ARTIGO MENINAS TAMBÉM AGRIDEM? ESTUDO SOBRE AGRESSÃO ENTRE ESCOLARES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ARTIGO MENINAS TAMBÉM AGRIDEM? ESTUDO SOBRE AGRESSÃO ENTRE ESCOLARES"

Transcrição

1 ARTIGO MENINAS TAMBÉM AGRIDEM? ESTUDO SOBRE AGRESSÃO ENTRE ESCOLARES Resumo O artigo tem como objetivo analisar as diferenças nas manifestações agressivas relatadas por adolescentes que freqüentam o Ensino Fundamental II e o Ensino Médio em escola da rede pública do município de Campinas SP. Para tanto 92 alunos de uma escola pública, sendo 67 alunos do Ensino Fundamental II e 25 alunos do Ensino Médio, 52 do sexo feminino e 40 do sexo masculino participaram do estudo respondendo um instrumento que consta de 3 partes, a primeira parte contém questões que envolvem o alvo das agressões, a segunda parte as mesmas questões são dirigidas ao observador e a terceira parte ao autor. Os resultados apontam que as meninas têm agredido tanto quanto os meninos, e também de forma direta. O recreio foi o momento em que mais ocorreram os atos agressivos. Abstract The article intends to analyze the differences in aggressive events reported by adolescents who attend the high school and elementary school in public schools in the city of Campinas - SP. For that purpose, 92 students of a public school, being 67 elementary school students and 25 high school students, 52 females and 40 males participated in the study answered an instrument composed of 3 parts The first part contains questions that involve the target of attacks, the second part of the same issues are addressed to the observer and the third part of the author. The results showed that girls had attacked as much as boys, and also directly. The break time was the time when more aggressive acts occurred.

2 Meninas também agridem? Estudo sobre agressão entre escolares Introdução É comum encontrarmos pessoas que acreditam que os meninos são mais agressivos que as meninas, porém, estudos, cada vez mais, têm mostrado que as meninas são também agressivas, porém, sua agressividade é demonstrada de forma diferente dos meninos. Enquanto meninos agridem de forma direta tanto física quanto verbalmente, meninas agridem de forma indireta, armando situações em que a vítima se sente excluída do grupo, ou tem sua imagem deturpada por mentiras e difamações. Entendemos que essas diferenças se dão culturalmente. É cobrado dos meninos postura viril que represente sua masculinidade, e das meninas atitude mais servil, menos exposta, o que leva a se manifestarem também de forma mais discreta, porém, não menos destrutiva. Como afirmam Câmara e Carlotto (2007, p. 88), a questão de gênero é, destarte, bastante ampla e se origina de toda uma rede de relações e influências sociais que englobam determinantes psicossociais e socioestruturais, ou seja, além da família, há muitos outros segmentos da sociedade que influenciam direta ou indiretamente nesse aspecto. O que temos presenciado atualmente, porém, é uma mudança no comportamento das meninas que tem se utilizado, cada vez mais, das formas mais diretas de agressão. A fim de investigar esta questão, esse estudo tem como objetivo analisar as diferenças nas manifestações agressivas relatadas por adolescentes do sexo feminino e masculino que freqüentam o Ensino Fundamental II e o Ensino Médio em escola da rede pública do município de Campinas SP. Revisão bibliográfica Os estudos sobre o tema violência tem aumentado, o que reflete uma preocupação com um estado que cada vez mais tem alarmado a sociedade. A maneira como enfrentamos as rejeições, decepções, erros, perdas, críticas, sentimentos de culpa e conflitos nos relacionamentos, pode gerar: maturidade ou impedir o crescimento; segurança ou angústia e traumas. Nosso pensamento afeta as emoções da mesma forma que as emoções influenciam a lógica dos pensamentos, as reações e as atitudes humanas. Freud (2002, p. 198) em O Mal da Civilização afirma que os conflitos de interesses entre os homens são resolvidos pelo uso da violência, e complementa que a civilização deve envidar

3 esforços supremos a fim de estabelecer limites para os instintos agressivos do homem (p.117). É ainda Freud (2002) quem afirma que o fortalecimento da vida intelectual pode ajudar o homem a não expressar sua agressividade por meio dos conflitos bélicos, apesar de afirmar sobre a impossibilidade de eliminar por completo a sua pulsão agressiva. Desta maneira, se não é possível eximir a agressividade do ser humano é preciso que se admita a necessidade de se conviver com o mal-estar que disso resulta. A violência e a agressividade não são sinônimos. Segundo Costa (2003), a violência é disruptiva, destrutiva, tem intenção de machucar. A agressividade é muitas vezes necessária e criativa. A violência nasce da agressividade. Não existe um instinto violento, mas sim um instinto agressivo. Esse instinto agressivo pode tornar-se comportamento violento dependendo da forma como ocorrerão as primeiras relações do bebê principalmente no ambiente familiar. É Winnicott (2005) quem propõe que dificuldades no processo de interação, principalmente nos dois primeiros anos de vida, podem contribuir para a configuração de problemas no desenvolvimento social e emocional, como controle dos próprios impulsos, falta de empatia e capacidade reduzida de solução de conflitos. A criança então, comporta-se de maneira agressiva na busca de encontrar no outro o ambiente seguro não vivenciado até então. Para Vilhena e Maia (2002) a família desempenha papel importante pois é ela o lugar de referência e suporte ao adolescente que transgride o código social e também seja (a família) a referência ao bebê que aprende a lidar com sua agressividade (p. 36-7). Estudos como o realizado por Maldonado e Williams (2005), apontam o exemplo das famílias como forte influenciador do comportamento agressivo em escolares. Ao analisarem dois grupos de 14 meninos cada, um considerado agressivo por seus professores e outro considerado não agressivo, e as formas de punição utilizadas por seus pais, foi possível perceber que as crianças consideradas agressivas sofriam de violência física, psicológica e coerção sexual com maior freqüência e severidade que seus pares não agressivos. Isso pode significar que: o exemplo vivenciado no lar pode ser utilizado na escola; a excessiva exposição à violência pode levar a uma naturalização deste comportamento; bem como pode haver um deslocamento da agressão.

4 O estudo realizado pelos autores buscou identificar a relação entre punição grave sofrida por adolescentes em seus lares e condutas agressivas na escola, obtendo relação positiva entre os dois pontos, ou seja, adolescentes que eram punidos de forma grave tinham maior tendência em comportar-se de forma agressiva na escola. O estudo foi feito com alunos de escolas públicas e particulares, e, embora tenha ocorrido com maior freqüência na escola pública ocorreu o mesmo nas escolas particulares. A forma de punição física grave foi mais utilizada por famílias rígidas (com postura mais autoritária) que com famílias flexíveis (mais abertas ao diálogo). Além da influência familiar a mídia é também apontada como causadora de comportamentos agressivos em crianças, adolescentes e jovens. A influência de filmes violentos nos comportamentos de 160 crianças e 160 adolescentes foi estudada por Gomide (2000). Ao acompanhar as crianças divididas em dois grupos, em jogos de futsal antes e após terem assistido filmes, um violento e outro não violento, concluiu que houve influência do filme violento nos comportamentos agressivos dos meninos estudados, mas não das meninas. Já entre os adolescentes, separados em 4 grupos, que assistiram a 3 filmes: um violento com herói, um documentário sobre violência com adolescentes, um com teor cooperativo, e mantendo um grupo controle, concluiu, acompanhando também um jogo de futsal realizado após os grupos assistirem aos filmes, que filmes com violência aumentaram os comportamentos agressivos dos adolescentes do sexo masculino. Quanto às adolescentes, apenas o grupo que assistiu ao documentário teve seus comportamentos agressivos aumentados. Como os comportamentos agressivos foram observados em jogo de futsal, que além de ser um esporte mais praticado culturalmente por meninos é caracterizado por ser um jogo de contato, podemos reconhecer que foram levados em conta os comportamentos diretos, característicos dos meninos e não das meninas. Esse tipo de comportamento realmente é o mais reforçado socialmente para os sujeitos do sexo masculino e também os filmes apresentam essa forma de violência, que é mais largamente imitada pelos meninos. Entendemos que as diferenças nas manifestações agressivas entre meninos e meninas se dá por força da cultura, que impõe padrões de comportamentos que devem ser seguidos pelos grupos. Como afirma Shaffer (2005, p. 492) mesmo que fatores biológicos possam contribuir, obviamente as diferenças entre os sexos quanto à agressividade dependem, em grande parte, da tipificação de gênero e as diferenças na aprendizagem social dependem das diferenças de gênero.

5 O mesmo autor, pautando-se em pesquisas realizadas por Caplan e cols. (1991) e Fagot et al (1992) esclarece que disputas agressivas com uso de força entre crianças de 1 ano de idade são mais numerosas entre meninas que entre meninos. Aos 2 anos, os meninos tendem a negociar mais para dividir brinquedos que as meninas, que continuam utilizando a força. E só a partir dos 2 anos e meio e 3 anos as diferenças entre os sexos quanto à agressividade são confiáveis, e esse tempo é suficiente para a tipificação de gênero que estereotipa os meninos e as meninas em lados diferentes. (p. 491) As meninas têm uma tendência maior de se manifestarem agressivamente no que foi chamado de agressividade relacional, por atos como exclusão, aceitação do afastamento ou divulgação de rumores que objetivam lesar a auto-estima, amizade ou status social do adversário (SHAFFER, 2005, p. 492). Essa forma tende a tornar-se mais sutil na adolescência, não sendo tão facilmente observável. Como afirmam Meneghel, Giugliani e Falceto (1998, p.330): O comportamento agressivo dos adolescentes certamente está articulado com as múltiplas formas de violência, explícitas ou não, que eles vivem no âmbito da família, da escola e de outras instituições da sociedade, muitas das quais com a função precípua de protegê-los. Os mesmos autores continuam ao afirmar que: A violência está expressa nas discriminações de gênero, idade e raça, nas contradições entre discurso e prática dos adultos, na conduta das escolas, evidentemente mais acentuada no colégio público, e principalmente na violência estrutural da sociedade que fecha a estes jovens as portas da esperança (p.333). Em estudo comparativo realizado com grupo de 60 meninas e 60 meninos de escolas públicas e particulares, que teve como foco a impulsividade agressiva por meio do componente raiva, Guimarães e Pasian (2006) reconheceram que os meninos obtiveram maiores índices de raiva manifestada externamente em comparação com as meninas, mas não reconheceram diferenças oriundas do nível socioeconômico dos alunos. Sobre esse ponto refletem sobre a possibilidade de as condições ambientais/sociais que permeiam a adolescência contemporânea estarem influenciando de maneira semelhante grupos distintos economicamente (p.96). Ainda em outro estudo que enfoca as particularidades nas manifestações entre meninos e meninas, Câmara e Carlotto (2007) investigaram as estratégias de coping (conjunto de estratégias utilizado para adaptação a circunstâncias adversas ou

6 estressantes) em 389 jovens de gêneros feminino e masculino. Seus dados apontaram para (...) um perfil mais autodirecionado no caso das meninas e um perfil mais voltado para a busca de apoio externo por parte dos meninos. (p.91). O que está de acordo com as formas de manifestação também de sua agressividade, no caso das meninas mais introvertidas e no dos meninos mais extrovertidas. As autoras alertam sobre a importância do conhecimento dessas diferenças para atuação mais adequadas às características de cada grupo na prevenção de comportamentos de risco. Procedimentos metodológicos O instrumento utilizado foi o questionário elaborado pelas pesquisadoras Freire, Simão e Ferreira (2006) e possibilita, segundo as próprias autoras: a) identificar agressores, vítimas, e observadores freqüentes de situações de maus-tratos (bullying); b) caracterizar os tipos de agressão/vitimização que ocorrem em situação escolar; c) caracterizar a população, em geral, do ponto de vista estrutural, caracterizar os alunos/agressores, os alunos/vítimas e observadores freqüentes da situação de bullying (gênero, idade, nível sócioeconômico e cultural da família, percurso escolar, estrutura familiar,...); d) identificar os espaços onde ocorrem as situações de agressão e e) percepcionar o modo como os alunos vêem a intervenção dos adultos (professores, pessoal auxiliar e órgãos de gestão) e dos seus pares frente às situações de bullying. (p ) O mesmo teve o idioma adaptado para a Língua Portuguesa falado no Brasil; a adaptação foi feita pela lingüista Eliana Ruiz 1. O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da FCM-UNICAMP sob parecer número 062/2007. Só responderam o questionário aqueles alunos que trouxeram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido devidamente assinado. De um total de 237 alunos matriculados, 92 participaram do estudo. O questionário foi respondido de forma individual no próprio período de aulas dos sujeitos, com a presença dos pesquisadores. Sujeitos Participaram deste estudo 92 alunos do Ensino Fundamental II e Ensino Médio de uma escola pública do município de Campinas, localizada no sub-distrito de Barão 1 Eliana Maria Severino Donaio Ruiz possui mestrado e doutorado em Lingüística pela Universidade Estadual de Campinas. É professora associada da Universidade São Francisco - Itatiba. Tem experiência na área de Lingüística, com ênfase em Lingüística Aplicada, atuando principalmente nos seguintes temas: escrita, gênero textual, metodologia de ensino de língua e livro didático.

7 Geraldo. Sendo 67 alunos do Ensino Fundamental II e 25 alunos do Ensino Médio, 52 do sexo feminino e 40 do sexo masculino. O instrumento O instrumento utilizado consta de 3 partes, além da caracterização dos sujeitos. A primeira parte contém questões que envolvem o alvo das agressões, a segunda parte as mesmas questões são dirigidas ao observador e a terceira parte ao autor. Cada sujeito pode assumir-se assim: como alvo, caso tenha sofrido algum tipo de agressão; como observador, caso tenha presenciado algum fato; e também como autor, caso tenha agredido algum colega. O mesmo sujeito pode reconhecer-se também nos três diferentes papéis. O tempo de referência para as respostas é de duas semanas, ou seja, nas últimas duas semanas anteriores a aplicação do questionário se o sujeito foi agredido, se observou ou se agrediu alguém. Resultados A respeito da idade dos sujeitos temos variação entre 10 e 20 anos, sendo a média da idade das meninas 13.20, com desvio padrão de 10 e 20 anos. Para os meninos, a média de idade foi de 13.62, com desvio de 10 e 18 anos. Na busca de contextualizar a situação familiar dos sujeitos, de forma geral, temos: 67,4% dos pais e 80,4% das mães possuem profissão não qualificada (sem exigência de formação específica); 38,1% dos pais e 35,8% das mães têm ensino médio ou superior completo; 46,8% dos pais e 56,5% das mães não são naturais do Estado de São Paulo; 50% dos pais são casados, e 87% dos sujeitos têm irmãos. Quanto a forma de agressão utilizada Os dados obtidos estão apresentados na Tabela 1. As porcentagens dos dados foram calculadas para cada comportamento utilizado levando em conta o total de sujeitos de cada sexo, por exemplo, das 52 meninas que fizeram parte do estudo, 10 foram agredidas por meio de empurrões, totalizando 19,2% do total de meninas. Para o valor total foram somadas as quantidades relatadas e feito o cálculo de proporcionalidade, ou seja, cada menina sofreu cerca de 2,48 agressões contra 2,17 para cada menino; agrediu 1,53 vezes, contra 1,22 vezes de cada menino.

8 Tabela 1: formas de agressão utilizadas do ponto de vista dos alvos, dos observadores e dos autores, separados por sexo. Forma de Alvo Observador Autor agressão F % M % F % M % F % M % Empurrar 10 19, , , , , Ameaçar 05 9, , , Humilhar 18 34, , , ,5 Bater 03 5,8 03 7, , , Xingar 23 44, , , Mentir sobre 18 34, , , , Excluir do 07 13,5 03 7, , ,5 05 9,6 01 2,5 grupo Tirar objetos 09 17, , , ,5 04 7,7 00 0,0 Magoar 06 11, , ,8 01 2,5 03 5, , ,5 02 3, Estragar objetos Apalpar 09 17, , , ,5 02 3, , , , ,7 0,0 0,0 04 7, ,9 01 Fazer intriga Outras agressões Total (valores absolutos proporcionai s) e 129 2, , , , , ,22 7,5 2,5 Analisando a tabela Formas de agressão, podemos presenciar o humilhar, o xingar e o mentir sobre, como os atos mais comuns sofridos entre as meninas e entre os meninos. O que demonstra não haver muita diferença nas formas de manifestação de agressões entre os gêneros. Quando a referência é o observador, segundo as meninas a maioria dos casos de agressões presenciadas são: ameaças, humilhações e xingamentos. Já os meninos, relataram humilhações e xingamentos e também agressões físicas como bater e empurrar, como os mais comuns. As meninas, possíveis autoras das agressões, mostradas na tabela 1, indicam que agridem, praticando atos de humilhar, xingar e fazer intriga. Já os meninos, ameaçam, humilham, batem e xingam com mais freqüência. Embora o bater e empurrar não tenha aparecido entre os 3 comportamentos mais freqüentes entre as meninas agressoras, elas utilizaram-se deste meio tanto quanto os meninos, o que, em nossa sociedade não é um padrão esperado. Elas também mostraram-se mais agressivas do que os meninos quando se trata da quantidade de

9 manifestações. Por utilizarem-se de formas mais indiretas de agressão como intrigas e humilhações, os comportamentos agressivos são mais escondidos ou mascarados, criando a imagem do feminino fragilizado em relação ao masculino. Em valores absolutos e proporcionais foi constatado que as meninas apresentam maiores índices de agressividade enquanto alvo, observadoras e autoras do que os meninos. Este fato vem comprovar que as meninas têm tomado mais atitudes agressivas como forma de resolução de seus conflitos do que os meninos. Tabela 2: local de ocorrência dos atos agressivos do ponto de vista de alvos, observadores e autores Local/ Alvo Observador Autor momento de ocorrência F % M % F % M % F % M % Não sabe/ Não 05 9, ,5 01 1,9 0,0 0,0 02 3,8 0,0 0,0 respondeu Sala de aula 08 15, , , ,5 Recreio 21 40, , ,5 Corredores e 04 7,7 01 2,5 05 9, ,8 0,0 0,0 escadas Refeitório/ 0,0 0,0 01 2,5 0,0 0,0 2,5 2,5 03 5,8 01 2,5 Pátio de refeições Espaços de 01 1, ,9 2,5 2,5 01 1,9 0,0 0,0 Educação Física (quadra/ pátio) Vestiário/ 01 1, ,8 2,5 2,5 02 3,8 0,0 0,0 Banheiro Imediações da 01 1,9 01 2, ,1 23, , escola Outra 02 3,8 03 7,5 04 7, ,0 0,0 0,0 0,0 As ocorrências de agressões tanto do ponto de vista dos autores, observadores e alvos foram predominantemente mais relatadas pelos meninos e meninas como ocorrendo na sala de aula e recreio. O grande número de ocorrências em sala de aula é esperado pelo fato dos alunos permanecerem neste espaço durante o maior tempo de seu período escolar. A constituição deste espaço também favorece o aumento das manifestações agressivas já que o aluno deve permanecer, na maior parte dos casos, sentado e em silêncio, sem que sejam respeitados seus interesses e necessidades. Essa situação pode gerar no

10 adolescente um sentimento de desconforto e insatisfação que pode ser manifestado por meio de atos agressivos em relação aos colegas. Já sobre a grande incidência dos atos agressivos no recreio, esse dado coincide com o apresentado na literatura sobre o assunto. Como apresentado por Prodócimo e Recco (2008), o momento do recreio é um momento ansiado pelos alunos que, após ficarem algumas horas, em geral, sentados em suas carteiras desejam movimentar-se, conversar, interagir com os colegas, isso tudo feito de forma urgente, já que o tempo é curto. Essa ansiedade acaba gerando conflitos em disputas pelo lugar na fila, pelo espaço para jogos, por exemplo. Ainda no estudo mencionado foi possível verificar que o tipo de atividade realizado nesse momento da rotina escolar também pode desencadear conflitos e em seguida agressões pela forma como esses são, ou não, resolvidos. Atividades competitivas como disputas esportivas ou outros tipos de jogos são comuns, especialmente entre os meninos. Também a forma de controle presente durante o recreio favorece os comportamentos agressivos, em geral há a supervisão de uma monitora ou outro funcionário da escola que muitas vezes não tem formação pedagógica para lidar com os alunos. Segundo as autoras, a forma de tratamento em relação aos conflitos é muito pautada nas conversas e punições e não na busca da resolução dos conflitos entre os envolvidos. Em relação às quantidades também cabe destacar o fato de muitos alvos não relatarem o local da ocorrência da agressão, isso pode dever-se a constrangimento em relação à exposição da situação.

11 Tabela 3: ações praticadas pelos observadores do ponto de vista dos próprios e também dos alvos e dos autores O que foi feito Alvo Observador Autor F % M % F % M % F % M % Não sabe/não 00 0,0 00 0,0 01 1,9 0,0 0,0 02 3,8 03 7,5 respondeu Não fizeram nada 14 26, , , , Fugiram/ Tiveram 02 3, ,8 01 2,5 02 3,8 00 0,0 medo Recorreram a um 01 1, , ,0 01 2,5 adulto Pediram ao agressor ,5 05 9, ,5 00 0,0 01 2,5 para parar Aproximaram-se 01 1, , ,9 01 2,5 para ver Apoiaram o agressor 01 1,9 01 2,5 01 1,9 0,0 0, ,5 Aconselhei o alvo a 00 0,0 00 0,0 05 9,6 03 7,5 00 0,0 00 0,0 se afastar do autor Riram da situação 03 5, ,8 0,0 0, Apoiaram o , ,0 01 2,5 agredido Outras 01 1, ,9 0,0 0,0 00 0, Para as meninas o não fizeram nada foi o mais comum, tanto para alvos, observadoras quanto autoras. Já para os meninos: o não fizeram nada foi mais freqüente para os observadores e autores, e o recorreram a um adulto foi mais freqüente para alvos. O não fazer nada mostra uma atitude passiva pelo receio de tornar-se também vítima dos atos agressivos. Também pode ser interpretada como um reforço à atitude agressiva pois pode significar conivência com a situação. A atitude de recorrer a um adulto, comumente incentivada no ambiente escolar teve maior índice de resposta entre os meninos, principalmente entre os alvos e observadores. É importante ressaltar que essa opção é valorizada socialmente, especialmente pelos adultos, mas não necessariamente entre os pares, que podem interpretar como traição levando o sujeito a tornar-se também alvo. Um ponto que merece destaque é a opinião das autoras sobre o apoio que julgam receber dos observadores, esse fato também reforça seus comportamentos, pois julgam que os colegas aceitam suas atitudes como sendo corretas. Também perceberem que os observadores rirem quando presenciam as situações pode influenciar nas ações.

12 Tabela 4: diferenças entre os sexos sobre motivos que levam à agressão Motivos pelo qual agride F % M % Não sabe/ Não respondeu Vingança 3 5,7 3 7,5 Defesa de outros colegas 3 5,7 3 7,5 Desprezo 4 7,7 0 0 Brincadeira 5 9,6 3 7,5 Reação à provocações 4 7, Irritação 7 13,5 3 7,5 Outra 1 1,9 1 2,5 As porcentagens foram tomadas a partir do total de meninas e do total de meninos participantes do estudo. As meninas agridem por motivos diferentes dos meninos, em sua maioria. Elas reagem com agressividade quando ficam irritadas demonstrando uma reação muitas vezes não adequada do ponto de vista social. Já em relação aos meninos, a maioria dos agressores deste sexo (10%) agride após ser submetido a alguma provocação. Podemos entender, que alguns casos de provocações podem ser considerados também como atos agressivos e assim, neste caso, houve revide de uma primeira agressão (a provocação), sendo que, dessa forma, o autor era a vítima da provocação inicial. Além disso, os meninos apresentam um número relativamente alto (7,5%) para os motivos: vingança, defesa de outro colega, brincadeira e irritação. As diferenças em relação a esse ponto não foi grande entre os sujeitos Tabela 5: sentimentos manifestados durante a agressão O que sente quando agride F % M % Não sabe/ Não respondeu Raiva 12 23,1 3 7,5 Desprezo ,5 Pena 3 5,7 3 7,5 Carinho 3 5,7 0 0 Nada 4 7, Outra 1 1,9 0 0 Entre as meninas, o sentimento que prevalece nos casos de agressão é a raiva, muito mais que nos meninos, que responderam não sentir nada enquanto agridem. Segundo Damásio (1996) no estado de raiva há o impulso para a ação vigorosa e o que provoca essa emoção, pode ser a inveja, a reivindicação de ser tratado de forma igual aos outros; também a falta de respeito mutuo e o não respeitar as regras. Já o não

13 sentir nada pode significar não ter nenhum sentimento intenso, ou então, o aluno não saber classificar ou entender o sentimento nada. Quando o indivíduo é exposto frequentemente a agressão tem mais tendência a não ficar sensibilizado com ela, assim o sentir nada pode explicar-se dessa forma. Tabela 6: sexo dos agressores segundo os alvos Agressores do sexo: F % M % Masculino 11 21, ,8 Feminino 22 42,3 1 2,5 Não respondeu 8 15, Ao observar a tabela acima, podemos afirmar aquilo que o senso comum nos diz. Realmente as agressões ocorrem entre o mesmo sexo: meninas agridem mais meninas e meninos agridem mais meninos. Porém, há um número alto de alvos femininos que relatam terem sido agredidas por meninos, enquanto o contrário não aparece. Quanto a isso devemos considerar que, perante uma sociedade em que o homem deve ocupar o papel de mais forte, assumir ter sido agredido por uma mulher, que deve assumir o papel de sexo frágil, é difícil. É possível, então, que meninos não tenham assumido terem sido agredidos por meninas, ou mesmo não consideraram as atitudes das meninas agressivas em relação a eles próprios. Uma das funções dos comportamentos de agressão consiste em estabelecer e manter relações de dominação. Quem domina quem. No caso específico, meninas dominam-se entre si, meninos também dominam-se entre si e meninos dominam as meninas. Considerações finais Os resultados no trabalho demonstram o quanto o papel sócio-cultural determina comportamentos, neste caso as agressões, com estilos distintos entre os sujeitos do sexo masculino e feminino. Portanto, é aceito que os meninos batam e empurrem entre outras agressões físicas e verbais e às meninas não é permitido expressarem seus sentimentos dessa mesma forma, apesar de nessa escola analisada as meninas também se comportarem semelhantemente aos meninos. Talvez, agem dessa maneira por acreditarem que assim (e somente assim) se protegerão de eventuais provocações e conflitos. Pois ao reagirem acabam afastando de si as ameaças.

14 Assim posto, parece-nos que faz parte da cultura escolar reagir com a mesma agressão que foi recebida de próprios pares numa situação conflituosa. Sendo que nessas circunstâncias os próprios estudantes esperam um dos outros que reajam na mesma intensidade de força recebida pelo outro. Queremos dizer com isto que: É Mauss (2003) quem nos diz que o homem só tem resquícios de instintos, e é a sua convivência em sociedade que leva a uma intervenção da consciência. Numa sociedade em que a violência parece algo banal, comum e naturalizada, seus indivíduos a tornarão desta maneira. Uma criança aprende desde muito pequena que a agressividade é algo presente em sua realidade. Ela aprende isto com os desenhos que assiste, com os filmes e novelas que os adultos vêem e principalmente com o dia a dia de uma sociedade que cada vez mais tende a naturalizar certos atos. No entanto, desde 1926 Mauss já dizia que a vida social é como 'um mundo de relações simbólicas'. A partir destas relações simbólicas percebemos que os meninos não são agressivos e as meninas não são sutis 'por natureza' e sim por uma educação social dotada de símbolos e significados distintos. O autor fala de uma relação entre o natural e o social para uma justa interpretação do indivíduo e de seu grupo. Ou seja, um chute (que não é natural) vem sempre junto com um sentimento, com um significado. Um ato é sempre simbólico e possível de diversas interpretações. (PRODOCIMO, 2009). Embora assuste-nos a quantidade e mesmo a qualidade das agressões que têm ocorrido no ambiente escolar, entendemos que é função dos educadores agirem de forma consciente em relação a esse fato, para isso, o conhecimento do que se passa na escola entre os jovens é importante. Também entender que a sociedade passa por mudanças rápidas que se refletem nas ações de nossas crianças e jovens é importante. E, mais que entender, agir de maneira adequada a essas mudanças é necessário. Sim, as meninas agridem e sempre agrediram, porém, agora, elas têm feito isso de maneira mais aberta, mais exposta. É como se buscassem ocupar um espaço que há muito tempo foi negado às mulheres, mas, que ainda não sabem como fazê-lo de forma pacífica. Na busca de conquistar o espaço que sempre foi ocupado pelos homens acabam imitando as condutas ditas masculinas. Estamos num processo de constante adaptação, esse é mais um ponto que necessita de um tempo para atingir seu equilíbrio, instável, mas equilíbrio. Referências bibliográficas

15 CÂMARA, S.G., CARLOTTO, M.S. Coping e Gênero em adolescentes. Psicologia em Estudo. Marongá, v.12, n.1, p , jan./abr DAMASIO, A.R. O Erro de descartes. Emoção, razão e cérebro humano. São Paulo: Companhia da Letras, FREIRE, I.P., SIMÃO, A.M., FERREIRA, A.S. O estudo da violência entre pares no 3º ciclo do ensino básico um questionário aferido para a população escolar portuguesa. Revista Portuguesa de Educação, vm19, n.2, Minho, 2006, p FREUD, S. O mal-estar na civilização (1930). ESB. Rio de Janeiro, Imago v. XXI.2002.(a). Por que a guerra? (1933). ESB Rio de Janeiro, Imago, v. XXII (b) GOMIDE, P.I.C. A Influência de filmes violentos em comportamentos agressivos de crianças e adolescentes. Psicologia: reflexão e crítica. V.13, n.1, Porto Alegre, 2000, p GUIMARÃES, N.M., PASIAN, S.R. Agressividade e Adolescência: experiência e expressão da raiva. Psicologia em Estudo, Maringá, v.11, n.1, p.89-97, jan./abr MALDONADO, D.P.A., WILLIAMS, L.C.A. O comportamento agressivo de crianças do sexo masculino na escola e sua relação com a violência doméstica. Psicologia em Estudo, Maringá, v.10, n.3, , set/dez MENEGHEL, S.N, GIUGLIANI, E.J., FALCETO, O. Relações entre violência doméstica e agressividade na adolescência. Cad. Saúde Pública, RJ, 14(2), , abr-jun, PRODÓCIMO, E. Um olhar sobre o bullying: reflexões a partir da cultura. Anais do IX Congresso Nacional de Educação EDUCERE (recurso eletrônico): Políticas e Práticas Educativas: desafios da Aprendizagem; Anais do III Encontro Sul Brasileiro de Psicopedagogia. Curitiba: Champagnat, PRODÓCIMO, E., RECCO, K.V. Recreio escolar: uma análise qualitativa sobre a agressividade entre os estudantes de ensino fundamental I. Anais do VIII Congresso Nacional de Educação EDUCERE (recurso eletrônico): Formação de professores, edição internacional; Anais do III Congresso ibero Americano sobre Violências nas Escolas CIAVE> Curitiba: Champagnat, SHAFFER, David R.. Psicologia do Desenvolvimento: Infância e Adolescência. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005

16 VILHENA, J., MAIA, M.V.C.M. Agressividade e Violência: reflexões acerca do comportamento anti-social e sua inscrição na cultura contemporânea. Revista Mal-estar e subjetividade. Fortaleza, v. II, no. 2, p , set VINHA, T. P. Os conflitos interpessoais na relação educativa Tese (doutorado), Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas-SP, WINNICOTT, D. W. Tudo começa em casa, COMPLETAR 2005.

Curso de Capacitação em Bullying

Curso de Capacitação em Bullying Curso de Capacitação em Bullying Segundo pesquisa do Instituto Cidadania e da Fundação Perseu Abramo, a violência é o tema que mais preocupa os brasileiros entre 15 e 24 anos (55% do total), à frente de

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE OS CONFLITOS INTERPESSOAIS E O BULLYING: UM ESTUDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS

AS RELAÇÕES ENTRE OS CONFLITOS INTERPESSOAIS E O BULLYING: UM ESTUDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS AS RELAÇÕES ENTRE OS CONFLITOS INTERPESSOAIS E O BULLYING: UM ESTUDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS Orientanda: Loriane Trombini Frick Orientadora: Profª Drª Maria Suzana

Leia mais

Ficha técnica. COEDUCAR Cooperativa dos Trabalhadores de Educação Recanto do Fazer de Nova Iguaçu

Ficha técnica. COEDUCAR Cooperativa dos Trabalhadores de Educação Recanto do Fazer de Nova Iguaçu Ficha técnica COEDUCAR Cooperativa dos Trabalhadores de Educação Recanto do Fazer de Nova Iguaçu ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA: Luiz Câmara Maria de Fátima B. Barbosa REALIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO: Professores: Maria

Leia mais

O Caracol Curioso. Escola a Tempo Inteiro - 1ºciclo. Projeto PedagógicoCAF/CATL - Bullying

O Caracol Curioso. Escola a Tempo Inteiro - 1ºciclo. Projeto PedagógicoCAF/CATL - Bullying O Caracol Curioso Escola a Tempo Inteiro - 1ºciclo Projeto PedagógicoCAF/CATL - Bullying 1. Enquadramento O projeto pedagógico definido para este ano letivo pretende abordar um tema actual, que tem tanto

Leia mais

SOE Serviço de Orientação Educacional

SOE Serviço de Orientação Educacional SOE Serviço de Orientação Educacional Projeto: Aprendendo a Ser para Aprender a Conviver Tema: Bullying não é brincadeira Turma: 2º AT Marise Miranda Gomes - Orientadora Educacional - Psicopedagoga Clínica

Leia mais

Atenção: Revista em desenvolvimento

Atenção: Revista em desenvolvimento Editorial Atenção: Revista em desenvolvimento Estamos iniciando nossa primeira edição, de um produto até agora novo, não na tecnologia empregada que já é sucesso na Europa, e sim em seu conteúdo. As revistas

Leia mais

Ter um/a namorado/a pode ser um acontecimento verdadeiramente excitante, mas também um pouco assustador.

Ter um/a namorado/a pode ser um acontecimento verdadeiramente excitante, mas também um pouco assustador. Violência no namoro Ter um/a namorado/a pode ser um acontecimento verdadeiramente excitante, mas também um pouco assustador. Poderão surgir algumas DÚVIDAS e PREOCUPAÇÕES: Será que ele/ela gosta mesmo

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

EDUCAÇÃO EM VALORES HUMANOS: CONSTRUINDO CAMINHOS PARA PREVENÇÃO DO BULLYING ESCOLAR

EDUCAÇÃO EM VALORES HUMANOS: CONSTRUINDO CAMINHOS PARA PREVENÇÃO DO BULLYING ESCOLAR EDUCAÇÃO EM VALORES HUMANOS: CONSTRUINDO CAMINHOS PARA PREVENÇÃO DO BULLYING ESCOLAR ESTANISLAU, Andrezza Mangueira 1 FONSÊCA, Patrícia Nunes da SANTOS, Jérssia Laís Fonseca dos ROBERTO, Jaciara de Lira

Leia mais

BULLY L IN I G G N A E SCOLA O O Q U Q E É?

BULLY L IN I G G N A E SCOLA O O Q U Q E É? BULLYING NA ESCOLA O QUE É? HISTÓRICO Os primeiros trabalhos sobre o Bullying nas escolas vieram de países nórdicos, a partir dos anos 60 - Noruega e Suécia. CONCEITO É uma forma de agressão caracterizada

Leia mais

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração Material pelo Ético Sistema de Ensino Elaborado para Educação Infantil Publicado em 2011 Projetos temáticos EDUCAÇÃO INFANTIL Data: / / Nível: Escola: Nome: Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Leia mais

Os desengajamentos morais: as pesquisas que podem contribuir para a compreensão da convivência ética. Luciene Regina Paulino Tognetta

Os desengajamentos morais: as pesquisas que podem contribuir para a compreensão da convivência ética. Luciene Regina Paulino Tognetta Os desengajamentos morais: as pesquisas que podem contribuir para a compreensão da convivência ética Luciene Regina Paulino Tognetta O que diríamos de uma situação como essa? Thereza é uma garota alta

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

PERFIL DE AGRESSIVIDADE ENTRE OS ALUNOS: UM ESTUDO DE CASO EM ESCOLA MUNICIPAL DE SANTA CRUZ DO SUL- RS

PERFIL DE AGRESSIVIDADE ENTRE OS ALUNOS: UM ESTUDO DE CASO EM ESCOLA MUNICIPAL DE SANTA CRUZ DO SUL- RS PERFIL DE AGRESSIVIDADE ENTRE OS ALUNOS: UM ESTUDO DE CASO EM ESCOLA MUNICIPAL DE SANTA CRUZ DO SUL- RS 1 Sandra Mara Mayer Neusa Marleti Mattheis Greis Daniela de Campos Casandra Claas Alves Samara Berger

Leia mais

Violência escolar: construindo diálogo na escola

Violência escolar: construindo diálogo na escola Violência escolar: construindo diálogo na escola O que é violência escolar? Influência é influenciada Escola inserida num contexto social permeado de violências Violência Violência ação intencional* que

Leia mais

LEI Nº 2.619, DE 19 DE MARÇO DE 2010.

LEI Nº 2.619, DE 19 DE MARÇO DE 2010. LEI Nº 2.619, DE 19 DE MARÇO DE 2010. CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / Dispõe sobre o programa de combate ao bullyng nas escolas públicas e privadas

Leia mais

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes.

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. MARCELA GARCIA MANOCHIO PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. Projeto de Estágio extracurricular em Processos Educativos, desenvolvido para

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Relato de experiência do Projeto A Paz que tenho em Casa desenvolvido no Centro de Referência de Assistência Social CRAS Vila Rosa Palmeira/PR

Relato de experiência do Projeto A Paz que tenho em Casa desenvolvido no Centro de Referência de Assistência Social CRAS Vila Rosa Palmeira/PR 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

www.senado.leg.br/datasenado

www.senado.leg.br/datasenado www.senado.leg.br/datasenado Lei Maria da Penha completa 9 Promulgada em 2006, a Lei Maria da Penha busca garantir direitos da mulher, além da prevenção e punição de casos de violência doméstica e familiar.

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO:

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO: QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: 1. Um tapinha no bumbum não é considerado violência devido ao baixo grau de agressão. 2. A prática sexual com indivíduos menores de 14 anos, com o consentimento

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICIPIO DE SUMARÉ

O PREFEITO DO MUNICIPIO DE SUMARÉ PROJETO DE LEI Nº, de 03 de Agosto de 2010 "Dispõe sobre a implementação de medidas de conscientização, prevenção e combate ao bullying escolar no projeto pedagógico elaborado pelas escolas públicas de

Leia mais

Coleção Verdeamarelo O que é a Coleção Verdeamarelo?

Coleção Verdeamarelo O que é a Coleção Verdeamarelo? Coleção Verdeamarelo O que é a Coleção Verdeamarelo? A Coleção Verdeamarelo é composta por material institucional de apoio pedagógico, elaborado na forma de HQ Histórias em Quadrinhos coloridos, para serem

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

Bullying e Violência: O que temos e o que queremos 13 DE FEVEREIRO DE 2015

Bullying e Violência: O que temos e o que queremos 13 DE FEVEREIRO DE 2015 Bullying e Violência: O que temos e o que queremos 13 DE FEVEREIRO DE 2015 Bullying = Violência?? 2 Violência versus Bullying 3 São duas realidades que costumam andar lado a lado mas que não são sinónimos,

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE

JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE Lorrania Miranda Nogueira Raquel da Silva Barroso Monica Rosana de Andrade Mateus Camargo Pereira

Leia mais

Pesquisa: Bullying Escolar no Brasil. Resumo. www.aprendersemmedo.org.br

Pesquisa: Bullying Escolar no Brasil. Resumo. www.aprendersemmedo.org.br Pesquisa: Bullying Escolar no Brasil Resumo www.aprendersemmedo.org.br Com o objetivo de conhecer as situações de violência entre pares e de bullying em escolas brasileiras, a Plan Brasil realizou em 2009

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

A violência doméstica é um problema universal que atinge milhares de pessoas, em grande número de vezes de forma silenciosa e dissimuladamente.

A violência doméstica é um problema universal que atinge milhares de pessoas, em grande número de vezes de forma silenciosa e dissimuladamente. A violência doméstica é um problema universal que atinge milhares de pessoas, em grande número de vezes de forma silenciosa e dissimuladamente. Trata-se de um problema que acontece em ambos os sexos e

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

RECOMENDAÇÃO DE NORMAS DE COMPORTAMENTO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL E DE FUTSAL

RECOMENDAÇÃO DE NORMAS DE COMPORTAMENTO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL E DE FUTSAL Conselho de Arbitragem RECOMENDAÇÃO DE NORMAS DE COMPORTAMENTO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL E DE FUTSAL Abril /2013 1 / 4 1. INTRODUÇÃO O Futebol evolui consideravelmente nos últimos anos e a competitividade

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Núcleo de Apoio Profissional de Serviço Social e Psicologia Corregedoria Geral da Justiça

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Núcleo de Apoio Profissional de Serviço Social e Psicologia Corregedoria Geral da Justiça I- A Comissão de Abrigo da Comarca de São Paulo A comissão de abrigo é constituída de assistentes sociais e psicólogos da capital que se reúnem desde 2005 sob a coordenação do Núcleo de Apoio Profissional

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*)

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) 1 Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) Este trabalho prende-se com o estudo que fizemos na formação na área das Competências Interpessoais, sendo que o grande objectivo é o de sermos capazes, nas nossas

Leia mais

PROJETO CONVIVÊNCIA E VALORES

PROJETO CONVIVÊNCIA E VALORES PROJETO CONVIVÊNCIA E VALORES Fala-se tanto da necessidade de deixar um planeta melhor para os nossos filhos, e esquece-se da urgência de deixar filhos melhores para o nosso planeta PROJETO: CONVIVÊNCIA

Leia mais

25/03/2009. Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho

25/03/2009. Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho 25/03/2009 Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho: O Caso de um Hospital Sandrina Nunes Violência no Sector da Saúde Ilustração

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DE SÃO PAULO

POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DE SÃO PAULO CURSO: ATENDIMENTO A HOMENS AUTORES DE VIOLÊNCIA FAMILIAR 1. Dados de Identificação do Curso 1.1 Título do Curso Atendimento a homens autores de violência familiar. 2. Objetivo Geral No contexto latino-americano,

Leia mais

IDENTIFICAR A INCIDÊNCIA E TIPOS DE BULLYING MAIS FRENQUENTE NA ESCOLA

IDENTIFICAR A INCIDÊNCIA E TIPOS DE BULLYING MAIS FRENQUENTE NA ESCOLA IDENTIFICAR A INCIDÊNCIA E TIPOS DE BULLYING MAIS FRENQUENTE NA ESCOLA Resumo Daiane Voltoline 1 - PUCPR Paulo Cesar de Barros 2 - PUCPR Grupo de Trabalho Violência nas Escolas Agência Financiadora: não

Leia mais

BULLYING NA ESCOLA: UM ESTUDO COM ALUNOS E PROFISSIONAIS DE ESCOLAS PÚBLICAS

BULLYING NA ESCOLA: UM ESTUDO COM ALUNOS E PROFISSIONAIS DE ESCOLAS PÚBLICAS BULLYING NA ESCOLA: UM ESTUDO COM ALUNOS E PROFISSIONAIS DE ESCOLAS PÚBLICAS CARVALHO, João Eloir PUCPR/ GELL joao.eloir@pucpr.br Eixo temático: Violências nas escolas Agência Financiadora: não contou

Leia mais

Ensino Fundamental I. Como ajudar as crianças (6 a 8 anos) em seus conflitos?

Ensino Fundamental I. Como ajudar as crianças (6 a 8 anos) em seus conflitos? Ensino Fundamental I Como ajudar as crianças (6 a 8 anos) em seus conflitos? 2015 Objetivo da reunião Este encontro tem o objetivo de comunicar mais claramente as ações desenvolvidas pela escola e favorecer

Leia mais

Discussão 5. O papel do adulto em um ambiente organizado para incentivar as interações

Discussão 5. O papel do adulto em um ambiente organizado para incentivar as interações O papel do adulto em um ambiente organizado para incentivar as interações No Capítulo 5 da História do Pequeno Reino Uma verdadeira confusão toma conta do castelo, depois que a Rainha cochila. Ao acordar,

Leia mais

LUDICIDADE... BRINCAR... EDUCAR... PRAZER E TRANSFORMAÇÃO...

LUDICIDADE... BRINCAR... EDUCAR... PRAZER E TRANSFORMAÇÃO... LUDICIDADE... BRINCAR... EDUCAR... PRAZER E TRANSFORMAÇÃO... Profª Ms Hermínia Marinho Demet/UEPG Maio/2008 ATIVIDADE 1 Jogo dos crachás Apresentação com uma característica Escolha aleatória adjetivação,

Leia mais

Campanha Anti-bullying. JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada

Campanha Anti-bullying. JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada Campanha Anti-bullying JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada Se o mal é contagioso o bem também é. Deixemos-no contagiar pelo bem. Papa Francisco Caro jovem, família e educadores, Este material

Leia mais

BULLYING NAS ORGANIZAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DE PRÁTICAS FEMININAS E SEUS IMPACTOS PSICOLÓGICOS

BULLYING NAS ORGANIZAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DE PRÁTICAS FEMININAS E SEUS IMPACTOS PSICOLÓGICOS UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ GISELE APARECIDA DE ARAÚJO METER BULLYING NAS ORGANIZAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DE PRÁTICAS FEMININAS E SEUS IMPACTOS PSICOLÓGICOS CURITIBA 2104 GISELE APARECIDA DE ARAÚJO METER

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

O Indivíduo em Sociedade

O Indivíduo em Sociedade O Indivíduo em Sociedade A Sociologia não trata o indivíduo como um dado da natureza isolado, livre e absoluto, mas como produto social. A individualidade é construída historicamente. Os indivíduos são

Leia mais

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra a Pessoa Idosa Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra as pessoas idosas: FOTOGRAFIA: THINKSTOCK problema sério e invisível Síntese de

Leia mais

Política de Proteção Infantil

Política de Proteção Infantil Política de Proteção Infantil Diga SIM à Proteção Infantil! Como uma organização internacional de desenvolvimento comunitário centrado na criança e no adolescente, cujo trabalho se fundamenta na Convenção

Leia mais

A ESCOLA FREINET E A AGRESSIVIDADE: UM ESTUDO COM ALUNOS DE 1ª A 4ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL.

A ESCOLA FREINET E A AGRESSIVIDADE: UM ESTUDO COM ALUNOS DE 1ª A 4ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL. A ESCOLA FREINET E A AGRESSIVIDADE: UM ESTUDO COM ALUNOS DE 1ª A 4ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL. Resumo: MIGUEL, Rebeca Signorelli UNICAMP rebs.rebequinha@gmail.com PRODÓCIMO, Elaine UNICAMP elaine@fef.unicamp.br

Leia mais

Projeto Acelerando o Saber

Projeto Acelerando o Saber Projeto Acelerando o Saber Tema: Valorizando o Ser e o Aprender Lema: Ensinar pra Valer Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino contemplando o 3º ano a 7ª série. Coordenadoras:

Leia mais

Indisciplina escolar: um breve balanço da pesquisa em educação. Juliana Ap. M. Zechi FCT/UNESP

Indisciplina escolar: um breve balanço da pesquisa em educação. Juliana Ap. M. Zechi FCT/UNESP Indisciplina escolar: um breve balanço da pesquisa em educação Juliana Ap. M. Zechi FCT/UNESP Complexidade do assunto e multiplicidade de interpretações que o tema encerra. Ações mais assemelhadas à indisciplina

Leia mais

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE RESUMO Este texto é uma reflexão sobre o brincar nas aulas de educação física escolar do primeiro e segundo ciclo do ensino fundamental,

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO E OS TEMAS GERADORES

18º Congresso de Iniciação Científica EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO E OS TEMAS GERADORES 18º Congresso de Iniciação Científica EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO E OS TEMAS GERADORES Autor(es) TALINE MELEGA TOME Orientador(es) IDA CARNEIRO MARTINS 1. Introdução Segundo Cury (1997) o Ensino Médio

Leia mais

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA 1 UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA INTRODUÇÃO Compreende-se que na promoção de ações de estímulo à leitura, a escola tem como instrumento

Leia mais

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas.

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas. VIOLENCIA CONTRA A MULHER E A DEPENDENCIA FINACEIRA. UM ESTUDO DE CASO NO MUNICIPIO DE PITANGA. MARLY APARECIDA MAZUR MACHADO/UNICENTRO E-MAIL: maymazur@outlook.com SIMÃO TERNOSKI (ORIENTADOR)/UNICENTRO

Leia mais

Resumo. Autoras: 1 - Clarissa Freitas de Almeida, UERJ. 2 - Veronica Santana Queiroz, UERJ. Endereços Eletrônicos: 1 - cla.raposa@gmail.

Resumo. Autoras: 1 - Clarissa Freitas de Almeida, UERJ. 2 - Veronica Santana Queiroz, UERJ. Endereços Eletrônicos: 1 - cla.raposa@gmail. Título: Desafios da Orientação Profissional Um caso prático no SPA da UERJ Autoras: 1 - Clarissa Freitas de Almeida, UERJ. 2 - Veronica Santana Queiroz, UERJ. Endereços Eletrônicos: 1 - cla.raposa@gmail.com

Leia mais

A Companhia dos amigos na floresta das emoções

A Companhia dos amigos na floresta das emoções A Companhia dos amigos na floresta das emoções Promoção de competências sócio-emocionais de crianças pré-escolares Caderno Divulgação 2015 Associação A Companhia dos amigos na floresta das emoções Propomos

Leia mais

QUERIDO(A) ALUNO(A),

QUERIDO(A) ALUNO(A), LANÇADA EM 15 MAIO DE 2008, A CAMPANHA PROTEJA NOSSAS CRIANÇAS É UMA DAS MAIORES MOBILIZAÇÕES PERMANENTES JÁ REALIZADAS NO PAÍS, COM FOCO NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Guilherme Schelb, Promotor de Justiça da Infância em Brasília (1992-1995), especialista em temas da infância e

Leia mais

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 QUEM SOMOS A APF Associação para o Planeamento da Família, é uma Organização Não Governamental com estatuto de IPSS (Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

MAUS TRATOS NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

MAUS TRATOS NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA MAUS TRATOS NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA Gabriela Azevedo Marques da Cunha ¹ Selma Dantas Teixeira Sabra ² É uma problemática complexa que envolve na sua etiologia vários fatores individuais, sociais, culturais

Leia mais

PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON

PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON PERCEPÇÕES E REAÇÕES DA SOCIEDADE SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER 2009 PARCERIAS INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO Planejamento e supervisão da pesquisa IBOPE INTELIGÊNCIA Campo

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB (ASFORA, R. V. S.) - Raphaella Viana Silva Asfora/Autora ¹ Escola Superior da Magistratura

Leia mais

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Bullyng - Brincadeira que não tem graça.

Mostra de Projetos 2011. Bullyng - Brincadeira que não tem graça. Mostra de Projetos 2011 Bullyng - Brincadeira que não tem graça. Mostra Local de: Arapongas. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Colégio

Leia mais

OS DISTÚRBIOS DE CONDUTA E SUA RELAÇÃO COM O BULLYING NO CONTEXTO ESCOLAR

OS DISTÚRBIOS DE CONDUTA E SUA RELAÇÃO COM O BULLYING NO CONTEXTO ESCOLAR OS DISTÚRBIOS DE CONDUTA E SUA RELAÇÃO COM O BULLYING NO CONTEXTO ESCOLAR Autor(a): Verônica Moreno Machado¹ Instituição: Universidade do Estado de Mato Grosso Orientador(a): Vani Maria de Melo Costa²

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

Cidadania em quadrinhos A educação zelando pelos direitos da criança e do

Cidadania em quadrinhos A educação zelando pelos direitos da criança e do Projeto: adolescente. Cidadania em quadrinhos A educação zelando pelos direitos da criança e do Organização responsável pela execução: Instituto Educar da Infância e da Juventude CNPJ:03.135.626/0001 01

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Relações Humanas e Marketing Pessoal

Relações Humanas e Marketing Pessoal Relações Humanas e Marketing Pessoal Realização: Projeto Ser Tão Paraibano Parceiros: Elaboração: Deusilandia Soares Professor-Orientador: Vorster Queiroga Alves PRINCÍPIOS DE RELAÇÕES HUMANAS Em qualquer

Leia mais

Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio. Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet

Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio. Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet Público: Sétimos anos Data: 25/5/2012 Proposta: Sensibilizar e esclarecer os alunos

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO E PRECONCEITO:

DISCRIMINAÇÃO E PRECONCEITO: DISCRIMINAÇÃO E PRECONCEITO: Uma contribuição para o debate Eliete Godoy 2011 "Devemos lutar pela igualdade sempre que a diferença nos inferioriza, mas devemos lutar pela diferença sempre que a igualdade

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

O DIVÓRCIO SEGUNDO CARTER &MC GOLDRICK(1995) O DIVÓRCIO É UMA CRISE DE TRANSIÇÃO;

O DIVÓRCIO SEGUNDO CARTER &MC GOLDRICK(1995) O DIVÓRCIO É UMA CRISE DE TRANSIÇÃO; O DIVÓRCIO SEGUNDO CARTER &MC GOLDRICK(1995) O DIVÓRCIO É UMA CRISE DE TRANSIÇÃO; TORNA-SE MAIS COMUM EMBORA OS CÔNJUGES NÃO ESTEJAM PREPARADOS, SOFRENDO GRANDE IMPACTO FÍSICO E EMOCIONAL; AFETA OS MEMBROS

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALMEIDA GARRETT VILA NOVA DE GAIA CÓDIGO 400798 FORMAÇÃO CÍVICA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALMEIDA GARRETT VILA NOVA DE GAIA CÓDIGO 400798 FORMAÇÃO CÍVICA ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALMEIDA GARRETT VILA NOVA DE GAIA CÓDIGO 400798 FORMAÇÃO CÍVICA Para uma Educação e Formação Social, Humana e Profissional dos alunos da Escola Secundária Almeida Garrett 1. Orientações

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA?

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? Autores: ANA BÁRBARA DA CONCEIÇÃO SANTOS, AYSLAN MELO DE OLIVEIRA, SUSANA DE CARVALHO, INTRODUÇÃO No decorrer do desenvolvimento infantil,

Leia mais

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização Carta pedagógica Ao escrever esta carta pedagógica, veio-me a questão do erro que acontece a todo o momento em minha turma na sala de aula. Lendo textos de autores como Morais, fiquei ciente da sua fala

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS MANIFESTAÇÕES LÚDICAS NO RECREIO DE CRIANÇAS DE 9 A 11 ANOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DUAS GERAÇÕES

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS MANIFESTAÇÕES LÚDICAS NO RECREIO DE CRIANÇAS DE 9 A 11 ANOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DUAS GERAÇÕES 7º Simpósio de Ensino de Graduação AS MANIFESTAÇÕES LÚDICAS NO RECREIO DE CRIANÇAS DE 9 A 11 ANOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DUAS GERAÇÕES Autor(es) KELLY CRISTINA SILVA COTA Co-Autor(es) CAROLINE MANESCO

Leia mais

1 Dicas para o profissional que vira chefe dos colegas

1 Dicas para o profissional que vira chefe dos colegas 1 Dicas para o profissional que vira chefe dos colegas http://oglobo.globo.com/economia/emprego/dicas-para-profissional-que-vira-chefe-dos-colegas-13653201 Tudo depende da postura pessoal, mas clareza

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Introdução à Administração. Prof. Adilson Mendes Ricardo Novembro de 2012

Introdução à Administração. Prof. Adilson Mendes Ricardo Novembro de 2012 Novembro de 2012 Aula baseada no livro Teoria Geral da Administração Idalberto Chiavenato 7ª edição Editora Campus - 2004 Nova ênfase Administração científica tarefas Teoria clássica estrutura organizacional

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 EDUCAÇÃO INCLUSIVA Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 Por que é equivocado dizer que a INCLUSÃO refere se a um processo direcionado aos alunos com necessidades educacionais especiais,

Leia mais

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO AUTOR(ES): THAIS

Leia mais

www.juliofurtado.com.br

www.juliofurtado.com.br Limites sem traumas: construindo cidadãos Júlio Furtado www.juliofurtado.com.br www.juliofurtado.com.br 1 23/05/2014 Da disciplina do medo ao medo da disciplina. O medo de ser rígido Crianças não devem

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais