Qual o significado de Diáspora em tempo de globalização? A relação controversa entre Império, lusofonia e portugalidade.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Qual o significado de Diáspora em tempo de globalização? A relação controversa entre Império, lusofonia e portugalidade."

Transcrição

1 IV Congresso Internacional em Estudos Culturais Colonialismos, Pós-colonialismos e Lusofonias (Capela 2) abril, Museu de Santa Joana - Aveiro Qual o significado de Diáspora em tempo de globalização? A relação controversa entre Império, lusofonia e portugalidade. CECS - Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (Universidade do Minho) Doutorando em Ciências da Comunicação Teoria da Cultura ( Da portugalidade à lusofonia ) Orientação: Doutor Moisés de Lemos Martins

2 O que significa falar, hoje, em diáspora? -A dispersão, associada à origem do conceito, ainda serve de significado em tempo de globalização? -Existe apenas uma ou várias diásporas? -Relação? Império, descolonização, Diáspora, Portugal, portugalidade, lusofonia. -Stuart Hall (1998); Robin Cohen (1997); Fred W. Riggs (2000); Homi Bhabha (1998); Eric Morier-Genoud & Michel Cahen (2013); Eduardo Lourenço (2004). 2

3 Império -Edward Said (1994): o fim do colonialismo não impediu que o imperialismo persistisse. -Eric Morier-Genoud & Michel Cahen (2013): Império e diáspora tornaram-se tão populares e prevalentes, que hoje são polissémicos e, nesse sentido, muito problemáticos para os utilizar de forma estrita e precisa. -Fernando Rosas (2001): um dos mitos ideológicos fundadores do Estado Novo é o mito imperial. 3

4 Diáspora, lusofonia e alguns equívocos -Miguel Real (2012): vocação histórica de Portugal. -Alfredo Margarido (2000): a lusofonia não pode separar-se de uma certa carga messiânica, que procura assegurar aos portugueses inquietos um futuro senão promissor. -Eduardo Lourenço (2004): lusofonia não constitui nenhum reino, mesmo encartadamente folclórico e que tem subjacente a genealogia que a distingue entre outras línguas românicas e a memória cultural que, consciente ou inconscientemente, a ela se vincula. -Moisés de Lemos Martins (2006): a lusofonia é aquilo que os países lusófonos são como língua e cultura no passado, mas também, sobretudo, com o presente e com o destino do continente imaterial que estes países constituem ; 4

5 Diáspora e portugalidade : um contrassenso? - Portugal pelo Mundo disperso (2013): os portugueses sempre sentiram o apelo da partida, justificada com a localização geográfica do país, apontando como eventuais justificações a mera aventura ou a procura de melhores condições de vida. -Sheila Khan (2008): relações Portugal e ex-colónias foram produzindo nichos e universos de interculturalidade e de vivências mescladas, crioulizadas, hibridismos entre colonizados e colonizadores e que, indubitavelmente, se espraiam até aos dias de hoje. - portugalidade : [cunhagem termo] -Eduardo Lourenço (é uma aberração ( ) que a nossa longa gesta emigrante ( ) seja percebida como diáspora -Lourenço/Margarido: lusofonia não pode, nem sequer metaforicamente, ser pensada e imaginada como espaço de portugalidade - discurso político [Cavaco Silva] portugalidade na diáspora 5

6 Diáspora: -Ângulo aberto [pode semear equívocos, mormente através classe política associação à portugalidade ligação ideológica, mesmo contextualizando]. -Diáspora associada à emigração: S. Hall (1998) faz a destrinça entre a que reboca uma série de constrangimentos e a que tem um recorte VIP (de sublinhar, a este propósito, a boa vida dos portugueses no mundo). Sheila Khan (2008): O desejo compulsivo de uma recriação identitária sinaliza a presença de exílios identitários e, simultaneamente, pátrios, pois a impossibilidade de identificação quer com uma narrativa subjetiva que seja coerente, quer com uma pátria é, marcadamente, inexistente. 6

7 Diáspora: -Stuart Hall (1998) o conceito de diáspora assenta numa conceção binária de diferença, na ideia que depende da construção de um outro, e de uma oposição rígida entre o dentro e o fora -Umberto Eco (1998) É a entrada do outro que determina o começo de uma dimensão ética -Maria Manuel Baptista (2006) O Outro, seja ele quem for ( ) só pode ser acedido, não a partir da epistemologia, mas da ética e, eventualmente, de um modelo hermenêutico que se inspire numa certa estética -Dominique Wolton (2003) Refere-se a um outro que já não é abstrato nem distante, mas omnipresente, sem porém ser mais familiar ou compreensível -À diáspora deve estar associada a interculturalidade o que, no caso português, deverá passar por toda uma abertura de modo a equacionar a pós-colonialidade integrando todas as partes do processo 7

8 Diáspora [Decolonisation and Diaspora ] John Darwin (2013) O nosso mundo moderno "globalizado" foi o resultado imprevisto e imprevisível de uma conjuntura extraordinária: O colapso da União Soviética e do seu "bloco de Leste", a abertura da China, a desregulamentação financeira das economias ocidentais, a revolução nas comunicações trazida pela Internet e pela sua onipresença. Mas este mundo globalizado também foi o produto de duas outras mudanças transformadoras: a descolonização e a diáspora (que não foram fenómenos distintos) 8

Qual o significado de Diáspora em tempo de globalização? A relação controversa entre Império, lusofonia e portugalidade

Qual o significado de Diáspora em tempo de globalização? A relação controversa entre Império, lusofonia e portugalidade Resumo: O que significa falar, hoje, em diáspora? A dispersão, associada à origem do conceito, ainda serve de significado em tempo de globalização? Existe apenas uma ou várias diásporas? Com este artigo

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro Perfil de aprendizagem de História 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Das sociedades recolectoras às primeiras civilizações Das sociedades recolectoras às primeiras sociedades produtoras 1. Conhecer o processo

Leia mais

10 Referências Bibliográficas

10 Referências Bibliográficas 61 10 Referências Bibliográficas BOSI, Alfredo. Dialética da Colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. CALAFATE RIBEIRO, Margarida. Uma história de regressos: império, guerra colonial e pós-colonialismo.

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL GR DISCIPLINA HISTÓRIA 9ºANO 3º período

PLANIFICAÇÃO ANUAL GR DISCIPLINA HISTÓRIA 9ºANO 3º período Total -10 tempos PLANIFICAÇÃO ANUAL GR 400 - DISCIPLINA HISTÓRIA 9ºANO 3º período Tratamento de informação/ utilização de fontes: Formular hipóteses de interpretação dos princípios que nortearam a criação

Leia mais

Tendências do Ensino e Investigação Académica em História da Contabilidade em Portugal

Tendências do Ensino e Investigação Académica em História da Contabilidade em Portugal VII ENCONTRO DE HISTÓRIA DA CONTABILIDADE LISBOA, 28 DE NOVEMBRO DE 2014 Tendências do Ensino e Investigação Académica em História da Contabilidade em Portugal ÂNGELA PATRÍCIA BARBEDO DOUTORANDA EM CONTABILIDADE

Leia mais

8.º Ano Expansão e mudança nos séculos XV e XVI O expansionismo europeu Renascimento, Reforma e Contrarreforma

8.º Ano Expansão e mudança nos séculos XV e XVI O expansionismo europeu Renascimento, Reforma e Contrarreforma Escola Secundária Dr. José Afonso Informação-Prova de Equivalência à Frequência História Prova 19 2016 3.º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V GRUPO DA ÁREA DISCIPLINAR DE HISTÓRIA História e Geografia de Portugal Informação aos Pais / Encarregados de Educação, turma 3 Programação do 5º ano 1. Aulas previstas (tempos letivos) 5º1 5º2 1º período

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Pró-Reitoria de Graduação PROGRAD - Coordenação de Processos Seletivos COPESE www.ufvjm.edu.br - copese@ufvjm.edu.br UNIVERSIDADE

Leia mais

Material de divulgação da Editora Moderna

Material de divulgação da Editora Moderna Material de divulgação da Editora Moderna Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular GEOPOLÍTICA E GEOESTRATÉGIA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular GEOPOLÍTICA E GEOESTRATÉGIA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular GEOPOLÍTICA E GEOESTRATÉGIA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Relações Internacionais 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

Resenha. BHABHA, Homi K. Interrogando a Identidade: Frantz Fanon e a prerrogativa pós-colonial. In: O Local da Cultura. Belo Horizonte: EDUFMG, 2005.

Resenha. BHABHA, Homi K. Interrogando a Identidade: Frantz Fanon e a prerrogativa pós-colonial. In: O Local da Cultura. Belo Horizonte: EDUFMG, 2005. Resenha BHABHA, Homi K. Interrogando a Identidade: Frantz Fanon e a prerrogativa pós-colonial. In: O Local da Cultura. Belo Horizonte: EDUFMG, 2005. O Local da Cultura: interrogando a identidade Homi K.

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O R E C Ô N C A V O D A

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O R E C Ô N C A V O D A U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O R E C Ô N C A V O D A B A H I A PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO E INTEGRAÇÃO ACADÊMICA NÚCLEO DE GESTÃO DIDÁTICO PEDAGÓGICO P R OGRAMA

Leia mais

CURRÍCULO DO ENSINO RELIGIOSO NA EDUCAÇÃO BÁSICA. Prof. Elcio Cecchetti

CURRÍCULO DO ENSINO RELIGIOSO NA EDUCAÇÃO BÁSICA. Prof. Elcio Cecchetti CURRÍCULO DO ENSINO RELIGIOSO NA EDUCAÇÃO BÁSICA Prof. Elcio Cecchetti elcio.educ@terra.com.br ENSINO RELIGIOSO? Como? Outra vez? O quê? Por quê? Para quê? O ENSINO RELIGIOSO NA ESCOLA PÚBLICA DO PASSADO

Leia mais

UNICAMP IMPERIALISMO HISTÓRIA GEAL

UNICAMP IMPERIALISMO HISTÓRIA GEAL 1. (Unicamp 95) Ao exaltar o imperialismo inglês, Rudyard Kipling escreveu em um de seus poemas: "Aceitai o fardo do homem branco, Enviai os melhores dos vossos filhos, Condenai vossos filhos ao exílio,

Leia mais

Aulas Previstas 1º período - 2º período 3º período - O (a) professor (a) em /09/2008

Aulas Previstas 1º período - 2º período 3º período - O (a) professor (a) em /09/2008 1 Programa de História e Geografia de Portugal - 5º ANO Tema A A Península Ibérica lugar de passagem e fixação Subtema 1 Ambiente natural e primeiros povos Subtema 2 Os romanos na PI resistência e romanização

Leia mais

RESENHA/REVIEW D.E.L.T.A., 27:1, 2011 ( )

RESENHA/REVIEW D.E.L.T.A., 27:1, 2011 ( ) RESENHA/REVIEW FREIXO, Adriano de. 2009. Minha pátria é a língua portuguesa: a construção da idéia de lusofonia em Portugal. Rio de Janeiro: Apicuri. 204p.isbn Resenhado por/by: Carla Macedo MARTINS (Pesquisadora

Leia mais

Hermenêutica da Linguagem. Ambiguidade E vagueza da linguagem legal. Usos e contextos. Professora Edna Ferraresi

Hermenêutica da Linguagem. Ambiguidade E vagueza da linguagem legal. Usos e contextos. Professora Edna Ferraresi Hermenêutica da Linguagem. Ambiguidade E vagueza da linguagem legal. Usos e contextos Professora Edna Ferraresi Vagueza na linguagem Legal Direito Positivo apresenta falhas chegando a ser injusto. E por

Leia mais

Impacto Económico da Língua Portuguesa. Prof. Doutora Maria Sousa Galito 09/01/2013

Impacto Económico da Língua Portuguesa. Prof. Doutora Maria Sousa Galito 09/01/2013 Impacto Económico da Língua Portuguesa da Prof. Doutora Maria Sousa Galito 09/01/2013 227,997 M Prof. Sousa Galito Centro de Investigação em Ciência Política e Relações Internacionais: www.ci-cpri.com

Leia mais

Língua Portuguesa, Redes Digitais e Lusofonia

Língua Portuguesa, Redes Digitais e Lusofonia Língua Portuguesa, Redes Digitais e Lusofonia Moisés de Lemos Martins Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS), Universidade do Minho moiseslmartins@gmail.com ; moisesm@ics.uminho.pt 1. As línguas

Leia mais

Integridade Familiar na velhice: o caso de ex-emigrantes Portugueses

Integridade Familiar na velhice: o caso de ex-emigrantes Portugueses Integridade Familiar na velhice: o caso de ex-emigrantes Portugueses Filipa Marques e Liliana Sousa Secção Autónoma de Ciências da Saúde - Universidade de Aveiro II Congresso Internacional A voz dos avós:

Leia mais

A (In)visibilidade do olhar colonial em Vera Cruz de Rosângela Rennó

A (In)visibilidade do olhar colonial em Vera Cruz de Rosângela Rennó A (In)visibilidade do olhar colonial em Vera Cruz de Rosângela Rennó In Ana Salgueiro Rodrigues (ed.), Newsletter do Centro de Estudos de História do Atlântico, nº 14, Cultura & Conflito, pp.25-27. Presentemente

Leia mais

Teorias Pós-coloniais (plano de curso)

Teorias Pós-coloniais (plano de curso) Teorias Pós-coloniais (plano de curso) Professores responsáveis: Francisco Sá Barreto Júlia Figueredo Benzaquen Estagiária docente: Camila Pimentel Lopes de Melo Ementa: Colonialismo e pós-colonialidade;

Leia mais

Vagas Unidades Curriculares Singulares ano letivo de 2016/17

Vagas Unidades Curriculares Singulares ano letivo de 2016/17 Vagas Unidades Curriculares Singulares ano letivo de 2016/17 Os pedidos de inscrição em unidades curriculares que não constem nesta lista devem passar pela aprovação prévia do respetivo Diretor do Curso.

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS PSICOPEDAGÓGICOS DE MACEIÓ PROFª. MÔNICA GUIMARÃES GEOGRAFIA - 8º ANO

CENTRO DE ESTUDOS PSICOPEDAGÓGICOS DE MACEIÓ PROFª. MÔNICA GUIMARÃES GEOGRAFIA - 8º ANO CENTRO DE ESTUDOS PSICOPEDAGÓGICOS DE MACEIÓ PROFª. MÔNICA GUIMARÃES GEOGRAFIA - 8º ANO O CONTINENTE AMERICANO A AMÉRICA NO MAPA-MUNDÍ LOCALIZAÇÃO E CARACTERÍSTICAS GERAIS LOCALIZAÇÃO DO CONTINENTE AMERICANO

Leia mais

III Congresso Internacional sobre Culturas - Interfaces da Lusofonia

III Congresso Internacional sobre Culturas - Interfaces da Lusofonia III Congresso Internacional sobre Culturas - Interfaces da Lusofonia Discussion published by Carla Alferes Pinto on Monday, January 16, 2017 III Congresso Internacional sobre Culturas - Interfaces da Lusofonia

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V GRUPO DISCIPLINAR DE HISTÓRIA HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Informação aos Pais / Encarregados de Educação Programação do 5º ano Turma 1 1. Aulas previstas (Tempos letivos) 2. Conteúdos a leccionar

Leia mais

Intervenções e Experiências - 2 histórias

Intervenções e Experiências - 2 histórias Intervenções e Experiências - 2 histórias Trabalho realizado por: Ana Sofia Vale Patrícia Gonçalves Rosa Silvestre Intervenção realizada para o I Congresso Luso-Brasileiro de Psicologia da Saúde- Experiências

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS PSICOPEDAGÓGICOS DE MACEIÓ PROFª. MÔNICA GUIMARÃES GEOGRAFIA - 8º ANO

CENTRO DE ESTUDOS PSICOPEDAGÓGICOS DE MACEIÓ PROFª. MÔNICA GUIMARÃES GEOGRAFIA - 8º ANO CENTRO DE ESTUDOS PSICOPEDAGÓGICOS DE MACEIÓ PROFª. MÔNICA GUIMARÃES GEOGRAFIA - 8º ANO O CONTINENTE AMERICANO A AMÉRICA NO MAPA-MUNDÍ LOCALIZAÇÃO E CARACTERÍSTICAS GERAIS LOCALIZAÇÃO DO CONTINENTE AMERICANO

Leia mais

CONTEÚDO DA RECUPERAÇÃO 6º ANO

CONTEÚDO DA RECUPERAÇÃO 6º ANO 6º ANO - Interpretação textual; - Acentuação gráfica; - Ortografia; - Substantivo Adjetivo (flexão: número, gênero e grau); - Artigo Numeral (flexão: gênero - número). - Unidade 3 geometria (páginas 86

Leia mais

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução Tomás Tadeu da Silva, Guacira Lopes Louro. 11. ed., 1. reimp. Rio de Janeiro: DP&A, 2011.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução Tomás Tadeu da Silva, Guacira Lopes Louro. 11. ed., 1. reimp. Rio de Janeiro: DP&A, 2011. HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução Tomás Tadeu da Silva, Guacira Lopes Louro. 11. ed., 1. reimp. Rio de Janeiro: DP&A, 2011. Thayane Lopes Oliveira 1 Stuart Hall trabalha nesta

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação Disciplina: Geografia Trimestre: 1º PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 1. Mundo contemporâneo: economia e geopolítica: - Processo de desenvolvimento do capitalismo - Geopolítica e economia do pós-segunda

Leia mais

FACULDADE INTERDISCIPLINAR DE HUMANIDADES CURSO: BACHARELADO EM HUMANIDADES CURSOS: LICENCIATURAS GEOGRAFIA, HISTÓRIA, LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS,

FACULDADE INTERDISCIPLINAR DE HUMANIDADES CURSO: BACHARELADO EM HUMANIDADES CURSOS: LICENCIATURAS GEOGRAFIA, HISTÓRIA, LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS, FACULDADE INTERDISCIPLINAR DE HUMANIDADES CURSO: BACHARELADO EM HUMANIDADES CURSOS: LICENCIATURAS GEOGRAFIA, HISTÓRIA, LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS, LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL, PEDAGOGIA EIXO DE FORMAÇÃO DE

Leia mais

CALENDÁRIO DE AVALIAÇÕES 1º TRIMESTRE ABRIL/2014 TURMA 311. Professora Simone

CALENDÁRIO DE AVALIAÇÕES 1º TRIMESTRE ABRIL/2014 TURMA 311. Professora Simone TURMA 311 Professora Simone 1 2 3 4 5 13 14 15 16 17 18 19 TURMA 411 Professora Simone 1 2 3 4 5 13 14 15 16 17 18 19 TURMA 412 Professora Ana Paula 1 2 3 4 5 13 14 15 16 17 18 19 TURMA 511 Professora

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Benedito Silva Neto Disciplina de Teorias e experiências comparadas de desenvolvimento Universidade Federal da Fronteira Sul campus Cerro Largo

Benedito Silva Neto Disciplina de Teorias e experiências comparadas de desenvolvimento Universidade Federal da Fronteira Sul campus Cerro Largo Benedito Silva Neto Disciplina de Teorias e experiências comparadas de desenvolvimento Universidade Federal da Fronteira Sul campus Cerro Largo 2017: Centenário da Revolução Russa! Introdução Aspectos

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO Educação do jeito que deve ser 3ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA QUESTÕES FECHADAS

COLÉGIO XIX DE MARÇO Educação do jeito que deve ser 3ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA QUESTÕES FECHADAS COLÉGIO XIX DE MARÇO Educação do jeito que deve ser 2016 3ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA QUESTÕES FECHADAS Aluno(a): Nº Ano: 1º Turma: Data: 24/11/2016 Nota: Professor Edvaldo de Oliveira Valor da Prova:

Leia mais

Etnografia A prática etnográfica torna-se uma descrição preconceitual da cultura de uma raça a partir de pressupostos hegemônicos dos conquistadores

Etnografia A prática etnográfica torna-se uma descrição preconceitual da cultura de uma raça a partir de pressupostos hegemônicos dos conquistadores COLONIZAÇÃO OLONIZAÇÃO & D & DESCOLONIZAÇÃO Professora Ms. Claudiana Soerensen Poder e Controle Etnografia A prática etnográfica torna-se uma descrição preconceitual da cultura de uma raça a partir de

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Esta Resolução entra em vigor nesta data, alterando a resolução CONSEPE 18/2014 e demais disposições contrárias.

R E S O L U Ç Ã O. Esta Resolução entra em vigor nesta data, alterando a resolução CONSEPE 18/2014 e demais disposições contrárias. RESOLUÇÃO CONSEPE 19/2015 ALTERA LINHAS DE PESQUISA E RESPECTIVAS MATRIZES CURRICULARES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. O Presidente do Conselho

Leia mais

HISTÓRIA A 12º ANO CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO DE LÍNGUAS E HUMANIDADES

HISTÓRIA A 12º ANO CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO DE LÍNGUAS E HUMANIDADES HISTÓRIA A 1º ANO CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO DE LÍNGUAS E HUMANIDADES PLANIFICAÇÃO ANUAL 01-017 Américo Costa Maria da Graça Castro Escola Secundária de Caldas das Taipas Setembro de 01 ESCOLA SECUNDÁRIA

Leia mais

CAUSAS DA EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

CAUSAS DA EMIGRAÇÃO PORTUGUESA Portugal é por tradição um país de migrações, dado que apesar do incremento da imigração, os portugueses continuam a emigrar... CAUSAS DA EMIGRAÇÃO PORTUGUESA A motivação económica, que se traduz pela

Leia mais

Disciplina: História Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz de:

Disciplina: História Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz de: A herança do Mediterrâneo Antigo Das sociedades recoletoras às primeiras civilizações CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz de: Ensino Básico

Leia mais

A EUROPA NO MUNDO E O MUNDO NA EUROPA: CRISE E IDENTIDADE PROGRAMA. 18 de Junho 9h30 12h30

A EUROPA NO MUNDO E O MUNDO NA EUROPA: CRISE E IDENTIDADE PROGRAMA. 18 de Junho 9h30 12h30 18 de Junho 9h30 12h30 Abertura Anfiteatro do Instituto de Educação Helena Sousa Presidente do Instituto de Ciências Sociais Moisés Martins Director do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade Manuel

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO DECRETA:

A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO DECRETA: 1993 Nº Despacho PROJETO DE LEI Nº 377/93 CRIA O ECOMUSEU DO FLAMENGO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Lei nº 2360/95 Sancionada em 06/09/95 Autora: Vereadora LEILA MAYWALD A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA DE RECUPERAÇÃO DE GEOGRAFIA Aluno: Nº Série: 8º Turma: Data: Nota: Professora: Edvaldo Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Escritos de Max Weber

Escritos de Max Weber Escritos de Max Weber i) 1903-1906 - A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1ª parte, em 1904; 2ª parte em 1905; introdução redigida em 1920); - A objetividade do conhecimento nas Ciências Sociais

Leia mais

POLÍTICAS CULTURAIS EM ÁFRICA

POLÍTICAS CULTURAIS EM ÁFRICA POLÍTICAS CULTURAIS EM ÁFRICA Patrimónios de Influência Portuguesa www.patrimonios.pt Literaturas Africanas em 4 livros Heritage of Portuguese Influence (base de dados) www.hpip.org José Luandino Vieira

Leia mais

A NEGAÇÃO DO CORPO NEGRO: representações sobre o corpo no ensino da educação física

A NEGAÇÃO DO CORPO NEGRO: representações sobre o corpo no ensino da educação física 158 RESENHA A NEGAÇÃO DO CORPO NEGRO: representações sobre o corpo no ensino da educação física Anália de Jesus Moreira 1 Universidade Federal do Recôncavo da Bahia e Universidade Federal da Bahia. Dissertação

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO, LÍNGUA INGLESA E A RELAÇÃO OPRESSORA COM AS LÍNGUA AFRICANAS

GLOBALIZAÇÃO, LÍNGUA INGLESA E A RELAÇÃO OPRESSORA COM AS LÍNGUA AFRICANAS GLOBALIZAÇÃO, LÍNGUA INGLESA E A RELAÇÃO OPRESSORA COM AS LÍNGUA AFRICANAS Paula de Sousa Costa RESENHA DO LIVRO: RODRIGUES, Ângela. L. A língua inglesa na África: opressão, negociação e resistência. 1

Leia mais

Sociologia. Surgimento e principais tópicos. Prof. Alan Carlos Ghedini

Sociologia. Surgimento e principais tópicos. Prof. Alan Carlos Ghedini Sociologia Surgimento e principais tópicos Prof. Alan Carlos Ghedini Podemos entender a sociologia, de modo geral, como a área de estudo que se dedica a entender o comportamento humano em sociedade. São

Leia mais

Escola Básica do 2º e 3ºCiclo Dr. Alfredo Ferreira Nóbrega Júnior

Escola Básica do 2º e 3ºCiclo Dr. Alfredo Ferreira Nóbrega Júnior Escola Básica do 2º e 3ºCiclo Dr. Alfredo Ferreira Nóbrega Júnior Informação - Prova de Equivalência à Frequência de 3º ciclo - Geografia Disciplina (código: 18) Prova 2014/ 2015 9º Ano de Escolaridade

Leia mais

UNIDADE I AS CONTRADIÇÕES DA EXPANSÃO CAPITALISTA E O ADVENTO DO SOCIALISMO... 12

UNIDADE I AS CONTRADIÇÕES DA EXPANSÃO CAPITALISTA E O ADVENTO DO SOCIALISMO... 12 Sumário UNIDADE I AS CONTRADIÇÕES DA EXPANSÃO CAPITALISTA E O ADVENTO DO SOCIALISMO... 12 Capítulo 1 Os Estados Unidos: o nascimento de uma potência... 14 Os primeiros passos do país independente... 15

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

CURSO DE PREPARAÇÃO PARA O CONCURSO DE INGRESSO NA CARREIRA DIPLOMÁTICA. Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa

CURSO DE PREPARAÇÃO PARA O CONCURSO DE INGRESSO NA CARREIRA DIPLOMÁTICA. Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa CURSO DE PREPARAÇÃO PARA O CONCURSO DE INGRESSO NA CARREIRA DIPLOMÁTICA Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa 2017 Organizado de acordo com os temas do regulamento do concurso Coordenação Científica:

Leia mais

6º Ano A/B CRONOGRAMA DO BLOCO AVALIATIVO/ 2ª UNIDADE DATA. Conhecendo o solo / Usos do solo. CIÊNCIAS. Segunda- Feira 09/05

6º Ano A/B CRONOGRAMA DO BLOCO AVALIATIVO/ 2ª UNIDADE DATA. Conhecendo o solo / Usos do solo. CIÊNCIAS. Segunda- Feira 09/05 6º Ano A/B Segue o roteiro do Bloco Avaliativo referente à II unidade. Cada disciplina contemplará 05 questões, que equivale a 0,4 décimos, cada, totalizando 2,0 pontos por disciplina. DATA Segunda- Feira

Leia mais

EMPREENDIMENTO: Bosque Heliópolis. Novo Heliópolis - Garanhuns-PE 24 meses após a assinatura do contrato CAIXA. CORREÇÃO: BLOCO: INCC

EMPREENDIMENTO: Bosque Heliópolis. Novo Heliópolis - Garanhuns-PE 24 meses após a assinatura do contrato CAIXA. CORREÇÃO: BLOCO: INCC BLOCO: 1 104 L 51 m² 121.000,00 2.000,00 3.000,00 347,22 103.500,00 BLOCO: 2 004 L 51 m² 121.000,00 2.000,00 3.000,00 347,22 103.500,00 102 L 51 m² 121.000,00 2.000,00 3.000,00 347,22 103.500,00 BLOCO:

Leia mais

1. HIStóRIA E CONStRUÇÃO ImAgINáRIA DAS NAÇõES A Europa das nações ou a nação Europa: mitos de origem passados e presentes...

1. HIStóRIA E CONStRUÇÃO ImAgINáRIA DAS NAÇõES A Europa das nações ou a nação Europa: mitos de origem passados e presentes... índice PREfáCIO...5 Guilherme de Oliveira Martins INtRODUÇÃO...7 José Eduardo Franco, Maria Manuel Baptista e Beata Cieszynska 729 1. HIStóRIA E CONStRUÇÃO ImAgINáRIA DAS NAÇõES...11 A Europa das nações

Leia mais

A FORMAÇÃO DO CAPITALISMO E SUAS FASES MÓDULO 02

A FORMAÇÃO DO CAPITALISMO E SUAS FASES MÓDULO 02 A FORMAÇÃO DO CAPITALISMO E SUAS FASES MÓDULO 02 Sistema político econômico que tem como principal foco a acumulação de capitais, ou seja, moedas, recursos ou produtos que de alguma forma representem o

Leia mais

PROVA ESCRITA DE HISTÓRIA DO BRASIL

PROVA ESCRITA DE HISTÓRIA DO BRASIL PROVA ESCRITA DE HISTÓRIA DO BRASIL Na prova a seguir, faça o que se pede, usando, caso julgue necessário, as páginas para rascunho constantes deste caderno. Em seguida, transcreva os textos para as respectivas

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS EDITAL Nº 162/2014 ARTES ÁREA 1

CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS EDITAL Nº 162/2014 ARTES ÁREA 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CÂMPUS CONGONHAS CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS EDITAL

Leia mais

GEOGRAFIA 8ª Série Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: Nº.: Turma:

GEOGRAFIA 8ª Série Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: Nº.: Turma: GEOGRAFIA 8ª Série Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: Nº.: Turma: REVISANDO CONHECIMENTOS PARA O EXAME FINAL SOBRE A NOVA ORDEM MUNDIAL: (caderno + capítulo 12) 1. Explique o que devemos entender

Leia mais

Água. um desafio sem Espaço nem Tempo

Água. um desafio sem Espaço nem Tempo Água um desafio sem Espaço nem Tempo U n i v e r s i d a d e C a t ó l i c a E d i t o r a L I S B O A 2 0 0 9 7 Preâmbulo F. Xavier Malcata A água nas Ciências Humanas 11 A água e a arquitectura António

Leia mais

HISTÓRIA. Questões de 01 a 06

HISTÓRIA. Questões de 01 a 06 HISTÓRIA Questões de 01 a 06 HIS PÁG. 1 01. O século XVII, na Europa, foi marcado por rebeliões e revoluções em praticamente todo o continente. O que é que você sabe sobre as causas desses conflitos? HIS

Leia mais

Papel: contribuir para a compreensão da natureza e funcionamento da tradição humana.

Papel: contribuir para a compreensão da natureza e funcionamento da tradição humana. 1 Antropologia, a Ciência do homem A ciência - antropologia divide-se em dois campos: 1) Antropologia Física - Refere-se à forma Física do Homem (biologia humana); 2) Antropologia Social - Comportamento

Leia mais

TRATAMENTO DE FERIDAS E VIABILIDADE TECIDULAR (MAR 2016) PORTO

TRATAMENTO DE FERIDAS E VIABILIDADE TECIDULAR (MAR 2016) PORTO TRATAMENTO DE FERIDAS E VIABILIDADE TECIDULAR (MAR 2016) PORTO A gestão e tratamento de feridas é um processo complexo e exige a intervenção de uma equipa multidisciplinar. É essencial que os profissionais

Leia mais

TEORIA DA LITERATURA: sujeito, epaço e tempo. PROF. ALEMAR S. A. RENA

TEORIA DA LITERATURA: sujeito, epaço e tempo. PROF. ALEMAR S. A. RENA TEORIA DA LITERATURA: sujeito, epaço e tempo PROF. ALEMAR S. A. RENA www.fluxos.org SUJEITOS FICCIONAIS ENUNCIAÇÃO/ENUNCIADO CONCEITO INSEPARÁVEIS SUJEITO DA ENUNCIAÇÃO/ENUNCIADO EX. Maria escreveu um

Leia mais

O que é Ideologia? Federação Anarquista Uruguaia (FAU) Tradução: Felipe Corrêa

O que é Ideologia? Federação Anarquista Uruguaia (FAU) Tradução: Felipe Corrêa O que é Ideologia? Federação Anarquista Uruguaia (FAU) Tradução: Felipe Corrêa 2009 Projeto de capa: Luiz Carioca Ilustração da capa: Eduardo Marinho Diagramação: Farrer (C) Copyleft - É livre, e inclusive

Leia mais

DO ARQUIVO DA CASA DE BOAMENSE AO ARQUIVO PESSOAL DE ALBERTO SAMPAIO UM OLHAR SISTÉMICO SOBRE A DOCUMENTAÇÃO

DO ARQUIVO DA CASA DE BOAMENSE AO ARQUIVO PESSOAL DE ALBERTO SAMPAIO UM OLHAR SISTÉMICO SOBRE A DOCUMENTAÇÃO DO ARQUIVO DA CASA DE BOAMENSE AO ARQUIVO PESSOAL DE ALBERTO SAMPAIO UM OLHAR SISTÉMICO SOBRE A DOCUMENTAÇÃO Ciclo de Conferências e Debate Arquivos de Famílias 29 outubro 2016 Fac. Letras U. de Coimbra

Leia mais

Cândido Pinto Elisabete Figueiredo Universidade de Aveiro, Portugal

Cândido Pinto Elisabete Figueiredo Universidade de Aveiro, Portugal Cândido Pinto candidomanuel@ua.pt Elisabete Figueiredo elisa@ua.pt Universidade de Aveiro, Portugal Tendo por base a análise de conteúdo às componentes textuais dos materiais promocionais produzidos pelo

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA ARTE Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA ARTE Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA ARTE Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (1º Ciclo) 2. Curso Design 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular HISTÓRIA DA ARTE (L5009)

Leia mais

1ª FEIRA DO LIVRO DA CPLP Luanda, 22 a 30 de Novembro de 2013 Baía de Luanda

1ª FEIRA DO LIVRO DA CPLP Luanda, 22 a 30 de Novembro de 2013 Baía de Luanda 1ª FEIRA DO LIVRO DA CPLP Luanda, 22 a 30 de Novembro de 2013 Baía de Luanda PROGRAMA PROVISÓRIO Dia Hora Actividade Responsável 22/11/2013 Cerimónia de Abertura Sexta-Feira 17:00-18:00 18:00-19:00 Tema

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Disciplina: Geografia Trimestre: 1º PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 1. Mundo contemporâneo: economia e geopolítica: - Processo de desenvolvimento do capitalismo - Geopolítica

Leia mais

Sumário. Os lugares, as paisagens e o espaço geográfico. Localização dos espaços na superfície terrestre

Sumário. Os lugares, as paisagens e o espaço geográfico. Localização dos espaços na superfície terrestre Geografia Sumários Sumário 1 Os lugares, as paisagens e o espaço geográfico 10 16 22 24 32 33 34 2 Localização dos espaços na superfície terrestre 4 A importância da localização para a Geografia 5 Como

Leia mais

DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES Direção de Serviços da Região Algarve

DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES Direção de Serviços da Região Algarve Escola Secundária de Albufeira Ano Letivo: 2014/2015 12ºAno Turma: E Disciplina: História A Período 1º Conteúdos Programados Módulo 7 CRISES, EMBATES IDEOLÓGICOS E MUTAÇÕES CULTURAIS NA PRIMEIRA METADE

Leia mais

EUROPA. o velho continente. Professora: Rilvania Flôr.

EUROPA. o velho continente. Professora: Rilvania Flôr. EUROPA o velho continente. Professora: Rilvania Flôr. http://noticias.universia.com.br/carreira/noticia/2015/04/30/1124394/profissionais-iberoamericanos-preferem-trabalhareuropa-aponta-pesquisa.html Ocupação

Leia mais

EMENTÁRIO HISTÓRIA LICENCIATURA EAD

EMENTÁRIO HISTÓRIA LICENCIATURA EAD EMENTÁRIO HISTÓRIA LICENCIATURA EAD CANOAS, JULHO DE 2015 DISCIPLINA PRÉ-HISTÓRIA Código: 103500 EMENTA: Estudo da trajetória e do comportamento do Homem desde a sua origem até o surgimento do Estado.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO PROJETO DE PESQUISA UMA ANÁLISE ESPACIAL DO CONTO SUBSTÂNCIA DE GUIMARÃES ROSA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO PROJETO DE PESQUISA UMA ANÁLISE ESPACIAL DO CONTO SUBSTÂNCIA DE GUIMARÃES ROSA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO PROJETO DE PESQUISA UMA ANÁLISE ESPACIAL DO CONTO SUBSTÂNCIA DE GUIMARÃES ROSA Daniela Elisabete da Silva Pinto Orientador: Ozíris Borges Filho UBERABA MG 2012

Leia mais

Os livros de Pepetela

Os livros de Pepetela Os livros de Pepetela Diana Santos ILOS, círculo de leitura lusófona d.s.m.santos@ilos.uio.no 15 de setembro de 2016 Os livros de Pepetela para mim um dom de contar/recriar ambientes magnífico, que nos

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ÁSIA (QUESTÕES POLÍTICAS, ECONÓMICAS E SOCIAIS) Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ÁSIA (QUESTÕES POLÍTICAS, ECONÓMICAS E SOCIAIS) Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular ÁSIA (QUESTÕES POLÍTICAS, ECONÓMICAS E SOCIAIS) Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Relações Internacionais 3. Ciclo

Leia mais

Os desafios da História da Enfermagem

Os desafios da História da Enfermagem Os desafios da História da Enfermagem Da guerra da Crimeia à Saúde Global Pedro Pereira Leite e Lorena Sancho Querol Roteiro Balizas da história da enfermagem O uso da História e da Memória Para uma memória

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE PLANO DE CURSO FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Licenciatura em Letras com Habilitação em Português e Inglês Disciplina: Práticas Interdisciplinares IV Professor: Joranaide

Leia mais

Disciplina de Mestrado: Geografia das Relações Internacionais

Disciplina de Mestrado: Geografia das Relações Internacionais Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2011 Disciplina de Mestrado: Geografia das Relações Internacionais Prof. Dr. Eloi Martins Senhoras

Leia mais

Progressão de Atletas (Detalhes)

Progressão de Atletas (Detalhes) Progressão de Atletas (Detalhes) Todas as provas Prova Jornada Lugar Tempo total Pts Tp inscr. Data % RP AE Faculdade Farmacia UL - Beatriz Santos, ALMEIDA, 11-08-1996-100m Livres Tempo Final 5. 1:04.93

Leia mais

2.1 Leste Asiático, China e Índia China Índia Rússia Brasil China e os outros BRICs...

2.1 Leste Asiático, China e Índia China Índia Rússia Brasil China e os outros BRICs... Sumário Apresentação...17 Introdução...19 Parte I Os BRICs e a economia mundial Capítulo 1 BRICs na economia mundial...24 1.1 Aspectos gerais sobre os BRICs...24 1.2 Outras sopas de letras...25 1.3 A visão

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular IDEIAS POLÍTICAS NO MUNDO OCIDENTAL Ano Lectivo 2016/2017

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular IDEIAS POLÍTICAS NO MUNDO OCIDENTAL Ano Lectivo 2016/2017 Programa da Unidade Curricular IDEIAS POLÍTICAS NO MUNDO OCIDENTAL Ano Lectivo 2016/2017 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Relações Internacionais 3. Ciclo de Estudos 1º

Leia mais

REVISTA DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO BRASILEIRO

REVISTA DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO BRASILEIRO REVISTA DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO BRASILEIRO Hoc facit, ut longos durent bene gesta per annos. Et possint sera posteritate frui. R. IHGB, Rio de Janeiro, a. 175, n. 465, pp. 13-490, out./dez.

Leia mais

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL CENTRO DE ORIENTAÇÃO E SUPERVISÃO DO ENSINO ASSISTENCIAL COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL CENTRO DE ORIENTAÇÃO E SUPERVISÃO DO ENSINO ASSISTENCIAL COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II ARTE e MÚSICA EMENTA RECUPERAÇÃO FINAL - 2016 Elementos de linguagem visual Pop Art Fotografia Comunicação Comunicação Visual Grafite (Street Art) 12/12 10,0 Cassiano de Melo Barra 3º Sgt QBMG-01 Coordenador

Leia mais

Exmo. Senhor Ministro da Economia e do Emprego, Professor. Exmo. Senhor Bastonário da Ordem dos Engenheiros, Eng.º

Exmo. Senhor Ministro da Economia e do Emprego, Professor. Exmo. Senhor Bastonário da Ordem dos Engenheiros, Eng.º Exmo. Senhor Ministro da Economia e do Emprego, Professor Doutor Álvaro Santos Pereira; Exmo. Senhor Bastonário da Ordem dos Engenheiros, Eng.º Carlos Matias Ramos; Exmo. Senhor Presidente do Conselho

Leia mais

CONCEPÇÕES DO ENSINO DE FILOSOFIA Uma reflexão sobre o currículo

CONCEPÇÕES DO ENSINO DE FILOSOFIA Uma reflexão sobre o currículo Uma reflexão sobre o currículo 1. A NATUREZA DA FILOSOFIA Atitude reflexiva que investiga criticamente condições de possibilidade. (PCN+, 1999; OCN, 2006) "A principal ocupação da Filosofia é questionar

Leia mais

Ensino superior em Macau: cooperação como forma de sustentabilidade do ensino de e em língua portuguesa

Ensino superior em Macau: cooperação como forma de sustentabilidade do ensino de e em língua portuguesa Ensino superior em Macau: cooperação como forma de sustentabilidade do ensino de e em língua portuguesa International Conference Of Silk, Sugar and Spices: New Directions in East-West Cooperation - ISCAP

Leia mais

CURSO DE PREPARAÇÃO PARA O CONCURSO DE INGRESSO NA CARREIRA DIPLOMÁTICA. Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa

CURSO DE PREPARAÇÃO PARA O CONCURSO DE INGRESSO NA CARREIRA DIPLOMÁTICA. Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa CURSO DE PREPARAÇÃO PARA O CONCURSO DE INGRESSO NA CARREIRA DIPLOMÁTICA Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa 2017 Organizado de acordo com os temas do regulamento do concurso Coordenação: ICJP

Leia mais

Programa Nacional de Juventude

Programa Nacional de Juventude Programa Nacional de Juventude O Programa Nacional de Juventude, que hoje se apresenta, tem o seu enquadramento no Programa do XVII Governo Constitucional e nas Grandes Opções do Plano, e acolhe as prioridades

Leia mais

A EVOLUÇÃO COMERCIAL E SOCIETÁRIA NOS PAÍSES LUSÓFONOS: DA CARTA DE LEI DE 1888 ATÉ AOS

A EVOLUÇÃO COMERCIAL E SOCIETÁRIA NOS PAÍSES LUSÓFONOS: DA CARTA DE LEI DE 1888 ATÉ AOS VII ENCONTRO DE HISTÓRIA DA CONTABILIDADE ORDEM DOS TÉCNICOS OFICIAIS DECONTAS A EVOLUÇÃO COMERCIAL E SOCIETÁRIA NOS PAÍSES LUSÓFONOS: DA CARTA DE LEI DE 1888 ATÉ AOS NOSSOS DIAS ILÍDIO TOMÁSLOPES INSTITUTO

Leia mais

A População e o. Território. Território. Parte 1. Evolução Demográfica Assimetrias Espaciais

A População e o. Território. Território. Parte 1. Evolução Demográfica Assimetrias Espaciais A População e o Território 1 A População e o Território Parte 1 2 Evolução Demográfica Assimetrias Espaciais 1 Uma ocupação progressivamente mais intensa do território nacional: 3 A ocupação do solo em

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 2.1 O Meio Cultural Envolvente ás Empresas 2004 Prentice Hall, Inc 2-1 Objectivos do Capitulo Compreender os meios

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR SOLANO ABREU ABRANTES. PERÍODO LECTIVO 1. Tratamento de informação / Utilização de Fontes. AULAS PREVISTAS

ESCOLA SECUNDÁRIA DR SOLANO ABREU ABRANTES. PERÍODO LECTIVO 1. Tratamento de informação / Utilização de Fontes. AULAS PREVISTAS ESCOLA SECUNDÁRIA DR SOLANO ABREU ABRANTES 3º CICLO DISCIPLINA HISTÓRIA TURMAS A/B/C ANO: 7º ANO 2010/2011 COMPETÊNCIAS 1. Tratamento de informação / Utilização de Fontes. A. Das Sociedades Recolectoras

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNIDADE UNIVERSITÁRIA: Campus de Ourinhos CURSO: Geografia CÓDIGO DISCIPLINA SERIAÇÃO IDEAL Geopolítica do Mundo Contemporâneo 4 ano/2 semestre DOCENTE RESPONSÁVEL: OBRIG./OPT./EST. PRÉ/CO-REQUISITOS ANUAL/SEMESTRAL

Leia mais

Plano Anual de Actividades Projecto Museu Escolar Dinamizado por: Ano Lectivo 2010/2011

Plano Anual de Actividades Projecto Museu Escolar Dinamizado por: Ano Lectivo 2010/2011 Plano Anual de Actividades Projecto Museu Escolar Dinamizado por: António Inácio e António Montezo Ano Lectivo 2010/2011 CALENDARIZAÇÃO ACTIVIDADES OBJECTIVOS ARTICULAÇÃO INTERDISCIPLINAR PÚBLICO-ALVO

Leia mais

Neste panorama, Brazil Builds: Architecture New and Old , o catálogo da exposição montada no MoMA, em Nova Iorque, entre 13

Neste panorama, Brazil Builds: Architecture New and Old , o catálogo da exposição montada no MoMA, em Nova Iorque, entre 13 A historiografia portuguesa dedicada à arquitectura produzida em Portugal durante o período moderno, entre 1930 e 1974 1, tem de forma persistente evocado a presença de uma influência brasileira a partir

Leia mais

ARTES E HUMANIDADES Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º ANO e 3.º ANO)

ARTES E HUMANIDADES Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º ANO e 3.º ANO) ARTES E HUMANIDADES Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º ANO e 3.º ANO) Cumprido o tronco comum, para perfazer os 180 créditos ECTS, o aluno pode optar por um ou dois majors, por um major e dois

Leia mais