Unidade II $

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade II $"

Transcrição

1 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Unidade II 4 CONTABILIZAÇÃO DE OPERAÇÕES COM MERCADORIAS COM TRIBUTAÇÃO 4.1 Compra de mercadorias com incidência de ICMS / PIS / COFINS recuperáveis Exemplo Vamos considerar uma compra de mercadorias por $ 0.000, com incidência de ICMS à alíquota de 17% e, considerando as alíquotas do PIS a 1,6% e COFINS a 7,6%, deveremos fazer a contabilização da seguinte forma: Nota fiscal de compra de mercadorias Mercadorias X unidades ICMS (17% X 0.000) = Memória de cálculo 1) Valor da compra 2) ICMS sobre operação (17%) - incluso no preço 3) PIS sobre a operação (1,6%) incluso no preço 4) COFINS sobre a operação (7,6%) inclusa no preço Valor líquido de mercadoria = (1 ( ) $ Ao adquirir as mercadorias por $ 0.000, $ se referem ao ICMS, $ 1.60 ao PIS, e $ à COFINS. 2

2 Unidade II Para o comprador, esses tributos, em virtude do princípio da não cumulatividade, representam um adiantamento do que será devido quando da venda deste estoque de mercadorias. Logo, esses valores pagos na compra de mercadorias representam um direito da empresa contra o estado (ICMS) e a União (PIS/COFINS), devendo ser reconhecidos na escrituração contábil através de contas próprias, que podem ser chamadas de contas correntes C/C ICMS (ou ICMS a recuperar), C/C PIS (ou PIS a recuperar), e C/C COFINS (ou COFINS a recuperar). Todas essas contas são contas de ativo, pois significam direitos. Tais contas têm o seguinte funcionamento: 1 Quando da compra das mercadorias, são debitadas pelo valor embutido (incluído) no preço. Quando do encerramento do período de apuração do imposto, são creditadas para a transferência de seu saldo para as contas do passivo, ICMS a recolher, PIS a recolher e COFINS a recolher. A operação poder ser contabilizada a seguir: 1. Considerando compra à vista: D Mercadorias $ D ICMS a recuperar $ D PIS a recuperar $ 1.60 D COFINS a recuperar $ C Caixa $ Considerando compra a prazo: 2 D Mercadorias $ D ICMS a recuperar $ D PIS a recuperar $ 1.60 D COFINS a recuperar $ C Fornecedores $

3 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Observamos que muitas empresas utilizam uma única conta para substituir as contas a recuperar e a recolher. Essa conta é denominada de conta corrente (C/C ICMS; C/C COFINS). Quando a empresa compra mercadorias, a conta corrente é debitada pelos impostos e contribuições incidentes sobre a operação de compra. Por outro lado, quando a empresa vende mercadorias, a conta corrente é creditada pelo valor dos impostos e contribuições incidentes sobre a operação de venda. Assim sendo, no final do período da operação, a conta corrente poderá apresentar saldo devedor ou saldo credor. O saldo devedor da conta corrente indica que a empresa tem um direito contra a Fazenda Pública, sendo, portanto, um ativo. 1 O saldo credor da conta corrente indica que a empresa tem uma obrigação junto à Fazenda Pública, sendo, portanto, um passivo Compra de mercadorias com incidência de IPI / ICMS / PIS / COFINS recuperáveis A diferença do IPI em relação ao ICMS / PIS e COFINS é que seu valor não está incluído no preço dos produtos. Se o comprador dos produtos sobre os quais incidiu o IPI é contribuinte do IPI (empresa industrial ou equiparada à industrial), e os produtos adquiridos são utilizados em seu processo de industrialização, o IPI incidente na operação de compra poderá ser recuperado quando da venda dos bens industrializados pela empresa (princípio da não cumulatividade). Exemplo Considerando uma compra de matéria-prima por $ 0.000, com incidência de ICMS à alíquota de 17%, do PIS a 1,6% 27

4 Unidade II e COFINS a 7,6%, bem como o IPI com alíquota de 30%, a contabilização será feita da seguinte forma: Nota fiscal de compra de matéria-prima Matéria-prima x unidades IPI 30% sobre ICMS (17% sobre 0.000) Valor total da nota fiscal Mercadoria de cálculo 1) Valor da compra 2) IPI sobre compra (30%) não incluso no preço da matéria-prima 3) Valor da nota fiscal 4) ICMS sobre a compra (17%) incluso no preço da matéria-prima ) PIS sobre a operação (1,6%) incluso no preço da matéria-prima 6) COFINS sobre a operação (7,6%) inclusa no preço da matéria-prima 7) IPI sobre a compra (30%) recuperável (neste exemplo) Valor líquido da matéria-prima = (3 ( ) $ Como o IPI é recuperável neste exemplo, seu valor não entra na base de cálculo do ICMS (art. 1, parágrafo 2º, inciso XI da Constituição Federal), do PIS (art. 66, parágrafo 3º da Instrução Normativa nº 247/02) e da COFINS (art, 8º, parágrafo 3º, inciso I da Instrução Normativa SRF nº 404 de 12/03/04). A contabilização, considerando a compra à vista será: D Matérias-primas $ D ICMS a recuperar $ D IPI a recuperar $ D COFINS a recuperar $ D PIS a recuperar $ 1.60 C Caixa $

5 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA 4.3 Compra de produtos para revenda por empresa comercial IPI não recuperável e ICMS / PIS / COFINS recuperáveis Neste caso, a empresa compradora não é contribuinte do IPI, pois é uma empresa comercial, ou, mesmo sendo contribuinte, não utiliza o produto comprado em seu processo de fabricação, o IPI incidente na operação de compra não será recuperado e, portanto, integrará o custo de aquisição. Exemplo A empresa Comercial Ltda adquire, a prazo, produtos industrializados para revenda por $.000, com IPI à alíquota de %, ICMS à alíquota de 17%, PIS à alíquota de 1,6%, e a COFINS à alíquota de 7,6%. Como a empresa compradora não é contribuinte do IPI, este não será recuperável, devendo integrar o custo de aquisição. Nota fiscal de compra do produto Produto X unidades IPI % sobre.000 ICMS (17% sobre.000) Memória de cálculo 1) Valor da compra 2) IPI sobre compra (%) cobrado destacadamente 3) Valor da nota fiscal 4) ICMS sobre compra (17%) incluso no preço (17% X.000) ) PIS sobre compra (1,6%) incluso no preço (1,6% X ) 6) COFINS sobre compra (7,6%) inclusa no preço 7,6% X ) Valor líquido do produto (3 ( ) $

6 Unidade II Como o IPI não é recuperável, porém o produto é destinado à comercialização, seu valor (do IPI) não entra na base de cálculo do ICMS (art. 1, parágrafo 2º, inciso XI da Constituição Federal). Entretanto, o valor do IPI integra a base de cálculo do PIS e da COFINS, por interpretação do disposto nos artigos 66, parágrafo 3º, da Instrução Normativa nº 247/02, e 8º, parágrafo 3º, inciso I da Instrução Normativa nº 404, de 12/03/04. A contabilização, considerando a compra a prazo, será: D Mercadorias $ D ICMS a recuperar $ D PIS a recuperar $ 4.90 D COFINS a recuperar $ C Fornecedores $ Compra de bens para uso da empresa quando o IPI não é recuperável e ICMS / PIS / COFINS são recuperáveis 1 Exemplo Uma empresa comercial adquire uma máquina para seu ativo permanente imobilizado diretamente da indústria por $ 0.000, com alíquota de IPI de %, de ICMS de 17%, de PIS de 1,6% e da COFINS de 7,6%, à vista. Como se trata de uma aquisição para uso e não para revenda, o IPI não será recuperável, devendo integrar o custo de aquisição. Nota fiscal de compra da máquina Máquina IPI % sobre ICMS (17% sobre ) $

