Mineralogia Óptica. Óptica Cristalina

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mineralogia Óptica. Óptica Cristalina"

Transcrição

1 Mineralogia Óptica, Nardy, A.J.R ; práticas, PI, pag.1 Mineralogia Óptica Óptica Cristalina Parte Prática versão 3b.1 Prof. Antonio José Ranalli Nardy Designer MSc Fábio Braz Machado Departamento de Petrologia e Metalogenia Instituto de Geociências e Ciências Exatas Universidade Estadual Paulista UNESP

2 Mineralogia Óptica, Nardy, A.J.R ; práticas, PI, pag.2 Aula Prática n o 1 Tema: O Microscópio Petrográfico e Tipos de Preparados para Análise Tipos de preparados para análise Minerais e Rochas podem ser estudados através do microscópio petrográfico, de duas maneiras: 1- Luz transmitida: onde o material a ser analisado é colocado entre a fonte de luz e a objetiva. Para isso, é necessário que este seja transparente e sua espessura suficientemente fina para deixar-se atravessar pela luz. 2- Luz refletida: o material a ser analisado recebe a luz em sua superfície e a reflete em direção à objetiva. Assim o mineral deve ser opaco, para não absorver a luz incidente, além de ter uma superfície plana e bastante polida. No curso de Mineralogia Óptica, estudaremos apenas os minerais transparentes observados através de microscopia de luz transmitida. Basicamente podemos ter dois tipos de preparados para análise microscópica por luz transmitida: 1- Lâminas Delgadas: são obtidas através de uma seção extremamente fina (da ordem de 0,03 mm) de uma rocha, solo ou mineral. Sua vantagem principal é que todos os cristais e/ou mineras presentes na seção tem uma mesma espessura, conhecida, o que permite determinar uma série de propriedades ópticas. 2- Lâminas de pó ou de material granulado: são obtidas através da moagem ou concentração de espécimes minerais a serem estudados. Emprega-se este método em mineralogia determinativa, em petrologia sedimentar para a identificação de minerais pesados presentes na rocha, etc O microscópio petrográfico O microscópio petrográfico nada mais é do que um microscópio ordinário (um tubo em cujas extremidades são inseridas duas lentes convergentes: a objetiva e a ocular) no qual são introduzidos dois polarizadores com direções de polarização (ou vibração) perpendiculares entre si. Identificação das peças do microscópio O microscópio petrográfico é constituído por dois tipos básicos de peças: 1- Ópticas: ocular, analisador, objetiva, condensador móvel, diafragma íris, condensador fixo, polarizador compensador e filtro (normalmente azul). 2- Mecânicas ou de suporte: canhão (ou tubo), revólver (ou porta objetivas), platina, cremalheira macro e micrométrica, base.

3 Mineralogia Óptica, Nardy, A.J.R ; práticas, PI, pag.3 Observe com atenção o microscópio que está a sua disposição e procure reconhecer as peças que compõe seu sistema óptico e mecânico, porém sem desmontá-lo. É bom lembrar: um microscópio como esse que você está utilizando, custa ao redor de US$ 20,000. Por isto, ao manejá-lo, faça com cuidado! Localize as peças listadas abaixo, observando o efeito de inserir e retirar do caminho óptico aquelas assinaladas com um *: 1- polarizador inferior (fixo) 2- compensador* 3- polarizador superior ou analisador * 4- diafragma íris * 5- condensador móvel * 6- filtro azul* Procure e anote a marca do microscópio que você está usando: Verifique e anote qual é o número deste microscópio: Recomendação: Procure utilizar sempre o mesmo microscópio, uma vez que, embora a maioria seja da mesma marca e modelo, eles têm diferenças na iluminação, nitidez, definição, etc. Assim você acostumando-se a ele a sua tarefa na descrição de minerais ficará bastante facilitada, nesta e nas demais disciplinas. Oculares A ocular é uma associação de lentes que permite conservar a imagem real do objeto fornecida pela objetiva, colocando-a no plano focal do olho do observador. As lentes que constituem a ocular, acham-se fixas no interior de um tubo metálico. A lente que se encontra mais próxima ao do olho do observador é chamada de FRONTAL e a que recebe a luz proveniente da objetiva, de COLETORA. Os microscópios disponíveis no laboratório são binoculares. Ajuste a abertura entre elas de tal forma a enxergar a mesma imagem com os dois olhos. Isto traz a sensação de visão em 3-D, ou estereoscópica, ou em relevo. No interior de uma das oculares, são observadas duas linhas finas que são chamadas de retículos, sendo que um deles está subdividido com pequenos traços, que tem como objetivo realizar medições do tamanho dos cristais. Observe que elas estão dispostas perpendicularmente entre si (N-S ou vertical e E- W ou horizontal). Os retículos devem coincidir com as direções de polarização do microscópio ou seja com o polarizador inferior e com o analisador.

4 Mineralogia Óptica, Nardy, A.J.R ; práticas, PI, pag.4 Se estas duas linhas não estiverem nesta posição, suspenda levemente a ocular e gire até atingir esta situação. Em sua parte metálica superior, está gravado o aumento linear 4 da ocular (na armação metálica que sustenta a lente frontal). No caso de "seu" microscópio este valor é de: X Objetivas 1 As objetivas são associações de lentes convergentes que fornecem uma imagem real e aumentada do objeto observado. Em seu corpo metálico acham-se gravadas informações importantes como: espessura máxima da lamínula 2, aumento linear 3, abertura numérica 4. Além disso, observe que cada objetiva possui uma tarja colorida ao seu redor. No esquema ao lado, anote e identifique estes números presentes na objetiva de maior aumento linear do microscópio. Observando o microscópio, complete o quadro abaixo Objetiva maior Objetiva média Objetiva menor Aumento Linear 4 Abertura Numérica Cor da tarja Para a objetiva maior, observe qual é a espessura máxima permitida para a lamínula 3. R: mm. Atenção: Observe que as objetivas estão fixas no revólver (ou porta-objetivas). Quando for trocar a objetiva, deve-se rotacionar o revólver. NUNCA GIRE O REVÓLVER ATRAVÉS DA OBJETIVA, pois isto pode danificá-la. Verifique também que quando se gira o revólver, a objetiva que está no sistema é aquela que fica na posição vertical em sua parte posterior e que, quando ela se encaixa no caminho óptico do microscópio (ou simplesmente se encaixa), ouve-se um "clic". Vamos agora iniciar nossas observações ao microscópio. Para isso: 1- Inicialmente observe se o polarizador inferior está devidamente encaixado. 2- Retire do caminho óptico o analisador (descruze os nicóis) 1 Uma objetiva custa entre US$ 500 e 2,000 2 Observe que a lente coletora da objetiva maior é retrátil pois a distância de enfoque é muito pequena e se a lamínula for grossa demais, não se conseguirá focalizar o espécime mineral abaixo dela. 3 Aumento linear é quantas vezes a imagem obtida é maior que o objeto focalizado 4 É a quantidade de luz que efetivamente penetra na objetiva

5 Mineralogia Óptica, Nardy, A.J.R ; práticas, PI, pag.5 3- Coloque agora qualquer uma das lâminas da série , ou na platina do microscópio, focalize um pequeno cristal e procure observar qual a diferença entre as imagens obtidas por cada uma das objetivas. Comece pela de menor aumento. Treine até conseguir focalizar, o mais nítido possível, o cristal com cada uma delas. Atenção: quando for trabalhar com a objetiva de maior aumento linear, cuidado para não esmagar a lâmina! Platina 360 o 270 retículo 180 retículo 90 A platina do microscópio petrográfico é uma placa metálica, que sustenta o preparado em análise. Observe que a platina tem um movimento, de rotação e é graduada, o que permite, juntamente com os retículos da ocular, efetuar medidas de ângulos entre direções morfológicas e ópticas dos minerais, conforme esquematizado na figura ao lado. Medindo ângulos: Para que possamos entender a técnica de medir ângulos entre elementos lineares ao microscópio petrográfico observemos os esquemas a seguir: Foram traçadas duas retas em uma lâmina de vidro limpa uma azul (ou tracejada) e outra vermelha (ou cheia). O ângulo agudo entre as retas é ψ e consequentemente o obtuso será ψ. Colocamos a lâmina sobre a platina. Rotacionamos o revólver (sempre pela parte metálica dele e nunca segurando pela objetiva) selecionando a objetiva de menor aumento (de tarja vermelha).

6 Mineralogia Óptica, Nardy, A.J.R ; práticas, PI, pag Esquema 1: Focalize o ponto de intersecção entre as duas retas e posicione-a no ponto de cruzamento dos retículos do microscópio. o 360 Vamos medir o ângulo agudo entre as retas vermelha (cheia) e azul (tracejada). Gire a platina de modo que uma das retas sobreponha-se a um dos retículos. Anote o valor em graus e volte à posição original (no caso do exemplo, foi escolhido o retículo N-S e a reta azul ou tracejada da lâmina) valor lido= 360 o o Esquema 2: Gire a platina e faça coincidir com o mesmo retículo a outra reta (no caso do exemplo a reta vermelha ou cheia) o valor medido na platina foi 20 o Subtraia um valor do outro. Como na segunda rotação giramos para o lado oposto ao da graduação da platina, é necessário subtrair 360 o do valor obtido assim: = 340 º O ângulo agudo entre as duas retas do exemplo é: o = 20 o Por conseqüência o ângulo obtuso será: 180 o 20 o = 160 o

7 Mineralogia Óptica, Nardy, A.J.R ; práticas, PI, pag.7 Repita o processo acima. Pegue uma lâmina de vidro e trace duas retas com um ângulo qualquer. Faça suas leituras e preencha as figuras abaixo a exemplo dos esquemas acima. Ângulo agudo entre as retas é: graus Ângulo obtuso entre as retas é: graus Nardy, março de 2007.

II- O Microscópio Petrográfico e Tipos de Preparado para Análises

II- O Microscópio Petrográfico e Tipos de Preparado para Análises Mineralogia Óptica, Nardy, A.J.R; Machado, F.B, cap.ii, pag.11 II- O Microscópio Petrográfico e Tipos de Preparado para Análises A primeira descrição microscópica de uma rocha foi efetuada por um inglês

Leia mais

Mineralogia Óptica. T2- O Microscópio Petrográfico PEM-6020

Mineralogia Óptica. T2- O Microscópio Petrográfico PEM-6020 Mineralogia Óptica T2- O Microscópio Petrográfico PEM-6020-2010- Tipos de Preparados para Análise Luz Transmitida Luz Transmitida para a ocular Luz Refletida para a ocular Luz do polarizador prisma Objetiva

Leia mais

Aula Prática n o 2. Tema: O Microscópio Petrográfico: Operações Preliminares. Ajustes preliminares do microscópio

Aula Prática n o 2. Tema: O Microscópio Petrográfico: Operações Preliminares. Ajustes preliminares do microscópio Mineralogia Óptica, Nardy, A.J.R ; práticas, PII, pag.1 Aula Prática n o 2 Tema: O Microscópio Petrográfico: Operações Preliminares Ajustes preliminares do microscópio Perpendicularismo entre os polarizadores

Leia mais

AULA PRÁTICA SOBRE MICROSCOPIA PARTE 1

AULA PRÁTICA SOBRE MICROSCOPIA PARTE 1 1 AULA PRÁTICA SOBRE MICROSCOPIA PARTE 1 INTRODUÇÃO: O microscópio de luz é um aparelho que destina-se a observação de objetos muito pequenos, difíceis de serem examinados em detalhes a olho nu. O tipo

Leia mais

Exercícios Propostos de Mineralogia óptica

Exercícios Propostos de Mineralogia óptica Exercícios Propostos de Mineralogia óptica - 2013 1- É dado abaixo, os esquemas das seções (a) basal e (b) longitudinal seção (010) de um mineral que tem índices de refração iguais a 1,614; 1,630 e 1,633.

Leia mais

Aula Prática no 8. Tema: Ortoscopia III: Observação dos Minerais a Nicóis Cruzados: Birrefringência, Sinal de Elongação e Espessura.

