Valor económico da língua portuguesa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Valor económico da língua portuguesa"

Transcrição

1 1 Seminário Diplomático 2013 PROJETAR PORTUGAL Fundação Champalimaud, Valor económico da língua portuguesa

2 2 As línguas no mundo

3 Ecologia da Língua (Calvet) 3 Hipercentral Inglês Super- Centrais (12) incluem o Espanhol, o Árabe, o Português, o Francês, o Alemão, o Chinês Centrais (200) Outras (4 a 5.000) 3

4 4 Comparação das Línguas Globais

5 Ecologia da Língua (Calvet) 5 O predomínio de uma língua tende a originar fenómenos de fragmantação. O latim deu origem ao português, espanhol, francês italiano, romeno e integrou outras como o inglês. O inglês começa a dividir-se: a Nigéria e a Índia falam tipos de inglês com diferenças significativas. 5

6 População e riqueza dos países lusófonos 6 Ranking PIB Ranking Países de língua População mundial (milhões mundial Portuguesa (milhões) População ) PIB Brasil 203, Moçambique 22, Angola 13, Portugal 10, Guiné-Bissau 1, Timor Leste 1, Cabo Verde 0, São Tomé e Príncipe 0, Total 254, % do mundo 3,66% 3,85% Fonte: População CIA, Country Comparison Population, Julho 2011

7 Os falantes de português no Mundo 7 População 250 milhões 3,7% Riqueza milhões 4% Superfície 10,8 milhões de km2 7,25%

8 Principais línguas mundiais diferentes observatórios 8 Posição relativa Ethnologue (Lewis, 2009) Língua Nº falantes como 1ª língua (milhões) Baromètre Calvet des langues du monde (Portalingua, 2011) Língua Nº falantes como 1ª língua (milhões) Observatório da Língua Portuguesa, 2010 Língua Nº falantes como 1ª língua (milhões) Ostler, 2005 Língua Nº falantes como 1ª ou 2ª língua (milhões) 1052 Mandarim 1º Chinês 1213 Mandarim 845 Mandarim 845 Chinês, (Mandarim) (845) 2º Espanhol 329 Espanhol 329 Espanhol 329 Inglês 508 3º Inglês 328 Inglês 328 Inglês 328 Hindi 487 4º Árabe 221 Árabe 222 Português 240 Espanhol 417 5º Hndi 182 Hindi 182 Hindi 182 Russo 277 6º Bengali 181 Bengali 181 Bengali 181 Bengali 211 7º Português 178 Português 178 Russo 144 Português 191 8º Russo 144 Russo 143 Japonês 122 Alemão 128 9º Japonês 122 Japonês 122 Alemão 90 Francês º Alemão 90 Alemão 90 Javanês 85 Japonês 126

9 9 O Português no Barómetro Calvet

10 Crescimento no Facebook

11 11 Resumo Objecto do estudo: Analisar o impacto da proximidade linguística, do ponto de vista do português sobre: O comércio externo; O investimento directo estrangeiro; Os fluxos migratórios; O turismo 11

12 12 Resumo Relações linguísticas analisadas: Países de língua oficial portuguesa; Países de língua próxima, neste caso o espanhol; Países de língua inglesa; Países com outros idiomas. 12

13 Resumo 13 A proximidade linguística influencia: Significativamente O investimento directo no estrangeiro Os fluxos migratórios. Moderadamente O comércio externo Os fluxos turísticos. 13

14 Comércio Externo 14 Comércio internacional de mercadorias por idioma, % 3% 30% 33% 52% Exportações 57% Importações 12% 6% Língua Portuguesa Língua Inglesa Língua Espanhola Outras Línguas Língua Portuguesa Língua Inglesa Língua Espanhola Outras Línguas A proximidade linguística apenas é significativa nas exportações. O peso nas importações é equivalente ao peso dos países lusófonos na economia mundial. Fonte: INE, Estatísticas do Comércio Internacional. 14

15 Investimento Directo Estrangeiro 15 Comparação entre o investimento directo português no estrangeiro (IDPE) e o investimento à entrada (IDE) famílias linguísticas ( ) 70% 60% 50% 52% 60% 40% IDE 30% 20% 19% 13% 12% 16% 23% IDPE Fonte: Banco de Portugal, Março de % 5% 0% Língua Portuguesa Língua Espanhola Língua Inglesa Outras Línguas A proximidade linguística é muito significativa no Inv. Directo Estrangeiro, sobretudo à saída de Portugal (IDPE). O peso da língua espanhola deve-se à proximidade e dimensão da economia espanhola. 15

16 16 Fluxos Migratórios Comparação entre emigrantes e imigrantes por família linguística. Outras Línguas 41% 42% Língua Inglesa 5% 35% Língua Espanhola 3% 10% Língua Portuguesa 13% 51% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% Imigrantes Emigrantes Fonte: (Emigrantes) Observatório da Emigração, residentes nascidos em Portugal, dados de 2008; (Imigrantes) Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, dados de Junho de

17 17 Turismo Portugal Saída de Turistas por país de destino (milhares) 3% 44% 47% 6% Língua Portuguesa Língua Espanhola Língua Inglesa Outras Línguas Fonte: Inquérito ao Movimento de Pessoas nas Fronteiras

18 18 Turismo Portugal - Entrada de Turistas por país de 4% origem (milhares) 20% 51% 25% Língua Portuguesa Língua Inglesa Língua Espanhola Outras Línguas A proximidade linguística apresenta a mais baixa relevância ao nível do turismo. Ao contrário dos emigrantes, as diferenças não surgem como obstáculo ao visitante temporário. Fonte: Inquérito ao Movimento de Pessoas nas Fronteiras

19 19 Factores de Valorização Factores de Valorização da Língua Portuguesa Respostas mais significativas à questão aberta Para mim, a língua portuguesa é/tem (%) Importância estratégica 22,0 Bela/Expressiva 16,8 Ligação afectiva 7,8 Língua oficial 7,7

20 20 Usos da Língua Portuguesa

21 Notoriedade - Personalidades 21 21

22 Notoriedade Marcas (países não lusófonos) 22 22

23 Notoriedade Marcas (países lusófonos) 23 23

24 Conclusões 24 As empresas reduzem os custos de organização quando investem em países com o mesmo idioma. Esta situação é mais significativa nas empresas com menor experiência internacional (diferença entre IDPE e IDE). Existe uma forte aposta no português, pelas oportunidades profissionais e empresariais para os seus utilizadores A ênfase dada ao impacto da proximidade linguística sobre o comércio externo parece excessiva. No caso do português, o IDE e as migrações são muito mais sensíveis. 24

25 25 Conclusões A língua promove relações, principalmente nas migrações. Os trabalhadores do conhecimento exercem mais facilmente o seu potencial quando não existem custos de adaptação linguística. O valor da língua para as empresas e os países pode ser potenciado se for canalizado para as actividades com maior potencial da sua utilização cultura, conhecimento científico e técnico e funções de coordenação e gestão. Este estudo pode ser desenvolvido em duas direcções: Análise sectorial distinguindo indústrias da língua e outras actividades com menor intensidade linguística; Repetição desta metodologia junto de cada país de expressão portuguesa. 25

26 26 Conclusões Acções estratégicas a desenvolver Aprofundar a intercompreensão entre os utilizadores do português, com destaque para o vocabulário científico e técnico. Desenvolver a actividade editorial e de produção científica em português. Privilegiar o ensino do português junto dos utilizadores do idioma hiper-central (inglês, desenvolvimento vertical) e dos países falantes do espanhol (desenvolvimento horizontal) Promover a aliança com a língua espanhola, incluindo a intercompreensão e a aproximação na área editorial (ex.: acesso às listas da ISI de publicações científicas em português e espanhol ou mistas) 26

27 27 O Valor Económico da Língua nas Relações com o Exterior: O Caso do Português Estudo promovido e financiado pelo Instituto Camões Coordenador: Luis Reto Equipa: José Paulo Esperança,Mohamed Azzim Gulamhussen, Fernando Luís Machado, António Firmino da Costa Colaboradores: Andrea Freitas, Helena Torres, Sergio Estevinha, Jorge Horta Ferreira, Alice Alexandre, Ivo Pereira

Dinâmicas de rede e valor económico da língua portuguesa

Dinâmicas de rede e valor económico da língua portuguesa 1 Jornada de Diplomacia Económica ISEG 5.12.2012 Dinâmicas de rede e valor económico da língua portuguesa jose.esperanca@iscte.pt 2 As línguas no mundo Ecologia da Língua (Calvet) 3 Hipercentral Inglês

Leia mais

Impacto Económico da Língua Portuguesa. Prof. Doutora Maria Sousa Galito 09/01/2013

Impacto Económico da Língua Portuguesa. Prof. Doutora Maria Sousa Galito 09/01/2013 Impacto Económico da Língua Portuguesa da Prof. Doutora Maria Sousa Galito 09/01/2013 227,997 M Prof. Sousa Galito Centro de Investigação em Ciência Política e Relações Internacionais: www.ci-cpri.com

Leia mais

Observatório. do Turismo. Cabo Verde

Observatório. do Turismo. Cabo Verde Observatório do Turismo Cabo Verde Emanuel Almeida, Beja, 03 de Maio 2012 Agenda I. CABO VERDE E O SECTOR DO TURISMO 1. Importância do Turismo 2. Estatísticas do Turismo em CV II. OBSERVATÓRIO DO TURISMO

Leia mais

Português: Língua de oportunidades. Números que falam

Português: Língua de oportunidades. Números que falam Português: Língua de oportunidades Números que falam Agenda 1 A CPLP enquanto mercado económico 2 Economia 3 4 5 6 IDE Fiscalidade Plataformas lusófonas Conclusões Slide 2 507 260 Slide 3 Economia Características

Leia mais

PERTO DAS EMPRESAS PARA AS LEVAR MAIS LONGE OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

PERTO DAS EMPRESAS PARA AS LEVAR MAIS LONGE OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE PERTO DAS EMPRESAS PARA AS LEVAR MAIS LONGE OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE AMBIENTE DE NEGÓCIOS 03 CULTURA DE NEGÓCIOS 04 O MERCADO 05-09 REACIONAMENTO ECONÓMICO BILATERAL 10-12 OPORTUNIDADES

Leia mais

horário atribuído (GAE) unidade curricular

horário atribuído (GAE) unidade curricular Nome do Curso: Licenciatura Filosofia 21/06/2017 Filosofia Medieval 17h-19h CPII - C2/106 20/06/2017 Filosofia da Ciência 17h-19h CPII - C2/106 26/06/2017 Hermenêutica 14h-16h CPI - C1/305 27/06/2017 Antropologia

Leia mais

Construir Parcerias quer dizer ter a oportunidade e a coragem de empreender, no mercado dos Países de Língua Portuguesa, de forma a se obter um

Construir Parcerias quer dizer ter a oportunidade e a coragem de empreender, no mercado dos Países de Língua Portuguesa, de forma a se obter um CRESCIMENTO DESENVOLVIMENTO PARCERIAS Construir Parcerias quer dizer ter a oportunidade e a coragem de empreender, no mercado dos Países de Língua Portuguesa, de forma a se obter um espaço (CONFEDERAÇÃO

Leia mais

Potencial Económico da Língua Portuguesa

Potencial Económico da Língua Portuguesa Potencial Económico da Língua Portuguesa Coordenação: Luís Reto José Paulo Esperança Mohamed Azzim Gulamhussen Fernando Luís Machado António Firmino da Costa Índice ÍNDICE DE FIGURAS.......................................

Leia mais

Programa de Internacionalização Agronegócios CPLP 2017/18

Programa de Internacionalização Agronegócios CPLP 2017/18 financiamento financiamento qualificação relações relações sector sector seguros comunicação comunicação desenvolvimento desenvolvimento legislação legislação logística keting keting keting keting mercado

Leia mais

CABO VERDE. AERLIS - Oeiras

CABO VERDE. AERLIS - Oeiras CABO VERDE AERLIS - Oeiras 20.01.2010 Relações Económicas com Portugal Cabo Verde Relações Económicas com Portugal Importância de Cabo Verde nos Fluxos Comerciais de Portugal 2004 2005 2006 2007 2008 COMO

Leia mais

Prof. Doutora Maria Sousa Galito

Prof. Doutora Maria Sousa Galito PORTUGAL E AS RELAÇÕES ECONÓMICAS ENTRE OS PAÍSES DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA Prof. Doutora Maria Sousa Galito Professora e Investigadora da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias 21 Outubro

Leia mais

Programa de Internacionalização Agronegócios CPLP 2017/18

Programa de Internacionalização Agronegócios CPLP 2017/18 financiamento financiamento geoestratégia geoestratégia geoestratégia qualificação recursos recursos recursos relações relações sector sector seguros governação governação governação governação agronegócio

Leia mais

Apresentador: Jorge Correia

Apresentador: Jorge Correia SÃO TOME E PRINCIPE CENTRO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PARA OS PAÍSES DA SUB-REGIÃO AFRICANA E DA CPLP Apresentador: Jorge Correia Presidente da Câmara de Comércio, Indústria, Agricultura e Serviços de São

Leia mais

As Universidades Públicas e a Cooperação Internacional

As Universidades Públicas e a Cooperação Internacional As Universidades Públicas e a Cooperação Internacional António Rendas Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) Reitor da Universidade Nova de Lisboa Seminário Diplomático

Leia mais

DISCIPLINAS OPTATIVAS PARA OS CURRÍCULOS, CRIADOS A PARTIR DE 2006, DO CURSO DE LETRAS

DISCIPLINAS OPTATIVAS PARA OS CURRÍCULOS, CRIADOS A PARTIR DE 2006, DO CURSO DE LETRAS CURRÍCULO CÓDIGO DESCRIÇÃO SETOR CLASSE 1/06 GCL00091 CRÍTICA TEXTUAL / ECDÓTICA II Crítica Textual OPTATIVA 1/06 GCL00092 CRÍTICA TEXTUAL / ECDÓTICA III Crítica Textual OPTATIVA 1/06 GCL00093 CRÍTICA

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA FOMENTAR O TURISMO NO ESPAÇO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP

ESTRATÉGIA PARA FOMENTAR O TURISMO NO ESPAÇO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP ESTRATÉGIA PARA FOMENTAR O TURISMO NO ESPAÇO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP 2 ESTRATÉGIA PARA FOMENTAR O TURISMO NO ESPAÇO DA COMUNIDADES DOS PAÍSES DE LINGUA PORTUGUESA - CPLP 1

Leia mais

Tema: Todas As Nações

Tema: Todas As Nações Texto Bíblico: Gênesis 11.1-9 Tema: Todas As Nações Versículo para memorizar: Por isso foi chamada Babel, porque ali o Senhor confundiu a língua de todo o mundo. Gênesis 11.9a. Princípio Bíblico: Semear

Leia mais

1. Portugal no Mundo Promover a Paz e a Segurança PORTUGAL NO MUNDO PROMOVER A PAZ E A SEGURANÇA

1. Portugal no Mundo Promover a Paz e a Segurança PORTUGAL NO MUNDO PROMOVER A PAZ E A SEGURANÇA 1. Portugal no Mundo Promover a Paz e a Segurança PORTUGAL NO MUNDO PROMOVER A PAZ E A SEGURANÇA 2º Encontro Conhecimento e Cooperação - Lisboa, 06-06-2013 2. Portugal no Mundo Promover a Paz e a Segurança

Leia mais

TURISMO ACESSÍVEL PARA TODOS. TUR4all Portugal

TURISMO ACESSÍVEL PARA TODOS. TUR4all Portugal TURISMO ACESSÍVEL PARA TODOS TUR4all Portugal A TUR4all é um projeto feito de pessoas para pessoas que terá êxito com a adesão dos players da cadeia turística e do público a que se destina. Contamos com

Leia mais

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa 2013

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa 2013 Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa 2013 O #Lusofonia (Cardinal Lusofonia) é uma publicação que se enquadra na promoção do conhecimento público sobre as economias dos Países de

Leia mais

O seu Parceiro de Negócios

O seu Parceiro de Negócios O seu Parceiro de Negócios Sinopse da Empresa O BNU é o primeiro banco emissor de papel-moeda em Macau, com 115 anos de história, no apoio à comunidade local. Há mais de um século que o BNU é parte da

Leia mais

MUNDISERVIÇOS MAIO 2009

MUNDISERVIÇOS MAIO 2009 MUNDISERVIÇOS MAIO 2009 Breve Apresentação MundiServiços Companhia Portuguesa de Serviços e Gestão, Lda. Início de actividade: 1988 Actividade principal Consultoria de Gestão e Formação Staff Interno:

Leia mais

A FCT e a CooperaçãoemCiênciae Tecnologia com ospaísesdo EspaçoCPLP

A FCT e a CooperaçãoemCiênciae Tecnologia com ospaísesdo EspaçoCPLP A FCT e a CooperaçãoemCiênciae Tecnologia com ospaísesdo EspaçoCPLP 2ª CONFERÊNCIA SOBRE O FUTURO DA LÍNGUA PORTUGUESA NO SISTEMA MUNDIAL 30 de outubro2013 Maria João Maia Departamento das Relações Internacionais,

Leia mais

Estatísticas do Turismo 2001

Estatísticas do Turismo 2001 Informação à Comunicação Social 29 de Agosto de 22 Estatísticas do Turismo 21 Estando disponível na Internet a publicação Estatísticas do Turismo 21, o INE apresenta os principais resultados referentes

Leia mais

Abordagem ao mercado PALOP e Espanhol. Luís Cadillon International Business Developer

Abordagem ao mercado PALOP e Espanhol. Luís Cadillon International Business Developer Abordagem ao mercado PALOP e Espanhol Luís Cadillon International Business Developer PRIMAVERA BSS Início de actividade - Dezembro de 1993 Sociedade Anónima de Capitais 100% Portugueses Sede em Braga,

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de fevereiro de 2013

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de fevereiro de 2013 Nota de Informação Estatística Lisboa, de fevereiro de 3 Banco de Portugal divulga estatísticas da balança de pagamentos e da posição de investimento internacional referentes a O Banco de Portugal publica

Leia mais

Crescimento e competitividade da economia moçambicana João Mosca Lisboa, ISEG/UTL, 22 de Março 2012

Crescimento e competitividade da economia moçambicana João Mosca Lisboa, ISEG/UTL, 22 de Março 2012 Crescimento e competitividade da economia moçambicana 2001-2010 João Mosca Lisboa, ISEG/UTL, 22 de Março 2012 Que padrão de crescimento Factores do crescimento e da competitividade (com enfoque macro ex

Leia mais

Sustentabilidade: Desafio Actual do Ensino Superior

Sustentabilidade: Desafio Actual do Ensino Superior Os desafios da Gestão e da Qualidade do Ensino Superior nos Países e Regiões de Língua Portuguesa 15 de Novembro de 2011 Sustentabilidade: Desafio Actual do Ensino Superior Instituto Superior Técnico,

Leia mais

PINTO, PAULO FEYTOR (2010), O ESSENCIAL SOBRE POLÍTICA DE LÍNGUA. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda. [98 páginas] ISBN

PINTO, PAULO FEYTOR (2010), O ESSENCIAL SOBRE POLÍTICA DE LÍNGUA. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda. [98 páginas] ISBN PINTO, PAULO FEYTOR (2010), O ESSENCIAL SOBRE POLÍTICA DE LÍNGUA. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda. [98 páginas] ISBN 978-972- 27-1874-5. 1. Política de Língua?! Exatamente isso. Ou seja, um conjunto

Leia mais

MOÇAMBIQUE. Quadro B. Categorias de Dados e Indicadores. Sector Externo

MOÇAMBIQUE. Quadro B. Categorias de Dados e Indicadores. Sector Externo MOÇAMBIQUE Quadro B. Categorias de Dados e Indicadores Sector Externo CATEGORIA DE DADOS: Agregados da Balança de Pagamentos Descritor Nacional (no caso de diferente, precisar): PRINCIPAIS INDICADORES:

Leia mais

Portugal é feito de todos nós Turismo de Portugal na BTL 2014

Portugal é feito de todos nós Turismo de Portugal na BTL 2014 Portugal é feito de todos nós Turismo de Portugal na BTL 2014 Portugal é feito de todos nós é o tema da participação do Turismo de Portugal na BTL Feira Internacional de Turismo, que se realiza de 12 a

Leia mais

Programa de Internacionalização Agronegócios CPLP 2017/18

Programa de Internacionalização Agronegócios CPLP 2017/18 financiamento financiamento geoestratégia geoestratégia geoestratégia qualificação recursos recursos recursos relações relações sector sector seguros governação governação governação governação agronegócio

Leia mais

Programa de Internacionalização Agronegócios CPLP 2017/18

Programa de Internacionalização Agronegócios CPLP 2017/18 financiamento financiamento geoestratégia geoestratégia geoestratégia qualificação recursos recursos recursos relações relações sector sector seguros governação governação governação governação agronegócio

Leia mais

XI Jornada. As Bibliotecas de Saúde: que futuro?

XI Jornada. As Bibliotecas de Saúde: que futuro? XI Jornada As Bibliotecas de Saúde: que futuro? 27 e 28 de março de 2014 Cooperação na área da documentação e informação em saúde: PALOP: rede eportuguêse Regina Ungerer Coordenadora da rede eportuguêse

Leia mais

Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais

Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Paulo Lobo Viana do Castelo - 11 de fevereiro 1 Segmentos de Atividade da Construção e Imobiliário VAB Volume de Negócios

Leia mais

Conclusões. II Conferência de Ministros de Turismo da CPLP

Conclusões. II Conferência de Ministros de Turismo da CPLP Conclusões II Conferência de Ministros de Turismo da CPLP Na sequência de uma decisão da VIII Reunião Ordinária do Conselho de Ministros da Comunidade de Países de Língua Portuguesa, que se reuniu em Coimbra

Leia mais

O Senhor DEPUTADO PASTOR. REINALDO (PTB/RS) pronuncia o seguinte discurso: - Senhor Presidente, senhoras e senhores Deputados,

O Senhor DEPUTADO PASTOR. REINALDO (PTB/RS) pronuncia o seguinte discurso: - Senhor Presidente, senhoras e senhores Deputados, O Senhor DEPUTADO PASTOR REINALDO (PTB/RS) pronuncia o seguinte discurso: - Senhor Presidente, senhoras e senhores Deputados, ouvimos freqüentemente notícias sobre recordes de arrecadação de tributos,

Leia mais

Enlaces útiles/ Esteka Interesgarriak. Jornais e revistas

Enlaces útiles/ Esteka Interesgarriak. Jornais e revistas DEPARTAMENTO DE PORTUGUES // PORTUGALERA DEPARTAMENTUA PORTUGAL Nacionais http://www.publico.clix.pt http://www.expresso.pt http://www.correiomanha.pt http://www.dn.pt http://www.visaoonline.pt http://www.acapital.pt

Leia mais

AGENDA DO SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE POLÍTICAS DE SEGURANÇA PÚBLICA NO ESPAÇO DA CPLP: LIÇÕES E DESAFIOS. Maputo, 8 de Abril de 2013

AGENDA DO SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE POLÍTICAS DE SEGURANÇA PÚBLICA NO ESPAÇO DA CPLP: LIÇÕES E DESAFIOS. Maputo, 8 de Abril de 2013 AGENDA DO SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE POLÍTICAS DE SEGURANÇA PÚBLICA NO ESPAÇO DA CPLP: LIÇÕES E DESAFIOS Dia 8/04/2013 Maputo, 8 de Abril de 2013 08h40 09h00 Cerimónia de abertura 09h00 09h15 09h15

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice Índice Duração Média Mensal dos Trabalhadores por Conta de Outrem (TCO) Estrangeiros (a tempo completo e incompleto) no Período do Trabalho Normal, por Nacionalidade, 2010-2012... 2 Número de Trabalhadores

Leia mais

nº 2 Outubro 2009 COMÉRCIO EXTERNO MERCADOS DE EXPORTAÇÃO E.U.A. CANADÁ BRASIL ANGOLA

nº 2 Outubro 2009 COMÉRCIO EXTERNO MERCADOS DE EXPORTAÇÃO E.U.A. CANADÁ BRASIL ANGOLA nº 2 Outubro 29 COMÉRCIO EXTERNO MERCADOS DE EXPORTAÇÃO E.U.A. CANADÁ BRASIL ANGOLA MERCADOS DE EXPORTAÇÃO: EUA Canadá Brasil - Angola COMÉRCIO EXTERNO INDICE Balança do Vinho Português.. 3 Exportações

Leia mais

Financiamento Internacional

Financiamento Internacional Financiamento Internacional Posicionamento das ONGD portuguesas Formadora: Tânia Santos mecanismo@cesa.iseg.utl.pt Índice 1)Posicionamento das ONGD no financiamento; 2)Cartas de intenção e propostas sucintas;

Leia mais

Acordo Ortográfico: por que foi aprovado?

Acordo Ortográfico: por que foi aprovado? L.E. Semana 4 Segunda Feira Acordo Ortográfico: por que foi aprovado? Considerações acerca da unificação pretendida pelo acordo ortográfico O que é o acordo ortográfico é um tratado internacional firmado

Leia mais

Assembleia Geral Anual da Portucel Empresa Produtora de Pasta e Papel, S.A. de 10 de Abril de 2012

Assembleia Geral Anual da Portucel Empresa Produtora de Pasta e Papel, S.A. de 10 de Abril de 2012 Assembleia Geral Anual da Portucel Empresa Produtora de Pasta e Papel, S.A. de 10 de Abril de 2012 Proposta relativa ao Ponto 8. da Ordem de Trabalhos Considerando que se encontra vago o cargo de Presidente

Leia mais

A Indústria Automóvel em Portugal

A Indústria Automóvel em Portugal A Indústria Automóvel em Portugal Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Equipa 1M6_001: José Francisco Gomes Maria Inês Barros Maria Inês Almeida Maria Leal Antão Tiago José Calafate Ano Letivo 2013/2014

Leia mais

Um Novo Mercado Económico da CPLP

Um Novo Mercado Económico da CPLP Um Novo Mercado Económico da CPLP Com a Co-organização da 1ª Conferência Económica Novo Mercado Económico da CPLP Montebelo Indy Maputo Congress Hotel, Moçambique 18 e 19 de outubro de 2017 Versão de 26

Leia mais

UE e os países de língua portuguesa.

UE e os países de língua portuguesa. UE e os países de língua portuguesa http://dossiers.eurocid.pt/lusofonia Índice Língua Demografia do português UE e língua portuguesa UE e países de língua portuguesa Dossiê eletrónico Língua ( ) todas

Leia mais

TURMAS DE SEGUNDAS E QUARTAS-FEIRAS

TURMAS DE SEGUNDAS E QUARTAS-FEIRAS CENE-FALE UFMG TURMAS DOS CURSOS DE IDIOMAS CENE-FALE UFMG CURSO DE IDIOMAS Alemão Básico Inicial º estágio 3 Letras 2002 2 Alemão Básico Inicial º estágio 4 CAD 2 C-32 3 Alemão Básico Inicial º estágio

Leia mais

Oportunidades de Negócio e Financiamento

Oportunidades de Negócio e Financiamento Oportunidades de Negócio e Financiamento 1 Fundos de Cooperação Europeia 2 Fundos de Cooperação Europeia 3 Fundos de Cooperação Europeia 4 Vantagens para as empresas: 1. Internacionalização de empresas

Leia mais

1ºANO 2ºANO 3ºANO 3000/ / /3100

1ºANO 2ºANO 3ºANO 3000/ / /3100 Contabilidade (C ) 3ºANO 3000/3100 3000/3100 3000/3100 25-Jun GESTÃO DAS OPERAÇÕES (18h 30m) Contabilidade de Gestão (9h) Elementos de Economia Internacional (14h) 26-Jun PROJECTO DE SIMULAÇÃO EMPRESARIAL

Leia mais

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Publicação anual Outubro 2016 Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Comunidade em gráficos Área terrestre Milhares de km 2 População Milhões de habitantes, PIB EUR, mil milhões, preços

Leia mais

Estatísticas da Globalização

Estatísticas da Globalização Estatísticas da Globalização 28-213 28 de março de 214 Indicadores da globalização revelam integração internacional da economia portuguesa No período 28-213, em particular a partir do ano 21, a economia

Leia mais

RESEARCH SETORIAL. A Emigração Portuguesa Depósitos e remessas de emigrantes Agosto 2014

RESEARCH SETORIAL. A Emigração Portuguesa Depósitos e remessas de emigrantes Agosto 2014 A Emigração Portuguesa Depósitos e remessas de emigrantes Agosto 2014 Índice 1. As Remessas dos Emigrantes 2. Depósitos Bancários dos Emigrantes 3. Movimentos da População Portuguesa 4. A Presença Portuguesa

Leia mais

MÓDULO VI. A União Europeia. e os Desafios do Século XXI. União Europeia. Fundo Social Europeu

MÓDULO VI. A União Europeia. e os Desafios do Século XXI. União Europeia. Fundo Social Europeu MÓDULO VI A e os Desafios do Século XXI O papel da no Mundo Ajuda ao Desenvolvimento PESC Processo de integração Manutenção da Paz Democracia uro Direitos Humanos Globalização Criminalidade Justiça Mercado

Leia mais

Portugal Uma estratégia para o crescimento Grupo de Trabalho III. Exportação e Subcontratação Especializada. Relatório sectorial

Portugal Uma estratégia para o crescimento Grupo de Trabalho III. Exportação e Subcontratação Especializada. Relatório sectorial Portugal Uma estratégia para o crescimento Grupo de Trabalho III. Exportação e Subcontratação Especializada Relatório sectorial 8 de Maio de 2017 Membros do Grupo de Trabalho... 2 Resumo executivo... 3

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011 Banco de Portugal divulga as Estatísticas da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento Internacional referentes a 2010 O Banco de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Comunicação Organizacional sobre

Leia mais

Cabo Verde como plataforma no Atlântico: VELHA realidade num NOVO contexto

Cabo Verde como plataforma no Atlântico: VELHA realidade num NOVO contexto Cabo Verde como plataforma no Atlântico: VELHA realidade num NOVO contexto Lisbon Atlantic Conference 2013 Territorial and Neighboring Cooperation. Lisboa, 5 de Dezembro de 2013 Carlos Rocha Administrador

Leia mais

Sistemas de Ensino. Ana Nobre, Hélder Pereira, Ademiro do Rosário Teresa Vieira, António Chimuzu. Portugal, Cabo Verde, Angola, Moçambique e Brasil

Sistemas de Ensino. Ana Nobre, Hélder Pereira, Ademiro do Rosário Teresa Vieira, António Chimuzu. Portugal, Cabo Verde, Angola, Moçambique e Brasil Sistemas de Ensino Ana Nobre, Hélder Pereira, Ademiro do Rosário Teresa Vieira, António Chimuzu Portugal, Cabo Verde, Angola, Moçambique e Brasil É objetivo desta publicação evidenciar diferentes sistemas

Leia mais

IX REUNIÃO DOS MINISTROS DO TURISMO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Declaração de Foz do Iguaçu

IX REUNIÃO DOS MINISTROS DO TURISMO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Declaração de Foz do Iguaçu IX REUNIÃO DOS MINISTROS DO TURISMO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Foz do Iguaçu, 29 de junho de 2017 Declaração de Foz do Iguaçu Os Ministros do Turismo da Comunidade de Países de Língua

Leia mais

THE WAY AHEAD FOR THE MEDIA INDUSTRY ALEXANDRE NILO FONSECA PRESIDENTE ACEPI

THE WAY AHEAD FOR THE MEDIA INDUSTRY ALEXANDRE NILO FONSECA PRESIDENTE ACEPI DIGITAL MEDIA FORUM PORTUGAL LISBOA, 14 DE JULHO DE 2015 THE WAY AHEAD FOR THE MEDIA INDUSTRY ALEXANDRE NILO FONSECA PRESIDENTE ACEPI www.acepi.pt 15 ANOS A PROMOVER E DESENVOLVER A ECONOMIA DIGITAL EM

Leia mais

EVA RAFAEL COELHO SANTIAGO. Física II TN01SHTG01 EVA RAFAEL COELHO SANTIAGO. Materiais de Tecnologia da Construção TN01SHTG01

EVA RAFAEL COELHO SANTIAGO. Física II TN01SHTG01 EVA RAFAEL COELHO SANTIAGO. Materiais de Tecnologia da Construção TN01SHTG01 Engenharia de Segurança do Trabalho (ISLA-Gaia) 1N1 - - - - EVA RAFAEL COELHO SANTIAGO Materiais de Tecnologia da Construção Matemática II EVA RAFAEL COELHO SANTIAGO Física II HERNÂNI VELOSO NETO Direito

Leia mais

Base: INE (2008) Peso das Exportações do Vinho no total das Exportações da Economia Portuguesa (em Valor)

Base: INE (2008) Peso das Exportações do Vinho no total das Exportações da Economia Portuguesa (em Valor) OBSERVATÓRIO DO VINHO Análise de Mercados de Exportação EUA Canadá Brasil - Angola Mercados Internacionais de Vinho 1. Balança do Vinho Português 2. Exportações Terceiros de Vinho Português para Países

Leia mais

Diplomacia Económica Vantagens e Desvantagens

Diplomacia Económica Vantagens e Desvantagens Diplomacia Económica Vantagens e Desvantagens Maria Sousa Galito Doutorada em Ciência Política e Relações Internacionais pelo IEP-UCP Jornada de Diplomacia Económica, ISEG, 05-12-2012 Diplomacia Microeconómica:

Leia mais

Paulo Tumasz Junior. Tipos de Migração

Paulo Tumasz Junior. Tipos de Migração Paulo Tumasz Junior Tipos de Migração APRESENTAÇÕES Slides - Migrações: Deslocamentos de pessoas no decorrer do tempo; - Mudança de endereço por diversos fatores e motivos; - As migrações podem ser forçadas

Leia mais

de Investimento em Angola e Cabo Verde

de Investimento em Angola e Cabo Verde Conferência Client Perspectivas name appearse Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC Conferência Regime Fiscal do CINM Catarina Gonçalves Agenda 1 Região Autónoma da Madeira 2 Centro

Leia mais

A Cooperação Portuguesa

A Cooperação Portuguesa FICHA TEMÁTICA A Cooperação Portuguesa Março de 2015 Política de Cooperação para o Desenvolvimento A Cooperação para o Desenvolvimento é um vetor chave da política externa portuguesa, que assenta num consenso

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS 1 de 6 - mobilidade humana e OBJECTIVO: Identifica sistemas de administração territorial e respectivos funcionamentos integrados. O Turismo Guião de Exploração Indicadores sobre o turismo em Portugal 27

Leia mais

Memorando de Entendimento. Entre A COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE TURISMO

Memorando de Entendimento. Entre A COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE TURISMO Memorando de Entendimento Entre A COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE TURISMO Considerando que a Comunidade de Países de Língua Oficial Portuguesa doravante designada por

Leia mais

INTERNACIONALIZAR AS PME DO ALGARVE DESAFIOS E OPORTUNIDADES O DESAFIO DA INTERNACIONALIZAÇÃO: NOVOS CAMINHOS

INTERNACIONALIZAR AS PME DO ALGARVE DESAFIOS E OPORTUNIDADES O DESAFIO DA INTERNACIONALIZAÇÃO: NOVOS CAMINHOS INTERNACIONALIZAR AS PME DO ALGARVE DESAFIOS E OPORTUNIDADES O DESAFIO DA INTERNACIONALIZAÇÃO: NOVOS CAMINHOS NERA, 25 de novembro de 2016 Internacionalização Enquadramento Desafios da Internacionalização

Leia mais

Mercado de Trabalho da Região Norte Eduardo Pereira

Mercado de Trabalho da Região Norte Eduardo Pereira Mercado de Trabalho da Região Norte Eduardo Pereira 1 a sessão NORTE & PESSOAS 12 MAIO Instituto de Design de Guimarães www.ccdr-n.pt/norte-pessoas O Mercado de Trabalho da Região Norte 1. Da viragem do

Leia mais

[Aprender Português / Portugiesisch lernen]

[Aprender Português / Portugiesisch lernen] [Aprender Português / Portugiesisch lernen] Sabias que segundo a última edição do livro The Ethnologue: languages of the world, o número de línguas faladas no mundo é de 6912. 1. Analisa o seguinte ranking

Leia mais

OBSERVATÓRIO. Exportações e Investimento Externo. Novembro 2016

OBSERVATÓRIO. Exportações e Investimento Externo. Novembro 2016 OBSERVATÓRIO Exportações e Investimento Externo Novembro O presente documento constitui uma análise do desempenho recente das relações económicas de Portugal com o estrangeiro, ao nível das exportações

Leia mais

X REUNIÃO DOS MINISTROS DO TRABALHO E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP

X REUNIÃO DOS MINISTROS DO TRABALHO E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP As Ministras e os Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), reunidos na cidade de Fortaleza, no período de 22 a 24 de fevereiro de 2010, Considerando:

Leia mais

Portfolio Europeu de Línguas

Portfolio Europeu de Línguas DIRECÇAO GERAL DE INOVAÇÂO E DESENVOLVIMENTO CURRICULAR Portfolio Europeu de Línguas Glória Fischer Centro de Informação Europeia Jacques Delors Janeiro 2005 DIVERSIDADE LINGUÍSTICA E CULTURAL LÍNGUAS

Leia mais

AS INFRA-ESTRUTURAS DE TRANSPORTES NO DESENVOLVIMENTO DO CORREDOR DO LOBITO

AS INFRA-ESTRUTURAS DE TRANSPORTES NO DESENVOLVIMENTO DO CORREDOR DO LOBITO AS INFRA-ESTRUTURAS DE TRANSPORTES NO DESENVOLVIMENTO DO CORREDOR DO LOBITO 01 MULTIMODALIDADE 02 HUB DE TRANSPORTES 03 EIXO ANTLÂNTICO - ÍNDICO AFRICA AUSTRAL 04 AEROPORTO CATUMBELA INFRA-ESTRUTURA INTERNACIONAL

Leia mais

Estatísticas Demográficas 2004

Estatísticas Demográficas 2004 Estatísticas Demográficas 2004 28 de Novembro de 2005 A população residente em Portugal, em 31/12/2004, estimou-se em 10 529 255 indivíduos. Os nascimentos decresceram 2,9% e os óbitos 6,2%, face a 2003.

Leia mais

Hildizina Norberto Dias

Hildizina Norberto Dias Hildizina Norberto Dias Objectivo Reflectir sobre a relevância da língua portuguesa na economia no mundo da Lusofonia. Partes da reflexão 1. Mundo da Lusofonia; 2. Mercado linguístico; 3. A língua portuguesa

Leia mais

Juntos vamos mais longe. Jorge Santos

Juntos vamos mais longe. Jorge Santos Angola Guiné-Bissau Portugal Brasil Guiné Equatorial São Tomé e Príncipe Cabo Verde Moçambique Timor-Leste Programa de Internacionalização Agronegócio CPLP Jorge Santos Presidente O programa de internacionalização

Leia mais

Migração interna e internacional no continente na perspectiva da CIPD além de Seminário Internacional ALAP Rio de Janeiro Julho 2013

Migração interna e internacional no continente na perspectiva da CIPD além de Seminário Internacional ALAP Rio de Janeiro Julho 2013 Migração interna e internacional no continente na perspectiva da CIPD além de 2014 Seminário Internacional ALAP Rio de Janeiro Julho 2013 Migração Internacional Final Século XX O tema migração internacional

Leia mais

Vital Rosário Licenciado em Urbanismo Adjunto da Coordenação do PROT OVT

Vital Rosário Licenciado em Urbanismo Adjunto da Coordenação do PROT OVT http://consulta-protovt.inescporto.pt/ Vital Rosário Licenciado em Urbanismo Adjunto da Coordenação do PROT OVT PENICHE * 06 DE NOVEMBRO DE 2008 PROT: O QUE É É um instrumento de desenvolvimento territorial

Leia mais

Exames da Universidade Aberta - Julho 2010

Exames da Universidade Aberta - Julho 2010 ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL Data 02-Jul 06-Jul 07-Jul Horário Exames da Universidade Aberta - Julho 2010 Disciplinas Cód. Descrição 11009 Conhecimento do Mundo Social

Leia mais

Índice. Aquisições da nacionalidade portuguesa (Nº), por tipo de aquisição e sexo,

Índice. Aquisições da nacionalidade portuguesa (Nº), por tipo de aquisição e sexo, Índice Processos Entrados e Findos de Concessão de Nacionalidade Portuguesa, de 2007 a 2011, por Artigo da Lei da Nacionalidade (Lei n.º 37/81, de 3 de Outubro alterada e republicada pela Lei Orgânica

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010 Evolução 2004-2010 Actualizado em Dezembro de 2010 Unid. Fonte 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Notas 2010 População a Milhares Hab. INE 10.509 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.638 3º Trimestre

Leia mais

VII REUNIÃO DE MINISTROS DA DEFESA DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Bissau, 31 de Maio e 1 Junho de 2004 DECLARAÇÃO FINAL

VII REUNIÃO DE MINISTROS DA DEFESA DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Bissau, 31 de Maio e 1 Junho de 2004 DECLARAÇÃO FINAL VII REUNIÃO DE MINISTROS DA DEFESA DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Bissau, 31 de Maio e 1 Junho de 2004 DECLARAÇÃO FINAL Os Ministros da Defesa de Angola, do Brasil, de Cabo Verde, da Guiné-Bissau,

Leia mais

A População e o. Território. Território. Parte 1. Evolução Demográfica Assimetrias Espaciais

A População e o. Território. Território. Parte 1. Evolução Demográfica Assimetrias Espaciais A População e o Território 1 A População e o Território Parte 1 2 Evolução Demográfica Assimetrias Espaciais 1 Uma ocupação progressivamente mais intensa do território nacional: 3 A ocupação do solo em

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE NEGÓCIOS PORTUGAL A PORTA DE ENTRADA NA EUROPA

INTERNACIONALIZAÇÃO DE NEGÓCIOS PORTUGAL A PORTA DE ENTRADA NA EUROPA INTERNACIONALIZAÇÃO DE NEGÓCIOS PORTUGAL A PORTA DE ENTRADA NA EUROPA Cenário Portugal 15º País com melhores infraestruturas do mundo 4º nas Auto-estradas; 25º em infraestruturas marítimas; 24º no transporte

Leia mais

Banda Larga - Definià à o Tecnica

Banda Larga - Definià à o Tecnica Banda Larga - Definià à o Tecnica O que e Banda Larga? (Broadband) Banda Larga refere-se à telecomunicação que fornece múltiplos canais de dados por cima de um meio de comunicações único, tipicamente usando

Leia mais

A Caixa como um instrumento de apoio à competitividade de Portugal.

A Caixa como um instrumento de apoio à competitividade de Portugal. A Caixa como um instrumento de apoio à competitividade de Portugal. Comissão Parlamentar de Assuntos Económicos, Inovação e Desenvolvimento Regional Rodolfo Lavrador Colóquio Respostas da Economia Portuguesa

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A FRANÇA

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A FRANÇA Expedições 4.464.744 4.822.900 4.579.743 3.940.828 4.332.395-0,3 9,9 Chegadas 4.790.959 5.207.365 5.198.573 4.288.227 4.101.087-3,3-4,4 Saldo -326.214-384.465-618.830-347.399 231.308 -- -- Coef. Cob. 93,2%

Leia mais

O Acesso Aberto à literatura

O Acesso Aberto à literatura TÍTULO DA APRESENTAÇÃO O Acesso Aberto à literatura Complemento de título científica e a língua portuguesa Nome: e-mail: url Eloy Rodrigues eloy@sdum.uminho.pt Universidade do Minho Serviços de Documentação

Leia mais

CORPORATE GOVERNANCE E ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NO ESPAÇO LUSÓFONO

CORPORATE GOVERNANCE E ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NO ESPAÇO LUSÓFONO ISCTE Brings Us Together 2015 Parcerias, Governo, Sociedade e Mercado CORPORATE GOVERNANCE E ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NO ESPAÇO LUSÓFONO José Esperança Jorge Lengler AGENDA Corporate governance no mundo

Leia mais

CAUSAS DA EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

CAUSAS DA EMIGRAÇÃO PORTUGUESA Portugal é por tradição um país de migrações, dado que apesar do incremento da imigração, os portugueses continuam a emigrar... CAUSAS DA EMIGRAÇÃO PORTUGUESA A motivação económica, que se traduz pela

Leia mais

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão Alexandre Panosso Netto Escola de Artes, Ciências e Humanidades Universidade de São Paulo Fábia Trentin Departamento

Leia mais

PORTUGAL: COMÉRCIO INTERNACIONAL DE CONSERVAS DE FRUTOS E DE PRODUTOS HORTÍCOLAS

PORTUGAL: COMÉRCIO INTERNACIONAL DE CONSERVAS DE FRUTOS E DE PRODUTOS HORTÍCOLAS Balança Comercial de Conservas de Frutos e de Produtos Hortícolas (NC 20) (Milhares de Euros) Saídas 171.860 219.416 253.244 316.567 294.753 15,3-6,9 Entradas 186.911 215.700 237.052 246.592 256.774 8,4

Leia mais

CAE 27 - INDÚSTRIAS METALÚRGICAS DE BASE ESTATÍSTICA DAS EMPRESAS

CAE 27 - INDÚSTRIAS METALÚRGICAS DE BASE ESTATÍSTICA DAS EMPRESAS CAE Rev. 2.1 - INDÚSTRIAS METALÚRGICAS DE BASE ESTATÍSTICA DAS EMPRESAS Totais Nacionais % no total da Indústria Transformadora 2000 2001 2002 2003 2004* 2005* 2006* 2007* 2008 2000 2001 2002 2003 2004*

Leia mais

Revista Internacional. em Língua. Portuguesa Turismo

Revista Internacional. em Língua. Portuguesa Turismo Revista Internacional em Língua Portuguesa Turismo III Série Nº 26 2013 Publicação anual da Associação das Universidades de Língua Portuguesa (AULP) European Reference Index for the Humanities (ERIH) da

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas. 20 de Junho de 2016

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas. 20 de Junho de 2016 O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas 20 de Junho de 2016 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora Enquadramento Evolução Recente Peso

Leia mais