INFORMÁTICA EDUCACIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFORMÁTICA EDUCACIONAL"

Transcrição

1 INFORMÁTICA EDUCACIONAL 27

2 28 CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICA INFORMÁTICA EDUCACIONAL O imenso hiperdocumento planetário da WEB integrará progressivamente o conjunto das obras do espírito. Se somarmos a isso o correio eletrônico e os grupos de discussão, a interconexão mundial dos computadores passa a adquirir sentido diante de nossos olhos: ele materializa (de maneira certamente parcial, mas significativa) o contexto vivo, mutante em contínua expansão, da comunicação humana. O mesmo quanto à cultura. Levy (2001, p. 1390) Dar-nos conta de que a humanidade está em constante processo de transformação e acreditar que os homens constroem e reconstroem novas possibilidades para viver, leva-nos a entender a presença e os efeitos das produções e invenções do homem ao longo da história. Em decorrência disso a humanidade vem sendo convocada a fazer uso das tecnologias em praticamente todos os espaços de circulação e/ou convivência sem, contudo, compreenderem-na nas suas mais imbricadas articulações. O espaço do saber não é mais o mesmo, ele se apresenta hoje com uma inquietude veloz, com uma urgência movediça, fluídica, entrelaçada com muitas vozes, muitas cores, muitas bandeiras, indicando que as fronteiras entre as disciplinas ou áreas do conhecimento, ou entre culturas que se oferecem na imensidão do ciberespaço diluem -se dia após dia. Ao retomarmos o histórico das transformações tecnológicas, torna-se necessário retomar o século XV quando Johannes Gutemberg, produziu um pequeno invento, o carimbo de metal que permitiu imprimir uma letra sobre o papel. Com esse invento, muita coisa se tornou mais fácil, assim como a edição de livros, os quais se tornaram mais acessíveis e produzidos com o menor custo. Esse processo também sofreu modificações e hoje imprimimos um livro com outras condições. Cabe indagar se o computador provocou a mesma revolução da época. Com certeza que sim! Nesse percurso, não houve avanços lineares, as novas tecnologias foram sendo produzidas a partir da experiência acumulada e dos experimentos realizados. Os avanços tecnológicos começaram a ser utilizados, por todos os ramos do conhecimento. O advento do chip, que originou os computadores atuais, com certeza foi um dos grandes inventos do milênio. A Internet, os canais de televisão a cabo, o CD ROM, os recursos de multimídia estão presente e à disposição para um número significativo de pessoas. Portanto, muitas tecnologias contribuíram para que hoje possamos falar e trabalhar com a máquina

3 29 computador. Que usos fazemos dele? Temos acesso real ao computador? De que forma tem contribuído, principalmente nas salas de aulas para aprendizagem dos nossos educandos? É possível afirmar que as escolas estão informatizadas tanto no campo do trabalho administrativo, quanto pedagógico? Qual o papel dos laboratórios de informática no interior das instituições educativas? Existe um plano de trabalho efetivo, um plano didático - pedagógico para o uso dessa ferramenta que vem adentrando o espaço escolar? Segundo Valente (1993, p. 02) a implantação da informática na educação consiste basicamente de quatro ingredientes: o computador, o software educativo, o professor capacitado para usar o computador como ferramenta educacional e o aluno. Ou seja, implica na articulação de diferentes elementos a serviço de um projeto educativo, que ultrapasse o domínio instrumental, mas que também dele não descuide. O profissional de magistério precisa estar completamente envolvido neste boom tecnológico, preparando-se para compreender e enfrentar a complexidade das transformações que se delineiam neste novo horizonte, sem perder de vista, contudo, que a realidade concreta dos estudantes e, por vezes, a sua própria, enquanto docente da escola. Esta realidade faz emergir uma nova fronteira educacional a ser desvendada. Nesse campo de investigação e de organização de uma proposta de trabalho que complementará a proposto no Currículo Básico para as Escolas Públicas do Município de Viana estaremos delimitando essa área de estudos à tecnologia articulada ao uso do computador, por ser esse o instrumento ou ferramenta que está ao acesso de um determinado grupo de comunicadores e educandos, mesmo que de forma restrita. O desafio que se impõe na construção dessa proposta de trabalho, portanto, é a de incluir a ampla maioria no uso das tecnologias vinculadas à informática, mais especificamente no uso do computador, de forma que se habituem a utilizá-lo como ferramenta a seu serviço e não tornarem-se dependentes da máquina e dos softwares. Se, no mundo do trabalho, o conhecimento sobre essa tecnologia é um dos fatores que contribui para a inclusão ou exclusão, torna-se obrigação da instituição de ensino desmistificar esse conhecimento, colocando-o à serviço de novas e consistentes aprendizagens. De acordo com Maria Cândida Moraes (1993), no Brasil, a Informática Educativa tem suas raízes históricas na década de 1970, foram algumas universidades como a Universidade Federal do Rio de Janeiro, a Universidade Estadual de Campinas e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul

4 30 responsáveis pelas primeiras investigações a respeito do uso de computadores na educação. Ao lado disso, a Secretaria Especial de Informática SEI, o Ministério da Educação MEC, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico CNPq e a Financiadora de Estudos e Projetos FINEP, na busca de alternativas capazes de viabilizar uma proposta racional de uso de computadores na educação, tendo como princípio fundamental o respeito à cultura, aos valores e aos interesses da comunidade brasileira, constituíram uma equipe intersetorial para planejar as primeiras ações na área. Nesse sentido várias ações foram desencadeadas, dentre elas o I Seminário Nacional de Informática na Educação, realizado em 1981, no qual algumas recomendações se destacaram: (...) que as atividades de informática na educação fossem balizadas por valores culturais, sócio políticos e pedagógicos da realidade brasileira, a necessidade do prevalecimento da questão pedagógica no planejamento das ações e que o computador fosse considerado como um meio de ampliação das funções do professor e jamais para substituí-lo (MORAES, 1993, p.19). Em 1982 foi organizado o II Seminário Nacional de Informática na Educação e decorreram dele recomendações importantes que nortearam a política de informática na educação, adotadas pelo MEC, quais sejam: o computador deveria ser visto como um auxiliar no processo educacional, submetendo-se aos fins da educação; um auxiliar no desenvolvimento da inteligência do aluno e das habilidades intelectuais requeridas pelos diferentes conteúdos, estendendo a informática a todos os graus de ensino. Observa-se que há um longo caminho a ser pensado e a ser percorrido para que as escolas tenham os ambientes e, os educadores tenham condições de trabalho, utilizando-se do computador como instrumento para as aulas. Assim, os recursos tecnológicos oferecidos à humanidade por meio da investigação e criação na área da informática, podem atuar como coadjuvantes de ações intencionais, de modo que ela nos sirva de via de produção do conhecimento e redemocratização deste conhecimento por vias interativas e colaborativas. Ações estas que estreitam laços construtivos, num espaço compartilhado como deve ser o da escola, de modo que as possibilidades do uso dos recursos tecnológicos assumam relevância na formação de consciências críticas que sejam capazes de articular, produzir e desenvolver projetos a partir do emprego da tecnologia em vivências educativas que respeitem a vida e o planeta. INFORMÁTICA EDUCACIONAL NAS ESCOLAS Para concebermos o trabalho com a informática educacional na instituição escolar cabe-nos a tarefa

5 31 de assumir, nessa proposição de trabalho, os pressupostos filosóficos, psicológicos e pedagógicos que fundamentam a deixar de lado o mero decalque dos conteúdos já produzidos, despreocupandose de acumular dados sem sentido e/ou significado no âmbito da memória mecânica, simplesmente, uma vez que as tecnologias de informática vêm assumindo em grande parte essa tarefa. O currículo em Informática Educacional, objetiva articular-se à busca de informações e à construção de conhecimentos pelos educandos, a partir de pesquisas pessoais e coletivas, com objetivos pertinentes e temáticas que se voltem à vida cotidiana, possibilitando a socialização da aprendizagem cooperativa. A preocupação na construção dessa proposta pedagógica é de que não se enfatize apenas os aspectos cognitivos em detrimento dos aspectos sócio-político-econômicos que impregnam a produção, a reelaboração e a socialização dos conhecimentos. Assim é que defendemos a mesma proposição apresentada por Moraes quando destaca que: (...) dominar Informática de uma forma crítica consistiria em levar os filhos da classe trabalhadora a adquirir o domínio dos fundamentos científicos e tecnológicos que embasam a Informática e não apenas saber utilizar o equipamento, como muitos propõem.(moraes, 2000, p.41). Assim, compreender a presença da tecnologia como mais um dos elementos que auxiliam na produção de conhecimentos e descobertas, exige mudança pessoal e profissional que acaba por se refletir em uma mudança na escola, engendrando posturas que incentivam a imaginação criativa; favoreçam o questionamento e a inventividade; promovam e vivenciam a cooperação, o diálogo, a partilha e a solidariedade; a aprendizagem colaborativa e as interconexões. É necessário, sobretudo, compreender que para transformar o sistema educacional é preciso que essa reciprocidade extrapole os limites da sala de aula e envolva todos os que constituem a comunidade escolar: dirigentes, funcionários administrativos, pais, alunos, professores e a comunidade na qual a escola encontra-se inserida. Enfim, o trabalho com a informática educacional tem como intencionalidade a contribuição efetiva para a melhoria da aprendizagem dos educandos, por meio de práticas de investigação que vão formando novos hábitos e posturas mediante o processo de apropriação dos conhecimentos produzidos pela humanidade. A informática educacional não carrega um fim em si mesma, é um caminho, um percurso, um recurso que pode e precisa ser utilizado a serviço da ampliação dos saberes, da criação de novas possibilidades, em conformidade com o projeto político pedagógico da instituição. Ela é e se faz, ao mesmo tempo, conteúdo, técnica e tecnologia a serviço da educação. OBJETIVO GERAL Implantar Laboratórios de Informática nas escolas municipais considerando a Informática como

6 32 instrumento de desenvolvimento de aprendizagens significativas, para promover mais do que a inclusão digital aos alunos e educadores, promover o domínio de uma linguagem essencial para a leitura de mundo e formas de participação nas sociedades modernas, utilizando-a para a apropriação e produção de novos conhecimentos, de forma crítica e criativa. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Conhecer a história da evolução tecnológica através dos tempos apropriando-se dos conceitos básicos para o funcionamento do computador, da internet, modos de salvamento, arquivamento, captura e aplicação dos conhecimentos produzidos em novos conhecimentos; Estabelecer as ferramentas e programas a serem empregados para o processo de projetos didáticos; construção dos Explorar a cibercultura nas diferentes modalidades de Ensino, viabilizando o conhecimento e o uso da máquina; Aprender a filtrar as informações do ciberespaço utilizando-as de maneira responsável em diferentes situações de busca de novas informações que contribuam para a ampliação e consolidação de conhecimentos, levando em consideração o processo de investigação, seleção e apropriação de saberes nas diferentes áreas; Utilizar recursos e técnicas computacionais avançadas como www (word wide web) Intranet e hipertexto com a finalidade de melhorar a qualidade do ensino e da aprendizagem. Internet, Estabelecer canais de comunicação com a comunidade escolar, local, estadual e divulgação dos resultados obtidos com o desenvolvimento dos projetos. universal para a PRESSUPOSTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: Em se tratando de um currículo que apresenta indicativos que servem de orientação ao desenvolvimento do processo de ensino e aprendizagem, levamos em conta que a tecnologia é um dos temas mais atuais e, portanto, deve assumir uma dimensão mais abrangente na escola, tendo em vista que os procedimentos epistemológicos atuais apontam para a criação de espaços que privilegiam a construção do conhecimento, o alcance da consciência ético-crítica decorrente da dialogicidade, da interatividade e da intersubjetividade. Isto significa a possibilidade de criação de diversificadas comunidades em ambientes presenciais e virtuais, partindo do pressuposto do uso responsável e competente das Tecnologias de Comunicação Digital na Educação TCD. As Tecnologias de Comunicação Digital na Educação estão permitindo que o homem mostre sua

7 33 capacidade de interagir em grupo e em comunidades virtuais configurando um outro espaço para a aprendizagem. É importante enfatizar que não se trata de substituições ou troca de um espaço pelo outro, mas de um processo de expansão de possibilidades de maiores inserções, de maiores oportunidades a um número cada vez mais ampliado de pessoas tendo acesso a esse conhecimento. Por Tecnologia de Comunicação Digital designamos o emprego do Computador, da Internet e dos programas que propiciam a produção de aplicativos pedagógicos digitais para as transposições didáticas que facultem a produção de conhecimentos no âmbito da sala de aula pública, nem sempre propicia o acesso às inovações tecnológicas para além do espaço escolar e que, esses mesmos sujeitos, conviverão com muitos educandos que têm acesso irrestrito às informações disponíveis na web. É certo que esses novos avanços e recursos postos à disposição da escola farão com que os educandos tenham ainda mais condições de estar preparados e informados, desenvolvendo assim maior capacidade de comparação e de desenvolvimento do senso crítico. Assim, cabe ressaltar que a informática e toda sua gama de possibilidades é tecnologia e a informática educacional é também, e, sobretudo, linguagem, ou seja, possibilidade de interação, carregada de sentidos, os quais precisam ser investigados, compreendidos e discutidos, a fim de serem apropriados. CONTEÚDOS No trabalho com as Tecnologias de Comunicação Digital na Educação, desenvolvido nos laboratórios de informática é possível implementar o uso do como importante canal de comunicação entre os estudantes e destes com outras pessoas, em diferentes espaços geográficos e ensiná-los a utilizar o , receber e enviar, selecionar, bem como descartar mensagens que possam colocar em risco o próprio computador, por meio da disseminação de vírus. Nesse contexto, podem ser constituídos os blogs, os grupos ou comunidades, espaços virtuais de relacionamento humano que vêm ocupando um espaço significativo no cotidiano de muitas pessoas. Os aplicativos pedagógicos servem ao educador e também ao estudante. Contudo, para utilizá-los o educador precisa conhecê-los, dominar sua organização, bem como os conteúdos trabalhados e apresentados por meio deles, selecionando os mais adequados de acordo com os objetivos a serem alcançados. Assim, nas aulas desenvolvidas no laboratório de informática, haverá momentos em que serão trabalhados conteúdos curriculares por meio dos aplicativos e outros em que estará sendo ensinado aos estudantes o uso do aplicativo em si. Dessa forma, os aplicativos pedagógicos,

8 dependendo do contexto, constituir-se-ão conteúdo e/ou encaminhamento metodológico das aulas de informática educacional. 34 O educador será o articulador e mediador do processo em desenvolvimento pelos seus educandos, por isso, faz-se necessário engendrar e dar vida a um ambiente de confiança, de respeito às diferenças, de reciprocidade, de encorajamento dos educandos para que reconheçam seus limites, suas dificuldades e os seus conflitos no momento em que eles descobrem as possibilidades de aprender, partindo de suas tentativas de acerto e dos limites a serem rompidos. Da mesma forma, o educador não deverá ter receio em reconhecer seus próprios conflitos e limitações, desenvolvendo uma postura de constante busca de conhecimentos, em função de que os diversos conteúdos curriculares encontram apoio em textos virtuais e/ou programas/softwares que auxiliam na apresentação, problematização e sistematização de informações e conhecimentos. Por outro lado, não podemos desconsiderar a necessidade de ensinar aos estudantes o uso do computador, seu mecanismo de funcionamento, a fim de que aprendam a ligar, desligar, copiar, deletar, enfim conhecer os ícones e utilizar o que for necessário para potencializar o uso dessa ferramenta. É um momento inicial de diagnóstico dos conhecimentos básicos que, dependendo do perfil dos estudantes, precisa ser garantido em termos de uso dos programas básicos do computador, dentre eles o Word, Power Point, Paint. Compete, portanto, o desenvolvimento de um trabalho que possibilite ambos os domínios: o da técnica do uso do computador e o do conhecimento científico e tecnológico que fundamentam a informática e as demais áreas do conhecimento. Nesse contexto, os conteúdos não deverão ser trabalhados numa perspectiva linear e sequencial, cabendo ao educador o estabelecimento das relações adequadas ao desenvolvimento dos projetos que foram definidos como prioridade para a comunidade, dando conta de que, a partir da definição das temáticas, sejam delimitados os programas e recursos tecnológicos que melhor respondam aos objetivos estabelecidos e ao conteúdo do trabalho/pesquisa. Os conteúdos a serem utilizados e aprendidos pelos estudantes, no decorrer da construção do(s) seu(s) projeto(s) não serão limitados por série. Entendemos que durante todo o processo ocorre a avaliação formativa que contribui para identificar a apropriação e as reais possibilidades de aplicação dos conhecimentos apreendidos, por meio da efetiva intervenção dos educadores. 7. EDUCAÇÃO INFANTIL: A Educação Infantil é um espaço privilegiado de inserção onde as crianças se deparam com a heterogeneidade. As crianças nesta fase possuem uma natureza muito singular, caracterizam-se das mais variadas linguagens e exercem a capacidade de geração de ideias e hipóteses originais sobre

9 35 aquilo que querem desvendar. Ela está num processo constante de criação, significação e resignificação de seus conhecimentos, e é na integração com o mundo e nas relações que estabelece que o seu conhecimento se constitui. Em vista de tudo isto, temos como principais objetivos: Estabelecer e ampliar cada vez mais as relações sociais, aprendendo aos poucos, a articular seus interesses e pontos de vista com os demais. Criar um ambiente alfabetizador, dando oportunidade à criança de se situar no universo letrado. Utilizar as diferentes linguagens (verbal, gráfica, plástica, corporal, musical, matemática) ajustadas às diferentes intenções de comunicação, enriquecendo cada vez mais sua capacidade expressiva. Trabalhar além da coordenação motora (domínio de teclado e mouse) tão importante nessa fase do desenvolvimento, com projetos interdisciplinares e eixos temáticos, usando de preferência temas que são tratados pela mídia e que são considerados relevantes à realidade da Instituição, por exemplo: Alimentação, Trânsito, entre outros. 8. ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS (1º AO 5º ANO) Nosso objetivo nessa modalidade é sensibilizar e preparar a criança para o uso do computador; utilizando-o como mais um dos muitos elementos que fazem parte do dia-a-dia escolar; sabendo identificar por exemplo: quais são as partes de um computador?; como usamos seus programas?; exercitando o escrever, desenhar e pintar; confeccionando livros, historinhas em quadrinho e ou apresentações especiais com a ajuda do computador. O Ensino Fundamental de 1º ao 4º ano tem por objetivo primordial o desenvolvimento das habilidades cognitivas dos alunos. Ao mesmo tempo, esta fase marca o amadurecimento do seu processo de socialização pela interação cotidiana com os colegas e pela mediação dos professores no processo de aprendizagem. 9. ENSINO FUNDAMENTAL (ANOS FINAIS ) O Ensino Fundamental do 5º ao 9º ano tem como objetivo permitir que o aluno aprenda a estudar por meio de hábitos de estudo sistematizado, desenvolvendo o seu raciocínio lógico, espírito crítico e curiosidade. Levá-lo a conviver de forma harmoniosa e respeitosa com os outros e o ambiente, amadurecendo e praticando exercícios de cidadania. Para isso desenvolvemos uma metodologia alicerçada no aprender a aprender onde a pesquisa e os projetos são vivências diárias. Trabalhando o desenvolvimento das habilidades individuais, todo o

10 processo educativo busca potencializar no aluno as habilidades de síntese, análise e conexão entre as disciplinas que serão cada vez mais necessárias durante o Ensino Médio e em toda a sua vida. 36 Temas como por exemplo: História da tecnologia: o homem e as invenções em tecnologia de comunicação digital; Conceitos básicos para o funcionamento do computador, da internet, modos de salvamento, arquivamento e captura: O computador sua estrutura e possibilidades; O funcionamento dos programas; Correspondência dos programas dentre software livre e pago; Programas tecnológicos adequados à execução dos projetos estabelecidos. Ex. Word, Excel, Powerpoint, flash, dentre outros. Investigação, seleção e apropriação de informações disponíveis no ciberespaço ; Seleção e aplicação de recursos tecnológicos disponíveis (imagens,gifs, textos, dentre outros); Criação e participação de/em comunidades virtuais; Utilização de sites de pesquisa; Criação de slides; Criação de links e hiperlinks; Pesquisa e produção de hipertexto; Direitos autorais. EJA (EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS): A Informática Educacional nessa modalidade propõe um Projeto de Inclusão Digital com apoio da comunidade escolar, que visa oferecer cursos de informática para qualificação profissional para nossos alunos do EJA Educação de Jovens e Adultos. Incluir digitalmente não é apenas "alfabetizar" as pessoas em informática, mas também melhorar os quadros sociais a partir do manuseio dos computadores. Não apenas ensiná-las a usar o computador, mas melhorar as condições de vida de uma determinada região ou comunidade. Através da democratização do acesso e com ajuda da tecnologia disponível buscam-se a integração entre educação, tecnologia e cidadania, visando a transformação social. É comum nos dias de hoje ver empresas e governos falando em inclusão digital e democratização do acesso. Inclusão digital significa, antes de tudo, melhorar as condições de vida de uma determinada região ou comunidade com ajuda da tecnologia. A expressão nasceu do termo "digital

11 37 divide", que em inglês significa algo como "divisória digital". O erro de interpretação é comum, porque muita gente acha que incluir digitalmente é colocar computadores na frente das pessoas e apenas ensiná-las a usar Windows e pacotes de escritório. Em termos concretos, incluir digitalmente não é apenas "alfabetizar" a pessoa em informática, mas também melhorar os quadros sociais a partir do manuseio dos computadores. Não apenas ensinando o bê-á-bá do informatiquês, mas mostrar como ela pode ganhar dinheiro e melhorar suas condições de vida. O projeto tem como tema a promoção da inclusão digital utilizando as tecnologias da informação como instrumento de construção e exercício da cidadania, assim poderemos ampliar o conceito de inclusão digital como forma de integração entre educação, tecnologia e cidadania visando a transformação social. AVALIAÇÃO Tendo em vista que a Tecnologia de Comunicação Digital atuará nas escolas como mais um contribuinte do processo ensino-aprendizagem e não como fim em si mesma, a avaliação deverá observar o desenvolvimento do educando em um processo permanente de apreensão da realidade, sempre de forma dinâmica, participativa, cooperativa e crítica. Dessa forma a avaliação deve ser diagnóstica e investigativa possibilitando também que a prática docente seja revista à luz de novos contornos, portanto, uma alternativa que possibilite verificar de que modo a aprendizagem foi sendo construída. Na proposta por projetos, o professor tem a responsabilidade de ser desafiador, estimulador, mediador, possibilitando que o aluno intervenha, questione e possa estar comprometido com o processo de construção a que se propôs investigar. Assim, a utilização dos recursos computacionais proporcionará a apropriação do conhecimento, a criticidade e a melhoria da qualidade do ensino. Nesse sentido, Gouveia apud Lopes enfatiza qual é realmente a função do professor: O professor será mais importante do que nunca, pois ele precisa se apropriar dessa tecnologia e introduzi-lo na sala de aula, no seu dia-a-dia, da mesma forma que um professor que um dia, introduziu o primeiro livro numa escola e teve de começar a lidar de modo diferente com o conhecimento sem deixar as outras tecnologias de comunicação de lado. Continuaremos a ensinar e aprender pela palavra, pelo gesto, pela emoção, pela afetividade, pelos textos lidos e escritos, pela televisão, mas agora também pelo computador, pela informação em tempo real, pela tela em camadas, em janelas que vão se tornando imprescindíveis para as interações sociais. (LOPES, 2008, p.2).

12 38 A avaliação do educando inserido no processo de imersão tecnológica deve estar conectada às demais disciplinas, servindo de suporte a todas, para que ocorra um aprendizado diferenciado do que vem ocorrendo de modo que, o que seja desenvolvido no laboratório contagie toda a instituição escolar e a comunidade. Levy (1998), destaca: A construção do conhecimento passa a ser igualmente atribuída aos grupos que interagem no espaço do saber. Ninguém tem a posse do saber, as pessoas sempre sabem algo, o que as tornam importante quando juntas, de forma a fazer uma inteligência coletiva. É uma inteligência distribuída por toda parte, incessantemente valorizada, coordenada em tempo real, que resulta em uma mobilização efetiva das competências (LEVY, 1998, p. 28). A avaliação que propomos, portanto, deve ser diária e de registro do processo de pesquisa. Jussara Hoffman, (1998, p.36), afirma: antes de se fazer diferente, é preciso pensar diferente sobre o que se faz. Ainda, segundo a autora (1998, p. 37), para haver aprendizagem os registros sobre o processo de aprendizagem devem vir embasados em três princípios essenciais, quais sejam: a) a avaliação enquanto investigação docente, que assume o compromisso de investigar, acompanhar, compreender, participar, intervir e fazer provocações intelectuais significativas; b) a complementaridade das observações sobre o desempenho dos alunos, que implica na análise qualitativa das respostas acompanhando o desempenho individual e intervindo para um novo atendimento e, c) a provisoriedade dos registros de avaliação, em decorrência de que, com a intervenção do professor, o que o estudante não dominava pode ter sido modificado no decorrer do processo. Portanto, não cabe aqui mensurar, cabe intervir, pois deixar de atender no momento oportuno, poderá acarretar dificuldades na aprendizagem e no desenvolvimento do projeto. Temos que considerar que é o projeto como um todo que é importante, como foi dito anteriormente e é o que ele, estudante-autor/pesquisador, aprendeu e pode apresentar enquanto resultados/propostas de ação, para sua comunidade, seja ela familiar, escolar, local ou comunidades distantes que darão conta de evidenciar se os objetivos propostos foram alcançados. BLOG EDUCACIONAL Em termos de educação, a utilização de blogs com objetivos didáticos oferece inúmeras vantagens já que os mesmos podem agregar pessoas em torno de assuntos diversos possibilitando discussão e criação coletiva, o que promove a tão falada construção do conhecimento. Blog é a denominação atual para aquilo que foi chamado de weblog, um termo que teria sido cunhado em Weblog veio de web + log.l og representa um registro;web diz respeito à teia

13 39 que é a Internet. Em síntese, seria uma forma de fazer registro na Internet. Seria uma versão eletrônica do diário, uma forma de registro adotada há tempos notadamente por jovens do sexo feminino; aquele diário que guardava reflexões e pensamentos mais acanhados, geralmente inacessível a outras pessoas. Agora, no tempo da pós-modernidade, quando as fronteiras entre o público e o privado ficam cada vez mais tênues, a exposição pública do que é pessoal, através do blog, envolve cada vez mais pessoas, notadamente jovens. O blog integra a categoria do que é chamado software social. Software social vem sendo definido como uma ferramenta, (para aumentar habilidades sociais e colaborativas humanas), como um meio (para facilitar conexões sociais e o intercâmbio de informações) e como uma ecologia (permitindo um sistema de pessoas, práticas, valores e tecnologias num ambiente particular local ) (SUTER; ALEXANDER; KAPLAN, 2005). Nossa intenção é que todas as Unidades de Ensino do Município de Viana tenha um blog próprio onde possa expor suas produções, eventos, trabalhos, projetos possibilitando a todos o acesso a essas e outras informações. Os blogs podem promover a troca de idéias e o relacionamento entre os alunos. Sendo publicados, os trabalhos executados pelos alunos são valorizados e alcançam maior projeção. O recurso dos comentários traz um retorno instantâneo e motivação trabalho do aluno. A possibilidade de incluir links torna o texto em um hipertexto, sendo mais dinâmico e interessante. ROBÓTICA EDUCACIONAL A robótica educacional é uma ferramenta educativa que auxilia a prática de muitos conceitos teóricos estudados em sala de aula. Nas aulas de robótica educacional facilita-se o processo ensino aprendizagem por meio da integração de novas tecnologias no contexto escolar.(perrenoud, 2001) Aprende-se brincando, pela resolução de problemas concretos. Os primeiros robôs são montagens bem simples e vão evoluindo em complexidade, incorporando novos sensores, engrenagens, motores e - principalmente - novos conceitos. Em resumo, a robótica educacional ou robótica pedagógica, é caracterizada por ambientes de aprendizagem que reúnem materiais de sucata ou kits de montagem compostos por peças diversas, motores e sensores controláveis por computador e softwares que permitem programar o funcionamento dos projetos montados. Esses elementos colocam novos problemas e exigem resoluções práticas que geram interesse e conhecimento. A robótica é uma ciência multidisciplinar onde são aplicados conhecimentos diversos de eletrônica (peças eletrônicas do robô), noções de computação e de lógica de programação, estruturas

14 40 mecânicas (projeto das peças mecânicas do robô), física cinemática (movimentos e articulações do robô), matemática, física e outros saberes. Essas características, aliadas ao desenvolvimento prático de habilidades pessoais como: organização, raciocínio lógico, cooperativismo, senso de liderança e a criatividade na resolução de problemas, fazem da robótica educacional uma inovadora ferramenta pedagógica. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Propiciar o desenvolvimento do potencial criativo através de atividades práticas. Permitir compreender a importância da ciência na vida diária. Facilitar a aprendizagem da tecnologia desde muito cedo, despertando o interesse e a motivação e facilitando, posteriormente, a aquisição de conhecimentos de maior complexidade. Propor que os alunos adquiram procedimentos experimentais, dotando-lhes de rigor metodológico e flexibilidade intelectual, exercitando sua capacidade de aprender a aprender. Desenvolve hábitos e atitudes favoráveis ao trabalho organizado em tarefas, propiciando a valorização do trabalho em grupo. Ajudar, de maneira eficiente, a autoexploração vocacional evitando a priori que os alunos descartem as carreiras científicas por considerá-las equivocadamente distanciadas de suas atividades e de seu cotidiano.

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

SOFTWARE HAGÁQUÊ: FERRAMENTA PEDAGÓGICA DE AUXÍLIO AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM COMO PRÁTICA INOVADORA

SOFTWARE HAGÁQUÊ: FERRAMENTA PEDAGÓGICA DE AUXÍLIO AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM COMO PRÁTICA INOVADORA SOFTWARE HAGÁQUÊ: FERRAMENTA PEDAGÓGICA DE AUXÍLIO AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM COMO PRÁTICA INOVADORA Marília Gerlane Guimarães da Silva graduanda UEPB mariliagerlany@hotmail.com Jocélia Germano

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araujo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande (UFCG CCTA Pombal) jliedja@hotmail.com

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1

Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1 Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1 Janilce Silva Praseres 2 Sandra Antonina Barrozo de Oliveira 3 Universidade Federal

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

CURSO REDES DE COMPUTADORES ALANA CAMILA ARICLÉCIO DOMINGOS EUDES JUNIOR HILDERLENE GOMES

CURSO REDES DE COMPUTADORES ALANA CAMILA ARICLÉCIO DOMINGOS EUDES JUNIOR HILDERLENE GOMES 1 CURSO REDES DE COMPUTADORES ALANA CAMILA ARICLÉCIO DOMINGOS EUDES JUNIOR HILDERLENE GOMES CANINDÉ 2013 2 ALANA CAMILA ARICLÉCIO DOMINGOS EUDES JUNIOR HILDERLENE GOMES Trabalho realizado como requisito

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A assessoria pedagógica não consiste em transmitir certezas, mas em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir

Leia mais

Leitura e Literatura

Leitura e Literatura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICAB Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e de Tecnologias para Educação BásicaB Leitura e Literatura Dia e Semana Nacional da Leitura

Leia mais

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Suzana Aparecida Portes FC UNESP- Bauru/SP E-mail: suzanaapportes@gmail.com Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani FC UNESP- Bauru/SP E-mail:

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

LOGO: Educação Matemática e Novas Tecnologias

LOGO: Educação Matemática e Novas Tecnologias LOGO: Educação Matemática e Novas Tecnologias Denice Aparecida Fontana Nisxota MEMEGAIS 1 denice@unemat.br, Adriana Cristina da SILVA 2 crystinaadri@hotmail.com Cleyton Borges dos SANTOS 3 cleyton.borges@gmail.com

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO O Programa de Pesquisa da Rede Doctum de Ensino parte de três princípios básicos e extremamente importantes para o processo de Pesquisa: 1. O princípio de INDISSOCIABILIDADE

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA Fernanda Mara Cruz (SEED/PR-PG-UFF) Introdução Os processos de ensinar e aprender estão a cada dia mais inovadores e com a presença de uma grande variedade

Leia mais

Como usar a robótica pedagógica aplicada ao currículo

Como usar a robótica pedagógica aplicada ao currículo 1 Congresso sobre práticas inovadoras na educação em um mundo impulsionado pela tecnologia Workshop: Como usar a robótica pedagógica aplicada ao currículo Palestrante: João Vilhete Viegas d'abreu Núcleo

Leia mais

PROJETO UCA: FORMAÇÃO BRASIL. Proposta de operacionalização. Formação dos professores na escola

PROJETO UCA: FORMAÇÃO BRASIL. Proposta de operacionalização. Formação dos professores na escola Ministério da Educação Secretaria de Educação a Distância Projeto Um Computador por Aluno PROJETO UCA: FORMAÇÃO BRASIL Proposta de operacionalização Formação dos professores na escola Outubro, 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Dimensão formativa do programa voltada à educação para a cidadania

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS 1 A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS RESUMO: Este trabalho apresenta a pesquisa, que está em andamento, que tem como objetivo

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. INCLUSÃO DIGITAL

Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. INCLUSÃO DIGITAL Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. Resumo INCLUSÃO DIGITAL Leandro Durães 1 A inclusão digital que vem sendo praticada no país tem abordado, em sua

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB Luzivone Lopes GOMES - PPGFP UEPB luzivone@gmail.com Kennedy Machado OLIVIERA prof.kennedy@hotmail.com RESUMO: Este artigo trata de um relato de experiência

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Alfabetização, EJA, Inclusão, Facebook.

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Alfabetização, EJA, Inclusão, Facebook. A INCLUSÃO DIGITAL E O FACEBOOK NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EJA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA POMBAL PB Autor (1) Amélia Maria

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META COMISSÃO MISTA DE PLANOS, ORÇAMENTOS E FISCALIZ S AO PLN 0002 / 2007 - LDO Página: 489 de 2393 ESPELHO DE S DE INCLUSÃO DE META AUTOR DA 24760001 0461 Promoção da Pesquisa e do Desenvolvimento Científico

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO NOME DO PROJETO Web Rádio: Escola César Cals- Disseminando novas tecnologias via web ENDREÇO ELETRÔNICO www.eccalsofqx.seduc.ce.gov.br PERÍODO DE EXECUÇÃO Março a Dezembro de

Leia mais

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Prof. Dr. Luis Paulo Leopoldo Mercado Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal de Alagoas Conteúdos

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Ambientes Virtuais de Aprendizagem

Ambientes Virtuais de Aprendizagem SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS Modelagem Computacional de Ambientes de Apredizagem Profa. Silvia

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

O futuro da educação já começou

O futuro da educação já começou O futuro da educação já começou Sua conexão com o futuro A 10 Escola Digital é uma solução inovadora para transformar a sua escola. A LeYa traz para a sua escola o que há de mais moderno em educação, a

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO ESPECIALIZAÇÃO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO VÂNIA RABELO DELGADO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO ESPECIALIZAÇÃO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO VÂNIA RABELO DELGADO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO ESPECIALIZAÇÃO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO VÂNIA RABELO DELGADO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI UTILIZAÇÃO DO LABORATORIO DE INFORMÁTICA Guarapuava 2013

Leia mais

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Regina Luzia Corio de Buriasco * UEL reginaburiasco@sercomtel.com.br Magna Natália Marin Pires* UEL magna@onda.com.br Márcia Cristina de Costa Trindade Cyrino*

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS Lucas Gabriel Seibert Universidade Luterana do Brasil lucasseibert@hotmail.com Roberto Luis Tavares Bittencourt Universidade Luterana do Brasil rbittencourt@pop.com.br

Leia mais

Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa

Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa Mariana da Rocha C. Silva Mariana C. A. Vieira Simone C. Marconatto Faculdade de Educação-Unicamp Educação e Mídias

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO.

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO. A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO. Alessandra Ramos Barbosa Joseane Ataíde de Jesus RESUMO Reconstruir o aprender requer mudanças

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL Sheila Valéria Pereira da Silva (UFPB Campus-IV) sheilavaleria88@yahoo.com.br

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA. INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA. INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA IVINHEMA MS MAIO DE 2010 ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR

Leia mais

Vani Moreira Kenski USP/SITE As coisas têm outro sentido se as olharmos retrospectivamente. (Morley, M., 2014)

Vani Moreira Kenski USP/SITE As coisas têm outro sentido se as olharmos retrospectivamente. (Morley, M., 2014) Pedagogia em 2044 Vani Moreira Kenski USP/SITE As coisas têm outro sentido se as olharmos retrospectivamente. (Morley, M., 2014) Pedagogia hoje: Para quem? Para que? ÁREAS DE ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL FORMADO:

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FORMANDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA O ACESSO A INTERNET: O CURSO DE WEB DESIGN E A

Leia mais

OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores

OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores Laboratório Multidisciplinar de Ensino de Ciências e Matemática (LabMEC), vinculado ao Instituto de Ciências Exatas:

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS EIXO TECNOLÓGICO:Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Física FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( x ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

AEC ALE TIC. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE TIC. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2014/2015 AEC ALE TIC Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular, ALE (atividades lúdico-expressivas)

Leia mais

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO 1. DIMENSÃO PEDAGÓGICA 1.a) ACESSIBILIDADE SEMPRE ÀS VEZES NUNCA Computadores, laptops e/ou tablets são recursos que estão inseridos na rotina de aprendizagem dos alunos, sendo possível

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM Fernanda Maura M. da Silva Lopes 1 Lorena Luquini de Barros Abreu 2 1 Universidade Salgado de Oliveira/ Juiz

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA IV Congresso RIBIE, Brasilia 1998 CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA Cristina Vermelho, Glaucia da Silva Brito, Ivonélia da Purificação

Leia mais

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento.

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento. CORPO E MOVIMENTO: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL Tamiris Andrade dos Santos (UEL) tamiris_152@hotmail.com Gilmara Lupion Moreno gilmaralupion@uel.br RESUMO: Sabe-se da importância

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor.

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A ESCOLA PRECISA SER VISTA COMO UMA UNIDADE FUNDAMENTAL PARA

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais