Circuitos Ativos em Micro-Ondas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Circuitos Ativos em Micro-Ondas"

Transcrição

1 Circuitos Ativos em Micro-Ondas Unidade 2 Topologias Típicas de Circuitos Transmissores e Receptores Prof. Marcos V. T. Heckler 1

2 Conteúdo Introdução Ruído em circuitos de micro-ondas Topologia de um receptor típico Topologia de um transmissor típico 2

3 Introdução Sistema típico para comunicação sem fio: Antena transmissora Antena receptora Amplificador de potência Guia de onda ou linha de transmissão Onda eletromagnética Guia de onda ou linha de transmissão Amplificador de baixo ruído Gerador de informação Sinais elétricos Circuito transmissor (TX) Circuito receptor (RX) Receptor da informação Sinais elétricos 3

4 Introdução Nesta unidade, serão abordados os seguintes aspectos: Estudo das características principais de circuitos RX e TX Identificação dos componentes necessários para projeto de circuitos RX e TX Estudo dos efeitos e da caracterização do ruído elétrico em sistemas em micro-ondas 4

5 Ruído em Circuitos de Micro-Ondas Definição: Ruído em sistemas de comunicação é um sinal resultante do movimento aleatório de elétrons (e buracos, no caso de semicondutores) devido às vibrações existentes em qualquer material que se encontra a temperaturas acima de 0K. Ruído branco (white noise): É o ruído que apresenta densidade de potência constante com a frequência. 5

6 potência Ruído em Circuitos de Micro-Ondas Espectro e forma de onda: v(t) t frequência Características: -Amplitude varia aleatoriamente no tempo -Potência existente para qualquer frequência 6

7 Ruído em Circuitos de Micro-Ondas Causas (fontes) do ruído elétrico: Ruído térmico Ocorre pela agitação das moléculas do material acima de 0K Ruído de disparo (shot noise) Ocorre em alguns dispositivos semicondutores Ruído de tremulação (flicker noise) Presente em semicondutores Mais intenso nas baixas frequências (1/f-noise) Ruído de plasma Ocorre em gases ionizados, como a ionosfera 7

8 Ruído em Circuitos de Micro-Ondas Temperatura de ruído: Ruído em um resistor de resistência R: + V n 4hfBR V n hf / kt - e 1 Onde: h = 6, J-s é a Constante de Planck k = 1, J/K é a Constante de Boltzmann T é a temperatura, em Kelvin B é a banda do sistema, em Hertz f é a frequência central de operação, em Hertz R é a resistência, em Ohms 8

9 Ruído em Circuitos de Micro-Ondas Temperatura de ruído: Em micro-ondas, hf << kt. Utilizando série de Taylor para realizar a aproximação, resulta que: + - V n V n 4kTBR Potência de ruído: Vn N0 R 2R 2 ktb R V n Filtro passa-baixa ideal com banda passante B R 9

10 Ruído em Circuitos de Micro-Ondas Temperatura de ruído: Temperatura equivalente do resistor: N0 T e kb Para caracterizar um amplificador em termos de ruído, tem-se que: N i = 0 N 0 T = 0K R V n Amplificador com ganho G e temperatura de ruído T e R 10

11 Ruído em Circuitos de Micro-Ondas Temperatura de ruído: Alternativamente: N i N 0 N i ktb e R V n Amplificador com ganho G e sem ruído R N 0 GkT e B 11

12 Ruído em Circuitos de Micro-Ondas Razão Sinal-Ruído: Corresponde à relação entre a potência do sinal e a potência do ruído. SNR P N sinal 0 SNR 12

13 Ruído em Circuitos de Micro-Ondas Figura de ruído: Figura de ruído é uma definição alternativa à temperatura de ruído, e mede a degradação da razão sinal-ruído entre a saída e a entrada de um dispositivo, sempre considerando T = 290K. Por definição: NF S S i o / / N N i o 1 13

14 Ruído em Circuitos de Micro-Ondas Figura de ruído: Relação com a temperatura equivalente de ruído: Relações para sistemas em cascata: T total e T NF 1 T T T o T e2 e3 e1 G1 G1G 2... NF total NF NF 1 NF3 1 G G 2 1 G

15 Topologia de um Receptor Típico Módulos principais: Estágios de RF (rádio-frequência). Estágios de mixagem ou conversão de frequência Estágios de FI (frequência intermediária) Principais considerações para projeto: Ganho Figura de ruído Potência máxima suportada na entrada Frequências dos sinais interferentes Frequências imagem 15

16 Topologia de um Receptor Típico Diagrama de blocos (Receptor GNSS): Estágios de RF Estágios de conversão de frequência Estágios de IF 16

17 Topologia de um Receptor Típico Para o receptor GNSS: Frequência central de operação: 1,575 GHz Sinais interferentes mais importantes: GSM: 1,7 2,0 GHz Radares militares: 1,3 1,4 GHz Frequência imagem: RF = 1575 MHz IF = 78 MHz LO = 1653 MHz IM = 1731 MHz 17