Aula Prática no 8. Tema: Ortoscopia III: Observação dos Minerais a Nicóis Cruzados: Birrefringência, Sinal de Elongação e Espessura. Mineralogia Óptica, Nardy, A.J.R ; práticas, PVIII, pag.1 Aula Prática no 8 Tema: Ortoscopia III: Observação dos Minerais a Nicóis Cruzados: Birrefringência, Sinal de Elongação e Espessura. Birrefringência

Leia mais

Mineralogia Óptica. T-5 Observação dos Minerais em Nicóis Cruzados

Mineralogia Óptica. T-5 Observação dos Minerais em Nicóis Cruzados Mineralogia Óptica T-5 Observação dos Minerais em Nicóis Cruzados -2010- Prof. Antonio José Ranalli Nardy Departamento de Petrologia e Metalogenia IGCE-Unesp Principal Efeito= Cores de Interferência 1

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Microscópios Verticais do LAMEB: Cuidados Gerais e Focalização das Lâminas

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Microscópios Verticais do LAMEB: Cuidados Gerais e Focalização das Lâminas 01 de 05 REQUISITOS PRÉVIOS 1. Utilize a lâmina no microscópio sempre com a presença da lamínula. 2. Quando preparar seu material biológico entre lâmina e lamínula, assegure-se SEMPRE que as mesmas estejam

Leia mais

III- AS INDICATRIZES DOS MINERAIS

III- AS INDICATRIZES DOS MINERAIS Mineralogia Óptica, Nardy, A.J.R; Machado, F.B, cap.iii, pag.21 III- AS INDICATRIZES DOS MINERAIS Minerais isotrópicos e anisotrópicos uniaxiais Definição: Indicatriz é uma figura geométrica tridimensional

Leia mais

2º trimestre TB- FÍSICA Data: Ensino Médio 1º ano classe: Prof. J.V. Nome: nº

2º trimestre TB- FÍSICA Data: Ensino Médio 1º ano classe: Prof. J.V. Nome: nº º trimestre TB- FÍSICA Data: Ensino Médio 1º ano classe: Prof. J.V. Nome: nº Valor: 10 Nota:.. 1. (Ufsm 011) Na figura a seguir, são representados um objeto (O) e a sua imagem (I) formada pelos raios de

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO

NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO Usar guarda-pó abotoado; Usar preferencialmente calças compridas; Sapatos fechados; Cabelos presos; Não pipetar produto algum com a boca; Não usar produto que não esteja

Leia mais

Métodos de estudo em microscopia de luz e eletrônica

Métodos de estudo em microscopia de luz e eletrônica Métodos de estudo em microscopia de luz e eletrônica Microscopia O microscópio é um instrumento que permite observar objetos não visíveis a olho nu. Isto se consegue através de um sistema óptico composto

Leia mais

Roteiro 26 - Ressonância em tubos sonoros fechados e abertos

Roteiro 26 - Ressonância em tubos sonoros fechados e abertos Roteiro 26 - Ressonância em tubos sonoros fechados e abertos 1 INTRODUÇÃO Denomina-se tubo sonoro a toda massa de ar, geralmente limitada por uma superfície cilíndrica fechada que, quando posta a vibrar,

Leia mais

Profa. Janaina Fracaro Engenharia Mecânica ABRIL/2014

Profa. Janaina Fracaro Engenharia Mecânica ABRIL/2014 Profa. Janaina Fracaro Engenharia Mecânica ABRIL/2014 PAQUIMETRO O paquímetro é um instrumento usado para medir as dimensões lineares internas, externas e de profundidade de uma peça. Consiste em uma régua

Leia mais

ESPECTRÔMETRO ÓPTICO. Cad. Cat. Ens. Fis., Florianópolis, 2(1): 31-36, abr

ESPECTRÔMETRO ÓPTICO. Cad. Cat. Ens. Fis., Florianópolis, 2(1): 31-36, abr ESPECTRÔMETRO ÓPTICO Norberto C. Ferreira IF USP São Paulo SP José de Pinho Alves Filho Depto de Física UFSC Florianópolis SC Introdução Quando se fala em espectrômetro óptico, imediatamente vem à mente

Leia mais

SISTEMAS DE IMAGEM GUIÃO LABORATORIAL. 1. Luneta astronómica

SISTEMAS DE IMAGEM GUIÃO LABORATORIAL. 1. Luneta astronómica SISTEMAS DE IMAGEM GUIÃO LABORATORIAL (versão 3 de Novembro de 2011) 1. Luneta astronómica Objectivos: Implementar uma luneta astronómica e analisar as imagens resultantes. Equipamento: laser de He:Ne,

Leia mais

3 - Na figura a seguir, está esquematizado um aparato experimental que é utilizado. 1 - Dois raios de luz, um vermelho (v) e outro

3 - Na figura a seguir, está esquematizado um aparato experimental que é utilizado. 1 - Dois raios de luz, um vermelho (v) e outro 1 - Dois raios de luz, um vermelho (v) e outro azul (a), incidem perpendicularmente em pontos diferentes da face AB de um prisma transparente imerso no ar. No interior do prisma, o ângulo limite de incidência

Leia mais

Profa. Janaina Fracaro Engenharia Mecânica ABRIL/2014

Profa. Janaina Fracaro Engenharia Mecânica ABRIL/2014 Profa. Janaina Fracaro Engenharia Mecânica ABRIL/2014 Projetores já trabalham ao lado das máquinas operatrizes ou, muitas vezes, sobre elas, mostrando detalhes da própria peça durante a usinagem. CARACTERISTICAS

Leia mais

LENTES E INSTRUMENTOS

LENTES E INSTRUMENTOS Experimento 1 LENTES E INSTRUMENTOS ÓTICOS 1.1 OBJETIVOS Construir e utilizar corretamente um microscópio composto, uma lupa, uma luneta astronômica e uma luneta terrestre. Classificar as imagens formadas.

Leia mais

POLARIZAÇÃO DA LUZ. Figura 1 - Representação dos campos elétrico E e magnético B de uma onda eletromagnética que se propaga na direção x.

POLARIZAÇÃO DA LUZ. Figura 1 - Representação dos campos elétrico E e magnético B de uma onda eletromagnética que se propaga na direção x. POLARIZAÇÃO DA LUZ INTRODUÇÃO Uma onda eletromagnética é formada por campos elétricos e magnéticos que variam no tempo e no espaço, perpendicularmente um ao outro, como representado na Fig. 1. A direção

Leia mais

Quando uma peça é muito pequena, fica difícil visualizar seu perfil e verificar suas medidas com os aparelhos e instrumentos já vistos.

Quando uma peça é muito pequena, fica difícil visualizar seu perfil e verificar suas medidas com os aparelhos e instrumentos já vistos. Projetores Um problema Quando uma peça é muito pequena, fica difícil visualizar seu perfil e verificar suas medidas com os aparelhos e instrumentos já vistos. Esse problema é resolvido com os projetores

Leia mais

OTI Ótica QUÍMICA

OTI Ótica QUÍMICA OTI-0002 - Ótica QUÍMICA Estágio em Docência Marsal Eduardo Bento Professor da Disciplina: Holokx Abreu Albuquerque Abril/2014 1 Sumário Instrumentos Ópticos Lente de aumento simples Microscópio composto

Leia mais

ESPELHOS E LENTES 01/09/16

ESPELHOS E LENTES 01/09/16 ESPELHOS E LENTES 01/09/16 UM ESPELHO É UMA SUPERFÍCIE MUITO LISA E QUE PERMITE ALTO ÍNDICE DE REFLEXÃO DA LUZ QUE INCIDE SOBRE ELE. ESPELHOS POSSUEM FORMAS VARIADAS: ESPELHOS PLANOS DEFINIÇÃO UM ESPELHO

Leia mais

defi departamento de física

defi departamento de física defi departamento de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt Estudo das leis da reflexão e da refracção Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Física Rua Dr. António Bernardino

Leia mais

Física. Leonardo Gomes (Arthur F. Vieira) Óptica

Física. Leonardo Gomes (Arthur F. Vieira) Óptica Óptica Óptica 1. (Fuvest-SP) Em agosto de 1999, ocorreu o último eclipse solar total do século. Um estudante imaginou, então, uma forma de simular eclipses. Pensou em usar um balão esférico e opaco, de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL Laboratório de Física Moderna I Análise de Espectros Atômicos com o Espectrômetro com Prisma Objetivo Familiarizar-se e aprender

Leia mais

Introdução às Ciências Físicas Módulo 1 Aula 1

Introdução às Ciências Físicas Módulo 1 Aula 1 Experimento 2 A emissão da luz por diferentes fontes Objetivo: Construir um modelo para a emissão de luz por uma fonte não puntiforme. Material utilizado! caixa escura! máscaras! fonte de luz 1 com lâmpadas

Leia mais

Apostila de Instrumentação. Módulo: Paquímetro

Apostila de Instrumentação. Módulo: Paquímetro Módulo: Paquímetro AUTORES: Prof. Msc. SAMUEL MENDES FRANCO Prof. Msc. OSNI PAULA LEITE Prof. Msc. LUIS ALBERTO BÁLSAMO 1 Paquímetro Introdução O paquímetro, nome de origem grega que significa medida grossa,

Leia mais

INSTRUMENTOS DE TOPOGRAFIA

INSTRUMENTOS DE TOPOGRAFIA FACULDADE SUDOESTE PAULISTA Curso de Engenharia Civil Topografia Aplicada INSTRUMENTOS DE TOPOGRAFIA Prof.ª AMANSLEONE DA S. TEMÓTEO 26/02/13 CONTEÚDO INSTRUMENTOS UTILIZADOS EM MEDIDAS LINEARES DIRETAS

Leia mais

MICROSCOPIA E O ESTUDO DA CÉLULA

MICROSCOPIA E O ESTUDO DA CÉLULA Citologia e Histologia MICROSCOPIA E O ESTUDO DA CÉLULA PROFESSORA: Fernanda Guimarães E-MAIL: guimaraes.biologia@gmail.com NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO BIOLÓGICA Estruturas microscópicas Invisíveis a olho nu

Leia mais

Microbilogia de Alimentos I - Curso de Engenharia de Alimentos Profª Valéria Ribeiro Maitan

Microbilogia de Alimentos I - Curso de Engenharia de Alimentos Profª Valéria Ribeiro Maitan 10 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PUC Goiás ESCOLA DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS Aula nº 2- Preparações Microscópicas: Preparações a Fresco Introdução O olho humano é incapaz

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 321/078/2015 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 078/2015 SRP PROCESSO Nº /

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 321/078/2015 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 078/2015 SRP PROCESSO Nº / SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE COMPRAS Prédio II da Reitoria - Rua Desembargador Vitor Lima, 222 - Trindade 6º andar CEP: 88040-400

Leia mais

ATIVIDADES 2016 COLÉGIO ESTADUAL INDEPENDÊNCIA PRIMEIRA ATIVIDADE REVITALIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS

ATIVIDADES 2016 COLÉGIO ESTADUAL INDEPENDÊNCIA PRIMEIRA ATIVIDADE REVITALIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS ATIVIDADES 2016 COLÉGIO ESTADUAL INDEPENDÊNCIA PRIMEIRA ATIVIDADE REVITALIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS PARCERIA PIBID BIOLOGIA/UEG PRÁTICA - BRIÓFITAS Objetivo Observar e reconhecer as estruturas

Leia mais

Óptica Geométrica. Construções geométricas em lentes delgadas"

Óptica Geométrica. Construções geométricas em lentes delgadas Óptica Geométrica Construções geométricas em lentes delgadas" Gonçalo Figueira goncalo.figueira@tecnico.ulisboa.pt Complexo Interdisciplinar, ext. 3375 Tel. 218 419 375 1.º semestre 2015/16" https://fenix.tecnico.ulisboa.pt/disciplinas/lfeb2517/2015-2016/1-semestre"

Leia mais

Apostila de Instrumentação. Módulo: Micrômetro

Apostila de Instrumentação. Módulo: Micrômetro Módulo: Micrômetro AUTORES: Prof. Msc. SAMUEL MENDES FRANCO Prof. Msc. OSNI PAULA LEITE Prof. Msc. LUIS ALBERTO BÁLSAMO 1 Micrômetros Introdução Em 1638 foi desenvolvido um instrumento provido de um parafuso

Leia mais

25 Problemas de Óptica

25 Problemas de Óptica 25 Problemas de Óptica Escola Olímpica - Gabriel Lefundes 25 de julho de 2015 Problema 1. O ângulo de deflexão mínimo um certo prisma de vidro é igual ao seu ângulo de refração. Encontre-os. Dado: n vidro

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Ulbra 016) Um objeto está à frente de um espelho e tem sua imagem aumentada em quatro vezes e projetada em uma tela que está a,4 m do objeto, na sua horizontal. Que tipo de espelho foi utilizado e

Leia mais

PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ

PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ INTRODUÇÃO: O microscópio de luz é um aparelho que destina-se a observação de objetos muito pequenos, difíceis de serem examinados em detalhes a olho nu. O tipo de microscópio

Leia mais

Laboratório de Física I - EAD- UESC 2011

Laboratório de Física I - EAD- UESC 2011 Laboratório de Física I - EAD- UESC 2011 Equipe: 1. Nome:... 2. Nome:... 3. Nome:... Pólo:... Data:... Experiência dois: QUEDA LIVRE Relatório Programado: Guia para tomada e análise de dados Prazo: 1 semana

Leia mais

Chamamos de instrumentos de projeção aqueles que fornecem uma imagem real, que pode, portanto, ser projetada em um anteparo, uma tela ou um filme.

Chamamos de instrumentos de projeção aqueles que fornecem uma imagem real, que pode, portanto, ser projetada em um anteparo, uma tela ou um filme. Chamamos de instrumentos de projeção aqueles que fornecem uma imagem real, que pode, portanto, ser projetada em um anteparo, uma tela ou um filme. A câmera fotográfica é constituída essencialmente por

Leia mais

2) (UFRJ) A figura a seguir mostra um objeto pontual P que se encontra a uma distância de 6,0 m de um espelho plano.

2) (UFRJ) A figura a seguir mostra um objeto pontual P que se encontra a uma distância de 6,0 m de um espelho plano. EXERCÍCIOS DE REVISÃO DO PRIMEIRO SEMESTRE (SETOR 1215) CARRILHO 1) A figura a seguir representa os perfis de dois espelhos planos E e E'. O raio de luz I incide obliquamente no espelho E, formando um

Leia mais

O raio incidente, o raio refletido e a reta perpendicular à superfície, no ponto de incidência, estão contidos no mesmo plano.

O raio incidente, o raio refletido e a reta perpendicular à superfície, no ponto de incidência, estão contidos no mesmo plano. REFLEXÃO DA LUZ A PRIMEIRA LEI Maria Christina Experimento para entender a lei da reflexão da luz que diz: O raio incidente, o raio refletido e a reta perpendicular à superfície, no ponto de incidência,

Leia mais

Determinação do poder rotatório específico das soluções

Determinação do poder rotatório específico das soluções Determinação do poder rotatório específico das soluções O poder rotatório específico vai ser determinado utilizando o polarímetro. É necessário proceder-se à calibração deste aparelho. Constituição e características

Leia mais

figura 1 índice de refração: n 2 = 1,7; adotando que a lente está inicialmente no ar, índice de refração do ar: n 1 = 1.

figura 1 índice de refração: n 2 = 1,7; adotando que a lente está inicialmente no ar, índice de refração do ar: n 1 = 1. Uma lente delgada biconvexa cujos raios de curvatura são iguais a 42 cm, tem índice de refração,7. Introduz-se essa lente num cuba transparente de faces paralelas, verticais e de espessura desprezível.

Leia mais

PROVA FÍSICA 1º TRIMESTRE 2013 PROF. VIRGÍLIO

PROVA FÍSICA 1º TRIMESTRE 2013 PROF. VIRGÍLIO PROVA FÍSICA 1º TRIMESTRE 2013 PROF. VIRGÍLIO NOME Nº 1º ANO A prova deve ser feita com caneta azul ou preta. É terminantemente proibido o uso de corretor. Respostas com corretor serão anuladas. As questões

Leia mais

è Reconhecer a importância das rochas no fornecimento de informações sobre o passado da Terra.

è Reconhecer a importância das rochas no fornecimento de informações sobre o passado da Terra. è Reconhecer a importância das rochas no fornecimento de informações sobre o passado da Terra. è Conhecer o trabalho dos geólogos e a importância da Geologia como ciência que estuda o presente e o passado

Leia mais

LABORATÓRIO DE FÍSICA I - Curso de Engenharia Mecânica

LABORATÓRIO DE FÍSICA I - Curso de Engenharia Mecânica LABORATÓRIO DE FÍSICA I - Curso de Engenharia Mecânica Experimento N 0 03: MOVIMENTO RETILINEO UNIFORME E MOVIMENTO RETILÍNEO UNIFORME VARIADO Objetivos Gerais Ao termino desta atividade o aluno deverá

Leia mais

OBJETIVOS MÉTODO EXPERIMENTAL

OBJETIVOS MÉTODO EXPERIMENTAL OBJETIVOS Mostrar que há dois tipos de carga elétrica. Estudar qualitativamente as forças que atuam entre corpos carregados. Mostrar que as forças entre corpos carregados podem ser entendidas em termos

Leia mais

Lista de Problemas rad.)

Lista de Problemas rad.) Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Física FIS01044 UNIDADE III Difração Lista de Problemas Problemas extraídos de HALLIDAY, D., RESNICK, R., WALKER, J. Fundamentos

Leia mais

ZAB Física Geral e Experimental IV

ZAB Física Geral e Experimental IV ZAB0474 - Física Geral e Experimental IV Experimentos 1 Polarização 2 Difração 3 Espectro Atômico 4 Luminescência Experimento 1 - Polarização Objetivo: Medir a intensidade da luz que atravessa um conjunto

Leia mais

Física. Leonardo Gomes (Arthur Vieira) 27 e Refração da Luz

Física. Leonardo Gomes (Arthur Vieira) 27 e Refração da Luz Refração da Luz Refração da Luz 1. Um raio de luz monocromática passa do meio 1 para o meio 2 e deste para o meio 3. Sua velocidade de propagação relativa aos meios citados é v 1, v 2 e v 3, respectivamente.

Leia mais

Roteiro 22 Reflexão e Refração de uma onda bidimensional num meio líquido

Roteiro 22 Reflexão e Refração de uma onda bidimensional num meio líquido Roteiro 22 Reflexão e Refração de uma onda bidimensional num meio líquido INTRODUÇÃO As ondas podem sofrer o efeito de diversos fenômenos, dentre eles estão a reflexão e a refração. Quando uma onda que

Leia mais

#02 PROJETO MESA DE IMPRESSÃO SIMPLES FIXA NA PAREDE

#02 PROJETO MESA DE IMPRESSÃO SIMPLES FIXA NA PAREDE Esse projeto é essencial para impressão na serigrafia em superfícies planas. Essa mesa simples ou berço é muito comum no uso de impressões de camisetas já costuradas. Vamos criar uma mesa com uma estrutura

Leia mais

NOMENCLATURA DO TEODOLITO

NOMENCLATURA DO TEODOLITO NOMENCLATURA DO TEODOLITO O NOME TEODOLITO THEA = VISTA HODOS = UM MEIO LITOS = CLARO SURGIU EM 1560 DIVISÃO BASE DO LIMBO TEODOLITO ALIDADE ALIDADE LIMBO BASE TEODOLITO BASE SE COMPÕE DE UMA PLACA ESPESSA

Leia mais

ESPELHOS E LENTES. Autora: Viviane Lopes da Costa

ESPELHOS E LENTES. Autora: Viviane Lopes da Costa Autora: Viviane Lopes da Costa ESPELHOS E LENTES Contexto: Esta aula destina-se a 8 a série (4 o ciclo do Ensino Fundamental). Tem um enfoque prático, retomando os conhecimentos adquiridos na aula teórica

Leia mais

Laboratorio de Física I - EAD- UESC 2011

Laboratorio de Física I - EAD- UESC 2011 Laboratorio de Física I - EAD- UESC 2011 Equipe: 1. Nome:... 2. Nome:... 3. Nome:... Pólo:... Data:... Experiência 1: CANHÃO DE BORRACHINHA Relatório Programado: Guia para tomada e análise de dados Prazo:

Leia mais

Atividades Para fixar a formação de imagens nas lentes convergentes e divergentes, clique no link abaixo e movimente o objeto que está posicionado dainte da lente. Observe o que acontece com a imagem à

Leia mais

Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem

Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem Professor: Me. Diego Alves de Oliveira Outubro de 2013 Oliveira Estereoscopia É um fenômeno natural; Resulta da aplicação da visão binocular na observação

Leia mais

Professora Bruna CADERNO 1. Capítulo 4. Fenômenos Ópticos: Refração, Absorção e Dispersão da Luz

Professora Bruna CADERNO 1. Capítulo 4. Fenômenos Ópticos: Refração, Absorção e Dispersão da Luz CADERNO 1 Capítulo 4 Fenômenos Ópticos: Refração, Absorção e Dispersão da Luz FENÔMENOS ÓPTICOS No capítulo anterior demos início ao estudo dos fenômenos ópticos. Um fenômeno óptico ocorre quando a luz

Leia mais

3º Trabalho de Laboratório Óptica geométrica

3º Trabalho de Laboratório Óptica geométrica 3º Trabalho de Laboratório Óptica geométrica NOTA: Os valores esperados devem ser calculados antes da realização experimental deste trabalho. Experiência 1: Determinação do índice de refracção de um vidro

Leia mais

Atividade de Recuperação de Física Setor A

Atividade de Recuperação de Física Setor A Atividade de Recuperação de Física Setor A Professor da Disciplina: Ricardo Data: / /16 1º TRIMESTRE Aluno(a): Nº: Nota: 3 ano Ensino Médio Período: Matutino Valor da avaliação: 5,0 Instruções gerais:

Leia mais

19/Dez/2012 Aula Sistemas ópticos e formação de imagens 23.1 Combinação de lentes 23.2 Correcção ocular 23.3 Microscópio 23.

19/Dez/2012 Aula Sistemas ópticos e formação de imagens 23.1 Combinação de lentes 23.2 Correcção ocular 23.3 Microscópio 23. 7/Dez/2012 Aula 22 22. Óptica geométrica 22.1 Espelhos planos 22.2 Espelhos curvos (esféricos) 22.3 Espelhos convexos 22.4 Imagens formadas por refracção 22.5 Lentes finas 22.6 Lentes grossas 22.7 Convenções

Leia mais

Apresentação e Aplicações de Óptica Geométrica (ENEM/UERJ)

Apresentação e Aplicações de Óptica Geométrica (ENEM/UERJ) Apresentação e Aplicações de Óptica Geométrica (ENEM/UERJ) Sérgio Ferreira de Lima http://aprendendofisica.net/rede/blog/category/aprofundamento/ cp2@sergioflima.pro.br Óptica Geométrica: Estudo dos fenômenos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Instituto UFC virtual Licenciatura em Química PRÁTICA 2: PAQUÍMETRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Instituto UFC virtual Licenciatura em Química PRÁTICA 2: PAQUÍMETRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Instituto UFC virtual Licenciatura em Química PRÁTICA 2: PAQUÍMETRO 2.1 OBJETIVOS - Conhecimento do paquímetro e familiarização com o seu uso. 2.2 MATERIAL - Paquímetro -

Leia mais

1º trabalho de Laboratório Óptica geométrica

1º trabalho de Laboratório Óptica geométrica 1º trabalho de Laboratório Óptica geométrica Experiência 1: Determinação do índice de refracção de um vidro acrílico A direcção de propagação da luz altera-se quando a luz atravessa uma superfície de separação

Leia mais

Espelhos esféricos. Calota esférica

Espelhos esféricos. Calota esférica Espelhos esféricos Espelhos esféricos são espelhos que resultam do corte de uma esfera formando o que se chama de calota esférica.nesses espelhos, uma das superfícies da calota é espelhada, produzindo

Leia mais

Exercícios LENTES -1.

Exercícios LENTES -1. Exercícios LENTES -1. 1. (PUC-PR) A equação de Gauss relaciona a distância focal (f) de uma lente esférica delgada com as distâncias do objeto (p) e da imagem (p ) ao vértice da lente. O gráfico dado mostra

Leia mais

ONDULATÓRIA ONDA perturbação que se propaga em um meio transferir energia sem transportar matéria.

ONDULATÓRIA ONDA perturbação que se propaga em um meio transferir energia sem transportar matéria. ONDULATÓRIA Entender o comportamento das ondas é fundamental para entender boa parte da natureza que nos cerca, uma vez que, muito dos fenômenos que nos cercam, tem comportamento ondulatório. Por exemplo:

Leia mais

Exercícios Dissertativos

Exercícios Dissertativos Exercícios Dissertativos 1. (2002) O Sol tem diâmetro de 1, 4.10 9 m e a sua distância média à Terra é de 1, 5.10 11 m. Um estudante utiliza uma lente convergente delgada de distância focal 0,15 m para

Leia mais

INSTITUTO DE FÍSICA DA UNIVERSIDADE

INSTITUTO DE FÍSICA DA UNIVERSIDADE INSTITUTO DE FÍSICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Laboratório de Eletromagnetismo (4300373) 2 o SEMESTRE DE 2013 Grupo:......... (nome completo) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Data : / / Experiência

Leia mais

Aula 07 Medidas Indiretas Medidas eletrônicas

Aula 07 Medidas Indiretas Medidas eletrônicas UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER Laboratório de Topografia Aula 07 Medidas Indiretas Medidas eletrônicas Prof. Dr.

Leia mais

Técnicas de Trabalho com Material Volumétrico

Técnicas de Trabalho com Material Volumétrico Universidade Federal de Goiás Instituto de Química Curso Experimental de Transformações Químicas 2010 Prof. Dr. Anselmo (adaptado, Agustina) Técnicas de Trabalho com Material Volumétrico 1 Objetivo Nesta

Leia mais

REFRAÇÃO DA LUZ PROFESSOR RODRIGO PENNA PRODUÇÃO E DESENVOLVIMENTO

REFRAÇÃO DA LUZ PROFESSOR RODRIGO PENNA PRODUÇÃO E DESENVOLVIMENTO REFRAÇÃO DA LUZ PROFESSOR RODRIGO PENNA PRODUÇÃO E DESENVOLVIMENTO RODRIGO RODRIGO PENNA: PENNA: o quadradinho quadradinho branco branco é um um ângulo ângulo reto. reto. Mostrar Mostrar os os ângulos

Leia mais

Prática 7: Interferência I: Anéis de Newton

Prática 7: Interferência I: Anéis de Newton Prática 7: Interferência I: Anéis de Newton I - Introdução Nesta prática, vamos estudar os fenômenos de interferência que ocorrem com fontes de luz, verificando as leis físicas que governam tais processos.

Leia mais

Elementos ópticos. 1 - Conceitos relacionados. Reflexão e refração da luz, imagem real, imagem virtual, distância focal.

Elementos ópticos. 1 - Conceitos relacionados. Reflexão e refração da luz, imagem real, imagem virtual, distância focal. 1 - Conceitos relacionados Reflexão e refração da luz, imagem real, imagem virtual, distância focal. 2 - Objetivos Determinar a distância focal, o centro de curvatura e verificar a formação de imagens

Leia mais

Mineralogia Óptica. T4- Propriedades à Luz Natural

Mineralogia Óptica. T4- Propriedades à Luz Natural Mineralogia Óptica T4- Propriedades à Luz Natural -2010- Cor Nicóis descruzados Maioria dos minerais transparentes ao microscópio petrográfico é incolor. Apenas minerais fortemente coloridos em amostras

Leia mais

Existe um desvio entre o azimute verdadeiro e o azimute magnético.

Existe um desvio entre o azimute verdadeiro e o azimute magnético. AZIMUTE MAGNÉTICO E VERDADEIRO Existe um desvio entre o azimute verdadeiro e o azimute magnético. 1 COORDENADAS RETANGULARES E POLARES No sistema de coordenadas cartesianas a posição de um ponto fica definida

Leia mais

7º Ano de Escolaridade

7º Ano de Escolaridade ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO DE POMBAL 7º Ano de Escolaridade ACTIVIDADE PRÁTICA: Observação microscópica de seres vivos de uma infusão Disciplina: Ciências Naturais ANO LECTIVO 2010/211

Leia mais

Tipos de Linhas, Legenda e Construção Geométricas Simples. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Tipos de Linhas, Legenda e Construção Geométricas Simples. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Tipos de Linhas, Legenda e Construção Geométricas Simples. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Linhas Norma ABNT NBR 8403 de 1994 As linhas são as formas de mostrar como objeto se caracteriza. Para cada

Leia mais

DATA: / / 2014 VALOR: 20,0 pontos NOTA: NOME COMPLETO:

DATA: / / 2014 VALOR: 20,0 pontos NOTA: NOME COMPLETO: DISCIPLINA: Física PROFESSORES: Marcus Sant Ana / Fabiano Dias DATA: / / 2014 VALOR: 20,0 pontos NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 2ª SÉRIE EM TURMA: Nº: I N S T R U Ç

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Mogi Mirim Arthur de Azevedo EXPERIMENTO 8

Faculdade de Tecnologia de Mogi Mirim Arthur de Azevedo EXPERIMENTO 8 Faculdade de Tecnologia de Mogi Mirim Arthur de Azevedo Roteiro para prática experimental EXPERIMENTO 8 Força não constante: força da mola e Associação de molas Disciplina: Física Experimental GRUPO DE

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS ESPELHOS ESFÉRICOS E PLANOS Prof. Evandro 1ª Série E.M.

LISTA DE EXERCÍCIOS ESPELHOS ESFÉRICOS E PLANOS Prof. Evandro 1ª Série E.M. LISTA DE EXERCÍCIOS ESPELHOS ESFÉRICOS E PLANOS Prof. Evandro 1ª Série E.M. 01 Um objeto é colocado a 10 cm de um espelho côncavo, de distância focal igual a 20 cm. A imagem do objeto será: a) do tamanho

Leia mais

Produto nascido a partir do feedback e solicitações dos clientes mais exigentes. SISTEMA DE ILUMINAÇÃO INTELIGENTE

Produto nascido a partir do feedback e solicitações dos clientes mais exigentes. SISTEMA DE ILUMINAÇÃO INTELIGENTE Série B-800 MICROSCÓPIO MODULAR PARA PESQUISA B-800 Desenho mecânico de alto nível que é sinônimo de resistência e durabilidade. Controles ergonômicos e de fácil acessibilidade. Projetado para longos períodos

Leia mais

defi departamento de física

defi departamento de física defi departamento de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt Interferómetro de Michelson Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Física Rua Dr. António Bernardino de Almeida,

Leia mais

Modelo de estação total Leica TS02

Modelo de estação total Leica TS02 Teodolito/ Taqueômetro/ Estação Total Modelo de estação total Leica TS02 (utilizado nas aulas práticas) 2/25 Teodolito/Taqueômetro/ET Teodolito mede ângulos horizontais e verticais. Taqueômetro é um teodolito

Leia mais

Sala de Estudos FÍSICA - Lucas 2 trimestre Ensino Médio 1º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Lentes Esféricas: Construções das Imagens

Sala de Estudos FÍSICA - Lucas 2 trimestre Ensino Médio 1º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Lentes Esféricas: Construções das Imagens Sala de Estudos FÍSICA - Lucas 2 trimestre Ensino Médio 1º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Lentes Esféricas: Construções das Imagens 1. (Espcex (Aman) 2012) Um objeto é colocado sobre o

Leia mais

Figura 1 - Onda electromagnética colimada

Figura 1 - Onda electromagnética colimada Biofísica P12: Difração e interferência 1. Objectivos Observação de padrões de difração e interferência Identificação das condições propícias ao aparecimento de fenómenos de difração e interferência Aplicação

Leia mais

Prof. Dr. Lucas Barboza Sarno da Silva

Prof. Dr. Lucas Barboza Sarno da Silva Prof. Dr. Lucas Barboza Sarno da Silva Onda Polarizada: Onda que possui apenas uma direção de vibração para uma direção de propagação. Direção de vibração Direção de vibração Direção de propagação Direção

Leia mais

Paquímetro: tipos e usos

Paquímetro: tipos e usos Paquímetro: tipos e usos A U U L A L A Como a empresa fabricou muitas peças fora das dimensões, o supervisor suspendeu o trabalho e analisou a causa do problema. Concluiu que a maioria dos profissionais

Leia mais

FÍSICA MÓDULO 14 A REFLEXÃO DA LUZ EM ESPELHOS PLANOS E ESFÉRICOS. Professor Sérgio Gouveia

FÍSICA MÓDULO 14 A REFLEXÃO DA LUZ EM ESPELHOS PLANOS E ESFÉRICOS. Professor Sérgio Gouveia FÍSICA Professor Sérgio Gouveia MÓDULO 14 A REFLEXÃO DA LUZ EM ESPELHOS PLANOS E ESFÉRICOS 1. ESPELHO É qualquer superfície polida capaz de refletir a luz. 2. ESPELHO PLANO É uma superfície plana polida.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LABORATÓRIO MORFOFUNCIONAL. Normas de uso do Laboratório Morfofuncional

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LABORATÓRIO MORFOFUNCIONAL. Normas de uso do Laboratório Morfofuncional Normas de uso do Laboratório Morfofuncional 2008 I. Introdução O Laboratório Morfofuncional (LMF) é um espaço do Centro de Ciências Biológicas destinado ao estudo integrado das diferentes áreas do conhecimento.

Leia mais

Trabalho Prático nº 5

Trabalho Prático nº 5 ONDAS E ÓPTICA - 2008/2009 Trabalho Prático nº 5 LENTES ESPESSAS; ASSOCIAÇÃO DE LENTES 1 Objectivo Pretende-se verificar experimentalmente a formação da imagem dada por sistemas ópticos simples, constituídos

Leia mais

ESTUDO DAS LENTES I) INTRODUÇÃO

ESTUDO DAS LENTES I) INTRODUÇÃO ESTUDO DAS LENTES I) INTRODUÇÃO A) DEFINIÇÃO: Corresponde a uma uma substância refrigente isolada entre duas superfícies onde uma necessariamente é esférica e a outra podendo ser esférica ou plana. B)

Leia mais

Topografia NIVELAMENTO GEOMÉTRICO

Topografia NIVELAMENTO GEOMÉTRICO Topografia NIVELAMENTO GEOMÉTRICO Macedo, M.Sc. Poli, Brasil.. 2014 2/32 É o sistema de medições altimétricas que consiste em determinar as diferenças de nível entre dois pontos observados mediante visadas

Leia mais

MANUAL DO CONSUMIDOR VENTILADOR DE TETO

MANUAL DO CONSUMIDOR VENTILADOR DE TETO VENTILADOR DE TETO MODELOS: SUNNY, SUNNY CONTR FHARO Obrigado por adquirir o. Antes de utilizar o seu produto leia atentamente este manual de instruções. Após a leitura guarde-o em local seguro para consultas

Leia mais

Elaborado pelos professores Marco Albano e Sheyla Serra Disciplina Expressão Gráfica para Engenharia (EGE) - EA, fev./2008.

Elaborado pelos professores Marco Albano e Sheyla Serra Disciplina Expressão Gráfica para Engenharia (EGE) - EA, fev./2008. Elaborado pelos professores Marco Albano e Sheyla Serra Disciplina Expressão Gráfica para Engenharia (EGE) - EA, fev./2008. A escolha de um bom instrumento de trabalho é primeiro passo para um bom desenho

Leia mais

LUZ. A luz é uma forma de energia, que tem origem nos corpos luminosos e que se propaga em todas as direções.

LUZ. A luz é uma forma de energia, que tem origem nos corpos luminosos e que se propaga em todas as direções. LUZ A luz é uma forma de energia, que tem origem nos corpos luminosos e que se propaga em todas as direções. CORPOS LUMINOSOS São corpos que emitem luz. CORPOS ILUMINADOS São corpos que recebem luz e a

Leia mais

Ondas Estacionárias em uma Corda

Ondas Estacionárias em uma Corda Ondas Estacionárias em uma Corda INTRODUÇÃO Ondas estacionárias em uma corda finita Em uma corda uniforme de densidade linear de massa, submetida a uma tensão T, a velocidade de propagação v de um pulso

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO:

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO: OLIMPÍADA BRASILEIRA DE FÍSICA 2015 3ª FASE 10 DE OUTUBRO DE 2015 PROVA EXPERIMENTAL NÍVEL II Ensino Médio 1ª e 2ª série. LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO: 01 - Esta prova destina-se exclusivamente

Leia mais

Métodos de estudo e Técnicas: como estudar as células

Métodos de estudo e Técnicas: como estudar as células Histologia (Enfermagem) Métodos de estudo e Técnicas: como estudar as células Prof a Dr a. Iêda Guedes Métodos de estudo e Técnicas: como estudar as células A Célula Processamento do material biológico

Leia mais