Blendas de poli(álcool vinílico)/quitosana: avaliação da morfologia e propriedades

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Blendas de poli(álcool vinílico)/quitosana: avaliação da morfologia e propriedades"

Transcrição

1 Blendas de poli(álcool vinílico)/quitosana: avaliação da morfologia e propriedades Bárbara Fernanda F. dos Santos 1 ; Itamara Farias Leite 1 1Departamento de Engenharia de Materiais, Centro de Tecnologia,, Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa-PB, Brazil RESUMO: A síntese de novos biomateriais com propriedades otimizadas está em constante avanço em Ciência dos Materiais. Nas últimas décadas, as blendas constituídas de polímeros naturais com polímeros sintéticos têm despertado bastante interesse dos pesquisadores por se tratar de uma alternativa simples, prática e de baixo custo. O objetivo deste trabalho consiste na preparação e caracterização de blendas constituídas de polímeros biodegradáveis, quitosana (CS) e poli(álcool vinílico) (PVA), visando avaliar o efeito dos diferentes teores de quitosana na morfologia e propriedades de blendas PVA/CS, preparadas pelo método de solução. Para tanto, as blendas foram caracterizadas por: Espectroscopia no Infravermelho com Transformadas de Fourier (FTIR), Difratometria de Raios-X (DRX), Calorimetria Exploratória Diferencial (DSC) e Termogravimetria (TG). Os resultados mostraram um bom grau de interação entre os polímeros constituintes da blenda, sugerindo certo grau de miscibilidade na mistura. Observou-se, pelo DRX, que à medida que o teor de quitosana diminui na mistura PVA/CS, há discreto aumento na cristalinidade, tendo em vista que as blendas são predominantemente constituídas de regiões amorfas. Em análise comparativa, observa-se que a composição foi a que apresentou discreta melhoria na estabilidade térmica. Palavras-chave: Poli(álcool vinílico), quitosana, blendas poliméricas, morfologia, propriedades. INTRODUÇÃO A síntese de novos biomateriais com desempenho e propriedades otimizadas constitui uma área em constante expansão em Ciência dos Materiais. Um avanço significativo nesta área tem ocorrido com a síntese de blendas poliméricas constituídas de polímeros naturais com polímeros sintéticos. Esta classe de materiais tem despertado grande interesse de pesquisadores nas últimas décadas por se tratar de uma alternativa simples, prática e de baixo custo para se obter novos materiais com características e propriedades adequadas para diversos campos tecnológicos, especialmente, da engenharia de tecidos [1]. Dentre os polímeros biodegradáveis existentes, a quitosana (CS) tem despertado muito interesse, em razão da sua alta biodegradabilidade, atoxicidade e biocompatibilidade. A obtenção a partir de fontes renováveis e as versatilidades em função das possibilidades de se produzir diversas misturas poliméricas, torna a quitosana um polissacarídeo de grande importância econômica e ambiental e com vasto campo de aplicações [2]. Com o objetivo de melhorar as propriedades mecânicas desse polissacarídeo, propõe-se como objeto de estudo neste trabalho, misturar a quitosana com outros hidrogéis poliméricos sintéticos, como o poli(álcool vinílico) (PVA). 1

2 O PVA é um polímero produzido pela polimerização do acetato de vinila seguida de reação de hidrólise do poli(acetato de vinila) em poli(álcool vinílico). Devido a apresentar propriedades como excelente transparência, consistência macia quando na forma de membrana, resistência química, atoxicidade, biodegradabilidade e biocompatibilidade [3], o PVA está sendo muito utilizado na fabricação de lentes de contato, hidrogéis, componentes artificiais de organismos e em liberação controlada de fármacos [4]. O presente trabalho direciona sua atenção no desenvolvimento de blendas poliméricas constituídas de polímeros biodegradáveis, a serem obtidos pelo método de solução. MATERIAIS E MÉTODOS Materiais: Quitosana com grau de desacetilação de 85%, poli(álcool vinílico)(pva) com grau de hidrólise de 8% e massa molar ponderal média (M W ) de 9. a 1. g/mol e ácido acético glacial (99,7%). Métodos: Preparação das blendas PVA/CS por evaporação de solvente: 1 Etapa: Preparação da solução de quitosana (CS) A solução de quitosana foi preparada pela dissolução de 2,5g de quitosana (CS) em 25mL de uma solução a 1% (v/v) de ácido acético glacial. Para a solubilização e homogeneização, a solução foi agitada magneticamente a 5 C por 2h. 2 Etapa: Preparação da solução de poli(álcool vinílico) (PVA) A solução de PVA foi preparada pela dissolução de 1,g de pó do polímero em 1mL de água destilada, sob agitação magnética à 7 C por 2 horas. 3 Etapa: Preparação das blendas PVA/CS Após preparação das soluções de PVA e CS conforme descritas acima, diferentes proporções da solução de CS foram adicionadas à solução de PVA para obter as razões em massa de PVA/CS de :1, 1:1, 1:2 e 1:, respectivamente. As soluções foram agitadas magneticamente por 5 minutos. Posteriormente, as soluções foram vertidas em placas de Petri de plástico e secas em temperatura ambiente por 7 dias. Caracterização: Análise Termogravimétrica (TG), Calorimetria Exploratória Diferencial (DSC), Difratometria de Raios-X (DRX) e Espectroscopia no Infravermelho com Transformadas de Fourier (FTIR). RESULTADOS E DISCUSSÕES Avaliação das características estruturais e morfológicas das blendas de PVA/CS por Espectroscopia no Infravermelho com Transformadas de Fourier (FTIR) Na Figura 1 estão apresentados os espectros de absorção na região do infravermelho para os filmes de PVA e CS, além dos filmes de diferentes composições das blendas PVA/CS. Para o espectro de FTIR do a banda de 36 a 31 cm -1 pode ser associada ao estiramento das ligações O-H, devido às fortes ligações intramoleculares e intermoleculares de hidrogênio. A banda na faixa de 295 a 285 cm -1 refere-se ao estiramento do grupo alquila (CH) [5]. No espectro da quitosana, a banda 36 a 32 cm -1 geralmente é atribuída ao estiramento do OH, e ao NH e a banda em 173 cm -1 ao estiramento da amida (C=O). A vibração assimétrica do estiramento C-H encontra-se na banda de 2922 cm -1 enquanto a 2

3 Absorbância (u.a.) vibração simétrica está na banda de 2879 cm -1 referente ao estiramento do C-H. A banda característica da deformação angular do CH está na banda de 1423 cm -1 [5, 9]. Ao analisar os espectros de infravermelho das blendas obtidas nas diferentes proporções de PVA/CS, observa-se um alargamento na banda de 32 a 36 cm -1 normalmente atribuída ao estiramento do OH, e do -NH 2. Com o aumento do teor de quitosana, na blenda, observa-se também que os picos presentes nas bandas 293 a 285 cm -1 são melhor definidos. O deslocamento da banda de absorção em 155 cm -1, referente à amina da quitosana, é um indicativo de que a amina apresenta interações em nível molecular diferente na blenda do que na quitosana em estado puro. Isso sugere a interação com os grupos hidroxilas do PVA, resultando, portanto, em uma blenda com boa interação e indicativo de miscibilidade, ocasionado devido à mistura dos polímeros [3] Número de onda (cm -1 ) Figura 1: Espectros de FTIR para os filmes de, e para as diferentes composições da blenda PVA/CS. Avaliação das características estruturais e morfológicas das blendas PVA/CS por Difratometria de Raios-X (DRX) Com base na Figura 2 observa-se que no difratograma de raios-x da quitosana pura encontram-se dois picos, um de maior intensidade em 2θ = 19,94º e um de menor intensidade em 2θ = 26,34º que evidenciam a presença da fase cristalina da quitosana na forma ortorrômbica, apresentando os seguintes parâmetros de rede: a = 4,4Ǻ; b =1 Ǻ; c = 1,3Ǻ e β = 9 e a = 3,3 Ǻ; b =1 Ǻ; c = 1,3 Ǻ e β = 9, associados aos planos cristalinos (2) e (22), respectivamente [6]. Na mesma Figura, o difratograma de raios-x do poli(álcool vinílico)(pva) mostra um pico em 2θ 19,46º, sendo este característico do próprio material [7]. A estrutura cristalina é composta de duplas camadas de moléculas ligadas por ligações de hidrogênio, enquanto fracas forças de Van der Waals atuam entre as camadas. Uma parte das estruturas da cadeia de PVA conduz a pequenas regiões ordenadas (cristalitos) espalhadas, de forma desorganizada, ao longo de uma matriz polimérica predominantemente amorfa [8]. As regiões dos difratogramas referentes às blendas de PVA/CS nas diferentes composições apresentam reflexões basais semelhantes ao do PVA e CS puros, porém com um maior alargamento indicando o aumento da região amorfa da blenda [9]. 3

4 Fluxo de calor (mw) Fluxo de calor (mw) Intensidade (u.a.) ( ) Figura 2: Difratogramas para os filmes de, e para as diferentes composições da blenda PVA/CS. Investigação das propriedades térmicas das blendas PVA/CS por Calorimetria Exploratória Diferencial (DSC) As curvas de DSC mostradas na Figura 3 (A) apresentam as temperaturas de cristalização (Tc), no primeiro resfriamento, para os filmes de PVA e CS puros e para as blendas de PVA/CS. As Tc s encontradas foram em torno de 15 C para a o e para as blendas, indicando que o teor de quitosana nas blendas não afetou sua velocidade de cristalização [1]. Com relação à temperatura de fusão cristalina (Tm) das diferentes amostras, Figura 3 (B), observou-se que com o aumento do teor de quitosana na composição das blendas PVA/CS, as Tm s foram deslocadas discretamentes para valores maiores, em torno de 178 ºC para e 181 ºC para, quando comparadas ao PVA (Tm = 175 ºC), isto indica uma maior organização dos cristais, sendo necessário uma maior temperatura para que ocorra a fusão dos mesmos , 2,5 2, 3 1,5 1, 2,5, 1 -,5-1, (A) ,5 (B) -2, Figura 3: Curvas DSC para os filmes de, e para as diferentes composições da blenda PVA/CS, no primeiro resfriamento (A) e no segundo aquecimento (B). Investigação das propriedades térmicas das blendas de PVA/CS por Termogravimetria (TG) Analisando a curva de DTG do, na Figura 4 (B), pode-se observar a presença de quatro etapas de perda de massa. A primeira etapa entre aproximadamente 7 e 11 ºC, que corresponde à perda de água. A segunda etapa, que é considerada a etapa 4

5 Perda de massa (%) Derivada (dm/dt) principal de pirólise, entre 18-3 ºC, característica da decomposição de sítios e cadeias ligados à cadeia principal do PVA. A terceira etapa de decomposição térmica que ocorre entre aproximadamente 3 e 4 ºC é característica da decomposição da cadeia principal de PVA. A última etapa ocorre entre 4 e 8 ºC pode ser característica da decomposição de resíduo orgânico [11]. Para a curva de DTG da, o primeiro estágio de perda de massa é referente à perda de água (antes de 1 ºC). O segundo estágio acontece no intervalo de temperatura de 256 a 31 C, estando relacionado à decomposição da quitosana. Neste estágio, a decomposição da mesma conduz à desidratação, cisão da cadeia e reações de decomposição [12]. Observando as curvas de DTG para as diferentes composições da blenda, verifica-se que após mistura do PVA e CS, as temperaturas de decomposição para ambas as composições são deslocadas para valores menores em relação as dos polímeros puros, especialmente para a composição de maior teor de quitosana da mistura. Nas curvas de DTG para as blendas de PVA/CS observa-se uma perda de água em torno 78 ºC, uma outra perda característica da mistura PVA/CS, sendo que o CS se decompõe primeiramente numa temperatura mais baixa de 297 ºC e o PVA por apresentar maior estabilidade térmica conforme mencionado anteriormente, apresenta temperatura de decomposição acontecendo em valor mais alto (331,67 ºC). Com base na Tabela 1, é possível observar que à medida que se aumenta o teor de quitosana na blenda PVA/CS, menores serão os valores de temperatura a 8% de perda de massa (expostos na Tab. 1), indicando assim menor estabilidade térmica para as blendas em relação aos seus componentes na forma pura. Em análise comparativa observa-se que a composição foi a que apresentou discreta melhoria na estabilidade térmica (A) (B) Figura 4: Curvas de TG (A) e DTG (B) para os filmes de, e para as diferentes composições da blenda PVA/CS. Tabela 1: Valores de temperatura de decomposição (T d 2%) referente a 2% de perda de massa para para os filmes de, e para as diferentes composições da blenda PVA/CS. Amostras T d 2% ( C) 312,38 273,1 263,17 171,72 5

6 CONCLUSÕES Com o desenvolvimento deste trabalho foi possível comprovar que a mistura dos polímeros PVA e CS resultaram em blendas com certo grau de miscibilidade e considerável estabilidade térmica para a composição, quando comparada à composição. Quanto ao aspecto visual, foi possível obter blendas poliméricas sob a forma de filmes com ótimo grau de transparência à luz visível, independente do teor de quitosana usado, sugerindo, portanto, uso em embalagens alimentícias. REFERÊNCIAS [1] HIGGINSA, J.S.; TAMBASCOB, M.; LIPSONB, J.E.G.; Polymer blends; stretching what we can learn through the combination of experiment and theory. Prog. Polym. Sci. V. 3, p , 25. [2] RINAUDO, M. Chitin and chitosan: Properties and applications. Progress in Polymer Science 26; 31: [3] COSTA JR., E. S.; MANSUR, H. S.; Preparação e Caracterização de Blendas de Quitosana/Poli(Álcool Vinílico) Reticuladas Quimicamente com Glutaraldeído para Aplicação em Engenharia de Tecido. Química Nova, v.31(6), p , 28. [4] GUERRINI, M.L., BRANCIFORTI, M.C., BRETAS, R.E.S., de OLIVEIRA, M.P., Eletrofiacao de Poli(Alcool Vinilico) via Solução Aquosa, Polímeros: Ciência e Tecnologia, V. 16(4), p , 26. [5] ANDRADE, G.; BARBOSA-STANCIOLI1, E.F.; MANSUR, A. A. P.;VASCONCELOS, W. L.; MANSUR, H. S.: Design of novel hybrid organic inorganic nanostructured biomaterials for immunoassay applications, Biomedical Materials, vol.1, p , 26. [6] OKUYAMA, K. Structural study of anhydrous tendon chitosan obtained via chitosan/acetic acid complex. International Journal of Biological Macromolecules, v.26, [7] BUNN C. W.; Crystal structure of poly(vinyl alcohol); Nature 161, , (1948). [8] RICCIARDI, R. et al. X-ray diffraction analysis of poly(vinyl alcohol) hydrogels, obtained by freezing and thawing techniques. 24. [9] COSTA JR, E. S.: Desenvolvimento de matriz de Quitosana/PVA, quimicamente reticulado para aplicação potencial em engenharia de tecido epitelial. Belo Horizonte: Escola de Engenharia da UFMG, p. [1] TONHI, E.; PLEPIS, A. M. G. Obtenção e caracterização de blendas colágenoquitosana. Quím. Nova, São Paulo, v. 25, n. 6a, Nov. 22. [11] OLIVEIRA, D. M. F. Síntese e caracterização de óxidos metálicos nanoestruturados e sua utilização em nanocompósitos com poli(álcool vinílico). Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Maringá, Programa de Pós-Graduação em Química, 29. [12] MA, G. et al. Synthesize and characterization of organic- soluble acyted chitosan Carbohydrate Polymers, v. 75, p , 29. AGRADECIMENTOS Este trabalho foi apoiado por UFPB, UFCG, UFRN (espaço físico e equipamentos cedidos), e ainda pelo CNPq (suporte financeiro). 6

MORFOLOGIA E PROPRIEDADES TÉRMICAS DE BLENDAS DE POLI(ÁLCOOL VINÍLICO)/QUITOSANO

MORFOLOGIA E PROPRIEDADES TÉRMICAS DE BLENDAS DE POLI(ÁLCOOL VINÍLICO)/QUITOSANO MORFOLOGIA E PROPRIEDADES TÉRMICAS DE BLENDAS DE POLI(ÁLCOOL VINÍLICO)/QUITOSANO Bárbara Fernanda F. dos Santos, Jéssica Raquel da Silva, Itamara Farias Leite * Departamento de Engenharia de Materiais,

Leia mais

Efeito do teor de silicato em camadas na estrutura, morfologia e propriedades térmicas de nanocompósitos à base de Poli(álcool vinílico)

Efeito do teor de silicato em camadas na estrutura, morfologia e propriedades térmicas de nanocompósitos à base de Poli(álcool vinílico) Efeito do teor de silicato em camadas na estrutura, morfologia e propriedades térmicas de nanocompósitos à base de Poli(álcool vinílico) Jéssica Raquel M. B. da Silva 1 ; Itamara Farias Leite 1 1 Departamento

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO ESPECTROSCÓPICA E FISICO- QUÍMICA DE FILMES DE BLENDAS DE AMIDO E CARBOXIMETILCELULOSE.

CARACTERIZAÇÃO ESPECTROSCÓPICA E FISICO- QUÍMICA DE FILMES DE BLENDAS DE AMIDO E CARBOXIMETILCELULOSE. CARACTERIZAÇÃO ESPECTROSCÓPICA E FISICO- QUÍMICA DE FILMES DE BLENDAS DE AMIDO E CARBOXIMETILCELULOSE. C. H. FERREIRA 1, E. F. PASSOS 1, P. T. MARQUES 1 1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Pato

Leia mais

Minicurso 2. TEMA: Técnicas analíticas instrumentais: Análise térmica (TG e DSC)

Minicurso 2. TEMA: Técnicas analíticas instrumentais: Análise térmica (TG e DSC) Minicurso 2. TEMA: Técnicas analíticas instrumentais: Análise térmica (TG e DSC) Técnicas de Análise Térmica Aplicadas a Materiais de Interesse Biotecnológico Prof a. Dr a. Izabel Riegel -Vidotti Departamento

Leia mais

COMPÓSITOS PP/NANO-ZrPoct: EFEITO DA CARGA NAS PROPRIEDADES TÉRMICAS DO PP

COMPÓSITOS PP/NANO-ZrPoct: EFEITO DA CARGA NAS PROPRIEDADES TÉRMICAS DO PP COMPÓSITOS PP/NANO-ZrPoct: EFEITO DA CARGA NAS PROPRIEDADES TÉRMICAS DO PP D. M. Mariano 1 *, L. C. Mendes 1, D. F.Silva 1 1: Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Macromoléculas IMA UFRJ

Leia mais

ENSAIOS TECNOLÓGICOS DE ARGILAS DA REGIÃO DE PRUDENTÓPOLIS-PR. Resumo: Introdução

ENSAIOS TECNOLÓGICOS DE ARGILAS DA REGIÃO DE PRUDENTÓPOLIS-PR. Resumo: Introdução ENSAIOS TECNOLÓGICOS DE ARGILAS DA REGIÃO DE PRUDENTÓPOLIS-PR Patrick Antonio Morelo (UNICENTRO), Luiz Fernando Cótica,Fabio Luiz Melquíades e Ricardo Yoshimitsu Miyahara (Orientador), e-mail: rmiyahara@unicentro.br.

Leia mais

CPV seu pé direito também na Medicina

CPV seu pé direito também na Medicina seu pé direito também na Medicina UNIFESP 17/dezembro/2010 QUÍMICA 06. Ligas metálicas são comuns no cotidiano e muito utilizadas nas indústrias automobilística, aeronáutica, eletrônica e na construção

Leia mais

ANÁLISE TÉRMICA Sumário

ANÁLISE TÉRMICA Sumário ANÁLISE TÉRMICA Sumário 1- Conceito 2- Tipos de métodos térmicos Princípios gerais de cada método Instrumentação Aplicações Conceito Análise Térmica é um termo que abrange um grupo de técnicas nas quais

Leia mais

Preparação e caracterização da fase La 2 MoO 6. R. A. Rocha, E. N. S. Muccillo

Preparação e caracterização da fase La 2 MoO 6. R. A. Rocha, E. N. S. Muccillo 1695 Preparação e caracterização da fase La 2 MoO 6 R. A. Rocha, E. N. S. Muccillo Centro Multidisciplinar para o Desenvolvimento de Materiais Cerâmicos CCTM Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares

Leia mais

Estudo da incorporação de fármaco em dispositivo de liberação obtido da fibroína de seda

Estudo da incorporação de fármaco em dispositivo de liberação obtido da fibroína de seda Estudo da incorporação de fármaco em dispositivo de liberação obtido da fibroína de seda B. T. TOMODA 1, M. M. BEPPU 1, M. A. de MORAES 2 1 Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Engenharia Química

Leia mais

Polímeros no Estado Sólido

Polímeros no Estado Sólido Química de Polímeros Prof a. Dr a. Carla Dalmolin carla.dalmolin@udesc.br Polímeros no Estado Sólido O Estado Sólido Sólidos Cristalinos: Possuem um arranjo ordenado de átomos/moléculas, formando um retículo

Leia mais

MODIFICAÇÃO QUITOSANA COM POLI (SUCCINATO DE BUTILENO) VIA POLIMERIZAÇÃO INTERFACIAL. Nascimento, M.F. (1), Silva, F.M. (2) e Souza Jr., F.G.

MODIFICAÇÃO QUITOSANA COM POLI (SUCCINATO DE BUTILENO) VIA POLIMERIZAÇÃO INTERFACIAL. Nascimento, M.F. (1), Silva, F.M. (2) e Souza Jr., F.G. MODIFICAÇÃO QUITOSANA COM POLI (SUCCINATO DE BUTILENO) VIA POLIMERIZAÇÃO INTERFACIAL Nascimento, M.F. (1), Silva, F.M. (2) e Souza Jr., F.G. (1)* (1) Instituto de Macromoléculas, Universidade Federal do

Leia mais

Técnicas de Análises Térmicas (Thermal Analysis - TA) de Materiais

Técnicas de Análises Térmicas (Thermal Analysis - TA) de Materiais Técnicas de Análises Térmicas (Thermal Analysis - TA) de Materiais TG Termogravimetria DTA Análise Térmica Diferencial DSC Calorimetria Diferencial de Varredura Métodos de análises térmicas Análise térmica

Leia mais

Preparação e determinação da resistividade elétrica de blendas de silicone e polianilina dopada com ácido cítrico

Preparação e determinação da resistividade elétrica de blendas de silicone e polianilina dopada com ácido cítrico Preparação e determinação da resistividade elétrica de blendas de silicone e polianilina dopada com ácido cítrico Guilherme H. S. Alves¹* (PG), Olacir A. Araujo¹ (PQ). guilherme-hsa@hotmail.com ¹Universidade

Leia mais

Avaliação e melhoria no processo de injeção de PEAD

Avaliação e melhoria no processo de injeção de PEAD Avaliação e melhoria no processo de injeção de PEAD G.CORRÊA 1 e P. J. MELO 1 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Departamento de Engenharia Química E-mail: guilherme.correa95@gmail.com RESUMO

Leia mais

USO DE FTIR PARA ANÁLISE DE BACTÉRIAS CAUSADORAS DO CANCRO CÍTRICO E CVC

USO DE FTIR PARA ANÁLISE DE BACTÉRIAS CAUSADORAS DO CANCRO CÍTRICO E CVC ISSN 43-6244 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Instrumentação Agropecuária Ministério da Agricultura e do Abastecimento Rua XV de Novembro, 452

Leia mais

DÉBORA SGORLA. Orientador: Dr. Osvaldo Albuquerque Cavalcanti Co-orientadores: Drs. Bruno Sarmento e Élcio José Bunhak

DÉBORA SGORLA. Orientador: Dr. Osvaldo Albuquerque Cavalcanti Co-orientadores: Drs. Bruno Sarmento e Élcio José Bunhak DÉBORA SGORLA DESENVOLVIMENTO E CARACTERIZAÇÃO DE FILMES POLIMÉRICOS A PARTIR DE ÁCIDO HIALURÔNICO RETICULADO PARA UTILIZAÇÃO EM PROCESSOS DE REVESTIMENTO Orientador: Dr. Osvaldo Albuquerque Cavalcanti

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE BIOFILMES DE AMIDO UTILIZANDO COMO PLASTIFICANTES DIFERENTES ÁCIDOS CARBOXÍLICOS

DESENVOLVIMENTO DE BIOFILMES DE AMIDO UTILIZANDO COMO PLASTIFICANTES DIFERENTES ÁCIDOS CARBOXÍLICOS DESENVOLVIMENTO DE BIOFILMES DE AMIDO UTILIZANDO COMO PLASTIFICANTES DIFERENTES ÁCIDOS CARBOXÍLICOS L.C. Cruz¹*; C. S. Miranda¹; W.J. dos Santos 1 ; A.P.B Gonçalves 1 ; J. C. Oliveira 1 ; N. M. José¹ 1-

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DO COMBUSTÍVEL NA OBTENÇÃO DE HAp VIA REAÇÃO DE COMBUSTÃO

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DO COMBUSTÍVEL NA OBTENÇÃO DE HAp VIA REAÇÃO DE COMBUSTÃO ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DO COMBUSTÍVEL NA OBTENÇÃO DE HAp VIA REAÇÃO DE COMBUSTÃO T. L. SANTOS 1, A. M. D. LEITE 1, K. M. S. VIANA 1*, 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

SÍNTESE E CARACTERIZAÇÃO DE MEMBRANAS DENSAS DE FIBROÍNA DE SEDA COM GLICERINA

SÍNTESE E CARACTERIZAÇÃO DE MEMBRANAS DENSAS DE FIBROÍNA DE SEDA COM GLICERINA SÍNTESE E CARACTERIZAÇÃO DE MEMBRANAS DENSAS DE FIBROÍNA DE SEDA COM GLICERINA Mariana F. Silva 1, Mariana A. de Moraes 1, Raquel F. Weska 1, Grínia M. Nogueira 1, Marisa M. Beppu 1* 1 Faculdade de Engenharia

Leia mais

SÍNTESE E CARACTERIZAÇÃO DE POLÍMEROS HÍBRIDOS ORGÂNICO/INORGÂNICOS VIA POLIMERIZAÇÃO EM SOLUÇÃO

SÍNTESE E CARACTERIZAÇÃO DE POLÍMEROS HÍBRIDOS ORGÂNICO/INORGÂNICOS VIA POLIMERIZAÇÃO EM SOLUÇÃO SÍNTESE E CARACTERIZAÇÃO DE POLÍMEROS HÍBRIDOS ORGÂNICO/INORGÂNICOS VIA POLIMERIZAÇÃO EM SOLUÇÃO T. R. AUGUSTINHO 1, G. MOTZ 2, R. A. F. MACHADO 1 1 Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO POR ESPECTROSCOPIA DE INFRAVERMELHO DE FILMES DE QUITOSANA COM DIFERENTES QUANTIDADES DE AGENTE RETICULANTE

CARACTERIZAÇÃO POR ESPECTROSCOPIA DE INFRAVERMELHO DE FILMES DE QUITOSANA COM DIFERENTES QUANTIDADES DE AGENTE RETICULANTE CARACTERIZAÇÃO POR ESPECTROSCOPIA DE INFRAVERMELHO DE FILMES DE QUITOSANA COM DIFERENTES QUANTIDADES DE AGENTE RETICULANTE Viviane M. Bispo 1, Alexandra A. P. Mansur 1, Herman S. Mansur 1 * 1 * Depto.

Leia mais

DA ESTABILIDADE TÉRMICA DE ÓLEOS VEGETAIS

DA ESTABILIDADE TÉRMICA DE ÓLEOS VEGETAIS ESTUDO DA ESTABILIDADE TÉRMICA DE ÓLEOS VEGETAIS Cheila Gonçalves Mothé 1 Denise ZaldenandoCorreia 2 RESUMO Lipídeos são formados por ésteres de glicerol e ácidos graxos. Os ácidos graxos são ácidos carboxílicos

Leia mais

POLIMEROS. Por que estudar Polimeros?

POLIMEROS. Por que estudar Polimeros? POLIMEROS Por que estudar Polimeros? A estrutura dos polimeros afeta suas propriedades e o comportamento dos materiais poliméricos. Exemplos: (1)O grau de cristalinidade influi na massa específica, rigidez,

Leia mais

FORÇAS INTERMOLECULARES

FORÇAS INTERMOLECULARES FORÇAS INTERMOLECULARES São as forças que mantêm os sólidos e líquidos unidos. A ligação covalente que mantém uma molécula unida é uma força intramolecular. A atração entre moléculas é uma força intermolecular.

Leia mais

Caracterização de Nanomateriais por Difração de Raios-X

Caracterização de Nanomateriais por Difração de Raios-X Caracterização de Nanomateriais por Difração de Raios-X Aluna: Fernanda Gonçalves Abrantes Orientador: Roberto Ribeiro de Avillez Introdução Com o crescente avanço da nanotecnologia em diferentes áreas,

Leia mais

SÍNTESE E CARACTERIZAÇÃO DA MEMBRANA QUITOSANA/PERLITA

SÍNTESE E CARACTERIZAÇÃO DA MEMBRANA QUITOSANA/PERLITA SÍNTESE E CARACTERIZAÇÃO DA MEMBRANA QUITOSANA/PERLITA Eliza Edneide Oliveira Souza de Almeida (1); Rennan Normando de Andrade Silva (2); Rénally Marraly Alves de Oliveira (3); Vandeci Dias dos Santos

Leia mais

ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLIMÉROS. PMT Introdução à Ciência dos Materiais para Engenharia 8 a aula autora: Nicole R.

ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLIMÉROS. PMT Introdução à Ciência dos Materiais para Engenharia 8 a aula autora: Nicole R. ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLIMÉROS PMT 2100 - Introdução à Ciência dos Materiais para Engenharia 8 a aula autora: Nicole R. Demarquete 1 Roteiro da Aula Histórico Química das moléculas poliméricas Estrutura

Leia mais

Física dos Materiais FMT0502 ( )

Física dos Materiais FMT0502 ( ) Física dos Materiais FMT0502 (4300502) 1º Semestre de 2010 Instituto de Física Universidade de São Paulo Professor: Antonio Dominguesdos Santos E-mail: adsantos@if.usp.br Fone: 3091.6886 http://plato.if.usp.br/~fmt0502n/

Leia mais

ANÁLISE TÉRMICA SIMULTÂNEA E ESPECTROMETRIA POR INFRAVERMELHO DE AMOSTRAS DE ÁCIDO CÍTRICO E DE PET (POLITEREFTALATO DE ETILENO)

ANÁLISE TÉRMICA SIMULTÂNEA E ESPECTROMETRIA POR INFRAVERMELHO DE AMOSTRAS DE ÁCIDO CÍTRICO E DE PET (POLITEREFTALATO DE ETILENO) ANÁLISE TÉRMICA SIMULTÂNEA E ESPECTROMETRIA POR INFRAVERMELHO DE AMOSTRAS DE ÁCIDO CÍTRICO E DE PET (POLITEREFTALATO DE ETILENO) Cristiane Witcel - cristiane_eng.ambiental@hotmail.com Avenida Brasil, 4232,

Leia mais

Estudo da decomposição térmica de nitratos de terras raras

Estudo da decomposição térmica de nitratos de terras raras 1 Estudo da decomposição térmica de nitratos de terras raras E. N. S. Muccillo, R. A. Rocha, S. K. Tadokoro Centro Multidisciplinar para o Desenvolvimento de Materiais Cerâmicos CCTM - Instituto de Pesquisas

Leia mais

PROVA K. Questão 81. Resolução

PROVA K. Questão 81. Resolução RES_17_10_ALICE 29/09/10 14:01 Página 32 - Questão 81 Considere o fluxograma abaixo, relativo à separação dos componentes de uma mistura constituída de biodiesel e de frutose totalmente dissolvida em água.

Leia mais

RESPOSTAS ESPERADAS QUÍMICA

RESPOSTAS ESPERADAS QUÍMICA Questão 1 Sim, a analogia está correta. Por se tratar de mudança de estado físico, a temperatura do sistema água permanece constante durante o processo de solidificação, assim como ocorre para o caso das

Leia mais

EFEITO DA RADIAÇÃO GAMA NAS PROPRIEDADES DA BLENDA DE PEBD/AMIDO ANFÓTERO

EFEITO DA RADIAÇÃO GAMA NAS PROPRIEDADES DA BLENDA DE PEBD/AMIDO ANFÓTERO EFEITO DA RADIAÇÃO GAMA NAS PROPRIEDADES DA BLENDA DE PEBD/AMIDO ANFÓTERO Magno F. H. B. I. Texeira 1, Viviane F. Caetano 1, Flávia G. D. Ferreira 1, Yêda M. B. de Almeida 1, Glória M. Vinhas 1 1 Departamento

Leia mais

Aula 01 Propriedades Gerais dos Materiais

Aula 01 Propriedades Gerais dos Materiais Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Materiais Elétricos - Teoria Aula 01 Propriedades Gerais dos Materiais Clóvis Antônio Petry, professor. Florianópolis, setembro

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DAS PROPRIEDADES TÉRMICAS E MECÂNICAS DE COMPÓSITOS POLIMÉRICOS COM FIBRAS VEGETAIS

ESTUDO COMPARATIVO DAS PROPRIEDADES TÉRMICAS E MECÂNICAS DE COMPÓSITOS POLIMÉRICOS COM FIBRAS VEGETAIS ESTUDO COMPARATIVO DAS PROPRIEDADES TÉRMICAS E MECÂNICAS DE COMPÓSITOS POLIMÉRICOS COM FIBRAS VEGETAIS Cheila G. Mothé 1*, Carla R. de Araújo 1 1 Universidade Federal do Rio de Janeiroe UFRJ, Escola de

Leia mais

MUDANÇA DE ESTADO ROMPIMENTO DE FORÇAS INTERMOLECULARES

MUDANÇA DE ESTADO ROMPIMENTO DE FORÇAS INTERMOLECULARES MUDANÇA DE ESTADO ROMPIMENTO DE FORÇAS INTERMOLECULARES DEFORMAÇÃO DA NUVEM ELETRÔNICA EFEITO COLISÃO = CHOQUE ///// EFEITO INDUÇÃO = VARIAÇÃO ELÉTRICA DIPOLO INDUZIDO FORÇAS DE LONDON ///// DIPOLO INSTANTÂNEO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E CARACTERIZAÇÃO DE INDICADOR DE TEMPO-TEMPERATURA A PARTIR DE PVA, PVP E ANTOCIANINAS PARA APLICAÇÕES EM EMBALAGENS INTELIGENTES

DESENVOLVIMENTO E CARACTERIZAÇÃO DE INDICADOR DE TEMPO-TEMPERATURA A PARTIR DE PVA, PVP E ANTOCIANINAS PARA APLICAÇÕES EM EMBALAGENS INTELIGENTES DESENVOLVIMENTO E CARACTERIZAÇÃO DE INDICADOR DE TEMPO-TEMPERATURA A PARTIR DE PVA, PVP E ANTOCIANINAS PARA APLICAÇÕES EM EMBALAGENS INTELIGENTES K. G. WEGEMANN 1, M. S. P. DAMAS 1, V. A. PEREIRA Jr 1

Leia mais

Título: Influência da umidade na estabilidade dimensional de bioespumas.

Título: Influência da umidade na estabilidade dimensional de bioespumas. Título: Influência da umidade na estabilidade dimensional de bioespumas. Autores: Amanda Maria Griebeler dos Santos (1), Mariana Oliveira Engler (2) & Ruth Marlene Campomanes Santana Filiação: Depto Engenharia

Leia mais

Materiais Poliméricos. Conceitos Gerais

Materiais Poliméricos. Conceitos Gerais Materiais Poliméricos Conceitos Gerais ESTRUTURA DOS POLIMEROS DEFINIÇÃO São moléculas muito grandes (macromoléculas) formadas pela repetição de pequenas e simples unidades químicas (monômeros), ligadas

Leia mais

Bioquímica: Componentes orgânicos e inorgânicos necessários à vida. Leandro Pereira Canuto

Bioquímica: Componentes orgânicos e inorgânicos necessários à vida. Leandro Pereira Canuto Bioquímica: orgânicos e inorgânicos necessários à vida Leandro Pereira Canuto Toda matéria viva: C H O N P S inorgânicos orgânicos Água Sais Minerais inorgânicos orgânicos Carboidratos Proteínas Lipídios

Leia mais

APOSTILA DE QUÍMICA ORGÂNICA 4º BIMESTRE

APOSTILA DE QUÍMICA ORGÂNICA 4º BIMESTRE Nome: nº: Bimestre: 4º Ano/série: 3ª série Ensino: Médio Componente Curricular: Química Professor: Ricardo Honda Data: / / APOSTILA DE QUÍMICA ORGÂNICA 4º BIMESTRE TEORIA 28 POLÍMEROS Alguns tipos de moléculas

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Química IQ USP Exame de Capacidade 1º Semestre de Prova de Conhecimentos Gerais em Química

Programa de Pós-Graduação em Química IQ USP Exame de Capacidade 1º Semestre de Prova de Conhecimentos Gerais em Química Programa de Pós-Graduação em Química IQ USP Exame de Capacidade 1º Semestre de 2014 Prova de Conhecimentos Gerais em Química Nome do candidato: Instruções: Escreva seu nome de forma legível no espaço acima.

Leia mais

4023 Síntese do éster etílico do ácido 2-cicclopentanona carboxílico a partir do éster dietílico do ácido adípico

4023 Síntese do éster etílico do ácido 2-cicclopentanona carboxílico a partir do éster dietílico do ácido adípico NP 4023 Síntese do éster etílico do ácido 2-cicclopentanona carboxílico a partir do éster dietílico do ácido adípico NaEt C 10 H 18 4 Na C 2 H 6 C 8 H 12 3 (202,2) (23,0) (46,1) (156,2) Classificação Tipos

Leia mais

Química Orgânica Aplicada a Engenharia Geológica

Química Orgânica Aplicada a Engenharia Geológica Química Orgânica Aplicada a Engenharia Geológica Aula 10 Estudo dos alcoóis Prof. Dr. Leandro Vinícius Alves Gurgel 1. Introdução Os alcoóis são compostos que possuem um ou mais grupos hidroxila ligados

Leia mais

OLIGOMERIZAÇÃO DO GLICEROL UTILIZANDO CATALISADORES BÁSICOS HOMOGÊNEOS: NaOH E CaO

OLIGOMERIZAÇÃO DO GLICEROL UTILIZANDO CATALISADORES BÁSICOS HOMOGÊNEOS: NaOH E CaO OLIGOMERIZAÇÃO DO GLICEROL UTILIZANDO CATALISADORES BÁSICOS HOMOGÊNEOS: NaOH E CaO F. J. S. BARROS 1, F. L. MARQUES 1, R. S. VIEIRA 1, e F. M. T. de LUNA 1 1 Universidade Federal do Ceará, Departamento

Leia mais

químicas e mecânicas da fibra do ubuçu visando sua aplicação em materiais compósitos poliméricos. A poliuretana derivada do óleo de mamona é um

químicas e mecânicas da fibra do ubuçu visando sua aplicação em materiais compósitos poliméricos. A poliuretana derivada do óleo de mamona é um 1 Introdução Atualmente as questões ambientais trazem a tona uma série de quadros problemáticos que estão a nossa volta, principalmente a degradação do meio ambiente. OLIVEIRA et al., (2007) afirmam que

Leia mais

4009 Síntese de ácido adípico a partir do ciclohexeno

4009 Síntese de ácido adípico a partir do ciclohexeno 4009 Síntese de ácido adípico a partir do ciclohexeno C 6 H 10 (82,2) + tungstato de sódio dihidratado 4 H 2 H + 2 H + 4 H 2 + Aliquat 336. Na 2 W 4 2 H 2 (329,9) C 6 H 10 4 (34,0) C 25 H 54 ClN (404,2)

Leia mais

Gabarito-R Profº Jaqueline Química. a) Dados: Solubilidade do KOH em etanol a 25 C

Gabarito-R Profº Jaqueline Química. a) Dados: Solubilidade do KOH em etanol a 25 C 1: a) Dados: Solubilidade do KOH em etanol a 25 C 40 g em 100 ml. Adicionou-se 1,5 g de KOH a 35 ml de etanol, agitando-se continuamente a mistura. 100 ml (etanol) 40 g (KOH) 35 ml (etanol) mkoh mkoh 14

Leia mais

UFSC. Química (Amarela) , temos 10 mol de Mg, ou seja, 243 g de Mg. Resposta: = 98. Comentário

UFSC. Química (Amarela) , temos 10 mol de Mg, ou seja, 243 g de Mg. Resposta: = 98. Comentário Resposta: 02 + 32 + 64 = 98 01. Incorreta. carbonato de magnésio é um sal insolúvel em H 2, logo não dissocia-se em Mg 2+ e (aq) C2. 3(aq) 02. Correta. 12 Mg 2+ = 1s 2 2s 2 2p 6 K L 04. Incorreta. É um

Leia mais

SIMULADO EXTENSIVO QUÍMICA

SIMULADO EXTENSIVO QUÍMICA P R É - V E S T I B U L A R 04.09 QUÍMICA QUESTÃ 49 jornal Folha de São Paulo publicou, em 19/06/07, matéria sobre empresas norte-americanas que estavam falsificando suco de laranja. produto, vendido como

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE COPOLÍMEROS POLI(ETILENO- CO-ACETATO DE VINILA) UTILIZADOS EM ARGAMASSAS COLANTES

CARACTERIZAÇÃO DE COPOLÍMEROS POLI(ETILENO- CO-ACETATO DE VINILA) UTILIZADOS EM ARGAMASSAS COLANTES CARACTERIZAÇÃO DE COPOLÍMEROS POLI(ETILENO- CO-ACETATO DE VINILA) UTILIZADOS EM ARGAMASSAS COLANTES Alexandra A. P. Mansur 1, Herman S. Mansur 1* 1 Depto. Engenharia Metalúrgica e Materiais da Universidade

Leia mais

OBTENÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO BIOPOLÍMERO

OBTENÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO BIOPOLÍMERO BTENÇÃ E CARACTERIZAÇÃ D BIPLÍMER β-(1-4)-d-glucsamina Flavio V. C. Kock 1, Eloi A. S. Filho 1, Aldo S. liveira 1 e Eustáquio V. R. Castro 1 1 Departamento de Química, Universidade Federal do Espírito

Leia mais

Trabalho de Termodinâmica:

Trabalho de Termodinâmica: Trabalho de Termodinâmica: Grupo 7: Alice Toledo de Castro - 201471045 Eduardo Gonçalves Perissé - 201471066 Filipe De Paula Lopes - 201465042A Gian Coelho - 201471037 Rafaela Abreu Campos - 201471031

Leia mais

TIPOS DE ATIVAÇÃO: Ativação térmica ( R. A. A. T. ) Ativação química ( R. A. A. Q. ) Ativação por luz visível. Polimetacrilato de metila

TIPOS DE ATIVAÇÃO: Ativação térmica ( R. A. A. T. ) Ativação química ( R. A. A. Q. ) Ativação por luz visível. Polimetacrilato de metila Disciplina Materiais Dentários II Ano-semestre 2016-1 Titulo da aula Expositor Resinas Acrílicas Prof. Dr. Eclérion Chaves Slides 46 Duração Aproximadamente 1:50 Texto base Plano de aula Anusavice Phillips

Leia mais

ANTONIO REINALDO CESTARI

ANTONIO REINALDO CESTARI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE QUÍMICA MATERIAIS NATURAIS E SINTÉTICOS TICOS PARA REMOÇÃO DE POLUENTES DE ANTONIO REINALDO CESTARI LABORATÓRIO RIO DE SÍNTESE S E APLICAÇÃO DE MATERIAIS

Leia mais

APLICAÇÃO DA FOTOCATÁLISE HETEROGÊNEA NO TRATAMENTO DE AFLATOXINA PROVENIENTE DE RESÍDUOS DE LABORATÓRIOS

APLICAÇÃO DA FOTOCATÁLISE HETEROGÊNEA NO TRATAMENTO DE AFLATOXINA PROVENIENTE DE RESÍDUOS DE LABORATÓRIOS APLICAÇÃO DA FOTOCATÁLISE HETEROGÊNEA NO TRATAMENTO DE AFLATOXINA PROVENIENTE DE RESÍDUOS DE LABORATÓRIOS Alessandra dos Santos SILVA 1, Libânia da Silva RIBEIRO, Claúdio Luis de Araújo NETO, Flaviano

Leia mais

MATERIAIS POLIMÉRICOS

MATERIAIS POLIMÉRICOS ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais MATERIAIS POLIMÉRICOS PMT 2100 - Introdução à Ciência dos Materiais para Engenharia 2º Semestre de

Leia mais

VIABILIDADE DO METODO TERMOGRAVIMETRICO PROPOSTO POR STAWSKI PARA A DETERMINACAO DA RAZÃO AMILOSE:AMILOPECTINA EM AMIDO DE MANDIOCA

VIABILIDADE DO METODO TERMOGRAVIMETRICO PROPOSTO POR STAWSKI PARA A DETERMINACAO DA RAZÃO AMILOSE:AMILOPECTINA EM AMIDO DE MANDIOCA VIABILIDADE DO METODO TERMOGRAVIMETRICO PROPOSTO POR STAWSKI PARA A DETERMINACAO DA RAZÃO AMILOSE:AMILOPECTINA EM AMIDO DE MANDIOCA Resumo: A proporção relativa de amilose:amilopectina varia consideravelmente

Leia mais

APLICAÇÃO DOS POLÍMEROS EM ODONTOLOGIA CLASSIFICAÇÃO DOS POLÍMEROS REQUISITOS PARA UMA RESINA ODONTOLÓGICA. 1. Compatibilidade Biológicos:

APLICAÇÃO DOS POLÍMEROS EM ODONTOLOGIA CLASSIFICAÇÃO DOS POLÍMEROS REQUISITOS PARA UMA RESINA ODONTOLÓGICA. 1. Compatibilidade Biológicos: APLICAÇÃO DOS POLÍMEROS EM ODONTOLOGIA Próteses totais Base, reembasadores, dentes artificiais. Materiais restauradores de cavidades Resinas compostas 2016-1 - Anusavice, Cap. 7 p. 136 Selantes Materiais

Leia mais

R. C. Fonseca 1 ; A. R. de Sousa 1* 1

R. C. Fonseca 1 ; A. R. de Sousa 1* 1 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO COMO FERRAMENTA PARA CONSOLIDAÇÃO DE CONHECIMENTOS SOBRE A RELAÇÃO ENTRE A ESTRUTURA E AS PROPRIEDADES DOS POLÍMEROS, UTILIZANDO O POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE (PEAD) E

Leia mais

HIDRÓLISE DO COPOLÍMERO POLI(ETILENO-CO- ACETATO DE VINILA) EM PASTAS DE CIMENTO ENDURECIDAS

HIDRÓLISE DO COPOLÍMERO POLI(ETILENO-CO- ACETATO DE VINILA) EM PASTAS DE CIMENTO ENDURECIDAS HDRÓLSE DO COPOLÍMERO POL(ETLENO-CO- ACETATO DE VNLA) EM PASTAS DE CMENTO ENDURECDAS Alexandra A. P. Mansur 1 *, Herman S. Mansur 1 * 1 * Depto. de Engenharia Metalúrgica e de Materiais da Universidade

Leia mais

PRODUÇÃO DE BIOPLÁSTICO A PARTIR DA CASCA DA BATATA (Solanum tuberosum)

PRODUÇÃO DE BIOPLÁSTICO A PARTIR DA CASCA DA BATATA (Solanum tuberosum) PRODUÇÃO DE BIOPLÁSTICO A PARTIR DA CASCA DA BATATA (Solanum tuberosum) Kleber Rodrigues Aluno do Curso de Engenharia Ambiental kleber_10rodrigues@hotmail.com Matheus Lima Autor 2 Aluno do Curso de Engenharia

Leia mais

SÍNTESE DO PEG-CO-PLLA PARA APLICAÇÃO EM NANOPARTÍCULAS.

SÍNTESE DO PEG-CO-PLLA PARA APLICAÇÃO EM NANOPARTÍCULAS. SÍNTESE DO PEG-CO-PLLA PARA APLICAÇÃO EM NANOPARTÍCULAS. Manoela A. Prado 1, Franciele Hasman 1, Vanusca D.Jahno 1*, Rosane A. Ligabue 1, Sandra Einloft 1. 1* Faculdade de Química/Pontifícia Universidade

Leia mais

FUVEST 2015 (Questões 1 a 6)

FUVEST 2015 (Questões 1 a 6) (Questões 1 a 6) Provas de Vestibular 1. O metabissulfito de potássio (K 2 S2O 5 ) e o dióxido de enxofre (SO 2 ) são amplamente utilizados na conservação de alimentos como sucos de frutas, retardando

Leia mais

2017 Obtenção da amida do ácido cinâmico através da reação do cloreto do ácido cinâmico com amônia

2017 Obtenção da amida do ácido cinâmico através da reação do cloreto do ácido cinâmico com amônia 217 Obtenção da amida do ácido cinâmico através da reação do cloreto do ácido cinâmico com amônia O O Cl NH 3 NH 2 C 9 H 7 ClO (166.6) (17.) C 9 H 9 NO (147.2) Classificação Tipos de reação e classes de

Leia mais

Capítulo 2. Polímeros: Introdução e conceitos fundamentais. 2.1 Classificação dos polímeros

Capítulo 2. Polímeros: Introdução e conceitos fundamentais. 2.1 Classificação dos polímeros Capítulo 2 Polímeros: Introdução e conceitos fundamentais 2.1 Classificação dos polímeros Segundo suas características tecnológicas os polímeros podem ser classificados em termoplásticos e termorrígidos.

Leia mais

Química de Polímeros. Prof a. Dr a. Carla Dalmolin Polímeros em Solução

Química de Polímeros. Prof a. Dr a. Carla Dalmolin Polímeros em Solução Química de Polímeros Prof a. Dr a. Carla Dalmolin carla.dalmolin@udesc.br Polímeros em Solução Polímeros em Solução Indústria de tintas / vernizes / adesivos Formulação e controle de qualidade Baixo custo

Leia mais

Com relação a estas substâncias citadas, são feitas as afirmativas abaixo.

Com relação a estas substâncias citadas, são feitas as afirmativas abaixo. Aula 1 Prova de Química - omentada 1. [EsPEx-2014] A Aspirina foi um dos primeiros medicamentos sintéticos desenvolvido e ainda é um dos fármacos mais consumidos no mundo. ontém como princípio ativo o

Leia mais

PROPRIEDADES TÉRMICAS, MECÂNICAS E ESTABILIDADE DE FILMES DE PECTINA CÍTRICA E POLI(4-ESTIRENOSSULFONATO DE SÓDIO).

PROPRIEDADES TÉRMICAS, MECÂNICAS E ESTABILIDADE DE FILMES DE PECTINA CÍTRICA E POLI(4-ESTIRENOSSULFONATO DE SÓDIO). Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências Físicas e Matemáticas Departamento de Química PROPRIEDADES TÉRMICAS, MECÂNICAS E ESTABILIDADE DE FILMES DE PECTINA CÍTRICA E POLI(4-ESTIRENOSSULFONATO

Leia mais

3 Caracterização físico - química do PVC

3 Caracterização físico - química do PVC 42 3 Caracterização físico - química do PVC 3.1. Material O policloreto de vinila NORVIC SP 1300HP fornecido pela BRASKEM é um homopolímero de PVC com alto peso molecular, obtido pelo processo de polimerização

Leia mais

DISCIPLINA DE QUÍMICA

DISCIPLINA DE QUÍMICA DISCIPLINA DE QUÍMICA OBJETIVOS: 1ª série Traduzir linguagens químicas em linguagens discursivas e linguagem discursiva em outras linguagens usadas em Química tais como gráficos, tabelas e relações matemáticas,

Leia mais

Ferro de construção, Latas de alumínio, Garrafas de cerveja, Casca de ovo, Areia e cimento. Restos de comida, Embalagens de plástico, Casca de coco.

Ferro de construção, Latas de alumínio, Garrafas de cerveja, Casca de ovo, Areia e cimento. Restos de comida, Embalagens de plástico, Casca de coco. 01 Inorgânico Primeiro Ferro de construção, Latas de alumínio, Garrafas de cerveja, Casca de ovo, Areia e cimento. Orgânico Segundo Restos de comida, Embalagens de plástico, Casca de coco. Resposta: D

Leia mais

5 Discussão de resultados 5.1. Variação dos parâmetros de rede com a composição (x)

5 Discussão de resultados 5.1. Variação dos parâmetros de rede com a composição (x) 5 Discussão de resultados 5.1. Variação dos parâmetros de rede com a composição (x) As análises de difração de raios-x, a temperatura ambiente, para as soluções sólidas: Cr 2x Fe 2-2x Mo 3 O 12, Al 2x

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO QUÍMICA DO EFEITO DA LIGNINA EXTRAÍDA DA FIBRA DE PIAÇAVA NOS FILMES DE AMIDOS DE MANDIOCA E MILHO

CARACTERIZAÇÃO QUÍMICA DO EFEITO DA LIGNINA EXTRAÍDA DA FIBRA DE PIAÇAVA NOS FILMES DE AMIDOS DE MANDIOCA E MILHO CARACTERIZAÇÃO QUÍMICA DO EFEITO DA LIGNINA EXTRAÍDA DA FIBRA DE PIAÇAVA NOS FILMES DE AMIDOS DE MANDIOCA E MILHO C. S de Miranda 1* ; M. S. Ferreira 1 ; M. T. Magalhães 1 ; A. P. B. Gonçalves 1 ; Jamerson

Leia mais

LISTA N 01-3 A, B, C, D, E CATAGUASES PROF. SÍLVIO QUÍMICA ORGÂNICA 3 BIM. ENTREGAR FOLHA DE RESPOSTAS DIA 16/09/2011 (SEXTA FEIRA)

LISTA N 01-3 A, B, C, D, E CATAGUASES PROF. SÍLVIO QUÍMICA ORGÂNICA 3 BIM. ENTREGAR FOLHA DE RESPOSTAS DIA 16/09/2011 (SEXTA FEIRA) 1 LISTA N 01-3 A, B, C, D, E CATAGUASES - 2011 PROF. SÍLVIO QUÍMICA ORGÂNICA 3 BIM. ENTREGAR FOLHA DE RESPOSTAS DIA 16/09/2011 (SEXTA FEIRA) 1. Outra possibilidade para o seqüestro do CO atmosférico é

Leia mais

4024 Síntese enantioseletiva do éster etílico do ácido (1R,2S)-cishidroxiciclopentano-carboxílico

4024 Síntese enantioseletiva do éster etílico do ácido (1R,2S)-cishidroxiciclopentano-carboxílico 4024 Síntese enantioseletiva do éster etílico do ácido (1R,2S)-cishidroxiciclopentano-carboxílico H levedura C 8 H 12 3 C 8 H 14 3 (156,2) (158,2) Classificação Tipos de reação e classes de substâncias

Leia mais

QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA

QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1998 QUESTÃO 01 Uma mistura de hidrogênio, H 2 (g), e oxigênio, O 2 (g), reage, num recipiente hermeticamente fechado, em alta temperatura e em presença de um catalisador, produzindo

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA TABELA PERIÓDICA DOS ELEMENTOS

PROVA DE QUÍMICA TABELA PERIÓDICA DOS ELEMENTOS PROVA DE QUÍMICA TABELA PERIÓDICA DOS ELEMENTOS FONTE: Tabela Periódica da IUPAC/versão 2005(adaptada). Acesso: http://www.iupac.org/reports/periodic_table/ 25 QUESTÃO 3 Analise este quadro, em que se

Leia mais

7ª Ficha de Avaliação de Química Parte III. Versão 1 Indica claramente a versão na tua folha de resposta

7ª Ficha de Avaliação de Química Parte III. Versão 1 Indica claramente a versão na tua folha de resposta 7ª Ficha de Avaliação de Química Parte III Professora Paula Melo Silva Data: 15/05/2012 Turma:12ºA Ano letivo: 2011/2012 Versão 1 Indica claramente a versão na tua folha de resposta 1. O ácido poliglicólico

Leia mais

DIAGRAMA DE FASES. 4) (ITA) Considere as seguintes afirmações relativas aos sistemas descritos a seguir, sob

DIAGRAMA DE FASES. 4) (ITA) Considere as seguintes afirmações relativas aos sistemas descritos a seguir, sob DIAGRAMA DE FASES 1) O gráfico abaixo apresenta a variação das pressões de vapor do sulfeto de carbono, metanol, etanol e água em função da temperatura. De acordo com o gráfico, assinale a afirmativa INCORRETA.

Leia mais

- TEMPERATURA DE EBULIÇÃO - SOLUBILIDADE

- TEMPERATURA DE EBULIÇÃO - SOLUBILIDADE PROPRIEDADES FÍSICAS DOS COMPOSTOS ORGÂNICOS - TEMPERATURA DE EBULIÇÃO - SOLUBILIDADE TEMPERATURA DE EBULIÇÃO Depende do tipo de -LIGAÇÃO INTERMOLECULAR e do - TAMANHO DAS MOLÉCULAS LIGAÇÕES INTERMOLECULARES

Leia mais

Resolução de Questões de Provas Específicas de Química (Aula 7)

Resolução de Questões de Provas Específicas de Química (Aula 7) Resolução de Questões de Provas Específicas de Química (Aula 7) Resolução de Questões de Provas Específicas (Aula 7) 1. (UECE) A tabela periódica já era objeto das preocupações dos antigos químicos a partir

Leia mais

Química Orgânica I. Formas de representação de moléculas orgânicas e interações intermoleculares Aula 3

Química Orgânica I. Formas de representação de moléculas orgânicas e interações intermoleculares Aula 3 Química rgânica I Formas de representação de moléculas orgânicas e interações intermoleculares Aula 3 Profa. Alceni Augusta Werle ProfaTânia Márcia Sacramento Melo 2- Formas de representação de moléculas

Leia mais

ANÁLISE TÉRMICA E RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE COMPÓSITOS DE HDPE E VERMICULITA

ANÁLISE TÉRMICA E RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE COMPÓSITOS DE HDPE E VERMICULITA ANÁLISE TÉRMICA E RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE COMPÓSITOS DE HDPE E VERMICULITA Iara T. D. Oliveira 1 *, Leila L. Y. Visconte 1 1 Instituto de Macromoléculas Professora Eloisa Mano Universidade Federal do Rio

Leia mais

LUAULA. Professor: Eduardo Ulisses

LUAULA. Professor: Eduardo Ulisses LUAULA Professor: Eduardo Ulisses Sobre as ligações químicas, analise as afirmativas. I. Nas estruturas de Lewis, a ligação covalente resulta do compartilhamento de um par de elétrons entre dois átomos.

Leia mais

A respeito das propriedades das substâncias em geral é possível afirmar que:

A respeito das propriedades das substâncias em geral é possível afirmar que: 1 Uma solução química pode ser definida como uma mistura homogênea de uma ou mais substâncias, onde não podem ser observadas separações de fases. Uma solução pode incluir diferentes combinações nas quais

Leia mais

INSTITUTO GEREMARIO DANTAS COMPONENTE CURRICULAR: QUÍMICA EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARCIAL 2016

INSTITUTO GEREMARIO DANTAS COMPONENTE CURRICULAR: QUÍMICA EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARCIAL 2016 INSTITUTO GEREMARIO DANTAS Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Fone: (21) 21087900 Rio de Janeiro RJ www.igd.com.br Aluno(a): 1º Ano: C11 Nº Professora: Lúcia Nascimento COMPONENTE CURRICULAR:

Leia mais

ANÁLISE TERMOGRAVIMÉTRICA DA BIOESPUMA POLIURETANA DO PROJETO DE PRODUTO GASOLIMP COMO AGENTE COGERADOR DE ENERGIA

ANÁLISE TERMOGRAVIMÉTRICA DA BIOESPUMA POLIURETANA DO PROJETO DE PRODUTO GASOLIMP COMO AGENTE COGERADOR DE ENERGIA ANÁLISE TERMOGRAVIMÉTRICA DA BIOESPUMA POLIURETANA DO PROJETO DE PRODUTO GASOLIMP COMO AGENTE COGERADOR DE ENERGIA Juan Carlos Viñas Cortez Msc. em Meio ambiente Universidade Federal da Paraíba cortez.juancarlos@gmail.com

Leia mais

2. Considerando a figura dada na questão 2, explique a principal dificuldade de conformação da sílica fundida em relação ao vidro de borosilicato.

2. Considerando a figura dada na questão 2, explique a principal dificuldade de conformação da sílica fundida em relação ao vidro de borosilicato. Lista de Exercícios Materiais Cerâmicos 1. Num vidro, a deformação pode ocorrer por meio de um escoamento isotrópico viscoso se a temperatura for suficientemente elevada. Grupos de átomos, como por exemplo

Leia mais

QUÍMICA. CO (g) + 2H 2 (g) CH 3 OH(g) 1M 2M 0 1M x 2M 2x 0 + x 0,5M 1M 0,5M PROVA 3 - CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 05 RESPOSTA: 29 - NÍVEL FÁCIL

QUÍMICA. CO (g) + 2H 2 (g) CH 3 OH(g) 1M 2M 0 1M x 2M 2x 0 + x 0,5M 1M 0,5M PROVA 3 - CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 05 RESPOSTA: 29 - NÍVEL FÁCIL PROVA 3 - CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS É uma forma de os professores do Colégio Platão contribuírem com seus alunos, orientando-os na resolução das questões do vestibular da UEM. Este caderno ajuda o vestibulando

Leia mais

"PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE ADESIVO PARA SUPERFÍCIES DE VIDROS, CERÂMICAS, ALVENARIAS E PLÁSTICOS À BASE DE LÁTEX DE BORRACHA NATURAL MODIFICADO POR

PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE ADESIVO PARA SUPERFÍCIES DE VIDROS, CERÂMICAS, ALVENARIAS E PLÁSTICOS À BASE DE LÁTEX DE BORRACHA NATURAL MODIFICADO POR "PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE ADESIVO PARA SUPERFÍCIES DE VIDROS, CERÂMICAS, BORRACHA NATURAL MODIFICADO POR POLIFOSFATO" 5 A presente invenção se refere a um processo de fabricação de adesivo à base de látex

Leia mais

Métodos de Determinação da Massa Molar. Fábio Herbst Florenzano

Métodos de Determinação da Massa Molar. Fábio Herbst Florenzano Métodos de Determinação da Massa Molar Fábio Herbst Florenzano Importância da Massa Molar Média A maioria das propriedades mecânicas, termomecânicas, reológicas e outras dependem da massa molar média.

Leia mais

Espectroscopia de IV. Para que um modo vibracional seja activo no IV tem que estar associado a variações do momento dipolar da molécula.

Espectroscopia de IV. Para que um modo vibracional seja activo no IV tem que estar associado a variações do momento dipolar da molécula. A espectroscopia de infravermelhos (IV) baseia-se na observação de que as ligações químicas apresentam frequências específicas às quais vibram, a níveis de energia bem definidos. Estas frequências de vibração,

Leia mais

9ª LISTA - EXERCÍCIOS DE PROVAS 1 a. Lei da Termodinâmica

9ª LISTA - EXERCÍCIOS DE PROVAS 1 a. Lei da Termodinâmica Pg. 1/5 1 a Questão Na combustão completa de 1,00 L de gás natural, a 25,0 C e pressão constante de 1,00 atm, houve liberação de 43,6 kj de calor. Sabendo que este gás é uma mistura contendo metano, CH

Leia mais

Revisão Específicas. Química Monitores: Luciana Lima e Rafael França 02-08/11/2015. Material de Apoio para Monitoria

Revisão Específicas. Química Monitores: Luciana Lima e Rafael França 02-08/11/2015. Material de Apoio para Monitoria Revisão Específicas 1. As conchas marinhas não se dissolvem apreciavelmente na água do mar, por serem compostas, na sua maioria, de carbonato de cálcio, um sal insolúvel cujo produto de solubilidade é

Leia mais

OBTENÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE HIDROGÉIS À BASE DE POLIVINIL ÁLCOOL DE DIFERENTES PROPRIEDADES

OBTENÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE HIDROGÉIS À BASE DE POLIVINIL ÁLCOOL DE DIFERENTES PROPRIEDADES OBTENÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE HIDROGÉIS À BASE DE POLIVINIL ÁLCOOL DE DIFERENTES PROPRIEDADES Alcântara, M.T.S.; Varca, G.H.C.; Giannini, D. R.; Riella, H.G.; Lugão, A.B. Instituto de Pesquisas Energéticas

Leia mais

PFA PTFE POLIAMIDA PU EVA EPOXI

PFA PTFE POLIAMIDA PU EVA EPOXI Ultra Polimeros PEEK Polimeros de Alta-Performance Polimeros de Engenharia PFA PTFE POLIAMIDA PU EVA EPOXI SEMI-CRISTALINO PEEK - Poli(éter-éter-cetona) PEEK é um termoplástico de Ultra Performance que

Leia mais

LICENCIATURA EM QUÍMICA QUÍMICA ORGÂNICA I SEGUNDO SEMESTRE 2014 PLANO DE CURSO Professora: Ana Júlia Silveira

LICENCIATURA EM QUÍMICA QUÍMICA ORGÂNICA I SEGUNDO SEMESTRE 2014 PLANO DE CURSO Professora: Ana Júlia Silveira LICENCIATURA EM QUÍMICA QUÍMICA ORGÂNICA I SEGUNDO SEMESTRE 2014 PLANO DE CURSO Professora: Ana Júlia Silveira EMENTA QUÍMICA ORGÂNICA I Introdução a química orgânica: teoria estrutural e o átomo de carbono

Leia mais