REGIMENTO DISCIPLINAR DISCENTE E MANUAL DO ESTUDANTE DO CAMPUS DIANÓPOLIS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGIMENTO DISCIPLINAR DISCENTE E MANUAL DO ESTUDANTE DO CAMPUS DIANÓPOLIS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS"

Transcrição

1 REGIMENTO DISCIPLINAR DISCENTE E MANUAL DO ESTUDANTE DO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS Dianópolis - TO Abril 2015 Página 1 de 10

2 Ementa: Dispõe sobre o regimento disciplinar discente e do manual do estudante do Campus Dianópolis do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins - IFTO. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regimento estabelece as normas disciplinares discentes do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins - IFTO Campus Dianópolis, com seus direitos e deveres. Art. 2º Constitui objetivo do presente Regimento Disciplinar Discente assegurar condições de desenvolvimento das atividades acadêmicas coibindo: I. A prática de atos definidos como infração e pelas leis penais; II. Atos de desobediência, de desacato ou que se caracterizem de qualquer forma, como indisciplina ou transgressão às normas da Instituição. Art. 3º - Considera-se infração disciplinar a ação ou omissão prevista neste Regimento que tenha se efetivado, em todo ou em parte, ou produzindo seus efeitos, em todo ou em parte, nas dependências do Campus Dianópolis do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins ou nos locais de realização de atividades relativas ao fazer pedagógico. a. Considera-se praticada a infração disciplinar quando da ação ou omissão, ainda que seja outro o tempo do resultado; b. As dependências do Instituto incluem, para os efeitos deste Regimento, os bens móveis e imóveis de posse ou propriedade do IFTO; c. O fazer pedagógico inclui todas as atividades de ensino, pesquisa ou extensão ligadas ao IFTO, de caráter oficial, inclusive as realizadas fora de suas dependências. Art. 4º As normas disciplinares do IFTO observarão rigorosamente os princípios constitucionais e as normas vigentes quanto à aplicação da lei penal e o Estatuto da Criança e do Adolescente ECA, quando de sua elaboração e aplicação, os quais serão sempre consultados em caso de lacuna ou dúvidas interpretativas. CAPÍTULO II DO CORPO DISCENTE Art. 5º - O corpo discente é constituído de todos os estudantes regularmente matriculados no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins IFTO, com seus direitos e deveres. CAPÍTULO III DOS DIREITOS DOS DISCENTES Página 2 de 10

3 Art. 6º - Constituem direitos do corpo discente: I. Igualdade de condições para acesso e permanência na Instituição; II. Tomar conhecimento do resultado de todos os instrumentos de avaliação solicitados pelos professores; III. Contestar os critérios avaliativos e recorrer dos resultados das avaliações de seu desempenho. IV. Organizar entidades estudantis, bem como grêmio e representantes de sala, votar e ser votado para representação estudantil, salvo em casos especiais; V. Ter assegurada sua dignidade e ser resguardado de qualquer tratamento desumano, violento, aterrorizante, vexatório ou constrangedor; VI. Levar ao conhecimento do segmento competente as dificuldades e problemas pessoais e escolares, visando uma melhor solução para os mesmos; VII. Assistir a todas as aulas previstas para o seu período de estudos; VIII. Participar de atividades artísticas, culturais, esportivas, religiosas e científicas, desde que não venham a prejudicar o processo de ensino-aprendizagem, obedecendo aos trâmites legais; IX. Receber orientação individual ou em grupo, sempre que se fizer necessário e em conformidade com a logística do Campus; X. Participar, plena e ativamente, do processo pedagógico desenvolvido pela Instituição, exceto daqueles que correm por sigilo conforme lei de acesso à informação; XI. Ter assegurado que o Professor EBTT cumpra o seu horário de aula, desempenhando adequadamente o seu papel; XII. Receber seus trabalhos, tarefas, provas e outras produções, devidamente corrigidos e avaliados, num prazo de até 10 (dez) dias úteis, após sua realização; XIII. Ter acesso à biblioteca, laboratórios, salas de estudo e equipamento destinados a estudos e pesquisas, dentro do horário de expediente e em situações previstas; XIV. Organizar reuniões para execução de campanhas de cunho educativo e/ou social, de comum acordo com a administração do Campus; XV. Receber tratamento médico, psicológico, odontológico e o atendimento/acompanhamento da Orientação Educacional quando necessitar, dentro das limitações da Instituição; XVI. Solicitar às coordenações auxílio para a solução de problemas, e/ou dificuldades no estudo e/ou em outras áreas; XVII.Pleitear bolsas oferecidas pela Instituição, desde que atendidas as condições estabelecidas; XVIII. Votar e ser votado para os cargos eletivos das entidades que representar; XIX. Obter, nos órgãos competentes, os documentos referentes à sua vida institucional; XX. De acordo com os artigos 74 e 75, do capitulo 04 da Organização Didático Pedagógico do IFTO acerca da frequência escolar o discente tem o direito de requerer à direção a segunda chamada de prova, não realizada por motivo comprovadamente justo e relevante, de acordo com as normas organizacionais do IFTO; XXI. De acordo com o artigo 76, do capítulo 04 ODP (Organização Didático- Pedagógico do IFTO), o aluno tem direito ao atendimento domiciliar; Página 3 de 10

4 XXII.Realizar avaliação diagnóstica no início do ano letivo, com objetivo de melhorar seu desempenho acadêmico e dar continuidade nos estudos posteriores. CAPÍTULO IV DOS DEVERES DISCENTES Art. 7º - Constituem deveres do Corpo Discente: I. Contribuir para manter o prestígio e o bom conceito do Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Tocantins IFTO; II. Acatar as normas da Organização Didática Pedagógica, do Regimento Interno do IFTO e determinações da Reitoria, Direção Geral do Campus e seus auxiliares; III. Tratar com respeito os colegas, educadores e demais servidores do IFTO; IV. Não incitar os colegas a atos de rebeldia, abstendo-se de colaboração em faltas coletivas; V. Comparecer ao campus devidamente uniformizado (Cursos Técnicos Integrados ao Ensino Médio); VI. Apresentar-se devidamente trajado com sobriedade e decência de acordo com as atividades em que estiverem participando, bem como, o uso de uniforme quando solicitado; VII. Realizar todos os deveres e atividades escolares que lhe forem atribuídos; VIII. Zelar pela manutenção de limpeza do local de estudo, bem como patrimônio do IFTO ou de terceiros, indenizando-o por danos pelos quais seja responsável; IX. No que se refere à guarda de carro próprio ou outro meio de transporte o aluno deverá respeitar a área destinada ao estacionamento, eximindo-se a Instituição de qualquer responsabilidade caso haja infração ou ocorrência; X. Guardar silêncio nos entornos das salas de aulas, laboratórios, biblioteca nos horários de funcionamento; XI. Aguardar o educador em sala de aula, por dez minutos, após esse período o representante de sala comunicará à coordenação pedagógica; XII. Comparecer às solenidades e atividades cívicas e sociais promovidas pela Instituição e participar delas ou daquelas em que a Instituição faça parte; XIII. Apresentar-se às atividades curriculares munidos de material didático indispensável à sua participação nos trabalhos escolares; XIV. Obedecer aos prazos estabelecidos no Calendário Escolar; XV. Participar das reuniões dos órgãos, para os quais tenha sido eleito como representante discente, obedecendo à convocação, resguardadas as normas instituídas ou estabelecidas para tal fim; XVI. Cumprir as determinações e os horários estabelecidos pela Instituição; XVII.Manter-se informado, por meio da leitura de quadros de aviso, site institucional e demais instrumentos de divulgação do Campus; Página 4 de 10

5 XVIII. Identificar-se, no acesso e em todo o interior do campus, pela exibição de documento de identificação, apresentando-o sempre que for solicitado por servidor; XIX. Ser leal à Instituição, não cometendo atos ou fazendo declarações que possam denegrir sua imagem; XX. Receber cordialmente, sem qualquer tipo de constrangimento, os novos estudantes; XXI. Comunicar às instâncias devidas atos de ilegalidades, omissão e abuso de poder e qualquer irregularidade que possa trazer prejuízo para si, para as demais pessoas ou para a instituição; CAPÍTULO V DAS MEDIDAS DISCIPLINARES Art. 8º - Este Regimento aplica-se a todos os discentes regularmente matriculados em cursos oferecidos no Campus Dianópolis do IFTO. Art. 9º - A aplicação de medida disciplinar prevista neste Regimento não exclui a responsabilidade civil ou penal do discente infrator, ou do responsável legal quando se tratar de estudante menor de idade. Art. 10º - Constituem medidas disciplinares: I. Orientação ou repreensão verbal; II. Advertência escrita, com registro na Ficha Individual do Estudante, bem como a solicitação dos pais para dialogo na Instituição; III. Desenvolvimento de atividades pedagógicas extracurriculares junto ao Campus; IV. Perda ou suspensão de direito a bolsas ou auxílios; V. Afastamento do discente de todas as atividades de ensino, pesquisa e extensão por um período não superior a 05 (cinco) dias consecutivos, comparecendo somente para a realização das avaliações, ressalvada a aplicação de agravante; VI. Transferência compulsória, medida adotada apenas quando esgotados todos os recursos educativos, ficando o Campus comprometido a dar todos os subsídios necessários para a efetiva transferência do estudante; VII. Não renovação da matrícula; VIII. Desligamento da Instituição; Parágrafo único. As medidas disciplinares poderão ser aplicadas isoladas ou cumulativas, bem como de acordo a gravidade do cometido. Todas as faltas cometidas pelo estudante, bem como as medidas disciplinares serão anotadas na Ficha Individual do Estudante. Art. 11º - As faltas disciplinares classificam-se em: I. Leves, passíveis orientação ou repreensão verbal; Página 5 de 10

6 II. Médias, passíveis de advertência escrita; III. Graves, passíveis de desenvolvimento de atividades pedagógicas extracurriculares junto ao campus onde o estudante está matriculado, suspensão ou perda do direito a bolsas ou auxílios, afastamento do discente das atividades escolares por no máximo 05 (cinco) dias, ressalvada a aplicação de agravante. IV. Gravíssimas, passíveis de matrícula condicional, não renovação de matrícula, transferência compulsória ou desligamento. Parágrafo único. Aplicação de suspensão acontecerá após reincidir com três advertências por escrito. Art. 12º - São faltas disciplinares discentes leves passíveis de orientação ou repreensão verbal: I. Faltar com anseio pessoal, dos seus pertences e das dependências e equipamentos do Campus sob sua responsabilidade ou uso; II. Descumprir o horário geral do Campus; III. Proferir palavras obscenas ou de baixo calão; IV. Não cumprimento às escalas de atividades pedagógicas extracurriculares; V. Faltar com organização em seus pertences; VI. Descumprir as normas do campus que orientam o uso de instalações e serviços; VII. Manter-se em atitude de desinteresse frente aos servidores e colegas, perturbando o ambiente de trabalho; VIII. Incumbir outra pessoa do desempenho de tarefa que seja de sua responsabilidade; IX. Outras não constantes nesse rol e que podem ser equiparadas pela Coordenação Geral de Assistência Estudantil; X. Apresentar-se sem uniforme nos horários em que estejam sendo realizadas atividades pedagógicas, de acordo com normas específicas do Campus. XI. Namorar com trocas de carícias acaloradas, beijos longos, sentar ou deitar no colo do outro. Parágrafo único. Na reincidência do mesmo inciso ou ainda na infração de três incisos diferentes neste artigo, o aluno será submetido à medida disciplinar de grau maior, bem como as faltas leves deverão ser registradas em ficha individual do aluno. Art. 13º - São faltas disciplinares discentes médias passíveis de advertência escrita: I. Praticar atos atentatórios à dignidade moral dos colegas e servidores; II. Causar danos em bens pertencentes ao Campus ou propriedade alheia; III. Ausentar-se ou entrar no campus sem autorização ou identificação; IV. Omitir-se, sem justificativa, de programações esportivas, cívicas, artísticas e culturais no campus ou fora dele, quando o estiver representando; Página 6 de 10

7 V. Descumprir as tarefas escolares, sem justificativas previstas em lei; VI. Usar de meios ilícitos durante a realização de avaliações ou trabalhos escolares; VII. Usar de desonestidade para eximir-se das atividades escolares; VIII. Omitir ou distorcer informações quando solicitadas; IX. Agir de forma contrária aos bons usos e costumes em salas de aula e demais dependências do Campus, ou fora deste, quando em visitas técnicas ou atividades complementares, representando-o; X. Fumar em ambiente escolar; XI. Apresentar-se trajado com roupas não consideradas adequadas nos horários em que estejam sendo realizadas atividades pedagógicas, bem como quando estiver representando o IFTO; XII. Utilizar o telefone celular ou outro equipamento eletrônico nos horários de aula que interfira no bom andamento das atividades escolares; XIII. Fazer uso indevido de recursos tecnológicos (sites de relacionamentos, mensagens instantânea, sites, , etc.) que venham infringir o presente Regulamento; XIV. Coagir colegas a comprar rifa ou a participação em sorteios ou em jogos de azar ou a qualquer atitude contraria a sua vontade; XV. Facilitar ou permitir acesso de pessoas estranhas às dependências do Campus sem a devida autorização; Parágrafo Único Na reincidência no mesmo inciso ou ainda em dois incisos diferentes, o aluno será submetido à medida disciplinar de grau maior. Art. 14º - São faltas disciplinares discentes graves passíveis de desenvolvimento de atividades pedagógicas extracurriculares, suspensão ou perda do direito a bolsas ou auxílios, moradia condicional perda do direito da moradia estudantil ou afastamento do discente das atividades escolares: I. Tentativa de furto ou roubo; II. Tentativa de agressão física; III. Expor a perigo a vida ou a saúde de outrem; IV. Adentrar ao campus com sintomas de embriaguez; V. Praticar a retirada de equipamentos, produtos e outros, de qualquer setor, sem a prévia autorização do responsável pelo mesmo; VI. Usar de forma indevida o nome ou o símbolo do IFTO; VII. Plagiar, total ou parcialmente, obras literárias, artísticas, científicas, técnicas ou culturais; VIII. Promover eventos, usando o nome da Instituição, sem a devida autorização da Direção; Página 7 de 10

8 IX. Divulgar, por quaisquer meio, assuntos que envolvam direta ou indiretamente o nome do IFTO e servidores, sem autorização; X. Exigir para si ou para outrem vantagem indevida; XI. Utilizar pessoal ou recursos materiais do IFTO em serviços ou atividades particulares; XII. Apresentar, em nome próprio, trabalho que não seja de sua autoria; XIII. Acessar computadores, softwares, dados, informações, redes ou porções restritas do sistema computacional do IFTO, sem a devida autorização, prejudicando, sob qualquer forma, o seu normal funcionamento; XIV. Deixar de prestar assistência, quando possível fazê-lo sem risco pessoal, à pessoa ameaçada, constrangida ou exposta a iminente perigo, ou não pedir, nestes casos, o socorro da autoridade; XV. Usar, portar ou depositar bebidas alcoólicas nas dependências da Instituição; Parágrafo Único Na reincidência no mesmo inciso ou ainda em dois incisos diferentes, o aluno será submetido à medida disciplinar de grau maior. Art. 15º - São faltas disciplinares discentes gravíssimas: I. Portar ou usar qualquer espécie de arma; II. Subtrair ou tomar posse de objetos alheios; III. Usar, portar ou depositar entorpecentes, drogas ilícitas ou outras substâncias potencialmente perigosas, nas dependências da Instituição; IV. Agredir física ou moralmente a colegas ou servidores; V. Adulterar pareceres ou documentos; VI. Depredar o patrimônio público; VII. Violar as leis de proteção aos animais vigentes no país; VIII. Promover ou participar de atos de vandalismo; IX. Usar de maneira indevida os diferentes espaços do Campus colocando em risco a integridade própria e ou de terceiros; X. Aplicar trotes atentatórios à dignidade de colegas e servidores; XI. Usar barragens, rios, lagos e açudes do Campus e proximidades para banho, pescas ou outras atividades afins, sem autorização; XII. Praticar violência da qual resulte lesão corporal; XIII. Praticar atos ou gestos obscenos; XIV. Constranger alguém a fazer, tolerar que se faça ou deixar de fazer alguma coisa, mediante violência ou grave ameaça, e com o intuito de obter para si ou para outrem indevida vantagem; XV. Praticar, induzir ou incitar, por qualquer meio, a discriminação ou preconceito de gênero, raça, cor, etnia, religião, orientação sexual ou procedência; Página 8 de 10

9 XVI. Constranger alguém e ou práticar Bullying, ciberbullying no âmbito da Instituição; XVII.Valer-se do nome e símbolos do IFTO para lograr proveito pessoal ou de outrem; XVIII. Vender drogas ou substâncias entorpecentes nas dependências do IFTO; XIX. Descumprir as medidas disciplinares aplicadas em virtude de faltas graves ou gravíssimas; XX. Atentar intencionalmente a perigo a vida ou a saúde de outrem. Art. 16º - As medidas disciplinares serão aplicadas: I. Pelos Coordenadores ou pela Gerência de Ensino do Campus, nos casos de faltas leves; II. Pelos Coordenadores ou pela Gerência de Ensino nos casos de faltas médias; III. Pelo Diretor-Geral do campus nos casos de faltas graves e gravíssimas, respeitadas as sugestões da Comissão Disciplinar ou em caso de recurso as deliberações do Conselho do Campus. Art. 17º - Quando a falta disciplinar cometida pelo estudante for leve e média, cabe aos Coordenadores do Campus ao qual o discente está matriculado, a iniciativa de apuração e aplicação da medida disciplinar respectiva. Art. 18º - Quando a falta disciplinar cometida pelo estudante for grave ou gravíssima, cabe ao Coordenador e Gerência de Ensino encaminhar o caso para a Comissão Disciplinar Permanente, para os procedimentos formais relativos ao processo disciplinar discente. Art. 19º - Não havendo reincidência em faltas leves e médias o estudante retorna a condição de primariedade no prazo de 06 meses. No caso de faltas graves e gravíssimas o prazo será de 18 meses. CAPÍTULO VI DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 20º - O IFTO se exime da responsabilidade por qualquer fato que possa acontecer com o estudante fora de seus limites físicos, salvo quando o mesmo estiver representando a Instituição. Art. 21º - Os casos omissos, referentes ao presente Regulamento Disciplinar, serão analisados pelos Coordenadores e a Gerência de Ensino do Campus. Página 9 de 10

10 Art. 22º - O presente Regulamento passa a vigorar a partir da sua aprovação e homologação pela Gerência de Ensino do Campus. Parágrafo Único - Qualquer alteração no presente Regulamento fica sujeita a aprovação pela Comissão do Regimento Disciplinar e Gerência de Ensino do Campus. Dianópolis/TO, 30 de Abril de Página 10 de 10

REGULAMENTO DISCIPLINAR DISCENTE DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

REGULAMENTO DISCIPLINAR DISCENTE DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REGULAMENTO DISCIPLINAR DISCENTE DO Art. 1º O presente documento estabelece o regulamento disciplinar discente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha (IF Farroupilha), seus

Leia mais

Resolução 014/ Conselho Superior/28/07/2011. Órgão Emissor: Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense

Resolução 014/ Conselho Superior/28/07/2011. Órgão Emissor: Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense Resolução 014/2011 - Conselho Superior/28/07/2011. Órgão Emissor: Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense Ementa: Dispõe sobre o regulamento disciplinar discente

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS 2015 REGIME DISCIPLINAR DISCENTE DISTRIBUIÇÃO DE PONTOS APROVAÇÃO RECUPERAÇÃO REPROVAÇÃO SEGUNDA CHAMADA DE AVALIAÇÕES REVISÃO DOS RESULTADOS ELOIZA

Leia mais

C Ó D I G O D I S C I P L I N A R

C Ó D I G O D I S C I P L I N A R C Ó D I G O D I S C I P L I N A R VIGÊNCIA: 16 DE ABRIL DE 1998 ÍNDICE CÓDIGO DISCIPLINAR Da Identificação... 03 Da Comissão Disciplinar... 03 Do Regime Disciplinar... 03 Das Penalidades e suas aplicações...

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO CEPAE Nº 04 / 2015 RESOLUÇÃO DISCIPLINAR DO CEPAE/UFG TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

ANEXO À RESOLUÇÃO CEPAE Nº 04 / 2015 RESOLUÇÃO DISCIPLINAR DO CEPAE/UFG TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ANEXO À RESOLUÇÃO CEPAE Nº 04 / 2015 RESOLUÇÃO DISCIPLINAR DO CEPAE/UFG TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I Do Direito dos alunos e sua derivação Art. 1º Os direitos dos alunos derivam substancialmente

Leia mais

REGIME DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE

REGIME DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE REGIME DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE DOS OBJETIVOS E FINS Art. 1º O presente Regime tem por objetivo estabelecer as normas disciplinares do corpo discente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

REGULAMENTO DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE IFMG/GV PORTARIA Nº 017 DE 25 DE JUNHO DE 2012

REGULAMENTO DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE IFMG/GV PORTARIA Nº 017 DE 25 DE JUNHO DE 2012 REGULAMENTO DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE IFMG/GV PORTARIA Nº 017 DE 25 DE JUNHO DE 2012 Art. 1º. O presente documento estabelece o regulamento disciplinar discente do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

EDITAL N 06, DE 14 DE MARÇO DE ABERTURA DE PROCESSO ELEITORAL PARA O PREENCHIMENTO DE VAGAS DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CAMPUS RESTINGA

EDITAL N 06, DE 14 DE MARÇO DE ABERTURA DE PROCESSO ELEITORAL PARA O PREENCHIMENTO DE VAGAS DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CAMPUS RESTINGA EDITAL N 06, DE 14 DE MARÇO DE 2016. ABERTURA DE PROCESSO ELEITORAL PARA O PREENCHIMENTO DE VAGAS DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CAMPUS RESTINGA O Diretor-Geral do do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Regimento Disciplinar Discente

Regimento Disciplinar Discente Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Ibirubá Regimento Disciplinar Discente Ibirubá,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA ESCOLA TÉCNICA FEDERAL DE PALMAS REGULAMENTO DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA ESCOLA TÉCNICA FEDERAL DE PALMAS REGULAMENTO DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA ESCOLA TÉCNICA FEDERAL DE PALMAS REGULAMENTO DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE MAIO DE 2005 REGULAMENTO DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A UTILIZAÇÃO DAS BIBLIOTECAS DOS CAMPI DO IFES

ORIENTAÇÕES PARA A UTILIZAÇÃO DAS BIBLIOTECAS DOS CAMPI DO IFES ORIENTAÇÕES PARA A UTILIZAÇÃO DAS BIBLIOTECAS DOS CAMPI DO IFES As Bibliotecas dos campi do Instituto Federal do Espírito Santo (IFES) têm como missão atender os alunos, professores e servidores, fornecendo

Leia mais

CONSIDERANDO os princípios referendados na Declaração Universal dos Direitos Humanos;

CONSIDERANDO os princípios referendados na Declaração Universal dos Direitos Humanos; RESOLUÇÃO Nº 066-CONSELHO SUPERIOR, de 14 de fevereiro de 2012. REGULAMENTA A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RORAIMA IFRR. O PRESIDENTE DO

Leia mais

REGIMENTO DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE DO CAMPUS AVANÇADO DE IPATINGA IFMG CAPÍTULO I - REGIMENTO DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE

REGIMENTO DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE DO CAMPUS AVANÇADO DE IPATINGA IFMG CAPÍTULO I - REGIMENTO DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE REGIMENTO DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE DO CAMPUS AVANÇADO DE IPATINGA IFMG CAPÍTULO I - REGIMENTO DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE Art. 1º O presente documento estabelece o regimento disciplinar discente

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ CAMPUS MACAPÁ CAPÍTULO I DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ CAMPUS MACAPÁ CAPÍTULO I DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO CAPÍTULO I DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO Art. 1º O presente documento contém a Regulamentação que regem e orientam as condições de utilização dos Laboratórios de Informática. Art. 2º Ficam sujeitos a

Leia mais

Manual do. Representante. de Turma

Manual do. Representante. de Turma Manual do Representante de Turma DC 6029 Rev. 01 Apresentação Parabéns! Você foi eleito(a) representante de sua turma, o que demonstra o seu interesse em contribuir com os seus colegas e o Instituto Blumenauense

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 22-CEPE/UNICENTRO, DE 15 DE JUNHO DE 2012. Aprova o Regulamento de Normas e Utilização dos Laboratórios do Campus CEDETEG da UNICENTRO. O VICE-REITOR, NO EXERCÍCIO DO CARGO DE REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

CAPÍTULO I Das disposições preliminares

CAPÍTULO I Das disposições preliminares MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO CAMPUS CUIABÁ CEL. OCTAYDE JORGE DA SILVA REGIME DISCIPLINAR

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO RESOLUÇÃO Nº 06/2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO RESOLUÇÃO Nº 06/2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 06/2015 Ementa: estabelece sistemática para realização de Visitas Técnicas como atividade integrante dos componentes curriculares dos cursos oferecidos pelo IFPE O

Leia mais

COLÉGIO SÃO PAULO TERESÓPOLIS RJ

COLÉGIO SÃO PAULO TERESÓPOLIS RJ COLÉGIO SÃO PAULO TERESÓPOLIS RJ INFORMAÇÕES GERAIS PARA OS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL (ANO LETIVO DE 2015) 1 Horários Entrada: 7h e 10 minutos Saída: 11h e 55 min (cinco aulas) e 12h e 45 min (seis

Leia mais

RESOLUÇÃO/SED n , de 8 de dezembro de 2011.

RESOLUÇÃO/SED n , de 8 de dezembro de 2011. RESOLUÇÃO/SED n. 2.491, de 8 de dezembro de 2011. Dispõe sobre o Projeto de Implementação das Salas de Tecnologias Educacionais - STEs e a utilização das diversas tecnologias midiáticas nas unidades escola

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ-UEAP PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2016- PROEXT

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ-UEAP PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2016- PROEXT GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ-UEAP PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2016- PROEXT Dispõe sobre as normas para o acesso à quadra poliesportiva da Universidade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL JATAÍ CAPÍTULO I

REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL JATAÍ CAPÍTULO I REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL DA Este regimento estabelece as normas de organização e funcionamento dos Laboratórios do Curso de Engenharia Florestal da Universidade

Leia mais

NORMAS PARA REALIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA

NORMAS PARA REALIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO CAMPUS GUANAMBI Distrito de Ceraíma, s/n Zona Rural - CP 09 - CEP: 46430000

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE MONITORIA

REGULAMENTO GERAL DE MONITORIA CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ REGULAMENTO GERAL DE MONITORIA FAFIL/FAECO/FAENG Índice Capítulo I Das Finalidades 3 Capítulo II - Das Inscrições dos Alunos 3 Capítulo III - Dos critérios de

Leia mais

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE AUTOMAÇÃO E MODELAGEM DE SISTEMAS /01

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE AUTOMAÇÃO E MODELAGEM DE SISTEMAS /01 NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE AUTOMAÇÃO E MODELAGEM DE SISTEMAS 2016.1/01 QUANTO A MISSÃO DO LADAMS Art.01º A missão do LADAMS é oferecer aos alunos infraestrutura de suporte à execução

Leia mais

Determinação e tipificação da medida disciplinar

Determinação e tipificação da medida disciplinar Determinação e tipificação da medida disciplinar 1. Na determinação da medida corretiva ou medida disciplinar sancionatória a aplicar, deve ter-se em consideração a gravidade do incumprimento do dever

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE CLASSE

REGULAMENTO DO CONSELHO DE CLASSE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, SOCIAIS E AGRÁRIAS COLÉGIO AGRÍCOLA VIDAL DE NEGREIROS REGULAMENTO DO

Leia mais

DAS COORDENAÇÃO DE EIXO_TECNOLÓGICO

DAS COORDENAÇÃO DE EIXO_TECNOLÓGICO DAS COORDENAÇÃO DE EIXO_TECNOLÓGICO TÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES Art. 1 - À coordenação de eixo-tecnológico compete: I - Convocar e presidir as reuniões do Colegiado de Curso; II - Submeter à Coordenação

Leia mais

Art.2º O Laboratório de Ensino de Matemática (LABEMAT) tem por objetivos: I dar suporte ao desenvolvimento de disciplinas do curso de Licenciatura em

Art.2º O Laboratório de Ensino de Matemática (LABEMAT) tem por objetivos: I dar suporte ao desenvolvimento de disciplinas do curso de Licenciatura em INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS Campus Palmas Coordenação do Curso de Licenciatura em Matemática LABORATÓRIO DE ENSINO DE MATEMÁTICA LABEMAT REGULAMENTO 01/2015 Regulamento

Leia mais

Regimento Eleitoral do Grêmio Estudantil PAULO FREIRE em 2013

Regimento Eleitoral do Grêmio Estudantil PAULO FREIRE em 2013 Regimento Eleitoral do Grêmio Estudantil PAULO FREIRE em 2013 Título I Das disposições preliminares Art. 1º O presente regimento será aplicado pela Comissão Eleitoral no período das eleições para o Grêmio

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Campus de Rio Paranaíba - MG. Normas do Laboratório de Nutrição Experimental Curso de Nutrição (UFV/CRP)

Universidade Federal de Viçosa Campus de Rio Paranaíba - MG. Normas do Laboratório de Nutrição Experimental Curso de Nutrição (UFV/CRP) Universidade Federal de Viçosa Campus de Rio Paranaíba - MG Normas do Laboratório de Nutrição Experimental Curso de Nutrição (UFV/CRP) Rio Paranaíba Novembro 2012 1 CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º. O Laboratório

Leia mais

Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia

Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS REGIMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ZOOTECNIA CAPÍTULO I Das Atribuições

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CENTRO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO INTERNO TÍTULO I DO CENTRO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO TÍTULO II OBJETIVOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CENTRO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO INTERNO TÍTULO I DO CENTRO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO TÍTULO II OBJETIVOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CENTRO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO INTERNO TÍTULO I DO CENTRO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO Art.lº - O CEU - Centro Esportivo Universitário, Órgão suplementar da

Leia mais

NORMAS DO COLEGIADO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PARA REALIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS OBJETIVOS

NORMAS DO COLEGIADO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PARA REALIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS OBJETIVOS NORMAS DO COLEGIADO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PARA REALIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Estabelece as normas para desenvolver a atividade curricular Trabalho

Leia mais

Regulamento do Laboratório de Anatomia Humana do Curso de Graduação em Enfermagem do Centro Universitário Norte do Espírito santo - CEUNES

Regulamento do Laboratório de Anatomia Humana do Curso de Graduação em Enfermagem do Centro Universitário Norte do Espírito santo - CEUNES Regulamento do Laboratório de Anatomia Humana do Curso de Graduação em Enfermagem do Centro Universitário Norte do Espírito santo - CEUNES Dispõe sobre os deveres, responsabilidades e proibições referentes

Leia mais

Código Disciplinar - FMKI

Código Disciplinar - FMKI Código Disciplinar - FMKI DAS INFRACÕES DISCIPLINARES COMETIDAS PELAS ASSOCIAÇÕES Artigo 1 Constituem infrações disciplinares cometidas pelas Associações: I Desistir, deixar de comparecer depois de inscrito

Leia mais

Memorando Circular nº 01/2015/CPAC/PROEN Belém, 24 de novembro de Aos: Diretores Gerais e Diretores de Ensino dos campi do IFPA

Memorando Circular nº 01/2015/CPAC/PROEN Belém, 24 de novembro de Aos: Diretores Gerais e Diretores de Ensino dos campi do IFPA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO Memorando Circular nº 01/2015/CPAC/PROEN Belém, 24 de novembro de 2015

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS 2 CAPITULO II 2 DO COLEGIADO DOS CURSOS 2 CAPITULO III 3 MANDATOS DO COLEGIADO DO CURSO 3 CAPÍTULO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE Aprova Normas Específicas do Estágio Curricular

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA PORTARIA Nº 23, DE 28 DE AGOSTO DE 2014. Fixa e regulamenta as normas de conduta dos empregados e as regras para o funcionamento do COFECON. O PRESIDENTE DO CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso de suas

Leia mais

EDITAL Nº 13, DE 01 DE JULHO DE REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA NA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DO CAMPUS VACARIA DO IFRS

EDITAL Nº 13, DE 01 DE JULHO DE REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA NA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DO CAMPUS VACARIA DO IFRS EDITAL Nº 13, DE 01 DE JULHO DE 2016. REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA NA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DO CAMPUS VACARIA DO IFRS A Comissão Eleitoral Permanente, nomeada pela portaria 14/2016

Leia mais

REGULAMENTO DA ACADEMIA CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DA ACADEMIA CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DA ACADEMIA CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º. A Academia do IFG - Câmpus Anápolis constitui-se em um espaço educativo, vinculado à área de Educação Física, que por sua vez está subordinada

Leia mais

São direitos do Professor, além dos previstos na Consolidação das Leis do Trabalho e legislação complementar:

São direitos do Professor, além dos previstos na Consolidação das Leis do Trabalho e legislação complementar: - Do Corpo Docente: São direitos do Professor, além dos previstos na Consolidação das Leis do Trabalho e legislação complementar: 1. Utilizar-se dos recursos disponíveis na escola para atingir objetivos

Leia mais

ANEXO I NORMAS QUE REGULAMENTAM O FUNCIONAMENTO DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO AWANSHI NO CAMPUS DO PARICARANA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

ANEXO I NORMAS QUE REGULAMENTAM O FUNCIONAMENTO DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO AWANSHI NO CAMPUS DO PARICARANA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA ANEXO I NORMAS QUE REGULAMENTAM O FUNCIONAMENTO DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO AWANSHI NO CAMPUS DO PARICARANA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CAPÍTULO

Leia mais

Universidade Federal do Oeste do Pará PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA

Universidade Federal do Oeste do Pará PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA Universidade Federal do Oeste do Pará PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA 1. Quais são os requisitos para obtenção de bolsa monitoria? a) o discente deve estar regularmente matriculado no período letivo em

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente instrumento dispõe sobre as normas e procedimentos a serem observados

Leia mais

COLÉGIO SÃO PAULO TERESÓPOLIS - RJ INFORMAÇÕES GERAIS PARA OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO (ANO LETIVO DE 2015)

COLÉGIO SÃO PAULO TERESÓPOLIS - RJ INFORMAÇÕES GERAIS PARA OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO (ANO LETIVO DE 2015) COLÉGIO SÃO PAULO TERESÓPOLIS - RJ INFORMAÇÕES GERAIS PARA OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO (ANO LETIVO DE 2015) 1 Horários: Manhã (entrada): 7h e 10 min/saída: 12h e 45 min 2ª série na 2ª feira/saída: 13h e

Leia mais

REGULAMENTO DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE

REGULAMENTO DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE RIO DO SUL ESTRADA DO REDENTOR, 5665 BAIRRO CANTAGALO RIO DO SUL (SC) (47) 521 3700 eafrs@eafrs.gov.br REGULAMENTO DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE CAPÍTULO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/ CEFID

RESOLUÇÃO Nº 01/ CEFID RESOLUÇÃO Nº 01/2014 - CEFID Dispõe sobre as normas de funcionamento da Academia-Escola Dolermi Inês Gomes Bastiani. O Presidente do Conselho de Centro - CONCEFID do Centro do Ciencias da Saúde e Esporte

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE POLÍTICA ESTUDANTIL - SPE REGULAMENTO DO PROGRAMA BOLSA PERMANÊNCIA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE POLÍTICA ESTUDANTIL - SPE REGULAMENTO DO PROGRAMA BOLSA PERMANÊNCIA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE POLÍTICA ESTUDANTIL - SPE REGULAMENTO DO PROGRAMA BOLSA PERMANÊNCIA CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADE Art.1º - O presente Regulamento

Leia mais

Estado de Alagoas Prefeitura Municipal de São Miguel dos Campos Gabinete do Prefeito

Estado de Alagoas Prefeitura Municipal de São Miguel dos Campos Gabinete do Prefeito Projeto de Lei nº, de de de 2016. Institui o Fórum Municipal de Educação de São Miguel dos Campos e adota outras providências. O Prefeito do Município de São Miguel dos Campos, Estado de Alagoas, no uso

Leia mais

Regulamento do Laboratório de Pesquisas Avançadas em Matemática Industrial - LPMI TÍTULO I DOS OBJETIVOS E USUÁRIOS. CAPÍTULO I Dos Objetivos

Regulamento do Laboratório de Pesquisas Avançadas em Matemática Industrial - LPMI TÍTULO I DOS OBJETIVOS E USUÁRIOS. CAPÍTULO I Dos Objetivos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL CATALÃO UNIDADE ACADÊMICA ESPECIAL DE MATEMÁTICA E TECNOLOGIA Regulamento do Laboratório de Pesquisas Avançadas em Matemática Industrial -

Leia mais

D E C R E T A: Fica aprovado o Regimento Interno do Centro de Atendimento à Mulher do Município de Dourados, constante no anexo único, deste decreto.

D E C R E T A: Fica aprovado o Regimento Interno do Centro de Atendimento à Mulher do Município de Dourados, constante no anexo único, deste decreto. DECRETO N 1188, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2012. Homologa o regimento interno do Regimento Interno do Centro de Atendimento à Mulher. O PREFEITO MUNICIPAL DE DOURADOS, Estado de Mato Grosso do Sul, no uso das

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO RESOLUÇÃO N 4.056, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO RESOLUÇÃO N 4.056, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO RESOLUÇÃO N 4.056, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2013 Dispõe sobre as NORMAS DO PROCESSO DE CONSULTA À COMUNIDADE DA UNIRIO PARA INDICAÇÃO DE DIRIGENTES

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA. CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA. CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria Art. 1º - Entende-se por Monitoria, uma modalidade de ensino e aprendizagem que contribui para a formação integrada

Leia mais

TCC Trabalho de Conclusão de Curso Engenharia Civil Coordenação: Profa. Tatiana Jucá

TCC Trabalho de Conclusão de Curso Engenharia Civil Coordenação: Profa. Tatiana Jucá TCC Trabalho de Conclusão de Curso Engenharia Civil 2016-1 Coordenação: Profa. Tatiana Jucá 2/54 Pauta de hoje Apresentação da equipe de coordenação de TCC Datas importantes e documentação válida para

Leia mais

Normas e Procedimentos Escolares Ensino Fundamental I

Normas e Procedimentos Escolares Ensino Fundamental I Normas e Procedimentos Escolares Ensino Fundamental I Buscando a plena qualidade no processo ensino-aprendizagem e possibilitando um melhor acompanhamento da vida escolar de seus filhos, procuramos especificar

Leia mais

REGULAMENTO PARA JUSTIFICATIVA, ABONO DE FALTAS E EXERCÍCIOS DOMICILIARES

REGULAMENTO PARA JUSTIFICATIVA, ABONO DE FALTAS E EXERCÍCIOS DOMICILIARES REGULAMENTO PARA JUSTIFICATIVA, ABONO DE FALTAS E EXERCÍCIOS DOMICILIARES Estabelece os procedimentos para justificativa, abono de faltas e exercícios domiciliares dos estudantes regularmente matriculados

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA BOLETIM DE SERVIÇO UNIDADE: Campus Avançado Cristalina Nº: 03/2016 DATA: 31/03/2016 2016 MINISTRO DA EDUCAÇÃO Aloizio Mercadante

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE CONSELHO DIRETOR RESOLUÇÃO Nº. 38, de 22 de novembro de 2006. O CONSELHO DIRETOR DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

Leia mais

Regulamento Laboratórios de Informática

Regulamento Laboratórios de Informática Regulamento Laboratórios de Informática Governador Valadares 2015 Este Regulamento visa melhorar o aproveitamento dos recursos computacionais dos Laboratórios de Informática, satisfazendo ao máximo às

Leia mais

NORMATIVA DE AVALIAÇÃO NOS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO DO IF CATARINENSE CÂMPUS ARAQUARI CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO ENSINO

NORMATIVA DE AVALIAÇÃO NOS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO DO IF CATARINENSE CÂMPUS ARAQUARI CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NORMATIVA DE AVALIAÇÃO NOS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO DO IF CATARINENSE CÂMPUS ARAQUARI Estabelece e regulamenta o processo de avaliação nos Cursos Técnicos de Nível Médio nas formas Integrado e Subsequente

Leia mais

RESOLUÇÃO N 008/2013

RESOLUÇÃO N 008/2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA (UNILA) CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 008/2013 Regulamenta as Atividades Acadêmicas Complementares nos cursos de graduação

Leia mais

Normas para realização do Estágio Supervisionado do Curso de. Graduação em Engenharia Ambiental e Sanitária

Normas para realização do Estágio Supervisionado do Curso de. Graduação em Engenharia Ambiental e Sanitária UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA Normas para realização do Estágio Supervisionado do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental e Sanitária Lavras 2013 INTRODUÇÃO

Leia mais

Dispõe acerca das atividades dos docentes no âmbito do Instituto Federal da Bahia

Dispõe acerca das atividades dos docentes no âmbito do Instituto Federal da Bahia Resolução XX, de XX de 2016 PROPOSTA REGULAMENTO Dispõe acerca das atividades dos docentes no âmbito do Instituto Federal da Bahia O PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA

Leia mais

PORTARIA REITORIA Nº. 387, DE 06 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA REITORIA Nº. 387, DE 06 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA REITORIA Nº. 387, DE 06 DE SETEMBRO DE 2012 O Reitor da Universidade Federal de Ouro Preto, no uso de suas atribuições legais, conferidas pelo Decreto de 15 de janeiro de 2009, publicado no Diário

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001/2013 DO COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

RESOLUÇÃO Nº 001/2013 DO COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA RESOLUÇÃO Nº 001/2013 DO COLEGIADO DO Regulamenta o funcionamento das disciplinas Projeto Integrado de Prática Educativa (PIPE) 1 e 2 Estágio Supervisionado 1 e 2 como atividades planejadas do Curso. O

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ RESOLUÇÃO Nº 01/2017-SPA, DE 23 DE MARÇO DE 2017

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ RESOLUÇÃO Nº 01/2017-SPA, DE 23 DE MARÇO DE 2017 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ RESOLUÇÃO Nº 01/2017-SPA, DE 23 DE MARÇO DE 2017 Estabelece a Política de uso dos Laboratórios de Informática da UFPR - Setor Palotina O CONSELHO SETORIAL DO SETOR PALOTINA

Leia mais

Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais Alves Fortes MANUAL COORDENADOR

Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais Alves Fortes MANUAL COORDENADOR MANUAL DO COORDENADOR COLABORADORES Prof.ª Rogéria Aparecida de Souza Oliveira Prof. Allan Lima Ferreira Prof. Roque Hudson da Silveira Resolução Direção/FACE nº 12, de 01 de Janeiro de 2010. Regula o

Leia mais

Edital nº 008/2011 Programa de Atividades Extracurriculares Remuneradas

Edital nº 008/2011 Programa de Atividades Extracurriculares Remuneradas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA Edital nº 008/2011 Programa de Atividades Extracurriculares Remuneradas

Leia mais

REGULAMENTO LABORATÓRIO DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL FACULDADES ESEFAP

REGULAMENTO LABORATÓRIO DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL FACULDADES ESEFAP REGULAMENTO LABORATÓRIO DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL FACULDADES ESEFAP Tupã, SP 2016 REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL Define as normas internas de utilização do Laboratório de Avaliação

Leia mais

RESOLUÇÃO 01/ TGP

RESOLUÇÃO 01/ TGP UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA - SEPT COORDENAÇÃO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO PÚBLICA REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO - CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO

Leia mais

Art. 1º o Laboratório de Biodinâmica de ESEF-UPE tem os seguintes objetivos: I - Permitir o desenvolvimento de atividades de pesquisa;

Art. 1º o Laboratório de Biodinâmica de ESEF-UPE tem os seguintes objetivos: I - Permitir o desenvolvimento de atividades de pesquisa; RESOLUÇÃO DO CGAA-ESEF Nº 03/2011. EMENTA: Normatiza a utilização do Laboratório de Biodinâmica de ESEF-UPE. O Conselho de Gestão Acadêmica e Administrativa da Escola Superior de Educação Física da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM 2015 I. DOS OBJETIVOS DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM 1. Auxiliar o aluno na introdução das práticas experimentais das disciplinas específicas de

Leia mais

Documento apreciado e aprovado pelo CAEX como lavrado em Ata. 1

Documento apreciado e aprovado pelo CAEX como lavrado em Ata. 1 RESOLUÇÃO DO CONSELHO ACADÊMICO DE EXTENSÃO REGULAMENTO PARA OS CURSOS DE EXTENSÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO DE JANEIRO CAPÍTULO I CARACTERIZAÇÃO Art.1º - Os Cursos

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Sociais Aplicadas

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Sociais Aplicadas RESOLUÇÃO Nº 122/2013-CI/CSA CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 30/10/2013. Samarina de Abreu Bonatto, Secretária. Aprova a o Novo Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DA ACADEMIA DE GINÁSTICA

REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DA ACADEMIA DE GINÁSTICA REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DA ACADEMIA DE GINÁSTICA 2015 I. DOS OBJETIVOS DA ACADEMIA DE GINÁSTICA 1. Auxiliar o aluno na introdução das práticas experimentais das disciplinas específicas da área das

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA Rua Esmeralda, 430 Faixa Nova Camobi CEP Santa Maria/RS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA Rua Esmeralda, 430 Faixa Nova Camobi CEP Santa Maria/RS (minuta do) REGULAMENTO DE MOBILIDADE ACADÊMICA Dispõe sobre as normas e procedimentos para a mobilidade acadêmica, nacional e internacional, de estudantes do Instituto Federal Farroupilha. O Instituto

Leia mais

Regulamento para inscrição na 11ª Semana da Música de Ouro Branco

Regulamento para inscrição na 11ª Semana da Música de Ouro Branco Regulamento para inscrição na 11ª Semana da Música de Ouro Branco 1. Inscrições e seleção 1.1 Para efetuar a inscrições para a 11ª Semana da Música de Ouro Branco, o candidato deverá acessar o site www.semanadamusica.com;

Leia mais

PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012

PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COLÉGIO PEDRO II PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012 Redefine as atribuições dos Chefes de Departamentos Pedagógicos e dos Coordenadores Pedagógicos/ Responsáveis por Coordenação

Leia mais

TRABALHO DE GRADUAÇÃO INTERDISCIPLINAR REGULAMENTO

TRABALHO DE GRADUAÇÃO INTERDISCIPLINAR REGULAMENTO COORDENAÇÃO DE TGI TRABALHO DE GRADUAÇÃO INTERDISCIPLINAR REGULAMENTO SÃO PAULO JUNHO DE 2007 CAPÍTULO 1 DA CONCEITUAÇÃO Art. 1º - O Trabalho de Graduação Interdisciplinar (TGI), atividade obrigatória

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Praia Grande São Paulo Dezembro de 2008 CAPÍTULO I DA NATUREZA Artigo 1º O presente regulamento tem como objetivo normatizar as atividades relacionadas com o estágio

Leia mais

REGULAMENTO E POLÍTICAS DE FUNCIONAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO E POLÍTICAS DE FUNCIONAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA FACULDADE LUCIANO FEIJÃO REGULAMENTO E POLÍTICAS DE FUNCIONAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA ÍNDICE CAPÍTULO I... 1 DAS NORMAS, PROCEDIMENTOS E OBJETIVOS GERAIS... 1 CAPÍTULO II... 2 DO FUNCIONAMENTO...

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 007, DE 21 DE MARÇO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 007, DE 21 DE MARÇO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 007, DE 21 DE MARÇO DE 2013. Revoga ad referendum a Resolução nº 003/2011 que estabelece os procedimentos para justificativa, abono de faltas e exercícios domiciliares dos estudantes regularmente

Leia mais

REGULAMENTO DO COMPONENTE: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO

REGULAMENTO DO COMPONENTE: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO REGULAMENTO DO COMPONENTE: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º O componente Estágio Curricular Supervisionado em Biotecnologia éparte integrante do currículo pleno do

Leia mais

Normas para realização do Estágio Supervisionado do Curso de Graduação em Engenharia de Alimentos

Normas para realização do Estágio Supervisionado do Curso de Graduação em Engenharia de Alimentos UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS Normas para realização do Estágio Supervisionado do Curso de Graduação em Engenharia de Alimentos Lavras 2014 INTRODUÇÃO Art. 1º. O Estágio

Leia mais

DECISÃO Nº 265/2009 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno do Instituto de Informática, como segue:

DECISÃO Nº 265/2009 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno do Instituto de Informática, como segue: CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 265/2009 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 17/7/2009, tendo em vista o constante no processo nº 23078.004276/99-63, de acordo com o Parecer nº 213/2009 da

Leia mais

ESTATUTO DISCIPLINAR DOS COLÉGIOS DA REDE VERZERI

ESTATUTO DISCIPLINAR DOS COLÉGIOS DA REDE VERZERI ESTATUTO DISCIPLINAR DOS COLÉGIOS DA REDE VERZERI Porto Alegre, RS, outubro de 2010. 1 ESTATUTO DISCIPLINAR CAPÍTULO I Disposições Gerais O presente instrumento estabelece o Estatuto Disciplinar do Corpo

Leia mais

UFRJ REGIMENTO GERAL PARTE IV TÍTULO V DO REGIME DISCIPLINAR CAPÍTULO I DA INTRODUÇÃO

UFRJ REGIMENTO GERAL PARTE IV TÍTULO V DO REGIME DISCIPLINAR CAPÍTULO I DA INTRODUÇÃO UFRJ REGIMENTO GERAL PARTE IV TÍTULO V DO REGIME DISCIPLINAR CAPÍTULO I DA INTRODUÇÃO Art. 279 - O Regime Disciplinar da Universidade Federal do Rio de Janeiro é regido pelas normas especificadas neste

Leia mais

Seminário de Formação para Coordenadores de Curso de Graduação - UNIPAMPA 1º e 2 de fevereiro de 2011 BAGÉ

Seminário de Formação para Coordenadores de Curso de Graduação - UNIPAMPA 1º e 2 de fevereiro de 2011 BAGÉ Seminário de Formação para Coordenadores de Curso de Graduação - UNIPAMPA 1º e 2 de fevereiro de 2011 BAGÉ Profa. Dra. Cecilia Luiza Broilo clbroilo@gmail.com Dinâmica de Trabalho Primeiro momento: apresentação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA. CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 73 DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA. CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 73 DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA. CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 73 DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013 Estabelece o Código Disciplinar Discente do Instituto Federal

Leia mais

CONSELHO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA COMISSÃO DE ESTÁGIO REGULAMENTO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

CONSELHO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA COMISSÃO DE ESTÁGIO REGULAMENTO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA REGULAMENTO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES ARTIGO 1º - Considera-se Estágio Curricular, o conjunto de atividades de aprendizagem social, profissional

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º /CS-IFB

RESOLUÇÃO N.º /CS-IFB RESOLUÇÃO N.º 015-2016/CS-IFB Aprova o Regulamento Discente do Instituto Federal de Brasília. O PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA IFB, nomeado pelo Decreto de 05 de maio

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS - IFNMG CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

REGIMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS - IFNMG CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA REGIMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO - IFNMG CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) é o órgão responsável por gerir a política de propriedade

Leia mais

CAPÍTULO I DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS GERAIS

CAPÍTULO I DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS GERAIS NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE TOPOGRAFIA E GEODÉSIA CAPÍTULO I DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS GERAIS Art. 1º - Este Regulamento normatiza o uso e funcionamento do Laboratório de Topografia e Geodésia

Leia mais

EMENTA: APROVA A PROPOSTA DE REGULAMENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DO PROJETO DE AÇÕES COMUNITÁRIAS.

EMENTA: APROVA A PROPOSTA DE REGULAMENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DO PROJETO DE AÇÕES COMUNITÁRIAS. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 028/06-CONSU/UNIFAP de 29 de setembro de 2006. EMENTA: APROVA A PROPOSTA DE REGULAMENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DO

Leia mais

Normas e Procedimentos Escolares Educação Infantil

Normas e Procedimentos Escolares Educação Infantil Normas e Procedimentos Escolares Educação Infantil Buscando a plena qualidade no processo ensino-aprendizagem e possibilitando um melhor acompanhamento da vida escolar de seus filhos, procuramos especificar

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO

CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO CAPÍTULO I - DA DEFINIÇÃO DO ESTÁGIO Artigo 01 - O Estágio Supervisionado constitui disciplina obrigatória do Currículo dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

Orientação Normativa nº 01/2013-PROEN/IF Sudeste MG

Orientação Normativa nº 01/2013-PROEN/IF Sudeste MG Orientação Normativa nº 01/2013-PROEN/IF Sudeste MG Estabelece procedimentos para exercer o regime de exercícios domiciliares, faltas por convicções religiosas e faltas coletivas no âmbito do Instituto

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI CIMATEC Regulamento Disciplinar do Corpo Discente

Faculdade de Tecnologia SENAI CIMATEC Regulamento Disciplinar do Corpo Discente Faculdade de Tecnologia SENAI CIMATEC Regulamento Disciplinar do Corpo Discente Regulamenta as Normas Disciplinares do Corpo Discente da Faculdade de Tecnologia SENAI CIMATEC. Salvador - Bahia 2016 1 CAPÍTULO

Leia mais