MANUAL DE APLICAÇÃO Junho 2009

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE APLICAÇÃO Junho 2009"

Transcrição

1 MANUAL DE APLICAÇÃO Junho 2009

2 ÍNDICE 0. Introdução 3 1. Sistemas de Isolamento Térmico pelo Exterior (ETICS) 4 2. Vantagens do Sistema ThermInnov 6 3. Componentes do Sistema ThermInnov Suporte Argamassa ThermInnov Isolante térmico Fixações mecânicas e acessórios Armadura Primário Revestimento final Aplicação do Sistema ThermInnov Condições gerais de aplicação Preparação do suporte Montagem de perfis de arranque Aplicação da argamassa de colagem Colocação das placas de isolamento térmico Pontos singulares Revestimento final O ETICS e o novo regulamento do RCCTE Conclusão 47 Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 2

3 INTRODUÇÃO Os novos requisitos legais relativos à eficiência energética dos edifícios estão a provocar grandes alterações no sector da construção. O Sistema de Isolamento Térmico pelo Exterior constitui uma das soluções mais eficazes para se obter um elevado nível de conforto térmico no interior dos edifícios, com menor consumo energético associado às necessidades de aquecimento/arrefecimento. Começa, por isso, a ser cada vez mais frequente a utilização do referido sistema e para responder às necessidades deste novo mercado, a Fábrica de Tintas 2000, S.A. desenvolveu o Sistema ThermInnov. Com o objectivo de divulgar os componentes do Sistema ThermInnov, as várias fases da sua execução e também alguns pormenores construtivos, foi elaborado este Manual de Aplicação, que esperamos venha a responder às dúvidas mais frequentes. Sandra Carmelo Eugénio Correia Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 3

4 1. SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR (ETICS) Para responder às crescentes exigências de conforto higrotérmico que estão associadas às preocupações com o consumo de energia e à protecção ambiental, é necessário isolar termicamente a envolvente dos edifícios, de modo a minimizar as trocas de calor com o exterior, com consequente redução das necessidades de aquecimento/arrefecimento e diminuição dos riscos de ocorrência de condensações. Em particular, o sistema ThermInnov tem como função melhorar o conforto interno do espaço habitável, eliminar as pontes térmicas, aumenta a área útil e protege as paredes da envolvente. Este método consiste na colocação de um isolante térmico sobre a face exterior de uma parede em alvenaria ou betão. Isto é, na construção de uma única parede com um isolante térmico colado com uma argamassa colante, onde posteriormente será aplicada essa mesma argamassa armada com rede de fibra de vidro compatível com o isolamento. Este sistema pode ser utilizado praticamente em todo o tipo de construção, nova ou antiga, industrial, comercial ou residencial. Na selecção do sistema a utilizar é necessário atender ao tipo de suporte, à zona climática (Figura 1) e ao nível de conforto térmico pretendido, à exposição da fachada, ao tipo de acabamento e a condicionalismos regulamentares relativos ao risco de incêndio. Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 4

5 Legenda Classificação Zonas climáticas (I = Inverno, V = Verão) Fraco I1 V1 Médio I2 V2 Forte I3 V3 Figura 1 - Zonas climáticas de Portugal Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 5

6 2. VANTAGENS DO SISTEMA THERMINNOV Eliminação de pontes térmicas e redução do risco de condensações A constante condensação de vapores nas paredes frias, devido às pontes térmicas (por exemplo, em compartimentos muito húmidos, com pouca ventilação e mal aquecidos) origina a formação de bolores e fungos, causa de vários tipos de alergias das vias respiratórias e a deterioração das paredes. Figura 2 Imagem das pontes térmicas Figura 3 Tectos e paredes com fungos Protecção das alvenarias Evita a movimentação das alvenarias causadas por acções higrométricas (água) que causam a degradação das mesmas por fissuração. Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 6

7 [SISTEMA THERMINNOV - MANUAL DE APLICAÇÃO] Diminuição da espessura das paredes A utilização de material isolante permite uma redução significativa da espessura das paredes. Graças a este factor uma parede simples com isolamento exterior fica praticamente ao mesmo custo que a tradicional parede dupla com caixa-de-ar e ainda com a vantagem do aumento da área habitável. Figura 4 Evolução da espessura das paredes Maior estabilidade da estrutura do edifício A redução das pontes térmicas conduz a menores amplitudes térmicas dos materiais existentes. Melhoria do conforto térmico de Inverno e de Verão O SISTEMA THERMINNOV é eficiente não só para combater a evasão do calor do interior para o exterior no Inverno, como a entrada do calor no Verão. Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 7

8 Economia de energia e respeito pelo meio ambiente Na presença de um isolamento térmico realmente eficiente poupa-se na energia para o aquecimento das habitações e preserva-se o meio ambiente no sentido em que há uma redução da emissão de dióxido de carbono para a atmosfera. Reabilitação sem desalojamento Quando se trata de uma renovação pode somar-se mais uma vantagem, pois o SISTEMA THERMINNOV pode ser aplicado sem que os moradores sejam desalojados, ou sequer incomodados. Reabilitação estética Proporciona a renovação das fachadas com vários tipos de acabamentos finais, permitindo diversidade arquitectónica de fácil integração em diferentes ambientes urbanos ou rurais. O aspecto estético é geralmente obtido por uma tinta texturada de base acrilica. Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 8

9 3. COMPONENTES DO SISTEMA THERMINNOV Legenda: 1. Suporte 2. Produto de colagem ARGAMASSA THERMINNOV Isolante térmico - EPS 4. Camada de base ARGAMASSA THERMINNOV Armadura rede de fibra de vidro antialcalina 6. Camada de acabamento ARGAMASSA THERMINNOV Primário 8. Revestimento final Figura 5 Componentes do SISTEMA THERMINNOV 3.1 SUPORTE Os sistemas de isolamento térmico pelo exterior destinam-se a ser aplicados em superfícies planas verticais exteriores de edifícios novos ou existentes (reabilitação) e também em superfícies horizontais ou inclinadas não expostas à precipitação. Os suportes podem ser: Alvenaria de tijolo, blocos de betão, pedra; Alvenaria com reboco de ligantes hidráulicos; Suportes pintados ou com revestimentos orgânicos ou minerais, desde que convenientemente preparados. Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 9

10 3.2 ARGAMASSA THERMINNOV 2009 A ARGAMASSA THERMINNOV 2009 é uma argamassa bi-funcional. É um pó cinzento, à base de cimento, cargas, fibras, ligantes e aditivos. Esse pó é amassado com água obtendo-se assim uma argamassa que é utilizada em simultâneo para fazer a colagem das placas de poliestireno expandido (EPS) ao suporte e para fazer um barramento armado sobre as placas de EPS. Esse barramento deve ter alguns milímetros de espessura (4-5mm), realizado em várias passagens sobre o isolamento, de forma a cobrir por completo a armadura. Principais características da ARGAMASSA THERMINNOV 2009: Resistência à fissuração; Estanquicidade à água; Resistência aos choques; Durabilidade; Resistente às alterações climáticas. Figura 6 Saco da ARGAMASSA THERMINNOV 2009 Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 10

11 3.3 ISOLANTE TÉRMICO O isolante térmico destina-se a aumentar a resistência térmica da superfície na qual é aplicado o sistema. Existem vários tipos de isolantes térmicos: Lã mineral; Aglomerado de cortiça; Poliestireno Extrudido (XPS), normalmente de cor azul; Poliestireno Expandido (EPS), de cor branca. O poliestireno expandido (EPS) moldado em placas é o material mais usado como isolante térmico. Deve ter uma massa volúmica compreendida entre 20 e 25 kg/m 3 e ser ignífugo (classe de reacção ao fogo M1). Além disso deve possuir as seguintes características: Boa resistência térmica e resistência mecânica suficiente para o tipo de acções a que vai estar sujeito. Baixo módulo de elasticidade transversal: As placas formam uma camada flexível entre o suporte e o revestimento, que absorve os deslocamentos diferenciais entre um e outro (de origem térmica ou outras origens) sem introduzir tensões excessivamente elevadas no revestimento. Figura 7 Placa de poliestireno expandido (EPS) Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 11

12 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS GERAIS DO EPS (20 Kg/m 3 ) Condutividade Térmica, K [w/m.k] 0,038 Absorção de água [%] <2 Resistência à flexão [kpa] 150 Resistência à compressão 10% [kpa] 25 Coeficiente de dilatação térmica [ºC -1 ] 5-7x10-5 O poliestireno expandido (EPS) é o isolamento mais adequado para o sistema. Os ensaios do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) e as homologações existentes apontam o EPS como o material mais indicado. Comparando com o poliestireno extrudido (XPS), o EPS é menos susceptível à fissuração porque é menos rígido, tem menor índice de absorção de água e tem maior permeabilidade ao vapor de água. A espessura de isolamento térmico a utilizar no SISTEMA THERMINNOV deverá ser definida pelo cálculo térmico e depende da solução construtiva, da zona geográfica em que se localiza a obra e da interacção entre os vários parâmetros que configuram a avaliação do comportamento térmico do edifício. 3.4 FIXAÇÕES MECÂNICAS E ACESSÓRIOS O Sistema THERMINNOV incluiu também outros produtos e componentes utilizados para reforço de pontos singulares, ligação com elementos construtivos e para assegurar a continuidade do sistema. Neste sistema, a aderência das placas de EPS ao suporte é garantida pela argamassa de colagem (ARGAMASSA THERMINNOV 2009). As fixações mecânicas (perfis e buchas de fixação) são usadas como complemento à colagem e têm a função de assegurar a 100% a fixação do sistema ao suporte. São usadas fixações compostas por buchas de plástico de cabeça circular com, pelo menos 50 mm de diâmetro e por um prego ou parafuso de plástico no seu interior (Figura 8). O prego dos tapitis para a fixação do perfil de arranque é metálico. Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 12

13 Figura 8 Buchas de plástico Figura 9 Perfis Os acessórios são elementos de plásticos, alumínio ou aço inoxidável e têm uma função de suporte, de protecção e tratamento de zonas específicas, tais como: Perfis de arranque e perfis laterais em alumínio ou aço inoxidável (Figura 9); Cantoneiras de reforço das arestas em alumínio, aço inoxidável, fibra de vidro ou PVC (Figura 10); Perfis de protecção de aresta, de canto, de topo, de base, de peitoril e de cobre-juntas (Figura 11). Embora por vezes em obra, nem sempre seja possível utilizar o material mais indicado por uma questão de disponibilidade imediata, aconselha-se a utilização de perfis de plástico. Os perfis metálicos estão mais sujeitos a dilatações devido às variações de temperatura que podem provocar fissurações ao nível do reboco armado e a longo prazo podem começar a apresentar alguma corrosão na presença da humidade que se tornará visível no revestimento. Figura 10 Cantoneiras em alumínio Figura 11 Tipos de perfis Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 13

14 3.5 ARMADURA As armaduras são, geralmente redes de fibra de vidro com banho de poliamida, o que lhes confere propriedades anti-alcalinas contra a agressividade dos cimentos. A função da rede é melhorar a resistência mecânica do reboco e assegurar a sua continuidade. No caso de impacto, a rede assegura uma distribuição uniforme da força de impacto pela malha da rede, reduzindo assim o risco de fissuração do sistema. Figura 12 Redes de fibra de vidro A armadura deve ser incorporada na camada de base cumprindo o efeito clássico de sanduíche para que foram desenhadas. As redes nunca devem ser aplicadas directamente sobre o suporte, devem sim ser aplicadas entre camadas de argamassa e totalmente recobertas. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS GERAIS DAS REDES Gramagem da rede 160 g/m 2 Abertura da malha 5x5mm Tratamento Anti-alcalino Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 14

15 A rede de fibra de vidro anti-alcalina deve ter uma gramagem mínima de 160g/m 2, devendo ser superior quanto maior for a exigência mecânica do sistema. A armadura reforçada é utilizada como complemento da armadura normal para melhorar a resistência do reboco aos choques. Por isso, é aplicada nas zonas mais sujeitas a choques, por exemplo, nas faixas inferiores (1ºpiso) de edifícios multi-familiares que se considerem particularmente expostos a actos de vandalismo ou a outro tipo de acções potencialmente causadoras de choques ou perfurações. Nestes casos, deve aplicar-se uma rede mais espessa e resistente, com uma gramagem 300g/m PRIMÁRIO Na camada final de argamassa deve aplicar-se um primário para regularizar a absorção da superfície, conferir protecção anti-alcalina e para melhorar a aderência da camada de revestimento final. A aplicação do primário sobre a camada final de argamassa deve realizar-se pelo menos 24 horas após a aplicação desta. Os primários adequados para a utilização no Sistema THERMINNOV são: ISOSELANTE e PRIMÁRIO PLIOMIL AQUOSO ISOSELANTE O ISOSELANTE é um primário acrílico aquoso, com elevada resistência à alcalinidade, indicado para o isolamento de rebocos exteriores e interiores de: Argamassas de barramento; Betão; Cimento; Sistema ThermInnov; Fibrocimento; Tijolo; Estuques. Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 15

16 Apresenta as seguintes características: Cor branca; Boa opacidade; Pronto a aplicar; Aplicação: rolo, trincha ou pistola airless; Secagem superficial de cerca de 30 minutos; Repintura ao fim de 5 6 horas; Rendimento de 8 a 12 m 2 /l/demão; Não vitrifica. O ISOSELANTE é comercializado em embalagens de 5 e 15 litros. Figura 13 Embalagem de ISOSELANTE PRIMÁRIO PLIOMIL AQUOSO O PRIMÁRIO PLIOMIL AQUOSO é um primário acrílico, com excelente aderência e elevada resistência à alcalinidade, indicado para o isolamento de paredes e tectos exteriores e interiores de: Betão; Cimento afagado e rebocos areados; Sistema ThermInnov; Gesso projectado; Pladur. Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 16

17 Apresenta as seguintes características: Cor branca; Boa opacidade; Aplicação: rolo, trincha ou pistola apropriada; Diluição de 50 % com água; Secagem superficial de cerca de 45 minutos; Repintura ao fim de 4 6 horas; Rendimento de 10 a 12 m 2 /l/demão em superfícies lisas e 7 a 10 m 2 /l/demão em superfícies areadas; Permeável ao vapor de água e impermeável à água; Assegura uma boa protecção contra fungos e algas. O PRIMÁRIO PLIOMIL AQUOSO é comercializado em embalagens de 5 e 15 litros. Figura 14 Imagem da embalagem de PRIMÁRIO PLIOMIL AQUOSO 3.7 REVESTIMENTO FINAL No Sistema ThermInnov podem ser usados como acabamento final o CREPIMIL, o TEXTUR e o SUPERTEX. Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 17

18 3.7.1 CREPIMIL O CREPIMIL é um revestimento acrílico, decorativo para fachadas, com elevada resistência à intempérie, boa solidez à luz e impermeável à água. É indicado para aplicação sobre: Rebocos de cimento; Betão; Sistema ThermInnov; Fibrocimento; Tijolo; Madeira. O produto apresenta as seguintes características: Disponível em várias cores; Proporciona um acabamento texturado rústico, raiado, devido aos grânulos de mármore com vários tamanhos. Disponível nos graus: S, M e XL; É fornecido, em pasta, pronto a aplicar; Aplicação com talocha, em monocamada (uma só camada); Secagem de cerca de 6 horas; Rendimento de 2 a 2,5 Kg/m 2 ; Excelente aderência sobre todos os suportes; Boa aplicabilidade; Protecção contra fungos e musgos. Caso se pretenda um aspecto mais sedoso, o CREPIMIL pode ser repintado ao fim de 24 horas, com uma tinta 100 % acrílica, como é o caso do nosso PLAS SUPER. O CREPIMIL não deve ser aplicado com tempo chuvoso, húmido ou com exposição directa ao sol. O CREPIMIL é fornecido em embalagens de 30 Kg e actualmente está a ser considerada a alteração para embalagens de 25 Kg. Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 18

19 Figura 15 Embalagem de CREPIMIL TEXTUR O TEXTUR é um acabamento texturado, formulado com copolímeros vinilícos, com elevada resistência à intempérie, boa solidez à luz e impermeável à água. É indicado para aplicação sobre: Rebocos de cimento; Sistema ThermInnov; Fibrocimento; Betão; Tijolo; Madeira. O produto apresenta as seguintes características: Disponível em branco e em todas as cores realizadas por afinação automática no sistema 2000 Mix; É fornecido pronto a aplicar; Aplicação com trincha, escova ou rolo rugo; Secagem superficial de cerca de 4 horas; Repintura ao fim de 12 horas; Rendimento de 1,5 m 2 /l/demão (em superfícies lisas) e 1 m 2 /l/demão (em superfícies areadas); Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 19

20 Permite disfarçar pequenas imperfeições no reboco; Fácil aplicação, com bom poder de retoque; Protecção contra fungos e musgos. O TEXTUR é comercializado em embalagens de 5 e 20 litros. Figura 16 Embalagem de TEXTUR SUPERTEX O SUPERTEX é um acabamento acrílico, do tipo areado fino, com excelente durabilidade contra agentes atmosféricos, protecção fungicida e algicida, baixa absorção de água, boa permeabilidade ao vapor de água e elevada resistência aos alcalis. É indicado para pinturas de alta qualidade em paredes exteriores e interiores, sobre: Argamassas de cimento; Sistema ThermInnov; Tijolo. O produto apresenta as seguintes características: Disponível em branco e em todas as cores realizadas por afinação automática no sistema 2000 Mix; Diluição com água, de 10 a 15 % na 1ª demão e 0 a 5 % nas restantes demãos; Aplicação com trincha ou rolo antigota; Secagem superficial de cerca de 1 hora; Repintura ao fim de 6 horas; Rendimento de 5 a 6 m 2 /l/demão; Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 20

21 Adequado para a pintura de rebocos novos que apresentem microfissuras estáticas. O SUPERTEX é comercializado em embalagens de 5 e 20 litros. Figura 17 Embalagem de SUPERTEX Qualquer um dos revestimentos anteriores pode ser repintado com uma tinta plástica 100 % acrílica, como é o caso do nosso PLAS SUPER. Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 21

22 4. APLICAÇÃO DO SISTEMA THERMINNOV De um modo geral pode-se descrever a aplicação do sistema da seguinte forma: 1. Montagem dos andaimes e protecções individuais; 2. Remoção de todos os elementos existentes na fachada que tenham de ser substituídos ou cuja posição deva ser alterada; 3. Desmontagem dos tubos de queda garantindo-se que a evacuação das águas pluviais durante os trabalhos é efectuada longe das fachadas; 4. Preparação dos suportes; 5. Montagem dos perfis de arranque do sistema no limite inferior da zona a revestir; 6. Preparação da argamassa de colagem; 7. Aplicação da argamassa de colagem no EPS; 8. Colocação do EPS; 9. Fixação mecânica do EPS; 10. Lixagem de todo o EPS para regularização; 11. Reforço dos pontos singulares com acessórios; 12. Aplicação da camada de base da argamassa; 13. Aplicação da rede de fibra de vidro anti-alcalina; 14. Aplicação da camada final de argamassa; 15. Aplicação do primário. 16. Aplicação do revestimento final. Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 22

23 4.1 CONDIÇÕES GERAIS DE APLICAÇÃO Os trabalhos de colagem das placas de isolamento térmico e de aplicação do reboco não devem ser realizados caso se verifiquem as seguintes condições: Períodos de chuva ou neve; Temperatura ambiente inferior a 5º C; Em superfícies expostas ao sol durante o Verão ou sujeitas a ventos fortes. A utilização de andaimes cobertos com toldos permite proteger os trabalhos de alguns destes factores. 4.2 PREPARAÇÃO DO SUPORTE Os suportes em alvenaria (tijolo ou blocos de betão) ou betão devem apresentar uma superfície plana, isenta de irregularidades e defeitos de planimetria superiores a 1 cm quando controlados por uma régua de 2 m de comprimento. Se esta condição não estiver garantida, a superfície deve ser regularizada através da aplicação de um reboco. Os suportes devem apresentar-se mecanicamente resistentes, consistentes e isentos de zonas em fase de destacamento. Devem estar perfeitamente limpos, isentos de poeiras, sujidades, gorduras e óleos descofrantes ou qualquer outra substância que possa comprometer a aderência das placas de EPS ao suporte. Se as paredes se apresentarem fissuradas, é necessário identificar as causas que produziram as fissuras, de modo a averiguar se são estáveis ou se são o resultado de movimentos ainda activos. Neste último caso, antes de executar o sistema de isolamento térmico pelo exterior, é necessário efectuar intervenções que impeçam posteriores movimentos do edifício e, por consequência, que evitem que a propagação das fissuras venha a afectar as placas de EPS, os barramentos e os próprios acabamentos do sistema. Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 23

24 No caso de fissuras estáveis, cujos únicos movimentos são os associados aos inevitáveis gradientes termo-higrométricos, deve proceder-se ao enchimento das fissuras que apresentem abertura superior a 2 mm, usando a mesma argamassa de colagem das placas de EPS. Esta operação é realizada, como é óbvio, antes da colagem das referidas placas. Numa reabilitação é possível executar o sistema de isolamento térmico pelo exterior sobre um suporte já existente de cerâmica ou pedra natural desde que se prepare devidamente o suporte e se sigam rigorosamente as seguintes indicações: Verificar o estado das peças (se estão partidas e/ou a descolar). Remover as peças soltas e com som oco; Efectuar rasgos na cerâmica para promover a aderência ou aplicar um primário adequado do tipo ISOLANTE BETONILHA aditivado com cimento; Desengordurar e limpar o suporte de poeiras e outros detritos; Fazer um barramento com ARGAMASSA THERMINNOV 2009 sobre o suporte com rede de fibra de vidro incorporada usando 1-1,5 kg/m 2 de produto; Em pequenas áreas em que haja, pontualmente, zonas com cerâmica ou cerâmica porosa aplicar uma argamassa adequada como um chapisco aditivado; Executar normalmente o sistema sem descurar as fixações mecânicas, perfurando até ao reboco. 4.3 MONTAGEM DE PERFIS DE ARRANQUE Os perfis de arranque, com espessura adaptada às placas de isolamento térmico a utilizar, são colocados horizontalmente no limite inferior da zona a revestir a cerca de 15 cm do solo. 1. Colocação da armadura e do perfil de arranque Antes da fixação do perfil de arranque cola-se a extremidade em banda da armadura directamente sobre o suporte com ARGAMASSA THERMINNOV 2009 e posteriormente deve ser dobrada sobre o isolamento. Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 24

25 Legenda: 1. Argamassa de colagem 2. Barramento armado 3. Revestimento final 4. Fixação mecânica 5. Perfil de arranque - Figura 18 Esquema de colocação da armadura 2. Fixações mecânicas Para fixação dos perfis de arranque serão utilizados parafusos adequados ao suporte que deverão distar uns dos outros nunca mais que 30 cm. Deverá existir uma fixação a menos de 5 cm das extremidades. Figura 19 Esquema de colocação dos parafusos no perfil de arranque Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 25

26 Figura 20 Colocação do perfil de arranque Figura 21 Pregos para fixação do perfil de arranque Entre os perfis deverá existir um espaço de 2 a 3 mm, que permita a sua dilatação e deve fazer-se o reforço com rede de fibra de vidro 0,3X0,3m. A fixação dos perfis laterais é idêntica à dos perfis de arranque. Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 26

27 4.4 APLICAÇÃO DA ARGAMASSA DE COLAGEM A argamassa de colagem deve ser aplicada sobre a placa de isolamento e nunca deverá ser utilizada para preencher as juntas entre as placas. A colagem das placas de EPS pode ser realizada por barramento total, com talocha dentada com entalhes de 6x6 mm ou 10x10 mm ou através da colagem por pontos ou ainda da colagem por bandas. A colagem contínua garante uma colagem total por toda área da placa bem como evita a formação de possíveis condensações de água entre o suporte e o EPS, efeito comum na colagem por pontos. No caso do barramento total, a argamassa de colagem é distribuída de forma homogénea sobre toda a superfície da placa de EPS, com excepção de uma zona com cerca de 2 cm de largura ao longo de todo o perímetro da placa, de forma a evitar que a argamassa reflua para a união entre placas contíguas, criando assim uma ponte térmica. A espessura da argamassa de colagem a utilizar é a estritamente necessária para cobrir de modo homogéneo a superfície da placa e para eliminar eventuais diferenças de plano (inferiores a 4 mm) do suporte. Para se obter a espessura aconselhada deve utilizar-se uma talocha dentada de 10x10 mm. A profundidade dos entalhes da talocha dentada condiciona a espessura da camada de argamassa. Por exemplo, uma talocha dentada com entalhes de 10x10 mm permite obter uma camada de argamassa com uma espessura média de 5 mm. Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 27

28 Figura 22 Colagem das placas de EPS por barramento total Na fotografia da figura anterior, reproduz-se um erro comum que consiste no barramento das placas até ao seu limite não assegurando uma faixa livre de cerca de 2 cm ao longo de todo o perímetro da placa. Na colagem por pontos, devem colocar-se pelo menos 6 pedaços de argamassa em cada placa de EPS e alisar fazendo um círculo com cerca de 15 com de diâmetro. Figura 23 - Colagem por pontos das placas de EPS Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 28

29 Pode ser mais conveniente realizar uma colagem por pontos no caso do suporte se apresentar muito irregular. Para além das técnicas antes mencionadas, é ainda possível fazer a colagem por bandas das placas de EPS. Figura 24 Colagem por bandas Em qualquer tipo de colagem, a argamassa colocada deve distar sempre pelo menos 2 cm dos contornos da placa formando uma faixa, para evitar que a argamassa preencha as juntas entre as placas. No caso de suportes empenados, deve executar-se um pré-reboco de forma a regularizar a alvenaria e depois proceder à colagem normal da placa de EPS. De realçar o facto do consumo da argamassa ser maior no caso da colagem por pontos do que no caso da colagem por barramento total. Assim, em termos orientativos, o rendimento da ARGAMASSA THERMINNOV 2009, considerando a colagem das placas de EPS e as camadas base e final, é de cerca de 8 kg/m 2 no caso da colagem das placas de EPS por barramento total e é de cerca de 12 a 14 Kg/m 2 no caso da colagem por pontos, conforme a planimetria da parede de tijolo ou bloco. 4.5 COLOCAÇÃO DAS PLACAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO 1. Colocação das placas As placas de isolamento térmico são colocadas de baixo para cima, a partir do perfil de arranque e são apoiadas topo a topo, em fiadas horizontais (Figura 25). São dispostas com juntas desencontradas, quer Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 29

30 em zona corrente, quer nos cantos e para além disso, não deverá haver coincidência entre as descontinuidades do suporte (Figura 26). As placas devem ser colocadas imediatamente após a aplicação da argamassa de colagem. Figura 25 Esquema de colocação das placas de EPS Figura 26 Exemplo da colocação das placas de EPS Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 30

31 No lado inferior das placas de EPS deve colocar-se 15 a 20 cm de rede para cada face, antes de encaixar as placas no perfil de arranque (Figura 27). Figura 27 Colocação da rede na face inferior das placas de EPS A colagem das placas de EPS deve ser realizada de forma a assegurar que as juntas fiquem desencontradas. Figura 28 Colocação das placas de EPS com juntas desencontradas Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 31

32 Para maximizar a superfície de contacto entre o suporte, a argamassa de colagem e a placa de EPS, é conveniente exercer uma ligeira pressão com uma talocha, imediatamente após o assentamento das placas de EPS. Deve ter-se em atenção o facto do isolante térmico sofrer deterioração superficial provocada pela prolongada exposição do poliestireno a intensa radiação solar (cerca de 4 dias). Figura 29 Deterioração superficial do EPS Quando se verificar a ocorrência de deterioração superficial do EPS, toda a superfície deve ser lixada antes da aplicação da camada de base do reboco. 2. Caixilharias e folgas Nas ligações do sistema com as caixilharias, peitoris ou outras saliências existentes na fachada, deverá existir uma folga com cerca de 5 mm, para colocar mástique. As folgas existentes, devido à degradação pontual do isolamento, e as juntas entre placas cuja espessura seja superior a 2 mm (Figura 30) deverão ser preenchidas com poliestireno expandido. Nunca preencher com argamassa. Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 32

33 Figura 30 Preenchimento das folgas com pedaços de EPS 3. Buchas de fixação do EPS Para a fixação mecânica das placas de EPS devem usar-se buchas em plástico de cabeça circular com pelo menos 50 mm de diâmetro e um parafuso plástico no seu interior. Devem ser colocadas 6 buchas por cada m 2, nas extremidades das placas. Acima dos 10 m de altura e em zonas muito ventosas, devem ser colocadas 8 buchas por m 2, nas extremidades e no centro das placas (Figura 31). A colocação das buchas deve ser feita com a argamassa de colagem totalmente seca, ao fim de 24 horas, de forma a não deslocar o sistema. Após a colocação das buchas, deve pressionar-se a cabeça circular de forma a que esta fique a um nível ligeiramente inferior ao da superfície da placa de EPS. Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 33

34 Figura 31 Esquema de colocação das buchas de plástico Figura 32 - Furação Figura 33 - Colocação da bucha Figura 34 - Colocação do prego de plástico Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 34

35 Posteriormente revestem-se as cabeças das buchas com ARGAMASSA THERMINNOV 2009 (Figura 35) para isolar por completo o sistema e evitar que depois se notem no reboco algumas saliências correspondentes às cabeças das buchas de plástico. Figura 35 Revestimento das cabeças das buchas com argamassa A fixação mecânica das placas de EPS é sempre obrigatória pois serve como segurança adicional na fase construtiva ou em caso de incêndio. Esta operação é imprescindível na reabilitação de fachadas. 4. Verificação A regularidade da superfície deverá ser permanentemente verificada com uma régua de 2 m. O recorte e o ajuste das placas, nomeadamente nos cantos e nos vãos, devem ser realizados após a colagem do isolamento. Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 35

36 4.6 PONTOS SINGULARES Os pontos singulares são: Janelas (peitoris, ombreiras, padieiras); Portas; Platibandas; Esquinas; Cantos; Varandas. Figura 36 - Ombreira Figura 37 - Ombreira Ombreira construída pelo interior, em argamassa de cimento. Tem como objectivo servir de apoio à fixação da perfilaria/aros das portas e janelas. Ombreira construída pelo exterior, em EPS, de forma a garantir maior eficiência do isolamento térmico e prevenir desta forma a ponte térmica e possíveis condensações no interior. forma a prevenir infiltrações. Junta assumida que deve ficar preenchida com vedante acrílico ou poliuretano de Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 36

37 Figura 38 Pormenor do Sistema ThermInnov abaixo da linha de terra Em todos os pontos singulares do sistema é preciso dedicar especial atenção para prevenir eventuais falhas no desempenho do mesmo. 1. Cantoneiras de reforço nas arestas Em todos as arestas do sistema são colocadas cantoneiras de reforço, coladas directamente sobre o isolamento com argamassa idêntica à da camada de base. São sempre aplicadas por baixo da armadura normal. Não deverão ser utilizados pregos para posicionar as cantoneiras até à sua colagem. Figura 39 Cantoneiras de reforço Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 37

38 2. Reforço dos vãos Antes da realização da camada base, é ainda necessário reforçar os cantos dos vãos, onde normalmente ocorrem fissuras, e a zona das juntas entre perfis metálicos com faixas de armadura com 0,3 0,3 m, coladas sobre as placas de isolamento. Figura 40 Esquema de reforço dos vãos 3. Imediata aplicação da camada de base após secagem da cola A camada de base deverá ser realizada logo após a secagem da cola para evitar a deterioração superficial do isolamento térmico. Quando tal ocorrer, toda a superfície deverá ser lixada antes da aplicação do reboco. A superfície do isolamento é revestida com uma primeira camada de barramento, ARGAMASSA THERMINNOV 2009 (no mínimo 2mm), adicionando à argamassa em pó água limpa e amassando durante cerca de 5 minutos até obtenção de um produto homogéneo. A constituição da camada de base depende do grau de exposição da parede aos choques, podendo ser utilizadas uma ou duas armaduras normais, ou ainda, uma armadura normal e uma armadura reforçada. Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 38

39 O período de secagem entre camadas não deverá ser muito prolongado (máximo 1 dia) para que exista uma boa aderência. 4. Camada de base com uma armadura normal A armadura normal é aplicada sobre a primeira camada de base ainda fresca utilizando uma talocha em inox. Nas emendas de armadura deverá existir uma sobreposição de cerca de 10 cm (nunca inferior a 5 cm). A armadura deverá envolver as arestas onde existam cantoneiras de reforço sem rede. Nunca aplicar a armadura directamente sobre o poliestireno expandido. Após a secagem da primeira camada é aplicada uma última camada de barramento, ARGAMASSA THERMINNOV 2009 (2 mm), de modo a envolver completamente a armadura. 5. Camada de base com duas armaduras normais É aplicada uma primeira camada de reboco armado. Após a sua secagem, é aplicada uma outra camada de reboco e colocada a segunda armadura normal, de preferência com as juntas desfasadas em relação à primeira. Depois de um período de secagem, aplica-se uma última camada que envolva totalmente a segunda armadura. 6. Camada de base com uma armadura normal e uma armadura reforçada Após a aplicação dos reforços de armadura na envolvente dos vãos e nas juntas dos perfis metálicos, mas antes de colocar as cantoneiras de reforço, reveste-se a superfície do isolamento com uma camada de Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 39

40 reboco. Sobre a camada ainda fresca aplica-se a armadura reforçada. As emendas de armadura de reforço são realizadas sem sobreposição. Figura 41 Fixação da rede suspensa Figura 42 Reforço de ângulos Nas aberturas de portas, janelas, etc., deve proceder-se a um reforço adicional da armadura, colocando tiras de rede com cerca de 10 a 15 cm de largura, na diagonal em relação às aberturas, de modo a evitar fissuras coincidentes com os ângulos onde se concentram os esforços do sistema (Figura 42). Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 40

41 Figura 43 - Sobreposição da rede (10 cm) Na colocação da rede, deve evitar-se a formação de bolhas ou pregas, que em qualquer caso, não devem ser eliminadas recorrendo ao corte da rede. De seguida, procede-se à aplicação da camada final de argamassa, realizando um barramento suave sobre a rede de fibra de vidro anti-alcalina (Figura 44). Figura 44 - Barramento suave Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 41

42 De seguida colam-se as cantoneiras de reforço sobre a armadura reforçada. Figura 45 - Sobreposição da rede Figura 46 - Fixação / colagem Em todas as zonas de transição, sejam cantos ou na fachada, a rede deve sobrepor-se sempre cerca de 10 cm para permitir a perfeita armadura do reboco. Após secagem da camada inicial de reboco, a superfície é revestida com uma nova camada de reboco que incorpore uma armadura normal. As juntas da segunda armadura não deverão coincidir com as da armadura reforçada. Figura 47 - Aplicação da camada final de regularização da superfície Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 42

43 4.7 REVESTIMENTO FINAL Após a secagem completa do barramento armado, entre 24 a 48 horas após a aplicação da última camada, é aplicado a rolo ou à trincha, um primário regularizador da superfície: ISOSELANTE ou PRIMÁRIO PLIOMIL AQUOSO. Figura 48 Aplicação do ISOSELANTE Como revestimento final pode aplicar-se CREPIMIL, TEXTUR ou SUPERTEX. Os produtos devem ser aplicados de acordo com as indicações das respectivas fichas técnicas. No caso do CREPIMIL, aplicar o produto com uma talocha de inox, de baixo para cima, apertando o material de forma a regularizar e nivelar a camada. Passar a talocha nos sentidos horizontal e vertical até obter uma camada uniforme. Para dar acabamento, após algum tempo de secagem, usar uma talocha plástica lisa, limpa e humedecida, apertando a superfície em suaves movimentos circulares, verticais ou horizontais, conforme a textura e efeito desejado. Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 43

44 Figura 49 Aplicação do CREPIMIL O CREPIMIL apresenta um aspecto texturado rústico. Figura 50 Aspecto do Crepimil M Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 44

45 5. O ETICS E O NOVO REGULAMENTO DO RCCTE A energia, o conforto, a durabilidade e a sustentabilidade são palavras-chave que condicionam a concepção da envolvente dos edifícios, em particular as paredes. O custo da energia e o facto de ser um bem escasso impõem que se construam edifícios energeticamente eficientes, o que se consegue isolando termicamente a envolvente vertical. O novo Regulamento das Características de Comportamento Térmico dos Edifícios (RCCTE) veio impor a emissão de Certificados energéticos nos seguintes casos: Para obter licença de utilização em edifícios novos. Aquando de uma reabilitação importante de edifícios existentes. Aquando da locação ou venda de edifícios de habitação e de serviços existentes. Edifícios públicos (serviços) com mais de 1000 m 2. A entrada em vigor acontece a 1 de Janeiro de 2007 para os novos edifícios destinados à habitação com área útil superior a 1000 m 2 e os edifícios de serviços, novos ou que sejam objecto de reabilitação; a 1 de Julho de 2008 para todos os edifícios novos, independentemente da sua área ou fim; e finalmente, a 1 de Janeiro de 2009 para todos os edifícios, incluindo os existentes. A nova versão do RCCTE estabelece condições ambientais de referência para cálculo de consumos energéticos nominais, segundo padrões típicos admitidos, quer em termos de temperatura ambiente, quer em termos de ventilação para renovação do ar e garantia de uma qualidade do ar interior aceitável. No contexto internacional, é unânime que é necessário melhorar a qualidade dos edifícios e reduzir os seus consumos de energia e as correspondentes emissões de gases que contribuem para o aquecimento global. Portugal subscreveu o acordo de Quioto e como tal, tem a responsabilidade de se esforçar na redução das emissões em todos os sectores consumidores de energia, inclusivamente, o consumo de energia dos edifícios. Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 45

46 As pontes térmicas têm uma grande importância não só no desempenho energético do edifício mas, sobretudo, na durabilidade dos elementos de construção. Se as pontes térmicas não forem tratadas poderão conduzir ao aparecimento de condensações superficiais e degradação a longo prazo das alvenarias. Não existem dúvidas, que a configuração típica do passado recente, em que é construída uma parede dupla com um forte isolamento térmico na caixa-de-ar, na qual se inseria um pilar de betão com a largura da parede é mais susceptível ao aparecimento de condensações e às perdas térmicas. Alvenaria com isolamento térmico na caixa-de-ar Alvenaria com isolamento térmico pelo exterior Figura 51 Exemplo de alvenaria com e sem isolamento térmico pelo exterior O Sistema de Isolamento Térmico pelo Exterior é uma das soluções que permite a redução das pontes térmicas, aplicando um isolamento que envolve todos os elementos de construção, que resulta numa superfície exterior contínua e que contribui para o cumprimento do regulamento. Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 46

47 6.CONCLUSÃO Em função do actual enquadramento legal, com a entrada em vigor da nova revisão do RCCTE, acreditamos que o SISTEMA THERMINNOV constitui uma das alternativas mais viáveis aos novos processos construtivos. Com o objectivo de garantir a boa execução do SISTEMA THERMINNOV, a Fábrica de Tintas 2000, S.A. disponibiliza uma equipa técnica para a realização de acções de formação teórica e prática tal como o acompanhamento em obra. Fábrica de Tintas 2000, S.A. Página 47

ETICS SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR

ETICS SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR ETICS SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR INDICE Pág. 1. Definição--------------------------------------------------------------------------------2 2. Vantagens do Sistema-----------------------------------------------------------------2

Leia mais

Isolamento Térmico com Grés Cerâmico Manual de Instalação

Isolamento Térmico com Grés Cerâmico Manual de Instalação Isolamento Térmico com Grés Cerâmico Manual de Instalação www.candigres.com :: candigres@candigres.com Índice Pág. 1.0 Cálculo do Material necessário 4 2.0 Preparação do suporte 4 2.1 Condições Gerais

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@topeca.pt www.topeca.pt Pág. 2 rebetop decor raiada areada utilização

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@topeca.pt www.topeca.pt rebetop color Pág. 2 utilização Revestimento

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Isolamento Térmico de fachadas pelo exterior. nº 17. Nº Pág.s: Fevereiro 2007

FICHA TÉCNICA. Isolamento Térmico de fachadas pelo exterior. nº 17. Nº Pág.s: Fevereiro 2007 nº 17 FICHA TÉCNICA Isolamento Térmico de fachadas pelo exterior Nº Pág.s: 07 17 12 Fevereiro 2007 Isolamento Térmico de fachadas pelo exterior 01 Para responder às crescentes exigências de conforto higrotérmico,

Leia mais

Fichas de Verificação

Fichas de Verificação Anexo 2 Fichas de Verificação 143 144 Sistemas de Isolamento Térmico pelo Exterior FICHA 1 ELEMENTOS DE PROJETO E CONTRATO 1. IDENTIFICAÇÃO Obra: REF. ª Local: PC 2. TÍTULO ELEMENTOS DE PROJETO E CONTRATO

Leia mais

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR Características Sistema de isolamento térmico pelo exterior é um sistema de isolamento de paredes pelo exterior de edifícios existentes e construção nova, composto

Leia mais

GUIÃO TÉCNICO CORRECÇÃO DE PONTES TÉRMICAS PAREDES SIMPLES. FICHA TÉCNICA DOW Nº 14 Nº de pág.: 5 16 de Setembro de

GUIÃO TÉCNICO CORRECÇÃO DE PONTES TÉRMICAS PAREDES SIMPLES. FICHA TÉCNICA DOW Nº 14 Nº de pág.: 5 16 de Setembro de GUIÃO TÉCNICO CORRECÇÃO DE PONTES TÉRMICAS PAREDES SIMPLES FICHA TÉCNICA DOW Nº 14 Nº de pág.: 5 16 de Setembro de 2005 www.construlink.com CORRECÇÃO DE PONTES TÉRMICAS - PAREDES SIMPLES A necessidade

Leia mais

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS Vasco Peixoto de Freitas Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-1 www.patorreb.com Estrutura do Site Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-2

Leia mais

O que é o ICF? Vantagens

O que é o ICF? Vantagens O que é o ICF? É um sistema de construção constituído por blocos isolantes em EPS, poliestireno expandido (conhecido em Portugal como esferovite), que após montagem, são preenchidos com betão armado, formando

Leia mais

FICHAS DE PATOLOGIAS DOS SISTEMAS ETICS

FICHAS DE PATOLOGIAS DOS SISTEMAS ETICS FICHAS DE PATOLOGIAS DOS SISTEMAS ETICS Vasco Peixoto de Freitas Andreia Mota Miranda Laboratório de Física das Construções FACULDADE DE ENGENHARIA UNIVERSIDADE DO PORTO Vasco Peixoto de Freitas e Andreia

Leia mais

Sistema de Isolamento Térmico pelo Exterior. Reboco Delgado Armado sobre Poliestireno Expandido - ETICS

Sistema de Isolamento Térmico pelo Exterior. Reboco Delgado Armado sobre Poliestireno Expandido - ETICS Sistema de Isolamento Térmico pelo Exterior Reboco Delgado Armado sobre Poliestireno Expandido - ETICS Sistema TEPROTERM 2 / 19 1. INTRODUÇÃO I Cerca de 1/3 do consumo mundial de energia destina-se a habitações

Leia mais

NO FRIO E NO CALOR O CASACO TÉRMICO DA SUA CASA

NO FRIO E NO CALOR O CASACO TÉRMICO DA SUA CASA NOVO Sika ThermoCoat NO FRIO E NO CALOR O CASACO TÉRMICO DA SUA CASA SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR ETICS CONFORTÁVEL POUPA ENERGIA IMPERMEÁVEL SEM CONDENSAÇÕES SEM FISSURAS prt.sika.com UM

Leia mais

Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco

Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco A. Baio Dias 12 de Novembro 2008 UMinho, Portugal 1 Projecto cbloco 1. Objectivos do Projecto

Leia mais

QUEM SOMOS? APFAC ETICS External Thermal Insulation Composite System MANUAL DE APLICAÇÃO

QUEM SOMOS? APFAC ETICS External Thermal Insulation Composite System MANUAL DE APLICAÇÃO ETICS External Thermal Insulation Composite System MANUAL DE APLICAÇÃO ÍNDICE Página ENQUADRAMENTO 5 ENQUADRAMENTO REGULAMENTAR 5 VANTAGENS DO SISTEMA ETICS 6 Eliminação de pontes térmicas e redução do

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@ topeca. pt www.topeca.pt topcola therm t1 Pág. 2 ideal para

Leia mais

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO EPS POLIESTIRENO EXPANDIDO NO ETICS A ESCOLHA PARA UM ISOLAMENTO EFICIENTE, ECONÓMICO E SUSTENTÁVEL NICOLAU TIRONE SEMINÁRIO APFAC/ ITeCons FACHADAS

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua D. Nuno Alvares Pereira, 53 2490 114 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@ topeca. pt www.topeca.pt topcola therm t2 argamassa

Leia mais

Soluções de reabilitação de paredes/fachadas com desempenho térmico melhorado. Luís Silva Coimbra, 31 de Julho 2014

Soluções de reabilitação de paredes/fachadas com desempenho térmico melhorado. Luís Silva Coimbra, 31 de Julho 2014 Soluções de reabilitação de paredes/fachadas com desempenho térmico melhorado Luís Silva Coimbra, 31 de Julho 2014 Introdução As exigências da reabilitação na relação com o existente A compatibilidade

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua D. Nuno Alvares Pereira, 53 2490 114 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@topeca.pt www.topeca.pt Pág. 2 rebetop therm

Leia mais

Revestimentos de isolamento térmico de fachadas com base em argamassa: comportamento e avaliação da qualidade

Revestimentos de isolamento térmico de fachadas com base em argamassa: comportamento e avaliação da qualidade Revestimentos de isolamento térmico de fachadas com base em argamassa: comportamento e avaliação da qualidade MARIA DO ROSÁRIO VEIGA TEKTÓNICA 2010 Contribuição das Argamassas e dos ETICS para a Eficiência

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@topeca.pt www.topeca.pt rebetop pedra Pág. 2 utilização Rebetop

Leia mais

REVESTIMENTO DECORATIVO

REVESTIMENTO DECORATIVO MASSA REVESTIMENTO FINA Ref.:1427 IDENTIFICAÇÃO TÉCNICA Revestimento baseado em copolímeros especiais, PROPRIEDADES Bonito efeito decorativo. Boa resistência à intempérie. Boa impermeabilidade à água.

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@ topeca. pt www.topeca.pt topeca floor in Pág. 2 liso ou anti

Leia mais

Colagem de Cerâmicos em Fachadas'

Colagem de Cerâmicos em Fachadas' Colagem de Cerâmicos em Fachadas' Coimbra 13. Novembro. 2013 Agenda Causas das patologias mas antigamente...? Como resolver... Exemplos Reabilitação Conclusões Reboco SUPORTE: Alvenaria de tijolo cerâmico

Leia mais

VANTAGENS. Modularidade. Máxima Flexibilidade. Inspecção. Montagem. As vantagens deste novo sistema são numerosas:

VANTAGENS. Modularidade. Máxima Flexibilidade. Inspecção. Montagem. As vantagens deste novo sistema são numerosas: O sistema Giacoklima é um sistema inovador ideal para a climatização no Verão e Inverno, que alia o bem estar ao baixo consumo energético. O elemento chave deste sistema é a utilização da água, que permite

Leia mais

Reabilitação de edifícios com sistema ETICS: um caso de aplicação prática

Reabilitação de edifícios com sistema ETICS: um caso de aplicação prática Reabilitação de edifícios com sistema ETICS: um caso de aplicação prática Reabilitação da Escola Secundária de Rio Tinto, Gondomar Vasco Pereira, Saint-Gobain Weber Portugal 1. Introdução 2. Reabilitação

Leia mais

Isolamento Sustentável. Soluções Ideais para Reabilitação

Isolamento Sustentável. Soluções Ideais para Reabilitação Isolamento Sustentável A Gyptec Ibérica de capital nacional e inserida no Grupo Preceram, dedica-se à produção de placas de gesso laminado, através de métodos não poluentes e ambientalmente sustentáveis

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. somos especialistas em sistemas de isolamento cappotto ISOJOFER. Largo do Cruzeiro Calde - Viseu

MANUAL TÉCNICO. somos especialistas em sistemas de isolamento cappotto ISOJOFER. Largo do Cruzeiro Calde - Viseu MANUAL TÉCNICO somos especialistas em sistemas de isolamento cappotto ISOJOFER Largo do Cruzeiro. 55-77 Calde - Viseu Aplicação do sistema Condições Gerais para aplicação Como condições gerais de aplicação

Leia mais

Guia Técnico de Pintura

Guia Técnico de Pintura Guia Técnico de Pintura IV - Varandas e Terraços As infiltrações de água são uma das maiores causas da degradação de algumas pinturas, e mesmo da estrutura de varandas e terraços. Para evitar este tipo

Leia mais

AQUOSOS CONSTRUÇÃO CIVIL

AQUOSOS CONSTRUÇÃO CIVIL AQUOSOS CONSTRUÇÃO CIVIL Primários/Isolantes SELCRIL ISOLAQUA Primário acrílico aquoso de cor branca, indicado para o exterior e interior. Foi concebido com resinas acrílicas de fácil penetração e de excelente

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@topeca.pt www.topeca.pt rebetop kal reboco de renovação de antigas

Leia mais

A sua casa sem um pingo de infiltrações.

A sua casa sem um pingo de infiltrações. A sua casa sem um pingo de infiltrações. Gama Anti-Humidade e Infiltrações HIDROFUGANTE FACHADAS WB 141-0002 Hidrofugante aquoso baseado numa emulsão de silicone, ideal para aplicação em materiais de construção

Leia mais

PATOLOGIAS DOS SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO DE FACHADAS PELO EXTERIOR DO TIPO ETICS

PATOLOGIAS DOS SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO DE FACHADAS PELO EXTERIOR DO TIPO ETICS PATOLOGIAS DOS SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO DE FACHADAS PELO EXTERIOR DO TIPO ETICS Vasco Peixoto de Freitas (Prof Catedrático FEUP) Laboratório de Física das Construções FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO EPS POLIESTIRENO EXPANDIDO NO ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR ETICS NICOLAU TIRONE SEMINÁRIO APFAC FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES LNEC, LISBOA

Leia mais

CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE. Roca Lisboa Gallery LISBOA

CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE. Roca Lisboa Gallery LISBOA CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE Roca Lisboa Gallery LISBOA 01.04.2016 ÍNDICE Sobre a Secil Argamassas Perspectiva de melhoramento do conforto O contributo das Argamassas Térmicas na Sustentabilidade

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@ topeca. pt www.topeca.pt Pág. 2 silitop barreira utilização

Leia mais

CARACTERÍSTICAS PROCESSOS DE APLICAÇÃO. o Durabilidade o Beleza o Cuidados especiais na aplicação o Alto peso

CARACTERÍSTICAS PROCESSOS DE APLICAÇÃO. o Durabilidade o Beleza o Cuidados especiais na aplicação o Alto peso REVESTIMENTO VERTICAL DE PEDRA NATURAL Fonte: Revista Téchne no.10 1 o Durabilidade o Beleza o Cuidados especiais na aplicação o Alto peso CARACTERÍSTICAS PROCESSOS DE APLICAÇÃO o Sistema ADERENTE: Assentamento

Leia mais

tratamento de juntas invisíveis

tratamento de juntas invisíveis tratamento de juntas invisíveis massa cimentícia BrasiMassa materiais necessários Massa cimentícia BrasiMassa. Fibatape AR (álcali-resistente) 5 cm de largura. Fibatape AR (álcali-resistente) 10 cm de

Leia mais

LSF. É mais do que um método construtivo... É um conceito de habitação totalmente novo! Convidamo-lo a conhecer todas as vantagens.

LSF. É mais do que um método construtivo... É um conceito de habitação totalmente novo! Convidamo-lo a conhecer todas as vantagens. LSF É mais do que um método construtivo... É um conceito de habitação totalmente novo! Convidamo-lo a conhecer todas as vantagens. Segurança Segurança Segurança Segurança Conforto Conforto Conforto Conforto

Leia mais

1.- SISTEMA ENVOLVENTE...

1.- SISTEMA ENVOLVENTE... ÍNDICE.- SISTEMA ENVOLVENTE.....- Pavimentos em contacto com o terreno......- Lajes térreas.....- Fachadas......- Parte opaca das fachadas......- Aberturas em fachada.....- Paredes meeiras... 5..- Coberturas...

Leia mais

Ecoplac Cimentícia. Base Coat. Passo a Passo. Tratamento de Juntas com Base Coat

Ecoplac Cimentícia. Base Coat. Passo a Passo. Tratamento de Juntas com Base Coat Passo a Passo Após a fixação das Placas Cimentícias deixando 3mm a 5mm de dilatação entre elas, limpar a superfície a ser aplicada, retirando qualquer elemento que prejudique sua aderência (poeira, óleo,

Leia mais

MORCEMSEAL LINHA REABILITAÇÃO MORCEMSEAL TODO 1 TUDO EM 1

MORCEMSEAL LINHA REABILITAÇÃO MORCEMSEAL TODO 1 TUDO EM 1 MORCEMSEAL TUDO EM 1 Argamassa monocomponente de alta resistência, para a passivação, reparação e proteção de estruturas DESCRIÇÃO COMPOSIÇÃO CARACTERISTICAS E APLICAÇÕES SUPORTES Argamassa tixotrópica

Leia mais

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa 6. Procedimento de Execução Elaboração Estruturas de Concreto e Revestimentos de Argamassa 92 Instruções para a contratação de mão-de-obra

Leia mais

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda.

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda. 1 Dados climáticos de referência para a região do Porto: Inverno: Região climática I1, número de graus dias = 1610 (º dias), duração da estação de aquecimento = 6,7 meses. Verão: Região climática V1, Temperatura

Leia mais

C-CRYL S420 HB Revestimento acrílico casca de ovo de alta espessura Revisão: Janeiro 2016

C-CRYL S420 HB Revestimento acrílico casca de ovo de alta espessura Revisão: Janeiro 2016 DESCRIÇÃO C-Cryl S420 HB é um revestimento acrílico de alta espessura cujas principais propriedades são: - Produto com Marcação CE. - Cumpre os requisitos da norma EN 1504-2. - Cumpre com a especificação

Leia mais

Sistema de impermeabilização de piscinas. > Sistema POOL 120

Sistema de impermeabilização de piscinas. > Sistema POOL 120 Sistema de impermeabilização de piscinas > Sistema POOL 120 23 Piscinas Sistema de impermeabilização de piscinas Tela impermeabilizante multicamada especialmente desenhada para garantir a total estanqueidade

Leia mais

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR. O sistema de acabamento leve para isolamento térmico e protecção de paredes

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR. O sistema de acabamento leve para isolamento térmico e protecção de paredes SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR O sistema de acabamento leve para isolamento térmico e protecção de paredes O SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO DA VIERO O sistema de isolamento térmico da VIERO

Leia mais

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário:

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário: (11) Número de Publicação: PT 106194 (51) Classificação Internacional: B32B 15/08 (2006) B32B 17/12 (2006) E04B 1/80 (2006) (12) FASCÍCULO DE PATENTE DE INVENÇÃO (22) Data de pedido: 2012.03.07 (30) Prioridade(s):

Leia mais

Sistemas para paredes

Sistemas para paredes Sistemas para paredes Wall Tech Descrição geral Aplicações Integra-se perfeitamente aos sistemas de pisos em MMA, formando um sistema monolítico único. Ideal para ambientes internos, é aplicável diretamente

Leia mais

COMPONENTES DE EDIFÍCIOS Aspectos de segurança e resistência mecânica do vidro. Índice

COMPONENTES DE EDIFÍCIOS Aspectos de segurança e resistência mecânica do vidro. Índice COMPONENTES DE EDIFÍCIOS Aspectos de segurança e resistência mecânica do vidro Índice 1 INTRODUÇÃO... 1 1.1 - Aspectos gerais... 1 1.2 Vidro... 2 1.2.1 - Vidro na construção... 2 1.2.2 - Vidro temperado...

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@ topeca. pt www.topeca.pt Pág. 2 juntas em cor para mosaico,

Leia mais

Texsalastic. Impermeabilização Eficaz. EN e EN ARGAMASSA IMPERMEÁVEL E FLEXÍVEL BICOMPONENTE. De acordo com:

Texsalastic. Impermeabilização Eficaz. EN e EN ARGAMASSA IMPERMEÁVEL E FLEXÍVEL BICOMPONENTE. De acordo com: Texsalastic ARGAMASSA IMPERMEÁVEL E FLEXÍVEL BICOMPONENTE Impermeabilização Eficaz De acordo com: EN 1504-9 e EN 1504- ama TEXSALASTIC é uma argamassa impermeável e flexível bicomponente. É composto por

Leia mais

MONTAGE MONTAGE MONTAGE AGARRE IMEDIATO TRANSPARENTE PROFISSIONAL

MONTAGE MONTAGE MONTAGE AGARRE IMEDIATO TRANSPARENTE PROFISSIONAL MONTAGE MONTAGE MONTAGE AGARRE IMEDIATO TRANSPARENTE PROFISSIONAL MONTAGE AGARRE IMEDIATO FIXE CARGAS PESADAS NO INTERIOR OU EXTERIOR INTERIOR E EXTERIOR REFORÇADO COM FIBRAS MATERIAIS POROSOS EXTERIOR

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@topeca.pt www.topeca.pt Pág. 2 rebetop rpt permite trocas gasosas

Leia mais

sistema de isolamento térmico pelo exterior O sistema de acabamento leve para isolamento térmico e protecção de paredes

sistema de isolamento térmico pelo exterior O sistema de acabamento leve para isolamento térmico e protecção de paredes sistema de isolamento térmico pelo exterior O sistema de acabamento leve para isolamento térmico e protecção de paredes o sistema de isolamento térmico da viero Porquê usar o sistema de isolamento da viero?

Leia mais

MANUAL DE APLICAÇÃO Novembro 2009

MANUAL DE APLICAÇÃO Novembro 2009 MANUAL DE APLICAÇÃO Novembro 2009 ÍNDICE 0. Introdução 3 1. Sistemas de Isolamento Térmico pelo Exterior (ETICS) 4 2. Vantagens do Sistema ThermInnov 6 3. Componentes do Sistema ThermInnov 9 3.1 Suporte

Leia mais

Catálogo Geral

Catálogo Geral Catálogo Geral www.cfdoors.pt Painel de Frio Painel de Cobertura Painel Fachada Painel Fachada em Lã Rocha Painel Acústico Painel Cobertura Telha 2 Simbologia Simbologia dos revestimentos CF Doors identificando

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO 1. Para determinar a porosidade aberta de uma pedra calcária, utilizou-se um provete com as dimensões de 7.1 7.1 7.1 cm 3. Determinou-se a massa no estado

Leia mais

FACHADA VENTILADA CERÂMICA

FACHADA VENTILADA CERÂMICA FACHADA VENTILADA CERÂMICA COVER SOLADRILHO Cover é a solução completa de fachada ventilada em cerâmica extrudida com peças alveolares de 18 mm de espessura. O Cover destaca-se pela sua leveza e facilidade

Leia mais

VEDAPREN FAST. -lajes expostas; -estruturas inclinadas como lajes, abóbadas, sheds, cúpulas e marquises; -telhas onduladas; -calhas de concreto.

VEDAPREN FAST. -lajes expostas; -estruturas inclinadas como lajes, abóbadas, sheds, cúpulas e marquises; -telhas onduladas; -calhas de concreto. Produto VEDAPREN FAST é uma manta líquida, de base acrílica, secagem ultrarrápida e aplicação a frio sem emendas, pronta para uso e moldada no local. Com alto rendimento, cobre a estrutura com uma proteção

Leia mais

Os materiais de proteção térmica devem apresentar:

Os materiais de proteção térmica devem apresentar: Os materiais de proteção térmica devem apresentar: Elevado calor específico Reduzida condutividade térmica Garantia de integridade durante a evolução do incêndio Resistência mecânica adequada Custo viável

Leia mais

monocapa classic quartzolit

monocapa classic quartzolit Pág. 1 de 5 Argamassa de revestimento mineral decorativa monocapa para proteção e decoração de fachadas 1. Descrição: Argamassa decorativa de composição mineral que permite vários tipos de acabamentos

Leia mais

5. Limitações: A argamassa 1201 Matrix Assentamento de Vedação e Encunhamento não deve ser utilizada para assentamento de blocos silico-calcário.

5. Limitações: A argamassa 1201 Matrix Assentamento de Vedação e Encunhamento não deve ser utilizada para assentamento de blocos silico-calcário. 1. Descrição: A argamassa 1201 Matrix Assentamento de Vedação e Encunhamento é indicado para o assentamento de blocos para alvenaria de vedação e fixação de alvenarias (blocos de concreto, cerâmicos, e

Leia mais

Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais

Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais Pedro Sequeira Dina Frade José Severo Associação Portuguesa de Fabricantes de Argamassas e ETICS Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais TEKtónica, Lisboa, 2014.05.09

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@ topeca. pt www.topeca.pt rebetop monomassa Pág. 2 produto hidrofugado.

Leia mais

Seminário: Fachadas Energeticamente Eficientes: ETICS, Argamassas Térmicas e Janelas. O que se deve exigir? 15 Novembro 2011

Seminário: Fachadas Energeticamente Eficientes: ETICS, Argamassas Térmicas e Janelas. O que se deve exigir? 15 Novembro 2011 Seminário: Fachadas Energeticamente Eficientes: ETICS, Argamassas Térmicas e Janelas. O que se deve exigir? 15 Novembro 2011 ETICS E ARGAMASSAS TÉRMICAS: EXIGÊNCIAS DE CONFORMIDADE MARIA DO ROSÁRIO VEIGA

Leia mais

AVALIAÇÃO IN-SITU DA ADERÊNCIA DE MATERIAIS DE REVESTIMENTO

AVALIAÇÃO IN-SITU DA ADERÊNCIA DE MATERIAIS DE REVESTIMENTO AVALIAÇÃO IN-SITU DA ADERÊNCIA DE MATERIAIS DE REVESTIMENTO Inês Flores-Colen (I.S.T) Jorge de Brito (I.S.T) Fernando A. Branco (I.S.T.) Introdução Índice e objectivo Ensaio de arrancamento pull-off Estudo

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@ topeca. pt www.topeca.pt topeca endur classic Pág. 2 utilização

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@ topeca. pt www.topeca.pt Pág. 2 top endur utilização Top Endur

Leia mais

execução Caixote de massa em madeira A madeira absorve a água da argamassa o que diminui a trabalhabilidade da argamassa.

execução Caixote de massa em madeira A madeira absorve a água da argamassa o que diminui a trabalhabilidade da argamassa. execução Caixote de massa em madeira A madeira absorve a água da argamassa o que diminui a trabalhabilidade da argamassa. Para melhorar a fluidez da argamassa o pedreiro adiciona água, o que modifica todas

Leia mais

ifelt Introdução Ibérica Feltros A IbéricaFeltros Feltros Industriais, Lda., é uma empresa que iniciou a sua actividade em Maio de 2000.

ifelt Introdução Ibérica Feltros A IbéricaFeltros Feltros Industriais, Lda., é uma empresa que iniciou a sua actividade em Maio de 2000. Introdução A IbéricaFeltros Feltros Industriais, Lda., é uma empresa que iniciou a sua actividade em Maio de 2000. Esta Empresa tem a sua origem na Jomafil, e com os conhecimentos adquiridos ao longo de

Leia mais

Paredes Fichas de Aplicação

Paredes Fichas de Aplicação Fichas de Aplicação e Revestimento Painel Perfurado Painel Sandwich Consulte o Dossier Técnico Viroc disponível em www.viroc.pt, na página de Downloads. Outros Suplementos de Soluções Recomendadas Viroc

Leia mais

Composite Placas compostas em zinco para fachadas ventiladas ou paredes cortina.

Composite Placas compostas em zinco para fachadas ventiladas ou paredes cortina. FACHADA Composite Placas compostas em zinco para fachadas ventiladas ou paredes cortina. Vantagens Estética dos acabamentos em VMZINC Planimetria e robustez excepcionais Grande dimensão dos painéis e estabilidade

Leia mais

Os Painéis Cimentício são compostos de Cimento Portland, partículas de madeira, água, aditivos e pigmentos. Muito

Os Painéis Cimentício são compostos de Cimento Portland, partículas de madeira, água, aditivos e pigmentos. Muito Os Painéis Cimentício são compostos de Cimento Portland, partículas de madeira, água, aditivos e pigmentos. Muito utilizados em fechamentos de edifícios comerciais e residências, estes painéis são uma

Leia mais

FICHA TÉCNICA Nº5. AGLOMERADO NEGRO ( ou AGLOMERADO PURO EXPANDIDO) AN STANDARD

FICHA TÉCNICA Nº5. AGLOMERADO NEGRO ( ou AGLOMERADO PURO EXPANDIDO) AN STANDARD FICHA TÉCNICA Nº5 AGLOMERADO NEGRO ( ou AGLOMERADO PURO EXPANDIDO) Referências: AN STANDARD Para Isolamento Térmico Regranulados Calibre 2 / 9 e 4,5 / 15 mm Nota: Por encomenda, fabricam-se ainda outros

Leia mais

VEDAPREN PAREDE VEDAPREN PAREDE SAC 0800-VEDACIT DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45

VEDAPREN PAREDE VEDAPREN PAREDE SAC 0800-VEDACIT DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45 Produto é uma pintura impermeável, elástica e de base acrílica, que oferece grande aderência e durabilidade. dispensa a seladora. Pode ser deixado exposto ou receber pigmento líquido, tinta látex/acrílica,

Leia mais

PAINÉIS ISOTÉRMICOS ISOJOINT

PAINÉIS ISOTÉRMICOS ISOJOINT GANHANDO TEMPO PARA VOCÊ 100% BRASIL PAINÉIS ISOTÉRMICOS ISOJOINT Painéis ISOJOINT WALL PUR Construção civil Os Painéis ISOJOINT WALL PUR são constituídos de núcleo de PUR (poliuretano) ou PIR (Poliisocianurato)

Leia mais

LUIZA. Execução do Revestimento de Fachada de Argamassa. Santos / SP. Universidade Santa Cecília Santos / SP. Universidade Santa Cecília Santos / SP

LUIZA. Execução do Revestimento de Fachada de Argamassa. Santos / SP. Universidade Santa Cecília Santos / SP. Universidade Santa Cecília Santos / SP Execução do Revestimento de Fachada de Argamassa Aluno(s): Lucio Vinicius Andrade Carlini Luiza Pautz Aguiar Professor : Damin Santos / SP LUIZA 1 Revestimento Função Proteger os elementos da vedação e

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Reabilitação de Pavimentos Colagem de Revestimentos Resilientes e Madeira. Nº Pág.s: 7 nº Julho. 2007

FICHA TÉCNICA. Reabilitação de Pavimentos Colagem de Revestimentos Resilientes e Madeira. Nº Pág.s: 7 nº Julho. 2007 FICHA TÉCNICA Reabilitação de Pavimentos Colagem de Revestimentos Resilientes e Madeira Nº Pág.s: 7 nº 33 03. Julho. 2007 Reabilitação de Pavimentos Colagem de Revestimentos Resilientes e Madeira 01 Chegou

Leia mais

THERMO INDUSTRY a.s., Na Spravedlnosti 1533, Pardubice, Czech Republic, Company Reg. Number: Dados de produto AERO-THERM pavimento

THERMO INDUSTRY a.s., Na Spravedlnosti 1533, Pardubice, Czech Republic, Company Reg. Number: Dados de produto AERO-THERM pavimento Dados de produto AERO-THERM pavimento 1 Forma do material Função Composição Espessura de aplicação Tempo de vida útil Informação técnica base Selante à base de água Reflexão térmica, isolamento térmico

Leia mais

CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS

CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS LISBOA, JULHO 2016 SISTEMA CONSTRUTIVO CLT - CONCEITO CARACTERÍSTICAS GERAIS ESTRATOS ORTOGONAIS ESPÉCIES RESINOSAS COLA EM POLIURETANO

Leia mais

CONSTRUÇÃO CIVIL II ENG 2333 (2016/1)

CONSTRUÇÃO CIVIL II ENG 2333 (2016/1) ENG 2333 (2016/1) Aula 12 Forros FORROS Definição: Revestimento da face inferior da laje ou de telhados de modo a constituir a superfície superior de um ambiente fechado FORROS FORROS Critérios de escolha:

Leia mais

VEDATOP FLEX. Características do componente B Densidade: 1,03 g/cm³ Aparência: líquido de cor branca Composição básica: polímeros acrílicos

VEDATOP FLEX. Características do componente B Densidade: 1,03 g/cm³ Aparência: líquido de cor branca Composição básica: polímeros acrílicos Produto é uma argamassa polimérica, flexível, de base acrílica, com alta aderência e impermeabilidade. Adere perfeitamente a concreto, alvenaria e argamassa, acompanhando eventuais movimentações. Por isso,

Leia mais

REVESTIMENTOS VERTICAIS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTOS VERTICAIS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTOS VERTICAIS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I O CONCEITO FUNCIONAL É um elemento funcional do edifício com funções bem

Leia mais

PAINT IT BOLETIM TÉCNICO. Características. Data de revisão: Abril Boa aplicabilidade, não salpicando. Secagem rápida.

PAINT IT BOLETIM TÉCNICO. Características. Data de revisão: Abril Boa aplicabilidade, não salpicando. Secagem rápida. 10-010 PAINT IT Data de revisão: Abril 2011 Boa aplicabilidade, não salpicando Secagem rápida Baixo cheiro Boa opacidade Características Acabamento.... Cor.... Substrato... Extra-mate Branco e cores de

Leia mais

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS TERMOGRAFIA

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS TERMOGRAFIA Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS Técnicas de Inspecção e Avaliação do Desempenho de Edifícios Inês Simões

Leia mais

SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS PRÓ-EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E CONFORTO TÉRMICO

SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS PRÓ-EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E CONFORTO TÉRMICO António Curado SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS PRÓ-EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E CONFORTO TÉRMICO Índice 1. ENERGIA E CONFORTO TÉRMICO 2. SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS REGULAMENTARES 2.1. REQUISITOS DE DESEMPENHO 2.2. FACHADAS

Leia mais

SAC 0800-VEDACIT DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45

SAC 0800-VEDACIT DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45 Produto VEDAFLEX é um selante impermeável de elasticidade permanente. Tem ótima resistência a intempéries e raios solares, sem alterar as características mecânicas. Apresenta grande aderência a metal,

Leia mais

ÁREAS Impermeabilização em lajes resina acrílica. Lajes pequenas dimensões - Sem circulação.

ÁREAS Impermeabilização em lajes resina acrílica. Lajes pequenas dimensões - Sem circulação. 1 ÁREAS Impermeabilização em lajes resina acrílica. Lajes pequenas dimensões - Sem circulação. INDICE 1. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 01 2. MATERIAIS... 01 3. CUIDADOS INICIAIS... 02 4. TRATAMENTO: FISSURAS

Leia mais

CLÁUSULAS TÉCNICAS DO SISTEMA ETICS PARA A INTERVENÇÃO NO BAIRRO DA BOAVISTA

CLÁUSULAS TÉCNICAS DO SISTEMA ETICS PARA A INTERVENÇÃO NO BAIRRO DA BOAVISTA CLÁUSULAS TÉCNICAS DO SISTEMA ETICS PARA A INTERVENÇÃO NO BAIRRO DA BOAVISTA 1. CANTARIAS Refere a todos os trabalhos e fornecimentos necessários à boa execução e aplicação de pedra natural cuja natureza,

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL EM BLOCOS CERÂMICOS

ALVENARIA ESTRUTURAL EM BLOCOS CERÂMICOS ALVENARIA ESTRUTURAL EM BLOCOS CERÂMICOS . HISTÓRICO O uso da Alvenaria como elemento apenas comprimido é uma das mais antigas formas de construção empregadas pelo homem HISTÓRICO OBRAS

Leia mais

LINHA BRICOLAGE BRICOLAGE LINHA

LINHA BRICOLAGE BRICOLAGE LINHA CONSTRUÇÃO Bricocem Cimento Rápido Bricocem Argamassa Cinza Bricocem Argamassa Rápida Bricocem Argamassa Refractária Bricocem Pasta Niveladora Bricocem Cimento Cola Flexível Bricocem Junta Impermeável

Leia mais

Termossifão pressurizado (EA8893) Manual de instruções. Manual de instruções. Termossifão pressurizado (EA8893)

Termossifão pressurizado (EA8893) Manual de instruções. Manual de instruções. Termossifão pressurizado (EA8893) Manual de instruções Termossifão pressurizado (EA8893) Índice 1. Parâmetros... 3 2. Precauções... 4 3. Informação técnica... 5 3.1. Componentes... 5 3.2. Informação técnica... 5 4. Componentes e dimensões...

Leia mais

MURFOR Reforço de aço para alvenaria

MURFOR Reforço de aço para alvenaria Aços Longos MURFOR Reforço de aço para alvenaria Murfor : marca registrada da N.V. Bekaert Produtos ARCE1109-0218_Folheto_Murfor_21x28cm.indd 2 MURFOR Reforço de aço para alvenaria Murfor é uma treliça

Leia mais

TÓPICOS ESPECIAIS ECIVIL I ALVENARIA ESTRUTURAL PAREDES. Estruturas Mistas - Profas Maria Regina Leggerini / Sílvia Baptista Kalil

TÓPICOS ESPECIAIS ECIVIL I ALVENARIA ESTRUTURAL PAREDES. Estruturas Mistas - Profas Maria Regina Leggerini / Sílvia Baptista Kalil 1 TÓPICOS ESPECIAIS ECIVIL I ALVENARIA ESTRUTURAL PAREDES CONCEITO: São elementos estruturais laminares (uma das dimensões muito menor do que as outras duas), apoiadas de modo contínuo em sua base. 2 TIPOLOGIA:

Leia mais

Soluções para Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra

Soluções para Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Aços Longos Soluções para Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Arame Recozido Trançadinho Recozido Prático Sapatas Recozido Fácil Pregos Treliças Nervuradas Murfor Produto Belgo

Leia mais

SOLUÇÕES DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR

SOLUÇÕES DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR SOLUÇÕES DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR ÍNDICE 1. DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS EDIFÍCIOS SOLUÇÕES DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR 1. Desempenho energético dos edifícios 3 2. Enquadramento regulamentar

Leia mais

VEDATOP SAC 0800-VEDACIT DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45

VEDATOP SAC 0800-VEDACIT DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45 Produto é uma argamassa polimérica de base acrílica impermeável de alta aderência e de fácil aplicação. Pode ser aplicado sobre concreto, blocos cerâmicos e de concreto, fibrocimento, rebocos e demais

Leia mais

FLEXÍVEIS Suportam deformações de amplitude variável, dependendo de seu reforço à tração.

FLEXÍVEIS Suportam deformações de amplitude variável, dependendo de seu reforço à tração. IMPERMEABILIZAÇÃO Têm a função de proteger a edificação contra patologias que poderão surgir como possível infiltração de água. Classificação RÍGIDAS Baixa capacidade de deformação FLEXÍVEIS Suportam deformações

Leia mais