ÍNDICE. 2 consultoria de marketinge gestão CUSTO FIXO... 5 INTRODUÇÃO... 3 CUSTO VARIÁVEL... 6 LIVRO CAIXA... 3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE. 2 consultoria de marketinge gestão CUSTO FIXO... 5 INTRODUÇÃO... 3 CUSTO VARIÁVEL... 6 LIVRO CAIXA... 3"

Transcrição

1

2 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 CUSTO FIXO... 5 LIVRO CAIXA... 3 CUSTO VARIÁVEL... 6 CUSTO DO PROCEDIMENTO... 6 DESPESAS... 4 RECEITAS... 4 PREÇO DE VENDA... 7 CONCLUSÃO... 7 CAPITAL DE GIRO... 5 CONSULTÓRIO LEGAL

3 INTRODUÇÃO Atualmente ter um controle das finanças do consultório e também das pessoais é fundamental para te ajudar a entender o que está acontecendo no seu consultório. Em alguns casos o consultório vai bem, mas o lado pessoal pode estar um pouco desequilibrado. Com alguns controles simples você pode acompanhar o desempenho financeiro do seu consultório, estabelecer algumas metas e conseguir melhorias significativas. É comum o dentista estabelecer preços sem critérios e ao fazer uma ação de marketing conquista novos pacientes, preenche a sua agenda e ao atender estes novos pacientes ele pode cobrar o preço errado, assim ao invés de lucro gera prejuízo. Neste e-book você vai encontrar algumas informações que te auxiliarão nesta nova empreitada. LIVRO CAIXA No livro caixa estarão registradas as receitas e despesas, investimentos, custos fixos e variáveis do consultório. O livro caixa é uma ferramenta indispensável para o controle do que está acontecendo com as finanças do consultório, nele você registra as entradas e saídas de valores no consultório, detalhando de que forma isto acontece, se foi em espécie, cheque, cartão de crédito, cartão de debito, boleto bancário, depósito em conta corrente, duplicata, permuta; desta forma você pode especificar a origem e o destino dos valores recebidos em determinado período. Se você recebe um pagamento em dinheiro de um paciente e deposita em conta corrente pode identificar isto a qualquer momento, da mesma forma que, se receber de outro paciente o pagamento em cheque e pagar o laboratório de prótese com este cheque, com o livro caixa é possível identificar este movimento com uma simples análise, identificando de onde vem e para onde vai seu dinheiro. 3

4 DESPESAS RECEITAS Lembre-se de sempre separar as despesas do consultório das suas despesas pessoais. Diariamente há gastos num consultório, água, luz, telefones, aluguel, prestações, funcionários, correio, táxi, enfim são despesas de diversos tipos, às vezes ficamos com a impressão de que são infinitas. Pois bem, aceite que elas existem e que nunca deixarão de existir, sendo assim assuma o controle e anote todas elas no livro caixa, desta forma você saberá para onde está indo seu dinheiro. O volume de despesas geradas num consultório não é tão grande que te impeça de fazer registro delas, aqui reside o grande problema, a falta de organização para registrá-las, crie tempo para isto. Existem várias formas de fazer o registro das despesas, você pode fazê-las num livro caixa comprado em alguma papelaria, numa planilha de excel ou num sistema de gestão, mas não deixe de fazê-lo. O que precisamos fazer é ter um total de despesas menor que o total das receitas. Para compensar as despesas existem as receitas, que são todos os valores recebidos dos pacientes ou terceiros. As receitas do consultório gerarão um faturamento bruto que servirá para pagar todas as despesas do consultório, ele será a soma dos valores recebidos dos pacientes, a vista ou a prazo e também de valores recebidos por serviços prestados para outros dentistas, aluguel de salas no consultório ou então de dentistas que atendem no seu consultório e geram faturamento que é dividido entre você e ele. Com o controle das receitas você saberá quanto de dinheiro está entrando no seu consultório a cada mês ou em períodos menores, pode ser um controle semanal ou diário, você escolhe como controlar. É importante levar em conta que o dinheiro que o dentista recebe de seus pacientes é para pagar as contas do consultório e não as suas contas, logo não faça retiradas quando bem entender, lembre-se de que este dinheiro não é seu, primeiro pague as contas do consultório. 4

5 CAPITAL DE GIRO Ter capital de giro é importante para você ter tranquilidade na gestão de seu consultório. O capital de giro é o total de dinheiro que você precisa ter em caixa para pagar as despesas do consultório durante um período, pode ser para um mês ou para seis meses, você determina no planejamento. Ter capital de giro é importante para você ter tranquilidade para trabalhar, pois se no final do mês você não tiver dinheiro em caixa para pagar todas as despesas, você pode utilizar este recurso para não ter que recorrer a empréstimos, seja em bancos ou a pessoas próximas. Para calcular quanto você precisa ter de capital de giro, basta multiplicar o valor das despesas fixas pelo período que você determinou. Ex: Despesa fixa = R$ 6.340,00 /mês e você quer ter capital de giro por quatro meses, a conta fica: Este total faz parte do investimento necessário para montar o consultório, quando você está fazendo o planejamento do consultório, além das despesas para aquisição de equipamentos, reformas ou mobiliário e outras, acrescente o total do capital de giro. CUSTO FIXO É fundamental entender os custos fixo para começar o planejamento financeiro de seu consultório. Existem algumas despesas que são geradas com ou sem pacientes para atender no consultório, tais como água, luz, telefone, salários, pró-labore, IPTU, ISS, anuidade do CRO, anuidade de Sindicato, aluguel, internet dentre outras, estas são consideradas para o cálculo do custo fixo, pois com paciente ou não você tem que pagá-las no final do mês. Este tipo de despesa pode ser mensal ou não, pois algumas destas despesas acontecem todo ano no consultório, mas não todo mês, por exemplo, água e luz você paga todo mês, mas ISS e CRO você paga uma vez ao ano. Em alguns casos você pode conseguir um parcelamento, o ideal é fazer o levantamento dos custos fixos e por média calcular o custo mensal, desta forma você consegue fazer provisão de recursos, reduzindo o peso deste custo no seu orçamento, por exemplo, para pagar férias e 13º salário ou você tem reserva financeira ou tem que desembolsar o valor total de uma vez e este não é um valor baixo. Para calcular o custo do procedimento é importante saber o custo fixo e você pode fazer o cálculo por mês, hora, dia ou por minuto. 5

6 CUSTO VARIÁVEL CUSTO DO PROCEDIMENTO As despesas que você tem no consultório apenas quando atende pacientes, são consideradas variáveis, o custo variável é a soma delas. Podemos incluir neste custo as despesas com material de consumo, laboratório de prótese, clínica de radiologia ou raio-x, pagamento de comissão para profissionais de outras especialidades, despesas com estacionamento para clientes e imposto de renda dentre outras. O custo com a dental, relativo ao material de consumo pode até estar estável e ser igual todo mês, mas para o cálculo do preço a ser cobrado é importante utilizar o gasto com o material usado em cada procedimento e repetindo esta despesa ocorre apenas quando um paciente foi atendido, caso contrário o material está em estoque, que é um dos investimentos necessários para a abertura do consultório. A soma do custo variável do procedimento com o custo fixo do procedimento nos fornecerá o custo total dele. Esta informação é crucial para um consultório, o custo do procedimento é o preço básico, é o mínimo a ser cobrado, é a base para saber se, por exemplo, o que o convênio me propõe é viável ou não. Para o cálculo do custo do procedimento precisamos saber o custo variável, o custo fixo do minuto e o tempo necessário para realização de cada procedimento. A multiplicação do tempo utilizado para realização do procedimento pelo custo fixo do minuto nos fornecerá o custo fixo do procedimento, por exemplo, se o custo fixo do minuto é R$ 1,00 e o tempo para realização do procedimento é 13 minutos, o custo fixo do procedimento é R$ 13,00. 6

7 PREÇO DE VENDA CONCLUSÃO Para obter o preço de venda utilizamos o cursto do procedimento e acrescentamos a ele as despesas que ocorrem somente quando há atendimentos, estas despesas são variáveis, eu prefiro trabalhar com percentuais, desta forma fica mais fácil fazer o cálculo. Estas despesas são compostas pelos percentuais de lucro, imposto a pagar, percentual cobrado pela operadora da máquina de cartão (débito ou crédito), marketing e provisões. Lembrando que o imposto a pagar é calculado a partir do lucro obtido com o procedimento. O acréscimo de todas as despesas ao custo do procedimento nos fornecerá o preço de venda e a partir dele você pode apresentar orçamentos aos pacientes, compara os preços do consultório com tabelas de referência e também com tabela de convêncios. A conclusão não poderia ser mais direta, esprema os números que eles te dirão a verdade. Não tome qualquer atitude sem saber se o preço cobrado está correto, isto lhe dará segurança na hora de negociar com seus pacientes, pois você saberá que não está sendo injusto cobrando muito ou que não está tendo prejuízo por cobrar muito barato, aliás, cobrar barato é muito relativo, forme seu preço e trabalhe com ele, acompanhe as finanças do seu consultório para saber de onde vem e para onde vai o seu dinheiro. No fim das contas você quer ter lucro e a grande vantagem é que este lucro é todo teu, você não precisará dividir com nenhum sócio, é uma questão de paciência. 7

8 consultori ad e marketin ge gestão Nosso objetivo é compartilhar informações sobre Gestão e Marketing para consultórios e clínicas odontológicas. Os conteúdos estão relacionados ao planejamento estratégico, gestão do serviço, gerenciamento das finanças e marketing, desde 2007 compartilhamos estas informações através de aulas, palestras, cursos e consultorias com acadêmicos e profissionais de odontologia, já estivemos em faculdades do Paraná, Santa Catarina, São Paulo e Mato Grosso do Sul, além das participações em congressos de odontologia e jornadas acadêmicas. O curso com duração de oito horas já foi ministrado mais de 15 vezes e foi formatado para se encaixar como módulo em cursos de especialização. Visite nosso site e conheça um pouco mais sobre o. Escrito por Álvaro Irineu Mulatti em 22/12/2014 Para contato: 8

Grau de Alavancagem Operacional por Renan Kaminski

Grau de Alavancagem Operacional por Renan Kaminski Grau de Alavancagem Operacional por Renan Kaminski O Dicas 4blue são vídeos e mini e-books com dicas rápidas e práticas para que você e sua equipe possam aplicar no seu dia a dia. Para ter acesso a todas

Leia mais

MANUAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA

MANUAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MANUAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA 2 EDUCAÇÃO FINANCEIRA A educação financeira tem como objetivo ensinar as pessoas a tomarem consciência dos seus gastos e das suas rendas. As rendas são limitadas, e é preciso

Leia mais

Etapas do Plano de Negócios

Etapas do Plano de Negócios Etapas do Plano de Negócios Etapa 7. Plano financeiro Detalhes Investimentos Projeção de resultados Ponto de equilíbrio Projeção fluxo de caixa Vendas Despesas Mão de obra Etapa 7 Plano Financeiro Investimento

Leia mais

Etapa 7 Plano Financeiro

Etapa 7 Plano Financeiro 17/10/12 Etapas do Plano de Negócios Etapa Detalhes 7. Plano financeiro Investimentos Projeção de resultados Ponto de equilíbrio Projeção fluxo de caixa Vendas Despesas Mão de obra Investimento é tudo

Leia mais

por Aleksander Avalca

por Aleksander Avalca por Aleksander Avalca O Gestor se preocupa com o financeiro normalmente quando......o saldo negativo na conta bancária aparece. Mas isso é apenas a consequência. Onde estão as causas? As causas estão na

Leia mais

Plano Financeiro. Projeto Empreendedor Redes de Computadores

Plano Financeiro. Projeto Empreendedor Redes de Computadores Plano Operacional e Plano Financeiro Projeto Empreendedor Redes de Computadores Plano Operacional 1.Layout Por meio do layout ou arranjo físico, você irá definir como será a distribuição dos diversos setores

Leia mais

ORGANIZE SUA VIDA FINANCEIRA

ORGANIZE SUA VIDA FINANCEIRA ORGANIZE SUA VIDA FINANCEIRA O endividamento inicia com o hábito de primeiro gastar e depois ver como pagar ou, se a mensalidade cabe no bolso, efetuar a compra. Para que isso não aconteça, o primeiro

Leia mais

FLUXO DE CAIXA da sua Empresa

FLUXO DE CAIXA da sua Empresa Entendendo e Analisando o FLUXO DE CAIXA da sua Empresa Renan Kaminski Os números da empresa têm muito a lhe dizer! Mas às vezes parece que estão em outra língua!!! Ter o cadastro de todas as movimentações

Leia mais

Educação Financeira ETEC Araçatuba Maio de 2010

Educação Financeira ETEC Araçatuba Maio de 2010 Educação Financeira ETEC Araçatuba Maio de 2010 O Planejamento Financeiro Pessoal te ajudará a... monitorar sua situação financeira; criar um quadro visual de gastos; reduzir os gastos por impulso; gastar

Leia mais

Modelo de Plano de Contas Detalhado

Modelo de Plano de Contas Detalhado Modelo de Plano de Contas Detalhado Código da Conta Descrição da Conta 1. A T I V O 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.1.01 DISPONÍVEL 1.1.01.01 Caixa 1.1.01.02 Bancos c/ Movimento 1.1 01.03 Aplicações Financeiras

Leia mais

4. Apure o valor da depreciação acumulada em 31/12/20015, sendo dados:

4. Apure o valor da depreciação acumulada em 31/12/20015, sendo dados: 1. Classifique os itens abaixo em: bens, direitos ou obrigações item bens direito obrigação Empréstimos a receber Dinheiro em caixa Dinheiro depositado no banco veículos biblioteca Salários a pagar estoques

Leia mais

COMO SAIR DAS DÍVIDAS

COMO SAIR DAS DÍVIDAS PRIMEIRO PASSO Monte seu orçamento familiar de forma que você consiga organizar tanto as contas como as dívidas e, assim, pagar as contas com 60% de sua renda. Talvez no primeiro momento você consiga diminuir

Leia mais

PESQUISA DE UTILIZAÇÃO DO 13º SALÁRIO

PESQUISA DE UTILIZAÇÃO DO 13º SALÁRIO PESQUISA DE UTILIZAÇÃO DO 13º SALÁRIO A ANEFAC Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração realizou durante o mês de outubro de, pesquisa junto a 1.037 consumidores de todas as classes

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre os sócios, pois são responsáveis pela proposta do negócio. Caso ocorra necessidade, inserir mais campos, linhas ou colunas. Sócio 1 - Nome: Sócio 2 - Nome:

Leia mais

Manual de Usuário. Módulo Acerto Viagens

Manual de Usuário. Módulo Acerto Viagens Manual de Usuário Módulo Acerto Viagens MÓDULO DOS ACERTOS DE VIAGENS DOS MOTORISTAS. Este módulo permite registrar, acompanhar e calcular os valores envolvidos nas viagens dos motoristas ou agregados

Leia mais

Uma das maiores dúvidas, principalmente para quem está iniciando no mercado de Arquitetur a

Uma das maiores dúvidas, principalmente para quem está iniciando no mercado de Arquitetur a Como cobrar por projetos (arquitetônico elétrico incêndio hidrossanitário estrutural) Uma das maiores dúvidas principalmente para quem está iniciando no mercado de Arquitetur a Engenh aria ou como projetista

Leia mais

COMO UTILIZAR AS TAXA DE APLICAÇÃO E CAPTAÇÃO DO DINHEIRO NA FORMAÇÃO DO PREÇO A VISTA E A

COMO UTILIZAR AS TAXA DE APLICAÇÃO E CAPTAÇÃO DO DINHEIRO NA FORMAÇÃO DO PREÇO A VISTA E A COMO UTILIZAR AS TAXA DE APLICAÇÃO E CAPTAÇÃO DO DINHEIRO NA FORMAÇÃO DO PREÇO A VISTA E A Qual o efeito da utilização da taxa de aplicação do dinheiro na formação do preço a prazo? Qual o efeito da utilização

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade III CONTABILIDADE

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade III CONTABILIDADE Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade III CONTABILIDADE Contabilidade A disciplina está dividida em quatro unidades: Unidade I 1. Contabilidade Unidade II 2. Balanços sucessivos com operações que envolvem

Leia mais

Gestão financeira para consultórios

Gestão financeira para consultórios Gestão financeira para consultórios 1 Neste e-book você encontrará as informações mais importantes que precisa saber para administrar a vida financeira de um consultório ou clínica de forma segura e independente.

Leia mais

Índice. Conteúdo. Planilha Profissional Para Cálculo de Preços de Artesanato

Índice. Conteúdo. Planilha Profissional Para Cálculo de Preços de Artesanato Índice Conteúdo Índice... 2 A Importância do Preço Correto... 3 Como chegar ao preço de venda adequado do meu produto?... 3 Como calcular o preço de venda lucro... 5 Como vender meus produtos pela internet...

Leia mais

Antecipar o Problema

Antecipar o Problema INDICADORES Antecipar o Problema Mudar o Comportamento Informação Fidedigna Entendimento do Resultado Manter a Rotina de Controle Vendas da Farmácia Ticket Médio Lucro Despesas fixas Mercado Ticket Médio

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA SEJAM BEM VINDAS!

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA SEJAM BEM VINDAS! Treinamento on line ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA SEJAM BEM VINDAS! Janaina Lima DIRETORA F. Executiva Sucesso Gestão Gestão Financeira do Seu Negócio Mary Kay A parte mais importante do planejamento financeiro

Leia mais

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS! Sistema Price! SAC Autores: Francisco Cavalcante(francisco@fcavalcante.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV. É Sócio-Diretor da Cavalcante Associados,

Leia mais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Ativo Nota 2014 2013 Passivo Nota 2014 2013 (Ajustado) (Ajustado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 5 48.650 835 Fornecedores 10

Leia mais

O sistema gestor já contem uma estrutura completa de categorias que são transferidas automaticamente para cada empresa nova cadastrada.

O sistema gestor já contem uma estrutura completa de categorias que são transferidas automaticamente para cada empresa nova cadastrada. Página2 Cadastro de Categorias O cadastro de categoria é utilizado dentro do gestor para o controle financeiro da empresa, por ela é possível saber a origem e a aplicação dos recursos, como por exemplo,

Leia mais

Balanço Patrimonial. Circulante Compreende obrigações exigíveis que serão liquidadas até o final do próximo exercício social.

Balanço Patrimonial. Circulante Compreende obrigações exigíveis que serão liquidadas até o final do próximo exercício social. Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Professor: Roberto César Balanço Patrimonial ATIVO Circulante Compreende contas que estão constantemente em giro - em movimento, sua conversão em dinheiro

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: PLANEAR O ORÇAMENTO FAMILIAR IDENTIFICAR RENDIMENTOS E DESPESAS

ÁREA DE FORMAÇÃO: PLANEAR O ORÇAMENTO FAMILIAR IDENTIFICAR RENDIMENTOS E DESPESAS ÁREA DE FORMAÇÃO: PLANEAR O ORÇAMENTO FAMILIAR IDENTIFICAR RENDIMENTOS E DESPESAS Índice Planear o orçamento familiar Tipos de rendimentos Tipos de despesas Estrutura de despesas Saldo do orçamento familiar

Leia mais

Balanço Patrimonial da Cia Salve&Kana

Balanço Patrimonial da Cia Salve&Kana Elaboração da DFC Método Direto A fim de possibilitar melhor entendimento, vamos desenvolver um exemplo passo a passo da montagem da DFC pelo método direto, tomando por base as informações a seguir: Balanço

Leia mais

Unidade III. Unidade III

Unidade III. Unidade III Unidade III Unidade III 3 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO () UMA PEQUENA INTRODUÇÃO Enquanto o balanço patrimonial nos apresenta a situação econômica e financeira da empresa, demonstrando os saldos

Leia mais

Finanças Pessoais 1º passo para a Cultura de Bolso. Sejam bem-vindos! Aleksander Avalca

Finanças Pessoais 1º passo para a Cultura de Bolso. Sejam bem-vindos! Aleksander Avalca Finanças Pessoais 1º passo para a Cultura de Bolso Sejam bem-vindos! Aleksander Avalca Algumas estatísticas 2011 maior nível de inadimplência nos últimos 9 anos Algumas estatísticas 2011 maior nível de

Leia mais

Prof. Carlos Barreto. Unidade II CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA

Prof. Carlos Barreto. Unidade II CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA Prof. Carlos Barreto Unidade II CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA Módulo I 1.1 Ativo. 1.2 Subdivisão do Ativo (de acordo com a Lei nº 11.941.09). Módulo II 2.1 As alterações na composição do Ativo a partir da

Leia mais

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil)

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil) CNPJ 47.902.648/0001-17 CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Bancos 46 Fornecedores 41.785 Aplicações Financeiras 5.541 Provisão

Leia mais

Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos

Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos ::: Fonte Do Saber - Mania de Conhecimento ::: adsense1 AS RESPOSTAS ESTÃO DE VERMELHO. O BALANÇO PATRIMONIAL - EXERCÍCIOS 1) Aponte a alternativa em que não

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Quem não sabe administrar tostões, não sabe administrar milhões. Atenção para estas perguntas: Você possui uma conta corrente ou poupança separada para o seu negócio? O que você

Leia mais

Contabilidade Geral Prova 2 Gabarito 1 Questão 01 A questão solicita que o candidato indique a afirmativa incorreta, que é encontrada na alternativa c : No ativo, as contas serão dispostas em ordem crescente

Leia mais

A Importância dos Indicadores Gerenciais de Custos dos Serviços Prestados pela Prefeitura do Rio de Janeiro como Ferramentas de Controle Interno

A Importância dos Indicadores Gerenciais de Custos dos Serviços Prestados pela Prefeitura do Rio de Janeiro como Ferramentas de Controle Interno A Importância dos Indicadores Gerenciais de Custos dos Serviços Prestados pela Prefeitura do Rio de Janeiro como Ferramentas de Controle Interno Geraldo de Abreu Júnior Isabela Rebouças Chaves Resumo:

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre os sócios, pois são responsáveis pela proposta do negócio. Caso ocorra necessidade, inserir mais campos, linhas ou colunas. Sócio 1 - Nome: RG: Órgão Emissor:

Leia mais

Obrigado por cadastrar-se! Retire aqui suas dúvidas sobre esta oportunidade...!

Obrigado por cadastrar-se! Retire aqui suas dúvidas sobre esta oportunidade...! Obrigado por cadastrar-se! Retire aqui suas dúvidas sobre esta oportunidade...! O que é ser um chocolateiro? Ser um Chocolateiro é além de apaixonar-se pelos chocolates da Chocolataria Gramado, vender

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014

BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 214 CONTA 1. ATIVO 1.2. ATIVO CIRCULANTE 1.2.1 Disponível 1.2.1.1 Caixa 1.2.1.2 Cobrança Vinculada 1.2.1.3 Bancos Conta Movimento 1.2.2 Realizável 1.2.2.

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 3.1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Finanças Finança é a ciência de gerenciar recursos, ou aquela que lida com o emprego do dinheiro num projeto, empresa ou pessoa.

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Atividades do Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Sistemas produtivos: abrange produção de bens e de serviços; Funções básicas dos

Leia mais

Educação Financeira para empreendedores e sua importância.

Educação Financeira para empreendedores e sua importância. Finanças Pessoais $ Educação Financeira para empreendedores e sua importância. Por meio da Educação Financeira você poderá planejar o seu negócio a curto, médio e longo prazo, sendo capaz de visualizar

Leia mais

Tem dúvidas quanto e onde você gasta ou ganha?

Tem dúvidas quanto e onde você gasta ou ganha? Bem-vindo(a) ao módulo 3: Colocando a mão na massa. Aqui estudaremos sobre como preencher a Planilha de Controle de Caixa e utilizá-la considerando sua realidade, também veremos sobre os pontos fundamentais

Leia mais

Mint Capital. Poupança & Gastos. Como diminuir a distância entre onde você está e onde você quer chegar.

Mint Capital. Poupança & Gastos. Como diminuir a distância entre onde você está e onde você quer chegar. Mint Capital Poupança & Gastos Como diminuir a distância entre onde você está e onde você quer chegar. Índice 1. Introdução 2. Crie Um Orçamento 3. Comece a Poupar 4. Leia mais no Mastervalue! Introdução

Leia mais

Código da Conta Descrição Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual

Código da Conta Descrição Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual ISG - Instituto Socrates B A L A N C E T E D E V E R I F I C A Ç Ã O EM BRL Folha : 1 1 - A T I V O 33.116.209,56 12.143.097,36 11.212.070,16-34.047.236,76 11 - ATIVO CIRCULANTE 21.518.018,92 11.760.886,15

Leia mais

ASPECTOS AVANÇADOS NA ANÁLISE ECONÔMICA E FINANCEIRA (PARTE III)

ASPECTOS AVANÇADOS NA ANÁLISE ECONÔMICA E FINANCEIRA (PARTE III) ASPECTOS AVANÇADOS NA ANÁLISE (PARTE III)! As outras contas do Ativo Circulante e Passivo Circulante.! O que é a variável T- Tesouraria.! Análise da T Tesouraria. Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)!

Leia mais

MATERIAL BÁSICO GESTÃO FINANCEIRA PESSOAL

MATERIAL BÁSICO GESTÃO FINANCEIRA PESSOAL MATERIAL BÁSICO GESTÃO FINANCEIRA PESSOAL Rua do Paraíso, 760 / Rua Oliveira Melo, 474 +55 11 3937 9900 / 3738 7000 www.sigmasolucoes.com.br INTRODUÇÃO A maneira como lidamos com o dinheiro, é herança

Leia mais

(1) Como se explica o fato de duas Lotéricas terem o mesmo Faturamento Líquido (Comissões) e não terem o mesmo Lucro?

(1) Como se explica o fato de duas Lotéricas terem o mesmo Faturamento Líquido (Comissões) e não terem o mesmo Lucro? BALANÇOS: PARTE (1) 1. Visão geral Eu te pergunto: (1) Como se explica o fato de duas Lotéricas terem o mesmo Faturamento Líquido (Comissões) e não terem o mesmo Lucro? (2) Porque duas Casas Lotéricas,

Leia mais

É o processo de planejamento, implementação e controle dos recursos de uma entidade.

É o processo de planejamento, implementação e controle dos recursos de uma entidade. O QUE É? É o processo de planejamento, implementação e controle dos recursos de uma entidade. OBJETIVO Fornecer informações adequadas para subsidiar as decisões que envolvam desembolso e/ou a captação

Leia mais

Estratégias para Reduzir Custos em Tempos de Crise

Estratégias para Reduzir Custos em Tempos de Crise Palestra Estratégias para Reduzir Custos em Tempos de Crise Por Neverton Timm Highter Consultoria O que é mais importante? Aumentar Vendas x Reduzir Custos Afinal Os dois são fundamentais LUCRO = VENDA

Leia mais

Divulgação de Resultados. Alteração no Agrupamento de Custos e Despesas e Revisão da Forma e Conteúdo do Demonstrativo de Fluxo de Caixa

Divulgação de Resultados. Alteração no Agrupamento de Custos e Despesas e Revisão da Forma e Conteúdo do Demonstrativo de Fluxo de Caixa Divulgação de Resultados Alteração no Agrupamento de Custos e Despesas e Revisão da Forma e Conteúdo do Demonstrativo de Fluxo de Caixa Objetivos e documentos impactados Objetivo: Agrupamento de Custos

Leia mais

Fundamentos de Contabilidade. Contas. Professor Isnard Martins. Bibliografia Osni Moura Ribeiro, Contabilidade Fundamental 1Saraiva, 2011

Fundamentos de Contabilidade. Contas. Professor Isnard Martins. Bibliografia Osni Moura Ribeiro, Contabilidade Fundamental 1Saraiva, 2011 Fundamentos de Contabilidade Professor Isnard Martins Contas Bibliografia Osni Moura Ribeiro, Contabilidade Fundamental 1Saraiva, 2011 1 Conceito Na linguagem cotidiana, o que representa a palavra conta?

Leia mais

Contabilidade de Custos Aula 1: Terminologias e Classificações. Professora: Caroline Camera

Contabilidade de Custos Aula 1: Terminologias e Classificações. Professora: Caroline Camera Contabilidade de Custos Aula 1: Terminologias e Classificações Professora: Caroline Camera Origens da Contabilidade de Custos A preocupação com a Contabilidade nasceu desde que o homem passou a possuir

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL. Saldos em 31/12/2013

BALANÇO PATRIMONIAL. Saldos em 31/12/2013 PARTIDO: BALANÇO PATRIMONIAL ORGÃO DO PARTIDO UF EXERCÍCIO CÓDIGO CONTA Saldos em 31/12/2014 Saldos em 31/12/2013 CÓDIGO 1.1. ATIVO CIRCULANTE 2.1. PASSIVO CIRCULANTE 1.1.1. ATIVO CIRCULANTE - FUNDO PARTIDÁRIO

Leia mais

QuestãoFinanceira. O que deve ser prioridade na vida de uma pessoa quando se fala em dinheiro

QuestãoFinanceira. O que deve ser prioridade na vida de uma pessoa quando se fala em dinheiro O que deve ser prioridade na vida de uma pessoa quando se fala em dinheiro AlvoPrincipal Ter o suficiente para viver em paz e não dever nada a ninguém SAÍDAS ENTRADA LÍQUIDA SAÍDAS Salário do esposo Necessidades

Leia mais

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos de Lucratividade e a importância para existência e sucesso das empresas. Proporcionar aos participantes

Leia mais

COOPERATIVA DE CAFEICULTORES DA ZONA DE SÃO MANUEL - CAFENOEL Balanço Patrimonial Encerrado em 31 de Dezembro de 2008 (Em Reais)

COOPERATIVA DE CAFEICULTORES DA ZONA DE SÃO MANUEL - CAFENOEL Balanço Patrimonial Encerrado em 31 de Dezembro de 2008 (Em Reais) Balanço Patrimonial Encerrado em 31 de Dezembro de 2008 ATIVO CIRCULANTE Contas 10.1.01 CAIXA 29.733,12 - Caixa... 29.733,12 10.1.02 BANCOS - CONTA CORRENTE 264,20 Bancos... 264,20 10.1.05 CONSÓRCIOS A

Leia mais

III - MÓDULO MÉTODO DE CUSTEIO / FORMAÇÃO DE PREÇOS.

III - MÓDULO MÉTODO DE CUSTEIO / FORMAÇÃO DE PREÇOS. III - MÓDULO MÉTODO DE CUSTEIO / FORMAÇÃO DE PREÇOS. Método de custeio direto ou variável e margem de contribuição. A pousada Lagoa Azul possui 90 quartos para alugar, praticando um preço médio de R$ 56,00

Leia mais

QUER VENDER POR QUANTO?

QUER VENDER POR QUANTO? QUER VENDER POR QUANTO? Guia para definição de preços e sobre como realizar promoções. 1 QUER VENDER POR QUANTO? Guia para definição de preços e sobre como realizar promoções. 3 ÍNDICE Introdução 5 Capítulo

Leia mais

FÓMULAS DE LANÇAMENTOS

FÓMULAS DE LANÇAMENTOS LANÇAMENTO CONTÁBIL Denominação que se dá ao registro de um fato contábil. Para o lançamento utilizaremos o método das partidas dobradas. O princípio fundamental desse método é o de que não há devedor

Leia mais

Orçamento. (continuação) 06/09/2016. Orçamento de Vendas. Orçamento de Produção. Orçamento de Estoque Final

Orçamento. (continuação) 06/09/2016. Orçamento de Vendas. Orçamento de Produção. Orçamento de Estoque Final Orçamento (continuação) Vendas Estoque Final Produção matéria-prima direta mão-de-obra direta custos indiretos de fabricação Custo dos Produtos Vendidos investimentos financiamentos Caixa despesas de vendas

Leia mais

CDD: 657 AC:

CDD: 657 AC: Fonseca, Alan Sales da. F676c Contabilidade : revisão balanço patrimonial e DRE / Alan Sales da Fonseca. Varginha, 2015. 17 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide

Leia mais

Dicas 01. Contabilidade Geral. Professores: Gustavo Jubé e Vicente Chagas. Profs. Gustavo e Vicente 1

Dicas 01. Contabilidade Geral. Professores: Gustavo Jubé e Vicente Chagas.  Profs. Gustavo e Vicente 1 bilidade Geral Professores: Gustavo Jubé e Vicente Chagas www.pontodosconcursos.com.br Profs. Gustavo e Vicente 1 O essencial para diferenciar ativo de passivo Você que está começando a estudar contabilidade

Leia mais

Brasileiros não fazem controle do orçamento pessoal, diz pesquisa

Brasileiros não fazem controle do orçamento pessoal, diz pesquisa Seis em cada dez consumidores têm dificuldades para fazer o controle de ganhos e gastos mensais. 49% pagam todas as contas com sobra de dinheiro mês, mas 33% usam empréstimos, cheque especial e cartão

Leia mais

10 DICAS. para você usar o crédito de forma consciente

10 DICAS. para você usar o crédito de forma consciente 10 DICAS para você usar o crédito de forma consciente Fazer um orçamento exige compromisso, paciência e uso consciente, inclusive do crédito que bancos e financeiras oferecem. Mas as recompensas valem a

Leia mais

Controle Decifrado de Estoque

Controle Decifrado de Estoque 1 PIS/Pasep e Cofins... 1 1.1 Contas PIS/Pasep e Cofins a Recolher e PIS/Pasep e Cofins a Recuperar... 2 1.2 Conta Conta-corrente PIS/Pasep e Cofins... 4 1 PIS/Pasep e Cofins Pela legislação de regência

Leia mais

DIA DA SAÚDE FINANCEIRA. Despertar da Consciência Financeira. Lavínia Martins, CFP Miriam Bruno, CFP 29/10/2016

DIA DA SAÚDE FINANCEIRA. Despertar da Consciência Financeira. Lavínia Martins, CFP Miriam Bruno, CFP 29/10/2016 DIA DA SAÚDE FINANCEIRA Despertar da Consciência Financeira Lavínia Martins, CFP Miriam Bruno, CFP 29/10/2016 Finanças = Dinheiro Quais são as funções do dinheiro? Sistema de preços Meio de troca Reserva

Leia mais

ROTEIRO PARA PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA PLANO DE NEGÓCIOS I. APRESENTAÇÃO: dizer o que você quer fazer, que projeto/trabalho é o seu: Montar uma empresa? Implementar atividades (numa empresa já existente)? Renovar métodos? Assimilar

Leia mais

ORÇAMENTO EMPRESARIAL (parte 2)

ORÇAMENTO EMPRESARIAL (parte 2) ORÇAMENTO EMPRESARIAL (parte 2) 2) TIPOS DE ORÇAMENTO 2.1) Orçamento de Tendências Uma prática muito comum tem sido utilizar os dados passados para projeções de situações futuras. Tal prática tem dado

Leia mais

EDUCAÇÃO E PLANEJAMENTO FINANCEIRO. Shandra Aguiar. Coordenadora do Núcleo de Educação do Consumidor- Educon UFC

EDUCAÇÃO E PLANEJAMENTO FINANCEIRO. Shandra Aguiar. Coordenadora do Núcleo de Educação do Consumidor- Educon UFC EDUCAÇÃO E PLANEJAMENTO FINANCEIRO Shandra Aguiar Coordenadora do Núcleo de Educação do Consumidor- Educon UFC PARA PENSAR... Como me vejo em 2022 Como eu vejo a minha vida de aposentada(o) Qual o significado

Leia mais

Plano de Contas Código Descrição Natureza

Plano de Contas Código Descrição Natureza 1 ATIVO 11 ATIVO CIRCULANTE 111 ATIVO DISPONIVEL 111001 NUMERARIOS 1.1.1.001.0001-0 CAIXA PEQUENO 111002 BANCOS CONTA MOVIMENTO 1.1.1.002.0001-5 BANCO BRADESCO SA 1.1.1.002.0002-3 BANCO DO BRASIL 1.1.1.002.0003-1

Leia mais

2 Guia prático de gestão financeira

2 Guia prático de gestão financeira Joaquim B. de Souza Sumário Apresentação... 3 Objetivo Principal... 4 Introdução... 6 Ferramentas do Microsoft Excel... 7 Lição I Juros Simples... 9 Incidência direta sobre o capital... 9 Lição II - Juros

Leia mais

Planejamento de Vendas e Operações (Plano Agregado de Produção)

Planejamento de Vendas e Operações (Plano Agregado de Produção) Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Administração Geral e Aplicada Planejamento de Vendas e Operações (Plano Agregado de Produção) Eduardo Alves Portela Santos

Leia mais

Modelagem Financeira Market Place

Modelagem Financeira Market Place Modelagem Financeira Market Place 1 Introdução Um dos grandes desafios para os empreendedores de uma startup é transformar o modelo de negócios em números, ou seja, estimar as receitas, custos e despesas

Leia mais

Finanças no Negócio Mary Kay. Faça sua empresa crescer!!!

Finanças no Negócio Mary Kay. Faça sua empresa crescer!!! Finanças no Negócio Mary Kay Faça sua empresa crescer!!! Ajuste sua visão Mary Kay é um NEGÓCIO e não um emprego, muito menos um bico! Um negócio precisa de atenção, administração, cuidado e investimento.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Prof. Carlos Barretto

Prof. Carlos Barretto Unidade IV CONTABILIDADE FINANCEIRA Prof. Carlos Barretto Objetivos gerais Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: consciência ética

Leia mais

COMO CONSTRUIR UM CONJUNTO DE INDICADORES ORIENTADOS PARA O EVA

COMO CONSTRUIR UM CONJUNTO DE INDICADORES ORIENTADOS PARA O EVA COMO CONSTRUIR UM CONJUNTO DE INDICADORES ORIENTADOS PARA O EVA! As principais estratégias para se criar valor para o acionista.! Os indicadores que permitem avaliar a estrutura de capital.! Dicas importantes

Leia mais

1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200

1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis ALUNO(A): Exercício : a. preencha os balancetes: TURMA 6º CCN AULA 04 e 05 Turno/Horário

Leia mais

REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL. PROFª: Gitano Souto Silva

REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL. PROFª: Gitano Souto Silva REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL PROFª: Gitano Souto Silva BALANÇO PATRIMONIAL O Balanço Patrimonial é uma demonstração contábil que evidencia, por meio das contas PATRIMONIAIS

Leia mais

render Como fazer meu dinheiro

render Como fazer meu dinheiro render Como fazer meu dinheiro APRESENTAÇÃO A J2S Consultoria é uma empresa que oferece orientação e acompanhamento no planejamento orçamentário e financeiro, com definição de metas para curto, médio e

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO- DVA FLUXOGRAMA 1 3 (1 2) 5 (3 4) 7 (5+6)

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO- DVA FLUXOGRAMA 1 3 (1 2) 5 (3 4) 7 (5+6) DEMONSTRAÇÃO DO VALOR - DVA FLUXOGRAMA 1 3 (1 2) 5 (3 4) 7 (5+6) VENDAS Vendas Operacionais Vendas não Operacionais PDD- Constituição/Reversão VALOR BRUTO VALOR LIQUIDO VALOR TOTAL A DISTRIBUIR 2 4 6 INSUMOS

Leia mais

Administração de Finanças Pessoais e de Família. Prof. Dr. Fabio Junges - Módulo II

Administração de Finanças Pessoais e de Família. Prof. Dr. Fabio Junges - Módulo II Administração de Finanças Pessoais e de Família Prof. Dr. Fabio Junges - fabio@fabiojunges.com.br Módulo II Alguma mudança nestas últimas duas semanas em relação às suas finanças e da sua família? Módulo

Leia mais

7 dicas de utilização do 13 salário

7 dicas de utilização do 13 salário 7 dicas de utilização do 13 salário P O R P A L E S T R A N T E E R A S M O E V I E I R A C O A C H I N G F I N A N C E I R O "Dinheiro foi feito para Gastar! Mas principalmente para realização de seus

Leia mais

. Natureza de saldo das contas

. Natureza de saldo das contas . Natureza de saldo das contas Introdução Prezado candidato/aluno é de extrema importância entendermos a natureza de saldo das contas em contabilidade, em razão disse devemos separar as contas patrimoniais

Leia mais

Plano de Educação Financeira

Plano de Educação Financeira Plano de Educação Financeira SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. FATOS 3. DICAS 4. DIFERENÇA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA E CONTROLE FINANCEIRO 5. COMO FUNCIONA O APLICATIVO EVERCAST Com a alta da tecnologia

Leia mais

GUIA DO ORIENTADOR FINANCEIRO

GUIA DO ORIENTADOR FINANCEIRO GUIA DO ORIENTADOR FINANCEIRO 1 GUIA DO ORIENTADOR FINANCEIRO O papel do Banco é zelar pela compreensão dos produtos e serviços e para decisões bem fundamentadas, prevenindo o endividamento excessivo e

Leia mais

PLANEJAMENTO PARA COMPRA DA CASA PRÓPRIA

PLANEJAMENTO PARA COMPRA DA CASA PRÓPRIA PLANEJAMENTO PARA COMPRA DA CASA PRÓPRIA INTRODUÇÃO É importante se planejar? A aquisição da casa própria tornou-se, nas últimas décadas, o principal sonho de consumo dos brasileiros. Mais do que uma maneira

Leia mais

O QUE O EXECUTIVO PRECISA SABER SOBRE OS IMPOSTOS SOBRE O LUCRO - ATUALIZAÇÃO

O QUE O EXECUTIVO PRECISA SABER SOBRE OS IMPOSTOS SOBRE O LUCRO - ATUALIZAÇÃO O QUE O EXECUTIVO PRECISA SABER SOBRE OS IMPOSTOS SOBRE O LUCRO - ATUALIZAÇÃO >Quais as formas de apuração do lucro >Compensação de Prejuízos acumulados >Imposto de Renda e Contribuição Social >As alterações

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO 04 APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial, finanças, marketing,

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução O que são

Leia mais

ADMINISTRATIVO Módulo 2

ADMINISTRATIVO Módulo 2 ADMINISTRATIVO Módulo 2 ÍNDICE CAPÍTULO 1...8 1.1 Controles Financeiros...9 1.1.1 Contas a Receber...9 1.1.2 Contas a Pagar...10 1.1.3 Movimentação Caixa Diário... 11 1.1.4 Controle de Contas Bancárias...12

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa, durante o exercício social, demonstradas de forma a destacar o resultado líquido

Leia mais

Programação de Computadores I - BCC 701 Lista de Exercícios 1 Módulo 1

Programação de Computadores I - BCC 701 Lista de Exercícios 1 Módulo 1 Programação de Computadores I - BCC 701 Lista de Exercícios 1 Módulo 1 e de Dados Exercício 01 Codifique um programa que, dado dois números inteiros quaisquer, efetue a soma desses números e imprima o

Leia mais

Como utilizar a margem de contribuição para tomar decisão quando existe limitação na capacidade produtiva

Como utilizar a margem de contribuição para tomar decisão quando existe limitação na capacidade produtiva Como utilizar a margem de contribuição para tomar decisão quando existe! Revendo o conceito de margem de contribuição! Existência de limitação na capacidade de produção! Margem de contribuição e fator

Leia mais

AULA 3: CONHECIMENTOS NUMÉRICOS: PORCENTAGEM E JUROS

AULA 3: CONHECIMENTOS NUMÉRICOS: PORCENTAGEM E JUROS AULA 3: CONHECIMENTOS NUMÉRICOS: PORCENTAGEM E JUROS Disciplina: Matemática Professores: Lucas Lopes e Fábio Henrique I) PARTE: JUROS E PORCENTAGENS 1) Porcentagem Definição: É uma fração que indica a

Leia mais

Produção e o Custo da Empresa. Conceitos básicos; Função de produção; Lei dos rendimentos decrescentes; Equilíbrio da firma; Custos de Produção.

Produção e o Custo da Empresa. Conceitos básicos; Função de produção; Lei dos rendimentos decrescentes; Equilíbrio da firma; Custos de Produção. Produção e o Custo da Empresa Conceitos básicos; Função de produção; Lei dos rendimentos decrescentes; Equilíbrio da firma; Custos de Produção. 1. Conceitos básicos A economia é formada por diversas empresas

Leia mais

Resultados 3T16 Rio de Janeiro, 10 de Novembro de 2016

Resultados 3T16 Rio de Janeiro, 10 de Novembro de 2016 Resultados 3T16 Rio de Janeiro, 10 de Novembro de 2016 Disclaimer O conteúdo desta apresentação pode incluir expectativas sobre eventos e resultados futuros estimados pela Administração. Entretanto, tais

Leia mais

Balancete Analítico (Valores em Reais)

Balancete Analítico (Valores em Reais) 00001 10000 1000000000 ATIVO 2.421.141,51 298.113,00 285.607,24 2.433.647,27 11000 1100000000 ATIVO CIRCULANTE 275.680,92 238.489,62 285.236,53 228.934,01 11100 1101000000 DISPONIVEL 5.584,28 5.078,86

Leia mais