AUDITORIA AMBIENTAL AUDITORIA AMBIENTAL NORMA ISO DIRETRIZES\PARA AUDITORIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AUDITORIA AMBIENTAL AUDITORIA AMBIENTAL NORMA ISO DIRETRIZES\PARA AUDITORIA"

Transcrição

1 AUDITORIA AMBIENTAL AUDITORIA AMBIENTAL BALISAR SISTEMA E CORRIGIR FALHAS NORMA ISO DIRETRIZES\PARA AUDITORIA INSTRUMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL QUE PODE SER APLICADO A QUALQUER EMPREENDIMENTO 1

2 AUDITORIA AMBIENTAL Tipos de auditoria ambiental: Auditoria de conformidade com os regulamentos leis aplicáveis Auditorias tipo Due Dilligence aquisição de terreno ou local Auditoria de declaração ambiental como no EMAS Auditorias do SGA critérios estabelecidos (ISO e EMAS) Auditoria ambiental: Uma avaliação regular detalhada do desempenho da companhia contra os objetivos estabelecidos Análise crítica ambiental: Uma verificação preparatória das atividades da companhia que estabelece sua posição atual com respeito ao meio ambiente AUDITORIA AMBIENTAL Elementos chave: Sistemática processo rigoroso que é planejado e metódico Documentada protocolar os registros e constatações utilizando listas de verificação e formulários Periódica intervalos regulares (6 meses) Objetiva Independente livre de tendências 2

3 AUDITORIA AMBIENTAL Principais objetivos: Determinar a conformidade do sistema SGA Determinar se o SGA vem sendo adequadamente implementado e mantido Identificar as áreas potenciais de melhoria no SGA AUDITORIA AMBIENTAL Auditores: - Líder responsável por assegurar a condução da auditoria com o escopo e plano aprovado pelo cliente - Membro da equipe trabalha coordenadamente com os outros membros da equipe, cobre áreas onde sua especialidade é requisitada 3

4 1ª FASE PREPARAÇÃO: - Rever a documentação a fim de familiarizar-se com a área a ser auditada e com os requisitos da ISO; - Definição do escopo da auditoria; - Avaliar Manual, procedimentos, Levantamento de Aspectos e Impactos Ambientais, Política Ambiental; - Conhecer as leis aplicáveis; - Conhecer as normas aplicáveis 1ª FASE PREPARAÇÃO: - Elaboração de um plano de auditoria (Escopo e objetivos da auditoria, idioma da auditoria, data e local, programa de reuniões, requisitos de confidencialidade, etc) - Elaboração de um check-list (lista de verificação focalizando as questões ambientais importantes no negócio) em formato de perguntas a fim de facilitar a auditoria 4

5 1ª FASE PREPARAÇÃO: O CHECKLIST É UMA FERRAMENTA DE AUXÍLIO PARA CONDUÇÃO DE UMA AUDITORIA, PORÉM NÃO É REQUISITO DA NORMA As áreas cobertas devem ser: - Documentação - Implementação - Registros Reunião de abertura - Reconhecimento do local de auditoria - Auditoria - Reunião dos auditores - Reunião de fechamento - Relatório de auditoria - Verificação das não-conformidades 5

6 AUDITORIA - Coleta de evidências objetivas - Entrevistas com pessoal do SGA - Observação de atividades e condições - OBSERVAR VERIFICAR - OUVIR AUDITORIA - Avaliação dos aspectos ambientais - Programa Ambiental (Objetivos e Metas) - Lista de requisitos legais pertinentes - Lista para avaliação de desempenho para: ar, água, resíduos, solo, ruído, uso de recursos, aquisição de materiais/produtos, disposição, etc - Plano de monitoramento - Entrevistas com funcionários de diversos níveis hierárquicos para verificar o envolvimento com os aspectos pertinentes ao cargo 6

7 AUDITORIA - Trilha de aspectos... Questionamentos objetivos (Ex: existe procedimento documentado para identificar os impactos/aspectos ambientais em questão? Verificar procedimento e conformidade com documentação) (Ex: Para os Impactos significativos foram estabelecidos, quando aplicável, controles operacionais? Eles estão sendo seguidos? Verificar implantação de procedimentos, visitas à campo, entrevistas) AUDITORIA - Deve ser registrados os entrevistados e as evidências. 7

8 NÃO CONFORMIDADES - MAIOR:A ausência de um procedimento requerido ou a quebra total de um procedimento e requisito do SGA - MENOR: Uma falha simples observada em um procedimento. Observação: Um número muito grande de não conformidades menores para um mesmo requisitos pode se caracterizar como sendo uma não conformidade maior. 3ª FASE APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS: -Apresentação formal do resultado para a gerência da áreas auditada, como as conclusões, indicando os pontos fortes e as não conformidades identificadas. 8

9 4ª FASE RELATÓRIO: - Descreve a situação do SGA com os pontos positivos e negativos. - Registra as não conformidades em relação aos requisitos da norma ISO e aos procedimentos. - No relatório deve conter todo o escopo, o plano de auditoria, os documentos de referência, capacidade do sistema de atingir os objetivos ambientais, listas de verificações e constatação nos anexos. - Não deve incluir informações confidenciais ou itens não discutidos na auditoria 4ª FASE RELATÓRIO: - Os relatórios de não-conformidades devem indicar as pessoas envolvidas, onde foi localizada a nãoconformidade, edição e número do documento de referência. - Nome do auditor, descrição objetiva da não conformidade PARA EFETIVAR AS AÇÕES CORRETIVAS 9

