Os limites da computação algorítmica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os limites da computação algorítmica"

Transcrição

1 Capítulo 12 Os limites da computação algorítmica Problemas que não podem ser resolvidos pelas MT Problemas indecidíveis para LRE Problema da correspondência de Post Problemas indecidíveis para CFL 480

2 12.1. Alguns problemas que não podem ser resolvidos por máquinas de Turing Decidibilidade Se o resultado de uma computação é apenas sim ou não, trata-se de um problema de decidibilidade : o problema ou é decidível ou é indecidível. Computabilidade d Uma função off écomputável num dado dodomínio ose e só se existir uma MT que calcula o valor de f para todos os argumentos do seu domínio 481

3 Alguns problemas indecidíveis (i) O problema da paragem de uma MT (histórico) Problema: dada a descrição de uma MT M (codificada numa cadeia de 0 s e 1 s) dada uma cadeia de entrada w Se M iii iniciar uma computação em q 0 w será que pára (halt)? Domínio do problema: conjunto de todas as MT e conjunto de todas as w. 482

4 Resposta ao problema: procura-se uma única MT que dê uma resposta correcta em todos os casos possíveis M e w a MT procurada deve dar uma resposta analisando a descrição de M e w através de algum algoritmo (e não através de uma simulação para cada caso, por ex. pela MT universal, que pode entrar em ciclo para uma dada w, e nesse caso nunca mais se sabe a resposta). não existe um tal algoritmo, não existe uma tal MT. 483

5 Definição A paragem de uma MT. Seja w M a cadeia (0 s e 1 s) que descreve a máquina de Turing M. Sj Seja w uma cadeia (codificada d em 0 s e 1 s) no alfabeto de M. Uma MT H é uma solução para o problema da paragem de M se H : q 0 w M w x 1 q y x 2 Se M pára com w y 1 q n y 2 Estados finais Se M não pára com w 484

6 Teorema Não existe qualquer MT capaz de se comportar como H. Este problema (da paragem) é indecidível. 485

7 Teorema 12.2 Se o problema de paragem da MT fosse decidível toda a linguagem recursivamente enumerável seria recursiva (a paragem da MT seria um algoritmo de pertença) Por isso é natural que o problema da paragem seja indecidível (dado que há linguagens recursivamente enumeráveis que não são recursivas). 486

8 (ii) O problema da entrada num estado Dada uma MT M = ( Q,,,, q 0,, F) qualquer q Q qualquer w +, M entra alguma vez no estado q quando se lhe aplica w??? Este problema é indecidível. idí 487

9 Exemplo de função não computável Seja uma MT com = {0, 1, }. Seja f (n) = máximo número de movidas de um MT com n estados que pára quando inicializada com um fita em branco. Esta função não é computável. 488

10 Problemas indecidíveis para linguagens recursivamente enumeráveis as linguagens recursivamente enumeráveis (REL) têm um elevado grau de generalidade muitas questões que sobre elas se podem colocar são indecidíveis o problema da paragem da MT pode ser reduzido a essas questões de decidibilidade da REL. 489

11 Teorema Seja G uma gramática não restringida L (G ) =??? é indecidível 490

12 Teorema 12.4 Sj Seja M uma MT L (M ) é finita??? é indecidível 491

13 Teorema de Rice Qualquer propriedade d não trivial i lde uma linguagem recursivamente enumerável é indecidível. Uma propriedade não-trivial de uma LRE é toda aquela que é possuída por algumas mas não por todas as linguagens recursivamente enumeráveis. Uma propriedade trivial de uma LRE é possuída por nenhuma ou por todas as linguagens RE. 492

14 12.4. Problemas indecidíveis eis para linguagens livres de contexto (CFL) Usa-se o problema da correspondência de Post (PC) Teorema Ambiguidade de CFG Não existe um algoritmo para decidir se qualquer CFG é ambígua. 493

15 Teorema Considerem-se duas CFG s arbitrárias i G 1 e G 2. L (G 1 ) L(G 2 ) =??? Indecidível 494

16 Os teoremas sobre (in)decidibilidade não significam ifi que não se possa obter respostas para casos específicos. Referem- se à existência de algoritmos que sejam completamente gerais. Pode haver um algoritmo que funcione num número muito elevado de casos, mas se há casos (mesmo que só um) para os quais falhe, o problema é indecidível. 495

17 Bibliografia An Introduction to Formal Languages and Automata, Peter Linz, 3rd Ed., Jones and Bartelett Computer Science, Models of Computation and Formal Languages, R. Gregory Taylor, Oxford University Press, Introduction to Automata Theory, Languages and Computation, 2nd Ed., John Hopcroft, Rajeev Motwani, Jeffrey Ullman, Addison Wesley, Elements for the Theory of Computation, Harry Lewis and Christos Papadimitriou, 2nd Ed., Prentice Hall, Introduction th the Theory of Computation, Michael Sipser, PWS Publishing Co,

Outras Máquinas de Turing

Outras Máquinas de Turing Capítulo 10 Outras Máquinas de Turing 10.1. Pequenas variações da TM padrão 10.2. MT s com dispositivos de armazenamento mais complexos 10.3. MT s não-determinísticas 10.4. A Máquina de Turing Universal

