O cálculo do conceito deve ser implementado por meio de uma subrotina que receba a nota e a frequência e retorne o conceito correspondente.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O cálculo do conceito deve ser implementado por meio de uma subrotina que receba a nota e a frequência e retorne o conceito correspondente."

Transcrição

1 exercício Escreva um algoritmo que leia notas finais e frequência (S ou I) de alunos, escreva a nota final, a frequência e o conceito correspondente (A, B, C, D, E ou F, de acordo com os valores utilizados na UFMG). Após o último aluno, que terá nota -1, escrever uma tabela com o número de alunos que tiraram cada conceito. O cálculo do conceito deve ser implementado por meio de uma subrotina que receba a nota e a frequência e retorne o conceito correspondente. Que modificação(ções) teria(m) que ser feita(s) nesta subrotina, para que a mesma fosse transformada em uma função que recebesse a nota e a frequência e retornasse o conceito?

2 2 Solução: A seguir, apresentamos uma solução possível para o problema, partindo da versão inicial: algoritmo declare subrotina para cálculo do conceito defina os tipos das variáveis inicialize variáveis enquanto nota <>-1 faça calcule conceito escreva nota,freq, conc contribuir para tabela de frequências fim enquanto escreva tabela de frequências fim algoritmo Refinando-se primeiramente os comandos mais simples: ref.: declare subrotina para cálculo do conceito subrotina CONCEITO(valor, freq, result) declare freq, result caracter se valor < 69 então se valor < 89 então

3 3 ref.: calcule conceito CONCEITO(nota, freq, conc) ref.: contribuir para tabela de frequências se conc = F então tab[6] <- tab[6] + 1 se conc = E então tab[5] <- tab[5] + 1 se conc = D então tab[4] <- tab[4] + 1 se conc = C então tab[3] <- tab[3] + 1 se conc = B então tab[2] <- tab[2] + 1 se conc = A então tab[1] <- tab[1] + 1 ref.: escreva tabela de frequências escreva tab[i] ref.: inicialize variáveis tab[i] <- 0 ref.: defina os tipos das variáveis declare nota, i, tab[1:6], numérico declare freq, conc literal

4 4 Inserindo-se os refinamentos no algoritmo: algoritmo {declare subrotina para cálculo do conceito} subrotina CONCEITO(valor, freq, result) declare freq, result literal se valor < 69 então se valor < 89 então {defina os tipos das variáveis} declare nota, i, tab[1:6], numérico declare freq, conc literal {inicialize variáveis} tab[i] <- 0 {processe} enquanto nota<>-1 faça CONCEITO(nota, freq, conc) escreva nota, freq, conc {contribuir para tabela de frequências} se conc = F então tab[6] <- tab[6] + 1 se conc = E então tab[5] <- tab[5] + 1 se conc = D então tab[4] <- tab[4] + 1 se conc = C então tab[3] <- tab[3] + 1 se conc = B então tab[2] <- tab[2] + 1 se conc = A então tab[1] <- tab[1] + 1 fim enquanto {escreva tabela de frequências} escreva tab[i] fim algoritmo

5 5 Implementando-se o cálculo do conceito por uma função teríamos: ref.: declare função para cálculo do conceito função caracter CONCEITO(valor, freq) declare freq, result literal se valor < 69 então se valor < 89 então {retorne resultado} CONCEITO <- result A sua chamada seria um pouco diferente: ref.: calcule conceito conc <- CONCEITO(nota, freq)

UNIDADE 6 - PROGRAMAÇÃO MODULAR

UNIDADE 6 - PROGRAMAÇÃO MODULAR UNIDADE 6 - PROGRAMAÇÃO MODULAR Até o momento as estruturas de controle (seqüência, seleção e repetição) de um algoritmo definia-o como um bloco lógico (início e fim). À medida que os problemas a serem

Leia mais

TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO

TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO (Adaptado do texto do prof. Adair Santa Catarina) ALGORITMOS COM QUALIDADE MÁXIMAS DE PROGRAMAÇÃO 1) Algoritmos devem ser feitos para serem lidos por seres humanos: Tenha em mente

Leia mais

Projeto e Desenvolvimento de Algoritmos

Projeto e Desenvolvimento de Algoritmos Projeto e Desenvolvimento de Algoritmos Variáveis Indexadas Adriano Cruz e Jonas Knopman Objetivos Definição Necessidade de uso Operações básicas Exemplos Vetores Definição: Um vetor é uma coleção de elementos

Leia mais

Algoritmo. Prof. Anderson Almeida Ferreira. Agradeço ao prof. Guilherme Tavares de Assis por fornecer slides que fazem parte desta apresentação

Algoritmo. Prof. Anderson Almeida Ferreira. Agradeço ao prof. Guilherme Tavares de Assis por fornecer slides que fazem parte desta apresentação 1 Algoritmo Prof. Anderson Almeida Ferreira Agradeço ao prof. Guilherme Tavares de Assis por fornecer slides que fazem parte desta apresentação Desenvolvimento de programas 2 Análise do problema Desenvolvimento

Leia mais

Introdução a Linguagem C

Introdução a Linguagem C Rafael Silva Guimarães =p://=p.ci.ifes.edu.br/informacca/rafael_guimaraes Introdução a Linguagem C Técnicas de Programação Histórico O C é derivado de uma outra linguagem: o B, criado por Ken Thompson.

