Os CAPS e seu s trabal h a d o r e s: no olho do furacã o anti m a n i c o m i a l. Alegria e Alívio como dispo s i tiv o s analisador e s

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os CAPS e seu s trabal h a d o r e s: no olho do furacã o anti m a n i c o m i a l. Alegria e Alívio como dispo s i tiv o s analisador e s"

Transcrição

1 Os CAPS e seu s trabal h a d o r e s: no olho do furacã o anti m a n i c o m i a l. Alegria e Alívio como dispo s i tiv o s analisador e s Emerson Elias Merhy / 2004 Idéias No seu estudo sobre o trabalho médico no Progra m a de Saúde da Família, em São Paulo, Angela Capozzolo 1 teve a interess a n t e image m do olho do furacão, para representar o que via na promessa deste Progra m a em ser alternativo e substitutivo ao que chama de modelo médico hege mônico. Considera que este modelo não tem capacidade de operar a produç ão da saúde, pois está, antes de tudo, comprometido com os interess es econômicos e corporativos predomina nt es na sociedade, e não com o mundo das necessidad e s de saúde dos indivíduos e coletivos. Sem discordar da visão crítica que, com a sua promessa, nos oferta do modelo médico hegemônico, o que me chamou a atenção, e da qual vou pedir algumas coisas emprestadas para a Angela, é a idéia de que: quem promete ser alternativo e substit u tivo de um outro modo de prod u zir ações de saú d e, ou mes m o, que m do seu luga r faz uma leitu r a crítica das form a s Gostaria de deixar claro que este texto é um ensaio e é devedor de um trabalho coletivo com os profissionai s do Cândido Ferr ei r a, Cam pi n a s, dura n t e o ano 2003, com que m pude vivenci a r muita s situaçõ e s instiga n t e s, não confort áv eis, de como é dur a a vida dos que apos t a m na muda n ç a. Sou deve do r tamb é m de muit a s de suas idéias, que, aqui, sistematizo e agrego novos elementos Muitos dos termos que uso, como alívio, cuidar de cuidador es, são devedores de vários outros com quem venho trabalhan do. No decorrer do texto cito partes das fontes, outra s ficara m tão minha s tam b é m que não as localizo, mas as reconh e ç o como de muitos auto re s. 1 A Angela aprese ntou este trabalho como sua tese de doutoramento no Curso de Pós em Saúde Coletiva no DMPS/UNICAMP 1

2 hegemônica s de se construir práticas de saúde; só pode estar no olho do furacão. Não que ro com isso copia r os mes m o s sentid o s dest a repres e nt a ç ã o, mas ela nos ajuda a olhar o que, hoje, a rede de CAPS promete no discurso do movimento antima nicomial e no campo das estratégias para a reforma psiquiátrica, no Brasil. Quem vem propondo, e me parece com muito acerto, que caminhar na constituição de redes substitutivas ao Manicômio é apostar na construç ão de CAPS, por semelhança, está em um lugar muito parecido daquele que descrevi atrás do estudo da Angela. Pois, entendo que, neste sentido, os CAPS prometem fazer a crítica do mundo manicomial e ser lugar de construção das práticas alternativas e substitutivas. Reafirmo que as experimentações de construç ão dos CAPSs têm sido muito produtivas, para gera re m processos antimanicomiais; e, mais, têm de fato melho r a d o a vida de milh ar e s de usu á rio s deste s serviços. Ousaria dizer que dentre as várias missões que eles comport a m, há algumas que têm mostra do a superiorida de efetiva destes tipos de equipa mentos perante o que a psiquiatria clássica e os manicômios construíram, nestes últimos séculos. O fato dos CAPS estare m dirigidos, como equipa mentos de saúde, para a produção de intervenções em saúde mental, que se pauta m pelo(a): 2

3 Direito do usuário ir e vir Direito do usuário desejar o cuidado Oferta de acolhim e n t o na crise Atendim e n t o clínico individ u al e coletivo dos usu á rio s, nas suas complexas necessida des Construç ão de vínculos e referê ncias, para eles e seus cuidadores familiares ou equivalent es Geração de alívios nos demandantes Produção de lógicas substitutivas em rede Matriciamento com outras complexidades do sistema de saúde Geração e oportunização de redes de reabilitação psico- social, inclusivas; os tornam, em termos de finalidades, ao mesmo tempo, dispositivos efetivos de tens ã o entr e novas prátic a s e velhos hábitos, e lugare s de melhorias reais na construç ão de formas sociais de tratar e cuidar da loucura. Por isso, estare m no olho do furacão antimanicomial, tornam- os lugares de manifestação dos grandes conflitos e desafios, como venho apontando no decorre r do texto; e ousar dar conta destas missões, gigantesc a s, é estar aberto a operar no tamanho da sua potência e governabilidad e, adotando como um dos princípios o de ser um dispo sitivo para isso, o que implica em prod u zi r novos coletivos para fora de si mes m o. Nest e sen tid o, estã o no olho do furac ã o e, como tal, os que o estão fabricando devem e podem usufruir das dúvidas e das experimentaçõ e s, e seria muito interessa nte que tornasse m isso um elemento positivo, como marcador contra os que possa m imaginar que ele já é o lugar das certezas antimanicomiais. 3

4 Esta última postura, das certezas, carrega consigo um grande perigo. Esta r no olho do furac ã o é atiça r um inimigo pode r o s o: o conju n t o dos que se constitu ír a m e constitu e m o mun d o, e um mund o, manico mi al. Dest e modo, ter uma post u r a de que na constituição dos CAPS devemos seguir modelos fechados ou receitas, é eliminar a interessante multiplicidade deste, e não aproveit a r de um fazer coletivo solidá rio e expe ri m e n t a l. Com isso, abr e- se o flanco par a que aqu el e inimigo pod e r o s o seja o referencial crítico, fazendo da crítica um lugar da negação e não um campo instigante de cooperação, reflexão, auto- análise e ressig nifica ç ã o das prátic a s; que, ante s de tudo, se propõ e m produzire m novas vidas desejant es, novos sentidos para a inclusivid a d e social, ond e ante s só se realizav a a exclus ã o e a inter diç ã o dos desejos. Aposta r alto dest e jeito, é cre r na fabric a ç ã o de novos coletivos de trabalhado res de saúde, no campo da saúde mental, que consigam com o seus atos vivos, tecn oló gico s e micro p olítico s do trab al h o em saúde, produzire m mais vida e interditarem a produção da mort e manico mi al, em qualq u e r lugar que ela ocorr a. Aqui, estou conside rando como marcador nobre, um dos eixos nuclear es da reflexão, a noção de que o trabalho no campo da saúde mental - que se dirige para desinte rditar a produção do desejo e, ao mesmo tempo, gerar redes inclusivas, na produção de novos sentido s par a o viver no âmbito social -, é de alta complexidade, múltiplo, interdisciplina r, intersetorial e inter p r ofissio n al; que, em última instâ n c ia, só ving a se estive r colado a uma revoluç ã o cultu r a l do imagin á r io social, dos vários 4

5 sujeitos e ator e s sociais, ou seja, se constitui r- se, tamb é m, como gerador de novas possibilidades anti- hegemônica s de compree n d e r a multiplicidade e o sofrimento humano, dentro de um campo social de inclusividade e cidadanizaç ão. Reforço que este trabalho humano tem que ser portador de capacidade de vivificar modos de existências interditados e antipro d u tivos, tem que per mitir que vida prod u z a vida, implicaç ã o última de qualque r trabalho em saúde, enqua nto trabalho que opera na sua dimensão tecnológica, centralm e n t e, modos em ato de trabalho vivo, que podem e devem, na minha concepção, adq uirir sentido na medid a que a sua alma seja a pro d u ç ã o de um cuidado em saúde dirigido para ganhos de autonomia e de vida dos seus usu á r io s. Par a que m a vida, como utilida d e, faz muito sentido. Aposta r alto deste jeito é se per mitir usufr ui r de ser luga r do novo e do acontec e r em aberto e experimental, é construir um campo de proteção para quem tem que inventar coisas não pensadas e não resolvid a s, para que m tem que const r u i r suas caixas de ferra ment a s, muitas vezes em ato, para quem, sendo cuidador, deve ser cuidado. Sempre será uma aposta, em boa medida, experimental, construir novos modos tecn oló gico s e sociais que per mit a m o nasc e r, em terre no não fértil da subjetividade aprisionada da loucura excluída e interditada, de novas possibilidades desejantes, protegidas em rede s sociais inclusiva s. 5

6 Por isso, par a todos aqu el e s que estã o implica d o s com esta s apostas, imagino, que mesmo que tenhamos pistas sobre como isso foi feito em algu m lugar, como algu m coletivo já exercito u e realizou isso, devemos nos proteger de tornar estas experiências em paradigmas e receitas, em guias de nossas práticas; e, sabiamente, considerá- las como pistas, como momentos e lugares para mirarmos, como alimentos para digerirmos e ressig nifica r m o s com os nosso s fazer e s, com os nossos coletivos reais, nos nosso mundos concretos. Propo n h o entr a r nesta apost a de modo crítico, solidá rio, experimental, impedindo que os inimigos sejam os que façam o nosso questionamento. Façamo- lo entre nós, ampliando, desta forma, nossa capacidade de inventa r muitas maneiras de ser antimanicomial. Parta mos do princípio de que já sabe mos fazer um monte de coisas e que, també m, não sabemos outras tantas, ou mes m o, fazemo s coisa s que não dão certo; e, com isso, vamos apostar que é interessa nte e produtivo construir escutas do nosso fazer cotidia n o par a capt a r este s ruído s, neste luga r ond e se aposta no novo, mas se está diante da permanente tensão entre o novo e o velho fazer psiquiátrico e/ou seus equivalentes. Como regra, ao nos depara r m os diante de uma tarefa dessa, voltamos nosso olhar imediata me n t e para aquele que dá o sentido do trabalho em saúde: o usuário e seu mundo de necessida des e possibilidades; e, com correção, saimos a cata de modos de indicar que o nosso agir antima nicomial está produzindo desinterdição de desejos e inclusão. Entretanto, aqui, gostaria de uma outra viage m, pois ent e n d o que um coletivo, que esteja implica d o com 6

7 este tipo de agir, par a ter as cap a cid a d e s que ele exige, nec e s sit a estar re- criando em si, de modo constante, mecanismos de reprodução deste coletivo, que lhe garanta enqua nto lugar da vida de seus protagonistas. Proponho, adiante, olhar para a máquina desejante coletivo de trabalhado res de um CAPS, como um lugar que nos estimula a falar do que estou apontan do, tanto quanto aquele que analiticamente pergunt a o que estamos fazendo com o usuário com o nosso trabalho em saúde. Refletin d o sobr e o cotidiano de uma equip e de CAPS. Ofertando idéia s O me u olha r, que oferto nest a reflex ão, vem do luga r de que m neste último ano tem se dedicado a cuidar de cuidador es. Termo que peço emprestado para Cinira M. Fortuna 2, que ao estuda r o modus operandi de um coletivo de trabalhado r e s de saúde, em Ribeir ão Preto, trato u dest a mira d a nas sua s anális e s. Pois bem, estou ofertando um olhar deste lugar que venho ocupando junto a alguns coletivos, que operam na saúde mental, em particular na red e de Campin a s, vincula d o às equip e s do Serviço de Saú d e Cândido Ferreira.. Dentre muitas coisas interessantes e acertos que os trabalha dores realizam, vi e vejo, també m, muitas dificuldades dos trabalha dor e s para entenderem e resolvere m várias questões que estão 2 A Cinira aprese ntou esta temática através da sua tese de doutoramento no Curso de Pós Gradu a ç ã o da Escola de Enfer m a g e m da USP/RIBEIRÃO PRETO 7

8 envolvida s no seu exige n t e cotidia n o, no qual se cruz a m distint a s e importantes intencionalidad es. Entre elas, destaco: de um lado, a existência de um cotidiano fortemente habitado por intensas demand a s de cuidado, que usuários, muito múltiplos e, facilmente, em esta d o s de crise s, têm sobr e a equip e; e, do outro, pela prese nça marca nte de um imaginário do trabalhador, de que o seu agir clínico é suficiente m e n t e ampliado e a sua rede de relações intra e intersetorial, para além da clínica, é suficientemente inclusiva, que com os seus fazer e s, o louco não vai ficar nem mais enlouqu ecido e nem excluído. Caminhar nestas linhas tem colocado, sobre o ombro dos trabalhado res, pesos importa ntes para o seu agir, e que facilmente geram fazeres árduos, que os fazem experimentar, o tempo todo, sensações tensas e polares, como as de potência e impotência, construindo no coletivo de trabalhadores situações bem paradoxais, nas quais cobram de si e do conjunto posiciona mentos profissionais e estados de ânimos muito difíceis de sere m mantidos, durante todo o tempo do trabalho; particula rmente, para aqueles que oferta m seu trabalho vivo para vivifica r o sentid o da vida no outro. Não é por acaso, que muitos trabalha dores, em supervisão, falam, como um lamento, da sua exaustão, da sua tristeza, da sua incap a cid a d e de acolh e r o outro, o temp o todo, e do seu pavor diante das crises dos usuários. E, cobra m, exata ment e de si, o oposto: o de estar sempr e em prontidão e apto, o de estar sempr e atento e alegre, o de ofertar escuta a todo momento, que se fizer 8

9 necessário, e o de tomar as crises como eventos positivos e como oportunidades. Por estas manifestações serem comum, tão sofridas e dúbias, é que deve mo s nos abrir par a escu t á- las. E, neste sentid o, é disso que que r o trat a r, agor a. Antes de mais nad a, gosta ri a de propo r que encararemos estas situações como lugares de polarida des não excludentes, e, ao mesmo tempo, estas polarida des como constitu tiv a s do olho do fura c ão, no qual os CAPS e seus trabalhado res se encontram. E, assim, como matériasprimas/oportu nidades para se pensar, e problematizar, sobre o modo cotidia n o como se fabrica, ou se pod e fabrica r, CAPSs antimanicômios. Os parad ox o s do cotidiano e o que aprender com eles para pensar a produ ç ã o dos anti- mani c ô m i o s De novo, restrinjo- me ao âmbito dos CAPS, pois pod e ri a trat a r da construç ão de anti- manicômios de uma maneira mais alarga da, o que seria bem pertin e n t e pelo fato do ma nico mi al não ser um luga r, mas uma prátic a social, cultu r al, polític a e ideológica. Entretanto, para efeito do que vem sendo dito, até agora, situar- se no CAPS, já é muito. Partin d o do princípio de que só pro d u z novos sentid o s para o viver quem tem vida para oferta r, vou procura r pensa r sobre uma equip e aleg r e, que não exau r e, que atu a na crise como oportunidade. 9

10 Neste momento, um outro empréstimo é útil. Spinoza me ajuda a pensar de forma bem livre - que a vida em produção, como lugar de expressão do divino que é, se manifesta de várias formas. Que a alegria é uma destas manifestações das mais interessantes, porq u e um corpo aleg r e está em plen a prod u ç ã o de vida, está em expans ão. Por isso, tomo este empréstimo, para sugerir que só pode esta r implica d a com um agir antim a n ic o mi al uma equip e de trabalhado res alegres. Ou seja, só um coletivo que possa estar em plen a prod u ç ã o de vida em si e par a si, pod e oferta r, com o seu fazer, a prod u ç ã o de novos vivere s não dados, em outro s. Ou, pelo men o s, instig á- los a isso. Tomando a alegria como indicador da luta contra a tristeza e o sofrimento, a que são submetidos todos os coletivos de trabalhado res da saúde, podemos utilizá- lo també m como analisa d o r a das suas prá tic a s. Não que, com isso, imagin o que o coletivo seria um bando de penélopes saltitantes, mas que penso o quanto na dobra tristeza/alegria deste coletivo, no seu fazer cotidiano, pode estar algumas chaves auto- analíticas para remetêlo a uma discussão de seus processos de trabalho e implicações. Tenho experimentado, isso, com grupos de trabalhado res e me instiga d o a idéia de que há que se instituir como part e do cotidiano, além das supervisões institucionais e clínicas, arra njos auto- geridos pelos trabalha dor e s que lhes permitam re- ordena r suas tristezas e sofrime ntos, realizando, inclusive, auto- cuidado de si como cuidadores. Arranjos que desloque m, mas os recoloquem, do faze r cotidia n o que lhes conso m e em vida e em ato, como se um 10

11 fosse um ser antropofágico. Situação não difícil de entender em processos de trabalho que se alimentam do trabalho vivo em ato, como qualquer agir em saúde. Por isso, agr e g o, sem fundir, a idéia de exau s t ã o ou, melho r, de combustão do trabalhado r e da equipe. Aqui, o empréstimo é das linhas de investig a ç ã o que vêem, no camp o da saú d e do trabalhado r, pensan do o seu burn out como expressão de processos de trabalho altament e exploradores e alienador e s. Isto é, trago como indicador analítico a noção de exaustão do trabalhado r, para se agrega r ao de alegria/tristeza, no sentido de que um pro d u t o r de novas possibilid a d e s de vida, que para isso consome a sua própria, se não produzí- la o tempo todo, exaure. Ou seja, provoca combustão total de sua energia vital. Poder gerar processos, no cotidiano, que exponha m estas questõe s é per mitir que o coletivo pen s e e fale sobr e isso; e, assim, atu a r sobre a produção destas situações e estados. Vejo que os trabalhado res, que procura m caminha r por aí interrogam de modo bem produtivo o seu próprio fazer manicomial, interrog a m o que lhes entristece m e exaurem, e com estas interrogaç ão abrem oportunidades de se re- situarem em relação a novas possibilidade s antimanicomiais. Ofertando imag e n s Imagine m algum trabalhador relatando em um encontro da equipe o sentido de não- vida que adq uir e ao final de cada dia de tra b a lh o e a exau st ã o qu e sent e; que, qua n d o sai do serviço ou das 11

12 atividades, sente um alívio enorme, adquire mais oxigênio e respi r a melho r; que não sent e vont ad e de voltar no dia seg uin t e. Imagine m este trabalhado r chegando em um CAPS, encontrando dezenas de usuários que irão participar de várias atividades, algumas das quais ele é responsável; e, de repente, um dos seus 20 casos- referê ncias entra em uma crise séria, na moradia. Este trabalhador, para dar conta destas tarefas, vai ter que se apoiar na equipe, mas vai também ter que atuar, diretam e nt e, no seu caso- referência, vai ter que acolhê- lo na crise. Vai ter que usar de sua clínica, de suas pers pic á ci a s, de suas red e s de ajud a. Vai ter que gerar intervenções singulare s e novas redes. Vai ter que, e pode, aproveitar a oportunidade que a crise permite para ressignificar o Projeto Terapêutico que vem gerindo em relação àqu el e usu á rio. Pode inclusiv e desco b ri r novas pista s intersetoriais para criar outros sentidos, para vários de seus casos- referências. Enfim, vai ter que acolh e r, escu t a r, ressig nifica r, expo r- se a vínculos e jogos transfere nciais, abrir- se em rede, atuar em linhas de fuga. Vai ter que exerc e r sab e r e s tecnoló gico s clínicos, construir redes de encontros entre competê ncias de intervenção, abrir- se para redes intra- saúde, que possam suportar e agrega r novos agire s tecn oló gico s, inclusive no mom e n t o de uma crise qu e pode se tornar um sério caso de urgência e emergên cia. Terá que ter rede de suporte. Vejam, algu é m exau rid o e triste, sem alívio, diant e de toda s esta s demand a s e necessidad e s, como é que vai gerar vida, além de ter 12

13 que produzir novas e inovadoras ações. Este trabalhador, se vier para um grupo que o acolha e se abra para escutá- lo, provavelmente, vai relatar diante disto tudo uma grande sensação de mais exaustão e tristeza. Uma grande sensação de impotência, ou mes m o, vai relat a r que só deu conta das tar efa s porq u e não foi antimanicomial, mas sim burocrat a do atendimento. Fez o fluxo de atendimento andar, mas não o domina, nem o compreen d e. Só toco u o cotidia n o. Gerou alívios nos outro s. De fato, muito do que ten h o visto, a partir de mom e n t o s muito parecidos, são equipes relatando o seu medo com as crises, com as urgências e emergências, e o massacre que tem sido, simplesmente, tocar os fluxos de atendimento. Isto tem sido tão significativo, que em uma supervisão concret a alguns trabalhado res chega ra m a montar a seguinte imagem, em uma atividade de supervisão: nós geramos alívios nos outros, mas não temos nenhum alívio para olhar e repensar o nosso trabalho; não sab e m o s se esta m o s ou não send o um coletivo/dis p o sitivo antimanicô mio. E, aí, o desafio que fiz para a equip e - com a qual pud e pen s a r e siste m a t iz a r muito do que tem nest e texto -, foi o de imagin a r as vária s possibilida d e s de prod u ç ã o de uma aleg ria e um alívio, no cotidiano do trabalhador, implicado com um agir antimanicomial, encara n do a produção cotidiana dos seus inversos: a tristeza e a exaustão, para poder criar uma aposta coletiva de desconstr uí- las. Nesta direção, estou sugerindo, além dos eixos alegria e combustão, tomar o foco da produção do alívio produtivo 13

14 antimanicomial como uma poderosa arma a favor da construção dos CAPS anti- manicô mio s. O que isso pod e significa r? Como imagin á- lo? Todo processo de trabalho que captura plenamente o trabalho vivo em ato na produção, impede a construç ão do alívio produtivo pelo trabalhado r e a equipe. Dá- lhes grau zero de liberdad e para ressignificarem seus atos e inventar e m novas possibilidades e sentidos para os seus fazeres produtivos. Organizar CAPSs, que aliviam os demandan t e s, sem se construir mecanismos descaptu r a n t e s do trabalho vivo em ato, impede a possibilidade do trabalho em saúde mental tornar- se um dispostivo de intervenção anti- manicô mio. O que coloc a, como uma gra n d e tar efa, a construç ão cotidiana de alívios para o trabalho vivo em ato gera r novos caminhos. Como fazer, isso? Sem receitas. Creio que cada coletivo deve problematizar, no seu fazer, a implicação com o agir antimanicomial e a construção de temp o real de trab al h o, no interio r da equip e, dirigin d o- o, intencionalment e, para fabricar novos sentidos para o viver do louco e da loucu r a na socie d a d e, abrin d o novas pista s, em cada lugar onde os CAPS são construídos. Mas, é possível pro d u zir alívios prod u tivo s no inte rio r da equip e, sem neg a r que uma das missõ e s seja a de gera r alívios nos demand a n t e s? Será que isso não exige ressignificar o que vimos 14

15 entend e n do como crise/oportu nidade e construção de redes de intervenções na urgência e emergência, em saúde mental? É possível abrir mão de apoio em hospitais ger ais? E, ond e não existam, os CAPS de alta complexidad e, para acolher e internar nas crises, resolve m? Não con h e ç o uma expe riê n c ia definitiva que dê cont a disso, mas conheço bons exemplos que mostra m caminhos diversos. Há aqueles que não abrem mão de suporte especializado em hospitais gerais, para a urgência e emergência, o que me parece uma das boas idéias; há aqu el e s que cria m serviços próp rio s na red e de saú d e men t a l, de uma complexid a d e distin ta para dar conta desta situ a ç ã o; há os que apost a m que os CAPS, em si, deve m dar conta desta situação; e, assim, por diante. Uma equipe de trabalha dores dos CAPSs que não possa usufruir de alívios prod u tivo s e de esta d o s de aleg ria, de forma implica d a, não tem muito a ofert a r a não ser exa u rir par a ger a r alívios nos outros, como o manicô mio já fazia e faz. Há que radicaliza r o senti m e n t o deste bom medo, em relaç ã o às crise s, no inte rio r das equipes, e há que compree n d ê- las como um dispositivos em rotação, que ao operarem geram novas formas de cuidado no seu interio r, mas agita m e mobiliza m os outro s, que compõ e m a red e de cuidados, neste mesmo sentido. Creio, que ter uma red e bem articul a d a entr e serviços de saú d e mental (CAPS), serviços próprios de urgência e emergência (como os SAMUs e PSs) e equip e s locais de saú d e, seja esse n cial par a dar respostas razoáveis a um dos problem as que mais somam, no 15

16 imagin á r io social, a favor da lógica manico mi al. Ou seja, enfre n t a r bem esta situa ç ã o tem um duplo sentido: de um lado, é uma das chav e s par a ger a r alívio prod u tivo nas equip e s de CAPS; de um outro, ao ger a r alívio nos que convive m com loucos, em crise, diminui a pressão para a segregação e exclusão. A melhor solução encontrad a é aquela que se baseia na rede necessária, que dá conta efetiva dos casos de urgência/em e r g ê n cia, sem gera r exclusão e segregação; ao revés, gerando oportunidades de intervenções terapê uticas e trabalhos intersetoriais inclusivos. O melhor é a rede, possível no local ou na região, que consiga impedir a manicomialização e, ao mesmo, não negue a necessidad e de gerar alívios nos familiares (ou equivalentes) e nos cuidador es. O que interess a, em última instância, é a oportunida de de operar novos senti do s par a a ressig nifica ç ã o das crises, tan to no desenca deamento de projetos terapêuticos, quanto na construção de um conjunto de atividades, em rede, que tragam o usuário para ampliar suas redes de vinculação, aumentando as chances de produzir contratualização e responsabilização nas relações com os outros. Apostar na construção de processos de trabalho que produza m cuidados para os usuários e cuidados para os cuidador es é vital, neste percurso. Permite m vivificar o trabalho em saúde que aposta na construção da qualificação de vidas. 16

17 Constr ui r a aleg ri a e o alívio pro d u tiv o como dispositivos analisa d o r e s é um desafio par a aqu el es coletivos sociais que opera m no olho do furacão e se propõe m como gerador e s de anti- manicô mio s. Biblio grafia Ana Mart a Lobosq u e Princípios par a uma Clínica Antima nic o mi al e outro s escrito s Edito r a Hucite c São Paulo Angela Capozzolo No olho do furac ã o: tra b al h o médico e o pro g r a m a de saúd e da família Tese de douto r a d o Curso de Pós Graduação em Saúde Coletiva Unicamp Campinas Angelin a Har a r i e Willians Valen tini A refor m a psiquiá t ric a no cotidian o Edito r a Hucite c São Paulo Antonio Lancetti, Gregório Baremblitt et al. SaúdeLouc u r a 4 Editor a Hucite c São Paulo Cinira Fortuna Cuidando dos cuidadores Tese de doutorado Curso de Pós Graduaç ão em Enfermagem EERP- USP Ribeirão Preto Emerson Elias Merhy A loucura e a cidade: outros mapas Publicação do Fórum Mineiro de Saúde Mental Belo Horizonte Gregório Baremblit et al. SaúdeLoucu r a 5 Editora Hucitec São Paulo 17

18 18

Reestruturação Produtiva em Saúde

Reestruturação Produtiva em Saúde Trabalho em Saúde O trabalho Toda atividade humana é um ato produtivo, modifica alguma coisa e produz algo novo. Os homens e mulheres, durante toda a sua história, através dos tempos, estiveram ligados,

Leia mais

REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL

REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL Bárbara Leite 1 Paula Filippom 2 Francilene Raimone 3 Stelamaris Gluck 4 O problema é procurar aquilo que sai da terra, isto é, o que acontece quando

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

Folha de Apresent ação

Folha de Apresent ação Folha de Apresent ação Título do Artigo: Por uma Comp o siç ã o Técnica do Trab alh o em Saú d e centrada no campo relacional e nas tecnologias leves. Apontando mudanç as para os modelos tecnoassistenciais.

Leia mais

Construindo a Rede de Atenção Psicossocial em São Bernardo do Campo. Reflexões a partir do Municipio

Construindo a Rede de Atenção Psicossocial em São Bernardo do Campo. Reflexões a partir do Municipio Construindo a Rede de Atenção Psicossocial em São Bernardo do Campo Reflexões a partir do Municipio . PENSAR A REFORMA PSIQUIÁTRICA É PENSAR A CIDADE: QUE CIDADE QUEREMOS? OS DIREITOS HUMANOS. A REFORMA

Leia mais

Patrícia Dorneles 1) Por que é necessária a desinstitucionalização na Saúde Mental?

Patrícia Dorneles 1) Por que é necessária a desinstitucionalização na Saúde Mental? Entrevista com Patrícia Dorneles, terapeuta ocupacional, professora do curso de Terapia Ocupacional da UFRJ e ex-assessora técnica do Ministério da Cultura na implementação de políticas públicas de Cultura

Leia mais

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas EDUCAÇÃO PERMANENTE SAÚDE MENTAL - CGR CAMPINAS MÓDULO GESTÃO E PLANEJAMENTO 2012 Nelson Figueira

Leia mais

Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família

Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família Coordenadoria de Educação Permanente - CEP Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais Elaboração: Ana Marta Lobosque 2007 AULA

Leia mais

Educação Permanente e gestão do trabalho

Educação Permanente e gestão do trabalho São Bernardo,março de 2013 Educação Permanente e gestão do trabalho Laura Camargo Macruz Feuerwerker Profa. Associada Faculdade de Saúde Pública da USP Trabalho em saúde O trabalho em saúde não é completamente

Leia mais

A Política de Saúde Mental de Belo Horizonte. por uma sociedade sem manicômios

A Política de Saúde Mental de Belo Horizonte. por uma sociedade sem manicômios A Política de Saúde Mental de Belo Horizonte por uma sociedade sem manicômios UMA PÁTRIA SEM FRONTEIRAS, UMA CIDADE SEM PORTAS, DE CASAS SEM ARMADILHAS. UM JEITO SÓ DE VIVER, MAS NESSE JEITO, A VARIEDADE,

Leia mais

Por uma Composição Técnica do Trabalho centrada no campo relacional e nas tecnologias. leves 1.

Por uma Composição Técnica do Trabalho centrada no campo relacional e nas tecnologias. leves 1. Por uma Composição Técnica do Trabalho centrada no campo relacional e nas tecnologias leves 1. Emerson Elias Merhy Médico Sanitarista, prof. livre docente da Unicamp Túlio Batista Franco Psicólogo sanitarista,

Leia mais

CUIDADO COM O CUIDADO: O CASO DA FILA DO TOQUE E A IMPLICAÇÃO DO ATO DE CUIDAR. Emerson Elias Merhy médico sanitarista (formado em 1976)

CUIDADO COM O CUIDADO: O CASO DA FILA DO TOQUE E A IMPLICAÇÃO DO ATO DE CUIDAR. Emerson Elias Merhy médico sanitarista (formado em 1976) CUIDADO COM O CUIDADO: O CASO DA FILA DO TOQUE E A IMPLICAÇÃO DO ATO DE CUIDAR Emerson Elias Merhy médico sanitarista (formado em 1976) Lá pelos anos 1971, vivi uma experiência que sempre me incomodou.

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES 122 O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES Carlise Cadore Carmem Lúcia Colomé Beck Universidade Federal de Santa Maria Resumo Os movimentos da Reforma Sanitária e da Reforma Psiquiátrica

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Patricia Maia von Flach Rede de Atenção Psicossocial PORTARIA 3088 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 OBJETIVOS: I - Ampliar o acesso à atenção psicossocial da população em geral; II

Leia mais

Área teórico\prática: Clinicas y Politicas: procesos de subjetivación y invención

Área teórico\prática: Clinicas y Politicas: procesos de subjetivación y invención FORMAÇÃO ANTIMANICOMIAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Autores: Camila Alves Soares Ana Marta Lobosque Sílvia Melo Karine Lage Fonseca Maria Elisa Freitas Camila Castanheira Rodrigues.

Leia mais

O desafio de transformar saberes, práticas, relações, cultura : construindo o cuidado em liberdade em São Bernardo do Campo

O desafio de transformar saberes, práticas, relações, cultura : construindo o cuidado em liberdade em São Bernardo do Campo O desafio de transformar saberes, práticas, relações, cultura : construindo o cuidado em liberdade em São Bernardo do Campo Política Municipal de Saúde Mental * Reforma Psiquiátrica *Política de Governo

Leia mais

Existe uma terapia específica para problemas sexuais?

Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Maria de Melo Azevedo Eu acho que a terapia sexual para casos bem específicos até que pode funcionar. Ou, pelo menos, quebra o galho, como se diz.

Leia mais

A REFORMA PSIQUIÁTRICA NO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: PSIQUIATRIA REFORMADA OU MUDANÇA PARADIGMÁTICA?

A REFORMA PSIQUIÁTRICA NO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: PSIQUIATRIA REFORMADA OU MUDANÇA PARADIGMÁTICA? 1 A REFORMA PSIQUIÁTRICA NO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: PSIQUIATRIA REFORMADA OU MUDANÇA PARADIGMÁTICA? DEVERA, Disete; COSTA-ROSA, Abílio (Unesp/Assis; UNIP/ Limeira) RESUMO: A história da construção

Leia mais

O PAPEL DO EDUCADOR NA REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL DOS USUÁRIOS DO CAPS II DE CAJAZEIRAS PB

O PAPEL DO EDUCADOR NA REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL DOS USUÁRIOS DO CAPS II DE CAJAZEIRAS PB O PAPEL DO EDUCADOR NA REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL DOS USUÁRIOS DO CAPS II DE CAJAZEIRAS PB Flávio Pereira de Oliveira¹; Leiana Isis Soares de Oliveira²; Paloma Irys da Conceição¹; Hilana Maria Braga Fernandes¹

Leia mais

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate ALEXANDRE DE SOUZA RAMOS 1 Saúde como direito de cidadania e um sistema de saúde (o SUS) de cunho marcadamente

Leia mais

Integralidade e transversalidade das necessidades de saúde nas linhas de cuidado. Movimentos moleculares na micropolítica do trabalho em saúde.

Integralidade e transversalidade das necessidades de saúde nas linhas de cuidado. Movimentos moleculares na micropolítica do trabalho em saúde. Integralidade e transversalidade das necessidades de saúde nas linhas de cuidado. Movimentos moleculares na micropolítica do trabalho em saúde. Emerson Elias Merhy, Túlio Batista Franco e Helvécio Miranda

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DA LOUCURA, O TRABALHO NA ECONOMIA SOLIDÁRIA E A INTERCESSÃO-PESQUISA UMA PRÁTICA CLÍNICA NO CAMPO PSICOSSOCIAL DA SAÚDE COLETIVA

A EXPERIÊNCIA DA LOUCURA, O TRABALHO NA ECONOMIA SOLIDÁRIA E A INTERCESSÃO-PESQUISA UMA PRÁTICA CLÍNICA NO CAMPO PSICOSSOCIAL DA SAÚDE COLETIVA A EXPERIÊNCIA DA LOUCURA, O TRABALHO NA ECONOMIA SOLIDÁRIA E A INTERCESSÃO-PESQUISA UMA PRÁTICA CLÍNICA NO CAMPO PSICOSSOCIAL DA SAÚDE COLETIVA A relação entre loucura e trabalho esteve e continua presente,

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.216/2001 Modelo de Estrutura

IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.216/2001 Modelo de Estrutura IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.216/2001 Modelo de Estrutura Helvécio Miranda Magalhães Júnior Secretário Municipal de Saúde - Belo Horizonte Presidente do CONASEMS Lei 10.216/2001: um pouco da história Apresentada

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas Departamento de Saúde Coletiva Residência Multiprofissional em Saúde Mental e Coletiva Relatório Referente à experiência de Estágio Eletivo

Leia mais

O BICHO. Anair Holanda Cavalcante

O BICHO. Anair Holanda Cavalcante O BICHO VI ONTEM um bicho Na imundície do pátio Catando comida entre os detritos. Quando achava alguma coisa, Não examinava nem cheirava: Engolia com voracidade. O bicho não era um cão, Não era um gato,

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE SOBRE A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NO NAVCV. Cultura Política em Perspectiva

CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE SOBRE A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NO NAVCV. Cultura Política em Perspectiva CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE SOBRE A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NO NAVCV Cultura Política em Perspectiva Maria Raquel Lino de Freitas Dezembro de 2006 UMA BREVE COLOCAÇÃO DO PROBLEMA Sociedade Civil Estado

Leia mais

Texto extraído de: Emerson Elias Merhy in: Sistema Único de Saúde em Belo Horizonte Reescrevendo o Público; Ed. Xamã; São Paulo, 1998.

