Critérios para a avaliação ambiental de agrotóxicos no Brasil. Danilo Lourenço de Sousa Analista Ambiental

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Critérios para a avaliação ambiental de agrotóxicos no Brasil. Danilo Lourenço de Sousa Analista Ambiental"

Transcrição

1 Critérios para a avaliação ambiental de agrotóxicos no Brasil Danilo Lourenço de Sousa Analista Ambiental Workshop Agrotóxicos: onde estamos? Jaguariúna, 8 de outubro de

2 Registro de Agrotóxicos O registro de agrotóxicos, seus componentes e afins é uma condição obrigatória para toda e qualquer atividade que os utilize no país.

3 Histórico 3

4 Registro de agrotóxicos no Brasil 4

5 Impacto do uso incorreto de agrotóxicos no ambiente Contaminação hídrica; contaminação do solo; efeitos adversos em organismos não-alvo (fauna e flora); efeitos na saúde do homem.

6 Avaliação ambiental Conhecer os efeitos tóxicos de agentes químicos e físicos nos organismos vivos; conhecer as vias de entrada e transporte dos agentes químicos e a sua interação com o ambiente.

7 Avaliação ambiental Organismos teste Toxicologia Ratos, coelhos, cães Ecotoxicologia Aquáticos: algas, peixes, microcrustáceos Terrestres: aves, abelhas Extrapolação para Objetivo Homem Proteção dos indivíduos, saúde Ecossistema Manutenção da estrutura e das funções dos sistemas naturais

8 Avaliação Ambiental de agrotóxicos compreende duas vertentes: a Avaliação e classificação do Potencial de Periculosidade Ambiental (PPA) e a Avaliação de Risco Ambiental (ARA). A Portaria IBAMA nº 84, de 15/10/1996 disciplina a avaliação do PPA e dá diretrizes gerais para a ARA.

9 Avaliação e Classificação do PPA Se baseia no PERIGO, toxicidade e características intrínsecas da substância; capacidade de uma substância química causar dano aos organismos; a avaliação do PERIGO não considera a exposição no meio ambiente.

10 Avaliação do potencial de periculosidade ambiental Qual o efeito nocivo causado pelo agente químico?

11 Avaliação do potencial de periculosidade ambiental PRODUTO TÉCNICO COMPONENTES PRODUTO FORMULADO + ANTIESPUMANTE TENSOATIVO ESPESSANTE NEUTRALIZANTE ESPUMANTE OUTROS... ALTO GRAU DE PUREZA FAIXA: 80 a 99% Média teor de I.A. = 32% COMPOSIÇÕES VARIAM

12 Avaliação do potencial de periculosidade ambiental Dossiê ecotoxicológico Dossiê ecotoxicológico Dossiê físicoquímico Produto Técnico Produto Formulado Dossiê físicoquímico Estudo de 5 bateladas Mín. de 82 estudos

13 A partir da avaliação dos relatórios de estudos é possível caracterizar o produto e conhecer seu comportamento e destino ambiental bem como sua toxicidade a diferentes organismos. Imagem: 13

14 Classificação do PPA Classificação Classe I Classe II Classe III Classe IV Descrição Altamente Perigoso Muito Perigoso Perigoso Pouco Perigoso 14

15 Classificação do Potencial de Periculosidade Ambiental 15

16 Da avaliação do Perigo para a avaliação de Risco Ambiental A portaria IBAMA nº 84/96 já trazia algumas diretrizes gerais para a avaliação de risco; Em 2002, com a nova regulamentação da lei de agrotóxicos, sua implementação passou a ser claramente requerida pelo artigo nº 95 do Decreto nº

17 O que é risco? Risco é a probabilidade de dano, doença ou morte sob circunstâncias específicas; Pode ser expresso em termos quantitativos, ou seja, em valores numéricos; Pode ser descrito em termos qualitativos: alto, baixo,muito baixo; Toda atividade humana acarreta algum grau de risco que pode ser conhecido com um certo grau de precisão;

18 O que é risco? Especificamente falando de substâncias tóxicas: Risco é a probabilidade de efeito adverso resultante da exposição a uma substância química ou mistura delas Risco = Toxicidade x Exposição O antônimo do risco é a segurança, definida como a certeza calculada que a exposição a um agente tóxico sob certas circunstâncias não resultará em efeitos adversos.

19

20 Avaliação de Risco Ambiental Processo que avalia a probabilidade de que um efeito ecológico adverso possa ocorrer, ou esteja ocorrendo, como resultado da exposição a um ou mais agrotóxicos (U.S. EPA, 1988). 20

21 Avaliação de Risco Ambiental x Avaliação de Risco à Saúde Humana Avaliação de Risco à saúde Humana Avaliação de Risco Ambiental Efeito adverso Efeitos adversos à saúde aquele que pode comprometer a sobrevivência, o crescimento ou a reprodução, podendo assim comprometer a população e alterar a estrutura e/ou o funcionamento do ecossistema. Objetivo de proteção Clareza quanto aos efeitos proteger os indivíduos de uma espécie (humana) Dúvidas, principalmente quanto aos efeitos subletais Proteger a população, a função ecológica ou serviço ambiental Magnitude do efeito Organismos teste Riscos x aspectos econômicos Não mais que uma pessoa afetada Rato, camundongo, coelho (em geral) Extrapolação para o humano se dá por fatores de segurança Em geral os riscos a saúde humana tem um peso maior frente aos aspectos econômicos (alta percepção do valor da saúde) Admite-se a morte de alguns organismos, desde que a população, comunidade ou sua função ecológica permaneça Vários, de diferentes grupos (microcrustáceos, peixes, minhocas, abelhas, aves, rato) Maior dificuldade para extrapolar em virtude das particularidades locais Em geral os riscos ao meio ambiente tem um peso menor frente aos aspectos econômicos (baixa percepção do valor dos serviços ambientais) 21

22 Fonte: USEPA, Guidelines for Ecological Risk Assessment,

23 Abordagem faseada e iterativa Diferentes níveis de detalhe Fase 1 (Tier 1): qualitativa (triagem/screening) = poucos dados, usa o pior cenário, é conservadora. Fase 2 (Tier 2): semi-quantitativa (refinamento de dados, cenário um pouco mais realístico) Fase 3 (Tier 3): quantitativa (condições de campo) A abordagem em fases fornece um modo sistemático de determinar que nível de investigação é necessário para cada substância, minimizando detalhamentos desnecessários e permitindo o uso mais eficiente dos recursos.

24 Créditos: Prof. Dra. Andrea Waichman - UFAM Universidade Federal do Amazonas.

25

26 Formulação do problema Qual a forma de aplicação? Qual a dose recomendada? Qual a época de aplicação? Qual a quantidade máxima de aplicação? Qual o intervalo mínimo entre as aplicações? Qual é a cultura? Qual é o alvo? Qual o tipo de solo que predomina na região? Qual o clima? Quais animais visitam a cultura? Qual o período e a frequência? Recursos hídricos?

27 Diagrama conceitual 27

28 Fonte: Guidance for the Development of Conceptual Models for a Problem Formulation Developed for Registration Review, EPA, 2011.

29 Caracterização da exposição A caracterização da exposição descreve: as fontes do estressor, sua distribuição no meio ambiente e seu contato ou co-ocorrência com os receptores ecológicos. Para que se consiga saber se o estressor pode entrar em contato com o receptor ecológico e quanto desse estressor pode entrar em contato, são calculadas as concentrações esperadas do estressor no ambiente. Para se predizer essa concentração, são utilizados modelos matemáticos de exposição.

30 Caracterização da exposição (Fase 1) Modelos Aquáticos GENEEC (GENeric Estimated Environmental Concentration) FIRST (FQPA Index Reservoir Screening Tool): Desenvolvido por US-EPA US-EPA Estima a exposição em água superficial água para consumo humano TIER I RICE MODEL US-EPA proveniente do uso de agrotóxicos em campos de arroz irrigados SCIGROW (Screening Concentration In GROund Water) FOCUS FOrum for Co-ordination of pesticide fate models and their Use) ARAQUÁ (Avaliação de Risco Aquático) US-EPA EU Embrapa Meio Ambiente - Brasil água subterrânea água superficial água superficial e subterrânea

31 Caracterização dos efeitos Avalia as relações dose- resposta ou evidências de que a exposição ao estressor causa uma resposta. A avaliação de efeitos pode ser baseada em informações obtidas de uma única espécie (testes em laboratório) ou testes de toxicidade, em microcosmos ou mesocosmos e ainda de estudos de campo.

32 Caracterização do risco Abordagem Determinística US-EPA: Cálculo dos quocientes de risco (QR): QR = Exposição (CAE) Toxicidade O QR é comparado com o Nível de Preocupação (Level of Concern = LOC). O LOC é uma ferramenta para interpretar o quociente de risco e analisar o risco aos organismos não alvo

33 Caracterização do risco

34 Gestão do Risco PLANEJAMENTO E ESCOPO ANÁLISE CARACTERIZAÇÃO Fatores Legais SÍNTESE DECISÃO Valores Sociais Fonte: EPA (adaptado) Fatores Tecnológicos 34

35 Situação atual da ARA no IBAMA Por enquanto, o risco é avaliado apenas para novos I.A.s e apenas em fase 1 (cenário de pior caso) Utilização dos modelos EPA para gerar as CAEs Ainda carece de um procedimento normatizado Necessidade de calibração dos modelos para uso nas condições brasileiras Necessidade de desenvolver os cenários brasileiros para poder avançar para as fases mais complexas (Fases 2 e 3)

36 O Resultado da Avaliação Ambiental está no rótulo e bula dos produtos!!!

37 Obrigado! Danilo Lourenço de Sousa Analista Ambiental Ibama Sede COASP Coordenação de Avaliação de Substâncias Perigosas Fone: (61)

Avaliação ambiental e a atuação do IBAMA no registro de agrotóxicos

Avaliação ambiental e a atuação do IBAMA no registro de agrotóxicos INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS VEIS - IBAMA Avaliação ambiental e a atuação do IBAMA no registro de agrotóxicos Reunião da Câmara Temática de Insumos Agropecuários

Leia mais

Atual Cenário da Avaliação de Risco para Polinizadores no Brasil. Fórum de Especialistas CGEE 15/09/2016

Atual Cenário da Avaliação de Risco para Polinizadores no Brasil. Fórum de Especialistas CGEE 15/09/2016 Atual Cenário da Avaliação de Risco para Polinizadores no Brasil Fórum de Especialistas CGEE 15/09/2016 Karina Cham Analista Ambiental Carlos Tonelli Analista Ambiental Programação Papel do Ibama no Registro

Leia mais

Registro de Agrotóxicos no Brasil

Registro de Agrotóxicos no Brasil Produtos Fitossanitários Registro de Agrotóxicos no Brasil HELEN CALAÇA 02/08/2016 O que é um agrotóxico? Produtos correlatos Impurezas FORMULAÇÃO INGREDIENTE ATIVO Produto Formulado Produto Comercial

Leia mais

Situação Atual da Reavaliação Ambiental de Agrotóxicos

Situação Atual da Reavaliação Ambiental de Agrotóxicos Situação Atual da Reavaliação Ambiental de Agrotóxicos Colmeia Viva, 01/09/16 Flávia Viana-Silva Colaboração: Equipe Reavaliação Risco Especificamente falando de substâncias tóxicas: Risco é a probabilidade

Leia mais

Histórico, Evolução e Conceitos Básicos da Toxicologia... 1

Histórico, Evolução e Conceitos Básicos da Toxicologia... 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... PREFÁCIO... IX XI CAPÍTULO 1 Histórico, Evolução e Conceitos Básicos da Toxicologia.... 1 1.1 CONCEITOS E ELEMENTOS BÁSICOS.... 5 1.1.1 A Substância... 6 1.1.2 O Organismo Afetado....

Leia mais

Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas. Exigências legais do MAPA. Jaguariúna SP junho de 2009

Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas. Exigências legais do MAPA. Jaguariúna SP junho de 2009 Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas Exigências legais do MAPA Jaguariúna SP junho de 2009 REGULAMENTAÇÃO Histórico da Legislação 1934: Decreto que aprova o Regulamento de

Leia mais

XXX Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas Curitiba/PR, 23 de agosto de 2016

XXX Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas Curitiba/PR, 23 de agosto de 2016 PAINEL Aspectos Regulatórios da Área de Agrotóxicos: Processo de Reavaliação de Herbicidas no Brasil Avaliação e Reavaliação de Herbicidas: como funciona e o que o MAPA pode fazer. XXX Congresso Brasileiro

Leia mais

IV Fórum de Recursos Hídricos

IV Fórum de Recursos Hídricos IV Fórum de Recursos Hídricos CRQ-IV São Paulo, 17 de março de 2016 Panorama da Situação Atual das Áreas Contaminadas Eng. Rodrigo César de Araújo Cunha, Dr. Setor de Avaliação e Auditoria de Áreas Contaminadas

Leia mais

CGCRE / INMETRO. Reconhecimento da Conformidade aos Princípios das Boas Práticas de Laboratório - BPL

CGCRE / INMETRO. Reconhecimento da Conformidade aos Princípios das Boas Práticas de Laboratório - BPL CGCRE / INMETRO Reconhecimento da Conformidade aos Princípios das Boas Práticas de Laboratório - BPL Rio de Janeiro, 10 de maio de 2012 Elisa Rosa dos Santos Assessoria Técnica - DICLA/CGCRE/INMETRO INMETRO:

Leia mais

MISTURAS DE DEFENSIVOS

MISTURAS DE DEFENSIVOS MISTURAS DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS EM TANQUE Ac. Albert Kenji Hirose Ac. André Hiroshi Kobayashi Ac. Fausto Nimer Terrabuio Ac. Gustavo Takeshi Hacimoto INTRODUÇÃO Misturas em tanque associações de dois

Leia mais

9. Classificação de agentes químicos quanto a toxicidade e periculosidade

9. Classificação de agentes químicos quanto a toxicidade e periculosidade 9. Classificação de agentes químicos quanto a toxicidade e periculosidade Existem certos riscos associados ao uso de produtos químicos: Danos materiais Danos à saúde humana Danos ambientais (seres vivos

Leia mais

Avaliação de risco toxicológico

Avaliação de risco toxicológico Avaliação de risco toxicológico UFVJM Mestrado SaSA Disciplina de Toxicologia ambiental e de alimentos Prof. Dr. Antonio Sousa Santos A avaliação do risco é dividida em quatro momentos: Identificação do

Leia mais

SQM Poluentes Químicos e Ecotoxicologia

SQM Poluentes Químicos e Ecotoxicologia Universidade de São Paulo Instituto de Química de São Carlos SQM 0438 - Poluentes Químicos e Ecotoxicologia Toxicologia Ambiental / Ecotoxicologia Profa. Dra. Janete Harumi Yariwake Toxicologia Ambiental

Leia mais

Os perigos específicos a seguir apresentados estão de acordo com o Decreto-lei n.º330-a/98, de 2 de Novembro.

Os perigos específicos a seguir apresentados estão de acordo com o Decreto-lei n.º330-a/98, de 2 de Novembro. Os perigos específicos a seguir apresentados estão de acordo com o Decreto-lei n.º330-a/98, de 2 de Novembro. PERIGOS ESPECÍFICOS (RISK PHRASES) R1 Explosivo no estado seco. R2 Risco de explosão por choque,

Leia mais

A Proteção de Dados Como Incentivo à Inovação na Defesa Vegetal

A Proteção de Dados Como Incentivo à Inovação na Defesa Vegetal A Proteção de Dados Como Incentivo à Inovação na Defesa Vegetal José Eduardo Vieira de Moraes ANDEF Associação Nacional de Defesa Vegetal São Paulo, 25 de agosto de 2014 Desafios Por que Precisamos das

Leia mais

1. PÁTIO DE LAVAGEM 2. RESERVATÓRIO DE DECANTAÇÃO 3. CONJUNTO MOTOBOMBA 4. OZONIZADOR (1g de ozônio/hora) 5. RESERVATORIO DE OXIDAÇÃO (500 L PVC) 6.

1. PÁTIO DE LAVAGEM 2. RESERVATÓRIO DE DECANTAÇÃO 3. CONJUNTO MOTOBOMBA 4. OZONIZADOR (1g de ozônio/hora) 5. RESERVATORIO DE OXIDAÇÃO (500 L PVC) 6. Defensivos Agrícolas, Produtos Fitossanitários, Agrotóxicos ou Pesticidas? FCA / UNESP Campus de Botucatu DPV Defesa Fitossanitária raetano@fca.unesp.br TERMINOLOGIA Agrotóxicos: Lei dos Agrotóxicos 7.802/89

Leia mais

- FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) SAPÓLIO RADIUM CLORO (PÓ) Elaboração: P&D Solange Hernandes

- FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) SAPÓLIO RADIUM CLORO (PÓ) Elaboração: P&D Solange Hernandes Página 1 de 6 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Sapólio Radium Cloro (Pó) Código Interno: 14003 / 14016 Empresa: BOMBRIL S/A Telefone de Emergência: 0800 014 8110 2 - COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

TECNOHIDRO Projetos Ambientais

TECNOHIDRO Projetos Ambientais Gerenciamento de Áreas em Minas Gerais Seminário FEAM: Avaliação de Risco a Saúde Humana no Gerenciamento de Áreas FEAM-MG Belo Horizonte, 17 de agosto de 2011 TECNOHIDRO Projetos Ambientais Alexandre

Leia mais

FISPQ DP /01/2012 Página 1 de 6

FISPQ DP /01/2012 Página 1 de 6 Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: HCl Algicida Choque Aplicação: Eliminação de Algas Nome da Empresa: Hidroall

Leia mais

Ciências do Ambiente. Prof. M.Sc. Alessandro de Oliveira Limas Engenheiro Químico (UNISUL ) Mestre em Engenharia de Alimentos (UFSC )

Ciências do Ambiente. Prof. M.Sc. Alessandro de Oliveira Limas Engenheiro Químico (UNISUL ) Mestre em Engenharia de Alimentos (UFSC ) Ciências do Ambiente Prof. M.Sc. Alessandro de Oliveira Limas Engenheiro Químico (UNISUL - 1995) Mestre em Engenharia de Alimentos (UFSC - 2002) Ciências Ambientais Estudo sistemático tico da natureza

Leia mais

Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Solo Contaminado - VIGISOLO MÓDULO III - LEGISLAÇÕES

Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Solo Contaminado - VIGISOLO MÓDULO III - LEGISLAÇÕES Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Solo Contaminado - VIGISOLO MÓDULO III - LEGISLAÇÕES Site PISAST http://pisast.saude.gov.br:8080/pisast/saudeambiental/legislacao-relacionada/legislacaorelacionada

Leia mais

Aspectos de Segurança e Meio Ambiente Toxicologia e Biodegradabilidade. Silvana Kitadai Nakayama Merck

Aspectos de Segurança e Meio Ambiente Toxicologia e Biodegradabilidade. Silvana Kitadai Nakayama Merck Aspectos de Segurança e Meio Ambiente Toxicologia e Biodegradabilidade Silvana Kitadai Nakayama Merck Repelentes de Insetos IR3535 DEET Óleo de Citronela Óleo de Neem Óleo de Andiroba e outros óleos naturais

Leia mais

Aula 1: Introdução à Química Ambiental

Aula 1: Introdução à Química Ambiental DISCIPLINA: QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL Aula 1: Introdução à Química Ambiental Prof a. Lilian Silva 2012 Análises químicas para fornecer informações relevantes sobre estudos ambientais ou para o monitoramento

Leia mais

NOTA TÉCNICA 04/2016 Esclarecimentos sobre capina química em ambiente urbano de intersecção com outros ambientes.

NOTA TÉCNICA 04/2016 Esclarecimentos sobre capina química em ambiente urbano de intersecção com outros ambientes. NOTA TÉCNICA 04/2016 Esclarecimentos sobre capina química em ambiente urbano de intersecção com outros ambientes. Gerência Geral de Toxicologia - GGTOX Gerência de Saneantes - GESAN Diretoria de Autorização

Leia mais

FICHA DE IDENTIFICAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE IDENTIFICAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS 1 Identificação do Produto e da Empresa Nome do Produto: Empresa: Koube Indústria de Produtos Automotivos Ltda Endereço: Av dos Pinheirais, 1347 Araucária - PR CEP: 83705-575 Tel/Fax: (41) 3404 2306 E-mail:

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA. Agrotóxicos

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA. Agrotóxicos MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA Avaliação Ecotoxicológica de Agrotóxicos Intercâmbio de informações sobre Avaliação Toxicológica

Leia mais

Classificação, embalagem e rotulagem de produtos fitofarmacêuticos novo quadro legal

Classificação, embalagem e rotulagem de produtos fitofarmacêuticos novo quadro legal Classificação, embalagem e rotulagem de produtos fitofarmacêuticos novo quadro legal Francisca Almeida Lei 26/2013, de 11 Abril Regula as atividades de distribuição, venda e aplicação de produtos fitofarmacêuticos

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS EM TOXICOLOGIA

CONCEITOS BÁSICOS EM TOXICOLOGIA CONCEITOS BÁSICOS EM TOXICOLOGIA Conceitos básicos TOXICOLOGIA: Agente tóxico Organismo vivo efeito nocivo 1 Transdisciplinaridade Patologia Saúde Pública Química Física Estatística TOXICOLOGIA Farmacologia

Leia mais

PAINEL Produtos (princípios ativos) reavaliados pela ANVISA, IBAMA e MAPA. XXXV Ciclo de Reuniões da CSM/PR Foz do Iguaçú/PR, 24 de agosto de 2016

PAINEL Produtos (princípios ativos) reavaliados pela ANVISA, IBAMA e MAPA. XXXV Ciclo de Reuniões da CSM/PR Foz do Iguaçú/PR, 24 de agosto de 2016 PAINEL Produtos (princípios ativos) reavaliados pela ANVISA, IBAMA e MAPA XXXV Ciclo de Reuniões da CSM/PR Foz do Iguaçú/PR, 24 de agosto de 2016 RESUMO Legislação Federal de Agrotóxicos Necessidade do

Leia mais

1.1. Problemas decorrentes da contaminação das águas por agrotóxicos

1.1. Problemas decorrentes da contaminação das águas por agrotóxicos 16 1 INTRODUÇÃO 1.1. Problemas decorrentes da contaminação das águas por agrotóxicos O desenvolvimento da síntese orgânica durante a Segunda Guerra Mundial e a consolidação do padrão tecnológico da agricultura

Leia mais

- FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ

- FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 01 Stripalene 1/5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: STRIPALENE REMOVEDOR DE TINTAS Fórmula Química: Mistura a base de Diclorometano (CH 2 Cl 2 ). Uso / aplicação do produto: Removedor

Leia mais

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Curso de Auto-aprendizagem PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Estudos de análise de risco em instalações com produtos perigosos José Carlos de Moura Xavier CETESB Análise

Leia mais

Registro de Agrotóxicos e Afins

Registro de Agrotóxicos e Afins MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA Registro de Agrotóxicos e Afins 5ª ª Reunião do GT/CONAMA-agrotóxicos Brasília, 29 de

Leia mais

A importância do uso de Equipamentos de Protecção Individual (EPI s).

A importância do uso de Equipamentos de Protecção Individual (EPI s). Workshop Prevenção e redução dos riscos associados à utilização de produtos fitofarmacêuticos A importância do uso de Equipamentos de Protecção Individual (EPI s). 29 de Junho de 2016 Maria Manuel Garrão

Leia mais

nos locais de trabalho e capacitação de profissionais e trabalhadores

nos locais de trabalho e capacitação de profissionais e trabalhadores Estratégias para implantação do GHS nos locais de trabalho e capacitação de profissionais e trabalhadores Gilmar da Cunha Trivelato Pesquisador Titular FUNDACENTRO MG Membro do GT GHS GHS Brasil Seminário

Leia mais

Quadro IV.1 - Componente 3. Avaliação da Exposição. Fonte: OPS/EPA, 1996

Quadro IV.1 - Componente 3. Avaliação da Exposição. Fonte: OPS/EPA, 1996 Quadro IV.1 - Componente 3. Avaliação da Exposição Agente? População Quadro IV.2 - O que é a Avaliação da Exposição? A avaliação da exposição é a determinação ou estimativa da magnitude, frequência, duração

Leia mais

Metodologias integradas de gestão da qualidade ecológica. Métodos de evidência ponderada

Metodologias integradas de gestão da qualidade ecológica. Métodos de evidência ponderada Metodologias integradas de gestão da qualidade ecológica Métodos de evidência ponderada Modelo de informação e gestão ambiental Activ. humanas Respostas Pressões Impacte Modelo DPSIR Estado LOE - Linha

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico PRODUTO: Eko Auto DATA: 18/02/2008 REVISADO: 26/01/2013 Revisado: 24/09/2014 1.IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Eko Auto Aplicação:

Leia mais

Análise de Resíduos de Pesticidas Geisa Resende Novembro/2011

Análise de Resíduos de Pesticidas Geisa Resende Novembro/2011 Análise de Resíduos de Pesticidas Geisa Resende Novembro/2011 Agenda 1. Definição de Resíduos de Pesticidas / Agrotóxicos 2. Estudos de Resíduos 3. Métodos Analíticos: Validação; LOQ / LOD; 4. Expressão

Leia mais

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Curso de Auto-aprendizagem PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Identificação e classificação de produtos perigosos: Sistema harmonizado globalmente para a classificação

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICOS FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA 2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICOS FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA 2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES Pág. 1/5 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICOS FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA Nome do produto: GESSO Cód. Interno de Identificação do Produto: Nome da Empresa: POLIDENTAL INDÚSTRIA

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) ECOBRIL LAVA LOUÇAS CONCENTRADO (Maracujá com Alecrim e Laranja com Gengibre)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) ECOBRIL LAVA LOUÇAS CONCENTRADO (Maracujá com Alecrim e Laranja com Gengibre) Página 1 de 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Ecobril Lava Louças Concentrado Códigos internos: Maracujá e Alecrim frasco (24/500ml): 13003 Maracujá e Alecrim refil (24/500ml): 13004 Laranja

Leia mais

1º WORKSHOP INTERNACIONAL DE GERENCIAMENTO DE MATERIAL DRAGADO

1º WORKSHOP INTERNACIONAL DE GERENCIAMENTO DE MATERIAL DRAGADO 1º WORKSHOP INTERNACIONAL DE GERENCIAMENTO DE MATERIAL DRAGADO Realização: Parceiros: O Tecam Laboratórios realiza ensaios ecotoxicológicos de acordo com a ISO 17025 para caracterização de material a ser

Leia mais

Subsídios à Gestão Territorial dos Recursos Hídricos. José Dilcio Rocha Embrapa Gestão Territorial

Subsídios à Gestão Territorial dos Recursos Hídricos. José Dilcio Rocha Embrapa Gestão Territorial Subsídios à Gestão Territorial dos Recursos Hídricos José Dilcio Rocha Embrapa Gestão Territorial Conteúdo A sinergia agricultura, água e energia A importância da irrigação Produção de alimentos e uso

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) Página 1 de 6 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do produto: Código interno: 5042 Aplicação: secante abrilhantador de louças para máquinas de lavar louças Empresa: BOMBRIL S/A TELEFONE DE

Leia mais

Remediação de Solo e Diretrizes para Gestão de Aguas Subterrâneas

Remediação de Solo e Diretrizes para Gestão de Aguas Subterrâneas RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA DIRETORIA DE QUALIDADE AMBIENTAL - DIQUA Seminário FIESP Cooperação Brasil-Holanda: Remediação de Solo e Diretrizes para Gestão de Aguas Subterrâneas Recuperação de

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) LIMPADOR DE ELETRODOMÉSTICOS PRATICE

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) LIMPADOR DE ELETRODOMÉSTICOS PRATICE Pág.: 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Limpador de Eletrodomésticos Pratice Código interno: 7185 Aplicação: Limpador de Eletrodomésticos / Limpador de superfícies / Limpador de Uso

Leia mais

QUALIDADE DAS ÁGUAS EM PARQUES AQUÍCOLAS. Dra. Rachel Magalhães Santeiro INCISA Instituto Superior de Ciências da Saúde

QUALIDADE DAS ÁGUAS EM PARQUES AQUÍCOLAS. Dra. Rachel Magalhães Santeiro INCISA Instituto Superior de Ciências da Saúde QUALIDADE DAS ÁGUAS EM PARQUES AQUÍCOLAS Dra. Rachel Magalhães Santeiro INCISA Instituto Superior de Ciências da Saúde Desenvolvimento da aqüicultura estudos limnológicos manejo para manutenção de alta

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) Página 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Lava Louças Limpol Gel Códigos internos: Cristal: 05028 Aloe Vera: 05029 Calêndula: 05030 Ylang-Ylang: 05031 Algas: 05032 Aplicação: Detergente

Leia mais

FISPQ FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS

FISPQ FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS FISPQ n : 004 Data última revisão: 06/05/2011 Página:1/5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: Amaciante Blanc Nome da Empresa: Class Industria Química Endereço: Rua Claudino Gazzi,

Leia mais

CURSO AVALIAÇÃ ÇÃO O ECOTOXICOLÓGICA DE ÁGUAS NATURAIS E RESIDUAIS. Módulo 3 BIOENSAIOS

CURSO AVALIAÇÃ ÇÃO O ECOTOXICOLÓGICA DE ÁGUAS NATURAIS E RESIDUAIS. Módulo 3 BIOENSAIOS CURSO AVALIAÇÃ ÇÃO O ECOTOXICOLÓGICA DE ÁGUAS NATURAIS E RESIDUAIS Módulo 3 BIOENSAIOS OBJECTIVOS GERAIS Transmitir conceitos relacionados com Avaliação Ecotoxicológica de águas naturais e residuais e

Leia mais

SABONETE LIQUIDO SOAP CLEAN GLICERINADO

SABONETE LIQUIDO SOAP CLEAN GLICERINADO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: Literaturas específicas sobre o produto PÁG Página 1 de 5 1 IDENTIFICAÇÃO Nome do produto: SOAP CLEAN GLICERINADO Principais usos recomendados: O Soap Clean Glicerinado é indicado

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) NO AR ODORIZANTE DE AMBIENTES (PINK e LE LIS)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) NO AR ODORIZANTE DE AMBIENTES (PINK e LE LIS) Página 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Códigos internos: Le Lis (12/300ml): 9025 Pink (12/300ml): 9026 Aplicação: Odorizar ambientes e tecidos. Empresa: BOMBRIL S/A TELEFONE

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: SISTEMA HARMONIZADO GLOBALMENTE PARA A CLASSIFICAÇÃO E ROTULAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: SISTEMA HARMONIZADO GLOBALMENTE PARA A CLASSIFICAÇÃO E ROTULAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: SISTEMA HARMONIZADO GLOBALMENTE PARA A CLASSIFICAÇÃO E ROTULAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS 1. Conceito Por Aramis Cardoso GHS é significa Sistema Harmonizado

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) MON BIJOU AMACIANTE DE ROUPAS (Pureza, Harmonia, Natureza, Magia e Baby)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) MON BIJOU AMACIANTE DE ROUPAS (Pureza, Harmonia, Natureza, Magia e Baby) Pág.: 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Mon Bijou Amaciante de roupas Aplicação: Amaciante de Roupas Códigos internos: Versão Código (500 ml) Código (2L) Código (5L) Pureza 4021 19255

Leia mais

Aula 1. 3º)A biodiversidade inclui componentes físicos do ambiente como minerais, agua ar? Justifique

Aula 1. 3º)A biodiversidade inclui componentes físicos do ambiente como minerais, agua ar? Justifique Aula 1 1º) Conceitue meio ambiente É tudo que tem a ver com o ser ou com um grupo de seres vivos. É o conjunto de fatores, sociais e culturais que envolvem um individuo e com os quais ele interage. 2º)

Leia mais

Empresa: BOMBRIL S/A TELEFONE DE EMERGÊNCIA: Elaborado: 03/06/2013 Revisão: 00 Página 1 de 5. Elaboração: P&D Solange Hernandes

Empresa: BOMBRIL S/A TELEFONE DE EMERGÊNCIA: Elaborado: 03/06/2013 Revisão: 00 Página 1 de 5. Elaboração: P&D Solange Hernandes Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Códigos internos: Múltipla Ação 1L / 10011 2L / 19300 Múltipla Ação Flores de Limão 1L / 10012 - Alta Performance 1L / 10013 - Maciez

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA 2016/2017 CIÊNCIAS NATURAIS (2º ciclo)

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA 2016/2017 CIÊNCIAS NATURAIS (2º ciclo) (2º ciclo) 5º ano Compreender a como um planeta especial. Compreender que o solo é um material terrestre de suporte de vida. Compreender a importância das rochas e dos minerais. Compreender a importância

Leia mais

No. do Documento : Data da Publicação : 06/06/2012 Versão : 1,00 Substitui : --- Estado Documento : Publicado

No. do Documento : Data da Publicação : 06/06/2012 Versão : 1,00 Substitui : --- Estado Documento : Publicado Meguiar s Brasil Via Anhanguera, Km 110 Sumaré - SP CEP 13181-900 Fone : 0800 0132333 Fone de Emergência : (19) 3838-7000 (24 horas) ============================================================================

Leia mais

GHS aplicado a óleos lubrificantes. Prof. MSc. Fabriciano Pinheiro Diretor Técnico - Intertox

GHS aplicado a óleos lubrificantes. Prof. MSc. Fabriciano Pinheiro Diretor Técnico - Intertox GHS aplicado a óleos lubrificantes Prof. MSc. Fabriciano Pinheiro Diretor Técnico - Intertox Outubro - 2013 www.intertox.com.br SEGURANÇA QUÍMICA Conceito É a prevenção dos efeitos adversos, para o ser

Leia mais

Reavaliação toxicológica de agrotóxicos realizada pela Anvisa: atualização dos procedimentos

Reavaliação toxicológica de agrotóxicos realizada pela Anvisa: atualização dos procedimentos Reavaliação toxicológica de agrotóxicos realizada pela Anvisa: atualização dos procedimentos Camila Queiroz Moreira Coordenação de Reavaliação Gerência de Pós-registro Gerência Geral de Toxicologia 23

Leia mais

SUMÁRIO DE REVISÕES. Rev. Data DESCRIÇÃO E/OU ITENS REVISADOS 01 25/02/2014 Modificação do Modelo de APP Análise preliminar de Perigo.

SUMÁRIO DE REVISÕES. Rev. Data DESCRIÇÃO E/OU ITENS REVISADOS 01 25/02/2014 Modificação do Modelo de APP Análise preliminar de Perigo. PROCEDIMENTO PARA ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO Página: 1 / 8 SUMÁRIO DE REVISÕES Rev. Data DESCRIÇÃO E/OU ITENS REVISADOS 01 25/02/2014 Modificação do Modelo de APP Análise preliminar de Perigo. 02 26/02/2014

Leia mais

Troca de materiais entre os componentes bióticos e abióticos dos ecossistemas.

Troca de materiais entre os componentes bióticos e abióticos dos ecossistemas. Troca de materiais entre os componentes bióticos e abióticos dos ecossistemas. CICLO do FÓSFORO CICLO SEDIMENTAR APATITA Ca 3 (PO 4 ) 2 erosão de rochas fosfatadas CICLO RÁPIDO CICLO LENTO PICO DO FÓSFORO

Leia mais

Vias de Entrada dos Produtos Químicos no Organismo

Vias de Entrada dos Produtos Químicos no Organismo Riscos químicos Consideram-se agentes de riscos químicos aqueles cuja periculosidade é devido a um produto ou composto químico. Podem penetrar o organismo do trabalhador através a inalação (poeiras, fumos,

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÃO SOBRE OS INGREDIENTES

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÃO SOBRE OS INGREDIENTES Página 1 de 5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Detergente Neutro Nome da Empresa: Guimarães Produtos Químicos e de Limpeza Ltda Telefones da Empresa: Fone: (48) 3623-1175 e-mail: guimaraespl@terra.com.br

Leia mais

CONCEITOS DE ECOLOGIA. É a história natural científica que se relaciona à sociologia e economia dos animais (Elton,1937)

CONCEITOS DE ECOLOGIA. É a história natural científica que se relaciona à sociologia e economia dos animais (Elton,1937) CONCEITOS DE ECOLOGIA É a ciência das biocenoses (Clemens, 1916) É a história natural científica que se relaciona à sociologia e economia dos animais (Elton,1937) É a ciência que estuda as leis que regem

Leia mais

DOCUMENTO N : DATA DE ELABORAÇÃO: DATA DE REVISÃO: REVISÃO N : PÁGINA: FISPQ /11/ /11/ de 5

DOCUMENTO N : DATA DE ELABORAÇÃO: DATA DE REVISÃO: REVISÃO N : PÁGINA: FISPQ /11/ /11/ de 5 FISPQ.010 22/11/2016 22/11/2016 00 1 de 5 1.IDENTIFICAÇÃO Nome do Produto: Citronela Biocarb Nome da Empresa: Bio Carb Indústria Química Ltda. Endereço: Rua Luiz Valenza nº 100 Bairro: CIC, CEP: 81350-080.

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) SAPÓLIO RADIUM LIMPA INOX

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) SAPÓLIO RADIUM LIMPA INOX Página 1 de 6 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: Sapólio Radium Limpa Inox Códigos Internos: 14036 (12/300ml) Empresa: BOMBRIL S/A Telefone de Emergência: 0800 014 8110 2 - COMPOSIÇÃO E

Leia mais

Autodepuração dos cursos d água Capítulo 05- Noções de Ecotoxicologia Engenheiro Plínio Tomaz 03/08/08

Autodepuração dos cursos d água Capítulo 05- Noções de Ecotoxicologia Engenheiro Plínio Tomaz 03/08/08 5.1 Introdução O início da ecotoxicologia se deu em 1969 com o pesquisador francês René Truhaut. A palavra eco vem do grego oikos que quer dizer casa, domicilio, habitat e daí saiu o termo ecologia. A

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) Página 1 de 7 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome: Sabão em Barra Limpol com Amaciante Código interno: 15503 Empresa: BOMBRIL S/A TELEFONE DE EMERGÊNCIA: 0800 014 8110 2 - COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) LUSTRA MÓVEIS Q BRILHO

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) LUSTRA MÓVEIS Q BRILHO Página 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: LUSTRA MÓVEIS Q BRILHO Códigos internos: Flor de Lavanda 12/200 ml: 7560 12/500 ml: 7561 Flor de Laranjeira 12/200 ml: 7564 12/500

Leia mais

Análise de Riscos Ambientais. Roteiro. Conceitos

Análise de Riscos Ambientais. Roteiro. Conceitos Análise de Riscos Ambientais Lupércio F. Bessegato lupercio@est.ufmg.br Roteiro 1. Conceitos 2. Ferramentas de Análise de Riscos: APP Hazop FMEA e FTA 3. Modelos de Decisão: Determinísticos Probabilísticos

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos NEUTROL

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos NEUTROL 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Nome da empresa: Otto Baumgart Ind. e Com. S/A Endereço: Rua Coronel Marcílio Franco, 1063 São Paulo S.P. Telefone da empresa: (11) 6901-5522 /

Leia mais

ENTRE A TERRA E O MAR

ENTRE A TERRA E O MAR ENTRE A TERRA E O MAR ESCOLA DE MAR INVESTIGAÇÃO, PROJECTOS E EDUCAÇÃO EM AMBIENTE E ARTES No mar existem muitos animais e todos eles se relacionam entre si de alguma forma! BIODIVERSIDADE A água é um

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) ÓLEO PARA MÓVEIS Q BRILHO

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) ÓLEO PARA MÓVEIS Q BRILHO Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: ÓLEO PARA MÓVEIS Q BRILHO Códigos internos: 12/200 ml: 7570 Aplicação: Proteger, dar brilho e revitalizar a madeira. Empresa: BOMBRIL

Leia mais

Avaliação de Risco Ecológico

Avaliação de Risco Ecológico Seminário de Gerenciamento de Áreas Contaminadas Avaliação de Risco Ecológico Cristiane Lima Analista de Risco Ambiental Engenheira Química, D.Sc. O que é Avaliação de Risco Ecológico? Processo em que

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO (FISPQ / MSDS) PEROXYDEX LOÇÃO

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO (FISPQ / MSDS) PEROXYDEX LOÇÃO FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO (FISPQ / MSDS) PEROXYDEX LOÇÃO 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Identificação do produto: Uso do produto: Descrição do produto: PEROXYDEX LOÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS DO USO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS PARA A QUALIDADE DA ÁGUA

AVALIAÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS DO USO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS PARA A QUALIDADE DA ÁGUA SPADOTTO CA. 2009. Avaliação de riscos ambientais do uso de defensivos agrícolas para a qualidade da água. Horticultura Brasileira 27: S4060-S4070. AVALIAÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS DO USO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS

Leia mais

QUÍMICA ANALÍTICA V 2S Prof. Rafael Sousa. Notas de aula:

QUÍMICA ANALÍTICA V 2S Prof. Rafael Sousa. Notas de aula: QUÍMICA ANALÍTICA V 2S 2011 Aulas 1 e 2 Estatística Aplicada à Química Analítica Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula: www.ufjf/baccan Algarismos significativos

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) Página 1 de 6 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do produto: Códigos internos: Gatilho (12X500 ml): 07104 Refil (12X500 ml): 07105 Squeeze (12X500 ml): 07106 Aplicação: Limpa Vidros. Empresa:

Leia mais

Aplicação de GIS Móvel na Gestão de Impactos Ambientais

Aplicação de GIS Móvel na Gestão de Impactos Ambientais Aplicação de GIS Móvel na Gestão de Impactos Ambientais Tópicos Apresentação da Leica Geosystems e unidades no Brasil Definição de GIS/SIG móvel Linha Leica Zeno GIS Definição de Impacto Ambiental Aplicações

Leia mais

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR ª Fase PROVA DE BIOLOGIA

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR ª Fase PROVA DE BIOLOGIA 1) O processo fotossintético é fundamental para a vida das plantas. a) Explique por que uma planta mantida em uma intensidade de radiação abaixo do seu ponto de compensação luminoso não cresce. b) O gráfico,

Leia mais

Rotulagem de Produtos Químicos. Profª Loraine Jacobs

Rotulagem de Produtos Químicos. Profª Loraine Jacobs Rotulagem de Produtos Químicos Profª Loraine Jacobs lorainejacobs@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/lorainejacobs Importância As substâncias perigosas constituem um fator de risco em todos

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA PARA PRODUTO QUÍMICO MEC PASTA DESENGRAXANTE 1610

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA PARA PRODUTO QUÍMICO MEC PASTA DESENGRAXANTE 1610 01 - IDENTIFIÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Código Interno: 1610 MEC PASTA DESENGRAXANTE Empresa: RHAI INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE MASSAS PLÁSTICAS LTDA Endereço: Rodovia PR 506, 44 km 2 Distrito de Araçatuba

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) Página 1 de 6 1. DENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome: Códigos internos: Squeeze: 7181 Aplicação: Limpador de uso geral Empresa: BOMBRIL S/A. Marginal Direita da Via Anchieta, km14 - Rudge Ramos

Leia mais

-ECOLOGIA APLICADA. Espécies símbolos. Prevenção da Poluição. Conservação de áreas. Preservação da diversidade genética bbbb

-ECOLOGIA APLICADA. Espécies símbolos. Prevenção da Poluição. Conservação de áreas. Preservação da diversidade genética bbbb -ECOLOGIA APLICADA * É o estudo dos efeitos causados pelo homem nos sistemas ecológicos, e o consequente manejo desses sistemas e recursos em benefício da sociedade. Espécies símbolos Questões Prevenção

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) SAPÓLIO RADIUM CREMOSO (Bouquet, Lavanda, Limão, Original e Pinho)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) SAPÓLIO RADIUM CREMOSO (Bouquet, Lavanda, Limão, Original e Pinho) Página 1 de 6 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: Sapólio Radium Cremoso Códigos Internos: Bouquet: 14015 Lavanda: 14014 Limão: 14009 Original: 14007 Pinho: 14010 Empresa: BOMBRIL S/A Endereço:

Leia mais

Avaliação de risco ambiental de agrotóxicos no Ibama 1. A avaliação de risco e a avaliação ambiental como requisito para o registro de agrotóxico

Avaliação de risco ambiental de agrotóxicos no Ibama 1. A avaliação de risco e a avaliação ambiental como requisito para o registro de agrotóxico Avaliação de risco ambiental de agrotóxicos no Ibama 1 A avaliação de risco e a avaliação ambiental como requisito para o registro de agrotóxico A necessidade de uma avaliação ambiental de agrotóxicos

Leia mais

Eliminação e Recuperação de Lixões em Minas Gerais: estágio atual e perspectivas

Eliminação e Recuperação de Lixões em Minas Gerais: estágio atual e perspectivas SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Eliminação e Recuperação de Lixões em Minas Gerais: estágio atual e perspectivas Cíntia Guimarães dos Santos Gerência de Áreas Contaminadas/GERAC

Leia mais

Na Atmosfera da Terra: Radiação, Matéria e Estrutura Unidade temática 2

Na Atmosfera da Terra: Radiação, Matéria e Estrutura Unidade temática 2 Sumário Na Atmosfera da Terra: Radiação, Matéria e Estrutura Unidade temática 2 Breve história. Composição média da atmosfera atual. Agentes de alteração da concentração de constituintes vestigiais da

Leia mais

CONAMA 357/2005 E CLASSIFICAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

CONAMA 357/2005 E CLASSIFICAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS CONAMA 357/2005 E CLASSIFICAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS Dra. Gisela de Aragão Umbuzeiro gerente da Divisão de Toxicologia, Genotoxicidade e Microbiologia Ambiental da CETESB email: giselav@cetesbnet.sp.gov.br

Leia mais

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP LER 432 Máquinas e Implementos Agrícolas TÓPICO: Máquinas para Aplicação de Produtos Fitossanitários Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP AGROTÓXICO Sinônimos: Produto Fitossanitário Pesticida

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS (FISPQ)

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS (FISPQ) Página 1 de 5 SEÇÃO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO... BRAVO CLASSIC (AMARELO, VERDE, INCOLOR E VERMELHO) (Embalagem em frasco de 850 ml, 750 ml, Refil de 500 ml e frasco de 2 litros.)

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Pagina: 1 de 6 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do versões: Tradicional, Fresh, Citrus e Limpeza pesada. Principal uso: Limpeza geral de superfícies laváveis com 1,15% de ativo Nome da Empresa:

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) DETERGENTE LIMPOL (Neutro, Cristal, Limão, Coco, Maçã, Chá Verde, Laranja e Caribe)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) DETERGENTE LIMPOL (Neutro, Cristal, Limão, Coco, Maçã, Chá Verde, Laranja e Caribe) Página 1 de 7 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Detergente Limpol Códigos internos: Neutro: 5004 (500ml) / 19008 (5L) Cristal: 5002 (500ml) Limão: 5003 (500ml) Coco: 5006 (500ml) Maçã: 5005

Leia mais

Na Atmosfera da Terra: Radiação, Matéria e Estrutura Unidade temática 2

Na Atmosfera da Terra: Radiação, Matéria e Estrutura Unidade temática 2 Sumário Na Atmosfera da Terra: Radiação, Matéria e Estrutura Unidade temática 2 Breve história. Composição média da atmosfera atual. Agentes de alteração da concentração de. - Contaminação e toxicidade.

Leia mais

Curso Técnico em Zootecnia

Curso Técnico em Zootecnia Curso Técnico em Zootecnia Aula: 01/01 SUB TEMA: INTRODUÇÃO À Professor: Vitor Hugo SUB TEMA: HISTÓRIA DA HÁ MUITO TEMPO MAIS DE 5 MIL ANOS PROCURAM-SE SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS COM O OBJETIVO DE CURAR AS MAIS

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: SOLUÇÃO TAMPÃO ph 7 - Código interno de identificação do produto: S1036 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para Laboratórios Ltda

Leia mais

Contaminação das águas subterrâneas

Contaminação das águas subterrâneas Contaminação das águas subterrâneas i Infiltração de efluentes, irrigação de efluentes líquidos i Depósito de resíduos i Acidentes i Vazamentos em áreas de estocagem e dentro de processos produtivos i

Leia mais

Ciências Naturais 5º ano

Ciências Naturais 5º ano Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Escola E.B.,3 Dr. António Chora Barroso Ciências Naturais 5º ano Planificação a Longo Prazo 013/014 Planificação, finalidades e avaliação Grupo Disciplinar

Leia mais