Leia mais

Existem dois tipos básicos de subrotinas: a) Procedimentos; b) Funções.

Existem dois tipos básicos de subrotinas: a) Procedimentos; b) Funções. ESTRUTURAÇÃO DOS MÓDULOS DE UM ALGORITMO Uma subrotina é um algoritmo hierarquicamente subordinado a um outro algoritmo geralmente chamado de módulo principal. Da mesma forma, uma subrotina pode conter

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARTE I. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARTE I. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARTE I Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Compreender do que é composto um programa Compreender o que é lógica Compreender

Leia mais

Definição. de solução de um problema passo-a-passo. Representa a lógica l. passo.

Definição. de solução de um problema passo-a-passo. Representa a lógica l. passo. ALGORITMO Definição Representa a lógica l de solução de um problema passo-a-passo passo. Um algoritmo pode ser Na forma textual: Uma descrição tal como uma receita de bolo; Um manual de montagem; Um relato

Leia mais

Implementando uma Classe e Criando Objetos a partir dela

Implementando uma Classe e Criando Objetos a partir dela Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 04 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Parte: 2 Prof. Cristóvão Cunha Implementando uma Classe

Leia mais

ILP - Introdução à Linguagem de Programação. Plano de estudo: - Constantes e variáveis. - Atribuindo valores às variáveis.

ILP - Introdução à Linguagem de Programação. Plano de estudo: - Constantes e variáveis. - Atribuindo valores às variáveis. Plano de estudo: -. - Atribuindo valores às variáveis. - Expressões Na maioria das vezes, precisamos armazenar dados para manipulá-los. Por exemplo, em um escritório de contabilidade, armazenamos os dados

Leia mais

Manual de utilização do sistema Diagnose. Marcus Vinícius Benedito. 10 de maio de 2007

Manual de utilização do sistema Diagnose. Marcus Vinícius Benedito. 10 de maio de 2007 Manual de utilização do sistema Diagnose Marcus Vinícius Benedito 10 de maio de 2007 Prof. Dr. Jacques Wainer Instituto de Computação - Universidade Estadual de Campinas 1 Sumário 1 Requisitos do sistema

Leia mais

Computação e Programação

Computação e Programação Computação e Programação MEMec - LEAN 1º Semestre 2010-2011 Aula Teórica 17 Instituto Superior Técnico, Dep. de Engenharia Mecânica - ACCAII Alinhamento da AT 17 Exemplo: GUI controlsuite Estrutura da

Leia mais

Unidade 3: Linguagem de programação

Unidade 3: Linguagem de programação Unidade 3: Linguagem de programação 3.7. Elaborando programas: scripts e funções No programa Scilab podemos criar arquivos contendo comandos que serão executados posteriormente dentro do seu ambiente.

Leia mais

Capítulo 12. SUB-ROTINAS

Capítulo 12. SUB-ROTINAS Capítulo 12. SUB-ROTINAS OBJETIVOS DO CAPÍTULO Conceitos de: sub-rotina, programa-principal, projeto com diversos programas-fonte, passagem de argumentos Comandos do FORTRAN: PROGRAM, EXTERNAL, SUBROUTINE,

Leia mais

Algoritmo e Programação

Algoritmo e Programação Algoritmo e Programação Professor: José Valentim dos Santos Filho Colegiado: Engenharia da Computação Prof.: José Valentim dos Santos Filho 1 Ementa Noções básicas de algoritmo; Construções básicas: operadores,

Leia mais

Introdução à Lógica de Programação

Introdução à Lógica de Programação Introdução à Lógica de Programação Sistemas Numéricos As informações inseridas em um computador são traduzidos em dados, ou seja, em sinais que podem ser manipulados pelo computador. O computador trabalha

Leia mais

A lógica de programação ajuda a facilitar o desenvolvimento dos futuros programas que você desenvolverá.

A lógica de programação ajuda a facilitar o desenvolvimento dos futuros programas que você desenvolverá. INTRODUÇÃO A lógica de programação é extremamente necessária para as pessoas que queiram trabalhar na área de programação, seja em qualquer linguagem de programação, como por exemplo: Pascal, Visual Basic,

Leia mais

QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EM DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EM DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Desenvolvimento De Sistemas - Lógica De Programação. 1. Lógica de Programação I 1.1 Introdução á Lógica de Programação 1.2 O que é lógica? 1.3 Lógica Matemática 1.4 Lógica de Programação 1.5 Seqüência

Leia mais

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Introdução O computador como ferramenta indispensável: Faz parte das nossas vidas; Por si só não faz nada de útil; Grande capacidade de resolução

Leia mais

Linguagens de Programação

Linguagens de Programação Linguagens de Programação Prof. Miguel Elias Mitre Campista http://www.gta.ufrj.br/~miguel Parte IV Introdução à Programação em C++ (Continuação) Relembrando da Última Aula... Funções Classes de armazenamento

Leia mais

Algoritmos Estruturas Seqüenciais. José Gustavo de Souza Paiva

Algoritmos Estruturas Seqüenciais. José Gustavo de Souza Paiva Algoritmos Estruturas Seqüenciais José Gustavo de Souza Paiva 1 Introdução Objetivo básico da computação auxiliar os seres humanos em trabalhos repetitivos e braçais, diminuindo i i d esforços e economizando

Leia mais

Estruturas de Repetição

Estruturas de Repetição Estruturas de Repetição Lista de Exercícios - 04 Algoritmos e Linguagens de Programação Professor: Edwar Saliba Júnior Estruturas de Repetição O que são e para que servem? São comandos que são utilizados

Leia mais

Figure 2 - Nós folhas de uma árvore binária representando caracteres ASCII

Figure 2 - Nós folhas de uma árvore binária representando caracteres ASCII A ocorrência tamanho ASCII codificação de Huffman é um A Codificação método de compactação de Huffman caracteres (American e a variável codificação dos usado símbolos Standard para por cada muitas no Code

Leia mais

Desenvolvimento de programas. Análise do problema. Análise do problema. Análise do problema. Desenvolvimento do algoritmo. Codificação do programa

Desenvolvimento de programas. Análise do problema. Análise do problema. Análise do problema. Desenvolvimento do algoritmo. Codificação do programa Desenvolvimento de programas 1 Análise do problema Desenvolvimento do algoritmo Codificação do programa Compilação e execução Teste e depuração Análise do problema 2 Conhecer exatamente o que o problema

Leia mais

Algoritmos e Programação Conceitos e Estruturas básicas (Variáveis, constantes, tipos de dados)

Algoritmos e Programação Conceitos e Estruturas básicas (Variáveis, constantes, tipos de dados) Algoritmos e Programação Conceitos e Estruturas básicas (Variáveis, constantes, tipos de dados) Os algoritmos são descritos em uma linguagem chamada pseudocódigo. Este nome é uma alusão à posterior implementação

Leia mais

Capítulo 15. INICIALIZAÇÃO, TEMPO DE CPU E DOS

Capítulo 15. INICIALIZAÇÃO, TEMPO DE CPU E DOS Capítulo 15. INICIALIZAÇÃO, TEMPO DE CPU E DOS OBJETIVOS DO CAPÍTULO Inicializar variáveis e constantes junto com suas definições Versões DEBUG e RELEASE de um programa-executável Comandos do FORTRAN:

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

TUTORIAL AMBIENTE WEB PORTUGOL

TUTORIAL AMBIENTE WEB PORTUGOL 1 TUTORIAL AMBIENTE WEB PORTUGOL O WEBportugol é uma ferramenta para ajudar você a construir seus primeiros algoritmos e com isso aprender lógica de programação. A ferramenta utiliza uma linguagem chamada

Leia mais

JSP - ORIENTADO A OBJETOS

JSP - ORIENTADO A OBJETOS JSP Orientação a Objetos... 2 CLASSE:... 2 MÉTODOS:... 2 Método de Retorno... 2 Método de Execução... 2 Tipos de Dados... 3 Boolean... 3 Float... 3 Integer... 4 String... 4 Array... 4 Primeira:... 4 Segunda:...

Leia mais

Programação 1. Rafael Vargas Mesquita. http://www.ci.ifes.edu.br ftp://ftp.ci.ifes.edu.br/informatica/rafael/

Programação 1. Rafael Vargas Mesquita. http://www.ci.ifes.edu.br ftp://ftp.ci.ifes.edu.br/informatica/rafael/ Programação 1 Rafael Vargas Mesquita http://www.ci.ifes.edu.br ftp://ftp.ci.ifes.edu.br/informatica/rafael/ Definição de Matriz Definição: é um conjunto de espaços de memória referenciados por um mesmo

Leia mais

Regras Métodos Identificadores Variáveis Constantes Tipos de dados Comandos de atribuição Operadores aritméticos, relacionais e lógicos

Regras Métodos Identificadores Variáveis Constantes Tipos de dados Comandos de atribuição Operadores aritméticos, relacionais e lógicos Lógica Aula 2 Técnicas de Programação Criando algoritmos Regras Métodos Identificadores Variáveis Constantes Tipos de dados Comandos de atribuição Operadores aritméticos, relacionais e lógicos Criando

Leia mais

Linguagem algorítmica: Portugol

Linguagem algorítmica: Portugol Programação de Computadores I Aula 03 Linguagem algorítmica: Portugol José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/34 Introdução I Lógica A lógica é usada

Leia mais

ESTRUTURA CONDICIONAL

ESTRUTURA CONDICIONAL AULA 6 ESTRUTURA CONDICIONAL 130 Tem como objetivo executar um conjunto de comandos caso uma condição lógica seja atendida. Quando a resposta lógica for falsa, nada será executado. Sintaxe Se CONDIÇÃO

Leia mais

Estruturas (Registros)

Estruturas (Registros) Estruturas (Registros) Os vetores e as matrizes, como vimos anteriormente, são estruturas capazes de armazenar diversos valores do mesmo tipo. Mas, e se quiséssemos armazenar em uma estrutura diversos

Leia mais

Breve Histórico & Conceitos Básicos

Breve Histórico & Conceitos Básicos Breve Histórico & Conceitos Básicos compiladores interpretadores montadores filtros pré-processadores carregadores linkers compilador cruzado (cross-compiler) auto-compilável (bootstraping) auto-residente

Leia mais

10/02/2015. Introdução. Podemos classificar os tipos de dados a serem processados em dados e instruções Dados: Algoritmos e Lógica de Programação

10/02/2015. Introdução. Podemos classificar os tipos de dados a serem processados em dados e instruções Dados: Algoritmos e Lógica de Programação Introdução Algoritmos e Lógica de Programação Tipos de dados Podemos classificar os tipos de dados a serem processados em dados e instruções Dados: Informações a serem processadas pelo computador. Consideremos

Leia mais

Laboratório de Programação I

Laboratório de Programação I Laboratório de Programação I Estruturas de Controle: Parte I Fabricio Breve Objetivos Entender as técnicas básicas de solução de problemas Desenvolver algoritmos por meio do processo de refinamento top-down

Leia mais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Vetores e matrizes

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Vetores e matrizes Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Vetores e matrizes 1 Matrizes Cada elemento de uma matriz é referenciado indicando-se sua posição dentro da matriz. Na Matemática, matrizes são arranjos

Leia mais

Manual do Utilizador

Manual do Utilizador Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Electrotécnica e Computadores Software de Localização GSM para o modem Siemens MC35i Manual do Utilizador Índice

Leia mais

Algoritmos e Programação. Curso de Engenharia de Produção Prof. Ms. Rogério Cardoso rogerio.cardoso@aedu.com professor@rogeriocardoso.com.

Algoritmos e Programação. Curso de Engenharia de Produção Prof. Ms. Rogério Cardoso rogerio.cardoso@aedu.com professor@rogeriocardoso.com. Algoritmos e Programação Curso de Engenharia de Produção Prof. Ms. Rogério Cardoso rogerio.cardoso@aedu.com professor@rogeriocardoso.com.br 2012 Conteúdo e Objetivos da Aula Introdução a Linguagem C Revisão

Leia mais

Scilab. Introdução ao Scilab. Como obter ajuda

Scilab. Introdução ao Scilab. Como obter ajuda Scilab Scilab é uma linguagem de programação associada a uma rica coleção de algoritmos numéricos cobrindo muitos aspectos dos problemas de computação científica. Do ponto de vista do software, Scilab

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS PARA A CONSTRUÇÃO DE ALGORITMOS PARA COMPUTADORES. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

CONCEITOS BÁSICOS PARA A CONSTRUÇÃO DE ALGORITMOS PARA COMPUTADORES. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com CONCEITOS BÁSICOS PARA A CONSTRUÇÃO DE ALGORITMOS PARA COMPUTADORES Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Objetivos Compreender os conceitos de lógica de programação e de algoritmos. Conhecer

Leia mais

Algoritmos e Técnicas de

Algoritmos e Técnicas de INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Algoritmos e Técnicas de Programação Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com eberton.marinho@ifrn.edu.br

Leia mais

Conceito de Algoritmos e Suas Características

Conceito de Algoritmos e Suas Características Conceito de Algoritmos e uas Características Algoritmos Definições: Algoritmo é uma linguagem intermédia entre a linguagem humana e a linguagem de programação. Os Algoritmos são usados para representar

Leia mais

O Processo de Programação

O Processo de Programação Programação de Computadores I Aula 04 O Processo de Programação José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/23 Algoritmo Um algoritmo é uma seqüência de

Leia mais

Algoritmos não se aprendem: Copiando algoritmos Estudando algoritmos Algoritmos só se aprendem: Construindo algoritmos Testando algoritmos

Algoritmos não se aprendem: Copiando algoritmos Estudando algoritmos Algoritmos só se aprendem: Construindo algoritmos Testando algoritmos 1. INTRODUÇÃO A ALGORITMOS O uso de algoritmos é quase tão antigo quanto a matemática. Com o passar do tempo, entretanto, ele foi bastante esquecido pela matemática. Com o advento das máquinas de calcular

Leia mais

Resolução de problemas e desenvolvimento de algoritmos

Resolução de problemas e desenvolvimento de algoritmos SSC0101 - ICC1 Teórica Introdução à Ciência da Computação I Resolução de problemas e desenvolvimento de algoritmos Prof. Vanderlei Bonato Prof. Cláudio Fabiano Motta Toledo Sumário Análise e solução de

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Objectivos Indicação onde são utilizados os computadores Primeiro programa em C++ Etapas básicas do desenvolvimento de programas Projecto centrado nos objectos Classes e programação

Leia mais

Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação

Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação A representação de algoritmos em uma pseudo-linguagem mais próxima às pessoas é bastante útil principalmente quando o problema a ser tratado envolve

Leia mais

Processo de Desenvolvimento Unificado

Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento de Software? Conjunto de atividades bem definidas; com responsáveis; com artefatos de entrada e saída; com dependências entre as mesmas

Leia mais

3/19/2014. Compilador DEV C++ ENGENHARIAS LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Henry Lubanco/ Joelio Piraciaba

3/19/2014. Compilador DEV C++ ENGENHARIAS LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Henry Lubanco/ Joelio Piraciaba Compilador DEV C++ 101 Compilador DEV C++ 102 1 Compilador DEV C++ Compilar (Ctrl+F9) Executar (Ctrl+F10) Compilar e executar (F9) 103 Compilador DEV C++ Escolher a pasta Escolher o nome e o tipo de arquivo

Leia mais

REVISÃO. É usado para mostrar dados na tela ou na Impressora e podem apresentar mensagens e variáveis. Escreva X Escreva O Resultado de X =, X

REVISÃO. É usado para mostrar dados na tela ou na Impressora e podem apresentar mensagens e variáveis. Escreva X Escreva O Resultado de X =, X A estruturado Algoritmo REVISÃO Algoritmo (Nome do Algoritmo) Declara xxx tipo ----- onde são criadas as variaveis Bloco de comandos ----- onde inseridos todos os códigos do Programa, ou seja o processo

Leia mais

1.2. Sistemas de Programação

1.2. Sistemas de Programação 1 1.2. Sistemas de Programação 1.2.1 Técnicas de programação 1.2.1.1 Processo de desenvolvimento de programas PROBLEMA análise SOLUÇÃO CONCEITUAL programação ALGORITMO Codificação PROGRAMA FONTE digitação

Leia mais

11 a Aula ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO

11 a Aula ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO FISP 1/12 11 a Aula ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO Estrutura de repetição: Repetir um determinado trecho de um programa um certo número de vezes tipo Laço Contado ("for" em Linguagem C) Fluxograma convencional

Leia mais

Computação e Programação Aula prática nº 5. Enunciados dos problemas

Computação e Programação Aula prática nº 5. Enunciados dos problemas Enunciados dos problemas 1 1. Processador de números 1.1 Objectivos do exercício análise sequencial de um problema baseada em objectos e desenvolvimento do respectivo algoritmo; codificação do algoritmo

Leia mais

3 A Biblioteca para Implementação de Máquinas Virtuais

3 A Biblioteca para Implementação de Máquinas Virtuais A Biblioteca para Implementação de Máquinas Virtuais 24 3 A Biblioteca para Implementação de Máquinas Virtuais O processo de criação e experimentação de uma máquina virtual no escopo deste trabalho é ilustrada

Leia mais

Uma das grandes novidades do Photoshop CS5 é o processamento em 64-bits, que permite que operações tradicionais realizadas no aplicativo sejam pelo

Uma das grandes novidades do Photoshop CS5 é o processamento em 64-bits, que permite que operações tradicionais realizadas no aplicativo sejam pelo Uma das grandes novidades do Photoshop CS5 é o processamento em 64-bits, que permite que operações tradicionais realizadas no aplicativo sejam pelo menos 10% mais rápidas. Além disso, outros recursos do

Leia mais

Capítulo 14. ARQUIVOS DE SAÍDA, DE ENTRADA E INTERNOS

Capítulo 14. ARQUIVOS DE SAÍDA, DE ENTRADA E INTERNOS Capítulo 14. ARQUIVOS DE SAÍDA, DE ENTRADA E INTERNOS OBJETIVOS DO CAPÍTULO Conceitos de: arquivo de entrada, arquivo interno, arquivo texto, arquivo binário, dispositivo e nome de arquivo genéricos Comandos

Leia mais

Disciplina: Organização de computadores

Disciplina: Organização de computadores Disciplina: Organização de computadores Professora: Carolina D. G. dos Santos E-mail: profcarolinadgs@gmail.com Página: profcarolinadgs.webnode.com.br Unip / Prof. a Carolina 1 à Computador Conceitos Básicos

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Aula 01. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios. Algoritmo e Programação. Prof. Fábio Nelson.

Aula 01. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios. Algoritmo e Programação. Prof. Fábio Nelson. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios Aula 01 Slide 1 BIBLIOGRAFIA SCHILDT H. C Completo e Total, Makron Books. SP, 1997. Curso de linguagem C da UFMG. ZIVIANI,

Leia mais

Fig.1: Ilustração de Estrutura de Dados Fonte: Internet

Fig.1: Ilustração de Estrutura de Dados Fonte: Internet ATENÇÃO: LOCAL DE ALTERAÇÃO/ACRESCIMO!!!! 5. Estruturas de Dados Geralmente, os algoritmos são elaborados para manipulação de dados e quando estes dados estão organizados de forma coerente, representam

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Todos direitos reservados. Proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo mecânico, eletrônico, reprográfico, etc., sem a autorização, por escrito, do(s) autor(es) e da editora. LÓGICA DE

Leia mais

1. ROTEIRO DE USO DO CORISCO Para usar o CoRisco, e gerar os seus próprios modelos de risco, você deve seguir o roteiro:

1. ROTEIRO DE USO DO CORISCO Para usar o CoRisco, e gerar os seus próprios modelos de risco, você deve seguir o roteiro: Como usar o CoRisco CoRisco é um programa, escrito na linguagem Visual Basic, que executa automaticamente os passos requeridos para a simulação de Monte Carlo, simplificando muito o trabalho de geração

Leia mais

Chamadas Remotas de Procedimentos (RPC) O Conceito de Procedimentos. RPC: Programa Distribuído. RPC: Modelo de Execução

Chamadas Remotas de Procedimentos (RPC) O Conceito de Procedimentos. RPC: Programa Distribuído. RPC: Modelo de Execução Chamadas Remotas de Chamada Remota de Procedimento (RPC) ou Chamada de Função ou Chamada de Subrotina Método de transferência de controle de parte de um processo para outra parte Procedimentos => permite

Leia mais

Capítulo 8. CICLOS. Tabela 8.1 Programa8a.f90.

Capítulo 8. CICLOS. Tabela 8.1 Programa8a.f90. Capítulo 8. CICLOS OBJETIVOS DO CAPÍTULO Conceito de ciclo Comandos do FORTRAN: DO END DO, EXIT 8.1 programa8a.f90 Para inicializar as atividades deste capítulo, deve-se executar: 1) Para acessar o programa

Leia mais

ALGORITMOS PARTE 01. Fabricio de Sousa Pinto

ALGORITMOS PARTE 01. Fabricio de Sousa Pinto ALGORITMOS PARTE 01 Fabricio de Sousa Pinto Algoritmos: Definição 2 É uma sequência de instruções finita e ordenada de forma lógica para a resolução de uma determinada tarefa ou problema. Algoritmos 3

Leia mais

Tutorial do Interpretador de Linguagem Algorítmica (ILA)

Tutorial do Interpretador de Linguagem Algorítmica (ILA) 1 Tutorial do Interpretador de Linguagem Algorítmica (ILA) Preparado por Elvio Leonardo, a partir do tutorial fornecido com o software ILA e do material produzido pelo Prof Marcelo Azambuja I INTRODUÇÃO

Leia mais

De novo, vamos começar pelas funções mais básicas, testá-las e depois usá-las em funções mais complexas.

De novo, vamos começar pelas funções mais básicas, testá-las e depois usá-las em funções mais complexas. Aula 3 Funções para tratamento de texto, e função para obtenção de dados em arquivos texto com formato livre (e-mails, relatórios, pdfs salvos como texto, etc.). Função para pesquisa fonética. De novo,

Leia mais

CONVENÇÃO DE CÓDIGO JAVA

CONVENÇÃO DE CÓDIGO JAVA CONVENÇÃO DE CÓDIGO JAVA Eligiane Ceron - Abril de 2012 Versão 1.0 Conteúdo Considerações iniciais... 2 Introdução... 2 Extensão de arquivos... 2 Arquivos de código Java... 2 Comentários iniciais... 2

Leia mais

Estrutura Condicional C++

Estrutura Condicional C++ Estrutura Condicional C++ Resumo3 Profª. Ivre Marjorie R. Machado Estrutura Condicional Na estrutura sequencial, todos os comandos são executados independente de qualquer coisa/condição Usando a estrutura

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística Bacharelado em Ciências da Computação

Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística Bacharelado em Ciências da Computação Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística Bacharelado em Ciências da Computação INE5406 - Sistemas Digitais semestre 2011/1 Prof. José Luís Güntzel guntzel@inf.ufsc.br

Leia mais

ESTRUTURA DE DADOS DCC013

ESTRUTURA DE DADOS DCC013 ESTRUTURA DE DADOS DCC013 Árvores Pesquisa sequencial Preliminares Elementos pesquisados sucessivamente Comparação determina se o elemento foi encontrado ou não Exemplo: buscar 4 (Arrays e lista encadeada)

Leia mais

METODOLOGIAS DE PROGRAMAÇÃO

METODOLOGIAS DE PROGRAMAÇÃO METODOLOGIAS DE PROGRAMAÇÃO 1. GENERALIDADES Todo programa a ser elaborado deve ser considerado como um produto a ser desenvolvido. Para tal, uma série de etapas devem ser cumpridas até a obtenção do programa

Leia mais

Protótipo tipo de um gerador de analisador léxicol

Protótipo tipo de um gerador de analisador léxicol Protótipo tipo de um gerador de analisador léxicol Michel Nogueira Rebelo Orientando Joyce Martins Orientadora Roteiro Introdução Fundamentação teórica Desenvolvimento Considerações finais Introdução Origem/Motiva

Leia mais

ERROS MAIS COMUNS COMETIDOS EM PROGRAMAS E ALGORITMOS

ERROS MAIS COMUNS COMETIDOS EM PROGRAMAS E ALGORITMOS ERROS MAIS COMUNS COMETIDOS EM PROGRAMAS E ALGORITMOS Compilação dos erros mais comuns cometidos por estudantes de Introdução a Algoritmos Marcos Portnoi Edição 19.4.2007 Universidade Salvador UNIFACS

Leia mais

Linguagem de Montagem 2. Operações e Operandos

Linguagem de Montagem 2. Operações e Operandos Linguagem de Montagem 2 Operações e Operandos Revisão Para executar uma tarefa qualquer, um computador precisa receber instruções precisas sobre o que fazer Esse conjunto de instruções chamamos de algoritmo

Leia mais

Desenho do Processo de Lubrificação (LPD) Fase II Desenho Detalhado

Desenho do Processo de Lubrificação (LPD) Fase II Desenho Detalhado Desenho do Processo de Lubrificação (LPD) Fase II Desenho Detalhado Definição: A Fase II do LPD consiste no desenho detalhado das melhorias e modificações a cada uma das máquinas para que as tarefas de

Leia mais

AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS

AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS Orientando: Oliver Mário

Leia mais

Sintaxe e Semântica. Fases da Compilação. programa fonte

Sintaxe e Semântica. Fases da Compilação. programa fonte Sintaxe e Semântica mleal@inf.puc-rio.br Fases da Compilação programa fonte tokens parse tree árvore anotada ou outra forma intermediária código intermediário código objeto código objeto otimizado scanner

Leia mais

Primeiramente lemos a seguinte citação, copiada de Excel-Ajuda:

Primeiramente lemos a seguinte citação, copiada de Excel-Ajuda: 33 Capítulo 3 Procedimentos (macros) Primeiramente lemos a seguinte citação, copiada de Excel-Ajuda: O objetivo de uma macro é automatizar as tarefas usadas com mais freqüência. Embora algumas macros sejam

Leia mais

Parte II Introdução a Linguagens de Programação

Parte II Introdução a Linguagens de Programação Programação de Computadores III Aula 1 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-03.063 Roteiro da Aula

Leia mais

Clientes gerentes Usuarios finais do sistema Clientes engenheiros Gerentes contratantes Arquitetos do sistema. Definicao de requisitos

Clientes gerentes Usuarios finais do sistema Clientes engenheiros Gerentes contratantes Arquitetos do sistema. Definicao de requisitos А А А А Definicao de de do software Clientes gerentes Usuarios finais Clientes engenheiros Gerentes contratantes Arquitetos Usuarios finais Clientes engenheiros Arquitetos Desenvolvedores de software Clientes

Leia mais

Introdução à Computação (IC) Linguagem C: Comandos de entrada e saída

Introdução à Computação (IC) Linguagem C: Comandos de entrada e saída Introdução à Computação (IC) Linguagem C: Comandos de entrada e saída Prof.ª Dr.ª Symone Gomes Soares Alcalá Universidade Federal de Goiás (UFG) Regional Goiânia (RG) Campus Aparecida de Goiânia (CAP)

Leia mais

Técnicas de programação no desenvolvimento de um sistema em Delphi

Técnicas de programação no desenvolvimento de um sistema em Delphi Técnicas de programação no desenvolvimento de um sistema em Delphi Carlos A. P. Araújo Centro Universitário Luterano de Santarém (CEULS) Santarém Pará Brasil carlos@controlautomacao.com.br Resumo. Tempo

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo. Programação I Professora: Norminda Luiza

Universidade Federal do Espírito Santo. Programação I Professora: Norminda Luiza Universidade Federal do Espírito Santo Programação I Professora: Norminda Luiza A estrutura condicional permite a escolha do grupo de ações e estruturas a ser executado quando determinadas condições, representadas

Leia mais

#define SIM 1 equivale a definição de constantes; a palavra SIM é substituída por 1 toda vez que é utilizada no programa.

#define SIM 1 equivale a definição de constantes; a palavra SIM é substituída por 1 toda vez que é utilizada no programa. 929292929292929292929292929292929292929292929292929292 15- O Pré-Processador C - O compilador C possui um programa chamado pré-processador: executa modificações no código baseado em instruções chamadas

Leia mais

Projeto de Software Orientado a Objeto

Projeto de Software Orientado a Objeto Projeto de Software Orientado a Objeto Ciclo de Vida de Produto de Software (PLC) Analisando um problema e modelando uma solução Prof. Gilberto B. Oliveira Estágios do Ciclo de Vida de Produto de Software

Leia mais

PIP/CA - Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Computação Aplicada da UNISINOS ALGORITMOS & ESTRUTURAS DE DADOS

PIP/CA - Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Computação Aplicada da UNISINOS ALGORITMOS & ESTRUTURAS DE DADOS PIP/CA - Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Computação Aplicada da UNISINOS Disciplina de Nivelamento - 2000/1: ALGORITMOS & ESTRUTURAS DE DADOS Professor Responsável: Prof. Fernando Santos

Leia mais

Introdução a Algoritmos Parte 04

Introdução a Algoritmos Parte 04 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia de Computação Introdução a Algoritmos Parte 04 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Linguagem e Técnicas de Programação I Programação estruturada e fundamentos da linguagem C

Linguagem e Técnicas de Programação I Programação estruturada e fundamentos da linguagem C Linguagem e Técnicas de Programação I Programação estruturada e fundamentos da linguagem C Prof. MSc. Hugo Souza Material desenvolvido por: Profa. Ameliara Freire Continuando as aulas sobre os fundamentos

Leia mais

Estruturas de dados homogêneas

Estruturas de dados homogêneas Estruturas de dados homogêneas Vetores Multidimensionais (continuação) Exercício 30: Com base no exercício anterior, faça um algoritmo que declare duas matrizes 2x3 de reais, as inicialize e efetue a soma

Leia mais

Aula 4 Estruturas Condicionais

Aula 4 Estruturas Condicionais Departamento de Sistemas de Computação Universidade de São Paulo SSC 600 Introdução a Ciência de Computação I Aula 4 Estruturas Condicionais Seiji Isotani, Rafaela V. Rocha sisotani@icmc.usp.br rafaela.vilela@gmail.com

Leia mais

Estruturas de Repetição Parte I EXEMPLOS e EXERCÍCIOS

Estruturas de Repetição Parte I EXEMPLOS e EXERCÍCIOS Estruturas de Repetição Parte I EXEMPLOS e EXERCÍCIOS Prof. Dr. Edson Pimentel Centro de Matemática, Computação e Cognição Objetivos Aprender a resolver problemas que requeiram o uso de ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO

Leia mais

Exercícios sobre algoritmos

Exercícios sobre algoritmos Exercícios sobre algoritmos Exercícios envolvendo estruturas de decisão Fazer um algoritmo para: 1) Receber um número do usuário e mostrar se esse número é par ou não par 2) Receber 3 valores numéricos,

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Algoritmos e Programação

Algoritmos e Programação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Produção / Elétrica Algoritmos e Programação Parte 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Tipo de Dados em Linguagem C

Tipo de Dados em Linguagem C Tipo de Dados em Linguagem C Principais tipos de dados em C int : tipo de dados inteiros (exemplo: 1, -3, 100, -9, 18, etc.) float : tipo de dados reais (exemplo: 1.33, 3.14, 2.00, -9.0, 1.8, etc.) Ocupa

Leia mais

Aula 2 Lógica de Programação. UNIDADE 1 : - INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO.

Aula 2 Lógica de Programação. UNIDADE 1 : - INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO. Aula 2 Lógica de Programação. UNIDADE 1 : - INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO. Prompt de comando: cmd. 1) Pesquise o que os seguinte comandos fazem: a) dir b) date c) cd d) cd.. e) color f) ren 2) Responda: a) Como

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PROGRAMAÇÃO Programação Orientada a Objetos (POO)

CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PROGRAMAÇÃO Programação Orientada a Objetos (POO) CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PROGRAMAÇÃO Programação Orientada a Objetos (POO) Profa. Vania V. Estrela, Profa. Albany E. Herrmann 1. Programação Programação requer o uso de uma linguagem, cuja sintaxe geralmente

Leia mais