EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE ANO 2006

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE ANO 2006"

Transcrição

1 INAPA INVESTIMENTOS, PARTICPAÇÕES E GESTÃO, SA ( Sociedade Aberta ) Sede: Rua do Salitre, n.º 142, freguesia de São Mamede, Lisboa Capital social: NIPC: Matrícula n.º da Conservatória do Registo Comercial de Lisboa EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE ANO 2006 FACTOS RELEVANTES Redução dos volumes comercializados (-3%) em linha com o mercado; Preços médios de venda em linha com o ano anterior; Manutenção da Margem Bruta em 17,5%; Custos Operacionais crescem 2,9% devido ao aumento de custos de transporte e provisões; Custos de reestruturação ascendem a 10,5 M ; Início do processo de reestruturação em França. O MERCADO O exercício em apreço verificou-se o início do processo de ajustamento da oferta no mercado através do encerramento de algumas máquinas, reforçado no decurso do 1º trimestre de As taxas de ocupação subiram estando actualmente acima dos 90%. O consumo de papel realizado através da distribuição reduziu-se ligeiramente (-1%), apresentando os preços uma ligeira subida no último trimestre do ano. A INAPA No volume de vendas desceu 3% face a 2005, reflectindo o contexto recessivo da economia, bem como o impacto do início do processo de reestruturação em França. Este facto não pode ser dissociado dos processos de reestruturação empreendidos, que quer pela complexidade e burocracia envolvida se prolongaram por uma parte significativa do ano. Assim o valor transaccionado, diminuiu 1.1% para milhões de euros, em linha com o mercado, sendo de salientar a melhoria do rácio stock/indent para 51% ( 50% em 2005). O preço médio de venda manteve-se inalterado, embora se tenha verificado um ligeiro acréscimo no último trimestre do ano. O rácio stock/indent melhorou fixando-se em 51%.

2 A margem bruta aumentou ligeiramente para 17,5% ( 17,1% em 2005). Em valor a margem bruta situou-se nos 186 milhões de euros, 6 milhões de euros abaixo do valor de 2005 devido ao menor volume transaccionado e á redução dos descontos comerciais associados. Os custos operacionais cresceram 2.9% para 175 milhões de euros, reflexo do aumento dos custos de transporte induzido pelo preço do petróleo, e por uma política de reforço de provisões. Evolução dos Resultados Líquidos excluindo imparidade Re-EBITDA -6 Res. Líq Custos Amort. n recorrentes +1.9 C. Fin. Ganhos n recorrentes 0.8 Outros Res. Líq 2006 Ao nível dos custos de pessoal e fornecimentos de terceiros, e resultante já dos processos de reestruturação ocorridos, verificou-se uma redução de 2%. O EBITDA recorrente reduziu-se em 5.8 M, como resultado da redução do volume negociado e consequentemente do valor da margem bruta. No exercício de 2006 os custos de reestruturação ascenderam a 10.5 milhões de euros. As amortizações mantiveram-se em linha com o ano anterior, registando o EBIT uma queda de 11.7 milhões de euros, reflectindo a evolução dos custos não recorrentes. Não obstante a redução da dívida bancária remunerada para 455 milhões de euros (480 M em 2005) o aumento das taxas de juro penalizou os custos financeiros em 5,7 milhões de euros, fixando-os em 28.5 milhões de euros. A alienação de investimentos financeiros permitiu uma mais valia de 3.2 milhões de euros. O resultado líquido fixou-se em 13.2 milhões de euros.

3 O resultado líquido consolidado do exercício reflecte ainda o impacto: do efeito do teste de imparidade ao valor dos activos que, conforme aviso ao mercado de 27 de Abril último, é de euros. Ao nível das contas simples a alteração do critério contabilístico de valorização de participadas, do método de custo de aquisição, para o método de equivalência patrimonial. Nos exercícios anteriores o impacto da adopção do método da equivalência patrimonial, constava na nota 51 do anexo às demonstrações financeiras individuais. Conforme aviso ao mercado datado de 27 de Abril de 2007, o efeito contabilístico ao nível dos capitais próprios é de euros OUTLOOK 2007 Prevê-se para 2007 a confirmação da tendência de subida de preços verificada em finais de 2006, com maior impacto no segmento uwf e office, mas que se poderá também estender ao segmento cwf. Os volumes deverão apresentar um ligeiro aumento. O Grupo apresentará um programa a 3 anos de optimização e racionalização das operações, com o objectivo de assegurar a melhoria dos índices de eficiência e de rentabilidade dos capitais investidos. Lisboa, 7 de Maio, 2007

4 Demonstração de Resultados Consolidada (Método da consolidação integral) IAS / IFRS Milhares de Euros Toneladas Rédito Outros rendimentos Total de Rendimentos Custo das vendas Alteração nos inventários 0 0 Gasto com benefícios dos empregados Outros Gastos EBITDA Gasto de depreciação e de amortização Imparidade de activos fixos tangíveis Ganhos / (Perdas) em associadas 53 0 Função financeira RESULTADO ANTES IMPOSTOS Gasto de impostos sobre o rendimento RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO

5 GRUPO inapa BALANÇO CONSOLIDADO EM 31 DE DEZEMBRODE 2006 em milhares de euros ACTIVO Activo Líquido Activo Líquido ACTIVO NÃO CORRENTE Propriedades, instalações e equipamentos Goodwill - Diferenças de consolidação Activos intangíveis Investimentos Outros activos não correntes Impostos diferidos activos TOTAL DO ACTIVO NÃO CORRENTE ACTIVO CORRENTE Inventários Clientes Outros activos correntes Caixa e equivalentes a caixa TOTAL DO ACTIVO CORRENTE TOTAL DO ACTIVO CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO CAPITAL PRÓPRIO Capital por acções Acções próprias-valor nominal Acções próprias-descontos e prémios Prémios de emissão de acções Ajustamentos conversão cambial Reservas e resultados retidos Resultado líquido consolidado do exercício Capital próprio atribuível aos detentores de capital próprio do Grupo Interesses minoritários TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO PASSIVO NÃO CORRENTE Empréstimos obtidos a longo prazo Passivos por impostos diferidos Provisões Outros passivos não correntes TOTAL DO PASSIVO NÃO CORRENTE PASSIVO CORRENTE Empréstimos Fornecedores Outros passivos correntes Provisões correntes TOTAL DO PASSIVO CORRENTE TOTAL DO PASSIVO TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2007

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2007 INAPA INVESTIMENTOS, PARTICPAÇÕES E GESTÃO, SA ( Sociedade Aberta ) Sede: Rua do Salitre, n.º 142, freguesia de São Mamede, Lisboa Capital social: 150 000 000 NIPC: 500 137 994 Matrícula n.º 36 338 da

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira dos primeiros nove meses

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do primeiro semestre de

Leia mais

Receitas Internacionais da Reditus aumentam 22,4% em 2014

Receitas Internacionais da Reditus aumentam 22,4% em 2014 Receitas Internacionais da Reditus aumentam 22,4% em 2014 Proveitos Operacionais de 120 milhões de euros (+ 6,4%) EBITDA de 11,5 milhões de euros (vs. 11,7 milhões de euros) Margem EBITDA 9,5% (vs. 10,4%)

Leia mais

Informação financeira 2012

Informação financeira 2012 Informação financeira 2012 ALTRI, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto NIF 507 172 086 Capital social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 1º TRIMESTRE 2009 (NÃO AUDITADOS)

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 1º TRIMESTRE 2009 (NÃO AUDITADOS) APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 1º TRIMESTRE 2009 (NÃO AUDITADOS) Finibanco-Holding, SGPS S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Júlio Dinis, 157 Porto Capital Social: EUR 115.000.000 Matriculado na Conservatória

Leia mais

Informação Financeira Consolidada Intercalar 3ºTrimestre

Informação Financeira Consolidada Intercalar 3ºTrimestre 2012 Informação Financeira Consolidada Intercalar 3ºTrimestre Elementos mínimos previstos na IAS 34 de acordo com o Artigo 10º do Regulamento da CMVM nº5/2008 Glintt Global Intelligent Technologies, S.A.

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras (IAS 1) Conjunto de D.F. Balanço - Contabilidade Financeira II 2008/ 2009 1º Semestre 2 1 Demonstrações Financeiras

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 3º TRIMESTRE 2009 (NÃO AUDITADOS)

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 3º TRIMESTRE 2009 (NÃO AUDITADOS) APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 3º TRIMESTRE 2009 (NÃO AUDITADOS) Finibanco-Holding, SGPS S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Júlio Dinis, 157 Porto Capital Social: EUR 175.000.000 Matriculado na Conservatória

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 1.º TRIMESTRE DE 2010 (NÃO AUDITADOS)

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 1.º TRIMESTRE DE 2010 (NÃO AUDITADOS) APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 1.º TRIMESTRE DE 2010 (NÃO AUDITADOS) Finibanco-Holding, SGPS S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Júlio Dinis, 157 Porto Capital Social: EUR 175.000.000 Matriculado na Conservatória

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE SETEMBRO DE

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE SETEMBRO DE COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE SETEMBRO DE 2005 1 03 de Novembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se aos primeiros nove meses de 2005, a não ser quando

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO PARA AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE (IAS/IFRS)

TRANSPOSIÇÃO PARA AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE (IAS/IFRS) Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua dos Remolares, nº 14, 1200-371 Lisboa Portugal Capital Social 5.000.000 NIPC 500 255 342 Matrícula de Registo Comercial de Lisboa nº 5489 FACTO

Leia mais

1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo

1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo 1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo 2015-2016 UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Gestão e Economia Data: 2015-10-29 Licenciatura em

Leia mais

Informação financeira 2012

Informação financeira 2012 Informação financeira 2012 ALTRI, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto NIF 507 172 086 Capital social: 25.641.459 Euros Informação financeira do ano de 2015 (não

Leia mais

INFORMAÇÃO CONSOLIDADA. Exercício de (valores não auditados)

INFORMAÇÃO CONSOLIDADA. Exercício de (valores não auditados) Finibanco Holding INFORMAÇÃO CONSOLIDADA Exercício de 2005 (valores não auditados) Finibanco - Holding, SGPS S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Júlio Dinis, 157 Porto Capital Social: EUR 100.000.000 Matriculado

Leia mais

RESULTADOS 1º TRIMESTRE 2017

RESULTADOS 1º TRIMESTRE 2017 RESULTADOS 1º TRIMESTRE 2017 9 de maio 2017 Maia, Portugal, 9 de maio 2017: Sonae Indústria anuncia Resultados Consolidados não auditados do 1º trimestre de 2017 (1T17), elaborados de acordo com a Norma

Leia mais

ANÚNCIO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS EM 2003

ANÚNCIO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS EM 2003 CIMPOR-CIMENTOS DE PORTUGAL, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Alexandre Herculano, 35 1250-009 LISBOA Capital Social: 672.000.000 Euros Registada na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa, sob

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 1º SEMESTRE 2009 (NÃO AUDITADOS)

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 1º SEMESTRE 2009 (NÃO AUDITADOS) APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 1º SEMESTRE 2009 (NÃO AUDITADOS) Finibanco-Holding, SGPS S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Júlio Dinis, 157 Porto Capital Social: EUR 175.000.000 Matriculado na Conservatória

Leia mais

Análise Económica e Financeira

Análise Económica e Financeira A n á l i s e e c o n ó m i Análise Económica e Financeira c a e f i n a n c e i r a Relatório e Contas 2012 Página 90 Síntese de resultados Página 91 Evolução da conta de exploração As demonstrações financeiras

Leia mais

Caixa Geral de Depósitos, SA

Caixa Geral de Depósitos, SA 164 Relatório e Contas 2011 CGD 1.13. Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Balanços Individuais (*) 31.12.2011 Pro forma 31.12.2010 Pro forma 01.01.2010 ATIVO Notas (a) Ativo bruto Provisões,

Leia mais

CORTICEIRA AMORIM, S.G.P.S., S.A. Contas consolidadas 30 de Junho

CORTICEIRA AMORIM, S.G.P.S., S.A. Contas consolidadas 30 de Junho CORTICEIRA AMORIM, S.G.P.S., S.A. Contas consolidadas 30 de Junho 1. CONTAS CONSOLIDADAS Organigrama Destaques Principais indicadores consolidados (Milhares de euros) 2 VERTICALIZAÇÃO INTEGRAL 3 DESTAQUES

Leia mais

COMUNICADO DE FACTO RELEVANTE IMPACTO DA TRANSIÇÃO PARA AS NORMAS INTERNACIONAIS DE RELATO FINANCEIRO (IFRS)

COMUNICADO DE FACTO RELEVANTE IMPACTO DA TRANSIÇÃO PARA AS NORMAS INTERNACIONAIS DE RELATO FINANCEIRO (IFRS) SONAE INDÚSTRIA - SGPS, S.A. - Sociedade Aberta Sede: Lugar do Espido, Via Norte, Maia, Portugal Capital Social: 700 000 000 Matriculada na C. R. C. da Maia sob o nº 1067 Pessoa Colectiva nº 500 204 128

Leia mais

RESULTADOS Apresentação Resumo. 15 Março 2011 GRUPO FINANCEIRO

RESULTADOS Apresentação Resumo. 15 Março 2011 GRUPO FINANCEIRO RESULTADOS 2010 Apresentação Resumo 15 Março 2011 GRUPO FINANCEIRO SÍNTESE DA ACTIVIDADE RESULTADOS CONSOLIDADOS BALANÇO 2 SÍNTESE DA ACTIVIDADE 2010 Resultado líquido consolidado de 33,4 M, implicando

Leia mais

Informação financeira 2012

Informação financeira 2012 Informação financeira 2012 ALTRI, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto NIF 507 172 086 Capital social: 25.641.459 Euros Informação financeira do primeiro trimestre

Leia mais

PARTE PRÁTICA (13 valores)

PARTE PRÁTICA (13 valores) PARTE PRÁTICA (13 valores) 1 - A empresa Mãe, SA, detém 80% do Capital da empresa Filha, SA, participação esta que foi adquirida, em N, por 340.000 Euros. Em 31 de Dezembro de N, as empresas do Grupo apresentavam

Leia mais

Venda de 2% do BFA. Impacto nas demonstrações financeiras consolidadas e nos rácios de capital do Banco BPI. 11 Novembro 2016

Venda de 2% do BFA. Impacto nas demonstrações financeiras consolidadas e nos rácios de capital do Banco BPI. 11 Novembro 2016 Venda de 2% do BFA Impacto nas demonstrações financeiras consolidadas e nos rácios de capital do Banco BPI 11 Novembro 2016 Impacto da venda de 2% nas contas consolidadas do BPI Em 7 de Outubro de 2016

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2007

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2007 INAPA INVESTIMENTOS, PARTICPAÇÕES E GESTÃO, SA ( Sociedade Aberta ) Sede: Rua do Salitre, n.º 142, freguesia de São Mamede, Lisboa Capital social: 150 000 000 NIPC: 500 137 994 Matrícula n.º 36 338 da

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 2015

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 2015 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 2015 DESTAQUES PERSPETIVAS FUTURAS CARTEIRA DE ENCOMENDAS ANÁLISE DE RESULTADOS DESTAQUES Volume Negócios atinge 221 M ( +17 % YTD) Recuperação significativa na performance operacional,

Leia mais

Resultados Consolidados 2016 Informação Privilegiada 1

Resultados Consolidados 2016 Informação Privilegiada 1 Resultados Consolidados 2016 Informação Privilegiada 1 Volume de Negócios: 66,1 Milhões euros Resultado Operacional Bruto (EBITDA): 6,7 Milhões euros Margem EBITDA: 10,2% Resultado Líquido: 383 mil euros

Leia mais

Jerónimo Martins SGPS, S.A. Resultados do Primeiro Trimestre de 2015

Jerónimo Martins SGPS, S.A. Resultados do Primeiro Trimestre de 2015 Jerónimo Martins SGPS, S.A. Resultados do Primeiro Trimestre de 2015 O bom início de ano na Polónia e em Portugal esteve na base do crescimento de 9,4% nas vendas do Grupo que atingiram 3,2 mil milhões

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira dos primeiros nove meses

Leia mais

Índice 1 Identificação da Entidade 2 Referencial Contabilístico de Preparação das Demostrações Financeiras 3 Principais Politicas Contabilísticas 4 Políticas contabilísticas, alterações nas estimativas

Leia mais

Relatório de Gestão. Enquadramento Macroeconómico / Setorial

Relatório de Gestão. Enquadramento Macroeconómico / Setorial Relato Financeiro Intercalar 1º trimestre de 2015 = Contas Consolidadas = (Não Auditadas) Elaboradas nos termos do Regulamento da CMVM nº 5/2008 e de acordo com a IAS34 Relatório de Gestão Enquadramento

Leia mais

Jerónimo Martins SGPS, S.A. Resultados do Primeiro Trimestre de 2014

Jerónimo Martins SGPS, S.A. Resultados do Primeiro Trimestre de 2014 Jerónimo Martins SGPS, S.A. Resultados do Primeiro Trimestre de 2014 Nos primeiros três meses do ano, as vendas consolidadas cresceram 5,6% a taxa de câmbio constante. Este desempenho incorpora o efeito

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 6) 25.888 67.330 Fornecedores 4.797 8.340 Aplicações financeiras 3.341

Leia mais

EXAME COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE PÚBLICA

EXAME COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE PÚBLICA EXAME COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE PÚBLICA Nota: A prova é constituída por três partes Parte 1: Cotação: 8 valores (4* 2 valores por questão) Questão 1 Desenvolva o tema: Formas de registo

Leia mais

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A.

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BALANÇO INDIVIDUAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2001 E 2000 2001 ACTIVO Notas Activo Amortizações Activo 2000 Bruto e Provisões líquido 1. Caixa e disponibilidades

Leia mais

Resultados Consolidados 3º trimestre de 2016 Informação Privilegiada 1

Resultados Consolidados 3º trimestre de 2016 Informação Privilegiada 1 Resultados Consolidados 3º trimestre de 2016 Informação Privilegiada 1 Volume de Negócios: 49,8 Milhões euros Resultado Operacional Bruto (EBITDA): 5,9 Milhões euros Margem EBITDA: 11,9% Resultado Líquido:

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 1T2016

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 1T2016 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 1T2016 DESTAQUES PERSPETIVAS FUTURAS CARTEIRA DE ENCOMENDAS ANÁLISE DE RESULTADOS DESTAQUES Proveitos operacionais atingiram 49 M EBITDA positivo de 2 M (margem de 4,1 %) Segmentos

Leia mais

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES (1/7) Introdução. Âmbito da Revisão. Conclusão. Aos accionistas do BIM Banco Internacional de Moçambique, S.

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES (1/7) Introdução. Âmbito da Revisão. Conclusão. Aos accionistas do BIM Banco Internacional de Moçambique, S. RELATÓRIO E CONTAS INTERCALAR 1.º SEMESTRE DE 2016 O BIM - Internacional de Moçambique, S.A., com o intuito de manter informados os senhores Clientes e o público em geral da evolução da sua actividade,

Leia mais

F. RAMADA INVESTIMENTOS, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta

F. RAMADA INVESTIMENTOS, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta F. RAMADA INVESTIMENTOS, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos,68, r/c Porto NIF 508 548 527 Capital social: 25.641.459 Euros Informação financeira 3T 2009 1 A F. Ramada

Leia mais

Relatório de Execução Orçamental

Relatório de Execução Orçamental Erasa Relatório de Execução Orçamental 1º Semestre 2012 Índice 1. Sumário Executivo... 3 2. Execução da Receita por Rubricas... 4 3. Execução da Despesa por Rubricas... 5 4. Anexos... 7 4.1 Balanço 30

Leia mais

Resultados do 1º Semestre de 2015

Resultados do 1º Semestre de 2015 COMUNICADO Ílhavo, 31 de Agosto de 2015 Resultados do 1º Semestre de 2015 Destaques»» As vendas consolidadas do Grupo VAA cresceram 24% face ao período homólogo atingindo os 33,8 milhões de euros;»» EBITDA

Leia mais

CONTABILIDADE DOS GRUPOS E DAS OPERAÇÕES ESPECIAIS. I GRUPO (5 valores)

CONTABILIDADE DOS GRUPOS E DAS OPERAÇÕES ESPECIAIS. I GRUPO (5 valores) INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO DO PORTO CONTABILIDADE DOS GRUPOS E DAS OPERAÇÕES ESPECIAIS Exame Época Normal 01 de Fevereiro de 2013 Duração: 2H 30M Por favor leia com atenção antes

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE SETEMBRO DE 2004

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE SETEMBRO DE 2004 COMUNICADO Página 1 / 6 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE SETEMBRO DE 2004 02 de Novembro de 2004 Volume de Negócios aumentou 5,9% para 4.813 M. Cash-Flow Operacional cresceu 25,8% para 548 M. Resultados

Leia mais

CORTICEIRA AMORIM COM

CORTICEIRA AMORIM COM CORTICEIRA AMORIM COM CRESCIMENTO DE 5,2% NAS VENDAS Valor global das Vendas atinge 123,6 milhões de euros no primeiro trimestre Mozelos, Portugal, 5 de Maio de 2008 [Euronext Lisbon: COR; ISIN: PTCOR0AE0006],

Leia mais

CONTABILIDADE II Caderno de Exercícios Método da Equivalência Patrimonial Ano Lectivo 2010/2011

CONTABILIDADE II Caderno de Exercícios Método da Equivalência Patrimonial Ano Lectivo 2010/2011 CONTABILIDADE II Caderno de Exercícios Método da Equivalência Patrimonial Ano Lectivo 2010/2011 Fevereiro 2011 EXERCÍCIO Nº 1 Aplicação do MEP 1. A entidade A adquiriu 40% do capital da entidade X por

Leia mais

SAG GEST SOLUÇÕES AUTOMÓVEL GLOBAIS, SGPS, SA Sociedade Aberta

SAG GEST SOLUÇÕES AUTOMÓVEL GLOBAIS, SGPS, SA Sociedade Aberta SAG GEST SOLUÇÕES AUTOMÓVEL GLOBAIS, SGPS, SA Sociedade Aberta Sede: Estrada de Alfragide, 67, Amadora Capital Social: 169.764.398,00 NIPC 503 219 886 Matriculada na Conservatória do Registo Comercial

Leia mais

APESPE-RH-Assoc.Port.das Emp.do Sector Priv.de Emp.e dos Rec.Humanos ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 ÍNDICE

APESPE-RH-Assoc.Port.das Emp.do Sector Priv.de Emp.e dos Rec.Humanos ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 ÍNDICE (Montantes expressos em euros) ÍNDICE Páginas 1. Nota introdutória 2 2. Referencial contabilístico de preparação nas demonstrações financeiras 2 3. Principais políticas contabilísticas 2 4. Políticas contabilísticas,

Leia mais

Enquadramento Macroeconómico/Sectorial

Enquadramento Macroeconómico/Sectorial Relato Financeiro Intercalar 1º trimestre de 2013 = Contas Consolidadas = (Não Auditadas) Elaboradas nos termos do Regulamento da CMVM nº 5/2008 e de acordo com a IAS34 Enquadramento Macroeconómico/Sectorial

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2013

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2013 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 213 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Fundação Comendador Joaquim de Sá Couto 1.2 Sede: Rua do Hospital, 7 4535 São

Leia mais

Informação financeira 2012

Informação financeira 2012 Informação financeira 2012 ALTRI, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto NIF 507 172 086 Capital social: 25.641.459 Euros Informação financeira do segundo trimestre

Leia mais

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ESTGV-IPV O Fluxo de Caixa para a Análise Financeira A análise baseada nos fluxos visa ultrapassar limitações da análise tradicional. A necessidade deste

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Exame 1.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2008/09 Data: 3 de Junho de 2009 Início: 8h30m Duração: 2h00m Cotação e tempo esperado de resolução:

Leia mais

RESULTADOS 1T2015 MAIO 2015

RESULTADOS 1T2015 MAIO 2015 1 ANÁLISE DE RESULTADOS CARTEIRA DE ENCOMENDAS PERSPETIVAS FUTURAS 2 DESTAQUES ANÁLISE DE RESULTADOS CARTEIRA DE ENCOMENDAS PERSPETIVAS FUTURAS Acentuada recuperação operacional no 1T, com o EBITDA e o

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: 2014 Identificação da Declaração: Data da recepção: 29/06/2015 1. Identificação da Instituição Nome: CENTRO DE APOIO SOCIAL DO NADADOURO Morada: R DA AVÉ

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS RESULTADOS PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2008

EVOLUÇÃO DOS RESULTADOS PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2008 EVOLUÇÃO DOS RESULTADOS PRIMEIRO TRIMESTRE DE Os resultados líquidos consolidados ascendem a 119 milhões de euros O Exploração (EBITDA) recorrente ascendeu a 259 milhões de euros. O Resultado Líquido recorrente

Leia mais

F. RAMADA INVESTIMENTOS, S.G.P.S.,S.A. Sociedade Aberta

F. RAMADA INVESTIMENTOS, S.G.P.S.,S.A. Sociedade Aberta F. RAMADA INVESTIMENTOS, S.G.P.S.,S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto NIF 508 548 527 Capital social: 25.641.459 Euros Informação financeira de 2009 1 A F. Ramada

Leia mais

Contabilidade e Gestão Financeira

Contabilidade e Gestão Financeira Contabilidade e Gestão Financeira Contabilidade Demonstrações Financeiras MESG - Mestrado Engenharia de Serviços e Gestão FEUP 2010 Rui Padrão Funções Património Passivo Eq. Fund. Factos patr. Inventário

Leia mais

Resultados do 1º semestre de 2016

Resultados do 1º semestre de 2016 Resultados do 1º semestre de 2016 Grupo Media Capital, SGPS, S.A. Canal generalista TVI - 12º ano de liderança Liderança em grupo de canais TVI24 líder entre os canais de notícias no horário nobre; resultado

Leia mais

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2015 (Montantes expressos em euros)

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2015 (Montantes expressos em euros) ASSOCIAÇÃO PARA O ESTUDO E INTEGRAÇÃO PSICOSSOCIAL CONTAS INDIVIDUAIS 2015 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS º TRIMESTRE

RELATÓRIO E CONTAS º TRIMESTRE RELATÓRIO E CONTAS 2009 3º TRIMESTRE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONDENSADAS 30 de Setembro de 2009 EDP - Energias de Portugal Demonstração dos Resultados Consolidados para os períodos de 9 meses findos

Leia mais

José Eduardo Mendonça S. Gonçalves

José Eduardo Mendonça S. Gonçalves José Eduardo Mendonça S. Gonçalves Contribuições dos sócios 51 Capital * Nota: para efeitos de apresentação no Balanço, deduzir saldos das contas: 261 Accionistas c/ subscrição * 262 Quotas não liberadas

Leia mais

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 142 milhões em 2015

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 142 milhões em 2015 Maia, Portugal 9 de março de 2016 Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 142 milhões em 2015 Resultado Líquido aumenta 47% face a 2014 Resultado Direto atinge 61 milhões EBIT de 105 milhões Resultado

Leia mais

Jerónimo Martins SGPS, S.A. Resultados dos Primeiros 9 Meses de 2016

Jerónimo Martins SGPS, S.A. Resultados dos Primeiros 9 Meses de 2016 Jerónimo Martins SGPS, S.A. Resultados dos Primeiros 9 Meses de 2016 Todas as insígnias do Grupo registaram um forte desempenho no trimestre, impulsionando um crescimento de 5,5% (+9,3% a taxas de câmbio

Leia mais

Resultados Consolidados Primeiro Semestre de 2006

Resultados Consolidados Primeiro Semestre de 2006 Resultados Consolidados Primeiro Semestre de 2006 Lisboa, 21 de Setembro de 2006 www.orey.com Agenda Highlights Resultados Consolidados Evolução por Área de Negócio Agenda Highlights Resultados Consolidados

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ESCLEROSE MÚLTIPLA DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= BALANÇO EM 31/12/2015 BALANÇO EM 31/12/2015 Rubricas NOTAS DATAS Activo 31-12-2015 31-12-2014 Activo não

Leia mais

INFORMAÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA - 3º TRIMESTRE DE 2009

INFORMAÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA - 3º TRIMESTRE DE 2009 INFORMAÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA - 3º TRIMESTRE DE 2009 CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S.A. Sede social em: Rua Alexandre Herculano, 35 1250-009 Lisboa Capital Social: 672.000.000 Euros Sociedade

Leia mais

RESULTADOS 1S2015 AGOSTO 2015

RESULTADOS 1S2015 AGOSTO 2015 1 ANÁLISE DE RESULTADOS CARTEIRA DE ENCOMENDAS PERSPETIVAS FUTURAS 2 DESTAQUES ANÁLISE DE RESULTADOS CARTEIRA DE ENCOMENDAS PERSPETIVAS FUTURAS Recuperação operacional no 1º semestre, com EBITDA (8,8 M

Leia mais

CORTICEIRA AMORIM regista vendas de 275 M no semestre

CORTICEIRA AMORIM regista vendas de 275 M no semestre PRESS RELEASE CORTICEIRA AMORIM regista vendas de 275 M no semestre DESTAQUES: Vendas crescem 8% face ao primeiro semestre de 2011; Resultado líquido atinge 17,7 milhões de euros; Principais contributos

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTAS 2014

RELATÓRIO DE CONTAS 2014 RELATÓRIO DE CONTAS 2014 CENTRO SOCIAL PADRE JOSÉ COELHO Agência Fontes de Júlio dos Santos Fontes Lda. @ geral@agenciafontes.pt tel. 227 441 281 FICHA TÉCNICA Proprietário CENTRO SOCIAL PADRE JOSÉ COELHO

Leia mais

setembro 2015 Informação financeira auditada

setembro 2015 Informação financeira auditada Apresentação de Resultados 1S2015 setembro 2015 Informação financeira auditada Agenda 1. Síntese 1S2015 2. Funding e Liquidez 3. Qualidade do Crédito 4. Capital 5. Resultados 6. Sumário Apêndice: Balanço

Leia mais

Resultados Porto, 2 de Abril de 2013

Resultados Porto, 2 de Abril de 2013 Resultados 2012 Porto, 2 de Abril de 2013 AGENDA: 1 Ambiente Económico 2 Indicadores Consolidados 3 Portfólio de Negócios 4 Actividade 2012 5 Demonstrações Financeiras 2012 6 Perspectivas para 2013 2 1.

Leia mais

BEING GLOBAL RESULTADOS 1.º SEMESTRE 2013 AGOSTO DE 2013

BEING GLOBAL RESULTADOS 1.º SEMESTRE 2013 AGOSTO DE 2013 BEING GLOBAL RESULTADOS 1.º SEMESTRE 2013 AGOSTO DE 2013 ANÁLISE DE RESULTADOS ANEXOS DESTAQUES página 3 Proveitos Operacionais de 289 M, a registar uma subida de 18,5 % quando comparado com o ano anterior,

Leia mais

FUNDAÇÃO CASCAIS. Relatório de Contas. de Nº Contribuinte: Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril

FUNDAÇÃO CASCAIS. Relatório de Contas. de Nº Contribuinte: Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril FUNDAÇÃO CASCAIS Relatório de Contas de 2015 Nº Contribuinte: 503040843 Av. Clotilde, Lj 18- A 2765-266 Estoril FUNDAÇÃO CASCAIS Nº Contribuinte: 503040843 Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril 2765-266 Estoril

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS º TRIMESTRE

RELATÓRIO E CONTAS º TRIMESTRE RELATÓRIO E CONTAS 2010 3º TRIMESTRE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONDENSADAS 30 de Setembro de 2010 (Página Intencionalmente deixada em branco) EDP - Energias de Portugal Demonstração dos Resultados Consolidados

Leia mais

RESULTADOS 1º SEMESTRE 2016

RESULTADOS 1º SEMESTRE 2016 RESULTADOS 1º SEMESTRE 2016 21 de setembro de 2016 Maia, Portugal, 21 de setembro 2016: Sonae Indústria anuncia resultados consolidados não auditados do 1º semestre de 2016 (1S16), elaborados de acordo

Leia mais

IPI Itaúsa Portugal Investimentos, SGPS, Lda

IPI Itaúsa Portugal Investimentos, SGPS, Lda IPI Itaúsa Portugal Investimentos, SGPS, Lda Relatório e contas Exercício findo em 31 de Dezembro de 2010 (contas individuais) IPI Itaúsa Portugal Investimentos, SGPS, Lda RELATÓRIO E CONTAS EXERCÍCIO

Leia mais

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA. Mestrado em Finanças Empresariais ESTGV-IPV

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA. Mestrado em Finanças Empresariais ESTGV-IPV ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ESTGV-IPV Mestrado em Finanças Empresariais 1. O Fluxo de Caixa para a Análise Financeira A análise baseada nos fluxos visa ultrapassar algumas das limitações

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Exame 1.ª época de Contabilidade Financeira 1.º semestre 2008/09 Data: 13 de Janeiro de 2009 Início: 11h30m Duração: 2h00m Cotação e tempo esperado de

Leia mais

CONTAS INDIVIDUAIS 2015

CONTAS INDIVIDUAIS 2015 CONTAS INDIVIDUAIS 2015 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 3 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL

Leia mais

Resultados Consolidados 1º trimestre de 2017 Informação Privilegiada 1

Resultados Consolidados 1º trimestre de 2017 Informação Privilegiada 1 Resultados Consolidados 1º trimestre de 2017 Informação Privilegiada 1 Volume de Negócios: 16 Milhões euros Resultado Operacional Bruto (EBITDA): 1,8 Milhões euros Margem EBITDA: 11,2% Resultado Líquido:

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO 1º SEMESTRE DE 2014

RELATÓRIO DE DESEMPENHO 1º SEMESTRE DE 2014 Relatório de Desempenho Controlo de Gestão Junho de 2014. Conteúdo 1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 Principais Indicadores... 3 2. DESEMPENHO ECONÓMICO... 4 Comparação com o planeado... 4 Evolução face ao ano

Leia mais

RESULTADOS 30 JUNHO 2016

RESULTADOS 30 JUNHO 2016 RESULTADOS 30 JUNHO 2016 Índice 1. Destaques... 2 2. Factos relevantes... 4 3. Relatório de Gestão... 5 3.1. Enquadramento de mercado... 5 3.2. Performance Consolidada... 7 3.3. Desempenho por área de

Leia mais

LEGISLAÇÕES/2008 ÁREA BANCÁRIA. Decreto-Lei nº 1/2008, de 14/01/08-Cria a Unidade de Informação Financeira - B. O. I Série nº 2, de 14/01/2008;

LEGISLAÇÕES/2008 ÁREA BANCÁRIA. Decreto-Lei nº 1/2008, de 14/01/08-Cria a Unidade de Informação Financeira - B. O. I Série nº 2, de 14/01/2008; LEGISLAÇÕES/2008 ÁREA BANCÁRIA Decreto-Lei nº 1/2008, de 14/01/08-Cria a Unidade de Informação Financeira - B. O. I Série nº 2, de 14/01/2008; Decreto-Lei nº 3/2008, de 21/01/2008-Revê o Decreto-Lei nº

Leia mais

Sonae Sierra regista um resultado líquido de 59 milhões no primeiro semestre de 2016

Sonae Sierra regista um resultado líquido de 59 milhões no primeiro semestre de 2016 Maia Portugal, 4 de agosto de 2016 Sonae Sierra regista um resultado líquido de 59 milhões no primeiro semestre de 2016 Resultado Direto mantém-se estável nos 26,8 milhões de euros EBIT de 47,1 milhões

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 23 OS EFEITOS DE ALTERAÇÕES EM TAXAS DE CÂMBIO

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 23 OS EFEITOS DE ALTERAÇÕES EM TAXAS DE CÂMBIO NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 23 OS EFEITOS DE ALTERAÇÕES EM TAXAS DE CÂMBIO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 21 Os

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Consolidação Consolidação Demonstrações financeiras: Simples de uma única empresa Consolidadas de um grupo, apresentadas com as de uma única entidade IAS relevantes:

Leia mais

Execução Orçamental. Receita

Execução Orçamental. Receita Relatório de Gestão No presente relatório, elaborado em conformidade com o estabelecido no ponto 13 do POCAL Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais, visa-se de forma precisa, clara e sintética

Leia mais

INTRODUÇÃO 3 A. VALOR ACTUAL LÍQUIDO DA CARTEIRA (EM MILHÕES DE USD) 4 B. COMPOSIÇÃO GEOGRÁFICA E POR DURAÇÃO 4

INTRODUÇÃO 3 A. VALOR ACTUAL LÍQUIDO DA CARTEIRA (EM MILHÕES DE USD) 4 B. COMPOSIÇÃO GEOGRÁFICA E POR DURAÇÃO 4 RELATÓRIO TRIMESTRAL DE ACTIVIDADES ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 A. VALOR ACTUAL LÍQUIDO DA CARTEIRA (EM MILHÕES DE USD) 4 B. COMPOSIÇÃO GEOGRÁFICA E POR DURAÇÃO 4 C. COMPOSIÇÃO DA CARTEIRA POR CLASSES DE ACTIVOS

Leia mais

Imobilizaçoes corpóreas: Edificios e outras construções

Imobilizaçoes corpóreas: Edificios e outras construções DESIGNAÇÕES EXERCÍCIOS 1º SEM 01 1º SEM 00 AMORTIZAÇÕES ACT.BRUTO ACT.LÍQUIDO ACT.LÍQUIDO E PROVISÕES IMOBILIZADO ACTIVO Imobilizações incorporeas: Despesas de instalação 384 261 180 982 203 279 32 821

Leia mais

2T17. Divulgação de Rsultados 2T17 e 1S17. carros

2T17. Divulgação de Rsultados 2T17 e 1S17. carros 2T17 Divulgação de Rsultados 2T17 e 1S17 carros Divulgação de Resultados 2T17 e 1S17 Frota em 30/06/2017: 151.750 carros Destaques Operacionais Diárias - Aluguel de Carros (mil) Destaques Financeiros Receita

Leia mais

Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Angra do Heroísmo

Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Angra do Heroísmo DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2015 ART Associação Regional de Turismo Contribuinte n.º 510 648 630 Sede Social: Rua da Palha, 32 Fundo Social: 375.000 Euros Matriculada na Conservatória do Registo Comercial

Leia mais

Confab Anuncia Resultados para o Segundo Trimestre de 2006

Confab Anuncia Resultados para o Segundo Trimestre de 2006 Confab Anuncia Resultados para o Segundo Trimestre de 2006 São Paulo, 03 de agosto de 2006. Confab Industrial S.A. (BOVESPA:CNFB4), uma empresa Tenaris, anunciou hoje os resultados correspondentes aos

Leia mais

Análise Financeira. Relatório e Contas Consolidado

Análise Financeira. Relatório e Contas Consolidado Análise Financeira 125 1. Demonstração de Resultados Na parte inicial de 2010 as condições prevalecentes nos mercados financeiros e no mercado bancário mantiveram-se acentuadamente adversas para a Caixa

Leia mais

Grupo 2 Demonstrações financeiras Grupo 3 Inventários e dívidas a receber Grupo 4 Empréstimos obrigacionistas

Grupo 2 Demonstrações financeiras Grupo 3 Inventários e dívidas a receber Grupo 4 Empréstimos obrigacionistas FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Exame de 2ª fase de Contabilidade Financeira 1º semestre - 2010/11 Data: 28 de Janeiro de 2011 Início: 11h30m Duração: 2h00m Grupo 1 Questões de resposta

Leia mais

Jerónimo Martins SGPS, S.A. Resultados do Primeiro Trimestre de 2013

Jerónimo Martins SGPS, S.A. Resultados do Primeiro Trimestre de 2013 Jerónimo Martins SGPS, S.A. Resultados do Primeiro Trimestre de 2013 Um Forte Desempenho no Trimestre Vendas consolidadas aumentaram 15,6% para 2,8 mil milhões de euros Vendas LFL cresceram 8,8% na Biedronka

Leia mais

Divulgação de Resultado 4T15

Divulgação de Resultado 4T15 Divulgação de Resultado 4T15 1 Dados de mercado em 17/03/2016 Cotação: R$2,12 Valor de Mercado: R$140.103.091,68 T e l e c o n f e r ê n c i a 4T15 Teleconferência em português: 18 de março de 2016 Sexta-feira,

Leia mais

CURPI COMISSÃO UNITÁRIA DE REFORMADOS PENSIONISTAS E IDOSOS DE SÃO JOÃO DA TALHA

CURPI COMISSÃO UNITÁRIA DE REFORMADOS PENSIONISTAS E IDOSOS DE SÃO JOÃO DA TALHA CURPI COMISSÃO UNITÁRIA DE REFORMADOS PENSIONISTAS E IDOSOS DE SÃO JOÃO DA TALHA Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2015 Balanço CURPI SÃO JOÃO DA TALHA BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 RUBRICAS

Leia mais