Melhorar a Segurança do Paciente Pacote de Preparação para Parceria

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Melhorar a Segurança do Paciente Pacote de Preparação para Parceria"

Transcrição

1 Parceria Africana para Segurança do Paciente Melhorar a Segurança do Paciente Pacote de Preparação para Parceria Um recurso para todos os parceiros em saúde comprometidos com o fortalecimento da segurança do Novembro 2012

2 WHO/IER/PSP/ Organização Mundial da Saúde 2012 Todos os direitos reservados. As publicações da Organização Mundial da Saúde podem ser obtidas através do Departamento de Publicações da OMS, Organização Mundial da Saúde, 20 Avenue Appia, 1211 Genebra 27, Suíça (tel.: ; fax: ; Autorizações para reproduzir ou traduzir publicações OMS seja para venda ou distribuição não comercial devem ser dirigidas ao Departamento de Publicações da OMS, através da página internet da OMS (http://www.who.int/about/licensing/copyright_form/en/index.html). As denominações utilizadas nesta publicação e a apresentação do material nela contida não significam, por parte da Organizaçã o Mundial da Saúde, nenhum julgamento sobre o estatuto jurídico de qualquer país, território, cidade ou zona, nem de suas autoridades, nem tampouco sobre questões de demarcação de suas fronteiras ou limites. As linhas ponteadas nos mapas representam fronteiras aproximativas sobre as quais pode ainda não existir consenso. A menção de determinadas companhias ou do nome comercial de certos produtos não implica que a Organização Mundial da Saúde os aprove ou recomende, dando-lhes preferência a outros análogos não mencionados. Com exceção de erros ou omissões, uma letra maiúscula inicial indica que se trata de um produto de marca registrada. A OMS tomou todas as precauções cabíveis para verificar a informação contida nesta publicação. No entanto, o material publicado é distribuído sem nenhum tipo de garantia, nem expressa, nem implícita. A responsabilidade pela interpretação e uso deste material recai sobre o leitor. Em nenhuma circunstância a OMS poderá ser responsabilizada por qualquer prejuízo resultante da sua utilização.

3 Conteúdo INTRODUÇÃO AO PACOTE DE PREPARAÇÃO PARA PARCERIA 4 DEFINIÇÃO DE PARCERIA PELA APPS 4 CICLO DE 6 ETAPAS ORIENTADO POR 12 ÁREAS DE AÇÃO 5 A IMPORTÂNCIA DO USO DO PACOTE DE PREPARAÇÃO PARA PARCERIA 6 MODELOS DE PARCERIA 6 RESUMO 7 ETAPA 1: DESENVOLVIMENTO DE PARCERIA 8 ETAPA 2: AVALIÇÃO DAS NECESSIDADES 9 ETAPA 3: AVALIAÇÃO DAS LACUNAS 10 ETAPA 4: PLANO DE AÇÃO 11 ETAPA 5: AÇÃO 12 ETAPA 6: AVALIAÇÃO E REVISÃO 13 ANEXO 1: MELHORAR A SEGURANÇA DO PACIENTE: PRIMEIROS PASSOS RESUMO 14 ANEXO 2: PLANO DE PARCERIA HOSPITALR (HPP) ORIENTAÇÃO 18 ANEXO 3:MODELO PARA O PLANO DE PARCERIA HOSPITALR 19 ANEXO 4: PROPOSTA DE VISITA- FORMULÁRIO MODELO 21 3

4 Introdução Este pacote é para qualquer parceria nova ou já existente entre hospitais interessados em melhorar a segurança do. O pacote apresenta um quadro simples, passo-a-passo para ajudar os hospitais a entender e trabalhar com os processos associados com a melhoria da segurança do por meio de uma abordagem desenvolvida em colaboração com parceiros que já estão participando da Parceria Africana para Segurança do Paciente (APPS) da OMS. Ele descreve: 1. As 12 áreas de ação que norteiam os processos em segurança do ; 2. A abordagem da OMS em 6 etapas para melhorar a segurança do ; 3. As principais atividades realizadas em cada uma das 6 etapas; 4. Os resultados esperados associados a cada etapa; 5. As ferramentas e recursos disponíveis da APPS que auxiliam nas atividades e contribuem para os resultados que irão melhorar a segurança do. Este recurso é para os hospitais parceiros oficiais da APPS, mas pode ser utilizado por qualquer parceiro da área da saúde interessado na melhoria sistemática da segurança do. Este importante recurso também pode ser utilizado por hospitais de países africanos interessados na melhoria da segurança do, mas que não estejam no momento, envolvidos em uma das parcerias. Definição de parceria pela APPS Parceria pode ser definida como uma relação de cooperação entre duas ou mais partes baseadas na confiança, igualdade e compreensão mútuas para a realização de um objetivo específico. Parcerias envolvem riscos, assim como benefícios, aumentando a importância da responsabilidade compartilhada. 4

