Warley Gabriel

Leia mais

Choque elétrico; Campo elétrico; Campo eletromagnético.

Choque elétrico; Campo elétrico; Campo eletromagnético. Técnicas de ANÁLISE DE RISCO Riscos De origem elétrica; De queda; Transporte e com equipamentos; Ataques de insetos; Riscos Ocupacionais; Riscos Ergonômicos; Ataque de animais peçonhentos/domésticos. Riscos

Leia mais

Plano de Continuidade de Negócios (PCN)

Plano de Continuidade de Negócios (PCN) Plano de Continuidade de Negócios (PCN) K&C INVESTIMENTOS LTDA. Responsável: Diretor de Compliance e Riscos Data da atualização: 17 de junho de 2016 Aviso Legal: Este documento pode conter informações

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional Base: Setembro/2015

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional Base: Setembro/2015 Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional Base: Setembro/2015 ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DEFINIÇÃO O BMB entende que uma gestão apropriada do risco operacional é importante,

Leia mais

Módulo 8. NBR ISO Interpretação dos requisitos: 4.4.6, 4.4.7, 4.5.1, 4.5.2, 4.5.3, 4.5.4, 4.5.5, 4.6 Exercícios

Módulo 8. NBR ISO Interpretação dos requisitos: 4.4.6, 4.4.7, 4.5.1, 4.5.2, 4.5.3, 4.5.4, 4.5.5, 4.6 Exercícios Módulo 8 NBR ISO 14001 - Interpretação dos requisitos: 4.4.6, 4.4.7, 4.5.1, 4.5.2, 4.5.3, 4.5.4, 4.5.5, 4.6 Exercícios 4.4.6 Controle Operacional A organização deve identificar e planejar aquelas operações

Leia mais

Dow Brasil. Metodologia de Investigação da Causa Raiz

Dow Brasil. Metodologia de Investigação da Causa Raiz Workshop Investigação de Acidentes Dow Brasil Metodologia de Investigação da Causa Raiz JC Gregoris Novembro 2007 Metodologia de Investigação da Causa Raiz: 1. Critérios de Aplicação ( gatilhos ) 2. Coleta

Leia mais

Governança Corporativa e Prevenção a Fraudes. Anthero de Moraes Meirelles Diretor de Fiscalização Banco Central do Brasil

Governança Corporativa e Prevenção a Fraudes. Anthero de Moraes Meirelles Diretor de Fiscalização Banco Central do Brasil Governança Corporativa e Prevenção a Fraudes Anthero de Moraes Meirelles Diretor de Fiscalização Banco Central do Brasil Agenda 1. A Supervisão do SFN e a importância da Governança Corporativa 2. Prevenção

Leia mais

Equilíbrio entre Segurança e Privacidade: Princípios de Segurança

Equilíbrio entre Segurança e Privacidade: Princípios de Segurança Equilíbrio entre Segurança e Privacidade: Princípios de Segurança Cristine Hoepers cristine@cert.br! Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil Núcleo de Informação e

Leia mais

KASPERSKY ENDPOINT SECURITY FOR BUSINESS Select Ferramentas para capacitar uma equipe de trabalho móvel, garantir a conformidade com políticas de segurança de TI e bloquear malware. O nível Select da Kaspersky

Leia mais

Cursos / Treinamentos

Cursos / Treinamentos Cursos / Treinamentos Carga Horária 1 Estatística Básica em Todos os Níveis. 16 Horas 2 Estatística Avançada. 60 Horas 3 Formação de Auditores Internos da Qualidade. 32 Horas 4 Controle Estatístico de

Leia mais

04/08/ º ENCONTRO TÉCNICO AESABESP

04/08/ º ENCONTRO TÉCNICO AESABESP 04/08/2015 AUTORES COMPANHIA DE SANEAMENTO BÁSICO DO ESTADO DE SÃO PAULO (SABESP) ISABEL CRISTINA PARREIRA OSHIRO REYNALDO EDUARDO YOUNG RIBEIRO ANDRÉ CARILLO MKR TECNOLOGIA, SERVIÇOS, INDÚSTRIA E COMÉCIO

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

Gestão Integrada: Saúde, MA e Segurança

Gestão Integrada: Saúde, MA e Segurança : Saúde, MA e Segurança Análise e Gerenciamento de Riscos - Qual nível garante a segurança? - O que garante que uma atividade seja segura? - Quais medidas irão garantir a segurança dos envolvidos? seguro?

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015

QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015 QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015 ISO 14001:2004 ISO 14001:2015 Introdução Introdução 1.Escopo 1.Escopo 2.Referências normativas 2.Refências normativas 3.Termos e definições 3.Termos

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA AR PARA PARCEIROS TQUIM TRANSPORTES

A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA AR PARA PARCEIROS TQUIM TRANSPORTES A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA AR PARA PARCEIROS TQUIM TRANSPORTES Estrutura Fundação: 1980 Estrutura: Matriz: Diadema/SP Pátio Estação de limpeza de tanques equipe com 12 operadores, 3 líderes, 3 turnos de

Leia mais