Política de Negociação de Investimentos Pessoais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Política de Negociação de Investimentos Pessoais"

Transcrição

1 Política de Negociação de Investimentos Pessoais Data efetiva: 17 de maio de 2016 Conteúdo 1. Sumário Escopo Descrição do Escopo Declarações da Política Divulgação e Certificação de Contas Exigência de Divulgação de Contas de Negociação Frequência de Divulgação Divulgação e Certificação de Contas Transferência de Contas de Corretora Não Aprovada Exceções à Exigência de Corretora Aprovada Detalhes das Operações Exigência de Fornecer Detalhes das Operações Exigências de Pré-autorização Quem Deve Fornecer a Pré-autorização? Tipos de Operações que Exigem Pré-autorização Operações Normalmente Isentas da Exigência de Pré-autorização Aprovação Administrativa Duração da Aprovação de Pré-autorização Período de Manutenção Mínimo Informações Privilegiada Não Públicas e Negociação Privilegiada (MNPI) Restrições de Investimento Operações Proibidas Instrumentos Financeiros Restritos Restrições à Atividade Comercial Especulativa Ofertas Públicas de Ações (IPOs) Operações Privadas com Valores Mobiliários Exigências de Bloqueio com relação a Operações com Valores Mobiliários do JPMC Investimentos Privados Divulgação de Investimentos Privados Frequência de Divulgação

2 12.3. Exigências de Pré-autorização Restrições de Investimento Violações, Ações de Acompanhamento e Exceções Definição de termos Decretos, Leis, Normas, Regulamentos ou Diretrizes Externas

3 1. Sumário A Política de Negociação de investimentos pessoais (Política) do JPMorgan Chase & Co. (JPMC) tem como objetivo ajudar a evitar e detectar violações das regras de valores mobiliários e normas de conduta bem como minimizar conflitos de interesses reais ou percebidos que poderiam surgir devido a atividades de investimento pessoais. 2. Escopo 2.1. Descrição do Escopo Os Funcionários e Funcionários Tercerizados (conjuntamente denominados Funcionários ) que atendem a certos critérios são elegíveis à Política e, portanto, estão sujeitos às suas disposições (doravante denominados grupos elegíveis, Funcionários sujeitos, Funcionários Tercerizados ou Funcionários elegíveis). Período Aplicável Os Funcionários elegíveis tornam-se sujeitos à Política no momento em que começam a trabalhar no JPMC e continuarão sujeitos pela duração do período de seu trabalho, exceto se forem de outra forma notificados sobre uma alteração do status em questão. Exceto se de outra forma notificados, os Funcionários elegíveis continuarão sujeitos às disposições da Política mesmo durante período de licenças/ausência do JPMC. 3. Declarações da Política Divulgação e Certificação de Contas. Todos os Funcionários elegíveis devem divulgar e certificar suas Contas Divulgáveis (contas de investimento). Exigência de Corretora Aprovada. Os Funcionários elegíveis, excluindo Funcionários Tercerizados devem manter suas Contas de Negociação pessoal e Contas do Escopo com uma das Corretoras Aprovadas da JPMC. Detalhes das Operações. Os Funcionários elegíveis devem disponibilizar ao JPMC os detalhes das operações de todas as Contas Divulgáveis durante o Período Aplicável. Exigências de Pré-Autorização. Os Funcionários elegíveis devem obter pré-autorização de todas as compras, vendas, penhores e doações de instrumentos financeiros de empresas de capital aberto e de capital fechado. O processo de pré-autorização poderá incluir aprovação do seu gerente direto, bem como prover informações adicionais sobre o ativo objeto dessa regra. Período de Manutenção Mínimo. Os Funcionários elegíveis devem manter seus investimentos pessoais de acordo com o Período de Manutenção mínimo prescrito. Consulte a seção Período de Manutenção Mínimo dessa Política. Informações Substanciais Não Públicas e Negociação Privilegiada (MNPI). Os Funcionários elegíveis não devem recomendar nem negociar os instrumentos financeiros de um emissor enquanto estiverem de posse de MNPI a respeito desse emissor, independente do fato de 3

4 essas informações terem sido obtidas como resultado e parte do elegíveis com o JPMC ou outro lugar. trabalho Funcionários Restrições de Investimento. Os Funcionários elegíveis devem conduzir seus investimentos pessoais de acordo com princípios de conflitos de interesses, com foco em objetivos de longo prazo, e cumprir quaisquer restrições de investimento impostas pelo JPMC. Exigências de Bloqueio com relação a Operações em Valores Mobiliários da JPMC. Durante Períodos de Bloqueio, os Funcionários elegíveis estão proibidos de negociar todos os valores mobiliários do JPMC e Equivalentes do JPMC. Exigências Adicionais para Funcionários Elegíveis. Restrições adicionais poderão ser aplicadas à certos Funcionários elegíveis para evitar qualquer aparência de que informações privilegiadas e/ou confidenciais influenciaram em uma operação. Investimentos Privados. Os Funcionários elegíveis devem divulgar e certificar seus Investimentos Privados. Violações, Ações de Acompanhamento e Exceções. O JPMC reserva-se o direito de buscar ações de acompanhamento devido a violação desta Política, até, e incluindo, exigir a reversão de quaisquer operações que violem os termos da Política. Exceções às exigências desta Política devem ser analisadas e aprovadas pelo grupo de compliance de PAD regional do Funcionário elegíveis. 4. Divulgação e Certificação de Contas 4.1. Exigência de Divulgação de Contas de Negociação Tipos de Contas que Exigem Divulgação Os Funcionários elegíveis devem divulgar todas as contas de negociação pessoal, que são contas que podem ser usadas para manter e negociar a compra e venda de investimentos financeiros sob a orientação do correntista ou de seu representante (Contas de Negociação). Os Funcionários elegíveis também devem divulgar todas as Contas do Escopo. Conjuntamente, Contas de Negociação e Contas do Escopo são denominadas Contas Divulgáveis Contas do Escopo e Pessoas Relacionadas Contas de Negociação não detidas em nome do Funcionários elegíveis, porém relacionadas ao Funcionário (Pessoas Relacionadas), independente de onde estejam localizadas, devem ser divulgadas e poderão estar sujeitas à Política (Contas do Escopo) Divulgação Inicial Frequência de Divulgação Em até 30 dias após receber uma notificação de que estão sujeitos a esta Política, os Funcionários elegíveis devem divulgar e certificar todas as Contas Divulgáveis.

5 Dever de Manter as Informações da Conta Atualizadas Os Funcionários elegíveis possuem uma obrigação contínua de garantir que quaisquer contas novas ou modificações de contas existentes sejam informadas em até 30 dias Certificação Anual/Periódica Os Funcionários elegíveis devem analisar e afirmar periodicamente a precisão e validade de todos os detalhes da Conta de Negociação anteriormente divulgados ao JPMC. Essa revisão e afirmação devem ser realizadas no mínimo anualmente. 5. Divulgação e Certificação de Contas Os Funcionários elegíveis (excluindo Funcionários Tercerizados) devem manter todas as Contas de Negociação pessoal e Contas do Escopo com uma Corretora Aprovada, sujeito a disponibilidade dessas corretoras na área do funcionário e permissão segundo as leis e regulamentos locais Transferência de Contas de Corretora Não Aprovada Em locais em que Corretoras Aprovadas estão disponíveis, ativos em Contas de Negociação pessoal e Contas do Escopo detidas com Corretoras não Aprovadas devem ser transferidos para uma Corretora Aprovada ou de outra forma regularizados em conformidade com esta Política Exceções à Exigência de Corretora Aprovada Exceções à Funcionários Funcionários em locais em que não existem Corretoras Aprovadas e Funcionários Tercerizados geralmente estarão isentos da Exigência de Corretora Aprovada Contas Administradas Contas Integralmente Administradas que tenham sido confirmadas como sendo administradas pela Equipe de Negociação com Contas Pessoais poderão ser detidas fora das Corretoras Aprovadas da empresa Certas Contas no Escopo em Corretoras Não Aprovadas Contas de Pessoas Relacionadas, exceto contas de Funcionários Tercerizados também estão sujeitas à Exigência de Corretora Aprovada, e as Contas Divulgáveis de Pessoas Relacionadas não poderão ser mantidas em uma Corretora não Aprovada, salvo se qualificadas para uma exceção. Todas as exceções devem ser aprovadas pelo Compliance de PAD e revisadas anualmente. 5

6 6. Detalhes das Operações 6.1. Exigência de Fornecer Detalhes das Operações Os Funcionários elegíveis devem fornecer ao JPMC um registro oficial de detalhes (extrato) das operações de todas as Contas Divulgáveis durante todo o período em que estão sujeitos a esta Política. 7. Exigências de Pré-autorização 7.1. Quem Deve Fornecer a Pré-autorização? Todos os Funcionários elegíveis e as Pessoa Relacionada estão sujeitos à exigência de préautorização de operações (exceto se outra forma notificados) Tipos de Operações que Exigem Pré-autorização Todas as compras, vendas, penhores e doações de instrumentos financeiros de empresas de capital aberto e de capital fechado devem ser pré-autorizados, exceto se outra forma especificado por diretrizes regulatórias locais ou da linha de negócios Operações Normalmente Isentas da Exigência de Pré-autorização Algumas operações poderão ser isentas da exigência de pré-autorização conforme especificado por diretrizes regulatórias locais ou da linha de negócios. Os Funcionários elegíveis ou Pessoa Relacionada não poderão realizar nenhum investimento para fins especulativos Aprovação Administrativa Alguns Funcionários elegíveis que devem obter pré-autorização poderão ter de obter aprovação de um gerente de aprovação designado no tocante a suas operações, bem como as de suas Pessoa Relacionada Duração da Aprovação de Pré-autorização A Pré-autorização de operações com instrumentos financeiros de empresas de capital aberto normalmente é válida até o fechamento do mercado no dia útil seguinte. Os Funcionários elegíveis que entrarem em contato com MNPI após receberem uma préautorização não devem executar nem fornecer instruções de execução da operação préautorizada e devem entrar em contato imediatamente com seu diretor de Compliance. 8. Período de Manutenção Mínimo Os Funcionários elegíveis e as Pessoa Relacionada devem manter os investimentos sujeitos a esta Política por um Período de Manutenção mínimo. Os Funcionários estão obrigados a um Período de Manutenção mínimo de 30 dias, exceto quando um período mais longo for especificado por normas locais ou exigências da linha de negócios.

7 9. Informações Privilegiada Não Públicas e Negociação Privilegiada (MNPI) Os Funcionários elegíveis e as Pessoa Relacionada não têm permissão para recomendar ou discutir os instrumentos financeiros de um emissor enquanto estiverem de posse de MNPI a respeito daquele emissor. 10. Restrições de Investimento Operações Proibidas Os Funcionários elegíveis e as Pessoa Relacionada geralmente não têm permissão para investir em ou com clientes anteriores, existentes ou futuros a quem o Funcionário presta, ou provavelmente prestará, serviços ou cujas informações cobrirá em sua função na empresa. As informações obtidas por meio das responsabilidades de um Funcionário no JPMC, incluindo informações obtidas por meio das responsabilidades de cobertura de instrumentos financeiros específicos ou cobertura de clientes antigos, existentes ou futuros, não poderão ser utilizadas para fins de investimento pessoal. Em algumas linhas de negócios, estão em vigor períodos específicos de restrição de negociação pessoal (por exemplo, cooling off ) Instrumentos Financeiros Restritos O JPMC poderá impor restrições periódicas à negociação pessoal de certos instrumentos financeiros. Essas restrições também podem ser aplicadas a cestas ou índices financeiros com relação aos quais alguns ou todos os instrumentos financeiros subjacentes poderão apresentar um conflito ou dariam ao Funcionário exposição a um instrumento de outra forma proibido pela Política. É estritamente proibido negociar instrumentos financeiros sujeitos a restrições do JPMC Restrições à Atividade Comercial Especulativa Os Funcionários elegíveis e as Pessoa Relacionada devem investir com objetivos de longo prazo e não devem se envolver em atividades de negociação especulativa. A atividade comercial especulativa é estritamente proibida Ofertas Públicas de Ações (IPOs) Em geral, os Funcionários elegíveis do JPMC e Pessoa Relacionada estão proibidos de participar de Ofertas Públicas de Ações (IPOs) Operações Privadas com Valores Mobiliários Não são permitidas operações privadas com valores mobiliários (também conhecidas como selling away from the firm ), em que o Funcionário elegíveis oferece a um terceiro um investimento fora do escopo regular de seu contrato de trabalho com o JPMC.

8 11. Exigências de Bloqueio com relação a Operações com Valores Mobiliários do JPMC Todos os Funcionários elegíveis e suas Pessoas Relacionadas estão proibidos de negociar valores mobiliários do JPMC e Equivalentes do JPMC durante o período de duas semanas anterior à divulgação dos resultados trimestrais do JPMC (Período de Blackout). Períodos de Blackout Estendidos serão implementados dependendo do cargo do Funcionários, da natureza de seu trabalho ou de seu acesso a certas informações demonstrem estes estejam em posse de MNPI relacionadas ao JPMC. 12. Investimentos Privados Divulgação de Investimentos Privados Os Funcionários elegíveis devem divulgar prontamente todos os investimentos de capital fechado em que eles ou uma Pessoa Relacionada possam estar envolvidos. Esses Investimentos Privados abrangem investimentos em empresas de capital fechado Investimentos Privados de Pessoas Relacionadas Os Funcionários elegíveis são responsáveis pela divulgação de todos os investimentos, não importando sua localização, feitos por Pessoa Relacionada. Os Funcionários elegíveis devem verificar se esses investimentos são feitos de acordo com esta Política Divulgação Inicial Frequência de Divulgação Após receber uma notificação de que estão sujeitos a esta Política, os Funcionários elegíveis devem divulgar e certificar todos os Investimentos Privados divulgáveis em até 30 dias Dever de Manter Atualizadas as Informações sobre Investimentos Privados Os Funcionários elegíveis possuem uma obrigação contínua de garantir que quaisquer investimentos adicionais ou modificações em investimentos existentes sejam informados oportunamente Certificação Anual/Periódica Os Funcionários elegíveis devem analisar e afirmar periodicamente a precisão e a validade de todos os Investimentos Privados anteriormente divulgados ao JPMC. Essa revisão e afirmação devem ser realizadas no mínimo anualmente Exigências de Pré-autorização Os Funcionários elegíveis devem obter aprovação de todos os Investimentos Privados divulgáveis antes do investimento inicial. Quaisquer investimentos adicionais (extras), incluindo alterações ou modificações substanciais de uma posição existente, também devem ser submetidos a aprovação.

9 12.4. Restrições de Investimento Os Funcionários elegíveis e as Pessoa Relacionada devem evitar participar de investimentos que poderiam apresentar um conflito de interesses ou representar um risco à reputação do JPMC. Os Investimentos Privados não serão aprovados quando o Funcionários elegíveis puder estar de posse de MNPI ou caso a oportunidade possa representar um possível conflito de interesses Investimentos em Fundos Ativistas Alguns grupos de Funcionários elegíveis não têm permissão para investir diretamente em nenhum fundo de hedge que busque abordagens ativistas Investimentos em Concorrentes Os Funcionários elegíveis não poderão investir em um Concorrente a menos que o Concorrente seja uma companhia aberta. 13. Violações, Ações de Acompanhamento e Exceções As operações em Contas Divulgadas e o cumprimento de todos os outros aspectos desta Política estão sujeitos a análise pelo JPMC. Notificações de violação da política serão emitidas aos Funcionários elegíveis devido a inobservância da Política, e o Funcionário poderá ser submetido a ação de acompanhamento adicional (sujeito a leis e reguladores locais). O JPMC reserva-se o direito de exigir a reversão de quaisquer operações que violem os termos da Política. Todos os custos e perdas atribuídos à reversão da operação serão de responsabilidade do Funcionário elegíveis. Exceções às exigências desta Política devem ser analisadas e aprovadas pela área de Compliance. 14. Definição de termos Fundo Hedge Concorrente Pessoa Relacionada 9 Fundo cuja estratégia é adquirir uma grande quantidade de instrumentos financeiros de uma empresa de capital aberto e/ou obter cadeiras no conselho dessa empresa com o objetivo de realizar uma grande mudança na empresa. Inclui quaisquer empresas de serviços financeiros não relacionadas de qualquer natureza e outras envolvidas em qualquer negócio que o JPMC esteja envolvido (mesmo se não estiver em concorrência direta com o JPMC no momento), como bancos, gestores de ativos, empresas de private equity, instituições de depósito, cooperativas de crédito, credores, bancos de investimento, algumas seguradoras e agências de seguro e corretores de valores mobiliários, dealers e subscritores. Pessoas que, com base em seu relacionamento com um Funcionário do JPMC, estão sujeitas às disposições desta Política, incluindo, entre outras: Cônjuge, companheiro ou filhos menores de idade (mesmo se financeiramente independentes) de um Funcionário sujeito.

10 Qualquer pessoa a quem o Funcionário forneça apoio financeiro significativo. Funcionário Tercerizado Qualquer pessoa, que não um Funcionário, que preste um serviço ao JPMC e que necessite de acesso a um sistema interno do JPMC ou de acesso desacompanhado a uma unidade do JPMC. Funcionário Qualquer pessoa diretamente empregada pelo JPMC. Contas Integralmente Administradas Contas detidas por um Funcionário ou Pessoa Relacionada nas quais eles não exerçam critério de investimento. Período de Manutenção O período a partir da data em que um investimento for feito até a data de alienação. Contas do Escopo As contas ou investimentos relacionados ao Funcionário, independente de onde estejam localizados, são divulgáveis e, portanto, estão sujeitos à Política. Essas contas e investimentos incluem, entre outros, aqueles estabelecidos, mantidos ou controlados (direta ou indiretamente) por Funcionários elegíveis ou Pessoa Relacionada. JPMC O JPMorgan Chase e suas subsidiárias diretas e indiretas. Equivalentes do JPMC Inclui fundos negociados em bolsa de valores compostos de uma parte considerável de valores mobiliários do JPMC. MNPI Informações privilegiadas Não Públicas (MNPI), ou informações privilegiadas, são informações não conhecidas pelo público, mas que, caso se tornem conhecidas, provavelmente afetarão o preço de mercado dos valores mobiliários emitidos por uma empresa ou seriam consideradas importantes para um investidor ao decidir comprar ou vender esses instrumentos financeiros. Narrow-based ETF Fundos Negociados em Bolsa de Valores (ETF), cestas ou índices financeiros com 20 ou menos componentes subjacentes. Conta de Negociação 10 Funcionários Conta que pode realizar e negociar a compra e venda de instrumentos financeiros sob a orientação do correntista ou de seu representante. Todos os Funcionários e FuncionáriosTerceirizados. 15. Decretos, Leis, Normas, Regulamentos ou Diretrizes Externas Decretos, Leis, Normas, Regulamentos ou Diretrizes Externas As exigências nos termos desta política devem ser aplicadas de acordo com os decretos, leis, normas, regulamentos e diretrizes externas das jurisdições em que o JPMC opera. Os itens abaixo poderão não representar uma lista exaustiva e devem ser cruzados com as Obrigações Legais mapeadas para esta política na Aplicação Legal Empresarial (ELA Enterprise Legal Application). Artigo 10(b) do Securities Exchange Act de 1934

11 Artigo 16 do Securities Exchange Act de 1934 Normas 10b5-1 e 10b5-2 da SEC Norma 2010 da FINRA) (Normas de Honra Comercial e Princípios de Comércio) Norma 2020 da FINRA (Uso de Dispositivos de Manipulação, Enganosos ou Outros Dispositivos Fraudulentos) Norma 3110 da FINRA (Supervisão) Norma 3120 da FINRA (Sistema de Controle de Supervisão) Norma 5130 da FINRA (Restrições à Compra e Venda em Ofertas Públicas de Ações) Norma 5270 da FINRA (Front Running de Operações em Bloco) Norma 5320 da FINRA (Proibição de Negociação à Frente de Pedidos de Clientes) Norma 3040 da NASD (Operações com Valores Mobiliários Privados de uma Pessoa Relacionada) Norma 204A-1 do Investment Advisors Act Norma 17j-1 do Investment Company Act de

HAMILTON LANE INVESTIMENTOS LTDA. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO PESSOAL. Rio de Janeiro, Junho de SP v1

HAMILTON LANE INVESTIMENTOS LTDA. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO PESSOAL. Rio de Janeiro, Junho de SP v1 HAMILTON LANE INVESTIMENTOS LTDA. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO PESSOAL Rio de Janeiro, Junho de 2016. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO PESSOAL 1.1. Introdução O objetivo desta política é descrever as normas e procedimentos

Leia mais

Banco Safra S.A. Política de Investimentos Pessoais

Banco Safra S.A. Política de Investimentos Pessoais Banco Safra S.A Política de Investimentos Pessoais Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 PROCEDIMENTOS PARA OPERAÇÕES:... 3 1.2 OPERAÇÕES QUE REQUEREM PRÉ-APROVAÇÃO:... 4 1.3 OPERAÇÕES QUE NÃO REQUEREM PRÉ-APROVAÇÃO

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA PARA OS ANALISTAS DE INVESTIMENTOS DA SOLIDUS S.A. CCVM

NORMAS DE CONDUTA PARA OS ANALISTAS DE INVESTIMENTOS DA SOLIDUS S.A. CCVM NORMAS DE CONDUTA PARA OS ANALISTAS DE INVESTIMENTOS DA SOLIDUS S.A. CCVM 1. OBJETIVOS O objetivo das Normas de Conduta é estabelecer os procedimentos necessários para o exercício das atividades dos Analistas

Leia mais

Darby Administração de Investimentos Ltda. CNPJ/MF: / POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS. Junho de 2016

Darby Administração de Investimentos Ltda. CNPJ/MF: / POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS. Junho de 2016 Darby Administração de Investimentos Ltda. CNPJ/MF: 05.977.098/0001-55 POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS Junho de 2016 Esta Política de Gestão de Riscos ( Política ) é de propriedade exclusiva de Darby Administração

Leia mais

Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional

Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional Samba Investimentos Página1 Este manual de operações estabelece princípios e regras de conduta aplicáveis a todos colaboradores da Samba Investimentos

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS E NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS SUMÁRIO

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS E NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS SUMÁRIO POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS E NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS SUMÁRIO I - Objetivo... 2 II - Aplicação... 2 III - Regras de Conduta... 3 IV - Disposições Gerais... 6 ANEXO A - Declaração Anual

Leia mais

POLÍTICA DE COMPRA E DE VENDAS POR RELACIONADOS. Elaboração: Controles internos Aprovação: Diretoria Versão: 01

POLÍTICA DE COMPRA E DE VENDAS POR RELACIONADOS. Elaboração: Controles internos Aprovação: Diretoria Versão: 01 POLÍTICA DE COMPRA E DE VENDAS POR RELACIONADOS Elaboração: Controles internos Aprovação: Diretoria Versão: 01 Código: MCICCVRC-0116 Vigente desde: 01/2016 Data de referência: 11/2015 2 1. DISPOSIÇÕES

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLE DE INFORMAÇÕES CONFIDENCIAIS

POLÍTICA DE CONTROLE DE INFORMAÇÕES CONFIDENCIAIS POLÍTICA DE CONTROLE DE INFORMAÇÕES CONFIDENCIAIS Junho/2016 1 Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. CONTROLES FÍSICOS e LÓGICOS... 3 4. SIGILO BANCÁRIO... 4 5. PADRÃO DE CONDUTA... 4 6. INFORMAÇÕES

Leia mais

MANUAL DE POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS

MANUAL DE POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS MANUAL DE POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS Versão: 31 de Maio de 2017 Sumário 1. Introdução... 2 2. Classificação dos Colaboradores... 2 3. Declaração de Investimentos Pessoais dos Colaboradores... 3

Leia mais

Política de Negociação de Valores Mobiliários da Multiner S.A.

Política de Negociação de Valores Mobiliários da Multiner S.A. MULTINER S.A. CNPJ/MF: 08.935.054/0001-50 Companhia Aberta Política de Negociação de Valores Mobiliários da Multiner S.A. A presente Política foi elaborada nos termos da Instrução da CVM n.º 358, de 3

Leia mais

P3 Código MANUAL DE CONTROLES INTERNOS FATOR CORRETORA COR-MOC.013. Atividade de Analista de Valores Mobiliários - Inst.

P3 Código MANUAL DE CONTROLES INTERNOS FATOR CORRETORA COR-MOC.013. Atividade de Analista de Valores Mobiliários - Inst. de Analista de Valores Mobiliários - Inst. CVM nº 483 1. CONTEÚDO DESTE DOCUMENTO MANUAL DE CONTROLES INTERNOS Contêm os requisitos e diretrizes básicas para o credenciamento e as responsabilidades de

Leia mais

Política de Investimento Pessoal

Política de Investimento Pessoal Política de Investimento Pessoal Introdução Com fundamento no art. 16, IX, da Instrução CVM n.º 558/15, o objetivo da política de investimento pessoal é estabelecer procedimentos e regras para os investimentos

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS NORTE INVESTIMENTOS ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS Versão 2.0 Vigência Agosto / 2016 Classificação das Informações [ X ] Uso Interno [ ] Uso Público Conteúdo 1. Objetivo

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR ADMINISTRADORES, EMPREGADOS E COLABORADORES

POLÍTICAS DE COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR ADMINISTRADORES, EMPREGADOS E COLABORADORES POLÍTICAS DE COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR ADMINISTRADORES, EMPREGADOS E COLABORADORES Última atualização: 20/06/2016 A reprodução e a distribuição deste Manual fora do MODAL sem a devida autorização

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS ESTÁTER ASSESSORIA FINANCEIRA LTDA. JUNHO/2016

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS ESTÁTER ASSESSORIA FINANCEIRA LTDA. JUNHO/2016 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS da ESTÁTER ASSESSORIA FINANCEIRA LTDA. JUNHO/2016 ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Política de Investimentos Pessoais... 4 2 1. Introdução 1.1 Sumário Esta Política de Investimentos

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS Junho/2016 Sócios / Administração 1 / 7 Índice 1. Objetivo... 3 2. Estrutura... 3 a. Comitê de Risco... 3 3. Risco de Preço... 4 4. Risco de Liquidez e Concentração... 4 5.

Leia mais

MANUAL DO ANALISTA DE VALORES MOBILIÁRIOS

MANUAL DO ANALISTA DE VALORES MOBILIÁRIOS MANUAL DO ANALISTA DE VALORES MOBILIÁRIOS Este documento vem em atendimento a Instrução CVM 483, de 06 de Julho de 2010, que dispõe sobre a atividade do profissional de Análise de Valores Mobiliários.

Leia mais

MANUAL DE RISCO OPERACIONAL TERRA NOVA GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO DE NEGOCIOS LTDA.

MANUAL DE RISCO OPERACIONAL TERRA NOVA GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO DE NEGOCIOS LTDA. MANUAL DE RISCO OPERACIONAL TERRA NOVA GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO DE NEGOCIOS LTDA. 1 Sumário Introdução...3 Definições...3 Gerenciamento de Risco...3 Apoio ao Gerenciamento...4 Escopo de Atuação de Risco...4

Leia mais

Política de Auditoria Interna

Política de Auditoria Interna Política de Auditoria Interna 22 de outubro 2013 Define a missão, a independência, a objetividade, as responsabilidades e regulamenta a função da auditoria interna. ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. PÚBLICO ALVO...

Leia mais

Carta do Presidente da Crown

Carta do Presidente da Crown Código de Conduta Carta do Presidente da Crown A reputação de integridade da Crown não é apenas construída com base na qualidade de seus produtos e serviços, mas também conta com um histórico de honestidade,

Leia mais

MANUAL DO ANALISTA DE VALORES MOBILIÁRIOS

MANUAL DO ANALISTA DE VALORES MOBILIÁRIOS MANUAL DO ANALISTA DE VALORES MOBILIÁRIOS Atualizado em: Jan/12 Última atualização em: Out/13 Este documento rege as atividades desemprenhas pelos Analistas de Valores Mobiliários vinculados a Um Investimentos,

Leia mais

Procedimentos aplicáveis à realização de investimentos pessoais

Procedimentos aplicáveis à realização de investimentos pessoais POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS Esta política estabelece os procedimentos e normas aplicáveis a todo e qualquer investimento pessoal que venha a ser realizado pelos sócios, diretores, empregados, funcionários,

Leia mais

Código de Ética Elaborado em Janeiro de 2016 Atualizado em Junho de 2016 1. INTRODUÇÃO Este Código de Ética estabelece as regras e princípios que nortearão os padrões éticos e de conduta profissional,

Leia mais

Política de Precificação de Ativos

Política de Precificação de Ativos Política de Precificação de Ativos 1 SUMÁRIO I. OBJETIVO... 3 II. DEFINIÇÕES... 3 III. PRINCÍPIOS E DIRETRIZES... 3 IV. METODOLOGIA... 5 V. APROVAÇÃO... 7 2 I. OBJETIVO Este documento tem como objetivo

Leia mais

Política de Compra e Venda TVM

Política de Compra e Venda TVM POLÍTICA ECO GESTÃO DE ATIVOS PAG.: 1 de 6 Política de Compra e Venda TVM POLÍTICA ECO GESTÃO DE ATIVOS PAG.: 2 de 6 ÍNDICE 1) Introdução...3 2) Objetivo...3 3) Negociações...3 4) Prazos de Restrições

Leia mais

Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários

Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários Em atendimento à instrução nº 558 da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), de 26 de março de 2015, a presente política visa apresentar as diretrizes de

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO DA HAMILTON LANE INVESTIMENTOS LTDA. Rio de Janeiro, Junho de SP v1

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO DA HAMILTON LANE INVESTIMENTOS LTDA. Rio de Janeiro, Junho de SP v1 POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO DA HAMILTON LANE INVESTIMENTOS LTDA. Rio de Janeiro, Junho de 2016 POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1.1. Introdução O objetivo desta política é descrever as normas e os procedimentos

Leia mais

Política de Transparência nas Relações com Terceiros

Política de Transparência nas Relações com Terceiros Política de Transparência nas Relações com Terceiros Sumario Objetivo e Alcance 3 Princípios gerais 3 1. Declaração de conflito de interesses 4 1.1. Definição de conflito de interesses 4 1.2. Conflitos

Leia mais

POL-006 Política de Investimentos Pessoais

POL-006 Política de Investimentos Pessoais POL-006 Política de Investimentos Pessoais POL-006 Política de Investimentos Pessoais (versão 01/2016) Sumário 1. Objetivo... 1 2. Âmbito de Aplicação... 1 3. Considerações Gerais... 1 4. Vínculos... 1

Leia mais

Renda Fixa. Nota Promissória. Renda Fixa

Renda Fixa. Nota Promissória. Renda Fixa Renda Fixa O produto A (NP), também conhecida como nota comercial ou commercial paper, é um título emitido por companhias com o objetivo de captar recursos, geralmente para financiar seu capital de giro.

Leia mais

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos Instrução CVM 558

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos Instrução CVM 558 1. Objetivo A administração de carteiras de valores mobiliários é o exercício profissional de atividades relacionadas, direta ou indiretamente, ao funcionamento, à manutenção e à gestão de uma carteira

Leia mais

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos CM CAPITAL MARKETS ASSET MANAGEMENT LTDA. Data de Atualização: 06/2016 Aviso Legal: Este documento pode conter informações confidenciais e/ou privilegiadas.

Leia mais

Sonae Sierra Brasil Código de Conduta

Sonae Sierra Brasil Código de Conduta Sonae Sierra Brasil Código de Conduta INTRODUÇÃO O Que é Nosso Código de Conduta? Nosso Código de Conduta estabelece e promove os aspectos fundamentais de comportamento ético que, na opinião da nossa Companhia,

Leia mais

Comissão de Valores Mobiliários

Comissão de Valores Mobiliários Comissão de Valores Mobiliários A informação nas Companhias Abertas Sigilo e Divulgação Maio/2015 Ressalto que as opiniões que expressarei aqui hoje refletem exclusivamente a minha visão e não necessariamente

Leia mais

POLÍTICAS QUANTO À COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR PARTE DE FUNCIONÁRIOS, DIRETORES E ADMINISTRADORES

POLÍTICAS QUANTO À COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR PARTE DE FUNCIONÁRIOS, DIRETORES E ADMINISTRADORES POLÍTICAS QUANTO À COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR PARTE DE FUNCIONÁRIOS, DIRETORES E ADMINISTRADORES ÍNDICE I - POLÍTICAS QUANTO À COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR PARTE DE FUNCIONÁRIOS,

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO 2ª REVISÃO INÍCIO DA VIGÊNCIA. 15/junho/2016

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO 2ª REVISÃO INÍCIO DA VIGÊNCIA. 15/junho/2016 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO 2ª REVISÃO INÍCIO DA VIGÊNCIA 15/junho/2016 Pg 1 de 6 I. OBJETIVO E ESCOPO 1. O objetivo desta Política é dar as diretrizes do gerenciamento do risco de crédito

Leia mais

Política de Partes Relacionadas

Política de Partes Relacionadas Política de Partes Relacionadas SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 A QUEM SE APLICA... 3 3 DEFINIÇÃO DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS... 3 4 DEFINIÇÃO DE PARTES RELACIONADAS... 4 5 DEFINIÇÃO DE SITUAÇÕES

Leia mais

Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários

Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários (Revisão: Junho 2016) Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1. Grupo Stratus:... 3 1.2. Atividades do Grupo Stratus:... 3 1.3. A Política:... 3 1.4. Conhecimento

Leia mais

Manual de Política de Investimento Pessoal

Manual de Política de Investimento Pessoal Manual de Política de Investimento Pessoal A Mach investimentos acredita que um dos principais pilares para uma gestão eficiente e com bons resultados seja o alinhamento de objetivos entre os gestores

Leia mais

Este anúncio é de caráter exclusivamente informativo, não se tratando de oferta de venda de valores mobiliários.

Este anúncio é de caráter exclusivamente informativo, não se tratando de oferta de venda de valores mobiliários. Este anúncio é de caráter exclusivamente informativo, não se tratando de oferta de venda de valores mobiliários. ANÚNCIO DE ENCERRAMENTO DE OFERTA PÚBLICA DE DISTRIBUIÇÃO PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA DE BDRS

Leia mais

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF:

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF: Lâmina de Informações Essenciais do Informações referentes à Janeiro de 2017 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o TÍTULO FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO - LONGO PRAZO (Título

Leia mais

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A.

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. 23.1.2015 1. OBJETIVO 1.1 A presente Política de Transações com Partes Relacionadas da BB Seguridade Participações S.A. (

Leia mais

NORMA DE PRIVACIDADE NORMA INTERNA

NORMA DE PRIVACIDADE NORMA INTERNA NORMA DE PRIVACIDADE NORMA INTERNA Sumário 1. INTRODUÇÃO...4 2. POLÍTICA DE PRIVACIDADE...4 2.1 ATUALIZAÇÃO CADASTRAL...4 2.2 DIREITOS DE ACESSO...5 2.3 TRATAMENTO DE INFORMAÇÕES...5 2.4 SEGURANÇA E SIGILO...5

Leia mais

Política de Negociação POL CPL 002

Política de Negociação POL CPL 002 POL CPL 002 1. OBJETIVO A presente política tem como objetivo a conformidade com os parâmetros de atuação no mercado, a adequação às normas emitidas pelos órgãos reguladores e o afastamento de atividades

Leia mais

JBS S.A. Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ n.º / NIRE AVISO AOS ACIONISTAS

JBS S.A. Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ n.º / NIRE AVISO AOS ACIONISTAS JBS S.A. Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ n.º 02.916.265/0001-60 NIRE 35.300.330.587 AVISO AOS ACIONISTAS JBS S.A. ( JBS ou Companhia ), em complemento ao Aviso aos Acionistas da JBS divulgado

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE RISCOS

MANUAL DE GESTÃO DE RISCOS MANUAL DE GESTÃO DE RISCOS Junho, 2016 1 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. COMITÊ DE RISCO e CONTROLES INTERNOS... 3 3. ORGANOGRAMA... 3 4. RISCO DE CRÉDITO... 4 5. RISCO DE LIQUIDEZ... 4 6. RISCO DE CONTRAPARTE...

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Úl#ma atualização: Agosto/2011

CÓDIGO DE ÉTICA. Úl#ma atualização: Agosto/2011 Úl#ma atualização: Agosto/2011 A É#ca é um dos três principais pilares da Inva Capital - juntamente com Competência e Resultado. Por isso, baseamos nosso Código de É#ca e Padrões de Conduta Profissional

Leia mais

Política de Confidencialidade Colaboradores Venturestar

Política de Confidencialidade Colaboradores Venturestar Política de Confidencialidade Colaboradores Venturestar (versão 05.2016) 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE... 4 2 INTRODUÇÃO Esta Política de Confidencialidade dos Colaboradores da

Leia mais

Código Revisão Data Emissão Aprovação POL /05/2017 GEFIN RCA

Código Revisão Data Emissão Aprovação POL /05/2017 GEFIN RCA Código Revisão Data Emissão Aprovação POL 09.00002 1.0 03/05/2017 GEFIN RCA Título: Política de Gestão de Derivativos Sumário 1 OBJETIVO... 2 2 ABRANGÊNCIA... 2 3 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA... 2 4 DEFINIÇÕES...

Leia mais

Política de Divulgação de Ato ou Fato Relevante da BrasilAgro - Companhia Brasileira de Propriedades Agrícolas

Política de Divulgação de Ato ou Fato Relevante da BrasilAgro - Companhia Brasileira de Propriedades Agrícolas Política de Divulgação de Ato ou Fato Relevante da BrasilAgro - Companhia Brasileira de Propriedades Agrícolas I. Introdução 1. A presente Política de Divulgação foi elaborada nos termos da Instrução CVM

Leia mais

POLÍTICA DE COMPLIANCE, CONTROLES INTERNOS E CUMPRIMENTO DA INSTRUÇÃO CVM 558/15

POLÍTICA DE COMPLIANCE, CONTROLES INTERNOS E CUMPRIMENTO DA INSTRUÇÃO CVM 558/15 POLÍTICA DE COMPLIANCE, CONTROLES INTERNOS E CUMPRIMENTO DA INSTRUÇÃO CVM 558/15 SOMENTE PARA USO INTERNO Este material foi elaborado pela Atmos Capital Gestão de Recursos Ltda. ( Atmos Capital ou Gestora

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO Sumário INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVOS... 3 SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 3 SISTEMAS E BACKUPS... 5 SEGREGAÇÃO DE ATIVIDADES... 5 VIGÊNCIA E ATUALIZAÇÃO... 6 POLÍTICA DE SEGURANÇA

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA ODONTOPREV S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA ODONTOPREV S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA ODONTOPREV S.A. 1. Objetivos e Abrangência 1.1. O objetivo da presente Política de Negociação é estabelecer as regras que deverão ser observadas pelos acionistas

Leia mais

Código de Conduta dos Fornecedores da TCS. Julho 2016

Código de Conduta dos Fornecedores da TCS. Julho 2016 Código de Conduta dos Fornecedores da TCS Julho 2016 Código de Conduta dos Fornecedores da TCS O Grupo Tata tem sido sempre um exemplo perfeito do verdadeiro espírito ético nos negócios em suas interações

Leia mais

PQ /04/

PQ /04/ PQ.06 03 02/04/2013 1-5 1. OBJETIVO Estabelecer sistematica para o processo de solicitação, análise crítica e preparação para a avaliação da conformidade. 2. DEFINIÇÕES Modelo de Avaliação da Conformidade:

Leia mais

MOSAICO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS

MOSAICO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS MOSAICO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS I. OBJETO Esta Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias ( Política ) tem por objetivo estabelecer

Leia mais

NORMAS SOBRE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES DA COMPANHIA DISTRIBUIDORA DE GÁS DO RIO DE JANEIRO - CEG

NORMAS SOBRE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES DA COMPANHIA DISTRIBUIDORA DE GÁS DO RIO DE JANEIRO - CEG NORMAS SOBRE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES DA COMPANHIA DISTRIBUIDORA DE GÁS DO RIO DE JANEIRO - CEG I. DO OBJETIVO 1.1. O objetivo destas normas é estabelecer uma política de divulgação de ato ou fato relevante

Leia mais

Oferta Pública pela Arcelor Brasil

Oferta Pública pela Arcelor Brasil Oferta Pública pela Arcelor Brasil Relação com Investidores Maio de -1- Avisos Considerações Futuras Este documento contêm considerações futuras e declarações sobre a Mittal Steel Company N.V. ( Arcelor

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS MOGNO CAPITAL INVESTIMENTOS LTDA.

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS MOGNO CAPITAL INVESTIMENTOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS MOGNO CAPITAL INVESTIMENTOS LTDA. Política de Exercício do Direito de Voto em Assembleias gerais relativas a ativos detidos pelos fundos de

Leia mais

Procedimento para monitoramento e aderência à ICVM 558 Controles Internos

Procedimento para monitoramento e aderência à ICVM 558 Controles Internos Procedimento Procedimento para monitoramento e aderência à ICVM 558 Controles Internos Data efetiva do documento: 27 de junho de 2016 Índice 1. Sumário... 2 2. Versão anterior... 2 3. Escopo... 2 3.1.

Leia mais

MASCARENHAS BARBOSA ROSCOE S/A CONSTRUÇÕES POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS

MASCARENHAS BARBOSA ROSCOE S/A CONSTRUÇÕES POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS MASCARENHAS BARBOSA ROSCOE S/A CONSTRUÇÕES POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS Objetivo Estabelecer regras gerais para os processos de contratação de terceiros e obrigações básicas que devem ser adotadas

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E CONTROLE INTERNO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E CONTROLE INTERNO MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E CONTROLE INTERNO Agosto / 2015 SUMÁRIO I) INTRODUÇÃO... 2 II) METODOLOGIA PARA DISTRIBUIÇÃO DE ORDENS... 2 III) METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO... 3

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO. JHSF Participações S.A. CNPJ /

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO. JHSF Participações S.A. CNPJ / 1 POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO JHSF Participações S.A. CNPJ 08.294.224/0001-65 A presente política de negociação visa estabelecer os parâmetros de negociação de valores mobiliários de emissão da JHSF Participações

Leia mais

A InBev anuncia que os resultados da OPA foram os seguintes:

A InBev anuncia que os resultados da OPA foram os seguintes: InBev S.A./N.V. ( InBev ), em complementação ao Fato Relevante publicado no último dia 24 de março referente à oferta pública obrigatória de aquisição ( OPA ou Oferta ) das ações ordinárias de emissão

Leia mais

Política de Investimento Pessoal

Política de Investimento Pessoal Política de Investimento Pessoal Novembro 2015 Objetivo O objetivo desta Política de Investimento Pessoal (ou Política) é estabelecer procedimentos e regras para os investimentos pessoais dos Colaboradores

Leia mais

Manual de Normas Letra Financeira

Manual de Normas Letra Financeira Versão: 27/07/2015 Documento Público 2 / 10 MANUAL DE NORMAS LETRA FINANCEIRA SUMÁRIO CAPÍTULO I DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO II DOS PARTICIPANTES 4 Seção I Do Registrador de 4 Seção II Das atribuições do Emissor

Leia mais

Estágio 2 Auditoria de Certificação. Plano de Ações. Follow up. Emissão do Certificado

Estágio 2 Auditoria de Certificação. Plano de Ações. Follow up. Emissão do Certificado As atividades a serem conduzidas para a Certificação do Sistema de Gestão de sua Empresa serão realizadas de acordo com os requisitos, princípios, critérios e práticas de auditoria, com o objetivo de se

Leia mais

Credit Suisse (Brasil) Procedimentos específicos à atividade de Equity Research realizada pelo Credit Suisse no Brasil

Credit Suisse (Brasil) Procedimentos específicos à atividade de Equity Research realizada pelo Credit Suisse no Brasil Credit Suisse (Brasil) Procedimentos específicos à atividade de Equity Research realizada pelo Credit Suisse no Brasil Dezembro de 2013 Índice 1. Organização... 2 2. Independência da análise... 2 3. Identificação

Leia mais

Termos e condições da Oferta de Adoção do Cloud PBX do ano fiscal de 2016 Revisado em 1 de fevereiro de 2016

Termos e condições da Oferta de Adoção do Cloud PBX do ano fiscal de 2016 Revisado em 1 de fevereiro de 2016 Página 1 de 5 Termos e condições da Oferta de Adoção do Cloud PBX do ano fiscal de 2016 Revisado em 1 de fevereiro de 2016 Este documento define os detalhes da Oferta de Adoção do Cloud PBX do ano fiscal

Leia mais

CREDIT SUISSE HEDGING-GRIFFO. Credit Suisse Hedging-Griffo Asset Management Partners Gestão de Recursos S.A.

CREDIT SUISSE HEDGING-GRIFFO. Credit Suisse Hedging-Griffo Asset Management Partners Gestão de Recursos S.A. 10 CREDIT SUISSE HEDGING-GRIFFO Credit Suisse Hedging-Griffo Asset Management Partners Gestão de Recursos S.A. Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Gerais relativas a ativos detidos

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE DA BR TOWERS SPE1 S.A.

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE DA BR TOWERS SPE1 S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE DA BR TOWERS SPE1 S.A. A presente Política de Divulgação tem como princípio geral estabelecer o dever da BR TOWERS SPE1 S.A ( Companhia ) de divulgar, de

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS BRASIL PLURAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA.

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS BRASIL PLURAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS BRASIL PLURAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. I - Definição e Finalidade 1. A presente Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Gerais

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO COMPETÊNCIA DEZEMBRO/2015 Existe o risco que você não pode jamais correr, e existe o risco que você não pode deixar de correr. Peter Drucker I. INTRODUÇÃO

Leia mais

Safra Plus DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em

Safra Plus DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em Safra Plus DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO DE LONGO PRAZO COM ACOES RESTRITAS RAIA DROGASIL S.A.

PROGRAMA DE INCENTIVO DE LONGO PRAZO COM ACOES RESTRITAS RAIA DROGASIL S.A. PROGRAMA DE INCENTIVO DE LONGO PRAZO COM ACOES RESTRITAS DA RAIA DROGASIL S.A. Aprovada na Assembleia Geral Extraordinária realizada em 23 de abril de 2014 1 PROGRAMA DE INCENTIVO DE LONGO PRAZO COM ACOES

Leia mais

II. Receber dos funcionários os avisos de movimentação nos ativos sujeitos a monitoramento e verificar sua adequação às disposições desta Política;

II. Receber dos funcionários os avisos de movimentação nos ativos sujeitos a monitoramento e verificar sua adequação às disposições desta Política; Sistemas de Controles Internos Categoria: Políticas e Conceitos Gerais Códigos: NCO 01 Título : Política de Investimentos Próprios 1. APRESENTAÇÃO A Icatu Gestão Patrimonial Ltda. ( IGP ), instituição

Leia mais

EB-5 GREEN CARD PARA INVESTIDORES

EB-5 GREEN CARD PARA INVESTIDORES POR O caminho para obtenção do green card EB-5 GREEN CARD PARA INVESTIDORES Todas as pessoas conhecem clientes, amigos ou parentes que possuem o desejo de se mudar para os Estados Unidos, especialmente

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS ORIGINAL ASSET MANAGEMENT

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS ORIGINAL ASSET MANAGEMENT POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS ORIGINAL ASSET MANAGEMENT Índice A) OBJETIVOS 3 B) APROVAÇÃO 3 C) ABRANGÊNCIA 3 D) DISPOSIÇÕES GERAIS 3 1. EXCLUSÕES 3 2. PRINCÍPIOS 4 3.

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA NOS MERCADOS DE VALORES O QUE PRECISAMOS SABER SOBRE INVESTIMENTOS PESSOAIS?

CÓDIGO DE CONDUTA NOS MERCADOS DE VALORES O QUE PRECISAMOS SABER SOBRE INVESTIMENTOS PESSOAIS? O QUE PRECISAMOS SABER SOBRE INVESTIMENTOS PESSOAIS? Introdução Este assunto é tratado no Código como Operações por Conta Própria. As Pessoas Sujeitas devem realizar suas operações de investimentos pessoais

Leia mais

MEMORANDUM ENTENDIMENTO RELATIVO A COOPERAÇÃO REGULATÓRIA BEIJING. 12 de novembro de 1997

MEMORANDUM ENTENDIMENTO RELATIVO A COOPERAÇÃO REGULATÓRIA BEIJING. 12 de novembro de 1997 MEMORANDUM DE ENTENDIMENTO THE CHINA SECURITIES REGULATORY COMMISSION COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS (BRASIL) RELATIVO A COOPERAÇÃO REGULATÓRIA BEIJING 12 de novembro de 1997 1.INTRODUÇÃO A Comissão de

