Informação e Monitorização Estratégica: A experiência em curso no QREN

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Informação e Monitorização Estratégica: A experiência em curso no QREN"

Transcrição

1 Conferência Ad Urbem Porto, de Novembro Informação e Monitorização Estratégica: A experiência em curso no QREN Paulo Areosa Feio

2 Informação e Monitorização Estratégica: A Experiência do Observatório do QREN Tópicos A configuração do quadro institucional para o desenvolvimento das funções de acompanhamento e avaliação no período O modelo de monitorização estratégica no QREN: as características e os desafios Elementos para a monitorização de um domínio de constrangimento: notas a partir do exemplo do domínio Qualificação de jovens

3 A configuração do quadro institucional para o desenvolvimento das funções de acompanhamento e avaliação A experiência de acompanhamento e avaliação de políticas públicas cofinanciadas por Fundos Estruturais Comunitários: uma evolução relevante, com um forte estímulo inicial externo Avaliação: entre requisitos legais, legitimação, correcções de trajectória e stock de conhecimento; mas a ideia de avaliação na agenda Sistema de acompanhamento e reporte pouco orientado para a sociedade e os actores políticos Os condicionalismos do quadro político e administrativo

4 A configuração do quadro institucional para o desenvolvimento das funções de acompanhamento e avaliação Um contexto de programação com elementos favoráveis: o debate europeu sobre o acompanhamento estratégico; a orientação nacional de privilegiar a monitorização estrategica das intervenções O reforço do sistema de actores na gestão e acompanhamento, o escrutínio público e as novas exigências de informação e reporte A função avaliação à medida das necessidades (da gestão e da orientação política)

5 Governo (CMC) Relatórios Anuais dos Programas Operacionais Relatórios Anuais do QREN ANMP Informação específica de acordo com protocolos Sistema de Informação QREN Autoridades de Gestão > Observatório AR / CES Boletins Trimestrais Indicadores Físicos e Financeiros CCDR / CAE Imprensa

6 O modelo de monitorização estratégica no QREN : as características Da monitorização operacional e financeira (a função acompanhamento ) à monitorização estratégica Monitorização estratégica e avaliação on going A relevância da selecção dos domínios de monitorização: prioridades ou constrangimentos

7 QREN Prioridades estratégicas do QREN Acompanhamento da evolução do contexto sócio-económico Análise dos factores determinantes da realização das prioridades e Identificação dos principais constrangimentos à realização das prioridades estratégicas Selecção dos domínios prioritários de monitorização estratégica Identificação das tipologias de intervenção do QREN com impactos esperados nos principais domínios de constrangimentos Produção de indicadores operacionais por domínio Análise das avaliações anteriores por domínio Sistematização de indicadores de contexto por domínio Explicitação dos pressupostos acerca dos actores e os processos relevantes para a concretização dos impactos esperados do QREN Recolha de informação qualitativa Análise estratégica das intervenções do QREN em domínios específicos Concepção de novas avaliações Ajustamentos nos programas Produção de alertas estratégicos

8 O modelo de monitorização estratégica no QREN : os desafios A articulação de fontes diversas para a obtenção de informação e conhecimento em tempo útil A articulação das necessidades de informação (evidência) e conhecimento (análise e juízo de valor) para diversas finalidades os actores com mais e com menos voz A busca dos necessários equilíbrios entre apoio à decisão e prestação pública de informação

9 Elementos para a monitorização de um domínio de constrangimento: notas a partir do exemplo do domínio Qualificação de jovens Problema domínio de constrangimento Situação Evolução Papel atribuído ao QREN Abandono escolar precoce ++ Oferta limitada de percursos profissionalizantes +++ Níveis de desempenho escolar / qualidades dos processos de ensino e aprendizagem + Adequação das infraestruturas existentes +++ ( ) ( ) ( ) ( )

10 Elementos para a monitorização de um domínio de constrangimento: notas a partir do exemplo do domínio Qualificação de jovens Rever a teoria da programação o quê, para quê? Associar a informação disponível de contexto: situação e evolução (análise comparada)

11 Do contexto: % da população de anos com nível de escolaridade inferior ao secundário, que não frequenta outros níveis ou acções de educação/formação

12 Do contexto: % de estudantes do Ensino Secundário em cursos profissionais

13 Elementos para a monitorização de um domínio de constrangimento: notas a partir do exemplo do domínio Qualificação de jovens Rever a teoria da programação o quê, para quê? Associar a informação disponível de contexto: situação e evolução (análise comparada) Mobilizar informação operacional e financeira (inputs e outputs) sistema de informação

14 Do Sistema de Informação: dados financeiros relevantes e indicadores de massa Mais de 720 M de despesa pública (450 M de FSE) investidos desde 2007 em programas profissionalizantes para jovens (níveis 2 a 4). Cerca de jovens envolvidos (...)

15 Do Sistema de Informação: dados relevantes sobre distribuição do esforço de investimento em infraestruturas de natureza social

16 Elementos para a monitorização de um domínio de constrangimento: notas a partir do exemplo do domínio Qualificação de jovens Rever a teoria da programação o quê, para quê? Associar a informação disponível de contexto: situação e evolução (análise comparada) Mobilizar informação operacional e financeira (inputs e outputs) sistema de informação Sistematizar resultados de avaliação e de outros estudos (Novas Oportunidades, Ensino Basico, ) Ponto de situação e necessidades de informação adicional; novas avaliações

17 Propostas Plano de Avaliação: Observatório QREN, PO Potencial Humano e PO Regionais do Continente Estudos técnicos específicos (articulação com organismos competentes) Alertas

18 Conferência Ad Urbem Porto, de Novembro Obrigado

Proposta de Revisão do Programa

Proposta de Revisão do Programa Proposta de Revisão do 31 Dezembro 2010 Identificação Objectivos: Convergência e Competitividade e do Emprego PROGRAMA OPERACIONAL Período de programação: 2007-2013 Número do programa (CCI): 2007PT05UPO001

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA 2. OS APOIOS. Relatório Anual de Execução 2016 Resumo para os Cidadãos. Eixo 4 Qualidade e Inovação 176 Milhões

1. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA 2. OS APOIOS. Relatório Anual de Execução 2016 Resumo para os Cidadãos. Eixo 4 Qualidade e Inovação 176 Milhões 1. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA O Programa Operacional Capital Humano (PO CH), aprovado pela Comissão Europeia a 12 de Dezembro de 2014, constitui o principal instrumento de financiamento do Portugal 2020

Leia mais

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Capítulo I Âmbito Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define o regime de acesso aos apoios concedidos pelo Programa Operacional de Assistência Técnica

Leia mais

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA CAMPOS DE ANÁLISE DE DESEMPENHO Como elemento fundamental de preparação da avaliação, solicita-se a cada escola 1 em processo de avaliação que elabore um texto que:

Leia mais

Processos, resultados e desafios para o SEN

Processos, resultados e desafios para o SEN Monitorização estratégica do QREN: Processos, resultados e desafios para o SEN SPEBT CSE Lisboa, 6 de Dezembro de 2010 Duarte Rodrigues Coordenador-Adjunto Sumário Monitorização estratégica: para que serve

Leia mais

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS Programa Operacional Factores de Competitividade Deliberações CMC POFC: 16/07/2008 Assistência Técnica do POFC Entrada em vigor DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO em 17/07/2008 Artigo 1.º Objecto O presente regulamento

Leia mais

Estratégia para o Crescimento e Inovação Região de Aveiro

Estratégia para o Crescimento e Inovação Região de Aveiro Congresso da 15 de março de 2013 PRIORIDADES Eficiência energética e fontes de energia renovável Eficiente utilização de recursos Inovação e competitividade das PME 2014-2020 Combate à pobreza e à exclusão

Leia mais

PAPEL DO ENSINO PROFISSIONAL NA QUALIFICAÇÃO DO PAÍS BALANÇO E PERSPETIVAS DO

PAPEL DO ENSINO PROFISSIONAL NA QUALIFICAÇÃO DO PAÍS BALANÇO E PERSPETIVAS DO PAPEL DO ENSINO PROFISSIONAL NA QUALIFICAÇÃO DO PAÍS BALANÇO E PERSPETIVAS DO FINANCIAMENTO COMUNITÁRIO Coimbra, 25 de Novembro POCH www.poch.portugal2020.pt 1 ÍNDICE 1 O passado: os fundos comunitários

Leia mais

SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP

SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo

Leia mais

Territorializar as Políticas Sectoriais: coordenação e integração

Territorializar as Políticas Sectoriais: coordenação e integração Territorializar as Políticas Sectoriais: coordenação e integração Lisboa - ICS, 22 de Maio 2012 Ainda em torno de um conceito Territorialização de Políticas Públicas - Conceção e implementação de programas

Leia mais

CONDIÇÕES DE ADMISSIBILIDADE CONDIÇÕES EXCLUDENTES. 1 Apresentação telemática no prazo estabelecido na convocatória.

CONDIÇÕES DE ADMISSIBILIDADE CONDIÇÕES EXCLUDENTES. 1 Apresentação telemática no prazo estabelecido na convocatória. CONDIÇÕES DE ADMISSIBILIDADE CONDIÇÕES EXCLUDENTES 1 Apresentação telemática no prazo estabelecido na convocatória. 2 Apresentação do formulário completo. 3 Orçamento FEDER em conformidade com o que está

Leia mais

O papel do QREN na consolidação e qualificação das redes de equipamentos coletivos

O papel do QREN na consolidação e qualificação das redes de equipamentos coletivos O papel do QREN na consolidação e qualificação das redes de equipamentos coletivos Porto, 18 de junho de 2013 Susana Monteiro Núcleo de Estudos e Avaliação Estrutura 1. Diagnóstico 2. Planeamento 3. Monitorização

Leia mais

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Assistência Técnica Aprovada em 11-05-2015, após procedimento de consulta escrita aos membros da

Leia mais

CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO

CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO Através da Resolução do Conselho de Ministros n.º 52-A/2015, de 23 de julho, o Governo criou a estrutura de missão designada por Estrutura de Gestão do Instrumento Financeiro

Leia mais

ANEXO III REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO

ANEXO III REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO ANEXO III REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO PLANOS ESTRATÉGICOS DE DESENVOLVIMENTO URBANO AVISO DE CONCURSO Nº ALT20 06 2016 18 ALT20 16 2016 19 ALT20 43 2016 20 DOMÍNIO DA SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA

Leia mais

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais. Aviso - ALG

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais. Aviso - ALG Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais Aviso - ALG-36-2010-01 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Prevenção e Gestão

Leia mais

Critérios de Mérito. Critério Sub critério Descrição e regras de avaliação Pontuação CRITÉRIOS QUALITATIVOS

Critérios de Mérito. Critério Sub critério Descrição e regras de avaliação Pontuação CRITÉRIOS QUALITATIVOS Critérios de Selecção A fim de assegurar um nível mínimo de qualidade das candidaturas, os candidatos seleccionados têm de pontuar pelo menos 30 pontos nos critérios qualitativos, sob pena de exclusão.

Leia mais

POAT/FSE QREN ( ) Critérios de Análise de Projecto

POAT/FSE QREN ( ) Critérios de Análise de Projecto POAT/FSE QREN (2007 2013) Critérios de Análise de Projecto Índice Página 1 - Critérios de análise 3 2 - Critérios comuns 4 3 - Critérios específicos 5 4 - Classificação 6 5 - Anexos 7 2 1. Critérios de

Leia mais

INTRODUÇÃO. Escola. Comunidade/ Território Local

INTRODUÇÃO. Escola. Comunidade/ Território Local INTRODUÇÃO Este documento foi concetualizado como uma ferramenta para a construção de um território Educador, em que a educação e a formação podem acontecer dentro e fora da escola, através da promoção

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DA OPERAÇÃO AVISO Nº ALT Sistema de apoio à Modernização e Capacitação da Administração Pública

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DA OPERAÇÃO AVISO Nº ALT Sistema de apoio à Modernização e Capacitação da Administração Pública REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DA OPERAÇÃO AVISO Nº ALT20 62 2015 10 Sistema de apoio à Modernização e Capacitação da Administração Pública (SAMA2020) DOMÍNIO DA COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

Referencial Estratégico para Monitorização do Desenvolvimento Social de Lisboa

Referencial Estratégico para Monitorização do Desenvolvimento Social de Lisboa EAPN Portugal / Rede Europeia Anti Pobreza Observatório de Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Referencial Estratégico para Monitorização do Desenvolvimento Social de Lisboa Documento realizado para

Leia mais

RESUMO PARA OS CIDADÃOS

RESUMO PARA OS CIDADÃOS RESUMO PARA OS CIDADÃOS Relatório Anual de Execução 2015 INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO DO PROGRAMA Para o Programa Operacional de Assistência Técnica 2014-2020 (POAT2020) foi determinante a aprovação do Acordo

Leia mais

Duarte Rodrigues. Sintra, 21 de Setembro 2009

Duarte Rodrigues. Sintra, 21 de Setembro 2009 Duarte Rodrigues Coordenador adjunto do Observatório do QREN Sintra, 21 de Setembro 2009 O desafio da cooperação institucional As respostas Clusterização (EEC) Os factores críticos de sucesso Parcerias

Leia mais

Porto, 15 de Julho de 2016

Porto, 15 de Julho de 2016 Porto, 15 de Julho de 2016 Elevar o nível de qualificação da população adulta balanço 2007-2013 A intervenção do QREN com vista à qualificação de adultos consubstanciou-se num investimento sem precedentes

Leia mais

QUE MEIOS FINANCEIROS?

QUE MEIOS FINANCEIROS? QUE MEIOS FINANCEIROS? PARA A CONSERVAÇÃO DA NATUREZA ATRAVÉS DO PO SEUR? HELENA PINHEIRO DE AZEVEDO MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS PARA CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E BIODIVERSIDADE 22 JUN 2015 TAPADA DE MAFRA Organização:

Leia mais

EIXO 4 QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL E VALORIZAÇÃO DO ESPAÇO RURAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 3

EIXO 4 QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL E VALORIZAÇÃO DO ESPAÇO RURAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 3 EIXO 4 QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL E VALORIZAÇÃO DO ESPAÇO RURAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO DO LITORAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 3 Nos termos do regulamento específico Acções de Valorização

Leia mais

INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES. Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação

INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES. Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação INDICE 1. OBJECTIVO 2. PORQUÊ A INICIATIVA? 3. PARA OS JOVENS: UMA OPORTUNIDADE NOVA 4. PARA OS ADULTOS:

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS O que são? Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional Os CQEP são estruturas do Sistema Nacional

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Évora, 9 de setembro de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral Baixo Alentejo

Leia mais

A partir da avaliação ex-ante: oportunidades e desafios do POCH

A partir da avaliação ex-ante: oportunidades e desafios do POCH A partir da avaliação ex-ante: oportunidades e desafios do POCH António Manuel Figueiredo Quaternaire Portugal 1º EVENTO ANUAL 2016.03.16 Lisboa Estrutura da apresentação TÓPICO 1 - A Agenda Estratégica

Leia mais

Avaliação Ambiental (AAE) - novos desafios -

Avaliação Ambiental (AAE) - novos desafios - 12ª Conferência de Ambiente do Técnico 31 de Maio, 2007 Avaliação Ambiental Estratégica (AAE) - novos desafios - Maria do Rosário Partidário O que é a AAE? Instrumento de política ambiental de apoio à

Leia mais

Eixo Prioritário V Governação e Capacitação Institucional. Sistema de Apoios à Modernização Administrativa (SAMA)

Eixo Prioritário V Governação e Capacitação Institucional. Sistema de Apoios à Modernização Administrativa (SAMA) Eixo Prioritário V Governação e Capacitação Institucional Sistema de Apoios à Modernização Administrativa (SAMA) CONVITE PÚBLICO PRÉVIO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA DE PROGRAMA DE ACÇÃO SAMA/1/2008

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Desagregação das medidas e das tipologias de atividades ESTRATÉGIA NACIONAL

Leia mais

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 1 Portugal 2020, o Acordo de Parceria (AP) que Portugal irá submeter à Comissão Europeia estrutura as intervenções, os investimentos e as prioridades de financiamento

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

Debate sobre as Estratégias de Desenvolvimento e os Modelos da Governança na Região Alentejo. Apresentação do Projecto

Debate sobre as Estratégias de Desenvolvimento e os Modelos da Governança na Região Alentejo. Apresentação do Projecto Debate sobre as Estratégias de Desenvolvimento e os Modelos da Governança na Região Alentejo Apresentação do Projecto Teresa Pinto-Correia e José da Veiga ICAAM Universidade de Évora e Direcção Regional

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA PLANO DE MELHORIA 2014 / 2016 ÍNDICE Introdução 3 Resultados da Avaliação Externa 4 Ações a contemplar no Plano de Melhoria 5 Conclusão 7 2 Introdução

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EIXO PRIORITÁRIO III PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS NATURAIS E TECNOLÓGICOS PREVENÇÃO E GESTÃO DE RISCOS CÓDIGO DO AVISO: POVT- 35-2010-35 14 de Junho

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados,

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, É presente, hoje, a esta Assembleia, o diploma que adapta à Região Autónoma da Madeira,

Leia mais

Escola Secundária José Saramago Mafra. Plano Estratégico

Escola Secundária José Saramago Mafra. Plano Estratégico Escola Secundária José Saramago Mafra Plano Estratégico 2014/2015 Preâmbulo O Plano Estratégico para 2014/2015 visa dar cumprimento ao disposto no artigo 15º do despacho normativo nº 6/2014, de 26 de maio.

Leia mais

CRITÉRIOS DA AVALIAÇÃO: TEXTO INTRODUTÓRIO 1. Marcos Olímpio Gomes dos Santos 2

CRITÉRIOS DA AVALIAÇÃO: TEXTO INTRODUTÓRIO 1. Marcos Olímpio Gomes dos Santos 2 CRITÉRIOS DA AVALIAÇÃO: TEXTO INTRODUTÓRIO 1 Marcos Olímpio Gomes dos Santos 2 ABSTRACT Neste texto são recenseados os critérios utilizados para sistematizar os resultados de um processo de avaliação,

Leia mais

Apresentação Programa TEIP3

Apresentação Programa TEIP3 Apresentação Programa TEIP3 Programa TEIP O Programa TEIP visa estabelecer condições para a promoção do sucesso educativo de todos os alunos e, em particular, das crianças e dos jovens que se encontram

Leia mais

PIIP Programas de Investimentos em Infraestruturas

PIIP Programas de Investimentos em Infraestruturas PIIP Programas de Investimentos em Infraestruturas Prioritárias Apresentação do Documento de Orientação Estratégica CCB Centro Cultural de Belém 05 de Julho 2005 Mandato Identificar as propostas de investimentos

Leia mais

Convite Público Apresentação de candidaturas

Convite Público Apresentação de candidaturas Convite Público Apresentação de candidaturas Eixo Prioritário V Governação e Capacitação Institucional PROMOÇÃO E CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL Aviso n.º: Centro-PCI-2010-07 As informações que constam do presente

Leia mais

PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL

PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL Decreto-Lei nº 3/2008 de 7 de janeiro Pela 1ª vez: Revisão (final de ciclo) : ESCOLA: Ano Letivo: 1. Identificação do Aluno: Nome: Data de nascimento: / / Ano: Turma: Nível

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA AGENDA AS 5 MARCAS DO POPH I EIXOS PRIORITÁRIOS II ARRANQUE DO PROGRAMA III I AS 5 MARCAS DO POPH AS 5 MARCAS DO POPH 1 O MAIOR PROGRAMA OPERACIONAL DE SEMPRE 8,8 mil M 8,8 Mil

Leia mais

Deliberação n.º 3/2016. Recursos Hierárquicos do Quadro de Referência Estratégico Nacional

Deliberação n.º 3/2016. Recursos Hierárquicos do Quadro de Referência Estratégico Nacional Deliberação n.º 3/2016 Recursos Hierárquicos do Quadro de Referência Estratégico Nacional O Decreto-Lei n.º 312/2007, de 17 de setembro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 74/2008, de 22 de abril, e pelo Decreto-Lei

Leia mais

Portugal Orientação para resultados e sistemas estatísticos

Portugal Orientação para resultados e sistemas estatísticos Portugal 2020. Orientação para resultados e sistemas estatísticos Duarte Rodrigues Vogal da Agência para o Desenvolvimento e Coesão SPEBT/CSE, 18 de março de 2015 Tópicos: 1. Matriz estratégica e operacional

Leia mais

Programa Operacional Regional do Norte ON.2

Programa Operacional Regional do Norte ON.2 Programa Operacional Regional do Norte 2007-2013 ON.2 Eixo Prioritário 2 Valorização Económica de Recursos Específicos Aviso XXX/ X /2009 Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo Modelo da Memória Descritiva

Leia mais

www.algarve.portugal2020.pt Região Competitiva, Resiliente, Empreendedora e Sustentável com base na valorização do Conhecimento CAPACITAR Fundo Social Europeu (FSE) Eixos Prioritários Prioridades de Investimento

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho.

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. Finalidades Identificar pontos fortes e fracos e oportunidades de

Leia mais

PLANO GLOBAL DE AVALIAÇÃO Orientações para o acompanhamento da implementação das recomendações das avaliações do Portugal 2020 (follow-up)

PLANO GLOBAL DE AVALIAÇÃO Orientações para o acompanhamento da implementação das recomendações das avaliações do Portugal 2020 (follow-up) PLANO GLOBAL DE AVALIAÇÃO 2014-2020 Orientações para o acompanhamento da implementação das recomendações das avaliações do Portugal 2020 (follow-up) julho 2016 Orientações para o acompanhamento da implementação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALLIS LONGUS PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALLIS LONGUS PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALLIS LONGUS PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA VALONGO, JUNHO 2013 INTRODUÇÃO O Plano de Melhoria constitui-se como instrumento de suporte à programação e à implementação da melhoria

Leia mais

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES MAPA DE S / 01. Dotar os responsáveis pela gestão escolar de formação técnica em Balanced Scorecard; 01.1. Dotar os Orgãos de Gestão de formação em BSC. Acção 1. Sensibilizar os órgãos de gestão para a

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO Identificação do avaliado Nome Categoria profissional actual Anos de serviço no ensino superior Anos de serviço na Unidade

Leia mais

II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios]

II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios] II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios] Painel: Como é que os destinos turísticos se estão a preparar? O caso do Destino Douro Porto, 18 de Junho

Leia mais

PORTUGAL Faça clique para editar o estilo apresentação. Não podemos prever o futuro mas podemos construí-lo!

PORTUGAL Faça clique para editar o estilo apresentação. Não podemos prever o futuro mas podemos construí-lo! apresentação PORTUGAL 2020 www.in-formacao.com.pt Não podemos prever o futuro mas podemos construí-lo! 03-02-2015 FAMALICÃO PORTO IN.03.03.00 1 INTRODUÇÃO O PORTUGAL 2020 é o Acordo de Parceria adotado

Leia mais

Anexo A. Protocolo do Estudo de Caso

Anexo A. Protocolo do Estudo de Caso Anexo A Protocolo do Estudo de Caso 140 Protocolo do Estudo de Caso - Especificação do Processo de Recolha de Informação O processo de recolha de informação no decorrer do estudo de caso respeita a três

Leia mais

(ii) Doze focus group temáticos de diagnóstico e propostas, nos quais participaram mais de 160 entidades;

(ii) Doze focus group temáticos de diagnóstico e propostas, nos quais participaram mais de 160 entidades; Exmos Senhores, Queria, antes de mais, começar por agradecer a Vossa presença deste dia histórico que marca a apresentação da Estratégia e Plano de Ação Alto Minho 2020 e, também, a celebração do respetivo

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário 4 Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL Centro-VQA-2009-13-BM-13 1 Nos termos do Regulamento Específico Acções

Leia mais

Revisão da Carta Educativa do Concelho de Cascais Elaboração do Plano Estratégico Educativo Municipal. Metodologia e Programa de Trabalhos

Revisão da Carta Educativa do Concelho de Cascais Elaboração do Plano Estratégico Educativo Municipal. Metodologia e Programa de Trabalhos Revisão da Carta Educativa do Concelho de Cascais Elaboração do Plano Estratégico Educativo Municipal Metodologia e Programa de Trabalhos 24 de fevereiro 2016 Agenda 1. Equipa de trabalho 2. Carta Educativa:

Leia mais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Cargo/Carreira/categoria Atribuições / Competências/Actividades Nº de postos Planeados Nº de postos de trabalho providos Observações (Universo

Leia mais

Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro

Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro Sessão de Esclarecimento e Debate sobre a Reforma da Administração Pública O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO SIADAP * Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro 1 O SIADAP Portaria nº1633/2007

Leia mais

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde CASCAIS SAUDÁVEL 1. Contexto SÓCIO-POLÍTICO: Saúde na ordem do dia Envelhecimento da população Sustentabilidade do SNS Transferência de competências para as Autarquias

Leia mais

TIPOLOGIA DE OPERAÇÃO: CURSOS VOCACIONAIS DE 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO

TIPOLOGIA DE OPERAÇÃO: CURSOS VOCACIONAIS DE 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Grelha de Análise e Seleção de Candidaturas TIPOLOGIA DE OPERAÇÃO: CURSOS VOCACIONAIS DE 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO AVISO n.º POCH - 66-2015-07 Nota Metodológica I - FIXAÇÃO DOS LIMIARES NAS ESCALAS BASEADAS

Leia mais

Gestão baseada no desempenho

Gestão baseada no desempenho Gestão baseada no desempenho Enquadramento conceptual do modelo em aplicação no Centro Hospitalar de Lisboa Central Daniel Ferro 7.12.2007 Modelo de Gestão do desempenho Permite: aumento da produtividade

Leia mais

Quadro Estratégico Comum

Quadro Estratégico Comum Quadro Estratégico Comum 2014-2020 Objetivos Prioridades Estrutura Orgânica Sociedade de Geografia de Lisboa, 8 de Julho de 2013 Piedade Valente Vogal da Comissão Diretiva do COMPETE Quadro Estratégico

Leia mais

Avaliação de Cursos, Novo Instrumento de Avaliação Institucional e a. Função da CPA neste contexto

Avaliação de Cursos, Novo Instrumento de Avaliação Institucional e a. Função da CPA neste contexto Avaliação de Cursos, Novo Instrumento de Avaliação Institucional e a Função da CPA neste contexto Profa. Dra. Marion Creutzberg Coordenadora da CPA / PUCRS Papel da CPA na avaliação de cursos de graduação

Leia mais

COMPÊNDIO DE INDICADORES FICHA DE INDICADORES Indicadores Específicos de Concurso Tipologia de Operações Programa Escolhas V1.0.

COMPÊNDIO DE INDICADORES FICHA DE INDICADORES Indicadores Específicos de Concurso Tipologia de Operações Programa Escolhas V1.0. Enquadramento 1 Justificação dos Indicadores O objetivo específico consiste no reforço da coesão social, aumentando o número de pessoas e territórios vulneráveis abrangidos. O Programa Escolhas enquadra-se

Leia mais

Eixo Prioritário 5: Reforçar a capacidade institucional e a eficiência na Administração Pública

Eixo Prioritário 5: Reforçar a capacidade institucional e a eficiência na Administração Pública Eixo Prioritário 5: Reforçar a capacidade institucional e a eficiência na Administração Pública Identificação 5 Título Reforçar a capacidade institucional e a eficiência na administração pública A totalidade

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA aprovados através de processo de consulta escrita concluído a 13 de Maio de 2015 METODOLOGIA E CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

Leia mais

Controlo das Administrações Públicas Novo Paradigma

Controlo das Administrações Públicas Novo Paradigma das Administrações Públicas Novo Paradigma Pressupostos: Reforço da base de acréscimo na nova Lei de Enquadramento Orçamental (LEO) Introdução da adaptação das normas internacionais de contabilidade para

Leia mais

Índice. Parte I: Organização, Racionalidade, Estruturas e Sistemas...7

Índice. Parte I: Organização, Racionalidade, Estruturas e Sistemas...7 Índice Prefáce de Jean-Louis Laville........................... xiii Prefácio........................................ xvii Nota.......................................... xxi Introdução Geral...................................

Leia mais

NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO

NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO 1. OBJECTIVOS DA NORMA REGULAMENTAR O que se pretende com a introdução

Leia mais

Experiência Supraconcelhia do Tâmega e Sousa

Experiência Supraconcelhia do Tâmega e Sousa Experiência Supraconcelhia do Tâmega e Sousa conjunto de ações e comportamentos estabelecidos através da interação social que permite aos parceiros, a capacidade de agir, participar e provocar mudança

Leia mais

Call para Concurso Observatório para a Educação

Call para Concurso Observatório para a Educação Call para Concurso Observatório para a Educação 1. Introdução A Fundação Belmiro de Azevedo lançou, em 2016, o EDULOG, uma entidade sem fins lucrativos com o objetivo de dinamizar a discussão sobre a educação

Leia mais

PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS

PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 32 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO (SI I&DT) PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS Nos termos do Regulamento do

Leia mais

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Brasília/DF, jun. 2015

Leia mais

ASSSSUNTTO Cria Agência Nacional para a gestão das 2ªs fases dos programas de acção comunitária: Leonardo da Vinci e Socrates

ASSSSUNTTO Cria Agência Nacional para a gestão das 2ªs fases dos programas de acção comunitária: Leonardo da Vinci e Socrates DIÁRIOS DA REPUBLLI ICA DEESSI IGNAÇÇÃO: : PPrrooggrraamaass EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério do Emprego e da Segurança Social ASSSSUNTTO Aprova o regime de apoio técnico e financeiro a programas de reabilitação

Leia mais

Centro Novas Oportunidades. Santa Casa da Misericórdia. de Lisboa. 1º Congresso de Auto-avaliação de Organizações de Educação e Formação

Centro Novas Oportunidades. Santa Casa da Misericórdia. de Lisboa. 1º Congresso de Auto-avaliação de Organizações de Educação e Formação Centro Novas Oportunidades Santa Casa da Misericórdia de Lisboa 1º Congresso de Auto-avaliação de Organizações de Educação e Formação 9 e 10 de Maio de 2011 - Universidade Católica Portuguesa - Lisboa

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA. Plano de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA. Plano de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA Plano de Melhoria Avaliação Externa de Escolas 2012-2013 Índice I. Resumo... 2 Objetivo Introdução Ponto de partida II. Áreas de intervenção... 4 A1 - O

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches 2016 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 28 de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O FUTURO - CAPITAL HUMANO PARA O CRESCIMENTO E O EMPREGO CONTRIBUTO DO POPH (ANOS 2013 E 2014)

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE ESCOLA SECUNDÁRIA DO RESTELO 402679 PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE 2010-2011 Desp.n.º 16034-2010, ME (20 Out.) VERTENTE PROFISSIONAL, SOCIAL E ÉTICA Compromisso com a construção e o uso do conhecimento

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS

INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CANDIDATURA À PRESIDÊNCIA DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS H ELENA S O USA A Equipa Presidente Helena Sousa Vice-Presidentes José Luís Meireles Teresa Ruão Emília Araújo Programa de Ação Ensinoaprendizagem

Leia mais

Língua Portuguesa Matemática. 1.º Ciclo do Ensino Básico

Língua Portuguesa Matemática. 1.º Ciclo do Ensino Básico 2011 PROVAS DE AFERIÇÃO Língua Portuguesa Matemática INFORMAÇÃO-PROVAS DE AFERIÇÃO 1.º Ciclo do Ensino Básico GAVE Provas de Aferição 2010-2011 1_7 INTRODUÇÃO Nos próximos dias 6 e 11 de Maio, de manhã,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁGUEDA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁGUEDA 2014 Plano de melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁGUEDA O Plano de Melhoria do Agrupamento de Escolas de Águeda surge na sequência do relatório da Avaliação Externa das Escolas realizada pela equipa de

Leia mais

ANÁLISE DO VALOR 1. DEFINIÇÃO

ANÁLISE DO VALOR 1. DEFINIÇÃO ANÁLISE DO VALOR 1. DEFINIÇÃO Método de competitividade organizado e criativo, visando a satisfação da necessidade do utilizador, baseado num processo específico de concepção, simultaneamente funcional,

Leia mais

Língua Portuguesa Matemática. 2.º Ciclo do Ensino Básico

Língua Portuguesa Matemática. 2.º Ciclo do Ensino Básico 2011 PROVAS DE AFERIÇÃO Língua Portuguesa Matemática INFORMAÇÃO-PROVAS DE AFERIÇÃO 2.º Ciclo do Ensino Básico GAVE Provas de Aferição 2010-2011 1_7 INTRODUÇÃO Nos próximos dias 6 e 11 de Maio, de manhã,

Leia mais

A problemática dos jovens testemunhos: Projeto SALM Promoção do emprego jovem, competências e mercado de trabalho

A problemática dos jovens testemunhos: Projeto SALM Promoção do emprego jovem, competências e mercado de trabalho A problemática dos jovens testemunhos: Projeto SALM Promoção do emprego jovem, competências e mercado de trabalho Toolkits - Serviços sociais e turismo senior: dirigido a jovens, empregadores, técnicos

Leia mais

Plano de Acção

Plano de Acção - 2 - Nota Prévia A Rede Social afirmou-se ao longo da sua criação como uma medida inovadora e com capacidade de produzir alterações positivas na intervenção social. Esta medida assumiu-se, desde início,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA PLANO DE MELHORIA Cuba Julho de 2012 1- Introdução A avaliação é um procedimento que permite à organização que o implementa modelar a sua identidade, analisar os pontos fortes

Leia mais

A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA

A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA Os Projetos de Lisboa para 2020 Teresa Almeida A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA Os Projetos de Lisboa para 2020 1. O Quadro Europeu 2. O Quadro Municipal 3. As

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO N.º CENTRO

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO N.º CENTRO REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS POR CONVITE PI 6.3 PRODUTOS TURÍSTICOS INTEGRADOS DE BASE INTERMUNICIPAL AVISO N.º CENTRO-14-2016-16 O Mérito do Projeto

Leia mais

Plano Global de Avaliação DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGIC0 NACIONAL E DOS PROGRAMAS OPERACIONAIS

Plano Global de Avaliação DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGIC0 NACIONAL E DOS PROGRAMAS OPERACIONAIS Plano Global de Avaliação DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGIC0 NACIONAL E DOS PROGRAMAS OPERACIONAIS 2007-2013 Índice 1. Preâmbulo 2 2. Objectivos e princípios gerais 3 3. Enquadramento normativo comunitário

Leia mais

PLANO DE AVISOS 2016 (*)

PLANO DE AVISOS 2016 (*) PO PO PO PO Calendário de de Dados do Identificação do Referência do Empreendedorismo Qualificado 3 3.1, 8.5 janeiro 16 abril 16 SI - 02/SI/2016 Inovação Empresarial Inovação Produtiva Científico e Tecnológico

Leia mais

OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto (Modelo I)

OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto (Modelo I) Identificação do Projeto OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto (Modelo I) Rede de Cooperação Técnica em Saúde da União de Nações

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO Avaliação Interna da EPDRR Ano Letivo 2015/2016 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 COMISSÃO DE TRABALHO 4 METODOLOGIA DE TRABALHO ADOTADA 4 DOMÍNIOS

Leia mais