Texto extraído de: Emerson Elias Merhy in: Sistema Único de Saúde em Belo Horizonte Reescrevendo o Público; Ed. Xamã; São Paulo, 1998. Texto extraído de: Emerson Elias Merhy in: Sistema Único de Saúde em Belo Horizonte Reescrevendo o Público; Ed. Xamã; São Paulo, 1998. A PERDA DA DIMENSÃO CUIDADORA NA PRODUÇÃO DA SAÚDE UMA DISCUSSÃO DO

Leia mais

Mesa -Título: Pesquisa, Clínica e Ensino: A Psicanálise na Universidade

Mesa -Título: Pesquisa, Clínica e Ensino: A Psicanálise na Universidade Mesa -Título: Pesquisa, Clínica e Ensino: A Psicanálise na Universidade Coordenador: Prof. Doutor Ademir Pacelli Ferreira - Instituto de Psicologia - UERJ 2) A Clínica Psicanalítica no Campo da Saúde Mental:

Leia mais

Saúde Mental e Arte em Jataí: construindo diálogos, edificando práticas.

Saúde Mental e Arte em Jataí: construindo diálogos, edificando práticas. Saúde Mental e Arte em Jataí: construindo diálogos, edificando práticas. COSTA, Jônatas Leal 1 ; Cardoso, Fernando Freitas 2 ; MARTINS, Eduarda Jacomini 3 ;GONÇALVES, Lorrany de Oliveira 4 ; FARIA, Jaqueline

Leia mais

Ministério da Saúde. (Versão Preliminar em Discussão)

Ministério da Saúde. (Versão Preliminar em Discussão) Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde Grupo Hospitalar Conceição Escola GHC Universidade Federal do Rio Grande do Sul Rede Colaborativa

Leia mais

PALHAÇADA E LOUCURA: RELATO DE EXPERIÊNCIA DA ATUAÇÃO DE PALHAÇOS CUIDADORES EM UM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO

PALHAÇADA E LOUCURA: RELATO DE EXPERIÊNCIA DA ATUAÇÃO DE PALHAÇOS CUIDADORES EM UM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO PALHAÇADA E LOUCURA: RELATO DE EXPERIÊNCIA DA ATUAÇÃO DE PALHAÇOS CUIDADORES EM UM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO CARVALHO, Lucas Emmanuel 1 COSTEIRA, Aldenildo A. M. F. 2 DIAS, Gustavo Vieira 3 NASCIMENTO, Janine

Leia mais

Quem Desiste num momento de crise é porque realmente é um fraco!

Quem Desiste num momento de crise é porque realmente é um fraco! Paixão do Povo de Cristo x Paixão de Cristo Texto Base: provérbios 24.10 na Linguagem de Hoje: Quem é fraco numa crise, é realmente fraco. Na Bíblia A Mensagem : Quem Desiste num momento de crise é porque

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA:

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: CRENÇAS DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE ACERCA DO CUIDADO DA PESSOA EM SOFRIMENTO MENTAL. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Faculdade de Filosofia Ciências

Leia mais

Apresentação. Acompanho os acontecimentos relativos à sexualidade

Apresentação. Acompanho os acontecimentos relativos à sexualidade A Apresentação Acompanho os acontecimentos relativos à sexualidade desde 1966, ano da minha graduação na faculdade de Medicina. É difícil imaginar outro período de tempo assim curto no qual tenham ocorrido

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Ciências Médicas Zeferino Vaz Departamento de Medicina Preventiva e Social. Lillyan Justino Tanaka

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Ciências Médicas Zeferino Vaz Departamento de Medicina Preventiva e Social. Lillyan Justino Tanaka Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Ciências Médicas Zeferino Vaz Departamento de Medicina Preventiva e Social Lillyan Justino Tanaka Comorbidade em pessoas com transtorno mental: perfil crescente

Leia mais

ADOLESCÊNCIA, FAMÍLIA E PROTEÇÃO SOCIAL: INTERVENÇÕES DA PSICOLOGIA NO CONTEXTO FAMILIAR E EDUCACIONAL

ADOLESCÊNCIA, FAMÍLIA E PROTEÇÃO SOCIAL: INTERVENÇÕES DA PSICOLOGIA NO CONTEXTO FAMILIAR E EDUCACIONAL ADOLESCÊNCIA, FAMÍLIA E PROTEÇÃO SOCIAL: INTERVENÇÕES DA PSICOLOGIA NO CONTEXTO FAMILIAR E EDUCACIONAL CEZAR, Pâmela Kurtz; MELLO, Lauren Machado. Revisão Bibliográfica Curso de Pós Graduação: Especialização

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

ABRAPSO 2009. Compartilhar o trabalho da Oficina da Dança e Expressão Corporal e do Grupo

ABRAPSO 2009. Compartilhar o trabalho da Oficina da Dança e Expressão Corporal e do Grupo ABRAPSO 2009 Mesa Redonda: Pesquisa Participativa, Consciência e Encontros através da Dança Comunitária. Título: Acesso e ocupação de espaços públicos, culturais, de convivência e subjetivos pela arte

Leia mais

UM DOS GRANDES DESAFIOS PARA OS GESTORES DO SUS: APOSTAR EM NOVOS MODOS DE FABRICAR OS MODELOS DE ATENÇÃO

UM DOS GRANDES DESAFIOS PARA OS GESTORES DO SUS: APOSTAR EM NOVOS MODOS DE FABRICAR OS MODELOS DE ATENÇÃO 1 UM DOS GRANDES DESAFIOS PARA OS GESTORES DO SUS: APOSTAR EM NOVOS MODOS DE FABRICAR OS MODELOS DE ATENÇÃO Emerson Elias Merhy - 2002 SAÚDE É MUITO COMPLEXO PARA SER RESOLVIDO POR PROJETOS MUITO SIMPLES

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA Adenilton Santos Moreira* RESUMO Este trabalho analisa a Inclusão social como a capacidade

Leia mais

Reordenamento do acolhimento institucional através da formação

Reordenamento do acolhimento institucional através da formação Reordenamento do acolhimento institucional através da formação Uma mudança de cultura Formação - um novo formato A construção de uma metodologia Um processo grupal A construção de um conteúdo pelo grupo

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO. Programa de Formação em Saúde e Trabalho (PFST) no HMU. Dário Nunes dos Santos

TÍTULO DO PROJETO. Programa de Formação em Saúde e Trabalho (PFST) no HMU. Dário Nunes dos Santos CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde TÍTULO DO PROJETO Programa de Formação em Saúde e Trabalho (PFST) no HMU Dário Nunes dos Santos Guarulhos Agosto/2012

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

Formação em Educação Permanente em Saúde EPS em Movimento. Olá!

Formação em Educação Permanente em Saúde EPS em Movimento. Olá! Formação em Educação Permanente em Saúde EPS em Movimento Olá! Seja bem- vindo ao Curso de Especialização Formação Integrada Multiprofissional em Educação Permanente em Saúde Educação Permanente em Saúde

Leia mais

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões Nosso entrevistado é o Prof. Dr. Rogério da Costa, da PUC-SP. A partir de um consistente referencial teórico-filosófico, mas em uma linguagem simples,

Leia mais

VAMOS OUSAR A ALEGRIA DO DEUS CONNOSCO JESUS CRISTO

VAMOS OUSAR A ALEGRIA DO DEUS CONNOSCO JESUS CRISTO VAMOS OUSAR A ALEGRIA DO DEUS CONNOSCO JESUS CRISTO DIOCESE DE AVEIRO - CAMINHADA DE ADVENTO 2014 - ANO B semana 1 semana 2 semana 3 semana 4 Natal O Tempo do Advento tem dupla característica: é tempo

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA NA CIDADE DE SÃO PAULO

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA NA CIDADE DE SÃO PAULO SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA NA CIDADE DE SÃO PAULO MARIA LUISA SANDOVAL SCHMIDT Universidade de São Paulo As relações entre saúde mental e atenção básica em saúde tornam-se objeto de elaboração teórica

Leia mais

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO O transplante cardíaco é uma forma de tratamento para os pacientes com insuficiência cardíaca

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

INTEGRALIDADE NA ASSISTÊNCIA À SAÚDE: A ORGANIZAÇÃO DAS LINHAS DO CUIDADO.

INTEGRALIDADE NA ASSISTÊNCIA À SAÚDE: A ORGANIZAÇÃO DAS LINHAS DO CUIDADO. INTEGRALIDADE NA ASSISTÊNCIA À SAÚDE: A ORGANIZAÇÃO DAS LINHAS DO CUIDADO. *Publicado no livro: O Trabalho em Saúde: olhando e experienciando o SUS no cotidiano; HUCITEC, 2004-2 a. edição; São Paulo, SP.

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

MÚSICAS. Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé

MÚSICAS. Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé MÚSICAS Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé Hino da Praznik Do Fá Gosto de aqui estar Sol Do E contigo brincar E ao fim vou arranjar

Leia mais

XX CICLO DE DE BATE S DO SERVIÇO SOCIAL HC- UNICA M P 1 3 1 4 / 1 1 / 2 0 0 3 PER S P E C T IVA S ATUAIS DO SU S

XX CICLO DE DE BATE S DO SERVIÇO SOCIAL HC- UNICA M P 1 3 1 4 / 1 1 / 2 0 0 3 PER S P E C T IVA S ATUAIS DO SU S 1 XX CICLO DE DEBATE S DO SERVIÇO SOCIAL HC- UNICAMP 13 e 14/1 1/ 2 0 0 3 PERS P ECTIVAS ATUAIS DO SU S e o agir tecnol ó g i c o do trabalhador como um ato ético- polític o Prof. Dr. Emerson Elias Merhy

Leia mais

Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança

Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança Existem diversos textos sobre Gestão sendo publicados diariamente, e dentre eles, muitos tratam do tema liderança, que certamente é um dos assuntos mais

Leia mais

Mestrado em Ciências da Educação/Música Ensino, Aprendizagem e Avaliação II

Mestrado em Ciências da Educação/Música Ensino, Aprendizagem e Avaliação II Trabalho 3 Depois de fazer as leituras recomendadas de Peter Senge, apresente a sua reflexão sobre se Considera que a sua escola é, ou não, uma organização aprendente? E porquê? Grandes equipas são organizações

Leia mais

A CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E OUTRAS FERRAMENTAS COMO RECURSOS PEDAGÓGICOS NA ELABORAÇÃO DE PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO EM SAÚDE MENTAL

A CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E OUTRAS FERRAMENTAS COMO RECURSOS PEDAGÓGICOS NA ELABORAÇÃO DE PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO EM SAÚDE MENTAL 1 A CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E OUTRAS FERRAMENTAS COMO RECURSOS PEDAGÓGICOS NA ELABORAÇÃO DE PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO EM SAÚDE MENTAL Annatália Meneses de Amorim Gomes José Jackson Coelho Sampaio Resumo

Leia mais

Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1

Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1 Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1 A mudança na graduação das profissões da saúde segue sendo um tema fundamental para todos aqueles preocupados

Leia mais

TÍTULO: AUTORES Instituição de Ensino Superior: E-mails: Área Temática: A Reforma Psiquiátrica Brasileira

TÍTULO: AUTORES Instituição de Ensino Superior: E-mails: Área Temática: A Reforma Psiquiátrica Brasileira TÍTULO: A CLÍNICA DA PSICOSE: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA ENTRE A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA, A PSICANÁLISE E A REFORMA PSIQUIÁTRICA AUTORES: Margarida Maria Elia Assad Cleide Pereira Monteiro João Mendes de

Leia mais

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Agnaldo dos Santos Observatório dos Direitos do Cidadão Participação Cidadã (Instituto Pólis) Apresentação O Observatório dos Direitos do Cidadão,

Leia mais

A oficina contou com 26 participantes, representando 11 diferentes entidades da sociedade civil local.

A oficina contou com 26 participantes, representando 11 diferentes entidades da sociedade civil local. Relatoria da Oficina de Praia Grande 12 de junho de 2012 A Oficina Desafios para o Desenvolvimento Sustentável de Praia Grande, realizada no dia 12 de julho de 2012, na Associação Comercial de Praia Grande,

Leia mais

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE DIRETORIA GERAL DE REGULAÇÃO DO SISTEMA GERÊNCIA DE ATENÇÃO BÁSICA Recife em Defesa da Vida Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização

Leia mais

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente CARVALHO, Ademar de Lima 1 RESSUMO O presente texto tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre o Estágio

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA Carlos Silva 1 Objetivo: Favorecer o desenvolvimento de ações pedagógicas em saúde a partir da inserção das questões de saúde no Projeto Político

Leia mais

A Educação para e na Diversidade. 28 de abril 2009 São Paulo

A Educação para e na Diversidade. 28 de abril 2009 São Paulo A Educação para e na Diversidade 28 de abril 2009 São Paulo NOSSA MISSÃO Construir, articular, promover e implementar práticas e políticas inclusivas, com os diversos setores da sociedade, para garantir

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Faculdade de Ciências Humanas e da Saúde Curso de Psicologia Núcleo 3.2 Saúde Mental (2014)

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Faculdade de Ciências Humanas e da Saúde Curso de Psicologia Núcleo 3.2 Saúde Mental (2014) Núcleo 3.2 Saúde mental: política e clinica ampliada DEPARTAMENTOS ENVOLVIDOS: Psicologia do Desenvolvimento e Psicologia Social COORDENADOR: Maria Claudia Tedeschi Vieira PROFESSORES: Deborah Sereno Elisa

Leia mais

A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná. Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014

A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná. Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014 A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014 Da segregação à conquista da cidadania 1980 mobilização dos usuários, familiares e trabalhadores de saúde visando

Leia mais

As Redes na Micropolítica do Processo de Trabalho em Saúde. 1

As Redes na Micropolítica do Processo de Trabalho em Saúde. 1 As Redes na Micropolítica do Processo de Trabalho em Saúde. 1 (Referência: FRANCO, T.B.; in Pinheiro, R. & Matos, R.A. Gestão Em Redes, LAPPIS-IMS/UERJ-ABRASCO, Rio de Janeiro, 2006) TÚLIO BATISTA FRANCO

Leia mais

A DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL E A DE EDUCAÇÃO INFANTIL

A DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL E A DE EDUCAÇÃO INFANTIL 1 A DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL E A DE EDUCAÇÃO INFANTIL PACÍFICO, Juracy Machado/UNIR 1 RESUMO: O texto aborda a temática das diferenças étnico-raciais e socioculturais presentes também nas escolas de educação

Leia mais

RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SERVIÇO NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TOCANTINS

RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SERVIÇO NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TOCANTINS RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SERVIÇO NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TOCANTINS LISY MOTA DA CRUZ Orientador: Prof. Dr. Gilberto Tadeu Reis da Silva

Leia mais

Sou a nona filha entre dez irmãos. Nasci numa cultura com padrões rígidos de comportamento e com pouco afeto. Quando eu estava com um ano e quatro meses, contraí poliomielite que me deixou com sequelas

Leia mais

Vivendo e aprendendo em família

Vivendo e aprendendo em família Vivendo e aprendendo em família VERSÍCULO BÍBLICO Que todas estas palavras que hoje lhe ordeno estejam em seu coração. Ensine-as com persistência a seus filhos. Converse sobre elas quando estiver sentado

Leia mais

CONCEITOS, POLÍTICAS, PRINCÍPIOS, DIRETRIZES E PRÁTICAS PARA PROMOÇÃO DA SEGURANÇA DO PACIENTE

CONCEITOS, POLÍTICAS, PRINCÍPIOS, DIRETRIZES E PRÁTICAS PARA PROMOÇÃO DA SEGURANÇA DO PACIENTE Seminário Nacional: redução do risco para a segurança do paciente e qualidade em serviços de saúde CONCEITOS, POLÍTICAS, PRINCÍPIOS, DIRETRIZES E PRÁTICAS PARA PROMOÇÃO DA SEGURANÇA DO PACIENTE Brasília,

Leia mais

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar?