5 Ciclo de 6 etapas orientado por 12 áreas de ação A abordagem APPS para a melhoria da segurança do baseia-se em um ciclo de 6 etapas. Este enfoque facilita o desenvolvimento de parcerias, a identificação sistemática das lacunas na segurança do e o desenvolvimento de um plano de ação e ciclo de avaliação. Lacunas na segurança do são identificadas através de uma avaliação detalhada das necessidades utilizando o modelo APPS de análise da situação sobre a segurança do. O modelo de análise da situação é composto por 12 seções ou áreas de ação que colaboram para identificar falhas na infraestrutura e na capacidade de priorizar ações na segurança do, permitindo o desenvolvimento de planos de ação voltados para suprir as lacunas e ajudar a construir sistemas de saúde mais fortes. O objetivo geral da abordagem em 6 etapas não é só melhorar a segurança do, mas também disseminar o modelo dos hospitais para os sistemas nacionais de saúde. A figura abaixo apresenta o ciclo de melhorias em 6 etapas e as 12 áreas de ação. Ciclo de Melhorias em 6 Etapas 6ª etapa: Avaliação e revisão 5ª etapa: Ação 1ª etapa: Desenvolvimento da Parceria 4ª etapa: Plano de ação 2ª etapa: Avaliação das necessidades 3ª etapa: Análise das lacunas 12 áreas de ação 1. Desenvolvimento de sistemas e serviços de saúde e segurança do 2. Política nacional para a segurança do 3. Conhecimento e aprendizagem sobre a segurança do 4. Aumentar a conscientização sobre a segurança do 5. Infecções associadas aos cuidados de saúde 6. Proteção dos profissionais de saúde 7. Gestão de residuos na assistência à saúde 8. Cuidados cirúrgicos seguros 9. Segurança de medicamentos 10. Parcerias para a segurança do 11. Financiamento para a segurança do 12. Vigilância e pesquisa para a segurança do 5

6 A importância do uso do Pacote de Preparação para Parceria O pacote de preparação para parceria da APPS é o ponto de partida para parcerias em segurança do. Ele descreve uma abordagem passo a passo através de um ciclo em 6 etapas. A primeira etapa está relacionada com o desenvolvimento da parceria. As outras etapas descrevem uma lista de atividades para identificar a linha de base, identificar lacunas, desenvolver, implementar e avaliar os planos de ação. Cada etapa termina com recomendações e produtos possíveis de serem desenvolvidos. Existem ferramentas e recursos básicos disponíveis que ajudam os parceiros a desenvolver cada uma das etapas. As ferramentas e recursos estão definidos em 4 séries com uma variedade de instrumentos de apoio. 1. Série de Planejamento de Parcerias APPS: (Apoia as etapas no estabelecimento de parcerias exitosas) 2. Série de Melhoria da Segurança do Paciente: (Ferramentas práticas para melhorar a segurança do em ambiente hospitalar) 3. Série de Abordagem da APPS: (Descreve a abordagem da APPS para um conjunto de temas transversais de apoio às ações de segurança do ) 4. Série de Comunicação da APPS: (Apoia a comunicação e a promoção eficaz para a implementação bem sucedida.) Encontra-se na página seguinte, um gráfico das ferramentas e recursos APPS com explicações sobre a utilização das séries em cada uma das 6 etapas. Modelos de Parceria Parcerias internacionais de saúde continuam crescendo dentro e entre países e continentes. A APPS é única por ser o primeiro modelo de parceria global a se dedicar à segurança do. O modelo inicial foi baseado em parcerias Norte-Sul entre hospitais da Europa e hospitais da Região da OMS para a África. O modelo pode ser aplicado a parcerias Norte-Sul entre hospitais da Região da OMS para a África e outras regiões e também em parcerias Norte- Sul em outras regiões. À medida que o movimento cresce, pode-se incluir futuras parcerias Sul- Sul dentro e entre os países. 6

7 Resumo O pacote de preparação para parceria da APPS pode ser utilizado por qualquer pessoa interessada em melhorar a segurança do em hospitais. O restante deste pacote descreve cada uma das 6 etapas e destaca as ações e os recursos necessários para maximizar o sucesso dentro de cada etapa. As ferramentas e recursos da APPS estão resumidos no gráfico abaixo. Deve-se iniciar pelo centro do gráfico e, em seguida, expandir para cada círculo adjacente. Os principais recursos estão listados em cada círculo. Os quatro quadrantes correspondem às 4 séries de recursos APPS. Cada etapa da preparação para parceria é fortalecida por recursos de um ou mais dos quadrantes. QUADRANTE 4 Série de Comunicação Apoia a comunicação e a promoção eficaz para a implementação bem sucedida Boletim informativo APPS Sustentabilidade QUADRANTE 3 Série de abordagem Descreve a abordagem da APPS para um conjunto de temas transversais de apoio às ações de segurança do Recursos e Ferramentas APPS Plataforma online da Rede APPS Mantendo o momento para cuidados de saúde mais seguros Parceria públicoprivada Material para a promoção da APPS Desinfetante para as mãos à base de álcool Website da APPS Evidencia para as políticas de saúde 4. Sustentabilidade 3. Meta para o trabalho Engajamento comunitário 2. Preparação 1. Ajuda para o início Pacote de Preparação para Parceria Definição de Parceria Analise da Situação e Primeiros Passos Pacote de disseminação Seminários online Manual de avaliação Muitas das ferramentas e recursos têm aplicabilidade e utilidade para qualquer serviço de saúde na Região da OMS para a África interessados na melhoria da segurança do Mapa de recursos QUADRANTE 1 Série de planejamento de parcerias Apoia as etapas no estabelecimento de parcerias exitosas Princípios da parceria Compedium de experièncias APPS QUADRANTE 2 Série de melhoria da segurança do Ferramentas práticas para melhorar a segurança do em ambientehospitalar 7