7 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Memória de cálculo 1) Valor da compra 2) IPI sobre compra (%) cobrado destacadamente 3) Valor da nota fiscal 4) ICMS sobre compra (17%) incluso no preço ) PIS sobre compra (1,6%) incluso no preço 6) COFINS sobre compra (7,6%) inclusa no preço Valor líquido da máquina (3 ( ) $ A contabilização, considerando a compra à vista: D Máquinas $ 44. D ICMS a recuperar $.0 D PIS a recuperar $ 990 D COFINS a recuperar $ 4.60 C Caixa $ Outros gastos nas compras: imposto de importação, fretes e seguros 1) Quanto ao imposto de importação, não existe a possibilidade de sua recuperação pelo importador. Portanto, o mesmo deverá acrescer o custo de aquisição das mercadorias importadas. 1 2) Quanto aos fretes e seguros que o comprador é obrigado a pagar, seus valores devem integrar o custo de aquisição das mercadorias compradas. 4.6 Contabilização das operações de vendas Para o registro das operações de vendas de mercadorias, são efetuados débitos de uma conta que representa a disponibilidade (caixa ou bancos) no caso de venda à vista, ou de uma conta representativa de um direito (clientes 31

8 Unidade II ou duplicatas a receber), no caso de venda a prazo. Como contrapartida, tem-se um crédito em uma conta de receita (vendas ou receita bruta de vendas) Impostos e contribuições incidentes sobre vendas Considerando-se as diversas legislações (federal, estadual), quando uma empresa vende uma mercadoria ou um produto, no preço desses bens estão embutidos impostos e contribuições sobre o valor das vendas, tais como ICMS, PIS, COFINS, dentre outros, que deverão ser recolhidos aos cofres públicos. Observamos que o IPI não integra a receita bruta, apesar de compor o preço final da nota fiscal (Decreto nº 3.000/99, artigo 279, parágrafo único) Revenda de mercadorias sem incidência do IPI Exemplo: operação a prazo pelo valor de $ 0.000,00. 1 a) D Clientes C Vendas brutas b) D Tributos sobre vendas 26. C ICMS a recolher C PIS a recolher 1.60 C COFINS a recolher Pelo reconhecimento da receita Pelo reconhecimento dos impostos e contribuições sobre vendas 2 A conta tributos sobre vendas foi debitada, pois irá reduzir as vendas brutas. A contrapartida foi efetuada em contas que representam obrigações da empresa junto às fazendas públicas. Dos $ cobrados, somente $ pertencem à empresa. O restante, $ 26., pertence aos cofres públicos. 32

9 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Venda de produto fabricado pela empresa com alíquota de IPI de % Exemplo: operação a prazo pelo valor de R$ 0.000,00. Nesta operação, o valor do IPI é de $.000, sendo a contabilização feita da seguinte forma: a) D Clientes C Receita bruta b) D IPI faturado.000 C IPI a recolher.000 c) D Tributos sobre vendas 26. C ICMS a recolher C PIS a recolher 1.60 C COFINS a recolher Pelo reconhecimento de venda com IPI Pelo reconhecimento do IPI Pelo reconhecimento dos impostos e contribuições sobre vendas 1 Memória de cálculo Vendas brutas IPI faturado = Receita bruta de vendas ICMS sobre vendas PIS sobre vendas COFINS sobre vendas = Receita líquida de vendas $ (.000) (17.000) (1.60) (7.600) Observamos que substituímos na memória de cálculo a conta tributos sobre vendas por outras três contas ICMS sobre vendas, PIS sobre vendas e COFINS sobre vendas. 33

10 Unidade II Contabilização dos fatos que alteram as compras e as vendas Devoluções de compras Exemplo Compra de 0 unidades de mercadoria y para revenda pela empresa X por $.000, à vista, mais IPI de %, com ICMS de 17%, PIS de 1,6% e COFINS de 7,6%. Quando do recebimento das mercadorias, foram verificados defeitos em cinco unidades e, por esse motivo, a empresa compradora resolve devolver integralmente as mercadorias compradas. Assim teremos: A Compra das mercadorias Nota fiscal de compra 0 mercadorias y x 0 IPI % sobre.000 ICMS (17% sobre.000) = Memória de cálculo Valor da compra IPI sobre compra cobrado separadamente Valor total da nota ICMS sobre compra incluso no preço PIS sobre compra incluso no preço COFINS sobre compra inclusa no preço Valor líquido da mercadoria $ , ,0 Como o IPI não é recuperável, porém o produto é destinado à comercialização, seu valor não entra na base de cálculo do ICMS, mas integra a base de cálculo do PIS e da COFINS. 34

11 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Assim teremos a contabilização pela compra: D Mercadorias $ 8.282,0 D ICMS a recuperar $ 1.700,00 D PIS a recuperar $ 181,0 D COFINS a recuperar $ 836,00 C Caixa $ ,00 B - Devolução da compra da mercadoria Nota fiscal de devolução 0 mercadorias y x 0 IPI % sobre 00 ICMS (17% sobre 00) Memória de cálculo Valor da devolução IPI sobre devolução cobrado destacadamente Valor total da nota ICMS sobre devolução (17% s/ 00) incluso no preço PIS sobre devolução (1,6% s/ 0) incluso no preço COFINS sobre devolução (7,6% s/ 0) inclusa no preço Valor líquido da mercadoria devolvida $ ,08 41,80 414,12 1 Assim teremos a contabilização da devolução de compra de mercadorias: D Caixa $ 0,00 C Devolução de compras $ 414,12 C ICMS a recuperar $ 8,00 C PIS a recuperar $ 9,08 C COFINS a recuperar $ 41,80 3

12 Unidade II Devoluções de vendas Usaremos o mesmo exemplo de e registraremos as operações sob o ponto de vista do vendedor. A - Vendas das mercadorias Nota fiscal da venda 0 mercadorias y x 0 IPI % sobre.000 ICMS (17% sobre.000) = Memória de cálculo Valor da venda IPI sobre venda % cobrado destacadamente Valor da nota ICMS sobre venda (17%) incluso no preço PIS sobre venda (1,6%) incluso no preço COFINS sobre venda (7,6%) inclusa no preço $ Como a empresa vendedora é contribuinte do IPI, a contabilização da venda é a seguinte: a) D Caixa $ C Faturamento bruto $ b) D IPI faturado $ C IPI a recolher $ c) D ICMS a recolher $ 8,00 D PIS a recolher $ 8,2 D COFINS a recolher $ 38,00 C ICMS sobre a venda $ 8,00 36

13 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA C PIS sobre vendas $ 8,2 C COFINS sobre vendas $ 38,00 Observamos que as devoluções de vendas constarão da DRE como parcela redutora das vendas brutas Abatimentos sobre compras Nas operações mercantis podem ocorrer situações entre a saída da mercadoria do estabelecimento vendedor e o ingresso no estabelecimento comprador. O comprador adquire mercadoria de 1ª qualidade e recebe mercadoria de 2ª qualidade, por exemplo. Neste e em outros exemplos, para evitar a devolução da mercadoria, pode ser negociado entre as partes, comprador e vendedor, um abatimento no preço da mercadoria. 1 Assim, por exemplo, a empresa Comércio de Equipamentos Ltda. compra computadores para revenda por $.000, à vista, com as seguintes alíquotas: ICMS 17%, PIS 1,6% e COFINS 7,6%. Ao receber a mercadoria, é constatado que dois computadores estão fora das especificações técnicas acordadas. Para que as duas unidades não fossem devolvidas o vendedor concedeu um abatimento no valor total de $ 400, que foi prontamente aceito pelo comprador. A contabilização dessas operações seria feita da seguinte maneira: A Compra da mercadoria Nota fiscal de compra computadores x ICMS (17% sobre.000) = Valor da nota fiscal

14 Unidade II Memória de cálculo Valor da compra IPI sobre compra (17%) incluso no preço PIS sobre compra (1,6%) incluso no preço COFINS sobre compra (7,6%) inclusa no preço Valor da nota Valor líquido da mercadoria $ Contabilização D Mercadorias $ D ICMS a recuperar $ D PIS a recuperar $ 330 D COFINS $ 1. C Caixa $.000 Quando ocorrer o abatimento no valor de $ 400, teremos: D Caixa $ 400 C Abatimento $ 400 Observamos que não houve ajuste sobre o valor dos impostos incidentes na operação em virtude de ter sido um fato posterior à emissão da nota fiscal, e que não resultou na devolução de mercadorias Abatimentos sobre vendas 1 Para o vendedor da mercadoria, o abatimento concedido reduz o resultado e deverá ser registrado como uma conta de resultado, redutora da receita bruta de vendas, para apuração da receita líquida de vendas. Utilizamos o mesmo exemplo do item , e a contabilização será feita sob o ponto de vista do vendedor. 38

15 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA A Na venda a) D Caixa $.000 C Receita bruta de venda $.000 b) D ICMS sobre vendas $ D PIS sobre vendas $ 330 D COFINS sobre vendas $ 1. C ICMS a recolher $ C PIS a recolher $ 330 C COFINS a recolher $ 1. B No momento da concessão do abatimento a) D Abatimento sobre vendas $ 400 C Caixa $ Descontos comerciais 1 São aqueles concedidos na nota fiscal, no momento da operação de compra (obtidos) ou de venda (concedidos), em função, normalmente, do volume de vendas ou da qualidade do comprador Descontos comerciais obtidos A regra geral do desconto comercial obtido é a sua não contabilização por parte do comprador, ou seja, a mercadoria é contabilizada pelo seu valor líquido negociado. Entretanto, se a empresa compradora desejar, poderá utilizar uma conta retificadora de comprar descontos comerciais obtidos. Assim, por exemplo, teremos: 2 A empresa H Ltda. compra unidades de um produto beta da indústria J pelo preço unitário de tabela de $ 0, mais % de IPI. Como a empresa H é um excelente cliente, a indústria J concede % de desconto no ato da venda. A operação é à vista, com incidência de ICMS 17%, PIS 1,6% e COFINS 7,6%. 39

16 Unidade II A Compra de produtos Nota fiscal de compra Produto beta X $ 0 Desconto (% sobre 0.000) IPI (% sobre 0.000) ICMS (17% sobre ) = (.000) Memória de cálculo Valor da compra Desconto comercial (% sobre 0.000) IPI sobre compra (% 0.000) cobrado destacado Valor total da nota ICMS sobre compra (17% sobre ) incluso no preço PIS sobre compra (1,6% sobre ) incluso no preço COFINS sobre compra (7,6% sobre ) inclusa no preço Valor líquido da mercadoria $ (.000) Observamos que, como o IPI não é recuperável neste exemplo, mas o produto é destinado à revenda, o valor do IPI não entra na base de cálculo do ICMS (art. 1, parágrafo 2º, inciso XI da Constituição Federal). Porém, integra a base de cálculo do PIS e da COFINS, por interpretação ao disposto nos artigos 66, parágrafo 3º da Instrução Normativa nº 247/02 e 8º, parágrafo 3º, inciso I da Instrução Normativa SRF nº 404, de 12/03/04. O lançamento contábil será: 1 D Mercadorias $ D ICMS a recuperar $ D PIS a recuperar $ 1.48 D COFINS a recuperar $ C Caixa $

17 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Note-se que o desconto comercial não foi contabilizado pelo comprador, sendo esta a forma mais usual de contabilização Descontos comerciais concedidos Na empresa vendedora, os descontos comerciais devem ser registrados em conta redutora da receita bruta de vendas, para apuração da receita líquida. Utilizando-se o mesmo exemplo do item , teremos: A Venda da mercadoria Nota fiscal de compra Produto beta x $ 0 Desconto (% sobre 0.000) IPI (% sobre 0.000) ICMS (17% sobre ) = (.000) Memória de cálculo Valor da compra Desconto comercial (% sobre 0.000) IPI sobre compra (% 0.000) cobrado destacado Valor total da nota ICMS sobre compra (17% sobre incluso no preço PIS sobre compra (1,6% sobre ) incluso no preço COFINS sobre compra (7,6% sobre ) inclusa no preço Valor líquido da mercadoria $ (.000) Observamos que: como o IPI não é recuperável neste exemplo, e o produto é destinado à revenda, seu valor entra na base de cálculo do ICMS (art. 1, parágrafo 2º, inciso XI da Constituição 41

18 Unidade II Federal), bem como a base de cálculo (no devedor) do PIS e da COFINS; o valor do PIS e da COFINS para o vendedor é diferente do valor para o comprador, este fato decorre da Legislação de Regência (art. 66, parágrafo 3º da Instituição Normativa nº 247/02 para o comprador, e art. 24 da mesma Instituição no caso do vendedor). Contabilização a) D Caixa $ D Descontos comerciais concedidos $.000 C Faturamento bruto $ b) D IPI faturamento $.000 C IPI a recolher $ c) D ICMS sobre vendas $ D PIS sobre vendas $ 1.3 D COFINS sobre venda $ C ICMS a recolher $ C PIS a recolher $ 1.3 C COFINS a recolher $ Exercícios resolvidos 1. A Cia. Alfa efetuou as seguintes operações com mercadorias durante o mês de outubro de X8: 2 1/ Compra de mercadorias à vista por $ 60, com ICMS de 17%. 6/ Venda de mercadorias à vista por $ 40, com ICMS de 17%. Essas mercadorias estavam no estoque e acusavam o valor de $

19 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA 8/ Devolução de parte das mercadorias compradas em 1/, no valor de $. Pede-se: 1- Efetuar a contabilização das operações no diário. 2- Transportar as operações do diário para o razão. 3- Apurar o lucro bruto. 4- Informar o valor do ICMS a recolher no mês. - Informar o valor do ICMS a recuperar no mês. Resolução I- Operação em 1/ (compra): a) Valor do ICMS contido na operação: 17% sobre $ 60 = $,2. b) Valor das mercadorias: $ 60 - $,2 = $ 49,8. c) Contabilização no diário. 1 D Mercadorias $ 49,8 (1) D ICMS a recuperar $,2 (1) C Caixa $ 60,00 (1) II- Operação em 6/ (venda): 2 a) Valor do ICMS contido na operação: 17% sobre $ 40 = $ 6,8. b) Custo das mercadorias vendidas: $ 24. c) Contabilização no diário. D Caixa $ 40 (2) C Venda $ 40 (2) D CMV $ 24 (3) C Mercadorias $ 24 (3) 43

20 Unidade II D ICMS nas vendas $ 6,8 (4) C ICMS a recolher $ 6,8 (4) III- Operação em 8/ (devolução compras): a) Valor do ICMS contido na operação: 17% sobre $ = 1,7. b) Valor das mercadorias devolvidas: ($ - $ 1,7) = $ 8,3. c) Contabilização no diário. D Caixa $ () C Mercadorias $ 8,3 () C ICMS a recuperar $ 1,7 () 1 IV Operação em 30/ (encerramento do mês no diário): D ICMS a recolher $ 6,8 (6) C ICMS a recuperar $ 6,8 (6) D Vendas $ 6,8 (7) C ICMS nas vendas $ 6,8 (7) D Vendas $ 33,2 (8) C Resultado com mercadorias $ 33,2 (8) D Resultado com mercadoria $ 24 (9) C CMV $ 24 (9) Contabilização no razão (de todas as operações) Mercadorias ICMS a recuperar Caixa Venda (1) 49,8 8,3 () (1),2 1,7 () 6,8 (6) (2) 40 () 60(1) (7) 6,8 40 (2) 41, 1,7 (8) 33,2 33,2 44

21 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA ICMS nas vendas ICMS a recolher CMV RCM (4) 6,8 6,8 (7) (6) 6,8 6,8 (4) (3) 24 24(9) (9) 24 33,2 (8) 41, 1,7 21,2 DRE em 30// da Cia. Alfa: Respostas Vendas brutas ICMS nas vendas = Venda líquida CMV = RCM a) O lucro bruto é de $ 9,2. b) O ICMS a recolher no mês é zero. c) O ICMS a recuperar no mês é: $ 1,7. $ 40 $ 6,8 $ 33,2 $ (24,0) $ 9,2 2. A empresa Trevo de Quatro Folhas realizou apenas duas vendas no mês de agosto X8. Uma de 300 unidades, no dia 1, e outra de 480 unidades, no dia 2. 1 O valor apurado foi o mesmo em cada operação, sendo a primeira operação a prazo e a segunda operação à vista. O valor total cobrado foi de $.280, correspondente ao preço da venda com incidência de ICMS de 17% e de IPI de %. Exclusivamente com base nas informações apresentadas, podemos dizer que o preço unitário de venda alcançado nas operações dos dias 1 e 2 de agosto, foram de: 4

22 Unidade II Resolução a) Como o valor total nas duas vendas foi de $.280, e o valor de cada venda foi o mesmo, cada venda teve o valor de: = b) Venda realizada em 1 de agosto: unidades = 8,90 Preço unitário de venda + IPI de % = 8,80 8,0 1% x = 8,0 x 0% Preço unitário da venda = $ 8,00 c) Venda realizada em 2 de agosto: unidades =,0 Preço unitário de venda + IPI de % =,0,0 1% x =,00 x 0% Preço unitário de venda = $,00 Resposta Preço unitário de venda em 1 de agosto = $ 8,00. Preço unitário de venda em 2 de agosto = $, Considere uma empresa comercial que tenha comprado a prazo 600 unidades de uma determinada mercadoria, ao custo unitário de $ 30, pagando frete de $ 0,0 por unidade. Em seguida, tenha vendido metade dessas compras, emitindo nota fiscal de venda no valor de $ , com entrega em domicílio, pagando frete total de $ 3. Sabendo-se que não havia estoques iniciais, que o frete está isento de tributação, mas que as compras e vendas foram tributadas com ICMS à 46

23 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA alíquota de 17%, assinale a opção que indica corretamente o lucro bruto alcançado na operação. a) $ b) $ c) $ d) $ e) $ 2.0. Resolução Custo de aquisição unidades a $ 30 = $ Frete: 600 unidades a $ 0,0 = $ 300 Total gasto na aquisição = $ ICMS incluso na compra - 18,00 x 17% = $ (3.060) Custo das mercadorias compradas $ Conforme o enunciado, o ICMS incide apenas sobre o preço das mercadorias. Por ser imposto recuperável, o ICMS não é considerado parte do custo de aquisição das mercadorias. O frete deve ser computado como parte do custo de aquisição. Apuração do lucro bruto Venda bruta $ ICMS sobre venda 17% sobre $ (2.040) Venda líquida $ CMV = x 0% (7.6) Lucro bruto $ metade do custo de aquisição 47

24 Unidade II Resposta: C 4. Observe os seguintes dados colhidos na contabilidade da empresa Fritex Comercial Ltda., relativos ao período de um mês: Estoque inicial de mercadorias Compra de mercadorias tributadas Venda de mercadorias tributadas Estoque final de mercadorias ICMS à alíquota de 17% COFINS à alíquota de 3% Analisando os dados acima devidamente contabilizados, podemos concluir que no fim do mês referenciado: 1 a) O ICMS a recuperar é de 170. b) O ICMS a recolher é de 680. c) O ICMS a recuperar é de. d) O CMV (Custo de Mercadoria Vendida) é de 3.. e) O resultado do período é um prejuízo de 290. Resolução Na operação CMV, temos: 2 Estoque inicial Compras ICMS sobre compra 17% sobre () Estoque final (1.000) 3490 Em seguida, a demonstração de resultado bruto: 48

25 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Vendas brutas ICMS sobre venda 17% sobre (680) COFINS - 3% sobre (1) Vendas líquidas 3.0 CMV (3.490) Resultado bruto (290) Resposta: E. No mês de outubro de 08, a empresa X apurou um lucro operacional bruto de nas operações de compra e venda de sua mercadoria gama, cuja tributação de ICMS é feita à alíquota de 17%. O cálculo desse lucro considerou a contabilização de receita bruta de vendas no valor de.000, e de compra de mercadorias no valor de O CMV foi equivalente a 0% do preço bruto de venda, e a COFINS foi de 3%. Não haverá PIS sobre o faturamento. Após a contabilização dos fatos geradores do resultado acima apresentado, ocorreu a devolução de % das compras e de % das vendas do período. 2 A efetivação dos ajustes contábeis provocados pelas devoluções mencionadas vai evidenciar, para o lucro operacional bruto, o valor correto de: a) b) 2.. c) d) e)

26 Unidade II Resolução Antes das devoluções a empresa apresentava o seguinte resultado: Vendas brutas.000 ICMS sobre venda 17% sobre.000 (1.700) COFINS - 3% sobre.000 (300) Vendas líquidas CMV (.000) Lucro bruto % das vendas brutas 1 Quando da devolução de % das vendas, o resultado passou a ser o seguinte: Vendas brutas.000 Devolução de vendas - % sobre.000 (1.000) ICMS sobre venda 17% sobre (1.30) COFINS - 3% sobre ) Vendas líquidas 7.0 CMV 0% das vendas após devolução (4.00) 0% Lucro bruto sobre Resposta: C Obs.: a devolução aos fornecedores de % das compras não afeta o resultado. Referências bibliográficas BORGES, Humberto Bonavides. Planejamento tributário IPI, ICMS, ISS e IR. 9. ed. São Paulo: Atlas, 06. FABRETTI, Láudio Camargo. Contabilidade tributária.. ed. São Paulo: Atlas, 07. 0

27 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA OLIVEIRA, Gustavo Pedro de. Contabilidade tributária. 2.. ed. São Paulo: Saraiva, 08. OLIVEIRA, Luís Martins de; PEREZ JUNIOR, José Hernandez; GOMES, Marliete et al. Manual de contabilidade tributária. 6. ed. São Paulo: Atlas, 07. NEVES, Silvério das; VICECONTI, Paulo Eduardo. Contabilidade básica. 13. ed. São Paulo: Frase, 06. 1

28 2 Unidade II

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários

Leia mais

Razonete e Balancete. Osni Moura Ribeiro ; Contabilidade Fundamental 1, Editora Saraiva- ISBN

Razonete e Balancete. Osni Moura Ribeiro ; Contabilidade Fundamental 1, Editora Saraiva- ISBN Razonete e Balancete Osni Moura Ribeiro ; Contabilidade Fundamental 1, Editora Saraiva- ISBN 9788502065901 Razonete Também denominada gráfico em T ou conta em T, o razonete - uma versão simplificada do

Leia mais

LFG MAPS. 2 - ( Prova: CESPE - 2012 - Polícia Federal - Agente da Polícia Federal / Contabilidade Geral / Contabilidade -

LFG MAPS. 2 - ( Prova: CESPE - 2012 - Polícia Federal - Agente da Polícia Federal / Contabilidade Geral / Contabilidade - Escrituração Contábil 05 questões Noções Gerais; Escrituração Contábil ) Considere os eventos de I a V listados abaixo. I aquisição de veículo à vista para uso na atividade operacional II baixa de bem

Leia mais

Contabilidade Agente da Polícia Federal

Contabilidade Agente da Polícia Federal Olá Pessoal!!! Contabilidade Tendo em vista a proximidade do concurso para AGENTE DA POLÍCIA FEDERAL, cargo em que exige do candidato Noções de Contabilidade, comentamos abaixo algumas questões que foram

Leia mais

DEFINIÇÃO PLANO DE CONTAS CONTAS AULA 2 ESCRITURAÇÃO CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS

DEFINIÇÃO PLANO DE CONTAS CONTAS AULA 2 ESCRITURAÇÃO CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS DEFINIÇÃO AULA 2 ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL A ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL CONSISTE EM REGISTRAR OS FATOS CONTÁBEIS (OU SEJA, AQUELES QUE MODIFICAM A COMPOSIÇÃO OU O VALOR DO PATRIMÔNIO DA ENTIDADE) EM DOIS LIVROS:

Leia mais

IRPJ, CSLL, PIS, COFINS

IRPJ, CSLL, PIS, COFINS Alguns Clientes O objetivo da Studio Fiscal é oferecer serviços de consultoria tributária, buscando otimizar a carga tributária das empresas com base em trabalhos que envolvem gestão contábil, fiscal e

Leia mais

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MÓDULO DE QUESTÕES DE CONTABILIDADE

Leia mais

Contabilidade Geral Prova 2 Gabarito 1 Questão 01 A questão solicita que o candidato indique a afirmativa incorreta, que é encontrada na alternativa c : No ativo, as contas serão dispostas em ordem crescente

Leia mais

TABELA CRT E CSOSN - SIMPLES NACIONAL

TABELA CRT E CSOSN - SIMPLES NACIONAL TABELA CRT E CSOSN - SIMPLES NACIONAL Código CRT Código de regime tributário Comentários 1 SIMPLES NACIONAL quando for optante pelo Simples Nacional. 2 3 Código SIMPLES NACIONAL - EXCESSO DE SUBLIMITE

Leia mais

Contabilidade Básica - Material 4 - Prof. Marcos César Bottaro

Contabilidade Básica - Material 4 - Prof. Marcos César Bottaro Contas Anteriormente registramos cada uma das operações contábeis diretamente no balanço patrimonial. Contudo, na prática, cada uma dessas operações ocorre inúmeras vezes no decorrer de um único dia, tornando

Leia mais

Dos Créditos a Descontar na Apuração da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins

Dos Créditos a Descontar na Apuração da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins Assunto: Contribuição para PIS/PASEP e COFINS Instrução Normativa SRF nº 594, de 26 de dezembro de 2005 Dispõe sobre a incidência da Contribuição para o PIS/Pasep, da Cofins, da Contribuição para o PIS/Pasep-Importação

Leia mais

Como se trata de Trabalho para os já iniciados no assunto, vamos reduzir o texto e ficar mais nos cálculos para não se ter um trabalho muito longo.

Como se trata de Trabalho para os já iniciados no assunto, vamos reduzir o texto e ficar mais nos cálculos para não se ter um trabalho muito longo. 1 AJUSTE Á VALOR PRESENTE ICMS Autores: Geraldo Barbieri Professor do Departamento de Contabilidade e Atuária da FEA/USP e Pesquisador da FIPECAFI Ariovaldo dos Santos Professor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena

SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena Em cada questão, marque o item correto: 1. O princípio contábil que atribui às entidades personalidade própria, distinta da dos sócios, é o princípio da:

Leia mais

INTERPRETAÇÃO TÉCNICA DO IBRACON Nº 01/04

INTERPRETAÇÃO TÉCNICA DO IBRACON Nº 01/04 INTERPRETAÇÃO TÉCNICA DO IBRACON Nº 01/04 CONTABILIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES PARA O PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL (PIS) E PARA O FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL (COFINS) Em 31 de dezembro de 2002 e em

Leia mais

FORMULÁRIO RASCUNHO REGIMES NORMAL, ESTIMATIVA E OUTROS (PESSOA JURÍDICA) (ANTIGA DECLAN-IPM) IDENTIFICAÇÃO DA DECLARAÇÃO

FORMULÁRIO RASCUNHO REGIMES NORMAL, ESTIMATIVA E OUTROS (PESSOA JURÍDICA) (ANTIGA DECLAN-IPM) IDENTIFICAÇÃO DA DECLARAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DA DECLARAÇÃO Ano-Base da Declaração: Nº Protocolo de Entrega: (anotar o número fornecido pelo Sistema da SEFAZ) Declaração de Baixa ( ) Sim ( ) Não Data encerramento atividades: / / Declaração

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre o parcelamento do Simples Nacional

Perguntas e Respostas sobre o parcelamento do Simples Nacional Perguntas e Respostas sobre o parcelamento do Simples Nacional 1. Quem pode parcelar? Todos os contribuintes que tenham débitos de ICMS declarados e apurados (DASN) no período de 07/2007 a 12/2011 no Portal

Leia mais

Quais são os objetivos do tópico... TEMA II. DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS. 05. Estoque

Quais são os objetivos do tópico... TEMA II. DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS. 05. Estoque USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administração TEMA II. DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS 05. Estoque Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) 1 Quais

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

Procedimentos contábeis: segundo o método das partidas dobradas. Profa. Daciane de Oliveira Silva

Procedimentos contábeis: segundo o método das partidas dobradas. Profa. Daciane de Oliveira Silva Procedimentos contábeis: segundo o método das partidas dobradas Profa. Daciane de Oliveira Silva Procedimentos contábeis Na aula 2, foi preparado um balanço após a ocorrência de cada operação da empresa.

Leia mais

S i a g r i Sistemas de Gestão Evidence Assessoria & Treinamentos Margem de Contribuição

S i a g r i Sistemas de Gestão Evidence Assessoria & Treinamentos Margem de Contribuição O que é? é quantia em dinheiro que sobra do preço de venda de um produto, serviço ou mercadoria após retirado o valor do custo variável unitário. Esta quantia é que irá garantir a cobertura do custo fixo

Leia mais

REPASSE AO FUNDO ESTADUAL DE COMBATE E ERRADICAÇÃO DA POBREZA PELO CONTRIBUINTE QUE APURA SEU ICMS PRÓPRIO EM CONTA GRÁFICA

REPASSE AO FUNDO ESTADUAL DE COMBATE E ERRADICAÇÃO DA POBREZA PELO CONTRIBUINTE QUE APURA SEU ICMS PRÓPRIO EM CONTA GRÁFICA REPASSE AO FUNDO ESTADUAL DE COMBATE E ERRADICAÇÃO DA POBREZA PELO CONTRIBUINTE QUE APURA SEU PRÓPRIO EM CONTA GRÁFICA A Secretaria de Fazenda de Mato Grosso (SefazMT) esclarece as regras para a operacionalização

Leia mais

Lucros não Realizados na Consolidação das D.C. Universidade Federal de Pernambuco Contabilidade Societária 2 Profa: Márcia Tavares

Lucros não Realizados na Consolidação das D.C. Universidade Federal de Pernambuco Contabilidade Societária 2 Profa: Márcia Tavares Lucros não Realizados na Consolidação das D.C Universidade Federal de Pernambuco Contabilidade Societária 2 Profa: Márcia Tavares Situações A empresa B vendeu para a controlada A mercadorias por R$ 140.000

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em:

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: CALÇADOS E SUAS PARTES - Suspensão do IPI Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 19.07.2012. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - AQUISIÇÕES DE MATÉRIA-PRIMA, PRODUTO INTERMEDIÁRIO E MATERIAL DE EMBALAGEM

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos IPI Devolução

Parecer Consultoria Tributária Segmentos IPI Devolução IPI Devolução Código Situação Tributária aplicado na NF-e 12/12/2013 Título do documento Sumário 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Nota Técnica

Leia mais

13. Operações com mercadoria

13. Operações com mercadoria MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado

Leia mais

GOVERNO DE ALAGOAS SECRETARIA DA FAZENDA

GOVERNO DE ALAGOAS SECRETARIA DA FAZENDA GOVERNO DE ALAGOAS SECRETARIA DA FAZENDA DECRETO Nº 43, de 23 de fevereiro de 2001 DOE 01.03.2001 Altera o Regulamento do ICMS, aprovado pelo Decreto nº 35.245, de 26 de dezembro de 1991, implementando

Leia mais

JUSPODIVM

JUSPODIVM MATERIAL ETRA COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES DA PROVA AFRF - 2005 31 - Ana quer vender um apartamento por R$ 400.000,00 à vista ou financiado pelo sistema de juros compostos a taxa de 5% ao semestre. Paulo está

Leia mais

Contabilidade Introdutória

Contabilidade Introdutória Contabilidade Introdutória Profa. Mara Jane Contrera Malacrida 1 Ö : Parte residual do patrimônio Riqueza líquida da empresa PL = Ativo Passivo Evidencia os recursos dos proprietários aplicados no empreendimento

Leia mais

Lucro Fiscal x Lucro Societário

Lucro Fiscal x Lucro Societário Lei n o 12. 973/14 Lucro Fiscal x Lucro Societário Alterações Práticas na Atividade Comercial Prof. Eric Aversari Martins Um Breve Histórico 11.638/07 Harmonização das Normas Contábeis 11.941/09 Instituição

Leia mais

Modelo de Plano de Contas Detalhado

Modelo de Plano de Contas Detalhado Modelo de Plano de Contas Detalhado Código da Conta Descrição da Conta 1. A T I V O 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.1.01 DISPONÍVEL 1.1.01.01 Caixa 1.1.01.02 Bancos c/ Movimento 1.1 01.03 Aplicações Financeiras

Leia mais

Princípio da competência O princípio da competência determina que todas as vendas, os custos e as despesas devem ser considerados na apuração do resultado da empresa no período em que ocorrerem, independentemente

Leia mais

EMPRESA DE REFEIÇÕES COLETIVAS

EMPRESA DE REFEIÇÕES COLETIVAS atualizado em 10/12/2015 alterados os itens 1 e 3 2 ÍNDICE 1. REGRAS GERAIS...5 2. CREDENCIAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO CRÉDITO PRESUMIDO...6 3. RECUPERAÇÃO DOS CRÉDITOS RELATIVOS À MERCADORIA SUJEITA AO

Leia mais

2 OPERAÇÕES CONTÁBEIS

2 OPERAÇÕES CONTÁBEIS 2 OPERAÇÕES CONTÁBEIS Este capítulo apresenta ao aluno a parte aplicada da Ciência Contábil especificamente ao registro contábil dos eventos patrimoniais, e alguns problemas específicos como Controle e

Leia mais

CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações

CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações A presente relação de códigos fiscais é baseada no Convênio SINIEF s/nº, de 15.12.1970, com suas respectivas alterações. A relação encontra-se devidamente

Leia mais

Guia do IPI: Não incidência: Revenda de produtos por estabelecimentos industriais

Guia do IPI: Não incidência: Revenda de produtos por estabelecimentos industriais Guia do IPI: Não incidência: Revenda de produtos por estabelecimentos industriais Resumo: Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos as hipóteses em que não haverá incidência do Imposto sobre Produtos

Leia mais

02. (FCC MPE-RN/2012). A receita extraorçamentária em 31.12.2011, em reais, era: (A) 50.000,00 (B) 60.000,00 (C) 100.000,00

02. (FCC MPE-RN/2012). A receita extraorçamentária em 31.12.2011, em reais, era: (A) 50.000,00 (B) 60.000,00 (C) 100.000,00 SEMANA 10 - Despesa Pública: Dispêndios orçamentários (Despesa orçamentária) e Extra- Orçamentários; 01. (ESTILO-ESAF/2012) Os dispêndios públicos podem ser de natureza orçamentária ou extraorçamentária.

Leia mais

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR AULA:2 OPERAÇÕES COM MERCADORIAS Nesta aula vamos tratar das OPERAÇÕES COM MERCADORIAS. Tendo em vista a relevância deste assunto, vou dividi-lo em duas etapas. Nesta Aula 2, vamos trabalhar com as operações

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

Treinamento Setor Público

Treinamento Setor Público Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF Treinamento Setor Público Abril/2015 Conteúdo Princípio da competência, créditos tributários

Leia mais

Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos

Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos SISTEMA DE GESTÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS (SiGPC) CONTAS ONLINE Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos Atualização: 20/12/2012 A necessidade de registrar despesas em que há retenção tributária é

Leia mais

31/03/ /12/ /03/ /12/2015 Caixa e Bancos Aplicações financeiras

31/03/ /12/ /03/ /12/2015 Caixa e Bancos Aplicações financeiras NOTAS EXPLICATIVAS DAS INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS - ITR (Em milhares de Reais, exceto quando indicado de outra forma) 1 - CONTEXTO OPERACIONAL Bicicletas Monark S.A. ( Companhia ) tem por objetivo a industrialização

Leia mais

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito . UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2010 e 1 o semestre letivo de 2011 CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 19 - Data 1 de março de 2016 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL Na espécie, relativamente a fatos geradores ocorridos

Leia mais

ESCRITÓRIO NAF DE CONTABILIDADE LTDA CFOP Emissão: 02/01/2011 Página: 01

ESCRITÓRIO NAF DE CONTABILIDADE LTDA CFOP Emissão: 02/01/2011 Página: 01 ESCRITÓRIO NAF DE CONTABILIDADE LTDA CFOP Emissão: 02/01/2011 Página: 01 Código Descrição 1-000 ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO 1-100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO OU PRESTAÇÃO

Leia mais

2. Procedimentos Gerais no Fiplan para o registro de bens... 4. 2.2. Importação em Andamento Material de Consumo... 4

2. Procedimentos Gerais no Fiplan para o registro de bens... 4. 2.2. Importação em Andamento Material de Consumo... 4 SUMÁRIO 1. Objetivo... 4 2. Procedimentos Gerais no Fiplan para o registro de bens... 4 2.1. Material de Consumo... 4 2.2. Importação em Andamento Material de Consumo... 4 2.3. Obras e Instalações... 5

Leia mais

CONFIGURAçÃO E GERAÇÃO DO LALUR. Parâmetros

CONFIGURAçÃO E GERAÇÃO DO LALUR. Parâmetros CONFIGURAçÃO E GERAÇÃO DO LALUR Parâmetros *O campo Limite para compensação de prejuízos anteriores, é utilizado pelas empresas que em um determinado período de apuração, obtiveram prejuízo, e sobre esse

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Patrocínio a Time de Futebol Profissional

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Patrocínio a Time de Futebol Profissional 15/10/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1 SEFIP... 4 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares... 6 6. Referências...

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA. Profa. Divane Silva

Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA. Profa. Divane Silva Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Profa. Divane Silva Contabilidade tributária A disciplina está dividida em 02 Unidades: Unidade I 1. Introdução 2. Impostos Incidentes sobre o Valor Agregado 3. Impostos

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado na compra e venda da mercadoria. Impostos

Leia mais

Unidade II. No ativo, a disposição das contas obedece ao grau decrescente de liquidez dos elementos nelas registrados.

Unidade II. No ativo, a disposição das contas obedece ao grau decrescente de liquidez dos elementos nelas registrados. Unidade II 8 ATIVO Ativo compreende, como já vimos, os bens e direitos da empresa, classificados de acordo com sua destinação específica, que varia segundo os fins da empresa. No ativo, a disposição das

Leia mais

FUNÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS CONTAS 1 - SISTEMA ORÇAMENTÁRIO

FUNÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS CONTAS 1 - SISTEMA ORÇAMENTÁRIO FUNÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS CONTAS 1 - SISTEMA ORÇAMENTÁRIO 1.1 - Subsistema da Receita 1.1.1 - RECEITA ORÇADA Demonstra a receita estimada pela Lei de Meios. É creditada pela inscrição da receita prevista

Leia mais

ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/ (R$) ,29

ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/ (R$) ,29 ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/2009 1. Informar o lucro líquido do exercício. (R$) 864.940.364,29 2. Informar o montante global e o valor por ação dos dividendos,

Leia mais

Informativo de Versão 19.03

Informativo de Versão 19.03 Informativo de Versão 19.03 Índice ERP Faturamento e Cupom Fiscal - ECF... 2 Emissão de NF-e e Emissão de Cupom Fiscal (Chamado 25717)... 2 Movimento Entrada de Produtos (Chamado 25318)... 7 Emissão e

Leia mais

CIRCULAR Nº 63. 1) o deferimento de empréstimo de soma utilizável de uma só vez, parceladamente ou sob a forma de conta corrente;

CIRCULAR Nº 63. 1) o deferimento de empréstimo de soma utilizável de uma só vez, parceladamente ou sob a forma de conta corrente; Às Instituições Financeiras e Seguradoras CIRCULAR Nº 63 Comunicamos que a Diretoria em sessão de 19-12-1966, com base na Lei nº 5.143, de 20-10-66, e considerando as disposições da Resolução nº 40, de

Leia mais

Obrigado por cadastrar-se! Retire aqui suas dúvidas sobre esta oportunidade...!

Obrigado por cadastrar-se! Retire aqui suas dúvidas sobre esta oportunidade...! Obrigado por cadastrar-se! Retire aqui suas dúvidas sobre esta oportunidade...! O que é ser um chocolateiro? Ser um Chocolateiro é além de apaixonar-se pelos chocolates da Chocolataria Gramado, vender

Leia mais

e-lalur: Empresas do Lucro Real

e-lalur: Empresas do Lucro Real e-lalur: Empresas do Lucro Real 1 Sumário Apresentação... 3 É importante saber... 3 Qual e-lalur configurar?... 4 Qual o ponto de partida do e-lalur?... 5 O e-lalur se baseia no seu Resultado Contábil...

Leia mais

Contabilidade Governamental p/ CNMP Analista Apoio Técnico Especializado: Contabilidade Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 18

Contabilidade Governamental p/ CNMP Analista Apoio Técnico Especializado: Contabilidade Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 18 CNMP Pessoal, vou comentar as questões da prova. 34. Determinado ente público arrecadou, no mês de fevereiro de 2015, receita de impostos no valor de R$ 180.000,00, concomitante ao fato gerador. Considere

Leia mais

SLF e SCP. Sistema de Livros Fiscais e Sistema de Contas a Pagar

SLF e SCP. Sistema de Livros Fiscais e Sistema de Contas a Pagar SLF e SCP Sistema de Livros Fiscais e Sistema de Contas a Pagar Cadastros - Cadastros Cadastros dos Parâmetros da Empresa: Cadastro de Fornecedores: O Cadastro de Fornecedores pode ser alimentado manualmente

Leia mais

MIT041 - Especificação de Processos Padrão do Módulo Financeiro - Protheus Cliente: Caern - Companhia de Água e Esgoto do Rio Grande do Norte

MIT041 - Especificação de Processos Padrão do Módulo Financeiro - Protheus Cliente: Caern - Companhia de Água e Esgoto do Rio Grande do Norte Página: 1 de 16 9. Movimentos Bancários: O controle bancário é um poderoso instrumento de gestão, pelo qual o empresário ou a diretoria de uma empresa pode verificar com rapidez e eficiência a disponibilidade

Leia mais

1 CONCEITO DE CONTAS. Teoria Patrimonalista Patrimoniais (bens, direitos, obrigações e P.L) Resultado (despesa e receita)

1 CONCEITO DE CONTAS. Teoria Patrimonalista Patrimoniais (bens, direitos, obrigações e P.L) Resultado (despesa e receita) R O T E I R O 1) CONCEITO DE CONTAS 2) ELEMENTOS DE UMA CONTA 3) FUNÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS CONTAS 4) MECANISMOS DE DÉBITO E CRÉDITO 5) CONTAS SINTÉTICAS E ANÁLITICAS 6) CONTAS DE RESULTADO 7) CONTAS BILATERAIS

Leia mais

Adicional na alíquota do ICMS destinado ao Fundo Estadual de Combate à Pobreza do Paraná - FECOP Versão 1.0

Adicional na alíquota do ICMS destinado ao Fundo Estadual de Combate à Pobreza do Paraná - FECOP Versão 1.0 Perguntas & Respostas Adicional na alíquota do ICMS destinado ao Fundo Estadual de Combate à Pobreza do Paraná - FECOP Versão 1.0 1. Qual a legislação aplicável ao adicional na alíquota do ICMS destinado

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL AMBIENTAL - EXERCÍCIO COMENTADO Prof Alan

BALANÇO PATRIMONIAL AMBIENTAL - EXERCÍCIO COMENTADO Prof Alan FACULDADE EVANGÉLICA CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA: CONTABILIDADE AMBIENTAL E SOCIAL TURMA: 3º, 4º e 5º PERÍODOS BALANÇO PATRIMONIAL AMBIENTAL - EXERCÍCIO COMENTADO Prof Alan Considere os fatos contábeis

Leia mais

Autor DEPUTADO MANOEL JUNIOR- PMDB/PB. 3 Modificativa 4.X Aditiva 5. Substitutivo Global. Página Artigos Parágrafos Inciso Alínea

Autor DEPUTADO MANOEL JUNIOR- PMDB/PB. 3 Modificativa 4.X Aditiva 5. Substitutivo Global. Página Artigos Parágrafos Inciso Alínea MPV 675 00033 ETIQUETA CONGRESSO NACIONAL APRESENTAÇÃO DE EMENDAS 27/05/2015 Proposição Medida Provisória nº 675 / 2015 Autor DEPUTADO MANOEL JUNIOR- PMDB/PB 1 Supressiva 2. Substitutiva Nº Prontuário

Leia mais

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas de Resultado).

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas de Resultado). Olá, meus amigos! Tudo bem? É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas de Resultado). O plano foi elaborado pelo nosso

Leia mais

TIPOS DE INVESTIMENTOS IMPORTANTES NA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA- PARTE ll

TIPOS DE INVESTIMENTOS IMPORTANTES NA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA- PARTE ll TIPOS DE INVESTIMENTOS IMPORTANTES NA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA- PARTE ll! Investimento pré-operacional! Investimento em giro! Liberação do investimento em giro! Sunk Cost Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Configurações da DMPL. Tutorial do Usuário Configurações da DMPL

Configurações da DMPL. Tutorial do Usuário Configurações da DMPL Tutorial do Usuário Configurações da DMPL 1 Conteúdo Apresentação... 3 Configurações... 4 Tela de configuração... 4 Aba Reserva de Capital (1)... 6 Aba Reserva de Lucros (2)... 7 Aba Ajustes (3)... 8 Aba

Leia mais

Lei n.º de 13 de janeiro de 2016 REGIME ESPECIAL DE REGULARIZAÇÃO CAMBIAL E TRIBUTÁRIA (RERCT) ASPECTOS PRÁTICOS E TRIBUTAÇÃO APÓS 01/01/15

Lei n.º de 13 de janeiro de 2016 REGIME ESPECIAL DE REGULARIZAÇÃO CAMBIAL E TRIBUTÁRIA (RERCT) ASPECTOS PRÁTICOS E TRIBUTAÇÃO APÓS 01/01/15 1 2 Lei n.º 13.254 de 13 de janeiro de 2016 REGIME ESPECIAL DE REGULARIZAÇÃO CAMBIAL E TRIBUTÁRIA (RERCT) ASPECTOS PRÁTICOS E TRIBUTAÇÃO APÓS 01/01/15 3 Forma de Adesão: A adesão ao RERCT dar-se-á pelo

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Dedução dos Tributos Federais da Base Cálculo do ISS - Barueri

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Dedução dos Tributos Federais da Base Cálculo do ISS - Barueri Dedução dos Tributos Federais da Base Cálculo do ISS - Barueri 03/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 4. Conclusão...

Leia mais

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque Disciplina: Contabilidade Comercial I Período: 2º Tipo: I Professor: Evaldo Modesto de Ávila Curso: Ciências Contábeis Assunto: Texto Semestre: 2º Nome: Nº: Apostila : Turma: ÚNICA Turno: NOITE Data: 002

Leia mais

Márcio Tonelli ECD e ECF LIÇÕES DE 2015 EXPECTATIVAS PARA 2016

Márcio Tonelli ECD e ECF LIÇÕES DE 2015 EXPECTATIVAS PARA 2016 Márcio Tonelli tt.consultoria.sped@gmail.com ECD e ECF LIÇÕES DE 2015 EXPECTATIVAS PARA 2016 NÚMEROS QUE IMPRESSIONAM Quantidade de versões de produção: Com alteração do número da versão: 13 Sem alteração

Leia mais

Ao clicar no botão NOVO, o contribuinte deverá fazer o preenchimento da BASE LEGAL, seguinte forma:

Ao clicar no botão NOVO, o contribuinte deverá fazer o preenchimento da BASE LEGAL, seguinte forma: ORIENTAÇÕES SOBRE O PREENCHIMENTO DA DMS PARA OS OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL Conforme a Resolução CGSN Nº 010 de 28/06/2007 do Comitê Gestor do Simples Nacional, as microempresas (ME) e as empresas de

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS Substituição Tributação por CNAE

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS Substituição Tributação por CNAE ICMS Substituição Tributação por CNAE 18/10/2013 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 6 5. Informações

Leia mais

Regime Tributário de Transição: as normas de contabilidade e os impactos fiscais

Regime Tributário de Transição: as normas de contabilidade e os impactos fiscais Regime Tributário de Transição: as normas de contabilidade e os impactos fiscais Palestrantes Natanael Martins José Antonio Minatel São Paulo, 20 de junho de 2012 Lei 11.638/07 (convergência aos padrões

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA. Exame 2.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2007/08

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA. Exame 2.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2007/08 FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Exame 2.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2007/08 Data: 28 de Junho de 2008 Início: 11h30m Duração: 2h15m Cotação e tempo esperado de resolução:

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Relatório Anexo VIII do Ato Cotepe 23 de 2008 para Distribuidora de Combustível

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Relatório Anexo VIII do Ato Cotepe 23 de 2008 para Distribuidora de Combustível Distribuidora de Combustível 17/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 6 4. Conclusão... 6 5. Informações Complementares...

Leia mais

Dicas do Roteiro de Análise Funcional

Dicas do Roteiro de Análise Funcional Dicas do Roteiro de Análise Funcional Teste 008 - DAV - Verificar REQUISITO VI. Teste 010 - revogado ->Cancelamento do DAV. (DAV só tem 2 status Emitido Cupom fiscal e em aberto). Teste 011 - Confira se

Leia mais

PROCESSO DE CANCELAMENTO

PROCESSO DE CANCELAMENTO PROCESSO DE CANCELAMENTO 1. Processo de Cancelamento do Pedido 1 1.1 Conferindo o Cancelamento da Nota Fiscal do Pedido 4 1.2 Ativação de Conta Corrente Residual 5 1.3 Como consultar um Pedido Cancelado?

Leia mais

COMGÁS ATUALIZAÇÃO TARIFÁRIA 16 DE DEZEMBRO DE 2013

COMGÁS ATUALIZAÇÃO TARIFÁRIA 16 DE DEZEMBRO DE 2013 N O T A T É C N I C A GÁS GEF 004/2013 INTRODUÇÃO COMGÁS ATUALIZAÇÃO TARIFÁRIA 16 DE DEZEMBRO DE 2013 Em maio/2013, a taxa de câmbio foi atualizada para R$ 2,03/US$. A partir da publicação da Deliberação

Leia mais

Contrato de Câmbio na Exportação.

Contrato de Câmbio na Exportação. Contrato de Câmbio na Exportação. A Momento da Contratação B Liquidação do contrato de câmbio C Alteração D Cancelamento E Baixa do Contrato de Câmbio F Posição de Câmbio: nivelada, comprada e vendida.

Leia mais

ANEXO XL (Art. 218, 1, do RICMS) TERMO DE VISTORIA (OBS: A SER PREENCHIDO OBRIGATORIAMENTE NO LOCAL DO ESTABELECIMENTO

ANEXO XL (Art. 218, 1, do RICMS) TERMO DE VISTORIA (OBS: A SER PREENCHIDO OBRIGATORIAMENTE NO LOCAL DO ESTABELECIMENTO ANEXO XL (Art. 218, 1, do RICMS) TERMO DE VISTORIA (OBS: A SER PREENCHIDO OBRIGATORIAMENTE NO LOCAL DO ESTABELECIMENTO 01 - DADOS DO REQUERENTE: NOME/RAZÃO SOCIAL: ENDEREÇO COMPLETO: PRINCIPAL RAMO DE

Leia mais

CPC 06 Arrendamento Mercantil

CPC 06 Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS - CPC CPC 06 Arrendamento Mercantil O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) no âmbito da Gestão Contábil com o pronunciamento técnico CPC 06, tem por objetivo determinar,

Leia mais

GOVERNO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GETRI GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO PARECER Nº 483/07/GETRI/CRE/SEFIN

GOVERNO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GETRI GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO PARECER Nº 483/07/GETRI/CRE/SEFIN Interessado : DELEGACIA DA 4ª DRRE/CACOAL. Assunto : Tratamento tributário nas operações de substituição em garantia. EMENTA: OPERAÇÕES DE REMESSA PARA REPOSIÇÃO EM GARANTIA NOVAS DISPOSIÇÕES INTRODUZIDAS

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 07, ANO IV JULHO DE 2012 1 RECEITA FEDERAL CRIA OBRIGAÇÃO ACESSÓRIA PARA TRANSAÇÕES COM ESTRANGEIROS Receita Federal edita Instrução Normativa

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL DOS PERÍODOS FINDOS EM 30 DE JUNHO (em milhares de reais)

BALANÇO PATRIMONIAL DOS PERÍODOS FINDOS EM 30 DE JUNHO (em milhares de reais) CIRCULANTE BALANÇO PATRIMONIAL DOS PERÍODOS FINDOS EM 30 DE JUNHO (em milhares de reais) ATIVO CONSOLIDADO 2008 2007 2008 2007 Numerário disponível 1.265 2.072 5.915 6.418 Aplicações no mercado aberto

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA. Avaliação de Investimentos em Participações Societárias

CONTABILIDADE AVANÇADA. Avaliação de Investimentos em Participações Societárias CONTABILIDADE AVANÇADA Avaliação de Investimentos em Participações Societárias INTRODUÇÃO Considera-se Participações Societárias quando uma sociedade (Investidora) vem à aplicar recursos na aquisição de

Leia mais

CONTABILIDADE MÓDULO 8

CONTABILIDADE MÓDULO 8 CONTABILIDADE MÓDULO 8 Índice 1. Demonstração de Resultado do Exercício (DRE) Uma Pequena Introdução...3 2. Regime de caixa, regime de competência...4 3. Ajustes...5 2 1. DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA. Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento

CONTABILIDADE AVANÇADA. Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento CONTABILIDADE AVANÇADA Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento INTRODUÇÃO Ágio e Ganho em Compra Vantajosa: são apurados em investimento pelo método de equivalência patrimonial. representam excesso ou

Leia mais

DAC Declaração das Atividades do Contribuinte - Alagoas

DAC Declaração das Atividades do Contribuinte - Alagoas DAC Declaração das Atividades do Contribuinte - Alagoas Produto : Microsiga Protheus Livros Fiscais Versão 10 Data da publicação : 10/09/12 País(es) : Brasil Banco(s) de Dados : Todos Chamado : TFBDWX

Leia mais

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Operações com Mercadorias 2. Resultado Bruto com Mercadorias (RCM) 3. Custo das Mercadorias

Leia mais

Escrito por Eduardo Sex, 09 de Outubro de 2009 08:28 - Última atualização Qua, 09 de Dezembro de 2009 14:05

Escrito por Eduardo Sex, 09 de Outubro de 2009 08:28 - Última atualização Qua, 09 de Dezembro de 2009 14:05 Os códigos de situação tributária abaixo identificados para ICMS foram extraídos do manual de integração da Nota Fiscal Eletrônica - NF-e, disponível também no endereço: http://www.nfe.fazenda.gov.br/portal/integracao.aspx,

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 1 CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Prof. Carmem Haab Lutte Cavalcante 2012 2 CONTABILIDADE SOCIETARIA 2 3 1 CONTABILIDADE Conceito de contabilidade, campo de atuação, usuários, objetivos

Leia mais

CAPITULO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI

CAPITULO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI SECAO 021200 - FACILIDADE PARA UTILIZAÇÃO DO SIAFI (DICAS) ASSUNTO 021216 - PROCEDIMENTO PARA INCLUSÃO DE FOLHA

Leia mais

Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Luciano Moura

Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Luciano Moura Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Luciano Moura 1 de 6 Olá queridos alunos, Hoje faremos alguns comentários acerca da prova para o cargo de Auditor Interno da Prefeitura de Salvador,

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 254 - Data 15 de setembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA JURÍDICA - IRPJ LUCRO PRESUMIDO.

Leia mais

CONSELHEIRO LUIZ CHOR

CONSELHEIRO LUIZ CHOR PUBLICAÇÃO DA DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. 24 / 06 / 2015 Fls.: 05 SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL Sessão de 20 de maio de 2015 CONSELHO PLENO RECURSO Nº 39.843 ACÓRDÃO Nº 7.676 INSCRIÇÃO ESTADUAL Nº 81.624.704

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CÂMARA MUNICIPAL DE OURO BRANCO MG EXERCÍCIO DE 2014

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CÂMARA MUNICIPAL DE OURO BRANCO MG EXERCÍCIO DE 2014 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CÂMARA MUNICIPAL DE OURO BRANCO MG EXERCÍCIO DE 2014 DIRETRIZES CONTÁBEIS Tendo em vista as inovações da Contabilidade no Setor Público, o Poder Legislativo

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR DECRETO Nº 4.105, DE 29 DE JANEIRO DE 2009. ALTERA O REGULAMENTO DO ICMS, APROVADO PELO DECRETO Nº 35.245, DE 26 DE DEZEMBRO DE 1991, PARA IMPLEMENTAR DISPOSIÇÕES DOS PROTOCOLOS ICMS 107, DE 16 DE NOVEMBRO

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL I

CONTABILIDADE GERAL I CONTABILIDADE GERAL I Operações com Mercadorias Prof. Martin Airton Wissmann P r o f. M a r t i n A i r t o n W i s s m a n n Página 1 SUMÁRIO 1. CONTABILIDADE GERAL I OPERAÇÕES COM MERCADORIAS... 3 1.1

Leia mais

SPED GESTÃO E TREINAMENTO LTDA Av. Guilherme Cotching, 1948, Conj. 20 V. Maria - 02113-014 São Paulo SP (11) 2386-8850 / 2386-8851

SPED GESTÃO E TREINAMENTO LTDA Av. Guilherme Cotching, 1948, Conj. 20 V. Maria - 02113-014 São Paulo SP (11) 2386-8850 / 2386-8851 www.gefisc.com.br SPED GESTÃO E TREINAMENTO LTDA Av. Guilherme Cotching, 1948, Conj. 20 V. Maria - 02113-014 São Paulo SP (11) 2386-8850 / 2386-8851 UNIDADE SOROCABA/SP Rua Elisa Bramante Francisco, 15

Leia mais

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II A leitura complementar tem como objetivo reforçar os conteúdos estudados e esclarecer alguns assuntos que facilitem a compreensão e auxiliem na elaboração da atividade.

Leia mais