10 5ª FASE AÇÃO CORRETIVA: - São consensadas entre o gestor do SGA e a área auditada - Podem conter as ações imediatas de correção - Deve direcionar a ação para eliminação da nãoconformidade - Deve ser verificada a implementação e a eficácia AUDITORIA AMBIENTAL A auditoria ambiental objetiva verificar a conformidade existente entre as práticas de um empreendimento em relação às exigências ambientais estabelecidas, sendo efetuada por meio de um conjunto de atividades voltadas para a realização de análise sistemática, periódica e documentada. Assim como ocorre com SGA, pode ser aplicada a qualquer tipo de empreendimento. 10

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

Primeira Edição: 23/08/2010 Página 1 de 6 Revisão 02 AUDITORIA INTERNA PROCEDIMENTO

Primeira Edição: 23/08/2010 Página 1 de 6 Revisão 02 AUDITORIA INTERNA PROCEDIMENTO Página 1 de 6 REGISTRO DE ALTERAÇÕES REV. DATA ALTERAÇÃO EFETUADA 00 23/08/2010 Emissão do Documento 01 05/04/2011 Revisão do procedimento 02 09/11/2011 Alteração da logomarca Claudiane Freire de Oliveira

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer procedimentos para identificação de não-conformidades, assim como a implantação de ação corretiva e ação preventiva, a fim de eliminar as causas das não-conformidades

Leia mais

Estágio 2 Auditoria de Certificação. Plano de Ações. Follow up. Emissão do Certificado

Estágio 2 Auditoria de Certificação. Plano de Ações. Follow up. Emissão do Certificado As atividades a serem conduzidas para a Certificação do Sistema de Gestão de sua Empresa serão realizadas de acordo com os requisitos, princípios, critérios e práticas de auditoria, com o objetivo de se

Leia mais

Organização da Aula. Auditoria em Certificação Ambiental. Aula 4. Aplicação de Auditoria. Contextualização. Aplicação de auditoria. Instrumentalização

Organização da Aula. Auditoria em Certificação Ambiental. Aula 4. Aplicação de Auditoria. Contextualização. Aplicação de auditoria. Instrumentalização Auditoria em Certificação Ambiental Organização da Aula Preparação para uma Aula 4 As fases que compõem uma ambiental Prof. Luiz Antonio Forte Aplicação de Auditoria Contextualização O sucesso da depende

Leia mais

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

Módulo 8. NBR ISO Interpretação dos requisitos: 4.4.6, 4.4.7, 4.5.1, 4.5.2, 4.5.3, 4.5.4, 4.5.5, 4.6 Exercícios

Módulo 8. NBR ISO Interpretação dos requisitos: 4.4.6, 4.4.7, 4.5.1, 4.5.2, 4.5.3, 4.5.4, 4.5.5, 4.6 Exercícios Módulo 8 NBR ISO 14001 - Interpretação dos requisitos: 4.4.6, 4.4.7, 4.5.1, 4.5.2, 4.5.3, 4.5.4, 4.5.5, 4.6 Exercícios 4.4.6 Controle Operacional A organização deve identificar e planejar aquelas operações

Leia mais

Organização da Aula. Auditoria em Certificação Ambiental. Aula 2. Auditoria Ambiental. Contextualização. Instrumentalização. Prof. Luiz Antonio Forte

Organização da Aula. Auditoria em Certificação Ambiental. Aula 2. Auditoria Ambiental. Contextualização. Instrumentalização. Prof. Luiz Antonio Forte Auditoria em Certificação Ambiental Organização da Aula Auditorias ambientais Aula 2 Prof. Luiz Antonio Forte Critérios para qualificação de auditores Estudo de caso Auditoria Ambiental Contextualização

Leia mais

PROCEDIMENTO PRC -07 Revisão: 17 Data: 14/10/2013 7

PROCEDIMENTO PRC -07 Revisão: 17 Data: 14/10/2013 7 Página 1 de 8 ESTRUTURA: 1-Objetivo: 2-Campo de Aplicação: 3-Documento de Referência: 4-Definições e Siglas: 5-Descrição do Procedimento: Data da Revisão Nº da Revisão Histórico das Alterações 20/08/200

Leia mais

FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DA QUALIDADE ISO 19011:2012 PROF. NELSON CANABARRO

FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DA QUALIDADE ISO 19011:2012 PROF. NELSON CANABARRO FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DA QUALIDADE ISO 19011:2012 PROF. NELSON CANABARRO PRINCÍPIOS ISO 9001:2015 1. Foco no cliente 2. Liderança 3. Engajamento das pessoas 4. Abordagem de processo 5. Melhoria

Leia mais

Questões sobre a IS014001

Questões sobre a IS014001 Professor: Carlos William Curso/ Disciplina/Período: Administração/ Gestão Ambiental/ 2º ano Aluno: Lázaro Santos da Silva Questões sobre a IS014001 1. A NBR ISO 14001:2004 foi concebida para estabelecer

Leia mais

Política de Auditoria Interna

Política de Auditoria Interna Política de Auditoria Interna 22 de outubro 2013 Define a missão, a independência, a objetividade, as responsabilidades e regulamenta a função da auditoria interna. ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. PÚBLICO ALVO...

Leia mais

Definição. Sistema de Gestão Ambiental (SGA):

Definição. Sistema de Gestão Ambiental (SGA): Definição Sistema de Gestão Ambiental (SGA): A parte de um sistema da gestão de uma organização utilizada para desenvolver e implementar sua política ambiental e gerenciar seus aspectos ambientais. Item

Leia mais

Cadastro de Fornecedores de Bens e Serviços

Cadastro de Fornecedores de Bens e Serviços Famílias Todos Todos Todas Critério SMS Critério CONJUNTO DE REQUISITOS DE SMS PARA CADASTRO CRITÉRIO DE NOTAS DO SMS Portal do Cadastro SMS MEIO AMBIENTE Certificação ISO 14001 - Sistema de Gestão Ambiental

Leia mais

Seminário sobre os fundamentos de auditorias interna e externa

Seminário sobre os fundamentos de auditorias interna e externa RED INTERAMERICANA DE LABORATORIOS DE ANÁLISIS DE ALIMENTOS (RILAA) Seminário sobre os fundamentos de auditorias interna e externa Outubro/2016 www.incqs.fiocruz.br 1 1 Auditoria Processo sistemático,

Leia mais

Certificação e Auditoria Ambiental

Certificação e Auditoria Ambiental Certificação e Auditoria Ambiental Auditoria Ambiental - 5 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental Auditoria Ambiental Questionário Pré-Auditoria É um instrumento utilizado na etapa de pré-auditoria,

Leia mais

Registro de Acidentes, Incidentes, Nãoconformidades, Revisão: 04 Ações Corretivas e Preventivas Página:

Registro de Acidentes, Incidentes, Nãoconformidades, Revisão: 04 Ações Corretivas e Preventivas Página: PROCEDIMENTO DO SMS PR-99-991-CPG-005 Registro de Acidentes, Incidentes, Nãoconformidades, Revisão: 04 Ações Corretivas e Preventivas Página: 1/6 1. OBJETIVO Definir metodologia e responsabilidades para

Leia mais

Correlações: Artigo 4 e Anexo II alterados pela Resolução CONAMA nº 381/06

Correlações: Artigo 4 e Anexo II alterados pela Resolução CONAMA nº 381/06 RESOLUÇÃO CONAMA nº 306, de 5 de julho de 2002 Publicada no DOU n o 138, de 19 de julho de 2002, Seção 1, páginas 75-76 Correlações: Artigo 4 e Anexo II alterados pela Resolução CONAMA nº 381/06 Estabelece

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual Fazenda Rio Brilhante Café e Pirulito Café

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual Fazenda Rio Brilhante Café e Pirulito Café Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual Fazenda Rio Brilhante Café e Pirulito Café Cultivo(s): Café (Coffea arabica L.) Data do Resumo Público: 04 de janeiro de 2012 Data de

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO NORTE INVESTIMENTOS ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Versão 1.0 Vigência Agosto / 2016 Classificação das Informações [ X ] Uso Interno [ ] Uso Público Conteúdo

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual Fazenda Labareda Agropecuária

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual Fazenda Labareda Agropecuária Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual Fazenda Labareda Agropecuária Cultivo(s): Café (Coffeea arábica L.) Data do Resumo Público: 23 de Julho de 2012 Data de Entrega do Relatório:

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE Primeira 1/7 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO POR APROVADO Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Silvia Helena Correia Vidal Aloísio Barbosa de Carvalho Neto HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE RESPONSÁVEIS TÉCNICOS E AUDITORES DA PRODUÇÃO INTEGRADA DE FRUTAS. Campinas, 08 de novembro de 2011

CURSO DE FORMAÇÃO DE RESPONSÁVEIS TÉCNICOS E AUDITORES DA PRODUÇÃO INTEGRADA DE FRUTAS. Campinas, 08 de novembro de 2011 CURSO DE FORMAÇÃO DE RESPONSÁVEIS TÉCNICOS E AUDITORES DA PRODUÇÃO INTEGRADA DE FRUTAS Campinas, 08 de novembro de 2011 BOAS PRÁTICAS DE AUDITORIA NBR ISO 19011 Nívea Maria Vicentini, DSc. Pesquisadora

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual Fazenda Nossa Senhora Aparecida (Octávio Cafés)

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual Fazenda Nossa Senhora Aparecida (Octávio Cafés) Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual (Octávio Cafés) Cultivo(s): Café (Coffea arabica L.) Data do Resumo Público: 15 de fevereiro de 2012 Data de Entrega do Relatório: 09

Leia mais

Modelo de documentação Universidade de Brasília

Modelo de documentação Universidade de Brasília 1 OBJETIVO Assegurar o bom andamento de um projeto e desenvolvimento, conforme diretrizes regais de qualidade. 2 DEFINIÇÕES 2.1 WBS Work Breakdown Structure. Com base na técnica de decomposição que se