8 1ª Etapa: Desenvolvimento da Parceria Avaliação e revisão Ação Desenvolvimento da Parceria 1ª Etapa Plano de ação Avaliação das necessidades Análise das lacunas Principais atividades durante a 1ª Etapa 1. Garantir a gestão e liderança para trabalhar com a segurança do nos dois lados da parceria; 2. Identificar um responsável e um colaborador em segurança do nos hospitais parceiros; 3. Negociar com os gestores para que os responsáveis pela segurança do tenham um horário de trabalho exclusivamente dedicado à melhoria da segurança do ; 4. Estabelecer um comitê de segurança do em cada hospital; 5. Participar da rede APPS, registrando a parceria no site da APPS/OMS (www.who.int/patientsafety/implementação/apps) 6. Identificar um responsável em cada hospital para trabalhar na avaliação, incluindo a coleta de dados e feedback (acompanhamento); 7. Desenvolver um memorando de entendimento para a parceria (se ainda não existir). Veja o exemplo em: (http://www.thet.org/wpcontent/uploads/2009/11/links-manual-section-2-chapter-2.3.pdf) 8. Baixar os recursos APPS do site; 9. Um responsável e um colaborador (mínimo necessário) para trabalhar através dos seminários online; 10. Estabelecer um horário regular de comunicação usando diversos mecanismos (telefone, mensagens de texto SMS, , Skype, fax). Resultado ou produto final 1. Troca de documentos conforme o necessário; 2. O responsável e o colaborador deverão utilizar os seminários online para aumentarem sua capacitação e treinamento; 3. Memorando de entendimento entre os parceiros. Principais recursos para a 1ª Etapa Definição de parceria; Analise da situação; Engajamento comunitário; Website da APPS Ferramentas adicionais para a 1ª Etapa Verifique o Quadrante 1 da figura ao lado sobre o planejamento de parcerias. 8

9 2ª Etapa: Avaliação das Necessidades A linha de base da segurança do é estabelecida usando o modelo de análise da situação. Avaliação e revisão Ação Desenvolvimento da Parceria 2ª Etapa Plano de ação Avaliação das necessidades Análise das lacunas Principais atividades durante a 2ª Etapa 1. Realizar uma avaliação das necessidades do hospital africano em segurança do utilizando o formulário longo de análise da situação sobre segurança do para estabelecer, em conjunto, uma linha de base; 2. Utilizar o documento Melhorar a Segurança do Paciente-Primeiros Passos (resumo no Anexo 2); 3. Consultar o Mapa de recursos APPS; 4. Consultar o Pacote de Disseminação APPS; 5. Consultar e o Compendium de Experiências APPS Resultado ou produto final 1. Ter completado o formulário e o relatório de análise da situação. Principais recursos para a 2ª Etapa Analise da situação Melhorar a segurança do Paciente: Primeiros Passos (resumo no Anexo 2) Mapa de recursos Ferramentas adicionais para a 2ª Etapa Observe o Quadrante 2 da figura ao lado sobre a melhoria da segurança do. 9

10 3ª Etapa: Análise das Lacunas Parceiros avaliam as conclusões da analise situacional, identificam as lacunas e pactuam as prioridades. Avaliação e revisão Ação Desenvolvimento da Parceria 3ª Etapa Plano de ação Avaliação das necessidades Análise das lacunas Principais atividades durante a 3ª Etapa 1. Utilizar resultado da análise da situação para desenvolver uma lista de prioridades que exijam ações para melhoramentos; 2. Priorizar atividades específicas para a segurança do ; 3. Focalizar em ações simples e fáceis de serem executadas Resultado ou produto final 1. Lista de prioridades baseada na capacidade de ambos os lados contribuírem para sua melhoria. Principais recursos para a 3ª Etapa: Analise da situação Melhorar a segurança do Paciente: Primeiros Passos (resumo no Anexo 2) Mapa de recursos Ferramentas adicionais para a 3ª Etapa Observe o Quadrante 2 (melhoria da segurança do ) e Quadrante 3 (temas transversais) da figura ao lado. 10

11 4ª Etapa: Plano de Ação Destacar as prioridades em um plano de ação de dois anos utilizando a orientação e o modelo para o Plano de Parceria Hospitalar (anexo 2 e 3) Avaliação e revisão Ação Desenvolvimento da Parceria 4ª Etapa Plano de ação Avaliação das necessidades Análise das lacunas Principais atividades durante a 4ª Etapa 1. Desenvolver um plano de ação utilizando a orientação e o modelo para o Plano de Parceria Hospitalar (anexos 2 e 3); 2. Incluir um orçamento para as despesas previstas; 3. Concentrar-se em um plano simples, realista e fácil de entender que inclua atividades preparatórias, de implementação, e de monitoramento e avaliação; 4. Programar uma série de visitas entre os hospitais parceiros que tenham objetivos claros e relacionados com o Plano de Parceria Hospitalar (anexo 2). Resultado ou produto final 1. Acordo entre os dois parceiros sobre o Plano de Parceria Hospitalar. Principais recursos para a 4ª Etapa: Orientação e modelo para o Plano de Parceria Hospitalar (anexos 2 e 3); Mapa de recursos Ferramentas adicionais para a 4ª Etapa Observe o Quadrante 2 (melhoria da segurança do ) e Quadrante 3 (temas transversais) da figura ao lado. 11

12 5ª Etapa: Ação Ao terminar o Plano de Parceria Hospitalar, os hospitais parceiros devem iniciar as atividades e ações programadas para 2 anos, para a melhoria da segurança do, com avaliações periódicas a cada 6 meses. Principais atividades durante a 5ª Etapa Avaliação e revisão Ação Desenvolvimento da Parceria 5ª Etapa Avaliação das necessidades Análise das lacunas 1. Iniciar atividades propostas pelo Plano de Parceria Hospitalar; 2. Desenvolver um cronograma regular de relatórios de avaliação da parceria; 3. Desenvolver um modelo de relatório de avaliação das visitas entre os hospitais parceiros que assegurem que as ações e o impacto para atingir os objetivos estejam registrados. Resultado ou produto final 1. Série de relatórios destacando o progresso e as ações descrita no Plano de Parceria Hospitalar Plano de ação Principais recursos para a 5ª Etapa: Mapa de recursos Ferramentas adicionais para a 5ª Etapa Observe todos os Quadrantes para facilitar as ações em várias frentes baseadas nas prioridades descritas no plano da parceria. 12

13 6ª Etapa: Avaliação e Revisão Além das reuniões de avaliação locais e discussões entre os dois parceiros, cada parceria deve desenvolver relatórios regulares com os progressos alcançados e pelo menos uma avaliação anual enfatizando as lições aprendidas. Avaliação e revisão Ação Desenvolvimento da Parceria 6ª Etapa Plano de ação Avaliação das necessidades Análise das lacunas Principais atividades durante a 6ª Etapa 1. Avaliar as ações descritas no Plano de Parceria Hospitalar (orientado pelo Manual de Avaliação APPS). 2. Documentar a evolução para demonstrar o impacto e pleitear recursos financeiros. O relatório deverá enfatizar as conquistas e os resultados do projeto. 3. Repetir a analise da situação. Resultado ou produto final 1. Ter uma série de relatórios compartilhados entre os hospitais parceiros e os gestores do hospital destacando os progressos obtidos com o Plano de Parceria Hospitalar para a segurança do. 2. Uma nova análise da situação. Principais recursos para a 6ª Etapa: Manual de Avaliação da APPS Ferramentas adicionais para a 6ª Etapa Observe todos os Quadrantes para facilitar a avaliação e revisão das ações nas diversas frentes. 13

14 Anexo 1: Melhorar a Segurança do Paciente: Primeiros Passos Sumário Ideias a considerar Como alcançar os resultados Incluir a segurança do na agenda Comece a falar sobre o assunto em todas as reuniões que estiver presente Ação 1 Desenvolvimento de serviços e sistemas de saúde e de segurança do Incluir a segurança do nas estratégias dos hospitais Falar com os gestores hospitalares sobre a segurança do Iniciar um grupo dedicado à segurança do Adicione a melhoria da qualidade e a segurança do nos planos e estratégia hospitalar Busque autorização para identificar e capacitar líderes e colaboradores em segurança do em seu hospital Estabeleça um grupo de trabalho que se dedique ao desenvolvimento de um programa de qualidade e de segurança do Registrar todos os encontros com os s O que é necessário para introduzir métodos de registro de todos os encontros com os s no hospital Desenvolver uma política hospitalar de segurança do Explore as possibilidades de promover uma política nacional de segurança do e desenvolva um modelo de estratégia hospitalar Ação 2 Política nacional para a segurança do Conectar seu hospital com projetos nacionais Identificar uma pessoa de contato ligada à política nacional de segurança do Explore a possibilidade de seu hospital participar de projetos nacionais já existentes em segurança do Selecione um dos líderes em segurança do para atuar como um elemento de ligação com os formuladores de políticas nacionais e promova as necessárias apresentações Conectar-se com ONGs ligadas à segurança do Averigue como o seu hospital pode trabalhar com organizações não governamentais (ONG's) para promover o desenvolvimento de políticas nacionais em segurança do Promover para que a segurança do seja incluída nos planos hospitalares Discuta em todas as reuniões a necessidade de introduzir politicas de qualidade e segurança do nos planos de capacitação hospitalar Ação 3 Conhecimento e aprendizado em segurança do Identificar promotores para a segurança do Fazer pequenos relatos dos efeitos adversos Continue a identificar líderes em segurança do que promovam o conhecimento e o aprendizado Introduza sistemas simples de verificação de efeitos adversos em áreas clínicas para que sirvam de linha de base para a melhoria Trabalhar com os educadores Trabalhe com educadores para desenvolver um sistema de educação continuada em segurança do direcionado a todos os profissionais de saúde Ação 4 Aumento da conscientização em segurança do Promover para que a segurança do seja incluída nos planos hospitalares Encorajar os promotores a falarem sobre a segurança do Introduza o tema da segurança e dos direitos do nas estratégias e planos hospitalar (consulte as políticas nacionais) Incentive os promotores em segurança do a sensibilizarem outros sobre a importância de cuidados de saúde mais seguros 14

15 Ideias a considerar Como alcançar os resultados Falar com os educadores sobre a segurança do Introduza o tema da segurança do e do envolvimento comunitário e do em sessões de treinamento e capacitação profissional Falar com organizações comunitárias Identifique organizações comunitárias e grupos de s para trabalhar na segurança do Promover as políticas de saúde nacionais e desenvolver políticas de saúde locais Trabalhe com a equipe APPS, peritos da OMS e pontos focais nacionais para fortalecerem o trabalho já desenvolvido por ONGs Realizar 2 avaliações importantes Utilize os componentes principais da OMS para avaliação e controle da infecção e o esquema de auto avaliação da OMS para a higiene das mãos Ação 5 Infecções associadas aos cuidados de saúde Identificar líderes Identifique líderes e colaboradores para a prevenção e controle da infecção hospitalar Providenciar desinfetante de mãos à base de álcool Introduza no hospital o desinfetante para as mãos à base de álcool como o primeiro passo da estratégia multimodal da OMS sobre a melhoria na higiene das mãos Introduzir um sistema de vigilância simples Considere a introdução de sistemas simples de vigilância para registrar infecções associadas com o cuidado de saúde Promover as políticas de saúde nacionais e desenvolver políticas de saúde locais Defenda o desenvolvimento de políticas nacionais de segurança do e desenvolva politicas modelo para hospitais Ação 6 Proteção dos profissionais de saúde Concentrar-se na vacinação dos profissionais de saúde Desenvolver os líderes Trabalhe com organismos nacionais e ONGs para fortalecer a implementação de vacinação para os profissionais de saúde Busque autorização para identificar e capacitar líderes e colaboradores em segurança do em seu hospital Facilitar o acesso ao equipamento de proteção individual Estabeleça mecanismos de acesso aos equipamentos de proteção individual considerando a indústria e produção locais Falar com os educadores sobre capacitação Organize um programa de treinamento e de auditoria Promover as políticas de saúde nacionais e desenvolver políticas de saúde locais Trabalhe com parceiros para promover uma política de gestão de resíduos e desenvolva políticas nacionais alinhadas com as políticas nacionais Ação 7 Gestão de resíduos na assistência à saúde Melhorar o acesso aos suprimentos Trabalhe com organismos nacionais e ONGs para assegurar que haja estoque adequado para a segurança dos resíduos Desenvolver líderes Identifique e capacite líderes em gestão de resíduos para Falar com os educadores sobre capacitação Organize treinamentos para os funcionários ressaltando a importância da manipulação segura dos resíduos 15

16 Ideias a considerar Como alcançar os resultados Falar com ONGs sobre possibilidades de financiamento Averigue se as ONGs possuem uma linha de financiamento para consertar ou restaurar incineradores Promover as políticas de saúde nacionais e desenvolver políticas de saúde locais Promova uma política nacional para cirurgia segura; desenvolva políticas hospitalares em cirurgia segura considerando a lista de verificação da cirurgia segura da OMS Desenvolver líderes Identifique e capacite líderes em segurança do Ação 8 Cuidados cirúrgicos seguros Melhorar o sistema de registros Considere uma forma de estabelecer ou fortalecer mecanismos para registrar os óbitos ou complicações hospitalares decorrentes de cirurgias Concentrar-se na mensuração Considere um mecanismo para a captação de dados hospitalares que meçam parâmetros chave em cirurgia segura nas salas de cirurgia Promover as políticas de saúde nacionais e desenvolver políticas de saúde locais Promova uma política nacional em segurança de medicamentos e desenvolva um formulário de medicamentos para o hospital local Promover a criação de um comitê para a segurança de medicamentos Prepare-se para estabelecer um comitê hospitalar para drogas e fármacos Ação 9 Segurança de medicamentos Desenvolver líderes Identifique e capacite líderes em segurança do Falar com os educadores sobre capacitação Prepara-se para estabelecer treinamentos sobre prescrição e dispensação de medicamentos para as diferentes unidades baseada em protocolos Discutir com os parceiros APPS sobre a possibilidade de instituir um sistema para registrar erros Considere uma forma de desenvolver sistemas de registro de reações adversas ou erros Promover as políticas de saúde nacionais e desenvolver políticas de saúde locais Crie parcerias entre os s, seus familiares, profissionais de saúde e formuladores de políticas Ação 10 Parcerias para a segurança do Criar um fórum de discussão para parcerias em segurança do Desenvolver líderes Estabeleça ou fortaleça um fórum para desenvolver parcerias entre s, familiares, profissionais de saúde e formuladores de políticas Identifique e capacite líderes em segurança do O que a segurança do significa para as comunidades? Sensibilize parceiros para a segurança do Selecionar uma meta possível de ser alcançada para discutir com a comunidade local Discuta com a comunidade local a melhoria da segurança do. Por ex: melhoria da higiene das mãos Ação 11 Financiamento para a segurança Promover para que haja um orçamento hospitalar para a segurança do Discuta a importância de alocar fundos específicos para atividades de segurança do como parte da estratégia e planos hospitalares 16

17 Ideias a considerar Como alcançar os resultados do Falar com a equipe APPS da OMS sobre parcerias público-privadas Considere o uso de parcerias publico privadas para assegurar elementos críticos para o sistema de segurança do. Ex: fornecimento de desinfetantes para as mãos à base de álcool Desenvolver líderes Identifique e capacite líderes em segurança do Falar com o Ministério da Saúde, OMS e ONGs sobre financiamento Considere o potencial de financiar projetos de segurança do através de financiamentos nacionais ou internacionais Promover uma política nacional sobre segurança do Trabalhe com peritos da OMS e pontos focais nacionais para promover políticas nacionais em pesquisa e avaliação em segurança do Ação 12 Vigilância e pesquisa para a segurança do Discutir com pesquisadores da universidade e do hospital sobre pesquisa em segurança do Desenvolver líderes Facilite a pesquisa hospitalar em segurança do direcionada para as áreas nacionais prioritárias Identifique e capacite líderes em segurança do Discutir com os parceiros APPS sobre a criação de um sistema de monitoramento Considere uma forma de estabelecer um sistema de vigilância hospitalar em segurança do que esteja conectado a algum sistema de vigilância nacional existente 17

18 Anexo 2: Plano de Parceria Hospitalar (HPP) orientação Informações Nome do Hospital Parceiro (África): Nome do Responsável pela APPS (África): Nome do Hospital Parceiro: Nome do responsável APPS no hospital parceiro: Data em que a Analise da Situação foi realizada: / / Nome dos responsáveis pelo preenchimento do formulário Áreas de ação que serão abordadas na parceria Projeto 1: Infecções associadas aos cuidados de saúde Projeto X: Preencha o formulário abaixo para cada uma das áreas de ação a serem abordadas na parceria. Utilize quanto formulários forem necessários. Número do projeto e área de ação Breve descrição do projeto Objetivo(s) do Projeto Resultado(s) do Projeto Produto(s) do Projeto Atividades Principais Beneficiários Grupos interessados Monitoramento e Avaliação Sustentabilidade e disseminação Riscos Gerenciamento e Apoio do Projeto Aprovado por Data da Aprovação 18

