Plano Nacional da Comissão de Direcção Nacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano Nacional da Comissão de Direcção Nacional"

Transcrição

1 Plano Nacional da Comissão de Direcção Nacional Chairperson João Sousa Rego Date NOVEMBRO 2008 Membros da Comissão Membros Data de entrada na Comissão Telemóvel Data de Nascimento João Sousa Rego Dezembro Luísa Castro Caldas Dezembro Madalena Vidigal Dezembro Eugénio Castro Caldas Dezembro Mafalda Moz Teixeira Dezembro Ano de entrada no CISV Nota pessoal da Comissão: Sendo este o primeiro ano em que todas as comissões estão a preencher estes planos, queremos deixar expresso que o esforço desenvolvido para a implementação destes documentos propõe uma significativa melhoria da qualidade das comissões nacionais e a consequente autonomia das mesmas. Após um grande desenvolvimento do CISV Portugal considerámos fulcral desenvolver a estrutura da organização, e para nós, passa pelo desenvolvimento e fortalecimento das comissões, através de planos anuais fortes apresentados e aprovados em Assembleia-geral junto com o orçamento. Serão criadas reuniões com todos os chairs das comissões de forma a desenvolver o conteúdo das nossas actividades e permitir maior troca de experiencias entre actividades. A definição de dois grandes objectivos para o CISV Portugal propõe direccionar o mesmo numa única direcção e permitir às comissões definirem objectivos próprios inseridos nos gerais. Assim, todas as comissões caminharão no mesmo sentido, desenvolvendo projectos e actividades voltados para a mesma direcção. Gostaríamos ainda de referir o significativo esforço na organização nacional de actividades internacionais, este esforço impõe assim uma capacidade de renovação, treino de staffs e controlo financeiro. Este crescimento permite também uma forte melhoria da qualidade dos campos, torna-se assim possível criar um grupo mínimo anual de staffs que possa ser treinado nacional e internacionalmente. Promove-se assim o aumento do número de delegações a enviar, que tem sido uma constante necessidade dos sócios familiares devido ao número crescente de participantes. page 1 of 8

2 Tarefas da Comissão Membro da Comentário Comissão ADMINISTRATIVAS Task 1: Contacto com contabilista Madalena/ João Este tem sido um ano de mudanças relativas ao contabilista oficial do CISV Portugal devido à ampliação de exigências da nossa parte. A empresa que assume agora toda a responsabilidade da contabilidade é a 2HO e propõese a fechar a contabilidade mensalmente de forma a ser possível uma relação real e directa para nos ser útil nas decisões do dia a dia. Task 2: Contacto com Camp-sites Eugénio Estão a ser desenvolvidos esforços em conjunto com o grupo de staffs com o objectivo de realizar diferentes campos no Verão ao mesmo tempo e em diferentes espaços. Task 3: Contacto com a Secretaria Luísa/ João Promove-se um contacto directo e diário com a secretaria de forma a garantir o necessário apoio às diferentes necessidades. Conscientes que o trabalho e necessidades da secretaria está a aumentar fortemente estão em estudo diversas opções para o reforço da capacidade de resposta. Task 4: Contacto com o Banco Diana Foi negociado a alteração do gestor das contas do CISV devido a uma falta de acompanhamento consequente por nós exigida. Task 5: Comunicações da secretaria Luísa / João Estão a ser alterados os contratos das diversas comunicações existentes na secretaria de forma a economizar nos custos e permitir um único interlocutor nos diversos fornecedores de comunicação. Task 6: Partipicação ETG/AIM Trustee+1 Considerou-se relevante a participação de um membro da DN para além do trustee no ETG de modo a permitir que todos os membros estejam aptos a responder internacionalmente a todas as questões referentes às suas tarefas. Task 7: Sorteio + secretaria Com o crescente aumento do nº de participantes em cada programa vamos propor a divisão do sorteio por actividades. Task 8: Plano de actividades + comissões O plano anual de actividades tem de ser realizado até Dezembro do ano anterior e a partir deste ano será realizado em conjunto com todas as comissões através destas fichas. Assim todas as comissões dão o seu contributo para o plano. Task 9: Relatório anual O relatório anual é realizado e apresentado na Assembleia-geral aos sócios até 31 de Março em conjunto com o fecho das contas. Task 10: Realização de Orçamento Madalena / João É realizado até Dezembro deste ano e apresentado aos sócios em Assembleia geral. Data de finalização da tarefa Abril Março Dezembro de 2008 Fevereiro 2009 Dezembro 2008 page 2 of 8

3 Task 11: Definição de preços para as actividades nacionais e internacionais Definição os preços do CISV Portugal. É elaborado um estudo financeiro da organização e através da estratégia já definida são alterados, ou não os preços para o corrente ano. Task 12: Realização de reuniões de pais Será organizada uma reunião de pais por ano no princípio das actividades nacionais. O objectivo é a sua realização ser depois da 1º MA para os pais já estarem mais familiarizados com o CISV e terem mais questões. Task 13: Selecção do fornecedor para as viagens internacionais Pedido de orçamentos e selecção de fornecedor para a contratualização de todas as viagens internacionais do CISV. Temos estabilizado na empresa TAGUS devido aos preços praticados e ao contacto com apenas um comercial para toda a organização. Setembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Task 14: Apoio aos aeroportos de delegações de partida Julho do 2009 Task 15: Welcome Organização do Welcome Setembro 2009 Task 15: Planning Organização do planning para o ano seguinte, ficando aqui definido as Outubro de 2009 comissões e estratégia do ano Task 16: Reuniões mensais de DN + secretaria Marcação e participação em reuniões mensais de direcção nacional para decisão dos diversos assuntos da associação. Estas reuniões são providas de acta e podem ser consultadas na secretaria. On going Task 17: Dia Mundial da Paz + JB Apoiar o Júnior Branch a organizar uma actividade para o Dia Mundial da Paz 21 Setembro 2009 COMUNICAÇÃO On going Task 1: Contacto com Comissão de Aldeias Madalena On going Task 2: Contacto com Comissão de Luísa On going Task 3: Contacto com Comissão de Summers Mafalda On going Task 4: Contacto com Comissão de Preparação João On going Task 5: Contacto com Junior Branch João On going Task 7: Contacto com Comissão de seminares Mafalda On going Task 8: Contacto com Comissão de Mosaic Eugénio On going Task 9 Contacto com Comissão de IPP Eugénio On going Task 10 merchandising Luísa O aumento da venda do merchandizing do CISV está todo direccionado On going financeiramente para o aumento da participação de workshops internacionais das comissões e staffs portugueses, permitindo uma melhoria da qualidade dos programas e renovação de conteúdos. Task 11 Site de CISV Portugal João Com o fortíssimo apoio do João Cabral. O site passa a ser um espaço onde os sócios podem obter toda a informação como inscrições, actividades nacionais, e os kits de apoio aos programas. Task 12 Contactos de emergência e contactos com leaders nos campos / secretaria O aumento dos contactos com os leaders nos diversos campos internacionais permitiu um maior apoio através da antecipação de questões Julho Agosto page 3 of 8

4 e problemas a existir. Acreditamos fortemente que o aumento da comunicação entre todos os actores traduz-se na melhoria da qualidade. 1. OBJECTIVO GERAL DO CISV: ENVIAR 200 PARTICIPANTES PORTUGUESES PARA AS ACTIVIDADES INTERNACIONAIS DO CISV COM A CORRECTA PREPARAÇÃO Membro da Comentário Comissão 1º. Objectivo : Preparação dos participantes Task 1: Certificar que se realizam actividades de Através do conhecimento e partilha de experiências inter-comissão preparação para todas as faixas etárias propõem-se conteúdos de preparação em todas as actividades Task 2: Adequar fins-de-semana a faixas etárias e É proposto a divisão formal das comissões e de forma a programas respectivos adequar os conteúdos às idades e programas indicados. Task 3: Envio de um membro de cada comissão a um Eugénio Está expresso em todo o nosso plano o apoio na participação das Work-shop Internacional comissões a workshops internacionais, de forma a garantir melhores conteúdos nas nossas actividades. Task 4: Kit Campos Secretaria / todos O desenvolvimento dos KIT campos tem permitido uma melhoria da qualidade das delegações a enviar. Assim, conseguimos que todas as delegações estejam preparadas e tenham uma noite nacional base standart. Consegue-se também responder às necessidades dos pais na compra antecipada dos fatos nacionais. Task 5: 1ª Reunião de pais da delegação Organização da 1ª reunião de delegação com os pais. Permitindo transmitir a filosofia do CISV e as regras da organização. Criando assim uma relação de maior proximidade com os pais. Data de finalização da tarefa Julho de 2009 Maio º.Objectivo: Divulgação Task 1: Apoio ao Grand Opening João Para tornar viável o aumento do número ode campos e delegações é necessário uma constante divulgação ao exterior para angariar novos leaders, e essa divulgação tem-se tornado mais eficaz com uma actividade de 1 dia na sede organizada pela comissão de preparação onde os sócios trazem amigos de amigos para conhecerem o CISV. Task 2: Redução do preço das mini-aldeias para os leaders Devido ao crescente custo das mini aldeias temos subido ao longo dos anos os fins-de-semana em todas as idades. Este ano, descemos o preço do custo dos fins-de-semana dos leaders pois são estes que se voluntariam e desenvolvem as actividades para as crianças e jovens. Dezembro 2008 page 4 of 8

5 Task 3: Angariar contactos para promoção local Mafalda Task 4: Enviar carta a todos os sócios com 21 anos em Secretaria É um meio simples e directo de divulgação aos próprios sócios das nossas Novembro 2009 actividades. Tem-se revelado eficaz! Task 5: Enviar carta a todos os sócios filhos de 11 anos em 2009 Secretaria É um meio simples e directo de divulgação aos próprios sócios das nossas actividades. Tem-se revelado eficaz! Novembro 3º.Objectivo:Actividades para todas as faixas etárias Task 1: Certificar que se conseguem convites para todos os programas Participantes no AIM Tem sido desde há alguns anos um objectivo relevante na associação. A garantia de actividades internacionais para todas as idades permite o regular funcionamento da associação como um todo. Participantes no AIM Reforçar convites para anos Task 2: Certificar que se conseguem convites para todas as idades Task 3: Dividir comissões por idades Promover actividades diferenciadas por idade, ajustando assim os conteúdos às actividades propostas. Task 4: Comissão de Seminars: Criação Mafalda O programa Seminar Camp é o programa com menor expansão nos últimos anos. Com a percepção desta limitação e das suas implicações nos programas das idades superiores este ano é criada a comissão de seminars com um projecto autónomo que desenvolva o programa e permita maior envio de participantes. Task 5: Interchanges para dois age- groups Luísa Com o objectivo de desenvolver o programa interchange de forma duradoura e consistente o seu desenvolvimento aposta em 2 age groups: os 12 e os 13 anos. Focando assim o programa para estas idades. Agosto de 2009 On going Novembro de 2008 Novembro de º.Objectivo: Avaliar os programas Task 1: Workshop de PDPEF Através do preenchimento dos PDPEF vamos ter um maior conhecimento dos conteúdos que estamos a atingir e poder melhorar nos anos seguintes. Assim e como estas avaliações são novas e complexas vamos promover a sua execução. Task 2: Avaliar as actividades nacionais em Expanded meeting Serão criadas reuniões regulares de expanded (com os chair das comissões) para avaliar as actividades nacionais e promover a partilha de conhecimentos. Task 3: Atribuição do cargo de Inclusion Facilitator João /Luísa Internacionalmente foi-nos solicitada a criação de este cargo a executar por um membro do CISV Portugal, que deverá acompanhar as comissões e os staffs de campo neste tema central que é Inclusion no CISV Internacional. Procurará trabalhar com outras associações tambem tendo um contacto directo com as comissões de Mosaic e IPP no futuro Task 4: Avaliação de pais João Realização de uma avaliação escrita a distribuir aos pais dos participantes enviados de forma a conhecer a visão e necessidades preenchidas, ou não Abril de 2009 Março 2009 Setembro 2009 page 5 of 8

6 das nossas actividades. Task 5: Avaliação dos participantes João Apoiar a comissão de preparação na distribuição das avaliações escritas e desenvolver em conjunto uma avaliação do ano para os sócios 16+. Esta avaliação é normalmente no Welcome 5º.Objectivo: Maior relação com os pais Task 1: Criação de uma comissão de pais João / Luísa Criação de uma comissão que permita o maior conhecimento das necessidades dos pais e possíveis actividades em conjunto. Task 2: Organização do Churrascão com os pais João / Luísa / pais Incentivar a organização do churrascão pelos pais e inserir nessa actividade a caça aos leaders. Task 3: Envio do calendário anual de actividades nacionais a alguns pais. Secretaria Propõe-se o envio do calendário das actividades anuais para receber o input dos pais antecipadamente, de forma a evitar que as actividades se localizem nas zonas de avaliação das crianças. Task 4: Kit pais Desenvolvimento do Kit pais de acordo com as necessidades apresentadas nas avaliações dos anos anteriores Task 5: Ida às camionetas Ida às camionetas nas mini aldeias para conhecer os pais dos participantes e transmitir a nossa filosofia a procedimentos, dando maior segurança aos pais em todo o processo. Outubro de 2009 Abril de 2009 Dezembro de 2008 Julho 2009 Junho º.Objectivo: Apoio às actividades nacionais Task 1: Divisão dos programas pelos membros da DN A divisão dos programas permite um maior acompanhamento e apoio On going Task 2: Ida às Mini aldeias Participar nas mini aldeias de forma a acompanhar e apoiar as comissões On going Task 3: Reuniões antes das mini aldeias Organização de reuniões antes da mini aldeia de forma a compatibilizar e On going conjugar os esforços realizados pelas comissões Task 4: Definição de regras claras A definição de regras claras permite um maior apoio às comissões para a On going toma de decisões. Task 5: Relação com pais Apoiar as comissões na relação com os pais indo às camionetas e quando necessário contactar directamente. On going page 6 of 8

7 2. OBJECTIVO GERAL DO CISV: ORGANIZAR 4 ACTIVIDADES INTERNACINOAIS TODOS OS ANOS Membro da Comentário Comissão 1º. Objectivo : Estabilidade de actividades Task 1: Host de aldeias num 5 year plan 1 Village por ano: fixo Task 2: Host de Summer num 5 year plan 1 Summer por ano: fixo Task 3: Host de Youth meeting num 5 year plan 1 IYM por ano: fixo (em datas diferentes do Verão) Task 4: Host de seminar num 3 year plan Task 5: Host de IPP num 3 year plan Task 6: Interchange estabilizado Propõe-se a estabilização do IC através do aumento das delegações a enviar e da criação de uma comissão específica para o programa, permitindo que as actividades nacionais também se direccionem para os conteúdos do programa. Data de finalização da tarefa 2º.Objectivo: Apoio aos staffs Task 1: Realização de reuniões com o grupo de staffs Esta reunião propõe a estabilização do grupo de staffs para os campos internacionais em Portugal, a definição das datas e camp sites. Task 2: Visita regular de membros da DN aos camp-sites A DN propõe assim, um regular acompanhamento dos campos de forma a Task 3: durante actividades internacionais Contacto com as famílias para campos para os fins-de-semana de família Julho de 2009 Julho Agosto ser possível todo o apoio necessário na gestão diária do programa Secretaria 3º.Objectivo: Estabilizar camp-sites Task 1: Contratos plurianuais com camp-sites Task 2: Início de projecto de Casa do CISV / Rita Muralha Têm sido criados contactos com diversas Câmaras Municipais no sentido criar um protocolo que permitisse a construção de um equipamento para a realização de campos internacionais. 4º.Objectivo: Formação de staffs Task 1: Envio de staffs a Workshops internacionais Conhecimento dos workshops que se vão realizar na Europa e através da experiencia dos staffs dos campos internacionais em Portugal selecção e definição dos apoios aos mesmos. Task 2: KIT Staff Mafalda / O kit staffs nasce com o aumento do número de campos realizados em Portugal. Propõe-se assim um documento que sirva de base ao Task 3: Organização regular dos campos internacionais em Portugal planeamento do campo internacional. Através da organização regular dos campos internacionais em Portugal permite a transição de conhecimentos plurianual e a garantia de maior Fevereiro de 2009 Janeiro de 2009 On going page 7 of 8

8 qualidade. 4º.Objectivo: Angariação de donativos Task 1: Envio das cartas de pedido de donativos Secretaria / Este ano, estamos a enviar as cartas de pedido de donativos bastante mais Dezembro 2008 cedo. Task 2: Doações através do IRS Secretaria / Apresentar a documentação necessária para aprovação por parte do Dezembro 2008 Ministério das Finanças das doações da parte do imposto do IRS à associação Task 3: Criação de uma associação JB Mafalda / A criação de uma associação de JB prende-se com a necessidade de ir captar fundos ao IPJ e União Europeia a associações Juvenis. O CISV Portugal não está inserido neste Âmbito porque os pais são também sócios. Junho 2009 page 8 of 8

PLANO ESTRATÉGICO LISTA A 2013-2016

PLANO ESTRATÉGICO LISTA A 2013-2016 PLANO ESTRATÉGICO LISTA A 2013-2016 1 NOVEMBRO 2013 "Never doubt that a small group of thoughtful, committed citizens can change the world. Indeed, it's the only thing that ever has." Margaret Mead 2 Conteúdos

Leia mais

Artigo 3º Princípio educacional do CISV

Artigo 3º Princípio educacional do CISV Regulamento interno para os Campos internacionais do CISV Portugal Preâmbulo As Aldeias Internacionais de Crianças em Portugal, adiante designada por CISV Portugal regese pelos estatutos e por um regulamento

Leia mais

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Ficha de Inscrição Encontre a resposta às suas dúvidas! Identifique a sessão pretendida: Porto AICEP (Rua António Bessa Leite, 1430-2.º andar)

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONCHIQUE Preâmbulo Considerando que a participação solidária em acções de voluntariado, definido como conjunto de acções de interesse

Leia mais

VILLAGE NACIONAL 1. SEDIANDO O PROGRAMA: É recomendado iniciar na segunda quinzena dos meses de Janeiro e Julho.

VILLAGE NACIONAL 1. SEDIANDO O PROGRAMA: É recomendado iniciar na segunda quinzena dos meses de Janeiro e Julho. VILLAGE NACIONAL É um acampamento nacional, com estrutura similar a um Village Internacional com duração de 15 dias, que poderá ocorrer anualmente, nos meses de Janeiro e Julho. Objetivos Dar oportunidade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação e sede Social 1. A Associação tem a denominação Associação JB Juventude

REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação e sede Social 1. A Associação tem a denominação Associação JB Juventude REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação e sede Social 1. A Associação tem a denominação Associação JB Juventude Barcarense, com sede social na Junta de Freguesia Rua Padre

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE Local de trabalho: Maputo, Moçambique Duração do contrato: Três (3) meses: Novembro 2011

Leia mais

Escolas de Pentatlo Moderno

Escolas de Pentatlo Moderno Escolas de Pentatlo Moderno ÍNDICE O que é o franchising PENTAKID? 3 Serviços PENTAKID 5 Marketing 6 Recursos Humanos 7 Financiamento 8 Processo de aquisição 9 Ficha técnica 10 Carta de resposta 11 2 O

Leia mais

De: Secretaria Nacional para a Gestão Para: JJRR, JJNN, Agrupamentos Assunto: Divulgação do Protocolo NOS. Circular: 15-1-043. Caros irmãos escutas,

De: Secretaria Nacional para a Gestão Para: JJRR, JJNN, Agrupamentos Assunto: Divulgação do Protocolo NOS. Circular: 15-1-043. Caros irmãos escutas, De: Secretaria Nacional para a Gestão Para: JJRR, JJNN, Agrupamentos Assunto: Divulgação do Protocolo NOS Data: 06-05-2015 Circular: 15-1-043 Caros irmãos escutas, O CNE, através da ServEscut, estabeleceu

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS PREÂMBULO Na sequência da transposição para o ordenamento jurídico nacional da Directiva n.º 2006/43/CE, do Parlamento Europeu e do

Leia mais

MODELO REGULAMENTO GERAL INTERNO PARA ASSOCIAÇÕES JUVENIS

MODELO REGULAMENTO GERAL INTERNO PARA ASSOCIAÇÕES JUVENIS MODELO REGULAMENTO GERAL INTERNO PARA ASSOCIAÇÕES JUVENIS Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1.º Denominação e Sede Social 1 - A Associação tem a denominação..., com sede social... A Associação tem como

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA INTEGRAR POOL DE VOLUNTÁRIOS INTERNACIONAIS PARA MISSÕES DE EMERGÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA INTEGRAR POOL DE VOLUNTÁRIOS INTERNACIONAIS PARA MISSÕES DE EMERGÊNCIA TERMOS DE REFERÊNCIA PARA INTEGRAR POOL DE VOLUNTÁRIOS INTERNACIONAIS PARA MISSÕES DE EMERGÊNCIA A AMI é uma Organização Não Governamental (ONG) portuguesa, privada, independente, apolítica e sem fins

Leia mais

Não deixe de nos contactar ou de nos visitar

Não deixe de nos contactar ou de nos visitar www.microcredito.com.pt ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE DIREITO AO CRÉDITO Partilhe as suas esperanças e sonhos. Outras pessoas podem ajudá-lo a torná-las realidade (Autor desconhecido) Não deixe de nos contactar

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

ANEXO I ORDENS DE TRABALHO DAS REUNIÕES DO PLENÁRIO DA CPEE

ANEXO I ORDENS DE TRABALHO DAS REUNIÕES DO PLENÁRIO DA CPEE ANEXO I ORDENS DE TRABALHO DAS REUNIÕES DO PLENÁRIO DA CPEE Durante o ano de 2009, nas 8 (oito) reuniões de Plenário da CPEE os assuntos abordados e as matérias alvo de deliberação foram as constantes

Leia mais

2014-2015 PROGRAMA DE ACTIVIDADES

2014-2015 PROGRAMA DE ACTIVIDADES 2014-2015 PROGRAMA DE ACTIVIDADES Índice OBJETIVOS... 3 I Crescimento da CCILJ... 3 II Fortalecimento da Marca... 3 III Comunicação... 3 ACTIVIDADES A DESENVOLVER... 4 I Crescimento da CCILJ... 4 1. Angariação

Leia mais

Gestão Empresarial. Comércio e Serviços

Gestão Empresarial. Comércio e Serviços Curso de Gestão Empresarial para Comércio e Serviços PROMOÇÃO: COLABORAÇÃO DE: EXECUÇÃO: APRESENTAÇÃO: > A aposta na qualificação dos nossos recursos humanos constitui uma prioridade absoluta para a Confederação

Leia mais

Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional

Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional Capítulo I Objecto e Âmbito do Regulamento Interno Artigo 1º O presente Regulamento tem como objecto a PROMUNDO

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE CONTAS

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE CONTAS ASSOCIAÇÃO DOS BOLSEIROS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE CONTAS 2003 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2003 A Associação dos Bolseiros de Investigação Científica, doravante denominada

Leia mais

APC Associação Portuguesa de Criminologia www.apcriminologia.com. Introdução...2

APC Associação Portuguesa de Criminologia www.apcriminologia.com. Introdução...2 Plano de atividades e orçamento para 2013 Índice Introdução...2 1. Objetivos gerais do plano de actividades.2 2. Atividades previstas para 2013 3 2.1. Divulgação e promoção da licenciatura.4 2.2. Planeamento,

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de 19 de Abril de 2011. Publicado pelo Edital n.º 73/2011. Em vigor desde 27

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO Clube de Canoagem de Ovar

REGULAMENTO INTERNO Clube de Canoagem de Ovar REGULAMENTO INTERNO Clube de Canoagem de Ovar CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º Denominação e sede Social 1. A Associação tem a denominação de Clube de Canoagem de Ovar, com sede social na Rua Ferreira

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO

REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO Atendendo a que a atribuição de apoios a entidades ou instituições que contribuam para o desenvolvimento do concelho de S. Pedro do Sul

Leia mais

Estatuto do Direito de Oposição

Estatuto do Direito de Oposição Estatuto do Direito de Oposição Lei n.º 24/98, de 26 de Maio A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 114.º, 161.º, alínea c), 164.º, alínea h), e 166.º, n.º 3, e do artigo 112.º, n.º

Leia mais

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral.

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral. Plano de Atividades 2016 INTRODUÇÃO O Plano de Atividades para 2016 agora apresentado tem como mote central DAR SENTIDO. Dar Sentido a tudo o que fazemos, o que nos envolve e o que envolve os outros. Centrarse-á

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. CAPÍTULO I Das disposições gerais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. CAPÍTULO I Das disposições gerais UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I Das disposições gerais ARTIGO 1 (Denominação, natureza jurídica e finalidade) O Centro de Biotecnologia,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAP. I DISPOSIÇÕES GERAIS CAP. II ASSOCIADOS. Regulamento Interno. Artigo 1º Definições gerais.

REGULAMENTO INTERNO CAP. I DISPOSIÇÕES GERAIS CAP. II ASSOCIADOS. Regulamento Interno. Artigo 1º Definições gerais. REGULAMENTO INTERNO CAP. I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Definições gerais A Associação, que adopta a denominação de ADDICT Agência para o Desenvolvimento das Indústrias Criativas, adiante designada por

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - SIADAP - ANO DE 2015 MISSÃO E OBJECTIVOS DAS UNIDADES ORGÃNICAS DOS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DA MAIA, PARA O ANO DE 2015 DIVISÃO ECONÓMICA

Leia mais

Ecoclubes. Juventude no Presente. Defesa do Ambiente. Associação dos Amigos do Mindelo para a. VIII Encontro Regional de Educação Ambiental

Ecoclubes. Juventude no Presente. Defesa do Ambiente. Associação dos Amigos do Mindelo para a. VIII Encontro Regional de Educação Ambiental Ecoclubes Associação dos Amigos do Mindelo para a Defesa do Ambiente VIII Encontro Regional de Educação Ambiental Furnas, S. Miguel, Açores 2006 Juventude no Presente A Visão Procura-se jovem com um profundo

Leia mais

Workshop Certificação de Entidades pela DGERT

Workshop Certificação de Entidades pela DGERT www.b-training.pt Workshop Certificação de Entidades pela DGERT 27 de Maio de 2011 ORDEM DE TRABALHOS 10h00 11h15 11h30 12h30 13h Início dos Trabalhos Coffee-Break Reinício dos Trabalhos Perguntas & Respotas

Leia mais

D6. Documento de suporte à Implementação das Iniciativas Piloto REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL

D6. Documento de suporte à Implementação das Iniciativas Piloto REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL ÍNDICE 1. OBJETIVOS E METODOLOGIA 1.1. Objetivos 1.2. Metodologia de Trabalho 2. IDENTIFICAÇÃO DAS INICIATIVAS PILOTO 3. INICIATIVAS PILOTO 4. IMPLEMENTAÇÃO DE INICIATIVAS PILOTO - MATERIAIS DE SUPORTE

Leia mais

Plano de Actividades. Orçamento ASSOCIAÇÃO DO COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS DOS CONCELHOS DE VILA FRANCA DE XIRA E ARRUDA DOS VINHOS

Plano de Actividades. Orçamento ASSOCIAÇÃO DO COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS DOS CONCELHOS DE VILA FRANCA DE XIRA E ARRUDA DOS VINHOS Plano de Actividades e Orçamento Exercício de 2012 Plano de Actividades e Orçamento para o exercício de 2012 Preâmbulo: O Plano de Actividades do ano de 2012 foi concebido com a prudência que resulta da

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 II PLANO DE ATIVIDADES PARA 2016... 6 1. EIXO 1 PROFISSIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS 6

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 II PLANO DE ATIVIDADES PARA 2016... 6 1. EIXO 1 PROFISSIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS 6 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO 2016 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 1. Princípios de Ação.4 2. Recursos Organizacionais.4 3. Recursos Humanos 5 4. Recursos Físicos

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude. de S. João da Madeira. Artigo 1º. Definição. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º.

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude. de S. João da Madeira. Artigo 1º. Definição. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º. Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de S. João da Madeira Artigo 1º Definição O Conselho Municipal de Juventude é o órgão consultivo do município sobre matérias relacionadas com a política de

Leia mais

PROGRAMA DE AJUDA DIRECTA 2015-2016 Requisitos & Instruções

PROGRAMA DE AJUDA DIRECTA 2015-2016 Requisitos & Instruções PROGRAMA DE AJUDA DIRECTA 2015-2016 Requisitos & Instruções Cabo Verde VI Edição São Tomé e Príncipe IV Edição Guiné-Bissau II Edição O que é o Programa de Ajuda Directa (PAD)? O PAD é gerido pela Embaixada

Leia mais

Programa EDP SOLIDÁRIA

Programa EDP SOLIDÁRIA Programa EDP SOLIDÁRIA REGULAMENTO I. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1. A Fundação EDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

Sociedade Brasileira de Radioterapia SBRT Conveniada ao Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem - CBR

Sociedade Brasileira de Radioterapia SBRT Conveniada ao Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem - CBR REGULAMENTO PARA CANDIDATURA À SEDE DO CONGRESSO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE RADIOTERAPIA - SBRT O Congresso da Sociedade Brasileira de Radioterapia é o maior evento nacional da especialidade. Visando

Leia mais

Lei n.º 66/98 de 14 de Outubro

Lei n.º 66/98 de 14 de Outubro Lei n.º 66/98 de 14 de Outubro Aprova o estatuto das organizações não governamentais de cooperação para o desenvolvimento A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 161.º, alínea c), 166.º,

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE CAMINHA

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE CAMINHA REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE CAMINHA PREÂMBULO O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art. 21, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES

PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2006 [aprovado em reunião do CC em 11 de Novembro 2005] Introdução O IPRI-UNL definiu como objectivo fundamental para a sua actividade constituir-se como uma estrutura institucional

Leia mais

Cidadania O ASSOCIATIVISMO O RECENSEAMENTO MILITAR O RECENSEAMENTO ELEITORAL O VOLUNTARIADO

Cidadania O ASSOCIATIVISMO O RECENSEAMENTO MILITAR O RECENSEAMENTO ELEITORAL O VOLUNTARIADO 24 Capítulo 43 2 25 Estudos, Depois Formação da Outros Licenciatura e Trabalho Apoios 5 O ASSOCIATIVISMO O RECENSEAMENTO MILITAR O RECENSEAMENTO ELEITORAL O VOLUNTARIADO 5 Capítulo Capítulo 5 57 O ASSOCIATIVISMO

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Lagoa As bases do enquadramento jurídico do voluntariado, bem como, os princípios que enquadram o trabalho de voluntário constam na Lei n.º 71/98,

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA. Concurso. Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto

CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA. Concurso. Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto Concurso 2015 CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA PROJECTO APRESENTADO PARA EFEITO DE APRECIAÇÃO E RESPECTIVO

Leia mais

PELOURO DA PROCURADORIA ILÍCITA E ADVOCACIA PREVENTIVA PROPOSTA DE PLANO DE ACÇÃO

PELOURO DA PROCURADORIA ILÍCITA E ADVOCACIA PREVENTIVA PROPOSTA DE PLANO DE ACÇÃO PELOURO DA PROCURADORIA ILÍCITA E ADVOCACIA PREVENTIVA PROPOSTA DE PLANO DE ACÇÃO Analisado o problema da Procuradoria Ilícita, e tendo como objectivos não só o combate à procuradoria ilícita, como a implementação

Leia mais

REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU)

REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU) REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU) Para que a Pediatria portuguesa e as nossas crianças portadoras

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO. Por favor leia atentamente este documento antes de começar o seu processo de candidatura.

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO. Por favor leia atentamente este documento antes de começar o seu processo de candidatura. INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO Por favor leia atentamente este documento antes de começar o seu processo de candidatura. Só serão aceites as candidaturas submetidas através do formulário online, disponibilizado

Leia mais

Entrevista com Tetrafarma. Nelson Henriques. Director Gerente. Luísa Teixeira. Directora. Com quality media press para Expresso & El Economista

Entrevista com Tetrafarma. Nelson Henriques. Director Gerente. Luísa Teixeira. Directora. Com quality media press para Expresso & El Economista Entrevista com Tetrafarma Nelson Henriques Director Gerente Luísa Teixeira Directora Com quality media press para Expresso & El Economista Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

PROGRAMA IMPULSO JOVEM

PROGRAMA IMPULSO JOVEM PROGRAMA IMPULSO JOVEM (O PROGRAMA IMPULSO JOVEM APRESENTA UM CONJUNTO DE MEDIDAS DE INCENTIVO À CRIAÇÃO DE EMPREGO JOVEM, UM DOS PRINCIPAIS DESAFIOS COM QUE PORTUGAL SE CONFRONTA ATUALMENTE.) 1. PASSAPORTE

Leia mais

5º - Regra sobre a gestão de deslocações, Nacionais e Internacionais

5º - Regra sobre a gestão de deslocações, Nacionais e Internacionais 5º - Regra sobre a gestão de deslocações, Nacionais e Internacionais Como se pode constatar na regra 3, a filosofia de imputação de despesas com deslocações e subsistência, está directamente relacionada

Leia mais

(Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012)

(Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012) Regulamento Interno www.tone.pt (Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012) Introdução www.tone.pt A Tone Music Lda encontra-se sediada em Coimbra, circunscrevendo actualmente o seu raio de acção a este

Leia mais

Aos Órgãos Sociais da FAPODIVEL. Odivelas, 20 de Novembro de 2010. Caros Colegas,

Aos Órgãos Sociais da FAPODIVEL. Odivelas, 20 de Novembro de 2010. Caros Colegas, Aos Órgãos Sociais da FAPODIVEL Odivelas, 20 de Novembro 2010 Caros Colegas, Estando a terminar este ano de trabalho na Federação Concelhia de Odivelas, da qual eu fiz parte dos seus Órgãos Sociais neste

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2

REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2 REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2 O Decreto-Lei n.º 28/2008 publicado em Diário da República, 1ª série, Nº 38, de 22 de Fevereiro de 2008, que criou os agrupamentos de Centros

Leia mais

ESTATUTOS DO CENTRO DE FILOSOFIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA. Artigo 1.º (Natureza, Membros)

ESTATUTOS DO CENTRO DE FILOSOFIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA. Artigo 1.º (Natureza, Membros) ESTATUTOS DO CENTRO DE FILOSOFIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Artigo 1.º (Natureza, Membros) 1. O Centro de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, também designado abreviadamente como

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

Realização das Noites de Sociologia, encontro tertúlia subordinado a um tema, e que habitualmente se realiza em junho.

Realização das Noites de Sociologia, encontro tertúlia subordinado a um tema, e que habitualmente se realiza em junho. Índice 1. Introdução... 3 2. Atividades científicas, de formação e divulgação....3 3. Publicações.. 3 4. Internet... 4 5. Secções Temáticas e Núcleos Regionais 4 6. Outras atividades....4 2 1. Introdução

Leia mais

3. PRINCIPAIS TEMÁTICAS E CARACTERÍSTICAS DE ORGANIZAÇÃO DOS OPEN DAYS 2008

3. PRINCIPAIS TEMÁTICAS E CARACTERÍSTICAS DE ORGANIZAÇÃO DOS OPEN DAYS 2008 1. INTRODUÇÃO Em apenas 5 anos os OPEN DAYS Semana Europeia das Regiões e Cidades tornaram-se um evento de grande importância para a demonstração da capacidade das regiões e das cidades na promoção do

Leia mais

NÚCLEO DE MEDICINA INTERNA DOS HOSPITAIS DISTRITAIS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS

NÚCLEO DE MEDICINA INTERNA DOS HOSPITAIS DISTRITAIS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS Art. 1 - O Núcleo de Medicina Interna dos Hospitais Distritais, também designado abreviadamente por N. M. I. H. D., é uma Associação sem fins lucrativos

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias)

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias) Artigo 18º (Comissão Eleitoral) 1. O procedimento eleitoral será conduzido por uma comissão eleitoral constituída por dois vogais, designados pelo Conselho Científico de entre os seus membros, e presidida

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS. Coerência das Políticas: O Desafio do Desenvolvimento. Sessão Pública ABERTURA

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS. Coerência das Políticas: O Desafio do Desenvolvimento. Sessão Pública ABERTURA MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Coerência das Políticas: O Desafio do Desenvolvimento Sessão Pública 19.01.2011 Assembleia da República ABERTURA Senhor Presidente da Comissão dos Negócios Estrangeiros

Leia mais

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Ficha de Inscrição Encontre a resposta às suas dúvidas! Identifique a sessão pretendida: Porto AICEP (Rua António Bessa Leite, 1430-2.º andar)

Leia mais

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização 1. Introdução O presente questionário ajudá-lo-á a reflectir sobre os esforços desenvolvidos pela sua empresa no domínio da responsabilidade empresarial,

Leia mais

Fundação Cidade Lisboa

Fundação Cidade Lisboa Fundação Cidade Lisboa COLÉGIO UNIVERSITÁRIO DA COOPERAÇÃO - NUNO KRUS ABECASIS REGULAMENTO DE BOLSAS 2015/2016 I - DISPOSIÇÕES GERAIS 1 - O Colégio Universitário da Cooperação Nuno Krus Abecasis da Fundação

Leia mais

PROPOSTA. Ponto 5 da ordem de trabalhos da assembleia geral de acionistas da Galp Energia, SGPS, S.A., Sociedade Aberta, de 7 de maio de 2012

PROPOSTA. Ponto 5 da ordem de trabalhos da assembleia geral de acionistas da Galp Energia, SGPS, S.A., Sociedade Aberta, de 7 de maio de 2012 PROPOSTA Ponto 5 da ordem de trabalhos da assembleia geral de acionistas da Galp Energia, SGPS, S.A., Sociedade Aberta, de 7 de maio de 2012 POLÍTICA DE REMUNERAÇÕES 2012 Introdução A Comissão de Remunerações

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO Associação Regional de Ciclismo de Vila Real (ARCVR)

REGULAMENTO INTERNO Associação Regional de Ciclismo de Vila Real (ARCVR) REGULAMENTO INTERNO Associação Regional de Ciclismo de Vila Real (ARCVR) CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º Denominação e sede Social 1. A Associação tem a denominação de Associação Regional de Ciclismo

Leia mais

Regulamento Interno da Sociedade de Hematologia e Oncologia da Sociedade Portuguesa de Pediatria

Regulamento Interno da Sociedade de Hematologia e Oncologia da Sociedade Portuguesa de Pediatria Regulamento Interno da Sociedade de Hematologia e Oncologia da Sociedade Portuguesa de Pediatria Capítulo I (Denominação, sede, estrutura e objectivos) Artigo 1.º (Denominação) A Sociedade de Hematologia

Leia mais

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO ESPAÇO RESERVADO AO TI: PROPOSTA Nº DATA DA ENTRADA: / / RECEBIDO POR: I. IDENTIFICAÇÃO DO PROMOTOR NOME: Nº DE SÓCIO: MORADA: CÓDIGO POSTAL - LOCALIDADE: CONCELHO: TELEFONE:

Leia mais

Planeamento de Actividades e Orçamentos - 2012 -

Planeamento de Actividades e Orçamentos - 2012 - Planeamento de Actividades e Orçamentos - 2012 - WACT We Are Changing Together A WACT é uma Organização Não Governamental para o Desenvolvimento (ONGD), apolítica, laica, e sem fins lucrativos, com a missão

Leia mais

FUNÇÃO: Coordenador do Departamento de Comunicação (C_DCOM) e do Departamento de Educação para o Desenvolvimento e Advocacia Social (C_DEDAS)

FUNÇÃO: Coordenador do Departamento de Comunicação (C_DCOM) e do Departamento de Educação para o Desenvolvimento e Advocacia Social (C_DEDAS) FUNÇÃO: Coordenador do Departamento de Comunicação (C_DCOM) e do Departamento de Educação para o Desenvolvimento e Advocacia Social (C_DEDAS) LOCALIZAÇÃO: Sede - Lisboa Duração do Contrato: 1 ano, eventualmente

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA PETROBRAS CULTURAL MINAS GERAIS EDIÇÃO 2014 REGULAMENTO GERAL

SELEÇÃO PÚBLICA PETROBRAS CULTURAL MINAS GERAIS EDIÇÃO 2014 REGULAMENTO GERAL SELEÇÃO PÚBLICA PETROBRAS CULTURAL MINAS GERAIS EDIÇÃO 2014 REGULAMENTO GERAL 1. OBJETO Este regulamento estabelece as regras gerais da Seleção Pública Petrobras Cultural Minas Gerais Edição 2014. São

Leia mais

Normas do Concurso de Ideias de Negócio Escolas Empreendedoras

Normas do Concurso de Ideias de Negócio Escolas Empreendedoras Preâmbulo O concurso de Ideias de Negócio é uma iniciativa da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira. O presente documento visa regular o Concurso de Ideias Escolas Empreendedoras e pretende contribuir

Leia mais

Encarregados de Educação. Plano de Actividades 2007/2008

Encarregados de Educação. Plano de Actividades 2007/2008 Associação de Pais e Encarregados de Educação Plano de Actividades 2007/2008 A nível interno 1. Promover o bom Funcionamento administrativo da Associação Objectivo: Continuar a melhorar a organização e

Leia mais

PROGRAMA ESTRATÉGICO PARA 2013-2015

PROGRAMA ESTRATÉGICO PARA 2013-2015 PROGRAMA ESTRATÉGICO PARA 2013-2015 Abril, 2013 ÍNDICE Estrutura organizacional... 3 Objectivos e Estratégia... 5 Orientações... 5 Objectivos estratégicos triénio 2013-2015... 6 2 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

Leia mais

Center for Innovation, Technology and Policy Research Centro de Estudos em Inovação, Tecnologia e Políticas de Desenvolvimento

Center for Innovation, Technology and Policy Research Centro de Estudos em Inovação, Tecnologia e Políticas de Desenvolvimento IN+ Center for Innovation, Technology and Policy Research Centro de Estudos em Inovação, Tecnologia e Políticas de Desenvolvimento REGULAMENTO INTERNO (aprovado pelo Conselho Científico em 12/03/1999)

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes pág. 1 PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes MISSÃO Somos uma rede nacional escoteira de

Leia mais

PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006

PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006 PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006 Documento elaborado pelo: Conselho Local de Acção Social do Concelho do Núcleo

Leia mais

Questionário de entrevista com o Franqueador

Questionário de entrevista com o Franqueador Questionário de entrevista com o Franqueador O objetivo deste questionário é ajudar o empreendedor a elucidar questões sobre o Franqueador, seus planos de crescimento e as diretrizes para uma parceria

Leia mais

FUNDAÇÃO NACIONAL PARA A DEMOCRACIA DIRETRIZES DA PROPOSTA DIRETRIZ ADICIONAL

FUNDAÇÃO NACIONAL PARA A DEMOCRACIA DIRETRIZES DA PROPOSTA DIRETRIZ ADICIONAL Utilize este documento como uma ajuda adicional para escrever um orçamento ou narrativa da proposta. Se tiver outras perguntas, queria enviar um email à equipe regional do NED apropriada ou para proposals@ned.org.

Leia mais

FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS

FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS 1. Natureza e Finalidade O Fórum Regional de Educação Infantil do Alto Vale do Itajaí - FREIAVI é um espaço

Leia mais

Regulamento PAPSummer 2015

Regulamento PAPSummer 2015 Regulamento PAPSummer 2015 Artigo 1º Objectivos do programa, montante e designação das bolsas 1. O programa PAPSummer pretende dar a oportunidade a estudantes portugueses (Estudante) de desenvolver um

Leia mais

Edital de Seleção. Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil

Edital de Seleção. Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil Início das inscrições: 22 de fevereiro de 2013 Final das inscrições: 20 de março de

Leia mais

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS Presente em mais de 80 países e com mais de 280 escritórios em todos os Continentes, a MGI é uma das maiores

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 11 de 8 de Janeiro de 1991 Conselho de Administração O Conselho de Administração

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Denominação e Natureza) A Agência para a Promoção de Investimento e Exportações

Leia mais

Nô Pintcha Pa Dizinvolvimentu PAANE - Programa de Apoio aos Actores Não Estatais 10º FED/ Decisão Nº 21 338

Nô Pintcha Pa Dizinvolvimentu PAANE - Programa de Apoio aos Actores Não Estatais 10º FED/ Decisão Nº 21 338 Rua 10 - Dr. Severino Gomes de Pina ugp.paane@gmail.com 663 30 19 / 547 23 33 FORMULÁRIO DE PRÉ-INSCRIÇÃO NA BOLSA DE ANEs PARA PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA DE FORMAÇÃO AVANÇADA PARA ANEs Este formulário destina-se

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes pág. 1 VISÃO GERAL Objetivo 1 - No âmbito da seção escoteira, apoiar a correta aplicação do método escoteiro, em especial as práticas democráticas previstas

Leia mais

Plano de Atividades 2012

Plano de Atividades 2012 Plano de Atividades 2012 A Direção da rede ex aequo propõe o seguinte plano de atividades para o ano de 2012, tendo em conta oito áreas de intervenção consideradas prioritárias. 1. Área de Apoio 2. Área

Leia mais

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ Índice 1.0. Objectivo. 2 2.0. Campo de aplicação... 2 3.0. Referências e definições....... 2 4.0. Responsabilidades... 3 5.0. Procedimento... 4 5.1. Política da Qualidade 4 5.2. Processos de gestão do

Leia mais

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores Gestão e Organização de Conferências e Reuniões Organização de conferências e reuniões, nos mais variados formatos, tais como reuniões educativas, encontros de negócios, convenções, recepções, eventos

Leia mais

ESTATUTOS LISTA DOS MEMBROS FUNDADORES ASSOCIAÇÃO DE SUPERVISORES DE SEGUROS LUSÓFONOS (ASEL)

ESTATUTOS LISTA DOS MEMBROS FUNDADORES ASSOCIAÇÃO DE SUPERVISORES DE SEGUROS LUSÓFONOS (ASEL) ESTATUTOS E LISTA DOS MEMBROS FUNDADORES DA (ASEL) ESTATUTOS Artigo 1º Denominação, Objectivos, Sede e Duração 1. A associação adopta a denominação de ASSOCIAÇÃO DE SUPERVISORES DE SEGUROS LUSÓFONOS (ASEL),

Leia mais

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO MUNICIPAL TEMPORÁRIA DE JOVENS

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO MUNICIPAL TEMPORÁRIA DE JOVENS REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO MUNICIPAL TEMPORÁRIA DE JOVENS REGULAMENTO Artigo 1.º Objecto 1 O programa de ocupação municipal temporária de jovens, adiante abreviadamente designado por OMTJ, visa a ocupação

Leia mais

(Comunicações) PARLAMENTO EUROPEU

(Comunicações) PARLAMENTO EUROPEU 4.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 229/1 II (Comunicações) COMUNICAÇÕES DAS INSTITUIÇÕES, ÓRGÃOS E ORGANISMOS DA UNIÃO EUROPEIA PARLAMENTO EUROPEU Regulamento da Conferência dos Órgãos Especializados

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 SECRETARIAL & MANAGEMENT SUPPORT Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores

Leia mais

Todas as actividades do salão, serão levadas a efeito no Museu da Chapelaria e nos Paços da Cultura, que se situam em S. João da Madeira.

Todas as actividades do salão, serão levadas a efeito no Museu da Chapelaria e nos Paços da Cultura, que se situam em S. João da Madeira. SALÃO INTERNACIONAL DE ARTES PLÁSTICAS 2007 28 de Abril a 13 Maio 2007 S. JOÃO DA MADEIRA A organização deste Salão Internacional de Artes Plásticas de S. João da Madeira, é da responsabilidade do Rotary

Leia mais