18 Topologia de um Receptor Típico Supressão de interferências: Antena: 18

19 Topologia de um Receptor Típico Supressão de interferências: Pré-amplificador: 19

20 Topologia de um Receptor Típico Supressão de interferências: Antena + Pré-amplificador: 20

SISCOM 8 SET = ktbr em volt rms

SISCOM 8 SET = ktbr em volt rms SISCOM 8 SET 2008 1 ruído em sistema de telecomunicação fontes de ruído o ruído nos sistemas eletrônicos se deve basicamente ao caráter discreto da carga elétrica a corrente elétrica é composta de pacotes

Leia mais

Considerações gerais sobre medidas elétricas

Considerações gerais sobre medidas elétricas Considerações gerais sobre medidas elétricas Medidas de distorções, ruído e relação sinal/ruído (S/N) Distorção e ruído estão presentes em qualquer sistema físico real e normalmente contribuem para a deterioração

Leia mais

Ruído. SEL 371 Sistemas de comunicação. Amílcar Careli César Departamento de Engenharia Elétrica da EESC-USP

Ruído. SEL 371 Sistemas de comunicação. Amílcar Careli César Departamento de Engenharia Elétrica da EESC-USP Ruído SEL 371 Sstemas de comuncação Amílcar Carel César Departamento de Engenhara Elétrca da EESC-USP Atenção! Este materal ddátco é planejado para servr de apoo às aulas de SEL-371 Sstemas de comuncação,

Leia mais

PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO

PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO RUÍDO EM MODULAÇÕES ANALÓGICAS Evelio M. G. Fernández - 2011 Processo Aleatório (ou Estocástico): Função aleatória do tempo para modelar formas de onda desconhecidas. Processos

Leia mais

RUÍDOS. São sinais elétricos não desejados que interferem num sistema de telecomunicações. Possíveis classificações: Quanto a fonte:

RUÍDOS. São sinais elétricos não desejados que interferem num sistema de telecomunicações. Possíveis classificações: Quanto a fonte: RUÍDOS São sinais elétricos não desejados que interferem num sistema de telecomunicações. Possíveis classificações: Quanto a fonte: Ruído externo: quando a fonte é externa ao sistema de telecomunicações

Leia mais

Cabeamento Estruturado CAB Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral

Cabeamento Estruturado CAB Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral Cabeamento Estruturado CAB6080721 Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral 2016-1 Revisão da aula anterior... Banda passante e largura de banda Hz e bps Banda

Leia mais

Circuitos Ativos em Micro-Ondas

Circuitos Ativos em Micro-Ondas Circuitos Ativos em Micro-Ondas Unidade 1 Comportamento de Dispositivos Passivos e Semicondutores em Micro-Ondas Prof. Marcos V. T. Heckler 1 Conteúdo Introdução Resistores operando em Micro-Ondas Capacitores

Leia mais

Revelando segredos dos operadores de banda baixa, 160, 80 e 40m. Jose Carlos

Revelando segredos dos operadores de banda baixa, 160, 80 e 40m. Jose Carlos Revelando segredos dos operadores de banda baixa, 160, 80 e 40m Jose Carlos N4IS Radioamador, Pescador todos terminam em OR Selecionar o equipamento mais adequado necessita de um certo conhecimento. se

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 5

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 5 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 5 Índice 1. Ruídos, Atenuação e Falhas em Rede...3 1.1 Distorção e ruído... 3 1.1.1 Distorção... 3 1.1.2 Distorção por atenuação... 3 1.1.3 Distorção por

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) CADERNO DE PROVAS PROVA DISCURSIVA

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) CADERNO DE PROVAS PROVA DISCURSIVA Concurso Público - NÍVEL MÉDIO INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) CARGO: Técnico da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Técnico 1 Padrão I TEMA: CADERNO DE PROVAS PROVA DISCURSIVA

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

Analisador de Espectros

Analisador de Espectros Analisador de Espectros O analisador de espectros é um instrumento utilizado para a análise de sinais alternados no domínio da freqüência. Possui certa semelhança com um osciloscópio, uma vez que o resultado

Leia mais

Guias de Telecomunicações

Guias de Telecomunicações Guias de Telecomunicações Wander Rodrigues CEFET MG 2005 Sumário Apresentação do Laboratório de Telecomunicações... 04 Circuitos ressonantes... 28 Circuitos osciladores de onda senoidal oscilador Hartley...

Leia mais

MÓDULO FI 75MHz. Descrição do circuito:

MÓDULO FI 75MHz. Descrição do circuito: MÓDULO FI 75MHz. O módulo FI 75MHz é uma placa de 9 pol x 3,5 pol conectado a placa-mãe em J6 e localizado no quarto nicho (slot) da direita do rádio. É utilizado na recepção e transmissão. A Figura 5-19

Leia mais

SEL413 Telecomunicações. 1. Notação fasorial

SEL413 Telecomunicações. 1. Notação fasorial LISTA de exercícios da disciplina SEL413 Telecomunicações. A lista não está completa e mais exercícios serão adicionados no decorrer do semestre. Consulte o site do docente para verificar quais são os

Leia mais

Parte 8 - Ruído em amplificadores de alta freqüência.

