Hoje se trabalha, mas também se pode consumir

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Hoje se trabalha, mas também se pode consumir"

Transcrição

1 1 Hoje se trabalha, mas também se pode consumir Fernanda Simonetti 1 Maria Catarina Chitolina Zanini 2 Resumo: Este artigo tem como objetivo demonstrar como o ethos do trabalho é parte fundamental na vida de mulheres camponesas descendentes de imigrantes italianos residentes na Quarta Colônia/RS. A pesquisa foi realizada entre os anos de 2009 e 2010, sendo utilizada como metodologia a etnografia (entrevistas e observação participante). Por meio dos relatos das mulheres, percebeu-se que há décadas atrás a mulher trabalhava de forma intensa, tanto nas atividades domésticas quanto na propriedade, mas não tinha acesso ao dinheiro e, em consequência, ao próprio consumo. Nos dias atuais, continuam trabalhando na mesma intensidade, mas já transitam livremente no centro urbano, o que não era comum em outros tempos, realizando a compra tanto de utilidades para casa, quanto roupas, dentre outros objetos de cunho pessoal (e possuem voz na hora da decisão na aquisição de bens maiores para a casa ou propriedade). Outro fator que tem proporcionado independência feminina do meio rural foi o direito adquirido da aposentadoria no ano de Com esse benefício, mulheres que não tinham acesso ao dinheiro começaram a obter e se considerar sujeito merecedor de decidir no que gastar seus recursos. Palavras-chave: mulheres, camponesas, consumo, trabalho. Campo e metodologia de pesquisa: Para essa pesquisa 3, a metodologia escolhida foi a etnografia, com realização de observação participante e entrevistas. Foram selecionadas mulheres das mais diversas faixas etárias, pois um dos objetivos era verificar se, de fato, haviam ocorrido mudanças no modo de vida entre as gerações. O município pesquisado foi Faxinal do Soturno, pertencente à Quarta Colônia/RS 4. As comunidades escolhidas foram: Sítio Alto e Novo Treviso, 1 Cientista social, mestre em ciências sociais (UFSM) e doutoranda em desenvolvimento rural (UFRGS). 2 Antropóloga, professora associada na Universidade Federal de Santa Maria. 3 Essa pesquisa foi realizada entre os anos de 2009 e 2010 no Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais na Universidade Federal de Santa Maria e teve como orientadora a profª. Drª. Maria Catarina Chitolina Zanini. 4 Em 1876 foi criado o Núcleo Colonial de Santa Maria da Boca do Monte, sendo os imigrantes russo-alemães (poloneses) os primeiros a chegarem à região em Em dezembro de 1877, pouco antes da chegada dos imigrantes italianos, o lugar passou a ser denominado de Quarto Núcleo Imperial de Colonização Italiana no Rio Grande do Sul e, em 21 de setembro de 1878, teve seu nome alterado para Colônia de Silveira Martins, em homenagem ao Senador Gaspar Silveira Martins. Posteriormente, 1882, deixou de ser colônia imperial e passou a ser

2 2 sendo que ambas possuem, como amparo econômico, a agricultura familiar, tendo como cultivo predominante o fumo. Essa região é composta, majoritariamente, por descendentes de imigrantes italianos. Tal imigração da Europa para o Brasil ocorreu de forma mais intensa no século XIX. Essa colonização dá origem à formação de um novo tipo de campesinato no Brasil, que, por sua vez, engendra a construção de núcleos urbanos e de um pequeno mercado regional (SEYFERTH, 1990). Cardoso de Oliveira (1996) ressalta que o olhar, ouvir e escrever são as faculdades essenciais durante a pesquisa. A primeira experiência em campo é a domesticação de seu olhar. Algo fundamental para o qual o autor chama a atenção é que o pesquisador deve ter um domínio das teorias para saber interpretar o seu olhar. Outro amparo do pesquisador pousa no ouvir, ou melhor, saber ouvir. O ato de ouvir requer muita paciência e perspicácia. O autor chama a atenção do poder que o pesquisador pode exercer sobre o informante por mais neutro que tente ser. Dessa forma, o olhar e ouvir seriam a primeira etapa, a segunda etapa caberia ao ato de escrever. Se o pesquisador então souber utilizar a sua sensibilidade em deixar o outro se expressar e fizer a correta coleta do material, sem dúvida, terá um bom material para ser analisado posteriormente. Como descendente de italianos, estou habituada ao cotidiano dessas pessoas, mas, como Geertz (1978) aponta, deve-se conviver com o grupo sabendo discernir o que é um piscar de olhos ou uma piscadela e se isso quer significar algo mais, sendo que são os pequenos detalhes que nos revelarão as realidades de seus fatos cotidianos das pessoas e a visão de mundo de seres inseridos em determinada cultura. Bourdieu (2002) faz várias observações sobre a construção do objeto. O autor refere que não se deve beber diretamente da boca do informante, mas sim das construções das relações sociais. Sendo assim, a teoria separada da prática é algo inútil. Ele faz um trabalho que permite ser usado como guia em administrada pela Província, e novamente teve sua nomenclatura modificada, agora para ex- Colônia de Silveira Martins (Sponchiado, 1996, p. 54-8).

