Mobilidade Urbana, Emissões de GEE e Qualidade do Ar no Brasil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mobilidade Urbana, Emissões de GEE e Qualidade do Ar no Brasil"

Transcrição

1 Mobilidade Urbana, Emissões de GEE e Qualidade do Ar no Brasil São Paulo, 3 de setembro de 2014

2 CONTEÚDO 1. O papel do transporte individual de passageiros no consumo de energia e nas emissões de GEE (CO 2 ) 2. Qualidade do ar em regiões metropolitanas (SP, RJ e BH) 3. Oportunidades e Desafios

3 1. O papel do transporte individual de passageiros no consumo de energia e nas emissões de GEE (CO 2 ) 2. Qualidade do ar em regiões metropolitanas (SP, RJ e BH) 3. Oportunidades e Desafios

4 Participação nas emissões de CO2e Evolução das Emissões de CO 2e no Brasil 80% Mudança de Uso da Terra 70% 70% Agropecuária Energia 60% 58% 55% Processos Industriais Resíduos 50% 40% 39% 30% 28% 25% 32% 30% 30% 20% 10% 0% 20% 20% 18% 16% 14% 11% 5% 6% 3% 4% 4% 1% 2% 2% 3% 3%

5 MtCO 2 e Evolução das Emissões de CO 2 e : Queima de combustíveis TRANSPORTE 204,3 Mt (47%) INDÚSTRIA 91,2 Mt (21%) GERAÇÃO DE E.E. 48,5 Mt (11%) SETOR ENERGÉTICO 44,4 Mt (10%)

6 Consumo de combustíveis fósseis no Brasil (2012) Total em 2012: 160,2 Mtep 6 Transportes (42,2%) Petróleo (72,2%) Indústria (17,5%) Residencial 4,2% Gás natural (17,9%) arvão metalúrgico 6,2%) Carvão vapor (3,7%) Agropecuário 3,5% Comercial e público 0,7% Geração de eletricidade 10,7% Setor energético 6,3% Consumo não-energético 10,2%

7 Emissões de CO 2 e: fontes e setores (2012) 7 CARVÃO MINERAL 30,4 Mt (7,0%) Total: 436,7 MtCO 2 e GÁS NATURAL 63,3 Mt (14,5%) Fugitivas PETRÓLEO e GÁS NAT. 13,8 Mt (3,2%) TRANSPORTE: 204,3 Mt (47%) PETRÓLEO 313,1 Mt (71,6%) INDÚSTRIA 91,2 Mt (21%) GERAÇÃO DE E.E. 48,5 Mt (11%) gasolina C (CH 4 e N 2 O) 3,1 MtCO 2 e (0,7%) BIOMASSA 9,4 MtCO 2 e (2,2%) Outras: 3,6 MtCO 2 e (0,8%) SETOR ENERGÉTICO 44,4 Mt (10%) Resid, Com. e Púb. 21,6 Mt (5%) Agropec. 17,9 Mt (4%) Cons. não-energ. 8,8 Mt (2%)

8 Emissões de CO 2 e : transportes (2012) 8 Energia Primária Energia Secundária Modal Categoria Função Total: 204,3 MtCO 2 e * HIDROVIÁRIO(*) 5,0 Mt (2,5%) EMBARCAÇÕES PETRÓLEO 196,6 Mt (96,2%) ÓLEO COMBUSTÍVEL 3,7 Mt (1,8%) ÓLEO DIESEL 111,3 Mt (54,5%) GASOLINA AUTOMOTIVA 70,3 Mt (34,4%) QUEROSENE DE AVIAÇÃO 11,3 Mt (5,5%) FERROVIÁRIO 3,0 Mt (1,5%) RODOVIÁRIO 184,9 Mt (90,4%) LOCOMOTIVAS CAMINHÕES 82,7 Mt (40,4%) ÔNIBUS 19,9 Mt (9,7%) COM. LEVES 14,9Mt (7,3%) AUTOMÓVEIS 61,1 Mt (29,9%) CARGA 92,8 Mt (45,4%) PASSAGEIROS 111,5 Mt (54,6%) GÁS NATURAL 4,1 Mt (2,0%) MOTOCICLETAS 6,3 Mt (3,1%) gasolina C (CH 4 e N 2 O) 3,1 Mt (1,5%) AÉREO 11,4 Mt (5,6%) AERONAVES Fonte de dados: Balanço Energético Nacional (MME) e Inventário Nacional de Emissões Atmosféricas por Veículos Automotores Rodoviários (MMA) (*) Uma parcela do uso de combustíveis em embarcações decorre do transporte de passageiros. Devido a ausência de informações fundamentadas e a sua pouca importância no conjunto das emissões, optou-se por alocar as emissões deste modal no transporte de cargas

9 Evolução do consumo de energia no transporte rodoviário de passageiros Milhões de tep Transporte individual Transporte coletivo Fonte: Elaborado a partir do Inventário Nacional de Emissões Atmosféricas por Veículos Automotores Rodoviários 2013 (MMA, 2014)

10 Bilhões de quilômetros Intensidade de uso da frota de veículos de passageiros Automóveis Motocicletas Ônibus Transport Coletivo 4% Transport Individual 96% Fonte: Elaborado a partir do Inventário Nacional de Emissões Atmosféricas por Veículos Automotores Rodoviários 2013 (MMA, 2014) 10

11 População total (milhões) Passageiros mensais (milhões) Evolução da população número de passageiros transportados por ônibus nas maiores capitais brasileiras Evolução comparativa da população residente e do número de passageiros transportados por ônibus nas maiores capitais brasileiras a População Passageiros A série população se refere à soma das populações de Belo Horizonte, Curitiba, Fortaleza, Goiânia, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo (Fonte: IBGE). A série passageiros se refere ao número de passageiros transportados no mês de Outubro no sistema de transporte público de ônibus nos mesmos municípios (Fonte: Anuário NTU, 2013).

12 Milhões de toneladas de CO2e Evolução das emissões de CO 2 e no transporte rodoviário de passageiros Automóveis Motocicletas Comerciais Leves Ônibus Rodoviários Ônibus Urbanos Microônibus 2% 3% 14% 15% Transporte Coletivo 20% % 60% Transporte Individual 80% Fonte: Elaborado a partir do Inventário Nacional de Emissões Atmosféricas por Veículos Automotores Rodoviários 2013 (MMA, 2014)

13 1. O papel do transporte individual de passageiros no consumo de energia e nas emissões de GEE (CO 2 ) 2. Qualidade do ar em regiões metropolitanas (SP, RJ e BH) 3. Oportunidades e Desafios

14 RMSP - O3 Estações da Rede Automática Máximas Horárias (2012) Mauá - 1ª/2ª máx Diadema - 1ª/2ª máx Carapicuíba - 1ª/2ª máx Sto Amaro - 1ª/2ª máx Santana - 1ª/2ª máx Pinheiros - 1ª/2ª máx Pq Dom Pedro II - 1ª/2ª máx Parelheiros - 1ª/2ª máx Nossa Senhora do Ó - 1ª/2ª máx Móoca - 1ª/2ª máx Itaquera - (est. Móvel) - 1ª/2ª máx Itaim Paulista - 1ª/2ª máx Ipen-USP - 1ª/2ª máx Interlagos - 1ª/2ª máx Ibirapuera - 1ª/2ª máx Capão Redondo - 1ª/2ª máx μg/m³

