Informação para Profissionais de Saúde e Distribuidores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Informação para Profissionais de Saúde e Distribuidores"

Transcrição

1 1 Informação para Profissionais de Saúde e Distribuidores FIBROSE SISTÊMICA NEFROGÊNICA: UMA DOENÇA RARA E DEBILITANTE POSSIVELMENTE ASSOCIADA A QUELATOS GADOLÍNICOS Villepinte, 21 de Fevereiro de 2012 Qualquer nova informação relevante (como publicação de resultados de novos estudos ou resultados de investigações de um caso de farmacovigilância) podem justificar a publicação de uma versão atualizada deste documento. O que é Fibrose Sistêmica Nefrogênica (FSN)? A FSN foi reconhecida pela primeira vez em 1997 em 15 pacientes dialisados e descrita em 2000 (1). Esta doença rara e altamente debilitante se caracteriza por extenso espessamento e endurecimento da pele associado com pápulas eritematosas que coalescem em placas amarronzadas com aspecto de casca de laranja. Nódulos são descritos em alguns casos. Pode haver contraturas nas regiões articulares levando o paciente progressivamente à dependência de cadeira de rodas. Os pacientes frequentemente se queixam de prurido e dores agudas (2). As extremidades distais são as áreas mais frequentemente afetadas (distribuindo-se se entre os tornozelos e porção média das coxas e entre os punhos e a porção superior dos braços), seguidas pelo tronco. As lesões são tipicamente simétricas. É interessante notar que o rosto e pescoço quase nunca são envolvidos (3). A FSN sempre ocorre em pacientes com doença renal crônica severa ou em estágio terminal (etfg < 30 ml/min/1.73 m 2 ) (1-3), geralmente naqueles que necessitam de diálise. (2) A FSN pode ocorrer em todas as faixas etárias e não existe predileção por região geográfica, raça ou sexo.

2 2 Ainda não existe um tratamento reconhecidamente eficaz para a FSN. Foi sugerido que a melhoria da função renal pode reduzir o avanço da doença e em alguns casos, reverter seu curso (2). O mecanismo desta patologia altamente debilitante permanece desconhecido. A literatura atual sugere uma etiologia multifatorial (4). Até o momento, vários fatores foram apontados como frequentemente associados com o desenvolvimento de FSN (Tabela 1): Tabela 1 Fatores reconhecidamente ou possivelmente associados a FSN Falência renal grave ou terminal (1-3) Altas doses cumulativas de quelatos gadolínicos (5) Altas doses de eritropoietina (5,6) Níveis altos de fostafo sérico (5) Níveis altos de cálcio sérico (5) Eventos inflamatórios coexistentes (cirurgias, infecção, eventos vasculares) (7) Mobilização de ferro (4) Acidose metabólica (8) (em discussão 7,9 ) História de hipotireoidismo (10) História de trombose venosa profunda (10) Baixa idade (10) Em 2006, dois grupos europeus independentes sugeriram uma relação entre a administração de complexos gadolinicos usados como meio de contraste em ressonância magnética (RM) e a ocorrência de FSN em pacientes com insuficiência renal (8,9). Várias análises retrospectivas rapidamente se seguiram e confirmaram esta relação (7, 11-13). O tempo para o início dos sintomas varia de alguns dias a alguns anos após a exposição ao complexo gadolínico. A maioria dos casos publicados ocorreu em até 3 meses (2).

3 3 A relação entre meios de contraste gadolínicos e FSN é considerada provável (8,9,14,15 e 16) e o conhecimento desta reação adversa potencial aos complexos gadolínicos é um requisito fundamental para radiologistas e especialistas que lidam com pacientes com doença renal crônica estágio 4 e 5. Posição Atual das Autoridades de Saúde Européias Em Fevereiro de 2007, o Grupo Europeu de Trabalho em Farmacovigilância (European Pharmacovigilance Working Party - PhVWP) da Agência Européia de Medicamentos (European Medicines Agency - EMEA) inicialmente aconselhou a todos os detentores de registro de meios de contraste a acrescentarem avisos sobre a possibilidade de ocorrência de FSN com uso de quelatos gadolínicos nas bulas oficiais. Existem duas categorias reconhecidas de complexos gadolínicos: moléculas macrocíclicas nas quais o Gd3+ está encapsulado em uma cavidade pré-estabelecida no complexo (15) e as moléculas de cadeia aberta linear (15). Complexos gadolínicos diferem em sua estabilidade termodinâmica e em sua estabilidade cinética. De modo geral, os estudos pré-clínicos e em ex-vivo sugeriram que as moléculas macrocíclicas são mais estáveis que as moléculas lineares (17-21). Em dezembro de 2007, o Comitê Científico (Scientific Advisory Group SAG) da Comissão para Produtos Médicos de uso Humano (CHMP - Committee for Medicinal Products for Human Use) concordou com o PhVWP que o risco de desenvolver FSN depende do tipo de agente de contraste gadolínico, e orientou para que estes agentes fossem categorizados em três grupos: Alto risco: gadoversetamida (OptiMARK ), gadodiamida (Omniscan ) e ácido gadopentético (Magnevistan, Magnegita, e Gado-MRT-ratiopharm ); Médio risco: gadofosveset (Vasovist ), ácido gadoxético (Primovist ) e ácido gadobénico (MultiHance ); Baixo risco: ácido gadotérico (Dotarem ), gadoteridol (ProHance ) e gadobutrol (Gadovist ).

4 4 Em Novembro de 2008 o CHMP realizou uma avaliação do risco de FSN com os agentes de contraste gadolínicos autorizados e recomendou medidas que poderiam ser tomadas para reduzir este risco. O parecer final do CHMP foi emitido em Novembro de 2009 e ratificado por uma Comissão Européia em Julho de As conclusões confirmaram a classificação das substâncias ativas em três categorias de riscos, e o CHMP emitiu recomendações para os diferentes agentes de acordo com a sua classificação de risco (Tabela 2). A CHMP recomendou que as informações para prescrição de todos os agentes de contraste gadolínicos devem incluir um aviso de que o tipo e a dose do agente de contraste utilizado devem ser registrados. Por esta razão, devem ser adotadas etiquetas adesivas removíveis nos frascos e seringas. Finalmente, o CHMP aconselhou que estudos devem ser realizados com o objetivo de avaliar o potencial de retenção de gadolínio nos ossos a longo prazo. Além disso, uma revisão cumulativa de casos de FSN deve ser submetida anualmente durante 3 anos. A avaliação do CHMP em 2011 na revisão cumulativa dos casos relacionadas com ácido gadotérico (Dotarem ) confirma a classificação do produto na classe de baixo risco, e endossa a avaliação da causalidade dos casos reportados, como informado pela Guerbet.

5 5 Tabela 2 Contra-indicações e precauções revisadas para uso de agentes de contraste gadolínicos (CHMP 2010) Classe de risco BAIXO RISCO: MÉDIO RISCO: ALTO RISCO: Dotarem, ProHance Gadovist Primovist, Vasovist, MultiHance Omniscan, Optimark, Magnevist Gravidez Não recomendado, a não ser que a avaliação do risco versus benefício seja favorável Amamentação Continuação ou suspensão por 24h de acordo com a decisão da mãe Descontinuação por pelo menos 24h (em acordo com o médico) Insuficiência Renal (IR), Precaução em IR severa e Devem ser evitados em IR severa e Contra-indicados em IR severa e transplantados transplante hepático, diálise transplantados hepáticos.: usar transplantados hepáticos. hepáticos dose diagnóstica mínima e Se utilizados, usar dose diagnóstica Utilizar com precaução em IR moderada, de intervalo mínimo de 7 dias entre mínima e intervalo mínimo de 7 dias acordo com a relação risco versus benefício: aplicações. entre aplicações usar dose diagnóstica mínima e intervalo mínimo de 7 dias entre aplicações Não existem evidências que suportem o uso de hemodiálise para prevenção ou tratamento de FSN em pacientes que não estejam previamente em diálise. Pode ser útil em pacientes previamente em diálise. População pediátrica Precaução em recém-nascidos: usar dose diagnóstica mínima e intervalo Contra-indicados em recém-nascidos < 4 mínimo de 7 dias entre aplicações. semanas. Precauções em crianças < 1 ano: usar dose diagnóstica mínima e intervalo mínimo de 7 dias entre aplicações. Pacientes idosos Avaliar pacientes > 65 anos para possibilidade de insuficiência renal Avaliação da função renal Recomendados testes laboratoriais para investigar insuficiência renal Mandatórios testes laboratoriais para investigar insuficiência renal em todos os pacientes

6 6 Posição atual das Autoridades de Saúde dos EUA (FDA) Em 2006 o FDA alertou o público sobre casos de FSN reportados em pacientes que receberam quelatos gadolínicos. Em 2007, o FDA exigiu a adição de um aviso sobre o risco de FSN nas bulas dos agentes gadolínicos. Em Dezembro de 2009 a segurança dos quelatos gadolínicos foi revista durante uma reunião da Comissão de Drogas Cardiovasculares e Renais e do Comitê de Avaliação de Risco. Em seguida, em Setembro de 2010, o FDA emitiu um Anúncio de Segurança determinando novas alterações nas bulas dos quelatos gadolínicos, aproximando-se mais daquelas exigidas pelas Autoridades de Saúde Européias. Quelatos gadolínicos de alto risco (Optimark, Omniscan, Magnevist ) são contraindicados em pacientes com insuficiência renal aguda (IRA) ou doença renal crônica severa. Além disso, o FDA recomendou a avaliação de insuficiência renal utilizando história clínica e testes laboratoriais. O uso de quelatos gadolínicos deve ser evitado em pacientes com deficiência de eliminação de drogas, exceto se seu uso for necessário. Neste caso, sinais e sintomas de FSN devem ser monitorados após a administração. A administração de quelatos gadolínicos não deve ser repetida em uma mesma sessão. Dotarem não possui registro nos EUA.

7 7 Dados de Farmacovigilância da Guerbet A Guerbet comercializa o gadoterato de meglumina (Dotarem ), um complexo macrocíclico iônico associado a alta estabilidade cinética e termodinâmica (15-19). O departamento internacional de famacovigilância da Guerbet gerencia os eventos adversos reportados com relação à administração de Dotarem em conformidade com as normas regulamentares sobre os relatórios de farmacovigilância ; em particular o Volume 9A das Regras para Produtos de Medicina da União Européia Diretrizes em Farmacovigilância para Produtos Médicos para Uso Humano Setembro de Para cada caso notificado como FSN e com base nas informações disponíveis, a Guerbet avaliou a relevância do diagnóstico de FSN e da causalidade do Dotarem : Relevância do diagnóstico de FSN através de uma pontuação clínicopatológica desenvolvida pela Universidade de Yale (EUA) e publicada por Girardi et al (22) com base em seus registros de mais de 250 casos, e no diagnóstico diferencial da doença; a causalidade de Dotarem considerando as informações disponíveis e a falta delas nos históricos médicos do paciente, em particular a função renal, a injeção somente de Dotarem (caso de agente único) ou outros quelatos gadolínicos (caso de múltiplos agentes), a cronologia tanto das injeções quanto dos eventos clínicos, biológicos e das imagens, além de outros possíveis fatores causais, tais como eventos pró-inflamatórios. Em relação à FSN, a Guerbet recebeu até hoje 15 (quinze) relatos medicamente confirmados de pacientes que desenvolveram sinais clínicos que permitem a hipótese diagnóstica de FSN e que receberam Dotarem, entre mais de 25 milhões de pacientes que receberam o produto, e mais de 850 casos relatados de FSN em todo o mundo (fonte: Agência Européia de Medicamentos, 2010). Com base nas informações disponíveis, o diagnóstico da FSN é confirmado ou consistente de acordo com a pontuação de Girardi em apenas 1 / 3 dos casos relatados, e a causalidade do Dotarem é duvidosa em todos os casos (Tabela 3). Em todos os casos a administração de Dotarem precede os primeiros sintomas, com exceção de um paciente que desenvolveu FSN após a injeção de quelatos gadolínicos lineares e no qual o agravamento da doença se deu depois após uma série de ARM com Dotarem em um contexto de degradação da função renal devido à rejeição do enxerto.

8 8 Tabela 3 Casos de FSN reportados de pacientes que usaram Dotarem Mais de 25 milhões de doses vendidas 15 casos reportados de FSN (todos os casos i.e. profissionais da saúde,autoridades, literatura) 5 confirmados ou muito prováveis de FSN Confirmado ou diagnóstico consistente (Pontuação de Girardi), informações suficientes para afastar os diagnósticos diferenciais 10 não confirmados ou duvidosos de FSN Devido à falta de informações a pontuação de de Girardi não pôde ser aplicada e / ou o diagnóstico diferencial não pode ser descartado 0 Caso de 5 Casos de 0 Caso não 1 Caso de 8 Casos de 1 Caso não agente único agentes múltiplos Qualificável* agente único agentes múltiplos Qualificável* * Não qualificável = complexo gadolínico inespecífico administrado em adição ao Dotarem Posicionamento da Guerbet A Guerbet contribui significativamente para melhorar o diagnóstico das principais áreas (doenças cardiovasculares, câncer, doenças inflamatórias e neurodegenerativas). Estamos absolutamente comprometidos com a oferta a radiologistas, cardiologistas e profissionais da saúde, de uma gama de meios de contraste eficazes e inovadores que permitam o melhor diagnóstico de seus pacientes. Um extenso programa de pesquisas está em andamento na Guerbet e também em cooperação com centros acadêmicos reconhecidos, para melhor compreender o mecanismo da FSN e estudar detalhadamente o papel das propriedades físico-químicas dos complexos gadolínicos em sua patogênese. O programa de pesquisas inclui uma análise prospectiva da segurança de Dotarem. Estamos em plena e transparente cooperação com as Autoridades de Saúde para assuntos de Farmacovigilância. Agir no melhor interesse dos pacientes é um princípio fundamental da Guerbet. Isto é e seguirá sendo particularmente verdadeiro no caso da FSN.

9 9 Mais informações sobre FSN e complexos gadolínicos European Medicines Agency (EMA) US Food and Drug Administration (FDA) European Society of Urogenital Radiology (ESUR) International Center for Nephrogenic Fibrosing Dermopathy Research (ICNFDR) (Yale University) American College of Radiology (ACR) Referências 1. Cowper SE, Robin HS, Steinberg SM, Su LD, Gupta S, LeBoit PE. Scleromyxoedemalike cutaneous diseases in renal-dialysis patients. Lancet 2000; 356: Cowper SE, Kuo PH, Bucala R. Nephrogenic systemic fibrosis and gadolinium exposure: association and lessons for idiopathic fibrosing disorders. Arthritis Rheum 2007; 56: Galan A, Cowper SE, Bucala R. Nephrogenic systemic fibrosis (nephrogenic fibrosing dermopathy). Curr Opin Rheumatol 2006; 18: Swaminathan S, Shah SV. New insights into nephrogenic systemic fibrosis. J Am Soc Nephrol 2007; 18: Marckmann P, Skov L, Rossen K, Heaf JG, Thomsen HS. Case-control study of gadodiamide-related nephrogenic systemic fibrosis. Nephrol Dial Transplant 2007; 22:

10 10 6. Swaminathan S, Ahmed I, McCarthy JT, Albright RC, Pittelkow MR, Caplice NM, Griffin MD, Leung N. Nephrogenic fibrosing dermopathy and high-dose erythropoietin therapy. Ann Intern Med 2006; 145: Sadowski EA, Bennett LK, Chan MR, Wentland AL, Garrett AL, Garrett RW, Djamali A. Nephrogenic systemic fibrosis: risk factors and incidence estimation. Radiology 2007; 243: Grobner T. Gadolinium: a specific trigger for the development of nephrogenic fibrosing dermopathy and nephrogenic systemic fibrosis? Nephrol Dial Transplant 2006; 21: Marckmann P, Skov L, Rossen K, Dupont A, Damholt MB, Heaf JG, Thomsen HS. Nephrogenic systemic fibrosis: suspected causative role of gadodiamide used for contrastenhanced magnetic resonance imaging. J Am Soc Nephrol 2006; 17: Kallen AJ, Jhung MA, Cheng S, Hess T, Turabelidze G, Abramova L, Arduino M, Guarner J, Pollack B, Saab G, Patel PR. Gadolinium-containing magnetic resonance imaging contrast and nephrogenic systemic fibrosis: a case-control study. Am J Kidney Dis 2008; 51: Broome DR, Girguis MS, Baron PW, Cottrell AC, Kjellin I, Kirk GA. Gadodiamideassociated nephrogenic systemic fibrosis: why radiologists should be concerned. Am J Roentgenol 2007; 188: Collidge TA, Thomson PC, Mark PB, Traynor JP, Jardine AG, Morris STW, Simpson K, Roditi GH. Gadolinium-enhanced MR imaging and nephrogenic systemic fibrosis: retrospective study of a renal replacement therapy cohort. Radiology 2007; 245: Khurana A, Runge VM, Narayanan M, Greene Jr JF, Nickel AE. Nephrogenic systemic fibrosis. A review of 6 cases temporally related to gadodiamide injection (Omniscan). Invest Radiol 2007; 42: Abraham JL, Thakral C. Tissue distribution and kinetics of gadolinium and nephrogenic systemic fibrosis. Eur J Radiol 2008; 66 : Morcos SK. Extracellular gadolinium contrast agents: differences in stability. Eur J Radiol. 2008; 66: Perazella MA. Rodby RA. Gadolinium use in patients with kidney disease: a cause for concern. Sem Dialysis 2007; vol 20, No 3 (May-June): Wedeking P, Kumar K, Tweedle MF. Dissociation of gadolinium chelates in mice: relationship to chemical characteristics. Magn Reson Im 1992; 10:

11 Caravan P, Ellison JJ, McMurry TJ, Lauffer RB. Gadolinium (III) chelates as MRI contrast agents : structure, dynamics, and applications. Chem Rev 1999 ; 99 : Laurent S, Vander Elst L, Copoix F, Muller RN. Stability of MRI paramagnetic contrast media. A proton relaxometric protocol for transmetallation assessment. Invest Radiol 2001; 36: Laurent S, Vander Elst L, Muller RN. Comparative study of the physicochemical properties of six clinical low molecular weight gadolinium contrast agents. Contrast Med Mol Imaging 2006; 1: Frenzel T, Lengsfeld P, Schirmer H, Hütter J, Weinmann HJ. Stability of gadolinium-based magnetic resonance imaging contrast agents in human serum at 37 degrees C. Invest Radiol. 2008;43: Girardi M, Kay J, Elston DM et al. Nephrogenic systemic fibrosis: Clinicopathological definition and workup recommendations. J Am Acad Dermatol 2011,65:

Implicações do Gadolínio no

Implicações do Gadolínio no MULTIDISCIPLINRIDDE Implicações do Gadolínio no Sistema Urinário CRLOS MRTINS CRNEIRO DE RÚJO JÚNIOR Médico Radiologista Titular do Colégio Brasileiro de Radiologia CDPI Rio de Janeiro Fellow de Imagem

Leia mais

Recomendações do PRAC relativamente aos sinais para atualização da informação do medicamento

Recomendações do PRAC relativamente aos sinais para atualização da informação do medicamento 22 de janeiro de 2015 EMA/PRAC/63316/2015 Revision 1 published on 23/02/2015 Comité de Avaliação do Risco em Farmacovigilância Recomendações do PRAC relativamente aos sinais para atualização da informação

Leia mais

-Science. Você tem certeza que é ES? www.actelion.com.br

-Science. Você tem certeza que é ES? www.actelion.com.br Você tem certeza que é ES? Esclerose sistêmica (ES) é mais frequentemente associada com fibrose cutânea, a sua característica mais evidente. Embora a ES também envolva outras anormalidades vasculares e

Leia mais

Benefícios da Suplementação

Benefícios da Suplementação FECHAMENTO AUTORIZADO PODE SER ABERTO PELA ECT Impresso Especial 9912273897 - DR/SPM Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte CORREIOS Nos processos inflamatórios crônicos1 Um novo tempo no tratamento

Leia mais

Conclusões científicas

Conclusões científicas Anexo II Conclusões científicas e fundamentos para a alteração do Resumo das Características do Medicamento, da Rotulagem e do Folheto Informativo apresentados pela Agência Europeia de Medicamentos 7 Conclusões

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Amethopterin; 4-Amino-4-deoxy-10-methylpteroyl-L-glutamic Acid; -Methopterin;t; Méthotrexate; Methotrexatum; MTX.

IDENTIFICAÇÃO. Amethopterin; 4-Amino-4-deoxy-10-methylpteroyl-L-glutamic Acid; -Methopterin;t; Méthotrexate; Methotrexatum; MTX. IDENTIFICAÇÃO Nome Metotrexato Fórmula Molecular C20H22N8O5 Peso molecular 454,44 DCB / DCI 05884 - metotrexato CAS 59-05-2 INCI Não aplicável Denominação Não aplicável botânica Sinonímia Amethopterin;

Leia mais

AO ANEXO I - INFORMAÇÕES ANVISA - RDC 47/09

AO ANEXO I - INFORMAÇÕES ANVISA - RDC 47/09 Gadovist gadobutrol APRESENTAÇÕES Solução injetável Cartucho com frasco-ampola contendo 15 ml de Gadovist na concentração de 604,72 mg/ml de gadobutrol. VIA INTRAVENOSA USO ADULTO E PEDIÁTRICO A PARTIR

Leia mais

Vacina pneumocócica polissacárida conjugada (13-valente, adsorvida)

Vacina pneumocócica polissacárida conjugada (13-valente, adsorvida) EMA/90006/2015 EMEA/H/C/001104 Resumo do EPAR destinado ao público Vacina pneumocócica polissacárida conjugada (13-valente, adsorvida) Este é um resumo do Relatório Público Europeu de Avaliação (EPAR)

Leia mais

Restrições de utilização dos medicamentos contendo domperidona

Restrições de utilização dos medicamentos contendo domperidona 1 de setembro de 2014 EMA/465179/2014 Restrições de utilização dos medicamentos contendo domperidona Em 23 de abril de 2014, o Grupo de Coordenação para os Procedimentos de Reconhecimento Mútuo e Descentralizado

Leia mais

Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa

Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa Medicamentos Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Guia para Registro de Novas Associações

Leia mais

Anemia e Insuficiência Renal Crônica. Estágios 1 a 4

Anemia e Insuficiência Renal Crônica. Estágios 1 a 4 Anemia e Insuficiência Renal Crônica Estágios 1 a 4 National Kidney Foundation s Kidney Disease Outcomes Quality Initiative (Iniciativa de Qualidade em Resultados de Insuficiência Renal da Fundação Nacional

Leia mais

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea N o 35 Março 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Magnevist 469 mg/ml solução injetável Gadopentato de dimeglumina (ácido gadopentético, sal de dimeglumina) Leia atentamente este folheto antes de utilizar

Leia mais

Tradução: Regina Figueiredo REDE CE ww.redece.org

Tradução: Regina Figueiredo REDE CE ww.redece.org 24 julh 2014 EMA/440549/2014 Documento Original: http://www.ema.europa.eu/docs/en_gb/document_library/press_release/2014/07/wc50017 0056.pdf Tradução: Regina Figueiredo REDE CE ww.redece.org LEVONORGESTREL

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES AVISO DE RETIFICAÇÃO DE EDITAL Nº 01 A Comissão de Concurso torna publica

Leia mais

Maximizar eficiência da dose para criação de imagens de pacientes pediátricos

Maximizar eficiência da dose para criação de imagens de pacientes pediátricos Maximizar eficiência da dose para criação de imagens de pacientes pediátricos Introdução A criação de imagens radiográficas dos pacientes pediátricos apresenta vários desafios únicos comparativamente à

Leia mais

ENOXALOW enoxaparina sódica. Forma farmacêutica e apresentações Solução injetável. Via de administração: IV/SC

ENOXALOW enoxaparina sódica. Forma farmacêutica e apresentações Solução injetável. Via de administração: IV/SC ENOXALOW enoxaparina sódica Forma farmacêutica e apresentações Solução injetável. Via de administração: IV/SC 20 mg/0,2 ml cartucho com 1 ou 10 seringas. 40 mg/0,4 ml cartucho com 1 ou 10 seringas. 60

Leia mais

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007.

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007. ALTERAÇÕES RENAIS E.D. teve seu diabetes diagnosticado em 1985, nessa época tinha 45 anos e não deu muita importância para os cuidados que seu médico lhe havia recomendado, sua pressão nesta época era

Leia mais

COMPOSIÇÃO Cada frasco ampola contém 100 mg de azacitidina e 100 mg de manitol como excipiente.

COMPOSIÇÃO Cada frasco ampola contém 100 mg de azacitidina e 100 mg de manitol como excipiente. Vidaza azacitidina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Vidaza pó liofilizado para injeção, está disponível em frasco ampola com 100 mg de azacitidina. USO SUBCUTÂNEO USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada frasco ampola

Leia mais

CLORIDRATO DE SEVELÂMER CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. COMPRIMIDOS REVESTIDOS 800 MG BULA DO PACIENTE

CLORIDRATO DE SEVELÂMER CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. COMPRIMIDOS REVESTIDOS 800 MG BULA DO PACIENTE CLORIDRATO DE SEVELÂMER CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. COMPRIMIDOS REVESTIDOS 800 MG BULA DO PACIENTE Cloridrato de sevelâmer Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO

Leia mais

O fumo e a saúde: uma atualização

O fumo e a saúde: uma atualização O fumo e a saúde: uma atualização Jonathan M. Samet, MD, MS Diretor do Instituto para Saúde Mental da USC (USC Institute for Global Health) Professor e Presidente do Flora L. Thornton, Departamento de

Leia mais

ANEXO III ALTERAÇÕES ÀS SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO E DO FOLHETO INFORMATIVO

ANEXO III ALTERAÇÕES ÀS SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO E DO FOLHETO INFORMATIVO ANEXO III ALTERAÇÕES ÀS SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO E DO FOLHETO INFORMATIVO Nota: O resumo das características do medicamento e o folheto informativo podem necessitar

Leia mais

PROHANCE. gadoteridol. Solução injetável 279,3 mg/ml

PROHANCE. gadoteridol. Solução injetável 279,3 mg/ml PROHANCE gadoteridol Solução injetável 279,3 mg/ml ProHance gadoteridol APRESENTAÇÕES: Solução injetável estéril contendo 279,3 mg/ml (0,5 M) de gadoteridol. Cartucho com 1 frascoampola de 10, 15 ou 50

Leia mais

CETIRIZINA HISTACET 10 mg COMPRIMIDOS REVESTIDOS

CETIRIZINA HISTACET 10 mg COMPRIMIDOS REVESTIDOS FOLHETO INFORMATIVO Leia atentamente este folheto antes de tomar o medicamento -Conserve este folheto: Pode ter necessidade de o reler. -Caso tenha dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico. -Este

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

Classificação de risco de pacientes para acompanhamento farmacoterapêutico. Jacqueline Kohut Martinbiancho

Classificação de risco de pacientes para acompanhamento farmacoterapêutico. Jacqueline Kohut Martinbiancho Classificação de risco de pacientes para acompanhamento farmacoterapêutico Jacqueline Kohut Martinbiancho HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE O Hospital de Clínicas de Porto Alegre é uma empresa pública

Leia mais

Composição Cada grama contém: 2 mg de carbômer; Excipientes: cetrimida 0,1 mg (conservante), sorbitol, edetato dissódico e hidróxido de sódio.

Composição Cada grama contém: 2 mg de carbômer; Excipientes: cetrimida 0,1 mg (conservante), sorbitol, edetato dissódico e hidróxido de sódio. VISCOTEARS carbômer 2 mg / g Lágrima artificial Forma farmacêutica e apresentação Gel líquido oftálmico: tubo de 10 g. USO ADULTO E PEDIÁTRICO Composição Cada grama contém: 2 mg de carbômer; Excipientes:

Leia mais

La Salete Martins. Hospital Santo António, CHP Porto

La Salete Martins. Hospital Santo António, CHP Porto Registos da transplantação em Portugal transplante pancreático La Salete Martins Unidade de Transplante Reno-Pancreático Hospital Santo António, CHP Porto Portugal Reunião SPT, Curia, de 27/11 a 28/11/2009

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Avaliação e Seguimento de Doadores Renais após a Doação

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Avaliação e Seguimento de Doadores Renais após a Doação Diretrizes Assistenciais Protocolo de Avaliação e Seguimento de Doadores Renais após a Doação 2011 Protocolo de Avaliação e Seguimento de Doadores Renais após a Doação Definição Todo paciente doador renal

Leia mais

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida.

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. MODELO DE BULA Duphalac lactulose FORMA FARM ACÊUTICA E APRESENTAÇ ÃO DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. VIA ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO

Leia mais

Tylex 7,5 mg / 30 mg comprimidos paracetamol, fosfato de codeína

Tylex 7,5 mg / 30 mg comprimidos paracetamol, fosfato de codeína 1 IDENTIFICAÇÃO MEDICAMENTO DO Tylex 7,5 mg / 30 mg comprimidos paracetamol, fosfato de codeína APRESENTAÇÕES Comprimidos de 7,5 mg de fosfato de codeína e 500 mg de paracetamol em embalagens com 12 comprimidos

Leia mais

Informe aos profissionais de saúde sobre as características da infecção por Mycobacterium abscessus, medidas para diagnóstico, tratamento e prevenção

Informe aos profissionais de saúde sobre as características da infecção por Mycobacterium abscessus, medidas para diagnóstico, tratamento e prevenção Informe aos profissionais de saúde sobre as características da infecção por Mycobacterium abscessus, medidas para diagnóstico, tratamento e prevenção Em decorrência das infecções causadas por micobactéria,

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria O programa de Residência em Pediatria prevê 60 horas de jornada de trabalho semanal, sendo 40 horas de atividades rotineiras e 20 horas de

Leia mais

Réus: Município de Belo Horizonte e Estado de Minas Gerais

Réus: Município de Belo Horizonte e Estado de Minas Gerais NOTA TÉCNICA 66/2014 Solicitante: Dra. Patricia Santos Firmo Juíza de Direito Data: 09/04/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Réus: Município de Belo Horizonte e Estado de Minas Gerais Processo

Leia mais

aciclovir Merck S/A Creme 50 mg/g

aciclovir Merck S/A Creme 50 mg/g aciclovir Merck S/A Creme 50 mg/g aciclovir Medicamento genérico Lei nº 9.797, de 1999 APRESENTAÇÃO Aciclovir creme é apresentado em bisnagas contendo 10 g. USO TÓPICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO

Leia mais

Descobrindo o valor da

Descobrindo o valor da Descobrindo o valor da Ocâncer de mama, segundo em maior ocorrência no mundo, é um tumor maligno que se desenvolve devido a alterações genéticas nas células mamárias, que sofrem um crescimento anormal.

Leia mais

Hepatotoxicidade Induzida por Estatinas

Hepatotoxicidade Induzida por Estatinas Hepatotoxicidade Induzida por Estatinas Aécio Flávio Meirelles de Souza Mestre em Gastroenterologia pelo Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas em Gastroenterologia (IBEPEGE). São Paulo, SP Professor

Leia mais

loratadina Merck S/A Comprimidos revestidos 10 mg

loratadina Merck S/A Comprimidos revestidos 10 mg loratadina Merck S/A revestidos 10 mg loratadina Medicamento genérico Lei nº 9.797, de 1999 APRESENTAÇÕES revestidos de 10 mg em embalagem com 12 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE

Leia mais

DURATESTON (propionato de testosterona fempropionato de testosterona isocaproato de testosterona decanoato de testosterona)

DURATESTON (propionato de testosterona fempropionato de testosterona isocaproato de testosterona decanoato de testosterona) DURATESTON (propionato de testosterona fempropionato de testosterona isocaproato de testosterona decanoato de testosterona) Schering Plough Indústria Farmacêutica Ltda. Solução Injetável 250 mg/ml IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Cefaléias Sinusais Pediátricas: Dilema Diagnóstico e Terapêutico

Cefaléias Sinusais Pediátricas: Dilema Diagnóstico e Terapêutico Cefaléias Sinusais Pediátricas: Dilema Diagnóstico e Terapêutico Pablo Stolovitzky A cefaléia sinusal apresenta desafios diagnósticos e terapêuticos importantes. Neste capítulo revisaremos as considerações

Leia mais

TEMA: RIVASTIGMINA NO TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER

TEMA: RIVASTIGMINA NO TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER Data: 13/12/2013 NTRR 254/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Solicitante: Pedro Guimarães Pereira Juiz de Direito, 2ª Vara da Comarca de Várzea da Palma Número do processo: 0044371-71.2013.8.13.0708

Leia mais

tobramicina GERMED FARMACÊUTICA LTDA Solução oftálmica estéril 3 mg/ml

tobramicina GERMED FARMACÊUTICA LTDA Solução oftálmica estéril 3 mg/ml tobramicina GERMED FARMACÊUTICA LTDA Solução oftálmica estéril 3 mg/ml I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO tobramicina 3 mg/ml solução oftálmica estéril Medicamento Genérico, Lei n 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO

Leia mais

LACRIFILM (carmelose sódica)

LACRIFILM (carmelose sódica) LACRIFILM (carmelose sódica) União Química Farmacêutica Nacional S.A. solução oftálmica 5 mg/ml LACRIFILM carmelose sódica Solução oftálmica estéril IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 381 /2014 Informações sobre:galvus,pioglit ediamicron

RESPOSTA RÁPIDA 381 /2014 Informações sobre:galvus,pioglit ediamicron RESPOSTA RÁPIDA 381 /2014 Informações sobre:galvus,pioglit ediamicron SOLICITANTE Dr. Emerson de Oliveira Corrêa Juiz de Direito de Candeias NÚMERO DO PROCESSO Autos nº 0008919-81.2014.813.0120 DATA 16/07/2014

Leia mais

Transamin Ácido Tranexâmico

Transamin Ácido Tranexâmico Transamin Ácido Tranexâmico 250 mg Zydus Nikkho Farmacêutica Ltda Comprimidos Bula do Paciente I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO TRANSAMIN ácido tranexâmico APRESENTAÇÕES Comprimidos de 250 mg. Embalagem

Leia mais

LORITIL Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido 10mg

LORITIL Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido 10mg LORITIL Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido 10mg MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. Loritil loratadina

Leia mais

Recomendações sobre administração de contrastes em TC e RM

Recomendações sobre administração de contrastes em TC e RM Serviço de Imagem Médica Diretor de Serviço: Prof. Filipe Caseiro- Alves Recomendações sobre administração de contrastes em TC e RM Versão 2014 Recomendações sobre administração de contrastes em TC e RM

Leia mais

1. Da Comunicação de Segurança publicada pela Food and Drug Administration FDA.

1. Da Comunicação de Segurança publicada pela Food and Drug Administration FDA. UTVIG/NUVIG/ANVISA Em 31 de janeiro de 2011. Assunto: Nota de esclarecimento sobre notícia veiculada na mídia que trata de comunicado de segurança da FDA Food and Drug Administration sobre possível associação

Leia mais

AO ANEXO I - INFORMAÇÕES ANVISA - RDC 47/09

AO ANEXO I - INFORMAÇÕES ANVISA - RDC 47/09 Primovist gadoxetato dissódico FORMA FARMACÊUTICA: Solução injetável APRESENTAÇÃO: Cartucho com 1 seringa pré-carregada contendo 10 ml de solução injetável de Primovist dissódico/ml. VIA INTRAVENOSA USO

Leia mais

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade?

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Texto divulgado na forma de um caderno, editorado, para a comunidade, profissionais de saúde e mídia SBMFC - 2006 Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Não? Então, convidamos você a conhecer

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária PROPOSTA DE UMA NOVA RESOLUÇÃO PARA OS MEDICAMENTOS ISENTOS DE PRESCRIÇÃO Brasília, 06 de junho de 2008. Medicamento Isento de Prescrição MIPs Podem ser adquiridos

Leia mais

HEPATITES O QUE VOCÊ PRECISA SABER

HEPATITES O QUE VOCÊ PRECISA SABER HEPATITES O QUE VOCÊ PRECISA SABER O QUE É HEPATITE? QUAIS OS TIPOS? Hepatopatias Hepatites Virais Doença hepática alcoólica Hepatopatias criptogênicas Hepatites tóxicas Hepatopatias auto-imunes Hepatopatias

Leia mais

QUANDO SOLICITAR A RM DE PRÓSTATA COMO PARTE DO DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO? DR.PÚBLIO VIANA

QUANDO SOLICITAR A RM DE PRÓSTATA COMO PARTE DO DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO? DR.PÚBLIO VIANA QUANDO SOLICITAR A RM DE PRÓSTATA COMO PARTE DO DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO? DR.PÚBLIO VIANA RM NO CA PROSTÁTICO Estadiamento loco-regional Detecção tumoral Pesquisa de recidiva local pósprostatectomia

Leia mais

Hepatite auto-imune: Indicações de tratamento e outros cuidados específicos

Hepatite auto-imune: Indicações de tratamento e outros cuidados específicos Associação Paulista para o Estudo do Fígado Hepatite auto-imune: Indicações de tratamento e outros cuidados específicos Fabrício Guimarães Souza -FMUSP- 1- Indicações e problemas do tratamento 2- Condições

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Gadovist 1,0 mmol/ml solução injetável. Gadobutrol

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Gadovist 1,0 mmol/ml solução injetável. Gadobutrol FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR 1,0 mmol/ml solução injetável Gadobutrol Leia atentamente este folheto antes de lhe administrarem este medicamento. - Conserve este folheto. Pode ter necessidade

Leia mais

Neo Fresh. (carmelose sódica)

Neo Fresh. (carmelose sódica) Neo Fresh (carmelose sódica) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Solução oftálmica estéril 5mg/mL (0,5%) I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: NEO FRESH carmelose sódica 0,5% APRESENTAÇÃO Solução

Leia mais

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas:

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: Unidade de Pesquisa Clínica A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: A importância da caracterização adequada das Fases da Pesquisa Rev. HCPA, 2007 José Roberto Goldim Apresentado

Leia mais

ARTIGOS. Versão para impressão. Trayenta (linagliptina) Fact Sheet

ARTIGOS. Versão para impressão. Trayenta (linagliptina) Fact Sheet Versão para impressão ARTIGOS 16/09/2011 Infográficos Trayenta (linagliptina) Fact Sheet 1. Trayenta (linagliptina) 2. Inibidores da DPP-4 3. Principal diferencial da linagliptina em relação às outras

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 22 Página 1 de 5 1. Sinonímia Beta 2 Microglobulina, b2m 2. Aplicabilidade Aos técnicos e bioquímicos do setor de imunologia 3. Aplicação clínica A beta-2-microglobulina é uma proteína presente

Leia mais

Monitorização do Paciente em uso de Imunobiológicos. Copyright AMBULATÓRIO DE PSORÍASE MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE

Monitorização do Paciente em uso de Imunobiológicos. Copyright AMBULATÓRIO DE PSORÍASE MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE Monitorização do Paciente em uso de Imunobiológicos MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL MARCELO DAS CLÍNICAS ARNONE FMUSP AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL DAS CLÍNICAS FMUSP Moduladores de

Leia mais

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS Leia o código e assista a história de seu Fabrício Agenor. Este é o seu Fabrício Agenor. Ele sempre gostou de comidas pesadas e com muito tempero

Leia mais

Anexo I. Conclusões científicas e fundamentos para a alteração dos termos das Autorizações de Introdução no Mercado

Anexo I. Conclusões científicas e fundamentos para a alteração dos termos das Autorizações de Introdução no Mercado Anexo I Conclusões científicas e fundamentos para a alteração dos termos das Autorizações de Introdução no Mercado Conclusões científicas Tendo em conta o relatório de avaliação do PRAC sobre os RPS para

Leia mais

cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999

cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. Xarope Pediátrico 3 mg/ml Xarope Adulto 6 mg/ml Modelo de Bula para Paciente IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e Ressonância Magnética (RM)

Imagem da Semana: Radiografia e Ressonância Magnética (RM) Imagem da Semana: Radiografia e Ressonância Magnética (RM) Imagem 01. Radiografia anteroposterior do terço proximal da perna esquerda. Imagem 02. Ressonância magnética do mesmo paciente, no plano coronal

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS PARA O EXAME DE CINTILOGRAFIA ÓSSEA

INFORMAÇÕES GERAIS PARA O EXAME DE CINTILOGRAFIA ÓSSEA INFORMAÇÕES GERAIS PARA O EXAME DE CINTILOGRAFIA ÓSSEA Importante: A cintilografia NÃO deve ser realizada em mulheres grávidas! Caso haja qualquer dúvida de risco de gestação, é melhor realizar antes um

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Alburex 20 albumina humana

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Alburex 20 albumina humana IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Alburex 20 albumina humana APRESENTAÇÃO Alburex 20: embalagem contendo 1 frasco-ampola com 50 ml de solução hiperoncótica de albumina humana para infusão (20%). VIA INTRAVENOSA

Leia mais

Aplicação do FMEA nas Centrais de Quimioterapia. Mario Luiz P. Ferreira Área da Qualidade

Aplicação do FMEA nas Centrais de Quimioterapia. Mario Luiz P. Ferreira Área da Qualidade Aplicação do FMEA nas Centrais de Quimioterapia Mario Luiz P. Ferreira Área da Qualidade Introdução O tema Segurança do Paciente se transformou em preocupação, nas instituições de saúde, a partir de 2003

Leia mais

PID2011-05114. Caixa com 1 seringa preenchida de 0,3 ml contendo 50, 75, 100 ou 200 mcg de betaepoetinametoxipolietilenoglicol.

PID2011-05114. Caixa com 1 seringa preenchida de 0,3 ml contendo 50, 75, 100 ou 200 mcg de betaepoetinametoxipolietilenoglicol. Mircera betaepoetina-metoxipolietilenoglicol Roche Ativadores contínuos dos receptores de eritropoietina IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome do produto: Mircera Nome genérico: betaepoetina-metoxipolietilenoglicol

Leia mais

PEDIATRIA CLÍNICA 1. OBJETIVOS

PEDIATRIA CLÍNICA 1. OBJETIVOS PEDIATRIA CLÍNICA PROGRAMA PARA O 6º. ANO DE MEDICINA 2015 Estágio obrigatório em tempo integral, que visa à formação em Pediatria Geral, em estagio prático, sob supervisão docente, com ênfase ao raciocínio

Leia mais

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM Qual é a situação do câncer de mama? Pode ser prevenido? Como prevenir? Qual o papel da mamografia?

Leia mais

Anexo A THIANAX CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA. Pomada. 50 mg

Anexo A THIANAX CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA. Pomada. 50 mg Anexo A THIANAX CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA Pomada 50 mg THIANAX tiabendazol Pomada IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO: Pomada 50mg/g: bisnaga com 45 g. USO TÓPICO

Leia mais

Ateroembolismo renal

Ateroembolismo renal Ateroembolismo renal Samuel Shiraishi Rollemberg Albuquerque 1 Introdução O ateroembolismo é uma condição clínica muito comum em pacientes idosos com ateroesclerose erosiva difusa. Ocorre após a ruptura

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 064 /2015 - CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 064 /2015 - CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 064 /2015 - CESAU Salvador, 13 de abril de 2015 OBJETO: Parecer. - Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde- CESAU REFERÊNCIA: 3 a promotoria de Justiça de Dias D'Àvila / Dispensação

Leia mais

Novas Formas de Controles Seguros das Medicações prescritas para Domicílio. Vanessa Rabadan Farmacêutica

Novas Formas de Controles Seguros das Medicações prescritas para Domicílio. Vanessa Rabadan Farmacêutica Novas Formas de Controles Seguros das Medicações prescritas para Domicílio Vanessa Rabadan Farmacêutica Dados importantes Em 2005, foram registradas no Sistema de Informação Hospitalar do Sistema Único

Leia mais

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS Página: 1/7 1- CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1- As doenças cardiovasculares são, ainda hoje, as principais responsáveis pela mortalidade na população geral, no mundo ocidental. Dentre as inúmeras patologias que

Leia mais

Tracur besilato de atracúrio. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. Solução Injetável 10 mg/ml MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

Tracur besilato de atracúrio. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. Solução Injetável 10 mg/ml MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Tracur besilato de atracúrio Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. Solução Injetável 10 mg/ml MODELO DE BULA PARA O PACIENTE IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Tracur besilato de atracúrio APRESENTAÇÃO Solução Injetável

Leia mais

Comprimidos revestidos com 2,5 mg de saxagliptina em embalagem com 28 comprimidos.

Comprimidos revestidos com 2,5 mg de saxagliptina em embalagem com 28 comprimidos. saxagliptina APRESENTAÇÕES ONGLYZA (saxagliptina) é apresentado na forma de: Comprimidos revestidos com 2,5 mg de saxagliptina em embalagem com 28 comprimidos. Comprimidos revestidos com 5 mg de saxagliptina

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO ENTRE A AR E A DM TIPO II. Agenda: 1. INTRODUÇÃO 2. OBJECTIVOS 3. METODOLOGIA 4. PLANIFICAÇÃO DO PROJECTO

AVALIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO ENTRE A AR E A DM TIPO II. Agenda: 1. INTRODUÇÃO 2. OBJECTIVOS 3. METODOLOGIA 4. PLANIFICAÇÃO DO PROJECTO AVALIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO ENTRE A ARTRITE REUMATÓIDE E A DIABETES MELLITUS TIPO 2 Análise da Base de Dados de Doenças Reumáticas Norte-Americana National Data Bank for Rheumatic Diseases PROJECTO DE TESE

Leia mais

DRAMIN BULA DO PACIENTE

DRAMIN BULA DO PACIENTE DRAMIN BULA DO PACIENTE Takeda Pharma Ltda. Cápsula gelatinosa mole 50 mg/cápsula (dimenidrinato) BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009 APRESENTAÇÕES Cápsula gelatinosa mole de 50 mg. Embalagem com 4, 10 ou 100

Leia mais

PROCTO-GLYVENOL tribenosídeo + lidocaína

PROCTO-GLYVENOL tribenosídeo + lidocaína MODELO DE TEXTO DE BULA PROCTO-GLYVENOL tribenosídeo + lidocaína TRATAMENTO LOCAL DAS HEMORRÓIDAS Formas farmacêuticas, via de administração e apresentações: Supositórios. Embalagens com 5 ou 10 supositórios.

Leia mais

BULA PARA O PACIENTE MICOSTATIN (nistatina) SUSPENSÃO ORAL

BULA PARA O PACIENTE MICOSTATIN (nistatina) SUSPENSÃO ORAL BULA PARA O PACIENTE MICOSTATIN (nistatina) SUSPENSÃO ORAL MICOSTATIN nistatina USO ORAL APRESENTAÇÃO MICOSTATIN 100.000 UI/mL é apresentado em cartuchos com frasco de vidro âmbar contendo 60 ml, com conta-gotas

Leia mais

O fígado e a deficiência de alfa-1. antitripsina (Alfa-1) 1 ALPHA-1 FOUNDATION

O fígado e a deficiência de alfa-1. antitripsina (Alfa-1) 1 ALPHA-1 FOUNDATION O fígado e a deficiência de alfa-1 antitripsina (Alfa-1) 1 ALPHA-1 FOUNDATION O que é deficiência de alfa-1 antitripsina? Alfa-1 é uma condição que pode resultar em graves doenças pulmonares em adultos

Leia mais

DOBEVEN. dobesilato de cálcio. APRESENTAÇÕES Cápsula gelatinosa dura contendo 500 mg de dobesilato de cálcio: Caixas com 5 e 30 cápsulas.

DOBEVEN. dobesilato de cálcio. APRESENTAÇÕES Cápsula gelatinosa dura contendo 500 mg de dobesilato de cálcio: Caixas com 5 e 30 cápsulas. DOBEVEN dobesilato de cálcio APSEN FORMA FARMACÊUTICA Cápsula gelatinosa dura APRESENTAÇÕES Cápsula gelatinosa dura contendo 500 mg de dobesilato de cálcio: Caixas com 5 e 30 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO

Leia mais

APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE

APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE TOPISON furoato de mometasona APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE COMPOSIÇÃO Cada g de Topison

Leia mais

Não utilize POLARAMINE Creme se você já teve alguma reação incomum a qualquer um dos componentes da fórmula do produto.

Não utilize POLARAMINE Creme se você já teve alguma reação incomum a qualquer um dos componentes da fórmula do produto. POLARAMINE Creme maleato de dexclorfeniramina FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES POLARAMINE Creme é indicado para uso na pele. POLARAMINE Creme apresenta-se em bisnagas de 30 g. USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

Nota Técnica 125/2014. Betaterapia para tratamento de queloide

Nota Técnica 125/2014. Betaterapia para tratamento de queloide 05/07/2014 Nota Técnica 125/2014 Betaterapia para tratamento de queloide SOLICITANTE :Dra. Luciene Cristina Marassi Cagnin Juíza de Direito de Itajubá - MG NÚMERO DO PROCESSO: 0324.14.007196-4 SOLICITAÇÃO/

Leia mais

ANGIOGRAFIA DOS ACESSOS, SÃO ASSIM TÃO DISPENDIOSAS? JORGE SILVA, ALMADA

ANGIOGRAFIA DOS ACESSOS, SÃO ASSIM TÃO DISPENDIOSAS? JORGE SILVA, ALMADA ANGIOGRAFIA DOS ACESSOS, SÃO ASSIM TÃO DISPENDIOSAS? JORGE SILVA, ALMADA Há que distinguir: Custo real do procedimento O que o hospital gasta para executar o procedimento Preço da faturação Em quanto é

Leia mais

Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações

Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações Unidade de Anestesia Versão eletrônica atualizada em Março 2009 Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações Definições OMS Uma resposta

Leia mais

Relaxante Muscular e Analgésico. APRESENTAÇÕES Comprimidos de 200 mg de clorzoxazona e 300 mg de paracetamol em embalagens com 12 comprimidos.

Relaxante Muscular e Analgésico. APRESENTAÇÕES Comprimidos de 200 mg de clorzoxazona e 300 mg de paracetamol em embalagens com 12 comprimidos. BULA DO PACIENTE IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Paralon Relaxante Muscular e Analgésico clorzoxazona 200 mg e paracetamol 300 mg Comprimidos APRESENTAÇÕES Comprimidos de 200 mg de clorzoxazona e 300 mg de

Leia mais

ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA

ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA Esclerodermia significa pele dura. O termo esclerodermia localizada se refere ao fato de que o processo nosológico está localizado na pele. Por vezes o termo

Leia mais

DOBEVEN. Apsen Farmacêutica S.A. Cápsula gelatinosa dura 500 mg

DOBEVEN. Apsen Farmacêutica S.A. Cápsula gelatinosa dura 500 mg DOBEVEN Apsen Farmacêutica S.A. Cápsula gelatinosa dura 500 mg DOBEVEN dobesilato de cálcio APSEN FORMA FARMACÊUTICA Cápsula gelatinosa dura APRESENTAÇÕES Cápsula gelatinosa dura contendo 500 mg de dobesilato

Leia mais

PARA EVITAR USO IMPRÓPRIO DO MEDICAMENTO, LEIA ESTA BULA COM ATENÇÃO. Penvir. fanciclovir

PARA EVITAR USO IMPRÓPRIO DO MEDICAMENTO, LEIA ESTA BULA COM ATENÇÃO. Penvir. fanciclovir PARA EVITAR USO IMPRÓPRIO DO MEDICAMENTO, LEIA ESTA BULA COM ATENÇÃO. Penvir fanciclovir Forma farmacêutica e apresentações: Penvir comprimidos revestidos 125 mg: caixa contendo 10 comprimidos. Penvir

Leia mais

OCUPRESS (cloridrato de dorzolamida)

OCUPRESS (cloridrato de dorzolamida) OCUPRESS (cloridrato de dorzolamida) União Química Farmacêutica Nacional S.A Solução Oftálmica 20 mg/ml Ocupress cloridrato de dorzolamida Solução Oftálmica Estéril IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA

Leia mais

Guia do médico para prescrição em doentes com Síndrome Hemolítico Urémico Atípico - SHUa

Guia do médico para prescrição em doentes com Síndrome Hemolítico Urémico Atípico - SHUa Guia do médico para prescrição em doentes com Síndrome Hemolítico Urémico Atípico - SHUa Materiais educacionais com Informação de Segurança Importante O QUE É SOLIRIS? SOLIRIS é o primeiro anticorpo monoclonal

Leia mais

DOENÇA RENAL CRÔNICA E SUBJETIVIDADE: IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DIFERENÇA ENTRE SER E TER UMA DOENÇA

DOENÇA RENAL CRÔNICA E SUBJETIVIDADE: IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DIFERENÇA ENTRE SER E TER UMA DOENÇA DOENÇA RENAL CRÔNICA E SUBJETIVIDADE: IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DIFERENÇA ENTRE SER E TER UMA DOENÇA Priscila Rodrigues da Silva * Prof. Ms. Clovis E. Zanetti ** RESUMO: A doença renal crônica é considerada

Leia mais

ZYPRED ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

ZYPRED ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA ZYPRED ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Suspensão oftálmica estéril de gatifloxacino (3 mg/ml) e acetato de prednisolona (10 mg/ml), contendo frasco plástico conta-gotas de 3 ml e 6 ml APRESENTAÇÕES

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM LOMBALGIA EPIDEMIOLOGIA 65-80% da população, em alguma fase da vida, terá dor nas costas. 30-50% das queixas reumáticas

Leia mais

INTERVALO E VISITA À EXPOSIÇÃO PARALELA - TEMA LIVRE PÔSTER GRUPO I

INTERVALO E VISITA À EXPOSIÇÃO PARALELA - TEMA LIVRE PÔSTER GRUPO I XXII CONGRESSO NACIONAL DO DEPARTAMENTO DE ERGOMETRIA, EXERCÍCIO, REABILITAÇÃO CARDIOVASCULAR, CARDIOLOGIA NUCLEAR E CARDIOLOGIA DO ESPORTE. PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA QUINTA-FEIRA 29 DE OUTUBRO DE 2015 07:30H

Leia mais