Parte 8 - Ruído em amplificadores de alta freqüência. Curso urukawa - 6.07.99 8. Parte 8 - Ruído em amplificadores de alta freqüência. 8. Introdução: Ruído são sinais espúrios produzidos pelos componentes do sistema por suas características físicas, estes

Leia mais

Introdução às Telecomunicações. 3- Conceitos Básicos de Transmissão

Introdução às Telecomunicações. 3- Conceitos Básicos de Transmissão Introdução às Telecomunicações 3- Conceitos Básicos de Transmissão Conceitos básicos de sistemas de transmissão Cálculos em decibel Fatores de ganho e perda de transmissão O decibel e unidades derivadas

Leia mais

QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE - PARTE - 2

QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE - PARTE - 2 QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE - PARTE - 2 QUESTÃO 50 Se aumentarmos o valor da corrente através de um fio condutor, o que acontece com o campo magnético: a. Diminui a intensidade b. Aumenta a

Leia mais

Instrumentação Eletrônica

Instrumentação Eletrônica Instrumentação Eletrônica Leonardo A. B. Tôrres Novembro de 2003 Resumo Fundamentos de Compatibilidade Eletromagnética, caracterização de diferentes fontes de ruído elétrico intrínseco, relação sinal-ruído

Leia mais

Ruído em Sistemas de Telecomunicações

Ruído em Sistemas de Telecomunicações Ruído em Sstemas de Telecomuncações SEL 413 Telecomuncações Amílcar Carel César Departamento de Engenhara Elétrca da EESC-USP Atenção! Este materal ddátco é planejado para servr de apoo às aulas de SEL-413:

Leia mais

2.1 Interferência do Sistema Digital no Sistema PAL-M

2.1 Interferência do Sistema Digital no Sistema PAL-M 2.1 Interferência do Sistema Digital no Sistema PAL-M 2.1.1 Objetivo Este método de medida tem por objetivo avaliar a degradação produzida em um sinal analógico PAL-M interferido por um sinal digital modulado

Leia mais

Meios de Transmissão de Dados. Fundamentos. Silvio Lucas. FP.AC

Meios de Transmissão de Dados. Fundamentos. Silvio Lucas. FP.AC Meios de Transmissão de Dados Fundamentos Silvio Lucas silvio.lucas@ymail.com 2009 FP.AC.010.00 Dos primórdios... Modelo de Referência TCP/IP 2 Apenas relembrando A camada física, por exemplo: Trata de

Leia mais

Redes de Alta Velocidade

Redes de Alta Velocidade Redes de Alta Velocidade Fundamentos de Redes sem Fio Vantagens: Mobilidade + Conectividade Dispositivos móveis PDAs, notebooks, telefones celulares Aplicações móveis Escritório portátil, serviços de emergência,

Leia mais

Apresentação... 1 Introdução... 1

Apresentação... 1 Introdução... 1 Apresentação O objetivo principal deste texto é servir como material básico para uma disciplina introdutória sobre sistemas de comunicações em um curso de Engenharia Elétrica. Ele tem abrangência limitada,

Leia mais

Ruído. Aula 11 Prof. Nobuo Oki

Ruído. Aula 11 Prof. Nobuo Oki Ruído Aula 11 Prof. Nobuo Oki Considerações Gerais Ruído O ruído limita o nível mínimo do sinal que um circuito pode processar com uma qualidade aceitável. O problema do ruído relaciona-se com a potência

Leia mais

ELE 1090 PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÕES QUINTA EXPERIÊNCIA ROTEIRO EXPERIMENTAL CIRCUITOS SSB / COM 3 PARTE 1

ELE 1090 PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÕES QUINTA EXPERIÊNCIA ROTEIRO EXPERIMENTAL CIRCUITOS SSB / COM 3 PARTE 1 ELE 1090 PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÕES QUINTA EXPERIÊNCIA ROTEIRO EXPERIMENTAL CIRCUITOS SSB / COM 3 PARTE 1 OBJETIVOS: Examinar o circuito de anel balanceado como misturador e detector de AM. 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Classificação automática da modulação de sinais digitais em R.F.

Classificação automática da modulação de sinais digitais em R.F. 2º Congresso do comité português da URSI Fundação das Comunicações Classificação automática da modulação de sinais digitais em R.F. Manuel Carlos Baptista, ICP-ANACOM Nuno Borges Carvalho, IT-Universidade

Leia mais

CCNA 1 Teste de Cabos. Kraemer

CCNA 1 Teste de Cabos. Kraemer CCNA 1 Teste de Cabos Testes de Cabos Tipos de sinais Características dos meios de cobre Características dos meios ópticos Tipos de sinais Sinal Analógico (ondas senoidais) Variam continuamente O que é

Leia mais

Video Lecture RF. Laps

Video Lecture RF. Laps Video Lecture RF Laps Agenda 1. Considerações no projeto de circuitos RF 2. Casamento de impedância 3. Parâmetros S e Carta de Smith 4. Dispositivos/blocos comumente usados 5. Arquiteturas de transceptores

Leia mais

ESCOLA DE COMUNICAÇÕES AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

ESCOLA DE COMUNICAÇÕES AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA ESCOLA DE COMUNICAÇÕES AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA ESCOLA DE COMUNICAÇÕES OBJETIVOS Descrever a função de cada bloco do diagrama-bloco do RECEPTOR-TRANSMISSOR EB 11-RY 20/ERC; Descrever os procedimentos de medição

Leia mais

57)Assinale a alternativa que não representa o nome de um oscilador: A ( ) A cristal B ( ) De relaxação C ( ) Zener D ( ) Colpetts E ( ) Hartley

57)Assinale a alternativa que não representa o nome de um oscilador: A ( ) A cristal B ( ) De relaxação C ( ) Zener D ( ) Colpetts E ( ) Hartley LIGA DE AMADORES BRASILEIROS DE RADIO EMISSÃO LABRE/RN SEDE: CAIC de Lagoa Nova Vila das Federações Cx. Postal 251, Natal/RN, 59010-970) Home Page http://www.ps7aa.kit.net Tel. 3086 2140 (Ed PS7DX) e-mail:

Leia mais

Multiplexação por divisão de frequência em links de fibra ótica para arranjo de antenas defasadas

Multiplexação por divisão de frequência em links de fibra ótica para arranjo de antenas defasadas Resumo de trabalho Multiplexação por divisão de frequência em links de fibra ótica para arranjo de antenas defasadas Disciplina: Componentes e sistemas de sensoriamento a fibra ótica PEA5719 Professor:

Leia mais

PY2GEA - Grêmio de Radiamadores da Rodada Encontro de Amigos

PY2GEA - Grêmio de Radiamadores da Rodada Encontro de Amigos 1 de 6 8/8/2007 18:40 PY2GEA - Grêmio de Radiamadores da Rodada Encontro de Amigos APOSTILA DO EXAME SOBRE RADIOAELETRICIDADE 80 A 120 QUESTÕES DE ESCOLHA SIMPLES Assinale X entre os parênteses que indicar

Leia mais

Princípios de telecomunicações. Uma abordagem sobre os meios de transmissão. Prof. Dr.David David B.

Princípios de telecomunicações. Uma abordagem sobre os meios de transmissão. Prof. Dr.David David B. Princípios de telecomunicações Uma abordagem sobre os meios de transmissão. Prof. Dr.David David B. 1 Princípios de Telecomunicações FONTE RUÍDO DESTINO Sinal da mensagem transmissor Sinal transmitido

Leia mais

PROPAGAÇÃO ELETROMAGNÉTICA

PROPAGAÇÃO ELETROMAGNÉTICA PROPAGAÇÃO LTROMAGNÉTICA LONARDO GURRA D RZND GUDS PROF. DR. ONDA LTROMAGNÉTICA As ondas de rádio que se propagam entre as antenas transmissora e receptora são denominadas de ondas eletromagnéticas Transmissor

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CAMPUS

FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CAMPUS FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Princípios de Comunicações Aulas 05 e 06 Milton Luiz Neri Pereira (UNEMAT/FACET/DEE) 1 Fonte de informação

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO ELECTRÓNICA EXERCÍCIOS FILTROS

INSTRUMENTAÇÃO ELECTRÓNICA EXERCÍCIOS FILTROS INSTRUMENTAÇÃO ELECTRÓNICA EXERCÍCIOS FILTROS 1. Num determinado sinal oriundo de um transdutor, observouse a presença de ruído de 100 Hz com a amplitude de 50 mvpp. O sinal de interesse pode apresentar

Leia mais

Conceitos básicos de comunicação. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Conceitos básicos de comunicação. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceitos básicos de comunicação Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceitos básicos de comunicação A comunicação é um processo de transferência e processamento de informações entre dois pontos por meio

Leia mais

ATENÇÃO: A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde o treinamento de eletroeletrônica poderá lhe levar.

ATENÇÃO: A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde o treinamento de eletroeletrônica poderá lhe levar. ATENÇÃO: O material a seguir é parte de uma das aulas da apostila de MÓDULO 2 que por sua vez, faz parte do CURSO de ELETRO ANALÓGICA -DIGITAL que vai do MÓDULO 1 ao 4. A partir da amostra da aula, terá

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR 1 Validade: A partir de 01/91 Departamento Acadêmico de: Engenharia Elétrica Curso: Engenharia Industrial Elétrica Carga Horária: 60H ( Teórica: 30H Lab.: 30H Exerc.: 00H ) Créditos: 03 Pré-requisitos:

Leia mais

II-2 Meios de transmissão

II-2 Meios de transmissão II-2 Meios de transmissão Comunicações ISEL - ADEETC - Comunicações 1 Sumário 1. Transmissão não ideal Atenuação, Distorção, Ruído e Interferência Causas de erros na comunicação digital 2. Meios de transmissão

Leia mais

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 RECEPTOR AM DSB Transmissor Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 O receptor super-heteródino O circuito demodulador que vimos anteriormente é apenas parte de um circuito mais sofisticado capaz de

Leia mais

1. Introdução. ANTENAS IST A. Moreira 1

1. Introdução. ANTENAS IST A. Moreira 1 1. Introdução Conceito de antena Aplicações Tipos e classes de antenas Breve história das antenas e métodos de análise Antenas em sistema de comunicações ANTENAS IST A. Moreira 1 Antena - definição Dispositivo,

Leia mais

4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170

4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170 4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído Objetivo: Método: Ao final desta Tarefa você: Estará familiarizado com o conceito de ruído. Será capaz de descrever o efeito do Ruído em um sistema de comunicações digitais.

Leia mais

AULA 5 - REDES SEM FIO. Prof. Pedro Braconnot Velloso

AULA 5 - REDES SEM FIO. Prof. Pedro Braconnot Velloso AULA 5 - REDES SEM FIO Prof. Pedro Braconnot Velloso Redes sem fio Vantagens baixo custo de instalação mobilidade acesso ubíquo Desvantagens Baixa taxa de transmissão menor eficiência questões de segurança

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA

PLANO DE ENSINO EMENTA 1 PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Curso: CST em Sistemas de Telecomunicações, Tecnologia Nome da disciplina: Comunicações Ópticas Código: TEL037 Carga horária: 67 horas Semestre previsto: 5º

Leia mais

FATORES DE INFLUÊNCIA PARA OTIMIZAÇÃO DO NIVEL DE EMISSÃO IRRADIADA DO SISTEMA DE IGNIÇÃO

FATORES DE INFLUÊNCIA PARA OTIMIZAÇÃO DO NIVEL DE EMISSÃO IRRADIADA DO SISTEMA DE IGNIÇÃO Blucher Engineering Proceedings Setembro de 2015, Número 1, Volume 2 FATORES DE INFLUÊNCIA PARA OTIMIZAÇÃO DO NIVEL DE EMISSÃO IRRADIADA DO SISTEMA DE IGNIÇÃO Marcelo Sartori Campi Robert Bosch Ltda. E-mail:

Leia mais

RELATÓRIO DE ST2. TRANSMISSÃO DE VIDEO POR FEIXE HERTZIANO NA BANDA X (11GHz) Nome:Gilberto Rocha Nome:Marco Lima

RELATÓRIO DE ST2. TRANSMISSÃO DE VIDEO POR FEIXE HERTZIANO NA BANDA X (11GHz) Nome:Gilberto Rocha Nome:Marco Lima RELATÓRIO DE ST2 TRANSMISSÃO DE VIDEO POR FEIXE HERTZIANO NA BANDA X (11GHz) Nome:Gilberto Rocha Nome:Marco Lima Objectivos: -Pretende-se realizar um sistema de transmissão de um sinal de vídeo -Testar

Leia mais

Osciloscópio Digital. Diagrama em blocos:

Osciloscópio Digital. Diagrama em blocos: Osciloscópio Digital Neste tipo de osciloscópio, o sinal analógico de entrada é inicialmente convertido para o domínio digital através de um conversor A/D rápido, sendo em seguida armazenado em uma memória

Leia mais

AMPLIFICADORES INTRODUÇÃO FIGURA DE RUÍDO GANHO POTÊNCIA MÁXIMA DE SAÍDA TIPOS DE AMPLIFICADORES PARA SINAIS DE TV

AMPLIFICADORES INTRODUÇÃO FIGURA DE RUÍDO GANHO POTÊNCIA MÁXIMA DE SAÍDA TIPOS DE AMPLIFICADORES PARA SINAIS DE TV 5.0 - INTRODUÇÃO Amplificadores são equipamentos utilizados para aumentar o nível de potência de sinais. Existem vários tipos de amplificadores, cada um otimizado para um tipo de uso. Por exemplo, para

Leia mais

4 - RADAR DE IMPULSOS

4 - RADAR DE IMPULSOS 4 - RADAR DE IMPULSOS 65 Exemplo impulso Exemplo dum impulso, com valores comuns para um radar de vigilância do ar de médio alcance 66 1 sinal emitido A 1 é a amplitude f t é a frequência da portadora

Leia mais

Identificação de Princípios e Leis da Física em aplicações tecnológicas inseridas no cotidiano

Identificação de Princípios e Leis da Física em aplicações tecnológicas inseridas no cotidiano PROCESSO SELETIVO FÍSICA 1. EIXO TEMÁTICO: PRINCÍPIOS E LEIS QUE REGEM A FÍSICA Objetivo Geral: Compreensão dos Conceitos, Princípios e Leis da Física no estudo do movimento dos corpos materiais, calor,

Leia mais

ELETRICIDADE CAPÍTULO 2 ELEMENTOS DOS CIRCUITOS ELÉTRICOS

ELETRICIDADE CAPÍTULO 2 ELEMENTOS DOS CIRCUITOS ELÉTRICOS ELETRICIDADE CAPÍTULO 2 ELEMENTOS DOS CIRCUITOS ELÉTRICOS 2.1 - INTRODUÇÃO - EXISTEM CINCO ELEMENTOS BÁSICOS IDEAIS QUE SÃO UTILIZADOS EM CIRCUITOS ELÉTRICOS. - ELEMENTOS ATIVOS (GERAM ENERGIA ELÉTRICA)

Leia mais

Redes de Computadores. Meios de comunicação sem fios

Redes de Computadores. Meios de comunicação sem fios Meios de comunicação sem fios Características da ligação! Largura de banda de um meio de transmissão, W, é a diferença entre a maior e a menor frequência comportadas, ou seja, é a amplitude da sua gama

Leia mais

5 Setup de Medidas. 5.1. Introdução

5 Setup de Medidas. 5.1. Introdução 5 Setup de Medidas 5.1. Introdução Para realização desse trabalho foi montada uma configuração de setup de medidas em UHF, mais precisamente no canal 42, freqüência central de 641 MHz em acordo com o Plano

Leia mais

Meios de transmissão. Comunicações (23 Abril 2009) ISEL - DEETC - Comunicações 1

Meios de transmissão. Comunicações (23 Abril 2009) ISEL - DEETC - Comunicações 1 Meios de transmissão (23 Abril 2009) 1 Sumário 1. Transmissão não ideal 1. Atenuação, Distorção, Ruído e Interferência 2. Meios de transmissão 1. Pares Entrelaçados 1. UTP Unshielded Twisted Pair 2. STP

Leia mais

CCNA 1 Meios de Comunicação. Kraemer

CCNA 1 Meios de Comunicação. Kraemer CCNA 1 Meios de Comunicação Meios de comunicação Meios de cobres Meios ópticos Meios sem fio Meios de cobre Meios de cobre fecham circuitos para que a corrente elétrica flua de um lado ao outro Meios de

Leia mais

2.7 Interferência Simultânea de Canal Analógico PAL-M e Ruído em Canal Digital

2.7 Interferência Simultânea de Canal Analógico PAL-M e Ruído em Canal Digital 2.7 Interferência Simultânea de Canal Analógico PAL-M e Ruído em Canal Digital 2.7.1 Objetivo Este método de medida tem por objetivo avaliar a degradação produzida em um sinal digital interferido simultaneamente

Leia mais

2.8. Interferência Simultânea de Canal Digital e Ruído em Canal Digital

2.8. Interferência Simultânea de Canal Digital e Ruído em Canal Digital 2.8. Interferência Simultânea de Canal Digital e Ruído em Canal Digital 2.8.1 Objetivo Este método de medida tem por objetivo avaliar a degradação produzida em um sinal digital, interferido simultaneamente

Leia mais

SEL 0412 Tecnologia Digital Teoria

SEL 0412 Tecnologia Digital Teoria SEL 0412 Tecnologia Digital Teoria Aquisição de Dados Profa. Tania Regina Tronco Conceito É a coleta de informações para fins de análise dos dados e consequente controle e monitoramento de um processo;

Leia mais

FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES AULA 4: REDE DE ACESSO CAMADA FÍSICA Prof. Luiz Leão

FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES AULA 4: REDE DE ACESSO CAMADA FÍSICA Prof. Luiz Leão Prof. Luiz Leão Conteúdo Desta Aula SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO CABEAMENTO DE COBRE ORGANIZAÇÕES DE PADRONIZAÇÃO 1 2 3 4 5 CAMADA FÍSICA REDES SEM FIO PRÓXIMOS PASSOS Sistema de Comunicações Tarefa de Comunicações

Leia mais

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM ANEXO À RESOLUÇÃO N o 370, DE 13 DE MAIO DE 2004. NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM 1. Objetivo Esta norma estabelece os requisitos técnicos

Leia mais

Edital 064/ Área 21 Engenharia

Edital 064/ Área 21 Engenharia CAMPUS PELOTAS PELOTAS INSTRUÇÕES GERAIS 1 - Este caderno de prova é constituído por 40 (quarenta) questões objetivas. 2 - A prova terá duração máxima de 04 (quatro) horas. 3 - Para cada questão são apresentadas

Leia mais

AULA03 TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDES WIRELESS

AULA03 TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDES WIRELESS AULA03 TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDES WIRELESS 1 DADOS E SINAIS CAP 3 PAG. 57-63 Uma das principais funções da camada física é transportar dados na forma de sinais eletromagnéticos por um meio de transmissão.

Leia mais

4 Equipamento Experimental e Medições

4 Equipamento Experimental e Medições 4 Equipamento Experimental e Medições 4.1 Transceptor em 60 GHz A base do equipamento de medições é constituída de dois transceptores, componentes de um sistema ponto, a ponto, utilizado para conexão de

Leia mais

04 - ( )Através da utilização de um modulador balanceado e uma rede defasadora de π/2 é possível obter um modulador de PM faixa estreita.

04 - ( )Através da utilização de um modulador balanceado e uma rede defasadora de π/2 é possível obter um modulador de PM faixa estreita. MODULAÇÃO EM FREQÜÊNCIA 1 QUESTIONÁRIO DA UNIDADE IV ASSUNTO: Modulação em Freqüência. Nome: N o : Turma: Para cada período abaixo mencionado, analise seu conteúdo e marque " F " para uma situação FALSA

Leia mais

Análise do Enlace de Comunicação

Análise do Enlace de Comunicação Análise do Enlace de Comunicação Edmar José do Nascimento (Tópicos Avançados em Engenharia Elétrica I) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Colegiado

Leia mais

Aquisição rápida de sinais no tempo

Aquisição rápida de sinais no tempo Universidade Federal do Paraná Dep. De Engenharia Elétrica PPGEE Disciplina: Eletrônica Avançada Eletrônica Avançada 1 O processo de conversão de sinais analógicos no domínio do tempo para valores digitais

Leia mais

SUMÁRIO FUNDAMENTOS E VISÃO GERAL 19 CAPÍTULO 1 PROCESSOS ALEATÓRIOS 49

SUMÁRIO FUNDAMENTOS E VISÃO GERAL 19 CAPÍTULO 1 PROCESSOS ALEATÓRIOS 49 SUMÁRIO FUNDAMENTOS E VISÃO GERAL 19 1. O processo de comunicação 19 2. Principais recursos de comunicação 21 3. Fontes de informação 21 4. Redes de comunicação 27 5. Canais de comunicação 33 6. Processo

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS

TRANSMISSÃO DE DADOS TRANSMISSÃO DE DADOS Aula 2: Dados e sinais Notas de aula do livro: FOROUZAN, B. A., Comunicação de Dados e Redes de Computadores, MCGraw Hill, 4ª edição Prof. Ulisses Cotta Cavalca

Leia mais

A Física por trás da Tecnologia RFID. Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM

A Física por trás da Tecnologia RFID. Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM A Física por trás da Tecnologia RFID Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM 2 Espectro electromagnético 3 Espectro de frequência para o sistema RFID Tamanho da antena Existe uma razão de proporção

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Redes de Computadores. Topologias

Redes de Computadores. Topologias Redes de Computadores Topologias Sumário! Topologia Tipo de topologias 2 Topologia Configuração dos cabos, computadores e outros equipamentos 3 Topologia de cablagem! Topologia física Localização real

Leia mais

4 R 2 2. Equação RADAR. para alta SNR do sinal de retorno do alvo, pode-se medir a distância a velocidade o tamanho

4 R 2 2. Equação RADAR. para alta SNR do sinal de retorno do alvo, pode-se medir a distância a velocidade o tamanho SISCOM 19 AGO 2008 1 Equação RADAR para alta SNR do sinal de retorno do alvo, pode-se medir a distância a velocidade o tamanho a equação radar é nossa fonte de informação supondo que um radar transmita

Leia mais

Kit de Antenas - XT 401 -

Kit de Antenas - XT 401 - T e c n o l o g i a Kit de Antenas - XT 401 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Kit de Antenas - XT 401-1 - Introdução As aplicações wireless (sem fio)

Leia mais

6 Setup de Medidas e Procedimentos

6 Setup de Medidas e Procedimentos 6 Setup de Medidas e Procedimentos Neste capitulo, serão mostradas as especificações dos equipamentos utilizados para a montagem da sonda em freqüência do canal UWB. Assim como os procedimentos para que

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

Meios físicos. Par Trançado (TP) dois fios de cobre isolados

Meios físicos. Par Trançado (TP) dois fios de cobre isolados Meios físicos bit: propaga entre pares de transmissor/receptor enlace físico: o que fica entre transmissor e receptor meio guiado: sinais se propagam em meio sólido: cobre, fibra, coaxial meio não guiado:

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada Física Parte II Prof. Thiago Dutra Agenda Camada Física n Introdução ntécnicas de Transmissão de Dados n Meios de Transmissão ndispositivos n Cabeamento

Leia mais

CIRCUITOS DOS RADIOS AM/FM

CIRCUITOS DOS RADIOS AM/FM 1 CIRCUITOS DOS RADIOS AM/FM A função de um rádio é receber os sinais das emissoras na sua antena, selecionar um deles, amplificar e reproduzir no alto falante (ou alto falantes). Nesta parte mostrarei

Leia mais

Meios de transmissão guiados

Meios de transmissão guiados Meios de transmissão uiados Pares simétricos - dois fios metálicos (cobre) isolados e entrelaçados usados na rede telefónica local, em LANs; larura de banda MHz (sem pupinização, i.e. cara); sujeitos a

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR Departamento de Engenharia Electrotecnica Electrónica II 2007-2008 Recurso Data: 15-07-2008 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Antenas Parabólicas -- Apostila Básica

Antenas Parabólicas -- Apostila Básica Antenas Parabólicas -- Apostila Básica Antenas parabólicas são usadas em UHF e Microondas. Possuem uma alta diretividade o que nos leva a perceber que possuem um alto ganho. Uma antena receptora de satélites

Leia mais

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos Plano Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinais ula 04 Introdução Dados, sinais e transmissão Sinal analógico x sinal digital Sinais analógicos Grandezas básicas Domínio tempo x

Leia mais

Processo de Fabricação de Chips PSI2613_A01-1

Processo de Fabricação de Chips PSI2613_A01-1 Processo de Fabricação de Chips PSI2613_A01-1 Encapsulamento Eletrônico (Packaging) Define-se como a Tecnologia de Interconexão de Componentes Eletrônicos. Esta tecnologia permite definir e controlar o

Leia mais

ESCOLA DE COMUNICAÇÕES SEÇÃO DE MANUTENÇÃO

ESCOLA DE COMUNICAÇÕES SEÇÃO DE MANUTENÇÃO ESCOLA DE COMUNICAÇÕES SEÇÃO DE MANUTENÇÃO OBJETIVOS Identificar a função de cada bloco do diagramabloco dos transceptores dos conjuntos rádio HF. Identificar as funções dos principais componentes dos

Leia mais

AUTOR(ES): JOSE RICARDO LISECKI, KAUANE ANDRADE KIEL, MARCELO SUTIL FERREIRA

AUTOR(ES): JOSE RICARDO LISECKI, KAUANE ANDRADE KIEL, MARCELO SUTIL FERREIRA TÍTULO: PROJETO DE UM RECEPTOR DE AMPLITUDE MODULADA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA DE CURITIBA AUTOR(ES): JOSE RICARDO LISECKI,

Leia mais

TRANSMISSÃO DE VIDEO POR FEIXE HERTZIANO NA BANDA X (11GHz)

TRANSMISSÃO DE VIDEO POR FEIXE HERTZIANO NA BANDA X (11GHz) Nom e:gilberto Rocha Nome:Marco Lima TRANSMISSÃO DE VIDEO POR FEIXE HERTZIANO NA BANDA X (11GHz) SISTEM AS DE TELECOMUNICAÇÕES II OBJECTIVOS: Pretende-se realizarum sistem a de transm issão de um sinalde

Leia mais

Antenas, Cabos e Rádio-Enlace

Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Redes Sem Fio Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Rádio Transmissor (Tx) Linha de Transmissão (LT) Antena Transmissora Meio de

Leia mais

Redes Sem Fios e Redes Móveis

Redes Sem Fios e Redes Móveis Aula 05: Arquitetura de um Nó / Nodo Eudisley Anjos Redes Sem Fios e Redes Móveis Quais as caracterís5cas de um nó? 2 Eudisley Anjos - eudisley@ci.ufpb.br Arquitetura do nó Para construir uma RSSF par5mos

Leia mais

Resolução Exercícios P3. Resolução dos exercícios do capítulo 9

Resolução Exercícios P3. Resolução dos exercícios do capítulo 9 Resolução Exercícios P3 Resolução dos exercícios do capítulo 9 Exercício 9. Esboce o diagrama elétrico de um circuito simples de excitação de LED para uma interface TTL e o circuito simplificado de excitação

Leia mais

b) o valor da corrente na antena quando a onda portadora for modulada a 10%.

b) o valor da corrente na antena quando a onda portadora for modulada a 10%. Exercícios de Telecomunicações Modulações 1 Modulações analógicas em amplitude (AM) 1 Uma onda portadora representada por v(t) p 7 = 10Cos(2π 10 t),volt, é modulada em amplitude por um sinal modulador

Leia mais

CONVERSORES DE FREQUÊNCIA

CONVERSORES DE FREQUÊNCIA CONVERSORES DE FREQUÊNCIA Introdução a inversores Convertem tensão c.c. para c.a. simétrica de amplitude e frequência desejadas A forma de onda dos inversores não é senoidal 1 Algumas aplicações dos inversores

Leia mais

Meios Físicos Cont. Espectro Eletromagnético

Meios Físicos Cont. Espectro Eletromagnético Meios Físicos Cont. Pares Metálicos Cabo coaxial Par Trançado Condutores Óticos Fibra Rádio Microondas Satélites Infravermelho Espectro Eletromagnético 1 Espectro Eletromagnético Frequências 30MHz to 1GHz

Leia mais

2.2 Interferência do Sistema PAL-M no Sistema Digital

2.2 Interferência do Sistema PAL-M no Sistema Digital 2.2 Interferência do Sistema PAL-M no Sistema Digital 2.2.1 Objetivo Este método de medida tem por objetivo avaliar a degradação produzida em um sinal digital modulado nos padrões ATSC, DVB-T ou ISDB-T

Leia mais

Acesso Múltiplo por divisão de Código (CDMA) é o nome de uma tecnologia usada para comunicação sem fio em que o transporte das

Acesso Múltiplo por divisão de Código (CDMA) é o nome de uma tecnologia usada para comunicação sem fio em que o transporte das Acesso Múltiplo por divisão de Código () é o nome de uma tecnologia usada para comunicação sem fio em que o transporte das informações ocorre por meio de ondas de rádio. O foi desenvolvido primeiro nos

Leia mais

CIRCUITO AUTOPOLARIZAÇÃO Análise do modelo equivalente para o circuito amplificador em autopolarização a JFET.

CIRCUITO AUTOPOLARIZAÇÃO Análise do modelo equivalente para o circuito amplificador em autopolarização a JFET. MÓDULO 6: RESPOSTA EM FREQÜÊNCIA DO AMPLIFICADOR DE PEQUENOS SINAIS A JFET. 1. Introdução: O circuito amplificador de sinal a JFET possui ganho alto, uma impedância alta de entrada e ampla faixa de resposta

Leia mais

Circuito sensor de som

Circuito sensor de som Circuito sensor de som Introdução Para a prática proposta, buscando sempre auxílio no conhecimento de trabalhos anteriores e integrando um pouco com as necessidades e tecnologias atuais, devemos projetar

Leia mais

Integridade de Sinais Elétricos

Integridade de Sinais Elétricos UFPR-DELT Programa de Pós Graduação em Engenharia Elétrica Integridade de Sinais Elétricos Prof. Dr. Marlio Bonfim 1º semestre 2014 1 UFPR-DELT Programa de Pós Graduação em Engenharia Elétrica Composição

Leia mais