3 3 um trabalho etnográfico, mostra que se deve ter clareza do que se quer estudar, saber o que quer perguntar, o motivo de fazer determinado número de perguntas. A proposta de Bourdieu (2002) está direcionada para o nascimento de certa sensibilidade aos sociólogos, para observarem e promoverem soluções aos problemas do mundo social. (1978): Como referência ao exercício do trabalho de campo, cito Malinowski Na etnografia, onde o autor é ao mesmo tempo, o seu próprio cronista e historiador, não há dúvida de que suas fontes sejam facilmente acessíveis, mas também extremamente complexas e enganosas, pois não estão incorporadas em documentos materiais, imutáveis, mas no comportamento e na memória de homens vivos (1978, p.27). A experiência entre estas mulheres constatou que as mesmas estão tendo acesso ao dinheiro por meio de seu trabalho e, com isso, estão tendo o direito de consumir bens. Esses produtos consumidos contribuem para a agregação familiar e também facilitam os serviços domésticos. Como exemplo de bens consumidos pode ser citado o forno elétrico, microondas, liquidificador, batedeira, celulares, dentre outros facilitadores da vida cotidiana dessas mulheres. Hoje se trabalha, mas também se pode consumir: As mulheres relatam que na época de seus pais as mesmas não tinham acesso ao dinheiro, ou seja, trabalhavam, mas quem administrava os lucros eram os homens. Desde o simples fato de ir a alguma venda comprar comida, em alguma loja para adquirir roupas, enfim a aquisição de tudo que pertencia à casa e à família passava pela mão do chefe da casa. Esse fato aos poucos veio sendo trabalhado e desmitificado quanto à questão de que mulher não poderia mexer com o dinheiro. Essas camponesas não tinham contato direto com o dinheiro, todas as transações econômicas diretas se restringiam ao sexo masculino (vide também Giron e Bergamaschi, 1996). Por meio dos depoimentos, foi percebido que hoje em dia estar em contato com o dinheiro ou com o lucro dos serviços é algo considerado normal.

4 4 Até mesmo vir até a cidade fazer compras e pagamentos. Tudo isso são pequenos detalhes, mas que, aos poucos, vão sendo transformados. As mulheres da zona rural de Faxinal do Soturno, de certa forma, vêm agregando o trabalho externo ao lar, mas sem deixar de lado suas lidas domésticas, trabalhando fora e angariando seu próprio dinheiro e também cuidando da casa e da família. O dia a dia dessas mulheres é dedicado à intensidade aos trabalhos, mas se sentem realizadas por poderem prestar seus serviços externos e cuidarem dos afazeres domésticos. Hoje muitas dessas mulheres vendem seus produtos na cidade, como por exemplo, queijos, pães, cucas, bolachas, verduras, e recebem elogios de seus fregueses, essa valorização verbal, ou seja, simbólica, tem um poder de modificar a vida dessas pessoas, pois as mesmas se sentem valorizadas. Por meio da aquisição do dinheiro, essas mulheres realizam suas compras no supermercado, nas lojas de roupas, calçados, bem como a aquisição de eletrodomésticos para a casa, o que pode facilitar ao seu dia a dia e de sua família. Simonetti (2004) analisa a influência das tecnologias no dia a dia dessas mulheres camponesas e consequentemente nas famílias. Para essas mulheres, conseguir enfrentar toda a rotina entre trabalhos de casa e externos necessita, de certa forma, do auxílio de algumas tecnologias, às quais antigamente não tinham acesso e nem condições financeiras de adquirir. Dessa maneira, o que era impossível fazer em pouco tempo, com as novas tecnologias se transformou, como se percebe no depoimento a seguir: Sim, uma vez dentro de casa tu tinha a mesa com dois ou três banquinho, o fogão à lenha e uma pia, nós quando comecemo que eu casei nem luz não tinha [...] sempre tivemo banheiro, mas não era assim dentro de casa né, era aquelas, como dizem, as patente [risos] fora de casa, feita de madeira né, para tomar banho, esquentava água numa chaleira e uma bacia dentro desse banheiro fora, a luz os primeiros anos que eu me lembro era os lampião né, depois veio a modernidade do liquinho, que era a gás e daí depois com o tempo que veio a luz, mas para nós demorou para chegar a luz onde nós morava é no ano de 1985 chegou a luz, não, minto, em 1987 (Simonetti, 2011). Essa pessoa não tinha acesso a essas tecnologias antigamente e hoje, com uma condição de vida melhor, consegue adquirir esses bens. Ressalto

5 5 aqui que essas mulheres hoje fazem usufruto de consumir bens, o que antigamente era impensável, visto que o homem era quem detinha a posse do dinheiro, como se pode constatar no depoimento de uma mulher de 44 anos da comunidade de Novo Treviso: Ahhhh isso ajuda muito, acho antigamente não se tinha isso né, tinha que fazer bolacha no fogão à lenha que demorava um século, queimava, quando não queimava ficavam cru e com essa modernidade de hoje ajudou bastante, eu acho que os colono de hoje é pouco as famílias que não têm de tudo essas modernidades né, por mais fora que seja, todo mundo tem, eu, por exemplo, a minha família sempre tentemo ter de tudo um pouquinho, ter o rádio, a televisão, o toca fita quando era o tempo deles (Simonetti, 2011). Quando é relacionado o universo da cozinha, o que para esses descendentes é um significado de ambiente social, Santos e Zanini (2008) apontam que a comida pode ter várias dimensões, como a econômica, simbólica, organizacional, religiosa, identitária, ritual, dentre outras. Assim, pude perceber que o universo da cozinha e da alimentação é passado de geração para geração. Essas mulheres lembram que começaram a cozinhar muito novas, devido à necessidade de auxiliar em casa e também levadas pelo incentivo de suas mães e passaram esses mesmos hábitos para suas filhas. O aprender a se virar desde cedo é comum nas falas, pois a condição do trabalho dignifica os descendentes de imigrantes e, com a incorporação das tecnologias, os afazeres tendem a se tornar mais dinâmicos, o que auxilia na vida dessas pessoas. Mas, o que constatei foi que, apesar de tantas facilidades e mordomias oferecidas nos dias atuais, essas mulheres não deixam de cultivar e valorizar as raízes dos antepassados colocando essa tecnologia a serviço da preservação da identidade cultural. Posso citar como exemplo que, na culinária italiana, o forno, o microondas, a geladeira, o fogão vieram para facilitar as suas vidas tornando a forma de fazer as coisas mais simples. Como diz uma entrevistada: entom, mudou, nesse sentido, na roça. Em casa também mudou [...] Agora, tu coloca no forno elétrico, tu só olha que tem que vim daqui quarenta minutos e tu pode lidar, nom precisa voltar aqui. Antes era tudo na mão, agora tem batedeira. (Simonetti, 2004)

6 6 Dessa maneira, elas se adaptaram a todas as inovações e as utilizam para o bem-estar familiar, facilitando também as suas lidas externas as da casa. Todas entrevistadas apontaram isso de forma positiva, pois vem em auxílio as suas necessidades. Douglas e Isherwood (2004) definiram o consumo como uma área do comportamento cercada por regras, demonstrando que nem o comércio e nem a força se aplica nessa relação que é livre. As posses materiais são carregadas de significação social. Dessa forma, procurar compreender o porquê as pessoas consomem determinados produtos e não outros se torna pertinente de análise nessa escolha de proposta de trabalho. Cada coisa consumida tem seu valor nas relações sociais e está repleta de significados naquele mundo em que o objeto de consumo será integrado. O consumo não pode ser tratado como algo irracional, especialmente na situação destas mulheres que trabalham muito para acumular determinado capital. Quando se adquire algum bem, produto ou serviço há sempre algum significado, mesmo que seja de forma inconsciente ou subjetiva do consumidor. Como Douglas e Isherwood (2004) ressaltam, os bens são, portanto, a parte visível da cultura. No caso das mulheres pesquisadas, qualquer objeto de consumo é amplamente estudado e deve responder a várias demandas (práticas ou simbólicas). Assim, o ato de comprar individual implica em algo maior, como Barbosa e Campbell (2007) salientam, pois o consumo não pode ser reduzido ao simples ato de adquirir algo, mas sim se deve estar atento para qual processo de reprodução social e construção de subjetividades e identidades aquela compra pode remeter. No caso aqui apresentado, da valorização de uma identidade de mulher camponesa. Outro fato importante na vida dessas mulheres rurais é o direto adquirido sobre a aposentadoria, o que permite uma circulação maior de dinheiro e consumo entre as pessoas. Brumer (s/d) aponta que foi a partir da constituição de 1988, complementada pelas Leis e 8.213, de 1991, que passou a prever o acesso universal de idosos e inválidos de ambos os sexos do setor rural à previdência social, em regime especial, desde que comprovem a situação de: produtor, parceiro, meeiro e/ou arrendatário rurais, garimpeiro ou

7 7 pescador artesanal, que a vida das mulheres no campo melhorou. Salienta que as mulheres trabalhadoras rurais passaram a ter direito à aposentadoria por idade, a partir dos 55 anos, independentemente de o cônjuge já ser beneficiário ou não, ou de receberem pensão por falecimento do cônjuge. Os homens também tiveram uma extensão de benefícios, com a redução da idade, para concessão de aposentadoria por velhice, de 65 anos para 60 anos, e passaram a ter direito à pensão em caso de morte da esposa segurada. No depoimento a seguir de uma mulher da comunidade do Sítio Alto que, na época da pesquisa, tinha 54 anos se pode perceber a importância da aposentadoria na vida dessas mulheres: Ahh mudou, uma que tem a aposentadoria que antes não tinha né, essas mulheres hoje com 55 anos tu vê que são outras mulheres né, pelo menos tem um dinheirinho quando nunca tinham enxergado dinheiro na vida, tipo aqui em casa eu e o marido era uma caixa só, era tudo junto, a gente pegava o dinheiro a hora que queria, mas aqui a redondeza não era fácil viu, as mulheres no caso mas nenhum centavo enxergavam e agora essas mulheres são outras mulheres são felizes né de quando surgiu essa aposentadoria de 55 anos que não faz muito tempo (Simonetti, 2011). Por meio do direito à aposentadoria, essas mulheres passam a ter agenciamento, ou seja, mesmo que de forma modesta, começam a poder consumir e obter bens que possam lhe parecer de interessante aquisição e de ajuda no serviço cotidiano. Ortner (2007) assinala que os atores sociais resistem ou negociam sua vida social, e diante disso podem sim reproduzir um viés cultural ou social diferente do que lhes foi apresentado. A citação abaixo salienta este aspecto: (...) eu vejo a subjetividade como base da agency, uma parte necessária do entendimento de como as pessoas (tentam) agir no mundo mesmo se agem sobre elas. Agency não é uma vontade natural ou originária; ela é moldada enquanto desejos e intenções especificas dentro de uma matriz de subjetividade de sentimentos, pensamentos e significados (culturalmente construídos). (Ortner, 2007, p. 380) Essa condição cultural Ortner (2007) coloca como nivelada e reflexiva e sua complexidade e reflexividade constituem as bases para questionar e criticar o mundo no qual nos encontramos. Diante disso, o sujeito absorve códigos culturais, mas também reflete externalizando-os.

8 8 Considerações finais Esse artigo teve como objetivo assinalar as ressignificações das mulheres camponesas descendentes de imigrantes italianos do município de Faxinal do Soturno em relação ao dinheiro e quanto à aquisição de alguns direitos, tais como a aposentadoria. Por meio do trabalho etnográfico, foi possível verificar algumas mudanças nos padrões de consumo e de divisão do trabalho. Uma mudança verificada é que hoje essas mulheres pesquisadas admitem ter acesso ao manuseio do dinheiro. Com isso podem consumir produtos que até pouco tempo atrás não seria possível. Dentro desses bens consumidos há algumas tecnologias, tais como: forno elétrico, microondas, dentre outros eletrodomésticos que auxiliam nas tarefas da casa. Nesse sentido é verificado que essas camponesas ganham tempo com essas tecnologias e elas se tornam aliadas no dia a dia do mundo do trabalho na terra. Outro ponto analisado foi o acesso ao direito da aposentadoria e sua contribuição na vida dessas mulheres. Apesar desse direito ter vindo tardiamente, é ainda hoje festejado entre essas mulheres. Dentre as entrevistadas, há a certeza de que irão trabalhar durante sua vida, mas quando atingirem a idade mínima necessária poderão usufruir o direito ao valor da aposentadoria. Antes desse direito as mulheres eram dependentes de seus maridos por toda a vida e nunca detinham, em seu benefício, o valor do trabalho por elas realizado ao longo de suas existências. Referências bibliográficas: BRUMER, Anita. Gênero e previdência social rural no sul do Brasil. Disponível em <http://www6.ufrgs.br/pgdr/arquivos/429.pdf>. (s/d). Acessado em: setembro/2012. BOURDIEU, Pierre. A profissão de sociólogo: preliminares epistemológicas. Petrópolis. Editora Vozes, 2000.

9 9 GEERTZ, Clifford. Uma Descrição Densa: Por uma teoria Interpretativa da Cultura. In: A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, GIRON, Loraine Slomp; BERGAMASCHI, Heloisa D. Erbele. A mulher imigrante e o trabalho. Revista da Universidade de Caxias do Sul (UCS). V.29. nº1. P Janeiro/Junho, MALINOWSKI, B. Introdução: o assunto, o método e o objetivo desta investigação. In: Os Argonautas do Pacifico Ocidental: um relato do empreendimento e da aventura dos nativos nos arquipélagos da Nova Guine. 2ª ed. São Paulo: Abril Cultural, OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. O trabalho do antropólogo: olhar, ouvir, escrever. Revista de Antropologia. São Paulo: USP, 1996, v.39, n 1. ORTNER, Sherry B. Subjetividade e crítica cultural. Horizontes antropologicos, Porto Alegre, ano 13, n.28, p , jul./dez SANTOS, Miriam Oliveira; ZANINI, Maria Catarina C. Comida e simbolismo entre imigrantes italianos no Rio Grande do Sul. Caderno Espaço Feminino, v.19, n.01, Jan./Jul, SEYFERTH, Giralda. Imigração e cultura no Brasil. Editora UNB, SIMONETTI, Fernanda. Um estudo antropológico entre mulheres descendentes de imigrantes italianos no município de Faxinal do Soturno. Trabalho final de graduação/curso de Ciências Sociais. UFSM, SIMONETTI, Fernanda. Mamma mia : a compreensão do saber fazer cotidiano e a ressignificação dos papéis entre mulheres camponesas. Programa de Pós- Graduação em Ciências sociais dissertação. UFSM, SPONCHIADO, Luiz. A anágrafe de Nova Palma e os núcleos da ex colônia Silveira Martins. In: A presença italiana no Brasil. Org. DE BONI, Luis A.Volume III. EST/FONDAZIONE GIOVANNI AGNELI.Porto Alegre, 1996.

10 10

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

RELAÇÕES DE GÊNERO NO TRABALHO DOMÉSTICO

RELAÇÕES DE GÊNERO NO TRABALHO DOMÉSTICO RELAÇÕES DE GÊNERO NO TRABALHO DOMÉSTICO Conceição Garcia Martins 1 Nanci Stancki da Luz 2 Marília Gomes de Carvalho 3 1 Introdução Na tradicional divisão sexual do trabalho, às mulheres sempre coube a

Leia mais

Trabalhar em Casa. Um Guia para quem quer iniciar um trabalho em casa e não sabe por onde começar. 2015 bastianafutebol.com @bastianafutebol

Trabalhar em Casa. Um Guia para quem quer iniciar um trabalho em casa e não sabe por onde começar. 2015 bastianafutebol.com @bastianafutebol Trabalhar em Casa Um Guia para quem quer iniciar um trabalho em casa e não sabe por onde começar 2015 bastianafutebol.com @bastianafutebol Como Começar? Primeiro você deve escolher o tipo de trabalho que

Leia mais

O PROBLEMA DO ALUNO IMIGRANTE: ESCOLA, CULTURA, INCLUSÃO

O PROBLEMA DO ALUNO IMIGRANTE: ESCOLA, CULTURA, INCLUSÃO O PROBLEMA DO ALUNO IMIGRANTE: ESCOLA, CULTURA, INCLUSÃO Marinaldo de Almeida Cunha 1 - PUCSP Grupo de Trabalho - Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo O presente

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 TESOUREIRO 41 ANOS DE TRABALHO Empresa Horizonte Nascido em Itapipoca, Ceará Idade: 76 anos Esposa: Maria Pinto de Oliveira Praciano Filhos: Lucineide Eu entrei na Empresa

Leia mais

Família e dinheiro. Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? Todos juntos ganham mais

Família e dinheiro. Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? Todos juntos ganham mais 1016327-7 - set/2012 Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? No site www.itau.com.br/usoconsciente, você encontra vídeos, testes e informações para uma gestão financeira eficiente. Acesse

Leia mais

PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE

PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE Sistema de Ensino Unidade Portugal Série: 5 o ano (4 a série) Período: TARDE AVALIAÇÃO DE CONTEÚDO DO GRUPO VIII PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE Nome: Turma: Data: 19/9/2009 Valor da prova: 8,0 Nota: Eixo temático

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca.

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Mylena Gomes Curvello mylenagcurvello@hotmail.com 9 período

Leia mais

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A visão dos brasileiros O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água Dezembro, 2006 METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para

Leia mais

Disciplina: Matemática Data da realização: 24/8/2015

Disciplina: Matemática Data da realização: 24/8/2015 Ficha da semana 4º ano A/B/C. Instruções: 1. Cada atividade terá uma data de realização e deverá ser entregue à professora no dia seguinte. 2. As atividades deverão ser copiadas e respondidas no caderno

Leia mais

Vamos fazer um mundo melhor?

Vamos fazer um mundo melhor? Vamos fazer um mundo melhor? infanto-junvenil No mundo em que vivemos há quase 9 milhões de espécies de seres vivos, que andam, voam, nadam, vivem sobre a terra ou nos oceanos, são minúsculos ou enormes.

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: maternidade, representação social da mulher, paradigma biológico. 1. Introdução

PALAVRAS-CHAVE: maternidade, representação social da mulher, paradigma biológico. 1. Introdução O SER MULHER, MÃE E TRABALHADORA: a maternidade sob a ótica da mulher atual Márcia Marrocos Aristides Barbiero Orientadora: Katia Fernanda Alves Moreira RESUMO: Esta pesquisa teve como objetivo estudar

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros O que o brasileiro pensa sobre a conservação e o uso da água no Brasil METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para subsidiar o planejamento

Leia mais

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA CONVIVER COM OS HUMANOS APRIMORADOS? http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=voce-esta-preparado-conviver-humanosaprimorados&id=010850090828 Redação do

Leia mais

O papel das tecnologias na vida de mulheres residentes no meio rural da Região da Quarta Colônia de Imigração Italiana no Rio Grande do Sul

O papel das tecnologias na vida de mulheres residentes no meio rural da Região da Quarta Colônia de Imigração Italiana no Rio Grande do Sul O papel das tecnologias na vida de mulheres residentes no meio rural da Região da Quarta Colônia de Imigração Italiana no Rio Grande do Sul Fernanda Simonetti Universidade Federal de Santa Maria simonetti.fernanda@gmail.com

Leia mais

AS MARCAS DA FORMAÇÃO RELIGIOSA NA TRAJETÓRIA DE UMA PROFESSORA EM UMA ESCOLA CONFESSIONAL

AS MARCAS DA FORMAÇÃO RELIGIOSA NA TRAJETÓRIA DE UMA PROFESSORA EM UMA ESCOLA CONFESSIONAL 1 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE PEDAGOGIA EDINALVA LEAL FERREIRA AS MARCAS DA FORMAÇÃO RELIGIOSA NA TRAJETÓRIA DE UMA PROFESSORA EM UMA ESCOLA CONFESSIONAL CRICIÚMA, JULHO DE

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Palavras-chave: Mulheres Mil, trabalho e educação, programas sociais, educação profissional. NO MOMENTO NÃO ESTOU TRABALHANDO: ANSEIOS DAS

Palavras-chave: Mulheres Mil, trabalho e educação, programas sociais, educação profissional. NO MOMENTO NÃO ESTOU TRABALHANDO: ANSEIOS DAS NO MOMENTO NÃO ESTOU TRABALHANDO: ANSEIOS DAS ESTUDANTES DO PROGRAMA MULHERES MIL NO IFSUL- CÂMPUS SAPIRANGA/RS Gisele Lopes Heckler UNISINOS Agência Financiadora: CAPES/PROEX Resumo Esta comunicação objetiva

Leia mais

Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo:

Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo: Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo: A família patriarcal no Brasil e seus desdobramentos. 2 Habilidade: Reconhecer que a ideologia patriarcal influenciou a configuração

Leia mais

A INVISIBILIDADE DO TRABALHO DA MULHER NA ORGANIZAÇÃO DOS ESTABELECIMETNOS AGROPECUÁRIOS: UM ESTUDO DO MUNICÍPIO DE MARMELEIRO (PR)

A INVISIBILIDADE DO TRABALHO DA MULHER NA ORGANIZAÇÃO DOS ESTABELECIMETNOS AGROPECUÁRIOS: UM ESTUDO DO MUNICÍPIO DE MARMELEIRO (PR) A INVISIBILIDADE DO TRABALHO DA MULHER NA ORGANIZAÇÃO DOS ESTABELECIMETNOS AGROPECUÁRIOS: UM ESTUDO DO MUNICÍPIO DE MARMELEIRO (PR) LUÍS CARLOS BRAGA UNESP Presdiente Prudente l.karlos2009@hotmail.com

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E SUCESSO

DESENVOLVIMENTO E SUCESSO DESENVOLVIMENTO E SUCESSO Janeiro de 2014 número 1 DISBEME COMEMORA UM ANO DO SEU PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Neste mês, a Disbeme Distribuidora de Tanhaçú/BA, comemorou um ano do lançamento do seu planejamento

Leia mais

Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP

Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP Introdução Do que estamos falando? Um grupo específico de mulheres Uma visão Pesquisa de Doutorado na FGV EAESP

Leia mais

Você Dona do Seu Tempo Editora Gente

Você Dona do Seu Tempo Editora Gente INTRODUÇÃO Basta ficar atento ao noticiário para ver que o assunto mais citado nos últimos tempos varia entre os temas de estresse, equilíbrio e falta de tempo. A Qualidade de Vida está em moda no mundo

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Capítulo 6 Cuidados ao ouvir os clientes

Capítulo 6 Cuidados ao ouvir os clientes Capítulo 6 Cuidados ao ouvir os clientes Fortaleza, maio de 2011 1 Cuidados ao ouvir os clientes [6.1] Nos capítulos anteriores, vimos como segmentar o mercado e identificar clientes-alvo; atributos valorizados

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA.

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. Rosângela de Fátima Cavalcante França* Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESUMO Este texto apresenta de forma resumida

Leia mais

Investimento para Mulheres

Investimento para Mulheres Investimento para Mulheres Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão :

Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão : Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão : dilemas e soluções contingenciais para evitar a exclusão social na investigação Isabel Estrela Rego & Ana Moura Arroz Métodos Qualitativos em Ciências

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO Eixo Temático 2 - Pesquisa e Práticas Educacionais Autora: Beatriz de Oliveira Abuchaim Orientadora: Maria Malta

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA Luciana da Silva Catardo Acadêmica do curso de Ciências Biológicas/Licenciatura na Universidade

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

ESPAÇOS MIGRATÓRIOS E REDES SOCIAIS NA CIDADE DE PRUDENTÓPOLIS-PR

ESPAÇOS MIGRATÓRIOS E REDES SOCIAIS NA CIDADE DE PRUDENTÓPOLIS-PR ESPAÇOS MIGRATÓRIOS E REDES SOCIAIS NA CIDADE DE PRUDENTÓPOLIS-PR Vanessa dos Santos Pereira Discente do curso de Geografia da UNICENTRO-Irati Bolsista do Programa Institucional de Iniciação Científica

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO 1 RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO Facilitadora: Maria Inês Castanha de Queiroz Coordenadora: Maria Inês Castanha de Queiroz CRP 5357/4ª região Psicóloga, Mestre

Leia mais

GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE

GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE Evelyn Nunomura* Isadora Fernanda Rossi* Gilberto Hildebrando* Sonia Maria de Oliveira Dantas* Leandro Henrique Magalhães** Mirian Cristina Maretti** *Acadêmicos

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

E Entrevistador E18 Entrevistado 18 Sexo Masculino Idade 29anos Área de Formação Técnico Superior de Serviço Social

E Entrevistador E18 Entrevistado 18 Sexo Masculino Idade 29anos Área de Formação Técnico Superior de Serviço Social Transcrição de Entrevista nº 18 E Entrevistador E18 Entrevistado 18 Sexo Masculino Idade 29anos Área de Formação Técnico Superior de Serviço Social E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios IBGE Gustavo Leal Laboratório de Economia da UFJF Introdução O sistema de pesquisas domiciliares foi implantado progressivamente no Brasil, a partir de 1967,

Leia mais

Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça

Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça Serviço de Rádio Escuta da Prefeitura de Porto Alegre Emissora: Rádio Guaíba Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça Data: 07/03/2007 14:50 Programa: Guaíba Revista Apresentação:

Leia mais

ESPELHO, ESPELHO MEU: HÁ ALGUÉM MAIS IMPORTANTE DO QUE EU? - UM ESTUDO SOBRE O DIÁLOGO NA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA E MÃE EM CRECHE

ESPELHO, ESPELHO MEU: HÁ ALGUÉM MAIS IMPORTANTE DO QUE EU? - UM ESTUDO SOBRE O DIÁLOGO NA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA E MÃE EM CRECHE ESPELHO, ESPELHO MEU: HÁ ALGUÉM MAIS IMPORTANTE DO QUE EU? - UM ESTUDO SOBRE O DIÁLOGO NA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA E MÃE EM CRECHE Márcia Gagliardi Núcleo de Estudos e Pesquisas: Formação de Professores

Leia mais

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato.

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Luciany Fusco Sereno** Introdução O trabalho tem por objetivo apresentar um estudo de caso realizado na cidade de Barreirinhas-MA

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011 CENTRO HISTÓRICO EMBRAER Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira São José dos Campos SP Abril de 2011 Apresentação e Formação Acadêmica Meu nome é Eustáquio, estou com sessenta anos, nasci em Minas Gerais,

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE ISENÇÃO DE TAXA DE INSCRIÇÃO

SOLICITAÇÃO DE ISENÇÃO DE TAXA DE INSCRIÇÃO SOLICITAÇÃO DE ISENÇÃO DE TAXA DE INSCRIÇÃO FORMULÁRIO SOCIOECONÔMICO 1.IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE Nome: Filiação: e Sexo: ( ) Masculino ( ) Feminino Data de Nascimento / / Tem Filhos? ( ) Sim ( ) Não.

Leia mais

Motivos de transferência do negócio por parte dos franqueados

Motivos de transferência do negócio por parte dos franqueados Motivos de transferência do negócio por parte dos franqueados Por Maria Teresa Somma Com o intuito de entender os motivos que levam franqueados a transferir o seu negócio, foi realizada uma pesquisa exploratória

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

Só o governo pode garantir o desenvolvimento.

Só o governo pode garantir o desenvolvimento. ENTREVISTA Só o governo pode garantir o desenvolvimento. O ministro Eros Grau PERFIL INFORMAÇÕES PESSOAIS NOME COMPLETO Eros Roberto Grau DATA DE NASCIMENTO 19 de agosto de 1940 LOCAL DE NASCIMENTO Santa

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação Considerando a importância de estudos que abordem dimensões

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

Use bem o seu dinheiro

Use bem o seu dinheiro 1016323-6 - abr/2012 Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? No site www.itau.com.br/usoconsciente, você encontra vídeos, testes e informações para uma gestão financeira eficiente. Acesse

Leia mais

ENTRE O PASSADO E O PRESENTE: A CONSTRUÇÃO E AFIRMAÇÃO DA IDENTIDADE ÉTNICA DOS CIGANOS DA CIDADE ALTA, LIMOEIRO DO NORTE CE 1

ENTRE O PASSADO E O PRESENTE: A CONSTRUÇÃO E AFIRMAÇÃO DA IDENTIDADE ÉTNICA DOS CIGANOS DA CIDADE ALTA, LIMOEIRO DO NORTE CE 1 ENTRE O PASSADO E O PRESENTE: A CONSTRUÇÃO E AFIRMAÇÃO DA IDENTIDADE ÉTNICA DOS CIGANOS DA CIDADE ALTA, LIMOEIRO DO NORTE CE 1 BETWEEN THE PAST AND THE PRESENT: THE CONSTRUCTION AND AFFIRMATION OF ETHNIC

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Pesquisa A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

Família nuclear casal e filhos solteiros.

Família nuclear casal e filhos solteiros. Família Uma família é um conjunto de pessoas ligadas por parentesco de sangue, por casamento ou algum outro tipo de relacionamento acordado ou adoção, e que compartilha a responsabilidade básica de reprodução

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

LEVANTAMENTO SOCIOECONÔMICO E AMBIENTAL

LEVANTAMENTO SOCIOECONÔMICO E AMBIENTAL LEVANTAMENTO SOCIOECONÔMICO E AMBIENTAL Resultado dos questionários aplicados Julho/2011 Índice 1. DADOS PESSOAIS... 3 2. DADOS SOCIOECONÔMICOS E CULTURAIS... 4 3. QUALIDADE DE VIDA... 5 ANEXO A QUESTIONÁRIO

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

AS FIANDEIRAS DE JATAÍ: UMA MEMÓRIA SE PERDENDO NO TEMPO

AS FIANDEIRAS DE JATAÍ: UMA MEMÓRIA SE PERDENDO NO TEMPO AS FIANDEIRAS DE JATAÍ: UMA MEMÓRIA SE PERDENDO NO TEMPO Simone Aparecida Borges Dantas 1 Adriano Freitas Silva 2 Esta comunicação é fruto do projeto de pesquisa As fiandeiras de Jataí: Uma memória se

Leia mais

Reestruturação Produtiva em Saúde

Reestruturação Produtiva em Saúde Trabalho em Saúde O trabalho Toda atividade humana é um ato produtivo, modifica alguma coisa e produz algo novo. Os homens e mulheres, durante toda a sua história, através dos tempos, estiveram ligados,

Leia mais

A ETNOGRAFIA COMO POTENCIAL ARTICULADOR PARA A TERAPIA OCUPACIONAL SOCIAL.

A ETNOGRAFIA COMO POTENCIAL ARTICULADOR PARA A TERAPIA OCUPACIONAL SOCIAL. A ETNOGRAFIA COMO POTENCIAL ARTICULADOR PARA A TERAPIA OCUPACIONAL SOCIAL. Autoras: Marina Di Napoli Pastore Universidade Federal de São Carlos / Casa das Áfricas; Denise Dias Barros Universidade de São

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

Unidade I ANTROPOLOGIA E CULTURA. Prof. Bruno César dos Santos

Unidade I ANTROPOLOGIA E CULTURA. Prof. Bruno César dos Santos Unidade I ANTROPOLOGIA E CULTURA BRASILEIRA Prof. Bruno César dos Santos Objetivos 1. compreender a linguagem e a metodologia específica no que diz respeito à relação entre antropologia e cultura; 2. analisar

Leia mais

ANEXO II SOLICITAÇÃO DE ISENÇÃO DA TAXA DE INSCRIÇÃO PROCESSO SELETIVO PARA OS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO 2016 - CAMPUS ARAGUAÍNA/IFTO

ANEXO II SOLICITAÇÃO DE ISENÇÃO DA TAXA DE INSCRIÇÃO PROCESSO SELETIVO PARA OS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO 2016 - CAMPUS ARAGUAÍNA/IFTO ANEXO II SOLICITAÇÃO DE ISENÇÃO DA TAXA DE INSCRIÇÃO PROCESSO SELETIVO PARA OS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO 2016 - /IFTO *É obrigatório o preenchimento de todos os itens deste questionário

Leia mais

PATRIMÔNIO E CIDADANIA

PATRIMÔNIO E CIDADANIA PATRIMÔNIO E CIDADANIA Anne-Marie Pessis O tema que me foi sugerido para apresentar neste Seminário era a Preservação Patrimonial e o Desenvolvimento Auto-Sustentável, mas penso que seria mais apropriado

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Antropologia do Consumo

Antropologia do Consumo Antropologia do Consumo Palestra com Daniel Miller 1 11/9/2006 Abordarei diferentes aspectos do consumo e da cultura material, que é muito ampla. Podemos pensar em antropologia como etnografia, mas no

Leia mais

UMA CULTURA ESTUDANDO CULTURA A ETNOGRAFIA COMO METODOLOGIA DE PESQUISA Nínive Magdiel Peter Bovo

UMA CULTURA ESTUDANDO CULTURA A ETNOGRAFIA COMO METODOLOGIA DE PESQUISA Nínive Magdiel Peter Bovo UMA CULTURA ESTUDANDO CULTURA A ETNOGRAFIA COMO METODOLOGIA DE PESQUISA Nínive Magdiel Peter Bovo Resumo: A etnografia é uma metodologia emprestada da Antropologia Cultural que tem ajudado pesquisadores

Leia mais

ROI COMO SABER DEFINITIVAMENTE O RESULTADO DAS AÇÕES DE MARKETING DO SEU E- COMMERCE. Por: Alexandre Maldonado

ROI COMO SABER DEFINITIVAMENTE O RESULTADO DAS AÇÕES DE MARKETING DO SEU E- COMMERCE. Por: Alexandre Maldonado ROI COMO SABER DEFINITIVAMENTE O RESULTADO DAS AÇÕES DE MARKETING DO SEU E- COMMERCE Por: Alexandre Maldonado Autor do site Marketing para E- commerce www.marketingparaecommerce.com.br TERMOS DE RESPONSABILIDADE

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

PROGRAMA SOCIOASSISTENCIAL ESTUDANTIL

PROGRAMA SOCIOASSISTENCIAL ESTUDANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS CAMPUS MANAUS CENTRO PROGRAMA SOCIOASSISTENCIAL ESTUDANTIL CADASTRO

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

Documentos 297. Agostinho Dirceu Didonet. ISSN 1678-9644 Março, 2014. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Arroz e Feijão

Documentos 297. Agostinho Dirceu Didonet. ISSN 1678-9644 Março, 2014. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Arroz e Feijão ISSN 1678-9644 Março, 2014 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 297 O Papel das Mulheres no Desenvolvimento

Leia mais

Preparando meu filho para a liberdade

Preparando meu filho para a liberdade Preparando meu filho para a liberdade Marcos Rezende Fonte: www.insistimento.com.br Você parou para observar o que está passando na televisão quando o seu filho a está assistindo? Ou já parou para refletir

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ESTUDO ESTUDO QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Cláudia Augusta Ferreira Deud Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO ABRIL/2007 Câmara dos Deputados

Leia mais

CURSOS TÉCNICOS SUBSEQUENTES

CURSOS TÉCNICOS SUBSEQUENTES CURSOS TÉCNICOS SUBSEQUENTES PEDIDO DE ISENÇÃO DA TAXA DE INSCRIÇÃO DO PROCESSO SELETIVO PARA CURSOS TÉCNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS - CAMPUS PALMAS

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia.

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia. * Este texto corresponde à visão da autora Marcia Dib e todas as informações aqui contidas são de inteira responsabilidade da autora. ** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 799 INTERVENÇÃO EM ARTE COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE PHOTOSHOP Denise Penna Quintanilha Programa de Pós Graduação em

Leia mais

Uma vez completa a matriz, podem ser anotados, eventualmente, os horários das. Receba ajuda de: Marido Os Meninos As Meninas

Uma vez completa a matriz, podem ser anotados, eventualmente, os horários das. Receba ajuda de: Marido Os Meninos As Meninas Como é feito: pode-se trabalhar com um grupo de mulheres ou repetir o exercício com várias mulheres. Ao início se explica o objetivo do exercício. Depois vão sendo anotadas na primeira coluna, cronologicamente,

Leia mais

MERCADO DE AÇÕES MULHERES

MERCADO DE AÇÕES MULHERES MULHERES NA BOLSA 32 REVISTA RI Março 2011 Está ficando para trás o tempo em que a Bolsa de Valores era um reduto identificado com o gênero masculino. Hoje esse espaço também já é ocupado pelas mulheres

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

Revisitando o método etnográfico: contribuições para a narrativa antropológica

Revisitando o método etnográfico: contribuições para a narrativa antropológica Revisitando o método etnográfico: contribuições para a narrativa antropológica Giselle Carino Lage Apresento, a seguir, alguns dos significados atribuídos ao conceito de etnografia buscando pensar nos

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Como Passar em Química Geral*

Como Passar em Química Geral* 1 Como Passar em Química Geral* por Dra. Brenna E. Lorenz Division of Natural Sciences University of Guam * traduzido livremente por: Eder João Lenardão; acesse o original em : http://www.heptune.com/passchem.html

Leia mais

Catequese sobre José O pai adoptivo de Jesus

Catequese sobre José O pai adoptivo de Jesus Catequese sobre José O pai adoptivo de Jesus S. José modelo e protector de todos os pais materialdecatequese.webnode.pt 1 A terra de José (Mapa) O seu país era a Palestina e a aldeia onde morava chamava-se

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

A CULTURA ALEMÃ NO MUNICÍPIO DE AGUDO-RS¹

A CULTURA ALEMÃ NO MUNICÍPIO DE AGUDO-RS¹ A CULTURA ALEMÃ NO MUNICÍPIO DE AGUDO-RS¹ KAUFMANN, Angélica Inês²; GEREMIA, Arivane³;PEREIRA, Tassia Farencena 4 ; SANTOS, Leonardo Pinto dos 5 ; FRUET, Zuleide 6 ; ZANON, Lurdes Maria Moro 7 ; OLIVEIRA,

Leia mais

COMO PREPARAR E COMUNICAR SEU TESTEMUNHO PESSOAL

COMO PREPARAR E COMUNICAR SEU TESTEMUNHO PESSOAL COMO PREPARAR E COMUNICAR SEU TESTEMUNHO PESSOAL O objetivo desta mensagem é motivar e equipar você a preparar e usar seu testemunho ao compartilhar sua fé com outros. Esta lição ajudará você a: 1. Conhecer

Leia mais

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito.

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito. Objetivos Proporcionar o entendimento das características gerais do processo folclórico brasileiro; Estruturar o profissional de Eventos para conhecer particularidades de alguns acontecimentos que envolvem

Leia mais

Palavras chaves: EJA, Alfabetização, Letramento, Educação Freireana,

Palavras chaves: EJA, Alfabetização, Letramento, Educação Freireana, DESAFIOS DA ALFABETIZAÇÃO/ LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO DA AMAZÔNIA PARAENSE: ANÁLISE A PARTIR DAS NARRATIVAS DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO MUNICÍPIO DE CURRALINHO Resumo Heloisa

Leia mais