Unidade II $

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade II $"

Transcrição

1 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Unidade II 4 CONTABILIZAÇÃO DE OPERAÇÕES COM MERCADORIAS COM TRIBUTAÇÃO 4.1 Compra de mercadorias com incidência de ICMS / PIS / COFINS recuperáveis Exemplo Vamos considerar uma compra de mercadorias por $ 0.000, com incidência de ICMS à alíquota de 17% e, considerando as alíquotas do PIS a 1,6% e COFINS a 7,6%, deveremos fazer a contabilização da seguinte forma: Nota fiscal de compra de mercadorias Mercadorias X unidades ICMS (17% X 0.000) = Memória de cálculo 1) Valor da compra 2) ICMS sobre operação (17%) - incluso no preço 3) PIS sobre a operação (1,6%) incluso no preço 4) COFINS sobre a operação (7,6%) inclusa no preço Valor líquido de mercadoria = (1 ( ) $ Ao adquirir as mercadorias por $ 0.000, $ se referem ao ICMS, $ 1.60 ao PIS, e $ à COFINS. 2

2 Unidade II Para o comprador, esses tributos, em virtude do princípio da não cumulatividade, representam um adiantamento do que será devido quando da venda deste estoque de mercadorias. Logo, esses valores pagos na compra de mercadorias representam um direito da empresa contra o estado (ICMS) e a União (PIS/COFINS), devendo ser reconhecidos na escrituração contábil através de contas próprias, que podem ser chamadas de contas correntes C/C ICMS (ou ICMS a recuperar), C/C PIS (ou PIS a recuperar), e C/C COFINS (ou COFINS a recuperar). Todas essas contas são contas de ativo, pois significam direitos. Tais contas têm o seguinte funcionamento: 1 Quando da compra das mercadorias, são debitadas pelo valor embutido (incluído) no preço. Quando do encerramento do período de apuração do imposto, são creditadas para a transferência de seu saldo para as contas do passivo, ICMS a recolher, PIS a recolher e COFINS a recolher. A operação poder ser contabilizada a seguir: 1. Considerando compra à vista: D Mercadorias $ D ICMS a recuperar $ D PIS a recuperar $ 1.60 D COFINS a recuperar $ C Caixa $ Considerando compra a prazo: 2 D Mercadorias $ D ICMS a recuperar $ D PIS a recuperar $ 1.60 D COFINS a recuperar $ C Fornecedores $

3 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Observamos que muitas empresas utilizam uma única conta para substituir as contas a recuperar e a recolher. Essa conta é denominada de conta corrente (C/C ICMS; C/C COFINS). Quando a empresa compra mercadorias, a conta corrente é debitada pelos impostos e contribuições incidentes sobre a operação de compra. Por outro lado, quando a empresa vende mercadorias, a conta corrente é creditada pelo valor dos impostos e contribuições incidentes sobre a operação de venda. Assim sendo, no final do período da operação, a conta corrente poderá apresentar saldo devedor ou saldo credor. O saldo devedor da conta corrente indica que a empresa tem um direito contra a Fazenda Pública, sendo, portanto, um ativo. 1 O saldo credor da conta corrente indica que a empresa tem uma obrigação junto à Fazenda Pública, sendo, portanto, um passivo Compra de mercadorias com incidência de IPI / ICMS / PIS / COFINS recuperáveis A diferença do IPI em relação ao ICMS / PIS e COFINS é que seu valor não está incluído no preço dos produtos. Se o comprador dos produtos sobre os quais incidiu o IPI é contribuinte do IPI (empresa industrial ou equiparada à industrial), e os produtos adquiridos são utilizados em seu processo de industrialização, o IPI incidente na operação de compra poderá ser recuperado quando da venda dos bens industrializados pela empresa (princípio da não cumulatividade). Exemplo Considerando uma compra de matéria-prima por $ 0.000, com incidência de ICMS à alíquota de 17%, do PIS a 1,6% 27

4 Unidade II e COFINS a 7,6%, bem como o IPI com alíquota de 30%, a contabilização será feita da seguinte forma: Nota fiscal de compra de matéria-prima Matéria-prima x unidades IPI 30% sobre ICMS (17% sobre 0.000) Valor total da nota fiscal Mercadoria de cálculo 1) Valor da compra 2) IPI sobre compra (30%) não incluso no preço da matéria-prima 3) Valor da nota fiscal 4) ICMS sobre a compra (17%) incluso no preço da matéria-prima ) PIS sobre a operação (1,6%) incluso no preço da matéria-prima 6) COFINS sobre a operação (7,6%) inclusa no preço da matéria-prima 7) IPI sobre a compra (30%) recuperável (neste exemplo) Valor líquido da matéria-prima = (3 ( ) $ Como o IPI é recuperável neste exemplo, seu valor não entra na base de cálculo do ICMS (art. 1, parágrafo 2º, inciso XI da Constituição Federal), do PIS (art. 66, parágrafo 3º da Instrução Normativa nº 247/02) e da COFINS (art, 8º, parágrafo 3º, inciso I da Instrução Normativa SRF nº 404 de 12/03/04). A contabilização, considerando a compra à vista será: D Matérias-primas $ D ICMS a recuperar $ D IPI a recuperar $ D COFINS a recuperar $ D PIS a recuperar $ 1.60 C Caixa $

5 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA 4.3 Compra de produtos para revenda por empresa comercial IPI não recuperável e ICMS / PIS / COFINS recuperáveis Neste caso, a empresa compradora não é contribuinte do IPI, pois é uma empresa comercial, ou, mesmo sendo contribuinte, não utiliza o produto comprado em seu processo de fabricação, o IPI incidente na operação de compra não será recuperado e, portanto, integrará o custo de aquisição. Exemplo A empresa Comercial Ltda adquire, a prazo, produtos industrializados para revenda por $.000, com IPI à alíquota de %, ICMS à alíquota de 17%, PIS à alíquota de 1,6%, e a COFINS à alíquota de 7,6%. Como a empresa compradora não é contribuinte do IPI, este não será recuperável, devendo integrar o custo de aquisição. Nota fiscal de compra do produto Produto X unidades IPI % sobre.000 ICMS (17% sobre.000) Memória de cálculo 1) Valor da compra 2) IPI sobre compra (%) cobrado destacadamente 3) Valor da nota fiscal 4) ICMS sobre compra (17%) incluso no preço (17% X.000) ) PIS sobre compra (1,6%) incluso no preço (1,6% X ) 6) COFINS sobre compra (7,6%) inclusa no preço 7,6% X ) Valor líquido do produto (3 ( ) $

6 Unidade II Como o IPI não é recuperável, porém o produto é destinado à comercialização, seu valor (do IPI) não entra na base de cálculo do ICMS (art. 1, parágrafo 2º, inciso XI da Constituição Federal). Entretanto, o valor do IPI integra a base de cálculo do PIS e da COFINS, por interpretação do disposto nos artigos 66, parágrafo 3º, da Instrução Normativa nº 247/02, e 8º, parágrafo 3º, inciso I da Instrução Normativa nº 404, de 12/03/04. A contabilização, considerando a compra a prazo, será: D Mercadorias $ D ICMS a recuperar $ D PIS a recuperar $ 4.90 D COFINS a recuperar $ C Fornecedores $ Compra de bens para uso da empresa quando o IPI não é recuperável e ICMS / PIS / COFINS são recuperáveis 1 Exemplo Uma empresa comercial adquire uma máquina para seu ativo permanente imobilizado diretamente da indústria por $ 0.000, com alíquota de IPI de %, de ICMS de 17%, de PIS de 1,6% e da COFINS de 7,6%, à vista. Como se trata de uma aquisição para uso e não para revenda, o IPI não será recuperável, devendo integrar o custo de aquisição. Nota fiscal de compra da máquina Máquina IPI % sobre ICMS (17% sobre ) $

7 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Memória de cálculo 1) Valor da compra 2) IPI sobre compra (%) cobrado destacadamente 3) Valor da nota fiscal 4) ICMS sobre compra (17%) incluso no preço ) PIS sobre compra (1,6%) incluso no preço 6) COFINS sobre compra (7,6%) inclusa no preço Valor líquido da máquina (3 ( ) $ A contabilização, considerando a compra à vista: D Máquinas $ 44. D ICMS a recuperar $.0 D PIS a recuperar $ 990 D COFINS a recuperar $ 4.60 C Caixa $ Outros gastos nas compras: imposto de importação, fretes e seguros 1) Quanto ao imposto de importação, não existe a possibilidade de sua recuperação pelo importador. Portanto, o mesmo deverá acrescer o custo de aquisição das mercadorias importadas. 1 2) Quanto aos fretes e seguros que o comprador é obrigado a pagar, seus valores devem integrar o custo de aquisição das mercadorias compradas. 4.6 Contabilização das operações de vendas Para o registro das operações de vendas de mercadorias, são efetuados débitos de uma conta que representa a disponibilidade (caixa ou bancos) no caso de venda à vista, ou de uma conta representativa de um direito (clientes 31

8 Unidade II ou duplicatas a receber), no caso de venda a prazo. Como contrapartida, tem-se um crédito em uma conta de receita (vendas ou receita bruta de vendas) Impostos e contribuições incidentes sobre vendas Considerando-se as diversas legislações (federal, estadual), quando uma empresa vende uma mercadoria ou um produto, no preço desses bens estão embutidos impostos e contribuições sobre o valor das vendas, tais como ICMS, PIS, COFINS, dentre outros, que deverão ser recolhidos aos cofres públicos. Observamos que o IPI não integra a receita bruta, apesar de compor o preço final da nota fiscal (Decreto nº 3.000/99, artigo 279, parágrafo único) Revenda de mercadorias sem incidência do IPI Exemplo: operação a prazo pelo valor de $ 0.000,00. 1 a) D Clientes C Vendas brutas b) D Tributos sobre vendas 26. C ICMS a recolher C PIS a recolher 1.60 C COFINS a recolher Pelo reconhecimento da receita Pelo reconhecimento dos impostos e contribuições sobre vendas 2 A conta tributos sobre vendas foi debitada, pois irá reduzir as vendas brutas. A contrapartida foi efetuada em contas que representam obrigações da empresa junto às fazendas públicas. Dos $ cobrados, somente $ pertencem à empresa. O restante, $ 26., pertence aos cofres públicos. 32

9 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Venda de produto fabricado pela empresa com alíquota de IPI de % Exemplo: operação a prazo pelo valor de R$ 0.000,00. Nesta operação, o valor do IPI é de $.000, sendo a contabilização feita da seguinte forma: a) D Clientes C Receita bruta b) D IPI faturado.000 C IPI a recolher.000 c) D Tributos sobre vendas 26. C ICMS a recolher C PIS a recolher 1.60 C COFINS a recolher Pelo reconhecimento de venda com IPI Pelo reconhecimento do IPI Pelo reconhecimento dos impostos e contribuições sobre vendas 1 Memória de cálculo Vendas brutas IPI faturado = Receita bruta de vendas ICMS sobre vendas PIS sobre vendas COFINS sobre vendas = Receita líquida de vendas $ (.000) (17.000) (1.60) (7.600) Observamos que substituímos na memória de cálculo a conta tributos sobre vendas por outras três contas ICMS sobre vendas, PIS sobre vendas e COFINS sobre vendas. 33

10 Unidade II Contabilização dos fatos que alteram as compras e as vendas Devoluções de compras Exemplo Compra de 0 unidades de mercadoria y para revenda pela empresa X por $.000, à vista, mais IPI de %, com ICMS de 17%, PIS de 1,6% e COFINS de 7,6%. Quando do recebimento das mercadorias, foram verificados defeitos em cinco unidades e, por esse motivo, a empresa compradora resolve devolver integralmente as mercadorias compradas. Assim teremos: A Compra das mercadorias Nota fiscal de compra 0 mercadorias y x 0 IPI % sobre.000 ICMS (17% sobre.000) = Memória de cálculo Valor da compra IPI sobre compra cobrado separadamente Valor total da nota ICMS sobre compra incluso no preço PIS sobre compra incluso no preço COFINS sobre compra inclusa no preço Valor líquido da mercadoria $ , ,0 Como o IPI não é recuperável, porém o produto é destinado à comercialização, seu valor não entra na base de cálculo do ICMS, mas integra a base de cálculo do PIS e da COFINS. 34

11 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Assim teremos a contabilização pela compra: D Mercadorias $ 8.282,0 D ICMS a recuperar $ 1.700,00 D PIS a recuperar $ 181,0 D COFINS a recuperar $ 836,00 C Caixa $ ,00 B - Devolução da compra da mercadoria Nota fiscal de devolução 0 mercadorias y x 0 IPI % sobre 00 ICMS (17% sobre 00) Memória de cálculo Valor da devolução IPI sobre devolução cobrado destacadamente Valor total da nota ICMS sobre devolução (17% s/ 00) incluso no preço PIS sobre devolução (1,6% s/ 0) incluso no preço COFINS sobre devolução (7,6% s/ 0) inclusa no preço Valor líquido da mercadoria devolvida $ ,08 41,80 414,12 1 Assim teremos a contabilização da devolução de compra de mercadorias: D Caixa $ 0,00 C Devolução de compras $ 414,12 C ICMS a recuperar $ 8,00 C PIS a recuperar $ 9,08 C COFINS a recuperar $ 41,80 3

12 Unidade II Devoluções de vendas Usaremos o mesmo exemplo de e registraremos as operações sob o ponto de vista do vendedor. A - Vendas das mercadorias Nota fiscal da venda 0 mercadorias y x 0 IPI % sobre.000 ICMS (17% sobre.000) = Memória de cálculo Valor da venda IPI sobre venda % cobrado destacadamente Valor da nota ICMS sobre venda (17%) incluso no preço PIS sobre venda (1,6%) incluso no preço COFINS sobre venda (7,6%) inclusa no preço $ Como a empresa vendedora é contribuinte do IPI, a contabilização da venda é a seguinte: a) D Caixa $ C Faturamento bruto $ b) D IPI faturado $ C IPI a recolher $ c) D ICMS a recolher $ 8,00 D PIS a recolher $ 8,2 D COFINS a recolher $ 38,00 C ICMS sobre a venda $ 8,00 36

13 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA C PIS sobre vendas $ 8,2 C COFINS sobre vendas $ 38,00 Observamos que as devoluções de vendas constarão da DRE como parcela redutora das vendas brutas Abatimentos sobre compras Nas operações mercantis podem ocorrer situações entre a saída da mercadoria do estabelecimento vendedor e o ingresso no estabelecimento comprador. O comprador adquire mercadoria de 1ª qualidade e recebe mercadoria de 2ª qualidade, por exemplo. Neste e em outros exemplos, para evitar a devolução da mercadoria, pode ser negociado entre as partes, comprador e vendedor, um abatimento no preço da mercadoria. 1 Assim, por exemplo, a empresa Comércio de Equipamentos Ltda. compra computadores para revenda por $.000, à vista, com as seguintes alíquotas: ICMS 17%, PIS 1,6% e COFINS 7,6%. Ao receber a mercadoria, é constatado que dois computadores estão fora das especificações técnicas acordadas. Para que as duas unidades não fossem devolvidas o vendedor concedeu um abatimento no valor total de $ 400, que foi prontamente aceito pelo comprador. A contabilização dessas operações seria feita da seguinte maneira: A Compra da mercadoria Nota fiscal de compra computadores x ICMS (17% sobre.000) = Valor da nota fiscal

14 Unidade II Memória de cálculo Valor da compra IPI sobre compra (17%) incluso no preço PIS sobre compra (1,6%) incluso no preço COFINS sobre compra (7,6%) inclusa no preço Valor da nota Valor líquido da mercadoria $ Contabilização D Mercadorias $ D ICMS a recuperar $ D PIS a recuperar $ 330 D COFINS $ 1. C Caixa $.000 Quando ocorrer o abatimento no valor de $ 400, teremos: D Caixa $ 400 C Abatimento $ 400 Observamos que não houve ajuste sobre o valor dos impostos incidentes na operação em virtude de ter sido um fato posterior à emissão da nota fiscal, e que não resultou na devolução de mercadorias Abatimentos sobre vendas 1 Para o vendedor da mercadoria, o abatimento concedido reduz o resultado e deverá ser registrado como uma conta de resultado, redutora da receita bruta de vendas, para apuração da receita líquida de vendas. Utilizamos o mesmo exemplo do item , e a contabilização será feita sob o ponto de vista do vendedor. 38

15 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA A Na venda a) D Caixa $.000 C Receita bruta de venda $.000 b) D ICMS sobre vendas $ D PIS sobre vendas $ 330 D COFINS sobre vendas $ 1. C ICMS a recolher $ C PIS a recolher $ 330 C COFINS a recolher $ 1. B No momento da concessão do abatimento a) D Abatimento sobre vendas $ 400 C Caixa $ Descontos comerciais 1 São aqueles concedidos na nota fiscal, no momento da operação de compra (obtidos) ou de venda (concedidos), em função, normalmente, do volume de vendas ou da qualidade do comprador Descontos comerciais obtidos A regra geral do desconto comercial obtido é a sua não contabilização por parte do comprador, ou seja, a mercadoria é contabilizada pelo seu valor líquido negociado. Entretanto, se a empresa compradora desejar, poderá utilizar uma conta retificadora de comprar descontos comerciais obtidos. Assim, por exemplo, teremos: 2 A empresa H Ltda. compra unidades de um produto beta da indústria J pelo preço unitário de tabela de $ 0, mais % de IPI. Como a empresa H é um excelente cliente, a indústria J concede % de desconto no ato da venda. A operação é à vista, com incidência de ICMS 17%, PIS 1,6% e COFINS 7,6%. 39

16 Unidade II A Compra de produtos Nota fiscal de compra Produto beta X $ 0 Desconto (% sobre 0.000) IPI (% sobre 0.000) ICMS (17% sobre ) = (.000) Memória de cálculo Valor da compra Desconto comercial (% sobre 0.000) IPI sobre compra (% 0.000) cobrado destacado Valor total da nota ICMS sobre compra (17% sobre ) incluso no preço PIS sobre compra (1,6% sobre ) incluso no preço COFINS sobre compra (7,6% sobre ) inclusa no preço Valor líquido da mercadoria $ (.000) Observamos que, como o IPI não é recuperável neste exemplo, mas o produto é destinado à revenda, o valor do IPI não entra na base de cálculo do ICMS (art. 1, parágrafo 2º, inciso XI da Constituição Federal). Porém, integra a base de cálculo do PIS e da COFINS, por interpretação ao disposto nos artigos 66, parágrafo 3º da Instrução Normativa nº 247/02 e 8º, parágrafo 3º, inciso I da Instrução Normativa SRF nº 404, de 12/03/04. O lançamento contábil será: 1 D Mercadorias $ D ICMS a recuperar $ D PIS a recuperar $ 1.48 D COFINS a recuperar $ C Caixa $

17 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Note-se que o desconto comercial não foi contabilizado pelo comprador, sendo esta a forma mais usual de contabilização Descontos comerciais concedidos Na empresa vendedora, os descontos comerciais devem ser registrados em conta redutora da receita bruta de vendas, para apuração da receita líquida. Utilizando-se o mesmo exemplo do item , teremos: A Venda da mercadoria Nota fiscal de compra Produto beta x $ 0 Desconto (% sobre 0.000) IPI (% sobre 0.000) ICMS (17% sobre ) = (.000) Memória de cálculo Valor da compra Desconto comercial (% sobre 0.000) IPI sobre compra (% 0.000) cobrado destacado Valor total da nota ICMS sobre compra (17% sobre incluso no preço PIS sobre compra (1,6% sobre ) incluso no preço COFINS sobre compra (7,6% sobre ) inclusa no preço Valor líquido da mercadoria $ (.000) Observamos que: como o IPI não é recuperável neste exemplo, e o produto é destinado à revenda, seu valor entra na base de cálculo do ICMS (art. 1, parágrafo 2º, inciso XI da Constituição 41

18 Unidade II Federal), bem como a base de cálculo (no devedor) do PIS e da COFINS; o valor do PIS e da COFINS para o vendedor é diferente do valor para o comprador, este fato decorre da Legislação de Regência (art. 66, parágrafo 3º da Instituição Normativa nº 247/02 para o comprador, e art. 24 da mesma Instituição no caso do vendedor). Contabilização a) D Caixa $ D Descontos comerciais concedidos $.000 C Faturamento bruto $ b) D IPI faturamento $.000 C IPI a recolher $ c) D ICMS sobre vendas $ D PIS sobre vendas $ 1.3 D COFINS sobre venda $ C ICMS a recolher $ C PIS a recolher $ 1.3 C COFINS a recolher $ Exercícios resolvidos 1. A Cia. Alfa efetuou as seguintes operações com mercadorias durante o mês de outubro de X8: 2 1/ Compra de mercadorias à vista por $ 60, com ICMS de 17%. 6/ Venda de mercadorias à vista por $ 40, com ICMS de 17%. Essas mercadorias estavam no estoque e acusavam o valor de $

19 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA 8/ Devolução de parte das mercadorias compradas em 1/, no valor de $. Pede-se: 1- Efetuar a contabilização das operações no diário. 2- Transportar as operações do diário para o razão. 3- Apurar o lucro bruto. 4- Informar o valor do ICMS a recolher no mês. - Informar o valor do ICMS a recuperar no mês. Resolução I- Operação em 1/ (compra): a) Valor do ICMS contido na operação: 17% sobre $ 60 = $,2. b) Valor das mercadorias: $ 60 - $,2 = $ 49,8. c) Contabilização no diário. 1 D Mercadorias $ 49,8 (1) D ICMS a recuperar $,2 (1) C Caixa $ 60,00 (1) II- Operação em 6/ (venda): 2 a) Valor do ICMS contido na operação: 17% sobre $ 40 = $ 6,8. b) Custo das mercadorias vendidas: $ 24. c) Contabilização no diário. D Caixa $ 40 (2) C Venda $ 40 (2) D CMV $ 24 (3) C Mercadorias $ 24 (3) 43

20 Unidade II D ICMS nas vendas $ 6,8 (4) C ICMS a recolher $ 6,8 (4) III- Operação em 8/ (devolução compras): a) Valor do ICMS contido na operação: 17% sobre $ = 1,7. b) Valor das mercadorias devolvidas: ($ - $ 1,7) = $ 8,3. c) Contabilização no diário. D Caixa $ () C Mercadorias $ 8,3 () C ICMS a recuperar $ 1,7 () 1 IV Operação em 30/ (encerramento do mês no diário): D ICMS a recolher $ 6,8 (6) C ICMS a recuperar $ 6,8 (6) D Vendas $ 6,8 (7) C ICMS nas vendas $ 6,8 (7) D Vendas $ 33,2 (8) C Resultado com mercadorias $ 33,2 (8) D Resultado com mercadoria $ 24 (9) C CMV $ 24 (9) Contabilização no razão (de todas as operações) Mercadorias ICMS a recuperar Caixa Venda (1) 49,8 8,3 () (1),2 1,7 () 6,8 (6) (2) 40 () 60(1) (7) 6,8 40 (2) 41, 1,7 (8) 33,2 33,2 44

21 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA ICMS nas vendas ICMS a recolher CMV RCM (4) 6,8 6,8 (7) (6) 6,8 6,8 (4) (3) 24 24(9) (9) 24 33,2 (8) 41, 1,7 21,2 DRE em 30// da Cia. Alfa: Respostas Vendas brutas ICMS nas vendas = Venda líquida CMV = RCM a) O lucro bruto é de $ 9,2. b) O ICMS a recolher no mês é zero. c) O ICMS a recuperar no mês é: $ 1,7. $ 40 $ 6,8 $ 33,2 $ (24,0) $ 9,2 2. A empresa Trevo de Quatro Folhas realizou apenas duas vendas no mês de agosto X8. Uma de 300 unidades, no dia 1, e outra de 480 unidades, no dia 2. 1 O valor apurado foi o mesmo em cada operação, sendo a primeira operação a prazo e a segunda operação à vista. O valor total cobrado foi de $.280, correspondente ao preço da venda com incidência de ICMS de 17% e de IPI de %. Exclusivamente com base nas informações apresentadas, podemos dizer que o preço unitário de venda alcançado nas operações dos dias 1 e 2 de agosto, foram de: 4

22 Unidade II Resolução a) Como o valor total nas duas vendas foi de $.280, e o valor de cada venda foi o mesmo, cada venda teve o valor de: = b) Venda realizada em 1 de agosto: unidades = 8,90 Preço unitário de venda + IPI de % = 8,80 8,0 1% x = 8,0 x 0% Preço unitário da venda = $ 8,00 c) Venda realizada em 2 de agosto: unidades =,0 Preço unitário de venda + IPI de % =,0,0 1% x =,00 x 0% Preço unitário de venda = $,00 Resposta Preço unitário de venda em 1 de agosto = $ 8,00. Preço unitário de venda em 2 de agosto = $, Considere uma empresa comercial que tenha comprado a prazo 600 unidades de uma determinada mercadoria, ao custo unitário de $ 30, pagando frete de $ 0,0 por unidade. Em seguida, tenha vendido metade dessas compras, emitindo nota fiscal de venda no valor de $ , com entrega em domicílio, pagando frete total de $ 3. Sabendo-se que não havia estoques iniciais, que o frete está isento de tributação, mas que as compras e vendas foram tributadas com ICMS à 46

23 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA alíquota de 17%, assinale a opção que indica corretamente o lucro bruto alcançado na operação. a) $ b) $ c) $ d) $ e) $ 2.0. Resolução Custo de aquisição unidades a $ 30 = $ Frete: 600 unidades a $ 0,0 = $ 300 Total gasto na aquisição = $ ICMS incluso na compra - 18,00 x 17% = $ (3.060) Custo das mercadorias compradas $ Conforme o enunciado, o ICMS incide apenas sobre o preço das mercadorias. Por ser imposto recuperável, o ICMS não é considerado parte do custo de aquisição das mercadorias. O frete deve ser computado como parte do custo de aquisição. Apuração do lucro bruto Venda bruta $ ICMS sobre venda 17% sobre $ (2.040) Venda líquida $ CMV = x 0% (7.6) Lucro bruto $ metade do custo de aquisição 47

24 Unidade II Resposta: C 4. Observe os seguintes dados colhidos na contabilidade da empresa Fritex Comercial Ltda., relativos ao período de um mês: Estoque inicial de mercadorias Compra de mercadorias tributadas Venda de mercadorias tributadas Estoque final de mercadorias ICMS à alíquota de 17% COFINS à alíquota de 3% Analisando os dados acima devidamente contabilizados, podemos concluir que no fim do mês referenciado: 1 a) O ICMS a recuperar é de 170. b) O ICMS a recolher é de 680. c) O ICMS a recuperar é de. d) O CMV (Custo de Mercadoria Vendida) é de 3.. e) O resultado do período é um prejuízo de 290. Resolução Na operação CMV, temos: 2 Estoque inicial Compras ICMS sobre compra 17% sobre () Estoque final (1.000) 3490 Em seguida, a demonstração de resultado bruto: 48

25 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Vendas brutas ICMS sobre venda 17% sobre (680) COFINS - 3% sobre (1) Vendas líquidas 3.0 CMV (3.490) Resultado bruto (290) Resposta: E. No mês de outubro de 08, a empresa X apurou um lucro operacional bruto de nas operações de compra e venda de sua mercadoria gama, cuja tributação de ICMS é feita à alíquota de 17%. O cálculo desse lucro considerou a contabilização de receita bruta de vendas no valor de.000, e de compra de mercadorias no valor de O CMV foi equivalente a 0% do preço bruto de venda, e a COFINS foi de 3%. Não haverá PIS sobre o faturamento. Após a contabilização dos fatos geradores do resultado acima apresentado, ocorreu a devolução de % das compras e de % das vendas do período. 2 A efetivação dos ajustes contábeis provocados pelas devoluções mencionadas vai evidenciar, para o lucro operacional bruto, o valor correto de: a) b) 2.. c) d) e)

26 Unidade II Resolução Antes das devoluções a empresa apresentava o seguinte resultado: Vendas brutas.000 ICMS sobre venda 17% sobre.000 (1.700) COFINS - 3% sobre.000 (300) Vendas líquidas CMV (.000) Lucro bruto % das vendas brutas 1 Quando da devolução de % das vendas, o resultado passou a ser o seguinte: Vendas brutas.000 Devolução de vendas - % sobre.000 (1.000) ICMS sobre venda 17% sobre (1.30) COFINS - 3% sobre ) Vendas líquidas 7.0 CMV 0% das vendas após devolução (4.00) 0% Lucro bruto sobre Resposta: C Obs.: a devolução aos fornecedores de % das compras não afeta o resultado. Referências bibliográficas BORGES, Humberto Bonavides. Planejamento tributário IPI, ICMS, ISS e IR. 9. ed. São Paulo: Atlas, 06. FABRETTI, Láudio Camargo. Contabilidade tributária.. ed. São Paulo: Atlas, 07. 0

27 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA OLIVEIRA, Gustavo Pedro de. Contabilidade tributária. 2.. ed. São Paulo: Saraiva, 08. OLIVEIRA, Luís Martins de; PEREZ JUNIOR, José Hernandez; GOMES, Marliete et al. Manual de contabilidade tributária. 6. ed. São Paulo: Atlas, 07. NEVES, Silvério das; VICECONTI, Paulo Eduardo. Contabilidade básica. 13. ed. São Paulo: Frase, 06. 1

28 2 Unidade II

(A) (B) (C) (D) (E)

(A) (B) (C) (D) (E) 01 FCC 2014 Um lote de mercadorias para revenda foi adquirido pelo valor total de R$ 200.000. Neste valor estavam inclusos tributos recuperáveis de R$ 30.000. A empresa ficou responsável pela retirada

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Materiais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Materiais CONTABILIDADE DE CUSTOS Materiais IMPORTÂNCIA DO ESTUDO Importância do estudo dos custos dos materiais se justifica: pela grande participação dos materiais no processo produtivo; Custos como base primordial

Leia mais

OPERAÇÕES COM MERCADORIAS E NOÇÕES SOBRE O SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL. Seção 7

OPERAÇÕES COM MERCADORIAS E NOÇÕES SOBRE O SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL. Seção 7 OPERAÇÕES COM MERCADORIAS E NOÇÕES SOBRE O SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL Seção 7 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Ramo da contabilidade aplicada cujo objetivo é adequar as demonstrações financeiras contábeis e a

Leia mais

PIS e COFINS. Aspectos conceituais. Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto

PIS e COFINS. Aspectos conceituais. Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto PIS e COFINS Aspectos conceituais Núcleo de Estudos em Controladoria e Contabilidade Tributária Prof. Amaury

Leia mais

Exercício Contabilidade Básica Maratona 02

Exercício Contabilidade Básica Maratona 02 Sumário I Operações com Mercadorias... 2 1. CVM - Analista (ESAF- 2010) - Componentes do Custo... 2 2. BR Distribuidora - Técnico (Cesgranrio- 2009) - Apuração do CMV... 2 3. TCM/PA - Analista (FGV- 2008)

Leia mais

Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = , , , ,00

Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = , , , ,00 p. 86 Teoria Patrimonialista: Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = 13.400,00 + 2.400,00 + 10.500,00 + 5.300,00 = = 31.600,00 Gabarito: B Teoria Patrimonialista: Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo,

Leia mais

Comentarei as questões 56 a 63 da prova de Contabilidade de Auditor Fiscal da Fazenda do Ceará 2007.

Comentarei as questões 56 a 63 da prova de Contabilidade de Auditor Fiscal da Fazenda do Ceará 2007. Comentarei as questões 56 a 63 da prova de Contabilidade de Auditor Fiscal da Fazenda do Ceará 2007. CONTABILIDADE GERAL 56 Na empresa Nutricional S/A, o resultado do exercício havia sido apurado acusando

Leia mais

Contabilidade Tributária Aula 4 - ICMS

Contabilidade Tributária Aula 4 - ICMS Contabilidade Tributária Aula 4 - ICMS Prof. Gustavo Gonçalves Vettori BASE DE CÁLCULO 1 Base de Cálculo Nas saídas de mercadorias: Valor da operação Fornecimento de alimentos em restaurantes e bares Valor

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa, durante o exercício social, demonstradas de forma a destacar o resultado líquido

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS

CONTABILIDADE DE CUSTOS CONTABILIDADE DE CUSTOS AULA 5: COMPRAS E VENDAS Prof. Carol Camera Reflita Economia, frequentemente, não tem relação com o total de dinheiro gasto, mas com a sabedoria empregada ao gastá-lo. (Henry Ford)

Leia mais

Contabilidade Introdutória

Contabilidade Introdutória Contabilidade Introdutória Profa. Mara Jane Contrera Malacrida 1 Avaliação de Estoques CPC 16 Caracterização do Estoque Estoques são ativos: a)mantidos para venda no curso normal dos negócios; b)em processo

Leia mais

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários

Leia mais

Curso de Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Tributária I 3ª Fase Professora: Lyss Paula de Oliveira

Curso de Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Tributária I 3ª Fase Professora: Lyss Paula de Oliveira Curso de Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Tributária I 3ª Fase Professora: Lyss Paula de Oliveira 1 Assinale V para as afirmativas verdadeiras e F para as afirmativa falsa: (F) O ISS é um tributo

Leia mais

Controle Decifrado de Estoque

Controle Decifrado de Estoque 1 PIS/Pasep e Cofins... 1 1.1 Contas PIS/Pasep e Cofins a Recolher e PIS/Pasep e Cofins a Recuperar... 2 1.2 Conta Conta-corrente PIS/Pasep e Cofins... 4 1 PIS/Pasep e Cofins Pela legislação de regência

Leia mais

Prof. Felipe Mascara

Prof. Felipe Mascara 01 - Considere as afirmativas a seguir, com relação aos Princípios Fundamentais de (PFC), do Conselho Federal de (CFC). I. COMPETÊNCIA: As receitas e as despesas devem ser incluídas na apuração do resultado

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA MÓDULO 6

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA MÓDULO 6 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA MÓDULO 6 Índice 1. Deduções da base de cálculo...3 1.1 Base de cálculo, alíquotas e despesas... 3 1.2 Exemplo numérico com deduções... 3 2. Faturamento bruto/receita bruta regime

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE)

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações) estipula a Demonstração do Resultado do Exercício.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: EAC0111 NOÇÕES DE CONTABILIDADE PARA

Leia mais

TCU - Aula 03 C. Geral III

TCU - Aula 03 C. Geral III Sumário 1 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão 051 Critérios de avaliação de ativos... 2 2 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão 052 Critérios de Avaliação de Ativos... 2 3 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão

Leia mais

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34 Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos...1 1. Contabilidade: Conceitos, Objeto, Objetivo, Finalidade e Campo de Aplicação...1 2. Usuários da Informação Contábil...2 3. Principais Tipos de Sociedades Existentes

Leia mais

Tributação Indireta no contexto do IFRS. Possíveis Impactos no ICMS/ISS

Tributação Indireta no contexto do IFRS. Possíveis Impactos no ICMS/ISS Tributação Indireta no contexto do IFRS Possíveis Impactos no ICMS/ISS Reunião GEDEC 28/10/2015 Escopo da Apresentação Foram analisados os CPCs que possam gerar controvérsias ou possíveis impactos fiscais

Leia mais

VISÃO CONTÁBIL DE RECEBIMENTOS DE PRODUTOS EM BONIFICAÇÕES E DESCONTOS EM BOLETOS

VISÃO CONTÁBIL DE RECEBIMENTOS DE PRODUTOS EM BONIFICAÇÕES E DESCONTOS EM BOLETOS VISÃO CONTÁBIL DE RECEBIMENTOS DE PRODUTOS EM BONIFICAÇÕES E DESCONTOS EM BOLETOS Bonificações A Receita Federal reconhece dois tipos de bonificações, que são: 1. Aquelas recebidas na mesma nota fiscal

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011

Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011 Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011 DOU de 17.10.2011 Dispõe sobre procedimentos fiscais dispensados aos consórcios constituídos nos termos dos arts. 278 e 279 da Lei nº 6.404, de

Leia mais

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Introdução

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Introdução CONTABILIDADE COMERCIAL Unidade III 7 FATOS QUE ALTERAM OS VALORES DE COMPRA E VENDA DE MERCADORIAS Introdução Após a apresentação dos sistemas de inventário de mercadorias (permanente e periódico), dos

Leia mais

Fábio Figueiredo Supervisor. Suporte

Fábio Figueiredo Supervisor. Suporte Olá! Bem Vindo! Fábio Figueiredo Supervisor Suporte Fabio.figueiredo@grupopc.com.br Agenda do dia: Custos e precificação Importação do XML na entrada de mercadoria Entendendo a precificação de Produtos

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO- DVA FLUXOGRAMA 1 3 (1 2) 5 (3 4) 7 (5+6)

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO- DVA FLUXOGRAMA 1 3 (1 2) 5 (3 4) 7 (5+6) DEMONSTRAÇÃO DO VALOR - DVA FLUXOGRAMA 1 3 (1 2) 5 (3 4) 7 (5+6) VENDAS Vendas Operacionais Vendas não Operacionais PDD- Constituição/Reversão VALOR BRUTO VALOR LIQUIDO VALOR TOTAL A DISTRIBUIR 2 4 6 INSUMOS

Leia mais

PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS (Impairment de Ativos)

PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS (Impairment de Ativos) FEA / USP Departamento de PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS (Impairment de Ativos) 1 PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS e PROVISÕES Perdas estimadas em ativos: retificações de ativos decorrentes de perdas de benefícios

Leia mais

INTERPRETAÇÃO TÉCNICA DO IBRACON Nº 01/04

INTERPRETAÇÃO TÉCNICA DO IBRACON Nº 01/04 INTERPRETAÇÃO TÉCNICA DO IBRACON Nº 01/04 CONTABILIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES PARA O PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL (PIS) E PARA O FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL (COFINS) Em 31 de dezembro de 2002 e em

Leia mais

CONTAS DE RESULTADO OPERAÇÕES A VISTA A PRAZO RECEITA + CAIXA + DUPLICATAS A RECEBER DESPESA - CAIXA + CONTAS A PAGAR

CONTAS DE RESULTADO OPERAÇÕES A VISTA A PRAZO RECEITA + CAIXA + DUPLICATAS A RECEBER DESPESA - CAIXA + CONTAS A PAGAR 1/5 CONTAS DE RESULTADO RECEITAS As Receitas correspondem às vendas de produtos, mercadorias ou prestação de serviços. No Balanço Patrimonial, as receitas são refletidas através da entrada de dinheiro

Leia mais

CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO. Prof. André Gomes

CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO. Prof. André Gomes CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO Prof. André Gomes 1 Contribuição para PIS/PASEP PIS contribuição para o Programa de Integração Social funcionários das empresas do setor privado; PASEP contribuição

Leia mais

Fatores para o cálculo do preço de exportação

Fatores para o cálculo do preço de exportação Fatores para o cálculo do preço de exportação No cálculo do preço de exportação devem ser levados em conta, entre outros fatores: IPI - IMUNIDADE do Imposto sobre Produtos Industrializados, na saída de

Leia mais

1.1 A Cia Contábil, no final do exercício em 31/12/X8, apresentava um saldo de R$ na conta de clientes.

1.1 A Cia Contábil, no final do exercício em 31/12/X8, apresentava um saldo de R$ na conta de clientes. 1- Exercícios 1.1 A Cia Contábil, no final do exercício em 31/12/X8, apresentava um saldo de R$ 150.000 na conta de clientes. ATIVO Disponibilidades $ 5.000 Clientes $ 150.000 (-) Prov. Devedores Duvidosos

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-ST Custo de entrada - MG

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-ST Custo de entrada - MG ICMS-ST 02/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 4. Conclusão... 7 5. Informações Complementares... 7 6. Referências...

Leia mais

Aula 07 Análise TCU III

Aula 07 Análise TCU III Sumário 1 TCRO Auditor CESPE 2013 - Questão 096 - Análise de Demonstrações Contábeis... 2 2 TCRO Auditor CESPE 2013 - Questão 097 - Análise de Demonstrações Contábeis... 2 3 TCU Analista (CESPE/ 2008)

Leia mais

PIS-Cofins - Atualidades. Solon Sehn

PIS-Cofins - Atualidades. Solon Sehn PIS-Cofins - Atualidades Solon Sehn Conceito de Insumos: Lei nº 10.833/2003 Art. 3º [...] II - bens e serviços, utilizados como insumo na prestação de serviços e na produção ou fabricação de bens ou produtos

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 16/11/2010.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 16/11/2010. OPERAÇÃO BACK TO BACK - Aspectos Contábeis Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 16/11/2010. 1 - INTRODUÇÃO 2 - TRATAMENTO FISCAL 3 - TRATAMENTO CONTÁBIL 1 - INTRODUÇÃO As chamadas operações

Leia mais

SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena

SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena Em cada questão, marque o item correto: 1. O princípio contábil que atribui às entidades personalidade própria, distinta da dos sócios, é o princípio da:

Leia mais

b) Os CFOPs com substituição tributária são: Compra de mercadoria para uso ou consumo cuja mercadoria está sujeita ao regime de

b) Os CFOPs com substituição tributária são: Compra de mercadoria para uso ou consumo cuja mercadoria está sujeita ao regime de Primeiramente não existe no Regulamento do ICMS do Estado de São Paulo, Decreto 45.490/2000 o conceito de material de uso ou consumo, porém podese entender que tudo que não se utiliza como insumo e também

Leia mais

Contabilidade Geral Prova 2 Gabarito 1 Questão 01 A questão solicita que o candidato indique a afirmativa incorreta, que é encontrada na alternativa c : No ativo, as contas serão dispostas em ordem crescente

Leia mais

SOFOLHA SOLUÇÕES CORPORATIVAS CONSULTORIA TRIBUTÁRIA. Projeto SPED x SFFISCAL Lucro Presumido

SOFOLHA SOLUÇÕES CORPORATIVAS CONSULTORIA TRIBUTÁRIA. Projeto SPED x SFFISCAL Lucro Presumido Projeto SPED x SFFISCAL Lucro Presumido Legislação Conforme instituído pela Instrução Normativa RFB nº 1.052, de 5 de julho de 2010, sujeitam à obrigatoriedade de geração de arquivo da Escrituração Fiscal

Leia mais

Sumário. Introdução. Patrimônio

Sumário. Introdução. Patrimônio Sumário Sumário Introdução 2 Objeto 3 Finalidade ou objetivo 4 Pessoas interessadas nas informações contábeis 5 Funções 6 Identificação dos aspectos patrimoniais 7 Campo de aplicação 8 Áreas ou ramos 9

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO CONTABILIDADE E Prof. Cássio Marques da Silva 2016 PIS (PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL) COFINS (CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL) REGIME CUMULATIVO E NÃO-CUMULATIVO Para iniciar o estudo

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA No- 582, DE 20 DE SETEMBRO DE 2012

MEDIDA PROVISÓRIA No- 582, DE 20 DE SETEMBRO DE 2012 MEDIDA PROVISÓRIA No- 582, DE 20 DE SETEMBRO DE 2012 Altera a Lei nº 12.546, de 14 de dezembro de 2011, quanto à contribuição previdenciária de empresas dos setores industriais e de serviços; permite depreciação

Leia mais

c) Pressupõe-se que a empresa esteja atrasando um tipo de obrigação. Qual seria, mais provavelmente?

c) Pressupõe-se que a empresa esteja atrasando um tipo de obrigação. Qual seria, mais provavelmente? 1-Estruture o Balanço Patrimonial da Cia Alfa com os dados a seguir (em $ milhões - empresa comercial): (não há problema se sobrarem linhas...) Caixa 100; Ações de Outras Companhias 1.000; Fornecedores

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Aquisição de Ativo Imobilizado - Créditos PIS/COFINS Contabilização e Reflexos Blocos F120 e F130 da EFD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Aquisição de Ativo Imobilizado - Créditos PIS/COFINS Contabilização e Reflexos Blocos F120 e F130 da EFD Aquisição de Ativo Imobilizado - Créditos PIS/COFINS Contabilização e Reflexos Blocos F120 e F130 da EFD Contribuições 27/01/2015 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas

Leia mais

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MÓDULO DE QUESTÕES DE CONTABILIDADE

Leia mais

1) Os valores a seguir foram extraídos dos registros contábeis de uma empresa industrial:

1) Os valores a seguir foram extraídos dos registros contábeis de uma empresa industrial: 1) Os valores a seguir foram extraídos dos registros contábeis de uma empresa industrial: 2) Uma indústria apresentou, no mês de fevereiro de 2013, os seguintes custos de produção: 3) Uma sociedade empresária

Leia mais

Balanço Patrimonial da Cia Salve&Kana

Balanço Patrimonial da Cia Salve&Kana Elaboração da DFC Método Direto A fim de possibilitar melhor entendimento, vamos desenvolver um exemplo passo a passo da montagem da DFC pelo método direto, tomando por base as informações a seguir: Balanço

Leia mais

DEFINIÇÃO PLANO DE CONTAS CONTAS AULA 2 ESCRITURAÇÃO CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS

DEFINIÇÃO PLANO DE CONTAS CONTAS AULA 2 ESCRITURAÇÃO CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS DEFINIÇÃO AULA 2 ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL A ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL CONSISTE EM REGISTRAR OS FATOS CONTÁBEIS (OU SEJA, AQUELES QUE MODIFICAM A COMPOSIÇÃO OU O VALOR DO PATRIMÔNIO DA ENTIDADE) EM DOIS LIVROS:

Leia mais

Comentários Tropa. 1. Débito Caixa 860,00 Crédito Receita de Vendas 860, Débito Caixa 820,00 Crédito Banco Conta Movimento 820,00

Comentários Tropa. 1. Débito Caixa 860,00 Crédito Receita de Vendas 860, Débito Caixa 820,00 Crédito Banco Conta Movimento 820,00 Comentários Tropa Prof. Celso Fleming Contabilidade 1) Ao se fazer a auditoria da conta Caixa da Empresa Irmãos Metralhas S/C Ltda., forma identificadas as seguintes irregularidades: 1) Houve uma omissão

Leia mais

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1. Questões: 1 - Comente os principais grupos de contas do Balanço, com exemplos. 2 - Explique o que são curto e longo prazo para a contabilidade. 3 - Quais

Leia mais

Dos Créditos a Descontar na Apuração da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins

Dos Créditos a Descontar na Apuração da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins Assunto: Contribuição para PIS/PASEP e COFINS Instrução Normativa SRF nº 594, de 26 de dezembro de 2005 Dispõe sobre a incidência da Contribuição para o PIS/Pasep, da Cofins, da Contribuição para o PIS/Pasep-Importação

Leia mais

Sumário. Capítulo Considerações Iniciais Exercícios Resolvidos para a Fixação de Conteúdo...19

Sumário. Capítulo Considerações Iniciais Exercícios Resolvidos para a Fixação de Conteúdo...19 Sumário Capítulo 1 A Elaboração das Demonstrações Contábeis...1 1.1. Considerações Iniciais...1 1.2. Exercícios Resolvidos para a Fixação de Conteúdo...19 Capítulo 2 As Demonstrações Contábeis e a Legislação

Leia mais

Faculdades Integradas de Taquara

Faculdades Integradas de Taquara IX DESAFIO CULTURAL DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS- 2016 Questões de Planejamento Tributário Prof. Oscar Scherer Questão nº 01 A constituição de Fundos de Investimentos Mobiliário é uma alternativa interessante

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: EAC0111 NOÇÕES DE CONTABILIDADE PARA ADMINISTRADORES

Leia mais

Dicas 01. Contabilidade Geral. Professores: Gustavo Jubé e Vicente Chagas. Profs. Gustavo e Vicente 1

Dicas 01. Contabilidade Geral. Professores: Gustavo Jubé e Vicente Chagas.  Profs. Gustavo e Vicente 1 bilidade Geral Professores: Gustavo Jubé e Vicente Chagas www.pontodosconcursos.com.br Profs. Gustavo e Vicente 1 O essencial para diferenciar ativo de passivo Você que está começando a estudar contabilidade

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos IRRF Título financeiro em dólar

Parecer Consultoria Tributária Segmentos IRRF Título financeiro em dólar IRRF 30/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Da Tributação na Fonte - RIR/99... 3 3.2. Ato Declaratório Interpretativo...

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 358, de 9 de setembro de 2003

Instrução Normativa SRF nº 358, de 9 de setembro de 2003 Instrução Normativa SRF nº 358, de 9 de setembro de 2003 Altera a Instrução Normativa SRF nº 247, de 21 de novembro de 2002, que dispõe sobre o PIS/Pasep e a Cofins. O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL, no

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES Contas.cnt

CADERNO DE QUESTÕES Contas.cnt Contas.cnt 01. Com relação à situação patrimonial, assinale a opção INCORRETA. a) A compra de matéria-prima a prazo provoca aumento no Ativo e no Passivo. b) A integralização de capital em dinheiro provoca

Leia mais

Contabilidade Agente da Polícia Federal

Contabilidade Agente da Polícia Federal Olá Pessoal!!! Contabilidade Tendo em vista a proximidade do concurso para AGENTE DA POLÍCIA FEDERAL, cargo em que exige do candidato Noções de Contabilidade, comentamos abaixo algumas questões que foram

Leia mais

ANO XXVII ª SEMANA DE SETEMBRO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 37/2016

ANO XXVII ª SEMANA DE SETEMBRO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 37/2016 ANO XXVII - 2016 2ª SEMANA DE SETEMBRO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 37/2016 TRIBUTOS FEDERAIS BASE DE CÁLCULO DO PIS/COFINS NÃO CUMULATIVO... Pág. 241 ICMS - RS ICMS NA IMPORTAÇÃO E NA ARREMATAÇÃO DE MERCADORIA

Leia mais

Variação do ICMS Distorce o Custo e a Compensação Tributária

Variação do ICMS Distorce o Custo e a Compensação Tributária Variação do ICMS Distorce o Custo e a Compensação Tributária O diferencial de alíquota do ICMS é aplicável às operações interestaduais entre contribuintes do tributo, quando a mercadoria se destinar ao

Leia mais

Procedimentos Contábeis Básicos Segundo o Método das Partidas Dobradas

Procedimentos Contábeis Básicos Segundo o Método das Partidas Dobradas Procedimentos Contábeis Básicos Segundo o Método das Partidas Dobradas Exercício 3.1 A seguir estão relacionadas as operações realizadas pela sociedade de prestação de serviços Remendão S/A, em janeiro/x2

Leia mais

Prof. Carlos Barreto. Unidade IV CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA

Prof. Carlos Barreto. Unidade IV CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA Prof. Carlos Barreto Unidade IV CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: Enfatizar a consciência ética

Leia mais

Quais são os objetivos do tópico... TEMA II. DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS. 05. Estoque

Quais são os objetivos do tópico... TEMA II. DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS. 05. Estoque USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administração TEMA II. DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS 05. Estoque Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) 1 Quais

Leia mais

SISTEMA PUBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL - SPED

SISTEMA PUBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL - SPED SISTEMA PUBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL - SPED OUT/2010 REGIME NÃO-CUMULATIVO REGIME CUMULATIVO TRIBUTAÇÃO MONOFÁSICA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA VENDAS COM SUSPENSÃO VENDAS A ALÍQUOTA ZERO VENDAS COM ISENÇÃO

Leia mais

Prova: Disciplina: Gabarito Provisório: CONHECIMENTOS ESPECIFICOS CONTABILIDADE CONTABILIDADE G1=2 D PARECER

Prova: Disciplina: Gabarito Provisório: CONHECIMENTOS ESPECIFICOS CONTABILIDADE CONTABILIDADE G1=2 D PARECER CONHECIMENTOS ESPECIFICOS G1=2 D Os candidatos recorerram da questão alegando que o item E também estaria incorreto, tornando a questão nula, pois as despesas com terceirização de mão de obra para substituir

Leia mais

ITG 1000 PME s Giovana Garcia

ITG 1000 PME s Giovana Garcia ITG 1000 PME s Giovana Garcia Você bem preparado para o futuro da profissão. 1 RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. X RESOLUÇÃO CFC

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Exclusão do Desconto Condicional da Receita de Atividade Imobiliária - PIS COFINS

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Exclusão do Desconto Condicional da Receita de Atividade Imobiliária - PIS COFINS Parecer Consultoria Tributária Segmentos Exclusão do Desconto Condicional da Receita de Atividade Imobiliária - 06/02/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente...

Leia mais

Gestão Tributária- Escrituração Fiscal- Prof.Ademir Macedo de Oliveira Senac São Paulo- Unidade 24 de Maio

Gestão Tributária- Escrituração Fiscal- Prof.Ademir Macedo de Oliveira Senac São Paulo- Unidade 24 de Maio 1 CST: ICMS - IPI PIS - COFINS e Quadro sinótico das fiscais e tratamento tributário com base nas Legislações: ICMS- RICMS-SP DECRETO 45.490/2000 IPI- LEGISLAÇÃO FEDERAL Tabelas: I- II III da Instrução

Leia mais

Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo.

Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo. Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo. a. Máquina adquirida por $18.000, com vida útil estimada de 15 anos e valor residual $3.000. b. Veículo adquirido por $30.000, com vida

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA CADERNO DE EXERCÍCIOS

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA CADERNO DE EXERCÍCIOS CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA CADERNO DE EXERCÍCIOS Caderno de Exercícios de Contabilidade Tributária elaborado pelo Prof. Marcelo Gabriel, organização e diagramação feita pelo Prof. Olair Ferreira Nunes Marcelo

Leia mais

Procedimento. Levantamento de Estoque e recolhimento do imposto. Contribuintes sujeitos ao Regime Periódico de Apuração - RPA

Procedimento. Levantamento de Estoque e recolhimento do imposto. Contribuintes sujeitos ao Regime Periódico de Apuração - RPA Procedimento Levantamento de Estoque e recolhimento do imposto Contribuintes sujeitos ao Regime Periódico de Apuração - RPA O contribuinte substituído, sujeito ao Regime Periódico de Apuração - RPA que,

Leia mais

Sumário. Nota Preliminar, xvii. Introdução, 1

Sumário. Nota Preliminar, xvii. Introdução, 1 Nota Preliminar, xvii Introdução, 1 1 Comentários gerais, 3 1.1 Finalidade, 3 1.2 Do patrimônio, 4 1.3 Dos fatos, 5 1.3.1 Do fato administrativo permutativo, 5 1.3.2 Do fato administrativo modificativo,

Leia mais

Unidade IV ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade IV ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade IV 20 RESOLUÇÃO DE UM EXERCÍCIO COMPLETO 5 Resolução de um exercício completo elaborado conforme a legislação em vigor. Todos os demonstrativos contábeis já

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I CONTABILIDADE

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Unidade I CONTABILIDADE Objetivos Conhecer o papel da contabilidade. Conhecer aspectos legais da contabilidade. Conhecer aspectos técnicos de contabilidade. Conhecer as mudanças recentes

Leia mais

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS ESTRUTURA PATRIMONIAL Patrimônio = Bens + Direitos ( ) Obrigações SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) Ativo ( ) Passivo = Situação Líquida (Patrimônio Líquido) FLUXO DE RECURSOS ATIVO Aplicação dos Recursos

Leia mais

Simples Nacional 1 Hugo Medeiros de Goes

Simples Nacional 1 Hugo Medeiros de Goes Hugo Medeiros de Goes SIMPLES NACIONAL (2ª parte) De acordo com a Lei Complementar nº 123, de 14/12/2006 (arts. 12 e 88), em 1º de julho de 2007, entra em vigor o Regime Especial Unificado de Arrecadação

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA II

CONTABILIDADE BÁSICA II CONTABILIDADE BÁSICA II Profª. Msc. Nirlene Aparecida Carneiro Fernandes Centro de Ensino Superior de Conselheiro Lafaiete 2015 TÓPICOS PARA REVISÃO: CONTABILIDADE BÁSICA I Conceito, objetivo e objeto

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE COMERCIAL. Introdução

Unidade II CONTABILIDADE COMERCIAL. Introdução CONTABILIDADE COMERCIAL Unidade II INVENTÁRIO PERIÓDICO Introdução O sistema de inventário periódico é um sistema simples que é adotado pela empresa que não quer ou que não tem condições de manter controle

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF. Subvenção x Receita

III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF. Subvenção x Receita III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF Subvenção x Receita Aportes públicos nos contratos de PPP: suas possíveis interpretações Mestre e Doutor em Direito do Estado pela

Leia mais

PROCEDIMENTO CRÉDITOS A RECEBER DE TRIBUTOS A RECUPERAR OU COMPENSAR RESPONSABILIDADE Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União.

PROCEDIMENTO CRÉDITOS A RECEBER DE TRIBUTOS A RECUPERAR OU COMPENSAR RESPONSABILIDADE Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União. PROCEDIMENTO CRÉDITOS A RECEBER DE TRIBUTOS A RECUPERAR OU COMPENSAR 1 REFERÊNCIAS 1.1 - RESPONSABILIDADE Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União. 1.2 - COMPETÊNCIA - Portaria/STN N. 833,

Leia mais

DECRETO Nº , DE 31 DE JULHO DE 2002

DECRETO Nº , DE 31 DE JULHO DE 2002 DECRETO Nº 46.966, DE 31 DE JULHO DE 2002 Introduz alterações no Regulamento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestações de Serviços - RICMS e dá outras providências GERALDO ALCKMIN, Governador

Leia mais

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade e Planejamento Fiscal e Tributário II Carga Horária: (horas/semestre) 50 aulas Semestre Letivo / Turno: 5º semestre

Leia mais

Contabilidade Comercial

Contabilidade Comercial Contabilidade Comercial Material Teórico Métodos Periódicos de Apuração do Custo das Mercadorias Vendidas (Cmv), do Resultado com Mercadorias (Rcm) e dos Estoques Finais de Mercadorias: Peps, Ueps, Mpm

Leia mais

Tipo de Movimento de Entrada e Saída

Tipo de Movimento de Entrada e Saída Tipo de Movimento de Entrada Procedimentos de Configuração, para Parametrizar o SISGEM com os Tipos de Movimentações. Copyright 2010 flexlife todos diretos reservados www. flexlife.com.br Versão 1.1-19/08/15

Leia mais

ANO XXVI ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 44/2015

ANO XXVI ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 44/2015 ANO XXVI - 2015-5ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 44/2015 ASSUNTOS CONTÁBEIS AQUISIÇÃO DE BENS PARA O ATIVO IMOBILIZADO - CRÉDITO DO ICMS... Pág. 680 SIMPLES NACIONAL AGENDAMENTO DA OPÇÃO

Leia mais

CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira

CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira Contabilidade é a ciência que estuda, registra, controla e interpreta os fatos ocorridos no patrimônio das entidades com fins lucrativos ou não. Objetivos

Leia mais

IRPJ, CSLL, PIS, COFINS

IRPJ, CSLL, PIS, COFINS Alguns Clientes O objetivo da Studio Fiscal é oferecer serviços de consultoria tributária, buscando otimizar a carga tributária das empresas com base em trabalhos que envolvem gestão contábil, fiscal e

Leia mais

13. Operações com mercadoria

13. Operações com mercadoria MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 22 - Data 4 de março de 2016 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP CRÉDITOS PARA DESCONTO DO PIS/PASEP. NÃO-CUMULATIVIDADE.

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade III CONTABILIDADE

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade III CONTABILIDADE Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade III CONTABILIDADE Contabilidade A disciplina está dividida em quatro unidades: Unidade I 1. Contabilidade Unidade II 2. Balanços sucessivos com operações que envolvem

Leia mais

ORIENTAÇÃO QUANTO AOS DIVERSOS PROCEDIMENTOS PARA EMISSÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA REGIME NORMAL

ORIENTAÇÃO QUANTO AOS DIVERSOS PROCEDIMENTOS PARA EMISSÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA REGIME NORMAL ORIENTAÇÃO QUANTO AOS DIVERSOS PROCEDIMENTOS PARA EMISSÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA REGIME NORMAL Segue abaixo apenas orientações, e não regras, nossa legislação é muito complexa, portanto consulte seu

Leia mais

Razonetes. Capital Bancos c/ Movto Caixa , , ,00. Imóveis ,00

Razonetes. Capital Bancos c/ Movto Caixa , , ,00. Imóveis ,00 Página 1 Procedimentos Básicos de Escrituração Escrituração é a técnica que consiste em registrar nos livros próprios, todos os fatos contábeis ocorridos numa empresa. A escrituração inicia-se pelo livro

Leia mais

IMPACTOS TRIBUTÁRIOS DA LEI /2014 NO SETOR ELÉTRICO

IMPACTOS TRIBUTÁRIOS DA LEI /2014 NO SETOR ELÉTRICO IMPACTOS TRIBUTÁRIOS DA LEI 12.973/2014 NO SETOR ELÉTRICO Sumário: Contratos de Concessão de Serviço Público (OCPC 05 e ICPC 01): PIS/Pasep e Cofins Regime Cumulativo e não-cumulativo: Atividade de Distribuição;

Leia mais

105 Ciências Contábeis

105 Ciências Contábeis UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional Coordenação de Políticas de Acesso e Permanência Unidade de Ocupação de Vagas Remanescentes PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS

Leia mais

Tributos sobre importação

Tributos sobre importação Tributos sobre importação Valor Aduaneiro,é a base de cálculo para apurar o Imposto de Importação e os demais impostos. O valor aduaneiro é composto:: a) A valoração da mercadoria importada, como regra

Leia mais

1 D: Compra de Mercadorias ,00 D: ICMS a recuperar 6.300,00 C: Banco S/A ,00. 2 D: Salários a pagar 9.000,00 C: Caixa 9.

1 D: Compra de Mercadorias ,00 D: ICMS a recuperar 6.300,00 C: Banco S/A ,00. 2 D: Salários a pagar 9.000,00 C: Caixa 9. Curso de Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Comercial I 3ª Fase Professora: Lyss Paula de Oliveira ESTADO DE MATO GROSSO Resolução de Atividades Extra: Lançamentos no Diário: 1 D: Compra de Mercadorias

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos EFD-Contribuições Regs M400 E M600 Valor da receita bruta

Orientações Consultoria de Segmentos EFD-Contribuições Regs M400 E M600 Valor da receita bruta EFD-Contribuições Regs M400 E M600 Valor da receita bruta 02/08/2016 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 4. Conclusão...

Leia mais