Leia mais

RECLAMAÇÃO, APELAÇÃO E SUGESTÃO PARA MELHORIA

RECLAMAÇÃO, APELAÇÃO E SUGESTÃO PARA MELHORIA Página: 1/6 Elaborado: Verificado: Aprovado: Sabrina S. Lira (Diretora Administrativa) Rev. 00 Primeira edição Joaquim M. Alves (Diretor Técnico) HISTÓRICO DE ALTERAÇÕES Joaquim M. Alves (Diretor Executivo)

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade O Comitê - ISO A Organização Internacional de Normalização (ISO) tem sede em Genebra na Suíça, com o propósito

Leia mais

Módulo 4. Estrutura da norma ISO Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Requisitos 5.4, 5.5 e 5.6 Exercícios

Módulo 4. Estrutura da norma ISO Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Requisitos 5.4, 5.5 e 5.6 Exercícios Módulo 4 Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Requisitos 5.4, 5.5 e 5.6 Exercícios 5.4 - Planejamento 5.4.1 - Objetivos da qualidade Os objetivos da qualidade devem

Leia mais

Capítulo 5 Gerenciamento do Escopo do projeto. Introdução. Antes de iniciarmos vamos pensar um pouco.

Capítulo 5 Gerenciamento do Escopo do projeto. Introdução. Antes de iniciarmos vamos pensar um pouco. Capítulo 5 Gerenciamento do Escopo do projeto 1 Introdução Antes de iniciarmos vamos pensar um pouco. 2 Introdução 3 Introdução 4 Introdução 5 Introdução O projeto se inicia com a definição de quais objetivos

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

ATENDER REQUISITOS LEGAIS E DA ORGANIZAÇÃO (AUMENTO DE SATISFAÇÃO DAS PARTES INTERESSADAS)

ATENDER REQUISITOS LEGAIS E DA ORGANIZAÇÃO (AUMENTO DE SATISFAÇÃO DAS PARTES INTERESSADAS) SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 ATENDER REQUISITOS LEGAIS E DA ORGANIZAÇÃO (AUMENTO DE SATISFAÇÃO DAS PARTES INTERESSADAS) ALINHAMENTO P (Plan) planejar:4.1, 4.2, 4.3, 4.3.1, 4.3.2, 4.3.3

Leia mais

RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES E SUGESTÕES DE MELHORIAS

RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES E SUGESTÕES DE MELHORIAS Pág: 1/6 Itens de Revisão: 00 Inicial 01 Revisão geral do procedimento 02 Revisão no nome do PR e acréscimos dos itens 3.5 Disputas e 3.6 Informações Gerais 03 Revisão geral do procedimento 04 Revisão

Leia mais

AUDITORIA DE SOFTWARE

AUDITORIA DE SOFTWARE Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software AUDITORIA DE SOFTWARE Prof. Luthiano Venecian venecian@ucpel.tche.br http://olaria.ucpel.tche.br/venecian

Leia mais

Regimento Interno da Auditoria Interna Regimento Interno

Regimento Interno da Auditoria Interna Regimento Interno da Auditoria Interna da Auditoria Interna Versão 1.0 Data de criação 08/06/2015 Data de modificação N/A Tipo de documento Índice 1. Objetivo... 4 2. Atuação... 4 3. Missão da Auditoria Interna... 4 4.

Leia mais

Programa SENAI de Ecoeficiência

Programa SENAI de Ecoeficiência Programa SENAI de Ecoeficiência 4ª edição Nova Fase: 15/03/2016 INÍCIO Necessidade das indústrias em conhecer o seu desempenho ambiental Crescente preocupação da sociedade, fornecedores, governo com os

Leia mais

AVALIAÇÃO. A responsabilidade pela revisão e cancelamento desta Norma é da Cgcre.

AVALIAÇÃO. A responsabilidade pela revisão e cancelamento desta Norma é da Cgcre. AVALIAÇÃO NORMA Nº: NIE-CGCRE-029 APROVADA EM DEZ/28 Nº 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos Complementares 5 Siglas 6 Definições 7 Tipos de Avaliação 8 Condições

Leia mais

PQ /04/

PQ /04/ PQ.06 03 02/04/2013 1-5 1. OBJETIVO Estabelecer sistematica para o processo de solicitação, análise crítica e preparação para a avaliação da conformidade. 2. DEFINIÇÕES Modelo de Avaliação da Conformidade:

Leia mais

ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário João Noronha ESAC/IPC 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

GERENCIAR MELHORIA AÇÃO CORRETIVA E PREVENTIVA HISTÓRICO DE REVISÕES. Elaborado por: Saada Chequer. Próxima revisão: após 1 ano da última aprovação

GERENCIAR MELHORIA AÇÃO CORRETIVA E PREVENTIVA HISTÓRICO DE REVISÕES. Elaborado por: Saada Chequer. Próxima revisão: após 1 ano da última aprovação GERENCIAR MELHORIA AÇÃO CORRETIVA E PREVENTIVA HISTÓRICO DE REVISÕES Data Revisão Descrição da Revisão 00 Emissão Inicial 15/03/2013 01 Item 3 Definição de OM e RNCAC; Item 7: Anexo 1 Formulário de Gerenciamento

Leia mais

FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DE GESTÃO DA QUALIDADE PARTE 1

FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DE GESTÃO DA QUALIDADE PARTE 1 FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DE GESTÃO DA QUALIDADE PARTE 1 Curso realizado de 23 a 26 de agosto /2010 OBJETIVO PARTE 1: Capacitar os participantes para: Ter habilidade para avaliar os requisitos da

Leia mais

ISO/DIS Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho. Mapping Guide

ISO/DIS Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho. Mapping Guide ISO/DIS 45001 Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho Mapping Guide ISO/DIS 45001 Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho O novo

Leia mais

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 1. A Norma NBR ISO 9001:2000 A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 A ISO International Organization for Standardization, entidade internacional responsável

Leia mais

Módulo 5 Implementação, operação, verificação e análise crítica do SGSSO, exercícios.

Módulo 5 Implementação, operação, verificação e análise crítica do SGSSO, exercícios. Módulo 5 Implementação, operação, verificação e análise crítica do SGSSO, exercícios. 4.4 - Implementação e operação 4.4.1 - Recursos, papéis, responsabilidades e autoridade 4.4.2 - Competência, treinamento

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS Informação Pública 13/5/2016 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 PRINCÍPIOS... 3 4 REFERÊNCIAS... 4 5 CONCEITOS... 4 6 PRERROGATIVAS... 4 7 DIRETRIZES... 5 8 RESPONSABILIDADES...

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 11/01/10 Emissão Inicial N/A

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 11/01/10 Emissão Inicial N/A Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 11/01/10 Emissão Inicial N/A Documento via original Assinada OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS

Leia mais

CURSO Certificação/Qualificação de Auditores Internos do Ambiente ISO 14001:2015

CURSO Certificação/Qualificação de Auditores Internos do Ambiente ISO 14001:2015 CURSO O curso de Certificação/Qualificação de Auditores Internos é constituído por 3 módulos com avaliação escrita: 1. Interpretação ISO 14001:2015 Requisitos associados à estrutura de Alto nível Anexo

Leia mais

Banco de Interpretação ISO 9001:2008. Responsabilidade da Direção Seção 5

Banco de Interpretação ISO 9001:2008. Responsabilidade da Direção Seção 5 5.1 a) RFI 102 A subseção 5.1 a) da ISO 9001:2008 é aplicável somente aos requisitos relacionados aos produtos e serviços de uma organização? 5.1 a) RSI 031 A norma requer que a organização deve divulgar

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015

QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015 QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015 ISO 14001:2004 ISO 14001:2015 Introdução Introdução 1.Escopo 1.Escopo 2.Referências normativas 2.Refências normativas 3.Termos e definições 3.Termos

Leia mais

A BÍblia. de Segurança

A BÍblia. de Segurança A BÍblia de Segurança Copyright da Katoen Natie e da Dicky para as ilustrações. Esta publicação não pode ser reproduzida ou transmitida, no todo ou em parte, sob qualquer forma ou por qualquer meio eletrônico

Leia mais

RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES E SUGESTÕES DE MELHORIAS

RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES E SUGESTÕES DE MELHORIAS Pág: 1/6 Itens de Revisão: 00 Inicial 01 Revisão Geral do Procedimento 02 Revisão no nome do PR e acréscimos dos itens 3.5 Disputas e 3.6 Informações Gerais. 03 Revisão Geral do Procedimento 04 Revisão

Leia mais

O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007

O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007 O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007 Aveiro 21 de Abril de 2010 Rita Cunha-Porto rita.porto@apcer.pt Agenda Apresentação APCER O papel

Leia mais

AO aula 12 GESTÃO E BENCHMARKING. Prof. Wilson LAPO

AO aula 12 GESTÃO E BENCHMARKING. Prof. Wilson LAPO AO aula 12 GESTÃO E BENCHMARKING Prof. Wilson LAPO 1 Excelência é uma habilidade que se conquista com treinamento e prática. Nós somos aquilo que fazemos repetidamente. Excelência, então, não é um ato,

Leia mais

Apresentação do representante Técnico

Apresentação do representante Técnico Apresentação do representante Técnico Alfredo Fonseca Bacharel em Administração de Empresas Pós Graduado em Gestão Estratégica e Gestão da Segurança no Trabalho Auditor ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001

Leia mais

RESOLUÇÃO N Parágrafo 2º São de responsabilidade da diretoria da instituição:

RESOLUÇÃO N Parágrafo 2º São de responsabilidade da diretoria da instituição: RESOLUÇÃO N 2554 Dispõe sobre a implantação e implemenação de sistema de controles internos. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL PRSA 2ª 1 / 7 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ALCANCE... 2 3. ÁREA GESTORA... 2 3.1 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 2 3.1.1 DIRETOR RESPONSÁVEL - RESOLUÇÃO 4.327/14... 2 3.1.2 COORDENADOR ESPONSÁVEL PRSA

Leia mais

TÍTULO: APELAÇÕES E RECLAMAÇÕES HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES

TÍTULO: APELAÇÕES E RECLAMAÇÕES HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES Folha: 1/6 TÍTULO: APELAÇÕES E RECLAMAÇÕES HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES DATA REVISÃO ITENS REVISADOS APROVAÇÃO 21/07/15 00 Emissão Inicial - Item 5.1.2 e 5.2.1 - Exclusão da referência a tratamento e 16/06/16

Leia mais

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO 4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO A planilha de atendimento às metas do projeto é apresentada na sequência. Metas Proporcionar os elementos necessários para que seja definido o processo

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE CRÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

RELATÓRIO DE ANÁLISE CRÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA 1/ 22 LOCAL: Sala de Reunião Presidência HORÁRIO: 14:00 H Assuntos tratados: 1. Resultados das auditorias internas e das avaliações do atendimento aos requisitos legais e outros subscritos pela organização

Leia mais

Por Constantino W. Nassel

Por Constantino W. Nassel NORMA ISO 9000 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 REQUISITOS E LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO Por Constantino W. Nassel CONTEÚDOS O que é a ISO? O que é a ISO 9000? Histórico Normas

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO ISO 9001 ISO /03/2015 QUALIDADE! GERENCIAMENTO DE PROJETOS GESTÃO DE QUALIDADE

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO ISO 9001 ISO /03/2015 QUALIDADE! GERENCIAMENTO DE PROJETOS GESTÃO DE QUALIDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL INTRODUÇÃO 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS Prof.: Heloisa Campos COMPETITIVIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL SATISFAÇÃO DOS CLIENTES! INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

Leia mais

Certificação e Auditoria Ambiental

Certificação e Auditoria Ambiental Certificação e Auditoria Ambiental Auditoria Ambiental - 3 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental Preparação Nesta etapa, a auditoria é organizada objetivando minimizar o tempo despendido pelos

Leia mais

PROCEDIMENTO USO DO CERTIFICADO E DA LOGOMARCA CONCEITOS DE CERTIFICAÇÃO E MARCA DE ACREDITAÇÃO.

PROCEDIMENTO USO DO CERTIFICADO E DA LOGOMARCA CONCEITOS DE CERTIFICAÇÃO E MARCA DE ACREDITAÇÃO. Página 1 de 8 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Data da Revisão Nº da Revisão 20/08/2007 00 Emissão Inicial Aprovada Histórico das Alterações 22/07/2013 15 NBR ISO 14065:2012 Gases de Efeito Estufa Requisitos para

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM Relatório de Auditoria. Fazenda Pinhal e Santo Antonio. Resumo Público 08/02/ /01/ /12/ /12/2016

Rainforest Alliance Certified TM Relatório de Auditoria. Fazenda Pinhal e Santo Antonio. Resumo Público 08/02/ /01/ /12/ /12/2016 Rainforest Alliance Certified TM Relatório de Auditoria Resumo Público Fazenda Pinhal e Santo Antonio Produto(s) da fazenda: Café Arábica Imaflora Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão INSTRUÇÃO DE TRABALHO MADAL PALFINGER CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES

Sistema Integrado de Gestão INSTRUÇÃO DE TRABALHO MADAL PALFINGER CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Pág: 1/20 1 OBJETIVO Esta instrução tem como objetivo avaliar fornecedores de materiais de processo, e estabelecer os requisitos mínimos para o fornecimento de produtos, serviços e determinar, através

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação UNIDADE VIII Auditoria em Informática Professor : Hiarly Alves www.har-ti.com Fortaleza - 2014 Tópicos Noções gerais de auditoria na empresa em SI Conceito de auditoria Etapas do processo de auditoria

Leia mais

POLÍTICA. TÍTULO: PLT-SGR Política do SGSI - SISTEMA DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO APROVADO

POLÍTICA. TÍTULO: PLT-SGR Política do SGSI - SISTEMA DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO APROVADO 1/5 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO APROVADO 0000536 - André Delgado- SEGURANCA Danielle Souza; Oscar Zuccarelli; HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA REV. ALTERAÇÕES Atualização do item 2.2 - Solicitar

Leia mais

Primeira Edição: 23/08/2010 Página 1 de 7 Revisão 02 AÇÃO CORRETIVA E PREVENTIVA PROCEDIMENTO

Primeira Edição: 23/08/2010 Página 1 de 7 Revisão 02 AÇÃO CORRETIVA E PREVENTIVA PROCEDIMENTO Página 1 de 7 REGISTRO DE ALTERAÇÕES REV. DATA ALTERAÇÃO EFETUADA 00 23/08/2010 Emissão do Documento 01 05/11/2010 Junção e POP.ADM.008, revisão do procedimento 02 08/11/2011 Alteração da logomarca Claudiane

Leia mais

Sistema de Gestão da Prevenção em

Sistema de Gestão da Prevenção em Sistema de Gestão da Prevenção em SST Trabalho realizado por: André Andrade nº18990 Curso: Engenharia do Ambiente Data: 29/10/2008 Disciplina: PARP Índice Introdução... 3 Sistema de gestão da prevenção

Leia mais

RELATÓRIO SUMÁRIO CERFLOR/PEFC FORNECEDORA E EXPORTADORA DE MADEIRAS - FOREX S.A.