Leia mais

Capítulo 5. Linguagens livres de contexto

Capítulo 5. Linguagens livres de contexto Capítulo 5 Linguagens livres de contexto 5.1. Gramáticas livres de contexto 5.2. Parsing e ambiguidade 5.3. CFG e linguagens de programação 221 5.1. 1Gramáticas ái livres de contexto na parte esquerda

Leia mais

Pró-Reitoria de Ensino de Graduação P L A N O D E E N S I N O

Pró-Reitoria de Ensino de Graduação P L A N O D E E N S I N O Pró-Reitoria de Ensino de Graduação P L A N O D E E N S I N O Curso: Ciência da Computação Unidade Curricular: Linguagem Formais e Autômatos Modalidade: Presencial (X ) Semipresencial ( ) Período: 4º Ano/

Leia mais

Autómatos finitos não determinísticos (AFND)

Autómatos finitos não determinísticos (AFND) Autómatos finitos não determinísticos (AFND) [HMU00](Cap 2.3) Computações não determinísticas: o estado seguinte não é univocamente determinado pelo estado actual.num autómato finito (não-determínistico):

Leia mais

Linguagem Formais e Autômatos

Linguagem Formais e Autômatos Linguagem Formais e Autômatos Apresentação da disciplina, metodologia de ensino, conteúdos, avaliações e bibliografia Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos

Leia mais

ACH2043 INTRODUÇÃO À TEORIA DA COMPUTAÇÃO. Seção 5.1 Problemas indecidíveis. Slides originais gentilmente cedidos pela Profa. Ariane Machado Lima

ACH2043 INTRODUÇÃO À TEORIA DA COMPUTAÇÃO. Seção 5.1 Problemas indecidíveis. Slides originais gentilmente cedidos pela Profa. Ariane Machado Lima ACH2043 INTRODUÇÃO À TEORIA DA COMPUTAÇÃO Seção 5.1 Problemas indecidíveis Slides originais gentilmente cedidos pela Profa. Ariane Machado Lima 1 Na aula passada... A MT é indecidível (usando diagonalização)

Leia mais

Que tipo de problemas são insolúveis por computador? Todos eles são teóricos?? A resposta é não!

Que tipo de problemas são insolúveis por computador? Todos eles são teóricos?? A resposta é não! Que tipo de problemas são insolúveis por computador? Todos eles são teóricos?? A resposta é não! Por exemplo, se dermos como entrada para um processo de verificação da corretude de programas um programa

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE INFORMÁTICA

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO: Fundamentos da Computação CURSO: Bacharelado em Sistemas de Informação DISCIPLINA: Fundamentos da Computação CÓDIGO: 4610H CRÉDITOS: 04 CARGA HORÁRIA: 60 horas-aula VALIDADE: a partir de

Leia mais

Introdução às Máquinas de Turing (TM)

Introdução às Máquinas de Turing (TM) Comparação com computadores: Introdução às Máquinas de Turing (TM) um modelo matemático simples de um computador Semelhanças: lê e escreve em posições arbitrarias de memoria Diferenças: sem limite no tamanho

Leia mais

Faculdade de Computação

Faculdade de Computação UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Disciplina : Teoria da Computação Professora : Sandra de Amo Solução da Lista de Exercícios n o 6 - Problemas Indecidiveis Exercicio 7-5.5 do

Leia mais

Alfabeto e palavras. Alfabeto conjunto finito de símbolos (Σ).

Alfabeto e palavras. Alfabeto conjunto finito de símbolos (Σ). Alfabeto e palavras Alfabeto conjunto finito de símbolos (Σ). {A,...,Z}, {α, β,... }, {a,b}, {0,1}, ASCII Palavra de Σ sequência finita de símbolos do alfabeto Σ Σ = {a, b} aabba a aaaaaaaa Comprimento

Leia mais

Lógica Computacional

Lógica Computacional Aula Teórica 1: Apresentação António Ravara Simão Melo de Sousa Departamento de Informática, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa Departamento de Informática, Faculdade Engenharia,

Leia mais

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Computabilidade 2012/2013 Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Capítulo 1 Computabilidade 1.1 A noção de computabilidade Um processo de computação

Leia mais

Modelagem de uma Vending Machine utilizando um Autômato Finito com Saída

Modelagem de uma Vending Machine utilizando um Autômato Finito com Saída Modelagem de uma Vending Machine utilizando um Autômato Finito com Saída Ailton Sérgio Bonifácio Yandre Maldonado e Gomes da Costa Mestrado em Ciência da Computação - FACCAR/UFRGS ailton@uel.br, yandre@din.uem.br

Leia mais

Programação de Computadores em C

Programação de Computadores em C Programação de Computadores em C Primeira edição Carlos Camarão Universidade Federal de Minas Gerais Doutor em Ciência da Computação pela Universidade de Manchester, Inglaterra Lucília Figueiredo Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE BAURU FACULDADE DE ARQUITETURA, ARTES E COMUNICACAO DE BAURU

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE BAURU FACULDADE DE ARQUITETURA, ARTES E COMUNICACAO DE BAURU Nível: Histórico: Mestrado/Doutorado Código Capes: DES00012 Docente(s) Responsável(eis): Prof. Dr. JOAO FERNANDO MARAR Situação Ativa Dt. Aprovação 05/12/2013 Dt. Desativação Créditos 8 CH. Total CH. Teórica

Leia mais

Equivalência de Máquinas Universais: Demonstração, Análise e Simulação

Equivalência de Máquinas Universais: Demonstração, Análise e Simulação Equivalência de Máquinas Universais: Demonstração, Análise e Simulação por Débora Pandolfi Alves UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS DÉBORA PANDOLFI ALVES Equivalência de Máquinas Universais: Demonstração,

Leia mais

Faculdade de Computação

Faculdade de Computação UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Disciplina : Teoria da Computação Professora : Sandra Aparecida de Amo Lista de Exercícios n o 2 Exercícios sobre Modelos de Máquinas de Turing

Leia mais

Máquinas de Turing. Juliana Kaizer Vizzotto. Disciplina de Teoria da Computação. Universidade Federal de Santa Maria

Máquinas de Turing. Juliana Kaizer Vizzotto. Disciplina de Teoria da Computação. Universidade Federal de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria Disciplina de Teoria da Computação Roteiro Definição Formal de Máquina de Turing Mais exemplos Definição Formal de Máquina de Turing Uma máquina de Turing é uma 7-upla,

Leia mais

Disciplina de Projetos e Análise de Algoritmos. Aula 1 - Apresentação aos Algoritmos Computacionais

Disciplina de Projetos e Análise de Algoritmos. Aula 1 - Apresentação aos Algoritmos Computacionais Aula 1 - Apresentação aos Algoritmos Computacionais O que é a Disciplina? Disciplina de Projeto e Análise de Algoritmos Esta é uma disciplina de Algoritmos em nível de Pós-Graduação! Temas a serem abordados:

Leia mais

Universidade Federal de Alfenas

Universidade Federal de Alfenas Universidade Federal de Alfenas Projeto e Análise de Algoritmos Aula 02 Um pouco da história da computação humberto@bcc.unifal-mg.edu.br Última aula... Fundamentos de Matemática; Medida do Tempo de Execução

Leia mais

Curso de C. Introdução. Copyright @ 2005 by Arnaldo V. Moura e Daniel F. Ferber

Curso de C. Introdução. Copyright @ 2005 by Arnaldo V. Moura e Daniel F. Ferber Curso de C Introdução Introdução Roteiro: Recordando Algoritmos Linguagem de Programação O computador Instruções de Máquina Níveis de Abstração Compilação Algoritmos Recordando: Algoritmo: conjunto finito

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT Área de Conhecimento Ementa/Bibliografia Compiladores Alfabetos e Linguagens. Linguagens, gramáticas e expressões regulares, autômatos finitos. Linguagens e gramáticas

Leia mais

Linguagens Livres de Contexto e Autômatos a Pilha (Push- Down) Um Modelo de Computação de Força Intermediária. Gramática Livre de Contexto

Linguagens Livres de Contexto e Autômatos a Pilha (Push- Down) Um Modelo de Computação de Força Intermediária. Gramática Livre de Contexto LFA - PARTE 2 Linguagens Livres de Contexto e Autômatos a Pilha (Push- Down) Um Modelo de Computação de Força Intermediária João Luís Garcia Rosa LFA-FEC-PUC-Campinas 2002 R. Gregory Taylor: http://starbase.cs.trincoll.edu/~rtaylor/thcomp/

Leia mais

Um software para auxílio a aprendizagem de Linguagens Regulares

Um software para auxílio a aprendizagem de Linguagens Regulares Um software para auxílio a aprendizagem de Linguagens Regulares Marlon José Dognini dognini@uol.com.br André Luís Alice Raabe araabe@cttmar.univali.br Ciência da Computação - CTTMar - Universidade do Vale

Leia mais

Limitações dos Computadores

Limitações dos Computadores Limitações dos Computadores Baseado em Computers Ltd. What they really can t do, David Harel. Oxford University Press, 2000. Computadores e Redes de Comunicação Mestrado em Gestão de Informação, FEUP 2004/07

Leia mais

6.3 Equivalência entre Autômatos com Pilha Não-Determinísticos e Gramáticas Livre do Contexto

6.3 Equivalência entre Autômatos com Pilha Não-Determinísticos e Gramáticas Livre do Contexto Capítulo 6. Autômatos com Pilha 6.3 Equivalência entre Autômatos com Pilha Não-Determinísticos e Gramáticas Livre do Contexto Nos exemplos da seção anterior, vimos que os autômatos com pilha existem para

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ PAULO ROBERTO LIMA

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ PAULO ROBERTO LIMA UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ PAULO ROBERTO LIMA UM SOFTWARE EDUCACIONAL PARA CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO DE FORMALISMOS UTILIZADOS NA GERAÇÃO E RECONHECIMENTO DE SENTENÇAS DE UMA LINGUAGEM REGULAR São José

Leia mais

1.2. Sistemas de Programação

1.2. Sistemas de Programação 1 1.2. Sistemas de Programação 1.2.1 Técnicas de programação 1.2.1.1 Processo de desenvolvimento de programas PROBLEMA análise SOLUÇÃO CONCEITUAL programação ALGORITMO Codificação PROGRAMA FONTE digitação

Leia mais

Materiais: Leituras/Vídeos

Materiais: Leituras/Vídeos Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática - Teoria da Computação profa. Beatriz R. Tavares Franciosi - 2015/II Materiais: Leituras/Vídeos Bibliografia básica 1. HOPCROFT,

Leia mais

Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação

Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação UFU-Curso de Bacharelado em Ciência da Computação - 7 0 período Profa. Sandra de Amo Exercícios de Revisão : Autômatos e Gramáticas 1. Mostre que a linguagem

Leia mais

2 Máquinas de Estados em Jogos Eletrônicos

2 Máquinas de Estados em Jogos Eletrônicos 2 Máquinas de Estados em Jogos Eletrônicos Máquinas de Estados são um conceito importante em várias áreas da ciência. Em particular, a engenharia e a computação utilizam Máquinas de Estados como ferramentas

Leia mais

IN0997 - Redes Neurais

IN0997 - Redes Neurais IN0997 - Redes Neurais Aluizio Fausto Ribeiro Araújo Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática - CIn Departamento de Sistemas da Computação aluizioa@cin.ufpe.br Conteúdo Objetivos Ementa

Leia mais

Uma ferramenta de apoio ao ensino de computabilidade que facilita o entendimento Máquinas Abstratas

Uma ferramenta de apoio ao ensino de computabilidade que facilita o entendimento Máquinas Abstratas Uma ferramenta de apoio ao ensino de computabilidade que facilita o entendimento Máquinas Abstratas Vitor Vieira 1,2, Vitor Marcolino 1, David Lima 1,2, Eliana Almeida 1,2 1 Centro de Pesquisa em Matemática

Leia mais

ALP Algoritmos e Programação. . Linguagens para Computadores

ALP Algoritmos e Programação. . Linguagens para Computadores ALP Algoritmos e Programação Iniciação aos computadores. Linguagens para Computadores. Compiladores, Interpretadores. Ambientes de Programação 1 Linguagens para Computadores. Linguagem binária: Dispositivos

Leia mais

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA SPADA, Nina. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Estrangeira: uma entrevista com Nina Spada. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. Tradução de Gabriel de Ávila Othero.

Leia mais

CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO E SISTEMAS DA INFORMAÇÃO

CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO E SISTEMAS DA INFORMAÇÃO CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO E SISTEMAS DA INFORMAÇÃO MATERIAL INSTRUCIONAL ESPECÍFICO Tomo V 1 Questão 1 Questão 1. 1 O problema P versus NP é um problema ainda não resolvido e um dos mais estudados em Computação.

Leia mais

2. Objetivos do Sistema

2. Objetivos do Sistema Desenvolvimento de Um Programa Interpretador e Resolvedor para Máquinas de Estado Finito Adriana Postal 1, Ana Paula Fredrich 1, Cassiano Cesar Casagrande 1, Evaristo Wychoski Benfatti 1, Josué Pereira

Leia mais

Compiladores. Análise léxica. Plano da aula. Vocabulário básico. Motivação para análise léxica. Estrutura de um compilador

Compiladores. Análise léxica. Plano da aula. Vocabulário básico. Motivação para análise léxica. Estrutura de um compilador Estrutura de um compilador Compiladores Análise lexical (1) Expressões Regulares 1 2 Plano da aula 1. Motivação do uso de E.R. e definições Linguagens, tokens, lexemas... 2. Regras de formação e exemplos

Leia mais

Gestão de Projectos de Software - 1

Gestão de Projectos de Software - 1 Gestão de Projectos de Software Licenciaturas de EI / IG 2012/2013-4º semestre msantos@ispgaya.pt http://paginas.ispgaya.pt/~msantos Gestão de Projectos de Software - 1 Objectivos da Disciplina de Gestão

Leia mais

ANEXO V PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA E TUTORIA ORIENTAÇÕES E ROTEIRO DE ESTUDOS

ANEXO V PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA E TUTORIA ORIENTAÇÕES E ROTEIRO DE ESTUDOS ANEXO V PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA E TUTORIA ORIENTAÇÕES E ROTEIRO DE ESTUDOS ROTEIRO DE ESTUDOS PARA MONITORIA/TUTORIA Disciplina: Algoritmos e Estruturas de Dados I Curso/Área: Licenciatura

Leia mais

Energia kj/mol kcal/mol

Energia kj/mol kcal/mol Cap. 1 A estrutura dos materiais 27 1.4 Estrutura dos Polímeros Já foi visto anteriormente, conforme ilustrado pela figura 1.15, que não existe uma ligação pura encontrada nos sólidos reais, inclusive

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - UFCG CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA - CEEI COPIN. Monografia

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - UFCG CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA - CEEI COPIN. Monografia UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - UFCG CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA - CEEI COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA - COPIN Monografia COMPUTAÇÃO PROBABILÍSTICA: MÁQUINA DE TURING

Leia mais

Usando um Simulador da Máquina de Turing Claudio Kirner 2010

Usando um Simulador da Máquina de Turing Claudio Kirner 2010 1. Introdução Usando um Simulador da Máquina de Turing Claudio Kirner 2010 A Máquina de Turing, idealizada por Alan Turing, em 1936, é uma máquina teórica simples capaz de calcular qualquer função matemática.

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

Problemas Computacionais em LS

Problemas Computacionais em LS Problas e Problas Instituto de Matática e Estatística, UFF Janeiro de 2012 Sumário Problas e Problas e. Problas : Christos Papadimitriou Problas e Autor dos livros Elentos da Teoria da Computação, Otimização

Leia mais

Web site. Objetivos gerais. Introdução. http://www.inf.ufes.br/~pdcosta/ensino/2009-1-estruturas-de-dados. Profa. Patrícia Dockhorn Costa

Web site. Objetivos gerais. Introdução. http://www.inf.ufes.br/~pdcosta/ensino/2009-1-estruturas-de-dados. Profa. Patrícia Dockhorn Costa Web site http://www.inf.ufes.br/~pdcosta/ensino/2009-1-estruturas-de-dados Estruturas de Dados Aula 1: Introdução e conceitos básicos Profa. Patrícia Dockhorn Costa Email: pdcosta@inf.ufes.br 01/03/2010

Leia mais

AULA TEÓRICA 10 Tema 9. Introdução à programação. Desenho de Algoritmos

AULA TEÓRICA 10 Tema 9. Introdução à programação. Desenho de Algoritmos AULA TEÓRICA 10 Tema 9. Introdução à programação. Desenho de Algoritmos Ø Resolução de problemas. Ø Algoritmo. Ø Pseudo-código. Ø Fluxograma. Ø Tipos de fluxogramas. Fluxograma sequencial. 1 Resolução

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Rua Sérgio Buarque de Holanda, 651 Campinas Brasil esmamian@gmail.com

Universidade Estadual de Campinas Rua Sérgio Buarque de Holanda, 651 Campinas Brasil esmamian@gmail.com MÉTODOS DE PONTOS INTERIORES COMO ALTERNATIVA PARA ESTIMAR OS PARÂMETROS DE UMA GRAMÁTICA PROBABILÍSTICA LIVRE DO CONTEXTO Esther Sofía Mamián López Universidade Estadual de Campinas Rua Sérgio Buarque

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino DISCIPLINA: Métodos Numéricos CÓDIGO: PEE-007 Validade: A partir do 1º semestre de 2009. Carga Horária: 45 horas-aula Créditos: 03 Área de Concentração / Módulo: Sistemas Elétricos / Módulo de Disciplinas

Leia mais

5.7 Amostragem e alguns teoremas sobre limites

5.7 Amostragem e alguns teoremas sobre limites M. Eisencraft 5.7 Amostragem e alguns teoremas sobre limites 7 5.7 Amostragem e alguns teoremas sobre limites Para quantificar os problemas associados às medidas práticas de uma VA, considere o problema

Leia mais

Teoria da Computação

Teoria da Computação Teoria da Computação Máquinas de Turing Simão Melo de Sousa Computer Science Department University of Beira Interior, Portugal Plano 1 2 O que é uma máquina de Turing? O Processo de Execução 3 Linguagem

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ENSINO DA DISCIPLINA DE LINGUAGENS FORMAIS E AUTÔMATOS PARA UM CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

UMA PROPOSTA DE ENSINO DA DISCIPLINA DE LINGUAGENS FORMAIS E AUTÔMATOS PARA UM CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO UMA PROPOSTA DE ENSINO DA DISCIPLINA DE LINGUAGENS FORMAIS E AUTÔMATOS PARA UM CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Thiago Carvalho Pedrazzi 1 - thiago.pedrazzi@poli.usp.br Ivone Penque Matsuno 1,2 - ivone.matsuno@poli.usp.br

Leia mais

Máquinas de Turing 1

Máquinas de Turing 1 Máquinas de Turing 1 Agenda Máquinas de Turing (TM) Alan Turing Motivação Tese de Church-Turing Definições Computação Configuração de TM Reconhecedores vs. Decisores 2 Alan Turing Alan Turing é um dos

Leia mais

Computabilidade e Teoria da Recursão

Computabilidade e Teoria da Recursão Armando Matos Nelma Moreira Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências, email: {acm,nam}@ncc.up.pt Conteúdo 1 Máquinas de Turing 2 1.1 Máquinas de Turing calculadoras de funções parciais.................

Leia mais

PLANO DE ENSINO. CURSOS: Licenciatura em Computação, Licenciatura em Matemática, Licenciatura. MODALIDADE: Presencial

PLANO DE ENSINO. CURSOS: Licenciatura em Computação, Licenciatura em Matemática, Licenciatura. MODALIDADE: Presencial UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n Dois Irmãos. 52171-900. Recife-PE. Fone: 81 3320.6040 proreitor@preg.ufrpe.br PLANO DE ENSINO

Leia mais

Programação orientada a objetos usando a linguagem C++ CDTN Centro de Desenvolvimento de Tecnologia Nuclear

Programação orientada a objetos usando a linguagem C++ CDTN Centro de Desenvolvimento de Tecnologia Nuclear Programação orientada a objetos usando a linguagem C++ CDTN Centro de Desenvolvimento de Tecnologia Nuclear Belo Horizonte, Setembro de 2000 1- Objetivo: Ministrar o curso de Treinamento em Programação

Leia mais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. SLAs a aplicar em frentes de testes funcionais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. SLAs a aplicar em frentes de testes funcionais SIPTEST System Intelligent Process Testing. SLAs a aplicar em frentes de testes funcionais SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 8 Índice 1 Introdução... 2 2 SLAs a aplicar

Leia mais

Linguagem de Montagem

Linguagem de Montagem Linguagem de Montagem Uma introdução à Programação Assembly do PC Slides baseados em material associado ao livro Introduction to Assembly Language Programming, Sivarama Dandamudi 1 A Visão do Usuário sobre

Leia mais

Computação Concorrente (MAB-117) Monitores

Computação Concorrente (MAB-117) Monitores Computação Concorrente (MAB-117) Monitores Prof. Silvana Rossetto 1 Departamento de Ciência da Computação (DCC) Instituto de Matemática (IM) Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Maio de 2012 1.

Leia mais

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas II/CPD025 Conceitos orientação a objetos. Evolução das técnicas de modelagem orientadas a objetos. Estrutura da linguagem UML. Conceito de processo interativo

Leia mais

Teoria da Computação Linguagens Formais e Autômatos

Teoria da Computação Linguagens Formais e Autômatos 1 Prof. Diógenes Furlan Teoria da Comutação Linguagens Formais e Autômatos Módulo 2 2015 2 Autômato de Pilha Modelo reconhecedor de alavras ara LLCs. Modelo da Máuina fita de entrada cabeça de leitura

Leia mais

FONÉTICA UMA ENTREVISTA COM LUIZ CARLOS CAGLIARI

FONÉTICA UMA ENTREVISTA COM LUIZ CARLOS CAGLIARI CAGLIARI, Luiz Carlos. Fonética: uma entrevista com Luiz Carlos Cagliari. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 4, n. 7, agosto de 2006. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. FONÉTICA UMA

Leia mais

Curso Técnico em Informática Câmpus Assis Chateaubriand

Curso Técnico em Informática Câmpus Assis Chateaubriand 1. Módulos Curso Técnico em Informática Câmpus Assis Chateaubriand ÁREA CURRICULAR MÓDULO I: Embasamento em Programação HORÁRIA (h/r) HORÁRIA (h/a) Algoritmos 68 80 Arquitetura de Computadores 34 40 Teoria

Leia mais

1 Máquina URM, comandos e programas URM

1 Máquina URM, comandos e programas URM 1 Máquina URM, comandos e programas URM Definição 1 : Máquina URM (Unlimited Register Machine) Uma máquina URM é constituída por uma sucessão de registos 2 < R i > i IN. Cada registo pode conter um valor

Leia mais

Software de Telecomunicações

Software de Telecomunicações Software de Telecomunicações Introdução aos requisitos Prof RG Crespo Software Telecomunicações Requisitos:1/10 Introdução (1) A identificação dos requisitos do sistema, a projectar, exige participação

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática EMENTAS DA 3ª. ETAPA

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática EMENTAS DA 3ª. ETAPA EMENTAS DA 3ª. ETAPA Núcleo Temático: PROGRAMAÇÃO Disciplina: ESTRUTURA DE DADOS 108 há ( 72 ) Teóricas ( 36 ) Práticas Tipos abstratos de dados. Estudo das estruturas lineares: pilhas, filas e listas

Leia mais

Classes de Complexidade e NP-Completude

Classes de Complexidade e NP-Completude Classes de Complexidade e NP-Completude E. C. Xavier e F. K. Miyazawa Instituto de Computação/Unicamp 8 de outubro de 2009 E. C. Xavier e F. K. Miyazawa (IC/Unicamp) Classes de Complexidade e NP-Completude

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados II. Apresentação. Prof a Karina Oliveira. kkco@dei.unicap.br

Algoritmos e Estrutura de Dados II. Apresentação. Prof a Karina Oliveira. kkco@dei.unicap.br Algoritmos e Estrutura de Dados II Apresentação Prof a Karina Oliveira kkco@dei.unicap.br Ementa Proporcionar ao aluno conhecimento teórico e prático para seleção, construção e manipulação de estrutura

Leia mais

Implementação de um analisador léxico: a primeira etapa na construção do compilador Marvel

Implementação de um analisador léxico: a primeira etapa na construção do compilador Marvel Implementação de um analisador léxico: a primeira etapa na construção do compilador Marvel Cláudio Lopes (peso 0.3), Gildo Leonel (peso 0.3), Sérgio Rossini (peso 0.3) 1. Visão Geral Departamento de Ciência

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Avaliação de Desempenho em Sistemas de Computação e Comunicação

Avaliação de Desempenho em Sistemas de Computação e Comunicação Avaliação de Desempenho em Sistemas de Computação e Comunicação Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM UFES Objetivos

Leia mais

1.1. Organização de um Sistema Computacional

1.1. Organização de um Sistema Computacional 1. INTRODUÇÃO 1.1. Organização de um Sistema Computacional Desde a antiguidade, o homem vem desenvolvendo dispositivos elétricoeletrônicos (hardware) que funciona com base em instruções e que são capazes

Leia mais

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias:

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Revisão dos conceitos básicos O processador é o componente vital do sistema de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO BARÁO DE MAUA Programa de Iniciação Científica (PIC) Projeto de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO BARÁO DE MAUA Programa de Iniciação Científica (PIC) Projeto de Pesquisa CENTRO UNIVERSITÁRIO BARÁO DE MAUA Programa de Iniciação Científica (PIC) Projeto de Pesquisa PROGRAMAÇÃO APLICADA À MÉTODOS DE PROJETO DE ARQUITETURA E URBANISMO Elza Luli Miyasaka Jarryer Andrade De

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. PLANO DE ENSINO - PERÍODO LETIVO/ANO 2008 ANO DO CURSO: 5 o

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. PLANO DE ENSINO - PERÍODO LETIVO/ANO 2008 ANO DO CURSO: 5 o UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO - PERÍODO LETIVO/ANO 2008 ANO DO CURSO: 5 o Curso: Informática Modalidade: Bacharelado Turno: Integral Centro: Centro

Leia mais

Roteiro da Aula 3. Sintaxe. 2 Exemplos. 4 Propriedades de Fechamento. Teoria da. 116360 Aula 3. Roteiro

Roteiro da Aula 3. Sintaxe. 2 Exemplos. 4 Propriedades de Fechamento. Teoria da. 116360 Aula 3. Roteiro 636 da Finitos Nãoterminísticos Finitos Não-terminísticos Sintaxe Semântica 2 3 4 5 636 Finitos Nãoterminísticos Sintaxe Semântica Não-terminismo Determinístico Exatamente uma trajetória sobre uma w Σ.

Leia mais

Acta n.º 1 1. PROVA DE CONHECIMENTOS

Acta n.º 1 1. PROVA DE CONHECIMENTOS Concurso interno com vista ao preenchimento de 1 posto de trabalho na carreira (não revista) de Especialista de Informática, categoria de especialista de informática dos graus 1 ou 2, níveis 1 ou 2, do

Leia mais

LISTA DE TEMAS PARA CONCURSO DE PROFESSOR ADJUNTO EDITAL 90/2010 ÁREA DE ANATOMIA VEGETAL GERAL, COM ÊNFASE EM ANATOMIA ECOLÓGICA * * * * * *

LISTA DE TEMAS PARA CONCURSO DE PROFESSOR ADJUNTO EDITAL 90/2010 ÁREA DE ANATOMIA VEGETAL GERAL, COM ÊNFASE EM ANATOMIA ECOLÓGICA * * * * * * ÁREA DE ANATOMIA VEGETAL GERAL, COM ÊNFASE EM ANATOMIA ECOLÓGICA 1. Sistema de formação. 2. Sistema de revestimento (de proteção). 3. Tecidos fundamentais (parênquima, colênquima e esclerênquima). 4. Sistema

Leia mais

Transmissão e comunicação de dados. Renato Machado

Transmissão e comunicação de dados. Renato Machado Renato Machado UFSM - Universidade Federal de Santa Maria DELC - Departamento de Eletrônica e Computação renatomachado@ieee.org renatomachado@ufsm.br 03 de Maio de 2012 Sumário 1 2 Modulação offset QPSK

Leia mais

Programação Estruturada

Programação Estruturada Programação Estruturada Professor Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br http://professor.ifsertao-pe.edu.br/nicolas.trigo/ EMENTA Programação Estruturada 2 1 CONTEÚDO Introdução

Leia mais

Aula 10 Introdução à Algoritmos. Disciplina: Fundamentos de Lógica e Algoritmos Prof. Bruno Gomes http://www3.ifrn.edu.

Aula 10 Introdução à Algoritmos. Disciplina: Fundamentos de Lógica e Algoritmos Prof. Bruno Gomes http://www3.ifrn.edu. Aula 10 Introdução à Algoritmos Disciplina: Fundamentos de Lógica e Algoritmos Prof. Bruno Gomes http://www3.ifrn.edu.br/~brunogomes Agenda da Aula Introdução aos Algoritmos: Conceitos Iniciais; Programa

Leia mais

Framework para jogos de cartas

Framework para jogos de cartas Framework para jogos de cartas por André Luís Knabben e Thiago Robert Professor Doutor Ricardo Pereira e Silva Orientador Resumo Projetar artefatos de software visando a reusabilidade é uma tarefa complexa.

Leia mais

Código da Disciplina: ENEX01047. Semestre Letivo: 1ºSEM/2015

Código da Disciplina: ENEX01047. Semestre Letivo: 1ºSEM/2015 Unidade Universitária: FACULDADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA Curso: Ciência da Computação Disciplina: PROJETO DE LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO Etapa: 07 34 Teóricas, 34 Práticas, 0 EaD ENEX01047 Semestre Letivo:

Leia mais

Estruturas de Dados II

Estruturas de Dados II Estruturas de Dados II Vanessa Braganholo vanessa@ic.uff.br Apresentações Um pouco mais sobre mim Vanessa Braganholo www.ic.uff.br/~vanessa E vocês? Nome? Período? Emprego? Estágio? Projeto de Aplicação?

Leia mais

IA: Introdução. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

IA: Introdução. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br IA: Introdução Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário O que é Inteligência Artificial? IA forte e IA fraca Métodos fortes e Métodos fracos De Aristóteles a Babbage Alan Turing e

Leia mais

Fornecer os conceitos básicos b algoritmos e programação utilizando o Matlab como linguagem de desenvolvimento.

Fornecer os conceitos básicos b algoritmos e programação utilizando o Matlab como linguagem de desenvolvimento. Programação em MatLab Prof. MSc Delnir M. de Lemos 1 Objetivos Fornecer os conceitos básicos b de algoritmos e programação utilizando o Matlab como linguagem de desenvolvimento. Dar a capacidade de análise

Leia mais

Capítulo 1. Linguagens e processadores

Capítulo 1. Linguagens e processadores Capítulo 1. 1. Linguagens 1.1. Definição Definição : Uma linguagem L sobre um alfabeto, também designado com frequência por vocabulário, V, é um conjunto de frases, em que cada frase é uma sequência de

Leia mais

Autômatos Finitos Não-Determinísticos para Diagnóstico de Falhas em Sistemas de Potência

Autômatos Finitos Não-Determinísticos para Diagnóstico de Falhas em Sistemas de Potência Autômatos Finitos Não-Determinísticos para Diagnóstico de Falhas em Sistemas de Potência Ricardo Linden1 Victor Navarro Araújo Lemos da Silva2 Resumo: Este artigo apresenta uma proposta de uma aplicação

Leia mais

Introdução a Linguagens de Programação

Introdução a Linguagens de Programação Introdução a Linguagens de Programação Prof a.dra.thatyana de Faria Piola Seraphim Universidade Federal de Itajubá thatyana@unifei.edu.br Dados Importantes O material com todas as informações referentes

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CORRETOS. BISI, Nícolas Nogueira Universidade Federal de Pelotas nicolasbisi@gmail.com

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CORRETOS. BISI, Nícolas Nogueira Universidade Federal de Pelotas nicolasbisi@gmail.com DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CORRETOS BISI, Nícolas Nogueira Universidade Federal de Pelotas nicolasbisi@gmail.com FOSS, Luciana; COSTA, Simone André da Universidade Federal de Pelotas lfoss@inf.ufpel.edu.br,

Leia mais

Programação para Computação

Programação para Computação Universidade Federal do Vale do São Francisco Programação para Computação Professor: Marcelo Santos Linder E-mail: marcelo.linder@univasf.edu.br Ementa Conceito de algoritmo. Lógica de programação e programação

Leia mais

O Computador Matemático de Post

O Computador Matemático de Post O Computador Matemático de Post Delfim Fernando Marado Torres Departamento de Matemática Universidade de Aveiro delfim@mat.ua.pt 20 de Dezembro de 2000 Resumo Descreve-se um certo computador abstracto

Leia mais

INFORMÁTICA E TEORIA DA COMPUTAÇÃO

INFORMÁTICA E TEORIA DA COMPUTAÇÃO CAPA INFORMÁTICA E TEORIA DA COMPUTAÇÃO 2014 SUMARÉ Índice Informática... 02 Etimologia... 02 Origem e Concepção... 03 Teoria da Computação... 03 Conclusão... 04 Informática A informática é um termo usado

Leia mais

Programação Orientada por Objectos - C++ jvo

Programação Orientada por Objectos - C++ jvo Aula 16 C++ Breve perspectiva histórica Diferenças entre o C++ e o C Generalidade sobre a programação em C++ Primeiros programas: entradas e saídas Breve perspectiva histórica O C++ é uma extensão do C

Leia mais

MATA49 Programação de Software Básico

MATA49 Programação de Software Básico MATA49 Programação de Software Básico Leandro Andrade leandrojsadcc.ufba.br PROF. LEANDRO ANDRADE 1 Planejamento Avaliação Uma prova Dois trabalhos práticos Média Final = (P1 + T1 + T2) / 3 Provável

Leia mais

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores Autor: José Augusto Manzano Capítulo 1 Abordagem Contextual 1.1. Definições Básicas Raciocínio lógico depende de vários fatores para

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. Introdução. Ivan Saraiva Silva Leonardo Casillo

Organização e Arquitetura de Computadores I. Introdução. Ivan Saraiva Silva Leonardo Casillo Organização e Arquitetura de Computadores I Introdução Ivan Saraiva Silva Leonardo Casillo Sumário Introdução Bibliografia Recomendada O que é um computador Organização de um Computador Modelo de Von Neumann

Leia mais

Etapa 6 Curso Matutino. Administração. 34 aulas de 45 minutos cada 2 aulas teóricas

Etapa 6 Curso Matutino. Administração. 34 aulas de 45 minutos cada 2 aulas teóricas Etapa 6 Curso Matutino Componente *: Administração 34 aulas de 45 minutos cada 2 aulas teóricas Transmitir aos alunos informações que complementem sua formação profissional, dando-lhes uma visão mais ampla

Leia mais

ULTRADES - UMA BIBLIOTECA PARA MODELAGEM, ANÁLISE E CONTROLE DE SISTEMAS A EVENTOS DISCRETOS

ULTRADES - UMA BIBLIOTECA PARA MODELAGEM, ANÁLISE E CONTROLE DE SISTEMAS A EVENTOS DISCRETOS ULTRADES - UMA BIBLIOTECA PARA MODELAGEM, ANÁLISE E CONTROLE DE SISTEMAS A EVENTOS DISCRETOS Lucas V. R. Alves Hugo J. Bravo Patrícia N. Pena Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica - Universidade

Leia mais