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ

POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ Gerência de Riscos e Compliance Página 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Organograma... 3 3. Vigência... 4 4. Abrangência... 4 5. Conceito... 5 5.1 Risco de liquidez do fluxo

Leia mais

A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA. Desenvolvimento de Sistemas de Gestão. Comunicação Institucional

A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA. Desenvolvimento de Sistemas de Gestão. Comunicação Institucional A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA Desenvolvimento de Sistemas de Gestão Comunicação Institucional A Petrobras já integra o grupo das grandes companhias que adotam as melhores práticas de governança

Leia mais

BANCO BTG PACTUAL S.A. CNPJ: / POLITICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO

BANCO BTG PACTUAL S.A. CNPJ: / POLITICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO BANCO BTG PACTUAL S.A. CNPJ: 30.306.294/0001-45 POLITICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO (Aprovada em Assembleia Geral Extraordinária realizada em 16 de Agosto de 2011 e

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO I - DEFINIÇÕES E ADESÃO 1.1 - As definições utilizadas na presente Política de Divulgação têm os significados que lhes são

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI SELECT RF / Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI SELECT RF / Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI SELECT RF 23.682.485/0001-46 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER FUNDO

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO PESSOAL

POLÍTICA DE INVESTIMENTO PESSOAL POLÍTICA DE INVESTIMENTO PESSOAL 1.1 Esta política do Banco Daycoval S.A. ( Banco Daycoval ) ( Política de Investimento Pessoal ) visa determinar procedimentos e normas para investimentos pessoais dos

Leia mais

POLÍTICA. TÍTULO: PLT-SGR Política do SGSI - SISTEMA DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO APROVADO

POLÍTICA. TÍTULO: PLT-SGR Política do SGSI - SISTEMA DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO APROVADO 1/5 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO APROVADO 0000536 - André Delgado- SEGURANCA Danielle Souza; Oscar Zuccarelli; HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA REV. ALTERAÇÕES Atualização do item 2.2 - Solicitar

Leia mais

A Regulamentação do Mercado de Valores Mobiliários Uma Perspectiva Geral (Parte III)

A Regulamentação do Mercado de Valores Mobiliários Uma Perspectiva Geral (Parte III) A Bolsa de Valores Na parte final do artigo anterior caracterizámos o mercado secundário de valores e, neste âmbito, apresentámos a definição basilar da bolsa de valores, como uma entidade que tem por

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Novembro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Finalizar o conteúdo da Disciplina Governança de

Leia mais

Politica de Investimento para Negociação de Ativos pelos Colaboradores

Politica de Investimento para Negociação de Ativos pelos Colaboradores Política de Investimentos para Negociação de Ativos Pelos Colaboradores ( Politica de Investimentos Pessoais ) www.moreinvest.com.br POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA NEGOCIAÇÃO DE ATIVOS PELOS COLABORADORES

Leia mais

A BAF aplica as seguintes metodologias para a gestão suas atividades:

A BAF aplica as seguintes metodologias para a gestão suas atividades: POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS A BAF Investimentos Ltda. ("BAF") tem como filosofia ser conservadora em sua atuação, visando à gestão eficiente dos riscos intrínsecos as suas atividades. Nesse sentido, os

Leia mais

HAMILTON LANE INVESTIMENTOS LTDA. CÓDIGO DE ÉTICA. Rio de Janeiro, Junho de 2016.

HAMILTON LANE INVESTIMENTOS LTDA. CÓDIGO DE ÉTICA. Rio de Janeiro, Junho de 2016. HAMILTON LANE INVESTIMENTOS LTDA. CÓDIGO DE ÉTICA Rio de Janeiro, Junho de 2016. SP - 17708352v1 INTRODUÇÃO O objetivo deste Código de Ética é descrever as normas e os procedimentos a serem observados

Leia mais

Código de ética e conduta empresarial

Código de ética e conduta empresarial 1 INTRODUÇÃO A diretoria da Naspers estabelece a liderança pelo exemplo formulando nossos valores e garantindo que os padrões de ética empresarial, como contido neste Código, estejam integrados nas estratégias

Leia mais

IESUR / FAAR. Instituto de Ensino Superior de Ariquemes. Faculdades Associadas de Ariqueimes ACORDO DE COOPERAÇÃO. entre. xxxx

IESUR / FAAR. Instituto de Ensino Superior de Ariquemes. Faculdades Associadas de Ariqueimes ACORDO DE COOPERAÇÃO. entre. xxxx IESUR / FAAR Instituto de Ensino Superior de Ariquemes Faculdades Associadas de Ariqueimes ACORDO DE COOPERAÇÃO entre xxxx e IESUR, Rondônia, Brasil CLÁUSULA PRIMEIRA - Preâmbulo Em busca de interesses

Leia mais

POLÍTICA DE VOTO. Objetivo

POLÍTICA DE VOTO. Objetivo POLÍTICA DE VOTO Objetivo O objetivo desta Política de Voto é apresentar o processo que norteia nossas decisões nas assembleias gerais dos emissores de ativos financeiros que confiram direito de voto para

Leia mais

POLÍTICA DE RATEIO E DIVISÃO DE ORDENS

POLÍTICA DE RATEIO E DIVISÃO DE ORDENS POLÍTICA DE RATEIO E DIVISÃO DE ORDENS Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A Política de Rateio e Divisão de Ordens A política de Rateio e Divisão de Ordens do Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro SMBCB estabelece

Leia mais

Legislação Aplicável aos Ativos Orientações da Susep ao Mercado

Legislação Aplicável aos Ativos Orientações da Susep ao Mercado Legislação Aplicável aos Ativos Orientações da Susep ao Mercado Julho/2015 Conteúdo 1. BASE LEGAL... 2 1.1. NORMAS... 2 1.2. OUTRAS NORMAS RELACIONADAS... 4 2. NORMAS ADMINISTRATIVAS APLICÁVEIS... 5 1.

Leia mais

Receita Bruta manteve a tendência observada no ano, oscilando entre crescimento e queda na análise mensal. No trimestre, a queda foi de 8,3%

Receita Bruta manteve a tendência observada no ano, oscilando entre crescimento e queda na análise mensal. No trimestre, a queda foi de 8,3% Receita Bruta Receita Bruta manteve a tendência observada no ano, oscilando entre crescimento e queda na análise mensal. No trimestre, a queda foi de 8,3% Magazines As vendas para o canal Magazines mantiveram

Leia mais

XP Investimentos CCTVM SA

XP Investimentos CCTVM SA Política de Exercício de Direito de voto XP Investimentos CCTVM SA POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO E COMPANHIAS EMISSORAS DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 554/14: CLASSIFICAÇÃO DE INVESTIDORES. São Paulo, 18 de dezembro de 2014 Flavia Mouta

INSTRUÇÃO CVM Nº 554/14: CLASSIFICAÇÃO DE INVESTIDORES. São Paulo, 18 de dezembro de 2014 Flavia Mouta INSTRUÇÃO CVM Nº 554/14: CLASSIFICAÇÃO DE INVESTIDORES São Paulo, 18 de dezembro de 2014 Flavia Mouta 1 Comissão de Valores Mobiliários Protegendo quem investe no futuro do Brasil. O conteúdo da apresentação

Leia mais