RELATÓRIO SUMÁRIO CERFLOR/PEFC FORNECEDORA E EXPORTADORA DE MADEIRAS - FOREX S.A. 1- Histórico da Fornecedora e Exportadora de Madeiras - FOREX S.A. A FOREX iniciou suas atividades em 1952, no sul do Brasil, hoje a unidade agroindustrial localizada em Três Barras SC possui 1.300 hectares

Leia mais

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA 1 / 8 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Meio Ambiente por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Diretoria de Sustentabilidade DS, sobre as obras executadas no

Leia mais

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 Política de Controles Internos Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 OBJETIVO Garantir a aplicação dos princípios e boas práticas da Governança Corporativa, e que

Leia mais

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Objetivo ISO 20121 - Sistemas de gestão de sustentabilidade de eventos. Requisitos e linhas de orientação A ISO 20121 tem como finalidade

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08)

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08) SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08) Oficina 07 Política de Meio Ambiente, Segurança e Saúde no Trabalho Objetivos, Metas e Programas 4.2 Política de SSTMA A Alta Administração

Leia mais

RELATÓRIO SUMÁRIO CERFLOR/PEFC COMPENSADOS FUCK LTDA.

RELATÓRIO SUMÁRIO CERFLOR/PEFC COMPENSADOS FUCK LTDA. 1- Histórico da Compensados Fuck Ltda. Fundada em 1978, a empresa Fuck ainda se chamando Fuck Indústria e Comercio LTDA a partir desse momento passa a investir em compensados, com a compra da COVEMA que

Leia mais

QUALIDADE Grau até o qual um conjunto de características satisfaz as necessidades! Cumprimento dos requisitos pré determinados no Escopo do projeto;

QUALIDADE Grau até o qual um conjunto de características satisfaz as necessidades! Cumprimento dos requisitos pré determinados no Escopo do projeto; SETOR DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL Prof.ª: MSc.: Heloisa Fuganti Campos 2 COMPETITIVIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL INTRODUÇÃO SATISFAÇÃO DOS CLIENTES! INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2012.2 INTRODUÇÃO Principais ferramentas - garantia da inocuidade,

Leia mais

Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00

Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00 Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00 Brasil: uma vocação natural para a indústria química País rico em petróleo, gás, biodiversidade, minerais e terras raras Objetivo Desenvolver

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Prof. Glauco Carvalho

GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Prof. Glauco Carvalho GERENCIAMENTO DE PROJETOS Prof. Glauco Carvalho 1. Gerência da integração do Projeto Processos: Possui 6 processos: Gerenciamento da integração do Projeto 1. Desenvolvimento do Termo de Abertura 2. Desenvolvimento

Leia mais

Relatório Anual Gerenciamento de Risco Operacional

Relatório Anual Gerenciamento de Risco Operacional Relatório Anual 2015 Gerenciamento de Risco Operacional Sumário Introdução Estrutura de Risco Operacional Responsabilidades Metodologia de Gerenciamento Aprovação e Divulgação Conclusão 1 Introdução Em

Leia mais

Política de segurança da informação Normas

Política de segurança da informação Normas Política de Segurança das Informações Prof. Luiz A. Nascimento Auditoria e Segurança de Sistemas Anhanguera Taboão da Serra Normas 2 BS 7799 (elaborada pela British Standards Institution). ABNT NBR ISO/IEC

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Pág: 1/9 Itens de Revisão: 00 Inicial 01 Revisão geral do procedimento 02 Inclusão do item 3.5 - Alterações nos Requisitos de Certificação 03 Revisão geral do procedimento 04 Revisão geral do procedimento

Leia mais

PROJETO INTEGRADO AULA 4 INTEGRAÇÃO E ESCOPO

PROJETO INTEGRADO AULA 4 INTEGRAÇÃO E ESCOPO PROJETO INTEGRADO AULA 4 INTEGRAÇÃO E ESCOPO PROF.: KAIO DUTRA Gerenciamento da Integração do Projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar,

Leia mais

ANEXO B CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE LABORATÓRIOS NÃO ACREDITADOS

ANEXO B CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE LABORATÓRIOS NÃO ACREDITADOS Rev. Outubro/2011 Página 1 de 6 Conforme anexo B da NIT DICOR 024 rev. 03 de fevereiro/2010 - Critérios para a Acreditação de Organismo de Certificação de Produto e de Verificação de Desempenho de Produto.

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA. Controle de Qualidade no Laboratório de Análises Clínicas

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA. Controle de Qualidade no Laboratório de Análises Clínicas CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA Controle de Qualidade no Laboratório de Análises Clínicas Profa. Dra. Ângela Líbia M. P. Cardoso www.ufam.edu.br angelalibia@gmail.com Fone: 9254 6673 02 QUALIDADE NO LAC

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL GRUPO DE CALIBRAÇÃO E ENSAIOS - ANFAVEA. AVALIAÇÃO EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E ENSAIO

PROCEDIMENTO GERAL GRUPO DE CALIBRAÇÃO E ENSAIOS - ANFAVEA. AVALIAÇÃO EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E ENSAIO -. 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática de Avaliação e Qualificação de laboratórios a fim de habilitálos a integrar o grupo de Laboratórios considerados aptos a oferecer serviços de Calibração

Leia mais

Ação Preventiva Ação para eliminar a causa de um potencial não-conformidade ou outra situação potencialmente indesejável.

Ação Preventiva Ação para eliminar a causa de um potencial não-conformidade ou outra situação potencialmente indesejável. A Ação Corretiva Ação para eliminar a causa de uma não-conformidade identificada ou outra situação indesejável. Ação Preventiva Ação para eliminar a causa de um potencial não-conformidade ou outra situação

Leia mais

CONTPATRI Plano de Garantia de Qualidade. Versão 1.1

CONTPATRI Plano de Garantia de Qualidade. Versão 1.1 CONTPATRI Plano de Garantia de Qualidade Versão 1.1 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 04/05/2013 1.0 Verificação do documento Emerson José Porfírio 21/04/2013 1.0 Elaboração do documento

Leia mais

Definição / Abordagem de Processos

Definição / Abordagem de Processos Definição / Abordagem de Processos Ao longo da história dos processos produtivos e administrativos, as organizações têm crescido em tamanho, complexidade e requisitos. Para assegurar a qualidade, a eficácia

Leia mais

Problemas identificados nas propostas de ações e seu acompanhamento

Problemas identificados nas propostas de ações e seu acompanhamento Problemas identificados nas propostas de ações e seu acompanhamento Ana Cristina D. M. Follador Coordenação Geral de Acreditação Divisão de Acreditação de Laboratórios Objetivos Identificar as falhas significativas

Leia mais

Alteração do numero do item para 6.1.3; atualização do preenchimento de RNC Exclusão da analise de RNC 6.2.6

Alteração do numero do item para 6.1.3; atualização do preenchimento de RNC Exclusão da analise de RNC 6.2.6 Folha 1 de 6 Controle de revisão Revisão Data Item Descrição das alterações -- 21/05/2007 -- Emissão inicial 01 10/03/2008 6.1 Exclusão da abordagem de processo 6.2 Alteração do numero do item para 6.1;

Leia mais

Não Conformidades, Ações Corretivas e Preventivas

Não Conformidades, Ações Corretivas e Preventivas 1 Objetivo Estabelecer diretrizes para o tratamento de não conformidades detectadas na unidade de gestão, e estabelecer um método para realizar ações corretivas e ações preventivas que possam ser executadas

Leia mais

REGISTRAR NÃO CONFORMIDADE HISTÓRICO DE REVISÕES. Elaborado por: Saada Chequer. Próxima revisão: após 1 ano da ultima aprovação

REGISTRAR NÃO CONFORMIDADE HISTÓRICO DE REVISÕES. Elaborado por: Saada Chequer. Próxima revisão: após 1 ano da ultima aprovação REGISTRAR NÃO CONFORMIDADE HISTÓRICO DE REVISÕES Data Revisão Descrição da Revisão 00 Emissão Inicial 15/03/2013 01 Item 5.4 Revisão das Notas Elaborado por: Revisado por: Marcela Garrido Saada Chequer

Leia mais

Verificação e Validação. Ewelton Yoshio Fabrício Araújo

Verificação e Validação. Ewelton Yoshio Fabrício Araújo Verificação e Validação Ewelton Yoshio Fabrício Araújo Qual a diferença entre Verificação e Validação? Diferenças Verificação se preocupa em avaliar se o produto está sendo desenvolvido corretamente, enquanto

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a contratação de empresa Especializada de Consultoria para Planejamento da Estrutura Funcional e Organizacional

Leia mais

19ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA. Sustentabilidade e Meio Ambiente. Monitoramento Ambiental das Obras da Linha 17 Ouro

19ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA. Sustentabilidade e Meio Ambiente. Monitoramento Ambiental das Obras da Linha 17 Ouro 19ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA Sustentabilidade e Meio Ambiente Monitoramento Ambiental das Obras da Linha 17 Ouro OBJETIVO Apresentar a metodologia utilizada pela Gerência do Empreendimento

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL

PROCEDIMENTO GERENCIAL PÁGINA: 1/5 1. OBJETIVO Descrever o procedimento para tratamento dos registros de não conformidades reais e potenciais ocorridas no sistema de gestão da Qualidade do INTS, contemplando o estudo das causas,

Leia mais

Boas Práticas da Distribuição - Da regulamentação à prática -

Boas Práticas da Distribuição - Da regulamentação à prática - Boas Práticas da Distribuição - Da regulamentação à prática - 27 de outubro de 2016 Carmen Bessa Diretora de Logística AGENDA 1. Enquadramento 2. As principais alterações das BPD 3. A implementação 4.

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ALYSSON DAROWISH. Diana Palhano Ludmila Ventilari

CERTIFICAÇÃO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ALYSSON DAROWISH. Diana Palhano Ludmila Ventilari CERTIFICAÇÃO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ALYSSON DAROWISH MITRAUD Diana Palhano Ludmila Ventilari O que é Qualidade? Conceito de gestão: Conforme Deming: é a satisfação do cliente e melhoria contínua O que

Leia mais