15 (μg/m3) RMSP - O3 Estações da Rede Automática Evolução das Máximas Horárias Padrão nacional primário e secundário Ibirapuera - 1a máx Ipen-USP - 1a máx Itaquera - (est. Móvel) - 1a máx Móoca - 1 máx Nossa Senhora do Ó - 1a máx Parelheiros - 1a máx Pq Dom Pedro II - 1a máx Pinheiros - 1a máx Santana - 1a máx Sto Amaro - 1a máx S. Miguel Paulista - 1a máx Diadema - 1a máx Mauá - 1a máx

16 RMSP - MP 10 Estações da Rede Automática - Médias Anuais (2012) Taboão da Serra 35 Mauá Diadema Carapicuíba Santo Amaro Santana Pq Dom Pedro II Parelheiros N. Senhora Ó Mooca Marg. Tietê - Pte Remédios 44 Interlagos 32 Ibirapuera 34 Congonhas 38 Cerqueira César 33 Capão Redondo μg/m³

17 μg/m³ RMSP - MP10 Estações da Rede Automática Evolução das Médias Anuais Padrão nacional primário e secundário Recomendação OMS Cambuci Centro Cerqueira César Congonhas Ibirapuera Itaquera Lapa Móoca N. Senhora Ó Parelheiros Pq Dom Pedro II Pinheiros Santo Amaro

18 Médias horárias de CO, por dia da semana Estação Cerqueira César (SP)

19 Médias horárias de NO, por dia da semana Estação Cerqueira César (SP)

20 RMRJ - MP10 Estações da Rede Automática - Médias Anuais (2012) Itb - Ilha de Paquetá 29 Itb - Ilha do Governador 43 Jp - Engenheiro Pedreira 31 Itb - Porto das CaiXas 26 Itb - Sambaetiba 43 NI - Monteiro Lobato 6 RJ - Lab INEA 20 DC - Vila São Luiz DC - São Bento DC - Jardim Primavera 60 DC - Pilar 46 DC - Campos Elíseos 52 Itg - Monte Serrat 33 SC - Largo do Bodegão 44 SC - Adalgisa Nery μg/m³

21 RMRJ - O3 Estações da Rede Automática Máximas Horárias (2012) DC - Vila São Luiz 221,31 μg/m³ SC - Largo do Bodegão 170,51 Itb - Sambaetiba 189,5 Itb - Porto das CaiXas Itg - Monte Serrat 174,7 150,6 SC - Adalgisa Nery 331,2 DC - Campos Elíseos 324 DC - Pilar 341,3 DC - Jardim Primavera 378,

22 RMBH - MP10 Estações da Rede Automática - Médias Anuais (2011) Bairro Cascata 30,7 SAFRAN/Centro Administrativo 58,1 Petrovale 36,6 Bairro Jd das Alterosas 33,2 Pça Rui Barbosa 51, μg/m³

23 RMBH - O3 Estações da Rede Automática Máximas Horárias (2011) Ibiritermo/ Bairro Piratininga 254,7 Bairro Cascata 174,8 SAFRAN/Centro Administrativo 313,1 Petrovale 243,9 Bairro Jd das Alterosas 200,2 Pça Rui Barbosa 200, μg/m³

24 1. O papel do transporte individual de passageiros no consumo de energia e nas emissões de GEE (CO 2 ) 2. Qualidade do ar em regiões metropolitanas (SP, RJ e BH) 3. Oportunidades e Desafios

25 Diagnóstico e Prognóstico da Qualidade Ambiental e da demanda de Energia Definição de Prioridades e Metas Foco nos Veículos (g/km) Limites de emissões para veículos novos Padrões de eficiência energética Inspeção e Manutenção de veículos em uso (I&M) Renovação de Frota Fontes de energia mais limpas Foco na Mobilidade (km, g/pass.km) Mudanças de viagens para modos de transporte público e não motorizados (i) Melhoria da qualidade e ampliação de infra-estrutura para TP e TNM (BRT e s, corredores de ônibus, metrôs e ciclovias). (ii) Instrumentos de desestímulo ao uso de automóvel. Redução da necessidade de viagens motorizadas (planejamento urbano)

26 Estimativa de redução de emissões de poluentes atmosféricos e de gases de efeito estufa resultantes da implantação do PlanMob BH

27 Situações para a rede de transporte e cenários Situação de rede Investimento Copa Restrição de Investimento Investimento Pleno Ano BRT 73,7 km +65,7km (total de139,4 km) +85,8km (total de 159,5 km) Metrô Aumento da capacidade na Linha 1 (28,5km existentes) +16 km (Total de 44,5km) (Linhas 1, 2 e 3) + 31,6 km (Linhas 2 e 3) (total de 60,1Km) Bicicleta 105 km +94km (total de 199km) +231km Total de 336km) Desestímulo ao uso do automóvel Transit Oriented Development Rodízio de placas, política de estacionamento na área central Adensamento (44% do crescimento populacional ao longo do transporte coletivo) Calçadas Pacote 1 Pacote 2 Pacote 3 Obras viárias Pacote 1 (VIURBS) Pacote 2 (VIURBS) Pacote 3 (VIURBS)

28 Milhares de litros 2. Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte (Condições operacionais e priorização do transporte público) 200 Consumo de Gasolina C e de Etanol (hora-pico) Cenário Copa IP (-21%) (-33%) Consumo evitado pelo PlanMob 100% Cenário Copa RI Cenário Copa IP % 15% 21% 33% Ano 0% Ano 28

29 Milhares de litros 2. Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte (Condições operacionais e priorização do transporte público) 60 Consumo de óleo diesel (hora-pico) Cenário Copa IP (-14%) (-18%) Consumo evitado pelo PlanMob 100% Cenário Copa RI Cenário Copa IP Ano 0% 14% 18% 9% 9% Ano 29

30

31 Estimativa de emissões de MP em Belo Horizonte em 2020 ( Sem PlanMob BH x Com PlanMob BH ) 2020 Cenário Tendencial 2020 Cenário Transformador Fonte: Estimativa de emissões atmosféricas do Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte (IEMA/BHTrans, 2014)

32 Avaliação dos efeitos da implantação de faixas exclusivas em SP: tempo de viagem, consumo de combustível e emissões de poluentes - 1ª etapa -

33 Motivação: Efeito das condições operacionais na eficiência energética e emissão de poluentes Vm = 11,0 km/h Vm = 19,8 km/h Vm = 26,2 km/h 33

34 23 de Maio 4.0% 106A T A M L C A I P R Z X Y A A-10-35% -30% -25% -20% -15% -10% -5% 0% 5% 10% -30.5% 23 de Maio - Variação no tempo de percurso no trecho de faixa implantado entre set/2012 e set/2013 (nas horas-pico) -26.5% -25.3% -21.7% -23.0% -23.0% -22.8% -19.9% -20.8% -21.0% -22.2% -22.8% -22.7% -23.7% -21.5% -21.2% -18.0% -18.1% -16.6% -17.8% -19.0% -16.8% -17.9% -17.4% -14.4% -15.0% -15.3% -11.6% -12.8% -12.8% -14.0% -13.4% -13.0% -10.8% -8.7% -6.3% 5.2% Faixa exclusiva 23 de Maio Variação do tempo de percurso das linhas avaliadas nos trechos de faixa exclusiva nas horaspico (%) Linha : Linha com perda de velocidade atravessa o trecho de pior desempenho do Corredor Norte-Sul (Av. Interlagos, na altura do Shopping Interlagos, um trecho de tráfego carregado, com grande número de acessos e interseções semaforizadas). Variação de tempo verificada para cada linha entre os períodos de 2012 e 2013 expressa em valores percentuais

35 Efeito da faixa exclusiva no tempo de viagem (Corredor Norte-Sul/23 maio) Redução dos tempos médios de percurso no trecho de faixa exclusiva por viagem (entre 2012 e 2013) Pico-manhã 17,6% Pico-tarde 16,9% Picos (média) 18,4% 0,0% 5,0% 10,0% 15,0% 20,0% Tempo (min.) A redução estimada total de tempo de viagem nas 37 linhas avaliadas é de 252 horas/dia.

36 Variação no consumo de combustível Redução no consumo de combustível (São Paulo, Corredor Norte-Sul entre set/2012 e set/2013, horas-pico) 106A T A M L C A I P R Z X Y A A-10 Linha de ônibus 23 de Maio 2% 0% -2% -4% -6% -8% -10% -12% -4,1% -5,7% -4,1% -12,1% -9,5% -7,1% -2,1% -4,5% 1,1% -5,3% -4,9% -10,3% -6,2% -1,6% -2,3% -7,1% -7,3% -6,3% -7,8% -9,5% -5,9% -4,8% -5,2% -7,6% -6,4% -3,9% -7,5% -2,8% -4,3% -1,9% -7,3% -5,6% -6,3% -4,3% -9,4% -3,3% -1,9% -14% Fonte: Avaliação dos efeitos da implantação de faixas exclusivas em SP (IEMA, 2014)

37 Variação nas emissões de NOx Redução nas emissões de NOx (São Paulo, Corredor Norte-Sul entre set/2012 e set/2013, horas-pico) 106A T A M L C A I P R Z X Y A A-10 Linha de ônibus 23 de Maio 4% 1,5% 0% -4% -8% -12% -16% -3,1% -6,4% -17,6% -14,1% -10,9% -7,9% -5,9% -6,3% -7,8% -8,2% -12,2% -8,8% -7,3% -10,6% -11,7% -10,5% -5,7% -10,0% -5,4% -7,1% -2,7% -13,2% -9,6% -9,9% -11,8% -13,1% -3,5% -4,9% -13,6% -10,6% -2,0% -8,6% -11,3% -11,6% -11,6% -20% -21,7% -24% Fonte: Avaliação dos efeitos da implantação de faixas exclusivas em SP (IEMA, 2014)

38 106A T A M L C A I P R Z X Y A A-10 Redução nas emissões de MP escapamento (São Paulo, Corredor Norte-Sul entre set/2012 e set/2013, horas-pico) Linha de ônibus 23 de Maio Variação nas emissões de MP escapamento 5% 0% -5% -10% -15% -20% -25% -30% -35% -40% -2,4% -5,4% -12,4% -11,2% -8,2% -6,3% -6,0% -4,1% 1,3% -6,6% -6,2% -15,4% -17,2% -10,8% -6,8% -5,4% -18,1% -10,2% -8,2% -4,7% -9,1% -3,9% -3,8% -2,2% -12,1% -6,0% -8,1% -34,6% -2,5% -4,2% -10,4% -7,6% -1,5% -6,5% -9,3% -7,1% -9,5% Fonte: Avaliação dos efeitos da implantação de faixas exclusivas em SP (IEMA, 2014)

39 André Luís Ferreira Instituto de Energia e Meio Ambiente Rua Ferreira de Araújo, º and. cj.101, Pinheiros São Paulo SP Brasil Tel Fax

Energia e Processos Industriais. Estimativas Emissões GEE 1970-2013

Energia e Processos Industriais. Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Energia e Processos Industriais Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Energia Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Equipe Técnica André Luís Ferreira David Shiling Tsai Marcelo dos Santos Cremer Karoline Costal

Leia mais

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S.

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. Duarte Objeto da pesquisa Relação entre adensamento, multifuncionalidade

Leia mais

Sistema de Estimativa de Emissão de Gases de Efeito Estuda

Sistema de Estimativa de Emissão de Gases de Efeito Estuda Sistema de Estimativa de Emissão de Gases de Efeito Estuda SEEG >> QUEM FAZ O SEEG 2 SEEG é promovido pelo Observatório do Clima (OC) Quatro instituições selecionadas pelo OC coordenaram o processo técnico

Leia mais

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Comparativo

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Comparativo Sistema de Informações da Mobilidade Urbana Relatório Comparativo 2003-2012 Julho de 2014 Relatório comparativo 2003/2012 Comentários sobre o período de 10 anos considerado Este relatório apresenta os

Leia mais

PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO

PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO setembro 2014 Plano de Mobilidade Urbana de São Paulo Documentos de referência referências Plano Municipal de Circulação Viária e de Transporte - 2003 Consolidou

Leia mais

Transportes: Emissões de GEE em 2030 Metas

Transportes: Emissões de GEE em 2030 Metas Transportes: Emissões de GEE em 2030 Metas São Paulo, 26 de Junho de 2015 1 Emissões de GEE do Setor Energia, (2013) 2 Milhões de toneladas de CO2e 250 200 150 100 50 Transportes Industrial Geração de

Leia mais

MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

MUNICÍPIO DE SÃO PAULO REGIÃO METROPOLITANA DE SP 39 municípios 8.051 km 2 de área 0,1% do Brasil 20,0 milhões de habitantes 11% do Brasil U$ 261,6 bilhões / ano de PIB 19,1% do Brasil 8,8 milhões de empregos 5,2 milhões de

Leia mais

EMISSÕES DE GEE DO SETOR DE ENERGIA, PROCESSOS INDUSTRIAIS E USO DE PRODUTOS

EMISSÕES DE GEE DO SETOR DE ENERGIA, PROCESSOS INDUSTRIAIS E USO DE PRODUTOS DOCUMENTO DE ANÁLISE EMISSÕES DE GEE DO SETOR DE ENERGIA, PROCESSOS INDUSTRIAIS E USO DE PRODUTOS COORDENAÇÃO TÉCNICA IEMA INSTITUTO DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE REDAÇÃO E ORGANIZAÇÃO André Luis Ferreira

Leia mais

Avaliação dos efeitos da implantação de faixas exclusivas em SP: tempo de viagem, consumo de combustível e emissões de poluentes - 1ª etapa -

Avaliação dos efeitos da implantação de faixas exclusivas em SP: tempo de viagem, consumo de combustível e emissões de poluentes - 1ª etapa - Avaliação dos efeitos da implantação de faixas exclusivas em SP: tempo de viagem, consumo de combustível e emissões de poluentes - 1ª etapa - São Paulo, Agosto de 2014 Organização Não Governamental fundada

Leia mais

Estimativa de redução das emissões atmosféricas resultante da implantação do Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte

Estimativa de redução das emissões atmosféricas resultante da implantação do Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte Estimativa de redução das emissões atmosféricas resultante da implantação do Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte RELATÓRIO FINAL Diretor Presidente André Luís Ferreira Equipe Técnica André Luís

Leia mais

Companhia de Engenharia de Tráfego CET

Companhia de Engenharia de Tráfego CET Secretaria Municipal de Transporte SMT Sec e a a u cpa de a spo e S Companhia de Engenharia de Tráfego CET Anhanguera Bandeirantes Fernão Dias Presidente Dutra Ayrton Senna MAIRIPORÃ Castello Branco CAIEIRAS

Leia mais

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO SOBRE PNEUS

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO SOBRE PNEUS DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO SOBRE PNEUS DEZEMBRO 2013 DENSIDADE DE EMPREGOS ÁREA CENTRAL Plano Diretor 2013 Referências Trata da política de transporte e mobilidade urbana integrada com

Leia mais

METRÔ DE SÃO PAULO EXPANSÃO ALBERTO EPIFANI Gerente de Planejamento e Expansão dos Transportes Metropolitanos - METRÔ

METRÔ DE SÃO PAULO EXPANSÃO ALBERTO EPIFANI Gerente de Planejamento e Expansão dos Transportes Metropolitanos - METRÔ METRÔ DE SÃO PAULO EXPANSÃO 2012-2030 ALBERTO EPIFANI Gerente de Planejamento e Expansão dos Transportes Metropolitanos - METRÔ SÃO PAULO 13//06/2012 Expansão 2012-2030 2 REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

Leia mais

MOBILIDADE URBANA. Mauricio Muniz Barretto de Carvalho Secretário do PAC

MOBILIDADE URBANA. Mauricio Muniz Barretto de Carvalho Secretário do PAC MOBILIDADE URBANA Mauricio Muniz Barretto de Carvalho Secretário do PAC O QUE O GOVERNO FEDERAL JÁ FEZ Sanção da Política Nacional de Mobilidade Urbana (Lei 12.587/2012) Desoneração das tarifas do transporte

Leia mais

Cenário atual do transporte público urbano por ônibus

Cenário atual do transporte público urbano por ônibus 1. Extinção da EBTU (1991); 2. Perda de demanda: 1994-2012; 3. Perda de demanda: 2013-2016; 4. Perda de produtividade-ipk; 5. Política de incentivo ao transporte individual; 6. Queda da velocidade comercial;

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS VIAGENS COM UTILIZAÇÃO DE METRÔ E TREM METROPOLITANO RESULTADOS DA PESQUISA DE MOBILIDADE 2012

EVOLUÇÃO DAS VIAGENS COM UTILIZAÇÃO DE METRÔ E TREM METROPOLITANO RESULTADOS DA PESQUISA DE MOBILIDADE 2012 EVOLUÇÃO DAS VIAGENS COM UTILIZAÇÃO DE METRÔ E TREM METROPOLITANO RESULTADOS DA PESQUISA DE MOBILIDADE 2012 Maria Cecilia Masagão Andreoli de Oliveira 20ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA CATEGORIA

Leia mais

Figura 2.1: Espaço viário ocupado por pessoas em ônibus, automóvel e motocicleta. Fonte: Vasconcellos (2008), adaptado.

Figura 2.1: Espaço viário ocupado por pessoas em ônibus, automóvel e motocicleta. Fonte: Vasconcellos (2008), adaptado. Vantagens diretas para a sociedade 2.1.1 Economia de espaço viário O uso de qualquer veículo de transporte coletivo traz vantagens na ocupação do espaço viário disponível, em relação aos automóveis e às

Leia mais

Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro

Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro 2012-2024 Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro 2012-2024 Sumário: I. Modelo de Projeção II. Principais Premissas da Matriz Energética III.

Leia mais

Transporte Coletivo: Chegando mais rápido ao futuro. Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo

Transporte Coletivo: Chegando mais rápido ao futuro. Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo As Cidades mudaram População mudou A Economia mudou Os Meios de Transportes mudaram E nós? Ainda pensamos igual ao passado? Em TRANSPORTE COLETIVO chega-se ao

Leia mais

LINHA ª Semana de Tecnologia Metroferroviária. Paulo de Magalhães Bento Gonçalves Diretor Presidente

LINHA ª Semana de Tecnologia Metroferroviária. Paulo de Magalhães Bento Gonçalves Diretor Presidente LINHA 13 Paulo de Magalhães Bento Gonçalves Diretor Presidente PAINEL 03 Crescimento e melhoria da rede metroferroviária no Brasil 22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária 2 Visão Geral 2,9 milhões pass./dia

Leia mais

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2013

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2013 Sistema de Informações da Mobilidade Urbana Relatório Geral 2013 Junho/2015 Relatório Geral 2013 1 Sumário executivo... 3 2 Mobilidade... 26 2.1 Valores para Brasil (municípios acima de 60 mil habitantes)...

Leia mais

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2014

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2014 Sistema de Informações da Mobilidade Urbana Relatório Geral 2014 Julho/2016 Relatório Geral 2014 1 Sumário executivo... 3 2 Mobilidade... 26 2.1 Valores para Brasil (municípios acima de 60 mil habitantes)...

Leia mais

O Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores

O Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores O Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores CETESB Divisão de Transporte Sustentável e Emissões Veiculares Vanderlei Borsari AEAMESP Associação dos Engenheiros e Arquitetos do Metrô 16ª Semana

Leia mais

VOCÊ SABE QUAIS SÃO AS MAIORES FONTES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO?

VOCÊ SABE QUAIS SÃO AS MAIORES FONTES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO? MEIO AMBIENTE MUDANÇA CLIMÁTICA VOCÊ SABE QUAIS SÃO AS MAIORES FONTES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO? Comparação das Emissões Totais e por Habitante de São Paulo, em GWP (t CO2 eq)

Leia mais

Departamento de Alterações Climáticas (DCLIMA)

Departamento de Alterações Climáticas (DCLIMA) Index (1990=100) Departamento de Alterações Climáticas (DCLIMA) Inventário Nacional de Emissões Atmosféricas (NIR 2014 emissões 2012) Memorando sobre emissões de CO2e elaborado com base na submissão oficial

Leia mais

Sistema de Estimativa de Emissão de Gases de Efeito Estuda

Sistema de Estimativa de Emissão de Gases de Efeito Estuda Sistema de Estimativa de Emissão de Gases de Efeito Estuda SEEG >> QUEM FAZ O SEEG 2 SEEG é promovido pelo Observatório do Clima (OC) Quatro instituições selecionadas pelo OC coordenaram o processo técnico

Leia mais

A EVOLUÇÃO DAS EMISSÕES VEICULARES NO ESTADO DE SÃO PAULO: UMA NOVA ABORDAGEM NO PERÍODO DE 2009 A 2012

A EVOLUÇÃO DAS EMISSÕES VEICULARES NO ESTADO DE SÃO PAULO: UMA NOVA ABORDAGEM NO PERÍODO DE 2009 A 2012 A EVOLUÇÃO DAS EMISSÕES VEICULARES NO ESTADO DE SÃO PAULO: UMA NOVA ABORDAGEM NO PERÍODO DE 2009 A 2012 Cristiane Dias 1 ;Marcelo Pereira Bales 1 e Silmara Regina da Silva 1 1 CETESB (Companhia Ambiental

Leia mais

Mobilidade e Meio Ambiente. 3ª Reunião do Observatório da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte

Mobilidade e Meio Ambiente. 3ª Reunião do Observatório da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte Mobilidade e Meio Ambiente 3ª Reunião do Observatório da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte DESAFIO FOMENTAR O DEBATE SOBRE A TEMÁTICA MOBILIDADE E MEIO AMBIENTE A PARTIR DE ALGUMAS PERGUNTAS Plano Diretor

Leia mais

Mobilidade Urbana. Aspectos Gerais Infraestrutura PMUS Além de Infraestrutura Novos Caminhos

Mobilidade Urbana. Aspectos Gerais Infraestrutura PMUS Além de Infraestrutura Novos Caminhos Mobilidade Urbana Mobilidade Urbana Aspectos Gerais Infraestrutura PMUS Além de Infraestrutura Novos Caminhos Aspectos Gerais LEI Nº 12.587, DE 3 DE JANEIRO DE 2012, Política Nacional de Mobilidade Urbana

Leia mais

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE POLÍTICA PARA OS COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Segundo Diálogo Nacional Rio de Janeiro (21/11/2014) CINDES Professor Adilson de Oliveira adilson@ie.ufrj.br ROTEIRO Novo contexto

Leia mais

Bicicleta, Ciclista e a Infraestrutura Cicloviária Município de São Paulo

Bicicleta, Ciclista e a Infraestrutura Cicloviária Município de São Paulo Bicicleta, Ciclista e a Infraestrutura Cicloviária Município de São Paulo Características das Viagens de Bicicleta no Município de São Paulo Sou + De Bicicleta Viagens por Modo de Transporte Fonte: Pesquisa

Leia mais

X Seminário Nacional Metroferroviário Projetos em implantação

X Seminário Nacional Metroferroviário Projetos em implantação X Seminário Nacional Metroferroviário Projetos em implantação Jurandir Fernandes Secretário dos Transportes Metropolitanos Estado de São Paulo ANTP Rio de Janeiro, 12/03/2014 Rede metropolitana em andamento

Leia mais

A importância da eficiência energética para redução de consumo de combustíveis e emissões no transporte de cargas e passageiros

A importância da eficiência energética para redução de consumo de combustíveis e emissões no transporte de cargas e passageiros A importância da eficiência energética para redução de consumo de combustíveis e emissões no transporte de cargas e passageiros Brasíli, 05 de junho de 2013 1 Consumo Final Energético por Queima de Combustíveis

Leia mais

ATUALIDADE S. Prof. Roberto. Um desafio ATUAL.

ATUALIDADE S. Prof. Roberto. Um desafio ATUAL. ATUALIDADE S Prof. Roberto Um desafio ATUAL. MOBILIDADE URBANA Todas as atividades dependem de um bom deslocamento na cidade! Ir a escola; Ir ao Trabalho; Frequentar uma academia; Usar um posto de saúde;

Leia mais

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Fontes Renováveis na Matriz Energética Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Rio de Janeiro, RJ 29 Abril 2014 Seminário Inserção

Leia mais

1

1 www.supervia.com.br 1 Trens Urbanos no Rio de Janeiro Histórico Antes da concessão, sob condições de transporte inadequadas, o número de passageiros caiu consistentemente Média de passageiros dias úteis

Leia mais

GUIA PARA INVENTÁRIO DE GASES DE EFEITO ESTUFA EM SERVIÇOS DE SAÚDE

GUIA PARA INVENTÁRIO DE GASES DE EFEITO ESTUFA EM SERVIÇOS DE SAÚDE GUIA PARA INVENTÁRIO DE GASES DE EFEITO ESTUFA EM SERVIÇOS DE SAÚDE Diego Pereira Ramos Projeto Hospitais Saudáveis diego.ramos@hospitaissaudaveis.org SHS 2015 SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS São Paulo,

Leia mais

PCM Programa de Corredores Metropolitanos

PCM Programa de Corredores Metropolitanos PCM Programa de Corredores Metropolitanos 18ª Semana de Tecnologia Metroferroviária AEAMESP Ivan Carlos Regina Set/2012 Redes PCM de alta PROGRAMA e média capacidade DE CORREDORES METROPOLITANOS EMTU-PCM

Leia mais

Mais Demanda por Recursos com os Mesmos Recursos: o Aumento da Frota de Veículos em São Paulo

Mais Demanda por Recursos com os Mesmos Recursos: o Aumento da Frota de Veículos em São Paulo Mais Demanda por Recursos com os Mesmos Recursos: o Aumento da Frota de Veículos em São Paulo Mário de Souza Nogueira Neto Centro Universitário FEI São Bernardo do Campo, Amanda Carvalho S. Nogueira -

Leia mais

Projetos de Expansão e Modernização da CPTM

Projetos de Expansão e Modernização da CPTM Projetos de Expansão e Modernização da CPTM Jun/2012 Silvestre Eduardo Rocha Ribeiro Diretor de Planejamento e Projetos Jundiaí Várzea Paulista Campo Limpo Paulista Francisco Morato Franco da Rocha Caieiras

Leia mais

INTEGRADO METROPOLITANO DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA

INTEGRADO METROPOLITANO DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA VLT DA BAIXADA SANTISTA Ministério das Cidades SETEMBRO DE 2013 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL EMTU EMTU ÁREA DE ATUAÇÃO: ESTADO DE SÃO PAULO REGIÕES METROPOLIPANAS A EMTU é Responsável pelo gerenciamento do

Leia mais

MOBILIDADE URBANA. Miriam Belchior Ministra de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão

MOBILIDADE URBANA. Miriam Belchior Ministra de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão MOBILIDADE URBANA Miriam Belchior Ministra de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão MOBILIDADE URBANA RECURSO DISPONÍVEL 143 bilhões ANTES DO PACTO R$ 93 bilhões 62% das obras concluídas ou em execução

Leia mais

PAINEL 1 GERENCIAMENTO DA DEMANDA NO TRANSPORTE. Jilmar Tatto. Secretário municipal de transportes

PAINEL 1 GERENCIAMENTO DA DEMANDA NO TRANSPORTE. Jilmar Tatto. Secretário municipal de transportes PAINEL 1 GERENCIAMENTO DA DEMANDA NO TRANSPORTE Jilmar Tatto Secretário municipal de transportes GERENCIAMENTO DA DEMANDA DIRETRIZES DA POLÍTICA DE MOBILIDADE URBANA E TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO SÃO PAULO

Leia mais

SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE

SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE Inicialmente, o que é BRT? O BRT (Bus Rapid Transit), ou Transporte Rápido por Ônibus, é um sistema de transporte coletivo de passageiros

Leia mais

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte I Seminário Nacional de Política Urbana e Ambiental Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil Brasília abril 2016 Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte Tiago Esteves Gonçalves da Costa ESTRUTURA

Leia mais

Influência da poluição e temperatura nas doenças do trato respiratório. Elisabete Caria Moraes Bruno Silva Oliveira Suely Franco Siqueira Lima

Influência da poluição e temperatura nas doenças do trato respiratório. Elisabete Caria Moraes Bruno Silva Oliveira Suely Franco Siqueira Lima Influência da poluição e temperatura nas doenças do trato respiratório Elisabete Caria Moraes Bruno Silva Oliveira Suely Franco Siqueira Lima São Paulo, SP Rio de Janeiro, PR Curitiba, PR Introdução O

Leia mais

MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA

MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA São Paulo, 05/09/2012 Ministério de Minas e Energia ABINEE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA ELÉTRICA E ELETRÔNICA ABINEE TEC 2012 TALK SHOW MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA Altino Ventura Filho Secretário

Leia mais

EMPREENDIMENTO DO VLT

EMPREENDIMENTO DO VLT SIM da RMBS Sistema Integrado Metropolitano Voltado à prestação do serviço de transporte público coletivo na Região Metropolitana da Baixada Santista RMBS Comitê técnico II - Desenvolvimento Socioeconômico,

Leia mais

Demanda por Investimentos em Mobilidade Urbana Brasil/ ª Semana de Tecnologia Metroferroviária - AEAMESP setembro/2015

Demanda por Investimentos em Mobilidade Urbana Brasil/ ª Semana de Tecnologia Metroferroviária - AEAMESP setembro/2015 Demanda por Investimentos em Mobilidade Urbana Brasil/2014 21ª Semana de Tecnologia Metroferroviária - AEAMESP setembro/2015 AS PERGUNTAS Qual é o DÉFICIT de Infraestrutura de Mobilidade Urbana do BRASIL?

Leia mais

Infraestrutura Econômica e Desenvolvimento: Transportes, Energia e TICs

Infraestrutura Econômica e Desenvolvimento: Transportes, Energia e TICs Infraestrutura Econômica e Desenvolvimento: Transportes, Energia e TICs Fabiano Mezadre Pompermayer Diretoria de Estudos e Políticas Setoriais, Inovação, Produção e Infraestrutura IPEA Instituto de Pesquisa

Leia mais

TRANSPORTE SUSTENTÁVEL É possível?

TRANSPORTE SUSTENTÁVEL É possível? TRANSPORTE SUSTENTÁVEL É possível? Volf Steinbaum Não teria qualquer sentido a preservação ambiental independente da preservação da vida humana, porque não é admissível que a sociedade humana pretenda

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS

POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS Marcelo Khaled Poppe, Secretário de Desenvolvimento Energético MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA BRASIL- MATRIZ ENERGÉTICA Petróleo 47,1% Nuclear 1,2%

Leia mais

Repense Mobilidade. Seminário Rio Metropolitano: Desafios Compartilhados, O Futuro da Mobilidade na Metrópole

Repense Mobilidade. Seminário Rio Metropolitano: Desafios Compartilhados, O Futuro da Mobilidade na Metrópole Repense Mobilidade Seminário Rio Metropolitano: Desafios Compartilhados, O Futuro da Mobilidade na Metrópole Willian Alberto de Aquino Pereira Sinergia Estudos e Projetos Ltda. http://www.sinergiaestudos.com.br

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FABRICANTES DE LÃS ISOLANTES MINERAIS // ABRALISO

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FABRICANTES DE LÃS ISOLANTES MINERAIS // ABRALISO ABRALISO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FABRICANTES DE LÃS ISOLANTES MINERAIS Estudo sobre o potencial de conservação de energia e redução das emissões de CO 2 em instalações industriais Emissões totais de

Leia mais

Características do tráfego

Características do tráfego Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de 2.013 Aula 3 Características do tráfego Leitura do texto Cidades abarrotadas de veículos e congestionamentos

Leia mais

Custos dos Deslocamentos (Custos para usar ônibus, moto e automóvel)

Custos dos Deslocamentos (Custos para usar ônibus, moto e automóvel) Custos dos Deslocamentos (Custos para usar ônibus, moto e automóvel) Dados de março de 2010 Sumário 1 Avaliação Geral...3 1.1 Consumo de espaço, tempo e energia por auto, ônibus e moto...3 1.2 Custos para

Leia mais

BENEFÍCIOS AMBIENTAIS DA PRODUÇÃO E DO USO DO BIODIESEL

BENEFÍCIOS AMBIENTAIS DA PRODUÇÃO E DO USO DO BIODIESEL BENEFÍCIOS AMBIENTAIS DA PRODUÇÃO E DO USO DO BIODIESEL Leonardo Botelho Zilio CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA 87ª Reunião do COEMA NACIONAL Brasília, 26 de março de 2014 Presidente da Câmara Setorial

Leia mais

SECRETARIA DE ENERGIA Subsecretaria de Petróleo e Gás. Série Informações Energéticas, 004. Resumo Executivo. Petróleo e Gás

SECRETARIA DE ENERGIA Subsecretaria de Petróleo e Gás. Série Informações Energéticas, 004. Resumo Executivo. Petróleo e Gás 2º trimestre/2013 R SECRETARIA DE ENERGIA Subsecretaria de Petróleo e Gás Série Informações Energéticas, 004 Resumo Executivo Petróleo e Gás Resumo Executivo São Paulo V.02 02/2013 agosto / 2013 Resumo

Leia mais

Meio Ambiente e Geoprocessamento SUMÁRIO EXECUTIVO

Meio Ambiente e Geoprocessamento SUMÁRIO EXECUTIVO Meio Ambiente e Geoprocessamento Estudo sócio, econômico e ambiental dos municípios de Cabo Verde/MG e Divisa Nova/MG para avaliação de eventual pavimentação viária SUMÁRIO EXECUTIVO Cabo Verde, 19 de

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2009 RL Sistemas de Higiene Ltda Nome fantasia: RL Sistemas de Higiene Ltda - CNPJ: 48.241.905/0001-80 Tipo da empresa:

Leia mais

15º. Encontro da Empresas de Fretamento e Turismo Eduardo A. Vasconcellos. Transporte por fretamento e mobilidade

15º. Encontro da Empresas de Fretamento e Turismo Eduardo A. Vasconcellos. Transporte por fretamento e mobilidade O fretamento hoje nas grandes cidades Participação do fretamento nas viagens, cidades selecionadas do Brasil 25,0 Participação do fretamento nas viagens 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 1,0 2,3 0,2 0,5 5,8 2,2 2,0

Leia mais

Introdução ao Mundo Cicloviário. Parte II Dados e Infra-estrutura. São Paulo, Novembro de 2008.

Introdução ao Mundo Cicloviário. Parte II Dados e Infra-estrutura. São Paulo, Novembro de 2008. Introdução ao Mundo Cicloviário. Parte II Dados e Infra-estrutura. São Paulo, Novembro de 2008. A Bicicleta hoje no Mundo: Europa África Ásia Américas PRODUÇÃO MUNDIAL DE BICICLETAS (em milhões de unidades

Leia mais

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de Aula 3. Características do tráfego

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de Aula 3. Características do tráfego Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de 2016 Aula 3 Características do tráfego Recomendações de leitura: - Texto VII: Cidades abarrotadas de

Leia mais

PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS

PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS Potencial Agrícola e de Mercado no Brasil para Biocombustíveis e Biodiesel Centro de Tecnologia Mineral - CETEM Cia. Nacional de Abastecimento - Conab ÂNGELO BRESSAN

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2010 RL Sistemas de Higiene Ltda Nome fantasia: RL Sistemas de Higiene Ltda - CNPJ: 48.241.905/0001-80 Tipo da empresa:

Leia mais

Projeto BRT. Projeto BRT Porto Alegre. Rede Atual de Transporte Coletivo Desenho Conceitual do BRT. ao Transmilenio. Abril

Projeto BRT. Projeto BRT Porto Alegre. Rede Atual de Transporte Coletivo Desenho Conceitual do BRT. ao Transmilenio. Abril Projeto BRT Porto Alegre Rede Atual de Transporte Coletivo Desenho Conceitual do BRT Projeto BRT Visita Técnica T ao Transmilenio Abril - 2010 Rede Atual de Transporte Coletivo Trem Metropolitano: (Dados

Leia mais

Indústria Automobilística Brasileira

Indústria Automobilística Brasileira Indústria Automobilística Brasileira Realidade 2010 Encontro Prof. Manoel A. S. Reis, PhD Os Novos Desafios da Logística O Exemplo da Indústria Automobilística São Paulo 20 de outubro de 2010 Indústria

Leia mais

Melhoria da Mobilidade em Belo Horizonte. Projetos para a Copa 2014

Melhoria da Mobilidade em Belo Horizonte. Projetos para a Copa 2014 Melhoria da Mobilidade em Belo Horizonte Projetos para a Copa 2014 Indicadores da Mobilidade Urbana em BH Distribuição espacial da demanda de transporte Sistema Ônibus no Hipercentro % das linhas Ônibus/dia

Leia mais

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA: PLANOS DE MOBILIDADE URBANA RENATO BOARETO Brasília, 28 de novembro de 2012 Organização Não Governamental fundada em 2006 com a missão de apoiar a

Leia mais

ENERGIA movimentando a vida

ENERGIA movimentando a vida ENERGIA movimentando a vida Renováveis: é a energia que vem de recursos naturais como sol, vento, chuva e biomassa. Não-renováveis: é a energia que vem de recursos naturais, que, quando utilizados não

Leia mais

DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE

DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE Diagnóstico Perturbações na fluidez Grandes dimensões Manobras lentas Raio de giro restrito Remoção difícil em caso de

Leia mais

MARCELO DOS SANTOS CREMER

MARCELO DOS SANTOS CREMER MARCELO DOS SANTOS CREMER Estimativas de consumo de energia e emissões de gases de efeito estufa pelo uso de combustíveis no transporte rodoviário brasileiro: análise poço-roda São Paulo 2014 MARCELO DOS

Leia mais

Biodiesel: produção e benefícios

Biodiesel: produção e benefícios Audiência Pública da Comissão Especial sobre Motores a Diesel para Veículos Leves Biodiesel: produção e benefícios Daniel Furlan Amaral Gerente de Economia Câmara dos Deputados Brasília DF 2 de março 2016

Leia mais

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura Rio de Janeiro, 04/julho/2013 Ministério de Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura III Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira

Leia mais

EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Tendências da Produção de Etanol Plano Decenal de Energia

EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Tendências da Produção de Etanol Plano Decenal de Energia EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA Tendências da Produção de Etanol Plano Decenal de Energia 2010-2019 III Workshop INFOSUCRO INSTITUTO DE ECONOMIA UFRJ 26 de novembro de 2010 Lei 10.847 de 15 de março de

Leia mais

MOBILIDADE REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO

MOBILIDADE REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO MOBILIDADE REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO METRÔ LINHA 4 BARRA DA TIJUCA-IPANEMA A Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro é a maior obra de infraestrutura urbana em execução na América Latina. METRÔ

Leia mais

SITUAÇÃO DA MOBILIDADE URBANA DO PAÍS: COMO EVOLUIR?

SITUAÇÃO DA MOBILIDADE URBANA DO PAÍS: COMO EVOLUIR? SITUAÇÃO DA MOBILIDADE URBANA DO PAÍS: COMO EVOLUIR? Mobilidade Urbana Tema que afeta toda população e reduz a qualidade de vida nas cidades Frota de veículos nas metrópoles teve crescimento médio de 77%

Leia mais

Veículos e cidadãos. Item Crescimento. Frota Total % Automóveis %

Veículos e cidadãos. Item Crescimento. Frota Total % Automóveis % Dia Mundial Sem Carro Dados e Indicadores Veículos e cidadãos Item 2002 2006 Crescimento Frota Total 4.213.988 5.037.418 19.54% Automóveis 3.258.262 3.791.607 16.37% Ônibus 28.623 35.382 23.61% Caminhões

Leia mais

Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília.

Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília. Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília Mobilidade Urbana Renato Boareto 1 Organização Não Governamental fundada em 2006

Leia mais

Bases Conceituais da Energia Q1/2017. Professor: Sergio Brochsztain. (sites.google.com/site/sergiodisciplinasufabc)

Bases Conceituais da Energia Q1/2017. Professor: Sergio Brochsztain. (sites.google.com/site/sergiodisciplinasufabc) Bases Conceituais da Energia Q1/2017 Professor: Sergio Brochsztain (sites.google.com/site/sergiodisciplinasufabc) capacidade que um corpo, uma substância ou um sistema físico têm de realizar trabalho Energia

Leia mais

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2011

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2011 Sistema de Informações da Mobilidade Urbana Relatório Geral 2011 Dezembro/2012 Relatório Geral 2011 1 Sumário executivo... 3 2 Mobilidade... 28 2.1 Valores para Brasil (municípios acima de 60 mil habitantes)...

Leia mais

ENCONTRO COM O METRÔ. Obras em andamento, Concessões e PPP. Paulo Menezes Figueiredo Diretor Presidente do Metrô São Paulo 26/07/2016

ENCONTRO COM O METRÔ. Obras em andamento, Concessões e PPP. Paulo Menezes Figueiredo Diretor Presidente do Metrô São Paulo 26/07/2016 ENCONTRO COM O METRÔ Obras em andamento, Concessões e PPP Paulo Menezes Figueiredo Diretor Presidente do Metrô São Paulo 26/07/2016 Antecedentes do Serviço Metroferroviário na RMSP Anterior à Constituição

Leia mais

Monot o r t iliho Um U a m a I no n v o a v ç a ã ç o ã e m e mtr T a r n a s n porte

Monot o r t iliho Um U a m a I no n v o a v ç a ã ç o ã e m e mtr T a r n a s n porte Monotrilho Uma Inovação em Transporte Estudos recentes apontam para o desperdício de 43% 43% do combustível em Automóveis devido a dificuldade no transito. (Sant Ana,2005). Com mais de 50% da população

Leia mais

BALANÇO DO SETOR METROFERROVIÁRIO. superintendente da anptrilhos

BALANÇO DO SETOR METROFERROVIÁRIO. superintendente da anptrilhos BALANÇO DO SETOR METROFERROVIÁRIO 2 0 1 4 / 2 0 1 5 Roberta marchesi superintendente da anptrilhos 2 Quem Somos ANPTrilhos é uma Associação Civil, sem fins lucrativos, de âmbito nacional, com sede em Brasília/DF

Leia mais

SEPLAN TRANSPORTE COMO CHAVE PARA O SUCESSO DA COPA DE 2014 SEPLAN SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

SEPLAN TRANSPORTE COMO CHAVE PARA O SUCESSO DA COPA DE 2014 SEPLAN SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SEPLAN TRANSPORTE COMO CHAVE PARA O SUCESSO DA COPA DE 2014 AGENDA ESTRATÉGIA PERSPECTIVAS ECONÔMICAS MATRIZ DE RESPONSABILIDADES MONOTRILHO CONSIDERAÇÕES FINAIS ESTRATÉGIA Concepção Planejamento Execução

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. O Brasil vai continuar crescendo

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. O Brasil vai continuar crescendo MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana O Brasil vai continuar crescendo O Brasil vai continuar crescendo PAVIMENTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DE VIAS URBANAS MINISTÉRIO

Leia mais

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos BALANÇO DO SETOR METROFERROVIÁRIO DE PASSAGEIROS 2013/2014 Joubert Flores Presidente da ANPTrilhos Apoio: Quem Somos ANPTrilhos

Leia mais

EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S.A. Obra de Expansão da Linha 1. São Leopoldo / Novo Hamburgo

EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S.A. Obra de Expansão da Linha 1. São Leopoldo / Novo Hamburgo EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S.A. Obra de Expansão da Linha 1 São Leopoldo / Novo Hamburgo ESCRITÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Coordenação de Planejamento Coordenação de Medições, Controle Financeiro

Leia mais

8º SETREL - Seminário Nacional de Transportes das Empresas do Setor Elétrico

8º SETREL - Seminário Nacional de Transportes das Empresas do Setor Elétrico 8º SETREL - Seminário Nacional de Transportes das Empresas do Setor Elétrico Visão Geral do Programa Veículo Elétrico 15 de Junho de 2015 Eng. MARCIO MASSAKITI KUBO Coordenador de P&D - Programa VE Assessoria

Leia mais

Introdução ao Mundo Cicloviário. Brasília, Novembro de 2008.

Introdução ao Mundo Cicloviário. Brasília, Novembro de 2008. Introdução ao Mundo Cicloviário. Parte II Dados e Infra-estrutura. t Brasília, Novembro de 2008. A Bicicleta hoje no Mundo: Europa Ásia África Américas PRODUÇÃO MUNDIAL DE BICICLETAS 2002 (em milhões de

Leia mais

USO DO SOLO E ADENSAMENTO AO LONGO DOS CORREDORES DE TRANSPORTE DE BELO HORIZONTE

USO DO SOLO E ADENSAMENTO AO LONGO DOS CORREDORES DE TRANSPORTE DE BELO HORIZONTE USO DO SOLO E ADENSAMENTO AO LONGO DOS CORREDORES DE TRANSPORTE DE BELO HORIZONTE Land use and densification along mass transit corridors in Belo Horizonte Daniel Freitas Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

Companhia do Metropolitano do Distrito Federal. Audiência Pública

Companhia do Metropolitano do Distrito Federal. Audiência Pública Companhia do Metropolitano do Distrito Federal Audiência Pública Expansão da Linha I do Metrô-DF (Samambaia, Ceilândia e Asa Norte) e modernização do sistema Objetivo da Audiência Pública Dar início aos

Leia mais

NEGÓCIOS NOS TRILHOS 2010

NEGÓCIOS NOS TRILHOS 2010 COMPANHIA CEARENSE DE TRANSPORTES METROPOLITANOS NEGÓCIOS NOS TRILHOS 2010 O PROJETO METROFOR O PROJETO METROFOR Linha Sul 24,1 km - 3,9 km Subterrâneo - 2,2 km Elevado - 18,0 km Superfície Linha de Carga

Leia mais

Endereço: Rua Maestro Massaino, s/nº - Estância Tangará - Ponto de referência: Estrada de M Boi Mirim - Rua ao lado da Escola Estadual Luiz Magalhães

Endereço: Rua Maestro Massaino, s/nº - Estância Tangará - Ponto de referência: Estrada de M Boi Mirim - Rua ao lado da Escola Estadual Luiz Magalhães IX CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CALENDÁRIO DAS 31 PRÉ-CONFERÊNCIAS DA CIDADE DE SÃO PAULO PRÉ-CONFERÊNCIA - REGIONAL M BOI MIRIM Data: 20.6.2011 Local: Clube da Turma M Boi Mirim Endereço:

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DO AR NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - BRASIL

GESTÃO DA QUALIDADE DO AR NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - BRASIL GESTÃO DA QUALIDADE DO AR NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - BRASIL Alexsander Barros Silveira Engenheiro Civil Especialista em Poluicao Atmosferica e Saude Humana Msc. Engenharia Ambiental Poluição do Ar Coordenador

Leia mais

XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES

XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES Sílvia Velázquez São Paulo, 17 de setembro de 2009. Resíduos Urbanos e Agrícolas Briquetes

Leia mais

Curso de Gestão de Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 18 Transporte Público coletivo como prioridade

Curso de Gestão de Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 18 Transporte Público coletivo como prioridade 1 Curso de Gestão de Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 18 Transporte Público coletivo como prioridade Fernando Soares dos Santos (*) O planejamento das cidades para as próximas décadas passa, necessariamente,

Leia mais

VISÕES DE FUTURO mobilidade urbana na Região Metropolitana do Rio de Janeiro

VISÕES DE FUTURO mobilidade urbana na Região Metropolitana do Rio de Janeiro 13/05/2015 VISÕES DE FUTURO mobilidade urbana na Região Metropolitana do Rio de Janeiro Divisão de Competitividade Industrial e Investimentos Gerência de Competitividade Industrial e Investimentos Diretoria

Leia mais

SuperVia Concessionária de Transporte Ferroviário S.A. SUPERVIA

SuperVia Concessionária de Transporte Ferroviário S.A. SUPERVIA SuperVia Concessionária de Transporte Ferroviário S.A. SUPERVIA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO Maior taxa de urbanização do Brasil (99,3%) Maior índice de concentração populacional do Brasil (1.909,75

Leia mais

Seminário Internacional Frotas e Fretes Verdes

Seminário Internacional Frotas e Fretes Verdes Seminário Internacional Frotas e Fretes Verdes Ações de Itaipu em prol da Mobilidade Elétrica 28 de novembro de 2014 Eng. MARCIO MASSAKITI KUBO, M.Sc. Assessoria de Mobilidade Elétrica Sustentável 1 ITAIPU:

Leia mais