19 Anexo 3: Orientação para o Plano de Parceria Hospitalar(modelo) Informações Nome do Hospital Parceiro (África): Nome do Hospital Parceiro: Data em que a Analise da Situação foi realizada: / / Áreas de ação que serão abordadas na parceria Nome do Responsável pela APPS (África): Nome do responsável APPS no hospital parceiro Nome dos responsáveis pelo preenchimento do formulário Projeto 1: Infecções associadas aos cuidados de saúde Projeto 2: Cuidados cirúrgicos seguros Projeto X: Preencha o formulário abaixo para cada uma das áreas de ação a serem abordadas na parceria. Utilize quanto formulários forem necessários. Número do projeto e área de ação Breve descrição do projeto Objetivo(s) do Projeto Resultado(s) do Projeto Produto(s) do Projeto Atividades Principais Beneficiários Ex: Projeto 1: Infecções associadas aos cuidados de saúde 1 ou 2 frases com o esboço do projeto. Liste as mudanças que o projeto irá acarretar (1 ou 2 frases). Quando possível, tente associar as políticas ou planos locais/nacionais incluindo a Estratégia da OMS de Cooperação com o país e os Objetivos do desenvolvimento do Milênio. Tente ressaltar a forma como os objetivos do projeto irão responder às necessidades do hospital parceiro em África como identificado na Análise da Situação sobre a Segurança do Paciente. Descreva a melhoria em Segurança do Paciente que resultará do projeto. Os resultados em geral estão relacionados com mudanças na prática e no atendimento à saúde. Os resultados devem contribuir para o objetivo do projeto. Os produtos diretos que o projeto deverá alcançar: ex: 20 pessoas treinadas em controle de infecção. O produto deve contribuir para o objetivo do projeto. Liste todas as atividades planejadas. Para cada atividade, descreva brevemente o que será feito; onde e quem estará envolvido em cada lado da parceria; tempo de duração; metodologia utilizada e os custos associados. Há previsão de uma visita ao hospital parceiro? (Se sim, liste os custos financeiros e dos recursos humanos envolvidos). AS visitas previstas para o primeiro ano do projeto devem ser descritas detalhadamente. Os planos para o segundo ano podem ser mais gerais. Inclua uma linha do tempo. Inclua informações sobre as pessoas que irão se beneficiar direta ou indiretamente com o projeto. ex: técnicos de 19

20 Grupos interessados Monitoramento e Avaliação Sustentabilidade e disseminação Riscos Gerenciamento e Apoio do Projeto Aprovado por Data da Aprovação laboratório; gestores hospitalares, enfermagem e diferentes grupos de s. Descreva o benefício e adicione uma estimativa realista de quantas pessoas em cada grupo deverão beneficiar-se. Os benefícios serão estendidos aos dois lados da parceria? Identifique os principais grupos interessados e descreva seus interesses no projeto (outras unidades ou departamentos de saúde distritais ou nacionais). Por exemplo, indivíduos ou grupos que possam influenciar as atividades e os resultados do projeto nos dois lados da parceria. Considere a comunidade local e grupos interessados, incluindo s e famílias que possam contribuir positivamente aos esforços de melhoria na segurança do, com novas ideias e perspectivas para a segurança hospitalar. Sugira a frequência e para qual grupo, a parceria deverá se reportar. Defina indicadores para monitorar os resultados esperados e se estes irão ser alcançados. Descreva brevemente os seus planos para o monitoramento e avaliação incluindo a metodologia que será utilizada, quem estará envolvido, como o processo será gerenciado e como será a aprendizagem conjunta dos parceiros. Descreva a duração das atividades e quais os planos para o financiamento em longo prazo. Que benefícios deverão permanecer após os dois anos do projeto? E como. Liste seus planos para dar continuidade aos benefícios conquistados com o projeto. Identifique os potenciais riscos associados com o plano de parceria hospitalar. Ex: mobilidade de profissionais; mudança das prioridades do hospital; conflito entre os parceiros e como gerenciar cada um destes riscos. Liste os riscos externos e como você irá gerenciá-los. Ex: ruptura das tecnologias de comunicação e informação, problemas com vistos de entrada no país; incertezas políticas). Destaque as responsabilidades do projeto, incluindo a divisão de responsabilidades entre os parceiros. Descreva os principais detalhes das pessoas envolvidas em cada lado da parceria Considere as principais questões gerenciais: Quais os programas que serão utilizados para gerenciar o financiamento do projeto nos dois lados da parceria? Quem será o responsável pelo orçamento? Como e quem será o responsável pela comunicação entre os parceiros e como os parceiros serão informados sobre o que está acontecendo? 20

21 Anexo 4: Proposta de Visita- Formulário Modelo Parceria APPS (Liste ambos os hospitais dentro da parceria): Nome do responsável por preencher o formulário da proposta de visita: Propósito da visita descreva que parte do plano de parceria hospitalar a visita estará relacionada: Quais das datas de inicio e término da visita: A visita está alinhada com outras atividades no país, sem duplicação de treinamento ou trabalho de desenvolvimento de políticas? A visita satisfaz claramente os objetivos do hospital parceiro na África? Descreva sucintamente os resultados esperados com a visita (os resultados são claros, realistas e lógicos): Descreva sucintamente os produtos esperados com a visita (produtos devem ser claros, realistas e lógicos): Descreva sucintamente os riscos que podem estar associados com a visita: Liste os custos estimados com a visita: Descreva sucintamente como a visita deverá contribuir para o monitoramento e a avaliação do plano de parceria hospitalar: Liste o número de pessoas envolvidas na visita e papel de cada uma para atingir os objetivos propostos (assegure-se de que cada lado da parceria têm capacidade instalada de recursos humanos e experiência necessária para cumprir com os objetivos da visita) e que os objetivos não poderão ser cumpridos de outra forma, por exemplo, chamadas de Skype, seminários online): A visita foi planejada em comum acordo com ambos os parceiros? A visita trará benefícios para o parceiro europeu? Se sim, descreva-os sucintamente. Descreva sucintamente como a visita irá contribuir para a sustentabilidade e disseminação da melhoria na segurança do : Data de início: / / Data de término: / / Sim Não Não se aplica Sim Não Não se aplica Sim Não Sim Não Não se aplica 21

Melhorar a segurança do paciente: primeiros passos

Melhorar a segurança do paciente: primeiros passos Parceria Africana para Segurança do Paciente Melhorar a : primeiros passos Este documento descreve uma abordagem para melhorar a utilizando um modelo de parceria, estruturado em torno do aperfeiçoamento

Leia mais

Modelo de Plano de Ação

Modelo de Plano de Ação Modelo de Plano de Ação Para a implementação da Estratégia Multimodal da OMS para a Melhoria da Higiene das Mãos Introdução O Modelo de Plano de Ação é proposto para ajudar os representantes de estabelecimentos

Leia mais

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS TERMOS DE REFERÊNCIA Versão 17/07/2012 No âmbito de um processo

Leia mais

OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS

OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS FERRAMENTA A QUEM É DESTINADA? O QUE É O QUE FAZ OBJETIVOS Guia de finanças para as empresas sociais na África do Sul Guia Jurídico

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Os esforços devem se concentrar em garantir que cesáreas sejam feitas nos casos em que são necessárias, em vez de buscar atingir uma taxa específica de cesáreas.

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo Datos generales: Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo 1. Nombre de la herramienta: Conselhos de Desenvolvimento Comunitário (Programa Comunidade Ativa) 2. Organización

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido ICC 114 8 10 março 2015 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido Memorando de Entendimento entre a Organização Internacional do Café, a Associação

Leia mais

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Avaliação desenvolvida por Mónica Galiano e Kenn Allen, publicado originalmente no livro The Big Tent: Corporate Volunteering in the Global Age. Texto

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Módulo 4: Melhores práticas e lições aprendidas 4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Oficinas de capacitação do LEG para 2012-2013 - Oficina dos PMDs de língua portuguesa

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

Convocatória para Participação

Convocatória para Participação Futuros Feministas: Construindo Poder Coletivo em Prol dos direitos e da Justiça 13º Fórum Internacional da AWID sobre os Direitos das Mulheres e Desenvolvimento De 5 a 8 de maio de 2016 Salvador, Brasil

Leia mais

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário.

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário. 1. Apresentação O Voluntariado Empresarial é um dos canais de relacionamento de uma empresa com a comunidade que, por meio da atitude solidária e proativa de empresários e colaboradores, gera benefícios

Leia mais

qualidade do cuidado em saúde A segurança

qualidade do cuidado em saúde A segurança A Segurança nos serviços de saúde é um problema tão grande e as causas tão diversas e complexas que não é mais possível não separar as práticas da Qualidade e as práticas da Segurança. A qualidade do cuidado

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

GUIA PARA O GT RECURSOS FINANCEIROS

GUIA PARA O GT RECURSOS FINANCEIROS GUIA PARA O GT RECURSOS FINANCEIROS Um projeto é um empreendimento planejado que consiste num conjunto de atividades integradas e coordenadas, com o fim de alcançar objetivos específicos dentro dos limites

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Módulo 2 Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Origem do BSC Cenário Competitivos CONCORRENTE A CONCORRENTE C VISÃO DE FUTURO ESTRATÉGIA

Leia mais

Parceria Africana para a Segurança do Paciente Análise da Situação sobre a Segurança do Paciente (FORMULÁRIO CURTO)

Parceria Africana para a Segurança do Paciente Análise da Situação sobre a Segurança do Paciente (FORMULÁRIO CURTO) Parceria Africana para a Segurança do Paciente Análise da Situação sobre a Segurança do Paciente (FORMULÁRIO CURTO) Julho 2012 Uma série de recursos foram co-desenvolvidos e utilizados pelos hospitais

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Desafio 100 Cidades Resilientes

Desafio 100 Cidades Resilientes Desafio 100 Cidades Resilientes Inscreva-se até 24 de novembro de 2015 www.100resilientcities.org/challenge O Desafio 100 Cidades Resilientes quer identificar 100 cidades que estejam preparadas para construir

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações Página 144 VIII/11. Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações A Conferência das Partes, Informando-se sobre o relatório do Secretário Executivo sobre as atividades do

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Execução da Estratégia e Alinhamento Organizacional. JOSÉ SILVA BARBOSA Secretário de Gestão Estratégica

Execução da Estratégia e Alinhamento Organizacional. JOSÉ SILVA BARBOSA Secretário de Gestão Estratégica Execução da Estratégia e Alinhamento Organizacional JOSÉ SILVA BARBOSA Secretário de Gestão Estratégica SET/2010 Quem Somos? Criação: Lei nº 8.430/92, 8 de junho de 1992 Varas do Trabalho: 26 Varas Itinerantes:

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

PPG - Programa de Profissionalização da Gestão. Pequenas e Médias Empresas

PPG - Programa de Profissionalização da Gestão. Pequenas e Médias Empresas PPG - Programa de Profissionalização da Gestão Pequenas e Médias Empresas 2010 Comunidade de interesse em Gestão Empresarial + Convidados Discutir novas idéias e estimular o uso de conceitos e práticas

Leia mais

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA Pretoria Africa du Sul Conteúdo 1. Apresentação da FOJASSIDA 2. Introdução 3. Diferentes formas de parcerias

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Pelo presente termo de compromisso, de um lado a Secretaria de Estado da Saúde do Estado do Rio de Janeiro/ Fundo Estadual de Saúde, com endereço

Leia mais

Parcerias para o Desenvolvimento Sustentável

Parcerias para o Desenvolvimento Sustentável Parcerias para o Desenvolvimento Sustentável Juliana Rehfeld Gerente Desenvolvimento Sustentável Anglo American Brasil BH, 24 de setembro de 2009 0 Visão Macro da Anglo American Sustentabilidade - Negócio,

Leia mais

GUIA PARA AVALIAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETOS COMPONENTE 4

GUIA PARA AVALIAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETOS COMPONENTE 4 FUNDO MULTILATERAL DE INVESTIMENTOS PROGRAMA REGIONAL DE FORMAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL COM INCLUSÃO SOCIAL- CONECTADEL GUIA PARA AVALIAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETOS COMPONENTE 4 1. Objetivo

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Estabelecendo Prioridades para Advocacia

Estabelecendo Prioridades para Advocacia Estabelecendo Prioridades para Advocacia Tomando em consideração os limites de tempo e recursos dos implementadores, as ferramentas da série Straight to the Point (Directo ao Ponto), da Pathfinder International,

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta.

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações METODOLOGIA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES ORIGEM Departamento de

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

EDITAL ONU MULHERES 2011

EDITAL ONU MULHERES 2011 EDITAL ONU MULHERES 2011 O Escritório Sub-Regional da ONU Mulheres para Brasil e países do Cone Sul (Argentina, Chile, Paraguai e Uruguai) convida organizações da sociedade civil a apresentarem projetos

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Treinamento Online para o Segundo Vice-Governador de Distrito

Treinamento Online para o Segundo Vice-Governador de Distrito Treinamento Online para o Segundo Vice-Governador de Distrito Apostila Bem-Vindo ao Treinamento Online para o Segundo Vice-Governador de Distrito! Parabéns pela sua eleição ao cargo de segundo vice-governador

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução MUS-12/1.EM/3 Rio de Janeiro, 13 Jul 2012 Original: Inglês ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA REUNIÃO DE ESPECIALISTAS NA PROTEÇÃO E PROMOÇÃO DE MUSEUS E COLEÇÕES Rio

Leia mais

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Prefeito - Julio Cesar Gomes Nome do ponto focal: Maricleia Leati Organização:

Leia mais

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL RESOLUÇÃO SEPLAG no. xx/xxxx Disciplina o funcionamento das Comunidades de Prática CoPs no âmbito do Poder Executivo Estadual, vinculadas

Leia mais

CE150/INF/6 (Port.) Anexo A - 2 - A. DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE. Introdução

CE150/INF/6 (Port.) Anexo A - 2 - A. DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE. Introdução Anexo A - 2 - A. DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE Introdução 1. A Assembleia Mundial da Saúde, mediante a Resolução WHA62.14 (2009), Reduzir as desigualdades de saúde mediante ações sobre os determinantes

Leia mais

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras VAMOS ACABAR COM A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NAS RODOVIAS BRASILEIRAS parceria estratégica parceria técnica Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

Reforma institucional do Secretariado da SADC

Reforma institucional do Secretariado da SADC Reforma institucional do Secretariado da SADC Ganhamos este prémio e queremos mostrar que podemos ainda mais construirmos sobre este sucesso para alcançarmos maiores benefícios para a região da SADC e

Leia mais

Pesquisa Etnográfica

Pesquisa Etnográfica Pesquisa Etnográfica Pesquisa etnográfica Frequentemente, as fontes de dados têm dificuldade em dar informações realmente significativas sobre a vida das pessoas. A pesquisa etnográfica é um processo pelo

Leia mais

Princípios de Emponderamento da Mulheres. Princípios de Empoderamento das Mulheres. Igualdade significa Negócios. Igualdade significa negócios

Princípios de Emponderamento da Mulheres. Princípios de Empoderamento das Mulheres. Igualdade significa Negócios. Igualdade significa negócios Princípios de Emponderamento da Mulheres Princípios de Empoderamento das Mulheres Igualdade significa negócios Igualdade significa Negócios Igualdade significa Negócios da Mulheres Princípios de Emponderamento

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas

Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas Introdução A Seção de Leitura da IFLA tem o prazer de apresentar algumas sugestões práticas para as bibliotecas

Leia mais

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor 2 Apresentando as etapas da Metodologia Tear de forma simplificada, esta versão resumida foi preparada para permitir um acesso rápido

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação

Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Corporação Financeira Internacional 26 de agosto de 2009 SUMÁRIO PÁGINA Resumo executivo...

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas que realmente

Leia mais

compromisso com a segurança além da excelência Eficiência operacional conformidade do subcontratado gestão de registros saúde e segurança

compromisso com a segurança além da excelência Eficiência operacional conformidade do subcontratado gestão de registros saúde e segurança desempenho em segurança gestão de competências controle de acesso compromisso com a segurança além da excelência Eficiência operacional conformidade do subcontratado gestão de registros saúde e segurança

Leia mais

O Coach Formação & Carreira

O Coach Formação & Carreira O Coach Formação & Carreira Eu aprendí que as pessoas poderão esquecer o que você disse mas jamais esquecerão o que você as fez sentir. Voce não pode ensinar nada a uma pessoa; pode apenas ajudá-la a encontrar

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO 1. A comunicação durante o processo de enfermagem nem sempre é efetiva como deveria ser para melhorar isto, o enfermeiro precisa desenvolver estratégias de

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE BALANCED SCORECARD

FERRAMENTAS DA QUALIDADE BALANCED SCORECARD FERRAMENTAS DA QUALIDADE BALANCED SCORECARD Histórico Desenvolvimento do Balanced Scorecard: 1987, o primeiro Balanced Scorecard desenvolvido por Arthur Schneiderman na Analog Devices, uma empresa de porte

Leia mais

Revisto e aprovado por Kâmia Preparado por Glayson Ferrari - Coordenador Executivo do PEA

Revisto e aprovado por Kâmia Preparado por Glayson Ferrari - Coordenador Executivo do PEA PNUD Angola PEA - Programa Empresarial Angolano Marco Lógico do Programa - 2011 Resultado Geral Revisto e aprovado por Kâmia Preparado por Glayson Ferrari - Coordenador Executivo do PEA Carvalho - Coordenadora

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais