9 Prototyping - Process to Progress

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "9 Prototyping - Process to Progress"

Transcrição

1 Oct. >> Dec. Jan. >> Apr. 9 Prototyping - Process to Progress Prototyping 1 Assembly Specifications Prototyping 2 Structural Requirements Prototyping 3 Components Interface Prototyping 4 Physical Validation Apr. >> Sep.

2 1 DESENHO EM SOFTWARE CAD ESTRUTURA GLOBAL ª FASE DE PROTOTIPAGEM VIRTUAL ª FASE DE PROTOTIPAGEM VIRTUAL PAINEL LATERAL ª FASE DE PROTOTIPAGEM VIRTUAL ª FASE DE PROTOTIPAGEM VIRTUAL ESQUEMA DE SUPORTE E APOIO DOS BANCOS DETALHES - LIGAÇÕES E COMPONENTES PROTOTIPAGEM RÁPIDA DEFICIÊNCIAS ENCONTRADAS PROTOTIPAGEM RÁPIDA COMPONENTES OBTIDOS PROTOTIPAGEM RÁPIDA OPERAÇÕES PARA RETIRAR RIBS PROTOTIPAGEM RÁPIDA PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS PROTOTIPAGEM RÁPIDA REPARAÇÃO DE DEFICIÊNCIAS NO MODELO PROTOTIPAGEM RÁPIDA ASSEMBLAGEM ENGENHARIA INVERSA DEFICIÊNCIAS ENCONTRADAS VISTAS DOS PONTOS NO SOFTWARE RHINOCEROS ESTUDO DOS VOLUMES PROTOTIPAGEM MODELO DE ESTUDO DIMENSÕES GERAIS MATERIAIS E PROCESSOS UTILIZADOS MODELO DE ESTUDO INTERFACE DE COMPONENTES MATERIAIS E PROCESSOS UTILIZADOS PROTÓTIPO FUNCIONAL MATERIAIS E PROCESSOS UTILIZADOS... ERRO! MARCADOR NÃO DEFINIDO.

3 PROTOTIPAGEM PROCESSO E PROGRESSO O trabalho realizado na cadeira de Modulação Geométrica, permitiu desenvolver a parte de desenho e modulação do painel através de várias ferramentas tais como software CAD (Computer Aided Design), reengenharia inversa (obtenção de pontos através de um modelo físico) e prototipagem rápida. Este relatório pretende apresentar o trabalho desenvolvido nesta disciplina e evidenciar algumas dificuldades e falhas com as quais nos deparamos durante a utilização de ferramentas de modelação geométrica. 1 DESENHO EM SOFTWARE CAD 108 O desenho em softwares CAD, teve o objectivo de definir com rigor geométrico a estrutura global de uma carruagem (ou salão ) de um veículo ferroviário e o respectivo painel lateral, no sentido de analisar todos os interfaces de ligação e componentes deste sistema. Este processo decorreu em duas fases distintas: Fase 1 em que foi desenvolvida uma versão simplificada (caixas pretas), cujo objectivo principal era conhecer um dos softwares CAD Catia V5 e ter a percepção geral de assemblagem do produto. Fase 2 numa fase mais adiantada de projecto, em que o painel sofrera melhorias ao nível da definição das interfaces, materiais, número de componentes resultando em pequenos ajustes dimensionais. Nesta fase foi utilizado um segundo software CAD Solidworks. Destas duas experiências, retivemos a sensação de que ambos os softwares CAD são bastante intuitivos e muito semelhantes. No entanto, o primeiro está a ser cada vez mais utilizado por um maior número de sectores industriais pelos ser módulos de gestão industrial de componentes, sistemas, com ligação a outras áreas como a comercial, gestão de stocks etc como tivemos ocasião de constatar e ver em prática na Bombardier Transportation (Amadora - Portugal).

4 1.1 ESTRUTURA GLOBAL ª FASE DE PROTOTIPAGEM VIRTUAL Fig 70 Estrutura do salão versão preliminar Fig 71 - Salão versão preliminar [Catia V5] [Catia V5] ª FASE DE PROTOTIPAGEM VIRTUAL Fig 72 Estrutura do Salão Cotada [Soliworks] Fig 73 Estrutura do Salão [Soliworks]

5 1.2 PAINEL LATERAL ª FASE DE PROTOTIPAGEM VIRTUAL Fig 74 Interior versão preliminar [Catia V5] Fig 75 - Exterior versão preliminar [Catia V5] Fig 16 Vista frontal versão preliminar [Catia V ª FASE DE PROTOTIPAGEM VIRTUAL Fig 77 Interior versão [Solidworks] Fig 78 Exterior versão [Solidworks] Fig 79 - Vista frontal [Solidworks] Como referido anteriormente, esta 2ª fase, decorreu já numa fase mais adiantada de projecto, em que o painel sofrera melhorias ao nível da definição da forma e interface

6 dos seus componentes. O que ilustramos a seguir é uma sequência do processo de montagem do painel: Fig 80 Sandwich com Fig 81 Seis Fig 82 Duas barras Fig 83 Cablagens Honeycomb suportes eléctricas 111 Fig 84 Condutas de A/C Fig 85 Difusor de A/C Fig 86 Vidro interior Fig 87 Juntas de aço

7 Fig 88 Rotação do painel Fig 89 Vidro interior Fig 90 Sandwich com revestimento exterior 112 Fig 91 - Sandwich com revestimento interior superior Fig 92 - Sandwich com revestimento interior inferior Fig 93 Barra de suporte dos bancos Fig 94 - Sandwich com revestimento interior médio

8 1.3 ESQUEMA DE SUPORTE E APOIO DOS BANCOS Fig 95 Apoio dos bancos Fig 96 vista lateral do painel com o apoio dos bancos Fig 97 dimensões gerais do suporte dos bancos 113 Fig 98 Elemento de ligação Fig 99 Aproximação à calha Fig 100 Encosto da parte superior Fig 101 Encosto da parte inferior Fig 102 Possibilidade de deslize e fixação para a direita Fig 103 Possibilidade de deslize e fixação para a esquerda

9 1.4 DETALHES - LIGAÇÕES E COMPONENTES 114 Fig 105 Dimensões do núcleo do painel Fig 106 Ligação ao núcleo do painel Fig 107 Fixação do elemento de ligação (cola e encaixe) Fig Elemento de ligação superior e inferior Fig 109 Dimensões das Fig Área Fig 111 Conduta de Fig 112 Saída do condutas disponível para A/C difusor de A/C iluminação

10 Fig 113 Assemblagem de um painel completo Fig 114 Módulo ou salão completo 2 PROTOTIPAGEM RÁPIDA 115 Os modelos obtidos em 3D (Painel e Estrutura Global da Carruagem) através do software Catia foram transformados num modelo físico por um processo de prototipagem rápida. Este processo foi extremamente valioso para facilitar a visualização do modelo fisicamente e poder avaliar e validar algumas questões dimensionais e pormenores de assemblagem numa fase preliminar do projecto. A impressora 3D utilizada para o efeito foi a ThermoJet, que construiu o modelo em cera através da sobreposição de camadas. Estas camadas vão sendo suportadas por apoios (ribs) também em cera, construídos para o efeito e que permitem a sustentação de superfícies pouco estáveis. Estes protótipos (com dimensões gerais situavam-se aproximadamente nos 10 cm de altura, 10 cm de largura e 25cm de comprimento) demoraram cerca de 10 horas até estarem concluídos pela Thermojet. Uma vez terminada a sua construção torna-se necessário retirar todos os ribs, tarefa que não deve ser realizada logo após a construção do modelo pois convém que esta operação seja realizada quando o modelo de cera se encontre um pouco rígido e para tal convém deixar que o mesmo arrefeça numa fonte de ar frio (a solução de recurso para o efeito foi a aproximação da saída de ar condicionado).

11 2.1 DEFICIÊNCIAS ENCONTRADAS Todo o processo é precedido por uma transformação do ficheiro oriundo do software CAD (foi usado o Catia) para um formato standard e reconhecido pela maioria dos programas, optou-se pelo formato *.IGES, para finalmente transformar este último num tipo de ficheiro reconhecido pela máquina de prototipagem rápida, o formato *.STL. Durante esta conversão de ficheiros houve perda de informação, nomeadamente o ficheiro final em formato *.STL (objectos formados por superfícies) continha alguns erros que resultaram num modelo físico imperfeito. Por inexperiência algumas das superfícies do modelo continham informação errada e as suas normais às faces externas estavam invertidas, isto é, direccionadas para dentro do sólido o que provocou nalguns casos a ausência dessa mesma superfície e consequentemente do sólido respectivo (exemplo: a estrutura global da carruagem ficou com falta de algumas vigas intermédias e as duas longarinas superiores, como se pode verificar nas figuras seguintes). 116 Outro tipo de má formação que nos sucedeu, derivou da posição das superfícies no tabuleiro de construção. Como se pode verificar nas figuras o tecto da carruagem, colocado na vertical, sofreu um grande empeno em todas as direcções. Segundo a informação recolhida e consulta dos procedimentos de boas práticas para o efeito, deve sempre colocar-se os objectos de forma a reduzir a área de varrimento (deposito de cera), em cada camada. Na referida consulta, ficamos também a saber que o software das máquinas de prototipagem rápida, nem sempre verificam correctamente a inversão das normais, como referido anteriormente, a solução encontrada é a utilização de software como o Magic. Parte do modelo que apresentou anomalias ou que a máquina não produziu, teve de ser acabado através de peças feitas anualmente e de enchimento com restos de cera e resina (ver figuras seguintes). Nota: Todas estas anomalias estão identificadas nas figuras seguintes com um sinal de cor vermelha.

12 2.2 PROTOTIPAGEM RÁPIDA COMPONENTES OBTIDOS 117 Fig 115 Componentes obtidos na ThermoJet

13 2.2.1 PROTOTIPAGEM RÁPIDA OPERAÇÕES PARA RETIRAR RIBS 118 Fig 116 Operação para retirar Ribs PROTOTIPAGEM RÁPIDA PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS Fig 117 Remate da superfície deficiente

14 Fig 118 Empeno na superfície PROTOTIPAGEM RÁPIDA REPARAÇÃO DE DEFICIÊNCIAS NO MODELO 119 Fig 119 Preparação da reconstrução do modelo

15 Fig Reparação de deficiências no modelo PROTOTIPAGEM RÁPIDA ASSEMBLAGEM

16 Fig Assemblagem de componentes com resina 3 ENGENHARIA INVERSA 121 A engenharia inversa, como o próprio nome indica, conduz inversamente todo o processo que descrevemos anteriormente, isto é, com base num modelo físico cria-se um modelo virtual em software CAD para posteriormente ser alvo de reformulações e melhorias. Como forma de testar este processo aproveitou-se o modelo construído pela prototipagem rápida e aplicou-se a engenharia inversa a um painel para posterior análise no Catia. A tecnologia utilizada neste processo é um braço mecânico com vários eixos que permitem um óptimo varrimento e maneabilidade no espaço, características importantes para este tipo de processo. O braço é composto por uma ponta metálica que se encosta ao objecto e a posição dos vários eixos permite obter uma leitura da posição desse ponto no espaço, com base numa referência definida no início da operação. Antes de executar qualquer medição, através do braço mecânico no painel lateral, determinaram-se quais os pontos a obter ou medir atendendo à geometria do painel e à sua simetria. Uma vez determinados os pontos procedeu-se à fixação do painel num torno e só depois se iniciou a localização dos pontos com a respectiva medida de referência no espaço. O software utilizado para efectuar a leitura dos pontos através do braço mecânico foi o Rhinoceros, cujo ficheiro foi convertido para o formato *.IGS. Uma vez concluído este processo converteu-se este para o software Catia. O painel final foi obtido através de algumas operações no Catia que permitem usar os pontos como referência de superfície e criar assim o objecto modelado.

17 3.1 DEFICIÊNCIAS ENCONTRADAS Uma dificuldade que se verificou foi a falta de precisão quando o objecto tem dimensões reduzidas (neste caso o painel tinha 8 cm de altura, 3,5 cm de largura e cerca de 3 mm de espessura) quer pela dimensão da ponta do braço quer pela dificuldade do operador em manter o braço estático durante a medição. O peso e a força necessária ao manuseamento do braço não permitem efectuar muitas medições consecutivas sem alternância de operadores. 122 Fig Engenharia inversa VISTAS DOS PONTOS NO SOFTWARE RHINOCEROS

18 Fig 123 Recriação do protótipo virtual a partir da leitura de pontos 4 ESTUDO DOS VOLUMES PROTOTIPAGEM Ao longo de todas as fases de projecto, sentimos necessidade de trabalhar os volumes e toda a fase de definição da forma foi acompanhada de modelos e maquetas. 123 A primeira, referida anteriormente (ponto 2), prototipagem rápida utilizando a Termojec, ajudou-nos a visualizar o problema da assemblagem de um painel que integrasse todos os componentes e principalmente a estruturar ideias, reflectir sobre as várias direcções que o projecto poderia seguir e principalmente optar pelo tipo de painel que iríamos desenvolver, dado ser um conceito que por não existir no processo actual de produção de veículos ferroviários, não tínhamos qualquer tipo de modelo a seguir. 4.1 MODELO DE ESTUDO DIMENSÕES GERAIS Seguidamente, através de um modelo de estudo à escala de 1:10cm testámos as dimensões gerais analisámos as interfaces entre o painel no geral considerando já o vidro, os pilares e as longarinas. Fig 124 Materiais usados Fig 125 Materiais usados Fig 126 Materiais usados

19 4.1.1 MATERIAIS E PROCESSOS UTILIZADOS Nesta fase os materiais utilizados foram principalmente ripas de madeira e balsa, poliestireno e colas (de poliestireno, de balsa e cola branca para madeira). A escolha destes materiais, deveu-se ao facto de termos este material disponível, dado ser excedentários de projectos anteriores. Não existiu nenhum motivo técnico ou formal para esta escolha. 4.2 MODELO DE ESTUDO INTERFACE DE COMPONENTES Numa terceira fase de prototipagem, excluindo a prototipagem virtual ou modelação geométrica que acompanhou todo o processo, com consecutivas actualizações, passámos a um modelo de estudo à escala 1:5cm, que acompanhou os desenhos com a mesma escala, enquanto definíamos já espaços de ocupação, ligações, suportes entre outros, dos diversos componentes como as cablagens eléctricas, tubagem de ar condicionado, isolamento térmico-sonóro, revestimentos interior e exterior, etc 124 Fig 127 Materiais usados Fig 128 Processo Fig 129 Modelo de estudo MATERIAIS E PROCESSOS UTILIZADOS Neste modelo, partimos de matrizes em cartão que garantiram a fidelidade do modelo relativamente à forma definida nos esboços e na modelação geométrica CAD, construímos as formas gerais e simplificadas de todos os componentes, utilizamos vidro e tubagens existentes no mercado à escala e simulámos os processos de quinagem e estampagem das chapas em cartão. A forma simplificada dos revestimentos interior e exterior, for concebida em poliestireno, coberto com diversas camadas finas de betume de poliéster aquoso, que

20 fazia o acabamento superficial e simultaneamente isolava o poliéster das tintas e colas que posteriormente seriam aplicadas. 5 PROTÓTIPO FUNCIONAL Esta foi uma fase de projecto, que gerou tanta polémica como realização e aprendizagem. Após vários processos de prototipagem com diferentes objectivos e processo, foi-mos proposto um desafio da construção de um protótipo funcional. Desde as primeiras discussões, chegamos à conclusão que o que faria sentido construir nesta fase era um protótipo à escala real, no qual seria analisado a interacção com o utilizador. Facto este, bastante valorizado ao longo de todo o projecto, que, em todas as fases de prototipagem descritas anteriormente, não teria sido incluído. 125 No entanto, haviam diversas condicionantes a analisar, por um lado os custos, tempo e recursos humanos não favoreciam esta aposta, contudo, a possibilidade de obter apoios financeiros e a disponibilidades entusiástica do Designer Yoshiharu Miyakawa no sentido de nos proporcionar o contacto directo com as técnicas, ferramentas e materiais utilizadas nos processos industriais actuais, fizeram tender a nossa decisão para a concepção de um modelo à escala real. Após a orçamentação dos materiais envolvidos e solicitação de patrocínios diversos, aguardámos a confirmação de patrocínio relativa aos materiais e componentes mais dispendiosos, já que por limitações de tempo não poderíamos prolongar mais o esforço de persuasão junto das instituições e empresas abordadas. Apostámos na realização de um protótipo funcional à escala real conscientes do investimento que fazíamos, tanto ao nível financeiro como ao nível da aprendizagem. A dificuldade que se seguiu, foi a transformação e adaptação do projecto, às condicionantes de dimensão e forma dos componentes que nos seriam dispensados. Adaptações essas, que condicionaram de alguma forma a validação funcional do protótipo, no entanto não inviabilizaram a análise dos resultados.

21 Fig 130 Aproximação da forma em mdf Fig 131 Construção da estrutura do modelo Fig 132 Enchimento das juntas com cola e serradura Fig 133 Colagem Fig 134 Preparação da mistura do catalizador e betume Fig 135 Aplicação do betume de polyester 126 Fig 136 Período de secagem Fig 137 Correcções das incorrecções Fig 138 Alisar a suprefície Fig 139 Aplicação de réguas com ângulo de saída Fig 140 Aplicação de Gelcoat Fig 141 Estrutura de madeira (gabari) para contrariar tensões da reacção

22 Fig 142 aplicação de cera desmoldante Fig 143 aplicação de camadas de resina e mantas de fibra de vidro Fig 144 Corte de rebarbas e acabamento final 127 Fig 145 Aplicação de formas aproximadas em poliuretano, entre guias de cartão Fig 146 Rebaixamento do poliuretano até às guias de cartão Fig 147 Forma definitiva Fig 148 Aplicação de betume de poliester Fig 149 Tratamento de superfície Fig 150 Aplicação final

23 Fig 151 Montagem da Fig 152 Alisamento do Fig 153 Acabamento da estrutura suporte para o piso soldadura 128 Fig 154 montagem do piso Fig 155 Aplicação da cola Fig 156 Colagem da superfície estrutural de ligação do painel à estrutura Fig 157 Rigor dimensional na Fig Soldadura Fig 159 Aplicação do sistema montagem de suporte dos bancos no painel

24 Fig 160 Sistema de suporte dos bancos Fig 161 Aplicação dos bancos Fig Modelo final 129 Fig 163 Exemplos de utilização

25 5.1.1 MATERIAIS E PROCESSOS UTILIZADOS Este ambicioso desafio, teve várias fases de construção pelo que vamos passar a descreve-las separadamente CONSTRUÇÃO DA MATRIZ E PROTÓTIPO INTERIOR EM FIBRA DE VIDRO A construção da matriz envolveu os seguintes passos: Criação da Forma aproximada em madeira Aplicação de Betume polyester Acabamento superficial com lixa fina Aplicação de gelcoat Aplicação de cera desmoldante Aplicação das mantas de fibra de vidro e resina a rolo Desmoldagem e corte para obtenção da Matriz 130 A construção do protótipo envolveu os seguintes passos: Aplicação de gelcoat Aplicação de cera desmoldante Aplicação das mantas de fibra de vidro e resina a rolo Desmoldagem e corte para obtenção da Matriz A construção da matriz começou com a criação de uma forma aproximada do protótipo através de uma estrutura em aglomerado de madeira com 16mm de espessura. O primeiro passo de aperfeiçoamento da forma base foi aplicar no aglomerado de madeira uma pasta composta por serradura resultante dos cortes efectuados, cola de madeira e um pouco de água para diluir (é preciso ter cuidado com a quantidade de água a ser misturada pois pode impedir a secagem da cola de madeira e obrigar a futuras correcções, casos estes que nos aconteceram). Uma vez obtida a estrutura base com a forma aproximada do protótipo pretendido, começa o processo de aplicação de betume de polyester em várias camadas (é preferível efectuar o processo várias vezes com camadas finas, pois camadas muito espessas podem estalar devido às tensões que se criam durante o processo de secagem onde ocorrem contracções). Em cada camada aplicada é conveniente lixar as superfície para receber as camadas posteriores. Depois de várias camadas e a obtenção da forma desejada com um acabamento superficial apurado (deve-se acabar

26 o processo com uma lixa seca de gramagem 600 ou 800, caso se use uma lixa de água a última gramagem deve ser 1200) As extremidades da matriz devem possuir abas que prolonguem o desenvolvimento da superfície e um ligeira curvatura para dar alguma rigidez à fibra de vidro quando esta for aplicada. Isto permite criar uma superfície direita e alinhada com a forma desejada. Isto deve ser considerado na construção inicial da forma, o que não sucedeu neste caso mas foi solucionado com uma aplicação de réguas com perfil em L. O processo seguinte é aplicar gelcoat (pode ser à pistola ou ao pincel) e seguidamente várias camadas de cera desmoldante (entre 6 a 8 camadas) para facilitar a desmoldagem. Por último aplicam-se as mantas de fibra de vidro (no nosso protótipo foram aplicadas mantas com gramagem de 220 e 350 em 3 camadas ficando a fibra de vidro final com 5 mm) e adiciona-se a resina passando com rolos para melhor infiltração e mistura da resina nas mantas. Após um período de 24 horas retira-se a matriz em fibra de vidro. 131 A construção do protótipo segue o mesmo processo anterior mas desta vez sobre a matriz em fibra de vidro, como mostram os pontos anteriores. Neste ponto foi criada uma peça em fibra de vidro o que justificou uma exposição mais detalhada de todo o processo. Nos pontos seguintes iremos apenas sintetizar o processo de construção por tópicos para descrever todo o processo que envolve muita operação de detalhe e assemblagem sem criação de peças de raíz CONSTRUÇÃO DA SUPERFÍCIE EXTERIOR DO PAINEL A construção da superfície exterior envolveu os seguintes passos: Construção da forma das calotes elipsoidais através de guias em cartolina Preenchimento da forma com paralelepípedos em poliuretano e respectivo desbaste Aplicação de betume de poliéster para isolar e ganhar rigidez Acabamento com lixa fina Pintura final

27 MONTAGEM DO PROTÓTIPO FINAL 132 A montagem do protótipo envolveu os seguintes passos: Criação de uma estrutura global de um veículo automóvel (restringida ao painel) em aço e soldada Criação do piso em aglomerado de madeira com 16 mm Criação do painel principal através de corte no HoneyComb Aplicação do vidro no painel com cola específica Criação da estrutura de apoio dos bancos em aço inox Aplicação da estrutura de apoio dos bancos o reforço exterior no painel Aplicação dos sistemas internos do painel (condutas de A/C, cabos eléctricos, etc) Colocação da parte interior da janela com duallock Colocação dos apoios do painel com cola estrutural Fixação do vidro exterior com silicone Fixação da superfície exterior ao painel Fixação do Painel à estrutura global com cola estrutural nas zonas de ligação (working time da cola estrutural são 8 minutos pelo que este processo requereu metodologia e coordenação) Criação do apoio dos bancos em aço Restyling dos bancos e fixação dos mesmos Aplicação dos bancos no painel A montagem e assemblagem final do painel à estrutura global demourou cerca de 28 horas.

Bastidores para fibra óptica

Bastidores para fibra óptica Apresentação A gama de armários para fibra óptica Olirack foi concebida para a instalação, protecção e isolamento de terminadores e repartidores ópticos. A fibra óptica é um filamento feito de vidro ou

Leia mais

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto Ficha de Produto Edição de Maio de 2011 Nº de identificação: 04.002 Versão nº 1 Sika CarboShear L Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte Construction Descrição do produto Utilizações

Leia mais

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4 Gesso Acartonado Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil Construção

Leia mais

Rev.1 18.01.2013. Estantes cantoneira

Rev.1 18.01.2013. Estantes cantoneira 18.01.2013 Estantes cantoneira O sistema de estantes em cantoneira foi concebido para satisfazer as necessidades de armazenagem nas indústrias, oficinas, armazéns, etc, tendo em vista uma solução económica.

Leia mais

Indice. 1 - Via Aéreas e Acessórios

Indice. 1 - Via Aéreas e Acessórios CATÁLOGO GERAL 2013 Indice 1 - Via Aéreas e Acessórios 1.1 - Birail em perfil de aço inox 1.2 - Birail em perfil de alumínio 1.3 - Monorail em perfil de alumínio 1.4 - Monorail ligeiro em perfil de alumínio

Leia mais

N.19 Agosto 2003 ESTUTURAS MISTAS. Mário Fernandes Patrícia Carvalho Ricardo Gouveia Ricardo Gouveia Rute Rodrigues

N.19 Agosto 2003 ESTUTURAS MISTAS. Mário Fernandes Patrícia Carvalho Ricardo Gouveia Ricardo Gouveia Rute Rodrigues N.19 Agosto 2003 ESTUTURAS MISTAS Mário Fernandes Patrícia Carvalho Ricardo Gouveia Ricardo Gouveia Rute Rodrigues EDIÇÃO: CONSTRULINK PRESS Construlink, SA Tagus Park, - Edifício Eastecníca 2780-920 Porto

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 09- Parte 8 - Desempenho Acústico de - Soluções Construtivas e Problemas típicos na Execução Reabilitação 09- Conteúdo da apresentação: Problemas típicos de soluções construtivas correntes

Leia mais

CONSTRUÇÃO MODULAR. Rev A 1-7-2011

CONSTRUÇÃO MODULAR. Rev A 1-7-2011 CONSTRUÇÃO MODULAR SM Rev A 1-7-2011 1 A U.E.M. Unidade de Estruturas Metálicas, SA com 15 anos de actividade, inicialmente direccionada para a fabricação e comercialização dos módulos pré-fabricados que,

Leia mais

Construção de Edícula

Construção de Edícula Guia para Construção de Edícula Guia do montador Mais resistência e conforto para sua vida. As paredes com Placas Cimentícias Impermeabilizadas e Perfis Estruturais de Aço Galvanizado para steel framing

Leia mais

Manual de aplicação de Painel Ondutherm

Manual de aplicação de Painel Ondutherm 1. Painel Sandwich Ondutherm O isolamento térmico de uma cobertura é fundamental para a correcta performance térmica do edifício. Este tem sido um aspecto muito menosprezado ao longo dos últimos anos.

Leia mais

Mezzo Compensação. cozinhas. Hottes > hottes tradicionais grande conforto. descrição técnica. p. 926. hotte de cozinha tradicional Conforto.

Mezzo Compensação. cozinhas. Hottes > hottes tradicionais grande conforto. descrição técnica. p. 926. hotte de cozinha tradicional Conforto. Hottes > hottes tradicionais grande conforto cozinhas Mezzo Compensação hotte de cozinha tradicional Conforto vantagens Compensação integrada. Filtros de choque montados de série. Iluminação encastrada

Leia mais

Oct. >> Dec. Jan. >> Apr. Apr. >> Sep. 2 Industrial context

Oct. >> Dec. Jan. >> Apr. Apr. >> Sep. 2 Industrial context Oct. >> Dec. Jan. >> Apr. 2 Industrial context Apr. >> Sep. 1 CONCEBER VEÍCULOS DE TRANSPORTE PÚBLICO SEGUNDO A POLÍTICA DA UNIÃO EUROPEIA... 9 2 TENDÊNCIA DA EVOLUÇÃO ESTRATÉGICA DO SECTOR... 9 3 TRANSPORTE

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE Estúdio de Arquitetura: Sustentabilidade Steel Framing Aluna: Gabriela Carvalho Ávila Maio de 2014 ÍNDICE 1 Introdução... 4 2 Sistema Ligth Steel Framing... 5 2.1

Leia mais

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5 !""#$!""%&'( Índice Página 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos..... 4 1.3. Andaimes metálicos...... 4 1.4. Bailéus........ 5 EPC 1/6 EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO COLECTIVA (texto provisório) 1.1

Leia mais

THERMOCUT 230/E. Instruções de Serviço

THERMOCUT 230/E. Instruções de Serviço Instruções de Serviço PT CARO CLIENTE! Para poder manusear o aparelho cortador de arame quente THERMOCUT da PROXXON em segurança e de acordo com as regras de funcionamento, solicitamos-lhe que leia atentamente

Leia mais

Informação para Profissionais

Informação para Profissionais Informação para Profissionais O soalho em madeira maciça pode ser aplicado e finalizado de diversas formas. Apresentam-se de seguida aquelas que são mais comuns. 1. Fixação 1.1. Fixação sobre sarrafos

Leia mais

Manual Técnico - OHRA E GAV. PLANO -

Manual Técnico - OHRA E GAV. PLANO - Manual Técnico - OHRA E GAV. PLANO - Material elaborado pelo departamento técnico da OfficeBrasil Desenvolvimento de Projetos e Produtos Última atualização: Março de 2013 Belo Horizonte, MG Linha Ohra

Leia mais

SEGURANÇA NA MONTAGEM DE ANDAIMES E ESCORAMENTOS IV JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO.

SEGURANÇA NA MONTAGEM DE ANDAIMES E ESCORAMENTOS IV JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO. SEGURANÇA NA MONTAGEM DE ANDAIMES E ESCORAMENTOS IV JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO. ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 1.1 HISTÓRIA 1.2 ORGANIGRAMA

Leia mais

veneza Armário de automação IP 55

veneza Armário de automação IP 55 Armário de automação IP 55 Armário de automação IP 55 veneza A solução flexível para compor A oferta da Hager acaba de ser ampliada com a nova série veneza, a solução ideal para realizar armários de automação,

Leia mais

SISTEMA SEMI-INDEPENDENTE

SISTEMA SEMI-INDEPENDENTE F SISTEMA SEMI-INDEPENDENTE renolit waterproofing EXCELLENCE IN ROOFING 1 SISTEMA SEMI-INDEPENDENTE INFORMAÇÃO DO PRODUTO alkorplan F 35276 Membrana sintética de impermeabilização, à base de PVC-P, armada

Leia mais

Plano da Qualidade. Obra: Decathlon - Matosinhos. Cliente: Omnitrade / Maia & Maia. Centro de Custo: 09845. Empreitada de Estrutura Metálica

Plano da Qualidade. Obra: Decathlon - Matosinhos. Cliente: Omnitrade / Maia & Maia. Centro de Custo: 09845. Empreitada de Estrutura Metálica Plano da Qualidade Empreitada de Estrutura Metálica Obra: Decathlon - Matosinhos Centro de Custo: 09845 Cliente: Omnitrade / Maia & Maia Edição: 01 Data:14-04-2009 Elaborado: Aprovado: pág.. 1/15 ÍNDICE

Leia mais

Modelação e Animação de um Motor a quatro tempos de um Aeromodelo

Modelação e Animação de um Motor a quatro tempos de um Aeromodelo Modelação e Animação de um Motor a quatro tempos de um Aeromodelo Alexandre Wragg Freitas, Soraia Castro Pimenta Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Rua Dr. Roberto Frias, s/n, 4200-465 Porto

Leia mais

EMPREENDIMENTO CIDADE FINANCEIRA: A CONSTRUÇÃO METÁLICA EM ANGOLA

EMPREENDIMENTO CIDADE FINANCEIRA: A CONSTRUÇÃO METÁLICA EM ANGOLA EMPREENDIMENTO CIDADE FINANCEIRA: A CONSTRUÇÃO METÁLICA EM ANGOLA Vitor C. França a, André A. Machado 2 b, Ângela S. Rodrigues 3 c e Hugo M. Sousa 4 d a Director de Projecto, TRIEDE S.A. b,c,d Chefe de

Leia mais

As membranas ECOPLAS PY 40, são fabricadas de acordo com as normas Europeias e são abrangidas

As membranas ECOPLAS PY 40, são fabricadas de acordo com as normas Europeias e são abrangidas DOCUMENTO TÉCNICO DE APLICAÇÃO SISTEMA SOTECNISOL PY40 LAJES DE PAVIMENTO EM CONTATO DIRECTO COM O SOLO DTA 01 Impermeabilização de lajes de pavimento FEVEREIRO DE 2012 1. - DESCRIÇÃO As membranas ECOPLAS

Leia mais

Datasheet. Solução de DATACENTER Bastidores 19 e Acessórios

Datasheet. Solução de DATACENTER Bastidores 19 e Acessórios Datasheet Solução de DATACENTER Bastidores 19 e Acessórios 2011 Armários 19 de Pavimento Qualidade de construção Desde o conceito até ao mais pequeno pormenor. Os produtos Facemate são cuidadosamente projectados

Leia mais

Armário Outdoor com. Free Cooling ou Ar Condicionado. www.facemate.net

Armário Outdoor com. Free Cooling ou Ar Condicionado. www.facemate.net Armário Outdoor com Free Cooling ou Ar Condicionado NOTAS Os armários outdoor estão desenhados para instalação em ambientes de exterior sujeitos a condições de chuva, vento, calor ou radiação solar. O

Leia mais

Excel - Ficha de Trabalho

Excel - Ficha de Trabalho Excel - Ficha de Trabalho Facturação Avançada O trabalho que se segue consistirá numa folha de cálculo com alguma complexidade, em que existirão diferentes folhas no mesmo livro. Neste serão criadas Bases

Leia mais

FINALIDADE DESTA ESPECIFICAÇÃO

FINALIDADE DESTA ESPECIFICAÇÃO SESC PANTANAL HOTEL SESC PORTO CERCADO POSTO DE PROTEÇÃO AMBIENTAL SÃO LUIZ BARÃO DE MELGAÇO/MT ESTRUTURAS METÁLICAS PARA COBERTURA DE BARRACÃO DEPÓSITO MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO VI 1. FINALIDADE DESTA

Leia mais

EMPRESA MISSÃO VISÃO VALORES

EMPRESA MISSÃO VISÃO VALORES EMPRESA A Axxio Pisos Elevados é fruto do compromisso permanente com a satisfação de seus clientes e com a inovação, com o intuito de que todos os serviços sejam cada vez mais ágeis e seguros. Para isso

Leia mais

Manual de Instalação Onducober

Manual de Instalação Onducober Manual de Instalação Onducober Para instalar correctamente as placas de cobertura Onducober Onduline, siga as instruções deste manual. (Este manual não é valido para Subtelha Onduline!!). A placa Onducober

Leia mais

SISTEMA DE ESTANTES MOVIPACK

SISTEMA DE ESTANTES MOVIPACK SISTEMA DE ESTANTES MOVIPACK MOVIPACK é um sistema de estantes móveis deslizando sobre carris. A vantagem óbvia do sistema é o aproveitamento de espaço em comparação com as estantes fixas que requerem

Leia mais

Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais

Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais CAD 2 Rua Comendador Santos da Cunha, 304, Ap. 2330 4701-904 Braga Tel: 00 351 253 20 94 30 Fax: 00

Leia mais

Nº2 JUNHO 2002 PAREDES DIVISÓRIAS DE PAINÉIS LEVES

Nº2 JUNHO 2002 PAREDES DIVISÓRIAS DE PAINÉIS LEVES Nº2 JUNHO 2002 PAREDES DIVISÓRIAS DE PAINÉIS LEVES Catarina Aguiar Bentes A monografia apresentada foi realizada no âmbito da cadeira de Tecnologias da Construção de Edifícios do 11º Mestrado em Construção

Leia mais

Soluções DataCenter Servidores

Soluções DataCenter Servidores Apresentação A gama de armários para DataCenter Olirack foi concebida para a instalação de equipamentos de telecomunicações e informáticos. Os espaços DataCenter são projectados para serem extremamente

Leia mais

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PADRÃO PARA COBERTURA DE QUADRA POLIESPORTIVA

Leia mais

03.1 DTA SISTEMA. com base. de fibra de. coberturas. Massa nominal: kg/ m2. Armadura 3,0. PY 150g/m2 4,0. Delegação Coimbra: Lugar do Brejo

03.1 DTA SISTEMA. com base. de fibra de. coberturas. Massa nominal: kg/ m2. Armadura 3,0. PY 150g/m2 4,0. Delegação Coimbra: Lugar do Brejo DOCUMENTO TÉCNICO DE APLICAÇÃO DTA 03.1 SISTEMA SOTECNISOL FV30 + PY40G COBERTURAS DE ACESSÍBILIDADE LIMITADA Impermeabilização de coberturas ABRIL DE 2011 1. DESCRIÇÃO As membranas ECOPLAS 30, ECOPLAS

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO. Página Índice Descrição. 1.01 A Descritivo 1.02 B Descritivo

CATÁLOGO TÉCNICO. Página Índice Descrição. 1.01 A Descritivo 1.02 B Descritivo Índice ÍNDICE F PÁG. 0.1 Página Índice Descrição 1.01 A Descritivo 1.02 B Descritivo Perfis 2.01 B Aros fixos 2.02 A Folhas móveis e reconstituição de folha 2.03 D Folha móvel, almofada e adaptador porta

Leia mais

PORTÃO SECCIONADO 2P

PORTÃO SECCIONADO 2P PORTÃO SECCIONADO 2P 1: MODELO RESIDENCIAL : 5000 x 3000 mm ( largura x altura ) Altura mínima de padieira calha dupla ( HPcdmin) : 200 mm Altura mínima Padieira calha simples ( HPcsmin): 375 mm Largura

Leia mais

ESQUADREJADORA. Princípios principais de utilização e precauções:

ESQUADREJADORA. Princípios principais de utilização e precauções: ESQUADREJADORA A esquadrejadora é uma máquina de serra circular que permite realizar cortes rectos de precisão, vazados ou interrompidos, de peças de grande dimensão. É constituída por um corpo com mesa

Leia mais

TRANSFORMADORES DE MEDIDA

TRANSFORMADORES DE MEDIDA TRANSFORMADORES DE MEDIDA Transformadores de tensão MT e de 60 kv Características e ensaios Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de Outubro

Leia mais

Ganzglasgeländer. Guardas em vidro sem prumos. Sistema de perfis para montagem frontal e superior

Ganzglasgeländer. Guardas em vidro sem prumos. Sistema de perfis para montagem frontal e superior Ganzglasgeländer Guardas em vidro sem prumos Sistema de perfis para montagem frontal e superior Índice Conjuntos, aplicações, ajudas de montagem 1402... 08 1400... 12 1404... 16 Componentes Perfis... 21

Leia mais

AUDITORIAS TECNOLÓGICAS

AUDITORIAS TECNOLÓGICAS AUDITORIAS TECNOLÓGICAS ÀS EMPRESAS ETF PROCESSO MUITO DISCUTIDO E MUITO ALTERADO EPERIÊNCIAS DE REALIZAÇÃO DE AUDITORIAS TECNOLÓGICAS NO PASSADO SOB O TEMA DA TECNOLOGIA ERA SOLICITADA E TRATADA MUITA

Leia mais

CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS CLT

CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS CLT SOLUÇÕES EFICIENTES PARA A ARQUITECTURA E CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS CLT PORTO, JUNHO 2015 ÁREAS DE ACTUAÇÃO: SOLUÇÕES DE ENGENHARIA CERTIFICAÇÃO VERTENTES PRINCIPAIS: INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PARCERIA

Leia mais

CAD/CAM Integrado para a Indústria da Madeira

CAD/CAM Integrado para a Indústria da Madeira TopSolid 'Wood CAD/CAM Integrado para a Indústria da Madeira Solução CAD/CAM/ERP totalmente integrada TopSolid Wood A solução CAD/CAM totalmente integrada para a Indústria da Madeira O TopSolid Wood é

Leia mais

INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA

INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA Encontro Nacional Betão Estrutural 2004 1 INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA P.B. LOURENÇO Prof. Associado EEUM Guimarães J. BARBOSA LOURENÇO Eng. Civil GPBL, Lda Porto D.V. OLIVEIRA

Leia mais

MANUAL DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS E CONSERVAÇÃO LINHA TÉCNICA COLEÇÃO MARUBO MADEPLAST PERGOLADOS

MANUAL DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS E CONSERVAÇÃO LINHA TÉCNICA COLEÇÃO MARUBO MADEPLAST PERGOLADOS MANUAL DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS E CONSERVAÇÃO LINHA TÉCNICA COLEÇÃO MARUBO MADEPLAST PERGOLADOS 1. Coleção Marubo... 02 2. Considerações antes de iniciar.... 06 3. Peças e Ferramentas... 07 4. Especificações

Leia mais

Catálogo de apresentação Divisórias Deslizantes

Catálogo de apresentação Divisórias Deslizantes Catálogo de apresentação Divisórias Deslizantes Adaptar o espaço à necessidades Acabamentos Variados Fácil Manuseamento Inovação Calha de Deslizamento Superior Mono - direccional e Multi - direccional

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Portaria 029/2015 EMENTA: Normatiza a padronização do mobiliário existente do CRF-ES e dá outras providências. O Presidente do CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - CRF/ES, no uso

Leia mais

Ensaios de Pressão em Colectores de Águas Residuais Domésticas Especificação Técnica

Ensaios de Pressão em Colectores de Águas Residuais Domésticas Especificação Técnica 1. ÂMBITO Esta especificação diz respeito à instalação de tubagem e realização de ensaios em redes de colectores nos sistemas de drenagem de águas residuais domésticas. Tem por objectivo garantir a boa

Leia mais

Impermeável Protector Resistente impermeabilizações objectivo - problema - solução objectivo 1 Prevenir a infiltração de água para os pavimentos e paredes das cozinhas, casas de banho, balneários e outros

Leia mais

FLEXIBILIDADE DO DESIGN DE PRODUTO COMO RESPOSTA À VARIAÇÃO DAS CONDICIONANTES TECNOLÓGICAS DE FABRICO

FLEXIBILIDADE DO DESIGN DE PRODUTO COMO RESPOSTA À VARIAÇÃO DAS CONDICIONANTES TECNOLÓGICAS DE FABRICO Encontro Nacional de Materiais e Estruturas Compósitas ECMEC2010 A. J. M. Ferreira (Editor) FEUP, Porto, 2010 FLEXIBILIDADE DO DESIGN DE PRODUTO COMO RESPOSTA À VARIAÇÃO DAS CONDICIONANTES TECNOLÓGICAS

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. DO OBJETO 1.1. Contratação de empresa especializada para eventual fornecimento, montagem e instalação de mobiliário, para a Procuradoria Regional do Trabalho da 2a Região

Leia mais

A INSTITUTO FEDERAL DE MINAS GERAIS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES Fone:(31)2513-5198 Fax: (31) 2513-5203 PREGÃO ELETRÔNICO 175/2013

A INSTITUTO FEDERAL DE MINAS GERAIS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES Fone:(31)2513-5198 Fax: (31) 2513-5203 PREGÃO ELETRÔNICO 175/2013 A INSTITUTO FEDERAL DE MINAS GERAIS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES Fone:(31)2513-5198 Fax: (31) 2513-5203 PREGÃO ELETRÔNICO 175/2013 1 1. DADOS DO FORNECEDOR 1.1 Dados Cadastrais da Empresa Razão Social:

Leia mais

Fachadas Fichas de Aplicação

Fachadas Fichas de Aplicação Fichas de Aplicação Ventiladas - Sistema de s Ventiladas - Viroclin Ventiladas - Virocnail Ventiladas - Sistema Misto Consulte o Dossier Técnico Viroc disponível em www.viroc.pt, na página de Downloads.

Leia mais

Schlüter -KERDI-BOARD Base de aplicação, placa de construção, impermeabilização conjunta

Schlüter -KERDI-BOARD Base de aplicação, placa de construção, impermeabilização conjunta Base de aplicação, placa de construção, impermeabilização conjunta A base universal para a aplicação de cerâmica No ponto! Seja no caso de mosaicos ou cerâmicas de grande formato, o que é decisivo para

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

CATÁLOGO Network, Datacom e Telecom

CATÁLOGO Network, Datacom e Telecom CATÁLOGO Network, Datacom e Telecom 20 GABINETES Linha EF São diversas opções de gabinetes tanto para ambientes limpos quanto para o chão de fábrica, que comportam de a 1.000 de equipamentos. GABINETES

Leia mais

acessibilidade das pessoas com mobilidade condicionada nos fogos municipais

acessibilidade das pessoas com mobilidade condicionada nos fogos municipais acessibilidade das pessoas com mobilidade condicionada nos fogos municipais Promover nos fogos municipais condições de acessibilidade eliminando as barreiras físicas que constituem obstáculo à PROJECTO

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES TL-350

MANUAL DE INSTRUÇÕES TL-350 MANUAL DE INSTRUÇÕES TL-350 1. COMO COLOCAR BOBINA No tirante rosqueado, coloque as seguintes peças na ordem: Suporte de alumínio, arruela cônica e arruela rosqueada. Coloca-se a bobina de BOPP. Na outra

Leia mais

Avaliação do desempenho estrutural de pontes

Avaliação do desempenho estrutural de pontes Avaliação do desempenho estrutural de pontes Luís Oliveira Santos Laboratório Nacional de Engenharia Civil Seminário Gestão da Segurança e da Operação e Manutenção de Redes Rodoviárias e Aeroportuárias

Leia mais

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL PROGRAMA PRELIMINAR CENTRO ESCOLAR DE S.JULIÃO/TAVAREDE PROJECTOS DE ESPECIALIDADES 1 1. Introdução Pretende a Câmara Municipal da Figueira da Foz, desenvolver

Leia mais

1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA FERROVIÁRIA... 20.19.

1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA FERROVIÁRIA... 20.19. 1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA FERROVIÁRIA... 20.19. ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA

Leia mais

FICHA TÉCNICA DA HABITAÇÃO

FICHA TÉCNICA DA HABITAÇÃO FICHA TÉCNICA DA HABITAÇÃO provisória definitiva 1. Prédio urbano / fracção autónoma Morada Código Postal - Inscrito na matriz predial da freguesia de art.º n.º Registado na Conservatória do Registo Predial

Leia mais

Estantes para picking

Estantes para picking M7 Estantes para picking Sistema de armazenagem de produtos para picking manual que segue o princípio homem a produto. Principais vantagens: - Possibilidade de armazenar produtos de carga média e grande.

Leia mais

Descrições Técnicas (Armários)

Descrições Técnicas (Armários) Produtos Metálicos e Equipamentos, Lda (Grupo Levira) Descrições Técnicas (Armários) Armários de Parede O sistema de armários proposto consiste na execução de armários modulares, totalmente desmontáveis,

Leia mais

Vantagens das Telhas Spot

Vantagens das Telhas Spot Vantagens das Telhas Spot Resistência e Longevidade A alta qualidade dos materiais e a tecnologia do processo produtivo da Spot, possibilitam uma resistência superior a 250 kgf, garantindo assim a longevidade

Leia mais

DTA 08 MUROS. base em. Impermeabilização. de muros. Massa nominal: kg/ m2. Armadura 4,0. PY 150g/m2. Delegação Coimbra: Lugar do Brejo

DTA 08 MUROS. base em. Impermeabilização. de muros. Massa nominal: kg/ m2. Armadura 4,0. PY 150g/m2. Delegação Coimbra: Lugar do Brejo DOCUMENTO TÉCNICO DE APLICAÇÃO SISTEMA SOTECNISOL MUROS MUROS DE SUPORTE E CAVES DTA 08 Impermeabilização de muros de suporte e caves ABRIL DE 2011 1. DESCRIÇÃO As membranas ECOPLAS PY 40, são fabricadas

Leia mais

P812 BAVIERA EXPO. Projecto de Execução da Reparação da impermeabilização da cobertura

P812 BAVIERA EXPO. Projecto de Execução da Reparação da impermeabilização da cobertura P812 BAVIERA EXPO Projecto de Execução da Reparação da Abril 2014 MEMÓRIA DESCRITIVA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MEDIÇÕES ANEXOS ÍNDICE DE PEÇAS DESENHADAS ÍNDICE Memória Descritiva... 6 1 Introdução...

Leia mais

DTA 11 SISTEMA. com base. de fibra de. O sistema. caleiras. Massa nominal: kg/ m2. Armadura 4,0 4,0. PY 150g/m2. Delegação Coimbra: Lugar do Brejo

DTA 11 SISTEMA. com base. de fibra de. O sistema. caleiras. Massa nominal: kg/ m2. Armadura 4,0 4,0. PY 150g/m2. Delegação Coimbra: Lugar do Brejo DOCUMENTO TÉCNICO DE APLICAÇÃO SISTEMA SOTECNISOL FV40 + PY40G IMRMEABILIZAÇÃO DE CALEIRAS DTA 11 Impermeabilização de caleiras ABRIL DE 2011 1. DESCRIÇÃO As membranas ECOPLAS 40, ECOPLAS PY 40G são fabricadas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARLOS BARBOSA SECRETARIA MUNICIPAL DE PROJETOS E OBRAS PÚBLICAS MEMORIAL DESCRITIVO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARLOS BARBOSA SECRETARIA MUNICIPAL DE PROJETOS E OBRAS PÚBLICAS MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: MÓVEIS PARA SECRETARIA DE PROJETOS E OBRAS PÚBLICAS RUA ASSIS BRASIL, 11, CENTRO CARLOS BARBOSA GENERALIDADES O presente documento tem por objetivo: Instruir as condições que

Leia mais

35 3754-909 ÁGUEDA PORTUGAL

35 3754-909 ÁGUEDA PORTUGAL Estantes Metalo-Plásticas Caixas Stock Perfil Mini-Contentores Tinas Malas de Ferramenta Apartado 35 3754-909 ÁGUEDA PORTUGAL E-mail: suc@suc.pt Tel. +351 234 623 007/8 Site: www.suc.pt Fax +351 234 622

Leia mais

AR CONDICIONADO. 7 ramificações Ø6.35 ARBL107 Ø12.7. 10 ramificações Ø6.35 Ø9.52 ARBL1010 Ø12.7. 10 ramificações Ø6.35 ARBL2010 P.V.P.

AR CONDICIONADO. 7 ramificações Ø6.35 ARBL107 Ø12.7. 10 ramificações Ø6.35 Ø9.52 ARBL1010 Ø12.7. 10 ramificações Ø6.35 ARBL2010 P.V.P. LG quadriptico Multi V IMP 06/08/10 16:21 Page 1 AR CONDICIONADO 4. Selecção dos Colectores para o Multi V PLUS/SPACE Selecção dos colectores de acordo com os diâmetros de tubagem. Modelos Tubos de Gás

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MONTA-AUTOS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MONTA-AUTOS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MONTA-AUTOS MODELOS MCH 1/8 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MONTA AUTOS APLICAÇÃO APLICAÇÃO Transporte vertical de veículos acompanhados do condutor, a cabina terá as dimensões adequadas

Leia mais

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FORMAS E ARMADURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I CUSTO DA ESTRUTURA (SABBATINI, et. Al, 2007) CUSTO DOS ELEMENTOS DA ESTRUTURA

Leia mais

VÁLVULAS DE RETENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO SÉRIE: R

VÁLVULAS DE RETENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO SÉRIE: R 22/04/2013 MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO SÉRIE: R cmo@cmo.es http://www.cmo.es pág. 1 MONTAGEM DESCRIÇÃO Directiva sobre máquinas: DIR 2006/42/CE (MÁQUINAS). Directiva sobre equipamentos sob pressão:

Leia mais

INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS

INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS LISBOA, JULHO 2015 SISTEMA CONSTRUTIVO CLT - CONCEITO CARACTERÍSTICAS GERAIS ESTRATOS ORTOGONAIS

Leia mais

Soluções Recomendadas

Soluções Recomendadas Cement Wood Board Soluções Recomendadas Fachadas Fichas de Aplicação Fachadas Ventiladas Sistema de s Fachadas Aplicação: Exterior Estrutura de suporte: Madeira ou metal Fixação: s de cabeça externa Espessura:

Leia mais

Filtros & Mantas FILTROS: UNIVENT ABSOLUTOS DE MALHA CARVÃO ACTIVADO METÁLICOS DE BOLSAS ABSOLUTOS ENVAIR MARCAIR ZETAIR DESCARTÁVEIS

Filtros & Mantas FILTROS: UNIVENT ABSOLUTOS DE MALHA CARVÃO ACTIVADO METÁLICOS DE BOLSAS ABSOLUTOS ENVAIR MARCAIR ZETAIR DESCARTÁVEIS FILTROS: Apresentamos uma variada gama de Filtros e Mantas Filtrantes para diversas aplicações: cozinhas industriais e domésticas. ESPUMA Filtros Univent Absolutos... Página 2 Filtros De Malha... Página

Leia mais

Competição. Regras e Especificações Técnicas Classe UIP (2002/3/11)

Competição. Regras e Especificações Técnicas Classe UIP (2002/3/11) Competição Regras e Especificações Técnicas Classe UIP (2002/3/11) Índice Pág. 1. ROBOT... 1 Dimensões...1 Autonomia...1 Segurança...1 2. ÁREA DE COMPETIÇÃO... 1 2.1. Pista...1 Dimensões...1 Cores...2

Leia mais

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR. O sistema de acabamento leve para isolamento térmico e protecção de paredes

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR. O sistema de acabamento leve para isolamento térmico e protecção de paredes SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR O sistema de acabamento leve para isolamento térmico e protecção de paredes O SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO DA VIERO O sistema de isolamento térmico da VIERO

Leia mais

1/5. be-16. Bancada laboratório 2 CUBAS 50x40x25cm (L=180cm) eco. Componentes. Código de listagem. Atenção. Revisão Data Página 1 04/04/14

1/5. be-16. Bancada laboratório 2 CUBAS 50x40x25cm (L=180cm) eco. Componentes. Código de listagem. Atenção. Revisão Data Página 1 04/04/14 /5 2/5 3/5 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Tampo de granito polido (L=65cm, e=2cm), cinza andorinha ou cinza corumbá, com moldura perimetral (3,5x2cm) e frontão (7x2cm), conforme detalhe. Alvenaria de apoio

Leia mais

Ventilação na Restauração

Ventilação na Restauração Ventilação na Restauração As deficiências na climatização e na exaustão de fumos dos Restaurantes são um problema frequente. Muitas vezes há deficiente extracção de fumos, com caudais de ar insuficientes,

Leia mais

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Produto: Parabond 700 é um adesivo de alta qualidade, cura rápida, permanentemente elástico, à base de MS polímero, com

Leia mais

CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS

CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS 20.1 INTRODUÇÃO A madeira, devido à sua natureza, é um material muito sujeito a ataques de agentes exteriores, o que a torna pouco durável. Os

Leia mais

PRENSAGEM COM VÁCUO Owens Corning

PRENSAGEM COM VÁCUO Owens Corning Abril 2001 PRENSAGEM COM VÁCUO Os processos para transformar resinas poliéster reforçadas com fibras de vidro podem ser sofisticados e caros, como a prensagem a quente, ou simples e baratos, como a laminação

Leia mais

7. Exemplos de Aplicação

7. Exemplos de Aplicação 7. Exemplos de Aplicação Neste parágrafo vamos procurar exemplificar o tipo de informação que é possível obter com a leitura deste manual. Pretende-se, a partir de dados típicos, dar uma ideia geral do

Leia mais

PROCEDIMENTO DE REALIZAÇÃO MONTAGEM E DESMONTAGEM DAS PLATAFORMAS MÓVEIS

PROCEDIMENTO DE REALIZAÇÃO MONTAGEM E DESMONTAGEM DAS PLATAFORMAS MÓVEIS P.880.0 de 20 REGISTO DE ALTERAÇÕES: Elaborado Verificado Aprovado EDIÇÃO DESCRIÇÃO Representante Permanente do empreiteiro em obra Gestor da Qualidade (Obra) Director Técnico Empreitada Data Criação (PA)

Leia mais

Carta de Apresentação. Fazemos melhor, porque sabemos como!

Carta de Apresentação. Fazemos melhor, porque sabemos como! ESTRUTURA METÁLICA Carta de Apresentação Fazemos melhor, porque sabemos como! Todas as grandes empresas passam por um caminho gradual que as faz enfrentar problemas, ultrapassar barreiras e crescer. Esse

Leia mais

UMC Inventor 8 Procedimento para criação de um modelo de peça paramétrica simples projeto Projeto.

UMC Inventor 8 Procedimento para criação de um modelo de peça paramétrica simples projeto Projeto. UMC - Tecnologia de Automação Industrial Desenho 3 Prof.: Jorge Luis Bazan. Modulo 2 Inventor 8 Procedimento para criação de um modelo de peça paramétrica simples a) Defina um novo projeto para conter

Leia mais

Capítulo 11. Apresentação de simuladores visuais e interactivos desenvolvidos com o Microsoft Visual C++

Capítulo 11. Apresentação de simuladores visuais e interactivos desenvolvidos com o Microsoft Visual C++ Capítulo 11 Alguns simuladores orientados a objectos Apresentação de simuladores visuais e interactivos desenvolvidos com o Microsoft Visual C++ 11. Alguns simuladores orientados a objectos Apesar de existir

Leia mais

T3 105 M2 + 30 M2 DECK 28 M2 GARAGEM

T3 105 M2 + 30 M2 DECK 28 M2 GARAGEM T3 105 M2 + 30 M2 DECK 28 M2 GARAGEM 2 Discovercasa Lda NIF: 509397573 Avenida Gaspar Baltar nº25 1. 4560-242 Penafiel - Portugal 3 Discovercasa Lda NIF: 509397573 Avenida Gaspar Baltar nº25 1. 4560-242

Leia mais

SISTEMA LISROLL. www.lismarca.pt CATÁLOGO TÉCNICO

SISTEMA LISROLL. www.lismarca.pt CATÁLOGO TÉCNICO SISTEMA LISROLL www.lismarca.pt CATÁLOGO TÉCNICO 2 MAIS DO QUE UM ESTORE AJUSTÁVEL, UMA PERSIANA AJUSTÁVEL... Índice Características Especificações técnicas Ficha técnica Motores Certificados pág. 4 pág.

Leia mais

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real A referenciação dos percursos como componentes da estrutura edificada (in Magalhães, Manuela; Arquitectura

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS 1 Necessidade das base de dados Permite guardar dados dos mais variados tipos; Permite

Leia mais

Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos

Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos Foto autor 2 José Costa CIARGA Argamassas Secas Portugal jdcosta@cimpor.pt Catarina Coelho CIMPOR Indústria de Cimentos

Leia mais

Descrição Geral...2. Aplicação em Obra...2. Pontos Singulares... 3. Manutenção... 4. Ambiente... 4. Segurança... 4. Sistemas de Impermeabilização...

Descrição Geral...2. Aplicação em Obra...2. Pontos Singulares... 3. Manutenção... 4. Ambiente... 4. Segurança... 4. Sistemas de Impermeabilização... ÍNDICE Descrição Geral...2 Aplicação em Obra...2 Pontos Singulares... 3 Manutenção... 4 Ambiente... 4 Segurança... 4 Sistemas de Impermeabilização... 5 Coberturas Acessíveis... 5 Coberturas de Acessibilidade

Leia mais