IMPORTÂNCIA DOS RESÍDUOS AGROPECUÁRIOS NA ALIMENTAÇÃOANIMAL.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPORTÂNCIA DOS RESÍDUOS AGROPECUÁRIOS NA ALIMENTAÇÃOANIMAL."

Transcrição

1 IMPORTÂNCIA DOS RESÍDUOS AGROPECUÁRIOS NA ALIMENTAÇÃOANIMAL. Onaldo Souza 1 Mariah Tenório de Carvalho Souza 2 Izabele Emiliano dos Santos 3 A oferta e demanda de alimentos para a população humana nos países em desenvolvimento, exige a cada dia que passa, um crescimento da pecuária superior ao da agricultura. Na atualidade, é necessário restringir ao máximo a competição de alimentos concentrados entre homens e animais. Estima-se que um terço dos cereais produzidos no mundo, se destina a alimentação dos animais domésticos, em detrimento da população humana, carente destes produtos. Assim, se deve recomendar e orientar cada vez mais, o uso de subprodutos e resíduos lignocelulósicos na alimentação animal, quando devidamente tratados e corretamente administrados na dieta dos ruminantes. Os subprodutos e resíduos agropecuários como as palhas, o bagaço de cana-deaçúcar, casca de arroz, etc. são materiais fibrosos e inevitavelmente produzidos devido a diversos cultivos e em especial aos cereais e cultura da cana-de-açúcar. A quantidade disponível destes materiais é muito grande em todo o mundo e basta dizer que se apenas 5% fossem utilizados de maneira correta na alimentação animal, poderia suprir as necessidades dos rebanhos existentes no mundo e assim atender as demandas de energia e proteínas da população mundial. A América Latina produz aproximadamente 500 milhões de t/ano de subprodutos agro-industriais e o Brasil produz quase a metade destes subprodutos, o que se poderia produzir a mais, quase 15 milhões de toneladas de carcaça bovina para alimentar nossa população tão carente de proteínas de origem animal de excelente qualidade. Estes materiais são geralmente abundantes em fibra e ricos em lignina e sílica, entretanto o potencial de celulose que existe nestes e que podem servir como fonte de energia para os animais ruminantes, é um fato conhecido há mais de um século e o autor desta matéria insistentemente tem evocado e chamado a atenção para a utilização destes resíduos na alimentação animal, no sentido de minimizar o alto índice de mortalidade dos rebanhos, quanto minimizar os efeitos danosos da seca na produção animal em zonas áridas e semi-áridas. Embora estes materiais apresentem baixo valor nutritivo, são de grande utilidade nestas regiões quando devidamente tratados e tecnicamente administrados na alimentação, animal, pois de outra forma, não há como alimentar os rebanhos na escassez de volumosos, por ocasião da seca periódica que ocorre todos os anos sem exceção. 1

2 Por outro lado, o mundo tem que revisar os conceitos de administração de concentrados no arraçoamento animal, com vistas a diminuir a concorrência entre homem e animal no que se refere ao consumo de cereais, uma vez que os ruminantes podem perfeitamente fazer bom aproveitamento de materiais lignocelulósicos que não servem na alimentação humana, transformando-os em carne, leite e outros produtos nobres na alimentação da população humana e assim haver melhor planejamento quanto a utilização de resíduos na alimentação animal. Ao longo destes anos, o autor vem insistentemente apontando soluções sistemáticas quanto ao aproveitamento destes subprodutos e resíduos na alimentação animal, pois, estes materiais quando adequadamente tratados e tecnicamente orientados na alimentação animal, podem representar um enorme benefício a população mundial. COMPOSIÇÃO QUÍMICA A composição química destes materiais, assim como o valor nutritivo, depende de vários fatores., como por exemplo o amadurecimento excessivo da planta quando a maioria dos nutrientes passam para a formação dos frutos. Outros fatores podem ainda afetar a composição química e o valor nutritivo de subprodutos e resíduos, como a fertilidade dos solos, condições climáticas, etc. Os resíduos possuem três grupos de compostos orgânicos principais: 1 A celulose 2 A hemicelulose 3 - A lignina A celulose é o composto químico orgânico que existe em maior abundância nas plantas e em toda a superfície terrestre. É aproveitada pelos ruminantes em diferentes gruas, com valores que oscilam desde 20 até 90%,. O tratamento com uréia fará com que a mesma seja mais disponível no trato gastrointestinal do animal, devido ao rompimento da forte ligação entre lignina e celulose. VALOR NUTRITIVO Palhas e outros resíduos são pobres proteína bruta e possuem pouca solubilidade da parede celular, apresentam baixa digestibilidade e pouca palatabilidade, assim sendo, sua ingestão voluntária é limitada, o que limita em atender as necessidades orgânicas dos animais quando as consomem como fonte única de nutrientes. O tratamento químico com uréia, dissolve a lignina, sílica e parcialmente a hemicelulose, contribui para incrementar o valor nutritivo destes materiais, seu consumo voluntário, sem alterar a estrutura cristalina da celulose, tornando-a mais disponívelao corpo animal. 2

3 DIGESTIBILIDADE DOS RESÍDUOS LIGNOCELULÓSICOS A digestibilidade destes materiais depende do grau de lignificação das paredes celulares, já que isto determina o maior ou menor acesso de enzimas celulolíticas aos polissacarídios da parede celular. Quanto maior for o conteúdo de lignina da planta, menor será o ataque e consequentemente, menor a digestão. A lignina se encontra unida quimicamente a celulose e principalmente a hemicelulose. Limita a eficácia de ação dos microorganismos ruminais já que estes se fixam pouco ou quase nada nas paredes fortemente lignificadas. A digestibilidade destes materiais, depende de fatores como : 1 - Estado de amadurecimento da planta no momento da colheita; 2 Proporção de folhas ; 3 Da espécie e da variedade; 4 Das condições do meio, já que a digestibilidade diminui, quanto mais seco se apresenta o material e mais hajam sido submetidos a temperaturas elevadas; 5 Da altura de corte e tempo de permanência no solo. VALOR ENERGÉTICO E PROTÉICO O valor energético dos resíduos e o potencial da celulose como fonte de energia para a alimentação de ruminantes, é conhecido pelo homem, há mais de um século e a habilidade dos ruminantes de utilizar materiais lignocelulósicos, depende da atividade microbiana do rumem, que por sua vez necessita de nutrientes necessários para o perfeito desenvolvimento da população microbiana do rúmen. Palhas e outros resíduos contêm aproximadamente 80% de nutrientes que são potencialmente digestíveis, que são fontes de energia, porém a digestibilidade destes materiais é de apenas 45-50%. A baixa ingestão de energia, é geralmente devido ao baixo consumo, pois os animais não conseguem ingerir mais de 3% de seu peso corporal, porque a velocidade de passagem destes materiais é lenta no trato gastrointestinal. Uma das principais vantagens que apresenta o tratamento químico com uréia de materiais fibrosos, é a adição de nitrogênio que fica fixado nestes após o tratamento. A percentagem de fixação, depende das condições de tratamento, como a dosagem de uréia, nível de umidade utilizado no tratamento, qualidade inicial do produto tratado, duração do tratamento, etc. 3

4 MELHORA DO VALOR NUTRITIVO O crescente interesse pelos resíduos lignocelulósicos tem despertado a comunidade científica mundial na busca de soluções para melhorar o aproveitamento destes materiais, quando usados na alimentação animal Existem duas maneiras básicas que podem investigar a melhora do valor nutritivo destes materiais lignocelulósicos: 1 Suplementação adequada para aumentar sua digestibilidade e velocidade de consumo ; 2 Tratamentos por diferentes técnicas. TRATAMENTO QUÍMICO O tratamento químico, é o mais eficiente método de incrementar o valor nutritivo destes materiais fibrosos, para uso na alimentação animal.. É conhecido que o consumo de palhas é melhorado através do tratamento químico, aumentando entre 30 e 70%, segundo o tipo de palha usado na alimentação e que o incremento em seu valor nutritivo, depende de diversos fatores com que as palhas foram tratadas, como por exemplo, o conteúdo de umidade, percentual de uréia utilizada, temperatura durante o tratamento,, tempo de tratamento. TRATAMENTO COM URÉIA A uréia é uma substância branca, cristalina e solúvel em água. Contem 46% de Nitrogênio e possui um equivalente protéico de 287% (46 x 6.25). Foi descoberta por Roule em 1773 e Prout (1818), assim estabeleceu sua composição química: NH 2 > C = O NH 2 É preferida por muitos criadores, em relação a outros agentes químicos, porque é de fácil execução nas propriedades e acessível aos pecuaristas, de custo barato, além de ser bastante conhecida e de fácil manejo. O tratamento prático de palhas e outros resíduos com solução de uréia, tem proporcionado resultados satisfatórios em países como Bangladesh (Saadullah et al., 1981); India (Verma, 1981); Srilanka (Jayasuriya, 1981); Jayasuriya & Perera, 1982); Portugal (Dias da Silva, 1986); Espanha (Souza, 1996); Brasil (Souza, 1998/2002). O tratamento com uréia envolve basicamente uma mistura de 4-6 kg de uréia dissolvida em 100 litros de água, para tratar 100 kg de palhas e posteriormente armazenar o 4

5 material tratado em ambiente hermeticamente fechado, durante certo tempo, de acordo com temperatura ambiente. Para garantir a distribuição uniforme da solução aquosa sobre o material a tratar, é necessário se conhecer a quantidade total de MS que se pretende tratar. Para uma grande quantidade de material a ser tratado, pode-se distribuir a solução de maneira uniforme, através de um pulverizador, de modo que a solução seja distribuída por igual, em todo o material a ser tratado. Ao final da pulverização se pode cobrir todo o material, com uma lona de polietileno, de maneira que o ambiente se torne hermeticamente fechado. FATORES QUE INFLUEM NO TRATAMENTO Os fatores que influem no tratamento podem ser apontados: Concentração de uréia aplicada; Teor de umidade do resíduo; Tempo de exposição do amoníaco no material a ser tratado; Temperatura ambiente EFEITO DA UMIDADE A água é indispensável no tratamento e o teor ideal no material a ser tratado com uréia é de 30 a 40%. Resíduos com alto teor de umidade, apenas é necessário diluir a uréia para uniformizar sua distribuição no material a ser tratado. Umidade em excesso pode ser prejudicial ao tratamento. EFEITO DA TEMPERATURA E TEMPO DE TRATAMENTO A atividade ureásica pode diminuir tanto pela baixa, como pela alta temperatura. Em condições tropicais a temperatura ambiente é satisfatória para o tratamento. Uma semana é o tempo suficiente para o tratamento. PERCENTUAL DE URÉIA UTILIZADO NO TRATAMENTO O autor recomenda níveis de concentração de 5 a 6 kg de uréia/100 kg de palha. A observação a ser feita aqui é que deve-se prestar atenção no teor de matéria seca do material a ser tratado, pois a concentração de uréia deve ser com base na matéria seca do substrato. 5

6 COMO FAZER O TRATAMENTO E UTILIZAR OS RESÍDUOS TRATADOS 1. Em uma superfície plana de preferência limpa e livre de objetos pontiagudos, estira-se uma lona de polietileno; 2. Colocar por camadas o material previamente triturado ou mesmo triturado na hora; 3. Pulverizar com uniformidade todo o material; 4. Fechar hermeticamente a lona ( fechando bem as bordas para evitar a saída de gazes formados); 5. Abrir no mínimo, sete dias após o tratamento; 6. Esperar pelo menos 02 a 04 horas antes de fornecer ao gado. 1 Pesquisador EMBRAPA Tabuleiros Costeiros-UEP de Rio Largo. Doutor em Produção Animal 3 Aluna do curso de zootecnia da Universidade Federal de Alagoas - UFAL 2- Zootecnista. Aluna do curso de pós graduação da Universidade Federal de Alagoas UFAL. 6

7 Referências bibliográficas ALIBÉS, X., MUÑOZ, F.; FACI, R., 1983/84. Anidrous ammonia treated cereal straw for animal feeding. Some results from the mediterranean area. Anim.Feed Sci. Technol., 10: CLOETE, S. W. P., DE VILLIERS, T. T., KRITZINGER, N. M., 1983 a. The effect of ammoniation by urea on the nutritive value of wheat straw for sheep. S. Afr. J. Anim. Sci., 3: CLOETE, S. W. P., DE VILLIERS, T. T., KRITZINGER, N. M., 1983 b. The effect of temperature on the ammoniation of wheat straw by urea. S. Afr. J. anim. Sci., 13: CLOETE, S. W. P., KRITZINGER, N. M a. A laboratory assesment of cvarious treatment conditions affecting the ammoniation of wheat straw by urea. 1. The effect of temperature, moisture level and treatment period. S. Afr. J. Anim. Sci., 14: CLOETE, S. W.. P., KRITZINGER, N. M b. Urea ammoniation compared to urea supplementation as a method of improving the nutritive value of wheat straw for sheep. S. Afr. J. Anim. Sci., 14: COXWORTH, E., KERNAN, J., NICHOLSON, H., CHAPLIN, R. R., Improving the feeding value of straw for ruminant animals. In: Farm waste utilization for feed opportunities and profits for livestock producers. Agric. Econ. Res. Council of Canada pp. DIAS DA SILVA, A. A., SUNDST0L, F Urea as source of ammonia for improving the nutritive value of wheat straw. Anim Feed Sci. technol., 14: DIAS DA SILVA, A a. O projeto de valorização energética dos alimentos fibrosos na UTAD: Situação actual e perspectivas. Anais UTAD., 1: DIAS DA SILVA, A b. Effects of treatments with urea and supplementation with molasses and monosodiumglutamateon the digestibility and intake of rye straw by sheep. WAAP. 88.Helsinki. DIAS DA SILVA, A., GUEDES, C. V. M., Variability in the nutritive value of straw cultivars of wheat, rye and triticale and response to urea treatments. Anim. Feed Sci. Technol., 28: DOLBERG, F., SAADULLAH, M, HAQUE, M., AHMED, R., Almacenamiento de la paja tratada con urea utilizando material indigena. rev. Mundial Zootc. 38:

8 DYER, I. A., RIQUELME, E., BARIBO, L., COUCH, B. Y., Waste cellulose as an energy source for animal protein production. World Anim. Rev. 15: GOMES CABRERA, A., Mejora del valor alimentício de subproductos agrícolas. Comunicaciones INIA, 4. Serie producción animal. Madrid 62 pp. GUZMAN-GUERRERO, J. L., GOMEZ-CABRERA, A., VARO, A. G., Mejora del valor nutritivo de las pajas de cereales. Mundo Ganadero., 5(6): HADJIPANAYIOTOU, M., The effect of amooniation using urea on the intake and nutritive value of chopped barley straw. Grass and Forage Sci., 37: HADJIPANAYIOTOU, M., Effect of level type alkali on the digestibility "in vitro" of ensiled, chopped barley straw. Agric. wastes., 10: IBRAHIM, M. N. M., SCHIERE, J. B., PERERA, H. G. D., Effect of method of urea solution application on the nutritive value of treated rice straw. Agric. wastes., 18: JACKSON, M. G., 1977 b. review article: The alkali treatment of straws. Anim. Feed Sci. Technol., 2: JACKSON, M. G., Tratamiento de la paja para la alimentación animal. Rev. Mund. Zootec., JAYASURIYA, M. C. N., Effect of urea-ensiling of rice straw on digestibility, voluntary intake and VFA production in growing buffalo calves. proceedings on the 2nd coordenation meeting on the use of nuclear techniques to improve domestic buffalo production in Asia. Bangkok, Tailand, March pp. JOY, M.T Mejora del valor nutritivo de la paja de cereal mediante el tratamiento quimico con urea. Universidad Autonoma de Barcelona. Facultad de Veterinaria. Tesis Doctoral. 175 pp. KAY, M., processed roughage in diets containing cereals for ruminants. In: Cereal processing and digestion., London pp. KLOPFENSTEIN, T. J Chemical treatment of crop residues. J. Anim. Sci., 46(3): MARCELLO-TIMA, P., PARILO, V. J. A., FERNANDO BÓRQUEZ, L., GUILLERMO GIACHINO, P., Efecto de las pajas de trigo, de avena y de lenteja en raciones para ovejas secas suplementadas. Agrociencia., 7(2): NICHOLSON, J.V.R.G., Digestibility, nutritive value and feed intake. En: Straw and other fibrous by-products as feed. F. SUNDST0L y OWEN (Eds.), Elsevier. pp

9 MASON, V.C., HARTLEY, R.D., KEENE, A.S., COBBY, J.M., 1988.The effect of ammoniation on the nutritive value of wheat, barley and oat straw. I. Changes in chemical composition in relation to digestibility in vitro and cell wall degradability. Anim. Feed Sci. Technol., 19: MORRISON, I.M., BRICE, R.E., The digestion of untreated and ammoniatreated barley straw in anaartificial rumen. Anim. Feed Sci. Technol., 10: MUÑOZ, F., JOY, M, FACI, R., ALIBÉS, X.,1991. treatment of ligno-cellulosic residues with urea. Influence of dosage, moisture, temperature and addition of ureases. Ann. Zootech., 40: OJI, U. I., MOWAT, D. N., Nutritive value of straw treated corn stover. Can. J. Anim. Sci., 58: RSKOV, E. R., REID, G. W., HOLLAND, S. M., TAIT, C. A. G., LEE, N. H., The feeding value for ruminants of straw and whole crop barley and oats treated with anydrous or aqueos ammonia or urea. Anim Feed Sci., technol., 8: ØRSKOV, E.R., SHAND, W.J., TEDESCO, D., MORRICE, L.A.F., Rumen degradation of straw. 10. Consistency of differences in nutritive value between varieties of cereal straws. SAADULLAH, M., HAQUE, M., DOLBERG, F., Effectiveness of ammoniation throuhg urea in improving the feeding value of rice straw in ruminants. Trop. Anim. Prod., 6: SILVA, J. F. C da O ruminante e o aproveitamento de sub-produtos fibrosos. Informe Agropecuário. Belo Horizonte, 10 (119):8-15. STANIFORTH, A. R., Pajas de cereales. Ed. Acribia. Zaragoza. 183 pp. STREETER, C. L., HORN, G. W The use of crop residues as feedstuffs for ruminant animals. Agric. Exp. Exp. Sta. Oklahoma State Univ.Res. Rep. STREETER. L., HORN, G. W., Effect of right moisture and dry ammoniation of wheat straw on its feeding value for lambs. j. Anim. Sci., 59(3): SUNDST L, F., COXWORTH, E. MOWAT, D. N., Improving the nutritive value of straw and other low quality roughages by treatment with ammonia. World Rev. Anim. Prod., 26: SUNDST L, F., SAID, A. N., ARNASON, J., Factors influencing the effect of chemical treatment on the nutritive value of straw. Acta Agric. Scand. 29:

10 SUNDST L, F., 0WEN, E., Straw and other fibrous by-products as feed. Developments in Animal and Veterinary Sciences. 14. Elsevier Amsterdan-Oxford- New York-Tokyo. 604 pp. SUNDST L, F., 1988 a. Straw and other fibrous by-products. Livestock Prod. Sci., 19: pp. WILLIAMS, P. E. V., INNES, G. M., BREWER, A., 1984 a. Ammonia treatment of straw via the hidrolysis of urea. I. effects of dry matter and urea concentrations on the rate of hydrolisis of urea. Anim. Feed Sci. Technol., 11: WILLIAMS, P. E. V., INNES, G. M., BREWER, A b. Ammonia treatment of straw via the hydrolysis of urea. II. Additions of soya bean (urease), sodium hydroxide and molasses; effects on the digestibility of urea-treated straw. Anim.Feed Sci. Technol., 11: SOUZA, O., Efecto de diversos factores que afetam el valor nutritivo de la paja tratada por urea. Universidad Politecnica de Madrid. Escuela Tecnica Superior de Ingenieros Agronomos. Departamento de Producción Animal. Tesis Doctoral. 175 pp. SOUZA, O.; MARTINEZ, V. C.; GUÍA, E. L Efeito de diversos fatores sobre o valor nutritivo de palhas de cereais tratadas com uréia. VI Simpósio Nordestino de Alimentação de ruminantes. ANAIS... Natal. Sociedade Nordestina de Produção Animal pp. SOUZA, O., MARTINEZ, V. C.; GUÍA, E. L Retenção de nitrogênio e ingestão voluntária em ovinos alimentados com palhas de cevada tratadas com uréia. 1 o. Congresso Nordestino de Produção Animal. ANAIS... Fortaleza. Sociedade Nordestina de Produção Animal, Vol pp. SOUZA, O Tratamento de subprodutos e resíduos lignocelulósicos com uréia na alimentação de ruminantes. 1 o. Congresso Nordestino de Produção animal. ANAIS...Fortaleza. Sociedade Nordestina de Produção Animal. Vol pp. SOUZA, O Tratamento químico de resíduos agropecuários com solução de uréia.aracaju: Embrapa Tabuleiros Costeiros, Aracaju, 2000, 55 p. (Embrapa Tabuleiros Costeiros. Circular Técnica, 18). SOUZA, O., MARTINEZ, V. C.; GUÍA, E. L., Efecto del tratamiento sobre la digestibilidad "in vitro" de la paja de cebada, trigo y veza-avena tratada por urea. 12 pp. Archivos de Zootecnia. Cordoba. Vol SOUZA, O., MARTINEZ, V. C.; GUÍA, E. L., Efecto del tratamiento sobre el valor nutritivo de la paja de cebada tratada por urea pp. Archivos de Zootecnia. Cordoba. Vol

11 SOUZA, O., MARTINEZ, V. C.; GUÍA, E. L., 2001 Digestibilidade "in vivo" em ovinos alimentados com palhas de cevada tratada com uréia. Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência..ANAIS. Salvador julho.. SOUZA, O Alimentação de ruminantes com resíduos lignocelulósicos tratados com uréia. Embrapa Tabuleiros Costeiros. Aracaju, comunicado Técnico. 42. P 1-5. SOUZA, O., 2001.Tratamento do bagaço de cana-de-açúcar com solução de uréia. Diversos trabalhos em redação. SOUZA, O Tratamento de subprodutos e resíduos agropecuários com solução de uréia. Livraria e Editora Agropecuária. Guaíba.102 p. SOUZA, O., MARTINEZ, V. C., SANTOS, I. E. dos Las pajas de cereales en la alimentación animal. Embrapa Tabuleiros Costeiros. Aracaju. pp. 120 SOUZA, O., SANTOS I. E. dos. Digestibilidad in vivo, balance de nitrógeno e ingestión voluntaria en ovinos alimentados com pajas de cebada tratada com urea. Arch.Zootec :195 pp SANTOS. I. E. dos; SOUZA, O. Vaca louca. Artigos técnicos. Rural Soft. Com. Soluções Tecnológicas para a Pecuária. São Paulo, ago., Artigo Semanal p. 1-2 SANTOS. I. E. dos; SOUZA, O. Vaca louca. Artigos técnicos. Clube do Fazendeiro Ciência e Pesquisa. São Paulo, ago. p. 1-2, SOUZA, O.; SANTOS, I. E. dos. Aproveitamento de resíduos e subprodutos agropecuários pelos ruminantes. Rural Soft. Com. Soluções Tecnológicas para a Pecuária São Paulo Artigos Técnicos, acessado em agosto de p SOUZA, O.; SANTOS, I. E. dos. Aproveitamento de resíduos agropecuários pelos ruminantes. Boletim agropecuário, São Paulo. acessado em maio Artigos Técnicos. p SOUZA, O.; SANTOS, I. E. dos.; SANTANA, E. L. de. Uso do bagaço de cana-deaçúcar na alimentação animal. Rural News Pecuária. Saúde Animal, São Paulo. acessado em agosto de 2002., p SOUZA, O.; SANTOS, I. E. dos.; SANTANA, E. L. de. A Nobel profissão de zootecnia. Boletim Agropecuário, São Paulo acessado em maio, Artigos Técnicos, p

12 SOUZA, O.; SANTOS, I. E. dos.; SANTANA, E. L.de. A Nobel profissão de zootecnia. Clube do Fazendeiro Ciência e Pesquisa, São Paulo, acessado em maio, 2002., Artigos Técnicos, p SOUZA, O.; SANTOS, I. E. dos. Tratamento químico do bagaço de cana-deaçúcar para alimentação de ruminantes. Clube do fazendeiro Ciência e Pesquisa, São Paulo, acessado em agosto de Artigos Técnicos, p 1-3. SOUZA, O.; SANTOS, I. E. dos. Aproveitamento de resíduos agropecuários tratados com uréia pelos ruminantes. Boletim Agropecuário, São Paulo, acessado em abril de Artigos Técnicos, p SOUZA, O.; SANTOS, I. E. dos. Uso do bagaço de cana-de-açúcar na alimentação de ruminantes. Boletim agropecuário, São Paulo, acessado em agosto de Notícias Agropecuárias. p 1-6. SOUZA, O.; SANTOS, I. E.. Aproveitamento de e subprodutos agropecuários pelos ruminantes. Veterinária in Foco, São Paulo, acessado em novembro de p SOUZA, O.; SANTOS, I. E.. Aproveitamento de e subprodutos agropecuários pelos ruminantes. Embrapa Tabuleiros Costeiros. Artigos Técnicos p SOUZA, O.; SANTOS, I. E.. 13 de Maio, Dia do Zootecnista. Embrapa Tabuleiros Costeiros. Artigos Técnicos p SANTOS. I. E. dos; SOUZA, O. Vaca louca. Artigos técnicos. SR Campo Grande - SP, ago. p. 1-2, SANTOS, I. E. dos; SOUZA, O. Resíduos Agropecuários na alimentação Animal. SR Campo Grande SP, ago. p. 1-2, SANTOS. I. E. dos; SOUZA, O. Bagaço de cana-de-açúcar na alimentação de Ruminantes. SR Campo Grande São Paulo, ago. p. 1-2, SANTOS. I. E. dos; SOUZA, O. Prensa de Madeira para Fenação. SR Campo Grande São Paulo, ago. p. 1-2, SANTOS. I. E. dos; SOUZA, O. Bagaço de cana-de-açúcar na alimentação de Ruminantes. Portal do Zootecnista, ago. p. 1-2, SANTOS. I. E. dos; SOUZA, O. A Nobel Profissão da Zootecnia. Portal do Zootecnista, ago. p. 1-2, SANTOS. I. E. dos; SOUZA, O. Amonização de resto de cultura com uréia, Clube do Fazendeiro Ciência e Pesquisa, ago. p. 1-2,

13 SANTOS. I. E. dos; SOUZA, O. Importância da Produção de Ruminantes em Alagoas, Boi.com.br, janeiro p. 1-2, SANTOS. I. E. dos; SOUZA, O. Amonização de restos de cultura com uréia. Boi.com.br. janeiro p. 1-2, SANTOS. I. E. dos; SOUZA, O. Importância dos Resíduos Agropecuários na Alimentação Animal. Beef Point. Janeiro p. 1-5, 2004 SOUZA, O. & SANTOS I. E. dos Importância da produção de ruminantes em Alagoas e no Brasil. Embrapa Tabuleiros Costeiros. Comunicado Técnico, 18. Aracaju. pp. 04. SOUZA, O. & SANTOS I. E. dos Importância de resíduos agropecuários na alimentação animal. Embrapa Tabuleiros Costeiros. Comunicado Técnico, 19. Aracaju. pp. 04. SOUZA, O. & SANTOS I. E. dos Prensa manual de madeira para fenação.. Embrapa Tabuleiros Costeiros. Aracaju. Folder. SOUZA, O. & SANTOS I. E. dos Uso de resíduos pode incrementar a produção. Revista DBO. São Paulo, pp 88 SOUZA. O Prensa manual de madeira para fenação. Embrapa Tabuleiros Costeiros. Comunicado Técnico, 17. Aracaju. pp

TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES

TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES INTRODUÇÃO Onaldo Souza 1 Mariah Tenório de Carvalho Souza 2 Izabele Emiliano dos Santos 3 Cereal é a denominação

Leia mais

Avaliação do Valor Nutritivo do Bagaço de Cana-de-açúcar Amonizado com Uréia 1

Avaliação do Valor Nutritivo do Bagaço de Cana-de-açúcar Amonizado com Uréia 1 Rev. bras. zootec., v.28, n.5, p.928-935, 1999 Avaliação do Valor Nutritivo do Bagaço de Cana-de-açúcar Amonizado com Uréia 1 Magno José Duarte Cândido 2, José Neuman Miranda Neiva 3, José Carlos Machado

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Processamento de milho e sorgo um foco para reconstituição

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Processamento de milho e sorgo um foco para reconstituição PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Processamento de milho e sorgo um foco para reconstituição Juliana Sávia da Silva 1, Ana Luiza Costa Cruz Borges 2, Alessander Rodrigues Vieira

Leia mais

SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO UNIFEED: RAÇÕES COMPLETAS Amadeu Borges de Freitas Universidade de Évora, Departamento de Zootecnia

SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO UNIFEED: RAÇÕES COMPLETAS Amadeu Borges de Freitas Universidade de Évora, Departamento de Zootecnia SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO UNIFEED: RAÇÕES COMPLETAS Amadeu Borges de Freitas Universidade de Évora, Departamento de Zootecnia 1.INTRODUÇÃO A correcta alimentação dos animais deve constituir uma prioridade

Leia mais

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente.

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente. Conceitos aplicados a alimentação animal Introdução Produção animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Genética Sanidade Nutrição Alimento Susbstância que, consumida por um

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

Alimentação da vaca leiteira

Alimentação da vaca leiteira Alimentação da vaca leiteira A exploração leiteira consiste em atividade de converter recursos alimentares em leite, cujo valor agregado é superior a matéria-prima original. Recursos alimentares: Volumosos

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo?

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo? A U A UL LA Por que as vacas mastigam o tempo todo? Nos sítios e fazendas que têm criação de gado, os bois e vacas se espalham pelo pasto e têm hora certa para ir ao cocho receber o trato. O trato pode

Leia mais

USO DE AMÔNIA ANIDRA E DE URÉIA PARA MELHORAR O VALOR ALIMENTÍCIO DE FORRAGENS CONSERVADAS

USO DE AMÔNIA ANIDRA E DE URÉIA PARA MELHORAR O VALOR ALIMENTÍCIO DE FORRAGENS CONSERVADAS Simpósio Sobre Produção e Utilização de Forragens Conservadas (2001 Maringá) Anais do Simpósio Sobre Produção e Utilização de Forragens Conservadas / Editores Clóves Cabreira Jobim, Ulysses Cecato, Júlio

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=129>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Diferentes níveis de uréia adicionados à cana-de-açúcar (Saccharum officinarum L.) no

Leia mais

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos FMVZ Unesp Botucatu João Ricardo Ronchesel Henrique Della Rosa Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Evolução do manejo nutricional

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO 1 Ricardo Dias Signoretti A atual situação econômica da cadeia produtiva do leite exige que os produtores realizem todas as atividades

Leia mais

ARTIGO 230 TRATAMENTOS QUÍMICOS NA MELHORIA DO VALOR NUTRITIVO DE VOLUMOSOS. Chemical treatments in improving the nutritional value of bulky

ARTIGO 230 TRATAMENTOS QUÍMICOS NA MELHORIA DO VALOR NUTRITIVO DE VOLUMOSOS. Chemical treatments in improving the nutritional value of bulky ARTIGO 230 TRATAMENTOS QUÍMICOS NA MELHORIA DO VALOR NUTRITIVO DE VOLUMOSOS Chemical treatments in improving the nutritional value of bulky Bruno Spindola Garcez¹, Arnaud Azevêdo Alves 1,Natalia Alves

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS Prof. Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE VACAS SECAS E PERÍODO DE TRANSIÇÃO ponto de vista tecnológico = alimentar

Leia mais

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe)

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Proteína: digestibilidade e sua importância na produção Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Introdução Evolução das estimativas protéicas a partir da década de 80 Método fatorial Manutenção Produção Sistemas

Leia mais

VANTAGENS E DESVANTAGENS DO ELEVADO VALOR NUTRITIVO DE CEREAIS DE INVERNO NA PRODUÇÃO DE RUMINANTES

VANTAGENS E DESVANTAGENS DO ELEVADO VALOR NUTRITIVO DE CEREAIS DE INVERNO NA PRODUÇÃO DE RUMINANTES VANTAGENS E DESVANTAGENS DO ELEVADO VALOR NUTRITIVO DE CEREAIS DE INVERNO NA PRODUÇÃO DE RUMINANTES Sérgio O. Juchem 1, João Carlos Pinto Oliveira 2, Renato Serena Fontaneli 3 A aveia preta é uma alternativa

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA MANEJO ALIMENTAR DE CORDEIROS MARIANNA MIETTO MENDES 3 ZOOTECNIA INTRODUÇÃO Mercado; Período de aleitam

Leia mais

Título INGESTÃO VOLUNTÁRIA DE OVINOS SUBMETIDOS A DIETAS CONTENDO RESÍDUO DE VITIVINÍCOLAS1

Título INGESTÃO VOLUNTÁRIA DE OVINOS SUBMETIDOS A DIETAS CONTENDO RESÍDUO DE VITIVINÍCOLAS1 Título INGESTÃO VOLUNTÁRIA DE OVINOS SUBMETIDOS A DIETAS CONTENDO RESÍDUO DE VITIVINÍCOLAS1 Autores DANIEL RIBEIRO MENEZES2; GHERMAN GARCIA LEAL DE ARAÙJO3; RONALDO LOPES DE OLIVEIRA4; ADRIANA REGINA BAGALDO5;

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

PRODUÇÃO, UTILIZAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DO FENO

PRODUÇÃO, UTILIZAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DO FENO 163 PRODUÇÃO, UTILIZAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DO FENO FURLANETTI, Alessandra Carla 1 BRAMBILLA, Everton 2 Resumo: Este artigo teve como objetivo refletir sobre a obtenção da forragem desidratada de alta qualidade

Leia mais

Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino

Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino Objetivando-se uma criação rentável e tecnicamente planejada, nada mais correto que o produtor venha a preocupar-se com a disponibilidade

Leia mais

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 8 APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE

Leia mais

DEGRADAÇÃO RUMINAL DA MATÉRIA SECA E PROTEÍNA BRUTA, DE ALIMENTOS CONCENTRADOS UTILIZADOS COMO SUPLEMENTOS PARA NOVILHOS

DEGRADAÇÃO RUMINAL DA MATÉRIA SECA E PROTEÍNA BRUTA, DE ALIMENTOS CONCENTRADOS UTILIZADOS COMO SUPLEMENTOS PARA NOVILHOS DEGRADAÇÃO RUMINAL DA MATÉRIA SECA E PROTEÍNA BRUTA, DE ALIMENTOS CONCENTRADOS UTILIZADOS COMO SUPLEMENTOS PARA NOVILHOS Ruminally degradation of the dry matter and crude protein, of concentrade feeds

Leia mais

Artigo Número 91 BAGAÇO DE CEVADA NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL BARLEY BAGASSE IN ANIMAL FEEDING Antonio Assis Vieira 1, Jamil Monte Braz 2

Artigo Número 91 BAGAÇO DE CEVADA NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL BARLEY BAGASSE IN ANIMAL FEEDING Antonio Assis Vieira 1, Jamil Monte Braz 2 Resumo Artigo Número 91 BAGAÇO DE CEVADA NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL BARLEY BAGASSE IN ANIMAL FEEDING Antonio Assis Vieira 1, Jamil Monte Braz 2 A cevada, além de utilizada na alimentação animal como forragem

Leia mais

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO:

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: 1750 Europa com o início do processo da Revolução Industrial houve aumento da população nas cidades, com

Leia mais

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO Aditivos alimentares são utilizados em dietas para bovinos de corte em confinamento com o objetivo

Leia mais

Cana-de-açúcar na alimentação de vacas leiteiras

Cana-de-açúcar na alimentação de vacas leiteiras Cana-de-açúcar na alimentação de vacas leiteiras Roberta Aparecida Carnevalli Pesquisadora Embrapa Agrossilvipastoril Cana-de-açúcar Alimentação humana xaropes sacarose Aguardente Combustível etanol energia

Leia mais

Matéria Orgânica do solo (m.o.s)

Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Objetivos Proporcionar conhecimentos básicos sobre a origem e dinâmica da m.o. do solo; Conhecer suas características e propriedades; Discutir como algumas propriedades

Leia mais

Tecnologia EM na Pecuária Bovina

Tecnologia EM na Pecuária Bovina Tecnologia EM na Pecuária Bovina Os Microorganismos Benéficos podem fazer muito mais do que bons vinhos e queijos, eles também podem ajudar na Pecuária Bovina. O EM 1 tem uma ampla gama de aplicações na

Leia mais

Os cereais. Trigo Arroz Centeio Milho Aveia Cevada Sorgo

Os cereais. Trigo Arroz Centeio Milho Aveia Cevada Sorgo Trigo Arroz Centeio Milho Aveia Cevada Sorgo O que são Cereais Integrais? São cereais que não foram processados. Consistem no gérmen, endosperma e casca. Endosperma: Constitui aproximadamente 83% do peso

Leia mais

Tecnologia EM no Meio Ambiente

Tecnologia EM no Meio Ambiente Tecnologia EM no Meio Ambiente Os Microorganismos Benéficos podem fazer muito mais do que bons vinhos e queijos, eles também podem ajudar a amenizar impactos ambientais. O EM 1 tem uma ampla gama de aplicações

Leia mais

Estudos da Universidade Federal de Alagoas com Biomassa para o Aproveitamento Energético

Estudos da Universidade Federal de Alagoas com Biomassa para o Aproveitamento Energético Seminar Energies from Biomass Maceió, Alagoas, Brazil, 21-23 November, 2012 Estudos da Universidade Federal de Alagoas com Biomassa para o Aproveitamento Energético Aline da Silva Ramos (CTEC/UFAL, aline@lccv.ufal.br)

Leia mais

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Oficina Sustentabilidade do Bioetanol 25 e 26 de fevereiro de 2010 Brasília Miguel Taube Netto UniSoma Luis Franco de Campos Pinto UniSoma Estudo

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES Mauro Sartori Bueno, Eduardo Antonio da Cunha, Luis Eduardo dos Santos Pesquisadores Científicos do Instituto de Zootecnia, IZ/Apta-SAA-SP CP 60, Nova Odessa-SP, CEP

Leia mais

O USO DE ESTILOSANTES CAMPO GRANDE EM CONSÓRCIO COM BRAQUIARINHA (Brachiaria decumbens)

O USO DE ESTILOSANTES CAMPO GRANDE EM CONSÓRCIO COM BRAQUIARINHA (Brachiaria decumbens) O USO DE ESTILOSANTES CAMPO GRANDE EM CONSÓRCIO COM BRAQUIARINHA (Brachiaria decumbens) GARCIA, Fernando Manfrin¹ BARBOSA, Rogério Zanarde¹ GIATTI JR., Nilson Oliveira¹ 1 Acadêmicos do curso de Engenharia

Leia mais

Valor nutritivo do bagaço de cana-de-açúcar amonizado com quatro doses de uréia

Valor nutritivo do bagaço de cana-de-açúcar amonizado com quatro doses de uréia Valor nutritivo do bagaço de cana-de-açúcar 125 Valor nutritivo do bagaço de cana-de-açúcar amonizado com quatro doses de uréia Gleidson Giordano Pinto de Carvalho (1), Aureliano José Vieira Pires (1),

Leia mais

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data: Junho/2005 CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. 1. Introdução Milho e farelo de soja são os principais ingredientes utilizados na formulação de rações para

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

Mais Milho Para Produção de Leite e Menos Milho nas Fezes

Mais Milho Para Produção de Leite e Menos Milho nas Fezes Texto: Marcos André Arcari Marcos Veiga dos Santos Mais Milho Para Produção de Leite e Menos Milho nas Fezes Dentre os ingredientes utilizados na alimentação de vacas leiteiras, o milho grão é o principal

Leia mais

PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS

PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS 1 PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS www.kerabrasil.com.br Fone:(54)2521-3124 Fax:(54)2521-3100 2 INTRODUÇÃO PROGRAMA KERA PARA BOVINOS DE LEITE E CORTE Com o acelerado melhoramento genético dos

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Ciência e Tecnologia de Alimentos Departamento de Tecnologia de Alimentos

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Ciência e Tecnologia de Alimentos Departamento de Tecnologia de Alimentos Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Ciência e Tecnologia de Alimentos Departamento de Tecnologia de Alimentos Tecnologia de Produtos de Origem Vegetal Cereais & Farinhas Prof. Alex Augusto

Leia mais

Produção de etanol A partir Do arroz

Produção de etanol A partir Do arroz UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS AGROINDUSTRIAL DISCIPLINA DE TECNOLOGIA DE ÓLEOS VEGETAIS E BIOCOMBUSTÍVEIS Produção de etanol A

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES NÍVEIS DE RESÍDUO DE PRÉ-LIMPEZA DE SOJA (G. MAX ), SOBRE O GANHO DE PESO DE BOVINOS CONFINADOS

EFEITOS DE DIFERENTES NÍVEIS DE RESÍDUO DE PRÉ-LIMPEZA DE SOJA (G. MAX ), SOBRE O GANHO DE PESO DE BOVINOS CONFINADOS 65 Efeitos de diferentes níveis de resíduo de pré-limpeza de soja (G. Max) sobre o...] 2004 (E) Silvio de Paula Mello, Andréa Bueno, Marcelo Garcia Macedo EFEITOS DE DIFERENTES NÍVEIS DE RESÍDUO DE PRÉ-LIMPEZA

Leia mais

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100),

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100), CÁLCULO DE UM SUPLEMENTO PARA BUBALINOS DE CORTE Para se calcular um suplemento é necessário o conhecimento prévio de quatro fatores: o o o o Composição nutricional da pastagem Consumo da pastagem Identificação

Leia mais

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal 1 Introdução: Brasil exportador - carne e leite ; Saltos de produtividade; Ganhos em escala;

Leia mais

Caprinocultura, Ovinocultura e Eqüideocultura. OBRIG./OPT. PRÉ/CO/REQUISITOS ANUAL/SEM. Obrigatória Alimentos e Alimentação 2007/2

Caprinocultura, Ovinocultura e Eqüideocultura. OBRIG./OPT. PRÉ/CO/REQUISITOS ANUAL/SEM. Obrigatória Alimentos e Alimentação 2007/2 PROGRAMA DE - CAPRINOCULTURA, OVINOCULTURA E EQUIDEOCULTURA CAMPUS: Alegre CURSOS: Medicina Veterinária HABILITAÇÃO: Bacharelado OPÇÃO: DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL: Zootecnia IDENTIFICAÇÃO: CÓDIGO DISCIPLINA

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO WESP-GUTERRES, Caroline 1 ; TEIXEIRA, José Domingos Lemos 1 ; ARALDI,Daniele Furian 2 Palavras-Chave: Brasil. Consumo de carne. Bovinocultura. Introdução

Leia mais

para que da terra germine futuro... CATÁLOGO DE MILHOS

para que da terra germine futuro... CATÁLOGO DE MILHOS para que da terra germine futuro... CATÁLOGO DE MILHOS ...opção de futuro Lusosem Milhos Híbridos A gama actual da Lusosem reflecte o esforço de uma equipe de peritos em milho que ao longo dos anos tem

Leia mais

Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática. Coimbra, 2012/2014. Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado

Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática. Coimbra, 2012/2014. Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado Coimbra, 2012/2014 Escolher Ciência PEC282 ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA O que é um

Leia mais

Tecnologia EM na Vida Cotidiana. Os Microorganismos Benéficos podem fazer muito mais do s, eles também podem ajudar você no seu dia a dia.

Tecnologia EM na Vida Cotidiana. Os Microorganismos Benéficos podem fazer muito mais do s, eles também podem ajudar você no seu dia a dia. Tecnologia EM na Vida Cotidiana Os Microorganismos Benéficos podem fazer muito mais do que bons vinhos e queijos, s, eles também podem ajudar você no seu dia a dia. O EM 1 tem uma ampla gama de aplicações

Leia mais

Inclusão de bagaço de cana de açúcar na alimentação de cabras lactantes: desempenho produtivo

Inclusão de bagaço de cana de açúcar na alimentação de cabras lactantes: desempenho produtivo Inclusão de bagaço de cana de açúcar na alimentação de cabras lactantes: desempenho produtivo José Maria de OLIVEIRA Júnior 1 ; Gian Nascimento 2 ; Rafael Mendonça de Carvalho ² ; Wanderson Bahia Paulineli²;

Leia mais

Uso de lipídeos em dietas de ruminantes

Uso de lipídeos em dietas de ruminantes Uso de lipídeos em dietas de ruminantes Sérgio Raposo de Medeiros 1 1 Pesquisador Embrapa Gado de Corte, Campo Grande, MS. A evolução das espécies ruminantes ocorreu associada à ingestão de forragens que

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

ARTIGO 287 UTILIZAÇÃO DO BAGAÇO DE CANA-DE-AÇUCAR NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES 1. Use of bagasse of cane sugar in feed ruminantes 1

ARTIGO 287 UTILIZAÇÃO DO BAGAÇO DE CANA-DE-AÇUCAR NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES 1. Use of bagasse of cane sugar in feed ruminantes 1 ARTIGO 287 UTILIZAÇÃO DO BAGAÇO DE CANA-DE-AÇUCAR NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES 1 Use of bagasse of cane sugar in feed ruminantes 1 Maxwelder Santos Soares², Aureliano José Vieira Pires 3, Leonardo Guimarães

Leia mais

Valor nutritivo da cana-de-açúcar hidrolisada com hidróxido de sódio ou óxido de cálcio

Valor nutritivo da cana-de-açúcar hidrolisada com hidróxido de sódio ou óxido de cálcio Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.61, n.5, p.1156-1164, 2009 Valor nutritivo da cana-de-açúcar hidrolisada com hidróxido de sódio ou óxido de cálcio [Nutritional value of the hydrolyzed sugarcane with sodium

Leia mais

Anatomia e fisiologia do sistema digestivo

Anatomia e fisiologia do sistema digestivo Anatomia e fisiologia do sistema digestivo Professor: Aparecido Porto da Costa Disciplina: Caprinovinocultura e Bovinocultura E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Classificação do hábito alimentar

Leia mais

Produção, Uso e Vantagens de Silagens de Alta Qualidade

Produção, Uso e Vantagens de Silagens de Alta Qualidade Produção, Uso e Vantagens de Silagens de Alta Qualidade Luis Eduardo Zampar - Consultor Biomatrix A silagem de milho de alta qualidade tem sido muito utilizada por produtores de gado de corte e leite,

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia Universidade Federal de Uberlândia Relatório Visita técnica Embrapa Gado de Corte-MS Grupo de estudos e pesquisa em forragicultra UFU GEPFOR Guilherme Amorim Soares da Silva Zootecnia Uberlândia 2014 I

Leia mais

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Apesar de pouco explorada, a biomassa florestal pode ser uma das alternativas para a diversificação da matriz energética Por

Leia mais

Sistemas urbanos e periurbanos de produção leiteira orientados para o mercado

Sistemas urbanos e periurbanos de produção leiteira orientados para o mercado Sistemas urbanos e periurbanos de produção leiteira orientados para o mercado Azage Tegegne - Ilri-debre-zeit@cgiar.org Instituto Internacional de Investigación Ganadera (IIIG), P.O.Box 5689, Adis Abeba,

Leia mais

USO DE DEJETOS DE OVINOS PARA GERAÇÃO DE BIOGÁS

USO DE DEJETOS DE OVINOS PARA GERAÇÃO DE BIOGÁS USO DE DEJETOS DE OVINOS PARA GERAÇÃO DE BIOGÁS O. KONRAD ¹*, C. E. CASARIL ², T. COSTA ², N. A. D. VIEIRA ², M. LUMI ², C. HASAN ² e J.F. TONETTO ¹, ¹ UNIVATES, Curso de Engenharia Ambiental e Programa

Leia mais

Proteínas na alimentação de monogástricos

Proteínas na alimentação de monogástricos Proteína - Composição: C, H, O e N - Proteína Bruta: 16% FC: 6,25% - Composta de aminocácidos com grupamento amínico, carboxílico e outros. Professor Luciano Hauschild 1 Classificação nutricional dos aminoácidos

Leia mais

Programa de Nutrição para. Bovinos

Programa de Nutrição para. Bovinos Programa de Nutrição para Bovinos Programa de Nutrição para Bovinos Programa de Nutrição para Bovinos Copyright 2012 Kera Nutrição Animal Propriedade literária reservada. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

POTENSAL. O trabalho da POTENSAL é promover o crescimento e a satisfação dos produtores e criadores que utilizam nossos produtos.

POTENSAL. O trabalho da POTENSAL é promover o crescimento e a satisfação dos produtores e criadores que utilizam nossos produtos. POTENSAL Atuando em todo o território nacional, a POTENSAL NUTRIÇÃO E SAÚDE ANIMAL trabalha somente com matérias-primas nobres e mão-de-obra especializada. Atualmente, possui diversas linhas de produtos,

Leia mais

Avaliação da utilização do bagaço de cana-de-açúcar na alimentação de bovinos

Avaliação da utilização do bagaço de cana-de-açúcar na alimentação de bovinos Avaliação da utilização do bagaço de cana-de-açúcar na alimentação de bovinos Cana-de-açúcar, bagaço, bovinos. Revista Eletrônica Luis Gustavo Silva Rodrigues 1 1 Engenheiro Ambiental e Discente de Bacharelado

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO AZ042 Bovinocultura de Leite Aula 09 MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO Prof. Rodrigo de Almeida Ciclo de Produção - Curva de Lactação - Consumo de Matéria Seca - Escore de Condição Corporal - Desenvolvimento

Leia mais

MANEJO DE COCHO: SUA IMPORTÂNCIA E COMO FAZER

MANEJO DE COCHO: SUA IMPORTÂNCIA E COMO FAZER ARTIGO TÉCNICO PREMIX 8ª edição MANEJO DE COCHO: SUA IMPORTÂNCIA E COMO FAZER INTRODUÇÃO O termo manejo de cocho (adaptado do inglês bunk management) refere-se à técnica de manejo alimentar utilizada em

Leia mais

Informações básicas para fazer compostagem 1.

Informações básicas para fazer compostagem 1. Educação Ambiental Desenvolvimento Sustentável. www.ecophysis.com.br Informações básicas para fazer compostagem 1. COMPOSTAR para reduzir a quantidade de resíduos orgânicos 2. REUSAR os resíduos compostados

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Qualidade da silagem de milho em função do teor de matéria seca na ocasião da colheita

Qualidade da silagem de milho em função do teor de matéria seca na ocasião da colheita ISSN 1518-4269 Qualidade da silagem de milho em função do teor de matéria seca na ocasião da colheita 112 A forragem obtida a partir do milho é a mais tradicional por apresentar condições ideais para uma

Leia mais

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca Comprometida com a busca constante por soluções e inovações tecnológicas em nutrição animal que melhorem produção e rentabilidade nas produções rurais, a Socil anuncia uma grande novidade. uma marca A

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA NÃO-LINEAR DE OTIMIZAÇÃO DE RAÇÕES PARA ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA NÃO-LINEAR DE OTIMIZAÇÃO DE RAÇÕES PARA ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA NÃO-LINEAR DE OTIMIZAÇÃO DE RAÇÕES PARA ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO E. Zanin*, D. S. Henrique**, R. S. Kölln* *Acadêmica do curso de Zootecnia/UTFPR-DV, Dois Vizinhos, Brasil

Leia mais

TESTES DE PRODUTIVIDADE

TESTES DE PRODUTIVIDADE TESTES DE PRODUTIVIDADE INDÚSTRIA DE MEDICAMENTOS VETERINÁRIOS LTDA. PROBIÓTICO SISTEMA DIGESTIVO E FLORA DE RÚMEN Os ruminantes (bovinos, ovinos, caprinos e bubalinos) constituem um grupo de animais com

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos.

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Saneamento Básico e Saúde Pública Aula 7 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 60 2. Carga

Leia mais

Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino

Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino Introdução Representa até 60% custos Mais importante para o sucesso Exigências nutricionais Mantença Produção Reprodução Alimentos Nutrientes Energia,

Leia mais

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE ÍNDICE Suplementos minerais pronto para uso Mitsuisal 40 - Bovinos de corte Mitsuisal 60 - Bovinos de corte Mitsuisal 65 - Bovinos de corte Mitsuisal 80 - Bovinos de corte Mitsuisal 88 - Bovinos de corte

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO TEOR DE AMIDO EM RAIZES DE MANDIOCA PARA AGROINDUSTRIAS DE EXTRAÇÃO DE FÉCULA.

CARACTERIZAÇÃO DO TEOR DE AMIDO EM RAIZES DE MANDIOCA PARA AGROINDUSTRIAS DE EXTRAÇÃO DE FÉCULA. CARACTERIZAÇÃO DO TEOR DE AMIDO EM RAIZES DE MANDIOCA PARA AGROINDUSTRIAS DE EXTRAÇÃO DE FÉCULA. Rodolpho César dos Reis Tinini, Silvia Renata Machado Coelho (Orientador/UNIOESTE), Victor Hugo Monteiro,

Leia mais

Mudanças do clima, mudanças no campo

Mudanças do clima, mudanças no campo Mudanças do clima, mudanças no campo Sumário executivo do relatório escrito por Jessica Bellarby, Bente Foereid, Astley Hastings e Pete Smith, da Escola de Ciências Biológicas da Universidade de Aberdeen

Leia mais

Cana-de-Açúcar + Ureia. Volumoso de baixo custo para o rebanho na seca

Cana-de-Açúcar + Ureia. Volumoso de baixo custo para o rebanho na seca Cana-de-Açúcar + Ureia Volumoso de baixo custo para o rebanho na seca Esta tecnologia é indicada para sistemas de produção intensivos e extensivos de gado de leite ou gado de corte no período da seca,

Leia mais

NUTRIÇÃO DE GATOS. DUTRA, Lara S. 1 ; CENTENARO, Vanessa B. 2 ; ARALDI, Daniele Furian 3. Palavras-chave: Nutrição. Gatos. Alimentação.

NUTRIÇÃO DE GATOS. DUTRA, Lara S. 1 ; CENTENARO, Vanessa B. 2 ; ARALDI, Daniele Furian 3. Palavras-chave: Nutrição. Gatos. Alimentação. NUTRIÇÃO DE GATOS DUTRA, Lara S. 1 ; CENTENARO, Vanessa B. 2 ; ARALDI, Daniele Furian 3 Palavras-chave: Nutrição. Gatos. Alimentação. Introdução Nutrição veterinária é a ciência que tem por objetivo descobrir

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

RESULTADOS DE PESQUISA EM ALIMENTAÇÃO COM EQÜINOS DA RAÇA ÃRABE NA UEPAE DE SÃO CARLOS

RESULTADOS DE PESQUISA EM ALIMENTAÇÃO COM EQÜINOS DA RAÇA ÃRABE NA UEPAE DE SÃO CARLOS MINIST~RIO DA AGRICULTURA MA Empresa Brasileira de Pesquisa A",opecuária EMBRAPA Unidade de E)(ecuçllio de PesQuil8 de Âmbito Estadual de 5&0 Carlos UEPAE do SA'o Corl", RODOVIA WASHINGTON l.ljiz, km 234

Leia mais

1- Obtenção de animais prontos para abate, em épocas normalmente favoráveis de preços;

1- Obtenção de animais prontos para abate, em épocas normalmente favoráveis de preços; A pecuária de corte desempenha papel de real importância socioeconômica para o Brasil, quer seja para o suprimento de um alimento nobre para a população,quer na geração de divisas através da exportação.

Leia mais

SILAGEM DE MILHO E SORGO: Opção Inteligente

SILAGEM DE MILHO E SORGO: Opção Inteligente SILAGEM DE MILHO E SORGO: Opção Inteligente Marcio Pelegrini Engenheiro Agrônomo, Ms. Tecnologia de Sementes. Consultor de silagem da Santa Helena Sementes. 1 Os avanços tecnológicos cada vez mais presentes

Leia mais

USO DA CANA-DE-AÇÚCAR COMO FORRAGEIRA. Rodolpho de Almeida Torres e José Ladeira da Costa

USO DA CANA-DE-AÇÚCAR COMO FORRAGEIRA. Rodolpho de Almeida Torres e José Ladeira da Costa USO DA CANA-DE-AÇÚCAR COMO FORRAGEIRA Rodolpho de Almeida Torres e José Ladeira da Costa A produção eficiente de leite e carne está baseada numa adequada disponibilidade de forragem de boa qualidade ao

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA, VALOR DE ph E TEMPERATURA DO BAGAÇO DE CANA-DE-AÇÚCAR IN NATURA E HIDROLISADO COM CAL (CaO) CONSERVADOS EM MINI SILOS

COMPOSIÇÃO QUÍMICA, VALOR DE ph E TEMPERATURA DO BAGAÇO DE CANA-DE-AÇÚCAR IN NATURA E HIDROLISADO COM CAL (CaO) CONSERVADOS EM MINI SILOS COMPOSIÇÃO QUÍMICA, VALOR DE ph E TEMPERATURA DO BAGAÇO DE CANA-DE-AÇÚCAR IN NATURA E HIDROLISADO COM CAL (CaO) CONSERVADOS EM MINI SILOS LUIZ JULIANO VALÉRIO GERON 1, GIULIANNA ZILOCCHI MIGUEL 2, ALEXANDRE

Leia mais

Efeitos do melhoramento genético e técnicas de processamento na utilização do. farelo de soja por suínos

Efeitos do melhoramento genético e técnicas de processamento na utilização do. farelo de soja por suínos Efeitos do melhoramento genético e técnicas de processamento na utilização do farelo de soja por suínos Ferdinando N. Almeida e Hans H. Stein Department of Animal Sciences, University of Illinois, EUA

Leia mais

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro Marcelo Moreira Antunes Graduando em Medicina Veterinária

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

ÁGUA. 97% água salgada - ± 3% se restringe a água doce; Perda de toda gordura corporal, metade PTN s e 40% peso vivo Perda 10% - morte.

ÁGUA. 97% água salgada - ± 3% se restringe a água doce; Perda de toda gordura corporal, metade PTN s e 40% peso vivo Perda 10% - morte. ÁGUA 97% água salgada - ± 3% se restringe a água doce; Perda de toda gordura corporal, metade PTN s e 40% peso vivo Perda 10% - morte. PROPRIEDADES E FUNÇÕES Constituinte ativo e estrutural; 70% da carcaça

Leia mais

Proposta para a utilização da raça ovina Campaniça

Proposta para a utilização da raça ovina Campaniça Proposta para a utilização da raça ovina Campaniça Claudino A. P. Matos Carlos M. V. Bettencourt Centro de Experimentação do Baixo Alentejo (CEBA) Herdade da Abóbada Vila Nova de S. Bento Resumo A erosão

Leia mais

A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite

A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite As pressões de mercado exigem uma eficiência cada vez maior no uso dos fatores de produção e no controle dos custos da atividade leiteira. A garantia

Leia mais

Mandioca: uma boa alternativa para alimentação animal Jorge de Almeida* José Raimundo Ferreira Filho**

Mandioca: uma boa alternativa para alimentação animal Jorge de Almeida* José Raimundo Ferreira Filho** Foto: Acervo Biblioteca / SEAGRI Mandioca: uma boa alternativa para alimentação animal Jorge de Almeida* José Raimundo Ferreira Filho** Acultura da mandioca é uma das mais importantes fontes de carboidratos

Leia mais

A mandioca (Manihot esculenta Crantz) é um vegetal rico em amido e amplamente utilizado na

A mandioca (Manihot esculenta Crantz) é um vegetal rico em amido e amplamente utilizado na AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE RAÍZES DE MANDIOCA NA REGIÃO SUDOESTE DA BAHIA Douglas Gonçalves GUIMARÃES 1 ; Welber Freire MUNIZ 2 ; Eduardo de Souza MOREIRA 2 ; Anselmo Eloy Silveira VIANA 3 ; Carlos Estevão

Leia mais