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar? ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E AS DIFERENÇAS NA ESCOLA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INTEGRAL Rosângela Machado Secretaria Municipal de Educação de Florianópolis A palestra intitulada Organização Curricular e as

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS A sistematização que segue refere-se aos pontos trabalhados pelo grupo, no sentido de ativar a reflexão de questões que seriam tratadas no Encontro Estadual dos Trabalhadores do SUAS, realizado dia 16

Leia mais

AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL

AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL SOTARELLI, Álvaro F. GRANDI, Ana Lúcia de. Universidade Estadual do Norte do Paraná Resumo: O presente estudo trabalha

Leia mais

Transtornos do Espectro do Autismo

Transtornos do Espectro do Autismo Transtornos do Espectro do Autismo O Município adotou o documento Ministerial, LINHA DE CUIDADO PARA A ATENÇÃO ÀS PESSOAS COM TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO E SUAS FAMILIAS NA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL,

Leia mais

ID:1410 EXPERIÊNCIA EXITOSA DO PROGRAMA CHAPÉU DE PALHA-SAÚDE: ABORDAGEM À SAÚDE MENTAL, ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA

ID:1410 EXPERIÊNCIA EXITOSA DO PROGRAMA CHAPÉU DE PALHA-SAÚDE: ABORDAGEM À SAÚDE MENTAL, ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA ID:1410 EXPERIÊNCIA EXITOSA DO PROGRAMA CHAPÉU DE PALHA-SAÚDE: ABORDAGEM À SAÚDE MENTAL, ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA Figueredo Silva Monteiro, Silvana Patrícia; Carvalho Santos, Maria Francisca;

Leia mais

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas.

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas LEVANTAMENTO DOS MARCOS TEÓRICOS E LEGAIS DO CAPS CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL 1. Marco Teórico NORMATIVAS

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO: DESAFIOS DE SE CONSTRUIR UMA POLÍTICA DISPOSITIVO

POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO: DESAFIOS DE SE CONSTRUIR UMA POLÍTICA DISPOSITIVO POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO: DESAFIOS DE SE CONSTRUIR UMA POLÍTICA DISPOSITIVO Juliana Valadão Leite Archanjo Maria Elizabeth Barros de Barros Universidade Federal do Espírito Santo/UFES juarchanjo@ig.com.br

Leia mais

Maria Angela Alves do Nascimento 2 Marluce Maria Araújo Assis 3

Maria Angela Alves do Nascimento 2 Marluce Maria Araújo Assis 3 Universidade Estadual de Feira de Santana Departamento de saúde Núcleo de Pesquisa Integrada em Saúde Coletiva - NUPISC NUPISC NÚCLEO DE PESQUISA INTEGRADA EM SAÚDE COLETIVA PRÁTICAS DO PROGRAMA SAÚDE

Leia mais

PROJETO TERAPÊUTICO PARA AS RESIDÊNCIAS TERAPÊUTICAS: RELATO DE EXPERIÊNCIA

PROJETO TERAPÊUTICO PARA AS RESIDÊNCIAS TERAPÊUTICAS: RELATO DE EXPERIÊNCIA PROJETO TERAPÊUTICO PARA AS RESIDÊNCIAS TERAPÊUTICAS: RELATO DE EXPERIÊNCIA Fabiana Camara 1 A partir da experiência de supervisão em dois, dos 22 SRTs pertencententes à rede de saúde mental da prefeitura

Leia mais

PSICÓLOGO NA ESCOLA PÚBLICA DO RIO DE JANEIRO: DESAFIOS NA CONSTRUÇÃO DE OUTROS POSSÍVEIS

PSICÓLOGO NA ESCOLA PÚBLICA DO RIO DE JANEIRO: DESAFIOS NA CONSTRUÇÃO DE OUTROS POSSÍVEIS PSICÓLOGO NA ESCOLA PÚBLICA DO RIO DE JANEIRO: DESAFIOS NA CONSTRUÇÃO DE OUTROS POSSÍVEIS 1.INTRODUÇÃO Ana Cristina C.M. Guedes Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro (SME) anamenegue@gmail.com Kátia F.

Leia mais

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA Rose Madalena Pereira da Silva Prof. da Educação Básica e Pós graduanda em Educação e Novas Tecnologias Sara Ingrid Borba Mestra em

Leia mais

PLANO DE CURSO. Código: Carga Horária: 80h (Teoria: 60h; Prática: 20h) Créditos: 04 Pré-requisito(s): ------ Período: VII Ano: 2015.

PLANO DE CURSO. Código: Carga Horária: 80h (Teoria: 60h; Prática: 20h) Créditos: 04 Pré-requisito(s): ------ Período: VII Ano: 2015. PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Assistência de Enfermagem em Saúde Mental Professor: Tito Lívio Ribeiro E-mail: thitolivio@gmail.com Código: Carga

Leia mais

ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1

ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1 ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1 Kenia S. Freire 2, Sabrina Corrêa Da Silva 3, Jaqueline Oliveira 4, Carolina B. Gross

Leia mais

O PROJETO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE DE GRUPO DE UMA COOPERATIVA POPULAR 1

O PROJETO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE DE GRUPO DE UMA COOPERATIVA POPULAR 1 O PROJETO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE DE GRUPO DE UMA COOPERATIVA POPULAR 1 Simone Aparecida Lisniowski Mestre em Direito Cooperativo pela UFPR, professora substituta no Departamento

Leia mais

Redes Intersetoriais no Campo da Saúde Mental Infanto-Juvenil

Redes Intersetoriais no Campo da Saúde Mental Infanto-Juvenil Redes Intersetoriais no Campo da Saúde Mental Infanto-Juvenil Cintia Santos Nery dos Anjos 1 O tema deste estudo refere-se a operacionalização da intersetorialidade no campo da Saúde Mental Infanto-Juvenil

Leia mais

O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO

O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO Trata-se do ponto de partida do processo de sistematização. Neste momento é importante considerar os elementos

Leia mais

A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva A Construção do Projeto Político Pedagógico. Três Corações - MG Julho de 2011

A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva A Construção do Projeto Político Pedagógico. Três Corações - MG Julho de 2011 A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva A Construção do Projeto Político Pedagógico Três Corações - MG Julho de 2011 PENSAR E FAZER ESCOLA NA PERSPECTIVA DA ESCOLA TRADICIONAL? NO CONTEXTO DA ESCOLA

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais