Hoje se trabalha, mas também se pode consumir

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Hoje se trabalha, mas também se pode consumir"

Transcrição

1 1 Hoje se trabalha, mas também se pode consumir Fernanda Simonetti 1 Maria Catarina Chitolina Zanini 2 Resumo: Este artigo tem como objetivo demonstrar como o ethos do trabalho é parte fundamental na vida de mulheres camponesas descendentes de imigrantes italianos residentes na Quarta Colônia/RS. A pesquisa foi realizada entre os anos de 2009 e 2010, sendo utilizada como metodologia a etnografia (entrevistas e observação participante). Por meio dos relatos das mulheres, percebeu-se que há décadas atrás a mulher trabalhava de forma intensa, tanto nas atividades domésticas quanto na propriedade, mas não tinha acesso ao dinheiro e, em consequência, ao próprio consumo. Nos dias atuais, continuam trabalhando na mesma intensidade, mas já transitam livremente no centro urbano, o que não era comum em outros tempos, realizando a compra tanto de utilidades para casa, quanto roupas, dentre outros objetos de cunho pessoal (e possuem voz na hora da decisão na aquisição de bens maiores para a casa ou propriedade). Outro fator que tem proporcionado independência feminina do meio rural foi o direito adquirido da aposentadoria no ano de Com esse benefício, mulheres que não tinham acesso ao dinheiro começaram a obter e se considerar sujeito merecedor de decidir no que gastar seus recursos. Palavras-chave: mulheres, camponesas, consumo, trabalho. Campo e metodologia de pesquisa: Para essa pesquisa 3, a metodologia escolhida foi a etnografia, com realização de observação participante e entrevistas. Foram selecionadas mulheres das mais diversas faixas etárias, pois um dos objetivos era verificar se, de fato, haviam ocorrido mudanças no modo de vida entre as gerações. O município pesquisado foi Faxinal do Soturno, pertencente à Quarta Colônia/RS 4. As comunidades escolhidas foram: Sítio Alto e Novo Treviso, 1 Cientista social, mestre em ciências sociais (UFSM) e doutoranda em desenvolvimento rural (UFRGS). 2 Antropóloga, professora associada na Universidade Federal de Santa Maria. 3 Essa pesquisa foi realizada entre os anos de 2009 e 2010 no Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais na Universidade Federal de Santa Maria e teve como orientadora a profª. Drª. Maria Catarina Chitolina Zanini. 4 Em 1876 foi criado o Núcleo Colonial de Santa Maria da Boca do Monte, sendo os imigrantes russo-alemães (poloneses) os primeiros a chegarem à região em Em dezembro de 1877, pouco antes da chegada dos imigrantes italianos, o lugar passou a ser denominado de Quarto Núcleo Imperial de Colonização Italiana no Rio Grande do Sul e, em 21 de setembro de 1878, teve seu nome alterado para Colônia de Silveira Martins, em homenagem ao Senador Gaspar Silveira Martins. Posteriormente, 1882, deixou de ser colônia imperial e passou a ser

2 2 sendo que ambas possuem, como amparo econômico, a agricultura familiar, tendo como cultivo predominante o fumo. Essa região é composta, majoritariamente, por descendentes de imigrantes italianos. Tal imigração da Europa para o Brasil ocorreu de forma mais intensa no século XIX. Essa colonização dá origem à formação de um novo tipo de campesinato no Brasil, que, por sua vez, engendra a construção de núcleos urbanos e de um pequeno mercado regional (SEYFERTH, 1990). Cardoso de Oliveira (1996) ressalta que o olhar, ouvir e escrever são as faculdades essenciais durante a pesquisa. A primeira experiência em campo é a domesticação de seu olhar. Algo fundamental para o qual o autor chama a atenção é que o pesquisador deve ter um domínio das teorias para saber interpretar o seu olhar. Outro amparo do pesquisador pousa no ouvir, ou melhor, saber ouvir. O ato de ouvir requer muita paciência e perspicácia. O autor chama a atenção do poder que o pesquisador pode exercer sobre o informante por mais neutro que tente ser. Dessa forma, o olhar e ouvir seriam a primeira etapa, a segunda etapa caberia ao ato de escrever. Se o pesquisador então souber utilizar a sua sensibilidade em deixar o outro se expressar e fizer a correta coleta do material, sem dúvida, terá um bom material para ser analisado posteriormente. Como descendente de italianos, estou habituada ao cotidiano dessas pessoas, mas, como Geertz (1978) aponta, deve-se conviver com o grupo sabendo discernir o que é um piscar de olhos ou uma piscadela e se isso quer significar algo mais, sendo que são os pequenos detalhes que nos revelarão as realidades de seus fatos cotidianos das pessoas e a visão de mundo de seres inseridos em determinada cultura. Bourdieu (2002) faz várias observações sobre a construção do objeto. O autor refere que não se deve beber diretamente da boca do informante, mas sim das construções das relações sociais. Sendo assim, a teoria separada da prática é algo inútil. Ele faz um trabalho que permite ser usado como guia em administrada pela Província, e novamente teve sua nomenclatura modificada, agora para ex- Colônia de Silveira Martins (Sponchiado, 1996, p. 54-8).

3 3 um trabalho etnográfico, mostra que se deve ter clareza do que se quer estudar, saber o que quer perguntar, o motivo de fazer determinado número de perguntas. A proposta de Bourdieu (2002) está direcionada para o nascimento de certa sensibilidade aos sociólogos, para observarem e promoverem soluções aos problemas do mundo social. (1978): Como referência ao exercício do trabalho de campo, cito Malinowski Na etnografia, onde o autor é ao mesmo tempo, o seu próprio cronista e historiador, não há dúvida de que suas fontes sejam facilmente acessíveis, mas também extremamente complexas e enganosas, pois não estão incorporadas em documentos materiais, imutáveis, mas no comportamento e na memória de homens vivos (1978, p.27). A experiência entre estas mulheres constatou que as mesmas estão tendo acesso ao dinheiro por meio de seu trabalho e, com isso, estão tendo o direito de consumir bens. Esses produtos consumidos contribuem para a agregação familiar e também facilitam os serviços domésticos. Como exemplo de bens consumidos pode ser citado o forno elétrico, microondas, liquidificador, batedeira, celulares, dentre outros facilitadores da vida cotidiana dessas mulheres. Hoje se trabalha, mas também se pode consumir: As mulheres relatam que na época de seus pais as mesmas não tinham acesso ao dinheiro, ou seja, trabalhavam, mas quem administrava os lucros eram os homens. Desde o simples fato de ir a alguma venda comprar comida, em alguma loja para adquirir roupas, enfim a aquisição de tudo que pertencia à casa e à família passava pela mão do chefe da casa. Esse fato aos poucos veio sendo trabalhado e desmitificado quanto à questão de que mulher não poderia mexer com o dinheiro. Essas camponesas não tinham contato direto com o dinheiro, todas as transações econômicas diretas se restringiam ao sexo masculino (vide também Giron e Bergamaschi, 1996). Por meio dos depoimentos, foi percebido que hoje em dia estar em contato com o dinheiro ou com o lucro dos serviços é algo considerado normal.

4 4 Até mesmo vir até a cidade fazer compras e pagamentos. Tudo isso são pequenos detalhes, mas que, aos poucos, vão sendo transformados. As mulheres da zona rural de Faxinal do Soturno, de certa forma, vêm agregando o trabalho externo ao lar, mas sem deixar de lado suas lidas domésticas, trabalhando fora e angariando seu próprio dinheiro e também cuidando da casa e da família. O dia a dia dessas mulheres é dedicado à intensidade aos trabalhos, mas se sentem realizadas por poderem prestar seus serviços externos e cuidarem dos afazeres domésticos. Hoje muitas dessas mulheres vendem seus produtos na cidade, como por exemplo, queijos, pães, cucas, bolachas, verduras, e recebem elogios de seus fregueses, essa valorização verbal, ou seja, simbólica, tem um poder de modificar a vida dessas pessoas, pois as mesmas se sentem valorizadas. Por meio da aquisição do dinheiro, essas mulheres realizam suas compras no supermercado, nas lojas de roupas, calçados, bem como a aquisição de eletrodomésticos para a casa, o que pode facilitar ao seu dia a dia e de sua família. Simonetti (2004) analisa a influência das tecnologias no dia a dia dessas mulheres camponesas e consequentemente nas famílias. Para essas mulheres, conseguir enfrentar toda a rotina entre trabalhos de casa e externos necessita, de certa forma, do auxílio de algumas tecnologias, às quais antigamente não tinham acesso e nem condições financeiras de adquirir. Dessa maneira, o que era impossível fazer em pouco tempo, com as novas tecnologias se transformou, como se percebe no depoimento a seguir: Sim, uma vez dentro de casa tu tinha a mesa com dois ou três banquinho, o fogão à lenha e uma pia, nós quando comecemo que eu casei nem luz não tinha [...] sempre tivemo banheiro, mas não era assim dentro de casa né, era aquelas, como dizem, as patente [risos] fora de casa, feita de madeira né, para tomar banho, esquentava água numa chaleira e uma bacia dentro desse banheiro fora, a luz os primeiros anos que eu me lembro era os lampião né, depois veio a modernidade do liquinho, que era a gás e daí depois com o tempo que veio a luz, mas para nós demorou para chegar a luz onde nós morava é no ano de 1985 chegou a luz, não, minto, em 1987 (Simonetti, 2011). Essa pessoa não tinha acesso a essas tecnologias antigamente e hoje, com uma condição de vida melhor, consegue adquirir esses bens. Ressalto

5 5 aqui que essas mulheres hoje fazem usufruto de consumir bens, o que antigamente era impensável, visto que o homem era quem detinha a posse do dinheiro, como se pode constatar no depoimento de uma mulher de 44 anos da comunidade de Novo Treviso: Ahhhh isso ajuda muito, acho antigamente não se tinha isso né, tinha que fazer bolacha no fogão à lenha que demorava um século, queimava, quando não queimava ficavam cru e com essa modernidade de hoje ajudou bastante, eu acho que os colono de hoje é pouco as famílias que não têm de tudo essas modernidades né, por mais fora que seja, todo mundo tem, eu, por exemplo, a minha família sempre tentemo ter de tudo um pouquinho, ter o rádio, a televisão, o toca fita quando era o tempo deles (Simonetti, 2011). Quando é relacionado o universo da cozinha, o que para esses descendentes é um significado de ambiente social, Santos e Zanini (2008) apontam que a comida pode ter várias dimensões, como a econômica, simbólica, organizacional, religiosa, identitária, ritual, dentre outras. Assim, pude perceber que o universo da cozinha e da alimentação é passado de geração para geração. Essas mulheres lembram que começaram a cozinhar muito novas, devido à necessidade de auxiliar em casa e também levadas pelo incentivo de suas mães e passaram esses mesmos hábitos para suas filhas. O aprender a se virar desde cedo é comum nas falas, pois a condição do trabalho dignifica os descendentes de imigrantes e, com a incorporação das tecnologias, os afazeres tendem a se tornar mais dinâmicos, o que auxilia na vida dessas pessoas. Mas, o que constatei foi que, apesar de tantas facilidades e mordomias oferecidas nos dias atuais, essas mulheres não deixam de cultivar e valorizar as raízes dos antepassados colocando essa tecnologia a serviço da preservação da identidade cultural. Posso citar como exemplo que, na culinária italiana, o forno, o microondas, a geladeira, o fogão vieram para facilitar as suas vidas tornando a forma de fazer as coisas mais simples. Como diz uma entrevistada: entom, mudou, nesse sentido, na roça. Em casa também mudou [...] Agora, tu coloca no forno elétrico, tu só olha que tem que vim daqui quarenta minutos e tu pode lidar, nom precisa voltar aqui. Antes era tudo na mão, agora tem batedeira. (Simonetti, 2004)

6 6 Dessa maneira, elas se adaptaram a todas as inovações e as utilizam para o bem-estar familiar, facilitando também as suas lidas externas as da casa. Todas entrevistadas apontaram isso de forma positiva, pois vem em auxílio as suas necessidades. Douglas e Isherwood (2004) definiram o consumo como uma área do comportamento cercada por regras, demonstrando que nem o comércio e nem a força se aplica nessa relação que é livre. As posses materiais são carregadas de significação social. Dessa forma, procurar compreender o porquê as pessoas consomem determinados produtos e não outros se torna pertinente de análise nessa escolha de proposta de trabalho. Cada coisa consumida tem seu valor nas relações sociais e está repleta de significados naquele mundo em que o objeto de consumo será integrado. O consumo não pode ser tratado como algo irracional, especialmente na situação destas mulheres que trabalham muito para acumular determinado capital. Quando se adquire algum bem, produto ou serviço há sempre algum significado, mesmo que seja de forma inconsciente ou subjetiva do consumidor. Como Douglas e Isherwood (2004) ressaltam, os bens são, portanto, a parte visível da cultura. No caso das mulheres pesquisadas, qualquer objeto de consumo é amplamente estudado e deve responder a várias demandas (práticas ou simbólicas). Assim, o ato de comprar individual implica em algo maior, como Barbosa e Campbell (2007) salientam, pois o consumo não pode ser reduzido ao simples ato de adquirir algo, mas sim se deve estar atento para qual processo de reprodução social e construção de subjetividades e identidades aquela compra pode remeter. No caso aqui apresentado, da valorização de uma identidade de mulher camponesa. Outro fato importante na vida dessas mulheres rurais é o direto adquirido sobre a aposentadoria, o que permite uma circulação maior de dinheiro e consumo entre as pessoas. Brumer (s/d) aponta que foi a partir da constituição de 1988, complementada pelas Leis e 8.213, de 1991, que passou a prever o acesso universal de idosos e inválidos de ambos os sexos do setor rural à previdência social, em regime especial, desde que comprovem a situação de: produtor, parceiro, meeiro e/ou arrendatário rurais, garimpeiro ou

7 7 pescador artesanal, que a vida das mulheres no campo melhorou. Salienta que as mulheres trabalhadoras rurais passaram a ter direito à aposentadoria por idade, a partir dos 55 anos, independentemente de o cônjuge já ser beneficiário ou não, ou de receberem pensão por falecimento do cônjuge. Os homens também tiveram uma extensão de benefícios, com a redução da idade, para concessão de aposentadoria por velhice, de 65 anos para 60 anos, e passaram a ter direito à pensão em caso de morte da esposa segurada. No depoimento a seguir de uma mulher da comunidade do Sítio Alto que, na época da pesquisa, tinha 54 anos se pode perceber a importância da aposentadoria na vida dessas mulheres: Ahh mudou, uma que tem a aposentadoria que antes não tinha né, essas mulheres hoje com 55 anos tu vê que são outras mulheres né, pelo menos tem um dinheirinho quando nunca tinham enxergado dinheiro na vida, tipo aqui em casa eu e o marido era uma caixa só, era tudo junto, a gente pegava o dinheiro a hora que queria, mas aqui a redondeza não era fácil viu, as mulheres no caso mas nenhum centavo enxergavam e agora essas mulheres são outras mulheres são felizes né de quando surgiu essa aposentadoria de 55 anos que não faz muito tempo (Simonetti, 2011). Por meio do direito à aposentadoria, essas mulheres passam a ter agenciamento, ou seja, mesmo que de forma modesta, começam a poder consumir e obter bens que possam lhe parecer de interessante aquisição e de ajuda no serviço cotidiano. Ortner (2007) assinala que os atores sociais resistem ou negociam sua vida social, e diante disso podem sim reproduzir um viés cultural ou social diferente do que lhes foi apresentado. A citação abaixo salienta este aspecto: (...) eu vejo a subjetividade como base da agency, uma parte necessária do entendimento de como as pessoas (tentam) agir no mundo mesmo se agem sobre elas. Agency não é uma vontade natural ou originária; ela é moldada enquanto desejos e intenções especificas dentro de uma matriz de subjetividade de sentimentos, pensamentos e significados (culturalmente construídos). (Ortner, 2007, p. 380) Essa condição cultural Ortner (2007) coloca como nivelada e reflexiva e sua complexidade e reflexividade constituem as bases para questionar e criticar o mundo no qual nos encontramos. Diante disso, o sujeito absorve códigos culturais, mas também reflete externalizando-os.

8 8 Considerações finais Esse artigo teve como objetivo assinalar as ressignificações das mulheres camponesas descendentes de imigrantes italianos do município de Faxinal do Soturno em relação ao dinheiro e quanto à aquisição de alguns direitos, tais como a aposentadoria. Por meio do trabalho etnográfico, foi possível verificar algumas mudanças nos padrões de consumo e de divisão do trabalho. Uma mudança verificada é que hoje essas mulheres pesquisadas admitem ter acesso ao manuseio do dinheiro. Com isso podem consumir produtos que até pouco tempo atrás não seria possível. Dentro desses bens consumidos há algumas tecnologias, tais como: forno elétrico, microondas, dentre outros eletrodomésticos que auxiliam nas tarefas da casa. Nesse sentido é verificado que essas camponesas ganham tempo com essas tecnologias e elas se tornam aliadas no dia a dia do mundo do trabalho na terra. Outro ponto analisado foi o acesso ao direito da aposentadoria e sua contribuição na vida dessas mulheres. Apesar desse direito ter vindo tardiamente, é ainda hoje festejado entre essas mulheres. Dentre as entrevistadas, há a certeza de que irão trabalhar durante sua vida, mas quando atingirem a idade mínima necessária poderão usufruir o direito ao valor da aposentadoria. Antes desse direito as mulheres eram dependentes de seus maridos por toda a vida e nunca detinham, em seu benefício, o valor do trabalho por elas realizado ao longo de suas existências. Referências bibliográficas: BRUMER, Anita. Gênero e previdência social rural no sul do Brasil. Disponível em <http://www6.ufrgs.br/pgdr/arquivos/429.pdf>. (s/d). Acessado em: setembro/2012. BOURDIEU, Pierre. A profissão de sociólogo: preliminares epistemológicas. Petrópolis. Editora Vozes, 2000.

9 9 GEERTZ, Clifford. Uma Descrição Densa: Por uma teoria Interpretativa da Cultura. In: A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, GIRON, Loraine Slomp; BERGAMASCHI, Heloisa D. Erbele. A mulher imigrante e o trabalho. Revista da Universidade de Caxias do Sul (UCS). V.29. nº1. P Janeiro/Junho, MALINOWSKI, B. Introdução: o assunto, o método e o objetivo desta investigação. In: Os Argonautas do Pacifico Ocidental: um relato do empreendimento e da aventura dos nativos nos arquipélagos da Nova Guine. 2ª ed. São Paulo: Abril Cultural, OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. O trabalho do antropólogo: olhar, ouvir, escrever. Revista de Antropologia. São Paulo: USP, 1996, v.39, n 1. ORTNER, Sherry B. Subjetividade e crítica cultural. Horizontes antropologicos, Porto Alegre, ano 13, n.28, p , jul./dez SANTOS, Miriam Oliveira; ZANINI, Maria Catarina C. Comida e simbolismo entre imigrantes italianos no Rio Grande do Sul. Caderno Espaço Feminino, v.19, n.01, Jan./Jul, SEYFERTH, Giralda. Imigração e cultura no Brasil. Editora UNB, SIMONETTI, Fernanda. Um estudo antropológico entre mulheres descendentes de imigrantes italianos no município de Faxinal do Soturno. Trabalho final de graduação/curso de Ciências Sociais. UFSM, SIMONETTI, Fernanda. Mamma mia : a compreensão do saber fazer cotidiano e a ressignificação dos papéis entre mulheres camponesas. Programa de Pós- Graduação em Ciências sociais dissertação. UFSM, SPONCHIADO, Luiz. A anágrafe de Nova Palma e os núcleos da ex colônia Silveira Martins. In: A presença italiana no Brasil. Org. DE BONI, Luis A.Volume III. EST/FONDAZIONE GIOVANNI AGNELI.Porto Alegre, 1996.

10 10

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

Trabalhar em Casa. Um Guia para quem quer iniciar um trabalho em casa e não sabe por onde começar. 2015 bastianafutebol.com @bastianafutebol

Trabalhar em Casa. Um Guia para quem quer iniciar um trabalho em casa e não sabe por onde começar. 2015 bastianafutebol.com @bastianafutebol Trabalhar em Casa Um Guia para quem quer iniciar um trabalho em casa e não sabe por onde começar 2015 bastianafutebol.com @bastianafutebol Como Começar? Primeiro você deve escolher o tipo de trabalho que

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca.

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Mylena Gomes Curvello mylenagcurvello@hotmail.com 9 período

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 TESOUREIRO 41 ANOS DE TRABALHO Empresa Horizonte Nascido em Itapipoca, Ceará Idade: 76 anos Esposa: Maria Pinto de Oliveira Praciano Filhos: Lucineide Eu entrei na Empresa

Leia mais

Motivos de transferência do negócio por parte dos franqueados

Motivos de transferência do negócio por parte dos franqueados Motivos de transferência do negócio por parte dos franqueados Por Maria Teresa Somma Com o intuito de entender os motivos que levam franqueados a transferir o seu negócio, foi realizada uma pesquisa exploratória

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011 CENTRO HISTÓRICO EMBRAER Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira São José dos Campos SP Abril de 2011 Apresentação e Formação Acadêmica Meu nome é Eustáquio, estou com sessenta anos, nasci em Minas Gerais,

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA CONVIVER COM OS HUMANOS APRIMORADOS? http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=voce-esta-preparado-conviver-humanosaprimorados&id=010850090828 Redação do

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça

Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça Serviço de Rádio Escuta da Prefeitura de Porto Alegre Emissora: Rádio Guaíba Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça Data: 07/03/2007 14:50 Programa: Guaíba Revista Apresentação:

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo:

Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo: Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo: A família patriarcal no Brasil e seus desdobramentos. 2 Habilidade: Reconhecer que a ideologia patriarcal influenciou a configuração

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

O PROBLEMA DO ALUNO IMIGRANTE: ESCOLA, CULTURA, INCLUSÃO

O PROBLEMA DO ALUNO IMIGRANTE: ESCOLA, CULTURA, INCLUSÃO O PROBLEMA DO ALUNO IMIGRANTE: ESCOLA, CULTURA, INCLUSÃO Marinaldo de Almeida Cunha 1 - PUCSP Grupo de Trabalho - Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo O presente

Leia mais

Vamos fazer um mundo melhor?

Vamos fazer um mundo melhor? Vamos fazer um mundo melhor? infanto-junvenil No mundo em que vivemos há quase 9 milhões de espécies de seres vivos, que andam, voam, nadam, vivem sobre a terra ou nos oceanos, são minúsculos ou enormes.

Leia mais

A formação moral de um povo

A formação moral de um povo É um grande desafio evangelizar crianças nos dias de hoje. Somos a primeira geração que irá dizer aos pais e evangelizadores como evangelizar os pequeninos conectados. Houve um tempo em que nos colocávamos

Leia mais

Modos de vida no município de Paraty - Ponta Negra

Modos de vida no município de Paraty - Ponta Negra Modos de vida no município de Paraty - Ponta Negra Resultados gerais Dezembro 2010 Projeto Community-based resource management and food security in coastal Brazil (Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP)

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras 2012 2 Sumário Apresentação... 3 A Pesquisa Perfil dos Empreendedores Sul Mineiros Sexo. 4 Estado Civil.. 5 Faixa Etária.. 6 Perfil

Leia mais

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE Inicialmente faz-se necessário entender o que é grupo social, a sua importância e contribuição na vida de uma pessoa, para posteriormente

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

Investimento para Mulheres

Investimento para Mulheres Investimento para Mulheres Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

Disciplina: Matemática Data da realização: 24/8/2015

Disciplina: Matemática Data da realização: 24/8/2015 Ficha da semana 4º ano A/B/C. Instruções: 1. Cada atividade terá uma data de realização e deverá ser entregue à professora no dia seguinte. 2. As atividades deverão ser copiadas e respondidas no caderno

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades Como vimos na unidade anterior, é próprio do homem buscar e produzir conhecimento para tentar melhorar sua realidade. Portanto,

Leia mais

A Lição de Lynch. O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros

A Lição de Lynch. O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros A Lição de Lynch O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros Por Laura Somoggi, de Marblehead (EUA) É muito provável que o nome Peter Lynch não lhe seja familiar. Ele

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração da Escola Municipal Jornalista Jaime Câmara e alusiva à visita às unidades habitacionais do PAC - Pró-Moradia no Jardim do Cerrado e Jardim Mundo

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA.

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. Rosângela de Fátima Cavalcante França* Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESUMO Este texto apresenta de forma resumida

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Colégio Cenecista Nossa Senhora dos Anjos Gravataí RS. Cohab B

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Colégio Cenecista Nossa Senhora dos Anjos Gravataí RS. Cohab B Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Colégio Cenecista Nossa Senhora dos Anjos Gravataí RS Cohab B Data: 29/04/2015 Pedro Lima, Gabriel Landal, Lorenzo Silveira e Leonardo Souza. Turma 101 A COHAB

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia.

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia. * Este texto corresponde à visão da autora Marcia Dib e todas as informações aqui contidas são de inteira responsabilidade da autora. ** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança

Leia mais

A Comunicação Estratégica. no âmbito da Mudança Organizacional

A Comunicação Estratégica. no âmbito da Mudança Organizacional A Comunicação Estratégica no âmbito da Mudança Organizacional Entrevista 1 Organização A Caracterização da Organização e Entrevistado Tipo ORGANIZAÇÃO - A Instituição Particular de Solidariedade Social,

Leia mais

Planejamento Financeiro Feminino

Planejamento Financeiro Feminino Planejamento Financeiro Feminino Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado.

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Contrato: AS.DS.PV.024/2010 Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO

Leia mais

5 Conclusão e Recomendações para Estudos Futuros

5 Conclusão e Recomendações para Estudos Futuros 5 Conclusão e Recomendações para Estudos Futuros Esta dissertação teve como objetivo contribuir para o estudo do lazer, com ênfase nas principais restrições que impedem crianças a realizarem suas atividades

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA Luciana da Silva Catardo Acadêmica do curso de Ciências Biológicas/Licenciatura na Universidade

Leia mais

A PERCEPÇÃO DE GRADUANDOS EM PEDAGOGIA SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR EM UMA FACULDADE EM MONTE ALEGRE DO PIAUÍ - PI

A PERCEPÇÃO DE GRADUANDOS EM PEDAGOGIA SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR EM UMA FACULDADE EM MONTE ALEGRE DO PIAUÍ - PI A PERCEPÇÃO DE GRADUANDOS EM PEDAGOGIA SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR EM UMA FACULDADE EM MONTE ALEGRE DO PIAUÍ - PI Kássia Hellem Tavares da Silva (*), Lorrane de Castro Miranda, Israel

Leia mais

Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão :

Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão : Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão : dilemas e soluções contingenciais para evitar a exclusão social na investigação Isabel Estrela Rego & Ana Moura Arroz Métodos Qualitativos em Ciências

Leia mais

CAPÍTULO 4 Sabe quanto você vai poder pagar? É hora de sentar na mesa com o credor.

CAPÍTULO 4 Sabe quanto você vai poder pagar? É hora de sentar na mesa com o credor. E-BOOK COMO SE PREPARAR PARA A NEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS CAPÍTULO 4 Sabe quanto você vai poder pagar? É hora de sentar na mesa com o credor. Com dívidas em quase 20 instituições diferentes, Joana fez uma lista

Leia mais

MERCADO DE AÇÕES MULHERES

MERCADO DE AÇÕES MULHERES MULHERES NA BOLSA 32 REVISTA RI Março 2011 Está ficando para trás o tempo em que a Bolsa de Valores era um reduto identificado com o gênero masculino. Hoje esse espaço também já é ocupado pelas mulheres

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

Tema: O que, como, quando e quanto compra é o que precisamos entender. tomada de decisão do jovem na hora da compra.

Tema: O que, como, quando e quanto compra é o que precisamos entender. tomada de decisão do jovem na hora da compra. Radar Jovem 2015 Tema: Já sabemos que o jovem é um dos consumidores que mais possui poder aquisitivo do país*. O que, como, quando e quanto compra é o que precisamos entender agora. Nesse estudo iremos

Leia mais

UMA CULTURA ESTUDANDO CULTURA A ETNOGRAFIA COMO METODOLOGIA DE PESQUISA Nínive Magdiel Peter Bovo

UMA CULTURA ESTUDANDO CULTURA A ETNOGRAFIA COMO METODOLOGIA DE PESQUISA Nínive Magdiel Peter Bovo UMA CULTURA ESTUDANDO CULTURA A ETNOGRAFIA COMO METODOLOGIA DE PESQUISA Nínive Magdiel Peter Bovo Resumo: A etnografia é uma metodologia emprestada da Antropologia Cultural que tem ajudado pesquisadores

Leia mais

Como Passar em Química Geral*

Como Passar em Química Geral* 1 Como Passar em Química Geral* por Dra. Brenna E. Lorenz Division of Natural Sciences University of Guam * traduzido livremente por: Eder João Lenardão; acesse o original em : http://www.heptune.com/passchem.html

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: maternidade, representação social da mulher, paradigma biológico. 1. Introdução

PALAVRAS-CHAVE: maternidade, representação social da mulher, paradigma biológico. 1. Introdução O SER MULHER, MÃE E TRABALHADORA: a maternidade sob a ótica da mulher atual Márcia Marrocos Aristides Barbiero Orientadora: Katia Fernanda Alves Moreira RESUMO: Esta pesquisa teve como objetivo estudar

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MOTIVAÇÃO HUMANA - UM ESTUDO NA EMPRESA MAHRRY CONFECÇÕES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área.

Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área. Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área. Autores: Ligia Claudia Gomes de Souza Universidade Salgado de Oliveira Faculdades Integradas Maria Thereza.

Leia mais

O JOGO NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO DOCENTE EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO PIBID RESUMO

O JOGO NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO DOCENTE EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO PIBID RESUMO O JOGO NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO DOCENTE EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO PIBID Heloisa Braga dos Santos Christian Vieira de Souza RESUMO Este artigo foi elaborado com o objetivo de relatar a

Leia mais

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS.

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. Fernando Toledo Ferraz - ferraz@cybernet.com.br Departamento de Engenharia de Produção Myriam Eugênia R.

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

RELAÇÕES DE GÊNERO NO TRABALHO DOMÉSTICO

RELAÇÕES DE GÊNERO NO TRABALHO DOMÉSTICO RELAÇÕES DE GÊNERO NO TRABALHO DOMÉSTICO Conceição Garcia Martins 1 Nanci Stancki da Luz 2 Marília Gomes de Carvalho 3 1 Introdução Na tradicional divisão sexual do trabalho, às mulheres sempre coube a

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES Aline Patrícia da Silva (Departamento de Letras - UFRN) Camila Maria Gomes (Departamento de Letras - UFRN) Orientadora: Profª Dra.

Leia mais

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno.

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno. Meu lugar,minha história. Cena 01- Exterior- Na rua /Dia Eduardo desce do ônibus com sua mala. Vai em direção a Rose que está parada. Olá, meu nome é Rose sou a guia o ajudara no seu projeto de história.

Leia mais

TRABALHO: VILÃO OU SALVAÇÃO? Sofrimento Psíquico e Alcoolismo entre Servidores da Universidade Federal do Ceará

TRABALHO: VILÃO OU SALVAÇÃO? Sofrimento Psíquico e Alcoolismo entre Servidores da Universidade Federal do Ceará TRABALHO: VILÃO OU SALVAÇÃO? Sofrimento Psíquico e Alcoolismo entre Servidores da Universidade Federal do Ceará O Problema Alcoolismo - um dos mais graves problemas de saúde pública na atualidade. Abuso

Leia mais

Uma vez completa a matriz, podem ser anotados, eventualmente, os horários das. Receba ajuda de: Marido Os Meninos As Meninas

Uma vez completa a matriz, podem ser anotados, eventualmente, os horários das. Receba ajuda de: Marido Os Meninos As Meninas Como é feito: pode-se trabalhar com um grupo de mulheres ou repetir o exercício com várias mulheres. Ao início se explica o objetivo do exercício. Depois vão sendo anotadas na primeira coluna, cronologicamente,

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

estão em evidência hoje?

estão em evidência hoje? estão em evidência hoje? delas. Muito antes de entender quem eram e como pensavam as mulheres, percebemos que era fundamental identificar as diferenças comportamentais entre homens e mulheres. Afinal,

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes Imagens de professores e alunos Andréa Becker Narvaes Inicio este texto sem certeza de poder concluí-lo de imediato e no intuito de, ao apresentá-lo no evento, poder ouvir coisas que contribuam para continuidade

Leia mais

GERAÇÃO DA CONECTIVIDADE

GERAÇÃO DA CONECTIVIDADE GERAÇÃO DA CONECTIVIDADE O Instituto Methodus, sendo especialista em Pesquisa, tomou a iniciativa de estudar a Geração da Conectividade, investigando como agem, pensam e se relacionam os jovens. Patrocínio

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). O TRABALHO NA TERCEIRA IDADE: A CONTINUAÇÃO DE UMA IDENTIDADE SOCIAL? Rosimeire de Oliveira Sueli Galego de carvalho Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, Brasil Resumo O número de idosos tem

Leia mais

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil.

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. 1 Autora :Rosângela Azevedo- PIBID, UEPB. E-mail: rosangelauepb@gmail.com ²Orientador: Dr. Valmir pereira. UEPB E-mail: provalmir@mail.com Desde

Leia mais

LEVANTAMENTO SOCIOECONÔMICO E AMBIENTAL

LEVANTAMENTO SOCIOECONÔMICO E AMBIENTAL LEVANTAMENTO SOCIOECONÔMICO E AMBIENTAL Resultado dos questionários aplicados Julho/2011 Índice 1. DADOS PESSOAIS... 3 2. DADOS SOCIOECONÔMICOS E CULTURAIS... 4 3. QUALIDADE DE VIDA... 5 ANEXO A QUESTIONÁRIO

Leia mais

Perfil do egresso dos cursos de computação da UFS no mercado de trabalho

Perfil do egresso dos cursos de computação da UFS no mercado de trabalho Perfil do egresso dos cursos de computação da UFS no mercado de trabalho SEMINFO/UFS/ITA 2012 Leonardo Nogueira Matos Outubro de 2012 Leonardo Nogueira Matos (DCOMP/UFS) Perfil do egresso dos cursos de

Leia mais

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente. ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 5

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente. ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 5 Sexo Idade Grupo de Anos de Escola docência serviço Feminino 46 Filosofia 22 Distrito do Porto A professora, da disciplina de Filosofia, disponibilizou-se para conversar comigo sobre o processo de avaliação

Leia mais

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Gisllayne Rufino Souza UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo

Leia mais

atitudes e comportamentos. Acima de tudo, o Ser Humano tem alma, emoções e sentimentos. Quantas mudanças ocorrem na vida da empresa? Inúmeras.

atitudes e comportamentos. Acima de tudo, o Ser Humano tem alma, emoções e sentimentos. Quantas mudanças ocorrem na vida da empresa? Inúmeras. RH SENSÍVEL RH é uma área sensível à mentalidade que em geral predomina nas organizações. A gestão de RH abrange aspectos como a cultura organizacional, satisfação no trabalho e talento. Isis Corrêa Como

Leia mais

personal cool brand anouk pappers & maarten schäfer

personal cool brand anouk pappers & maarten schäfer personal cool brand Os holandeses Anouk Pappers e Maarten Schäfer, da CoolBrands, trabalham há 12 anos fazendo storytelling para marcas, que se trata de extrair histórias sobre elas por meio de conversas

Leia mais

ED WILSON ARAÚJO, THAÍSA BUENO, MARCO ANTÔNIO GEHLEN e LUCAS SANTIGO ARRAES REINO

ED WILSON ARAÚJO, THAÍSA BUENO, MARCO ANTÔNIO GEHLEN e LUCAS SANTIGO ARRAES REINO Entrevista Cláudia Peixoto de Moura Nós da Comunicação tendemos a trabalhar com métodos qualitativos, porque, acredito, muitos pesquisadores desconhecem os procedimentos metodológicos quantitativos ED

Leia mais

ESPELHO, ESPELHO MEU: HÁ ALGUÉM MAIS IMPORTANTE DO QUE EU? - UM ESTUDO SOBRE O DIÁLOGO NA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA E MÃE EM CRECHE

ESPELHO, ESPELHO MEU: HÁ ALGUÉM MAIS IMPORTANTE DO QUE EU? - UM ESTUDO SOBRE O DIÁLOGO NA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA E MÃE EM CRECHE ESPELHO, ESPELHO MEU: HÁ ALGUÉM MAIS IMPORTANTE DO QUE EU? - UM ESTUDO SOBRE O DIÁLOGO NA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA E MÃE EM CRECHE Márcia Gagliardi Núcleo de Estudos e Pesquisas: Formação de Professores

Leia mais

CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA

CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA Neire Oliveira de Castro Souza 1 Lorrainy Dias Mendes 2 Airson José de Moraes Júnior 3 Neusa Elisa Carignato Sposito (Orientador) 4 RESUMO

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos.

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos. Entrevista A2 1. Onde iniciaste o teu percurso na vida associativa? R.: Em Viana, convidaram-me para fazer parte do grupo de teatro, faltava uma pessoa para integrar o elenco. Mas em que associação? Na

Leia mais

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes > Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), inicialmente, tinha como objetivo avaliar o desempenho

Leia mais

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação Considerando a importância de estudos que abordem dimensões

Leia mais

Índice. - Introdução... 3. - Economize em Gastos... 7 com Supérfluos. - Controle Seus Sentimentos... 11

Índice. - Introdução... 3. - Economize em Gastos... 7 com Supérfluos. - Controle Seus Sentimentos... 11 1 Índice - Introdução... 3 - Economize em Gastos... 7 com Supérfluos - Controle Seus Sentimentos... 11 - Quite suas Dívidas, mesmo... 14 que Seja Necessário Fazer um Empréstimo - Não Siga a Massa, Existem...

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E SUCESSO

DESENVOLVIMENTO E SUCESSO DESENVOLVIMENTO E SUCESSO Janeiro de 2014 número 1 DISBEME COMEMORA UM ANO DO SEU PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Neste mês, a Disbeme Distribuidora de Tanhaçú/BA, comemorou um ano do lançamento do seu planejamento

Leia mais

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES Karem Nacostielle EUFRÁSIO Campus Jataí karemnacostielle@gmail.com Sílvio Ribeiro DA SILVA

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS Jéssica Molina Quessada * Mariana Caroline Brancalhão Guerra* Renata Caroline Barros Garcia* Simone Taís Andrade Guizelini* Prof. Dr. João Juliani ** RESUMO:

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Indicadores CNI RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Previdência 20 Maioria dos brasileiros apoia mudanças na previdência Sete em cada dez brasileiros reconhecem que o sistema previdenciário brasileiro apresenta

Leia mais

RELATÓRIO DE INTERCÂMBIO CRInt ECA. Dados do Intercâmbio

RELATÓRIO DE INTERCÂMBIO CRInt ECA. Dados do Intercâmbio RELATÓRIO DE INTERCÂMBIO CRInt ECA Nome: Gustavo Araujo Costa No. USP 6806191 Curso ECA: Relações Públicas Dados do Intercâmbio Universidade:Universidad Carlos III de Madrid Curso: Doble grado Comunicación

Leia mais