IMPACTO DE CARACTERÍSTICAS SENSORIAIS E NÃO SENSORIAIS NA ESCOLHA E NA ACEITAÇÃO DE IOGURTE SABOR MORANGO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPACTO DE CARACTERÍSTICAS SENSORIAIS E NÃO SENSORIAIS NA ESCOLHA E NA ACEITAÇÃO DE IOGURTE SABOR MORANGO"

Transcrição

1 IMPACTO DE CARACTERÍSTICAS SENSORIAIS E NÃO SENSORIAIS NA ESCOLHA E NA ACEITAÇÃO DE IOGURTE SABOR MORANGO Suzn Mri Dell Luci *, Sr de Souz, Sérgio Henriques Sriv, Rquel Vieir de Crvlho, Joel Cmilo Souz Crneiro Professor() Doutor() d Universidde Federl do Espírito Snto, Centro de Ciêncis Agráris (CCA-UFES), Alegre-ES, *e-mil: Grdund em Engenhri de Alimentos no CCA-UFES RESUMO Dd importânci d ceitção de um limento por prte do consumidor pr o sucesso de qulquer indústri limentíci, o ojetivo deste trlho foi estudr influênci ds crcterístics sensoriis e não sensoriis relcionds o iogurte n su escolh e ceitção sensoril. Os limentos em nálise neste estudo consistirm de dus mrcs de iogurte sor morngo (ns versões trdicionl e light). Form relizds vlições de ceitção sensoril, lém de sessões de grupo de foco com consumidores de iogurte. Oservou-se entre s sessões de grupo de foco que preço, mrc, przo de vlidde e informções nutricionis são ftores importntes no processo de decisão de compr do iogurte. Os resultdos ds sessões de ceitção sensoril ds mostrs de iogurte permitirm concluir que informção fornecid influenciou, em lguns csos, ceitção do limento. A prtir ds vlições conduzids, pôde-se confirmr que s informções contids ns emlgens e s crcterístics sensoriis tum, conjuntmente, como determinntes no processo de escolh e ceitção do produto pelo consumidor. PALAVRAS-CHAVE: nálise sensoril, crcterístics sensoriis, crcterístics não sensoriis, consumidor, iogurte sor morngo IMPACT OF SENSORY AND NON-SENSORY CHARACTERISTICS ON THE CHOICE AND ON THE ACCEPTANCE OF STRAWBERRY FLAVORED YOGURT ABSTRACT Due to importnce of food cceptnce y consumer to the success of food industry, the ojective of this work ws to study the influence of sensory nd nonsensory chrcteristics on yogurt s choice nd cceptility. Two rnds of strwerry flvored yogurt were nlyzed, oth in trditionl nd light versions. Sensory tests nd focus groups were conducted nd the prticipnts were yogurt consumers. Focus group sessions reveled tht consumers purchse decision is influenced y product price, rnd nme, expirtion dte nd nutritionl informtion. Sensory cceptnce tests reveled tht informtion given to consumers influenced yogurt cceptility in some cses. It my e concluded tht oth pckging informtion nd sensory chrcteristics ct s determinnts of consumers choice process nd product cceptnce. ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiâni, vol., n., 00 Pág.

2 KEYWORDS: sensory nlysis, sensory chrcteristics, non-sensory chrcteristics, consumer, strwerry flvored yogurt INTRODUÇÃO O consumidor represent o destino finl de todo e qulquer produto que se desenvolv. Todo empreendimento tem como ojetivo finl ceitção e stisfção de um consumidor. Este fto lev crer que o esforço primordil de um empreendimento deve ser voltdo o estudo e à percepção dos ftores que determinm o comportmento do consumidor em relção um produto (DELLA LUCIA, 00). Um vez que stisfção do consumidor provém de su percepção positiv cerc d qulidde do limento, deve-se ter em mente que o próprio consumidor é quem deve ditr os prâmetros de qulidde desse produto. Em estudos que envolvem nálise sensoril dos limentos, como queles voltdos pr os testes de ceitção, o consumidor é o ojeto fundmentl de medid d qulidde sensoril do produto. De nd vle um limento ter quliddes físico-químics e microiológics desejáveis se o mesmo não grd o consumidor em termos de prênci, rom, sor e textur (que são crcterístics sensoriis). Todvi, est ceitção do produto é mis complex, envolvendo conceitos de diverss áres. Se-se hoje que não pens os triutos sensoriis são responsáveis pel ceitção do limento. O consumidor resgurd-se de outros ftores pr fzer seu julgmento e decidir escolher, consumir e reutilizr o produto. Estes outros ftores são os denomindos ftores ou crcterístics não sensoriis, veiculds n própri emlgem ou rótulo do limento, ou ind relcionds os conceitos do próprio consumidor em relção o produto (DELLA LUCIA, 00). Trlhos nteriores (DI MONACO et l., 00; CAPORALE et l., 00) divulgrm influênci de crcterístics extrínsecs o limento n percepção do seu sor, revelndo como outrs informções, lém ds crcterístics físics e sensoriis do produto, podem modificr escolh e ceitção do consumidor. Ests descoerts indicm que nálise sensoril tem de ser comind com pesquis de mrketing, fim de se desenvolver ordgens integrds cpzes de vlir tnto triutos extrínsecos qunto intrínsecos o produto e s possíveis interções entre eles (ENNEKING et l., 00). Este fto torn-se ind mis importnte qundo se trt de produtos derivdos do leite, denomindos produtos lácteos, consumidos em lrg escl no mercdo rsileiro e, entre os quis, destc-se o iogurte. O iogurte, produto d fermentção do leite viilizd pel cultur inicil mist de Streptococcus slivrius susp. thermophilus e de Lctocillus delruechii susp. ulgricus (TAMINE & DEETH, 0), possui sor delicdo, o qul é conseguido pel ção simiótic desss culturs que, durnte o processo de fermentção, produzem vários compostos responsáveis por sus crcterístics tão peculires (MORAES, 00). O iogurte sor morngo represent 0% 0% do volume de linh do Brsil, sendo s crinçs e os dolescentes responsáveis por 0% do consumo do mesmo (MASSA, 000). Todvi, ind que hj lto consumo de derivdos lácteos pelo mercdo rsileiro, como o iogurte e o queijo, por exemplo, é fto que o rsileiro consome reltivmente pouco destes produtos, qundo comprdo outros povos. E isto não é devido o ixo poder quisitivo ou porque não goste desses derivdos de leite. ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiâni, vol., n., 00 Pág.

3 N miori ds vezes, o ixo consumo está relcionndo à flt de informção ou porque o produto não está em exposto ns gôndols dos supermercdos e, portnto, o consumidor não se sente trído comprá-lo (O QUEIJO, 00). Nturlmente, pr que s indústris consigm trir o mercdo, principlmente em se trtndo de limentos relciondos à preocupção do consumidor com súde, como é o cso d procur por produtos derivdos do leite, els devem procurr entender os desejos e s necessiddes deste consumidor. Pesquiss envolvendo crcterístics sensoriis do iogurte estão registrds n litertur rsileir (DELLA LUCIA et l., 00; REIS, 00). Entretnto, os trlhos que descrevem influênci de crcterístics d emlgem, lém de outrs crcterístics não sensoriis n escolh e n ceitção do produto, são mis escssos. Isto reforç importânci de se estudr escolh e ceitção dos limentos pernte crcterístics sensoriis e não sensoriis, principlmente no que diz respeito produtos de relevânci pr o mercdo ncionl. OBJETIVO O ojetivo do presente trlho foi estudr influênci de crcterístics sensoriis e não sensoriis (ests últims explicitds n emlgem), n escolh e n ceitção de iogurte sor morngo pelo consumidor. De mneir mis especific, os ojetivos deste estudo form: ) estudr ceitção de mostrs de iogurte sor morngo so diferentes spectos: teste de ceitção ceg (teste cego), ceitção d emlgem e teste de ceitção com informção (mostr do produto fornecid juntmente com emlgem, qul provê informções cerc d mrc e de outrs crcterístics não sensoriis relcionds ele); e ) plicr técnic denomind grupo de foco pr investigr titudes, opiniões, conceitos e pensmentos dos consumidores sore s emlgens de iogurte. Além disso, com plicção d técnic, foi possível identificr ftores mis relevntes d emlgem desses produtos qundo do processo de escolh pelo consumidor. METODOLOGIA Análise sensoril Form recrutdos voluntários pr compor equipe sensoril, residentes em Alegre-ES, pr vlição ds mostrs de iogurte sor morngo. O recrutmento foi sedo n frequênci de consumo de iogurte e n disposição dos voluntários de prticipr de tods s sessões de testes sensoriis (DELLA LUCIA, 00). Aos voluntários foi solicitdo que preenchessem um questionário envolvendo pergunts sore ddos demográficos e comportmentis (em relção o consumo de iogurte). Os testes de ceitção form conduzidos no Lortório de Tecnologi de Produtos Agrícols do CCA-UFES, em três sessões.. Amostrs Form nlisds dus mrcs de iogurte sor morngo dquirids no mercdo de Alegre-ES. Um ds mrcs consiste de um produto líder no mercdo ncionl, enqunto outr represent um mrc conhecid no mercdo cpix. As dus eids form utilizds ns versões trdicionl e light ( mrc A light possui um redução de 00% de gordur em relção à mrc A trdicionl, ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiâni, vol., n., 00 Pág.

4 enqunto mrc B light possui um redução de % do vlor clórico em relção à mrc B trdicionl), totlizndo qutro mostrs em nálise.. Testes sensoriis N sessão (teste cego), os julgdores vlirm 0 ml do iogurte, sem qulquer informção sore o produto, ou sej, os consumidores não tiverm informção sore qul procedênci ou vlor nutricionl do produto que foi vlido. N sessão (teste d emlgem), foi relizd ceitção ds emlgens ds mostrs servids n sessão nterior. Esse procedimento permitiu que o consumidor vlisse procedênci e informções nutricionis do iogurte. A vlição ds mostrs servids juntmente com respectiv emlgem foi relizd n sessão (teste com informção), em que foi solicitdo o consumidor que julgsse o produto, tentndo-se pr o fto de que este er proveniente do produto contido nquel emlgem. As mostrs form servids de form letóri e monádic, em cd sessão. Foi utilizd escl hedônic de nove pontos pr su vlição (REIS & MINIM, 00). A ceitção sensoril foi relizd em termos de impressão glol, sor e rom (ns sessões e ) e em termos de impressão glol somente (n sessão ). Pr nálise dos ddos provenientes dos testes com iogurte, form utilizdos os seguintes métodos (DELLA LUCIA, 00): - distriuição de freqüêncis, pr s resposts otids prtir dos questionários envolvendo questões demográfics e comportmentis; - nálise de vriânci (ANOVA) e teste de Tukey, dentro de cd um ds sessões (, e ); e - teste t pr mostrs preds, pr testr diferenç de ceitção entre s sessões e. Sessões de Grupo de Foco Três sessões de grupo de foco com um totl de 0 prticipntes form conduzids em Alegre-ES. Os prticipntes form seleciondos por meio de questionários de recrutmento, sendo seleção feit prtir ds resposts otids pr s questões envolvendo consumo de iogurte. As sessões form relizds de cordo com metodologi descrit em Dell Luci e Minim (00). O moderdor explicou o propósito d sessão e prosseguiu com um roteiro de pergunts sore o háito dos consumidores durnte sus comprs e frente às emlgens de iogurte sor morngo presentds n sessão (A trdicionl e light, B trdicionl e light e um mrc C trdicionl dquirid n região), fim de estimulr interção entre o grupo. Todos os ddos otidos por meio de notções e grvção ds sessões form lidos, estuddos e discutidos, não hvendo nálise esttístic, devido à crcterístic qulittiv do estudo. RESULTADOS E DISCUSSÃO Perfil demográfico e comportmentl dos consumidores O perfil demográfico dos prticipntes está ilustrdo n Figur. Dos prticipntes deste estudo,,0 % são do sexo feminino e,0 % são do sexo msculino. Houve pouc diferenç de número de prticipntes em relção o sexo, o que sugere que tnto homens qunto mulheres precim iogurte sor morngo. Um totl de, % dos voluntários encontrv-se solteiro e, % encontrv-se com idde entre e nos;, % possuím curso superior incompleto. Em relção à rend fmilir mensl,,0 % dos prticipntes firmrm ter rend entre ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiâni, vol., n., 00 Pág.

5 e slários mínimos, seguidos de,0 % que possuím de 0 slários mensis. Os ddos reltivos à idde, gru de instrução e rend sugerem que, pesr de o iogurte sor morngo ser identificdo como de grnde consumo pelo púlico infntil e dolescente (MASSA, 000), consumidores com perfil diferente deste tmém precim esse limento. Frequênci (%) feminino msculino, -, >, solteiro, união estável sexo idde estdo civil, gru completo, sup. Incompleto, pós-grd. Complet,, 0,,,,, gru de instrução rend fmilir Figur Perfil demográfico dos consumidores prticipntes do estudo. N Figur, é presentdo o perfil comportmentl dos prticipntes, conforme otido prtir do questionário preenchido pelos mesmos. Um totl de, % dos prticipntes firmou consumir iogurte dirimente e,0 % o consomem dus vezes por semn. O sor de iogurte preferido é o sor morngo (0, %), confirmndo oservção de MASSA (000), com relção o volume de iogurte deste sor produzido no Brsil. O principl motivo pr o consumo de iogurte por prte dos prticipntes foi o seu sor (, %). Já o principl motivo pr o consumo de produtos light ou diet é preocupção com súde (0,0 %); um totl de, % de prticipntes consome esse tipo de produto dirimente. N hor de dquirir o produto,, % dos voluntários dmitirm preferir emlgem de iogurte tmnho fmíli (00 g). Em termos de rótulos de limentos,, % firmrm ler sempre sus informções, oservndo, principlmente, o przo de vlidde do produto (, %), mrc (,0 %), s informções nutricionis (,0 %) e o preço (, %). 0 ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiâni, vol., n., 00 Pág.

6 dirimente, motivos do consumo de iogurte* sor consumido* consumo de iogurte vez/semn vez/semn em dis vez/mês outro pêssego morngo coco cxi outro preocupção súde limentção nturl gosto do sor háito,,,,,,,,,,, 0, dirimente, consumo de produtos light ou diet vez/semn vez/semn em dis vez/mês outro,,,, motivos do consumo de iogurte light ou diet* preocupção súde limentção nturl gosto do sor háito outro,,,, 0 tipo de emlgem lê os rótulos dos produtos que consome? fmíli individul sempre frequentemente às vezes ocsionlmente,,,, mrc o que oserv nos rótulos?* preço przo de vlidde design cor informções nutricionis informções sore ditivos,,,,, informções sore ingredientes, Frequênci (%) *crcterístic com mis de um descrição por consumidor. Figur Perfil de comportmento dos consumidores prticipntes do estudo. ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiâni, vol., n., 00 Pág.

7 Testes de ceitção As médis de ceitção ds mrcs de iogurte (pr os triutos rom, sor e impressão glol), ns três sessões de nálise, estão representds ns Figurs. Arom (Teste Cego) Médis Hedônics A trdicionl A light B trdicionl B light Mrcs () Médis Hedônics Arom (Teste com Informção),c A trdicionl A light B trdicionl B light Mrcs () Figur. Médis de ceitção pr o triuto rom, pr os qutro iogurtes vlidos ns sessões () e (). Pres de médis com mesm letr não diferem entre si pelo teste de Tukey (p>0,0), em um mesm sessão., c ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiâni, vol., n., 00 Pág.

8 Médis Hedônics Sor (Teste Cego) A trdicionl A light B trdicionl B light Mrcs () Sor (Teste com Informção) Médi Hedônics A trdicionl A light B trdicionl B light Mrcs () Figur. Médis de ceitção pr o triuto sor, pr os qutro iogurtes vlidos ns sessões () e (). Pres de médis com mesm letr não diferem entre si pelo teste de Tukey (p>0,0), em um mesm sessão. Foi oservdo que, ns sessões e, s médis de ceitção dos iogurtes siturm-se entre os termos hedônicos desgostei ligeirmente (not ) e gostei muito (not ), pr os triutos sor e impressão glol. No cso do rom, s médis siturm-se entre indiferente (not ) e gostei muito ns sessões e. Pr o triuto sor, os iogurtes A e B trdicionis otiverm mior ceitção comprd os demis, lém de terem mntido prticmente mesm ceitção ns sessões ceg e com informção. Isto evidenci que vlição de A e B trdicionis pernte sus emlgens confirmou o julgmento do consumidor em relção às crcterístics sensoriis dos produtos. Est situção é, n prátic, idel pr o consumidor, porque s crcterístics intrínsecs os limentos estão, nesses csos, em conformidde com quilo que ele esper oter o oservr s informções presentes ns emlgens dos referidos iogurtes. Isto se revel ind mis importnte no cso de mrcs conhecids no mercdo locl (como B trdicionl), cujo produto está indo de encontro os desejos do consumidor, ind mis em se trtndo de terem otido ceitção stisftóri. ARRUDA et l. (00) oservrm comportmento semelhnte pr testes sensoriis envolvendo eids de cfés orgânico, convencionl e descfeindo. c ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiâni, vol., n., 00 Pág.

9 Pr rom e impressão glol, o iogurte A light ssemelhou-se o B trdicionl n sessão, revelndo umento de su ceitção qundo se otiverm informções sore o produto. Aind pr esses triutos, houve redução d ceitção de B light em relção os demis, o ser fornecid su emlgem n nálise. Impressão Glol (Teste Cego) Médis Hedônics Médis Hedônics A trdicionl A light B trdicionl B light Mrcs () Impressão Glol (Teste d Emlgem) A trdicionl A light B trdicionl B light Mrcs () Impressão Glol (Teste com Informção) Médis Hedônics A trdicionl A light B trdicionl B light Mrcs, c (c) Figur. Médis de ceitção pr o triuto impressão glol, pr os qutro iogurtes vlidos ns sessões (), () e (c). Pres de médis com mesm letr não diferem entre si pelo teste de Tukey (p>0,0), em um mesm sessão. ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiâni, vol., n., 00 Pág.

10 Em relção à sessão (Figur ), s médis de ceitção ds emlgens siturm-se entre os termos gostei ligeirmente (not ) e gostei muito (not ). As médis ds emlgens de A trdicionl e light e B trdicionl não diferirm entre si (p>0,0) e form miores que médi de B light. Os resultdos do teste t pr mostrs preds pr rom, sor e impressão glol ds mostrs de iogurte estão presentdos ns Tels. TABELA Resultdos do teste t pr s mostrs de iogurte: rom Amostrs de Médis de Aceitção pr Arom p-vlor* Iogurte Sessão (Teste cego) Sessão (Teste com informção) A trdicionl,, 0, A light,, 0,0 B trdicionl,, 0, B light,, 0, *p-vlores referentes o teste d hipótese de diferenç médi igul zero. TABELA Resultdos do teste t pr s mostrs de iogurte: sor Médis de Aceitção pr Sor Amostrs de Sessão (Teste Sessão (Teste com p-vlor* Iogurte cego) informção) A trdicionl,, 0, A light,, 0, B trdicionl,0, 0, B light,, 0, *p-vlores referentes o teste d hipótese de diferenç médi igul zero. TABELA Resultdos do teste t pr s mostrs de iogurte: impressão glol Médis de Aceitção pr Impressão Glol Amostrs de Sessão (Teste Sessão (Teste com p-vlor* Iogurte cego) informção) A trdicionl,,,0000 A light,, 0,0 B trdicionl,, 0,0 B light,, 0, *p-vlores referentes o teste d hipótese de diferenç médi igul zero. O teste t pr mostrs preds revelou diferenç significtiv (p<0,0) entre s médis de ceitção d impressão glol somente pr mrc A light ns dus sessões (Tel ). Isto indic que os consumidores umentrm su ceitção qundo form informdos sore qul mrc e qul tipo de iogurte estvm consumindo, o que demonstr influênci positiv dests informções n ceitção do produto. Ns demis situções (triutos rom e sor, Tels e ), não houve diferenç significtiv entre s médis de ceitção (p>0,0), pr tods s mostrs, demonstrndo que o consumidor ceitou, d mesm mneir, os iogurtes vlidos, o se comprr s resposts otids ns sessões ceg e com informção. ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiâni, vol., n., 00 Pág.0

11 Grupos de foco Todos os prticipntes ds sessões de grupo de foco firmrm oservr os rótulos dos produtos que consomem. Dentre s informções mis oservds, temse mrc, preço, vlor nutricionl e przo de vlidde. CARNEIRO (00) e DELLA LUCIA (00 e 00) tmém oservrm o przo de vlidde e o preço como dus crcterístics de grnde importânci pr os consumidores. Com relção à expressão light, foi oservdo que os prticipntes entendem este termo como o produto contém % menos de gordur ou çúcr que o trdicionl. A miori dos consumidores respondeu que pgri mis por um produto light, pois este crcteriz um produto mis sudável. Foi oservdo, durnte s sessões, que os prticipntes preferirm s emlgens d mrc B (trdicionl ou light), um vez que su cor possuí mior relção com o produto em si, o que contrdiz os resultdos dos testes de ceitção (B light oteve menor médi de ceitção no teste d emlgem). Além disso, os prticipntes firmrm gostr d informção rico em vitmins contid ns emlgens d mrc B e, ind, gostrm do fto de o przo de vlidde estr stnte em evidênci, gerndo confinç o consumidor. Entretnto, miori dos consumidores disse não conhecer ess mrc, ms gostrm do seu nome, por remeter um relção diret com eid. A expressão light, em destque, revelou clrmente condição do produto, o que foi visto de mneir positiv, lém do fto de emlgem ser de cor diferente d emlgem do trdicionl, judndo não confundir o consumidor no momento d compr. Com relção às emlgens d mrc A (trdicionl e light), os prticipntes julgrm-ns com cor stnte verde, pesr de considerrem onit e chmtiv (o que vi de encontro às resposts otids no teste d emlgem, ns sessões de ceitção sensoril) e de gostrem do fto de s mesms presentrem o preço sugerido n emlgem. Foi sugerido evidencir melhor o przo de vlidde. Todos os prticipntes firmrm conhecer est mrc e disserm gostr del. A mrc C teve o menor índice de ceitção, por ser um emlgem simples e discret, porém foi levntdo o fto de el ser mis rt e tender à clsse d populção com menor rend. Foi tmém citdo o fto de est ser trnsprente e ssim permitir melhor vlição do seu conteúdo pelo consumidor. CONCLUSÕES Os resultdos ds sessões de ceitção sensoril dos iogurtes permitirm concluir que informção fornecid influenciou negtivmente n ceitção do iogurte B light em termos de rom, sor e impressão glol, o se comprr est mostr com s demis. Os consumidores modificrm su ceitção qundo emlgem foi fornecid no teste, reduzindo- em relção os demis iogurtes vlidos, em um mesm sessão. O fto de o iogurte d mrc A ter sido nlisdo ns versões trdicionl e light preceu não gerr impcto n vlição do consumidor, um vez que prticmente não houve lterção d ceitção desss versões do iogurte ns sessões ceg e com informção. Oservou-se entre s sessões de grupo de foco que o preço, mrc, przo de vlidde e informções nutricionis são ftores importntes no processo de decisão de compr do iogurte. Aind, miori dos prticipntes pgri mis por um iogurte light. A prtir dos testes de ceitção sensoril e sessões de grupo de foco com iogurte sor morngo, pôde-se confirmr que informções ns emlgens podem ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiâni, vol., n., 00 Pág.

12 ser determinntes no processo de escolh e ceitção do produto. Em outrs plvrs, ceitção e escolh de um produto são influencids não somente pels sus crcterístics sensoriis (intrínsecs), ms tmém por sus crcterístics não sensoriis (extrínsecs). A prticidde de se plicr s metodologis utilizds neste estudo demonstr que s mesms podem ser fcilmente empregds por pesquisdores e técnicos que necessitem estudr e conhecer os limentos em trlhos que envolvm ceitção sensoril e o estudo do comportmento do consumidor. AGRADECIMENTOS Ao PIIC-UFES, pel concessão d ols de inicição científic. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARRUDA, A. C.; DELLA LUCIA, S. M.; DIAS, B. R. P.; MINIM, V. P. R. Cfés convencionl, orgânico e descfeindo: impcto d informção n su ceitção. Revist Brsileir de Armzenmento, Especil Cfé, n., p.-, 00. CAPORALE, G.; POLICASTRO, S.; CARLUCCI, A.; MONTELEONE, E. Consumer expecttions for sensory properties in virgin olive oils. Food Qulity nd Preference, v., n.-, p.-, 00. CARNEIRO, J. D. S. Impcto d emlgem de óleo de soj n intenção de compr do consumidor vi conjoint nlysis. 00. p. Dissertção (Mestrdo em Ciênci e Tecnologi de Alimentos) Universidde Federl de Viços, Viços- MG. DELLA LUCIA, S. M. Conjoint nlysis no estudo de mercdo de cfé orgânico. 00. p. Dissertção (Mestrdo em Ciênci e Tecnologi de Alimentos) Universidde Federl de Viços, Viços-MG. DELLA LUCIA, S. M. Métodos esttísticos pr vlição d influênci de crcterístics não sensoriis n ceitção, intenção de compr e escolh do consumidor. 00. p. Tese (Doutordo em Ciênci e Tecnologi de Alimentos) - Universidde Federl de Viços, Viços-MG. DELLA LUCIA, S.M.; ARRUDA, A.C.; DIAS, B.R.P.; MINIM, V.P.R. Expecttiv gerd pel emlgem sore ceitilidde de iogurte sor morngo. Revist do Instituto de Lticínios Cândido Tostes, n.,, rquivo n., 00. CD- ROM. DELLA LUCIA, S.M.; MINIM, V.P.R. Grupo de foco. In: MINIM, V.P.R. (Ed.). Análise sensoril: estudos com consumidores. Viços: Ed. UFV, 00. Cp., p. -0. DI MONACO, R.; CAVELLA, S.; DI MARZO, S.; MASI, P. The effect of expecttions generted y rnd nme on the cceptility of dried semolin pst. Food Qulity nd Preference, v.(), p.-, 00. ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiâni, vol., n., 00 Pág.

13 ENNEKING, U.; NEUMANN, C.; HENNEBERG, S. How importnt intrinsic nd extrinsic product ttriutes ffect purchse decision. Food Qulity nd Preference, v., n., p.-, 00. MASSA, M. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE IOGURTES. Leite e Derivdos, 000. MORAES, P.C.B.T. Avlição de iogurtes líquidos comerciis sor morngo: estudo de consumidor e perfil sensoril. 00. p. Tese (Alimentos e Nutrição), Unicmp, Cmpins-SP. O QUEIJO. Disponível: Acesso: mi/0. REIS, R. C. Iogurte light sor morngo: equivlênci de doçur, crcterizção sensoril e impcto d emlgem n intenção de compr do consumidor. 00. p. Tese (Doutordo em Ciênci e Tecnologi de Alimentos) Universidde Federl de Viços, Viços-MG. REIS, R. C.; MINIM, V. P. R. Teste de ceitção. In: MINIM, V.P.R. (Ed.). Análise sensoril: estudos com consumidores. Viços: Editor. UFV, 00. Cp., p. -. TAMINE, A. Y.; DEETH, H. C. Yogurt: Technology nd iochemistry. Journl of Food Protection, v., n.. p.-, 0. ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiâni, vol., n., 00 Pág.

ESTATÍSTICA APLICADA. 1 Introdução à Estatística. 1.1 Definição

ESTATÍSTICA APLICADA. 1 Introdução à Estatística. 1.1 Definição ESTATÍSTICA APLICADA 1 Introdução à Esttístic 1.1 Definição Esttístic é um áre do conhecimento que trduz ftos prtir de nálise de ddos numéricos. Surgiu d necessidde de mnipulr os ddos coletdos, com o objetivo

Leia mais

3 Teoria dos Conjuntos Fuzzy

3 Teoria dos Conjuntos Fuzzy 0 Teori dos Conjuntos Fuzzy presentm-se qui lguns conceitos d teori de conjuntos fuzzy que serão necessários pr o desenvolvimento e compreensão do modelo proposto (cpítulo 5). teori de conjuntos fuzzy

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

Ciência e Tecnologia de Alimentos ISSN: 0101-2061 revista@sbcta.org.br. Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos.

Ciência e Tecnologia de Alimentos ISSN: 0101-2061 revista@sbcta.org.br. Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos. Ciênci e Tecnologi de Alimentos ISSN: 00-206 revist@sct.org.r Sociedde Brsileir de Ciênci e Tecnologi de Alimentos Brsil Moreir Rieiro, Milene; Dell Luci, Suzn Mri; Buchrles Frnco Bros, Pul; Lopes Glvão,

Leia mais

MEDIDAS BIOMÉTRICAS DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR COM CULTIVOS INTERCALARES, SOB IRRIGAÇÃO NO NORTE DE MINAS GERAIS

MEDIDAS BIOMÉTRICAS DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR COM CULTIVOS INTERCALARES, SOB IRRIGAÇÃO NO NORTE DE MINAS GERAIS MEDIDAS BIOMÉTRICAS DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR COM CULTIVOS INTERCALARES, SOB IRRIGAÇÃO NO NORTE DE MINAS GERAIS Rodrigo Silv Diniz (1), Édio Luiz d Cost (2), Gerldo Antônio Resende Mcêdo (3), Heloís

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES MATRIZES

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES MATRIZES Universidde Federl do Rio Grnde FURG Instituto de Mtemátic, Esttístic e Físic IMEF Editl - CAPES MATRIZES Prof. Antônio Murício Medeiros Alves Profª Denise Mri Vrell Mrtinez Mtemátic Básic pr Ciêncis Sociis

Leia mais

EFEITO DO PROCESSO DE BIDESTILAÇÃO NA QUALIDADE SENSORIAL DA CACHAÇA*

EFEITO DO PROCESSO DE BIDESTILAÇÃO NA QUALIDADE SENSORIAL DA CACHAÇA* Alim. Nutr., Arrqur v.20, n.1, p. 121-127, jn./mr. 2009 EFEITO DO PROCESSO DE BIDESTILAÇÃO NA QUALIDADE SENSORIAL DA CACHAÇA* ISSN 0103-4235 Michelle Boesso ROTA** João Bosco FARIA*** RESUMO: A bidestilção

Leia mais

Equilíbrio do indivíduo-consumidor-trabalhador e oferta de trabalho

Equilíbrio do indivíduo-consumidor-trabalhador e oferta de trabalho Equilíbrio do indivíduo-consumidor-trblhdor e ofert de trblho 6 1 Exercício de plicção: Equilíbrio de um consumidor-trblhdor e nálise de estátic comprd Exercícios pr prátic do leitor Neste cpítulo, presentmos

Leia mais

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes E. E. E. M. ÁREA DE CONHECIMENTO DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROFESSORA ALEXANDRA MARIA º TRIMESTRE/ SÉRIE º ANO NOME: Nº TURMA: Mteril envolvendo estudo de mtrizes e determinntes INSTRUÇÕES:. Este

Leia mais

SOMA E PRODUTO DAS RAÍZES DA EQUAÇÃO QUADRÁTICA: CONHECER PARA APLICAR

SOMA E PRODUTO DAS RAÍZES DA EQUAÇÃO QUADRÁTICA: CONHECER PARA APLICAR SOMA E PRODUTO DAS RAÍZES DA EQUAÇÃO QUADRÁTICA: CONHECER PARA APLICAR Denise Ritter Instituto Federl de Educção, Ciênci e Tecnologi Frroupilh deniseritter7@hotmil.com Alessndr Vrgs Instituto Federl de

Leia mais

Intenção de Consumo Páscoa

Intenção de Consumo Páscoa Intenção de Consumo A Pásco é um fest religios e um período de intensificção do movimento no comércio, principlmente n busc por chocoltes. Tendo em vist este impcto n tividde comercil, áre de Estudos Econômicos

Leia mais

INFLUÊNCIA DA MARCA NA ACEITAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO

INFLUÊNCIA DA MARCA NA ACEITAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO INFLUÊNCIA DA MARCA NA ACEITAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO Mrin Borges de Lim d Silv 1, Jeniffer Rodrigues de Sous 2, An Crolin Bernrdes Borges Silv 2, Jnin de Oliveir Queiroz 2, Jéssic Krine

Leia mais

VICDRYER UM PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE CAFÉ EM ALTAS TEMPERATURAS

VICDRYER UM PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE CAFÉ EM ALTAS TEMPERATURAS VICDRYER UM PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE CAFÉ EM ALTAS TEMPERATURAS CRISTIANO MÁRCIO ALVES DE SOUZA 1 DANIEL MARÇAL DE QUEIROZ 2 DOMINGOS SÁRVIO MAGALHÃES VALENTE 3 RESUMO - Desenvolveu-se

Leia mais

6 Conversão Digital/Analógica

6 Conversão Digital/Analógica 6 Conversão Digitl/Anlógic n Em muits plicções de processmento digitl de sinl (Digitl Signl Processing DSP), é necessário reconstruir o sinl nlógico pós o estágio de processmento digitl. Est tref é relizd

Leia mais

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Integrção Numéric Diogo Pinheiro Fernndes Pedros Universidde Federl do Rio Grnde do Norte Centro de Tecnologi Deprtmento de Engenhri de Computção e Automção http://www.dc.ufrn.br/ 1 Introdução O conceito

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SEMENTES DE MAMONA CLASSIFICADAS EM MESA DENSIMÉTRICA.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SEMENTES DE MAMONA CLASSIFICADAS EM MESA DENSIMÉTRICA. AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SEMENTES DE MAMONA CLASSIFICADAS EM MESA DENSIMÉTRICA. Antônio Lucrécio dos Sntos Neto; Diego Coelho dos Sntos; Felipe de Lim Vilel; Lucin Mgd de Oliveir; Mri Lene Moreir de Crvlho

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Anadia INFORMAÇÃO PROVA FINAL DE CICLO MATEMÁTICA PROVA º CICLO DO ENSINO BÁSICO. 1. Introdução

Agrupamento de Escolas de Anadia INFORMAÇÃO PROVA FINAL DE CICLO MATEMÁTICA PROVA º CICLO DO ENSINO BÁSICO. 1. Introdução Agrupmento de Escols de Andi INFORMAÇÃO PROVA FINAL DE CICLO MATEMÁTICA PROVA 52 2015 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO 1. Introdução O presente documento vis divulgr s crcterístics d prov finl do 2.º ciclo do

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 CAPES. FUNÇÕES Parte B

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 CAPES. FUNÇÕES Parte B Universidde Federl do Rio Grnde FURG Instituto de Mtemátic, Esttístic e Físic IMEF Editl 5 CPES FUNÇÕES Prte B Prof. ntônio Murício Medeiros lves Profª Denise Mri Vrell Mrtinez UNIDDE FUNÇÕES PRTE B. FUNÇÂO

Leia mais

b para que a igualdade ( ) 2

b para que a igualdade ( ) 2 DATA DE ENTREGA: 0 / 06 / 06 QiD 3 8º ANO PARTE MATEMÁTICA. (,0) Identifique o monômio que se deve multiplicr o monômio 9 5 8 b c. 5 b pr obter o resultdo. (,0) Simplifique s expressões bixo. ) x + x(3x

Leia mais

Intenção de Consumo. Dia dos Namorados

Intenção de Consumo. Dia dos Namorados Intenção de Consumo O Di dos Nmordos é um dt fundmentl no clendário do vrejo. Comemord no di 12 de junho, destc-se por movimentr s vends de rtigos feminino e msculino. A ocsião é considerd terceir melhor

Leia mais

LIXO NA PRAIA DE ITAPUÃ (SALVADOR-BAHIA): ESTUDO COMPARATIVO ENTRE FINAIS DE SEMANA E DIAS ÚTEIS

LIXO NA PRAIA DE ITAPUÃ (SALVADOR-BAHIA): ESTUDO COMPARATIVO ENTRE FINAIS DE SEMANA E DIAS ÚTEIS LIXO NA PRAIA DE ITAPUÃ (SALVADOR-BAHIA): ESTUDO COMPARATIVO ENTRE FINAIS DE SEMANA E DIAS ÚTEIS Wlter Rmos Pinto Cerqueir Universidde Estdul de Feir de Sntn, Deprtmento de Ciênis Biológis, Museu de Zoologi,

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 27 de setemro 01 de outuro de 2010 PRODUÇÃO DE MATÉRIA SECA E ACUMULO DE NUTRIENTES EM MUDAS DE PEREIRA ALINE DAS GRAÇAS SOUZA 1, NILTON NAGIB JORGE CHALFUN 2, ADEMÁRIA APARECIDA DE SOUZA 3, VALDEMAR FAQUIN

Leia mais

Eletrotécnica TEXTO Nº 7

Eletrotécnica TEXTO Nº 7 Eletrotécnic TEXTO Nº 7 CIRCUITOS TRIFÁSICOS. CIRCUITOS TRIFÁSICOS EQUILIBRADOS E SIMÉTRICOS.. Introdução A quse totlidde d energi elétric no mundo é gerd e trnsmitid por meio de sistems elétricos trifásicos

Leia mais

Quantidade de oxigênio no sistema

Quantidade de oxigênio no sistema EEIMVR-UFF Refino dos Aços I 1ª Verificção Junho 29 1. 1 kg de ferro puro são colocdos em um forno, mntido 16 o C. A entrd de oxigênio no sistem é controld e relizd lentmente, de modo ir umentndo pressão

Leia mais

Potencial Elétrico. Evandro Bastos dos Santos. 14 de Março de 2017

Potencial Elétrico. Evandro Bastos dos Santos. 14 de Março de 2017 Potencil Elétrico Evndro Bstos dos Sntos 14 de Mrço de 2017 1 Energi Potencil Elétric Vmos começr fzendo um nlogi mecânic. Pr um corpo cindo em um cmpo grvitcionl g, prtir de um ltur h i té um ltur h f,

Leia mais

Lista de Problemas H2-2002/2. LISTA DE PROBLEMAS Leia atentamente as instruções relativas aos métodos a serem empregados para solucionar os problemas.

Lista de Problemas H2-2002/2. LISTA DE PROBLEMAS Leia atentamente as instruções relativas aos métodos a serem empregados para solucionar os problemas. List de Prolems H 0/ List sugerid de prolems do livro texto (Nilsson& Riedel, quint edição) 4.8, 4.9, 4., 4.1, 4.18, 4., 4.1, 4., 4.3, 4.3, 4.36, 4.38, 4.39, 4.40, 4.41, 4.4, 4.43, 4.44, 4.4, 4.6, 4.,

Leia mais

Praticidade que atrapalha

Praticidade que atrapalha Prticidde que trplh Estmos no início do período reprodutivo d soj e o momento pr plicções de fungicids contr ferrugem siátic se proxim. N busc por um mior prticidde no cmpo, um prátic que tem se torndo

Leia mais

Circuitos simples em corrente contínua resistores

Circuitos simples em corrente contínua resistores Circuitos simples em corrente contínu resistores - Conceitos relciondos esistênci elétric, corrente elétric, tensão elétric, tolerânci, ssocição em série e prlelo, desvio, propgção de erro. Ojetivos Fmilirizr-se

Leia mais

Modelagem Matemática de Sistemas Eletromecânicos

Modelagem Matemática de Sistemas Eletromecânicos 1 9 Modelgem Mtemátic de Sistems Eletromecânicos 1 INTRODUÇÃO Veremos, seguir, modelgem mtemátic de sistems eletromecânicos, ou sej, sistems que trtm d conversão de energi eletromgnétic em energi mecânic

Leia mais

Incertezas e Propagação de Incertezas. Biologia Marinha

Incertezas e Propagação de Incertezas. Biologia Marinha Incertezs e Propgção de Incertezs Cursos: Disciplin: Docente: Biologi Biologi Mrinh Físic Crl Silv Nos cálculos deve: Ser coerente ns uniddes (converter tudo pr S.I. e tender às potêncis de 10). Fzer um

Leia mais

Funções do 1 o Grau. Exemplos

Funções do 1 o Grau. Exemplos UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA Funções do o Gru. Função

Leia mais

16.4. Cálculo Vetorial. Teorema de Green

16.4. Cálculo Vetorial. Teorema de Green ÁLULO VETORIAL álculo Vetoril pítulo 6 6.4 Teorem de Green Nest seção, prenderemos sore: O Teorem de Green pr váris regiões e su plicção no cálculo de integris de linh. INTROUÇÃO O Teorem de Green fornece

Leia mais

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc.

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc. Aul Métodos Esttísticos sticos de Apoio à Decisão Aul Mônic Brros, D.Sc. Vriáveis Aletóris Contínus e Discrets Função de Probbilidde Função Densidde Função de Distribuição Momentos de um vriável letóri

Leia mais

Capítulo III INTEGRAIS DE LINHA

Capítulo III INTEGRAIS DE LINHA pítulo III INTEGRIS DE LINH pítulo III Integris de Linh pítulo III O conceito de integrl de linh é um generlizção simples e nturl do conceito de integrl definido: f ( x) dx Neste último, integr-se o longo

Leia mais

81,9(56,'$'( )('(5$/ '2 5,2 '( -$1(,52 &21&8562 '( 6(/(d 2 0$7(0É7,&$

81,9(56,'$'( )('(5$/ '2 5,2 '( -$1(,52 &21&8562 '( 6(/(d 2 0$7(0É7,&$ 81,9(56,'$'( )('(5$/ ' 5, '( -$1(,5 &1&856 '( 6(/(d 0$7(0É7,&$ -867,),48( 7'$6 $6 68$6 5(667$6 De um retângulo de 18 cm de lrgur e 48 cm de comprimento form retirdos dois qudrdos de ldos iguis 7 cm, como

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia de Porto Alegre Departamento de Engenharia Elétrica ANÁLISE DE CIRCUITOS II - ENG04031

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia de Porto Alegre Departamento de Engenharia Elétrica ANÁLISE DE CIRCUITOS II - ENG04031 Universidde Federl do io Grnde do Sul Escol de Engenhri de Porto Alegre Deprtmento de Engenhri Elétric ANÁLSE DE CCUTOS - ENG04031 Aul 1 - Lineridde, Superposição e elções /A Sumário Dics úteis; Leis e

Leia mais

COMPOSIÇÃO E PESO DAS DESPESAS COM CULTURA NAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS José Mauro de Freitas Jr. ***

COMPOSIÇÃO E PESO DAS DESPESAS COM CULTURA NAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS José Mauro de Freitas Jr. *** Trblho presentdo no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinres em Cultur, relizdo entre os dis 23 25 de mio de 2007, n Fculdde de Comunicção/UFB, Slvdor-Bhi-Brsil. COMPOSIÇÃO E PESO DAS DESPESAS

Leia mais

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes 1 Equções de Segundo Gru Bhskr e su turm Cícero Thigo B Mglh~es Um equção do segundo gru é um equção do tipo x + bx + c = 0, em que, b e c são números reis ddos, com 0 Dd um equção do segundo gru como

Leia mais

Destaques da 7ª mesa de debates Gerenciamento de riscos Um novo modelo para geração de valor ao acionista

Destaques da 7ª mesa de debates Gerenciamento de riscos Um novo modelo para geração de valor ao acionista Destques d 7ª mes de detes 1 Destques d 7ª mes de detes Gerencimento de riscos Um novo modelo pr gerção de vlor o cionist AUDIT COMMITTEE INSTITUTE DA KPMG NO BRASIL TRANSCRIÇÃO DOS RESULTADOS DA PESQUISA

Leia mais

EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES POLINOMIAIS

EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES POLINOMIAIS EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES POLINOMIAIS Um dos grndes problems de mtemátic n ntiguidde er resolução de equções polinomiis. Encontrr um fórmul ou um método pr resolver tis equções er um grnde desfio. E ind hoje

Leia mais

Descobrir Matemática com a Música realizado na Casa da Música em Outubro 2007

Descobrir Matemática com a Música realizado na Casa da Música em Outubro 2007 Descorir Mtemátic com Músic relizdo n Cs d Músic em Outuro 2007 O conceito principl deste workshop é o de simetri - se de todos os pdrões, n rte, n ciênci, n nturez, e portnto tmém nos pdrões musicis -

Leia mais

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Oportunidde de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Mio/2007 1 OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FICHA BÁSICA SEGMENTO: Prestção de Serviço Conversão de motores utomotivos (GNV) DESCRIÇÃO: Oficin pr montgem de Kit

Leia mais

Internação WEB IAMSPE v docx. Manual de Atendimento

Internação WEB IAMSPE v docx. Manual de Atendimento Mnul de Atendimento ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 SUPORTE DA MEDLINK VIA LINK DÚVIDAS... 3 FATURAMENTO... 3 PROBLEMAS DE CADASTRO... 3 PENDÊNCIA DO ATENDIMENTO... 3 CENTRAIS DE ATENDIMENTO...

Leia mais

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 3 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 19/03/11

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 3 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 19/03/11 RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 9// PROFESSORES: CARIBE E MANUEL O slário bruto mensl de um vendedor é constituído de um prte fi igul R$., mis um comissão de % sobre o

Leia mais

AULA 1. 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Linguagem Matemática

AULA 1. 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Linguagem Matemática 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Lingugem Mtemátic AULA 1 1 1.2 Conjuntos Numéricos Chm-se conjunto o grupmento num todo de objetos, bem definidos e discerníveis, de noss percepção ou de nosso entendimento, chmdos

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

MTDI I /08 - Integral de nido 55. Integral de nido

MTDI I /08 - Integral de nido 55. Integral de nido MTDI I - 7/8 - Integrl de nido 55 Integrl de nido Sej f um função rel de vriável rel de nid e contínu num intervlo rel I [; b] e tl que f (x) ; 8x [; b]: Se dividirmos [; b] em n intervlos iguis, mplitude

Leia mais

Aula 10 Estabilidade

Aula 10 Estabilidade Aul 0 Estbilidde input S output O sistem é estável se respost à entrd impulso 0 qundo t Ou sej, se síd do sistem stisfz lim y(t) t = 0 qundo entrd r(t) = impulso input S output Equivlentemente, pode ser

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE TECNOLOGIA - COPPE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE TECNOLOGIA - COPPE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE TECNOLOGIA - COPPE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA EDITAL COPPE-PEE/PÓS nº 01/2009 - PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO NO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

Objetivo. Conhecer a técnica de integração chamada substituição trigonométrica. e pelo eixo Ox. f(x) dx = A.

Objetivo. Conhecer a técnica de integração chamada substituição trigonométrica. e pelo eixo Ox. f(x) dx = A. MÓDULO - AULA Aul Técnics de Integrção Substituição Trigonométric Objetivo Conhecer técnic de integrção chmd substituição trigonométric. Introdução Você prendeu, no Cálculo I, que integrl de um função

Leia mais

Linguagens Regulares e Autômatos de Estados Finitos. Linguagens Formais. Linguagens Formais (cont.) Um Modelo Fraco de Computação

Linguagens Regulares e Autômatos de Estados Finitos. Linguagens Formais. Linguagens Formais (cont.) Um Modelo Fraco de Computação LFA - PARTE 1 Lingugens Regulres e Autômtos de Estdos Finitos Um Modelo Frco de Computção João Luís Grci Ros LFA-FEC-PUC-Cmpins 2002 R. Gregory Tylor: http://strse.cs.trincoll.edu/~rtylor/thcomp/ 1 Lingugens

Leia mais

COLÉGIO MACHADO DE ASSIS. 1. Sejam A = { -1,1,2,3,} e B = {-3,-2,-1,0,1,2,3,4,5}. Para a função f: A-> B, definida por f(x) = 2x-1, determine:

COLÉGIO MACHADO DE ASSIS. 1. Sejam A = { -1,1,2,3,} e B = {-3,-2,-1,0,1,2,3,4,5}. Para a função f: A-> B, definida por f(x) = 2x-1, determine: COLÉGIO MACHADO DE ASSIS Disciplin: MATEMÁTICA Professor: TALI RETZLAFF Turm: 9 no A( ) B( ) Dt: / /14 Pupilo: 1. Sejm A = { -1,1,2,3,} e B = {-3,-2,-1,0,1,2,3,4,5}. Pr função f: A-> B, definid por f()

Leia mais

ESTUDO COM ALUNOS DO CEFET BAMBUÍ SOBRE ENERGIA ELÉTRICA E MEIO AMBIENTE, PROPONDO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL

ESTUDO COM ALUNOS DO CEFET BAMBUÍ SOBRE ENERGIA ELÉTRICA E MEIO AMBIENTE, PROPONDO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL I Jornd Científic e VI FIP do CEFET Bmuí Bmuí/MG - 8 ESTUDO COM LUNOS DO CEFET BMBUÍ SOBRE ENERGI ELÉTRIC E MEIO MBIENTE, PROPONDO EDUCÇÃO MBIENTL Bárr níl de OLIVEIR (); Ronilson Rodrigues COST (); Chrles

Leia mais

Circuitos simples em corrente contínua resistores

Circuitos simples em corrente contínua resistores Circuitos simples em corrente contínu resistores - Conceitos relciondos esistênci elétric, corrente elétric (DC, tensão elétric (DC, tolerânci, ssocição de resistores (série, prlelo e mist, desvio, propgção

Leia mais

Prezados Estudantes, Professores de Matemática e Diretores de Escola,

Prezados Estudantes, Professores de Matemática e Diretores de Escola, Prezdos Estudntes, Professores de Mtemátic e Diretores de Escol, Os Problems Semnis são um incentivo mis pr que os estudntes possm se divertir estudndo Mtemátic, o mesmo tempo em que se preprm pr s Competições

Leia mais

1 Distribuições Contínuas de Probabilidade

1 Distribuições Contínuas de Probabilidade Distribuições Contínus de Probbilidde São distribuições de vriáveis letóris contínus. Um vriável letóri contínu tom um numero infinito não numerável de vlores (intervlos de números reis), os quis podem

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS PROPRIEDADES QUÍMICAS E DA RELAÇÃO SIRINGIL/GUAIACIL DA MADEIRA DE EUCALIPTO NA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL

INFLUÊNCIA DAS PROPRIEDADES QUÍMICAS E DA RELAÇÃO SIRINGIL/GUAIACIL DA MADEIRA DE EUCALIPTO NA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL Ciênci Florestl, Snt Mri, v. 26, n. 2, p. 657-669, r.-jun., 2016 ISSN 0103-9954 INFLUÊNCIA DAS PROPRIEDADES QUÍMICAS E DA RELAÇÃO SIRINGIL/GUAIACIL DA MADEIRA DE EUCALIPTO NA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL

Leia mais

Conceitos de medidas e teoria de erros

Conceitos de medidas e teoria de erros Conceitos de medids e teori de erros - Introdução o curso de Lortório de Físic I nosso ojetivo será fmilirizção com o método científico, utilizndo-o n oservção de fenômenos descritos pel Mecânic clássic.

Leia mais

Quadratura por interpolação Fórmulas de Newton-Cotes Quadratura Gaussiana. Integração Numérica. Leonardo F. Guidi DMPA IM UFRGS.

Quadratura por interpolação Fórmulas de Newton-Cotes Quadratura Gaussiana. Integração Numérica. Leonardo F. Guidi DMPA IM UFRGS. Qudrtur por interpolção DMPA IM UFRGS Cálculo Numérico Índice Qudrtur por interpolção 1 Qudrtur por interpolção 2 Qudrturs simples Qudrturs composts 3 Qudrtur por interpolção Qudrtur por interpolção O

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES DETERMINANTES

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES DETERMINANTES Universidde Federl do Rio Grnde FURG Instituto de Mtemátic, Esttístic e Físic IMEF Editl - APES DETERMINANTES Prof Antônio Murício Medeiros Alves Profª Denise Mri Vrell Mrtinez Mtemátic Básic pr iêncis

Leia mais

Logaritmo. 1. (Espcex (Aman) 2014) Na figura abaixo, está representado o gráfico da função y = Iog x.

Logaritmo. 1. (Espcex (Aman) 2014) Na figura abaixo, está representado o gráfico da função y = Iog x. Logritmo 1. (Espce (Amn) 014) N figur io, está representdo o gráfico d função y = Iog. Nest representção, estão destcdos três retângulos cuj som ds áres é igul : ) Iog + Iog3 + Iog5 ) log30 c) 1+ Iog30

Leia mais

Ângulo completo (360 ) Agora, tente responder: que ângulos são iguais quando os palitos estão na posição da figura abaixo?

Ângulo completo (360 ) Agora, tente responder: que ângulos são iguais quando os palitos estão na posição da figura abaixo? N Aul 30, você já viu que dus rets concorrentes formm qutro ângulos. Você tmbém viu que, qundo os qutro ângulos são iguis, s rets são perpendiculres e cd ângulo é um ângulo reto, ou sej, mede 90 (90 grus),

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Técnicas de Análise de Circuitos

Técnicas de Análise de Circuitos Coordendori de utomção Industril Técnics de nálise de Circuitos Eletricidde Gerl Serr 0/005 LIST DE FIGURS Figur - Definição de nó, mlh e rmo...3 Figur LKC...4 Figur 3 Exemplo d LKC...5 Figur 4 plicção

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação Mnul de Internção ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 FATURAMENTO... 3 PROBLEMAS DE CADASTRO... 3 PENDÊNCIA DO ATENDIMENTO... 3 ACESSANDO O MEDLINK WEB... 4 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS... 5 CRIANDO

Leia mais

Algarismo Correto e Algarismo Duvidoso

Algarismo Correto e Algarismo Duvidoso Algrismo Correto e Algrismo Duvidoso Vmos supor que gor você está efetundo medição de um segmento de ret, utilizndo pr isso um régu grdud em milímetros. Você oserv que o segmento de ret tem um pouco mis

Leia mais

Nome: N.º: endereço: data: Telefone: PARA QUEM CURSA A 1 a SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM Disciplina: MaTeMÁTiCa

Nome: N.º: endereço: data: Telefone:   PARA QUEM CURSA A 1 a SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM Disciplina: MaTeMÁTiCa Nome: N.º: endereço: dt: Telefone: E-mil: Colégio PARA QUEM CURSA A SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM 05 Disciplin: MTeMÁTiC Prov: desfio not: QUESTÃO 6 O Dr. Mni Aco not os números trvés de um código especil.

Leia mais

, Baú, João Monlevade- MG. Resumo

, Baú, João Monlevade- MG. Resumo ENSAIOS ECOTOXICOLÓGICOS COM MINHOCAS (Eiseni fetid) PARA AVALIAÇÃO DE ÁREAS SUPOSTAMENTE CONTAMINADAS COM HIDROCARBONETOS NO MUNICÍPIO DE JOÃO MONLEVADE Gilmr Sores Lemos 1, Mônic Sntos de Souz 1, Ntáli

Leia mais

CINÉTICA DE SECAGEM DE FOLHAS DE ERVA-DOCE EM SECADOR SOLAR EXPOSTO À SOMBRA

CINÉTICA DE SECAGEM DE FOLHAS DE ERVA-DOCE EM SECADOR SOLAR EXPOSTO À SOMBRA CINÉTICA DE SECAGEM DE FOLHAS DE ERVA-DOCE EM SECADOR SOLAR EXPOSTO À SOMBRA José Diorgenes Alves Oliveir 1, Krl dos Sntos Melo de Sous 2 1 Universidde Federl de Cmpin Grnde cmpus de Sumé; Ru Luiz Grnde,

Leia mais

FORÇA LONGITUDINAL DE CONTATO NA RODA

FORÇA LONGITUDINAL DE CONTATO NA RODA 1 ORÇA LONGITUDINAL DE CONTATO NA RODA A rod é o elemento de vínculo entre o veículo e vi de tráfego que permite o deslocmento longitudinl, suportndo crg verticl e limitndo o movimento lterl. Este elemento

Leia mais

Comportamento de Variedades de Uvas sem Sementes Sobre Diferentes Porta-Enxertos no Vale do São Francisco

Comportamento de Variedades de Uvas sem Sementes Sobre Diferentes Porta-Enxertos no Vale do São Francisco Seminário Novs Perspectivs pr o Cultivo d Uv sem Sementes... Emrp Semi-Árido, Documentos 1,. Comportmento de Vrieddes de Uvs sem Sementes Sore Diferentes Port-Enxertos no Vle do São Frncisco Ptríci Coelho

Leia mais

Relembremos que o processo utilizado na definição das três integrais já vistas consistiu em:

Relembremos que o processo utilizado na definição das três integrais já vistas consistiu em: Universidde Slvdor UNIFAS ursos de Engenhri álculo IV Prof: Il Reouçs Freire álculo Vetoril Texto 4: Integris de Linh Até gor considermos três tipos de integris em coordends retngulres: s integris simples,

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL PROFIJ II T2 Ano letivo 2015 / 2016

PLANIFICAÇÃO ANUAL PROFIJ II T2 Ano letivo 2015 / 2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL PROFIJ II T2 Ano letivo 2015 / 2016 CURSO: Instlção e Operção de Sistems Informáticos ANO: 1.º DISCIPLINA: MATEMÁTICA APLICADA DOCENTE: MARTA OLIVEIRA COMPETÊNCIAS Desenvolver: O gosto

Leia mais

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM Inspeção visul de emblgens de microesfers de vidro retrorrefletivs Norm Rodoviári DNER-PRO /9 Procedimento Págin de RESUMO Este documento, que é um norm técnic, estbelece s condições que devem ser observds

Leia mais

Faculdade de Computação

Faculdade de Computação UNIVERIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Fculdde de Computção Disciplin : Teori d Computção Professor : ndr de Amo Revisão de Grmátics Livres do Contexto (1) 1. Fzer o exercicio 2.3 d págin 128 do livro texto

Leia mais

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA LOGARITMOS PROF. CARLINHOS NOME: N O :

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA LOGARITMOS PROF. CARLINHOS NOME: N O : ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA LOGARITMOS PROF. CARLINHOS NOME: N O : 1 DEFINIÇÃO LOGARITMOS = os(rzão) + rithmos(números) Sejm e números reis positivos diferentes de zero e 1. Chm-se ritmo

Leia mais

Recordando produtos notáveis

Recordando produtos notáveis Recordndo produtos notáveis A UUL AL A Desde ul 3 estmos usndo letrs pr representr números desconhecidos. Hoje você sbe, por exemplo, que solução d equção 2x + 3 = 19 é x = 8, ou sej, o número 8 é o único

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia de Porto Alegre Departamento de Engenharia Elétrica ANÁLISE DE CIRCUITOS II - ENG04031

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia de Porto Alegre Departamento de Engenharia Elétrica ANÁLISE DE CIRCUITOS II - ENG04031 Universidde Federl do Rio Grnde do Sul Escol de Engenhri de Porto Alegre Deprtmento de Engenhri Elétric ANÁLISE DE CIRCUITOS II - ENG04031 Aul 2 - Teorems de Thévenin e Norton Sumário Algrismos significtivos

Leia mais

ESTIMATIVA DO FLUXO TRIMESTRAL DE CORRENTE OCEÂNICA PARA A REGIÃO DA CONFLUÊNCIA BRASIL-MALVINAS COM BASE EM DADOS OBSERVADOS.

ESTIMATIVA DO FLUXO TRIMESTRAL DE CORRENTE OCEÂNICA PARA A REGIÃO DA CONFLUÊNCIA BRASIL-MALVINAS COM BASE EM DADOS OBSERVADOS. ESTIMATIVA DO FLUXO TRIMESTRAL DE CORRENTE OCEÂNICA PARA A REGIÃO DA CONFLUÊNCIA BRASIL-MALVINAS COM BASE EM DADOS OBSERVADOS. Crl Gustvo Silv Sntos, Ricrdo Mrcelo d Silv 2, Audálio R. Torres Junior 3

Leia mais

ESMAFE/PR Escola da Magistratura Federal do Paraná

ESMAFE/PR Escola da Magistratura Federal do Paraná ESMAFE/PR Escol d Mgistrtur Federl do Prná Curso Regulr Preprtório pr Crreir d Mgistrtur Federl com opção de Pós-Grdução ltu sensu em Direito Público em prceri com UniBrsil - Fculddes Integrds do Brsil

Leia mais

ROTAÇÃO DE CORPOS SOBRE UM PLANO INCLINADO

ROTAÇÃO DE CORPOS SOBRE UM PLANO INCLINADO Físic Gerl I EF, ESI, MAT, FQ, Q, BQ, OCE, EAm Protocolos ds Auls Prátics 003 / 004 ROTAÇÃO DE CORPOS SOBRE UM PLANO INCLINADO. Resumo Corpos de diferentes forms deslocm-se, sem deslizr, o longo de um

Leia mais

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas.

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas. COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENHO NOVO II Divisão Gráfi de segmentos e Determinção gráfi de epressões lgéris (qurt e tereir proporionl e médi geométri). Prof. Sory Izr Coord. Prof. Jorge Mrelo TURM: luno:

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Progressões Geométricas

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Progressões Geométricas Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Progressões Geométrics p. 7 Qul é o o termo d PG (...)? q q? ( ) Qul é rzão d PG (...)? q ( )? ( ) 8 q 8 q 8 8 Três números reis formm um PG de som e produto

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA RAIZ NUA E DA RAIZ PROTEGIDA NA COUVE FLOR

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA RAIZ NUA E DA RAIZ PROTEGIDA NA COUVE FLOR ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA RAIZ NUA E DA RAIZ (22/23) PROTEGIDA NA COUVE FLOR REGATO*, Mrin August Durte*; GUERREIRO, Idáli Mnuel; SILVA, Osvldo Pntleão; DÔRES, José Mnuel Escol Superior Agrári de Bej Ru

Leia mais

2 Patamar de Carga de Energia

2 Patamar de Carga de Energia 2 Ptmr de Crg de Energi 2.1 Definição Um série de rg de energi normlmente enontr-se em um bse temporl, ou sej, d unidde dess bse tem-se um informção d série. Considerndo um bse horári ou semi-horári, d

Leia mais

Desenvolvimento de massa alimentícia fresca funcional com a adição de isolado protéico de soja e polidextrose utilizando páprica como corante

Desenvolvimento de massa alimentícia fresca funcional com a adição de isolado protéico de soja e polidextrose utilizando páprica como corante Ciênci e Tecnologi de Alimentos ISSN 01-061 Desenvolvimento de mss limentíci fresc funcionl com dição de isoldo protéico de soj e polidextrose utilizndo pápric como cornte Development of functionl fresh

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Aplicações da Integral

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Aplicações da Integral www.engenhrifcil.weely.com Resumo com exercícios resolvidos do ssunto: Aplicções d Integrl (I) (II) (III) Áre Volume de sólidos de Revolução Comprimento de Arco (I) Áre Dd um função positiv f(x), áre A

Leia mais

a) a amplitude de cada um dos ângulos externos do triângulo regular de que o segmento de reta BF é um dos lados;

a) a amplitude de cada um dos ângulos externos do triângulo regular de que o segmento de reta BF é um dos lados; EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA Fich de Mtemátic 9º ANO 1- N figur estão representds três circunferêncis congruentes, tngentes dus dus. Sendo-se que CB 16 cm, determin áre d região colorid. Apresent o resultdo

Leia mais

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015 Editl de Processo Seletivo Nº 21/2015 O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL NO ESTADO DO PIAUÍ, SENAC-PI, no uso de sus tribuições regimentis, torn público que estão berts

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos Cotação: 200 PONTOS

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos Cotação: 200 PONTOS PROVA NAIONAL ESRITA DE MATEMÁTIA Equip Responsável Pel Elorção e orreção d Prov: Prof. Doutor Sérgio Brreir Prof.ª Doutor onceição Mnso Prof.ª Doutor trin Lemos Durção d Prov: minutos. Tolerânci: 30 minutos

Leia mais

Banco de Dados. Álgebra Relacional. É uma linguagem abstrata Não podemos formular consultas em álgebra relacional em um computador

Banco de Dados. Álgebra Relacional. É uma linguagem abstrata Não podemos formular consultas em álgebra relacional em um computador nco de Ddos Álger Relcionl Euclides rcoverde profercoverde [t] gmil.com http://sites.google.com/site/euneto/ Introdução Álger Relcionl Foi introduzid por E. F. Codd em 970 É um lingugem de consult procedimentl

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: MATEMÁTICA

Leia mais

Curso Básico de Fotogrametria Digital e Sistema LIDAR. Irineu da Silva EESC - USP

Curso Básico de Fotogrametria Digital e Sistema LIDAR. Irineu da Silva EESC - USP Curso Básico de Fotogrmetri Digitl e Sistem LIDAR Irineu d Silv EESC - USP Bses Fundmentis d Fotogrmetri Divisão d fotogrmetri: A fotogrmetri pode ser dividid em 4 áres: Fotogrmetri Geométric; Fotogrmetri

Leia mais