A GRANDE ESTRATÉGIA NAS EMPRESAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A GRANDE ESTRATÉGIA NAS EMPRESAS"

Transcrição

1 A GRANDE ESTRATÉGIA NAS EMPRESAS Prof. Dr. Giancarlo S. R. Pereira RESUMO Trata-se do retorno do conceito da Grande Estratégia na administração de empresas, com o mesmo significado que tem na literatura da estratégia militar. Para viabilizar esse conceito, desenvolveu-se um conjunto de sete bases para o sucesso nas empresas. Na análise dessas bases recuperou-se o conceito de sinergia entre as bases para o sucesso. São mostrados de uma forma pragmática como utilizar a grande Estratégia nas empresas. ABSTRACT This paper focuses on the return of the concept of the Grand Strategy in Business Administration, having the same meaning which it does in the literature of military strategy. In order to make this concept possible, a set of seven bases was developed aiming at company s success. In the bases analysis, the concept of synergy was recovered among the bases for the successes. It is shown in a pragmatic way how to make use of the Grand Strategy in companies. PALAVRAS CHAVES Estratégia, Grande Estratégia, Bases para o Sucesso. 1

2 A GRANDE ESTRATÉGIA NAS EMPRESAS Grande Estratégia é a tradução do inglês grand strategy, termo usual de estratégia militar usado em estratégia das empresas. No dicionário Webster, grand apresenta como primeiro significado: higher in rank, dignity, etc., than other having the same title or designation. Portanto, seria aceitável traduzir grand strategy como a mais alta estratégia. A tradução correta talvez fosse a primeira estratégia. Apesar de imperfeito, acreditamos que o termo Grande Estratégia prevalecerá. Termo usual na literatura da estratégia militar, a Grande Estratégia é anterior ao início de um conflito, para decidir como será o conflito entre países. Tratase da primeira decisão do conflito, para escolher, tanto quanto possível, a forma de combater o oponente, escolha efetuada entre opções como : guerra armada, conflito diplomático, embargo econômico, guerrilhas, sabotagens, etc., segundo B. H. Liddel Hart, em seu clássico livro: Military Strategy. Isso lembra os históricos duelos pessoais da Idade Média, onde o desafiado tinha a prerrogativa de escolher com que armas iria duelar. Em administração, por analogia, Grande Estratégia é a escolha de uma categoria de ações para levar a empresa ao sucesso. Depois dessa escolha, segue-se a estratégia normal, ou a lógica, para detalhar essas ações. O conceito de Grande Estratégia chegou a constar de livros de administração, por exemplo, o Strategic Management and Business Policy, de W. F. Glueck e L. R. Jauch, A falha desses autores foi considerar que as alternativas da Grande Estratégia nas empresas estava reduzida à escolha do ritmo e do nível de esforço nas ações estratégicas subseqüentes. Modernamente, considera-se que escolhido o tipo de ações estratégicas, estas serão executadas com ênfase e prioridade máxima, por isso, a abordagem desses autores ficou ultrapassada. Evidente se torna a importância de revitalizar o conceito de Grande Estratégia, tendo como uma das vantagens acabar com as intermináveis discussões sobre a importância relativa aos diversos assuntos da teoria de administração, 2

3 com opiniões apaixonadas, quase dogmáticas, do tipo: estratégia é tudo, marketing é a única coisa que importa, tudo depende da motivação dos empregados, etc. Saber reconhecer o mais importante para a administração da empresa torna-se de extraordinária relevância. Em nosso entendimento, as categorias de ações que determinam o sucesso na competição pelo mercado, são o que realmente importa, o que chamaremos de bases para o sucesso. A Grande Estratégia consiste no uso da lista das bases para o sucesso, para análisar e decidir sobre: - qual, ou quais, bases para o sucesso a empresa vai utilizar? - se for usada mais de uma base para o sucesso, qual será a ordem de importância delas? - devemos sair do negócio? - devemos entrar em outro negócio? - e, outras decisões complementares. Examinando essas atribuições da Grande Estratégia, percebe-se facilmente que são decisões que devem acontecer antes de qualquer detalhamento do plano estratégico ou lógico das empresas. Como exemplo, não é recomendável começar a pensar ou repensar a Estratégia Competitiva de uma empresa sem antes ter claro qual será a ênfase a ser dada nas outras bases para o sucesso. SOBRE O SUCESSO DAS EMPRESAS Esperando contar com a devida compreensão das palavras, podemos dizer que, na literatura de administração, o tema sucesso tem sido um fracasso. Isso é intrigante, pois a essência das teorias e técnicas de administração visa propiciar o sucesso das empresas. Implicitamente, quase toda a literatura de 3

4 administração é pró-sucesso das empresas. Explicitamente, a palavra sucesso é relativamente pouco usada para descrever o propósito básico das empresas. Uma das razões para o pequeno uso da palavra sucesso na literatura de administração, é a falta de precisão nas definições. Certos termos considerados sinônimos, na realidade não o são. Vejamos alguns exemplos: (1) Excelência - Ser excelente não é exatamente o mesmo que ser bemsucedido. Sucesso nas situações competitivas, é um termo relativo, pois basta ser um pouco melhor que os concorrentes. Excelente é um termo absoluto, está acima de qualquer comparação, corresponde a ser muito melhor. Uma empresa não precisa ser muito melhor do que seus concorrentes; Para ter sucesso, é suficiente ser um pouco melhor nos aspectos certos. (2) Atender aos objetivos da empresa - Uma empresa pode ter sido muito competente na luta para atingir seus objetivos, mas se não conseguiu atingilos foi porque a reação dos concorrentes esteve muito forte. Outra pode ter tido a situação inversa, que apresentou-se pouco competente, porém ultrapassou os objetivos porque os concorrentes tiveram reação fraca. A palavra sucesso é mais restrita do que objetivos. Uma empresa terá sucesso se for melhor do que os concorrentes, independentemente da força ou fraqueza dos mesmos. (3) Usar técnicas administrativas modernas. O sucesso virá pelo uso da técnica administrativa certa, seja ela moderna ou não. Por exemplo, um downsizing poderá contribuir para o insucesso de uma empresa e para o sucesso de outra, o skill based pay pode ser útil a uma empresa e negativo para outra. Sucesso não pode ser considerado como sendo sempre uma decorrência do uso de uma determinada técnica na administração. Portanto, haverá sempre a necessidade do alinhamento entre a técnica usada e a estrutura existente. O critério básico para avaliar o sucesso é a competitividade. Basta ser um 4

5 pouco melhor do que os concorrentes, mais competitivo, para conseguir atender a todas as restrições da empresa, como: lucro acima de um mínimo, crescimento igual ou maior do que o mercado, atender a legislação, ter um mínimo plausível de ética, etc., e ainda sobrar alguma energia para o atendimento de objetivos diversos dos dirigentes. Estas colocações bastam para mostrar que o tema sucesso em administração precisa ser tratado diretamente, sem misturar com excelência, objetivos, uso de técnicas modernas, que não são exatamente sinônimos de sucesso. Evidentemente, todos os textos de administração falam indiretamente de sucesso. É obvio que isso dá perda de eficácia, com propostas administrativas menos abrangentes do que se teria se direta, em vez de indiretamente, partíssemos em busca de uma teoria do sucesso das empresas. Para encerrar essa breve abertura, vale citar uma frase de Hamel e Prahalad: competitividade deve ser pesquisada perguntando o que e não o porquê, e fazer a sua generalização - sucesso deve ser pesquisado perguntando o que e não o porquê. Nossa pretensão ao pesquisar o que fundamenta o sucesso das empresas, visa descobrir algumas bases, que isoladamente ou combinadas entre si, são responsáveis pelo sucesso das empresas. As possibilidades de combinação das bases, mais a diversidade de aspectos de cada base, dá um número tão grande de casos possíveis, que, na prática, cada empresa pode constituir um caso particular. Acreditamos que o número de bases para o sucesso é muito pequeno. Nesse caso, a potencialidade do conjunto de bases para o sucesso será extraordinário. OS CAMINHOS PARA ENCONTRAR AS CAUSAS BÁSICAS DO SUCESSO NAS EMPRESAS Para desvendar as bases para o sucesso nas empresas há vários modos para pesquisa. Utilizamos, simultaneamente, três modos de pesquisa para aumentar as chances de conseguirmos formar um conjunto de bases para o sucesso. Utilizamos todas as formas que nos pareceram viáveis, que são: 5

6 - analisar depoimentos de altos executivos de empresas bem sucedidas ; - analisar o que está implícito nas teorias de administração atuais ; - pesquisar opiniões, em entrevistas abertas. A seguir, vamos descrever cada um desses modos de pesquisar. A descrição passará a impressão de que elas aconteceram em sucessão, o que não foi o caso. Descrever de outra forma, mais fidedigna com a cronologia dos eventos, seria muito confuso e conseqüentemente ineficaz. A ANÁLISE DE DEPOIMENTOS DE ALTOS EXECUTIVOS O que não falta nas livrarias são depoimentos de dirigentes de empresas narrando a história do seu sucesso. Nos jornais aparecem regularmente entrevistas com pessoas notáveis e reportagens sobre empresas bemsucedidas. Para facilitar os interessados a imprensa especializada faz anualmente a relação das maiores e melhores empresas. O assunto seguramente tem atenção privilegiada dos leitores e escritores. Para John Micklethwait e Adrian Woolridge, autores de Os Bruxos da Administração, o primeiro escritor que se notabilizou nessa linha editorial foi Napoleon Hill, que em l934, quando ainda eram pioneiros os autores de livros sobre administração, escreveu Tink and Grow Rich, narrando a historia do sucesso de mais de 500 empresários notáveis da época. O livro vendeu 7 milhões de exemplares. Sempre existiram livros com biografias ou autobiografias de altos executivos que tiveram sucesso em suas empresas. Com essa abundância de casos publicados, deveria ser possível identificar os fatores relevantes para o sucesso das empresas, ou, como diriam os colegas das ciências exatas, poder-se-ia identificar as leis do sucesso. Tentamos, mas nunca conseguimos, nem conhecemos alguém que tenha conseguido isso. Chris Argyris, psicólogo da Harvard Business School, acha que o fracasso ensina mais que o sucesso, ou em outros termos, acha que histórias de sucessos tem eficácia limitada. Sentimos claramente que o caminho da análise dos depoimentos de altos executivos é difícil demais para nossa competência. Falta, talvez, uma categorização prévia para a classificação das 6

7 histórias, ou alguma coisa desse tipo. Sobrou frustração, por nada termos conseguido. Mas, seguramente o assunto permanece aberto e deve ter potencial para outras contribuições. Essa forma de pesquisar fica aguardando alguém capaz de decifrá-la. A ANÁLISE DAS IMPLICAÇÕES DAS TEORIAS ATUAIS Desnecessário contar ou fazer estatística para identificar que a literatura recente de administração considera que estratégia é a mais importante base para o sucesso das empresas. Há autores que chegam a afirmar exageradamente, que estratégia é tudo. Existe, sem dúvida, um consenso de que a base mais importante do sucesso das empresas é se ter uma boa estratégia. M. Porter, no seu artigo famoso What is strategy na HBR nov /dez l996, trata dos limites da estratégia, tendo que fazer afirmações para rebater que estratégia é tudo, dizendo que...há empresas japonesas que venceram sem nunca ter tido estratégia, só com eficiência. Também de M. Porter, l980, temse a Análise Estrutural da Industria, que se revelou extremamente útil para se analisar a qualidade de uma indústria, isto é, a lucratividade média das empresas de uma determinada indústria em um longo período de tempo. Em l980, M. Porter colocou uma das primeiras categorizações para o sucesso com suas três estratégias genéricas, as quais foram muito criticadas e, nos últimos seminários e artigos, este não mais menciona as estratégias genéricas. As maiores críticas foram dirigidas ao radicalismo de Porter, ao afirmar que as estratégias genéricas eram incompatíveis entre si. A empresa que optasse pôr uma delas precisaria abandonar as outras duas. J. Kay, autor de Fundamentos do Sucesso Empresarial, l993, tem também sua posição sobre o sucesso. Ele argumenta que a estratégia deve ser desenvolvida em torno da identificação da força de uma empresa em quatro áreas : sua reputação (que pode incluir marcas ), sua capacidade de inovar, seus ativos estratégicos (como patentes de drogas ou um monopólio sancionado pelo governo) e sua arquitetura, ou seja, a rede de 7

8 relacionamentos dentro e fora da empresa. A nossa posição é começar com um número mínimo defensável de bases para o sucesso, que estejam bem presentes na literatura de administração, que sejam de uma evidência inquestionável. Acrescentamos gradativamente. outras bases para compor o conjunto final das bases para o sucesso das empresas. Na lista inicial, a primeira base de sucesso deve atender aquela condição que não depende da excelência da administração, tipo mina de ouro de alta concentração: outra, deve ser o custo baixo adivindo da especialização como já salientou Adam Smith no Inquérito Sobre a Riqueza das Nações desde 1776, terceira é a estratégia de empresas, o highlight da literatura contemporânea. Com essas considerações, a lista inicial das bases para o sucesso das empresas foi a seguinte : A. Estar em um bom negócio em si, possibilitando a todas as empresas que estão nesse negócio tornarem-se igualmente bem-sucedidas. B. Ter maior funcionalidade interna que os concorrentes, facilitando o sucesso criado pelos menores custos. C. Ter uma melhor estratégia, dando vantagem à empresa no jogo competitivo, e viabilizando que uma empresa se diferencie dos concorrentes, ficando com a parte melhor e maior do mercado pelo qual compete. A estratégia de uma empresa não deve objetivar liquidar com os concorrentes, embora isso possa eventualmente acontecer, seu objetivo é ter mais sucesso (ou menos fracasso) do que os concorrentes. Certamente, a lista com três bases para o sucesso é pequena demais. Os títulos dos livros sobre estratégia mais recentes passaram a evidenciar que o campo da estratégia deveria ser subdividido em pelo menos duas partes. Vários autores dividem a estratégia em várias partes mas não existe um perfeito consenso sobre a denominação dessas partes. Existem duas divisões 8

9 mais comuns: Estratégia para competir pelo presente ou para operar um negócio, e estratégia para competir pelo futuro ou para mudar, inventar, um negócio representada por Hamel, Prahalad e Abell. Estratégia para reestruturar o setor, ou de mudança de cadeia de valor, e estratégia para competir sem mudar o setor, ou só pela preferência dos clientes, representada por M. Porter. Comparando-as nos parece que a divergência é mais de nomenclatura do que de conteúdo: a estratégia para competir pelo presente é muito similar à estratégia para competir pela preferência dos clientes; a estratégia para competir pelo futuro tem alguma similaridade com a estratégia para reestruturar o setor. Outros autores notáveis como Day e outros, em Wharton on Dynamic Competitive Strategy afirmam que a estratégia dinâmica requer antecipar e ajustar-se : (a) às reações dos competidores, (b) às alterações dos desejos dos clientes, (c) às mudanças no mundo dos negócios. O livro seguiu essa divisão de assuntos. Não é mencionada a divisão da estratégia, mas ela está implícita nos itens b e c. Existem ainda autores que preferem outras divisões de estratégia, como por exemplo, D Aveni em Hipercompetição que propõe que para a estratégia ser mais dinâmica, deve ser dividida em 4 arenas chaves da hipercompetição: Custo e Qualidade; Timing e Know-How ; Fortalezas e Reservas Financeiras. Muitos outros livros recentes dedicam-se somente à estratégia para competir pela preferência dos clientes e consumidores. Os livros mais antigos, na sua maior parte, deixam estratégia como indivisível. Após essa revisão, deveremos escolher qual autor seguir, ou que posição tomar. Preferimos tomar uma posição, não para ser diferente, mas pela busca 9

10 de maior clareza nas definições e conceitos. Optamos por dividir a estratégia tradicional em duas : C 1 - Estratégia Competitiva - isto é, para competir pela preferência dos clientes. C 2 - Estratégia para Mudar o Negócio, para que este fique melhor do que o negócio tradicional, onde os concorrentes operam, porém sem mudar o tipo de produto/serviço. Dividindo a estratégia tradicional nessas duas novas partes, fica de fora um assunto usual nos livros de estratégia : a invenção do produto e do seu negócio, formando um monopólio temporário. A invenção é, sem dúvida, uma base para o sucesso importante e vem sendo tratada dentro da estratégia. Com a divisão que fizemos, ela não cabe na Estratégia Competitiva, pois como monopólio temporário não apresenta competidores. Também não cabe na Estratégia para Mudar o Negócio, porque a empresa inventora tem um negócio novo e exclusivo. Conseqüentemente, para acomodar a invenção excluída das estratégias, precisamos criar uma nova base para o sucesso. C 3 - Administração de Invenções, do produto e dos seu(s) negócios(s) com monopólio temporário. Passamos assim para cinco bases para o sucesso das empresas. A continuação da análise das teorias atuais como forma de pesquisar outras bases de sucesso, resultou improdutiva. Resolvemos ficar com essas cinco bases para o sucesso e passar para a terceira das formas de pesquisar mencionadas anteriormente. A lista, para nós, só poderia ser aumentada através de outros meios. PESQUISA DE OPINIÕES EM ENTREVISTAS ABERTAS Escolhemos discussões em grupos de alunos de pós-graduação, na maioria professores de administração de empresas. A eles foram explicadas as cinco bases para o sucesso discutidas, exemplificadas, e aplicadas na discussão de 10

11 casos reais. Depois, solicitamos que se preparassem para discutir a possibilidade de ampliar o número de bases para o sucesso. Foi solicitado: (l) Leitura dos depoimentos de altos executivos, de empresas bem-sucedidas, para detectar se a base de sucesso declarada não estava incluída nas cinco apresentadas; (2) Análise do conhecimento de alguma empresa cujo sucesso não pode ser atribuído a uma das cinco bases ou a uma combinação delas. Quanto à primeira incumbência, o grupo não apresentou nada de positivo, sendo impossível saber se por falta de empenho suficiente ou por qualquer outra razão. A segunda incumbência resultou produtiva. Detectamos que existem algumas empresas que são bem sucedidas devido a características de competência e personalidade de poucas pessoas. O exemplo que ilustra esse caso foi a empresa do megainvestidor George Soros, famoso pelo expertise para localizar oportunidades de investimentos, investir, especular e realizar grandes lucros. O sucesso da empresa é ele. Aberto este conceito de nova base de sucesso, o grupo localizou vários outros casos: uma corretora de imóveis em São Paulo, de sucesso rapidíssimo, um escritório de arquitetura famoso, uma empresa de propaganda genial, etc. Faltava dar um nome a essa base para o sucesso. Optamos por Tática Interpessoal, que na verdade traz dentro de si todas as outras bases reunidas e exploradas por um executivo de visão e força extraordinárias no relacionamento de algumas (poucas) pessoas com outras de fora da empresa. Se o relacionamento das pessoas notáveis for só com as de dentro da empresa tem-se um caso de Funcionalidade Interna. O grupo indicou ainda outra nova base para o sucesso, colocado como natural, da seguinte forma: se a Funcionalidade Interna é uma base para o sucesso das empresas, então deve existir uma outra que seria a Funcionalidade Externa, representada por conseguir custos mais baixos que o 11

12 dos concorrentes nas operações para aquisição de seus insumos e levar seus produtos/serviços aos consumidores, sem mudar o negócio, também chamada de logística de transportes. Não é de se considerar fundir as funcionalidade em uma só, ficando funcionalidade interna e externa. Ocorre que elas têm problemas administrativos muito diferentes entre si e assim devem ser mantidas como duas funcionalidades distintas. LISTA DAS BASES PARA O SUCESSO DAS EMPRESAS Apresentamos as sete bases para o sucesso das empresas na seqüência que foram surgindo. Apesar do número de bases ser restrito ao suficiente para serem memorizados facilmente, achamos conveniente colocá-los em nova seqüência, de acordo com um critério mais objetivo do que o critério histórico. O critério que adotaremos, segue uma ordem de dificuldade crescente para competir. O quadro 1, mostra na coluna da esquerda as condições com dificuldade crescente para competir, e, na coluna da direita, o título da correspondente base para o sucesso. 12

13 QUADRO 1 Situações para competir Bases do Sucesso (Pela ordem de facilidade) 1) NÃO TER CONCORRENTES - Monopólio por invenção de produto e do 1 Administração de Invenções seu negócio (Monopólio Virtual) - Monopólio legal ou por dominação do (desconsiderado) Mercado 2) TER SITUAÇÃO ONDE É FÁCIL CONCORRER (Todos concorrentes podem ter sucesso) 2 - Estar em um bom negócio em si 3) TER CONCORRENTES,. PORÉM NOSSA EMPRESA TEM VANTAGEM SOBRE ELES - Pela preferência por parte dos 3 - Estratégia Competitiva consumidores - Pela diferenciação no negócio 4 - Estratégia para Mudar o Negócio - Pela diferenciação de pessoas da 5 - Tática Interpessoal empresa na localização e tratamento de novas oportunidades de negócios 4) TER CONCORRENTES - Porém nossa empresa é mais ativa e 6 Funcionalidade Interna eficiente para operar 5) TER CONCORRENTES - Porém nossa empresa não difere em ( desconsiderado) nenhum aspecto Vamos mencionar alguns exemplos de empresas que têm notoriedade em uma das bases para o sucesso. As empresas citadas poderão ter mais de uma base 13

14 para o sucesso, todavia mencionaremos apenas aquela que for mais notória. 1. ADMINISTRAÇÃO DE INVENÇÕES. Inventar um produto/serviço é apenas uma parte. Os exemplos ficam bons quando a empresa também inventa o negócio para o produto novo, por exemplo: XEROX - teve a invenção da copiadora e inventou o negócio de alugar máquinas de copiar, recebendo por cópia tirada. Se ela vendesse as máquinas, ficaria no negócio similar ao dos mimeógrafos. Com a concorrência mundial, acabou a viabilidade desse negócio. 3M - tem administração de invenções com o intento de gerar metade do faturamento só com produtos novos. A 3M tem muitos inventos e continua gerando outros MERK e outros líderes da indústria farmacêutica têm atividade intensa de descoberta de novos medicamentos. 2. BOM NEGÓCIO POR SI. São exemplos de empresas em um bom negócio em si, quando o negócio apresenta simultaneamente barreiras de entrada, ausência de produtos substitutos, baixa rivalidade entre as empresas no negócio, e alto poder de negociação de preços com seus fornecedores e clientes. Essas condições propiciam que, em média, as empresas tenham alta lucratividade, mesmo que tenham administração apenas normal, por exemplo: MINA DE OURO COM ALTA CONCENTRAÇÃO DE MINÉRIO, fica um exemplo símbolo. ELEVADORES PARA PESSOAS EM EDIFÍCIOS, que requer tradição de muitos anos, não tem substitutos, tem poder de negociação. Só tem um senão, de ter também altas barreiras de saída, que aumentam a rivalidade. INSTITUIÇÕES DE ENSINO, onde e quando a demanda é maior que a oferta de vagas. 3. ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Está com muita presença na literatura 14

15 contemporânea, sendo considerada como a mais importante base para o sucesso das empresas. É uma injeção na veia para o crescimento das vendas das empresas e muito ao gosto dos especialistas em marketing, por exemplo: COCA-COLA - cuja marca tem um valor atribuído de US$60 bilhões, avaliada pela forma como ela cria preferência no consumidor e apresenta outras vantagens competitivas, como o extraordinário sistema de distribuição. Todas as empresas de marcas valiosas, de qualidade-prêmio, de liderança no atendimento ao cliente, são exemplos dessa base para o sucesso. 4. ESTRATÉGIA PARA MUDAR O NEGÓCIO. É a estratégia cujo uso está crescendo acentuadamente por sua relação com a evolução dos negócios. Um negócio mudado irá acabar provocando novas mudanças no ambiente empresarial, numa evolução que está ficando cada vez mais acelerada. AVON - vendendo através de seus representantes diretamente nas residências dos consumidores, ficando com negócio melhor do que os concorrentes que vendem através de lojas. MICROSOFT - que inaugurou a venda de softwares diretamente para produtores de microcomputadores, que vendiam seus produtos já com o software instalado. 5. TÁTICA INTERPESSOAL. Muitas empresas pequenas ou médias, têm nos seus quadros uma pessoa, ou um número de pessoas, que resolvem tudo para localizar ou atrair oportunidades de negócios e articular a implementação das ações pertinentes, por exemplo: GEORGE SOROS, o megainvestidor, com grande capacidade de localizar e avaliar oportunidades de investimentos e levantar recursos para fazê-los, com altos lucros. 15

16 Outros exemplos são encontrados freqüentemente em empresas médias ou pequenas, de serviços de corretagens, de publicidade, de projetos artísticos, etc. 6. FUNCIONALIDADE INTERNA. A funcionalidade interna, tem andado esquecida como base para o sucesso, mas de fato é a responsável pelo sucesso de muitas empresas, por exemplo: PRODUTORES DE COMMODITIES, como produtos agrícolas do mercado internacional (soja, milho, café, etc.), produtos siderúrgicos, petróleo, etc. PRODUTORES DENTRO DE CLUSTERS COMPLETOS, como indústria de sapatos de uma cidade, por exemplo. Quase todos os produtos competitivos no mercado global são produzidos dentro de um cluster como mostra M. Porter na Vantagem Competitiva das Nações. FORNECEDORES DE AUTO-PEÇAS para a indústria montadora de automóveis. 7. FUNCIONALIDADE EXTERNA. É muito freqüente para empresas situadas em regiões com boa infra-estrutura física (boas estradas, portos, etc.) e de concentração diversificada de empresas formando um ambiente propício ao abastecimento e distribuição com baixos preços. 8. COMBINAÇÃO DE BASES DO SUCESSO. As empresas de grande e duradouro sucesso, quase sempre têm mais de uma base para o sucesso, atuando conjuntamente. O CONJUNTO DAS BASES DO SUCESSO A visão do conjunto das bases para o sucesso é um aspecto importante pôr várias razões. Em primeiro lugar, as definições de cada base para o sucesso devem ser bem claras para não haver para uma mesma situação duplicidade de bases. Na literatura pouco cuidadosa com definições, por exemplo, o termo estratégia 16

17 era usado com muita liberalidade. Qualquer decisão importante era estratégica. Assim, ficava impossível ter boas definições. O leitor, ao ler a definição de muitos termos, irá provavelmente achá-los com significado muito restrito. Não se trata de querer restringir inutilmente, é apenas uma questão de conseguir clareza de significado. Uma palavra que serve para tudo, na realidade não serve para esclarecer nada. Em segundo lugar, a visão de conjunto deve servir para localizar aspectos não cobertos por nenhuma das bases para o sucesso mencionadas. Como não pretendemos que as sete bases mencionadas sejam o conjunto completo de bases, é plausível a identificação de outras bases que completem as bases para o sucesso apresentadas. Devido a essas duas razões achamos que em vez de expor cada base para o sucesso isoladamente torna-se preferível fazer quadros demonstrativos: Quadro 2 - mostra o conjunto de Bases do Sucesso das Empresas. Quadro 3 - mostra As fraquezas e Forças de cada Base Isolada. 17

18 QUADRO 2 CONJUNTO DE BASES PARA O SUCESSO DAS EMPRESAS BASE PARA O SUCESSO O QUE É PRETENDIDO DECISOR NA EMPRESA OPONENTE (DECISOR FORA DA EMPRESA) ADMINISTRAÇÃO DE MANTER O MONOPÓLIO NO PRODUTO ALTA ADMINISTRAÇÃO E OS OPONENTES (SE EXISTIREM) INVENÇÃO (ÕES) E A QUALIDADE DO NEGÓCIO ESPECIALISTAS- SÃO OS (DE PRODUTO E SEU NEGÓCIO MONOPOLISTA. BUSCAR OUTRAS ADMINISTRADORES INVENTORES/LANÇADORES DE EM MONOPÓLIO TEMPORÁRIO) INVENÇÕES PRODUTOS SUBSTITUTOS GRUPOS QUE PODEM SE ORGANIZAR E ATUAREM CONTRA A EMPRESA ESTAR EM BOM NEGÓCIO POR SI ESTRATÉGIA COMPETITIVA (OU ESTRATÉGIA PARA CONSEGUIR A PREFERÊNCIA DOS CLIENTES COM CONTINUIDADE) ESTRATÉGIA PARA MUDAR O NEGÓCIO (OU ESTRATÉGIA PARA CONSEGUIR TER UM NEGÓCIO MELHOR DO QUE O DOS CONCORRENTES) TÁTICA INTERPESSOAL (OU ESTRATÉGIA NO RELACIONAMENTO COM PESSOAS DE FORA DA EMPRESA) FUNCIONALIDADE INTERNA (TER CUSTOS MAIS BAIXOS QUE OS DOS CONCORRENTES MANTENDO PREÇOS NORMAIS) FUNCIONALIDADE EXTERNA CONSEGUIR PREÇOS MAIS BAIXOS DO QUE OS CONCORRENTES, DOS FORNECEDORES, TRANSPORTADORES E ARMAZENADORES MANTER OU MELHORAR OS CARACTERIZADORES DA QUALIDADE DO NEGÓCIO ATUAL, ATRAVÉS DA POLÍTICA DO NEGÓCIO TER UMA VANTAGEM COMPETITIVA, ISTO É, TER DIFERENCIAÇÃO NO PRODUTO/SERVIÇO QUE POSSA SER USADA PARA TER DE FATO A PREFERÊNCIA DOS CLIENTES/CONSUMIDORES CONSEGUIR DIFERENÇA NO TIPO DE ATUAÇÃO NA CADEIA DE VALOR, QUE RESULTA EM MAIOR PARTICIPAÇÃO, DO QUE OS CONCORRENTES, NA DISTRIBUIÇÃO DO VALOR ADICIONADO (LUCRO AGREGADO) NA CADEIA DE VALOR CONSEGUIR MÁXIMO GANHO A CURTO E LONGO PRAZO. ESTAR NA FRONTEIRA DOS ACONTECIMENTOS TER VANTAGEM FUNCIONAL, NAS OPERAÇÕES E NA ADMINISTRAÇÃO TER VANTAGEM FUNCIONAL, NAS OPERAÇÕES EXTERNAS DA EMPRESA LÍDER DOS EMPRESÁRIOS OU DIRIGENTE DE ASSOCIAÇÃO DE EMPRESAS DO NEGÓCIO, ATUANDO PARA MELHORAR OU PROTEGER A QUALIDADE DO NEGÓCIO, PARA TODAS AS EMPRESAS DO SETOR INDISPENSÁVEL A PARTICIPAÇÃO DE CONHECEDORES DAS OPERAÇÕES DE PRODUÇÃO DE MARKETING INDISPENSÁVEL A PARTICIPAÇÃO DA ALTA ADMINISTRAÇÃO PESSOA DIFERENCIADA COM VISÃO E ENERGIA PRIVILEGIADA PARA CONSEGUIR VANTAGEM E ALTOS GANHOS PARA A EMPRESA INDISPENSÁVEL A PARTICIPAÇÃO DE ESPECIALISTAS EM OPERAÇÕES, SISTEMAS ADMINISTRATIVOS, ETC. INDISPENSÁVEL A PARTICIPAÇÃO DE ESPECIALISTAS EM LOGÍSTICA DE TRANSPORTES E NEGOCIAÇÃO COM FORNECEDORES NÃO HÁ OPONENTES BEM CARACTERIZADOS. ATUA-SE PERANTE GOVERNOS, ONGs, FORMADORES DE OPINIÃO, ETC. OS OPONENTES SÃO OS COMPETIDORES PROCURANDO ANULAR, SUPLANTAR OU EQUILIBRAR AS VANTAGENS COMPETITIVAS. OS JUÍZES DA VANTAGEM COMPETITIVA SÃO OS CLIENTES E CONSUMIDORES OS OPONENTES SÃO FORNECEDORES OU FORNECIDOS NA CADEIA DE SUPRIMENTOS QUE IRÃO PERDER PARTICIPAÇÃO NO VALOR ACRESCIDO. AS AÇÕES E REAÇÕES NÃO SÃO PERCEBIDAS PELOS CLIENTES/CONSUMIDOR PESSOA DE OUTRA EMPRESA, OU CORRETORES. GRUPOS QUE PODEM SE FORMAR E ATUAREM CONTRA A EMPRESA NÃO HÁ OPONENTES NEM PREJUDICADOS DIRETOS NÃO HÁ OPONENTES NEM PREJUDICADOS DIRETOS TEMA DAS DECISÕES ALONGAR O CICLO DE VIDA DO PRODUTO. OTIMIZAR A QUALIDADE DO NEGÓCIO. MONITORAR AS INVENÇÕES OU DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS SUBSTITUTOS BARREIRAS DE ENTRADA E DE SAÍDA, CONTROLES GOVERNAMENTAIS, PODER DE NEGOCIAÇÃO, RESTRIÇÕES A NOVOS PRODUTOS, RIVALIDADE, ETC. OS FATORES DE COMPETITIVIDADE, OS PERFIS COMPETITIVOS, O USO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS, COMO MINIMIZAR O EFEITO DAS DESVANTAGENS COMPETITIVAS MUDANÇAS NO CANAL DE FORNECIMENTO OU NO CANAL DE DISTRIBUIÇÃO EM QUALQUER ASPECTO. INTEGRAÇÃO VERTICAL GANHA / PERDE GANHA / GANHA O FUTURO PRODUTIVIDADE E EFICÁCIA PARCERIAS, ALTERNATIVAS DE TRANSPORTE E FORNECIMENTO 18

19 AS BASES PARA O SUCESSO (ATUANDO ISOLADAMENTE) 1. ADMINISTRAÇÃO DE INVENÇÕES 2. ESTAR EM UM BOM NEGÓCIO POR SI 3. ESTRATÉGIA COMPETITIVA 4. ESTRATÉGIA PARA MUDAR O NEGÓCIO 5. TÁTICA INTERPESSOAL 6. FUNCIONALIDADE INTERNA 7. FUNCIONALIDADE EXTERNA QUADRO 3 AS FRAQUEZAS E FORÇAS DE CADA BASE ISOLADA FRAQUEZAS É difícil conseguir duas coisas juntas: invento de um produto de um bom negócio para este produto Não facilita o crescimento da empresa. Só mantém a fatia do mercado As vantagens competitivas, quase todas, são de curta duração Freqüentemente tem aspectos Antiéticos Risco da(s) pessoa(s) privilegiada(s) deixar a empresa Trabalho intenso e permanente com prêmio relativamente pequeno (baixa taxa de lucro) Dependência de acordos, parcerias, comportamentos de pessoas de fora da empresa que requer atenção permanente FORÇAS Protegido da competição como monopólio Lucro alto e prazo indeterminado É fácil aumentar sua fatia do mercado Probabilidade de lucro fácil Alta margem de lucros Está sempre disponível para qualquer empresa que queira essa alternativa Consegue resultado com o trabalho de terceiros CONFRONTO ENTRE BASES PARA O SUCESSO Se uma empresa não contar com nenhuma das bases para o sucesso, certamente sua existência será difícil. Se a empresa tiver uma base para o sucesso, não podemos dizer que sobreviverá indefinidamente, pois os seus concorrentes poderão ter duas das bases para o sucesso, ou então, apenas uma, mas diferente e mais efetiva do que a base para o sucesso da empresa. Generalizando, podemos dizer que uma empresa precisa ter uma base ou um conjunto de bases para o sucesso mais forte do que as bases dos concorrentes. Exemplo: estão competindo entre si três empresas A, B e C, sendo que a empresa A tem Funcionalidade Interna, ou vantagem funcional, tendo custos internos mais baixos do que as outras empresas; a empresa B tem Estratégia Competitiva ou vantagem competitiva, tendo a preferência dos 19

20 consumidores; a empresa C tem duas bases para o sucesso, Estratégia para Mudar o Negócio,isto é, conseguiu um negócio melhor do que os concorrentes no mesmo produto, e Funcionalidade Externa, ou seja, conseguiu vantagens de custos nas suas operações de abastecimento e distribuição. Qual delas terá maior sucesso? Apesar de a empresa C ter duas bases e as empresas A e B apresentarem uma apenas, não significa que a empresa C terá sucesso maior do que as outras e possa até eliminá-las como competidores. Irá predominar a empresa cuja força de suas bases para o sucesso for maior na conjuntura atual. Pôr exemplo, uma conjuntura de intensa concorrência a estratégia competitiva fica muito forte, mas se a concorrência for baixa a Funcionalidade Interna e Externa ganham força. O assunto está na fase inicial abre fica aberto um amplo campo de investigação do maior interesse para as empresas. USO SIMULTÂNEO DE VÁRIAS BASES DE SUCESSO É muito freqüente, num determinado tipo de empresa todos os concorrentes utilizarem simultaneamente várias bases para o sucesso. Por exemplo, na indústria automobilística, a competição acontece praticamente em todas as bases para o sucesso. É uma competição total: em custos, em logística, na busca de vantagens competitivas, e de melhorar o negócio, na busca de invenções, etc. Para entender essas situações de uso, por todos os concorrentes, de várias bases para o sucesso, não é suficiente analisar o efeito de cada base isoladamente. Necessário se faz analisar o efeito de uma base sobre as outras bases. Em outros termos, precisa-se considerar a sinergia entre elas. Sinergia é um conceito existente em estratégia desde o livro pioneiro de I. Ansoff em 1965, isto é, considerar que o efeito do conjunto de duas bases é maior do que a soma dos efeitos isolados de cada uma delas. Podemos destacar duas duplas de bases para o sucesso com alta sinergia: Primeiro caso de alta sinergia: Estar em Um Bom Negócio Por Si e Estratégia Competitiva 20

A GRANDE ESTRATÉGIAS NAS EMPRESAS. Por: Giancarlo S. R. Pereira. Revista BSP, n. 1, ago./out. 2006. http://www.revistabsp.com.br/0608/artigo1.

A GRANDE ESTRATÉGIAS NAS EMPRESAS. Por: Giancarlo S. R. Pereira. Revista BSP, n. 1, ago./out. 2006. http://www.revistabsp.com.br/0608/artigo1. A GRANDE ESTRATÉGIAS NAS EMPRESAS Por: Giancarlo S. R. Pereira Revista BSP, n. 1, ago./out. 2006 http:///0608/artigo1.pdf Copyright, 2006, Revista BSP. Todos os direitos, inclusive de tradução, são reservados.

Leia mais

Módulo 17 Estratégias mercadológicas

Módulo 17 Estratégias mercadológicas Módulo 17 Estratégias mercadológicas Todas as empresas para terem sucesso no mercado a longo prazo precisam de uma estratégia. Segundo Peter Druker, as estratégias são os planos de vôos das empresas. Analisando

Leia mais

Capítulo 3. Avaliação das capacidades internas de uma empresa

Capítulo 3. Avaliação das capacidades internas de uma empresa Capítulo 3 Avaliação das capacidades internas de uma empresa O que uma análise interna nos diz? A análise interna nos permite ter um comparativo entre as capacidades da empresa Quais são as forças da empresa?

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Modelos de Jogos: representando uma situação de interação estratégica

Modelos de Jogos: representando uma situação de interação estratégica Modelos de Jogos: representando uma situação de interação estratégica Para se aplicar a Teoria dos Jogos em situações reais, é preciso em primeiro lugar saber como modelar esses processos e como analisá-los,

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

Módulo 5. Implementação do BSC para um negócio específico, definição de objetivos, apresentação de casos reais e exercícios

Módulo 5. Implementação do BSC para um negócio específico, definição de objetivos, apresentação de casos reais e exercícios Módulo 5 Implementação do BSC para um negócio específico, definição de objetivos, apresentação de casos reais e exercícios Implementando BSC para um negócio específico O BSC é uma estrutura para desenvolvimento

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, estratégias de segmentação e posicionamento. Análise do potencial de demanda. Definição da missão. liderança.

Leia mais

GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce

GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce Você é do tipo que quer arrancar os cabelos toda vez que um concorrente diminui o preço? Então você precisa ler este guia rápido agora mesmo. Aqui

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica João Luiz F. Azevedo Apresentação preparada como parte do processo de seleção do Reitor do ITA São José dos Campos, 23 de outubro de 2015 Resumo da

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Estruturas de mercado UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Texto para Discussão 1 De acordo com a natureza do mercado em que estão inseridas, as empresas deparam-se com decisões políticas diferentes,

Leia mais

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques "O plano de negócios é o cartão de visitas do empreendedor em busca de financiamento". (DORNELAS, 2005) A partir

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

A Lição de Lynch. O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros

A Lição de Lynch. O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros A Lição de Lynch O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros Por Laura Somoggi, de Marblehead (EUA) É muito provável que o nome Peter Lynch não lhe seja familiar. Ele

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

Visão Geral da Certificação CERTICS

Visão Geral da Certificação CERTICS Projeto 0113009300 - Implementação da CERTICS - Certificação de Tecnologia Nacional de Software IX Workshop Anual do MPS WAMPS 2013 Visão Geral da Certificação CERTICS Palestrante: Adalberto Nobiato Crespo

Leia mais

Gestão de Projetos Logísticos

Gestão de Projetos Logísticos Gestão de Projetos Logísticos Professor: Fábio Estevam Machado CONTEÚDO DA AULA ANTERIOR Teoria Gestão de Projetos Projetos Atualidades Tipos de Projetos Conceitos e Instituições Certificação Importância

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

Aspectos Gerais sobre Proposta de valor; Estratégias genéricas e Estratégia do Oceano Azul:

Aspectos Gerais sobre Proposta de valor; Estratégias genéricas e Estratégia do Oceano Azul: Aspectos Gerais sobre Proposta de valor; Estratégias genéricas e Estratégia do Oceano Azul: Gustavo Buoro e David Kallás Proposta de Valor De forma muito simples, a definição de proposta de valor é o que

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios.

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. A palavra vem do grego strátegos, que significa "a arte do general". Arte militar de escolher onde, quando e

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Revista Marketing n. 7, vol. II, 1968: 24-32. Um programa mercadológico é um instrumento para se pensar com antecedência, para se estabelecer

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

soluções inovadoras para desafios de negócios Manual explicativo do quadro do modelo de negócios passo a passo com exemplos

soluções inovadoras para desafios de negócios Manual explicativo do quadro do modelo de negócios passo a passo com exemplos soluções inovadoras para desafios de negócios Manual explicativo do quadro do modelo de negócios passo a passo com exemplos O quadro do modelo de negócios O Business Model Canvas (Quadro do Modelo de Negócios)

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE NÍVEL EMPRESARIAL. Administração Estratégica Conceitos. Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell

ESTRATÉGIAS DE NÍVEL EMPRESARIAL. Administração Estratégica Conceitos. Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell Administração Estratégica Conceitos Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell Alternativas Estratégicas É a estratégia que a alta administração formula para toda a empresa. Reestruturação Empresarial

Leia mais

UNG CIC Tópicos Especiais de TI. Aula 13

UNG CIC Tópicos Especiais de TI. Aula 13 Aula 13 1. Data Warehouse Armazém de Dados (Continuação) 1 Erros na implantação de um Data Warehouse Segundo o Data Warehousing Institute existem dez erros mais comuns na implantação de um Data Warehouse

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS Ari Lima Um empreendimento comercial tem duas e só duas funções básicas: marketing e inovação. O resto são custos. Peter Drucker

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi MARÇO/2010

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugerimos, para elaborar a monografia de TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), que o aluno leia atentamente essas instruções. Fundamentalmente,

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

Como IDENTIFICAr AS oportunidades E CoNqUISTAr o ClIENTE

Como IDENTIFICAr AS oportunidades E CoNqUISTAr o ClIENTE Como IDENTIFICAr AS oportunidades E CoNqUISTAr o ClIENTE A abertura de empresas tem uma grande importância na sociedade em que vivemos, pois gera diversos benefícios, como empregos e riquezas para o país.

Leia mais

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS 45º SEMINÁRIO DE ACIARIA -ABM PRIMARIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Cléverson Stocco Moreira PORTO ALEGRE - MAIO/2014 CONCEITO DE MANUTENÇÃO: INTRODUÇÃO Garantir a confiabilidade e a disponibilidade

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

Gestão de riscos estratégicos

Gestão de riscos estratégicos Gestão de riscos estratégicos Seung Hyun Lee, sócio diretor da Symnetics e professor de estratégia empresarial da Business School São Paulo. E-mail: seung@symnetics.com.br Introdução Jim Collins, autor

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Gestão Estratégica de Recursos Humanos

Gestão Estratégica de Recursos Humanos Gestão Estratégica de Recursos Humanos Professor conteudista: Ricardo Shitsuka Sumário Gestão Estratégica de Recursos Humanos Unidade I 1 INTRODUÇÃO...1 1.1 Organizações...1 1.2 Modelos de organizações...4

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como: Fascículo 4 Gestão na cadeia de suprimentos Cadeias de suprimentos Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Leia mais

Pesquisa x Pesquisa. do Setor Editorial Brasileiro revelou uma venda de quatro bilhões de reais em livros, com

Pesquisa x Pesquisa. do Setor Editorial Brasileiro revelou uma venda de quatro bilhões de reais em livros, com A Bíblia Sagrada já vendeu, aproximadamente, 3,9 bilhões de cópias. O livro Ágape, do Padre Marcelo Rossi, já vendeu 8 milhões de exemplares. O livro erótico, Cinquenta Tons de Cinza, chegou ao número

Leia mais

Administração Estratégica

Administração Estratégica introdução Administração Estratégica 2. OPORTUNIDADES E AMEAÇAS DO AMBIENTE EXTERNO A administração estratégica envolve três níveis de análise: O Macroambiente da empresa. O Setor que a empresa opera.

Leia mais

REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS UNINORTE LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES PRÊMIO DE EMPREENDEDORISMO JAMES McGUIRE EDITAL DE SELEÇÃO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1. O Prêmio James McGuire de Empreendedorismo é uma competição

Leia mais

Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias

Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias Antes de tudo como sugestão aos donos de construtoras, incorporadoras, imobiliárias e escritórios de arquitetura

Leia mais

Exploring Corporate Strategy 7 th Edition

Exploring Corporate Strategy 7 th Edition Exploring Corporate Strategy 7 th Edition Parte III Opções estratégicas Opções estratégicas Opções estratégicas Estratégia competitiva ou de negócio (Cap. 5) Bases da estratégia competitiva Sustentabilidade

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Planejamento de Marketing

Planejamento de Marketing PARTE II - Marketing Estratégico - Nessa fase é estudado o mercado, o ambiente em que o plano de marketing irá atuar. - É preciso descrever a segmentação de mercado, selecionar o mercado alvo adequado

Leia mais

CEAHS CEAHS. Grupo Disciplinas presenciais Créditos Mercado da Saúde Ética e aspectos jurídicos 1

CEAHS CEAHS. Grupo Disciplinas presenciais Créditos Mercado da Saúde Ética e aspectos jurídicos 1 CEAHS Breve descrição das disciplinas Grupo Disciplinas presenciais Créditos Mercado de Saúde 2 Mercado da Saúde Ética e aspectos jurídicos 1 Economia da Saúde 1 Processos e Sistemas em Saúde 2 Negócios

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Análise do Ambiente Interno

Análise do Ambiente Interno Análise do Ambiente Interno Professor: Claudemir Duca Vasconcelos Disciplina: Estratégia e Planejamento Corporativo Alunas: Gleice Costa e Cintia Belo 16 Abril 2015 Ambiente Interno de uma Organização

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

CLOSED LOOP LOGISTICS CASO PRÁTICO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE TV A CABO

CLOSED LOOP LOGISTICS CASO PRÁTICO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE TV A CABO CLOSED LOOP LOGISTICS CASO PRÁTICO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE TV A CABO A COMBINAÇÃO DA DINÂMICA DE SISTEMAS E A ANÁLISE ESTATÍSTICA MELHORA O PROCESSO DE DECISÃO EM SISTEMAS LOGISTICOS FECHADOS

Leia mais

Olá caros alunos!!! Vamos repassar as questões da prova do dia 09/02, com relação às Matérias que lecionamos durante a nossa preparação.

Olá caros alunos!!! Vamos repassar as questões da prova do dia 09/02, com relação às Matérias que lecionamos durante a nossa preparação. Olá caros alunos!!! Vamos repassar as questões da prova do dia 09/02, com relação às Matérias que lecionamos durante a nossa preparação. Usarei como referência o Gabarito 1. Questão 26 : O Código de Conduta

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

E-BOOK GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES. Excellence Software (19) 2512-1411 Campinas-SP

E-BOOK GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES. Excellence Software (19) 2512-1411 Campinas-SP E-BOOK GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES Excellence Software (19) 2512-1411 Campinas-SP ÍNDICE Introdução Planejamento Financeiro Gestão do Fluxo de Caixa Gestão por Centros de Custo Otimizando o seu

Leia mais

Planejamento Estratégico do Sistema 2008/2010 PARTE II

Planejamento Estratégico do Sistema 2008/2010 PARTE II Planejamento Estratégico do Sistema 2008/2010 Planejamento Estratégico do Sistema 2008/2010 PARTE II 10/08/2007 SUMÁRIO Conceitos... 2 1. Missão... 2 2. Negócio... 3 3. Visão... 3 4. Valores... 5 5. Cenários...

Leia mais

Relação entre as organizações cristãs e as igrejas locais

Relação entre as organizações cristãs e as igrejas locais Seção Relação entre as organizações cristãs e as Conforme discutido na Seção 1, as desempenham um papel na proclamação e na demonstração do evangelho. Entretanto, com muita freqüência, o papel da igreja

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Abril / 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO Contexto e objetivos CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO O desenvolvimento do plano de negócios, como sistematização das idéias

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção Fascículo 6 Arranjo físico e fluxo O arranjo físico (em inglês layout) de uma operação produtiva preocupa-se com o posicionamento dos recursos de transformação. Isto é, definir onde colocar: Instalações

Leia mais

um preço mais elevado, sinalizando qualidade. Se o produto não for bom, essa mesma empresa terá prejuízo em longo prazo, pois os contratos de

um preço mais elevado, sinalizando qualidade. Se o produto não for bom, essa mesma empresa terá prejuízo em longo prazo, pois os contratos de 1 Introdução Os economistas norte-americanos Joseph Stiglitz, George Akerlof e Michael Spence foram agraciados, em 2001, com o Prêmio Nobel de Economia, devido à contribuição dada por seus trabalhos, no

Leia mais

3 Literatura teórica

3 Literatura teórica 23 3 Literatura teórica O FFP é um exemplo de programa bem sucedido na indução de lealdade dos consumidores. Tal programa recompensa consumidores por acúmulo de viagens numa mesma companhia, enquanto pune

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho Pesquisa Semesp A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho 2008 Ensino superior é um forte alavancador da carreira profissional A terceira Pesquisa Semesp sobre a formação acadêmica dos profissionais

Leia mais